Autoria: Gustavo Severo de Borba, Camila Luconi, Raquel Engeroff

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Autoria: Gustavo Severo de Borba, Camila Luconi, Raquel Engeroff"

Transcrição

1 Análise do Processo da Implantação de um Sistema ERP em uma Universidade Brasileira. Autoria: Gustavo Severo de Borba, Camila Luconi, Raquel Engeroff RESUMO O objetivo deste estudo é descrever o processo de implantação de um sistema integrado de gestão em uma universidade brasileira. Através de um estudo de caso descrevese e compara-se com a teoria a implantação, as mudanças, as motivações e os fatores críticos de sucesso identificados. Os resultados apontam que o sistema ERP pode ser implantado em uma instituição de ensino no Brasil trazendo melhorias para sua administração e conseqüentemente para o seu público alvo. Além disso, aspectos relacionados ao processo de mudança organizacional devem ser considerados, devido às diferenças existentes entre o ambiente industrial e o ambiente de serviços, mais especificamente de ensino. No presente estudo foram consideradas distintas visões sobre o sistema, buscando uma visão mais abrangente e sistêmica sobre o processo de implantação. Introdução O crescimento acelerado da competição global e a difusão das tecnologias exercem grande influência sobre o cenário econômico atual, permitindo que as informações sobre produtos, processos, fornecedores e clientes sejam coletadas e processadas com maior rapidez (FITZSIMMONS E FITZSIMMONS, 2000). Nesse contexto, torna-se ainda maior a importância do uso adequado da informação para composição das estratégias e retorno sobre os investimentos, como descrito em Albertin e Albertin (2005). Além disso, as empresas têm percebido o papel essencial da disponibilidade de informações confiáveis para apoiarem os processos operacionais e gerenciais e obter vantagem competitiva. Nesse processo, os sistemas integrados de gestão têm desempenhado um importante papel. Segundo Colângelo Filho (2001), os ERPs vêm sendo adotados por empresas brasileiras desde Estes sistemas permitem às empresas automatizar e integrar processos de negócios. O cenário competitivo presente no setor de serviços tem tido grande impacto no setor de educação. Diante da competição entre as universidades, (existem outras 59, apenas no Rio Grande do Sul), a instituição em estudo viu-se frente à necessidade de integrar seus sistemas, buscando otimizar os processos de gestão e alcançar um diferencial competitivo no setor. Neste contexto, este artigo tem o objetivo de descrever o processo de implantação de um sistema ERP em uma instituição de ensino superior. O trabalho está dividido da seguinte forma: primeiramente é descrita uma contextualização teórica, considerando conceitos pertinentes para a compreensão do tema. A seguir, é apresentado o método de pesquisa utilizado e a análise construída, a partir da visão dos atores do sistema. Por fim, são feitas as considerações finais, identificando elementos do processo de implantação, os quais podem apoiar outros estudos. 2. Fundamentação Teórica 2.1 Sistemas Integrados de Gestão Atualmente as pressões do mercado levam as empresas a buscar soluções corporativas de informática para organizar e integrar as informações que possuem. Tornou-se uma necessidade a aquisição de sistemas de informação que reúnam os dados de uma empresa facilitando a sua gestão. Segundo Davenport (2002), os sistemas de gestão integrada, são pacotes de aplicativos de computador que dão suporte a maioria das necessidades de informação de uma empresa, organização não lucrativa, universidade ou agência governamental. Diferentes pesquisas demonstram a ampliação do uso de tais sistemas. 1

2 Somente no ano de 2004, o mercado dos sistemas integrados de gestão cresceu 14%. (ANALYTIX MARKET REPORT, 2005). 2.2 Processo de Implantação Vários estudos sugerem que a implantação de sistemas ERP é composta por uma série de estágios. Estes diferem em nomenclatura, mas possuem características e atividades bastante similares. O primeiro estágio proposto envolve as decisões iniciais sobre a implantação do sistema: equipe de trabalho, planejamento e programação do projeto, seleção do pacote, definição dos consultores e entendimento dos fatores do negócio que fazem com que seja necessário implantar o sistema. Esse estágio é chamado de Desenho (MARKUS e TANIS, 1999) e de projeto (ROSS e VITALE, 1999). O segundo estágio descreve diferentes aspectos do processo de implantação e consiste na gestão do projeto, definindo a configuração do sistema, a integração, conversão dos dados, a customização do software e o processo de reengenharia. Esse estágio é chamado de projeto (MARKUS e TANIS, 1999) ou implantação (ROSS e VITALE, 1999). O terceiro estágio é aquele no qual o sistema começa a operar, mas ainda em fase de testes: período transitório de monitoramento e análise de erros do sistema. Os gerentes buscam compreender o software, os problemas são relatados e corrigidos. Esse estágio é chamado de revisão (MARKUS e TANIS, 1999) ou de estabilização (ROSS e VITALE, 1999). No quarto estágio o sistema está operando e a organização deve garantir sua contínua aderência à empresa, podendo ocorrer atualizações e sendo possível perceber os benefícios estratégicos do sistema (TARAFDAR e ROY, 2003). Esse estágio é chamado de transformação por Ross e Vitale ou de Onward (MARKUS e TANIS, 1999). A Figura 1 apresenta as quatro etapas propostas por Zwicker e Souza (2003). É possível observar uma relação direta entre os três modelos (MARKUS e TANIS, 1999; ROSS e VITALE, 1999; ZWICKER e SOUZA, 2003), bem como com o proposto por Colângelo Filho (2001) que descreve o processo de implantação dos sistemas através de três fases, Pré- Implantação, Implantação e Pós-implantação. Fatores contingenciais Decisão e Seleção Implementação Estabilização Utilização Pacote selecionado plano inicial de implantação Figura 1: Ciclo de vida de sistema ERP Fonte: Zwicker e Souza (2003, p.100). Módulos customizados, dados migrados, usuários treinados Sistema ERP estabilizado Cabe salientar, ainda, que outros autores consideram o ciclo de vida apenas do processo de concepção e implantação. Reinhard (2003) descreve o processo como contendo quatro fases, duas das quais podem ser consideradas etapas de planejamento (1- conceituação, 2

3 2-planejamento), seguidas pela etapa de execução (3- simulação, modelagem desenvolvimento de interfaces), e da etapa de encerramento (4- parametrização, treinamento, colocação do sistema em produção). Segundo Swicker e Souza (2003), a etapa de implementação pode ocorrer de três formas: o big-bang, isto é, a entrada de funcionamentos de todos os módulos em todas as divisões da empresa simultaneamente, o small-bang, ou seja, a entrada em funcionamento de todos os módulos sucessivamente em cada divisão da empresa e a implantação em fases, na qual os módulos vão sendo implementados por etapas. 2.3 Fatores Críticos de Sucesso Percebe-se na literatura uma forte preocupação com o alcance do sucesso na implantação dos sistemas integrados. Nesse sentido, inúmeras pesquisas analisam fatores críticos de sucesso para o processo de implantação. Nah e Lau (2001) identificaram, a partir de uma pesquisa envolvendo dez artigos (entre 1998 e 2001) que se propunham a fazer uma análise dos fatores críticos, onze fatores a serem considerados nos diferentes estágios de implantação. Albertin (2001) realizou um estudo com 99 empresas nacionais, buscando identificar os fatores críticos de sucesso para projetos de Tecnologia da Informação em organizações. O principal fator identificado foi o apoio da alta gerência (53%), seguido pela qualidade das tarefas técnicas executadas no projeto (36%), pelo acompanhamento e controle (31%), pelos planos e cronogramas (22%). Nessa pesquisa, observa-se um foco mais voltado à fase de execução do projeto. O Quadro 1 apresenta uma adaptação da pesquisa desenvolvida por Sumner (2003). O autor identificou, a partir de uma abrangente pesquisa bibliográfica, 18 fatores pertinentes para o sucesso na implantação de projetos ERP. Além dos fatores considerados críticos e dos autores que os destacam, o Quadro 1 apresenta em qual fase os fatores propostos devem ser observados. Quadro 1: Fatores críticos para o sucesso de implantação de sistemas ERP Fatores críticos de sucesso Fontes pesquisadas Fase Justificativa da inclusão na fase. (Markus e Tanis, 1999) Apoio da alta gerência Parr, Shanks e Darke 1,2 Importância do comprometimento da alta gerência para o início do Willcocks e Sykes (2000) processo, envolvimento do Bingi, Sharma e Godla, pessoal e definição do projeto de implantação. Holland, Light e Gibson, Markus et al. (2000) Bancroft, Seip e Sprengel (1998) Apoio de analistas de sistemas de negócio. Reengenharia dos processos de negócio Parr, Shanks e Darke Willcocks e Sykes (2000) Parr, Shanks e Darke Willcocks e Sykes (2000) Holland, Light e Gibson, Davenport (1998) 3 1,2 O apoio de analistas permite um desenho mais claro do processo de implantação e da análise dos processos de negócio da organização durante a implantação. 2 A revisão dos processos deve ser realizada durante o processo de implantação, visando a identificar os pontos em que os processos internos podem aderir ao software e as possíveis customizações

4 Obtenção do conjunto de habilidades para a implantação do ERP Criação de projetos com escopo pequeno Obtenção de uma equipe multidisciplinar (conjunto de habilidades técnicas e de negócios) Willcocks e Sykes (2000) Bingi, Sharma e Godla, Markus et al. (2000) Parr e Shanks Adam e O Doherty (2000) Parr, Shanks e Darke necessárias. 1 A definição das habilidades certas é pré-requisito para o início do projeto, bem como para a definição da necessidade de implantação do sistema. 1 Durante o processo de planejamento, deve-se identificar os processos que serão modificados, iniciando por projetos- piloto. 1 A composição da equipe é determinante para o sucesso da implantação, considerando as competências existentes e o interesse na mudança. Uso efetivo dos consultores Bingi, Sharma e Godla Gestão efetiva do escopo e objetivos do projeto Comunicação efetiva e habilidades de coordenação Gestão efetiva do acompanhamento do projeto Gestão efetiva das relações com os fornecedores Parcerias estratégicas entre os implantadores do software e parceiros do negocio Gestão efetiva das incompatibilidades de dados, em processos e com procedimentos operacionais Integração efetiva com o sistema legado Parr, Shanks e Darke Bingi, Sharma e Godla Holland, Light e Gibson, 4 2,3 Durante a fase de implantação e de estabilização, é importante a interação com os consultores, dado seu conhecimento técnico sobre o software. 2 Durante a implantação, o escopo e os objetivos do projeto devem ser constantemente revisados, visando a adequá-los à realidade identificada na implantação. Adam e O Doherty (2000) 2 Durante o processo de implantação, a comunicação (eficiente e acurada) entre departamentos e entre empresa e consultores é determinante para o sucesso. O gerente de projetos deve ter clareza de sua atividade e facilitar esse processo de construção coletiva. Markus et all (2000) 2 Importância do acompanhamento para avaliação do alcance dos objetivos do projeto. Willcocks e Sykes (2000) Bingi, Sharma e Godla Soh, Kien e Tay-Yap (2000) Willcocks e Sykes (2000) Adam e O Doherty (2000) 2,3 Durante a implantação e estabilização, as relações entre empresa e fornecedores devem ser claras. 2 Durante o processo de implantação, é importante que o grupo envolvido seja coeso e não haja distinção entre membros internos e externos à organização. Soh, Kien e Tay-Yap (2000) 3 A revisão das inconsistências e incompatibilidades deve ser realizada durante a fase de estabilização para evitar problemas durante o uso do sistema. Holland, Light e Gibson 3,4 O processo de integração e definição de interfaces inicia na estabilização mas deve ser acompanhado durante a

5 Um campeão para o projeto Willcocks e Sykes (2000) Parr, Shanks e Darke Bancroft, Seip e Sprengel (1998) Treinamento dos usuários finais utilização. 2 O líder do projeto possui fundamental importância durante a implantação, contribuindo com aspectos técnicos e motivacionais para o processo. Bingi e Sharma 2,3 O treinamento dos usuários é importante durante as etapas de implantação e utilização. Envolvimento dos usuários Soh, Kien e Tay-Yap (2000) 1 O envolvimento dos usuários é condição fundamental para a definição do projeto (contribuindo na construção) e no processo de implantação (compartilhando informação). Compromisso com a mudança por parte de todos os interessados Fonte: adaptado de Sumner (2003) Parr, Shanks e Darke 2 O comprometimento com a mudança facilita o processo de adoção de novas práticas. Com base nas idéias dos autores analisados, pode-se depreender uma série de fatores pertinentes para o sucesso na implantação dos sistemas integrados. 2.4 Mudanças Organizacionais Rockart e Morton (apud SACCOL et al., 2003) apresentam três dimensões para classificar as mudanças relacionadas ao processo de implantação de sistemas ERP: tecnologia, estrutura e comportamento. Mudança tecnológica envolve a adoção de novas ferramentas e requer mudanças na forma com a empresa opera; Mudança estrutural prevê mudanças no projeto da organização, em atividades organizacionais ou nas estruturas específicas que influenciam o comportamento das pessoas; Mudança comportamental demonstra a necessidade de se otimizar em uma organização, conjuntamente, os subsistemas social e técnico, os quais se influenciam mutuamente. A Figura 2 apresenta uma visão abrangente da organização, percebida como um sistema aberto. As mudanças propostas pelos autores têm impacto, tanto internamente quanto externamente, no ambiente no qual ela está inserida. Nesse processo, a aprendizagem torna-se constante e dinâmica, sendo decorrente das mudanças e novas interações intra-organização e entre empresas do setor. 5

6 Fronteira Organizacional Estrutura e cultura organizacional Ambiente sócioeconômico externo Estratégia da Organização Processo Administrativo Tecnologia Ambiente sócioeconômico externo Indivíduos e funções Fronteira Organizacional Figura 2: Escopo das mudanças relacionadas a implantação do sistema ERP Fonte: adaptado de Saccol et al. (2003, p. 174). As seções anteriores buscaram descrever elementos teóricos pertinentes para a avaliação do processo de implantação e do impacto da mudança na organização. A seguir, será descrito o método de pesquisa e uma análise dos dados coletados. 3 Método Como o propósito deste trabalho é analisar os motivos que levam as empresas a implantar Sistemas de Informação ERP, foi utilizado o estudo de caso com uma abordagem qualitativa, por entender que este método é o mais adequado e por proporcionar mais informações sobre o tema, enfatizando o processo de pesquisa e não somente os resultados obtidos (GODOY, 1995). O tipo de estratégia desta pesquisa foi de caráter explicativo, visando levantar, mapear e avaliar as opiniões, atitudes e relacionar variáveis. A empresa na qual se realizou o estudo de caso lida com o conhecimento, com o objetivo da formação integral da pessoa humana e atende um público de aproximadamente 30 mil pessoas. Recentemente a Universidade implantou um sistema de gestão integrada, dando ao projeto o nome Projeto Sinergia. Para coletar os dados, utilizaram-se como técnicas de coleta entrevistas abertas com pessoas participantes do projeto e documentos referentes à implantação do sistema ERP. Estas técnicas de coleta são descritas a seguir: a) Entrevistas: Para coleta de dados foram conduzidas diferentes entrevistas em profundidade, com quatro pessoas que possuem visões diferenciadas e que atuaram no momento da implantação: Gerência de Processos (GProc), Gerência de Projeto (Gproj), Gerência de Mudanças (GM) e Pró-Reitoria de Desenvolvimento (PRD). As entrevistas tinham como objetivo entender o processo de implantação e os motivos que levaram a essa decisão. A duração das mesmas variou entre uma e duas horas. Para o nível dos usuários foi definido um segundo roteiro de entrevista em profundidade, com perguntas abertas, com um aluno, um professor e um funcionário da secretaria de cada unidade de ensino (a Universidade possui seis unidades distintas). Esse questionário foi anônimo, com o objetivo de identificar as vantagens e desvantagens quanto ao uso do sistema ERP implantado. 6

7 b) Análise de documentos Na presente pesquisa, foram utilizados artigos publicados no site do Projeto Sinergia e documentos da Universidade relacionados ao processo de implantação e sua documentação. O objetivo para a utilização dos mesmos foi entender o processo de implantação e identificar as motivações que levaram a instituição a implantar o sistema ERPII. Depois de coletados os dados, foi realizada a descrição dos mesmos, utilizando a análise qualitativa. Os resultados da pesquisa foram reunidos de acordo com os objetivos do trabalho, fazendo interpretações e contraposições com a teoria anteriormente apresentada. 4 Apresentação e Análise dos Resultados 4.1 Contexto do Projeto A Universidade está localizada no Rio Grande do Sul. Oferece 52 cursos de graduação, além de cursos de pós-graduação, MBAs, mestrados e doutorados. Atende a cerca de 30 mil alunos com um quadro docente de 900 professores, sendo que 86% são mestres, doutores e pós-doutores. A instituição em 1993 situava-se num contexto onde haviam apenas 14 instituições de ensino superior no estado. (PORTAL DE ENSINO, 2006) Em 12 anos, esta situação mudou completamente. Atualmente, o Rio Grande do Sul possui 60 instituições de ensino superior, só em Porto Alegre já são 10 instituições. A curva de crescimento da Universidade começou a decrescer no começo do milênio devido ao aumento da oferta por parte das concorrentes, é o que afirma o PRD em entrevista. Ainda que o número de alunos tenha aumentado, a grande dispersão deles fez com que todas as universidades perdessem uma parcela de seu mercado, é o que comenta o GProj. Para manter a infra-estrutura e o corpo docente, sem perder qualidade, foi necessário encontrar formas de redução de custos internos. Procurou-se mapear todos os processos da instituição e redesenhar a estrutura organizacional. Eram 11 megaprocessos, 80 processos principais, 441 subprocessos e transações de negócios. A Universidade optou então por adquirir um sistema ERP de gestão para conferir maior agilidade aos processos, integrar e dar suporte ao novo modelo de gestão. O ERP comprado foi desenvolvido pela empresa PeopleSoft e engloba todas as funções de suporte das áreas de recursos humanos, econômico e financeira, contendo ainda um módulo destinado à educação. É neste contexto que surge o Projeto Sinergia, um projeto interfuncional que engloba três grandes áreas na busca da implementação eficiente do novo sistema ERP. O Projeto foi formado pelas seguintes equipes: a equipe de Gerencia do Projeto, que visava atingir os objetivos e expectativas estabelecidas pelo Comitê Diretivo; a equipe de Gerência de Processos, que buscava coordenar as atividades de modelagem de processos, sugerindo melhorias e utilizando processos simples e alinhados com a estratégia da universidade e, a equipe de mudanças organizacionais, que possuía a função de apoiar os processos de mudança organizacional, envolvendo e mobilizando a equipe do projeto e facilitando a ação conjunta das pessoas de toda a organização. A definição das equipes difere parcialmente do sugerido por Colângelo Filho (2001), que considera três frentes para o processo de implantação, são elas: Gerenciamento de Projeto, Gerenciamento de Mudanças e de Treinamento, na instituição em estudo a gerência de treinamento foi substituída pela gerência de processos, devido à mudança organizacional que estava ocorrendo conjuntamente. 4.2 Implantação do Sistema Em 2001, teve início o trabalho de mapeamento dos processos da Universidade. Os novos processos não poderiam ser apenas transferidos às antigas bases de dados porque os sistemas antigos não suportariam a mudança de enfoque no fluxo de informações anteriormente verticalizado e com o objetivo de horizontalização após a implantação. Em 7

8 2002, com o auxílio de uma consultoria o Gproj, analisou as propostas de várias empresas, onde termos como clientes e produtos eram utilizados para descrever alunos e ensino. Neste momento, pode-se perceber que nenhuma das empresas havia realizado uma implantação completa de um sistema de gestão integrado em uma universidade brasileira. Durante essa fase de pré-implantação foi realizado um estudo de viabilidade, considerada uma das principais etapas do processo de implantação (TONINI, 2003 E COLÂNGELO FILHO, 2001). Em junho de 2002, a Universidade assinou o contrato de implementação com a PeopleSoft que já havia realizado implantações em universidades de outros países. O Projeto começou em setembro de 2003, sendo que ainda, no mesmo ano, a Universidade anunciou a mudança de sua estrutura que passou de funcional para matricial. O Gproj ressalta: O que eram 27 postos de direção, que eram diretorias ou pró-reitorias, passaram a ser nove, (...). Isso foi uma simplificação da estrutura. Geralmente, a implementação dos ERPs acontece por módulos. Em entrevista, o Gproj relatou: (...) em geral, ocorre assim, primeiro escolhe-se a parte financeira, implanta-se e estabiliza-se. Depois, passa-se para a de suprimentos, recursos humanos e assim por diante, (...), cumprindo essa agenda ao longo de alguns anos. Diferentemente, a Universidade pegou todos os módulos e colocou em um grande pacote, implementando todos ao mesmo tempo. De acordo com Zwicker e Souza (2003), este modelo de implementação chamado de Bigbang gera mudanças generalizadas na organização. Porém, realizar mudanças localizadas criaria um período de insegurança muito maior que estes dois anos estipulados pela instituição. O Gproj apontou o processo escolhido como mais vantajoso, pelo fato de ter um retorno financeiro em menor tempo. A seguir, no Quadro 2, procurou-se estabelecer relações entre a teoria e o caso de implantação do sistema ERP. Os aspectos comparados foram as etapas de implementação definidas por Colângelo Filho (2001). Quadro 2: Comparação teórico-prática da Implantação Implantação Etapas Teoria Prática Pré-implantação Implantação - Ocorre a decisão de implantar o sistema (COLÂNGELO FILHO, 2001) - Dificuldade para encontrar sistema que agregue valor aos negócios - Estudo de viabilidade - Constituição de um grupo de responsabilidade - A implementação compromete toda a estrutura organizacional - Existem três modos de início de operação o mais usado é o Bigbang -Customização do sistema (ZWICKER E SOUZA, 2003). - Treinamento dos usuários. - Disponibilização de Suporte e Auxílio. - Foi escolhido o sistema da PeopleSoft - Já tinha implantado em outros países as plataformas para ensino - Em junho de 2003, foi realizado o estudo de viabilidade (GPROJ) - Equipe com diferentes visões, todos trabalhavam ao mesmo tempo (GPROC) - A estrutura da Universidade passou de funcional para matricial -A Universidade utilizou o modo Big-bang, porque sua cultura é conservadora e necessitava de uma mudança drástica e rápida. - O sistema foi traduzido e seus módulos foram adequados aos processos da Universidade. - Na Universidade foi realizado apenas o treinamento. Entretanto é necessário a capacitação das pessoas, o que não foi feito adequadamente. (GM) - O suporte não foi tão efetivo quanto se 8

9 esperava. Pós-implantação - É a etapa de utilização do sistema, acontecem feedbacks para ajustes do sistema. - Parte do sistema já está sendo usado, as pessoas começam notar dificuldades e pedir auxílio do suporte. Fonte: elaborado pelos autores O item a seguir apresenta discute as mudanças organizacionais causadas pela implementação de um Sistema de Gestão Integrada. 4.3 Mudanças Organizacionais A implantação de um sistema ERP afeta todas as dimensões de mudanças organizacionais, conforme demonstra o Quadro 3. Quadro 3: Quadro comparativo das mudanças organizacionais Dimensões Teoria Prática Mudanças Tecnológicas Adoção de novas ferramentas O sistemas ERP implantado Mudanças Estruturais Interferem no projeto da organização Mudança de estrutura funcional para matricial Mudanças comportamentais Dizem respeito a reação dos colaboradores Resistência da parte das pessoas frente as mudanças tecnológicas e estruturais. Fonte: elaborado pelos autores O Gproj afirma que além desses três pontos de vista da mudança, ainda havia a questão de escopo do projeto que foi implementada através do Big-Bang, mexendo ao mesmo tempo com toda a Universidade e intensificando estas mudanças. Assim como afirma Davenport (2002), o que é realmente importante e difícil com relação a esses sistemas é a drástica mudança que eles representam para uma organização. Na Universidade já havia o desejo e a necessidade de mudar a estrutura organizacional de funcional para matricial. Assim, os processos já haviam sido redesenhados. Porém, esta mudança só foi efetivada junto com a implantação do sistema. Neste processo muitas funções foram simplificadas. Apesar da grande importância das pessoas para o sucesso da implantação dos sistemas ERPs, no caso da Universidade em estudo, foi possível identificar dois grupos distintos. As pessoas que participaram da implementação tiveram uma visão positiva do sistema, enquanto parte dos usuários, que não participaram da implantação, apresentaram uma visão negativa. Acredita-se que esta visão diferenciada está relacionada ao fato de que as pessoas envolvidas no projeto participaram de um grande processo de capacitação enquanto os usuários participaram apenas de atividades de treinamento. Isto aconteceu em função dos curtos prazos. A GM comentou que eram necessários 90 dias para capacitação dos funcionários, entretanto a pressão, fez com que eles tivessem apenas 40 dias. Esta falta de capacitação pode ser percebida através da opinião de uma das funcionárias entrevistadas que disse: A ferramenta que usávamos funcionava bem, não sei porque foi mudada. O Projeto foi divulgado com grande impacto porque ele representaria um marco na história da Universidade. Traria mudanças bruscas, e as pessoas deveriam estar conscientes disso, disse a GM. No primeiro momento todos queriam participar do Projeto Sinergia, mas 9

10 apenas um pequeno grupo de pessoas iniciou o processo. Criaram-se incertezas a respeito dele, porque nem a equipe sabia exatamente do que se tratava o trabalho que tinha a realizar. 4.4 Fatores Críticos de Sucesso Um dos principais motivos da implementação do ERP foi a mudança de estrutura funcional para a estrutura matricial. O modelo anterior era burocrático e lento. Para tudo se criava um novo processo, tanto é que, chegou-se a um ponto que para cada 20 alunos havia um processo, com um sistema dando suporte a ele. Este sistema só era utilizado duas vezes ao ano por ocasião da matrícula destes 20 alunos. Da mesma forma, que cada centro tinha um sistema para Trabalhos de Conclusão, chegando a ter seis sistemas para TCCs dentro da Universidade. De acordo com Parr, Shanks e Darke, Parr e Shank (2000),Willcocks e Sykes (2000), Holland, Light e Gibson e Davenport (1998) esta reengenharia dos processos de negócio e mudança de estrutura são fatores de sucesso para implantação de um ERP. Outro fator que colaborou para o sucesso da implantação, segundo Parr, Shanks e Darke,, Parr e Shanks, (2000), foi a utilização de equipes multidisciplinares que garantiram uma visão sistêmica dos novos processos e da implantação do ERP. Apesar dos ERPs demandarem grandes volumes de recursos humanos e financeiros, a Universidade teve um grande poder de negociação durante a discussão do processo com a PeopleSoft, isto porque, foi a primeira a implantar este sistema no Brasil, e assim serviria de vitrine para a implantadora. Esta parceria estratégica entre os implantadores do software e parceiros do negócio é considerado por Willcocks e Sykes (2000) e Adam e O Doherty (2000) como outro importante fator de sucesso. Segundo o Gproj, o apoio da reitoria foi muito importante porque sem ele o projeto teria começado em setembro de 2003 e terminado em fevereiro de Isso porque, nesta época, estavam se dando os primeiros embates e mudanças ocasionadas pelo projeto. Começava-se a vislumbrar que as mudanças de processos simplificariam a estrutura e gerariam impacto nas pessoas. Para os autores Parr, Shanks e Darke, Parr e Shanks, (2000), Willcocks e Sykes (2000), Bingi, Sharma e Godla, Holland, Light e Gibson, Markus et al. (2000) e Bancroft, Seip e Sprengel (1998) o apoio da alta gerência é outro fator que garante o sucesso do projeto. Durante a implementação, a Universidade teve problemas de tecnologia, pois imaginava um suporte mais ágil e rápido. Existiam processos que a própria equipe do Sinergia teve que descobrir como fazer. A implementadora também não tinha algumas soluções para o módulo para educação e a equipe teve que adaptá-los. Segundo Parr, Shanks e Darke, e Willcocks e Sykes (2000) o apoio de analistas de sistemas é considerado um fator importante para o alcance do sucesso. Uma das desvantagens que prejudicaram a aceitação do sistema por parte dos funcionários e professores, se deu devido aos problemas de comunicação interna já existentes. Para Adam e O Doherty (2000) durante o processo de implantação, a comunicação eficiente entre departamentos e entre empresa e consultores é determinante para o sucesso. Segundo um dos funcionários entrevistados Algumas vezes, a ferramenta não corresponde ao esperado. Tanto pelo não conhecimento dos novos caminhos, quanto pelas novas expectativa e soluções esperadas da ferramenta. O treinamento e principalmente, a capacitação, conforme Bingi e Sharma, são necessários para que a implantação tenha êxito. 5- Considerações Finais Este trabalho teve como objetivo descrever o processo de implantação de um sistema integrado de gestão em uma universidade brasileira. Buscou-se comparar com a teoria o 10

11 processo de implantação, as mudanças ocorridas e os fatores críticos determinantes para o sucesso desta. Pode-se verificar que a implantação do ERP na Universidade foi realizada através do modo Big-bang onde todos os módulos são implementados ao mesmo tempo. Da mesma forma identificou-se a aderência entre as etapas utilizadas para implantação na Universidade e o proposto pelos modelos teóricos estudados, especialmente pelo modelo de Zwicker e Souza (2003) representado na Figura 1. Com relação ao processo de mudança a implantação desencadeou as três dimensões consideradas no presente estudo: o próprio ERP, como mudança tecnológica; a mudança de estrutura funcional para matricial, como estrutural e a resistência dos colaboradores, como comportamental. Frente a isso, destacou-se a falta de capacitação dos funcionários e o curto período de treinamento que estes receberam. Dentre os diferentes fatores de sucesso estudados, percebe-se com maior intensidade durante o processo de implantação o redesenho de processos, o poder de barganha da Universidade com a empresa consultora, o apoio da reitoria e a formação de equipes multidisciplinares. Apesar dos resultados não serem ainda mensuráveis pela satisfação do aluno ou pelo impacto do sistema em indicadores quantitativos da instituição, a real vantagem deste sistema é a economia decorrente do auxílio que fornece ao suporte da atividade principal da Universidade, o ensino. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADAM, F.; O'DOHERTY, P. Lessons from Enterprise Resource Planning Implementation in Ireland - Toward Smaller and Shorter ERP Projects. Journal of Information Technology, n.15, p , ALBERTIN, A.L. Valores estratégicos dos projetos de tecnologia da informação. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 3, p , ALBERTIN, A.L e ALBERTIN, R. Tecnologia de Informação: Desafios da Tecnologia de Informação, Editora Atlas, 2005 ANALYTIX MARKET REPORT. Enterprise Resource Planning Disponível Em: Acesso em: 24 ago BANCROFT, N.; SEIP, H.; SPRENGEL, A. Implementing SAP R/3 how to introduce a large system into a large organization. Greenwich: Manning, BERGAMASCHI, S. e REINHARD, N. Fatores críticos de sucesso para Implementação de sistemas de gestão empresarial. In: SOUZA, C.de e SACCOL, A. (org). Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, p BINGI, P.; SHARMA, M.; GODLA, J. Critical Issues Affecting an ERP Implementation. Information Systems Management, p. 7-14, CALDAS, M. e WOOD JR., T. Fads and fashions in management: the case of ERP. RAE Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 40, n. 3, p. 8-17, jul./set COLÂNGELO FILHO, Implantação de sistemas ERP: um enfoque a longo prazo. São Paulo: Atlas, 2001, p DAVENPORT, T.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, DAVENPORT, T. Missão crítica : obtendo vantagem competitiva com os sistemas de gestão empresarial. Porto Alegre: Bookman, 2002, p.293. FITZSIMMONS, J.; FITZSIMMONS, M. Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia de informação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, p. 11

12 GODOY, A. Introdução a Pesquisa Qualitativa e suas possibilidades. RAE Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n.2, p , HOLLAND, C.; LIGHT, B.; GIBSON, N. A Critical Success Model for Enterprise Resource Planning lmplementation. Proceedings of the 7th European Conference on lnformation Systems, Denmark, p , MARKUS, L. M.; AXLINE, S.; PETRIE, D.; TANIS, C. Learning from Adopter's Experiences with ERP: Problems Encountered and Success Achieved. Journal of Information Technology, 15, , MARKUS, M.; TANIS, C. The Enterprise Systems Experience- From Adoption to Success, in Framing the Domains of IT Research: Glimpsing the Future Through the Past, eds R.W. Zmud, Pinnaflex Educational Resources, Inc, Cincinnati, OH, 1999, pp MEDEIROS, A. e FERREIRA, S. Administração de Projetos Complexos: ERP na Petrobrás. In: SOUZA, Cezar Alexandre de e SACCOL, Amarolinda Zanela (org). Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, p NAH, FIONA FUI-HOON; LAU, JANET LEE-SHANG; KUANG, JINGHUA. Critical factors for successful implementation of enterprise systems. Business Process Management Journal, v. 7, n. 3, p , PARR, A. N.; SHANKS, G. & DARKE, P. ldentification of Necessary Factors for Successful implementation of ERP Systems. lnternational Working Conference on New lnformation Technology in Organizational Processes. St. Louis, Missouri, USA, PARR, A.; SHANKS, G. A Model of ERP Project implementation. Journal of Information Technology, v.15, n.1, p , PORTAL DE ENSINO São Paulo. Disponível em: PROJETO SINERGIA. São Leopoldo: UNISINOS, Disponível em: <http:/www.unisinos.br/projetos_institucionais/sinergia/> Acesso em: 22 de mai ROSS, J. W., AND VITALE, M. R. The ERP Revolution: Surviving Vs. Thriving, Information Systems Frontiers, v. 2, n. 2, pp , SACCOL, Amarolinda Zanela et al. Algum tempo depois...como grandes empresas brasileiras avaliam o impacto dos sistemas ERP sobre as variáveis estratégicas. Anais do ENANPAD em CD-Room. Recife. Área de Administração da Informação SACCOL, A., MACADAR, M. e SOARES, R. Mudanças organizacionais e sistemas ERP. In: SOUZA, C.de e SACCOL, A. (org). Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, p SACCOL, A. Um olhar crítico sobre modismo em tecnologia da informação: analizando o discurso dos vendedores de pacotes ERP. In: SOUZA, C.de e SACCOL, A. (org). Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, p SOH, C., KIEN SIA SIEW, AND TAY- YAP, J. Cultural Fits and Misfits: ls ERP a Universal Solution? Communications of the ACM, v. 41, n. 4, p , SOUZA, C. e SACCOL, A.. Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, 2003 SUMNER, G. Risk Factors in Enterprise-wide/ERP Projects. IN: SHANKS, G.; SEDDON, P.; WILLCOCKS, L. Second-wave enterprise resource planning systems: implementing for effectiveness. Cambridge: Cambridge University, p. TARAFDAR, M.; ROY, R. Analyzing the adoption of enterprise resource planning systems in indian organizations: a process framework. Journal of Global Information Technology Management. Marietta,. v. 6, n. 1; p , TONINI, A. Metodologia para seleção de sistemas ERP: um estudo de caso. In: SOUZA, C.de e SACCOL, A. (org). Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, p

13 VILELA JUNIOR, D. e ERDMANN R.. Análise de fatores de sucesso na implementação de um sistema ERP em uma indústria do setor eletrônico. Anais do ENANPAD em CD-Room. Atibaia. Área de Administração da Informação WILLCOCKS, L. e SYKES, R. The Role of CIO and the lt Function in ERP. Communications of the ACM, v.43, p , YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Método. Porto Alegre: Bookman 2001, p ZWICKER, R. e SOUZA, C. Sistemas ERP: estudos de casos múltiplos em empresas brasileiras. In: SOUZA, C.de e SACCOL, A. (org). Sistemas ERP no Brasil (Enterprise Resource Planning). São Paulo: Editora Atlas, p

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior

Universidade Federal de Goiás UFG Campus Catalão CAC Departamento de Engenharia de Produção. Sistemas ERP. PCP 3 - Professor Muris Lage Junior Sistemas ERP Introdução Sucesso para algumas empresas: acessar informações de forma rápida e confiável responder eficientemente ao mercado consumidor Conseguir não é tarefa simples Isso se deve ao fato

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP - UMA VISÃO GERENCIAL DE CICLO DE VIDA DE IMPLANTAÇÃO Daniela Cristina Giorgetti Dantas UNIMEP Universidade Metodista de Piracicaba Mestrado Profissional em Sistemas de Informação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING

SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCES PLANNING SISTEMAS ERP ENTERPRISE RESOURCEES PLANNING O ERP (Planejamento de Recursos Empresariais) consiste num sistema interfuncional que tem por missão integrar e automatizar

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt

Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas. Prof Valderi R. Q. Leithardt Introdução sobre Implantação de Sistema ERP em Pequenas Empresas Prof Valderi R. Q. Leithardt Objetivo Esta apresentação tem por objetivo mostrar tanto os benefícios como as dificuldades da implantação

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios

Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Análise da implantação do sistema ERP em empresas fornecedoras de energia elétrica: estudos de caso exploratórios Marcia Habiro (Universidade Federal de São Carlos) marciahabiro@yahoo.com.br Moacir Godinho

Leia mais

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS.

BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. BUSINESS PROCESS MAGANENT (BPMS): PADRONIZAÇÃO DE PROCESSOS CORPORATIVOS. CASTRO, Gabriela Jorge; REIS, Luciana de Cássia; GIROTTO, Márcia; MARTINS, Murilo Mello; TAMAE,Rodrigo Yoshio RESUMO O artigo analisa

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Implantação de Sistema Integrado de Gestão: um Estudo de Caso na Área de Saúde

Implantação de Sistema Integrado de Gestão: um Estudo de Caso na Área de Saúde Implantação de Sistema Integrado de Gestão: um Estudo de Caso na Área de Saúde Autoria: Gabriel Raja Machado, João Porto de Albuquerque, Edmir Parada Vasques Prado Resumo Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI Com o crescimento acelerado, uma das mais tradicionais empresas do Brasil em produtos agrícolas precisava

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de Recursos da Empresa Sistema Integrado de Gestão Corporativa Prof. Francisco José Lopes Rodovalho 1 Um breve histórico sobre o surgimento do software ERP

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS DA CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMAS ERP: O CASO DE UMA EMPRESA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA

ANÁLISE DOS IMPACTOS DA CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMAS ERP: O CASO DE UMA EMPRESA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA ANÁLISE DOS IMPACTOS DA CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMAS ERP: O CASO DE UMA EMPRESA DE ARMAZENAGEM FRIGORÍFICA André Moraes dos Santos * Bruno Samos Pini ** RESUMO A utilização de novas tecnologias tem sido considerada

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA - IETEC PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE - T05 Abril de 2014 1 Auditando uma implantação de ERP (Enterprise Resource Planning) em empresas

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

ERP ERP ERP TRABALHO SOBRE IMPORTÂNCIA

ERP ERP ERP TRABALHO SOBRE IMPORTÂNCIA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE PERNAMBUCO FCAP TRABALHO SOBRE Clarissa Emmanuelle Mariana Bruna Larissa EQUIPE: Bruna Araruna Bertão Clarissa Pimentel Bandeira

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP

E t n erpr p ise R sou o r u ce Pl P ann n i n ng Implant nt ç a ã ç o ã de de S ist s e t m e a a E RP Enterprise Resource Planning Implantação de Sistema ERP Jorge Moreira jmoreirajr@hotmail.com Conceito Os ERP s (Enterprise Resource Planning) são softwares que permitem a existência de um sistema de informação

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos Este curso é ideal para quem está buscando sólidos conhecimentos em como desenvolver com sucesso um projeto de BPM. Maurício Affonso dos

Leia mais

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17

PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 17 Índice 1. Conceitos de Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas...3 1.1. Principais Fases... 3 1.2. Técnicas... 4 1.3. Papéis de Responsabilidades... 4 1.3.1.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 03) 1 ERP Sistema para gestão dos recursos administrativos-financeiros,

Leia mais

Ourofino: gestão integrada de treinamentos e atendimento de auditorias com SuccessFactors

Ourofino: gestão integrada de treinamentos e atendimento de auditorias com SuccessFactors SAP Business Transformation Study Saúde animal Ourofino Saúde Animal Ourofino: gestão integrada de treinamentos e atendimento de auditorias com SuccessFactors A Ourofino prevê o crescimento dos seus negócios

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais