PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO"

Transcrição

1 PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

2 QUALIFICAÇÃO: DESCRIÇÃO GERAL: TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO Executar as atividades relativas à higiene, alimentação, sanidade, reprodução e maneio de animais em cativeiro respeitando o bem estar animal e de acordo com as normas de proteção do ambiente, segurança, higiene e saúde do trabalho. ACTIVIDADES 1. Preparar e ministrar a alimentação aos animais, tendo em conta o programa alimentar definido para cada espécie e para cada animal de acordo com a fase do seu ciclo de vida Assegurar a alimentação das diferentes espécies, nomeadamente a administração de diferentes tipos de alimentos naturais, alimentos de substituição e suplementos, preparando os e disponibilizando os de acordo com as necessidades específicas dos animais; 1.2. Controlar a qualidade da água de beberagem e assegurar a sua disponibilidade. 2. Assegurar a conservação dos alojamentos dos animais a nível higiénico, sanitário, ambiental e funcional, utilizando os meios colocados à sua disposição Proceder à preparação dos alojamentos dos animais com vista à criação de um ambiente semelhante ao do seu habitat natural, montando estruturas adequadas às características dos animais, barreiras de proteção e segurança e efetuando o seu enriquecimento ambiental, colocando, nomeadamente, árvores, troncos, pedras, rochas, plantas, cordas, ramos, ninhos, tocas, abrigos e lagos; 2.2. Assegurar a limpeza e higienização diária dos alojamentos e a manutenção das condições ambientais adequadas ao desenvolvimento e bem estar dos animais, controlando, nomeadamente, a temperatura, luminosidade, ventilação e qualidade e higiene da água. 3. Executar tarefas associadas à higiene e sanidade dos animais, vigiando o seu estado de saúde e aplicando as medidas profilácticas e os tratamentos curativos simples, seguindo as instruções do médico veterinário Proceder à imunização dos animais, administrando lhes as vacinas definidas no plano de vacinação; 3.2. Efectuar a desparasitação dos animais de acordo com as normas estabelecidas; 3.3. Efectuar testes e exames de rotina aos animais, de acordo com as prescrições do médico veterinário; 3.4. Vigiar os animais, a fim de detetar sinais de doença pela observação de alterações, nomeadamente, no comportamento, respiração, penas e pelo, e adotar as medidas necessárias; 3.5. Assistir os animais em situações de emergência prestando os cuidados de primeiros socorros; 3.6. Impedir o contacto de animais sãos com outros possivelmente infetados, aplicando medidas preventivas estipuladas, tais como isolamento, sequestro e quarentena. 4. Executar tarefas associadas à reprodução dos animais em cativeiro Efectuar o acompanhamento dos animais em fase de reprodução, detetando sinais de acasalamento e cios; 4.2. Intervir no habitat dos animais com vista à criação das condições favoráveis ao seu acasalamento; 4.3. Detetar sinais de gestação e de partos/postura nas fêmeas, tomando as medidas necessárias ao seu bom desenvolvimento; 4.4. Acompanhar o desenvolvimento dos recém nascidos, vigiando o comportamento da mãe e das crias. 5. Proceder à captura e imobilização dos animais com vista ao seu transporte, utilizando os métodos adequados e respeitando as normas de segurança e de bem estar animal. 6. Proceder à identificação dos animais, utilizando os métodos adequados, tais como, coloração da pele, colocação de brincos, incisões e anilhas e preencher os dados relativos a cada animal em fichas de identificação. 7. Prestar informações ao público sobre os hábitos, características e habitat natural dos animais ao seu cuidado. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

3 8. Registar dados relativos à atividade desenvolvida, nomeadamente, tratamentos efetuados, alimentação, cuidados de higiene e ocorrências anómalas. COMPETÊNCIAS SABERES Noções de: 1. Anatomia e fisiologia dos animais. 2. Etologia. 3. Biologia - microbiologia, imunologia e parasitologia. 4. Saúde animal. 5. Exigências alimentares e ambientais dos animais em cativeiro. 6. Legislação aplicada à atividade profissional. 7. Equilíbrio ecológico. 8. Biodiversidade. 9. Conservação das espécies e princípios da reprodução animal. Conhecimentos de: 10. Caracterização dos parques zoológicos. 11. Critérios de classificação dos animais. 12. Comportamento animal. 13. Stress e bem-estar animal. 14. Processos de adaptação dos animais ao meio ambiente e ao seu espaço/alojamento. 15. Composição dos alimentos e dietas alimentares dos animais em cativeiro. 16. Normas de proteção individual, segurança, higiene e saúde no maneio e transporte dos animais. 17. Normas de proteção e segurança dos animais em cativeiro. 18. Normas de proteção e segurança do público. 19. Classificação e caracterização de animais invertebrados. 20. Classificação e caracterização de peixes. 21. Classificação e caracterização de répteis. 22. Classificação e caracterização de anfíbios. 23. Classificação e caracterização de aves. 24. Classificação e caracterização de pequenos mamíferos. 25. Classificação e caracterização de grandes mamíferos. 26. Classificação e caracterização de mamíferos aquáticos. 27. Processos de reprodução dos animais em cativeiro. 28. Técnicas de deteção de sinais de doença, acasalamento, cios, prenhez, gestação e nidificação. 29. Técnicas de prevenção e tratamento de doenças de animais em cativeiro. 30. Técnicas de imunização, desparasitação e controlo de agentes patogénicos dos animais em cativeiro. Conhecimentos aprofundados de: 31. Processos de conservação e armazenamento de alimentos. 32. Métodos de identificação dos animais. 33. Técnicas de condicionamento ambiental. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

4 34. Técnicas de preparação dos alojamentos para animais invertebrados. 35. Técnicas de preparação do meio ambiente dos peixes. 36. Técnicas de preparação dos alojamentos de répteis e anfíbios. 37. Técnicas de preparação dos alojamentos de aves. 38. Técnicas de preparação dos alojamentos de pequenos mamíferos. 39. Técnicas de preparação dos alojamentos de grandes mamíferos. 40. Técnicas de preparação dos alojamentos de mamíferos aquáticos. 41. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos animais invertebrados. 42. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos peixes. 43. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos répteis e anfíbios. 44. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos às aves. 45. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos pequenos mamíferos. 46. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos grandes mamíferos. 47. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos mamíferos aquáticos. 48. Processos de captura, imobilização e transporte de animais invertebrados. 49. Processos de captura, imobilização e transporte de peixes. 50. Processos de captura, imobilização e transporte de répteis. 51. Processos de captura, imobilização e transporte de animais anfíbios. 52. Processos de captura, imobilização e transporte de aves. 53. Processos de captura, imobilização e transporte de pequenos mamíferos. 54. Processos de captura, imobilização e transporte de grandes mamíferos. 55. Processos de captura, imobilização e transporte de mamíferos aquáticos. 56. Técnicas de manuseamento de animais invertebrados. 57. Técnicas de manuseamento de peixes. 58. Técnicas de manuseamento de répteis. 59. Técnicas de manuseamento de aves. 60. Técnicas de manuseamento de pequenos mamíferos. 61. Técnicas de manuseamento de grandes mamíferos. 62. Técnicas de manuseamento de mamíferos aquáticos. 63. Técnicas de limpeza e higienização das instalações e dos alojamentos dos animais. 64. Técnicas de acompanhamento e vigilância dos animais nas diferentes fases do seu ciclo de vida. 65. Técnicas de higiene e conservação dos equipamentos e utensílios. SABERES-FAZER 1. Identificar, caracterizar e classificar os animais do parque zoológico. 2. Assegurar a alimentação e a água de beberagem dos animais. 3. Utilizar as técnicas de preparação, conservação e armazenamento de alimentos. 4. Utilizar as técnicas de condicionamento ambiental e de adequação do espaço às características dos animais. 5. Identificar sinais típicos relacionados com stress, anomalias ou doenças nos animais. 6. Identificar sinais típicos de acasalamento, cios, prenhez, gestação e nidificação. 7. Utilizar as técnicas de prevenção e tratamento de doenças de animais em cativeiro. 8. Utilizar as técnicas de imunização, desparasitação e controlo de agentes patogénicos dos animais em cativeiro. 9. Utilizar as técnicas de proteção individual, segurança, higiene e saúde no maneio e transporte dos animais. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

5 10. Utilizar as técnicas de proteção e segurança dos animais em cativeiro. 11. Utilizar as técnicas de proteção e segurança do público. 12. Utilizar as técnicas de captura e imobilização de animais. 13. Utilizar as técnicas de transporte de animais. 14. Utilizar as técnicas de identificação dos animais. 15. Utilizar as técnicas de manuseamento de animais invertebrados. 16. Utilizar as técnicas de manuseamento de peixes. 17. Utilizar as técnicas de manuseamento de répteis. 18. Utilizar as técnicas de manuseamento de animais anfíbios. 19. Utilizar as técnicas de manuseamento de aves. 20. Utilizar as técnicas de manuseamento de pequenos mamíferos. 21. Utilizar as técnicas de manuseamento de grandes mamíferos. 22. Utilizar as técnicas de manuseamento de mamíferos aquáticos. 23. Utilizar as técnicas e os produtos adequados à manutenção das condições de higiene e limpeza e de utilização de equipamentos e instrumentos. 24. Utilizar as técnicas de limpeza e higienização das instalações e dos alojamentos dos animais. 25. Utilizar as técnicas de acompanhamento e vigilância dos animais nas diferentes fases do seu ciclo de vida. SABERES-SER 1. Organizar as atividades, de forma a responder às solicitações do serviço, interagindo com os outros elementos da equipa de trabalho. 2. Decidir sobre as soluções mais adequadas na resolução de problemas de menor complexidade decorrentes do exercício da atividade. 3. Integrar as normas de proteção e melhoria do ambiente, proteção individual e coletiva, segurança, higiene e saúde no trabalho com animais de cativeiro e o bem estar animal no exercício da atividade. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS PERFIL PROFISSIONAL ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. PERFIL PROFISSIONAL

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no Boletim

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ESTETICISTA

PERFIL PROFISSIONAL ESTETICISTA PERFIL PROFISSIONAL ESTETICISTA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no Boletim do Trabalho do

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações 1ª

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 621157 - Tratador/a / Desbastador/a de Equinos Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA (ESAS)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA (ESAS) INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA (ESAS) Informação sobre os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) O Curso de Especialização Tecnológica (CET) é uma formação pós-secundária

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE Publicação e atualizações Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 32 de 29 de Agosto de 2010 com entrada em vigor a 29 de Agosto de 2010. PERFIL

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR Planificação anual de Tecnologia Alimentar 10.ºano 01/013 Turma: 10.º N Professora: Madalena Tavares - Estrutura e Finalidades da

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA RESOLUÇÃO CFMV Nº 1069/14

ASPECTOS LEGAIS DA RESOLUÇÃO CFMV Nº 1069/14 Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS ASPECTOS LEGAIS DA RESOLUÇÃO CFMV Nº 1069/14 M.V. Mateus da Costa Lange MSc em Ciências Veterinárias Coord.Técnico Fiscalização

Leia mais

PROJETO DE NORMALIZAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM TURISMO DE AVENTURA SÍNTESE DAS NORMAS TÉCNICAS SUBCOMITÊ TURISMO DE AVENTURA SC TA ABNT/CB54

PROJETO DE NORMALIZAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM TURISMO DE AVENTURA SÍNTESE DAS NORMAS TÉCNICAS SUBCOMITÊ TURISMO DE AVENTURA SC TA ABNT/CB54 PROJETO DE NORMALIZAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM TURISMO DE AVENTURA SÍNTESE DAS NORMAS TÉCNICAS SUBCOMITÊ TURISMO DE AVENTURA SC TA ABNT/CB54 1. Comissão de Estudo 54:003.01 Turismo de aventura Competências

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado)

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado) PECUÁRIA BIOLÓGICA (Reg. 2082/91, modificado) SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa sativa@sativa.pt www.sativa.pt Introdução consumidores - preocupações

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Planificação Anual da Disciplina de P.A.F.D. 10º ano Ano Letivo de 2016/2017 Calendarização Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos

Leia mais

Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo. Descrição sumária das Tarefas:

Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo. Descrição sumária das Tarefas: Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo PM - 001 Mestre de Pesca Descrição sumária das Tarefas: Comandar a embarcação, superintendendo todas as secções a bordo, competindo-lhe

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A

PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 23 de 22 de Junho de 2010 com entrada em vigor a 22 de Junho de 2010. Publicação e atualizações 1ª Actualização

Leia mais

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação

Português Língua Estrangeira Área de Integração Educação Física Tec. de Inf. e Comunicação TURISMO Conferências Visitas de Estudo O Turismo é o profissional que executa serviços de informação, animação e organização de eventos em empresas de turismo, de reservas em agências de viagens e de receção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini-RS

Prefeitura Municipal de Piratini-RS LEI N. 1381/2013 CRIA CATEGORIAS FUNCIONAIS DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL, AGENTE DE ENDEMIAS, TÉCNICO DE ENFERMAGEM, FISIOTERAPEUTA E FONOAUDIÓLOGO, COM SEUS RESPECTIVOS CARGOS E PADRÃO DE VENCIMENTOS, NO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A. PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A. PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO - Preparar, cozinhar

Leia mais

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER

Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER Normas de Funcionamento - ATL 1º Ciclo BRINCAR A APRENDER 1. Objetivos Específicos a) Organizar e promover atividades destinadas a crianças que frequentam o 1.º ciclo do ensino básico, com a finalidade

Leia mais

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo BOAS PRÁTICAS NA EXPLORAÇÃO PECUÁRIA Auditório da Sede da CAP Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo Susana Souto Barreiros DSVRLVT Lisboa,14 de Abril de 2010 Planos de Controlos Oficiais

Leia mais

Centro de Apoio a Idosos de Portimão. Enfermeiro/a CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO

Centro de Apoio a Idosos de Portimão. Enfermeiro/a CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO Centro de Apoio a Idosos de Portimão Admite Enfermeiro/a Com funções complementares de coordenação no setor de internato CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO 1. Caracterização sumária das funções. 1) Ao conteúdo

Leia mais

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV

Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Direção de Serviços de Segurança Alimentar / DGAV Assunto: COMERCIALIZAÇÃO DE REBENTOS Esclarecimento 11/2013 A presente nota de esclarecimento pretende elucidar os operadores de empresas do setor alimentar

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Compreender a como um planeta especial. Compreender que o solo é um material terrestre de suporte de vida. Compreender a importância das rochas e dos minerais. Compreender a importância

Leia mais

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 08 de Junho de 2015 Documento Regulamento de Laboratórios do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 08/06/2015 Data entrega Assembleia

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

Boas Práticas em Serviços de

Boas Práticas em Serviços de FEIRA+FÓRUM FÓRUM HOSPITALAR 2011 24 de Maio de 2011 São Paulo SP Boas Práticas em Serviços de Saúde Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA Noção Matemática

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMETOLOGIA SERIADO ANUAL - NOTURNO

MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMETOLOGIA SERIADO ANUAL - NOTURNO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMETOLOGIA TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Manuseamento de Produtos Químicos

Manuseamento de Produtos Químicos SAÚDE EM PISCINAS II Encontro Manuseamento de Produtos Químicos Ana Filipa Pires FIL, Fevereiro 2005 Centro Regional de Saúde Pública de Lisboa e Vale do Tejo OBJECTIVO Manipular correctamente produtos

Leia mais

Competências a Desenvolver

Competências a Desenvolver ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE GONDOMAR Curso Profissional Técnico de Construção Civil Turma: 12º12 Disciplina de OFICINA TECNOLÓGICA PLANIFICAÇÃO ANUAL DAS ATIVIDADES LETIVAS 2013/2014

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 1 EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 A Direção Geral da Faculdade Evangélica do Paraná FEPAR, no uso de suas atribuições, comunica a seleção de docentes para o ano letivo de 2010,

Leia mais

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6

FISPQ DP /01/2012 Página 1 de 6 Página 1 de 6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: HCl Algicida Choque Aplicação: Eliminação de Algas Nome da Empresa: Hidroall

Leia mais

Reprodução E CICLO DE VIDA DAS AVES

Reprodução E CICLO DE VIDA DAS AVES E CICLO DE VIDA DAS AVES O ciclo reprodutivo das aves está diretamente ligado a fatores ambientais e manejo. A luminosidade, temperatura e higiene, combinados com uma alimentação balanceada, são essenciais

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

Bom dia... Manejo e Aleitamento Artificial de Cabritos. Programa. Mas tem mais... Importância do aleitamento Objetivos

Bom dia... Manejo e Aleitamento Artificial de Cabritos. Programa. Mas tem mais... Importância do aleitamento Objetivos Bom dia... Manejo e Aleitamento Artificial de Cabritos * * * Prof. Dr. Silvio Doria de Almeida Ribeiro Profa. Dra. Anamaria Cândido Ribeiro 1/39 Programa Introdução Introdução Cuidados com o recém- nascido

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

III ENCONTRO DA SUCF CA FF PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO AVALIAÇÃO INICIAL

III ENCONTRO DA SUCF CA FF PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO AVALIAÇÃO INICIAL III ENCONTRO DA SUCF CA FF PROTOCOLOS DE ATUAÇÃO 26 DE OUTUBRO DE 2012 UCF Materno-Neonatal BM2 CONSULTA DE ENFERMAGEM - TÓPICOS DE REFERÊNCIA AVALIAÇÃO INICIAL Identificação da utente; - Altura (cm) -

Leia mais

Medicina preventiva em cães

Medicina preventiva em cães Medicina preventiva em cães Os animais saudáveis desempenham um papel muito importante na atividade da clínica durante um tempo de vida médio de 12 anos, o animal é levado à consulta 10 a 15 vezes por

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO Campus CEDETEG ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO Campus CEDETEG ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1ª SÉRIE ANUAL MANHÃ 07h30min Imunologia o Anatomia Humana Laboratório de Anatomia Humana Fisiologia Humana e Biofísica TA e TB Microbiologia TA Parasitologia TB SALA 6 BLOCO 1 08h20min Imunologia o Anatomia

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2 - Fone (45) 3252-336 - Fax (45) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: Ciências

Leia mais

TECNOLOGIAS APLICADAS

TECNOLOGIAS APLICADAS ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO Ano Lectivo: 2009/2010 CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES TECNOLOGIAS APLICADAS 12 ANO - Turma TE Professor: Ana Lisa Rodrigues Grupo: 0 Tecnologias

Leia mais

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001.

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. CRIA CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO NO PLANO DE CARREIRA DA SECRETARIA DE SAÚDE, LEI N 1811 DE 18 DE OUTUBRO DE 1994, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. GLAUCO SCHERER, PREFEITO

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 30 Fone: (061) 3443-7878 Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Elizangela (B1), Guilherme (B) e Camilla Silva(B3) Série: º Turmas: 01, 0, 03, 04 e 05 PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Zoologia dos Vertebrados 60

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Zoologia dos Vertebrados 60 CENTRO: Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais CURSO: Ciências Habilitação em Biológia DEPARTAMENTO: Química e Biologia PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática

Leia mais

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural Cursos Profissionais - nível Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Despacho nº 14758/2004 (2ª série), de 23 de Julho, Portaria nº 550-C/2004, de 21

Leia mais

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I

1) A selecção do método mais adequado para a conservação de alimentos, depende de factores ambientais e de factores intrínsecos ao próprio alimento. I 1) Quais as condições para que ocorra doença por via da acção de agentes biológicos? 2) Qual a diferença entre intoxicação e infecção alimentar? 3) Quais os microrganismos mais frequentemente considerados

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h)

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico instalador

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA NA ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO N.º 1, AREIAS, SETÚBAL Considerando que: a) O Despacho n.º 14 460/2008, da Ministra da Educação, de 15 de

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 30 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1), Elizangela

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Formadora - Magda Sousa MÓDULO 1 NORMATIVOS LEGAIS OBJECTIVO Interpretar e aplicar a legislação, regulamentos

Leia mais

MANUAL: Refeitórios escolares de gestão municipal

MANUAL: Refeitórios escolares de gestão municipal MUNICÍPIO DE OEIRAS DECPC Divisão de Educação MANUAL: Refeitórios escolares de gestão municipal Conforme o Plano de Atribuição de Auxílios Económicos no Âmbito da Ação Social Escolar, aprovado pela Assembleia

Leia mais

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CONTABILIDADE ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL Técnico Especialista em Contabilidade LEGISLAÇÃO APLICÁVELL Decreto-lei nº 88/2006, de

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código interno: 12011 Empresa: BOMBRIL S/A TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 0800 014 8110 2 - COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS OPÇÃO BIOLOGIA MARINHA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS OPÇÃO BIOLOGIA MARINHA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO D ACHARLADO M CIÊNCIAS IOLÓGICAS OPÇÃO IOLOGIA MARINHA Fase 1ª ACHARLADO M CIÊNCIAS IOLÓGICAS OPÇÃO IOLOGIA MARINHA Disciplina Créditos Nº de Turmas C.H. Docente por Teóricos

Leia mais

Planificação Anual Estudo do Meio 1º ano Departamento 1.º Ciclo

Planificação Anual Estudo do Meio 1º ano Departamento 1.º Ciclo Domínios Objetivos Descritores de Desempenho À DESCOBERTA DE SI MESMO À DESCOBERTA DOS OUTROS E DAS INSTITUIÇÕES Conhecer a sua identificação; Conhecer o seu nome e endereço; Conhecer o seu sexo e a sua

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno 1 a 2 a 01 GCB189 Biologia Celular 02 GEX213 Matemática C 03 GEX341 Química Geral e Orgânica

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V Informações aos Encarregados de Educação do trabalho a realizar no: 5º Ano Ciências Naturais Ano Letivo 2015/2016 1. Aulas previstas: Aulas (*) 5º1ª 5º2ª 5º3ª 5º4ª 1º Período: 21 de Setembro - 17 de Dezembro

Leia mais

SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS. Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS. Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SERVIÇOS FLORESTAIS: TRABALHO COM SEGURANÇA PRINCIPAIS RISCOS DOS TRABALHOS FLORESTAIS Interprev Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Cecília Leonor Guarda, 02 de Outubro de 2012 PRINCIPAIS RISCOS DOS

Leia mais

840 Serviços de Transporte

840 Serviços de Transporte 840 Serviços de Transporte CAM para Formação Inicial Acelerada de Passageiros Destinatários Motoristas com mais de 23 anos nas categorias D e D+E que tiverem obtido a sua carta de condução após 9 de Setembro

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

CARGO E REQUISITO DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA

CARGO E REQUISITO DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA CARGO E REQUISITO Advogado Completo em Direito com inscrição na OAB DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA Representar e defender judicialmente e extra judicialmente a Fundação. Analisar e elaborar pareceres

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Processo de candidatura Bandeira Azul 2013 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica

Leia mais

MPT. Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS

MPT. Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS MPT Ministério Público do Trabalho RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS OCUPACIONAIS JULIANA BORTONCELLO FERREIRA Procuradora do Trabalho EXEMPLOS DE FATORES OCUPACIONAIS DE RISCO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de

MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE. 9 de Janeiro de MODELO DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE 9 de Janeiro de 2010 1 Modelo CRITÉRIOS RIOS MEIOS CRITÉRIO 1. LIDERANÇA, PLANEAMENTO E ESTRATÉGIA Como a gestão desenvolve e prossegue a missão, a visão e os valores da

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 811311 - Empregado/a de Restaurante/Bar Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia (UC)

Leia mais

Evolução dos vertebrados

Evolução dos vertebrados PEIXES Evolução dos vertebrados PEIXES PULMONADOS AVES ÓSSEOS ANFÍBIOS RÉPTEIS CICLÓSTOMO PEIXES MAMÍFEROS CARTILAGINOSOS Peixe Primitivo (Lampreias e Feiticeiras) Características gerais Exclusivamente

Leia mais

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L

M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L M U N I C Í P I O D E C A R R E G A L D O S A L Mapa de Pessoal para o Ano de 0 - artigos 4.º e 5.º da Lei n.º -A/008 Unidades s/subunidades s Cargo/carreira /categoria Chefe de divisão - Dirigente intermédio

Leia mais

Laca Wideprint BOLETIM TÉCNICO COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES PERIGOSOS SUBSTÂNCIA COMPOSIÇÃO (%) CLASSIFICAÇÃO

Laca Wideprint BOLETIM TÉCNICO COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES PERIGOSOS SUBSTÂNCIA COMPOSIÇÃO (%) CLASSIFICAÇÃO COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES PERIGOSOS SUBSTÂNCIA PRODUTO BASE ÁGUA COMPOSIÇÃO (%) PROPRIETÁRIA CLASSIFICAÇÃO Não contém substâncias ou preparações perigosas, de acordo com as diretrizes

Leia mais

DECRETO N.º 189/IX DEFINE O REGIME JURÍDICO DA ASSISTÊNCIA NOS LOCAIS DESTINADOS A BANHISTAS. Artigo 1.º Objecto

DECRETO N.º 189/IX DEFINE O REGIME JURÍDICO DA ASSISTÊNCIA NOS LOCAIS DESTINADOS A BANHISTAS. Artigo 1.º Objecto DECRETO N.º 189/IX DEFINE O REGIME JURÍDICO DA ASSISTÊNCIA NOS LOCAIS DESTINADOS A BANHISTAS A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Querido(a) aluno(a), Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: Ciências / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Série: 3ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM

BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM BOAS PRÁTICA EM GESTÃO DE ENFERMAGEM 2º Congresso APEGEL - 2011 DESAFIO PARA O 3º CONGRESSO ESTRATÉGICO Competências Enfermeiro Gestor Normas e Indicadores TÁTICO Por nível OPERACIONAL ESTRATÉGICO PRÁTICA

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 2/3

Jornal Oficial da União Europeia L 2/3 PT 7.1.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 2/3 REGULAMENTO (UE) N. o 5/2014 DA COMISSÃO de 6 de janeiro de 2014 que altera a Diretiva 2008/38/CE da Comissão que estabelece uma lista das utilizações

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC DOUTORA RUTH CARDOSO, SÃO VICENTE. Modelo 3C PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 194/10/2016 de 10/06/2016. Processo n 3818/2016 AVISO

Leia mais

Eliane Maria Ferrarezzo Márcia Valéria Massa Cavaletto Rafael Cérgoli Roberto Melle P. Junior INSTALAÇÕES CIVIS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS

Eliane Maria Ferrarezzo Márcia Valéria Massa Cavaletto Rafael Cérgoli Roberto Melle P. Junior INSTALAÇÕES CIVIS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS Eliane Maria Ferrarezzo Márcia Valéria Massa Cavaletto Rafael Cérgoli Roberto Melle P. Junior INSTALAÇÕES CIVIS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS Primeira Edição Jundiaí 2015 Os autores não autorizam a reprodução

Leia mais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais

PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC. TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais PENSE NO MEIO AMBIENTE SIRTEC TEMA: PREA Plano de Resposta a Emergências Ambientais ABRIL/2014 O QUE PREVÊ UM PLANO DE RESPOSTA A EMERGÊNCIAS? Cenário 1: Emergências Médicas Cenário 2: Incêndio nas Instalações

Leia mais

Fibonacci: A Ciência no Ensino Básico e Pré-escolar

Fibonacci: A Ciência no Ensino Básico e Pré-escolar Fibonacci: A Ciência no Ensino Básico e Pré-escolar Filipa Mateus - Centro Ciência Viva de Sintra (CCVS) Charco do CCVS O CCVS tem uma nova área disponível para atividades e visitas. Figura 1- Nova área

Leia mais

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL

ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL Natureza Buscar e consumir alimentos Evitar predadores Buscar, competir e atrair parceiros sexuais Interagir com ambiente em constante mudança VIDA CHEIA DE DESAFIOS comportamento

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências da Natureza Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1. Classificação Hierárquica dos Seres Vivos H36 2. Análise do parentesco Evolutivo H20

Leia mais

6º ANO DE ESCOLARIDADE

6º ANO DE ESCOLARIDADE PLANIFICAÇÃO 2016/2017 ENSINO BÁSICO (2º CICLO) - PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO DE ESCOLARIDADE 1.º PERÍODO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES

Leia mais

Monitorização Ambiental em Parques Eólicos

Monitorização Ambiental em Parques Eólicos Monitorização Ambiental em Parques Eólicos O papel da pós-avaliação no desempenho ambiental de Projectos Eólicos Nuno Salgueiro & Maria João Sousa CNAI 08, 22 de Outubro de 2008 Enquadramento da Pós-Avaliação

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO Calendarização - 20/2011 Período Data N.º semanas Número de tempos 8 minutos) por ano de escolaridade

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Orientação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Orientação Grau I Versão 1.00 FORMAÇÃO Referenciais de Orientação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa

Leia mais

José Magalhães. Fevereiro de 2013

José Magalhães. Fevereiro de 2013 SESSÃO DE ESCLARECIMENTO OBRIGAÇÕES LEGAIS NO QUADRO DA LEGISLAÇÃO LABORAL José Magalhães Fevereiro de 2013 OBRIGAÇÕES DO EMPREGADOR EM MATÉRIA DE SHST O empregador deve assegurar aos trabalhadores condições

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico GRANULADO ESCURO BRASILEIRO TIPO 1 (GEB-1) Não há (produto natural)

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico GRANULADO ESCURO BRASILEIRO TIPO 1 (GEB-1) Não há (produto natural) Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: GRANULADO ESCURO BRASILEIRO TIPO 1 Código Interno: GEB-1 Principais usos recomendados: Matéria prima para borracha. Cas number: Empresa:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 238 aprovado pela portaria Cetec nº 172 de 13/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e

Leia mais