COMPORTAMENTO DA MODULAÇÃO AUTONÔMICA DO CORAÇÃO DE JOVENS OBESOS E EUTRÓFICOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO CONTÍNUO E INCREMENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPORTAMENTO DA MODULAÇÃO AUTONÔMICA DO CORAÇÃO DE JOVENS OBESOS E EUTRÓFICOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO CONTÍNUO E INCREMENTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SOCIEDADE COMPORTAMENTO DA MODULAÇÃO AUTONÔMICA DO CORAÇÃO DE JOVENS OBESOS E EUTRÓFICOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO CONTÍNUO E INCREMENTAL GLEIDSON MENDES REBOUÇAS Mossoró RN 2014

2 GLEIDSON MENDES REBOUÇAS COMPORTAMENTO DA MODULAÇÃO AUTONÔMICA DO CORAÇÃO DE JOVENS OBESOS E EUTRÓFICOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO CONTÍNUO E INCREMENTAL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Saúde e Sociedade, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, como requisito final para obtenção do grau de Mestre em Saúde e Sociedade. Orientador: Prof. Dr. Humberto Jefferson de Medeiros Mossoró-RN 2014

3 Catalogação da Publicação na Fonte. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Rebouças, Gleidson Mendes. Comportamento da modulação autonômica do coração de jovens obesos e eutróficos submetidos a exercício contínuo e incremental. / Gleidson Mendes Rebouças. Mossoró, RN, f. Orientador(a): Prof. Dr. Humberto Jefferson de Medeiros Dissertação (Mestrado em Saúde e Sociedade). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade. 1. Obesidade - Dissertação. 2. Sistema nervoso autônomo - Dissertação. 3. Frequência cardíaca - Dissertação. I. Medeiros, Humberto Jefferson de. II. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. III.Título. Bibliotecária: Elaine Paiva de Assunção CRB 15 / 492 UERN/BC CDD

4 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA A COMISSÃO ABAIXO ASSINADA APROVA A DISSERTAÇÃO INTITULADA COMPORTAMENTO DA MODULAÇÃO AUTONÔMICA DO CORAÇÃO DE JOVENS OBESOS E EUTRÓFICOS SUBMETIDOS A EXERCÍCIO CONTÍNUO E INCREMENTAL Elaborada por GLEIDSON MENDES REBOUÇAS COMO REQUISITO FINAL PARA A OBTENÇÃO DO TÍTULO DE MESTRE EM SAÚDE E SOCIEDADE BANCA EXAMINADORA: Humberto Jefferson de Medeiros (UERN-RN) José Carlos Gomes de Carvalho Leitão (UTAD-Portugal) João Batista da Silva (UERN-RN) Mossoró RN 2014

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus pais José Maria Rebouças de Lima e Zilma Mendes Ferreira que são a maior prova de perseverança e luta frente aos desafios da vida, enfrentando-os sempre com bom humor e me encorajando com maestria na busca dos meus objetivos.

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente ao meu bom Deus, que sempre esteve comigo nas horas mais sombrias e nas aflições mais profundas; Aos meus pais José Maria Rebouças de Lima e Zilma Mendes Ferreira Lima, por todo o amor e compreensão na minha ausência como único filho, por terem dado o próprio sangue para me assegurar uma educação primorosa. Sou e serei eternamente grato pela maior herança que um filho pode receber de seus pais: hombridade, valores e princípios que fazem ser o que sou hoje; Ao professor Raimundo Rocha da Silva (in memorian) que plantou uma ideia na cabeça de um jovem ginasta e vislumbrou um futuro na Educação Física para um menino pobre e desajeitado com as acrobacias. Que Deus esteja com você se divertindo com suas infinitas histórias; Aos grandes mestres e amigos, Aldo Gondim Fernandes, Deusdedit dos Reis Couto Neto, Antônio de Pádua Lopes, Maria Ione da Silva e José Nunes de Morais pelas sinceras palavras de amizade e cuidado que sempre tiveram por mim desde os primeiros dias de graduação, quando eu era apenas um cearense sem dinheiro para o lanche e de sorriso amarelo no rosto; Aos amigos Thiago Renee Felipe e Nailton Albuquerque ( os caveiras ) companheiros de viagens nas longas madrugadas rumo a Mossoró para cumprirmos nossas obrigações acadêmicas. Apesar de estar na estrada a mais tempo, tenho enorme orgulho de tê-los comigo nessa etapa da vida. Que venha nosso Doutorado e que nossas famílias comunguem nossa parceria; Ao amigo João Carlos ( joquinha ), que se mostrou um amigo sincero e um profissional capacitado no âmbito da Saúde Pública; A Cíntia Aracelli Borges de Souza cara de fuinha azeda e a Eunice Borges de Souza por terem feito parte desse sonho que se concretiza hoje, mas se iniciou quando atravessamos o atlântico. Em terras Lusas ficou uma aliança de ouro, mas

7 comigo ficou algo mais precioso, a eterna gratidão por todo o tempo que estivemos juntos; A todos os outros amigos do mestrado em especial Ubilina e Amélia, por tolerarem minhas brincadeiras e se mostrarem pessoas dotadas de uma sensibilidade majestosa; As crianças que se propuseram a participar desse estudo sem sequer entender ao certo a dimensão do seu significado e aos pais pela confiança depositada nesse humilde pesquisador; Aos meus alunos do Grupo de Estudos em Modulação Autonômica do Coração GEMAC (Polyana, Edmilson, Priscila, Cynthia e Wellington) pela dedicação e empenho neste tema. Aos outros que já passaram pelo grupo, o meu enorme agradecimento; Ao meu orientador, o professor Humberto Jefferson de Medeiros, que nos últimos 12 anos da minha vida dediquei o meu respeito, busquei sempre dar-lhe o máximo de orgulho, como a um pai ( papito ) que foi não só academicamente mas em outras horas muito importantes da minha vida. Não fui o seu melhor aluno mas serei sempre o mais devotado e mais ciumento deles; A Profa. Maria Irany Knackfuss gringa ou como deveria dizer mamusca. Foi sempre um exemplo de força de trabalho e inspiradora no âmbito da pesquisa além de conselheira para a vida pessoal. Minha carreira na UNI-RN devo à oportunidade que foi dada pela senhora na então FARN, nunca irei esquecer o que fez por mim. A toda a minha família, primos, primas, tios, tias, avós e avôs (in memorian) que mesmo distante torceram sempre para que eu alcançasse os meus objetivos. Essa vitória é de todos vocês!

8 SUMÁRIO Pág. RESUMO XI ABSTRACT XII 1 INTRODUÇÃO O Problema Objetivos Objetivo geral Objetivo específico Justificativa 16 2 REVISÃO DE LITERATURA Aplicação clínica variabilidade da frequência cardíaca (VFC) e sua 18 interpretação 2.2 Respostas autonômicas decorrentes da obesidade em 27 populações jovens 3 METODOLOGIA Caracterização da pesquisa População e Amostra População Amostra Instrumentos de coleta dos dados Procedimentos para coleta de dados Tratamento estatístico 37 4 RESULTADOS 39 5 CONCLUSÕES E SUGESTÕES 52 6 REFERÊNCIAS 53 ANEXOS 61

9 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Análise descritiva dos dados antropométricos da amostra 39 Pág. TABELA 2 TABELA 3 TABELA 4 TABELA 5 TABELA 6 TABELA 7 TABELA 8 Análise descritiva das variáveis dependentes relacionadas ao desempenho não fisiológico no exercício Componentes de domínio da Frequência para o grupo Eutrofia nas fases do protocolo de execução com apresentação das diferenças nas comparações por medidas repetidas obtidas pela GLM Valores das componentes de domínio da Frequência para o grupo Obesidade nas fases do protocolo de execução com apresentação das diferenças nas comparações por medidas repetidas obtidas pela GLM. Valores inferenciais das variáveis de domínio da frequência obtidas pela GLM dentro dos intervalos de confiança de 95% para um erro do tipo I (p < 0,05) considerando o ajuste dos graus de liberdade através do Greenhouse-Geiser Análise descritiva e inferencial das medidas fisiológicas de intensidade do esforço entre os grupos ao longo das etapas de execução do protocolo de exercício Análise inferencial (p valor) variáveis em cada momento da execução do protocolo comparada entre os grupos Eutróficos e Obesos Análise dos postos de Mann-Whitney entre os grupos para a Percepção Subjetiva de Esforço (PSE)

10 LISTA DE FIGURAS Pág. FIGURA 1 Representação gráfica do intervalo R-R em um eletrocardiograma 18 FIGURA 2 FIGURA 3 Representação gráfica dos intervalo R-R e seus tempos entre os batimentos Analogia entre a separação de um feixe de luz alusivamente à separação entre as frequências de um sinal bioelétrico FIGURA 3a Fragmentação do feixe de luz por um prisma óptico 22 FIGURA 3b Separação entre as frequências de um sinal bioelétrico. b) Decomposição da FC em ondas de intensidades diferentes pela análise espectral (VLF destaque em vermelho; LF destaque em azul; HF destaque em amarelo) 22 FIGURA 4 Ilustração gerada pelo Kubios HRV após uma avaliação realizada em jovem eutrófico na execução de corrida com incremento de carga 25 FIGURA 4a Gráfico de Poincaré 25 FIGURA 4b Valores da medidas de VFC por técnicas não lineares 25 QUADRO 1 Pontos de corte de IMC para idade estabelecidos para adolescentes de 5 a 19 anos 33 FIGURA 5 Children s OMNI Scale of Perceived Exertion for walking/running 35 FIGURA 6 Resumo de desempenho no protocolo de execução para os grupos Eutrofia e Obesidade 50 LISTA DE ABREVIAÇÕES

11 ApEn HF LF LF/HF ms 2 n.u. NN50 pnn50 RMSSD Approximate Entropy (Entropia Aproximada) High Frequency (Alta Frequência) Low Frequency (Baixa Frequência) Razão entre LF/HF Milissegundos ao quadrado Unidades normalizadas. Número total de pares de intervalos NN consecutivos que diferem por mais de 50 milissegundos Proporção da NN50 Raiz quadrada da média dos quadrados das diferenças entre os intervalos RR SampEn Sample Entropy (Entropia da Amostra) SD1 SD2 SDNN VFC VLF Variabilidade instantânea de batimento a batimento da FC (referente à atividade parassimpática) Variabilidade contínua de batimento a batimento, ou variabilidade global. Desvio padrão dos intervalos R-R. Variabilidade da Frequência Cardíaca Very Low Frequency (Frequência Muito Baixa)

12 RESUMO O presente estudo analisou as medidas de Variabilidade da Frequência Cardíaca em 60 jovens sendo 30 obesos (13,8 + 1,5) e 30 eutróficos (13,2 + 1,1) submetidos a exercício contínuo e incremental. O exercício foi realizado em esteira rolante multiprogramável (Inbrasport Super ATL, Porto Alegre, Brasil) e durante a execução os avaliados foram constantemente monitorados por um cardiofrequencímetro da marca Polar RS810cx que consiste de um relógio digital e uma cinta fixada no tórax dos avaliados. Os dados referentes à FC foram enviados diretamente pra um microcomputador para análise através do software Polar Precision Performance. Todas as análises da VFC foram obtidas por meio do programa Kubios HRV Analysis Software 2,0 for Windows (The Biomedical Signaland Medical Imaging Analysis Group, Department of Applied Physics, University of Kuopio, Finlândia. A percepção subjetiva do esforço foi averiguada através da OMNI scalepara corrida e caminhada. Os registros dos intervalos R-R foram editados manualmente através de inspeção visual na tentativa de evitar que artefatos contaminem a análise. Na sequência, os registros foram automaticamente filtrados pelo software. Qualquer intervalo R-R com diferença superior a 20% do intervalo anterior foi automaticamente filtrado. Os resultados apontaram uma diminuição dos valores de variabilidade da frequência cardíaca tanto nas medidas de domínio de tempo (SDNN, RMSSD, pnn50) quanto nas medidas de domínio da frequência (HF, LF, VLF, LF/HF) no grupo Obesidade quando comparado com o grupo Eutrófico. A percepção subjetiva de esforço se relacionou positivamente com a intensidade máxima suportada, evidenciando discrepância apenas entre os grupos quanto ao tempo e intensidade associada a mesma percepção. Podemos concluir que as intensidades de exercício próximas de zonas máximas e submáximas podem alterar precocemente os ajustes autonômicos envolvidos no controle cardíaco de maneira que limite a execução do exercício e crie uma exposição a possíveis eventos indesejáveis do ponto de vista elétrico do coração. Palavras-Chave: Obesidade, Sistema Nervoso Autônomo e Frequência Cardíaca.

13 ABSTRACT The present study examined the measures of Heart Rate Variability in 60 young boys subdivided into30 obese ( ) and 30 normal weight ( 13.2 ± 1.1 ) underwent continuous and incremental exercise. The exercise was performed on a treadmill multiprogrammable (Inbrasport Super ATL, Porto Alegre, Brazil) and during execution the reviews were constantly monitored by a Polar heart rate monitor brand RS810cx consisting of a digital watch and a chest strap set of reviews. The data relating to HR were sent directly to a PC for analysis by Polar Precision Performance software. All analyzes of HRV were obtained through the program Kubios HRV Analysis Software 2.0 for Windows (The Biomedical Signal Analysis and Medical Imaging Group, Department of Applied Physics, University of Kuopio, Finland. Perceived exertion was assessed through OMNI scale for running and walking. Records of RR intervals were edited manually by visual inspection in an attempt to prevent artifacts contaminate the analysis. Subsequently, the records were automatically filtered by software. Any RR interval difference of more than 20 % of previous interval was automatically filtered. Results revealed a decrease of the heart rate variability measures in both the time domain (SDNN, RMSSD, pnn50) and the measurements of the frequency domain (HF, LF, VLF, LF/HF) in obesity group compared with the eutrophic group. Perceived exertion was positively related with maximum switching current, showing only discrepancy between the groups in terms of time and intensity associated with the same perception. We conclude that the intensities near maximal exercise areas and submaximal early can change the settings involved in cardiac autonomic control in order to limit the execution of the exercise and create an exposure to potential adverse events from the point of view of electric heart. Key words: Obesity, Autonomic Nervous System and Heart Rate.

14 14 I INTRODUÇÃO 1.1 O PROBLEMA Nos últimos anos, pesquisadores de todo o mundo têm demonstrado um interesse crescente pela promoção e detecção de indicadores de saúde da criança e do adolescente (KOCA; BAKARI; OZTUNC, 2013; SOARES-MIRANDA et al., 2012; TASCILAR et al., 2011). Notadamente, a obesidade tem sido apontada como responsável por severas desordens que acometem a população, em grande parte, de ordem cardiovascular e cardiorrespiratória (GRUTTER et al., 2012; NEVES et al., 2012; PASCHOAL; TREVIZAN; SCODELER, 2009). No Brasil, a obesidade tem se tornado um desafio para a saúde pública, uma vez que sua prevalência tem crescido de forma substancial nas três últimas décadas. O novo desenho do perfil nutricional do Brasil aponta para a necessidade de um modelo de atenção básica que incorpore ações de promoção da saúde, prevenção e tratamento da obesidade e de doenças crônicas não transmissíveis (REIS; VASCONCELOS; BARROS, 2011). Nesse contexto, as políticas públicas voltadas para a saúde têm sido de grande importância para a população do país, ainda que apresentem dificuldades em sua plena implementação. Analisando essas ações no seu contexto histórico, percebemos que as políticas públicas no Brasil vêm sendo realizadas por meio de práticas assistencialistas, traduzindo-se em relações que não incorporam o reconhecimento do direito à saúde (TRAVERSO-YÉPEZ, 2007). De acordo com a Constituição Federal de 1988, essas políticas orientam-se pelos Princípios da Universalidade e Equidade no acesso às ações e serviços, e pelas diretrizes de descentralização da gestão, de integralidade do atendimento e de participação da comunidade na organização de um Sistema Único de Saúde no território nacional (OLIVEIRA et al., 2008). Edifica-se um modelo de reorientação da atenção primária à saúde, por meio da Estratégia Saúde da Família que é uma estratégia prioritária que visa atender a indivíduos e à família de forma integral e contínua, baseado na territorialização, desenvolvendo ações de promoção, proteção e recuperação da saúde.

15 15 A estratégia tem como objetivo reorganizar a prática assistencial, centrada no hospital, com enfoque na família em seu ambiente físico e social. Também pode ser definida como um modelo de atenção que pressupõe o reconhecimento de saúde como um direito expresso na melhoria das condições de vida (MALTA et al., 2009). No tocante à área da saúde, essa melhoria e sua qualificação deve ser traduzida em serviços mais resolutivos, integrais e especialmente humanizados. Para tanto, no fim da última década, foi publicada a portaria que institui os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF), que corresponde a uma iniciativa para apoiar as equipes mínimas da Estratégia Saúde da Família. Esses núcleos poderão ser compostos por médicos (ginecologistas, pediatras e psiquiatras), professores de educação física, nutricionistas, acupunturistas, homeopatas, farmacêuticos, assistentes sociais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos e terapeutas ocupacionais (BRASIL, 2008). Impulsionado pelas políticas de intervenção e pelos números nada satisfatórios quanto à obesidade infantil, muitas ações para o seu tratamento têm mostrado efeitos positivos em vários estudos. Sempre centradas em comunidades e no ambiente escolar, apresentam resultados concretos de que a atenção primária representa uma boa ferramenta de intervenção contra a obesidade infantil. Para isso, faz-se necessária a existência de uma equipe de profissionais de saúde treinada e equipada para proporcionar opções de mudança dos hábitos de vida que levem a alterações de comportamento, que passam do individual para o coletivo (OUDE LUTTIKHUIS et al., 2009; SARGENT; PILOTTO; BAUR, 2011). As alterações na composição corporal podem influenciar no desenvolvimento das potencialidades físicas dos jovens que mesmo não tendo a prática desportiva como objetivo central, necessitam de suas capacidades para uma autonomia na busca pelo seu desenvolvimento integral (SHARMA et al., 2011; TONHAJZEROVA et al., 2011). Fisiologicamente, indivíduos com sobrepeso/obesidade apresentam reduções dos volumes e capacidades pulmonares, sobretudo, volume de reserva expiratória e capacidade residual funcional (SOARES-MIRANDA et al., 2012; WINDHAM et al., 2012). Níveis mais altos de obesidade associam-se à diminuição da complacência total do sistema respiratório e aumento da resistência na mecânica respiratória. Dada a descoberta da relação entre o sistema nervoso autônomo e a mortalidade por doenças cardiovasculares, torna-se necessária a realização de estudos acerca do aumento da atividade simpática e da redução da atividade

16 16 parassimpática, condição marcante que é encontrada em diversas patologias do sistema cardiovascular, podendo ainda estar relacionada a ajustes de natureza neuroendócrinas (DUMAN; DEMIRCI; TANYEL, 2010; LIU et al., 2009; RODRIGUEZ- COLON et al., 2009). Desta forma, a Variabilidade da Frequência Cardíaca (VFC) é um marcador quantitativo da atividade autonômica cardíaca, sendo, talvez, o mais promissor nas duas últimas décadas pelo fato de se tratar de uma técnica não invasiva, de baixo custo e rápida operacionalização. Além disso, o seu uso se torna viável em crianças e adolescentes, uma vez que não apresenta restrições éticas marcantes, por exemplo, como outros exames laboratoriais, (ALTUNCU; BASPINAR; KESKIN, 2012; BANSAL; KHAN; SALHAN, 2009; CHEN et al., 2012; DIETRICH et al., 2010; EVANS et al., 2013). Após sua padronização (BANSAL et al., 2009; MALIK et al., 1996), tornou-se uma ferramenta que tem se mostrado eficiente na análise da função autonômica cardíaca em indivíduos saudáveis, atletas, além de portadores de diversas doenças. São vários os índices que estão diretamente relacionados com a função cardíaca em populações de diversas faixas etárias e que podem ser analisados por profissionais das diversas áreas da saúde dentro de uma política de intervenção, no intuito de detectar o mau funcionamento do sistema nervoso autônomo frente à presença de sobrepeso, especialmente, em jovens, por se tratar da base no atendimento primário à saúde. Estudos apontam que a obesidade na adolescência está associada à disfunção simpatovagal (aumento da atividade simpática frente à atividade parassimpática) cardíaca em repouso (VANDERLEI et al., 2010b;2010c), embora existam poucas informações sobre a resposta autonômica durante o exercício tanto em crianças como em adolescentes. Investigações, nesse contexto, levando-se em consideração algumas configurações morfofisiológicas e comportamentais para uma melhor compreensão do fenômeno, tornam-se viáveis para uma ampla leitura dessa realidade passível de intervenção. (MORAES et al., 2009; OUDE LUTTIKHUIS et al., 2009; REIS et al., 2011; SARGENT et al., 2011). Com base nisso, o problema deste estudo incide em saber como se comporta a variabilidade da frequência cardíaca em jovens com obesidade e eutróficos submetidos a exercício contínuo e com carga incremental.

17 OBJETIVOS Objetivo Geral Analisar a Variabilidade da Frequência Cardíaca (VFC) em adolescentes com obesidade e eutróficos submetidos a exercício contínuo e incremental Objetivos Específicos - Identificar os valores da VFC em adolescentes com obesidade e eutróficos durante atividade contínua e incremental; - Comparar os valores da VFC em função dos níveis de peso corporal; - Verificar a resposta autonômica durante a recuperação pós-exercício; - Associar a percepção subjetiva de esforço em cada grupo e o momento de exaustão; 1.3 JUSTIFICATIVA Muitos estudos têm se voltado para crianças e adolescentes apresentando os indicadores associados a determinadas condições, como sobrepeso ou obesidade, (BIRCH; DUNCAN; FRANKLIN, 2012; PASCHOAL, 2012; TASCILAR et al., 2011), transtornos psicológicos (BLOM et al., 2010; TONHAJZEROVA et al., 2011) e outras doenças (EMIN et al., 2012; NEVES et al., 2012). Contudo, pouco se tem investigado o funcionamento autonômico em resposta à atividade física e posteriormente a ela. Uma vez que a atividade física é peça importante dentro das políticas públicas que combatem o acúmulo de peso, o conhecimento das alterações autonômicas já instauradas em determinada população, bem como decorrentes de sua prática, é substancialmente importante como medida de segurança. Ou seja, é uma forma de antecipar possíveis desordens no cenário fisiológico do jovem adolescente, tornando a atividade física proposta como rotina, dentro dessa política de intervenção, uma alternativa mais eficaz e segura. As mudanças nos padrões da VFC, decorrentes de fatores intrínsecos e extrínsecos, fornecem um indicador sensível e antecipado de comprometimentos na saúde. Uma alta variabilidade é sinal de boa adaptação, caracterizando um indivíduo

18 18 saudável com mecanismos autonômicos eficientes. Inversamente, baixa variabilidade é frequentemente um indicador de adaptação anormal e insuficiente do SNA, o que pode indicar a presença de mau funcionamento fisiológico no indivíduo, necessitando de investigações adicionais de modo a encontrar um diagnóstico específico (VANDERLEI et al., 2009). Acreditamos que essas informações servirão de base não só no contexto da pesquisa, mas também na prática dos profissionais envolvidos no cenário da prescrição de atividades físicas como fator de promoção de saúde não só para jovens com obesidade, assim como também para eutróficos. Por se tratar de uma técnica não invasiva e de fácil operacionalização, o profissional de Educação Física poderá sistematizar as avaliações dos sujeitos inseridos no programa de maneira a proporcionar a todos uma prática segura com base nesse monitoramento. As modificações decorrentes da atividade física ao longo da participação nas atividades, bem como a diminuição de peso corporal, poderão provocar mudanças na autorregularão. Desta forma, podemos ainda extrapolar que as mudanças na intensidade e no volume da proposta de intervenção poderão ser sustentadas por modificações e boa adaptação do sistema nervoso autonômico, caracterizando-se também como um marcador para a prescrição.

19 19 II REVISAO DA LITERATURA 2.1. APLICAÇÃO CLÍNICA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA (VFC) E SUA INTERPRETAÇÃO. É sabido na literatura que a liberação da acetilcolina (ACh) pelos terminais parassimpáticos exerce sua influência na despolarização do nodo sinoatrial e, por apresentar uma velocidade de remoção muito rápida, provoca oscilações na duração dos intervalos R-R (ver figura 1), acarretando variações rítmicas na frequência cardíaca (FC) normal. Inversamente, a noradrenalina, liberada pelos terminais simpáticos, possui uma velocidade de remoção lenta, ocasionando uma variação rítmica na FC, que pode ser observada somente em registros de longo prazo (LOPES et al., 2013). O ritmo real apresenta suaves variações entre os batimentos em função das flutuações na descarga a partir do nodo AS, e em função dos volumes de ejeção, alterados durante a inspiração (diminuições) e expiração (aumentos). Se o ritmo fosse regular, cada complexo QRS deveria cair nestas flechas. Figura 1: Representação gráfica do intervalo R-R em um eletrocardiograma. Adaptado de: (KAMATH; WATANABE; UPTON, 2012). Desta forma, a Variabilidade da Frequência Cardíaca (VFC) é determinada pela integração entre a modulação rápida e a lenta (KUNZ et al., 2012; NEVES et al., 2012; NUNAN; SANDERCOCK; BRODIE, 2010; VANDERLEI et al., 2009). Contudo, essas

20 20 variações na FC são atribuídas, principalmente, às oscilações da atividade parassimpática e, portanto, a amplitude da VFC reflete a atividade vagal sobre o coração ou como outros autores resumem, é uma medida que reflete pequenas alterações entre batimentos cardíacos sucessivos devido ao fato dos intervalos desses batimentos não terem a mesma duração em função da modulação intrínseca do sistema nervoso autonômico (ver figura 2) (BANSAL et al., 2009). A mensuração da VFC é um método que nos permite analisar o controle neural cardíaco durante períodos curtos ou prolongados, em diversas condições fisiológicas (durante o sono, monitoramento de 24 horas, repouso, exercício físico e bloqueio farmacológico) e patológicas (ALTUNCU et al., 2012; EYRE et al., 2013; MICHELS et al., 2013; NUNAN, D. et al., 2009; NUNAN et al., 2010). 0,859 seg 0,793 seg 0,726 seg Figura 2: Representação gráfica dos intervalo R-R e seus tempos entre os batimentos. Adaptado de KHAZAN (2013). Apresentando a vantagem de possibilitar uma avaliação não invasiva e seletiva da função autonômica, além de ser um recurso metodológico de grande simplicidade e fácil aplicação, esse achado passou a ser utilizado nas investigações de diversas populações como: hipertensos, obeso, diabéticos, jovens, atletas, entre outros (GRANT; VAN RENSBURG, 2013; MENDONCA; PEREIRA; FERNHALL, 2013; SARMIENTO et al., 2013). Mediante a análise da curva de VFC durante o exercício físico, é possível identificar um ponto de transição (primeiro limiar de transição fisiológica) associado à intensidade de esforço e à FC, na qual, a influência da atividade parassimpática é reduzida (retirada vagal), denominado de limiar de variabilidade da frequência cardíaca (LiVFC), o qual foi associado aos limiares de lactato (BRUNETTO et al.,

21 ; IELLAMO et al., 2013; PASCHOAL; FONTANA, 2011) e limiares ventilatórios (PASCHOAL; FONTANA, 2011). Não importando a técnica de avaliação, o cálculo da VFC pode ser feito de duas maneiras: métodos não lineares e lineares. A análise da VFC durante exercício apresenta certa dificuldade, uma vez que inúmeros fatores influenciam nos seus resultados, entre estes, aumento da atividade respiratória e do estado não estacionário do organismo. Durante o exercício físico, os intervalos R-R numa série temporal tendem a diminuir devido ao aumento da FC, acarretando um estado não estacionário, o que causa uma interferência nos dados calculados por meio da análise espectral e métodos tradicionais realizados no domínio do tempo. Contudo, os cardiofrequencímetros tornaram-se uma alternativa viável e aceitável para se analisar a modulação autonômica em exercício físico fora de ambiente ambulatorial (NUNAN, D. et al., 2009; NUNAN, D et al., 2009; PIMENTEL et al., 2010; QUINTANA; HEATHERS; KEMP, 2012). Apresentando a vantagem de possibilitar uma avaliação não invasiva e seletiva da função autonômica, além de ser um recurso metodológico de grande simplicidade e fácil aplicação, nos últimos vinte anos, esse achado passou a ser utilizado nas investigações de diversas populações como: hipertensos, obesos, diabéticos, jovens, atletas, entre outros. Há inúmeras maneiras de medir a VFC. Vamos revisar algumas que têm sido mais largamente aplicadas em investigações científicas e as que têm maior probabilidade de serem encontradas em buscas de natureza acadêmica relacionadas à evidencias científicas em saúde (KUNZ et al., 2012; NEVES et al., 2012). Os métodos são subdivididos basicamente em dois grupos: os lineares, que consistem na observação do domínio do tempo e ou domínio da frequência e não lineares que são baseados no comportamento caótico e inerente aos compostos biológicos. Técnicas lineares apresentam medidas que determinam a variabilidade dos intervalos RR ou o tempo entre os intervalos (também referido como o ritmo cardíaco instantâneo) (BIALA et al., 2012). Na lista a seguir, estão vários dos índices encontrados através de análise no domínio do tempo (LOPES et al., 2013; TARVAINEN, M. P. et al., 2013): 1. SDNN (expresso em ms): é o desvio padrão (raiz quadrada da variância) dos intervalos RR ao longo de certo período de tempo. É o método mais simples de realizar e mais comum de medição VFC em investigação. Muitas vezes, é

22 22 realizada ao longo de um período de 24 horas. No entanto, a utilização clínica de medição SDNN é complicada devido à dependência deste método no intervalo de tempo da gravação. A variação total de VFC aumenta com o tempo de gravação. Portanto, não se pode comparar com precisão o SDNN de dois períodos de diferentes comprimentos e curtas gravações podem ser menos precisas, pois quanto maior for a variância dos intervalos RR, maior a VFC. 2. RMSSD (expresso em ms): é a raiz quadrada da média dos quadrados das diferenças entre os intervalos RR adjacentes. Esta medida é muito usada nas pesquisas de modulação autonômica do coração. 3. NN50 (expresso em unidades): é o número total de pares de intervalos NN consecutivos que diferem por mais de 50 milissegundos. Uma medida relacionada a ela é a pnn50 (expresso em %) que é uma proporção da NN50 obtida pela divisão do número total de intervalos NN. Estas medidas também são usadas com frequência em pesquisas clínicas. As técnicas lineares no domínio da frequência focam nas análises das variações rítmicas que compõem a variabilidade total da FC. A análise do espectro de potência é uma medida no domínio de frequência que utiliza um algoritmo, denominado de Transformada Rápida de Fourier (Fast Fourrier Transform - FFT), para decompor a onda de frequência cardíaca em unidades de intensidade desse fenômeno (ALETTI et al., 2012; SAYLAN et al., 2011). Para entender isso melhor, imagine estar olhando para um feixe de luz branca através de um prisma. Este, separa todas as frequências na onda de luz, permitindolhe ver um arco-íris. Analogamente a este exemplo, o equipamento de análise de biofeedback (software) funciona como um prisma para traduzir o ritmo cardíaco em uma ilustração de diferentes frequências que compõe a FC (JOHNSEN-LIND et al., 2011; TARVAINEN, M. P. et al., 2013). Estas frequências são apresentadas no gráfico de domínio de frequência em três faixas distintas de frequências e são normalmente identificadas usando cores diferentes (veja figura 03). Por se configurar em uma análise que retorna um número menor de índices, as medidas de domínio da frequência têm sido largamente usadas em muitos estudos que objetivaram compreender as mudanças em nível de sistema nervoso autonômico causadas por diversos tipos de agentes modificadores tais como: questões ambientais (PIETERS et al., 2012), alterações fisiopatológicos (MILLAR et al., 2013; SOARES et al., 2013), diferenças sexuais e étnicas (EYRE et al., 2013), atividade física

23 23 (BJELAKOVIC et al., 2010; KATZ-LEURER et al., 2010; SARMIENTO et al., 2013) e comportamentais (DALUWATTE et al., 2013; TONHAJZEROVA et al., 2011). a) b) Figura 3: Analogia entre a separação de um feixe de luz alusivamente à separação entre as frequências de um sinal bioelétrico. a) Fragmentação do feixe de luz por um prisma óptico; b) Decomposição da FC em ondas de intensidades diferentes pela análise espectral (VLF destaque em vermelho; LF destaque em azul; HF destaque em amarelo). Adaptado de: TARVAINEN, M. P. et al. (2013) e ERNST (2014). A análise espectral de energia mostra a potência relativa de cada componente de frequência do sinal de coração em cada momento no tempo. As três faixas de frequências que são identificados em Hertz, são as seguintes: 1. Alta Frequência (High Frequency - HF): o sinal de alta frequência está na faixa de 0,15-0,4 Hz. Representado em cor amarelo na figura 3b, este componente do sinal da frequência cardíaca reflete influências parassimpáticas respiratórias no coração. 2. Baixa Frequência (Low Frequency - LF): apresenta variação entre 0,05-0,15 Hz. Este componente do sinal da frequência cardíaca reflete a função dos barorreceptores (manutenção da pressão sanguínea). 3. Frequência Muito Baixa (Very Low Frequency - VLF): Sinal de muito baixa frequência pode variar de zero até 0,04 Hz. Este componente da frequência cardíaca é essencialmente influenciado pelo sistema nervoso simpático (SNS). Além das medidas descritas, encontramos ainda na literatura, a relação LF/HF calculados por alguns tipos de software de biofeedback. Este índice representa a quantidade relativa de energia LF e HF geralmente entendida como uma medida do

24 24 equilíbrio entre a atividade do sistema nervoso simpático e parassimpático (LOPES et al., 2013). Mesmo sendo comum encontrarmos centenas de pesquisas clínicas com as medidas acima, tendo em vista que a dinâmica dos organismos biológicos é predominantemente complexa, determinados estudos apontam que a análise de dados apenas por intermédio dos métodos lineares de verificação da VFC são menos consistentes, mas ainda assim confiáveis, para representação da atividade autonômica. As técnicas não lineares se baseiam efetivamente no fato de que os fenômenos biológicos de um determinado sistema são altamente irregulares, mas não ocorrem por acaso. Com base nisso, as limitações deste método ocorrem em função da dificuldade na escolha do melhor modelo matemático que represente significativamente o fenômeno. Soma-se a este fato ainda, o desconhecimento do grau de liberdade total das variáveis. Todavia, estes métodos têm sido testados em diferentes populações e sua utilização prática vem ganhando espaço (BIALA et al., 2012; PARAZZINI et al., 2013; SUZUKI et al., 2012). O pilar de suas análises está nas considerações dinâmicas que o organismo vivo enfrenta e, a partir disso, foram propostas teorias como a do caos nos sistemas determinísticos, a concepção organísmica da biologia, a geometria fractal, a teoria da complexidade e os sistemas autopoiéticos concernentes à auto-organização dos processos celulares. Dentre as diversas análises possíveis destacam-se: análise do Plot de Poincaré e análise da Flutuação Depurada. Dentro desse novo enfoque surgem nomes como Georg Cantor, Henri Poincaré, Ludwig Von Bertalanffy, Gaston Julia, Benoit Mandelbrot, Edgar Morin, Humberto Maturana e Francisco Varela, os quais propuseram teorias como o caos nos sistemas determinísticos, a concepção organísmica da biologia, a geometria fractal, a teoria da complexidade e os sistemas autopoiéticos concernentes à autoorganização dos processos celulares. O Plot de Poincaré é um método geométrico, apontado como um dos preferenciais para os estudos relacionados à VFC, porquanto a análise qualitativa do gráfico obtido é de compreensão bastante acessível, configurando um excelente modo de visualização dos padrões dos intervalos RR obtidos. Este método denota uma série temporal dentro de um plano cartesiano, no qual, cada intervalo RR é correlacionado com o intervalo antecedente, definindo um ponto no plot. Sua análise pode ser feita

25 25 de forma qualitativa ou quantitativa (KUDRYNSKI; STRUMILLO; RUTA, 2011; SCHEGA et al., 2010; VANDERLEI et al., 2010c). A primeira é realizada de modo visual, avaliando a figura formada pelo seu atrator, que é relevante para mostrar o grau de complexidade dos intervalos RR (ver figura 4a). A plotagem de um número suficiente de intervalos RR, em função do intervalo RR precedente, possibilita a criação de alguns padrões característicos, que são mais facilmente reconhecidos e delimitam o comportamento da VFC de forma qualitativa. Em indivíduos saudáveis, em repouso, esses intervalos são bastante irregulares, sobretudo, pela predominância vagal na modulação cardíaca, fazendo com que se visualize uma nuvem de pontos com a forma aproximada de uma elipse. 1. Figura com característica de um cometa, na qual um aumento na dispersão dos intervalos RR batimento a batimento é observado com aumento nos intervalos RR, característica de um plot normal; 2. Figura com característica de um torpedo, com pequena dispersão global batimento a batimento (SD1) e sem aumento da dispersão dos intervalos RR em longo prazo; 3. Figura complexa ou parabólica, na qual duas ou mais extremidades distintas são separadas do corpo principal do plot, com pelo menos três pontos incluídos em cada extremidade. O segundo modo, quantitativo, diz respeito ao cálculo dos desvios-padrão das distâncias dos intervalos R-R, representados pelos pontos SD1 e SD2, os quais refletem, respectivamente, a variabilidade instantânea de batimento a batimento da FC (referente à atividade parassimpática) e a variabilidade contínua de batimento a batimento, ou variabilidade global. A razão SD1/SD2 também é calculada para descrever a relação entre os componentes anteriormente citados, mas nem todos os softwares de análise permitem o seu cálculo. A figura 8b, apresenta a extração de informações pelo Heart Rate Variability Analysis Software KUBIOS HRV desenvolvido pela University of Eastern Finland e disponibilizado gratuitamente na internet. Também denominada como Detrended Fluctuation Analysis (DFA), a análise das flutuações destendenciadas foi concebida com o intuito de distinguir entre as complexas flutuações intrínsecas ao sistema nervoso no controle dos comandos vitais do organismo, daquelas advindas de meios externos e que, de igual modo, exercem

26 26 influência sobre a FC. A DFA remove as tendências extrínsecas do sinal, para então efetivar a análise (ECHEVERRIA et al., 2012). Assim, a DFA é empregada para quantificar a presença de propriedade fractal em séries temporais de intervalos R-R, podendo detectar possíveis anormalidades presentes no sujeito investigado, com base na análise dos coeficientes α. a) b) Figura 4 Ilustração gerada pelo Kubios HRV (JOHNSEN-LIND et al., 2011; TARVAINEN, MIKA P. et al., 2009; TARVAINEN, M. P. et al., 2013) após uma avaliação realizada em jovem eutrófico na execução de corrida com incremento de carga. a) Gráfico de Poincaré; b) Valores da medidas de VFC por técnicas não lineares. Fonte: Banco de dados da pesquisa. O gráfico dessa função apresenta duas regiões distintas de curvas afastadas em um ponto configurando que há um expoente de escala fractal de curto prazo α1, concernente ao período compreendido entre 4 a 11 batimentos, e um expoente de longo prazo α2, referente às flutuações de períodos mais extensos. Na verificação dos resultados obtidos, por intermédio dessa análise, das séries temporais da VFC, denota-se, em síntese, que para indivíduos saudáveis o valor α1 tende a 1 (um) e é maior que o valor de α2 (ver figura 4b). A Entropia Aproximada (ApEn) analisa uma estrutura sequencial de um determinado sinal, medindo a regularidade deste, bem como sua complexidade no domínio do tempo. Esta espécie de entropia retrata a razão de geração de novas informações em um sistema, aplicando-se a séries temporais de dados clínicos curtos e com ruído. Diferentemente da média e desvio padrão que oferecem informações

Processamento de sinais eletrocardiográficos João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. http://www.ene.unb.br/~joaoluiz Universidade de Brasília Faculdade UnB-Gama Especialização em Engenharia Clínica 3 de março

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO Alexandra Gomes Jesus Prestes, Marcelo Ricardo de Souza de Oliveira, Rodrigo Alexis

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

A. MANUAL DO MÓDULO ATFAR DO ECGLAB

A. MANUAL DO MÓDULO ATFAR DO ECGLAB A. MANUAL DO MÓDULO ATFAR DO ECGLAB ECGLAB Módulo atfar Projeto de Mestrado de João Luiz Azevedo de Carvalho (Eng. Elétrica), orientado pelos Profs. Adson Ferreira da Rocha (Eng. Elétrica) e Luiz Fernando

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares

Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Psicologia: Eixos estruturantes e ênfases curriculares Resumo Andréia Silva da Mata 1 Márcia Regina F. de Brito 2 O presente estudo teve como objetivo principal analisar o desempenho dos estudantes dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das 12 1 INTRODUÇÃO O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das funções corporais involuntárias, entre elas, a freqüência cardíaca (FC). Os componentes simpático e parassimpático

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

4 Gráficos de controle

4 Gráficos de controle 4 Gráficos de controle O gráfico de controle é uma ferramenta poderosa do Controle Estatístico de Processo (CEP) para examinar a variabilidade em dados orientados no tempo. O CEP é composto por um conjunto

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

Dietoterapia infantil I Avaliação nutricional da criança

Dietoterapia infantil I Avaliação nutricional da criança Dietoterapia infantil I Avaliação nutricional da criança Sávia Madalena Moura Vieira Elizabeth Machado Duarte Especialistas em Nutrição Clínica Setembro - 2008 Objetivos Ao fim desta discussão, deve estar

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

SAÚDE DA CRIANÇA II. Saúde da criança II: crescimento e desenvolvimento. Aprimore - BH. Professora : EnfªDarlene Carvalho

SAÚDE DA CRIANÇA II. Saúde da criança II: crescimento e desenvolvimento. Aprimore - BH. Professora : EnfªDarlene Carvalho SAÚDE DA CRIANÇA II Saúde da criança II: crescimento e desenvolvimento Aprimore - BH Professora : EnfªDarlene Carvalho (DARLLENECARVALHO@YAHOO.COM.BR) PAISC PROGRAMA INTEGRAL DE SAÚDE À CRIANÇA Controle

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Combate aos Distúrbios Nutricionais

Combate aos Distúrbios Nutricionais Plano Municipal de Saúde 2008 Eixo 4 Redução da Mortalidade Infantil e Materna Eixo 5 Controle de Riscos, Doenças e Agravos Prioritários no Município de São Paulo Combate aos Distúrbios Nutricionais Contribuição

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

CAPÍTULO II: REVISÃO DE LITERATURA. 2.1 Conceito de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade CAPÍTULO I: INTRODUÇÃO O Transtorno de Déficit de Atenção (TDAH) pode ser definido como um transtorno neurobiológico, normalmente detectado ainda na infância. Podendo ser caracterizada pela desatenção,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DA ADOLESCENTE

ORIENTAÇÕES PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DA ADOLESCENTE ORIENTAÇÕES PARA O ATENDIMENTO À SAÚDE DA ADOLESCENTE No atendimento à saúde de adolescente, alguns pontos devem ser considerados na abordagem clínica, destacando-se o estabelecimento do vínculo de confiança

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello Ritmos Biológicos e Exercício Físico Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello ... é a ciência que se preocupa com a investigação e objetivamente com a quantificação dos mecanismos da estrutura

Leia mais

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC)

A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS (FC) GLOSSÁRIO Quando a operadora desejar a aprovação do programa, deverá efetuar o cadastramento do programa para Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos e Doenças. A. FORMULÁRIO DE CADASTRAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

Curso Análise de dados e uso da informação no SUS. Introdução à análise de dados

Curso Análise de dados e uso da informação no SUS. Introdução à análise de dados Curso Análise de dados e uso da informação no SUS Introdução à análise de dados Análise: definições Aurélio -Decomposição de um todo em suas partes constituintes -exame de cada parte de um todo tendo em

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 134 138 RELATO DE EXPERIÊNCIA: ADOLESCENTES E ATIVIDADE SEXUAL PRECOCE EM UMA UNIDADE DE SAÚDE NA ZONA OESTE RJ PORTO, Adriana Vianna Costa 1

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E IDOSOS RESIDENTES EM ÁREAS DE ABRANGÊNCIA DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 104-GR/UNICENTRO, DE 28 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Atividade Física e Saúde, modalidade de educação a distância, aprovado pela Resolução

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura

1. RESUMO EXECUTIVO. Data: 19/03/2014 NOTA TÉCNICA 48/2014. Medicamento Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 48/2014 Solicitante Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Processo número: 1.0421.14.000078-5/001 TEMA: Cirurgia bariátrica em paciente com obesidade mórbida Data: 19/03/2014 Medicamento Material

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

Notas técnicas. População de estudo

Notas técnicas. População de estudo Notas técnicas População de estudo A população-alvo da pesquisa foi formada por escolares do 9 º ano do ensino fundamental (antiga 8ª série) de escolas públicas ou privadas das capitais dos estados brasileiros

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional.

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional. 3. Metodologia Desenho do estudo Estudo transversal de base populacional. População alvo A população alvo da pesquisa foi representada por indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos no momento da

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática

Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática Título: Monitoria: Recurso de integração teórico - prática Caracterização do problema: o laboratório de praticas integradas busca proporcionar aos acadêmicos de medicina da UNIDERP um ambiente que favoreça

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ESTRUTURA I- Objetivo Geral 1. Desenvolver processo de ensino-aprendizagem no âmbito do trabalho em saúde e enfermagem, segundo conteúdos relacionados à Área de às Linhas de Pesquisa propostas neste Mestrado

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

Validade em Estudos Epidemiológicos

Validade em Estudos Epidemiológicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva em Estudos Epidemiológicos : termo derivado do latim validus ( forte ) A validade de um estudo epidemiológico está associada

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal CONCEITO DE SINAL Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal RECONSTRUÇÃO DE SINAIS A PARTIR DE SENÓIDES

Leia mais

Análise Exploratória de Dados

Análise Exploratória de Dados Análise Exploratória de Dados Profª Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva email: alcione.miranda@gmail.com Introdução O primeiro passo

Leia mais

Glossário de Dinâmica Não-Linear

Glossário de Dinâmica Não-Linear Glossário de Dinâmica Não-Linear Dr. Fernando Portela Câmara, MD, PhD Coordenador do Depto. Informática da ABP (2004-2007) Atrator O estado no qual um sistema dinâmico eventualmente se estabiliza. Um atrator

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL I Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil Parceria FAPESP e FMCSV EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

Organização Regional da Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Organização Regional da Linha de Cuidado do Sobrepeso e da Obesidade na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA E TEMÁTICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM DOENÇAS CRÔNICAS Organização Regional da Linha de Cuidado

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais