PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO"

Transcrição

1 PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

2 QUALIFICAÇÃO: DESCRIÇÃO GERAL: TRATADOR/A DE ANIMAIS EM CATIVEIRO Executar as atividades relativas à higiene, alimentação, sanidade, reprodução e maneio de animais em cativeiro respeitando o bem estar animal e de acordo com as normas de proteção do ambiente, segurança, higiene e saúde do trabalho. ACTIVIDADES 1. Preparar e ministrar a alimentação aos animais, tendo em conta o programa alimentar definido para cada espécie e para cada animal de acordo com a fase do seu ciclo de vida Assegurar a alimentação das diferentes espécies, nomeadamente a administração de diferentes tipos de alimentos naturais, alimentos de substituição e suplementos, preparando os e disponibilizando os de acordo com as necessidades específicas dos animais; 1.2. Controlar a qualidade da água de beberagem e assegurar a sua disponibilidade. 2. Assegurar a conservação dos alojamentos dos animais a nível higiénico, sanitário, ambiental e funcional, utilizando os meios colocados à sua disposição Proceder à preparação dos alojamentos dos animais com vista à criação de um ambiente semelhante ao do seu habitat natural, montando estruturas adequadas às características dos animais, barreiras de proteção e segurança e efetuando o seu enriquecimento ambiental, colocando, nomeadamente, árvores, troncos, pedras, rochas, plantas, cordas, ramos, ninhos, tocas, abrigos e lagos; 2.2. Assegurar a limpeza e higienização diária dos alojamentos e a manutenção das condições ambientais adequadas ao desenvolvimento e bem estar dos animais, controlando, nomeadamente, a temperatura, luminosidade, ventilação e qualidade e higiene da água. 3. Executar tarefas associadas à higiene e sanidade dos animais, vigiando o seu estado de saúde e aplicando as medidas profilácticas e os tratamentos curativos simples, seguindo as instruções do médico veterinário Proceder à imunização dos animais, administrando lhes as vacinas definidas no plano de vacinação; 3.2. Efectuar a desparasitação dos animais de acordo com as normas estabelecidas; 3.3. Efectuar testes e exames de rotina aos animais, de acordo com as prescrições do médico veterinário; 3.4. Vigiar os animais, a fim de detetar sinais de doença pela observação de alterações, nomeadamente, no comportamento, respiração, penas e pelo, e adotar as medidas necessárias; 3.5. Assistir os animais em situações de emergência prestando os cuidados de primeiros socorros; 3.6. Impedir o contacto de animais sãos com outros possivelmente infetados, aplicando medidas preventivas estipuladas, tais como isolamento, sequestro e quarentena. 4. Executar tarefas associadas à reprodução dos animais em cativeiro Efectuar o acompanhamento dos animais em fase de reprodução, detetando sinais de acasalamento e cios; 4.2. Intervir no habitat dos animais com vista à criação das condições favoráveis ao seu acasalamento; 4.3. Detetar sinais de gestação e de partos/postura nas fêmeas, tomando as medidas necessárias ao seu bom desenvolvimento; 4.4. Acompanhar o desenvolvimento dos recém nascidos, vigiando o comportamento da mãe e das crias. 5. Proceder à captura e imobilização dos animais com vista ao seu transporte, utilizando os métodos adequados e respeitando as normas de segurança e de bem estar animal. 6. Proceder à identificação dos animais, utilizando os métodos adequados, tais como, coloração da pele, colocação de brincos, incisões e anilhas e preencher os dados relativos a cada animal em fichas de identificação. 7. Prestar informações ao público sobre os hábitos, características e habitat natural dos animais ao seu cuidado. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

3 8. Registar dados relativos à atividade desenvolvida, nomeadamente, tratamentos efetuados, alimentação, cuidados de higiene e ocorrências anómalas. COMPETÊNCIAS SABERES Noções de: 1. Anatomia e fisiologia dos animais. 2. Etologia. 3. Biologia - microbiologia, imunologia e parasitologia. 4. Saúde animal. 5. Exigências alimentares e ambientais dos animais em cativeiro. 6. Legislação aplicada à atividade profissional. 7. Equilíbrio ecológico. 8. Biodiversidade. 9. Conservação das espécies e princípios da reprodução animal. Conhecimentos de: 10. Caracterização dos parques zoológicos. 11. Critérios de classificação dos animais. 12. Comportamento animal. 13. Stress e bem-estar animal. 14. Processos de adaptação dos animais ao meio ambiente e ao seu espaço/alojamento. 15. Composição dos alimentos e dietas alimentares dos animais em cativeiro. 16. Normas de proteção individual, segurança, higiene e saúde no maneio e transporte dos animais. 17. Normas de proteção e segurança dos animais em cativeiro. 18. Normas de proteção e segurança do público. 19. Classificação e caracterização de animais invertebrados. 20. Classificação e caracterização de peixes. 21. Classificação e caracterização de répteis. 22. Classificação e caracterização de anfíbios. 23. Classificação e caracterização de aves. 24. Classificação e caracterização de pequenos mamíferos. 25. Classificação e caracterização de grandes mamíferos. 26. Classificação e caracterização de mamíferos aquáticos. 27. Processos de reprodução dos animais em cativeiro. 28. Técnicas de deteção de sinais de doença, acasalamento, cios, prenhez, gestação e nidificação. 29. Técnicas de prevenção e tratamento de doenças de animais em cativeiro. 30. Técnicas de imunização, desparasitação e controlo de agentes patogénicos dos animais em cativeiro. Conhecimentos aprofundados de: 31. Processos de conservação e armazenamento de alimentos. 32. Métodos de identificação dos animais. 33. Técnicas de condicionamento ambiental. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

4 34. Técnicas de preparação dos alojamentos para animais invertebrados. 35. Técnicas de preparação do meio ambiente dos peixes. 36. Técnicas de preparação dos alojamentos de répteis e anfíbios. 37. Técnicas de preparação dos alojamentos de aves. 38. Técnicas de preparação dos alojamentos de pequenos mamíferos. 39. Técnicas de preparação dos alojamentos de grandes mamíferos. 40. Técnicas de preparação dos alojamentos de mamíferos aquáticos. 41. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos animais invertebrados. 42. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos peixes. 43. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos répteis e anfíbios. 44. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos às aves. 45. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos pequenos mamíferos. 46. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos grandes mamíferos. 47. Técnicas de manuseamento, preparação e administração de alimentos aos mamíferos aquáticos. 48. Processos de captura, imobilização e transporte de animais invertebrados. 49. Processos de captura, imobilização e transporte de peixes. 50. Processos de captura, imobilização e transporte de répteis. 51. Processos de captura, imobilização e transporte de animais anfíbios. 52. Processos de captura, imobilização e transporte de aves. 53. Processos de captura, imobilização e transporte de pequenos mamíferos. 54. Processos de captura, imobilização e transporte de grandes mamíferos. 55. Processos de captura, imobilização e transporte de mamíferos aquáticos. 56. Técnicas de manuseamento de animais invertebrados. 57. Técnicas de manuseamento de peixes. 58. Técnicas de manuseamento de répteis. 59. Técnicas de manuseamento de aves. 60. Técnicas de manuseamento de pequenos mamíferos. 61. Técnicas de manuseamento de grandes mamíferos. 62. Técnicas de manuseamento de mamíferos aquáticos. 63. Técnicas de limpeza e higienização das instalações e dos alojamentos dos animais. 64. Técnicas de acompanhamento e vigilância dos animais nas diferentes fases do seu ciclo de vida. 65. Técnicas de higiene e conservação dos equipamentos e utensílios. SABERES-FAZER 1. Identificar, caracterizar e classificar os animais do parque zoológico. 2. Assegurar a alimentação e a água de beberagem dos animais. 3. Utilizar as técnicas de preparação, conservação e armazenamento de alimentos. 4. Utilizar as técnicas de condicionamento ambiental e de adequação do espaço às características dos animais. 5. Identificar sinais típicos relacionados com stress, anomalias ou doenças nos animais. 6. Identificar sinais típicos de acasalamento, cios, prenhez, gestação e nidificação. 7. Utilizar as técnicas de prevenção e tratamento de doenças de animais em cativeiro. 8. Utilizar as técnicas de imunização, desparasitação e controlo de agentes patogénicos dos animais em cativeiro. 9. Utilizar as técnicas de proteção individual, segurança, higiene e saúde no maneio e transporte dos animais. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

5 10. Utilizar as técnicas de proteção e segurança dos animais em cativeiro. 11. Utilizar as técnicas de proteção e segurança do público. 12. Utilizar as técnicas de captura e imobilização de animais. 13. Utilizar as técnicas de transporte de animais. 14. Utilizar as técnicas de identificação dos animais. 15. Utilizar as técnicas de manuseamento de animais invertebrados. 16. Utilizar as técnicas de manuseamento de peixes. 17. Utilizar as técnicas de manuseamento de répteis. 18. Utilizar as técnicas de manuseamento de animais anfíbios. 19. Utilizar as técnicas de manuseamento de aves. 20. Utilizar as técnicas de manuseamento de pequenos mamíferos. 21. Utilizar as técnicas de manuseamento de grandes mamíferos. 22. Utilizar as técnicas de manuseamento de mamíferos aquáticos. 23. Utilizar as técnicas e os produtos adequados à manutenção das condições de higiene e limpeza e de utilização de equipamentos e instrumentos. 24. Utilizar as técnicas de limpeza e higienização das instalações e dos alojamentos dos animais. 25. Utilizar as técnicas de acompanhamento e vigilância dos animais nas diferentes fases do seu ciclo de vida. SABERES-SER 1. Organizar as atividades, de forma a responder às solicitações do serviço, interagindo com os outros elementos da equipa de trabalho. 2. Decidir sobre as soluções mais adequadas na resolução de problemas de menor complexidade decorrentes do exercício da atividade. 3. Integrar as normas de proteção e melhoria do ambiente, proteção individual e coletiva, segurança, higiene e saúde no trabalho com animais de cativeiro e o bem estar animal no exercício da atividade. PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de Animais em Cativeiro Nível / 5

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE AQUICULTURA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no Boletim

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS

PERFIL PROFISSIONAL ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS PERFIL PROFISSIONAL ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. PERFIL PROFISSIONAL

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA 1 / 5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE CERÂMICA CRIATIVA Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1 /

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL ESTETICISTA

PERFIL PROFISSIONAL ESTETICISTA PERFIL PROFISSIONAL ESTETICISTA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no Boletim do Trabalho do

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações 1ª

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A COMERCIAL. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Comercial Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A COMERCIAL. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Comercial Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A COMERCIAL PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Comercial Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - COMÉRCIO - Vender produtos e/ou serviços

Leia mais

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado)

PECUÁRIA BIOLÓGICA. (Reg. 2082/91, modificado) PECUÁRIA BIOLÓGICA (Reg. 2082/91, modificado) SATIVA Controlo e Certificação de Produtos Av. Visconde de Valmor, 11, 3º. 1000-289 Lisboa sativa@sativa.pt www.sativa.pt Introdução consumidores - preocupações

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência e consultoria técnicas, orientando diretamente produtores sobre produção agropecuária, comercialização e procedimentos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE CONSTRUÇÃO E REPARAÇÃO NAVAL Publicação e atualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações.

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 621157 - Tratador/a / Desbastador/a de Equinos Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE Publicação e atualizações Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 32 de 29 de Agosto de 2010 com entrada em vigor a 29 de Agosto de 2010. PERFIL

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MESA/BAR. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Mesa/Bar Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MESA/BAR. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Mesa/Bar Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MESA/BAR PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Mesa/Bar Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA PROFISSIONAL HOTELARIA, RESTAURAÇÃO

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA RESOLUÇÃO CFMV Nº 1069/14

ASPECTOS LEGAIS DA RESOLUÇÃO CFMV Nº 1069/14 Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS ASPECTOS LEGAIS DA RESOLUÇÃO CFMV Nº 1069/14 M.V. Mateus da Costa Lange MSc em Ciências Veterinárias Coord.Técnico Fiscalização

Leia mais

Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo. Descrição sumária das Tarefas:

Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo. Descrição sumária das Tarefas: Perfil Profissional das funções desempenhadas pelo Pessoal Marítimo PM - 001 Mestre de Pesca Descrição sumária das Tarefas: Comandar a embarcação, superintendendo todas as secções a bordo, competindo-lhe

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação:: Sem qualificação Técnica

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico. Qualificação:: Sem qualificação Técnica Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação::

Leia mais

Programa da Ação de formação

Programa da Ação de formação Programa da Ação de formação A preencher pela entidade formadora Entidade Ação de Formação Podas e desramações N.º Local Duração 21 horas Data / / a / / Laboral Pós-Laboral Misto Formação-ação Formação

Leia mais

DIRECTIVA 1999/22/CE DO CONSELHO. de 29 de Março de relativa à detenção de animais da fauna selvagem em jardins zoológicos

DIRECTIVA 1999/22/CE DO CONSELHO. de 29 de Março de relativa à detenção de animais da fauna selvagem em jardins zoológicos Page 1 of 5 DIRECTIVA 1999/22/CE DO CONSELHO de 29 de Março de 1999 relativa à detenção de animais da fauna selvagem em jardins zoológicos O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA (ESAS)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA (ESAS) INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA (ESAS) Informação sobre os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) O Curso de Especialização Tecnológica (CET) é uma formação pós-secundária

Leia mais

CONTEÚDOS. CIÊNCIAS 7º ANO Coleção Interativa UNIDADE 1 SEU LUGAR NO AMBIENTE UNIDADE 2 ECOLOGIA: INTERAÇÃO TOTAL

CONTEÚDOS. CIÊNCIAS 7º ANO Coleção Interativa UNIDADE 1 SEU LUGAR NO AMBIENTE UNIDADE 2 ECOLOGIA: INTERAÇÃO TOTAL CONTEÚDOS UNIDADE 1 SEU LUGAR NO AMBIENTE 1. Vida, só na Terra Procurando vida no Sistema Solar Condições de vida no planeta Terra 2. Características dos seres vivos Célula Capacidade de realizar atividades

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP

SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP SEGURANÇA ALIMENTAR Sistema HACCP Aplicação de um conjunto de acções para a produção de alimentos sãos. Normas gerais e específicas de higiene e medidas de controlo necessárias por forma a garantir a segurança

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 4 de 29 de janeiro de 2013 com entrada em vigor a 29 de janeiro de 2013. Publicação

Leia mais

CETAM - Centro de Treinamento de Montenegro

CETAM - Centro de Treinamento de Montenegro CETAM - Centro de Treinamento de Montenegro O Centro de Treinamento de Montenegro - CETAM está localizado no bairro Zootecnia em Montenegro. Em atividade desde 1998, encontra-se instalado em uma área de

Leia mais

Ficha Informativa + Segurança

Ficha Informativa + Segurança Ficha Informativa + Segurança Saúde Edição N.º 19 Atividades Técnicas do Serviço de Segurança no Trabalho dezembro de 2016 O desenvolvimento da prevenção de riscos profissionais no local de trabalho é

Leia mais

CETAM - Centro de Treinamento de Montenegro

CETAM - Centro de Treinamento de Montenegro CETAM - Centro de Treinamento de Montenegro O Centro de Treinamento de Montenegro - CETAM está localizado no bairro Zootecnia em Montenegro. Em atividade desde 1998, encontra-se instalado em uma área de

Leia mais

DECRETO N.º 34/XIII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 34/XIII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 34/XIII Aprova medidas para a criação de uma rede de centros de recolha oficial de animais e estabelece a proibição do abate de animais errantes como forma de controlo da população A Assembleia

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Diversidade de seres vivos e suas interações com o meio, o aluno deve ser capaz de: Interpretar as características dos

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 04/84, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Biomédicas.

RESOLUÇÃO N o 04/84, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Biomédicas. RESOLUÇÃO N o 04/84, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Desdobra, com novas denominações, Departamento do Centro de Ciências Biomédicas. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso das

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Compreender a como um planeta especial. Compreender que o solo é um material terrestre de suporte de vida. Compreender a importância das rochas e dos minerais. Compreender a importância

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS ICBS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS HORÁRIO DE AULA 1º SEMESTRE DE 2017

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS ICBS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS HORÁRIO DE AULA 1º SEMESTRE DE 2017 2º PERÍODO 1º PERÍODO CB1 13:30 às 14:20 Citologia e Histologia 1) Botânica de algas à Pteridófitas P24 1)Anatomia Humana P23 Anatomia Humana 14:20 às 15:10 Citologia e Histologia 1) Botânica de algas

Leia mais

Impactes sectoriais. Sistemas ecológicos e biodiversidade. Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Impactes sectoriais. Sistemas ecológicos e biodiversidade. Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Engenharia Civil, 5º ano / 10º semestre Engenharia Territorio, 4º ano/ 8º semestre Impactes sectoriais Sistemas ecológicos e biodiversidade Impactes Ambientais 6 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

1. Matriz Curricular do Curso de Aquicultura

1. Matriz Curricular do Curso de Aquicultura 1. Matriz Curricular do Curso de Aquicultura O presente projeto de formação do Profissional Técnico de Nível Médio em Aquicultura, implica em organização curricular de acordo com as Resoluções CNE/CEB

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Zoologia dos Vertebrados 60

PROGRAMA DE DISCIPLINA. CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática Teórico Prático Zoologia dos Vertebrados 60 CENTRO: Centro de Educação, Ciências Exatas e Naturais CURSO: Ciências Habilitação em Biológia DEPARTAMENTO: Química e Biologia PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO NOME CARGA HORÁRIA TOTAL CRÉDITO Teórica Prática

Leia mais

Ficha de trabalho de Ciências Naturais 5º ano

Ficha de trabalho de Ciências Naturais 5º ano Ficha de trabalho de Ciências Naturais 5º ano Questão 1 A reprodução assexuada... implica a formação de gâmetas. ocorre em animais como a planária e a esponja. origina descendentes da mesma espécie. ocorre

Leia mais

Programas Educacionais

Programas Educacionais Estimados professores, Com o chegar de mais um ano letivo, novos desafios pedagógicos colocam-se diariamente. Com o intuito de promover uma forte e duradoura ligação emotiva ao ambiente em todos os nossos

Leia mais

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo

Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo BOAS PRÁTICAS NA EXPLORAÇÃO PECUÁRIA Auditório da Sede da CAP Visitas às Explorações no âmbito dos Planos de Controlo Susana Souto Barreiros DSVRLVT Lisboa,14 de Abril de 2010 Planos de Controlos Oficiais

Leia mais

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS

DISCIPLINA DE CIÊNCIAS DISCIPLINA DE CIÊNCIAS OBJETIVOS: 1º ano Propiciar o contato e a interação dos estudantes com determinado fenômeno para que ele participe da natureza vivenciando e ensinando a preservar o meio em que vive.

Leia mais

COORDENAÇÃO DE SAÚDE

COORDENAÇÃO DE SAÚDE COORDENAÇÃO DE SAÚDE PROFISSIONAIS: Enfermeiras: Cecília Hobold(Coordenadora) Elfy Margrit Göhring Weiss (afastada para doutorado) Técnica de Enfermagem: Maristela Castro Nutricionista: Caroline Franz

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS. 1.1 Indicar três fatores que permitam considerar

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS. 1.1 Indicar três fatores que permitam considerar DISCIPLINA: Ciências Naturais ANO DE ESCOLARIDADE: 5º Ano 2016/2017 METAS CURRICULARES PROGRAMA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO OBJETIVOS GERAIS DESCRITORES DE DESEMPENHO CONTEÚDOS 1º PERÌODO A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA COZINHA 1º ANO C.E.F. 2016/2017

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA COZINHA 1º ANO C.E.F. 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA COZINHA 1º ANO C.E.F. 2016/2017 MÓDU LO I OCT TEMAS HORAS INICIO TERMINUS DATA TESTE Organização da Cozinha e Terminologia II CETP Preparação e Conservação III CEI dos

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano

ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LETIVO 2014 / 2015 PROJETO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 5º Ano DOMÍNIO: A TERRA UM PLANETA ESPECIAL Onde existe vida? O que é a Biosfera? 1 Compreender

Leia mais

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros

Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros Boas Práticas de Higiene no manuseio de Alimentos visando a obtenção de alimentos seguros O Vigilante Sanitário http://ovigilanatesanitario.wordpress.com E mail : ovigilantesanitario@hotmail.com Cada segmento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS ICBS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS HORÁRIO DE AULA 2º SEMESTRE DE 2017

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS ICBS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS HORÁRIO DE AULA 2º SEMESTRE DE 2017 2º PERÍODO 1º PERÍODO CB1 - Grupo 2 13:30 às 14:20 Citologia e Histologia 14:20 às 15:10 Citologia e Histologia 1) Citologia e Histologia P23 2) Invertebrados não Celomados 1) Citologia e Histologia P23

Leia mais

Feira Nacional de Agricultura Junho de 2011

Feira Nacional de Agricultura Junho de 2011 Feira Nacional de Agricultura Junho de 2011 Porquê criar Porcos Bísaros? Ganhar dinheiro ; Paixão por ter uma exploração pecuária; Criação de uma raça autóctone; Desenvolvimento e melhoramento desta raça;

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2 - Fone (45) 3252-336 - Fax (45) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: Ciências

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO VERTENTE RESTAURANTE - BAR Planificação anual de Tecnologia Alimentar 10.ºano 01/013 Turma: 10.º N Professora: Madalena Tavares - Estrutura e Finalidades da

Leia mais

CURSO AUXILIAR TÉCNICO DE VETERINÁRIA HANDBOOK

CURSO AUXILIAR TÉCNICO DE VETERINÁRIA HANDBOOK CURSO AUXILIAR TÉCNICO DE VETERINÁRIA HANDBOOK Outubro 2015 Nome do Aluno CURSO AUXILIAR TÉCNICO DE VETERINÁRIA Outubro 2015 Informação Geral Introdução Os principais objetivos do programa do Curso de

Leia mais

ALGUNS ANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃO. Elaborado por Andrea Aparecida Iozzi Joaquim Verni

ALGUNS ANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃO. Elaborado por Andrea Aparecida Iozzi Joaquim Verni ALGUNS ANIMAIS EM RISCO DE EXTINÇÃO Elaborado por Andrea Aparecida Iozzi Joaquim Verni - 2016 Arara-azul Arara-azul Encontrada na Amazônia, no Pantanal e em mais sete estados. Enfrenta problemas como o

Leia mais

6º ANO DE ESCOLARIDADE

6º ANO DE ESCOLARIDADE PLANIFICAÇÃO 2016/2017 ENSINO BÁSICO (2º CICLO) - PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO DE ESCOLARIDADE 1.º PERÍODO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) ATIVIDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria n.º / 2004

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria n.º / 2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Portaria n.º / 2004 O Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, estabeleceu os princípios orientadores da organização e da gestão do currículo, bem como da avaliação e certificação

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Querido(a) aluno(a), Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: Ciências / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS - RECUPERAÇÃO Série: 3ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Reconhecido pela Portaria 516 de 15/10/2013. Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Reconhecido pela Portaria 516 de 15/10/2013. Currículo 1 de 8 Nível:Graduação Título: 01 - - CCA238 - HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA - Ativa desde: 14/07/2008 CCA275 - BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR - Ativa desde: 11/01/2008 CCA283 - METODOLOGIA DA PESQUISA - Ativa

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A. PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A. PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO - Preparar, cozinhar

Leia mais

Universidade de Trás os Montes e Alto Douro Mestrado Integrado em Medicina Veterinária COMPETÊNCIAS DE PRIMEIRO DIA DAY ONE SKILLS.

Universidade de Trás os Montes e Alto Douro Mestrado Integrado em Medicina Veterinária COMPETÊNCIAS DE PRIMEIRO DIA DAY ONE SKILLS. Universidade de Trás os Montes e Alto Douro Mestrado Integrado em Medicina Veterinária COMPETÊNCIAS DE PRIMEIRO DIA DAY ONE SKILLS Introdução A qualidade do ensino médico veterinário é alcançada através

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V Informações aos Encarregados de Educação do trabalho a realizar no: 5º Ano Ciências Naturais Ano Letivo 2015/2016 1. Aulas previstas: Aulas (*) 5º1ª 5º2ª 5º3ª 5º4ª 1º Período: 21 de Setembro - 17 de Dezembro

Leia mais

Graduação. Áreas de Atuação do profissional de nutrição. Áreas de Atuação do Nutricionista

Graduação. Áreas de Atuação do profissional de nutrição. Áreas de Atuação do Nutricionista Graduação Áreas de Atuação do profissional de nutrição Áreas de Atuação do Nutricionista Apesar das diversidades de seu campo de atuação, as principais áreas de atuação do profissional nutricionista têm

Leia mais

Pilar: Empresa (Rotina)

Pilar: Empresa (Rotina) Resolução RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Pilar: Empresa (Rotina) 1. EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 1.10 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Unidade na diversidade dos seres vivos, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da classificação dos seres vivos

Leia mais

Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar horas - Porto

Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar horas - Porto Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar - 100 horas - Porto Especialização em Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar ESPECIALIZAÇÃO Gestão da Qualidade no Setor Agro-Alimentar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A

PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A PERFIL PROFISSIONAL MAQUINISTA MARÍTIMO/A Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 23 de 22 de Junho de 2010 com entrada em vigor a 22 de Junho de 2010. Publicação e atualizações 1ª Actualização

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS

LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS LISTA DE EXERCÍCIOS CIÊNCIAS P2-1º BIMESTRE 7º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender as origens dos vegetais Reconhecer a importância

Leia mais

BACHARELADO DE ZOOTECNIA

BACHARELADO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS - ICAA COORDENAÇÃO DE ZOOTECNIA BACHARELADO DE ZOOTECNIA COORDENADOR: Prof. D.Sc. Dalton Henrique

Leia mais

Grade Curricular - Medicina Veterinária

Grade Curricular - Medicina Veterinária Grade Curricular - Medicina Veterinária SEMESTRE 1 0100111 Introdução ao Estudo da Medicina Veterinária I 3 0 3 BIO0225 Genética e Evolução 4 0 4 BMC0115 Biologia Celular, Tecidual I e do Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina CBB Fundamentos de Biologia e Bioética - Ativa desde: 01/01/2014. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Pré-requisito Coreq Disciplina CBB Fundamentos de Biologia e Bioética - Ativa desde: 01/01/2014. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 5 Nível:BACHARELADO Início: 20041 01 - - CBB14101 - Fundamentos de Biologia e Bioética - Ativa desde: Natureza - OBRIGATÓRIA CBB14102 - Biologia Celular - Ativa desde: CBB14103 - Anatomia - Ativa

Leia mais

Bom dia... Manejo e Aleitamento Artificial de Cabritos. Programa. Mas tem mais... Importância do aleitamento Objetivos

Bom dia... Manejo e Aleitamento Artificial de Cabritos. Programa. Mas tem mais... Importância do aleitamento Objetivos Bom dia... Manejo e Aleitamento Artificial de Cabritos * * * Prof. Dr. Silvio Doria de Almeida Ribeiro Profa. Dra. Anamaria Cândido Ribeiro 1/39 Programa Introdução Introdução Cuidados com o recém- nascido

Leia mais

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA JOSÉ MARTINS CENTRO DE TEMPO LIVRES PROJECTO PEDAGÓGICO

JARDIM DE INFÂNCIA JOSÉ MARTINS CENTRO DE TEMPO LIVRES PROJECTO PEDAGÓGICO JARDIM DE INFÂNCIA JOSÉ MARTINS CENTRO DE TEMPO LIVRES PROJECTO PEDAGÓGICO ANIMAIS DOMÉSTICOS AGOSTO, 2011 "Conhecemos o grau de evolução de uma sociedade pela forma como tratam os seus animais" JARDIM

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno 1 a 2 a 01 GCB189 Biologia Celular 02 GEX213 Matemática C 03 GEX341 Química Geral e Orgânica

Leia mais

(centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos)

(centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos) (centros de recolha e alojamentos de hospedagem com e sem fins lucrativos) Direção Geral de Alimentação e Veterinária Direção de Serviços de Proteção Animal Largo da Academia Nacional de Belas Artes, 2

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003

BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003 BPFs / HACCP 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICO HACCP (HAZARD ANALYSIS AND CRITICAL CONTROL POINTS) João Gusmão Lisboa, Dezembro 2003 BPFs / HACCP 2 SEGURANÇA A SEGURANÇA DO PRODUTO ALIMENTAR CONSTITUI UM REQUISITO

Leia mais

Centro de Apoio a Idosos de Portimão. Enfermeiro/a CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO

Centro de Apoio a Idosos de Portimão. Enfermeiro/a CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO Centro de Apoio a Idosos de Portimão Admite Enfermeiro/a Com funções complementares de coordenação no setor de internato CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO 1. Caracterização sumária das funções. 1) Ao conteúdo

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/9 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/9 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

Programas Educacionais

Programas Educacionais Estimados professores, Com o chegar de mais um ano letivo, novos desafios pedagógicos colocam-se diariamente. Com o intuito de promover uma forte e duradoura ligação emotiva ao ambiente em todos os nossos

Leia mais

Medicina preventiva em cães

Medicina preventiva em cães Medicina preventiva em cães Os animais saudáveis desempenham um papel muito importante na atividade da clínica durante um tempo de vida médio de 12 anos, o animal é levado à consulta 10 a 15 vezes por

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 30 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Biologia Trimestre: 1º Professor(a): Camilla Silva (B1), Elizangela

Leia mais

7º Seminário Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas

7º Seminário Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas Prevenção e Controlo de Infeção ERPI/Lares/UCCI 8 de Novembro 2016 Unidade de Saúde Publica ACES Loures/Odivelas ACES Loures/Odivelas Unidade de Saúde Pública Médicos de Saúde Pública / Autoridades de

Leia mais

14/02/2012. Primeiros colonizadores trouxeram animais domésticos (equinos e bovinos) Animais tratados por pessoas empíricas

14/02/2012. Primeiros colonizadores trouxeram animais domésticos (equinos e bovinos) Animais tratados por pessoas empíricas Faculdades Integradas da União Educacional do Planalto Central Primeiros colonizadores trouxeram animais domésticos (equinos e bovinos) Animais tratados por pessoas empíricas Profa. MSc. Paula Aguiar Sá

Leia mais

Boas Práticas em Serviços de

Boas Práticas em Serviços de FEIRA+FÓRUM FÓRUM HOSPITALAR 2011 24 de Maio de 2011 São Paulo SP Boas Práticas em Serviços de Saúde Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA Noção Matemática

Leia mais

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas

Departamento de Sanidade Vegetal DSV. Análise de Risco de Pragas Departamento de Sanidade Vegetal DSV Análise de Risco de Pragas Análise de risco de pragas Organização Mundial do Comércio OMC Acordo sobre Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (SPS) Convenção

Leia mais

ANEXO I CRONOGRAMA PREVISTO DO CONCURSO Item Descrição Datas

ANEXO I CRONOGRAMA PREVISTO DO CONCURSO Item Descrição Datas 1º Retificação do Edital de A Prefeitura Municipal de Mar de Espanha através do seu Prefeito Sr. Wellington Marcos Rodrigues, e a Pactum - Assessoria e Consultoria Ltda. - EPP, tornam público a 1ª Retificação

Leia mais

Protocolo experimental

Protocolo experimental Protocolo experimental Vamos Pescar? Enquadramento Teórico A procura e o aumento do consumo de peixe pelo Homem conduziram ao longo dos anos à pesca intensiva que causou a diminuição do tamanho das populações

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados

IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO. Resultados Auditoria nº IDENTIFICAÇÃO DO REPRESENTANTE DO ESTABELECIMENTO Nome: Categoria profissional: Função IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome: Morada: Telefone: Número de trabalhadores: Período de laboração:

Leia mais

EDITAL N. º 34 FEBRE CATARRAL OVINA LÍNGUA AZUL

EDITAL N. º 34 FEBRE CATARRAL OVINA LÍNGUA AZUL EDITAL N. º 34 FEBRE CATARRAL OVINA LÍNGUA AZUL Maria Teresa da Costa Mendes Vítor Villa de Brito, Diretora-Geral de Alimentação e Veterinária, na qualidade de Autoridade Sanitária Veterinária Nacional,

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS OFERTA FORMATIVA NÍVEL SECUNDÁRIO CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Os Cursos Científicos- Humanísticos destinam -se a jovens com o 9º ano de escolaridade ou equivalente que desejam prosseguir estudos 2 CURSO

Leia mais

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA.

Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA. A01 Agricultura - aspectos gerais. A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA. Sistema AGRIS - Categorias de Assuntos: A AGRICULTURA A01 Agricultura - aspectos gerais A50 Investigação B GEOGRAFIA E HISTÓRIA B10 Geografia B50 História C EDUCAÇÃO, EXTENSÃO E INFORMAÇÃO C10 Educação

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina CCA137 - BIOLOGIA CELULAR - Ativa desde: 01/01/2006. Natureza - Obrigatoria Prática 34 Teórica 34

Pré-requisito Coreq Disciplina CCA137 - BIOLOGIA CELULAR - Ativa desde: 01/01/2006. Natureza - Obrigatoria Prática 34 Teórica 34 1 de 10 Nível:Graduação Início: 20062 Título: 01 - - CCA137 - BIOLOGIA CELULAR - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: 11/01/2008 CCA311 - INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - Ativa

Leia mais

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST?

IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? IV Jornadas de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 1 de junho de 2016 TEMA: QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM MATÉRIA DE SHST? QUAIS AS OBRIGAÇÕES DE EMPREGADORES/TRABALHADORES EM

Leia mais

Política de Gestão do Risco de Compliance

Política de Gestão do Risco de Compliance Política de Gestão do Risco de Compliance Classificação: Público Última Atualização: 23 de dezembro de 2016 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. SISTEMA DE CONTROLO INTERNO... 3 3. RISCO DE COMPLIANCE E FUNÇÃO DE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini-RS

Prefeitura Municipal de Piratini-RS LEI N. 1381/2013 CRIA CATEGORIAS FUNCIONAIS DE AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL, AGENTE DE ENDEMIAS, TÉCNICO DE ENFERMAGEM, FISIOTERAPEUTA E FONOAUDIÓLOGO, COM SEUS RESPECTIVOS CARGOS E PADRÃO DE VENCIMENTOS, NO

Leia mais

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a

Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Q U E M S O M O S Presente no mercado desde 2004, a Segursaúde é uma empresa autorizada para prestação de serviços na área da Higiene e Segurança no Trabalho, conforme despacho de 23 de Julho de 2009,

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 2/3

Jornal Oficial da União Europeia L 2/3 PT 7.1.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 2/3 REGULAMENTO (UE) N. o 5/2014 DA COMISSÃO de 6 de janeiro de 2014 que altera a Diretiva 2008/38/CE da Comissão que estabelece uma lista das utilizações

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 5ºANO 5ºANO No final do 5º ano, o aluno deverá ser capaz de: DISCIPLINA DOMÍNIO DESCRITOR Compreender a Terra como um planeta especial Indicar três fatores que permitam considerar a Terra um planeta com vida.

Leia mais