CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI IVAN FACCINETTO BÖTTGER SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARMES DE INCÊNDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI IVAN FACCINETTO BÖTTGER SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARMES DE INCÊNDIO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI IVAN FACCINETTO BÖTTGER SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARMES DE INCÊNDIO São Paulo 2010

2 IVAN FACCINETTO BÖTTGER SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARMES DE INCÊNDIO Monografia apresentada ao Centro Universitário da FEI como parte dos requisitos para obtenção do título de Engenheiro de Segurança do Trabalho, orientado pelo professor Rubens Schalch. São Paulo 2010

3 Böttger, Ivan Faccinetto Sistema de detecção e alarme de incêndio/ Ivan Faccinetto Böttger. São Paulo, f. : Il. ; 30 cm Monografia - Centro Universitário da FEI. Orientador: Prof. Rubens Schalch 1.Incêndio 2. Detecção 3. Alarme I. Schalch, Rubens, orientador II. Título CDU

4 Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes. Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o SENHOR ordena a bênção e a vida para sempre... (SALMO 133)

5 AGRADECIMENTOS À Deus por toda a iluminação e benção que recebo todos os dias de minha vida. Aos meus pais Waldir e Nízia que sempre me apoiaram em toda a minha vida, com seu amor, sua paciência e seu carinho. A minha irmã Regina que é a minha fonte de alegria. Ao Professor. Eng.º Antonio Fernando Berto, pela oportunidade, confiança, amizade, paciência, dedicação e por todos os ensinamentos passados a mim não só nas aulas, mas na vida profissional e pessoal. Ao Professor. Eng.º Rubens Schalch, pelos ensinamentos, pelo profissionalismo e pelas contribuições feitas neste trabalho. Aos Professores Eng.º André Scabbia e Eng.º Wolfganf Leopold Bauer, pelo material fornecido para a pesquisa e pela paciência. Ao Centro Universitário da-fei, pela infra-estrutura necessária ao desenvolvimento e aperfeiçoamento profissional. A todos que de alguma forma contribuíram para a consolidação deste trabalho.

6 RESUMO O entendimento de um sistema de detecção e alarme de incêndio é de importância crescente para os Engenheiros de Segurança do Trabalho. Um fator muito importante para os Engenheiros de Segurança do Trabalho não é somente a estar completamente familiarizado com as Normas existentes e Leis vigentes, mas ser capaz de reconhecer possíveis fraquezas na instalação do sistema e poder usar medidas de engenharia para melhorar a eficácia do sistema em um edifício. O sistema de detecção e alarme de incêndio é uma combinação de dispositivos projetados para sinalizar um alarme em caso de incêndio. Esse sistema pode também realizar o controle de ventiladores, retenção ou liberação de portas corta-fogo, controle da iluminação de emergência, da chamada do elevador e outras funções da emergência. Estas funções adicionais suplementam o sistema básico o qual consiste em dispositivos de detecção e de alarme e de uma unidade central de controle. Este trabalho apresentará sistemas de detecção e alarme de incêndio, com a ênfase nos seus principais dispositivos, instalações, projetos e estudo de caso. Palavras chaves: Incêndio. Detecção. Alarmes.

7 ABSTRACT The understanding of a detection system and fire alarm systems is increasingly important for safety engineers. A very important factor for safety engineers is not only to be completely familiar with the existing rules and laws in force, but being able to recognize possible weaknesses in the system installation and to use engineering measures to improve the effectiveness of the building system.the detection system and fire alarm is a combination of devices designed to signal an alarm in case of fire. This system can also make the control of fans, retention or release of fire doors, lighting control of emergency, call the elevator and other emergency functions. These additional features supplement the basic system which consists of sensing devices and Alarm and a central unit of work control. This present detection systems and fire alarm systems, with emphasis on its main devices, systems, projects and case study. Key words: Fire. Detection. Alarms.

8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Principais medidas de prevenção e de proteção contra incêndio associadas aos elementos do Sistema Global de Segurança Contra Incêndio, com destaque no sistema de detecção e alarme de Incêndio...14 TABELA 2 - Limites aceitáveis para tempo-resposta em função da variação da temperatura...26 TABELA 3 - Características principais de cada tipo de fogo...28 TABELA 4 - Sistema de detecção e alarme de incêndio em função da ocupação...43 TABELA 5 - Condições de fuga das pessoas em emergências...56 TABELA 6 - Natureza dos materiais processados ou armazenados...57 TABELA 7 - Materiais de construção...58 TABELA 8 - Estrutura das edificações...59 TABELA 9 - Análise de modos de falha e efeitos de um sistema de detecção e alarme de incêndio...80

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 - Evolução típica do incêndio em compartimentos...12 FIGURA 2 - Gráfico do Plume da fumaça...18 FIGURA 3 - Teste de distribuição da fumaça em deposito...19 FIGURA 4 - Concentração de fumaça no meio do depósito devido a alta temperatura do teto...19 FIGURA 5 - Área de ação de detectores de fumaça...20 FIGURA 6 - Distribuição de detectores de fumaça em tetos inclinados...20 FIGURA 7 - Distribuição de detectores de temperatura e fumaça em tetos lisos...20 FIGURA 8 - Distribuição de detectores de temperatura e fumaça em tetos lisos...21 FIGURA 9 - Influência do layout na instalação dos detectores...21 FIGURA 10 - Influência das trocas de ar na área de cobertura de detectores de Fumaça...22 FIGURA 11 - Sistema de coordenadas tridimensional para classificação de detectores...23 FIGURA 12 - Detector de chama...24 FIGURA 13 - Detector de chama (ultra violeta)...24 FIGURA 14 - Definição do alcance do detector na instalação...24 FIGURA 15 - Detector térmico...25 FIGURA 16 - Detector Termovelocimétrico...25 FIGURA 17 - Diagrama de sensibilidade dos detectores de temperatura...26 FIGURA 18 - Detector de fumaça básico...28 FIGURA 19 - Detector de fumaça básico...28 FIGURA 20 - Diagramas usado nos ensaios de detectores de fumaça...29 FIGURA 21 - Diagramas usado nos ensaios de detectores de fumaça...29 FIGURA 22 - Coordenadas que definem as classes A, B e C...32 FIGURA 23 - Densidade de fumaça e seus efeitos...32

10 FIGURA 24 - Dificuldade de detecção devido a obstáculos (vigas profundas/teto alto)...33 FIGURA 25 - Movimentação do ar no interior de um CPD típico de pequeno porte (piso elevado e ambiente)...34 FIGURA 26 - Penetração da fumaça no detector (favorável e desfavorável)...35 FIGURA 27 - Penetração da fumaça no detector (favorável e desfavorável)...35 FIGURA 28 - Detalhe da aspiração do ar...36 FIGURA 29 - Detalhe da subcentral...36 FIGURA 30 - Princípio de funcionamento do detector de sucção...37 FIGURA 31 - Interligação com outros tipos de detecção...37 FIGURA 32 - Acionador manual...38 FIGURA 33 - Acionador manual...38 FIGURA 34 - Fluxograma para aprovação do sistema pelo Corpo de Bombeiros...47 FIGURA 35 - Sistema completo de detecção e alarme de incêndio...50 FIGURA 36 - Linha aparente com conduto aberto...56 FIGURA 37 - Linha aparente com cabo fixado...56 FIGURA 38 - Linha aparente com conduto fechado...57 FIGURA 39 - Linha embutida...57 FIGURA 40 - Exemplo de damper com acionamento automático...60 FIGURA 41 - Exemplo de damper com acionamento manual...60 FIGURA 42 - Barreiras corta-fogo...60 FIGURA 43 - Barreiras corta-fogo...60 FIGURA 44 - Montagem do detector com tubulação de ferro...65 FIGURA 45 - Montagem do detector com cabo blindado sem tubulação...65 FIGURA 46 - Sistema de fiação com endereçamento coletivo...67 FIGURA 47 - Tipos de circuitos de detecção...69 FIGURA 48 - Sistema convencional de indicação: Indicação paralela com lâmpada controlada pelos detectores...71

11 FIGURA 49 - Sistema digital de indicação: Indicação paralela com lâmpada controlada pela central...71 FIGURA 50 - Linha de controle separadas da linha de detecção...72 FIGURA 51 - Sistema de detecção e alarme de incêndio simples...79 FIGURA 52 - Obstáculos perto do detector de fumaça...82 FIGURA 53 - Instalação de um detector de fumaça próximo a viga...82 FIGURA 54 - Instalação de um detector de fumaça na viga...83 FIGURA 55 - Instalação de um detector de fumaça perto de duto de ar condicionado...83 FIGURA 56 - Calhas e fios instalados posteriormente ao detector...83 FIGURA 57 - Detector e chuveiros automáticos instalados próximos a saída de ar condicionado...84 FIGURA 58 - Detectores instalados próximo a saída de ar condicionado...84 FIGURA 59 - Ilustração referente a problemas no teste de distribuição de fumaça em ambientes com ar condicionado...84 FIGURA 60 - Fiação do acionador manual...85 FIGURA 61 - Reator para lâmpada fluorescente próximo a fiação do sistema de detecção...85 FIGURA 62 - Instalação dos cabos...86 FIGURA 63 - Fiação desorganizada na central...86 FIGURA 64 - Problema de desgaste dos cabos...86 FIGURA 65 - Colocação de silicone nas bordas...86 FIGURA 66 - Interior de uma central de alarmes...87 FIGURA 67 - Fiação interna de uma central de alarmes...87 FIGURA 68 - Emendas e derivações...87 FIGURA 69 - Cabos de alimentação...87 FIGURA 70 - Central em alarme...88 FIGURA 71 - Detalhe do alarmes...88 FIGURA 72 - Central em alarme instalada a 2 metros de altura...88

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVO Geral Específico JUSTIFICATIVA REFERÊNCIAL TEÓRICO Detecção - Conceitos Básicos Raio de ação dos detectores automáticos Influência da velocidade do ar Sensibilidade e aprovação de detectores ou sistemas Tipos de detectores Detectores de chama Detectores de temperatura Detectores de fumaça Detectores de sucção Acionadores manuais Central de Controle METODOLOGIA DESENVOLVIMENTO Aspectos legais Legislação Brasileira Definição do sistema de detecção e alarme de incêndio Dimensionamento do sistema de detecção e alarme de incêndio Instalação elétrica do sistema de detecção e alarme de incêndio Regras gerais Proteção contra incêndio em percurso de fuga Proteção contra incêndio em locais de Materiais processados ou armazenados Proteção contra incêndio em locais de materiais de construção e estrutura das edificações i

13 Barreiras corta-fogo Fiação de interligação para detecção, alarmes e controles Proteção da fiação contra induções eletromagnéticas e eletrostáticas Cabos blindados (com shield eletrostático) sem proteção Fiação dos detectores Lay-out da fiação de detectores Indicação paralela Circuitos de controle interligados a circuitos de detecção Detalhes da supervisão dos circuitos de detecção pela central Circuitos de alarme e indicação de saídas de emergência Fiação para alimentação dos sinalizadores e dos quadros sinóticos Fiação para controles prediais Alimentação do Sistema de detecção e alarme de incêndio Análise de Risco do Sistema de detecção e alarme de incêndio Estudo de caso CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ii

14 1. INTRODUÇÃO A preocupação com a detecção automática de incêndio é conhecido desde os anos 40. Detectores lineares rudimentares em forma de cordas com elementos sensíveis ao calor foram utilizados desde o começo desse século como elementos de alarme. As centrais supervisoras também passaram por grande evolução, os antigos sistemas valvulados passaram a ser compostos de circuitos impressos e semicondutores. A detecção de um incêndio ocorre através dos fenômenos físicos que envolvem a combustão dos materiais presentes no ambiente. Fenômenos esses que são classificados em: Primários: radiação visível e invisível do calor gerado pela chama e a variação de temperatura do ambiente devido ao incêndio; Secundários: produção de fumaça e fuligem decorrentes dos materiais em combustão. Os sistemas de detecção e alarme de incêndio prestam um serviço importantíssimo de segurança em caso de incêndio em edificações residências, comerciais e industriais. Esse sistema, em conjunto com as sinalizações de abandono, sistemas de iluminação de emergência, planos de fuga, entre outros, são essenciais para a segurança da vida humana e do patrimônio. Quanto mais rápido o fogo é detectado, mais fácil será de controlá-lo e extingui-lo. Alem disso, são maiores a chances dos ocupantes da edificação escaparem sem sofrer qualquer ferimento. Uma vez que o fogo é descoberto, as seguintes ações são normalmente tomadas: Alertar o controle central do edifício; Fazer a primeira tentativa de extinção; Alertar usuários para o abandono da edificação; Informar o Corpo de Bombeiros. O sistema de detecção e alarme de incêndio é utilizado com o intuito de vencer rapidamente uma série de ações, propiciando a possibilidade de tornar-se 1

15 uma atitude imediata de controle do fogo e de evacuação do edifício, quando essa for necessária (BERTO 1991). Figura 1 Evolução típica do incêndio em compartimentos Fonte: Autor adaptado de BERTO, 1991, p.40 Assim, o principal objetivo desses sistemas é alertar, de maneira rápida, a existência de um princípio de incêndio para que sejam tomadas as medidas necessárias para a sua extinção, controlando a situação. Para que se possa garantir a eficiência do sistema, seu projeto deve estar baseado em uma análise de risco completa, abrangendo todas as áreas da edificação na qual esse sistema será instalado, identificando o melhor tipo de detecção para cada ambiente, se avaliando também, a interface entre o sistema e as pessoas responsáveis pela sua operação. Em conjunto com a análise de risco, devem-se cumprir as exigências específicas referentes às normas envolvidas, as legislações municipal, estadual e federal e em casos particulares, o bom senso aos perigos inerentes ao local de instalação. 2

16 2. OBJETIVO 2.1. Geral Este trabalho irá apresentar os sistemas de detecção e alarmes de incêndio, definindo seus componentes principais, como os tipos de detectores, centrais, subcentrais, painéis, e outros periféricos necessários para o correto funcionamento do sistema. Analisar as normas referentes aos testes e a instalação de sistemas de detecção e alarmes de incêndio, definindo as condições mínimas necessárias para que o sistema funcione corretamente, bem como a Instrução Técnica n 19/2004 Sistemas de detecção e Alarmes de Incêndio do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo que estabelece os requisitos mínimos necessários para o dimensionamento do sistema. Organizar a maioria das informações técnicas, teóricas e práticas que existem atualmente para que o engenheiro de segurança que é responsável em adquirir e instalar um sistema de detecção e alarme contra incêndios possa analisar qual dos sistemas estudados se enquadra em sua necessidade Específico Estabelecer uma metodologia eficiente para que o engenheiro de segurança possa definir, com êxito, qual sistema de detecção e alarme de incêndio que melhor ira atendê-lo em determinado ambiente a ser monitorado, utilizando medidas de engenharia necessárias para a elaboração correta do projeto de detecção, bem como a sua instalação. Relatar os principais motivos de descrença em relação ao sistema, na maioria das vezes, devido à ausência de um estudo prévio no projeto e no dimensionamento da sensibilidade do sistema. Adequar o sistema de detecção e alarme de incêndio com o Sistema Global de Segurança Contra Incêndio: O Sistema Global de Segurança Contra Incêndio, bem como cada um dos seus oito elementos, funcionam como um sistema de componentes em série, onde a falha de qualquer medida implica na falha do elemento; a falha do elemento, por sua vez, implica na falha do sistema. Falha, nesse caso, deve ser entendida como não funcionar conforme o esperado. Dependendo da importância da medida e do respectivo elemento que apresentar falha, as conseqüências podem assumir proporções catastróficas, onde não se exclui a ocorrência de mortes. (BERTO, 1991, p.27) 3

17 Tabela 1 Principais medidas de prevenção e de proteção contra incêndio associadas aos elementos do Sistema Global de Segurança Contra Incêndio, com destaque no sistema de detecção e alarme de incêndio ELEMENTOS Precaução contra início de incêndio Limitação do crescimento do incêndio Extinção inicial do incêndio Limitação da propagação do incêndio PRINCIPAIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Processo Produtivo do Edifício Correto dimensionamento e execução de instalações de serviço Distanciamento seguro entre fontes de calor e materiais combustíveis Provisão de sinalização de emergência Controle da qualidade dos materiais combustíveis incorporados aos elementos construtivos Controle das características de reação ao fogo dos materiais incorporados aos elementos construtivos Provisão de equipamentos portáteis de combate Provisão de sistema de hidrantes e mangotinhos Provisão de sistema de detecção e alarme Provisão de sinalização de emergência Compartimentação Horizontal Compartimentação Vertical Controle da quantidade de materiais combustíveis incorporados aos elementos construtivos Controle das características de reação ao fogo dos materiais incorporados aos elementos construtivos Uso do edifício Correto dimensionamento e execução de instalações do processo Correta estocagem e manipulação de líquidos inflamáveis e combustíveis e de outros produtos perigosos Manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos e instalações que podem provocar o início do incêndio Conscientização do usuário para a prevenção do incêndio Controle da quantidade de materiais combustíveis trazidos para o interior do edifício Manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos de proteção destinados a extinção inicial do incêndio Elaboração de planos para a extinção inicial do incêndio Treinamento dos usuários para efetuar o combate inicial do incêndio Formação e treinamento de brigadas de incêndio Manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos destinados a compor a compartimentação horizontal e vertical Controle da disposição de materiais combustíveis nas proximidades das fachadas (continua) 4

18 Tabela 1 Principais medidas de prevenção e de proteção contra incêndio associadas aos elementos do Sistema Global de Segurança Contra Incêndio, com destaque no sistema de detecção e alarme de incêndio (continuação) ELEMENTOS Evacuação segura do edifício PRINCIPAIS MEDIDAS DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Processo Produtivo do Edifício Provisão de sistema de detecção e alarme Provisão de sistema de comunicação de emergência Provisão de rotas de fuga seguras Provisão de sistemas de iluminação de emergência Provisão de sinalização de emergência Provisão de sistemas de controle de movimento de fumaça (ventilação) Controle das características de reação ao fogo dos materiais incorporados aos elementos construtivos Uso do edifício Manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos destinados a garantir a evacuação segura Elaboração de planos de abandono do edifício Treinamento de brigadas de evacuação de emergência Precaução contra a propagação do incêndio entre edifícios Precaução contra o colapso estrutural Rapidez, eficiência e segurança das operações de combate e resgate Fonte: BERTO, 1991 Distanciamento seguro entre edifícios Resistência ao fogo da envoltória do edifício Controle das características de reação ao fogo dos materiais incorporados aos elementos construtivos da envoltória do edifício Resistência ao fogo dos elementos estruturais Resistência ao fogo da envoltória do edifício Provisão de meios de acesso dos equipamentos de combate as proximidades do edifício Provisão de equipamentos portáteis de combate Provisão de sistema de hidrantes e mangotinhos Provisão de meios de aceso seguro da brigada ao interior do edifício Provisão de sistema de controle do movimento de fumaça (ventilação) Provisão de sinalização de emergência Controle da disposição de materiais combustíveis nas proximidades das fachadas Não se aplica Manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos de proteção destinados ao combate Elaboração de planos de combate ao incêndio Formação e treinamento de brigadas de incêndio Disposição na entrada do edifício de informações úteis ao combate 5

19 3. JUSTIFICATIVA Segundo o Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, em sua resolução Nº 359 de 31 de Julho de 1991, no seu Art. 4º, dentre as várias atividades relacionadas de responsabilidade do Engenheiro de Segurança, podemos destacar as principais atividades que se relacionam com projeto e instalação de um sistema de detecção e alarme de incêndio: Estudar as condições de segurança dos locais de trabalho e das instalações e equipamentos, com vistas especialmente aos problemas de controle de risco, controle de poluição, higiene do trabalho, ergonomia, proteção contra incêndio e saneamento; Projetar sistemas de proteção contra incêndios, coordenar atividades de combate a incêndio e de salvamento e elaborar planos para emergência e catástrofes; Analisar riscos, acidentes e falhas, investigando causas, propondo medidas preventivas e corretivas e orientando trabalhos estatísticos, inclusive com respeito a custo; Opinar e participar da especificação para aquisição de substâncias e equipamentos cuja manipulação, armazenamento, transporte ou funcionamento possam apresentar riscos, acompanhando o controle do recebimento e da expedição; Porém, muitos dos itens que envolvem o dimensionamento e a aquisição de um sistema de detecção e alarme de incêndio não estão sendo de responsabilidade do Engenheiro de Segurança, ficando a decisão nas mãos de pessoas que não possuem conhecimento técnico e que se preocupam apenas com os valores de implantação do sistema. Claro que o equilíbrio entre custos e benefícios do sistema de detecção e alarme de incêndio deve ser levado em conta para sua compra, já que nem sempre o sistema de custo mais elevado resulta de fato,em um melhor desempenho. Entretanto existem muitos outros fatores que devem ser considerados, que não estão sendo analisados de forma criteriosa por parte dos envolvidos nesse processo. Atualmente no mercado existem sistemas prontos que não atendem a Norma NBR Detectores automáticos de fumaça para proteção contra incêndio, 6

20 onde se especifica, dentre vários itens, que serão objetos de estudo desse trabalho, ensaios para se identificar as sensibilidades de cada tipo de detectores. Também, em experiências extraídas das vistorias em campo, muitos dos sistemas já instalados em edificações comerciais e industriais não atendem a norma NBR 9441 Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio, não se preocupando com o correto dimensionamento do projeto. 4. REFERÊNCIAL TEÓRICO 4.1. Detecção - Conceitos Básicos Em um incêndio existem fenômenos físicos que através de sensores e circuitos especiais, podem ser detectados. Esses fenômenos estão divididos em primários, que são a variação da temperatura do ambiente, a radiação visível (luz) e a invisível (calor) gerado pela chama, e os secundários, que são a presença da fumaça no ambiente e/ou a fuligem desprendida dos materiais em combustão. O problema da detecção dos fenômenos primários é a dificuldade em ajustar a sensibilidade do sistema para níveis que as variações normais de temperatura e claridade do ambiente não gerem alarmes falsos causando, com o passar do tempo, descrença no sistema. Já na detecção dos fenômenos secundários, a ocorrência de um principio de incêndio produz uma informação de alerta não existente nas condições normais do ambiente. Isto permite estipular uma sensibilidade de atuação do elemento sensor bem maior que na detecção de efeitos primários do fogo. Normalmente, no princípio de incêndio, espera-se que o ar quente suba nos ambientes fechados sem movimentação do ar, devido à dilatação de seu volume, até atingir o teto. Esse ar quente acumulado gera o chamado plume, que contém a fumaça da combustão dos materiais existentes, que são levadas, junto com o ar quente, até o teto. Devido a esse efeito físico da subida do ar quente, os detectores de temperatura e de fumaça normalmente estão fixados no teto, garantindo assim que sejam atingidos pelo calor ou pela fumaça gerados na combustão. Porém, devido a dissipação do calor pelo ar e pela altura da sala, a diferença de temperatura antes e 7

21 depois do princípio de incêndio pode ser insuficiente para alarmar um detector de temperatura. Por isso é mais fácil detectar fisicamente as partículas de fumaça na câmara de medição de um detector do que determinar, através da variação de temperatura no teto, o início de um incêndio. Figura 2 Gráfico do Plume da fumaça Fonte: BAUER, 2005 No entanto, quando o teto sofre um aquecimento devido à radiação solar ou à instalação de um sistema de iluminação artificial potente, forma-se uma camada ar quente no teto que não permite a penetração do ar quente gerado no princípio de um incêndio, dificultando também, a dissipação da fumaça e impedindo a detecção nos primeiros minutos. Este fenômeno é chamado de estratificação do forro. 8

22 Figura 3 Teste de distribuição da fumaça em deposito Fonte: BAUER, 2005 Figura 4 Concentração de fumaça no meio do depósito devido a alta temperatura do teto Fonte: BAUER, Raio de ação dos detectores automáticos Para definir a instalação de detectores, a norma brasileira, como todas as outras normas do mundo, partem da premissa de que a área não sofre um movimento de ar exagerado (< 1m/s) e não existem impedimentos para que o ar quente possa atingir o teto plano. Neste caso, o teto é dividido em áreas iguais com um raio de 4,2 m para detectores de temperatura e 6,3 m para detectores de fumaça, presumindo-se que, dentro da área determinada pela circunferência, as condições de temperatura e da fumaça em caso de incêndio são homogêneas. 9

23 Figura 5 - Área de ação de detectores de fumaça Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p.30 Figura 6 - Distribuição de detectores de fumaça em tetos inclinados Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p.31 Na instalação da detecção automática, com e sem previsão de movimentação do ar nos ambientes, os testes específicos incluídos na norma NBR 9441/94, devem ser executados para mostrar a escolha correta do ponto da instalação dos detectores. Figura 7 - Distribuição de detectores de temperatura e fumaça em tetos lisos Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p.28 10

24 Figura 8 - Distribuição de detectores de temperatura e fumaça em tetos lisos Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p.30 Figura 9 - Influência do layout na instalação dos detectores Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p.38 11

25 4.3. Influência da velocidade do ar Porém, se a troca de ar no ambiente for alta, principalmente em escritórios, onde são usados potentes sistemas de ar-condicionado, a área de atuação do detector pode diminuir drasticamente, prejudicando o sistema como um todo. Por isso, antes de se projetar qualquer sistema de detecção, é necessário que o responsável esteja atento a todos os fatores que possam prejudicar a eficiência do sistema. Figura 10 - Influência das trocas de ar na área de cobertura de detectores de fumaça Fonte: NBR 9441:1998, Anexo B, p Sensibilidade e aprovação de detectores ou sistemas A sensibilidade é o grau relativo de resposta de um detector. Pode-se considerar um detector mais sensível aquele que reage com a presença de pequenas proporções de fumaça ou de gases de combustão no ambiente, sendo que o detector menos sensível precisa de uma concentração maior desses gases. Existem ensaios em laboratório, reconhecidos internacionalmente, que permitem a classificação dos detectores, em função de sua sensibilidade, em relação a temperatura absoluta do ar (ex : 60 C), a variação da temperatura em um determinado tempo ( C/min) a densidade ótica e/ou a densidade iônica da fumaça. 12

26 m = db / m Absorção ótica da luz X Classe 3 T f(t) =Variação de temperatura Classe 2 Classe 1 Definição da sensibilidade de detectores no sistema de coordenadas X Y T Y = adimensional (corrente iônica) Y Figura 11 - Sistema de coordenadas tridimensional para classificação de detectores Fonte: Autor adaptado de NBR 11836:1992, Anexo B, p Tipos de detectores Detectores de chama Detectores de chama detectam o fogo pela visão direta da chama e são limitados pela distância e pelo ângulo da visão. Em sistemas sem lentes óticas, no ângulo de 45o, a sensibilidade diminui para a metade da sensibilidade do ângulo de 90o (em relação à superfície plana do receptor). Com lentes apropriadas, os ângulos de visão podem ser alterados. Áreas maiores são supervisionadas por vários detectores com superposição das áreas vigiadas. Caso a fumaça venha a inibir a visão, os detectores de chama podem não entrar em alarme. Por esta razão, a instalação deve ser planejada cuidadosamente para garantir uma visão livre de fumaça para todos os detectores de chama instalados. 13

27 Figura 12 Detector de chama Fonte: SCABBIA, 2008 Figura 13 Detector de chama (ultra violeta) Fonte: SCABBIA, % 75% parede paralela ao eixo de visão do detector Detector Dx0, o D x 0,5 D x 0,75 1cm Área com sensibilidade reduzida 15,40cm 45 o 100% 1,33cm 50% 2cm 62,5% 75% 1,67cm 2,41cm VISTA SUPERIOR Figura 14 -Definição do alcance do detector na instalação Fonte: BAUER,

28 Detectores de temperatura Os detectores de temperatura são destinados a atuar quando a temperatura de um ambiente ultrapassar um valor pré determinado. Existem dois tipos de detectores de temperatura: detectores térmicos (de temperatura fixa), que entram em alarme quando o ar atinge uma determinada temperatura, em um tempo prédeterminado, que define a classificação do detector; detectores termovelocimétricos, que entram em alarme quando a variação da temperatura, em um intervalo de tempo pré-determinado, é maior que os valores do ajuste e/ou quando a temperatura máxima do ar é ultrapassada num intervalo de tempo pré-determinado. Figura 15 - Detector térmico Fonte: SCABBIA, 2008 Figura 16 Detector Termovelocimétrico Fonte: DEWITT, 2007, p.3 15

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger Sumário Detectores Automáticos Iluminação de Emergência Sumário Análise de riscos Resistência / Reação Atuação Detecção Extinção Retirada dos ocupantes Detectores Automáticos NBR 17240:2011 - Execução

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

2Y Indústria Eletrônica Ltda.

2Y Indústria Eletrônica Ltda. SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Orientações para Projetos e Instalações Conteúdo Sistemas de detecção e alarme de incêndio...3 Projeto do Sistema...3 Primeiro estágio: Definição...3 Segundo estágio:

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Sistema de detecção e alarme de incêndio

Sistema de detecção e alarme de incêndio Sistema de detecção e alarme de incêndio Composição do Sistema, Avaliações Laboratoriais, Normas, Legislação, Projetos e Comissionamento Ivan Faccinetto Böttger www.firesafetybrasil.com Proteção Ativa

Leia mais

UNIDADE 5. Sistema de iluminação de emergência

UNIDADE 5. Sistema de iluminação de emergência UNIDADE 5 Sistema de alarme e detecção Sistema de iluminação de emergência SISTEMA DE ALARME Normas: NBR 9441/98 Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio IN12CBM/SC- SistemadeAlarmeeDetecçãodeIncêndio

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 23/2011 Sistema de chuveiros automáticos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE UMA ABORDAGEM SISTÊMICA PARA A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÕES

IMPORTÂNCIA DE UMA ABORDAGEM SISTÊMICA PARA A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÕES SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN IMPORTÂNCIA DE UMA ABORDAGEM SISTÊMICA PARA A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÕES Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais. Sidney Leone Março de 2012

Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais. Sidney Leone Março de 2012 Gerenciamento de Riscos Patrimoniais e Empresariais Sidney Leone Março de 2012 Meus Defeitos Sócio - Integrale Consultoria e Corretagem de Seguros Ltda. Divisão Gestão de Risco; Consultor Técnico RRJ Engenharia

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Sistema de Chuveiros Automáticos

Sistema de Chuveiros Automáticos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio

Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio Sistemas têxteis automáticos para proteção à incêndio www.stoebich.com.br, dirk.mueller@stoebich.com.br 1 Conteúdo 1. Introdução: sistemas têxteis 2. Características de sistemas têxteis 3. Cortinas contra

Leia mais

Corpo de Bombeiros. Compartimentação horizontal e compartimentação vertical

Corpo de Bombeiros. Compartimentação horizontal e compartimentação vertical SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 09/2011 Compartimentação horizontal e compartimentação vertical SUMÁRIO

Leia mais

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE ENQUALAB-2008 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP 09 a 12 de junho de 2008, São Paulo, Brasil DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE Alex

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL

PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL PREVENÇÃO E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL MEDIDAS PARA CONTER A PROPAGAÇÃO DO INCÊNDIO NOS EDIFÍCIOS Compartimentação horizontal Compartimentação vertical Controle da

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 09/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 09/2011 Instrução Técnica nº 09/2011 - Compartimentação horizontal e compartimentação vertical 203 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

3.8 3.9 3.10 3.11 3.12 3.13 3.14 4 DEFINIÇÕES 5 PROCEDIMENTOS 5.1. Compartimentação horizontal: 5.1.1 5.1.2 Características de construção:

3.8 3.9 3.10 3.11 3.12 3.13 3.14 4 DEFINIÇÕES 5 PROCEDIMENTOS 5.1. Compartimentação horizontal: 5.1.1 5.1.2 Características de construção: ANEXO VII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 7 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL 1 OBJETIVO 1.1 Esta Norma Técnica estabelece os parâmetros da compartimentação

Leia mais

PROPOSTAS AO CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Divisão Técnica de Engenharia de Incêndio do Instituto de Engenharia

PROPOSTAS AO CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO. Divisão Técnica de Engenharia de Incêndio do Instituto de Engenharia PROPOSTAS AO CORPO DE BOMBEIROS DE SÃO PAULO Divisão Técnica de Engenharia de Incêndio do Instituto de Engenharia Desenvolvimento com apresentação de propostas para: melhorar os critérios de elaboração

Leia mais

IT - 07 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL

IT - 07 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL IT - 07 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Procedimentos INSTRUÇÃO TÉCNICA 07 DIRETORIA DE ATIVIDADES TECNICAS

Leia mais

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas

Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas Comando do Corpo de Bombeiros Prevenção de Incêndios (Novo CSCIP) Mód 3 Exigências Estruturais e Arquitetônicas Cap. QOBM Amarildo Exigências Estruturais e Arquitetônicas SUMÁRIO Exigências Estruturais

Leia mais

A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio

A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio FIRE PROTECTION A importância da Proteção Passiva e Soluções Inovadoras para aumentar a Segurança Contra Incêndio Porto Alegre, RS LABORATÓRIOS QUE ENSAIAM NOSSOS PRODUTOS: Escritório Central São Paulo,

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

NPT 009 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL

NPT 009 COMPARTIMENTAÇÃO HORIZONTAL E COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 009 Compartimentação Horizontal e Compartimentação Vertical CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 20 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS Adilson Antonio da Silva Tenente- Coronel do Corpo de Bombeiros Departamento de Prevenção ccbdsci@policiamilitar.sp.gov.br O CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 1 Regras gerais 313 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 08/2011 Instrução Técnica nº 08/2011 - Resistência ao fogo dos elementos de construção 191 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO

Leia mais

6.4.4. Cabos blindados (com shield eletrostático) sem proteção

6.4.4. Cabos blindados (com shield eletrostático) sem proteção conscientemente na central. Este tubo garante uma proteção magnética e estática da fiação. Conscientemente pois todas as braçadeiras de fixação da tubulação até certo ponto também representam pontos de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 024/2010 EM REVISÃO Sistema de chuveiros automáticos para áreas de

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

Segurança contra Incêndio em Edificações. Medidas de Proteção Ativa

Segurança contra Incêndio em Edificações. Medidas de Proteção Ativa Segurança contra Incêndio em Edificações Medidas de Proteção Ativa Arq. Marcos Vargas Valentin 1 Medidas de Proteção Ativa Instalações Elétricas Prediais : Iluminação de emergência Alarme manual (acionadores

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo Decreto Estadual nº 56.819, de 10 de março de 2011 I GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Regulamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 041/2010 EM REVISÃO Inspeção Visual em Instalações Elétricas de Baixa

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 41/2011 Instrução Técnica nº 41/2011 - Inspeção visual em instalações elétricas de baixa tensão 757 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

Extintores de Incêndio

Extintores de Incêndio Extintores de Incêndio Sistema de extintores de incêndio conceituação classificação dos extintores classificação dos fogos e riscos seleção do agente extintor condições de projeto critérios para dimensionamento

Leia mais

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015 Instrução Técnica nº 18/2011 - Iluminação de emergência 449 9SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 18/2015

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO SENHORES MANCEBOS, A PROVA REGIMENTAL REFERENTE AO SEGUNDO BIMESTRE DE 2014 TERÁ COMO CONTEÚDO OS TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS E O SEGUINTE COMPLEMENTO TEÓRICO: Definições: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE

Leia mais