SEGURANÇA A BORDO DOS NAVIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA A BORDO DOS NAVIOS"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA SEGURANÇA A BORDO DOS NAVIOS Por: Prof. Fernando Esteves E.N.I.D.H. 2009/2010

2 Página 2 de 23

3 ÍNDICE 1 International Maritime Organization (IMO) Convenções e Códigos Organização da Segurança a Bordo Introdução Organização de Bordo para Resposta às Situações de Emergência Navios de Carga Sinais de Alarme Activação da Equipa de Combate Locais de Reunião (Emergency Muster Stations) Constituição dos Grupos de Emergência Grupo do Centro de Comando e Controlo Grupo da Casa da Máquina Grupo de Combate Grupo de Reparações Grupo de Apoio Rol de Chamada (Muster List) Organização de Bordo para Resposta às Situações de Emergência Navios de Passageiros Cartões de Segurança Verdes Cartões de Segurança Vermelha Cartões de Segurança Azuis Sinais de Alarme Fire Patrol ou Fire Squad Bibliografia...23 Página 3 de 23

4 Página 4 de 23

5 1 International Maritime Organization (IMO) 1 Sendo a indústria dos transportes marítimos uma actividade importante para qualquer país e, ao mesmo tempo, uma das mais perigosas, foi sempre considerada importante a segurança dos navios no mar. Com essa finalidade, reconheceu-se a necessidade de desenvolver esforços no sentido de implementar legislação internacional que obrigasse todas as nações a cumprir regras que evitassem acidentes marítimos. Assim, a partir da 2ª metade do século XIX foram adoptados vários tratados tendo como objectivo a segurança marítima. Diversos países defenderam a criação de um organismo internacional permanente para promover mais eficientemente a segurança marítima, o que aconteceu por iniciativa das Nações Unidas, dando origem à criação, em 1948, da IMCO (Inter-Governamental Maritime Consultive Organization). Em 1982, o nome mudou para IMO. A Convenção IMO entrou em vigor em 1952 e a nova organização reuniu-se pela 1ª vez no ano seguinte. Os objectivos da organização, conforme resumo do Art. 1(a) da Convenção são: fornecer instrumentos de cooperação entre governos, no campo da regulamentação governamental e nas práticas relacionadas com assuntos técnicos de qualquer género relacionados com navios operando no tráfego internacional; encorajar e facilitar a adopção dos níveis mais elevados no que respeita a assuntos de segurança marítima, eficiência da navegação e prevenção, assim como o controlo da poluição marítima proveniente dos navios. Segundo o modelo das outras organizações especializadas da ONU, a IMO consiste numa Assembleia que reúne de dois em dois anos representantes de todos os Estados- Membros (169 Estados Membros e 3 Estados Associados) 2 e das organizações não governamentais com estatuto consultivo, entre os quais se encontra actualmente a Comissão Europeia 3. Nas sessões da Assembleia, o Conselho desempenha o órgão de direcção. Este Conselho é constituído por 40 membros, eleitos por dois anos e distribuídos por três categorias: Dez representantes dos Estados mais envolvidos no transporte marítimo, Dez representantes dos Estados com grande interesse no comércio marítimo internacional e Vinte representantes de Estados que tenham especiais interesses no transporte marítimo ou navegação e que assegure uma representação das maiores áreas do Mundo 4. O essencial dos trabalhos realiza-se em Comités (Committees) e Sub-Comités (Sub- Committees). Os dois mais importantes são: 1 LOrganização Marítima Internacional (OMI) 2 Em Os Estados Associados são Hong Kong, Macau e as Ilhas Faroe. 3 Alguns especialistas em Direito Comunitário põem a hipótese da possível substituição da representação dos Estados- Membros por uma única representação da União Europeia na IMO. 4 Portugal não é membro do Conselho nesta categoria para o biénio 2008/2009. Página 5 de 23

6 Comité da Segurança Marítima (MSC Maritime Safety Committee) e Comité para a Protecção do Ambiente Marinho (MEPC Maritime Environment Protection Committee) Estes dois comités são assistidos por nove sub-comités: Segurança da Navegação (NAV - Safety of Navigation), Radiocomunicações e Busca e Salvamento (COMSAR - Radio-communications and Search and Rescue), Formação, Certificação e Serviço de Quartos (STW - Standards of Training and Watchkeeping), Cargas perigosas, Cargas Sólidas e Contentores (DSC - Carriage of Dangerous Goods, Solid Cargoes and Containers), Cargas Líquidas e Gases a Granel (BLG - Bulk Liquids and Gases ), Protecção de Incêndio (FP - Fire Protection), Concepção e Equipamento dos Navios (DE - Ship Design and Equipment), Estabilidade e Linhas de Carga e Segurança dos Navios de Pesca (SLF - Stability and Load Lines and Fishing Vessels Safety) e Implementação do Estado de Bandeira (FSI - Flag State Implementation). Outros Comités: Comité Jurídico (Legal Committee), Comité da Cooperação Técnica (Technical Co-operation Committee) e Comité de Facilitação (Facilitation Committee) 5 Finalmente o Secretariado (Secretariat) é o órgão permanente que assegura o funcionamento da IMO. Encontra-se na sede da organização, em Londres, sob a autoridade de um Secretário-Geral 6, eleito por quatro anos (renováveis) pelo Conselho. Encontram-se aí a trabalhar trezentos funcionários 7 das mais diversas nacionalidades. 2 Convenções e Códigos Quando a IMO se formou, já existiam algumas Convenções, tendo ficado esta Organização responsável pela sua actualização. Como se compreende, novas Convenções foram entretanto surgindo e, sempre que tal se justifique, novas Convenções surgirão emanadas da IMO 8. Mas o processo de entrada em vigor de uma Convenção nem sempre é fácil. Há um longo caminho a percorrer, desde que uma sugestão é apresentada a um Comité até que a 5 Para tentar simplificar e unificar as formalidades marítimas. 6 Mr. Efthimios E. Mitropoulos (Greece) desde É uma das mais pequenas Agências das Nações Unidas. 8 A IMO é presentemente responsável por cerca de 50 Convenções e Acordos Internacionais e adoptou diversos Protocolos e Emendas. Página 6 de 23

7 Convenção seja adoptada e depois até que ela seja ratificada e finalmente entre em vigor 9. Para dar um exemplo desta dificuldade, podemos referir a Convenção STCW-F de Ainda não entrou em vigor, tendo sido assinada apenas por 13 países (Dinamarca, Islândia, Kiribati, Latvia, Mauritânia, Marrocos, Namíbia, Noruega, Rússia, Serra Leoa, Espanha, Síria e Ucrânia). Para contornar estas situações, a IMO arranjou uma solução, que são os Códigos. A diferença entre um Código e uma Convenção é que aquele quando é publicado indica a data da sua entrada em vigor. Aconteceu assim com o Código ISM, tornado obrigatório para navios tanques e de passageiros em 1998 e para os restantes navios em Neste caso, os Países, os Armadores, os Navios e os Tripulantes tiveram que se preparar para a entrada em vigor do Código, pois não havia outra alternativa. Depois da entrada em vigor de um Código e se a IMO o entender, pode este vir a fazer parte de uma Convenção. Foi o que aconteceu com o Código ISM, que é hoje o Capítulo IX da SOLAS. 3 Organização da Segurança a Bordo 3.1 Introdução O Código ISM (International Safety Management Code) levou à implementação de um Sistema de Gestão de Segurança (SMS Safety Management System), tendo em vista o reforço da segurança a bordo dos navios. A organização da segurança a bordo está exemplificada no organigrama da página seguinte. O Comandante é o responsável máximo pela segurança a bordo do navio mas delega essa função no Coordenador da Segurança (Safety Co-Ordinator), que deve ser o Imediato do navio. Ao Coordenador da Segurança compete planear, coordenar e supervisionar os assuntos relativos à segurança em geral e às doenças profissionais, bem como as acções de resposta ás situações de emergência. Por sua vez, o Imediato delega no Oficial de Segurança (Safety Officer) a execução das acções práticas relativas à segurança e às doenças profissionais. Dito de outra forma, o Oficial de Segurança organiza os diversos exercícios de segurança e as acções de resposta ás situações de emergência, isto é, executa aquilo que foi planificado pelo Coordenador da Segurança. Nalguns navios pode existir apenas o Oficial de Segurança que, como é óbvio, acumula a parte de planeamento com a de execução. 9 The adoption of a convention marks the conclusion of only the first stage of a long process. Before the convention comes into force - that is, before it becomes binding upon Governments which have ratified it - it has to be accepted formally by individual Governments. Página 7 de 23

8 SHIPBOARD SAFETY ORGANIZATION MASTER Consultancy/Monitoring of General Safety, Occupational Health & Hygiene and Environmental Protection. Investigation of Accidents & Dangerous Occurrences Planning, Co-ordination & Supervision of General Safety, Occupational Health & Safety, and Emergency Response Preparedness Actions Planning & Monitoring of Maintenance, Testing and Inspection Actions to Safety Equipment. Monitoring of General Safety, Occupational Health & Safety and Emergency Response Preparedness. SEP COMMITTEE (SC) SAFETY CO-ORDINATOR SHIPBOARD MANAGEMENT TEAM (SMT) Direction & Execution of Practical Actions Related to General Safety, Occupational Health & Safety, and Emergency Response Preparedness, Under the Safety Co-Ordinator s Delegation of responsibility. SAFETY OFFICER Página 8 de 23

9 O SMS cria um órgão de consulta que tem o nome de Comité de Segurança (SEP Committee Safety and Environment Protection Committee), constituído por: Comandante, que actua como presidente do comité, Coordenador da Segurança, Oficial de Segurança, Um representante dos Oficiais de Máquinas, indicado pelo Chefe de Máquinas, Dois representantes da Mestrança e Marinhagem, eleitos por votação dos tripulantes de mestrança e marinhagem. Mesmo que um navio tenha muitos tripulantes, não interessa alargar este Comité a muitos mais tripulantes, o que tornaria as reuniões regulares deste órgão pouco objectivas. Este Comité pretende ser um lugar de discussão de assuntos relacionados com a segurança em geral, com a higiene e as doenças profissionais e a protecção do meio ambiente. Um papel muito importante deste órgão é a investigação de acidentes ou de situações perigosas relacionadas com acidentes pessoais ou danos ao meio ambiente. O Comité de Segurança reúne a intervalos regulares, devendo haver uma Agenda prévia dos assuntos a debater, sendo no final da reunião emitido um relatório sobre o que se passou na reunião. Finalmente uma referência à Equipa de Gestão (SMT Shipboard Management Team), constituído por: Comandante, Chefe de Máquinas, Imediato, 1º Maquinista A Equipa de Gestão é um órgão de cúpula e como tal tem a ver com a gestão global do navio, onde se enquadra, como é óbvio, a segurança. Assim, esta Equipa faz o planeamento e a monitorização da manutenção, testes e inspecções aos equipamentos de segurança, monitoriza a segurança em geral, as doenças profissionais e as acções de resposta ás situações de emergência. Em determinadas circunstâncias, que tenham a ver com a segurança do navio, pode o Oficial de Segurança estar presente nas reuniões da Equipa de Gestão. 3.2 Organização de Bordo para Resposta às Situações de Emergência Navios de Carga No quadro da página seguinte está esquematizado um tipo de organização de Equipa de Combate às Situações de Emergência de bordo (ERT Emergency Response Team). Basicamente a organização baseia-se em 4 Grupos: Grupo do Centro de Comando e Controlo (CCCP Command & Control Centre Party), Página 9 de 23

10 Grupo da Casa da Máquina (ERP Engine Room Party), Grupo de Combate à Emergência (ERG Emergency Response Group). Este Grupo é normalmente dividido em outros 2 Grupos: Grupo de Combate (FAP Front Action Party) e Grupo de Avarias (SRP Support & Repair Party). Grupo de Apoio (EBG Emergency Backup Group) Toda a acção é dirigida e coordenada pelo Comandante a partir do Centro de Comando. Se o Comandante estiver incapacitado, essa função passa para o Imediato. Na incapacidade de Comandante e Imediato, essa função passa para o Chefe de Máquinas. Cada grupo de emergência tem um líder e um adjunto, para permitir ajustamentos na cadeia de comando. O Grupo da Casa da Máquina é dirigido pelo Chefe de Máquinas. Os restantes Grupos de Emergência são formados por Oficiais e membros da tripulação, que devem ser seleccionados segundo um critério que permita os maiores níveis possíveis de eficiência na acção de cada grupo. NOTA: As designações acima referidas para os diversos Grupos de Emergência devem ser entendidas como um exemplo, podendo os nomes variar de organização para organização. Página 10 de 23

11 ORGANIZAÇÃO DE BORDO PARA RESPOSTA ÀS SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA COMANDANTE GRUPO DO CENTRO DE COMANDO E CONTROLO IMEDIATO CHEFE MÁQUINAS OFICIAL SEGURANÇA 1º MAQUINISTA GRUPO DE APOIO GRUPO DE COMBATE GRUPO DE REPARAÇÕES GRUPO DA CASA DA MÁQUINA COMBATE DA EMERGÊNCIA EQUIPA DE COMBATE ÀS SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Página 11 de 23

12 3.2.1 Sinais de Alarme Activação da Equipa de Combate A activação da organização de ataque às situações de emergência deve ser activada quando for ouvido um destes sinais de alarme: ALERTA (ALERT) Toque continuo das Campainhas de Alarme Geral 1. Não fumar e apagar todas as luzes desprotegidas (naked lights). 2. Se não estiver a fazer uma operação essencial, dirigir-se para a Ponte ou Casa da Máquina e aguardar ordens. 3. Se estiver numa operação essencial, ficar atento às comunicações e aguardar ordens. INCÊNDIO (FIRE) (OU OUTRA EMERGÊNCIA ENVOLVENDO PERIGO DE INCÊNDIO, INCLUINDO POLUIÇÃO) Toque intermitente da Campainha de Alarme do navio, seguida de informação relativa ao tipo e localização da emergência através do P/A. Sete ou mais apitos curtos seguidos de um toque longo do apito do navio ou campainha eléctrica, audível em todo o navio. 1. Ir buscar o colete de salvação e capacete. 2. Dirigir-se imediatamente ao Local de Reunião (Muster Point). EMERGÊNCIA GERAL (GENERAL EMERGENCY) 1. Ir buscar o colete de salvação e capacete. 2. Dirigir-se imediatamente para a Estação de Embarque (Lifeboat Station) ou Local de Reunião (Muster Point)*. 3. Aguardar ordens. * Nota: depende da Organização. HOMEM AO MAR & SALVAMENTO (MAN OVERBOARD & RESCUE) Três apitos longos com o apito do navio 1. Ir buscar o colete de salvação e capacete, e ir imediatamente para o Rescue Boat ou para a Estação de Embarque (Lifeboat Station).. 2. Aguardar ordens. ABANDONO (ABANDON SHIP) Apito curto-longo-curto da campainha de alarme, do apito do navio, do fog horn ou outro qualquer sinal sonoro que o Comte possa usar para ser ouvido em qualquer ponto do navio. Este sinal é seguido de ordem dada por viva voz ou através do P/A 1. Ir buscar o colete de salvação e capacete. 2. Vista roupa adicional. 3. Dirigir-se imediatamente para a Estação de Embarque (Lifeboat Station). 4. Seguir as ordens do Comandante da baleeira ou seu substituto. Página 12 de 23

13 NOTA Nunca utilizar o elevador no caso da activação de qualquer destes sinais de alarme. O SINAL DE ALARME DE EMERGÊNCIA GERAL É UM SINAL DA CONVENÇÃO SOLAS, PELO QUE SE TRATA DE UM SINAL UNIVERSAL, A SER ENCONTRADO EM TODO O TIPO DE NAVIOS E INDEPENDENTE DA SUA BANDEIRA. OS OUTROS SINAIS INDICADOS VARIAM DE ORGANIZAÇÃO PARA ORGANIZAÇÃO, PELO QUE OS ACIMA INDICADOS DEVEM SER VISTOS APENAS COMO UM EXEMPLO Locais de Reunião (Emergency Muster Stations) Os tripulantes devem estar treinados para prosseguir para os respectivos Locais de Reunião caso se verifique uma situação de emergência Os Locais de Reunião são escolhidos em conjunto pelo Comandante, Coordenador da Segurança e Chefe de Máquinas no início da vida do navio. Normalmente escolhem-se Locais de Reunião por analogia com navios idênticos e tendo sempre em mente a localização de equipamentos importantes, centros de comunicação, rápidos e fáceis acessos, acessibilidade visual desde os centros de controlo, etc. Depois de decididos quais os Locais de Reunião, a Companhia é informada e nunca mais se alteram, excepto em circunstâncias excepcionais. Vejamos exemplos de Locais de Reunião: LOCAL DE REUNIÃO 1 (EMERGENCY MUSTER STATION 1) Grupo Localização Localização Alternativa(s) Grupo do Centro de Comando e Controlo Ponte Local de Reunião 1A ou, se inacessível devido incêndio ou avaria, outra localização conveniente escolhida pelo Comandante. Página 13 de 23

14 LOCAL DE REUNIÃO 1A (EMERGENCY MUSTER STATION 1A) Grupo Localização Localização Alternativa(s) Grupo do Centro de Comando e Controlo Escritório (1) Casa do Controlo da Carga (2) Local de Reunião 1 ou, se inacessível devido incêndio ou avaria, outra localização conveniente escolhida pelo Comandante. LOCAL DE REUNIÃO 2 (EMERGENCY MUSTER STATION 2) Grupo Localização Localização Alternativa(s) Grupo Casa Máquina Casa do Controlo da Casa da Máquina Numa ou perto de uma entrada da Casa da Máquina LOCAL DE REUNIÃO 3 (EMERGENCY MUSTER STATION 3) Grupo Localização Localização Alternativa(s) Grupo de Combate (Front Action Party) Grupo de Reparações (Suport & Repair Party) Numa ou perto de uma Estação S.I. e preparados com fatos de bombeiro e aparelhos de respiração autónomos. Numa ou perto de uma estação de controlo de um sistema fixo de combate a incêndio (Casa Espuma). Numa Estação de Embarque (Lifeboat Station) LOCAL DE REUNIÃO 4 (EMERGENCY MUSTER STATION 4) Grupo Localização Localização Alternativa(s) Grupo de Apoio (Emergency Backup Group) Numa ou perto de uma Estação S.I. e preparados com fatos de bombeiro e aparelhos de respiração autónomos ou, quando isto não for possível, numa Estação de Embarque designada para o efeito. Notas relativas à localização do Local de Reunião 1A: (1) Navio de carga (2) Navio Tanque Numa ou perto de uma estação de controlo de um sistema fixo de combate a incêndio (Casa CO 2 ) Constituição dos Grupos de Emergência A constituição dos grupos de emergência não é mais do que a divisão dos tripulantes pelos diversos grupos anteriormente mencionados. Como é evidente, um navio com poucos tripulantes, 6 por exemplo, não precisa de os dividir, enquanto que num navio de passageiros até poderão estar divididos em várias unidades de cada grupo (por exemplo, 2 Grupos de Combate). Página 14 de 23

15 Exemplo da formação de grupos num navio tanque: Grupo do Centro de Comando e Controlo Local de Reunião: 1 ou 1A Funções: Direcção geral e coordenação da resposta do navio à emergência. Ligação com a assistência externa. Notificações e relatórios. Manutenção de relatórios sobre o incidente. Composição: Comandante líder do grupo. Comunicações. Ligações com o exterior. Supervisão da navegação. 1 Oficial do Convés controla a navegação, faz registos, funções adicionais se incumbido pelo Comandante, incluindo primeiros socorros a feridos. Rádio Técnico (se houver) comunicações, ajuda nos registos, funções adicionais se incumbido pelo Comandante. Timoneiro leme ou funções de vigia, mensageiro entre os grupos de emergência se os sistemas de comunicações falharem, funções adicionais se incumbido pelo Comandante Grupo da Casa da Máquina Local de Reunião 2 Funções assegurar os serviços e a operação da casa da Máquina para dar resposta à situação de emergência. Coordenação local de resposta às emergências da Casa da Máquina. Manutenção de registos relativos ao incidente. Composição: Chefe de Máquinas líder do grupo. Assiste o Comandante na coordenação das acções de resposta às situações de emergência do navio. Supervisiona a operação da MPP e dos auxiliares. Assiste o imediato na Grupo de Combate à Emergência (ERG). Assiste o Imediato na coordenação local em emergências da Casa da Máquina. Controlo de registos da Casa da Máquina. 1º Maquinista controlo e operação da diversas máquinas da Casa da Máquina. Transmissão de mensagens de e para os grupos de emergência em caso de falha de comunicações. Outras funções designadas pelo Chefe de Máquinas Grupo de Combate Local de Reunião 3 Líder Imediato Principais tarefas do líder: Dirigir as acções no local, Verificar localmente as avarias e relatá-las ao Comandante, acções necessárias, necessidades adicionais de pessoal ou equipamento para a área da emergência (primary area). Coordenar com o Comandante as acções do Grupo de Apoio. Página 15 de 23

16 Coordenar no local com os respectivos líderes as acções do Grupo de Reparações e do Grupo de Apoio. Coordenação com o Chefe de Máquinas nas acções de resposta a emergências na Casa da Máquina. Activação dos sistemas fixos de combate a incêndio em coordenação com o Comandante e o Chefe de Máquinas mas só depois da aprovação do Comandante. Direcção das operações de salvamento (rescue operations), incluindo a verificação da entrada em espaços fechados e a utilização de aparelhos de respiração autónoma. Outros membros deste grupo: Contramestre, Bombeiro (quando aplicável), Dois marinheiros A/B (marinheiro de 1ª classe ou timoneiro) Um marinheiro O/S (marinheiro de 2ª classe) Tarefas principais dos membros do grupo: As acções dos outros membros do grupo serão as dirigidas no local (on-scene) pelo líder do grupo de acordo com as circunstâncias. Essas acções deverão cobrir o seguinte: Verificação das avarias e acções de resposta necessárias para a área da emergência (primary area). Verificação das avarias e acções de resposta necessárias para as áreas envolventes (secondary areas). Activação dos sistemas fixos de combate a incêndio (sujeito à aprovação do Comandante). Fornecimento de energia ou iluminação de emergência para o local do incidente e áreas em redor. Corte da energia eléctrica para a área de emergência e áreas em redor. Corte da ventilação. Corte de combustível (sujeito à aprovação do Chefe de Máquinas e Comandante). Transporte de equipamento necessário para combater a emergência, de acordo com instrucções do líder do grupo. Transporte de macas, equipamento de primeiros socorros e de ressuscitamento. Remover acidentados do local de emergência. Operação de extintores portáteis, mangueiras, monitores e outras aplicações de extinção de incêndios. Utilização do fato de bombeiro e aparelhos de respiração autónoma. Acções de reparação e controlo de avarias. Preparação e operação de aparelhos elevatórios de salvamento. Mensageiros em caso de falha de comunicações. Outras tarefas conforme instrucções do líder do grupo Grupo de Reparações Local de Reunião 3 Líder 1º Maquinista Principais tarefas do líder: Dirigir as acções no local, Verificar e relatar as avarias, acções necessárias, necessidades adicionais de pessoal e equipamento nas áreas em redor da emergência (secondary areas). Página 16 de 23

17 Coordenção com o Imediato nas acções conjuntas dos dois grupos. Activação dos sistemas fixos de extinção de incêndios por ordem do Imediato (as directed by Group leader). Fornecimento ou corte de energia na área de emergência ou áreas em redor por ordem do Imediato (as directed by Group leader). Corte da ventilação por ordem do Imediato (as directed by Group leader). Fechos das válvulas de combustível por ordem do Chefe de Máquinas. Direcção das acções de reparação e controlo de avarias. Outros membros deste grupo: Electricista, Mecânico Um motorista Tarefas principais dos membros do grupo: As acções dos outros membros do grupo serão as dirigidas no local (on-scene) pelo líder do grupo de acordo com as circunstâncias. Essas acções são as idênticas ao do Grupo de Combate mas com especial relevo para acções de reparação e controlo de avarias Grupo de Apoio Local de Reunião 4 Líder Oficial de Segurança 2º líder (second-in-command) um Oficial de Máquinas Principais tarefas do líder: Dirigir as acções no local, Verificar e relatar as avarias, acções necessárias, necessidades adicionais de pessoal e equipamento nas áreas em redor da emergência (secondary areas). Relatar ao Comandante as condições verificadas, acções, avarias, etc. Coordenação local com o Imediato (líder do ERG). Activação dos sistemas fixos de combate a incêndio se ordenado pelo Comandante e em coordenação com o Imediato e Chefe de Máquinas. Salvamento e transporte de feridos. Preparação de aparelhos elevatórios de salvamento Outros membros deste grupo: Um Oficial de Máquinas 1 A/B 1 O/S Cozinheiro Empregado(s) de Câmaras Tarefas principais dos membros do grupo: As acções dos outros membros do grupo serão as dirigidas no local (on-scene) pelo líder do grupo de acordo com as circunstâncias. Fecho de portas e outras aberturas. Transporte de diverso equipamento para resposta à emergência. Página 17 de 23

18 Transporte de macas, equipamento de primeiros socorros e de ressuscitação. Prestar primeiros socorros aos acidentados. Remover acidentados do local de emergência. Operação de extintores portáteis, mangueiras, monitores e outras aplicações de extinção de incêndios. Utilização do fato de bombeiro e aparelhos de respiração autónoma. Preparação e operação de aparelhos elevatórios de salvamento. Mensageiros em caso de falha de comunicações. Outras tarefas conforme instrucções do líder do grupo Rol de Chamada (Muster List) Vimos no anterior a divisão da tripulação pelos diversos grupos de emergência. Falouse também nos Locais de Reunião. Mas onde é que os tripulantes têm acesso a essa informação, isto é, como é que o tripulante sabe qual o seu grupo e onde fica o Local de Reunião? E qual a sua baleeira? Quando um tripulante embarca pela primeira vez num navio ou regressa ao mesmo navio, logo que embarca faz o chamado Safety Tour ou Volta de Segurança. O Safety Tour tem um papel muito importante, pois destina-se os percorrer pontos de interesse para o tripulante acabado de embarcar: Localização das baleeiras e jangadas insufláveis, Locais de Reunião, Saídas de Emergência Esta primeira abordagem constituída pelo Safety Tour destina-se a fornecer ao tripulante um mínimo de conhecimentos que lhe podem ser úteis se o navio tiver uma situação de emergência nas primeiras horas ou dias do seu embarque. Evidentemente que o tripulante vai ter um tempo (normalmente cerca de 15 dias) para ter completado aquilo a que vulgarmente se chama a sua Familiarização do navio (em termos de segurança). Por outras palavras, nessa parte do seu embarque e auxiliado por um folheto (booklet), o tripulante fica conhecedor de todos os equipamentos de segurança (meios de combate a incêndio e meios de salvação) ao seu dispor. No final da familiarização, o tripulante assina a publicação, que será igualmente assinado pelo Coordenador da Segurança (ou Oficial de Segurança) e pelo Comandante. Um documento que desempenha um papel importante na Familiarização é o Rol de Chamada, dada a informação que fornece: Sinais de emergência, incluindo a ordem para abandono do navio e as acções dos tripulantes quando esses sinais são accionados, Distribuição dos tripulantes pelos grupos de emergência, Distribuição dos tripulantes pelas baleeiras e respectivas funções, Distribuição dos tripulantes pelas jangadas e respectivas funções, Página 18 de 23

19 Indica os tripulantes que pertencem à tripulação do bote de socorro ou da baleeira que faz de bote de socorro e respectivas funções, Número e localização dos Locais de Reunião (Emergency Muster Station, Lifeboat Station, Liferaft Station, and Rescue Station, como aplicável) e as principais funções de cada membro da tripulação numa emergência. Funções em combate a incêndios, Fecho de portas de incêndios e portas estanques e de todas as outras aberturas que podem minimizar o perigo de expansão do incêndio ou de pôr em perigo a estanquicidade ou a perda de estabilidade do navio. Nos camarotes, os tripulantes vão encontrar um Cartão Individual (Individual Emergency Card) detalhando as responsabilidades principais e as tarefas associadas às suas funções, repetindo o que está no Rol de Chamada. 3.3 Organização de Bordo para Resposta às Situações de Emergência Navios de Passageiros Nos navios de passageiros, a organização para resposta às situações de emergência é mais complexa, como se compreende, dada a quantidade de tripulantes que estes navios têm e nas funções que lhes são atribuídas não só no combate às situações de emergência mas também no acompanhamento aos passageiros nessas situações e particularmente em caso de abandono. Uma das formas de mais facilmente organizar a tripulação é a utilização de cores nos Cartões de Segurança (Safety Cards) que são distribuídos aos tripulantes, do que damos aqui um exemplo 10 : Cartões de Segurança Verdes (Green Colour Safety Cards) Cartões de Segurança Vermelhos (Red Colour Safety Cards) Cartões de Segurança Azuis (Blue Colour Safety Cards) Estes cartões estão óbviamente de acordo com o que está no Rol de Chamada e o facto de serem distribuídos a cada tripulante visa o reforço dessa informação e, de certa forma, facilitar a sua compreensão pelo tripulante. Cada Cartão de Segurança tem a seguinte informação: Número de Segurança (Muster #) - número de segurança que está atribuído ao tripulante no Rol de Chamada. Secção (Department) a Secção a que o tripulante pertence (Convés, Máquina, Câmaras, etc.). Nome (Name) o nome do tripulante (por vezes também a Categoria do Tripulante). Grupo de Emergência (Emergency Group) o Grupo de Emergência a que o Tripulante pertence. Local de Reunião (Assembly Point) Local de Reunião para o qual o Tripulante se deve dirigir quando ouvir o sinal que activa o seu Grupo de Emergência. 10 Utilizamos aqui a organização seguida a bordo dos navios da Pullmantur Cruises Ltd., que eventualmente será diferente noutros Armadores. Página 19 de 23

20 Tarefa (Duty) tarefas que competem ao Tripulante em caso de emergência. Embarcação de Salvamento (Boat #) Baleeira ou Jangada Insuflável atribuída ao Tripulante. Função na Embarcação de Salvamento (Duty) função do Tripulante durante o abandono do navio. Vejamos agora em detalhe o que diz cada Safety card: Cartões de Segurança Verdes Os Tripulantes a quem tiver sido atribuído este Cartão são conhecidos pelos Grupos do Mr. Skylight 11. Estes Grupos estão encarregues de: controlar qualquer emergência a bordo, preparar o navio para qualquer emergência e preparar para o abandono. Existem 11 Grupos Mr. Skylight : Equipa de Avaliação (Assessment Team) Centro de Comando (Command Centre) Grupo de Controlo da Casa da Máquina (Engine Control Group) Equipa Médica (Medical Team) Grupo da Recepção (Front Desk Group) Grupo de Controlo de Avarias (Damage Control Group) Patrulha de Incêndio # 1 (Fire Squad # 1) Patrulha de Incêndio # 2 (Fire Squad # 2) Patrulha de Incêndio # 3 (Fire Squad # 3) Grupo de Preparação das Baleeiras (Boat Preparation Group) Grupo de Preparação das Jangadas (Raft Preparation Group) Estes Grupos são activados pelo anúncio da palavra código Mr. Skylight através do P/A, para que os Passageiros não se percebam da situação Cartões de Segurança Vermelha Os Tripulantes com este Cartão pertencem aos Grupos de Emergência ou aos Guias das Escadas (Stairway Guides). Existem 27 Grupos de Emergência cujas funções são evacuar, assegurar e preparar a zona do navio que lhes foi atribuída. Os Guias das Escadas estão posicionados em todas as escadas e têm como função encaminhar os passageiros para os Locais de Reunião. 11 Palavra código a ser transmitida pelo sistema P/A Página 20 de 23

IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL

IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL IMO ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL Criação: Março de1948, em Genebra. Órgão: Agência especializada e vinculada à ONU. Possui 167 Estados Membros. O Brasil integra a IMO desde 1963. Objetivo: Padronizar,

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014

A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 A Organização Marítima Internacional e a regulação da Segurança Marítima a nível Internacional ESCOLA NAVAL 30 DE ABRIL DE 2014 Agenda IMO Safe, secure and efficent shipping on cleaner oceans, through

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 946 Diário da República, 1.ª série N.º 47 6 de março de 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 51/2012 de 6 de março A segurança do transporte

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Segurança Marítima: Busca e Salvamento Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014 : Busca e João 05-05-2014 Frade 2 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3 Gestão

Leia mais

IMO: 60 anos ao serviço do transporte marítimo

IMO: 60 anos ao serviço do transporte marítimo DIA MUNDIAL DO MAR 2008 IMO: 60 anos ao serviço do transporte marítimo Mensagem do Secretário Geral da Organização Marítima Internacional Sr. Efthimios E. Mitropoulos No ano de 2008, a IMO celebra uma

Leia mais

A conferência da IMO de Manila:

A conferência da IMO de Manila: Miolo 237:Layout 1 10/09/20 11:58 Page 30 A conferência da IMO de Manila: Principais alterações à Convenção e ao Código STCW Sumário Neste artigo descrevem-se sucintamente alguns aspectos da Convenção

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela: Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Brasília, setembro de 2007 Sistema Integrado de Gestão Ambiental Processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine)

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS)

Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS) Prof. Manuel Ventura Projecto de Navios I Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval SOLAS História e Documentos Convenção, 1974 Protocolo, 1978 Emendas,

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 13/2007. Lei de Base de Segurança Marítima e de Prevenção contra a Poluição

Leia mais

6/2006 1978 1973 (MARPOL

6/2006 1978 1973 (MARPOL Decreto n.º 6/2006 Aprova as emendas ao Protocolo de 1978 da Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios, 1973 (MARPOL 73/78), adoptadas pela Resolução MEPC 115(51) da Organização Marítima

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS

ANTAQ NORMA DE PRODUTOS PERIGOSOS 18 a Reunião Ordinária da Comissão Permanente Nacional Portuária Itajaí/SC Abril de 2010 Eng. Ricardo Freire INTERFACE ENTRE OS MODAIS TERRESTRE E AQUAVIÁRIO Harmonização no Transporte de Produtos Perigosos

Leia mais

VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO

VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO VERSÃO CONSOLIDADA DA CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONFORME PROTOCOLO DE EMENDAS À CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO HIDROGRÁFICA INTERNACIONAL CONVENÇÃO RELATIVA À ORGANIZAÇÃO

Leia mais

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente

RISCO DE INCÊNDIO. Risco mais frequente RISCO DE INCÊNDIO (RJ-SCIE / RT-SCIE) Risco mais frequente Fonte: André Kosters / Lusa 29 Abril 2008 (2 mortos) Incêndio no Centro de Recolhimento da Segurança Social no Convento da Encarnação, em Lisboa.

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Departamento de Máquinas Marítimas. João Emílio C. Silva. Abril 2002

Departamento de Máquinas Marítimas. João Emílio C. Silva. Abril 2002 ESCOLA A NÁUTIICA IINFANTE D.. HENRIIQUE Departamento de Máquinas Marítimas João Emílio C. Silva Abril 2002 ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS SEGURANÇA MARÍTIMA E QUALIDADE Os apontamentos que a seguir

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA NO TRABALHO A BORDO DOS NAVIOS SINDICATO DE CAPITÃES E OFICIAIS DE MARINHA MERCANTE - SINCOMAR

MANUAL DE SEGURANÇA NO TRABALHO A BORDO DOS NAVIOS SINDICATO DE CAPITÃES E OFICIAIS DE MARINHA MERCANTE - SINCOMAR MANUAL DE SEGURANÇA NO TRABALHO A BORDO DOS NAVIOS SINDICATO DE CAPITÃES E OFICIAIS DE MARINHA MERCANTE - SINCOMAR Nº1/2012 Catalogação Recomendada: Almeida, José Manuel Manual de segurança no trabalho

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos

Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 164 Proteção à Saúde e Assistência Médica aos Trabalhadores Marítimos I Aprovada na 74ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1987), entrou em vigor no plano internacional

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Decreto n.º 11/78 Acordo de Estrasburgo Relativo à Classificação Internacional de Patentes

Decreto n.º 11/78 Acordo de Estrasburgo Relativo à Classificação Internacional de Patentes Decreto n.º 11/78 Acordo de Estrasburgo Relativo à Classificação Internacional de Patentes O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovado,

Leia mais

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas

3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas 3ª Jornadas Electrotécnicas Máquinas e Instalações Eléctricas Segurança Contra Incêndios em Edifícios Decreto-Lei 220/2008 Portaria 1532/2008 ISEP- Porto - 2010 ISEP - Abril 2010 Cap Eng Luís Bispo 1 Sumário

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização

CONVENÇÃO SOBRE A ORGANIZAÇÃO MARÍTIMA INTERNACIONAL. PARTE I Propósitos da Organização --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- ADVERTÊNCIA O presente texto é uma

Leia mais

ANEXO CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A PREVENÇÃO, ACTUAÇÃO E COOPERAÇÃO NO COMBATE À POLUIÇÃO POR HIDROCARBONETOS, DE 1990.

ANEXO CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A PREVENÇÃO, ACTUAÇÃO E COOPERAÇÃO NO COMBATE À POLUIÇÃO POR HIDROCARBONETOS, DE 1990. Decreto n.º 8/2006 Aprova a Convenção Internacional sobre a Prevenção, Actuação e Cooperação no Combate à Poluição por Hidrocarbonetos (OPRC 90), adoptada em 30 de Novembro de 1990 A Convenção Internacional

Leia mais

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2013/0285(NLE) 5.2.2015 *** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projeto de decisão do Conselho que autoriza os Estados-Membros a tornarem-se

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A.

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1.º Denominação A sociedade adopta a denominação de AICEP Global

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios

Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios. Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios Carlos Ferreira de Castro Nova Regulamentação Portuguesa de Segurança contra Incêndios em Edifícios Nuevo Reglamento Portugués de Seguridad contra Incendios en Edificios New Portuguese Code Requirements

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Os equipamentos de salvatagem e combate á incêndio são essenciais para que seja mantida a segurança dos tripulantes quando o navio estiver em operação. A

Leia mais

I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria. Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL

I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria. Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL I Conferencia Hemisférica sobre Protección Ambiental Portuaria Agência Nacional de Transportes Aquaviários BRASIL Maria Luíza Almeida Gusmão Panama - Abril 2007 Política Nacional Meio Ambiente Recursos

Leia mais

Legislação, Regras e Normas no. de Navios Mercantes

Legislação, Regras e Normas no. de Navios Mercantes Projecto de Navios Mercantes Prof. Manuel Ventura Mestrado em Engenharia e Arquitectura Naval Secção Autónoma de Engenharia Naval Regras e Legislação Regras (aceitação voluntária) Sociedades Classificadoras

Leia mais

Não obstante o seu reconhecimento internacional, a actividade de engenharia naval em Portugal não se encontra regulada no que respeita à exigência de

Não obstante o seu reconhecimento internacional, a actividade de engenharia naval em Portugal não se encontra regulada no que respeita à exigência de Não obstante o seu reconhecimento internacional, a actividade de engenharia naval em Portugal não se encontra regulada no que respeita à exigência de qualificações técnicas dos profissionais responsáveis

Leia mais

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN

PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN PROPOSTA DA DIRECÇÃO DO SPN ESTATUTOS DO SINDICATO DOS PROFESSORES DO NORTE PROPOSTA DE ALTERAÇÃO 24.NOV.2009 TEXTO ACTUAL TEXTO DA PROPOSTA (alterações a vermelho e sublinhadas) Capítulo I - DA CONSTITUIÇÃO,

Leia mais

Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional

Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta

Leia mais

Código IMDG, 10 anos depois

Código IMDG, 10 anos depois Código IMDG, 10 anos depois Código quê? 10 anos depois de quê? Perguntam muitos dos que detêm responsabilidades no domínio do transporte marítimo, ainda que com maior facilidade vão dando mentalmente resposta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Protocolo de 1992 à Convenção Internacional sobre Responsabilidade Civil pelos Prejuízos Devidos à Poluição por Hidrocarbonetos, 1969.

Protocolo de 1992 à Convenção Internacional sobre Responsabilidade Civil pelos Prejuízos Devidos à Poluição por Hidrocarbonetos, 1969. Decreto n.º 40/2001 Protocolo de 1992 relativo à Convenção Internacional sobre a Responsabilidade Civil pelos Prejuízos Devidos à Poluição por Hidrocarbonetos, de 1969, passando a constituir a Convenção

Leia mais

Desenho de Construção Naval

Desenho de Construção Naval Desenho de Construção Naval Manuel Ventura Secção Autónoma de Engenharia Naval 2006 1 Arranjo Geral do Navio Desenho de Construção Naval Instituto Superior Técnico Secção Autónoma de Engenharia Naval 2

Leia mais

Plano de Evacuação. de Evacuação

Plano de Evacuação. de Evacuação NORMAS GERAIS DE EVACUAÇÃO PROFESSORES 1 Se houver uma situação de emergência, na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: campainha normal, mas com toque diferenciado três toques

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece, ao abrigo do disposto no n.º 4 do artigo 66.º-B do Decreto-Lei

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

O PAPEL DA AUTORIDADE MARÍTIMA PORTUÁRIA NA GARANTIA DA SEGURANÇA DA CARGA, NOS NAVIOS E NO ESPAÇO PORTUÁRIO

O PAPEL DA AUTORIDADE MARÍTIMA PORTUÁRIA NA GARANTIA DA SEGURANÇA DA CARGA, NOS NAVIOS E NO ESPAÇO PORTUÁRIO O PAPEL DA AUTORIDADE MARÍTIMA PORTUÁRIA NA GARANTIA DA SEGURANÇA DA CARGA, NOS NAVIOS E NO ESPAÇO PORTUÁRIO Victor Alexandre de Carvalho Director Geral do IMPA Instituto Marítimo Portuário de Angola 1

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais