Presidência da República

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Presidência da República"

Transcrição

1 Presidência da República CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES UM ACORDO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A CONFERÊNCIA RIO+20 Apresentação Um grande conjunto de instituições e fóruns, entre eles o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), vem acompanhando a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20, entendendo a relevância do tema e o potencial de liderança brasileira em um esforço mundial no sentido da sustentabilidade. A iniciativa de articular esforços e buscar convergências parte da disposição de produzir uma proposta comum da sociedade civil, em que pese as diferentes concepções e preservando outras atuações autônomas. Um acordo que constitua um mapa do caminho desenhado coletivamente, que oriente as ações dos diferentes agentes e a elaboração de novos indicadores capazes de exprimir e mensurar a realidade que se quer construir. O acordo posto em marcha tem como marcos a contribuição com a posição brasileira na Conferência e a participação no âmbito da sua realização 1. O compromisso ultrapassa, entretanto, a realização da Conferência e implica a construção de rede social que continue o aprofundamento dos consensos e a divisão das responsabilidades pela implementação. Organização O acordo sobre desenvolvimento sustentável está sendo apoiado a partir de três instâncias principais: 1- Coletivo de instituições participantes que pode ser ampliado, agregando novas instituições ao longo do percurso responsável pelo conteúdo do acordo e pelas definições sobre atividades e eventos. 2- Equipe técnica responsável pela sistematização das convergências, pelo aporte de informações e análises e pela facilitação do processo de consenso. A equipe técnica é formada, além de membros das instituições participantes, pelo IPEA, IBGE, DIEESE e a SEDES. 3- Rede de diálogo conjunto de profissionais e outras instituições que podem apoiar, somar nas análises e repercutir o conteúdo do acordo. 1 Nos dias que antecedem a Conferência estão sendo previstos eventos da sociedade civil, ampliando seu alcance e fortalecendo seus objetivos.

2 Atividades Atividade Objetivo Data Reunião entre as instituições 1 a Reunião da Equipe técnica 2 a Reunião da Equipe técnica 1 o Oficina entre as Instituições do Acordo Trabalho / reuniões da Equipe Técnica 2 o Oficina entre as Instituições do Acordo Encaminhamento da contribuição Reuniões / outros eventos Mesa de Debate Discutir a proposta de construção do Acordo sobre desenvolvimento sustentável e elaboração conjunta de contribuição da sociedade civil brasileira para a Conferência Rio Desenhar o processo de trabalho para apoiar o diálogo e elaboração do Acordo sobre Desenvolvimento Sustentável Preparar a metodologia para a primeira Oficina para o Acordo sobre Desenvolvimento Sustentável Debater os posicionamentos, levantar as convergências e entender as principais divergências entre as instituições, sobre desenvolvimento sustentável. Sistematizar as contribuições da Oficina e o propor o conteúdo do documento síntese Consolidar as convergências e definir o documento que será encaminhado à Comissão Nacional da Rio+20 Levar à Comissão Nacional a contribuição articulada das instituições participantes do acordo Ampliação e aprofundamento do debate; envolvimento de outras instituições. Disseminação dos termos do acordo Articulação de novos consensos Definição dos passos a serem dados a partir da Conferência 10 de junho Realizada 14 de julho Realizada 05 de agosto Realizada 30 de agosto Até 20 de setembro 22 de setembro Até 03 de outubro Até junho de 2012 Junho 2012 antecedendo a Rio+20 2

3 1 A OFICINA ENTRE AS INSTITUIÇÕES Data: 30/08/2011 Local: (a ser confirmado) Objetivo Interagir, compartilhar visões e as propostas de diferentes instituições e fóruns da sociedade civil, buscando levantar as principais convergências (e divergências) sobre desenvolvimento sustentável, com vistas a um acordo para a Conferência Rio+20. Participantes Conselheiros e conselheiras do CDES, membros das instituições participantes do acordo e convidados de outras instituições (3 a 5 participantes por instituição). Cerca de 60 participantes no total Metodologia A dinâmica proposta tem objetivo de potencializar e organizar as contribuições, ampliar a interação e o diálogo: Abertura para apresentar os objetivos da oficina e situá-la no âmbito do acordo. Painel inicial trazendo aportes e análises informando e motivando o diálogo. Divisão dos participantes em Mesas de Diálogo, que ocorrerão simultaneamente, em torno de quatro questões estruturadas, construindo uma trajetória de raciocínio que percorre os aspectos relativos ao diagnóstico, objetivos e estratégias para o desenvolvimento sustentável. Cada Mesa de Diálogo contará com um coordenador que vai participar ativamente como os demais participantes, garantir a participação de todos e registrar as contribuições. As Mesas terão tempo determinado para cada rodada de diálogo, a ser observado rigorosamente. Findo tempo os participantes trocam de Mesa, buscando sempre novos interlocutores. A mesma questão poderá ser debatida em duas rodadas, de forma a somar contribuições e buscar novas sínteses. Neste caso o coordenador deverá apresentar a essência do debate realizado na rodada anterior, em um processo crescente de análise. Plenárias parciais para apresentação, pelos coordenadores, dos resultados dos debates sobre algumas das questões. Plenária Final para apresentação dos resultados das Mesas pelos coordenadores; acordos e encaminhamentos. 3

4 Programa 9h30 10h00 11h00 11h15 11h45 12h15 12h45 14h30 15h40 16h10 16h20 17h00 Abertura objetivos da oficina no âmbito do acordo para a Rio+20: Ministro Moreira Franco Conselheiro CDES Painel inicial contribuições para o debate: Ignacy Sachs Márcio Pochmann Secretaria Executiva da Comissão Nacional Coffee break Questão 1 diagnóstico: os passos dados Primeira rodada de diálogo (15 minutos) Segunda rodada de diálogo (15 minutos) Questão 1 - diagnóstico: os gargalos: Primeira rodada de diálogo (15 minutos) Segunda rodada de diálogo (15 minutos) Plenária (30 minutos) Almoço Questão 2 - estratégias: Rodada de diálogo (30 minutos) Plenária apresentação e priorização das estratégias (30 minutos) Questão 3 viabilidade: Rodada de diálogo (30 minutos) Coffee break Plenária final (40 minutos) Encerramento 4

5 ROTEIRO PARA AS MESAS DE DIÁLOGO PROPOSTA 2 Preâmbulo Desenvolvimento sustentável vem se constituindo como uma idéia força que une pessoas, grupos, organizações, instituições, embora objeto de múltiplas formas de interpretação, com propostas bastante diversificadas com vistas a sua implementação. Entre os aspectos mais destacados, o mapa do caminho para o desenvolvimento sustentável passa pela superação da pobreza; garantia de proteção social; combate às desigualdades; direito ao trabalho decente; acesso à educação e democratização do conhecimento. Também é essencial a preservação das florestas e da biodiversidade, das águas e outros bens naturais; além de mudanças nos padrões de produção e consumo; incorporação crescente de energias renováveis na matriz energética; e avanços no modo de vida nas cidades e no campo, envolvendo construções sustentáveis, mobilidade e uso do solo urbano e rural que privilegiem o uso racional dos recursos e a qualidade de vida das pessoas. A dinâmica econômica deve responder a estes desafios. E, em um círculo virtuoso, o combate à pobreza, o acesso às políticas públicas, os investimentos na matriz energética, na industria e na agricultura de baixa emissão de carbono, entre outros, dinamiza a economia de forma sustentável, posto que com base no trabalho, emprego e produção. A ciência, tecnologia e inovação, necessárias em todos os campos, e o diálogo e a democracia em todos os níveis nacionais e na arquitetura de governança internacional são constitutivos do desenvolvimento sustentável e fundamentais para sua construção. A Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, em junho de 1992 a Rio 92 representou uma conquista política do conceito de desenvolvimento sustentável. Nessa ocasião, foi consolidado o entendimento de que o tratamento das questões ambientais não poderia ser avançado sem que, conjuntamente, fossem considerados os aspectos sociais e econômicos envolvidos na promoção da sustentabilidade. Esse consenso internacional foi traduzido na Agenda 21 e na Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento e resultou também na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, na Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica e na Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação. A realização de uma outra Conferência novamente no Rio de Janeiro foi proposta pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2007, no discurso de abertura da 62ª Assembléia Geral da ONU. A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável a Rio+20 abre oportunidade de renovar o compromisso político com o desenvolvimento sustentável, e valorizar as conquistas e avaliar os gargalos e desafios a serem vencidos. Interessa entender as iniciativas nacionais em curso; motivar o conjunto dos paises para que se planejem no sentido do desenvolvimento sustentável e constituir os instrumentos e instâncias de governança capazes de coordenar e viabilizar ações. 5

6 Questão 1 Considerando a Rio 92 como ponto de partida o que você destaca: Como principais passos que foram dados aproximando o mundo do desenvolvimento sustentável. Como principais obstáculos/gargalos que dificultam ou que fazem com que o mundo se distancie da sustentabilidade econômica, social e ambiental. Questão 2 Considerando os principais avanços e os principais gargalos, o que você destaca como mobilizador e transformador em termos de estratégias, que devem ser pactuadas na Rio+20 conformando um mapa do caminho do desenvolvimento sustentável? Questão 3 Priorizadas as estratégias: O que representa desafio e o que representa oportunidade para implementação? Quais são os principais atores envolvidos? Estratégia: desafios oportunidades atores 6

7 INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Instituto Vitae Civilis Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) Associação Brasileira de Organizações não Governamentais (ABONG) Confederação Nacional da Indústria (CNI) Comissão de Políticas e Desenvolvimento Sustentável (CPDS) Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB) Central Única dos Trabalhares (CUT) Força Sindical União Geral dos Trabalhadores (UGT) Suzano Holding S/A Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (DIEESE) Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Outras instituições a serem convidadas: Movimento Brasil Competitivo (MBC) Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS) Instituto de Estudos Socioeconomicos (INESC) Instituto Paulo Freire Instituto Polis Observatório do Clima Painel de Mudança Climática Conselho Nacional da Juventude (CONJUV) Confederação Nacional da Agricultura (CNA) Confederação Nacional do Comércio (CNC) 7

Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Pesquisa Formação e Ação Sindical No Fomento da Agenda de Trabalho Decente no Brasil

Pesquisa Formação e Ação Sindical No Fomento da Agenda de Trabalho Decente no Brasil Pesquisa Formação e Ação Sindical No Fomento da Agenda de Trabalho Decente no Brasil Desafios Disseminar o conceito de Trabalho Decente junto às direções e lideranças sindicais: Emprego, Normas, Proteção

Leia mais

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES

CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social CLXV Reunião Ordinária do Conselho Pleno da ANDIFES Natal RN, 27 de julho de 2017 Etapas da Agenda 2030 ETAPA DE

Leia mais

Objetivo Geral. Objetivos Específicos

Objetivo Geral. Objetivos Específicos Apresentação A promoção do trabalho decente é condição para um crescimento econômico inclusivo, redutor da pobreza e das desigualdades sociais e promotor do desenvolvimento humano. O trabalho decente significa

Leia mais

Ações Reunião Ordinária realizada no dia 18 de julho de 2014

Ações Reunião Ordinária realizada no dia 18 de julho de 2014 R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Grupo de Trabalho Tripartite para Implementação da Agenda Nacional de Trabalho Decente Representante

Leia mais

ATER PARA MULHERES. O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil

ATER PARA MULHERES. O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil ATER PARA MULHERES O processo de organização das mulheres na construção do Feminismo e da Agroecologia no Brasil PARA NÓS A AGROECOLOGIA É Um modo de produzir, relacionar e viver na agricultura que implica

Leia mais

Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável

Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável Breve Histórico Projeto Litoral Sustentável 2011 início do Projeto Litoral Sustentável - Desenvolvimento com Inclusão Social. Convênio entre Instituto Pólis e Petrobras. 2011 e 2012 - Elaboração de diagnósticos

Leia mais

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES

A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Experiência do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES Construção de Governança para o Projeto Nacional de Desenvolvimento Apresentação : Jaques Wagner Governador da Bahia CDES situação atual

Leia mais

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x

Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x Princípios Empresarias de Alimentos e Agricultura do Pacto Global x Relatório do Workshop de Engajamento x São Bernardo de Campo SP, 04 de março de 2015 Contato: James Allen james@olab.com.br Neste relatório,

Leia mais

Agenda 2030 ODS: Adequação e gestão integrada das políticas públicas, instrumentos de monitoramento e participação social

Agenda 2030 ODS: Adequação e gestão integrada das políticas públicas, instrumentos de monitoramento e participação social Agenda 2030 ODS: Adequação e gestão integrada das políticas públicas, instrumentos de monitoramento e participação social Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para a Agenda 2030 Filomena Siqueira - Ação

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS

VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS VIX LOGÍSTICA S/A COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA E GESTÃO DE PESSOAS 1. Objetivo O Comitê de Governança Corporativa e Gestão de Pessoas é um órgão acessório ao Conselho de Administração (CAD) da VIX

Leia mais

Rede Empresarial de Inclusão Social

Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social O que fizemos 2 de Maio 4 de Maio 11 de Maio 18 de Maio 25 de Maio 1º de Junho 26º Fórum de Empregabilidade Avaliação do 26º Fórum

Leia mais

Agenda Nacional do. Novembro 2008

Agenda Nacional do. Novembro 2008 Agenda Nacional do Trabalho Decente Novembro 2008 Prioridades Gerar mais e melhores empregos, com igualdade de oportunidades e de tratamento Erradicar o trabalho escravo e eliminar o trabalho infantil,

Leia mais

Visão do Setor Industrial Brasileiro sobre o Acordo de Paris

Visão do Setor Industrial Brasileiro sobre o Acordo de Paris Visão do Setor Industrial Brasileiro sobre o Acordo de Paris Shelley de Souza Carneiro Gerente Executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade Confederação Nacional da Indústria - CNI Sumário O que é a CNI?

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD SEMINÁRIO SINDICAL SOBRE O PLANO NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD Paulo Sergio Muçouçah Coordenador dos Programas de Trabalho Decente e Empregos Verdes Escritório da OIT no Brasil Roteiro da apresentação

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade.

valor compartilhado, pelo qual pautamos nossas ações e desejamos ser parceiro no desen volvimento das pessoas e da sociedade. 26. POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 26.1 Introdução Nossa visão é ser uma referência em performance sustentável e em satisfação dos associados. Para nós, performance sustentável

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL A ação humana sobre a natureza faz parte da história da civilização. Neste inicio de século, porém, a consciência sobre os impactos desta intervenção tem adquirido

Leia mais

A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente

A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente A OIT e as Agendas de Trabalho Decente Oficina de Troca de Experiências para a Construção de Agendas Subnacionais de Trabalho Decente Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, 26 de

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

Conselhos e Conferências Nacionais

Conselhos e Conferências Nacionais Conselhos e Conferências Nacionais Conferências Nacionais Caro prefeito e cara prefeita, As conferências constituem importantes instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

IV Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe 22 a 25 de março. Pacto das Águas. Antonio Martins da Costa

IV Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe 22 a 25 de março. Pacto das Águas. Antonio Martins da Costa IV Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe 22 a 25 de março Pacto das Águas Antonio Martins da Costa O Pacto das Águas foi um processo de articulação social e política com objetivo de: Dotar o Estado,

Leia mais

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000;

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE VIH/SIDA (ONUSIDA) E A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) RELATIVO A APOIO PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE

Leia mais

2ª Reunião da Comissão Organizadora do IV EMDS

2ª Reunião da Comissão Organizadora do IV EMDS Parceria Realização 2ª Reunião da Comissão Organizadora do IV EMDS Estrutura de Governança do IV EMDS Auditoria independente: Coordenação Política Conselho Curador Conselho Consultivo Comissão Organizadora

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE

RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE Realizada de 08 a 11 de agosto de 2012 MÁRIO DOS SANTOS BARBOSA Assessor Especial para Assuntos Internacionais Coordenador da I CNETD

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL E TRIPARTISMO NO BRASIL

DIÁLOGO SOCIAL E TRIPARTISMO NO BRASIL DIÁLOGO SOCIAL E TRIPARTISMO NO BRASIL Diálogo social e Tripartismo no Brasil Conceito de Diálogo Social Diálogo social é o processo no qual atores sociais, econômicos, políticos, ou grupos sociais, legitimamente

Leia mais

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº )

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº ) Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 13.2010) REALIZAÇÃO DE OFICINAS TÉCNICAS PARA VALIDAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E ELABORAÇÃO

Leia mais

Jacqueline Guerreiro REBEA/REARJ/REBAL

Jacqueline Guerreiro REBEA/REARJ/REBAL Jacqueline Guerreiro REBEA/REARJ/REBAL Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (CNUDS ou UNCSD). Proposta brasileira na ONU em 2007 Convocada pela ONU em 2009 Processos conectados.

Leia mais

Copa do Mundo FIFA 2014

Copa do Mundo FIFA 2014 Code-P0 Copa do Mundo FIFA 2014 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Claudio Langone Coordenador da CTMAS/ME Code-P1 O QUE O BRASIL QUER COM A COPA DO MUNDO FIFA Mobilizar o país Promover o país

Leia mais

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM)

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio foram definidos no ano 2000, pela Organização das Nações Unidas (ONU), para dar resposta aos grandes

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO. Plano de Trabalho

CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO. Plano de Trabalho CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO Plano de Trabalho Março de 2016 PROGRAMA OESTE EM DESENVOLVIMENTO CÂMARA TÉCNICA DE AVES-FRANGO DE CORTE CONTEXTUALIZAÇÃO: A Câmara Técnica de Frango (CTF) do Programa Oeste em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE SIBRATEC DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO

REGIMENTO INTERNO REDE SIBRATEC DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO Página: 1 de 5 REGIMENTO INTERNO REDE SIBRATEC DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE Capítulo I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º A REDE DE SERVIÇOS TECNOLÓGICOS PARA PRODUTOS PARA A SAÚDE, também referida

Leia mais

XII ENCONTRO NACIONAL DOS SECRETÁRIOS DE MEIO AMBIENTE DAS CAPITAIS BRASILEIRAS (CB27) EDUCAR PARA UMA CIDADE SUSTENTÁVEL

XII ENCONTRO NACIONAL DOS SECRETÁRIOS DE MEIO AMBIENTE DAS CAPITAIS BRASILEIRAS (CB27) EDUCAR PARA UMA CIDADE SUSTENTÁVEL XII ENCONTRO NACIONAL DOS SECRETÁRIOS DE MEIO AMBIENTE DAS CAPITAIS BRASILEIRAS (CB27) EDUCAR PARA UMA CIDADE SUSTENTÁVEL Recife, PE 26 a 28 de Novembro de 2017 Organização: CB27, KAS Fundação Konrad Adenauer,

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE PARA ADEQUAÇÃO FITOSSANITÁRIA

FÓRUM PERMANENTE PARA ADEQUAÇÃO FITOSSANITÁRIA Fórum: reunião, congresso, conferência que envolve o debate de um tema (Houaiss,, 2001) Forum latina: praça pública WAGNER BETTIOL Embrapa Meio Ambiente 1 JUSTIFICATIVA Considerando que a missão da Embrapa

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

PLANOS DECENAIS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: FORTALECENDO OS CONSELHOS DE DIREITOS

PLANOS DECENAIS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: FORTALECENDO OS CONSELHOS DE DIREITOS X CONFERÊNCIA DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PLANOS DECENAIS DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES: FORTALECENDO OS CONSELHOS DE DIREITOS Objetivos do encontro Esclarecer sobre

Leia mais

A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável

A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável V Mesa-Redonda da Sociedade Civil Brasil EU A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável Apresentação da Conselheira Lúcia Stumpf Porto, Portugal 7 a 9 de novembro de 2011 1 Contextualização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática

Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA. Agenda 21 local : da teoria à prática Curso: INSTRUMENTOS DE GESTÃO AMBIENTAL PARTICIPATIVA Agenda 21 local : da teoria à prática Gina Rizpah Besen Psicóloga Mestre em Saúde Pública FSP-USP consultora em Gestão Ambiental rizpah@usp.br Desenvolvimento

Leia mais

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação social é método de governar. Secretaria-Geral da Presidência da República OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Foram definidos para dar respostas aos principais problemas mundiais levantados nas conferências sociais que a ONU promoveu na década de 90: Criança (NY/90);

Leia mais

Perfil do Município IDHM. População. Renda per capita em R$ 0, hab. 593,90. Fonte: PNUD, Ipea e FJP

Perfil do Município IDHM. População. Renda per capita em R$ 0, hab. 593,90. Fonte: PNUD, Ipea e FJP IDHM 0,717 População Perfil do Município 700.000 hab. Renda per capita em R$ 593,90 Fonte: PNUD, Ipea e FJP Regionalização da Gestão Mapa dos Quatro Eixos Igualdade Competitividade Habitabilidade Modernidade

Leia mais

Pacto Global das Nações Unidas Rede Brasil. Workshop Sustentabilidade na Prática e Modelo de Negócio

Pacto Global das Nações Unidas Rede Brasil. Workshop Sustentabilidade na Prática e Modelo de Negócio Pacto Global das Nações Unidas Rede Brasil Workshop Sustentabilidade na Prática e Modelo de Negócio São Paulo, 27 de setembro de 2016 Pacto Global das Nações Unidas Lançado em 2000 por Koffi Annan; Mais

Leia mais

DECRETO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição Federal,

DECRETO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição Federal, DECRETO Convoca a 1ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição Federal, DECRETA:

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Marília Melo - janeiro, 2012

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Marília Melo - janeiro, 2012 SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Marília Melo - janeiro, 2012 POLÍCIA O governo do Estado de Minas Gerais e a Rio + 20 POLÍCIA CONTEXTUALIZAÇÃO - Marcos Rio 92 à Conferência

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I)

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Rede de Cooperação Técnica em Saúde da União de Nações

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Além de integrar a missão e visão da FACISC, o Desenvolvimento Sustentável passa agora a ser uma de nossas Diretrizes de atuação. Desta forma, propondo a ampliação

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

Grupo de Pesquisa. Pesquisa em Sustentabilidade

Grupo de Pesquisa. Pesquisa em Sustentabilidade Centro Universitário SENAC Diretoria de Graduação e Pesquisa Coordenação Institucional de Pesquisa Identificação Grupo de Pesquisa Grupo Pesquisa em Sustentabilidade Linhas de Pesquisa Técnicas e tecnologias

Leia mais

Vice-Presidente Associação Brasileira de Supermercados (Abras) Titular Lidiane Duarte Nogueira. Titular Fábio Gomes Morand Bentes

Vice-Presidente Associação Brasileira de Supermercados (Abras) Titular Lidiane Duarte Nogueira. Titular Fábio Gomes Morand Bentes R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego - MTE Representação Efetiva Grupo de Trabalho do CRT para discutir a "Informalidade do Trabalhador Empregado Representantes: Marcio

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA

Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA 1 Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 PROGRAD/PRODOCÊNCIA CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA Art. 1º. A Conferência das Licenciaturas, biênio 2015/2016, promovida pela

Leia mais

Suplente Lidiane Duarte Nogueira. Ações Reunião Ordinária realizada no dia 3 de dezembro de 2014

Suplente Lidiane Duarte Nogueira. Ações Reunião Ordinária realizada no dia 3 de dezembro de 2014 R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Grupo de Trabalho Tripartite (GTT) para Implementação da Agenda Nacional de Trabalho Decente (ANTD)

Leia mais

ABRIL DE Apoio

ABRIL DE Apoio PROPOSTA DE TRABALHO CAMPANHA CONTRA AS PRÁTICAS ANTI-SINDICAIS ABRIL DE 2008 Apoio I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJ ETO Título: Campanha Sindical contra as Práticas Anti-Sindicais (PAS) Duração do Projeto: 24

Leia mais

A experiência de avaliação do Sou da Paz: aprendizagens e desafios. julho 2012

A experiência de avaliação do Sou da Paz: aprendizagens e desafios. julho 2012 A experiência de avaliação do Sou da Paz: aprendizagens e desafios julho 2012 Roteiro da conversa Apresentação do SDP Sentidos da avaliação para a instituição Linha do tempo da avaliação Primeiras avaliações

Leia mais

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010)

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade,

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 9ºano TURMAS: A, B e C ANO LECTIVO: 20/202 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 5: Contrastes de desenvolvimento (º Período) AULAS PREVISTAS: 6 * 90

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social 1

IX Conferência Nacional de Assistência Social 1 IX Conferência Nacional de Assistência Social INFORMATIVO Nº08/2013 SOBRE A MOBILIZAÇÃO PARA A PARTICIPAÇÃO DOS USUÁRIOS NAS CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL IX Conferência Nacional de Assistência Social

Leia mais

AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE

AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE AGENDA ESTADUAL DO TRABALHO DECENTE Segundo definição da OIT, Trabalho Decente é um trabalho adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, eqüidade e segurança, capaz de garantir uma vida

Leia mais

(Compareceu) Representante Observador Marcio Milan. Vice-presidente Associação Brasileira de Supermercados (Abras)

(Compareceu) Representante Observador Marcio Milan. Vice-presidente Associação Brasileira de Supermercados (Abras) R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Grupo de Trabalho do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto Representantes: Titular Alain Alpin Mac

Leia mais

MESA REDONDA DA SOCIEDADE CIVIL - BRASIL/UNIÃO EUROPÉIA

MESA REDONDA DA SOCIEDADE CIVIL - BRASIL/UNIÃO EUROPÉIA Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social - CDES Comité Económico e Social Europeu - CESE MESA REDONDA DA SOCIEDADE CIVIL - BRASIL/UNIÃO EUROPÉIA MAIO / 2009 OBJETIVO: A Mesa Redonda da Sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO 3º CONGRESSO DA CSP-CONLUTAS CENTRAL SINDICAL E POPULAR

REGIMENTO INTERNO DO 3º CONGRESSO DA CSP-CONLUTAS CENTRAL SINDICAL E POPULAR REGIMENTO INTERNO DO 3º CONGRESSO DA CSP-CONLUTAS CENTRAL SINDICAL E POPULAR Capítulo I da Convocação, objetivos, organização, local, data e participantes: Art. 1º O 3º Congresso da CSP-Conlutas Central

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE

Paulo Jannuzzi ENCE/IBGE Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e as oportunidades para o aprimoramento no monitoramento e avaliação de políticas públicas em nível subnacional: reflexões a partir da experiência da SAGI/MDS Paulo

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS

SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS A POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AS REGIÕES METROPOLITANAS Antonio Carlos F. Galvão (SDR-MI)

Leia mais

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012

REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 REALIZAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO 2012 Plenamente Realizado Parcialmente Realizado Não Realizado Relacionamento Fortalecer delegações brasileiras para os congressos COF e EFC Articular a agenda dos associados

Leia mais

AGENDA PRELIMINAR. Desenvolvimento Sustentável no Mundo do Café

AGENDA PRELIMINAR. Desenvolvimento Sustentável no Mundo do Café AGENDA PRELIMINAR SEGUNDA-FEIRA, 10 DE JULHO 19:00 22:00 COCKTAIL DE BOAS-VINDAS, HOTEL INTERCONTINENTAL. TERÇA-FEIRA, 11 DE JULHO 8:00 9:00 REGISTO 9:00 10:30 RECEÇÃO E CERIMÓNIA DE ABERTURA Comentários

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento

APLs como Estratégia de Desenvolvimento APLs como Estratégia de Desenvolvimento Os Núcleos Estaduais de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais: Estrutura, Parceiros e Compromissos com o Desenvolvimento Fabiany Made e Vellasco Coordenação Geral

Leia mais

PROJETO GERAL PRODUTO DO PROJETO:

PROJETO GERAL PRODUTO DO PROJETO: PROJETO GERAL PRODUTO DO PROJETO: Nome do evento: I Conferência Regional de Desenvolvimento Sustentável do Bioma Caatinga A Caatinga na Rio + 20 Data: 09, 10 e 11 de novembro de 2011 Local: Sede do Banco

Leia mais

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima Edição nº 69 Outubro 215 submete suas INDCs à Convenção do Clima A vigésima Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 2) foi uma etapa essencial no processo negociador

Leia mais

Desenvolvimento e Sindicalismo Rural no Brasl

Desenvolvimento e Sindicalismo Rural no Brasl 2 COORDENAÇÃO GERAL DO PROJETO 98-99 Alberto Brock - CONTAG Altemir Tortelli - CUT Armando Santos Neto Assessor da CONTAG Eugênio Peixoto Assessor da CONTAG Maria de Fátima R. da Silva - CONTAG Hilário

Leia mais

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA 11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE Curitiba / 2011 APROVADO NA 5ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DE RECURSOS HUMANOS 1. DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO AO UN GLOBAL COMPACT A APESPE RH- Associação Portuguesa

Leia mais

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP

III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP III REUNIÃO ORDINÁRIA DE MINISTROS DOS ASSUNTOS DO MAR DA CPLP Díli, 18 de maio de 2016 DECLARAÇÃO DE DÍLI Os Ministros dos Assuntos do Mar da CPLP ou seus representantes de Angola, Brasil, Cabo Verde,

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira Advogado Divisão Sindical da CNC. Ações Reunião Ordinária realizada nos dias 5 e 6 de abril de 2016.

Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira Advogado Divisão Sindical da CNC. Ações Reunião Ordinária realizada nos dias 5 e 6 de abril de 2016. RELAÇÕES DO TRABALHO Órgão Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS) Representação Efetiva Comissão Tripartite de Revisão do Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente (PNETD) Representantes

Leia mais

PORTARIA AG/DEFN N.º. 062/2013 Recife, 25 de julho de 2013.

PORTARIA AG/DEFN N.º. 062/2013 Recife, 25 de julho de 2013. PORTARIA AG/DEFN N.º. 062/2013 Recife, 25 de julho de 2013. EMENTA: Convoca a II Conferência Distrital do Meio Ambiente do Distrito Estadual de Fernando de Noronha e dá outras providências. O ADMINISTRADOR

Leia mais

INICIATIVA DO ENSINO MÉDIO. Histórico e Ações do GT. Maio de 2017

INICIATIVA DO ENSINO MÉDIO. Histórico e Ações do GT. Maio de 2017 INICIATIVA DO ENSINO MÉDIO Histórico e Ações do GT Maio de 2017 INICIATIVA DO ENSINO MÉDIO DECLARAÇÃO DE ESCOPO Entendimento do contexto e proposta da iniciativa: CONTEXTO E NECESSIDADE OBJETIVO DA INICIATIVA

Leia mais

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017

1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde. Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 1ª Conferência nacional de Vigilância em Saúde Etapa Nacional - de 21 a 24 de novembro de 2017 Motivação Debater na sociedade brasileira: Direito à Promoção e Proteção da Saúde - compreendendo a Vigilância

Leia mais

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE)

CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) CAPACITAÇÃO SOBRE A AVALIAÇÃO EMPRESARIAL DE SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS (ESR) Parceria Empresarial pelos Serviços Ecossistêmicos (PESE) JULHO 2014 + Agenda Horário Atividade Facilitador 9:00 Boas Vindas e

Leia mais

Projeto - Agenda 21 na escola

Projeto - Agenda 21 na escola Projeto - Agenda 21 na escola Fonte: istock Tema: Sustentabilidade socioambiental Público alvo O projeto é destinado a todos os alunos e funcionários da escola devendo ser estendido também aos pais e comunidade

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06

Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06 Relações raciais e educação - leis que sustentaram o racismo e leis de promoção da igualdade racial e étnica 23/06 Bel Santos Mayer Vera Lion Políticas de Promoção da Igualdade de oportunidades e tratamento

Leia mais

LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas

LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas LIFE 2014/2020 Subprograma Ação Climática Mitigação às Alterações Climáticas Auditório do LNEC, Lisboa, 25 de janeiro de 2017 Ana Daam DCLIMA/DMMC 25/01/2017 Pacote Clima-Energia 2020 2 Política Climática

Leia mais

6ª PLENÁRIA NACIONAL DE MULHERES TRABALHADORAS RURAIS

6ª PLENÁRIA NACIONAL DE MULHERES TRABALHADORAS RURAIS 6ª PLENÁRIA NACIONAL DE MULHERES TRABALHADORAS RURAIS PROGRAMAÇÃO LEMA: Margaridas trabalhadoras rurais por paridade rumo à igualdade a luta é todo dia! Data: 8 a 11 de novembro de 2016 Local: CESIR/CONTAG

Leia mais

Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável

Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável Mesa Redonda da Madeira Tropical Sustentável Rede Amigos da Amazônia Quem somos nós? 2000 Influenciar o setor público a adotar políticas responsáveis de consumo de madeira tropical Estados Amigos da Amazônia

Leia mais

Panorama Geral das Normas de Responsabilidade Social ISO e NBR e o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Panorama Geral das Normas de Responsabilidade Social ISO e NBR e o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social Panorama Geral das Normas de Responsabilidade Social ISO 26000 e NBR 16001 e o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 2005 ISO inicia o desenvolvimento da Diretriz Internacional

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos

APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação do Governo Federal nos últimos 12 anos XIII Seminário Nacional de Arranjos Produtivos Locais de Base Mineral X Encontro do Comitê Temático Rede Brasileira de APL de Base Mineral - CT RedeAPLmineral APLs como Estratégia de Desenvolvimento Atuação

Leia mais

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES FORMAÇÃO SINDICAL PARA A PROMOÇÃO DO TRABALHO DECENTE. Módulo 3 PROGRAMAÇÃO

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES FORMAÇÃO SINDICAL PARA A PROMOÇÃO DO TRABALHO DECENTE. Módulo 3 PROGRAMAÇÃO FORMAÇÃO SINDICAL PARA A PROMOÇÃO DO TRABALHO DECENTE Módulo 3 PROGRAMAÇÃO 29/03/12 30/03/12 31/03/12 Abertura Resgate dos Módulos Anteriores Campanha CUT Liberdade e Autonomia Sindical Trabalho Decente

Leia mais

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013 REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS 10 de Dezembro 2013 I Denominação Fundada no Brasil em 16 de março de 2007, denomina-se REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA o conjunto de organizações da

Leia mais

DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008)

DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008) 1 DECRETO DE 21 DE JULHO DE 2008 (DOU 22/07/2008) Cria a Comissão Nacional de Combate à Desertificação - CNCD e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o

Leia mais

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA

ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA ESTATUTO DA FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA Art.1 - A FRENTE PARLAMENTAR EM DEFESA DO SISTEMA NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS- SNA, constituída de acordo com o Ato

Leia mais

PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO Lei 10.179/2014 POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS OUTORGA ENQUADRAMENTO COBRANÇA SISTEMA DE INFORMAÇÕES COMPENSAÇÃO FUNDÁGUA PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO. Agosto de 2016

RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO. Agosto de 2016 RUMO À ECONOMIA DE BAIXO CARBONO Agosto de 2016 SOBRE A COALIZÃO BRASIL ESTRUTURA ORGANIZACIONAL O QUE FAZEMOS NOSSO FOCO EM 2016 SOBRE A COALIZÃO BRASIL objetivo Criar uma agenda viável e pragmática para

Leia mais