NÃO SÓ DE PÃO VIVE O HOMEM: A IMPLICAÇÃO DO EFEITO DE UNIVERSALIDADE NO ENCAIXE PROVERBIAL1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NÃO SÓ DE PÃO VIVE O HOMEM: A IMPLICAÇÃO DO EFEITO DE UNIVERSALIDADE NO ENCAIXE PROVERBIAL1"

Transcrição

1 NÃO SÓ DE PÃO VIVE O HOMEM: A IMPLICAÇÃO DO EFEITO DE UNIVERSALIDADE NO ENCAIXE PROVERBIAL1 MAN SHALL NOT LIVE BY BREAD ALONE: THE IMPLICATIONS OF THE EFFECT OF UNIVERSALITY IN PROVERBS Valdeni da Silva Reis* Fernanda de Fátima Serakides Hon** Resumo O presente trabalho discute o efeito genérico e universal dos provérbios, apontando seus desdobramentos para os diferentes enunciados argumentativos. Nessa esteira, discutimos o conceito de genericidade enunciativa por meio do estudo do uso de um provérbio religioso em três diferentes gêneros textuais, a saber: um convite, uma chamada publicitária e uma letra de música. Por meio de uma busca pela Internet, foi possível encontrar o uso do provérbio religioso "Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus" (Mt 4, 4) em diversos gêneros textuais de domínio público, sendo escolhidos, portanto, os três gêneros já destacados. Neste estudo, foi possível perceber que os provérbios, resistentes ao tempo e consagrados pela sabedoria popular, garantem ao enunciado autoridade e tom didático. No que se refere ao uso do provérbio bíblico, observamos que tal função é ainda mais abrangente por se apoiar em uma origem historicamente resguardada: as Sagradas Escrituras. Nesse sentido, esta investigação demonstra que os encaixes proverbiais daí provenientes garantem ao enunciado credibilidade e, de certo modo, estatuto de verdade ao evidenciar a força de circulação dos provérbios no âmbito virtual e seu encaixe nos diversos cenários de uso da linguagem. Palavras-chave: Efeito de Universalidade, Efeito Genérico, Encaixe Proverbial, Genericidade Enunciativa, Enunciados Argumentativos. Abstract

2 This article discusses the generic and universal effect of proverbs by showing their use in different argumentative utterances. We discuss the concept of enunciative genericity through the applicability of a religious proverb in three dif-ferent genres: an invitation, an advertisement and the lyrics of a song. After Internet search it was possible to find the use of the religious proverb "One does not live by bread alone, but by every word that comes forth from the mouth of God" (Matthew, 4, 4) in the different well-known genres referred. This study shows how proverbs that resist time are incorporated into popular knowledge, and how they guarantee authority and a didactic effect to the utterance. Concerning the use of the religious proverb, we observe that this function is even more wide-ranging because its origin is historically preserved: the Holly Bible. In this sense, the present investigation demonstrates that the proverbial uses therein derived guarantee enunciative credibility and, in a way, truth status as it shows the force of proverbs that circulate in the virtual medium and their fitting in various instances of language use. Key words: Universal Effect, Generic Effect, Proverb Matching, Enunciative Genericity, Argumentative Utterances. 1 Introdução Este trabalho apresenta o conceito de genericidade enunciativa por meio de um breve estudo acerca do uso dos provérbios. Segundo Vellasco (1996), há diversas justificativas para o estudo dos provérbios; por exemplo, sua condição tradicional, sua forma prosódica, seu valor didático e sua condição de elemento persuasivo. Além de explorar essas características proverbiais, este estudo discute: 1) a definição de provérbios a partir de Carel e Schulz (2004), Dias (2007), Kleiber (2000, citando Kuroda, 1973) e Perrin (2000); 2) seu efeito de universalidade e genericidade; e 3) seu encaixe nos diversos cenários em que a linguagem é empregada. Nesses termos, analisamos especificamente o provérbio bíblico: "Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus" (Mt 4, 4). Interessamo-nos pela análise dos encaixes desse provérbio, pois eles são reveladores de uma estabilidade discursiva na produção e distribuição de efeitos de sentidos para atingir determinados objetivos na comunicação. Somos, assim, impelidos a analisar o modo como a genericidade

3 enunciativa evocada nesses encaixes constitui tanto a estabilidade discursiva, quanto a produção e a distribuição de efeitos de sentidos. O termo genericidade é, portanto, definido por Sobral (2007) como um recorte ideológico do mundo que recorre a certos tipos de enunciados/discursos relativamente estáveis, não necessariamente a certos enunciados/discursos, mas a certos tipos de enunciados/discursos. E estes recorrem a certos tipos estáveis de textualização, mas não necessariamente a certas textualizações estáveis (on line). O corpus aqui analisado constitui-se de um material retirado de um site de busca de domínio público em 27/12/2007, no qual foi digitada a seguinte frase bíblica: "não só de pão vive o homem". Dado o primeiro levantamento das ocorrências, selecionamos três das inúmeras possibilidades consideradas relevantes devido à especificidade de cada ocorrência em gêneros distintos, a saber: um convite (Festa do Rossetto), uma chamada publicitária (Valentine's Day) e uma letra de música (La Tortura). A seção que se segue apresentará um panorama teórico no qual nosso estudo se apoia. 2 Os Provérbios e Sua Genericidade: uma discussão teórica Recorrendo ao dicionário Aurélio (Ferreira, 1999), encontramos o vocábulo provérbio definido como sentença ou máxima concisa que se tornou popular e comum; e ainda como anexium, ou seja, como uma sentença popular e/ou um ditado com o desenvolvimento de uma sentença moral. A origem dos provérbios está, desse modo, na sabedoria popular, constituindo o folclore dos povos tanto quanto as lendas e os mitos, as superstições e as canções, já que traduzem conhecimentos e crenças. Assim, apesar de serem uma manifestação do passado, os provérbios são constantemente cristalizados no presente e nos dizeres que aí circulam. Vellasco (1996) aponta que, dada essa característica folclórica dos provérbios, estes são transmitidos de geração a geração, sobrevivendo e até sendo incorporados e difundidos pela mídia, cujo papel e poder em nossa sociedade se tornaram incontestáveis. Nesses termos, assumimos que os provérbios são enunciados de frequente uso popular nas

4 diversas línguas e culturas, sendo sempre portadores de uma carga moral-crítica adaptável às variadas situações cotidianas. Esses enunciados insurgem, assim, no fio dos mais diferentes discursos, tais como em conversas cotidianas, textos jornalísticos e propagandas de TV. Uma vez incorporados ao discurso, os provérbios trabalham no sentido de exemplificar, criticar, instruir, convencer de acordo com os interesses de quem enuncia. Segundo Vellasco (1996), os provérbios associam-se às propriedades da sentença e do texto, ocorrendo dentro de grandes textos como conversações do dia-a-dia, editoriais de jornais ou sermões. A autora aponta, ainda, que os próprios provérbios podem, por outro lado, aparecer isoladamente como textos completos em si; por exemplo, aqueles que aparecem em grupos de slogans, em inscrições, em edificações e em antologias. De acordo com Perrin (2000), todo provérbio é uma concepção genérica e, portanto, as frases proverbiais podem se submeter a várias manipulações, pois estas têm uma relativa plasticidade; remete, também, a outras enunciações do mesmo provérbio em virtude de sua forma linguística. Desse modo, afirma que, tal como as expressões idiomáticas, eles parecem ter sempre um duplo valor semântico: um literal da construção linguística e outro que remete ao sentido transfigurado para fazer a ponte entre a produção e a distribuição de um dado enunciado. Vellasco (1996) amplia a definição proverbial, afirmando que, com relação à sua forma, os provérbios se destacam por sua elaboração trabalhada e artificiosa, que faz uso dos mais variados recursos de construção, como a rima, a metrificação (geralmente, as redondilhas), a aliteração, a repetição, o paralelismo, o dialogismo e, em alguns casos, a deformação intencional de palavras e a "violação" da sintaxe. Para a autora, os provérbios sempre repletos de senso de humor, servem aos interesses cotidianos do homem referentes aos seus sentimentos, ocupações e brincadeiras. O homem lança mão dos provérbios no intuito de dar força ao seu enunciado graças à universalidade alcançada por eles em uma dada cultura. Segundo Dias (2007), o provérbio é evocado para sustentar situações específicas as mais diversas. (...) Quem se adequar ao seu perfil, está se ajustando às condições de uma verdade condensada nos próprios domínios do corpo textual. Daí o efeito de universalidade, isto é, de uma verdade

5 condensada nos seus próprios domínios (p. 324). A nosso ver, os provérbios são formas de verdades consagradas pelo povo instauradas no discurso no sentido de ratificar o dito e, dessa forma, dar-lhe igual valor de verdade, logo, credibilidade e aceitação e, nunca, contestação. A plasticidade que permite a manipulação desses provérbios nos dizeres cotidianos é também o elemento que permite e garante a possibilidade de encaixes que conectam provérbios e a fala que almeja esse mesmo estatuto de universalidade, de verdade e de convencimento. Concordando com Vellasco (1996), acreditamos que a qualidade de encaixe garante ao provérbio um sentido de força, de poder e de autoridade que, ao ser embutido em um cenário preexistente, garante uma condição de fato quase que irrefutável. Vellasco (1996) define provérbio como uma designação genérica dos ditos cristalizados e que expressam uma verdade ou resumem uma experiência. De acordo com a autora, o provérbio seria, assim, uma sentença independente e de sentido completo, que, direta ou indiretamente, expressaria uma norma, uma regra, um pensamento, uma advertência, ou até mesmo um conselho; como características dos provérbios aponta sua validade universal e sua não-distinção de lugar e tempo. Em consonância com essa autora, Perrin (2000) afirma que uma frase proverbial remete a uma generalidade atemporal, e não à ocorrência de um evento particular; além disso, os provérbios atribuem a cada uma de suas afirmações um status enunciativo polifônico. Devemos considerar, no entanto, que, sendo os provérbios criados e mobilizados pela sabedoria popular e inseridos em uma determinada cultura, muitas vezes, não podemos simplesmente transportar literalmente um provérbio de uma cultura para outra esperando que ele tenha a mesma força ou sentido. A título de ilustração, podemos citar o fato de utilizarmos na cultura brasileira o seguinte provérbio: "a galinha do vizinho é sempre mais gorda". No inglês norteamericano, porém, o provérbio utilizado com a mesma força enunciativa é: "a grama do vizinho é sempre mais verde" ("The grass is always greener on the other side of the fence", no original: tradução nossa). Notemos que ambos os provérbios caminham na produção de um mesmo efeito de sentido: "aquilo que os outros possuem pode parecer melhor e mais valoroso do que aquilo que possuímos". No entanto, em nossa cultura brasileira de grande influência rural, o provérbio é facilmente entendido. Já no contexto norte-americano, valoriza-se não a criação de galinhas, mas, sim, a manutenção e a ostentação de seus jardins, sempre ao alcance dos olhos alheios.

6 Outro exemplo pode ser observado a partir do provérbio também norte-americano, "o gato tem nove vidas" ("A cat has nine lives", no original: tradução nossa). Neste há apenas uma diferença com relação ao número de vidas do gato; isto é, no Brasil, dizemos que "o gato tem sete vidas" e não nove. Contudo, não saberíamos dizer, neste momento, as razões dessa variação em um provérbio, aparentemente tão semelhante, mas podemos facilmente inferir que se trata de uma diferença instaurada culturalmente. Notamos, de qualquer forma, que a frase referente ao provérbio "o gato tem X vidas" trabalha na produção de um mesmo sentido em ambas as culturas, demonstrando o efeito da genericidade enunciativa desse provérbio. Nesses termos, seu conteúdo semântico corresponde sempre a uma implicação, ou seja, a uma decodificação e aplicação de sentidos não apenas para assumir a construção proverbial em uma situação (ou dizer), mas também para compreendê-la. Para Kleiber (2000), o sentido implicativo do provérbio é o esquema semântico que serve de guia para seu reconhecimento, construção e interpretação. Kleiber (2000) ainda aponta que os provérbios não são frases comuns, mas uma construção facilmente identificada pela "sabedoria popular". Dessa forma, podem ser naturalmente diferenciados de uma frase comum por uma questão de forma ou de esquema semântico proverbial que está em jogo. De acordo com Kleiber (2000, citando Gouvard, 1996), essa habilidade de fabricar e interpretar frases constitui-se em nossa competência proverbial. Segundo Perrin (2000), os provérbios não são compatíveis com expressões do tipo "eu acho que", "a meu ver", "sinceramente", de um lado; ou com expressões, tais como "por conseguinte", "então", de outro, já que essas expressões são incompatíveis com frases que exprimem o isolado e solitário ponto de vista do enunciador. Para esse autor, o provérbio acompanha a entrada "como se diz", "diz-se" remetendo simplesmente ao ato de pronunciar a frase com fins metafóricos, em vez de afirmar efetivamente o que ela exprime, enunciando, assim, uma "verdade universal". Dessa forma, o provérbio nasce de um contexto específico, mas se aplica a um contexto geral. Kleiber (2000, citando Kuroda, 1973) define que os provérbios não são frases episódicas uma vez que eles remetem a certo estado de coisas, geral, habitual ou recorrente e, assim, exprimem regularidades estruturantes, e não asserções sobre fatos particulares. Para esse autor, os

7 provérbios podem, enfim, ser submetidos a empregos metafóricos ou figurados. Por outro lado, Carel e Schulz (2004) afirmam que os provérbios são como um pequeno discurso, ou seja, constituem um gênero discursivo que não transmite um valor metafórico, pois também não há um valor literal. Para os autores, a argumentação com relação aos provérbios está na própria língua, isto é, em sua estrutura, pois as palavras carregam em si uma argumentação. Finalmente, Vellasco (1996) aponta que a autoria dos provérbios é sempre desconhecida, com exceção dos provérbios bíblicos que se encontram no Livro dos Provérbios, no Antigo Testamento, assim chamados apesar de serem atribuídos ao Rei Salomão. Ressaltamos, no entanto, que outros ditos bíblicos receberam força e estatuto de provérbio na sabedoria popular e circulam juntamente com os outros, apesar de seus autores poderem ser facilmente localizados. Em nosso estudo, por exemplo, analisaremos o provérbio "Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus" (Mt 4, 4)2. Esse dito, que ganhou força e forma de provérbio na sabedoria popular, pode ser localizado no Evangelho de Jesus Cristo (Novo Testamento) segundo São Mateus (4, 4) e também São Lucas (4, 4), tratando-se de uma fala de Jesus Cristo fazendo referência a Moisés (Dt 8, 3)3 no Antigo Testamento. A seguir, passaremos para a discussão desse provérbio bíblico4, bem como seu desdobramento em três gêneros distintos: 1) um convite oriundo da interação mediada pelo computador (blog); 2) o gênero publicitário por meio de uma propaganda de uma jóia; e 3) o gênero musical por meio de uma letra de música. Verificaremos, assim, a implicação do efeito de universalidade no encaixe proverbial nos três referidos gêneros. 3 Não Só de Pão Vive o Homem... As recorrências enunciativas de um provérbio bíblico e seus encaixes Observemos o texto abaixo: FESTA DO ROSSETTO5 Nem só de pão vive o homem, nem só de voto se faz uma campanha. Nesta sexta, dia 22 de setembro, o Cine

8 Theatro Ypiranga (Av. Cristóvão Colombo, 772) promete bombar, a partir das 22h30min, com a Festa do Rossetto Juventude no Senado. O baile terá cinco DJs fazendo barulho: Pati Pantoja (Bar Circuito), Piá (Ipanema FM), DJ Banana (Festa Balonê), Mário Aguirra (Bar Circuito), Schutz & E-Flux (Festa Orgasmo). O cardápio musical é variadíssimo: World Music, Som Brasil, Samba Rock, Hip Hop, Black Music, Grooves, 80, Retrô, Pop, Electro, Minimal, Electrohouse, Electrorock, New Rave e grande elenco. Como diria um exprofessor meu, não me peçam precisão nestas distinções. A garantia é a animação. Quem quiser dar uma força pro Rossetto e, de quebra, balançar um pouco, apareça e leve a família. Convites antecipados a 10 reais no Comitê Central da Frente Popular (Av. João Pessoa, 785). Quem estiver com o flyer, terá 50% de desconto na bilheteria. Maiores informações no blog do Rossetto. :: Escrito por Marco Weissheimer às 17h21 [ (0) Comente] [ envie esta mensagem ] Partindo do modo com que o autor inicia sua argumentação, temos o seguinte: "Nem só de pão vive o homem, nem só de voto se faz uma campanha". A partir do encaixe dado ao provérbio que aqui analisamos, podemos prontamente inferir que se trata de uma campanha eleitoral. Esse fato é confirmado por meio dos itens lexicais usados ao longo do texto: voto, campanha, senado, comitê e frente popular. Usando o convite de uma festa como um artifício, podemos notar, por meio dos sentidos que aí ressoam, que o evento se revela apenas como um subterfúgio para camuflar o efeito de sentido produzido pelo enunciador e seu principal objetivo: angariar votos para a campanha do candidato Rossetto; daí, o título do convite: "Festa do Rossetto". Ressaltemos agora o público a quem o convite se dirige em primeira instância. Apesar de iniciar o convite em questão com o antigo provérbio ("Nem só de pão vive o homem"), o autor tenta mobilizar dizeres evocados, sobretudo, pela juventude ("bombar", "fazer barulho", "de quebra" etc.), trabalhando no sentido de convencer os jovens que participem e apoiem a eleição do Rossetto, mensagem implícita a que procuramos aludir nesta análise. Nesse sentido, a força genérica do provérbio ganha forma, uma vez que ele é utilizado como introdução legitimada de uma verdade que se disfarça. Ou seja, a festa em questão torna-se pano de fundo para a eleição do candidato, como pode ser notado no excerto: dar uma força pro Rossetto e, de quebra, balançar um pouco. Dessa forma, dar uma força direciona o dizer para o seu provável objetivo principal: apoie/vote no referido candidato. Assim, o autor objetiva contar com o apoio da juventude, que será encarregada de convencer sua família também: apareça e leve

9 sua família. A força genérica pode, mais uma vez, ser apontada a partir da mensagem do provérbio em sua linguagem antiga ( nem só de pão vive o homem ) mesclada de forma irreverente e persuasiva à linguagem atual utilizada principalmente pelo jovem brasileiro. Apontamos, finalmente, a competência proverbial (Gouvard, 1996 apud Kleiber, 2000) do enunciado analisado. É essa competência que garante ao autor e ao leitor a fabricação, a interpretação e o encaixe desse provérbio bíblico, permitindo a plasticidade do mesmo, conforme coloca Perrin (2000) com relação aos efeitos de sentido almejados. Passemos agora para a análise da chamada publicitária a seguir identificada: Valentine's Day III Nem só dos tradicionais corações vermelhos vive o Valentine's Day. Para os namorados mais tradicionais, chiquérrimas abotoaduras Paul Smith, Postado por Trish_007 às 00:14 0 comentários Marcadores: Produtos Observamos que, assim como um slogan, essa chamada publicitária trabalha na constituição de uma linguagem concisa e de fácil memorização. Nas palavras de Dias (2007), "o processo de associação entre um provérbio e o slogan publicitário é possível porque o slogan também é marcado pela concisão e apela para formas de fácil memorização" (p. 327). Notemos, no entanto, que a alusão ao provérbio bíblico "Não só de pão vive o homem" não se dá de forma explícita aqui, mas por meio de um encaixe prontamente acolhido pelo consumidor em potencial. O leitor/consumidor é impelido a fazer tal encaixe dado o status enunciativo polifônico evocado no anúncio. Esse status faz com que sejam entrelaçados e mobilizados vários dizeres

10 (vozes) que circulam na memória popular acerca do provérbio bíblico; o dizer que configura corações vermelhos como símbolos da paixão e o dizer que constitui o Dia dos Namorados como data a ser comemorada com troca de presentes entre os casais. Dessa forma, a chamada "se beneficia da história de enunciação do arcabouço proverbial, explorando seus lugares sintáticos no sentido de ancorar a atualidade dos produtos que vende" (Dias, 2007, p. 328). Ressaltamos, nesse sentido, que o objetivo da chamada é o alcance do domínio público, tal qual o provérbio. O uso implícito desse provérbio bíblico representa por si uma possibilidade de sucesso dessa investida. Segundo afirmam Arnaud e Moon (1993 apud Vellasco, 1996), "ser provérbio (...) é o ideal do slogan" (on line), o que Vellasco complementa defendendo que o ideal do comunicador é transformar o seu slogan num provérbio, fazer com que o slogan caia no domínio público. A nosso ver, a chamada publicitária analisada trabalha nesses limites validando seu dizer; logo, seu produto, por meio do provérbio que ressoa e, ao mesmo tempo, por meio da recusa do que já está consagrado, isto é: "os tradicionais corações vermelhos" associados ao Dia dos Namorados (Valentine's Day). O presente nessa data especial é instigado, portanto, a ser mais do que o tradicional; ele deve ser o produto anunciado. Propomos, por fim, a análise da letra da música "A Tortura"6, escrita e interpretada por Shakira: Ai meu amorzinho Guarde a poesia e guarde a alegria pra ti A Tortura Não peço que todos os dias sejam de sol Não peço que todas as sextas sejam de festa Tão pouco te peço que volte rogando perdão se chora com os olhos secos e falando dela. Ai amor, me dói tanto... me dói tanto que você tenha ido sem dizer aonde... Ai amor, foi uma tortura... perder-te Eu sei que não tenho sido um santo mas posso consertar, amor

11 Não só de pão vive o homem e nem de desculpas vivo eu... Só com erros se aprende e hoje sei que é seu meu coração Melhor guardares tudo isso, vá a outro cão com esse osso e nos dizemos "Adeus" Não posso pedir que o inverno perdoe a um rosal Não posso pedir aos ulmeiros que deem peras Não posso pedir o eterno a um simples mortal e andar atirando aos porcos, milhares de pérolas Ai amor, me dói tanto... me dói tanto que não acredite mais nas minhas promessas... Ai amor, foi uma tortura perder-te Eu sei que não tenho sido um santo mas posso consertar, amor Não só de pão vive o homem e nem de desculpas vivo eu... Só com erros se aprende e hoje sei que é seu meu coração Melhor você guardares tudo isso, vá a outro cão com esse osso e é melhor dizermos "Adeus" Não se vá, não se vá... Escute negrinha minha, não se vá... não fale demais... De segunda à sexta tem meu amor deixe o sábado para mim que é melhor minha negra, não me castigue mais Porque lá fora sem você não tenho paz Eu sou um homem muito arrependido sou como a ave que volta ao seu ninho... Eu sei que não tenho sido um santo mas posso consertar, amor Não só de pão vive o homem e nem de desculpas vivo eu... Só com erros se aprende e hoje sei que é seu meu coração Ai, ai, ai... ai, ai, ai Ai, tudo o que fiz por você Foi uma tortura acabar me dói tanto que seja assim... Siga clamando perdão...eu... eu não vou,não vou chorar por ti (grifos nossos) A letra de música que será discutida aqui, ao contrário das ocorrências anteriores, trabalha num movimento duplo, que ora é revestido pelo encaixe proverbial, ora é alimentado pelos sentidos ressoantes na origem religiosa do provérbio em questão. Em outras palavras, quando o compositor

12 lança mão da construção "Não só de pão vive o homem, e nem de desculpas vivo eu...", podemos apontar o encaixe proverbial que se apoia num dizer universalizado para sustentar uma situação particular ("vivo eu"). De acordo com Vellasco (1996), ao citar um provérbio, o falante sinaliza com um significado interacional e, indubitavelmente, intenta funcionar como conselheiro ou professor do seu ouvinte. Se uma pessoa cita provérbios regularmente a alguém, assume, no relacionamento, a responsabilidade de uma condição superior à do ouvinte. Logo, com uma citação proverbial, um falante mostra que possui o direito do aconselhar e/ou advertir o seu ouvinte, ou que ao menos naquela relação está em condição de igualdade com o seu interlocutor ou, ainda, mesmo que momentaneamente, está em condição superior, pela posse da sabedoria tradicional (on line). Esse encaixe, no entanto, se cola ao propósito, e não ao mais esperado, sempre introduzido pelo "mas", uma vez que o substitui fazendo uso do conectivo "e" ("Não só de pão vive o homem e nem de desculpas vivo eu..."). Quanto à religiosidade, podemos apontar o uso de itens lexicais que remetem à ideia do sagrado, da confissão, da lamúria, do sermão ("te peço... rogando perdão", "ser um santo", "o eterno", "o mortal", "arrependido", "clamando perdão" etc.), sendo esses elementos que ressoam o lugar de origem do provérbio em análise. Por fim, é interessante ressaltar que a letra evoca também outros provérbios, que aqui não serão discutidos, mas que igualmente fortalecem o dizer do eu poético e que por isso foram por nós grifados apesar de não serem analisados neste momento. Nesta seção, procuramos apontar e brevemente analisar tanto a ocorrência do provérbio bíblico "Não só de pão vive o homem" quanto a ressonância (eco) de seu sentido, assim como os possíveis encaixes feitos e explorados nos mais diferentes contextos, a fim de atingir os objetivos específicos. A partir desses encaixes, observamos, então, não apenas o efeito universal e genérico do provérbio que possibilita essa plasticidade, mas, sobretudo, seu estatuto de "verdade" que legitima e valida o dizer que aí se encaixa. Exploramos, também, que essa "verdade" se torna, de certa forma, "incontestável", sendo esse um provérbio bíblico, como procuramos desenvolver nas linhas expostas acima.

13 4 Conclusão Por meio deste estudo, percebemos que os provérbios, consagrados pela sabedoria popular e resistentes ao tempo, garantem ao enunciado tanto uma certa autoridade quanto um tom didático. Detectamos que os provérbios bíblicos exercem essa função ainda mais fortemente, pois se apoiam numa origem praticamente incontestável. Portanto, os encaixes daí oriundos garantem ao enunciado certa credibilidade persuasiva e estatuto de verdade, como visto mais explicitamente em nossa análise do convite e da chamada publicitária apresentada. A busca pelo provérbio "Não só de pão vive o homem" realizada por meio da Internet nos possibilitou averiguar a força de circulação dos provérbios de uma forma geral nos diversos cenários de utilização da linguagem, tendo sido sua aplicação detectada em outros gêneros textuais aqui não analisados por limite de espaço e proposta. Em síntese, discutimos o efeito genérico e universal de um provérbio bíblico não com intuito de explorá-lo exaustivamente, mas, sim, de apontar seus desdobramentos para os distintos enunciados argumentativos. Acreditamos que, por serem resistentes ao tempo e possuírem um grande poder de circulação popular, o uso dos provérbios abre possibilidades para seus encaixes servindo aos mais diversos interesses e objetivos de quem enuncia. Dizemos, por fim, que o estudo da implicação desses encaixes não se esgota e muito pode nos revelar sobre o efeito da universalidade proverbial e seu efeito na produção e distribuição de sentidos que circulam no tempo e espaço do cotidiano de um povo. Assim, defendemos que não só de um provérbio sobrevive a sabedoria popular e nem só por meio deste estudo podemos abarcar todo o efeito de universalidade no encaixe proverbial. Notas 1 O presente trabalho foi realizado com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq. 2 Também em Lucas 4,4: "Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra de Deus".

14 3 "... o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor". 4 Não diferenciamos a ocorrência das negativas não e nem. São consideradas equivalentes. 5 Este convite está disponível em: <http://rsurgente.zip.net/arch _ html>. 6 No corpo do artigo, apresentamos uma tradução nossa, cujo original está no Anexo 1. Referências BÍBLIA Sagrada. Tradução dos originais: Monges de Maredsous (Bélgica). 55. ed. São Paulo: Ave Maria, CAREL, M.; SCHULZ, P. Genericidade, metáfora e descrição lexical. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, n. 1, p , mar DIAS, L. F. Modos de enunciação e gêneros textuais: em busca de um novo olhar sobre gêneros de texto. In: FONSECA-SILVA, M. da C.; PACHECO, V.; LESSA-DE-OLIVEIRA, A. S. C. (Org.). Em torno da língua(gem): questões e análises. Vitória da Conquista: Edições Uesb, p FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, KLEIBER, G. Sur le sens des proverbes. Langages, Paris, n. 139, p , PERRIN, L. Remarques sur la dimension generique et sur la dimenseion dénominative des proverbes. Langages, Paris, n. 139, p , SOBRAL, A. U. Um diálogo bakhtiniano com L. A. Marcushi. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNEROS TEXTUAIS SIGET, 4., 2007, Tubarão. Programação e Resumos. Tubarão: UNISUL, v. 1. p Disponível em: <http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/cd/port/144.pdf>. Acesso em: 5 dez VELLASCO, A. M. M. S. Coletânea de provérbios e outras expressões populares brasileiras de provérbio Disponível em: <http://www.deprover bio.com/dpbooks/vellasco/introducao. html>. Acesso em: 27 dez

15 Sítios acessados <http://www.google.com.br>. Acesso em: 27 dez <http://www.cidadenova.org.br/newsite/bibliotecaartigos/revistamateria.asp?art=1695>. Acesso em: 27 dez <http://www.deproverbio.com/dpbooks/vellasco/coletanea.html>. Acesso em: 27 dez <http://shakira.letrasdasmusicas.com.br/tu-traducao-letra.html>. Acesso em: 27 dez <http://letras.terra.com.br/shakira/133590/>. Acesso em: 7 jan <http://letras.terra.com.br/shakira/133590/>. Acesso em: 7 jan <http://rsurgente.zip.net/arch _ html>. Acesso em: 27 dez <http://www.paulsmith.co.uk/shop/valentines>. Acesso em: 27 dez ANEXO La Tortura Original Shakira e Alejandro Sanz (Composição: Shakira Mebarak R.) (Shakira) No pido que todos los días sean de sol No pido que todos los viernes sean de fiesta Tan poco te pido que vuelvas rogando perdón Si lloras con los ojos secos Y hablando de ella (Shakira) Ay amor me duele tanto (Alejandro Sanz) Me duele tanto (Shakira) Que te fueras sin decir a donde Ay amor, fue una tortura perderte (Alejandro Sanz) Yo sé que no he sido un santo Pero lo puedo arreglar amor (Shakira) No sólo de pan vive el hombre

16 Y no de excusas vivo yo. (Alejandro Sanz) Sólo de errores se aprende Y hoy sé que es tuyo mi corazón (Shakira) Mejor te guardas todo eso A otro perro con ese hueso y nos decimos adiós (Shakira) No puedo pedir que el invierno perdone a un rosal No puedo pedir a los olmos que entreguen peras No puedo pedirle lo eterno a un simple mortal Y andar arrojando a los cerdos miles de perlas (Alejandro Sanz) Ay amor me duele tanto Me duele tanto Que no creas más en mis promesas (Shakira) Ay amor (Alejandro Sanz) Es una tortura (Shakira) Perderte! (Alejandro Sanz) Yo sé que no he sido un santo Pero lo puedo arreglar amor (Shakira) No sólo de pan vive el hombre Y no de excusas vivo yo. (Alejandro Sanz) Sólo de errores se aprende Y hoy sé que es tuyo mi corazón (Shakira) Mejor te guardas todo eso A otro perro con ese hueso y nos decimos adiós (Alejandro Sanz) No te bajes, no te bajes Oye negrita mira, no te rajes De lunes a viernes tienes mi amor Déjame el sábado a mi que es mejor Oye mi negra no me castigues más Porque allá afuera sin ti no tengo paz Yo sólo soy un hombre arrepentido Soy como el ave que vuelve a su nido (Alejandro Sanz) Yo sé que no he sido un santo

17 Y es que no estoy hecho de cartón (Shakira) No sólo de pan vive el hombre Y no de excusas vivo yo. (Alejandro Sanz) Sólo de errores se aprende Y hoy se que es tuyo mi corazón (Shakira) Ay ay ay, Ay ay ay, Ay, todo lo que he hecho por ti Fue una tortura perderte Me duele tanto que sea así Sigue llorando perdón Yo... yo no voy A llorar por ti... Dados das autoras: *Valdeni da Silva Reis Mestre em Linguística Aplicada UFMG e Doutoranda em Estudos Linguísticos FALE/UFMG Endereço para contato: Rua Menino do Engenho, nº 50 Jardim do Lago Contagem/MG Brasil Endereço eletrônico: **Fernanda de Fátima Serakides Hon Mestre em Linguística Aplicada UFMG Endereço para contato:

18 Rua dos Estados, nº 620, apto. 101 Santa Amélia Belo Horizonte/MG Brasil Endereço eletrônico: Data de recebimento: 5 dez Data de aprovação: 23 set. 2009

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.

ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail. ESTRANGEIRISMOS NA SALA DE AULA: PROPOSTA DE TRABALHO A PARTIR DE TEXTOS PUBLICITÁRIOS Fabiana Kelly de Souza (UFMG) fabksouza@gmail.com 1. Introdução As línguas se modificam de acordo com as necessidades

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA 2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA traduzidos por Wanderson Lima VIVO SEM EM MIM VIVER Vivo sem em mim viver e tão alta vida espero Vivo já fora de mim depois que morro de amor, porque vivo no Senhor, que

Leia mais

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO.

CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. CAMPOS LEXICOS DOS FALARES RURAIS DE GOIÁS, MATO GROSSO, MINAS GERAIS E SÃO PAULO. Gisele Martins SIQUEIRA (Mestranda FL/UFG) Gisele.msiqueira@gmail.com Maria Suelí de AGUIAR (FL/UFG) aguiarmarias@gamil.com

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS Debbie Mello Noble 1 A discussão sobre autoria na publicidade é extremamente ampla e complexa. Quando nos deparamos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula Base bíblica: João 3.1-23 Texto áureo: Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (João 3.5). Preparando a aula Ore

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

IGREJA PENTECOSTAL DO EVANGELHO PLENO Ministério de Avivamento Mundial Maranatha

IGREJA PENTECOSTAL DO EVANGELHO PLENO Ministério de Avivamento Mundial Maranatha TREINAMENTO DE PROFESSORES DA ESCOLA BÍBLICA INFANTIL Provérbios 22: 6 Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele. Objetivos da EBD Infantil: A EBD infantil

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória,

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória, Livro 1 página 57 Lição Oito O Culto a Deus Que É Culto? O culto é o ato de reconhecer a Deus por quem Ele é. Inclui uma atitude de reverência, devoção e adoração da parte da pessoa que pensa acerca de

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

Interpenetração de dois cumprimentos

Interpenetração de dois cumprimentos Abordagem Bíblica e Teológica Interpenetração de dois cumprimentos Por Defensores do Evangelho Que a graça e a paz do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo seja convosco! Introdução Este tema é extremamente

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

O ser humano é comunicação

O ser humano é comunicação O ser humano é comunicação Sem. Andrey Nicioli anicioli@hotmail.com Catequese Arqudiocesana Pouso Alegre 14/11/2015 Primeira certeza O termo comunicação é abrangente e não se restringe aos meios midiáticos.

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens

Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens Matriz de Língua Portuguesa de 3ª série - Ensino Médio Comentários sobre os Tópicos e Descritores Exemplos de itens TÓPICO V RELAÇÃO ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO O uso de recursos expressivos

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em

A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões. O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em Propaganda Eleitoral 6.05.200 A. Introdução A intenção é introduzir o tema para instigar a troca de opiniões O Partido acumula boas experiências a partir do debate iniciado em + - 998 O tema esquentou

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Prof. Dr. Leônidas José da Silva Júnior Universidade

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL 1. Artigos científicos e técnicos Textos que tratam áreas específicas do saber, sendo normalmente escritos por especialistas, o

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO 1 INTRODUÇÃO Dulcinéia de Castro Viana Fernando da Silva Negreiros Lays Cristina Fragate Natalia Lamino Camilo Ulisses

Leia mais

COLETÂNEA CONTINUA...

COLETÂNEA CONTINUA... Natal, 05 de abril de 2011 PROVA DE REDAÇÃO A prova de redação apresenta uma proposta de construção textual: uma CARTA ABERTA. Com a finalidade de auxiliá-lo(a) na compreensão prévia da temática em foco,

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

O MODO DE ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIDADES DA NOVA SCHIN 1

O MODO DE ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIDADES DA NOVA SCHIN 1 O MOO E ORGANIZAÇÃO ENUNCIATIVO NAS PUBLICIAES A NOVA SCHIN 1 Graciele Silva REZENE (UFMG) 2 Renato de MELLO (UFMG) 3 RESUMO: Neste artigo, analisamos como o anunciante utiliza o modo enunciativo nas publicidades

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 MOTIVO ALEGADO PELO CANDIDATO: A questão

Leia mais

VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO

VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO VAMOS OUSAR A ALEGRIA DO DEUS CONNOSCO JESUS CRISTO DIOCESE DE AVEIRO - CAMINHADA DE ADVENTO 2014 - ANO B semana 1 semana 2 semana 3 semana 4 Natal O Tempo do Advento tem dupla característica: é tempo

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

Toda bíblia é comunicação

Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação Toda bíblia é comunicação de um Deus amor, de um Deus irmão. É feliz quem crê na revelação, quem tem Deus no coração. Jesus Cristo é a palavra, pura imagem de Deus Pai. Ele é

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

SEMINÁRIO TEOLÓGICO COMO ELABORAR ESBOÇOS DE SERMÕES

SEMINÁRIO TEOLÓGICO COMO ELABORAR ESBOÇOS DE SERMÕES SEMINÁRIO TEOLÓGICO Prof. Herbert A. Pereira LOCAL Igreja Evangélica Deus Todo Poderoso Rua Schoroeder, 410 Jardim Santa Maria Guarulhos - SP. COMO ELABORAR ESBOÇOS DE SERMÕES Os esboços de pregação não

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

S A N C H O I, R E Y D E P O R T U G A L

S A N C H O I, R E Y D E P O R T U G A L Í N D I C E NOTA DE APERTURA.............................. ) 7 ( NOTA DE ABERTURA............................. ) 11 ( PRÓLOGO.................................... ) 15 ( PREFÁCIO....................................

Leia mais

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano

FESTA DO PERDÃO. Igreja de S. José de S. Lázaro. 2º ano FESTA DO PERDÃO Igreja de S. José de S. Lázaro 2º ano 5 de Março de 2005 FESTA DO PERDÃO As crianças com o seu respectivo catequista estão sentadas nos bancos. Na procissão de entrada, o sacerdote segurando

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral Advento 2014 (Campanha de Preparação para o Natal) A ALEGRIA E A BELEZA DE VIVER EM FAMÍLIA. O tempo do Advento, que devido ao calendário escolar

Leia mais

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira

Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora. Formadora: Dra. Gabriela Castanheira Novos Programas de Português para o Ensino Básico Turma C445-J Escola Secundária da Senhora da Hora Formadora: Dra. Gabriela Castanheira SEQUÊNCIA DIDÁCTICA 5º ANO ROTEIRO Ana Maria da Fonseca Rocha Julho

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Mecatrônica Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Técnico

Leia mais

Segredos da Redação Nota Mil

Segredos da Redação Nota Mil Lucas Martins Segredos da Redação Nota Mil Aprenda Como Utilizar Meu Método Testado e Aprovado e Aumente Suas Chances de Uma Boa Nota Índice Introdução... 5 Bem-vindo!... 5 Quem sou eu... 6 Por que você

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

COMBINADOS PARA O SEMESTRE:

COMBINADOS PARA O SEMESTRE: COMBINADOS PARA O SEMESTRE: Temas de redação serão dados durantes as aulas. É importante pesquisá-los e estudá-los, pois alguns deles serão utilizados para as produções em sala ou em simulados; Toda a

Leia mais

JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS

JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS JESUS CRISTO É O FILHO DE DEUS SOBRE ESTA REVELAÇÃO EDIFICAREI A MINHA IGREJA Mateus 16: 13 E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO Soeli Maria Schreiber da SILVA (UFSCar) xoila@terra.com.br Na pesquisa atual desenvolvida

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico

Novo Programa de Português do Ensino Básico Novo Programa de Português do Ensino Básico No dia-a-dia, deparamos frequentemente com textos/discursos que nos chamam a atenção um pouco por todo o lado. Mas que nos dizem esses textos/discursos? O que

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

Você se lembra das três palavras abordadas na lição anterior: Revelação, inspiração e iluminação?

Você se lembra das três palavras abordadas na lição anterior: Revelação, inspiração e iluminação? A BÍBLIA Parte 2 Objetivo para mudança de vida: Dar ao estudante um senso profundo e duradouro de confiança em sua capacidade de entender a Bíblia. Capacidade esta que lhe foi dada por Deus. Você se lembra

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais