CARLOS MARTINS DELGADO NETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARLOS MARTINS DELGADO NETO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UEL Centros de Ciências Sociais Aplicadas Departamentos de Administração MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO - GESTÃO DE NEGÓCIOS CARLOS MARTINS DELGADO NETO AVALIAÇÃO DO SUCESSO NA IMPLANTAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO REALIZADO NAS GRANDES EMPRESAS DE LONDRINA FILIADAS À FIEP Maringá 2006

2 CARLOS MARTINS DELGADO NETO AVALIAÇÃO DO SUCESSO NA IMPLANTAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO REALIZADO NAS GRANDES EMPRESAS DE LONDRINA FILIADAS À FIEP Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração Gestão de Negócios, da Universidade Estadual de Maringá e da Universidade Estadual de Londrina como requisito para obtenção do título de Mestre. Orientador Prof. Dr. Álvaro José Periotto Maringá 2006

3 CARLOS MARTINS DELGADO NETO AVALIAÇÃO DO SUCESSO NA IMPLANTAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO REALIZADO NAS GRANDES EMPRESAS DE LONDRINA FILIADAS À FIEP Dissertação aprovada como requisito para obtenção do grau de Mestre no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Estadual de Maringá e Universidade Estadual de Londrina, pela seguinte banca examinadora: Aprovada em 08/ 03/ Prof. Dr. Álvaro José Periotto (PPA-UEM) Prof. Dr. Paulo da Costa Lopes (PPA-UEL) Prof. Dr. Dirceu Moreira Guazzi (UEL)

4 À minha Família À amiga Cíntia A todos os que me incentivaram a ministrar aulas

5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar à minha família, por ter suportado todos os momentos em que não pude estar presente, devido ao tempo dedicado a desenvolver esse trabalho. Ao meu orientador, Prof. Dr. Álvaro José Periotto, que com sua calma, lucidez e disponibilidade, além de todo o seu conhecimento, tornou possível a realização dessas páginas. Agradeço-lhe principalmente pelas orientações e pelo incentivo constante. A todos os alunos com os quais convivi nesses nove anos ministrando aulas de pósgraduação, em diferentes cursos, cidades e faculdades, que muito me motivaram a continuar nessa área. A todos os colegas de mestrado com os quais compartilhei aulas num ambiente extremamente agradável, tanto como aluno regular como quando aluno especial. Aos participantes entrevistados nessa pesquisa, que cederam parte de seu precioso tempo colaborando com esse trabalho. Aos docentes e secretários, Bruhmer e Francisco, do Programa de Mestrado em Administração (PPA) UEL-UEM. Ao Prof. Dr. Ivan Dutra (in memorian), professor e amigo, por todo o apoio que me deu tanto a ministrar aulas quanto a tentar o mestrado.

6 Uma década atrás, algumas empresas que promoviam a globalização tendiam a repetir a expressão pense globalmente, atue localmente como se fosse um mantra. Poucas empresas realmente prestaram atenção nisso a não ser para repetir a expressão em discursos e relatórios anuais. Eu afirmo que devemos hoje ressuscitar a expressão com um foco diferente: Atue globalmente e conecte-se localmente. Regis McKenna (2002)

7 DELGADO NETO, CARLOS MARTINS. Avaliação do Sucesso na Implantação da Infraestrutura de Tecnologia da Informação: Um estudo realizado nas grandes empresas de Londrina filiadas à FIEP. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Estadual de Maringá / Universidade Estadual de Londrina. RESUMO Esse estudo baseia-se na técnica para mensurar e analisar a satisfação do usuário de informática, começando com o trabalho de Bailey e Pearson. Uma técnica de entrevista crítica onde 39 fatores que afetam a satisfação do usuário de informática foram identificados. A técnica de escala de diferencial semântico foi adaptada e o questionário para medir a satisfação do usuário foi traduzido para a língua portuguesa. Finalmente, o instrumento foi testado em cinco grandes empresas de Londrina. Mais do que uma ferramenta para pesquisa de satisfação, esse trabalho busca medir a relação entre a implantação da infra-estrutura de TI e a satisfação do usuário de informática. Os fatores mais importantes encontrados foram registrados em 22 tabelas. Palavras-chave: Tecnologia da informação, sistemas de informação, satisfação do usuário de TI.

8 DELGADO NETO, CARLOS MARTINS. Success Evaluation in the Implementation of Information Technology Infrastructure: a Study carried out in Londrina s Big Companies affiliated to FIEP. Dissertation in Management Master Degree. Universidade Estadual de Maringá / Universidade Estadual de Londrina. ABSTRACT This study reports on a technique for measuring and analyzing computer user satisfaction. Starting with the Bailey and Pearson s scientific work, a critical incident interview technique, 39 factors affecting satisfaction were identified. Adapting the semantic differential scaling technique, the questionnaire for measuring satisfaction was then translated to Portuguese language. Finally, the instrument was tested with five big companies located in Londrina. More than a satisfaction research tool, this work searches to measure the link between Information Technology (IT) infrastructure management and computer user satisfaction. The most important factors found in this work were registered in 22 tables. Key words: Information technology, information systems, computer user satisfaction.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Pág. Figura 1 Ambiente representando grupos assistidos pelos tipos de SI...29 Figura 2 - Desenho de pesquisa...41 Quadro 1 - Escala de 7 intervalos...44 Quadro 2 - Os 4 pares de adjetivos bipolares e os 7 intervalos de importância...44 Quadro 3 - Fatores mais e menos importantes encontrados na pesquisa original...54 Quadro 4 - Fatores mais importantes identificados na pesquisa Quadro 5 - Comparativo dos fatores menos importantes...83 Quadro 6 - Fatores considerados mais importantes...88

10 LISTA DE TABELAS Pág. Tabela 1 Exemplo de pergunta do questionário...50 Tabela 2 Resultado do Pré-teste...59 Tabela 3 Comparação dos resultados índice de satisfação/adjetivos bipolares...61 Tabela 4 Gerência média nas empresas participantes da pesquisa...65 Tabela 5 Número de gerentes médios nas grandes empresas de Londrina...65 Tabela 6 - Percentual de participação das empresas com e sem o outlier...66 Tabela 7 - Número de gerentes médios e margem de confiança...66 Tabela 8 - Relação entre o número de gerentes médios e a margem de confiança...67 Tabela 9 Pontuação das empresas sem o outlier...69 Tabela 10 - Características dos respondentes por sexo, idade, etc...72 Tabela 11 Comparativo entre as características dos respondentes...72 Tabela 12 Média dos Adjetivos Bipolares...74 Tabela 13 Média dos Índices Diretos de Satisfação...75 Tabela 14 Grau de Importância dos Fatores...78 Tabela 15 Pontuação obtida pelas empresas (AB) e (IDS)...85 Tabela 16 Pontuação detalhada das empresas sem o outlier...86 Tabela 17 Pontuação total das empresas com a inclusão do outlier Tabela 18 Pontuação das empresas sem o outlier...87 Tabela 19 Médias obtidas junto aos adjetivos bipolares...89 Tabela 20 Médias obtidas junto aos índices diretos de satisfação...90 Tabela 21 Pontuação das grandes empresas (AB e IDS)...90 Tabela 22 Posição das empresas (IDS e AB)...91

11 SUMÁRIO Pág. 1 INTRODUÇÃO Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativa Delimitações REFERENCIAL TEÓRICO: SI, TI E IMPLANTAÇÃO DE INFRA- ESTRUTURA DE TI Informação e o Contexto Atual Conceitos de SI Estrutura da TI A Escolha da TI e seu Impacto MÉTODO DE PESQUISA Instrumentos de Pesquisa Formulário Original Instrumento Adaptado Definição da Amostra Pré-teste Preparação para a Continuidade da Pesquisa Representatividade da Amostra ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS Caracterização da Amostra: respondentes e organizações Análise dos Dados Coletados Adjetivos Bipolares e Índice Direto de Satisfação Grau de importância dos Fatores Comparativo com a Pesquisa Original de Bailey e Pearson... 81

12 4.2.4 Análise Geral CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE A Instrumento de Pesquisa APÊNDICE B Carta de Apresentação

13 13 1 INTRODUÇÃO Vários estudos têm sido desenvolvidos tendo como objetivo verificar os impactos das novas tecnologias sobre as organizações e suas conseqüências. Entre esses, estão os de André Sathler Guimarães (2002), que trata das estratégias competitivas adotadas por empresas de Tecnologias da Informação (TI), e de Segre e Bastos (2000), que trata da modernização produtiva dos supermercados através da adoção de TI. Nos mercados observase hoje uma imprevisibilidade e uma complexidade crescentes, que se refletem nas organizações através da dependência dos fluxos de informação em um mundo interconectado. Obter a informação exata e no menor tempo possível pode significar a manutenção da empresa em posição de maior competitividade. A informação que pode salvar uma empresa, e a mantém lucrativa, gerando empregos, é a mesma que possibilita a rápida entrada de novos produtos e competidores (GUIMARÃES, 2002). O Brien (2002) define a infra-estrutura ou arquitetura de TI como o projeto conceitual para a implementação de TI em uma organização, incluindo suas plataformas tecnológicas de hardware, software e rede, recursos de dados, portfólio de aplicações e organização de Sistemas de Informação (SI). Esse é, portanto, o conjunto de ferramentas estruturais que permite à empresa se adequar à dinâmica das exigências de mercado e construir um modelo que possibilite a gestão de todas as informações necessárias à sobrevivência da empresa no século XXI. É cabível, portanto, refletir a respeito do papel dessas tecnologias sobre o funcionamento das empresas, em especial no tocante ao sucesso da implantação da infraestrutura de TI, coração estratégico de toda a agenda de sobrevivência num mundo globalizado (BERNSTOFF e CUNHA, 2000). Hoje, o verdadeiro embate ocorre entre retardatários e desafiantes, líderes e entrantes, copiadores e inovadores, com ciclos de

14 14 desenvolvimento de produtos e suas introduções no mercado cada vez mais ágeis (HAMEL e PRAHALAD, 1995). A rapidez de seus lançamentos tornou-se possivelmente o fator estratégico mais importante nas empresas. As atividades baseadas no conhecimento e voltadas para o desenvolvimento de produtos e processos tornaram-se as principais funções internas da empresa e a competência nessas áreas será uma das grandes fontes de vantagem competitiva (GUIMARÃES, 2002). As empresas possuem valores que as norteiam, e conhecê-los é de suma relevância, pois são eles que definem a forma de se distinguir os conhecimentos necessários para determinada função estratégica. Esses valores podem, contudo, não ser adequados às reais necessidades das empresas quando o assunto é TI (OLIVEIRA e MAÇADA, 2003). Diferentes estudos utilizam-se dos instrumentos desenvolvidos por Weill e Broadbent (2000) para se investigar a relação entre o posicionamento estratégico e os componentes da TI. Entre esses trabalhos, vale citar o de Oliveira e Maçada (2003), que estuda a relação entre estratégia e investimentos em infra-estrutura de TI. Nesses casos, os Sistemas de Informação de Marketing (SIM) são considerados os antepassados mais importantes dos novos modelos de gerenciamento de informação baseados em tecnologia. A principal função desses sistemas é coletar dados pertinentes e transformá-los em informações que venham a ajudar os executivos na tomada de decisões em situações de risco e incerteza (KOTLER, 1999). A informação via SIM ou sistemas similares ajuda na análise, no planejamento, na implementação e no controle, ou seja, contribuem para a melhoria do processo de decisão. A informação configura-se, nesse contexto em que se espera o melhor desempenho das pessoas, como um recurso essencial. Daí advém os altos investimentos em infra-estrutura de TI e seu alinhamento com as estratégias de negócios das empresas (WEILL e BROADBENT, 2000). Isso se confirma nos estudos realizados por Lai (1991), que destacam o assunto infra-estrutura de

15 15 TI como a principal preocupação dos altos executivos e pesquisadores. Em levantamento preliminar envolvendo busca em periódicos e anais de congressos da área verificou-se que, apesar da relevância do tema, poucos estudos apresentam metodologia para avaliar investimentos nessa área (OLIVEIRA e MAÇADA, 2003). O ideal seria que esses altos investimentos fossem dirigidos a ligar a estratégia de TI à sofisticação e à dinâmica das organizações (LUFTMANN et al, 1993). É importante que a implantação dos serviços de infra-estrutura de TI adotados nas empresas estejam de acordo com as máximas do negócio, com base na percepção de seus usuários, mais exatamente em seu nível de satisfação enquanto usuário de TI. Dentro dessa concepção, a noção do que é sucesso para a empresa torna-se fator preponderante para uma análise mais confiável, já que se mitiga com os princípios adotados para a gestão. Sob essa abordagem técnica e social, um sistema deve ser avaliado segundo estas duas perspectivas: sua qualidade técnica e seu ajuste ao contexto organizacional (REZENDE e ABREU, 2001). Outro aspecto é que a implantação da TI causa diversas mudanças na organização e essas devem contemplar algumas medidas de sucesso, tais como efetividade e qualidade das decisões suportadas pelos SI, formas de utilização destes SI, satisfação do usuário, mudanças no comportamento e nas atitudes dos usuários e desempenho organizacional. Para Weill e Broadbent (2000), a infra-estrutura de TI é a base da capacidade da TI, tida como serviços confiáveis compartilhados pela empresa e coordenados centralmente, geralmente pelo grupo de SI. Esses autores apontaram vários elementos de infra-estrutura de TI, onde na base de todo o processo estão os componentes de tecnologia, como computadores, impressoras e pacotes de software, sistemas operacionais e scanners; na

16 16 segunda camada, encontra-se um conjunto de serviços compartilhados de TI; e, no topo, constam as aplicações de negócios locais de alta velocidade de mudança. Esses componentes tecnológicos são convertidos em serviços úteis compartilhados por uma infra-estrutura humana de TI, composta por conhecimentos, habilidades, padrões e experiências. Essa infra-estrutura humana transforma os componentes tecnológicos em serviços confiáveis que também compõem a infra-estrutura de TI (OLIVEIRA e MAÇADA, 2003). Todo esse levantamento volta-se para saber como a implantação da infra-estrutura de TI pode ajudar a alcançar vantagem competitiva e estratégica para a empresa (LUFTMANN et al, 1993). O aumento da importância dos SI nas empresas está gerando um orçamento crescente na área de TI. Pesquisa da FGV Eaesp mostra que o orçamento de TI nas empresas brasileiras subiu de 4,7% de seu faturamento em 2002 para quase 5% em Esses dados constam na 15ª. Pesquisa Anual de Informática da Fundação GetúlioVargas. Com tamanho aporte, caso não seja alcançado o sucesso esperado desses investimentos em TI, devido às falhas na escolha ou na utilização da TI, grandes perdas serão geradas para a empresa, não apenas financeiras, mas principalmente estratégicas. Para ilustrar essa situação, cabe exemplificar através da posição da implantação dos Sistemas de ERP (Enterprise Resource Planning Planejamento dos Recursos Empresariais), hoje um dos principais componentes da infra-estrutura de TI. Em pesquisa coordenada por Caldas & Wood Júnior (1999) foram constatados diversos problemas na implementação desses sistemas. Destacam-se: 45% não obtiveram aumento da produtividade, 43% não diminuíram o ciclo produtivo, 40% não melhoraram o serviço ao cliente; sendo que 35% focaram o lado tecnológico e apenas 24% deram atenção ao problema humano na implementação em uma amostra composta em 85% de empresas transnacionais.

17 17 Esses equívocos ocorrem quando três fatores inter-relacionados: pessoas, tecnologia e organização, não estão trabalhando juntos. Isso impede que a coleta, processamento, armazenamento, e distribuição de informações, facilite o planejamento, o controle, a coordenação, a análise e o processo decisório de organizações, enfraquecendo assim o desempenho organizacional (LAUDON e LAUDON, 2001). No processo de industrialização brasileiro, o papel da tecnologia raramente foi considerado estratégico e a formação de capacitação tecnológica local foi dispersa e volátil (FLEURY e FLEURY, 1995). Estudos têm sido realizados para identificar a aproximação do binômio estratégia-tecnologia em algumas empresas inovadoras (SILVA e FISCHMANN, 2002) (TORQUATO e SILVA, 2000). Mesmo as empresas transnacionais, responsáveis hoje por parcelas consideráveis da economia nacional, foram submetidas a esses fenômenos (COUTINHO e FERRAZ, 1994). Essas pesquisas têm contribuído para a visão da estratégia empresarial com uma abordagem tecnológica (TORQUATO e SILVA, 2000). Alguns autores, como Cunha (1995) e Pegels & Thirumurthy (1996), chegam até a estabelecer uma relação entre o uso estratégico da tecnologia e o desempenho estratégico da empresa em algumas organizações nos cenários nacional e internacional. É necessário, portanto, que os instrumentos escolhidos auxiliem não apenas a mensuração da eficiência dos SI, mas que também contribuam com indicativos para aumentar a probabilidade de sucesso na implantação da infra-estrutura de TI. Nesse estudo, optou-se pelos pressupostos medidos a partir dos tópicos da pesquisa desenvolvida por Bailey e Pearson (1983), que trata da relação entre satisfação do usuário e o sucesso da implantação da infra-estrutura de TI. A questão principal levantada nesse trabalho é se o modelo adotado de infraestrutura de TI está de acordo com as estratégias adotadas para o negócio, segundo os parâmetros de satisfação adotados pela pesquisa original de Bailey e Pearson (1983).

18 18 O ponto relevante na proposta desse estudo é, sob a visão da empresa, e mais especialmente na visão de determinados atores desse processo, os tomadores de decisões que ocupam a média gerência nas empresas, identificar se houve sucesso na implantação da infra-estrutura de TI. 1.1 Objetivos Considerando-se o impacto causado pela implantação da infraestrutura de TI em grandes empresas, esse estudo tem os objetivos apresentados a seguir Objetivo geral Avaliar o sucesso da implantação da infra-estrutura de Tecnologia da Informação (TI) nas grandes indústrias de Londrina, filiadas à FIEP (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), a partir da percepção da satisfação de seus usuários da média gerência Objetivos específicos Identificar, sob o ponto de vista dos usuários tomadores de decisões nas grandes indústrias de Londrina, filiadas à FIEP, os principais fatores determinantes do sucesso da implantação da TI nessas empresas, sob diferentes aspectos; Estabelecer um referencial sobre a satisfação na implantação da infra-estrutura de TI entre as empresas pesquisadas, visando servir de benchmark para futuros estudos.

19 Justificativa O pressuposto para a realização do presente estudo é que a inovação tecnológica altera o perfil profissional das empresas e lhes exige novos conhecimentos (MARTINS DA SILVA, 2000). Uma empresa que pretenda se preparar melhor e estar entre as primeiras necessita adequar-se às novas exigências de mercado, de forma a ver a empresa como uma entidade processadora de informações. Precisa também responder ao ambiente no qual opera, onde há uma maior complexidade, ciclos de tempos reduzidos, aumento da globalização, e maior competição do que jamais houve antes. Empresas capazes de competir com sucesso nesse tipo de ambiente serão aquelas que têm habilidade para desenvolver e implantar modelos de organizações ágeis com decisões de alta qualidade sendo tomadas em todos os níveis, suportadas pela TI. Mesmo as companhias não técnicas, provenientes de ramos tidos como da velha economia, não digital, estão se tornando técnicas e, cada vez mais, buscando estar por dentro das modernas iniciativas. Empresas de diferentes portes possuem website e muitas utilizam rotineiramente ou chegam a implantar serviços de business to business (mercado industrial) ou business to consumer (venda direta ao consumidor). Essas transformações são primeiramente adotadas nas grandes empresas para, em períodos cada vez mais curtos, atingirem as de menor porte (RECH, 2001). Essas mudanças avançam muito rapidamente e as empresas necessitam adaptar-se ao novo ambiente de trabalho, adotando uma infraestrutura de TI que esteja em sintonia com a urgência do mercado. O ambiente atual de alta competitividade enfrentado pelas companhias, exigindo maior produtividade e, ao mesmo tempo, reduções de custos, fez com que as empresas se vissem obrigadas a facilitar a comunicação com seus parceiros, e trocar informações essenciais. Essa operação, hoje, através da Internet, tem como fator crítico

20 20 para a tomada de decisões a possibilidade de ser feita em qualquer lugar e momento. Para sobreviver, essas organizações querem saber como aproveitar as oportunidades que são oferecidas pelo novo meio. Necessitam de uma infra-estrutura que possa oferecer propostas de soluções, e avaliar alternativas (MARTINS DA SILVA, 2000). Muitas vezes a real necessidade do usuário está completamente desfocada de sua infra-estrutura de TI. Faltando uma organização das informações necessárias para inserir e manter a empresa num contexto competitivo (MARTINS DA SILVA, 2000). O gerenciamento estratégico não é uma ciência exata e a melhor das melhores estratégias não emerge de um livro de receitas, e não há certamente fórmulas para calcular a estratégia. Gerenciamento estratégico trata da leitura de sinais e presságios do futuro, visando interpretá-los a fim de escolher uma direção apropriada para o desenvolvimento futuro da organização. A principal função da implantação da infra-estrutura de TI é traduzir esse recurso, normalmente desorganizado, de forma dinâmica para toda a equipe (BOAR, 2002). Considerando-se que as grandes indústrias, por terem sobrevivido, já tenham passado da fase de automatização, onde a TI é utilizada exclusivamente para a padronização de processos, e alcançado a fase de informatização, onde administra grandes fluxos de dados, transformando-os em informação, o principal agente de julgamento desse processo é aquele responsável pela tomada de decisões, que depende cada vez mais de apoio tecnológico (ZUBOFF, 1994). Mais especificamente aqueles que atuam na média gerência, utilizando os sistemas conhecidos como Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) (LAUDON e LAUDON, 2001). Os participantes desses processos precisam: 1) entender e avaliar criticamente o papel e a contribuição potencial da TI para suas organizações e 2) entender e aplicar efetivamente sistemas de suporte informatizados para tomar decisões melhores

21 21 (LAUDON e LAUDON, 2001). Necessitam ainda explorar quão rápido os avanços em hardware, software, networking e tecnologias de database estão impactando estratégias, estruturas e processos da organização. Isso envolve a busca, aquisição, interpretação do processo e uso da informação. Devem construir e manipular modelos, como uma ponte entre a busca e o uso da informação, para apoiar seus processos de tomadas de decisões, e para analisar relacionamentos entre variáveis relevantes para um problema de decisão. Finalmente, precisam explorar as várias aproximações para desenvolvimento e aquisição de sistemas de informações (LAUDON e LAUDON, 2001). 1.3 Delimitações A escolha de grandes empresas para a amostragem está apoiada no fato de que, apesar do impacto da TI ocorrer em organizações de diferentes portes, as maiores organizações são afetadas de forma mais profunda em suas operações (CASH JR., MCFARLAN, MCKENNEY, 1992). Outros motivos da opção por grandes empresas ocorreu por serem estas as que mais investem em novas tecnologias, segundo Rech (2001, p. 33), e são também as que fizeram parte do universo da pesquisa original. Este é um pré-requisito para o alcance do objetivo da pesquisa, que é identificar se a implantação da infra-estrutura de TI foi bem sucedida, a partir da percepção da satisfação de seus usuários, os tomadores de decisão da média gerência. Outra delimitação é que o estudo está restrito ao uso de instrumento específico de pesquisa, desenvolvido pelos pesquisadores Bailey e Pearson (1983). A escolha pelo trabalho desses autores derivou-se de uma busca sobre o referencial teórico e a metodologia utilizada em cinqüenta e cinco artigos publicados no Brasil, entre 1999 e 2003,

22 22 que trabalharam sobre temas semelhantes. As publicações utilizadas para esse levantamento foram: RAE, RAUSP, RAP, Caderno de Pesquisa em Administração da FEA-USP, Revista de Estudos Organizacionais da UEM, ANGRAD, Revista Temática da UEL, Caderno de Administração UEM, Revista de Economia Política, ENANPAD, Organizações e Sociedade, Informationweek, Anais do CATI - Congresso Anual de Tecnologia da Informação e HSM Management. Nesses artigos, a citação da pesquisa de Bailey e Pearson foi recorrente. No próximo capítulo, será apresentado o referencial teórico, onde serão abordadas a importância dos SI e da TI e sua relação com as decisões estratégicas dos gestores das organizações. Cada um desses temas será definido e conceituado, seguido de uma discussão sobre os impactos da adoção da TI nas organizações, sendo apresentados os principais temas inerentes a essa pesquisa. No capítulo 3, discute-se a metodologia empregada. No capítulo 4, desenvolve-se a análise e a interpretação dos dados e, finalmente, no capítulo 5, há as considerações finais, onde se encontram a conclusão, os limites da pesquisa e as sugestões para a continuidade da mesma.

23 23 2 REFERENCIAL TEÓRICO: SI, TI E IMPLANTAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA TECNOLÓGICA Segundo McKenna (2002, p.19), o marketing tradicional está desaparecendo pela simples razão que suas funções estão sendo automatizadas e assumidas pela força misteriosa e oculta dos computadores, softwares e redes. A competição atual não é mais entre empresas, mas entre cadeias de fornecedores. Dentro desse novo e complexo ambiente, as organizações fazem uso de informações tanto internas quanto externas e a integração dessas é realizada por seus SI. Essa integração gera novos impactos, que produzem uma dinâmica tanto estrutural quanto cultural. Identificar componentes que auxiliem a gerenciar essas mudanças vem se tornando um dos grandes desafios dos novos administradores. A ferramenta que mais tem sido buscada para esse fim é a TI. O objetivo maior com essa adoção é a minimização desses impactos ambientais dentro da organização, evitando o surgimento de problemas que possam levar ao atraso ou erro nas tomadas de decisões. 2.1 Informação e o Contexto Atual No Brasil, a partir da reestruturação do setor de telecomunicações, com a quebra do monopólio e a privatização das empresas estatais, criou-se a chance para que pudéssemos de fato entrar num ambiente tecnológico essencial ao atual quadro competitivo (BRASIL, 1995). Em seu primeiro momento, a TI foi utilizada para aperfeiçoar a produtividade, cortar custos ou controlar a cadeia de suprimentos. Em seguida, sua utilização foi direcionada para todas as atividades de gerência e marketing (SEGRE e BASTOS, 2000).

24 24 As oportunidades para que esse modelo alcançasse empresas de diferentes portes aumentaram com o aparecimento de hardwares mais rápidos, de menores dimensões e com preços mais baixos. Esse processo de modernização, embora essencial, ocorreu de forma muito rápida, e suas inovações causaram impactos por vezes indesejáveis. Um conjunto de inovações relacionadas entre si (hardware, software, internet, novos conceitos administrativos, etc...) aparecem a cada momento influenciando um ao outro, criando novos fundamentos para a gestão (BARRAS, 1986). Muitas empresas acreditam que o simples fato de espalhar computadores e impressoras pelos departamentos possa organizar as mesmas. A TI e seus recursos nem sempre resolvem os problemas nas organizações e muito menos as organizam, (REZENDE e ABREU, 2001). A tecnologia por si só, sem planejamento, gestão e uma ação efetiva, não traz contribuição alguma para a empresa. Essa forma equivocada de pensar advém do fato de que, nos últimos anos, as atividades relacionadas à Organização, Métodos e Sistemas ficaram descaracterizadas, devido à crença de que a informatização resolveria os problemas do SI. No entanto, segundo Rezende e Abreu (2001, p. 57), ela deveria estar presente nas empresas, com a finalidade de executar as seguintes tarefas: elaborar modelos de estruturação organizacional; ajustar layout de processos e procedimentos; elaborar metodologias de trabalho, normas e políticas; realizar atividades complementares de construção, manutenção e implementação de SI; levantar dados para tratamento e geração de informações; pesquisar concorrentes e/ou empresas com serviços semelhantes; desenhar layout de telas e/ou relatórios de SI;

25 25 auxiliar nos projetos de qualidade e produtividade vinculados à melhoria de processos e dos negócios da empresa, etc... Primeiramente, é necessária a organização interna e externa da empresa. Apenas depois dessa etapa é que se pode informatizar a empresa. E a arte de organizar compreende uma série de fatores, financeiros, processuais, pessoais, espaciais, materiais, tecnológicos. O sistema deve ser dotado de menor custo, menor esforço, melhor qualidade, maior produtividade e maior lucratividade (REZENDE e ABREU, 2001). Junte-se a isso mais um complicador: o fato de que a implantação da TI pode levar algum tempo para apresentar resultados e, por conseguinte, benefícios, fora a certeza de, no decorrer do processo, vir acompanhada de uma nova geração de inovações no setor em que as organizações competem. Dessa forma, ocorre o que foi denominado por Barras (1986), como ciclo reverso de produto, e possui três fases: a princípio, as aplicações da nova tecnologia são projetadas para aumentar a eficiência de execução dos processos existentes; em seguida, a tecnologia é aplicada para aperfeiçoar a qualidade desses processos; finalmente, a tecnologia auxilia a geração de transformações totais e/ou novos produtos/serviços. Nesse contexto, a informação torna-se elemento vital para a sobrevivência das organizações num ambiente onde os mercados estão cada vez mais globalizados. Freitas e Lesca (apud RECH, 2001, p. 17) definem informação como um processo sob o qual a empresa informa-se mais sobre ela mesma e sobre seu ambiente, além de passar informações dela para o ambiente. As organizações, então, relacionam-se com seu ambiente através do fluxo de informações, que num determinado momento transforma-se em conhecimento e é incorporado à organização (CORNELLA, 1994).

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1 Os sistemas de informação (SI) utilizam hardware, software, redes de telecomunicações, técnicas de administração de dados computadorizadas e outras formas de

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. José Carlos Vaz Baseado em LAUDON, K. & LAUDON, J. Sistemas de Informação Gerenciais. Pearson, 2004 (5a. ed.).

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. José Carlos Vaz Baseado em LAUDON, K. & LAUDON, J. Sistemas de Informação Gerenciais. Pearson, 2004 (5a. ed.). SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. José Carlos Vaz Baseado em LAUDON, K. & LAUDON, J. Sistemas de Informação Gerenciais. Pearson, 2004 (5a. ed.). O que é um sistema de informação? Um conjunto de componentes

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO SUPORTE À GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO NA PEQUENA EMPRESA A tecnologia da informação como suporte à gestão estratégica da informação na pequena empresa 1 Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação Journal of Information Systems and Technology Management

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 3.1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 3.1 2003 by Prentice Hall 3 ão, Organizações ões, Administração e Estratégia OBJETIVOS

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa

Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Prof. Fumio Ogawa Sistemas de Informação 2 1. Fundamentos dos Sistemas de Informação Antes de começar a discutir os sistemas de informação precisamos definir e entender

Leia mais

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO

PERSPECTIVA FUNCIONAL DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TIPOS DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CURSO: GESTÃO AMBIENTAL PROFESSOR: WENES SILVA DOS SANTOS ALUNOS: ANDRÉ VIANA CAVALCANTE, DANILO CARVALHO DE OLIVEIRA, GEISA MOREIRA DE SOUSA, FERNANDA MONTES, LIAMAR MONTES, PRISCILA CASTRO, RAIMUNDINHA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações

Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Os Sistemas de Informação e a Evolução das Organizações Leonardo C. de Oliveira1, Diogo D. S. de Oliveira1, Noemio C. Neto 1, Norberto B. de Araripe1, Thiago N. Simões1, Antônio L. M. S. Cardoso 1,2 1.Introdução

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL

UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO EMPRESARIAL NATAL RN 2013 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES FRANCISCO DE ASSIS GURGEL A IMPORTÂNCIA DO ERP NA GESTÃO

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração Curso de Administração Cláudio Márcio, quem é você? Disciplina Informática Básica Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com FORMAÇÃO Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização:

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

CAPÍTULO 1. Fundamentos dos Sistemas de Informações nas Empresas

CAPÍTULO 1. Fundamentos dos Sistemas de Informações nas Empresas CAPÍTULO 1. Fundamentos dos Sistemas de Informações nas Empresas VISÃO GERAL DO CAPÍTULO Este capítulo apresenta um resumo das cinco áreas básicas de conhecimento dos sistemas de informação, necessárias

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação É um conjunto de partes coordenadas, que buscam prover a empresa com informações, com o objetivo de melhorar a tomada de decisões. Conjunto organizado de pessoas, hardware, software,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas.

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Francisco Ignácio Giocondo César (UNIMEP) giocondo@merconet.com.br Osvaldo Elias Farah (UNIMEP) oefarah@unimep.br

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Tipos de Sistemas de Informação Aula 02 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Tipos de Sistemas de Informação Aula 02 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Tipos de Sistemas de Informação Aula 02 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Sistemas de informação Manual técnicas de arquivamento e recuperação de informações de grandes arquivos.

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas

A utilização de sistemas ERP voltados para Instituições de Ensino Superior Privadas 2º Contecsi Congresso Internacional de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação / Internacional Conference on Information Systems and Technology Management 01-03 de Junho de 2005 São Paulo/SP Brasil

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas ERP. A Interdisciplinaridade dos

Sistemas ERP. A Interdisciplinaridade dos A Interdisciplinaridade dos Sistemas ERP CLEBER DE CARVALHO OLIVEIRA CLEVER LOPES RODRIGUES LEANDRO SILVA CAMPOS LILIANE VERÔNICA MICHELLE GOMES SAINÇA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL INSTITUTO LUTERANO

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais