1. Objetivo Referências Características Técnicas Funcionamento Segurança Treinamento Prazo de instalação 5

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Características Técnicas 2. 4. Funcionamento 5. 5. Segurança 5. 6- Treinamento 5. 7 - Prazo de instalação 5"

Transcrição

1 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Características Técnicas 2 4. Funcionamento 5 5. Segurança 5 6- Treinamento Prazo de instalação 5 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 8- Garantia 5 9- Figura 6 DES. VERIF. PROJ. REF. CONEM NOTA: Para Visualização e Impressão Utilizar o Arquivo PDF INFORMAÇÕES E SUGESTÕES A ESTE DOCUMENTO: CONTACTAR A SECRETARIA DA CONEM SUBSTITUI: ALTERAÇÕES CONEM RLA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS NORMALIZAÇÃO ELETROMECÂNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA CERCA ELETRIFICADA EM SUBESTAÇÕES CEMIG 6 páginas ARQ

2 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA CERCA ELETRIFICADA EM SUBESTAÇÕES 1.0 OBJETIVO Descrever as especificações técnicas para instalação de sistema de alarme e proteção perimetral em subestações, visando evitar a entrada de pessoas não autorizadas, no pátio e sala de controle das subestações. Deverá ser fornecido : Projeto do sistema de alarme e proteção perimetral; Materiais para instalação de cerca eletrificada e sistema de alarme; Mão de obra para instalação; Comissionamento do sistema, com participação da Cemig. 2.0 REFERÊNCIAS A instalação deve atender as exigências das Normas Técnicas Brasileiras ou, na ausência destas, das Normas Técnicas Internacionais editadas pela IEC (International Eletrotechnical Commission) que regem o uso de cercas energizadas em áreas urbanas e rurais. IEC 1011, Safety Requirements of Mains Operated Electric Fence Energizers; IEC ,Safety Requirements for Battery Operated Electric Fence Energizers Suitable for Connection to the Supply Mains; IEC ,Safety Requirements for Battery Operated Electric Fence Energizers Not Suitable for Connection to the Supply Mains; IEC 479-2, Effects of Current Passing Through the Human Body Part 2 Special Aspects IEC , Safety of household and similar electrical appliances Part 2 Particular requirements for electric fence energizers; IEC , Safety of household and similar electrical appliances Part 1 General requirements. As normas IEC, somente poderão ser substituídas por normas técnicas nacionais, quando estas existirem. As Normas de um determinado país, têm prevalência sobre as normas IEC, somente em seu território. 3.0 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3 2 Para a elaboração das propostas, a CEMIG disponibilizará aos proponentes os projetos necessários das subestações relacionadas, visando à instalação dos alarmes de segurança e cerca perimetral. Também a critério dos proponentes, a CEMIG poderá acompanhá-los em visitas técnicas às Subestações. O projeto executivo deverá ser submetido à aprovação da CEMIG. A montagem do sistema de alarme de segurança das Subestações deverá ser executada por pessoal especializado no ramo, com responsável técnico filiado ao CREA. A empresa deverá ter experiência com serviços de montagem em subestações elétricas. O projeto deverá prever sistema de alarme de segurança nos portões das Subestações do tipo seccionável (ambos lados ou apenas um lado) e de fácil remoção para a entrada, urgente, de caminhões. 3.1 EQUIPAMENTOS Deverá ser fornecido um sistema de cerca energizada composto de 4 (quatro) partes básicas: Unidade de Monitoramento: A função é supervisionar a cerca energizada inteira ou parte dela, chamado de setor, detectando qualquer interferência, por corte, toque ou aterramento, nos fios que a compõem, apresentando em seu painel frontal alarmes sonoros e visuais, bem como chaves de controle e ajustes funcionais. Deverá permitir também a conexão a sistemas de segurança já existentes como, por exemplo, sistemas de CFTV ou Centrais de Monitoramento remoto. Unidade de Energização da Cerca com as seguintes características: Tipo de corrente... intermitente ou pulsante Tensão... 5 a 10 kv Intensidade... 0,001 A Energia... mínima de 1 Joule para até 500 ohms de resistência, dotado de transformadores e capacitores para efetuar a função a que se destina; deve possuir sistema de proteção contra eventuais panes internas; Unidade de Setorização da Cerca: A unidade tem por finalidade: Permitir a monitoração da cerca em setores independentes; Informação de qualquer interferência, por corte, toque ou aterramento, nos fios que compõem o setor; Possibilidade de monitoramento de fio não energizado; Sistema de Aterramento: O aterramento dos equipamentos do sistema deverão ser feitos desinterligados da malha de aterramento existente na subestação. O sistema de aterramento deverá utilizar de um a três fios, em todo o perímetro da instalação, dependendo do tipo da subestação, periférica ou urbana, respectivamente. 3.2 MATERIAIS

4 3 Hastes de fixação: Disposição de número apropriado de hastes para instalação acima do muro com altura de 1,00 m, podendo ser somente acima do muro, ou desde o piso, em perfis metálicos específicos galvanizados a quente e destinados para fixação dos fios com resistência suficiente contra deformações (poderá ser fornecido pelo contratante); Arames: Tipo liso, com diâmetro superior a 1,60 mm, galvanizado e com resistência elétrica não superior a 49 ohms/km. O espaçamento dos fios da proteção perimetral acima do muro será de 15 cm; Isoladores de linha: Fabricado em polietileno de alta resistência, deve possuir um breakpoint, ou seja, capacidade máxima de carga da ordem de 40 kg, tratamento contra ação de raios ultravioleta e capacidade de isolamento mínima de 10 kv, destinado ao uso nos pontos da cerca, onde não existe tração dos arames. Isoladores de canto: Fabricados em polietileno de alta resistência, e com tratamento contra a ação dos raios ultravioleta e capacidade de isolamento de 10 kv ou mais. Destinado para uso nas extremidades da cerca, onde existe necessidade de tracionamento dos arames. Placas de advertência As placas deverão ser de cor amarela com texto e símbolos na cor preta. Tanto o texto como os símbolos serão voltados para os dois lados da cerca (faces interna e externa). As placas de advertência deverão ser instaladas a cada 10 m de cerca e, em cada mudança de direção da mesma. Também sobre os portões deverão ser colocadas placas de advertência. Suas dimensões mínimas serão de 10 x 20 cm e seu material de fabricação será polietileno de alta resistência com tratamento contra ação dos raios ultravioleta com escrita preta e fundo amarelo; Cabo Subterrâneo: Devem ser confeccionadas com dupla camada de isolamento, conferindo alto grau de proteção contra a umidade e abrasão, alta durabilidade, condição de isolamento mínimo de 10 KV e resistência elétrica menor que 100 ohms/km. Utilizado para ligações na cerca e para transmissão de sinais para a energização dos arames, podendo ser enterrado dentro de eletrodutos. O cabo de sinal para interligação da Unidade de Monitoramento e Unidade Remota de Automação da SE deve ser blindado, sendo a blindagem aterrada no barramento de terra da remota. Proteção contra raios e sobretensões induzidas: Aplicados ao longo da linha de arames, os dispositivos (centelhadores, isoladores, indutores) devem possibilitar o desvio de eventuais descargas atmosféricas para o solo (aterramentos), evitando que atinjam as Unidades de Monitoramento da cerca. Materiais diversos: Os materiais diversos (abraçadeiras, luvas, ganchos, grampos, hastes de fibra, etc.) devem ser de boa qualidade e adequados para sua aplicação. Tensores: Aplicados nos cantos das linhas de arame da cerca, catracas isoladas, dispositivos estes que permitem, a qualquer momento e, sem uso de ferramentas especiais, corrigir o tensionamento dos fios; 3.3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

5 4 Conforme os fatores: Importância para o sistema elétrico; incidência de invasões ; localização geográfica; As subestações foram divididas em dois tipos: Urbanas : onde será utilizada uma solução composta de 06 fios com espaçamento de 15 cm; altura da proteção de 1,00 m e proteção perimetral por cima do muro e deverá possuir proteção contra sobretensões. Periféricas : onde será utilizada uma solução composta de fios com espaçamento de 15 cm, altura da proteção de 0,80m acima do muro e proteção perimetral instalada internamente adjacente ao muro, com um mínimo de distanciamento possível, conforme figura anexa, deverá possuir proteção contra sobretensões.especificamente para estas subestações, serão aplicadas hastes maiores em relação às demais, e deverão ser instaladas internamente de forma paralela ao muro. Características específicas dos acessórios : Postes de fixação para os cantos (periférica): Disposição de um número apropriado de postes de 4 e comprimento de aproximadamente 4 m ( de acordo com a altura do muro),com perfis metálicos específicos, galvanizados a quente, cuja instalação será fixada na parte interna do muro da Subestação a uma altura que sobressaia 0,80m acima do muro ( poderá ser fornecido pelo contratante); Postes de sustentação dos arames para os meios dos vãos (periférica): Constituído por perfis metálicos para dar uma boa sustentação nos arames e proporcionar os espaçamentos apropriados entre os fios (poderá ser fornecido pelo contratante); Arames: O espaçamento dos fios da proteção perimetral terá de ser na medida padrão, 15 cm, com seis fios para cerca urbana e vinte fios ou mais, (de acordo com a altura do muro) para cerca periférica e circundando todo o perímetro do estabelecimento; 4.0 FUNCIONAMENTO O sistema deverá funcionar energizando a cerca, através da aplicação de pulsos intermitentes.

6 5 Em situações de alarme, as configurações do funcionamento da sirene, luz de emergência e demais recursos do equipamento, serão adotados mediante análise prévia do projeto. Deverá ser prevista energização e desenergização por comando remoto. Também deverá ser enviado um sinal alarme sonoro, para o painel do Centro de Operação da Distribuição Cemig, COD, identificando que ouve invasão do perímetro protegido. O disparo de alarme só se dará após a interferência prevalecer, após emissão de um segundo pulso. 5.0 SEGURANÇA A segurança deve ser abordada sob dois aspectos: Segurança física dos seres humanos para quem estabelecer contato com a cerca, que seja eliminada a possibilidade de danos à integridade física das pessoas e animais; Segurança do perímetro cercado, com emissão de choque elétrico de repelência afastar a pessoa da cerca pelo próprio efeito da corrente elétrica, com acionamento de sistema(s) de alarme sempre que houver contato prolongado ou corte de um ou mais fios de arame da cerca e estabelecer barreira física pelos próprios detalhes construtivos representando, por si só, um obstáculo físico a ser superado. 6.0 TREINAMENTO O fornecedor deverá fornecer treinamento prático e teórico para uma equipe de funcionários a ser indicada pela CEMIG na utilização, manutenção e verificação dos recursos da cerca energizada de segurança perimetral. 7.0 Prazo de instalação 30 dias a partir da publicação da licitação 8.0 GARANTIA A garantia dos produtos deve ser de 2 anos para os monitores e energizadores, e por até 10 anos para toda a linha de isoladores, contada a partir da data de entrega da obra. 9.0 FIGURAS

7 6 Cerca em áreas urbanas. (somente acima do muro) Cerca PERIFÉRICA. Especificamente para esta subestações periféricas serão aplicadas hastes maiores em relação às demais, e deverão ser instaladas adjacentes ao muro, conforme figura.

8 7

BARREIRA PERIMETRAL SPEEDRITE. A Cerca Elétrica Profissional

BARREIRA PERIMETRAL SPEEDRITE. A Cerca Elétrica Profissional BARREIRA PERIMETRAL SPEEDRITE A Cerca Elétrica Profissional QUEM SOMOS A TRU-TEST do BRASIL é a empresa que desenvolve e produz os produtos da marca Speedrite. Com sede na Nova Zelândia, TRU-TEST fundada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PUBLICADO NO DOM N o 80 DE 20 / OUTUBRO / 2005 DECRETO N o 1.255 Regulamenta a Lei n o 11.035/04 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

DECRETO N.º 93/2004. Considerando a adoção de novo fluxo para emissão das licenças, resolve:

DECRETO N.º 93/2004. Considerando a adoção de novo fluxo para emissão das licenças, resolve: PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO URBANISMO DECRETO N.º 93/2004 Regulamenta o artigo 1º da Lei N.º 10.914/03 e dispõe sobre a instalação de Cercas Energizadas destinadas à proteção

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

suporte@genno.com.br www.genno.com.br

suporte@genno.com.br www.genno.com.br Eletrificador de Cerca com receptor interno CONTROLE REMOTO G CONTROL Terra Eletrônico Ga ran tia Anos suporte@genno.com.br www.genno.com.br Genno Tecnologia Ltda. Av. Francisco Andrade Ribeiro, 20/240

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO

CADASTRO TÉCNICO DE FORNECEDORES SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO MATERIAIS PADRONIZADOS APLICADOS EM CÂMARA DE TRANSFORMAÇÃO 15KV - ATENDIMENTO COLETIVO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CADASTRO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CD.DT.PDN.03.14.001 03 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Form: 150-REV 1 Cód. P26333

Form: 150-REV 1 Cód. P26333 Manual do Produto Form: 150-REV 1 Cód. P26333 Índice TERMO DE GARANTIA Apresentação... 02 Painel Frontal do Eletrificador / Placa de Circuito Impresso / Instalação... 03 Conexão do Eletrificador com a

Leia mais

Dissuasor e Detetor de Intrusos. Sistema Seguro, Protegido. A Última Resposta de Segurança. wwww.aps-perimeter-security.com

Dissuasor e Detetor de Intrusos. Sistema Seguro, Protegido. A Última Resposta de Segurança. wwww.aps-perimeter-security.com Caraterísticas: u Dissuasor psicológico e físico u Ajusta-se a vedação existente u Aprovada pelas autoridades u Cumpre normas BS EN ISO u Segura e protegida Dissuasor e Detetor de Intrusos A Electro-Fence

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007

AS NORMAS ABNT. ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 AS NORMAS ABNT INTRODUÇÃO ABNT NBR IEC 60335-2-76 Trata especificamente sobre equipamentos eletrificadores de cercas. Foi publicada em 03/12/2007 NBR NM-IEC 335-1 Trata sobre a segurança de equipamentos

Leia mais

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES

INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES 3$'5 2'((6758785$6 '(/,1+$6(5('(6 PARTE 1 ASPECTOS GERAIS INTRODUÇÃO POSTES ATERRAMENTO ESTAIAMENTO CONDUTORES Gerência de Planejamento e Engenharia Processo de Engenharia e Obras ASPECTOS GERAIS PARTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS NTC - 001 NORMA DE COMPARTILHAMENTO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras

Leia mais

Apresentação Linha de Produtos

Apresentação Linha de Produtos Apresentação Linha de Produtos Linha de Atuação Foco da Empresa Equipamentos para instalações de CFTV Linhas de Produtos - Conversores de Vídeo Passivos - Conversores de Vídeo Ativos - Isoladores de Sinal

Leia mais

ELETRIFICADOR PARA CERCA ECR-8 PLUS

ELETRIFICADOR PARA CERCA ECR-8 PLUS ELETRIFICADOR PARA CERCA ECR8 PLUS DESCRIÇÃO GERAL Com a finalidade de proteger áreas comerciais, residenciais, industriais, o eletrificador ECR8 Plus controle remoto foi desenvolvido para conter a invasão

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. Comprador: Endereço: Bairro: CEP: Revendedor: Fone: Data da Venda: Identificação do produto: P26947 - Rev. 1

TERMO DE GARANTIA. Comprador: Endereço: Bairro: CEP: Revendedor: Fone: Data da Venda: Identificação do produto: P26947 - Rev. 1 TERMO DE GARANTIA A ELETROPPAR Indústria Eletrônica Ltda., localizada na rua Carlos Ferrari nº 2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17400000, CNPJ 02.748.434/000108, IE 315.026.341.111 garante este

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150

TERMO DE GARANTIA. CONFORTO COM SEGURANÇA Cód: P26708 rev.:8 mod. 150 TERMO DE GARANTIA A ELETROPPAR, Indústria Eletrônica Ltda, Localizada na Rua Carlos Ferrari nº2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17.400-000, CNPJ 02.748.434/0001-08, IE 315.026.341.111 garante este

Leia mais

ELETRIFICADOR PARA CERCA ECR-8i

ELETRIFICADOR PARA CERCA ECR-8i ELETRIFICADOR PARA CERCA ECR8i DESCRIÇÃO GERAL Com a finalidade de proteger áreas comerciais, residenciais, industriais, o eletrificador ECR8I foi desenvolvido para conter a invasão de intrusos na área

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto.

MEMORIAL DESCRITIVO. PROPRIETÁRIO: IFSULDEMINAS - Câmpus Muzambinho.. Estrada de Muzambinho, km 35 - Bairro Morro Preto. MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de adaptação de rede de distribuição de energia elétrica urbana em tensão nominal primária de 13.8KV e secundária de 220/127V, com 02 postos de transformação de 75KVA

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO KIT ALARM. www.kitfrigor.com.br Fone: 0XX11 5033-5656

MANUAL DE INSTRUÇÃO KIT ALARM. www.kitfrigor.com.br Fone: 0XX11 5033-5656 MANUAL DE INSTRUÇÃO KIT ALARM www.kitfrigor.com.br Fone: 0XX11 5033-5656 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 3 2 - CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS... 4 3 INSTALAÇÃO... 5 4 - OPERAÇÃO... 6 5 SIMBOLOGIA... 7 6 LIMPEZA...

Leia mais

Índice. Apresentação. Características técnicas

Índice. Apresentação. Características técnicas P27055 - Rev. 1 Apresentação Índice Apresentação... 04 Características técnicas... 04 Central Electra 8K RF... 05 Instalação... 05 Fiação, isoladores e hastes... 06 Conexão do eletrificador com a cerca...

Leia mais

O Site da Eletrônica Aterramento

O Site da Eletrônica Aterramento O Site da Eletrônica Aterramento 1 - Generalidades As características e a eficácia dos aterramentos devem satisfazer às prescrições de segurança das pessoas e funcionais da instalação. O valor da resistência

Leia mais

ECR-8 PLUS DESCRIÇÃO GERAL

ECR-8 PLUS DESCRIÇÃO GERAL ECR8 PLUS DESCRIÇÃO GERAL Com a finalidade de proteger áreas comerciais, residenciais, industriais, o eletrificador ECR8 Plus foi desenvolvido para conter a invasão de intrusos na área protegida. Essa

Leia mais

ELETRIFICADOR ECR-12 INDUSTRIAL

ELETRIFICADOR ECR-12 INDUSTRIAL ANT 0-0 AC A N F J TRAFO R64 MOD4.9 Mhz SIR J J4 B C SG J R R4 APRENDER B C CI D C5 MODO_TX D9 C J5 T4 JA T B T R4 R40 VR 4 R48 R6 TC D8 R6 C6 Z C7 MIN MAX RA C9 RA RETORNO SAÍDA ELETRIFICADOR ECR- INDUSTRIAL

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Manual de proteção de cercas e currais contra raios

Manual de proteção de cercas e currais contra raios Manual de proteção de cercas e currais contra raios Nem sempre é bom quando a eletricidade chega ao campo. Previna-se contra prejuízos causados por raios na sua criação. A Belgo Bekaert Arames te ajuda

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO A. REQUISITOS DOS SERVIÇOS DE SEGURANÇA ELETRONICA 1. DA CENTRAL DE MONITORAMENTO DA SEGURANÇA ELETRÔNICA A Licitante deverá possuir Central de Monitoramento de Alarmes capaz de, no mínimo, atender aos

Leia mais

ELETRIFICADOR ECR-8 DISC

ELETRIFICADOR ECR-8 DISC ELETRIFICADOR ECR-8 DISC DESCRIÇÃO GERAL Com a finalidade de proteger áreas comerciais, residenciais, industriais, a ECR-8 DISC foi desenvolvida para conter a invasão de intrusos na área protegida. Essa

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO

POSTE DE CONCRETO PARA APLICAÇÃO EM ENTRADAS DE SERVIÇO Exigências Mínimas 1 Objetivo Estabelecer as condições mínimas para construção de postes de concreto armado ou concreto protendido, destinados à utilização em entradas de serviço de unidades consumidoras,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME - ARQUIVO 828 -M-AL1.doc Pagina 1 1. GENERALIDADES - Os serviços obedecerão as presentes especificações, a relação de

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201 CENTRAL DE ALARME COM FIO AW201 CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de 1 setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado; Tempo de

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes;

- verificar a adequação de novos sistemas e a precisão dos seus projetos;. - detectar as alterações naturais ou provocadas em sistemas existentes; 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos a serem seguidos nas medições das resistências de sistemas de aterramento instalados na rede de distribuição. Essas medições são necessárias para: - verificar a

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

INTRODUÇÃO KS05 KS05 KS05

INTRODUÇÃO KS05 KS05 KS05 INTRODUÇÃO Parabéns! Você adquiriu um produto de 1ª linha e da mais alta tecnologia no ramo de detecção. Para que sua indústria possa produzir sem correr riscos de danos em suas máquinas ou contaminação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA I-313.0002 PROCEDIMENTOS PARA

Leia mais

CABOS ISOLADOS / COBERTOS DE BAIXA TENSÃO (até 1kV) Nota: Sob consulta, os cabos Forex, Flexonax, Forenax, Forefix podem ser fornecidos com armadura Fio e Cabo WPP Cordão FOREPLAST (300 V) Os fios WPP

Leia mais

Eletrificador Ultraforce RX

Eletrificador Ultraforce RX Eletrificador Ultraforce RX Destaques Guia rápido de Instalação Versão 7 Ultraforce RX - Eletrificador urbano com zonas de alarme Principais funções: Choque ou eletrificador com seleção para 8, 10 e 12

Leia mais

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO Em cumprimento às Normas Regulamentadora NR10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE e NBR5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO, apresentamos as verificações

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas.

Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas. NBR-5419 eletroalta montagens elétricas ltda Eng Glauber Maurin LEGISLAÇÃO: NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011 Instrução Técnica nº 41/2011 - Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão 757 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS

Instalação de Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco - SEMTS 1- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Convencional Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 13 2- Ramal de Ligação Aéreo em Rede Compacta Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 2 de

Leia mais

Montagem de SPDA e Aterramento

Montagem de SPDA e Aterramento Executamos obras com uma equipe especializada e experiente, qualificada na área de sistem as de SPDA e aterramento. O SPDA e o aterramento é de fundamental importância para a proteção de pessoas e de sistemas

Leia mais

Técnico. Cerca Elétrica para a Contencão Animal. üture, ISSN 7517-4077 Novembro, 2007 Macapá, AP

Técnico. Cerca Elétrica para a Contencão Animal. üture, ISSN 7517-4077 Novembro, 2007 Macapá, AP üture, mentb Técnico ISSN 7517-4077 Novembro, 007 Macapá, AP Cerca Elétrica para a Contencão Animal JI -. 0"0', Paulo Roberto de Lima Meirelles' A cerca eletrificada é um recurso utilizado nos Estados

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1

NORMA TÉCNICA CELG D. Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv. NTC-06 Revisão 1 NORMA TÉCNICA CELG D Estruturas para Redes de Distribuição Aéreas Rurais Classes 15 e 36,2 kv NTC-06 Revisão 1 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 41/2011 Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão SUMÁRIO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO SUB Central de Alarme de Incêndio Convencional de 08 Laços (Setores) Com Visor de LCD - Código AFVR8LS A Central de Alarme de Incêndio Convencional é o Cérebro do sistema de alarme de incêndio e cabe a

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

Sensor de infravermelho passivo IVP 3000 PET. Parabéns, você acaba de adquirir um produto desenvolvido com a tecnologia e segurança Intelbras.

Sensor de infravermelho passivo IVP 3000 PET. Parabéns, você acaba de adquirir um produto desenvolvido com a tecnologia e segurança Intelbras. Sensor de infravermelho passivo IVP 3000 PET Parabéns, você acaba de adquirir um produto desenvolvido com a tecnologia e segurança Intelbras. O sensor de infravermelho passivo IVP 3000 PET oferece detecção

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

Ultraforce Super IP. Ultraforce Super IP. Manual de Referência e Instalação

Ultraforce Super IP. Ultraforce Super IP. Manual de Referência e Instalação Ultraforce Super IP Ultraforce Super IP Manual de Referência e Instalação 1. Características A Ultraforce Super IP é um eletrificador urbano com zona de alarme, possuindo as seguintes funções: eletrificador

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V.

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. GRANATA 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GENERALIDADES PROJETO CABOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006

MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006 ELETRIFICADOR DE CERCAS DE SEGURANÇA MODELOS CP - 8000 E CP - 8001 V 2006 MANUAL DO USUÁRIO INDÚSTRIA BRASILEIRA www.atdshelter.com.br JANEIRO / 2007 ATENÇÃO!!! INFORMAÇÕES IMPORTANTES Leia atentamente

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

sorayachristiane@globo.com

sorayachristiane@globo.com sorayachristiane@globo.com 1 CABEAMENTO ESTRUTURADO INTERNACIONAIS EIA/TIA 568 B - Sistemas de Cabeamento para Edificios Comerciais. EIA/TIA 569 A - Adequações e Estruturas Internas para Cabeamento em

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL

REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.00. Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL Ampliação da SE Ariquemes Bay 15 kv Lista de Rede aérea ITEM DESCRIÇÃO QUANT. 1.00 REDE AÉREA (cabos condutores, tubos e isoladores) 1.1 Cabo de alumínio com alma de aço (CAA), seção 4/0, diâmetro externo

Leia mais

Manual do usuário DATAPRINT

Manual do usuário DATAPRINT Manual do usuário DATAPRINT Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida sem permissão da Diponto Ltda. As informações e especificações técnicas podem mudar a qualquer momento sem aviso prévio.

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4

CAE 80. Manual de Instruções. Revisão 4 CAE 80 Manual de Instruções Revisão 4 1. INTRODUÇÃO. Parabéns pela aquisição da central endereçável da ILUMAC, modelo CAE80, este equipamento será uma excelente ferramenta na proteção e prevenção contra

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar:

SUPLEMENTO Nº 03. 1. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.00175.2013, informamos que este Suplemento visa alterar: PE.GCM.A.0075.203 /6 SUPLEMENTO Nº 03. Com referência ao Pregão Eletrônico PE.GCM.A.0075.203, informamos que este Suplemento visa alterar:.. Edital, Seção V, Anexo II, Formulário 02 Acessórios e Ferramentas

Leia mais