Paulo Holanda Consultor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Paulo Holanda Consultor"

Transcrição

1 Paul Hlanda Cnsultr

2 A experiência na implantaçã ds requisits da e OCDE ns CRB. Principais aspects cmumente bservads GBRCN Self-Assessment Iniciative Hmgeneidade na cnduçã de auditrias internas e prcess de implantaçã Wrkshps em diverss países ICCC12, 2010

3 Trabalh Cleções Bilógicas Cnservaçã ex-situ da matriz bilógica, seus recurss genétics e infrmaçã. Referência Serviç CRB

4 Cleções de Serviç Séc. XX: CCs 1890: Cleçã Kraal 60 s: Serviç Séc. XXI: CRB Cnslidaçã das principais cleções internacinais cm infraestrutura para a prestaçã de serviçs. Cleções fram estabelecidas cm a finalidade de cnservar e frnecer material de referência para estuds taxnômics e mnitrament epidemilógic. Estruturada para frnecer culturas puras para estuds cmparativs e identificaçã de bactérias patgênicas.

5 De Cleções a CRB WFCC (Federaçã Mundial de Cleções de Cultura): Guidelines fr the Establishment and Operatin f Cllectins f Cultures f Micrrganisms. (1994 => 1999, 2010) Brasil: SBM; MCTI (PSCC, PADCT, PBRG, TIB, Finep); FAPs. Cmunidade Eurpéia: MINE; ECCO; CABRI; EBRCN, Embarc, MIRRI. OCDE: GBIF Glbal Bidiversity Infrmatin Facility. BRC Task Frce - 2 fases. GBRCN

6 Definiçã de CRB: Uma parte essencial da infraestrutura que alicerça a bitecnlgia. Cnsistem em prestadres de serviçs e repsitóris de células vivas, genmas de rganisms, e de infrmações relativas à hereditariedade e às funções ds sistemas bilógics. Os CRBs cntêm acervs de rganisms cultiváveis (pr exempl, micr-rganisms, células de plantas, animais e humanas); partes replicáveis destes (pr exempl, genmas, plasmídes, vírus, cdnas), células e tecids de rganisms viáveis mas ainda nã cultiváveis, bases de dads cntend infrmações mleculares, fisilógicas e estruturais relevantes para esses acervs e à biinfrmática assciada. Os CRBs devem satisfazer s elevads padrões de qualidade e especializaçã exigids pela cmunidade científica internacinal e indústria, para a distribuiçã de material e infrmações bilógicas. Devem frnecer acess as recurss bilógics ds quais dependem a P&D nas ciências da vida e avanç da bitecnlgia.

7 Definiçã de CRB: Uma parte essencial da infraestrutura que alicerça a bitecnlgia. Cnsistem em prestadres de serviçs e repsitóris de células vivas, genmas de rganisms, e de infrmações relativas à hereditariedade e às funções ds sistemas bilógics. Os CRBs cntêm acervs de rganisms cultiváveis (pr exempl, micr-rganisms, células de plantas, animais e humanas); partes replicáveis destes (pr exempl, genmas, plasmídes, vírus, cdnas), células e tecids de rganisms viáveis mas ainda nã cultiváveis, bases de dads cntend infrmações mleculares, fisilógicas e estruturais relevantes para esses acervs e à biinfrmática assciada. Os CRBs devem satisfazer s elevads padrões de qualidade e especializaçã exigids pela cmunidade científica internacinal e indústria, para a distribuiçã de material e infrmações bilógicas. Devem frnecer acess as recurss bilógics ds quais dependem a P&D nas ciências da vida e avanç da bitecnlgia.

8 Centrs de Recurss Bilógics - Qualidade e Cmpetência em Materiais Bilógics e Infrmaçã - Cpyright GBRCN Demnstratin Prject Preservaçã e Prvisã de Recurss Bilógics / Bases de Dads Análises e Ferramentas Eletrônicas Crdenaçã e Unificaçã de Catálgs Biinfrmática Relacinada as Acervs Infrmaçã ds Recurss Infrmaçã Estrutural Infrmaçã Fisilógica Infrmaçã Mlecular Aplicações P, D & I Outras Aplicações Saúde Ambiente Indústria Agricultura Diversidade de Recurss Bilógics Organisms ainda nã cultiváveis Tecids Células Partes Replicáveis cdnas Vírus Plasmídes Genma Organisms Cultiváveis Céls. Humanas Céls. Animais Céls. Vegetais Micr-rganisms Funções Aspects Legais e de Prteçã Prteçã de Direits de Prpriedade Intelectual Prteçã da Saúde e Segurança Humana, Animal, Vegetal e Ambiental Prteçã Ética de Indivídus e Pacientes Regulamentações de Imprtaçã/ Exprtaçã Terms de Transferência de Materiais Prteçã de Investiments e Segreds Industriais da Indústria Privada Obrigatriedade Pública Assegurar Educaçã e Treinament Realizar P&D cm s Recurss Bilógics Recurss para Frmulaçã de Plíticas Recurss para Infrmaçã Pública Cnservaçã da Bidiversidade Prestaçã de Serviçs Infrmações e Bases de Dads Repsitóri

9 Sistema de Gestã d CRB Perspectiva da Cleçã: dcumentaçã preservaçã e estcagem pr lng-term dads (abrangência, qualidade, dispnibilidade) bissegurança e biprteçã prcesss básics d labratóri melhria cntínua Perspectiva da Organizaçã: cmprtament rganizacinal gestã ds recurss humans cndiçã financeira relaçã cm s clientes aut-avaliaçã/análise crítica

10 Sistema de Gestã d CRB Perspectiva da OCDE: questões sóci-ecnômicas; gestã financeira sustentável; equilíbri ds interesses cmerciais, científics e utras partes interessadas; interaçã cm as mdernas tecnlgias de infrmaçã invadras; elabraçã de marcs, nacinais e internacinais, nas áreas de interesses da bitecnlgia, bissegurança e biprteçã. SÓCIO- ECONÔMICO E POLÍTICO LABORATÓRIO TECNOLOGIA ORGANIZAÇÃO

11 Sistema de Gestã d CRB GESTÃO ATIVIDADES ACERVO e INFO Rastreabilidade

12 Principais Aspects Organizaçã Declarar e cmprvar cnfrmidade cm requisits legais. Regulamentaçã d camp de atuaçã; Acess (Patrimôni Genétic MP 2186 / CDB): - Pesquisa; - Desenvlviment; - Biprspecçã; - Fiel Depsitári. Declarar quais s recurss bilógics mantids e seus respectivs dmínis.

13 Principais Aspects Organizaçã Estratégia para sustentabilidade: Plan B para garantir que s recurss mais imprtantes sejam mantids e dispnibilizads. Figura d Agente de Biprteçã: garantir a cnfrmidade interna cm as bas práticas em biprteçã para CRB.

14 Principais Aspects Saúde e Segurança Prcediments específics cnfrme Risc Bilógic; Plan de respsta a Incidentes Instalações e Atividades d CRB Cndizentes cm dmíni e risc bilógic ds recurss bilógics; Ambiente que facilite a aquisiçã, manutençã e frneciment de materiais bilógics e seus serviçs; Cnfrmidade cm regulamentaçã nacinal e internacinal pertinente; Dcumentaçã (descriçã das áreas e prcesss, avaliações de risc, etc.).

15 Principais Aspects Instalações e Atividades d CRB Áreas aprpriadas para recepçã e armazenament, prepar, reativaçã, manipulaçã, prcessament e frneciment; Área para armazenament de material bilógic e cópia de segurança d acerv; Descntaminaçã e limpeza de equipaments e tratament de resídus; Plítica para interrupções: cnstruçã, refrma, repar u trabalh que prduza sujeira; Prgrama de mnitrament de cntaminaçã ambiental, d ar e das superfícies; Respnsabilidades em cas de cntaminações (ex. análise de causa, implementaçã das ações crretivas).

16 Principais Aspects Acess a CRB Acess restrit; Us de dispsitivs de segurança cnfrme risc bilógic. Dads e Infrmática Gerir e armazenar seus dads e prduzir catálgs eletrônics baseads em infrmações autenticadas e validadas; Frnecer rastreabilidade ds dads pr mei de um históric de mdificações; Usar terminlgia, frmats e prtcls padrnizads para gerenciament e trca de dads; Cnjunt de dads: CMD: infrmações essenciais para identificar um item únic n CRB CRD: infrmações úteis para uma melhr descriçã d material CCD: infrmaçã restante que está dispnível n CRB

17 Principais Aspects Prcessament de Dads infraestrutura adequadas (instalações e hardware); Prcediment para perda de linhagem; Medidas de segurança para prteger as infrmações e s dads cnfidenciais; Prcediment bem definid para cópia de segurança (backup). Acess e Publicaçã de Dads Dispnibilizar dads sbre s recurss e catálgs; instalações próprias u redes especializadas Atualizações cm frequência definida; Restrições de acess a catálg sã desejáveis, quand aprpriad.

18 Principais Aspects Depósit e Frneciment (distribuiçã) Prcediments cndizentes a tip de material recebid/frnecid; Dcumentaçã da avaliaçã de risc; Revisã e atualizaçã regular da avaliaçã; Frmulári de depósit; Registr das slicitações; TTM Term de Transferência de Material; Cnfirmaçã da identidade d slicitante; Cmprvaçã d recebiment; Regulamentaçã nacinal e internacinal para acndicinament e transprte (ex. IATA, ADR, ANTT).

19 Principais Aspects Verificaçã da Qualidade d Material Bilógic Plan de manutençã para s recurss armazenads. Preservaçã e Manutençã Pel mens dis métds de preservaçã diferentes u mantids em lcais separads; Inventári d acerv (descriçã detalhada, quantidade, lcal, etc.); Cópia de segurança em lcal remt; Dimensinament ds acervs mestre (semente) e distribuiçã.

20 Principais Aspects Risc Bilógic Gestã de risc Avaliaçã de risc Visã d risc (percepçã, cnsciência) Classificaçã d Risc De acrd cm a OMS: Grup de Risc 1: nenhum u baix risc individual e cmunitári; Grup de Risc 2: mderad risc individual, baix risc cmunitári; Grup de Risc 3: alt risc individual, baix risc cmunitári; Grup de Risc 4: alt risc individual e cmunitári.

21 Principais Aspects Segurança Física d CRB Nível de Risc Segurança Física Desprezível u baix Mderad Alt Área de segurança geral Área restrita Área de alta segurança

22 Principais Aspects Avaliaçã de Risc Realizar avaliaçã de risc em nvas aquisições; Dispnibilizar um resum das avaliações de risc na transferência d material para destinatári; Reavaliações devem ser feitas quand há nvas infrmações sbre material. Equipe: Agente de bissegurança e biprteçã Treinaments específics (IATA, MSDS, CIPA, etc.) Antecedentes

23 Principais Aspects Segurança da Infrmaçã Avaliaçã de risc da infrmaçã para determinar quais infrmações apresentam um risc e tmar as medidas necessárias para prteger as infrmações plausíveis de serem usadas para facilitar rub de material de risc mderad u alt.

24 ICCC-12, Flrianóplis, Brazil Wrkshp: Self Assessments (Internal Audits) accrding t the OECD Best Practice Guidelines Part 1: Risk Assessment Martin, D. & Hlanda, P Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

25 Os 3 Cmpnentes Básics da Análise de Risc: Gestã de Risc : identificaçã, avaliaçã e pririzaçã ds riscs. Avaliaçã de Risc: determinaçã de valres quantitativs u qualitativs d risc relacinad a uma situaçã cncreta e a um perig recnhecid. Cmunicaçã d Risc: visa a tmada de decisã individual e cletiva. Risk Management Plicy based Risk Assessment Science based Risk Cmmunicatin Interactive exchange Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

26 Gestã de Risc Cicl PDCA Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

27 Avaliaçã de Risc Principais aspects: A avaliaçã de risc deve respnder 3 perguntas: 1. O quê pde dar errad? 2. Qual a prbabilidade de que acnteça alg errad? 3. Quais as cnsequências se alg der errad? Gvernments Academia Private Industry Public Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

28 Avaliaçã de Risc Fluxgrama: ISO Gestã de Risc

29 Avaliaçã de Risc Fluxgrama: ISO Gestã de Risc de Segurança da Infrmaçã

30 Avaliaçã de Risc Círcul de avaliaçã: Estabelecer cntext Avaliar gerenciament Identificar risc Envlver as partes interessadas Gerenciar risc Analisar risc Avaliar e ranquear risc Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

31 Avaliaçã de Risc cm parte d Sistema de Gestã Sistema de Gestã Uma estrutura que integra as melhres práticas e prcediments Garante que uma rganizaçã pde, efetivamente, atingir tds s seus bjetivs Frequentemente cnstruíd em trn d cicl PDCA Gestã de Risc Bilógic Risc Bilógic englba a bissegurança e biprteçã, nde s perigs sã s agentes bilógics e seus prduts Estabelece sistemas e plíticas para gerenciar risc bilógic de um labratóri Integral nas perações d dia-a-dia da rganizaçã, tant em temps nrmais cm em temps de emergência Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

32 Espectr d risc bilógic (Taylr, 2006) Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

33 Os 3 Cmpnentes Básics da Análise de Risc: Gestã d Risc - avaliar plíticas alternativas - selecinar e implantar as pções aprpriadas Avaliaçã d Risc - identificaçã e caracterizaçã d perig bilógic - avaliaçã da expsiçã - caracterizaçã d risc Cmunicaçã d Risc - trca interativa de infrmaçã e piniões acerca ds riscs Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

34 Risk Assessment & Risk Management in Labratries Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

35 Avaliaçã de Risc n CRB A avaliaçã de risc de um CRB deveria cnter: Caracterizaçã d agente (grup de risc) Fatres relacinads à equipe (experiência) Fatres relacinads à atividade Fatres ambientais Fatres relacinads a us de equipaments Cnsequências e Prbabilidade d risc Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

36 Avaliaçã de Risc n CRB Caracterizaçã d Agente: Patgenicidade d material: incidência e severidade Vias de Transmissã: n ar, parenteral u ingestã Estabilidade d agente: facilidade de descntaminaçã Dse Infeccisa: LD50 Cncentraçã: material infeccis / vlume / vlume de trabalh Origem d material: selvagem, exótica, céls. primárias Dispnibilidade de prfilaxia eficaz: vacinas Vigilância médica - eficácia e dispnibilidade de tratament Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

37 Avaliaçã de Risc n CRB Fatres Relacinads à Equipe: Treinament e experiência em bissegurança Treinament e experiência cm s POP Treinament em leitura de HMSDS (ficha de segurança de materiais perigss) Treinament n us de EPI Grau de experiência cm agente Cndiçã física (imundeprimids) Alergias (animal u ambiental) Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

38 Avaliaçã de Risc n CRB Fatres Relacinads à Atividade: Ptencial de aerlizaçã Ptencial de aut-inculaçã (us de agulhas) Vlume e cncentraçã manipulada Us de animais (mrdidas e arranhões) Características das linhagens celulares Prduçã de txinas Mdificaçã d patógen (resultad / implicaçã) Us de vetres Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

39 Avaliaçã de Risc n CRB Fatres Ambientais: Nível de cntençã dispníveis Grau de mnitrament de fatres de cntençã Impact das atividades externas Biprteçã (acess e cntrle de estque) Dispnibilidade e cndições d suprte de emergência (extintres, etc) Pessal de limpeza u de utras atividades Áreas de acess públic Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

40 Avaliaçã de Risc n CRB Fatres Relacinads a Us de Equipaments: Manutençã (frequência, autrizaçã, etc.) Manual u autmatizad Sistemas aberts u fechads Presença de reservatóris (vazis, fechads e limps) Lcal de us (ventilaçã, NB3, etc) *Bissegurança e biprteçã devem ser cnsiderads ns POP e IU Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

41 Avaliaçã de Risc n CRB Cnsequências d Risc: Pessas Ambiente Negócis Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

42 Avaliaçã de Risc n CRB Prbabilidade d Risc: Tempral Medidas e definições Registr lcal u mundial (históric) Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

43 Exempls: Fnte: Adaptad de Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

44 Fnte: Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

45 Fnte: Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

46 Fnte: Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

47 Fnte: Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

48 Exempl de prcediment para definiçã da categria de remessa de acrd cm a ONU

49 A substância cntém patógens? NÃO SIM A remessa nã é 6.2 O material fi cletad para fins de transplante u transfusã? NÃO SIM É uma cultura preparada para a prduçã intencinal de patógens? SIM Pde cnter substância infecisa que, quand a expsiçã a ela crre, é capaz de causar incapacidade permanente, ameaça à vida u dença fatal para humans e/u animais? NÃO SUBSTÂNCIA INFECCIOSA CATEGORIA A: UN 2814 u UN 2900 PI 602 NÃO SIM SUBSTÂNCIA INFECCIOSA CATEGORIA B: UN 3373 PI 650

50 Avaliaçã de Risc n CRB Exempl de prcediment para definir nível de cntençã de acrd cm perig bilógic

51 Fnte: Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

52 Fnte: Martin & Hlanda, 2010 Cpyright GBRCN Demnstratin Prject

53 Ferramentas para Avaliaçã de Risc n CRB

54 Ferramentas para Avaliaçã de Risc n CRB

55 Demais aspects da OCDE Pessal Equipaments Validaçã Incerteza da Mediçã Manutençã, Supriments e Frnecedres / Terceirizads Relacinament cm Cliente Auditrias Internas Análise Crítica Melhria Cntínua

56 Obrigad! Paul Hlanda

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company.

SUMÁRIO. A Stavale & CCT oferece treinamentos abertos e in company. A Stavale & CCT ferece treinaments aberts e in cmpany. Clabradres mais qualificads e empresa mais lucrativa. Sluções mais rápidas e efetivas. Treinaments custmizads para sua empresa. Dispms de sala cm

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação Cmpetências Clínicas para a Prática de Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã (Cnsultres em Amamentaçã) demnstram

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Anglo American. Biodiversidade Brasil

Anglo American. Biodiversidade Brasil Angl American Bidiversidade Brasil GRUPO ANGLO AMERICAN A Angl American é um ds maires grups de mineraçã e recurss naturais d mund, cmprmetida em perar de frma sustentável e respnsável. Um ds Princípis

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. / ///Quality management systems -'Requirements

NORMA BRASILEIRA. / ///Quality management systems -'Requirements NRMA BRASILIRA ABNT NBR IS 9001 Segunda ediçã 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 in g a. t^ J d LL ili _j f- : ir D Í 9 : 3 Cl Versã crrígida 11.09.2009 /Sistemas de gestã dá qualidade Requisits

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno Lista de Verificaçã Nrma de Referência Sel de Qualificaçã ABPM Categria Plen REGRAS GERAIS SOBRE A AUDITORIA E USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO Esta lista de verificaçã aplica-se smente às auditrias para Categria

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Sustentabilidade para Cmbustíveis: Tips de cmbustíveis: Para ônibus deverá ser utilizad diesel cm 20% de bidiesel (B20), de rigem vegetal; Para geradres deverá ser utilizad diesel cm 20%

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

MONITORIA & AVALIAÇÃO:

MONITORIA & AVALIAÇÃO: MONITORIA & AVALIAÇÃO: Os fundaments para bter resultads Bénédicte de la Briere O Banc Mundial Os bjetivs desta sessã 1 2 3 4 5 Prquê cncentrar-se ns resultads Mnitria u Avaliaçã Utilizar uma cadeia de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Guia de Leitura do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Guia de Leitura do Plano Diretor de Tecnologia da Informação Guia de Leitura d Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã O Plan Diretr de Tecnlgia da Infrmaçã (PDTI) é um instrument de diagnóstic, planejament e gestã ds recurss e prcesss de Tecnlgia da Infrmaçã (TI).

Leia mais

GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016

GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016 GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016 Módul l CIENCIAS EMPRESARIAIS ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO PESSOAL - DOCUMENTAÇÃO 05 de Març Sábad Das 9 às 17h Apresentaçã d curs Sbre lcal de

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário

Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e vocabulário ASSCIAÇÃ BRASILIRA NRMAS TÉCNICAS NFIRMAÇÃ D NRMA BRASILIRA ABNT NBR IS 9000:2005 Sistemas de gestã da qualidade Fundaments e vcabulári A ABNT, cnsiderand que a Nrma Internacinal (IS 9000:2005) fi cnfirmada

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade.

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade. Sistema de Gestã de Prcesss Sistema de Gestã da Qualidade Utilizaçã ds Serviçs de Bibliteca 1- Objetiv Orientar e apiar a utilizaçã ds serviçs de Bibliteca pr parte d crp dcente, discente e cmunidade.

Leia mais

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

Procedimentos Hospitalares do SUS por local de internação de 1992 a 2007 Notas Técnicas. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Prcediments Hspitalares d SUS pr lcal de internaçã de 1992 a 2007 Ntas Técnicas Origem ds dads Os dads dispníveis sã riunds d Sistema de Infrmações Hspitalares d SUS - SIH/SUS, gerid pel Ministéri da Saúde,

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente

Autocalibração com erros relacionados ao Sistema, Auto CQ e Troca de Reagente As Clientes ds Sistemas de Química ADVIA. Referente: Ntificaçã Urgente de Segurança em Camp CHSW 13 03 10816443 Rev. A Data Nvembr / 2013 E-mail assunts.regulatris.br@siemens.cm Internet www.siemens.cm

Leia mais

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!)

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!) Data Mining Prfessr Jrge Mreira jmreirajr@htmail.cm Mtivaçã A infrmatizaçã ds meis prdutivs permitiu a geraçã de grandes vlumes de dads: Transações eletrônicas; Nvs equipaments científics e industriais

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais