ACIDENTES A BORDO DAS EMBARCAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACIDENTES A BORDO DAS EMBARCAÇÕES"

Transcrição

1 José Marreiros Gonçalves Pequena nota biográfica Perito naval, Diretor Geral da Navaltik - empresa portuguesa de consultores de engenharia fundada em 1981 Filho, neto, sobrinho e por aí abaixo de Pescadores oriundos de Alvor Homem do mar por via de Oficial da Marinha Mercante. Teve muitas experiências de pesca de vários tipos por assistir a bordo em viagem às respectivas actividades: arrasto, cerco, artesanal, palangre. Colabora com a Universidade dos Açores DOP (departamento oceanografia e pescas) na manutenção e concepção do navio de investigação das pescas dos Açores, de nome ARQUIPÉLAGO. Vasta experiência da peritagem e avaliação de embarcações de pesca, sendo uma área de minha grande especialidade milhares de intervenções ao longo de 36 anos de actividade de peritagem de todo o tipo de sinistros e avaliações em navios de pesca. SEGURANÇA MARÍTIMA ACIDENTES A BORDO DAS EMBARCAÇÕES Elaborado por Marreiros Gonçalves General Manager da Navaltik Perito Naval 1

2 Não se podem dissociar os acidentes a bordo das embarcações Estado técnico (Conservação) Condições de operacionalidade Para não se registarem acidentes a bordo ou evitarem-se os mesmos ao máximo, é imperioso que o aspecto técnico nunca seja descurado, pois existe uma interligação indiscutível. 2

3 Alguns aspectos relacionados entre os acidentes a bordo e o estado técnico das embarcações que elegemos são os seguintes: RIEAM Respeito pelas regras de navegação, conforme conteúdo no Regulamento Internacional Para Evitar Abalroamentos no Mar. EPIRB Indiscutível a sua existência a bordo, recomendando-se a sua utilização mesmo nas embarcações que a isso não são obrigadas. Coletes insufláveis e fatos de frio Os actuais coletes mais modernos permitem uma utilização permanente em operações devido ao seu pouco volume. Cai-se ao mar insufla-se e em princípio temos mais probabilidades de sobreviver e sermos recolhidos. Os fatos de frio são essenciais em caso de abandono organizado. AIS Novo sistema de detecção do posicionamento das embarcações no mar. Sistema eficaz com alarme e utilizado actualmente a nível Mundial. Em Portugal, nas embarcações de pesca a sua instalação está definida em decreto-lei Sendo a sua instalação obrigatória para as seguintes embarcações / datas de construção: Embarcações Novas Cff >/ 15mts 30/11/ >/ cff <18mts 30/05/2014 Embarcações Existentes 18</ cff </24mts 30/05/ </ cff </45mts 30/05/2012 3

4 Problemas técnicos responsáveis por naufrágios, submersões e acidentes pessoais graves: - Rolos de borda - Resbordos - Cabos Morse - Sistemas dos lemes - Alarmes de nível alto - Sistemas de esgoto - Alarmes anti-sono (curiosidade) - Sistemas de baterias eléctricas OS ROLOS DE BORDA Responsáveis por acidentes graves por amputação de membros nas tripulações das traineiras de cerco. NTK propõe uma alteração sujeita à apreciação dos Armadores (Ver publicação Mútua) 4

5 OS ROLOS DE BORDA 1. Colocação de uma barra inox soldada ao talabardão e a beijar o rolo de borda. 2. Colocação de um disparo de emergência na vizinhança dos rolos para paragem de todo o sistema hidráulico. OS ROLOS DE BORDA Alteração proposta pela NTK Sujeita à apreciação dos Armadores 5

6 OS RESBORDOS Elementos de escoamento de águas nas embarcações onde principalmente os Palangreiros estão mais sujeitos a perdas de estabilidade, adornamento e naufrágio e casos são vários e conhecidos com perdas de vidas. OS RESBORDOS Outros exemplos constados no decurso das Peritagens Não se deve constrangir os rebordos 6

7 OS CABOS MORSE Todos os homens do mar os conhecem, pois são essenciais para as manobras de velocidade e inversão de marcha. O estado operacional tem de ser constantemente verificado. OS CABOS MORSE A sua falha provoca acidentes graves, com principalmente colisões, onde muitas vezes se perdem vidas. 7

8 SISTEMAS DOS LEMES Da mesma forma que os cabos morse, as articulações e fixações dos sistemas dos lemes devem ser verificados constantemente. Um parafuso que salte da fixação do braço de movimentação de um leme, provoca a perda de governo SISTEMAS DOS LEMES e muitas vezes já junto da muralha, pedras ou outras embarcações, as colisões podem ser inevitáveis. 8

9 ALARMES DE NÍVEL ALTO Existem este tipo de alarmes a bordo, é um factor de segurança imprescindível. Um alagamento progressivo, por exemplo ao cais, se um tripulante estiver a bordo a dormir, este poderá não ter tempo para fugir e afundar com a embarcação. ALARMES DE NÍVEL ALTO Este tipo de alarme muito conhecido por todos pode ter agregado um pirilampo giratório. Neste caso, e principalmente ao cais, alerta toda a gente e vigilância para o acontecimento e muitas vezes evita submersões. 9

10 OS SISTEMAS DE ESGOTO Importante ter pelo menos uma ou duas bombas de esgoto automático a bordo. Importante que os pontos de esgoto tenham instaladas válvulas anti-retorno nas extremidades e pinhas de ralo e estas deverão ser periodicamente limpas Pretende-se com isto evitar alagamentos por esquecimento de válvulas abertas. Ao cais fechar sempre as válvulas de fundo quando ninguém está a bordo. SISTEMA ELÉCTRICO (Baterias) Uma embarcação pode estar equipada com bombas auto, alarmes e outros dispositivos, mas sem baterias, mal carregadas ou até desligadas nada resulta. Na nossa actividade já encontramos homens do mar que quando vão para terra desligam os cabos das baterias. 10

11 ALARME ANTI-SONO Curiosidade final, mas que não queremos deixar de assinalar Pois já o encontramos nas embarcações. É um alarme simples para o vigia que está na ponte e que o obriga a acordar de X em X minutos, obrigando-o a fazer o Reset. Muito utilizado em navegação e em arrasto. MUITO OBRIGADO Pela vossa atenção 11

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

Causas versus Consequências. Prevenção. Escola Naval, 30.4.2014. Acidentes Marítimos. Causas. Consequências. Prevenção

Causas versus Consequências. Prevenção. Escola Naval, 30.4.2014. Acidentes Marítimos. Causas. Consequências. Prevenção 1 1 versus Escola Naval, 30.4.2014 2 2 Antecedentes um acontecimento ou uma sequência de acontecimentos diretamente relacionados com as operações de um navio ou embarcação, com exceção de atos ou omissões

Leia mais

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável.

É esta imensidão de oceano, que mais tarde ou mais cedo teremos de aproveitar de um modo sustentável. Pescas Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e Senhores Membros do Governo É inevitável olhar as ilhas na sua descontinuidade e imaginá-las

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

Plano Regional Anual e Orçamento 2011 Pescas, Portos e Equipamentos. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores deputados

Plano Regional Anual e Orçamento 2011 Pescas, Portos e Equipamentos. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores deputados Plano Regional Anual e Orçamento 2011 Pescas, Portos e Equipamentos Senhor Presidente, Senhoras e Senhores deputados A importância sócio económica e cultural da pesca é uma mais-valia para a Região Autónoma

Leia mais

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval SOLAS História e Documentos Convenção, 1974 Protocolo, 1978 Emendas,

Leia mais

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

Revista de Imprensa. Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira

Revista de Imprensa. Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira Revista de Imprensa Resgate de tripulante a quase 600 Km da Terceira Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2014 ÍNDICE Título Fonte Data Pág/Hora Homem com 46 anos evacuado de um barco nos Açores correiodosacores.net

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA ABC do Trabalho em Embarcações CONATPA O que é um trabalhador aquaviário? É todo trabalhador com habilitação certificada pela autoridade marítima para operar embarcações em caráter profissional. São eles

Leia mais

Não obstante o seu reconhecimento internacional, a actividade de engenharia naval em Portugal não se encontra regulada no que respeita à exigência de

Não obstante o seu reconhecimento internacional, a actividade de engenharia naval em Portugal não se encontra regulada no que respeita à exigência de Não obstante o seu reconhecimento internacional, a actividade de engenharia naval em Portugal não se encontra regulada no que respeita à exigência de qualificações técnicas dos profissionais responsáveis

Leia mais

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Trabalho de Projecto AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Disciplinas intervenientes: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Tópicos que podem ser tratados

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa Nossa Empresa A TerraMar Treinamentos foi fundada no ano de 2009, objetivando o atendimento às empresas do setor marítimo no tocante aos treinamentos de segurança, aprimoramento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL - MARINHA Instituto Hidrográfico IH BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL* A preencher pelo candidato Bolsa / Reservado aos Serviços Nome

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Taxas Contributivas Taxas Contributivas CONTRIBUTIVAS TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM ENTIDADE EMPREGADORA TRABALHADOR GLOBAL Trabalhadores em geral 23,75% 34,75% Membros dos órgãos estatutários das pessoas coletivas: geral

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria

SEMINÁRIO. JJ Cerveira Afonso-JCA. Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria SEMINÁRIO JJ Cerveira Afonso-JCA Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Luanda, 30.Março.2015 O CONTRATO DE TRANSPORTE E AS OBRIGAÇÕES DAS PARTES Índice O Contrato de Transporte e as obrigações

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS MODELOS MCH 1/8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA AUTOS APLICAÇÃO APLICAÇÃO Transporte vertical de veículos acompanhados do condutor, a cabina terá as dimensões adequadas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo

Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo Seminário Mobilidade Eléctrica : o Veículo 8 de Março de 2010 Regulamentação técnica para a aprovação de veículos eléctricos 1 ÍNDICE 1 2 3 4 5 6 7 HOMOLOGAÇÃO DE VEÍCULOS ELÉCTRICOS - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. João Alfredo Tavares Amaro Rua Frei Amador Arrais 39 - r/c Ap. 104 7801-902 Beja PORTUGAL CURRICULUM VITÆ

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. João Alfredo Tavares Amaro Rua Frei Amador Arrais 39 - r/c Ap. 104 7801-902 Beja PORTUGAL CURRICULUM VITÆ M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITÆ INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Institucional João Alfredo Tavares Amaro Rua Frei Amador Arrais 39 - r/c Ap. 104 7801-902 Beja PORTUGAL Telefone (+351) 284 311 311 Fax

Leia mais

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo)

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo) Divisão de Construção Naval SOUNETE - FÁBRICA DE APRESTOS METÁLICOS, LDA. RUA DA SEARA, 588 - OLIVEIRA DO DOURO APARTADO, 290 4431-904 VILA NOVA DE GAIA - PORTUGAL TELEFONES (351) 227860930 - FAX (351)

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 INTRODUÇÃO Com o declínio das reservas onshore e offshore em águas rasas, a exploração e produção em águas profundas

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 51/1991 Acordo de Transportes Marítimos entre a República Portuguesa e a República de Moçambique Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Leia mais

Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS. Motor de correr. Página 1

Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS. Motor de correr. Página 1 Ler este manual antes da instalação OHMLINE 2009 DOMUS Motor de correr Página 1 Na instalação e utilização deve ter muita Atenção 1) Cuidado! Para sua segurança, é importante seguir todas as indicações

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Proposta(de(Estágio(do(Mestrado(em( Engenharia(Informática(

Proposta(de(Estágio(do(Mestrado(em( Engenharia(Informática( Proposta(de(Estágio(do(Mestrado(em( Engenharia(Informática( 19#de#Novembro#de#2013# ELEMENTOS(DE(IDENTIFICAÇÃO( Título:Desenvolvimentodeumsistemadesuporteàsperitagensautomóveis realizadasporumaseguradora

Leia mais

Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar

Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar Amarelo: Questão? Azul: inserção Contribuição do CCR Sul relativamente à consulta da CE sobre a revisão do regime de acesso à pesca de alto mar * O CCR Sul agradece à Comissão Europeia a oportunidade que

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TESTES MOTORES DE CENTRO PARA EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO AVALIAÇÃO E RELATÓRIO DE TESTES

TESTES MOTORES DE CENTRO PARA EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO AVALIAÇÃO E RELATÓRIO DE TESTES TESTES MOTORES DE CENTRO PARA EMBARCAÇÕES DE SOBREVIVÊNCIA E DE SALVAMENTO AVALIAÇÃO E RELATÓRIO DE TESTES DO MOTOR NÚMERO DE SÉRIE TIPO DE COMBUSTÍVEL POTÊNCIA DE PROJETO (Kw) DIÂMETRO E PASSO DO HÉLICE

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima

Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima CNAI 10 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Contributo da AIA no âmbito da Segurança Marítima Victor F. Plácido da Conceição Vila Real Trás-os-Montes, 20 de Outubro de 2010 Agenda 1. O Instituto

Leia mais

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO

EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO EQUIPAMENTOS DAS EMBARCAÇÕES DE RECREIO Portaria n.º 1464/2002 de 14 de Novembro Os equipamentos das embarcações de recreio (ER) respeitantes aos meios de salvação, aparelhos, meios de segurança, meios

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Opinião do Autor. Gestão da Segurança. CHMS - Planos de Procedimentos

Opinião do Autor. Gestão da Segurança. CHMS - Planos de Procedimentos Gestão da Segurança CHMS - Planos de Procedimentos Para os documentos que servem de base a este texto encontramos denominações muito diferentes. Existe quem lhes chame NEP, (Normas de Execução Permanente),

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Programa de Treino de Mar

Programa de Treino de Mar ÍNDICE 1 - APORVELA 1.1 Objectivos 1.2 - Parceiros 1.3 - Programa Jovens e o Mar 2 - PROGRAMA JOVENS E O MAR 3 - TREINO DE MAR 3.1 Treino de Mar 3.2 Organização a Bordo 3.3 Actividades a Bordo e em Terra

Leia mais

CAPITANIA DO PORTO DA HORTA

CAPITANIA DO PORTO DA HORTA S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA HORTA EDITAL N.º 1/2009 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA DA CAPITANIA

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

CAPA DO RELATÓRIO DE VIAGEM

CAPA DO RELATÓRIO DE VIAGEM CAPA DO RELATÓRIO DE VIAGEM - A preencher por cada saída. ID_OBSERVADOR(ES) NOME DO BARCO MATRÍCULA Nome do observador, nome e matrícula do barco respectivamente. TRÂNSITO: Data e hora de saída/entrada

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-J-1 RECURSOS NATURAIS (PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO)

Leia mais

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 Agenda IMO Safe, secure and efficent shipping on cleaner oceans, through

Leia mais

PÓRTICO LIMPA GRADES E CARRO LIMPAS GRADES. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE.

PÓRTICO LIMPA GRADES E CARRO LIMPAS GRADES. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE. DESCRIÇÃO. Existem inúmeros tipos e modelos de equipamentos limpa grades no mercado, para que o cliente possa escolher. Mas é verdade

Leia mais

A Caravela - Texto pedagógico

A Caravela - Texto pedagógico A Caravela - Texto pedagógico Nota prévia Os navios das descobertas serão sempre um tema inspirador para as nossas crianças. Fruto do trabalho e engenho dos homens desse tempo, a Caravela constituirá agora

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS Alm. Nuno G. Vieira Matias A nobre Associação dos Oficiais da Reserva Naval convidou-me a reafirmar aqui, hoje, aquilo que, em nove conferências,

Leia mais

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos

O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho. Carlos Bastos O Ser Humano como potencial destruidor do ecossistema marinho Carlos Bastos Índice 1 - Introdução 2- As actividades marítimas como prática destrutiva do ecossistema marinho 2.1 - Como se caracteriza a

Leia mais

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS Pág. 1/19 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS CLIENTE PETROBRAS REV. 00 DATA Out/2010 FOLHA 1/19 INSTALAÇÃO Unidade Marítima de Perfuração NS-21 (Ocean Clipper)

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROJECTOS PILOTO E TRANSFORMAÇÃO DE EMBARCAÇÕES DE PESCA SECÇÃO II

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROJECTOS PILOTO E TRANSFORMAÇÃO DE EMBARCAÇÕES DE PESCA SECÇÃO II FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROJECTOS PILOTO E TRANSFORMAÇÃO DE EMBARCAÇÕES DE PESCA SECÇÃO II PARTE A - PROMOTOR PARTE A1- IDENTIFICAÇÃO NOME OU DENOMINAÇÃO SOCIAL (1) N.º IDENTIFICAÇÃO FISCAL MORADA LOCALIDADE

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

INOV ÇÃO INESC INOVAÇÃ INSTITUTO DE NOVAS TECNOLOGIAS

INOV ÇÃO INESC INOVAÇÃ INSTITUTO DE NOVAS TECNOLOGIAS INOV INESC INOVAÇÃ ÇÃO INSTITUTO DE NOVAS TECNOLOGIAS Vessel Monitoring System Introdução Solução global desenvolvida para cumprir requisitos actuais Sistema flexível preparado para futuras realizações

Leia mais

A Costa Norte, que atua há 27 anos no ramo náutico, é também especialista em serviços subaquáticos.

A Costa Norte, que atua há 27 anos no ramo náutico, é também especialista em serviços subaquáticos. Informativo 45 Fevereiro - 2013 A Costa Norte, que atua há 27 anos no ramo náutico, é também especialista em serviços subaquáticos. Seu braço para executar serviços de salvatagem, colocação de poitas,

Leia mais

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro Manual de Utilizador CNCVisual Julho de 2006 Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica Autor: Bruno Lameiro Introdução: A existência do manual de utilizador da aplicação CNCVisual tem como objectivo

Leia mais

http://www.brasil.gov.br/ e-gov http://www.transportes.gov.br/index1.asp 16 / 08 / 2004 ÍNDICE ANALÍTICO

http://www.brasil.gov.br/ e-gov http://www.transportes.gov.br/index1.asp 16 / 08 / 2004 ÍNDICE ANALÍTICO http://www.brasil.gov.br/ e-gov http://www.transportes.gov.br/index1.asp Clipping DNIT Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes Diretoria de Infra-Estrutura Aquaviária 16 / 08 / 2004 ÍNDICE

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V0.3 Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel / Fax. (+351)

Leia mais

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação.

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação. Segurança de Balsas Tanque 1. Objetivo Estabelecer as normas de segurança que deverão ser rigorosamente observadas durante as operações de carregamento e descarga de balsas-tanque. 2. Abrangência Este

Leia mais

Directiva IB - 01/11 Projecto-piloto

Directiva IB - 01/11 Projecto-piloto GOVERNO DOS AÇORES Secretaria Regional da Ciência, Tecnologia e Equipamentos SERVIÇO REGIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL E BOMBEIROS DOS AÇORES Directiva IB - 01/11 Projecto-piloto Desfibrilhação Automática Externa

Leia mais

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA SEGURANÇA MARÍTIMA OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA Comandante Dionísio Varela NAUTICAMPO 11 DE ABRILDE 2015 Agenda 1. Gestão de Segurança 2. Cultura de segurança 3. Conclusões Virgem do Sameiro

Leia mais

incidência Contributiva Escalão 0 --- 0,5 x IAS Escalão 00 --- entre 0,5 e 1 x IAS

incidência Contributiva Escalão 0 --- 0,5 x IAS Escalão 00 --- entre 0,5 e 1 x IAS Escalões de Base de REGIME DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES incidência Contributiva Escalão 0 --- 0,5 x IAS Escalão 00 --- entre 0,5 e 1 x IAS Escalão 1 --- Escalão 2 --- Escalão 3 --- Escalão 4 --- Escalão

Leia mais

SPOT BATTERY EXCHANGER

SPOT BATTERY EXCHANGER SPOT BATTERY ECHANGER SBE RACK V2.0 V2.0 MANUAL DE INSTRUÇÕES A DOERS é propriedade da: SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Sociedade Unipessoal, Lda. Rua D. Luís de Noronha 22, 4º Dto. 1050-072

Leia mais

Junto enviamos a nossa divulgação dos Serviços Gratuitos de Recolha, Triagem, Acondi

Junto enviamos a nossa divulgação dos Serviços Gratuitos de Recolha, Triagem, Acondi Exmos. Senhores, Junto enviamos a nossa divulgação dos Serviços Gratuitos de Recolha, Triagem, Acondi cionamento, Manuseamento e Transporte de Resíduos produzidos no vosso espaço administrativo, tecnológico,

Leia mais

Reboques para comboios logísticos. Soluções completas para utilização no interior e no exterior.

Reboques para comboios logísticos. Soluções completas para utilização no interior e no exterior. Reboques para comboios logísticos Soluções completas para utilização no interior e no exterior. Soluções de transporte desde a recepção dos produtos até à área de distribuição/produção. Com capacidades

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO INTRODUÇÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Jurisdição anômala. Órgão Autônomo do Poder Executivo, auxiliar do Poder Judiciário, com responsabilidade para julgamento dos acidentes e fatos da navegação sob o aspecto marítimo. Responsável

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROJECTOS PILOTO SECÇÃO II

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROJECTOS PILOTO SECÇÃO II REGIÃO AUTÓNOMA DOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROJECTOS PILOTO SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E DO MAR E TRANSFORMAÇÃO DE EMBARCAÇÕES DE PESCA GABINETE DO SUBSECRETÁRIO REGIONAL SECÇÃO II DAS PESCAS PORTARIA

Leia mais

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo Apresentação FIESP Os Múltiplos Usos do Mar e a Atividade Pesqueira A Pesca Industrial no Estado de São Paulo PESCA INDUSTRIAL ATIVIDADE REGULAMENTADA LICENCIADA NÃO CRIMINOSA TIPOS DE PESCA A pesca industrial

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA. Comandante Dionísio Varela

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA. Comandante Dionísio Varela SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA Comandante Dionísio Varela NAUTICAMPO 11 DE ABRILDE 2015 Agenda 1. Gestão de Segurança 2. Cultura de segurança 3. Conclusões GESTÃO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

G5 Sistema de alarme com GSM integrado

G5 Sistema de alarme com GSM integrado Sistema de Alarme G5 Sistema de alarme com GSM integrado Fácil programação do sistema, via APP gratuita O sistema G5 é um moderno e estético sistema de alarme com GSM/SMS que permite total controlo local

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Botoeira / Acionador Manual Resetável - Acionamento Direto de Gás, Controle de Acesso em Áreas Sujeitas a Presença de Gáses, Combate e Alarme de Gás Código: AFAM5 O Acionador Manual / Botoeira Convencional

Leia mais

EQUIPAMENTO PARA RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

EQUIPAMENTO PARA RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EQUIPAMENTO PARA RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EQUIPAMENTO Marca MAZZOCCHIA Modelo MB Capacidade geométrica 10 a 12 m3 Compactação por placa, através de sistema hidráulico Sistema automático de controlo

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

2 Descrição da Empresa Focal

2 Descrição da Empresa Focal 2 Descrição da Empresa Focal 2.1 Origem e história da DNV A Det Norske Veritas 2 (DNV) é uma fundação global e independente, com o objetivo de salvaguardar a vida, a propriedade e o meio ambiente. Fundada

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO WWW.ARTMT.PT

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO WWW.ARTMT.PT ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO WWW.ARTMT.PT PRINCIPAIS ÁREAS DE INTERVENÇÃO 01. Contratos de manutenção 02. Manutenção e reparação 2.1 Manutenção e reparação industrial 2.2 Manutenção e reparação eléctrica 2.3

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Electrico 4 rodas 2 MODELOS PARA ESCOLHA DE 2500 KG A 3000 KG TECNOLOGIA AC ASSISTÊNCIA MANITOU ELECTRICO 4 RODAS

Electrico 4 rodas 2 MODELOS PARA ESCOLHA DE 2500 KG A 3000 KG TECNOLOGIA AC ASSISTÊNCIA MANITOU ELECTRICO 4 RODAS Electrico 4 rodas 2 MODELOS PARA ESCOLHA DE 2500 KG A 3000 KG TECNOLOGIA AC ASSISTÊNCIA MANITOU ELECTRICO 4 RODAS UMA GAMA COMPLETA DE EMPILHADORES INDUSTRIAIS 2 Modelos de 2,5 T a 3,0T MANITOU apresenta

Leia mais

CURRICULUM VITAE. José Figueiredo Guedes. Engenheiro mecânico. Vistoriador Naval. Perito e Auditor Ambiental

CURRICULUM VITAE. José Figueiredo Guedes. Engenheiro mecânico. Vistoriador Naval. Perito e Auditor Ambiental CURRICULUM VITAE José Figueiredo Guedes Engenheiro mecânico Vistoriador Naval Perito e Auditor Ambiental 2006 2 1 DADOS PESSOAIS Nome José Figueiredo Guedes Nacionalidade Brasileira Naturalidade Vila Nova

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Eléctricos 2013/2014 Bibliografia José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora Dores Costa, Fé de Pinho, Comando

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa!

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa! 1. ENQUADRAMENTO O PERSONIS é uma solução integrada de gestão e avaliação de desempenho que foi desenhada pela GlobalConsulting e suportada por uma aplicação desenvolvida pela CENTRAR numa estreita parceria,

Leia mais

CURRICULUM VITAE. José Figueiredo Guedes. Doutorando em Ciências e Engenharia do Ambiente. Engenheiro Mecânico. Analista de Projetos Navais

CURRICULUM VITAE. José Figueiredo Guedes. Doutorando em Ciências e Engenharia do Ambiente. Engenheiro Mecânico. Analista de Projetos Navais CURRICULUM VITAE José Figueiredo Guedes Doutorando em Ciências e Engenharia do Ambiente Engenheiro Mecânico Analista de Projetos Navais Gestor Ambiental Perito e Auditor Ambiental Perito e Avaliador de

Leia mais

Um Mundo Náutico à Sua Espera www.cnhorta.org

Um Mundo Náutico à Sua Espera www.cnhorta.org Anúncio de Regata 1.ORGANIZAÇÃO O Clube Naval da Horta, com a colaboração do Clube Naval de Santa Maria, Angra Iate Clube e o Clube Naval de Ponta Delgada, anuncia a realização da XXII regata Atlantis

Leia mais

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Apêndice I Lista de Verificação para Recebimento de Óleo Lubrificante e Retirada de Resíduos Oleosos das Embarcações. 1.0 OBJETIVO Estabelecer as orientações

Leia mais