Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje"

Transcrição

1 Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje

2 Como vive e pensa o jovem que chega à Universidade

3 Estrutura da Exposição I ANÁLISE FENOMENOLÓGICA DA MODERNIDADE II ANÁLISE SOCIOLÓGICA DAS CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA III IDEOLOGIA INDIVIDUALISTA IV IMPACTO NA SUBJETIVADADE V OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

4 I PARTE ANÁLISE FENOMENOLÓGICA DA MODERNIDADE

5 Esquemas Culturais ( PARADIGMA ) Pré - Moderno Moderno Supra - Moderno Princípio Unificador Ordem Estabelecida Não mais um princípio Unificador. Subjetividade. Pluralismo

6 Projeto da Modernidade Imanência da Razão Afirmação da Subjetividade Só tem valor aquilo que a Razão explica O sujeito é o centro de todas as referências

7 II PARTE Análise Sociológica das características da Sociedade Contemporânea

8 Modernidade / Modernidade tardia Sociedade Contemporânea Fenômenos Contemporâneos Ideologia Individualista Nova Subjetividade

9 Sociedade Contemporânea 1) Sociedade Pós-industrial 2) Sociedade de Consumo. 3) Sociedade do Espetáculo. 4) Cultura do Simulacro (Imagem)

10 Sociedade Pós - Industrial Eixos da Sociedade Pós - Industrial Princípio Axial a) Esfera Técnico - Econômico Racionalidade Funcional. b) Esfera Governamental Legitimidade c) Esfera Cultural Hedonismo CRISE = Quando o Hedonismo surge como princípio global.

11 Consumo (Baudrillard) Consumo é um modo ativo de relação (não somente dos objetos, mas da coletividade e do mundo), um modo de atividade sistemática e de resposta global sobre a qual se funda todo o nosso sistema cultural.

12 Leis da Sociedade de Consumo Escolher Comprar Você não pode deixar de não escolher Compre hoje, pague amanhã

13 Espetáculo ( Debord) Espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, medida por imagem.

14 Leis da Sociedade do Espetáculo Superficialidade Passageiro Glamourização Efêmero

15 Fenômenos Contemporâneos Fenômenos que apontam para uma Nova Sensibilidade a) Sociedade centrada no Eu b) Pura Indiferença c) Sedução no stop d) Fenômenos Extremos Fenômenos que estruturam uma Nova Sensibilidade a) Moda b) Cultura de Massa

16 Modernidade Tardia Pós- Modernidade Hipermodernidade Época de Libertação Vida Light Era do Vazio Era do Consumo

17 Impacto antropológico Fenômenos que revelam o lado negativo a) Enfraquecimento dos laços afetivos b) Desenraizamento pela globalização c) Comunicação: a impessoalidade d) Busca da felicidade no efêmero Fenômenos que revelam o lado positivo a) Sociedade tornou-se mais pluralista b) Possibilidade de escolhas jamais vistas c) Os desafios tronaram-se mais complexos d) Melhor qualidade de vida

18 III PARTE Ideologia Individualista

19 Ideologia Contemporânea Individualismo Contemporâneo a) O Outro como objeto. b) Isolamento de Si Mesmo. Amar a mim mesmo - Não necessito do outro para me fazer feliz.

20 Individualismo Contemporâneo Consumista Hedonista Narcisista

21 Consumismo a) Bens e Serviços. b) Apelo ao Novo. c) Processo de Sedução.

22 Hedonismo a) Preocupação à Curto Prazo. b) Vida Privada. c) Lazer Individual.

23 Narcisismo a) Centramento em Si Mesmo. b) Culto ao Corpo. c) Superego X Ego.

24 PRINCÍPIOS DO MODO DE SER CONTEMPORÂNEO

25 O que está por debaixo dessa postura?

26 O que está por debaixo dessa postura Autonomia do sujeito Esvaziamento da alteridade Centramento do EU O outro como objeto

27 Autonomia do Sujeito Afirmação do indivíduo Princípio individualista Organização da sociedade

28 Esvaziamento da Alteridade Respeito pela idade Invisibilidade do outro Falta de admiração

29 IV PARTE A Subjetividade Hipermoderna

30 O centramento no Eu Consumo Moda Você escolhe exclusivamente a partir de você É a afirmação do indivíduo

31 Estetização da existência Efêmero Superficialidade Ditadura da Mudança Mudança X Aprofundamento

32 A grande questão: Modos de vida atuais a) Linha do TER b) Linha do PARECER A sociedade não consegue preencher as aspirações humanas.

33 Impacto na Subjetividade

34 Subjetividade Hipermoderna Subjetividade Antiga Subjetividade Contemporânea Centrada no Nós Centrada no Eu Valores Eternos Valores Imediatos

35 Organizadores da Subjetividade Contemporânea Concepção de Felicidade A lógica da diversão A liberdade sem limites

36 Enfraquecimento do laços afetivos Amor Amizade Na vida conjugal

37 Eclipse da reciprocidade Afeto gratuito Solidariedade União familiar

38 Perda da direção da vida Perda do sentido Ser governado Viver em função dos outros

39 V Parte: Busca da superação ou o enfrentamento dos desafios

40

41 Forças capazes de articularem uma nova sociedade Ética Direitos Humanos Ecologia

42 Reorganização da Existência a) Redescoberta da Alteridade b) Resignificar o sentido da vida c) Consolidação da confiança básica d) Fortalecimento dos vínculos afetivos

43 Sociedade da imagem Imagem Discurso Valoriza-se o visual e o belo A reflexão que provoque o pensar

44 Vínculos afetivos Laços Moda Sociedade que Enfraquece os laços Afetivos Busca de uma relação dialógica

45 Virtualidade Internet Presença Presença do Ilimitado, instantâneo e velocidade rápida Que exige tempo E maturação

46 Pluralidade Diversidade Educação A necessidade de uma grande variedade de profissões Que atenda essa exigência de diversidade

47 Valorização dos aspectos positivos a) Sociedade tornou-se mais pluralista b) Possibilidade de escolhas jamais vistas c) Os desafios tronaram-se mais complexos d) Buscar melhor qualidade de vida

48 RESPEITO Cada um de nós tem seu próprio ritmo. Devo estar atento para não querer imprimir no outro o meu ritmo. Temos o impulso de que o melhor para o outro é o que é melhor para mim. Isto não é verdade. J.P

49 Quem tenta ajudar uma borboleta a sair do casulo a mata.quem tenta ajudar um broto a sair da semente o destrói. Há certas coisas que não podem ser ajudadas. Têm de acontecer de dentro para fora. Rubem Alves

PREPARANDO PARA O FUTURO: ENTENDENDO. Luiz Sayão

PREPARANDO PARA O FUTURO: ENTENDENDO. Luiz Sayão PREPARANDO PARA O FUTURO: ENTENDENDO A PÓS-MODERNIDADEP A PÓS-MODERNIDADEP CONCEITUAÇÃO: O movimento da cultura que rejeita os valores da modernidade e vê com desconfiança a os princípios pios racionais

Leia mais

Modernidade Tardia: desafios para a docência no Ensino Superior

Modernidade Tardia: desafios para a docência no Ensino Superior Nascidos X Baixados... alfredoveiganeto@uol.com.br Pensar o presente para... Compreendê-lo; Viver nele da melhor maneira possível; Estar preparado para as mudanças que estão surgindo e nos atropelam. Para

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Igreja e Pós-mod LUIZ SAYÃO

Igreja e Pós-mod LUIZ SAYÃO Igreja e Pós-mod dernidade OS DESAFIOS DA PÓS-MODERNIDADE LUIZ SAYÃO PÓS-MODERNIDADE DESAFIOS METODOLÓGICOS PÓS-MODERNIDADE E INDEFINIÇÃO PÓS-MODERNIDADE E MUDANÇAS VELOZES PÓS-MODERNIDADE E REBELDIA JUVENIL

Leia mais

DISCIPLINA: MODERNIDADE E ENVELHECIMENTO 3º E 5º SEMESTRE: SERVIÇO SOCIAL - UNICASTELO OS IDOSOS, AS REDES DE RELAÇÕES SOCIAIS E AS

DISCIPLINA: MODERNIDADE E ENVELHECIMENTO 3º E 5º SEMESTRE: SERVIÇO SOCIAL - UNICASTELO OS IDOSOS, AS REDES DE RELAÇÕES SOCIAIS E AS DISCIPLINA: MODERNIDADE E ENVELHECIMENTO 3º E 5º SEMESTRE: SERVIÇO SOCIAL - UNICASTELO OS IDOSOS, AS REDES DE RELAÇÕES SOCIAIS E AS RELAÇÕES FAMILIARES AUTORA: ANDRÉA MORAES ALVES PROFª MARIA APARECIDA

Leia mais

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira AULA-5 Os Sem-Igreja Igreja(parte 2): O desinteresse pela igreja e o momento atual da fé evangélica no contexto da pós modernidade e do secularismo IGREJA E CULTO Por que me importar? Presb. José Cordeiro

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Educação- Mestrado Av. Frei Paulino, 30 Abadia - 38025 - (34) 3318-5803

Leia mais

coleção Conversas #21 - ABRIL e t m o se? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #21 - ABRIL e t m o se? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Sou bem que ele mais v coleção Conversas #21 - ABRIL 2015 - m o c está l e g i o h a que e l apenas por in e t. er e s se? Será Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

Leia mais

Índice. 1. Conceitos Gerais As Principais Características da Cultura Pós-Moderna e/ou Cultura Líquida...3. Grupo 6.

Índice. 1. Conceitos Gerais As Principais Características da Cultura Pós-Moderna e/ou Cultura Líquida...3. Grupo 6. GRUPO 6.2 MÓDULO 8 Índice 1. Conceitos Gerais...3 2. As Principais Características da Cultura Pós-Moderna e/ou Cultura Líquida...3 2 1. CONCEITOS GERAIS Do ponto de vista histórico, mais três descobertas

Leia mais

Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01

Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01 Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01 Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01 A lógica do consumo/hiperconsumo hipermoderno como chave interpretativa para a compreensão dos movimentos

Leia mais

Mopi Integrado I REUNIÃO DE PAIS 6º Ano do Ensino Fundamental 01/02

Mopi Integrado I REUNIÃO DE PAIS 6º Ano do Ensino Fundamental 01/02 Mopi Integrado I REUNIÃO DE PAIS 6º Ano do Ensino Fundamental 01/02 MISSÃO Incentivar no aluno atitudes para que aprenda a transformar simples informação em conhecimento e estimulá-lo a construir e a usufruir

Leia mais

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado;

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado; CARTA VERDE DE FORTALEZA A vida de uma cidade, antes de tudo, é consolidada pela prática da política no seu seio. A política é a grande protagonista do desenvolvimento e é concretizada através dos políticos.

Leia mais

TER OU SER: A SOCIEDADE NARCÍSICA DO CONSUMO 1

TER OU SER: A SOCIEDADE NARCÍSICA DO CONSUMO 1 TER OU SER: A SOCIEDADE NARCÍSICA DO CONSUMO 1 SCARIOT, I. 2 ; ALVES, M. S. 2 ; IENSEN, S. 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA),

Leia mais

FREUD E ERIK ERIKSON. Psicologia do Desenvolvimento

FREUD E ERIK ERIKSON. Psicologia do Desenvolvimento FREUD E ERIK ERIKSON Psicologia do Desenvolvimento Sigmund Freud (1856 1939), médico austríaco Fundador da psicanálise. O aparelho psíquico ID o mais antigo, contém tudo que é herdado (sobretudo os instintos);

Leia mais

O JOVEM UNIVERSITÁRIO E O MUNDO ATUAL: UMA BREVE REFLEXÃO

O JOVEM UNIVERSITÁRIO E O MUNDO ATUAL: UMA BREVE REFLEXÃO O JOVEM UNIVERSITÁRIO E O MUNDO ATUAL: UMA BREVE REFLEXÃO Maria Helena Duarte de Oliveira, Pedagoga e Psicóloga Resumo O objetivo deste artigo é pontuar algumas facetas da identidade dos jovens que hoje

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO E ENVELHECIMENTO. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto

DESENVOLVIMENTO HUMANO E ENVELHECIMENTO. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto DESENVOLVIMENTO HUMANO E ENVELHECIMENTO Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto O desenvolvimento humano começa com o nascimento e não cessa até a morte, porém variam em cada etapa, os tipos, as manifestações

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Compreendendo as Relações Interpessoais numa Sociedade Digital

Compreendendo as Relações Interpessoais numa Sociedade Digital Compreendendo as Relações Interpessoais numa Sociedade Digital Compreendendo as Relações Interpessoais na Geração Emergente Zigmunt Bauman Amor Líquido: Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos MODERNIDADE

Leia mais

CURRÍCULO MÍNIMO 2013

CURRÍCULO MÍNIMO 2013 CURRÍCULO MÍNIMO 2013 (Versão preliminar) Componente Curricular: SOCIOLOGIA (Curso Normal) Equipe de Elaboração: COORDENADOR: Prof. Luiz Fernando Almeida Pereira - PUC RJ ARTICULADOR: Prof. Fábio Oliveira

Leia mais

Disciplina: Novas Lógicas e Literacias Emergentes no Contexto da Educação em Rede:

Disciplina: Novas Lógicas e Literacias Emergentes no Contexto da Educação em Rede: Escola de Comunicação e Artes Universidade de São Paulo Disciplina: Novas Lógicas e Literacias Emergentes no Contexto da Educação em Rede: Práticas, Leituras e Reflexões Docente: Brasilina Passarelli Aluna:

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

ARTES VISUAIS 3º ANO

ARTES VISUAIS 3º ANO ARTES VISUAIS Conteúdos Teóricos Renascimento. Barroco. Vanguardas Artísticas. Arte Moderna e Contemporânea. Técnicas Desenho da figura humana. Pintura em tela. CIDADANIA Entendendo os paradigmas contemporâneos.

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

Comportamento do consumidor (Pensamentos, sentimentos e ações). a

Comportamento do consumidor (Pensamentos, sentimentos e ações). a Comportamento do consumidor (Pensamentos, sentimentos e ações). a Antes de 1990- Visão de consumidor Depois de 1990- Visão de cliente indivíduos, com suas necessidades entendidas e atendidas individualmente.

Leia mais

UMA HISTORIADORA ENTRE A FAMÍLIA, AS MULHERES E AS CRIANÇAS NO SÉCULO XIX: ENI DE MESQUITA SAMARA

UMA HISTORIADORA ENTRE A FAMÍLIA, AS MULHERES E AS CRIANÇAS NO SÉCULO XIX: ENI DE MESQUITA SAMARA UMA HISTORIADORA ENTRE A FAMÍLIA, AS MULHERES E AS CRIANÇAS NO SÉCULO XIX: ENI DE MESQUITA SAMARA Esmeralda Blanco B. de Moura Universidade de São Paulo Ao encerrar a introdução de As mulheres, o poder

Leia mais

SOCIEDADE TECNOLÓGICA GLOBALIZAÇÃO

SOCIEDADE TECNOLÓGICA GLOBALIZAÇÃO SOCIEDADE TECNOLÓGICA GLOBALIZAÇÃO Maravilhas da tecnologia x horrores da miséria absoluta - sondas, naves espaciais, telescópios, velocidades incríveis, transplantes expectativa aumento tempo de vida...

Leia mais

Auto-Estima. Elaboração:

Auto-Estima. Elaboração: Auto-Estima Elaboração: www.searadomestre.com.br Estima 1. Apreciação favorável de uma pessoa ou coisa; amizade, apreço, afeição. 2. Consideração. 3. Estimativa, avaliação. O que é Qualidade de Vida? Requisitos

Leia mais

Ética e Poder na Sociedade da Informação

Ética e Poder na Sociedade da Informação Ética e Poder na Sociedade da Informação De como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito do progresso. Grupo: Brunna Correia Daniel Galdão Fernando Yoshihiro Gabriel Seixas Julien Pinto

Leia mais

Modernidade e Modernidades. O fim da modernidade ou uma outra modernidade? Modernidade: uma ou várias?

Modernidade e Modernidades. O fim da modernidade ou uma outra modernidade? Modernidade: uma ou várias? Modernidade e Modernidades O fim da modernidade ou uma outra modernidade? Modernidade: uma ou várias? A crítica da Pós-modernidade Capitalismo tardio e a crítica de pós-modernidade A. GIDDENS: alta modernidade

Leia mais

Pesquisa de opinião Você está satisfeito com a sua vida conjugal?

Pesquisa de opinião Você está satisfeito com a sua vida conjugal? Outubro, 2016 Pesquisa de opinião Você está satisfeito com a sua vida conjugal? Outubro, 2016 Introdução O Instituto do Casal realizou uma pesquisa online com 510 pessoas, entre homens e mulheres, entre

Leia mais

A FILOSOFIA DA TFCA. O Amor Humano

A FILOSOFIA DA TFCA. O Amor Humano O Amor Humano O amor humano é doação total sem pedir retorno do outro. O amor é a vida para o outro sem que o outro possa viver para mim. Exemplo: um casal adotou duas crianças deficientes físicas totais

Leia mais

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO

Revista Filosofia Capital ISSN Vol. 1, Edição 2, Ano BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO 30 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO Moura Tolledo mouratolledo@bol.com.br Brasília-DF 2006 31 BREVE ANÁLISE FILOSÓFICA DA PESSOA HUMANA DO PERÍODO CLÁSSICO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO CRONOGRAMA DAS PROVAS ARQUEOLOGIA PROVA DATA HORÁRIO Prova Escrita 26 de maio 14h Entrega da proposta de 26 de maio 14h Resultado da prova escrita e 27 de maio 14h sorteio de pontos Prova didática 28 de

Leia mais

VER-SUS Litoral Piauiense 2016 A INTENSIDADE DE VIVER SÓ ENQUANTO EU RESPIRAR VOU ME LEMBRAR DE VOCÊ (S)

VER-SUS Litoral Piauiense 2016 A INTENSIDADE DE VIVER SÓ ENQUANTO EU RESPIRAR VOU ME LEMBRAR DE VOCÊ (S) VER-SUS Litoral Piauiense 2016 A INTENSIDADE DE VIVER SÓ ENQUANTO EU RESPIRAR VOU ME LEMBRAR DE VOCÊ (S) Lanniely Sousa Lima 1º Dia - 23/01/2016 As primeiras impressões ao adentra no campo de vivencia

Leia mais

Tendências e Mercado: Conceitos Introdutórios Tarcisio D Almeida

Tendências e Mercado: Conceitos Introdutórios Tarcisio D Almeida Tendências e Mercado: Conceitos Introdutórios Tarcisio D Almeida Todas as sociedades modernas existem e confirmam sua produção material de bens de consumo através da existência de um mercado, que faz com

Leia mais

LIPOVETSKY. G. & SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LIPOVETSKY. G. & SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. 109 LIPOVETSKY. G. & SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. RESENHA DO LIVRO: A ESTETIZAÇÃO DO MUNDO: VIVER NA ERA DO CAPITALISMO

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: SOCIOLOGIA ANO: 2016 PROFESSORA: LILIANE CRISTINA FERREIRA COSTA

PLANO DE CURSO DISCIPLINA: SOCIOLOGIA ANO: 2016 PROFESSORA: LILIANE CRISTINA FERREIRA COSTA Escola Estadual Virgínio Perillo Avenida José Bernardes Maciel, 471 Marília, Lagoa da Prata-MG Fone: (37) 3261-3222 E-mail: escolavirginioperillo@gmail.com PLANO DE CURSO DISCIPLINA: SOCIOLOGIA ANO: 2016

Leia mais

Há muitas razões para lermos a Bíblia nos tempos de hoje

Há muitas razões para lermos a Bíblia nos tempos de hoje Há muitas razões para lermos a Bíblia nos tempos de hoje A Bíblia é como se fosse um manual de sobrevivência com dicas e relatos escritos por pessoas, assim como nós, normais. Exemplo:- como o advogado

Leia mais

Resumo. Palavras-Chave: Reflexividade. Currículo. Educação Física.

Resumo. Palavras-Chave: Reflexividade. Currículo. Educação Física. Resumo Trata-se de um ensaio reflexivo sobre a necessidade e importância da inserção da sociologia nos currículos dos cursos de Educação Física. Percebe-se que exerce grande importância como fator que

Leia mais

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Estudante: Ano: 6º Turma: Educador: Wagner Melo C. Curricular: Educação Religiosa O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Deus nos criou para convivermos com outras pessoas e sermos felizes. A

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

O desenvolvimento rural brasileiro cenário atual e desafios. Movimento dos Pequenos Agricultores MPA. Raul Ristow Krauser

O desenvolvimento rural brasileiro cenário atual e desafios. Movimento dos Pequenos Agricultores MPA. Raul Ristow Krauser O desenvolvimento rural brasileiro cenário atual e desafios Movimento dos Pequenos Agricultores MPA Raul Ristow Krauser www.mpabrasil.org.br MUNDO EM CRISE Crise Alimentar: 1 Bilhão de pessoas famintas

Leia mais

Intervenção III Fórum Abrigo

Intervenção III Fórum Abrigo Intervenção III Fórum Abrigo Este Fórum Social da Associação Abrigo convida-nos a dissertar sobre o papel da sociedade civil no mundo actual. O tema parece-me aliciante, importante e decisivo numa sociedade

Leia mais

PROGRAD / COSEAC PEDAGOGIA - Angra dos Reis - Gabarito

PROGRAD / COSEAC PEDAGOGIA - Angra dos Reis - Gabarito Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) A profissão docente, embora pouco prestigiada na sociedade brasileira, é muito importante, pois ser professor significa, entre outros aspectos,

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR RESUMO Mariza de Andrade Brum brum.mariza@yahoo.com.br O presente texto representa uma busca da compreensão do imaginário do ser professor no século XXI. Essa

Leia mais

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO

ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO ESTÉTICA E FILOSOFIA DA ARTE - DOUTORADO Inscrição Título do Projeto RESULTADO A EXPRESSÃO DO INEXPRIMÍVEL NA ARTE: SOBRE O TEOR COGNITIVO DO CONCEITO DE CONTEÚDO DE VERDADE DAS D001 OBRAS DE ARTE E SUA

Leia mais

nada daquilo que se chama uma potência sou um cidadão alguma coisa de novo alguma coisa de imprevisto e de desconhecido Paulo César Carbonari

nada daquilo que se chama uma potência sou um cidadão alguma coisa de novo alguma coisa de imprevisto e de desconhecido Paulo César Carbonari Eu sou um cidadão, não sou nem banqueiro, nem abade, nem cortesão, nem favorito, nada daquilo que se chama uma potência; eu sou um cidadão, isto é, alguma coisa de novo, alguma coisa de imprevisto e de

Leia mais

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular.

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Poesia Miguel Reale Eterna juventude Quando em meus olhos os teus olhos pousas vejo-te jovem como via outrora: luz interior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Perspectivas Sociológicas em Educação II - JP0018 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 30h II EMENTA A disciplina de Perspectivas

Leia mais

SUBJETIVIDADE E TRÂNSITO

SUBJETIVIDADE E TRÂNSITO SUBJETIVIDADE E TRÂNSITO Profª Adriane Picchetto Machado Qualità Avaliações Psicológicas e Treinamentos Ltda., Curitiba-PR, Brasil, qualitapsi@uol.com.br PALAVRAS-CHAVE: trânsito, psicologia, subjetividade

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9 a. Série Data: / /2016 Professor: ALESSANDRO Nota: (valor: 1,0) 2º semestre A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

a natureza da vida o luto: dimensão geral o luto: tipos e particularidades

a natureza da vida o luto: dimensão geral o luto: tipos e particularidades Curso de Formação curso acreditado sociedade portuguesa de estudo e intervenção n temas da formação a natureza da vida : dimensão geral : tipos e particularidades 1 Tears in the heaven o que é? quais as

Leia mais

SOCIOLOGIA TEORIAS SOCIOLÓGICAS II - 2º ANO ANO LECTIVO DOCENTE: Jean-Martin Rabot

SOCIOLOGIA TEORIAS SOCIOLÓGICAS II - 2º ANO ANO LECTIVO DOCENTE: Jean-Martin Rabot SOCIOLOGIA TEORIAS SOCIOLÓGICAS II - 2º ANO ANO LECTIVO 2006-2007 DOCENTE: Jean-Martin Rabot DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA DISCIPLINA E DEFINIÇAO DOS OBJECTIVOS 1. Descrição da disciplina Nesta disciplina, Teorias

Leia mais

Dr. Lourenço Stelio Rega Dr. Lourenço Stelio Rega rega@etica.pro.br www.etica.pro.br O que é ética? Ética e a razão da vida Perguntas essenciais da vida: por que nasci? para que nasci? p/ que estou aqui?

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância

Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância Quantos passos posso dar? : Construindo a autonomia na infância FE RNANDA PALHARE S LIA BEATRIZ DE LUCCA FREITAS LAPEGE Pesquisas na área do desenvolvimento moral e formação ética Parceria com escolas

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro L I B E R D A D E L I B Ousadia E R D A D E Liberdade, em filosofia, pode ser compreendida tanto negativa quanto positivamente. Negativamente: a ausência de submissão; isto é, qualifica a ideia de que

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE 108/03 Conselho Estadual de Educação de Rondônia

RESOLUÇÃO CEE 108/03 Conselho Estadual de Educação de Rondônia RESOLUÇÃO CEE 108/03 Conselho Estadual de Educação de Rondônia Resolução n. 108 de 15 de dezembro de 2003 Estabelece normas para a definição dos conteúdos curriculares e para a habilitação e admissão de

Leia mais

Position Paper Filosofia da Ciência e da Tecnologia

Position Paper Filosofia da Ciência e da Tecnologia 1 Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Pós-Graduação em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação Position Paper Filosofia da Ciência e da Tecnologia

Leia mais

ELISÂNGELA FURTADO 1ª Edição

ELISÂNGELA FURTADO 1ª Edição ELISÂNGELA FURTADO A VIDA EM PROSA E VERSO Do sonho à realidade 1ª Edição ELISÂNGELA FURTADO A VIDA EM PROSA E VERSO Do sonho à realidade São Gonçalo Rio de Janeiro Agosto de 2013 2 AGRADECIMENTOS A DEUS,

Leia mais

O esforço de análise aqui expressa buscou desenvolver de maneira dialética as determinações estruturais e o movimento conjuntural, bem como

O esforço de análise aqui expressa buscou desenvolver de maneira dialética as determinações estruturais e o movimento conjuntural, bem como CONCLUSÃO A idéia central conduzida por esta análise foi a de buscar qualificar a pluralidade cultural frente às lutas por igualdade substantiva no interior da sociedade capitalista. A potencialidade contida

Leia mais

Superando os momentos difíceis

Superando os momentos difíceis Superando os momentos difíceis Valdir José de Castro Superando os momentos difíceis para viver melhor Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA

SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA SABERES DOCENTES NECESSÁRIOS À PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL TECNOLÓGICA Carmen Célia Barradas Correia Bastos- UNIOESTE/Cascavel/PR Nelci Aparecida

Leia mais

O Jovem e a sociedade

O Jovem e a sociedade Subsídio da AJS O Jovem e a sociedade Ambientação: panos coloridos, bandeira da AJS, imagens que representam a juventude dentro de uma caixa, imagem dos meios de inserção da juventude (sociedade, igreja,

Leia mais

Professora: Ana Priscila da Silva Alves Disciplina: Filosofia Série: 1 ª do Ensino Médio Tema: Felicidade

Professora: Ana Priscila da Silva Alves Disciplina: Filosofia Série: 1 ª do Ensino Médio Tema: Felicidade Professora: Ana Priscila da Silva Alves Disciplina: Filosofia Série: 1 ª do Ensino Médio Tema: Felicidade COLÉGIO DIOCESANO SERIDOENSE - CDS 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - 2016 DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSORA:

Leia mais

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h)

EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) EIXO 3 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA D 3.1 Debate Contemporâneo da Gestão Pública (16h) Professor : Fernando Luiz Abrucio Aula 1 03, 04 e 06 de outubro de 2011 AS BASES DA BUROCRACIA PÚBLICA CONTEMPORÂNEA 1) Origens:

Leia mais

IV LEIS DE INCENTIVO E FINANCIAMENTO À CULTURA

IV LEIS DE INCENTIVO E FINANCIAMENTO À CULTURA 28 IV LEIS DE INCENTIVO E FINANCIAMENTO À CULTURA 1 FORMAS DE FINANCIAMENTO DA CULTURA FONTES GOVERNAMENTAIS : Transferências através de orçamentos próprios Fundos institucionais ( ex. FNC ) Patrocínio

Leia mais

PROJETO DE INTERCULTURALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE

PROJETO DE INTERCULTURALIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE Portaria de Autorização nº. 65 de 16 de Janeiro de 2009 1-8 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO (NUPE) PROJETO DE INTERCULTURALIDADE

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais

A construção do espaço pósmoderno. Professor Thiago Espindula - Geografia

A construção do espaço pósmoderno. Professor Thiago Espindula - Geografia A construção do espaço pósmoderno Professor Thiago Espindula - Geografia Objetivo Apresentar o homem pós-moderno, suas relações sociais e com o território. Apresentar alguns aspectos dos tempos contemporâneos,

Leia mais

Qual é a importância da legislação e dos regulamentos na gestão do território?

Qual é a importância da legislação e dos regulamentos na gestão do território? Qual é a importância da legislação e dos regulamentos na gestão do Teresa Sá Marques geógrafa CEGOT/Universidade do Porto (teresasamarques@gmail.com) 1ª questão: qual é o seu objetivo, os fins a que se

Leia mais

UMA CULTURA DE CARÁTER MUNDIAL PELA VISÃO DE GILLES LIPOVETSKY 1. Willian Matheus Heineck 2, Danielli Zanini 3.

UMA CULTURA DE CARÁTER MUNDIAL PELA VISÃO DE GILLES LIPOVETSKY 1. Willian Matheus Heineck 2, Danielli Zanini 3. UMA CULTURA DE CARÁTER MUNDIAL PELA VISÃO DE GILLES LIPOVETSKY 1 Willian Matheus Heineck 2, Danielli Zanini 3. 1 RESUMO DE OBRA REALIZADO NA MATÉRIA DE DIREITOS HUMANOS, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P.

Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. Hospital das Clínicas da F.M.U.S.P. A Conquista da Liderança Profª. Drª. Maria Aparecida Rhein Schirato Rhein-Schirato Associados A organização social é a vitória da civilização sobre a barbárie. Ambas

Leia mais

O papel do assessor diante do pluralismo eclesial juvenil atual

O papel do assessor diante do pluralismo eclesial juvenil atual Tema 05: Dimensão de Capacitação (Processo- metodológico. Como organizar a ação ). Tituto 02: O papel do assessor diante do pluralismo eclesial juvenil atual Antonio Ramos do Prado, sdb (Ms. Pastoral Juvenil

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015

Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Bem-vindo(a)s Encarregados de Educação 12 e 13 de outubro 2015 Agenda Preparação do trabalho a realizar no ano letivo 2015/2016 Regulamento Interno disponível no portal do agrupamento www.esvalongo.org

Leia mais

PROPOSTA TRANSFORMADORA FINALIDADE DA EDUCAÇÃO

PROPOSTA TRANSFORMADORA FINALIDADE DA EDUCAÇÃO FINALIDADE DA EDUCAÇÃO Proporcionar aos homens e as mulheres o desenvolvimento da vivacidade, da invenção e reinvenção, a participação política, a sua condição de sujeito histórico. O saber sistematizado

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR PPGPS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS CR M D

ESTRUTURA CURRICULAR PPGPS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS CR M D ESTRUTURA CURRICULAR PPGPS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS CR M D Nome: Metodologia da Pesquisa Social Professor (a): Vini Rabassa da Silva Ementa: Perspectivas teórico-metodológicas: o método em Marx, Durkheim,

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues Escola Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues   Escola Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Escola Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Objetivo principal: Discutir o conceito de ideologia, bem como os conceitos

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS NA SAÚDE PÚBLICA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS

PRÁTICAS CORPORAIS NA SAÚDE PÚBLICA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS PRÁTICAS CORPORAIS NA SAÚDE PÚBLICA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS CARNEIRO, Juliana Alves 1 ; BAPTISTA, Tadeu João Ribeiro 2 Palavras-chave: Educação Física, Saúde, Comunidade. Introdução A realização de práticas

Leia mais

Teorias da Globalização

Teorias da Globalização Teorias da Globalização O processo histórico do capitalismo: Primeiro momento surgimento e formação do capitalismo na Europa, instauração do trabalho livre, mercantilização do sistema produtivo e organização

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

6 PASSOS PARA A PROSPERIDADE FINANCEIRA

6 PASSOS PARA A PROSPERIDADE FINANCEIRA 6 PASSOS PARA A PROSPERIDADE FINANCEIRA PASSO 01 SE PAGAR PRIMEIRO O primeiro passo para começar a criar prosperidade financeira na sua vida é pagar a si mesmo pelo menos 5% de toda sua renda mensal antes

Leia mais

Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade

Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade Lisandra Darde Krüger Reichow Mestranda em Teologia Bolsista CNPq Faculdades EST lisandradk@gmail.com Resumo A atualidade é caracterizada pela

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise

Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise Tópicos Especiais em Planejamento e Gestão do Território Prof. Arilson Favareto Aula 1 21/Setembro/2015 Introdução à temática, antecedentes

Leia mais

Escola Secundária/3 de Felgueiras Planificação da Disciplina de E.M.R.C. 9º Ano 2012/2013

Escola Secundária/3 de Felgueiras Planificação da Disciplina de E.M.R.C. 9º Ano 2012/2013 1 A Dignidade da Pessoa Humana Dignidade e inviolabilidade da vida humana: declarações de direitos e perspetiva da Igreja Católica. A vida: condição de possibilidade de todos os outros valores A vida como

Leia mais

A FRAGILIDADE DOS LAÇOS AFETIVOS NA PÓS- MODERNIDADE

A FRAGILIDADE DOS LAÇOS AFETIVOS NA PÓS- MODERNIDADE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES CURSO DE PSICOLOGIA A FRAGILIDADE DOS LAÇOS AFETIVOS NA PÓS- MODERNIDADE WESLEY CORREIA SANTOS BRASÍLIA-DF DEZEMBRO/2008. WESLEY CORREIA SANTOS A FRAGILIDADE

Leia mais

Narrativas da Mudança. A Era do Vazio - Gilles Lipovetsky

Narrativas da Mudança. A Era do Vazio - Gilles Lipovetsky Narrativas da Mudança A Era do Vazio - Gilles Lipovetsky ESTAL - Escola Superior de Técnologia e Artes de Lisboa 2º de Design de Comunicação 2ºSemestre Docente: Arlete Castelo Aluno: Eunice Simões Nº1026

Leia mais

Evangelho de Lucas. O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso.

Evangelho de Lucas. O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso. Evangelho de Lucas O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso. A Dimensão Bíblica da Missão Verbita Brasil Norte SVD Referente: Benjamin Eber Barrios (Gigio) SVD Material

Leia mais

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária.

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária. MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária Apresentação: Sergio Buaiz O que é Bem-Estar? É sentir-se bem, feliz e confiante. Equilibrar

Leia mais

O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34

O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34 O OBREIRO E O RELACIONAMENTO FAMILIAR Ef 5:22-23 Ef 6:1-4 I Pe 3:1-7 I Cor 7:3-5 I Cor 7:33-34 INTRODUÇÃO: De conformidade com a palavra de Deus, o obreiro deve ter um bom, correto e eficaz relacionamento

Leia mais

Bioética e Bioéticas. M. Patrão Neves.

Bioética e Bioéticas. M. Patrão Neves. Bioética e Bioéticas M. Patrão Neves Bioética ou Bioéticas reivindicar o originário paradigma ocidental como único verdadeiro; adoptar um modelo epistemológico e rígido acolher como legítimas todas as

Leia mais

PLANO DE CURSO. Tipo de aula

PLANO DE CURSO. Tipo de aula PLANO DE CURSO DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA JURIDICA (CÓD.: ENEX 60109) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM Em cada frase indicar em que sentido se fala da paz como: dom, conquista ou compromisso. Se a frase tiver vários sentidos, assinalá-lo. CATEQUESE 7 - A VERDADE COMO

Leia mais