Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje"

Transcrição

1 Modernidade Tardia: Mentalidade individualista e seus impactos na subjetividade. Os desafios de hoje

2 Como vive e pensa o jovem que chega à Universidade

3 Estrutura da Exposição I ANÁLISE FENOMENOLÓGICA DA MODERNIDADE II ANÁLISE SOCIOLÓGICA DAS CARACTERÍSTICAS DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA III IDEOLOGIA INDIVIDUALISTA IV IMPACTO NA SUBJETIVADADE V OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

4 I PARTE ANÁLISE FENOMENOLÓGICA DA MODERNIDADE

5 Esquemas Culturais ( PARADIGMA ) Pré - Moderno Moderno Supra - Moderno Princípio Unificador Ordem Estabelecida Não mais um princípio Unificador. Subjetividade. Pluralismo

6 Projeto da Modernidade Imanência da Razão Afirmação da Subjetividade Só tem valor aquilo que a Razão explica O sujeito é o centro de todas as referências

7 II PARTE Análise Sociológica das características da Sociedade Contemporânea

8 Modernidade / Modernidade tardia Sociedade Contemporânea Fenômenos Contemporâneos Ideologia Individualista Nova Subjetividade

9 Sociedade Contemporânea 1) Sociedade Pós-industrial 2) Sociedade de Consumo. 3) Sociedade do Espetáculo. 4) Cultura do Simulacro (Imagem)

10 Sociedade Pós - Industrial Eixos da Sociedade Pós - Industrial Princípio Axial a) Esfera Técnico - Econômico Racionalidade Funcional. b) Esfera Governamental Legitimidade c) Esfera Cultural Hedonismo CRISE = Quando o Hedonismo surge como princípio global.

11 Consumo (Baudrillard) Consumo é um modo ativo de relação (não somente dos objetos, mas da coletividade e do mundo), um modo de atividade sistemática e de resposta global sobre a qual se funda todo o nosso sistema cultural.

12 Leis da Sociedade de Consumo Escolher Comprar Você não pode deixar de não escolher Compre hoje, pague amanhã

13 Espetáculo ( Debord) Espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, medida por imagem.

14 Leis da Sociedade do Espetáculo Superficialidade Passageiro Glamourização Efêmero

15 Fenômenos Contemporâneos Fenômenos que apontam para uma Nova Sensibilidade a) Sociedade centrada no Eu b) Pura Indiferença c) Sedução no stop d) Fenômenos Extremos Fenômenos que estruturam uma Nova Sensibilidade a) Moda b) Cultura de Massa

16 Modernidade Tardia Pós- Modernidade Hipermodernidade Época de Libertação Vida Light Era do Vazio Era do Consumo

17 Impacto antropológico Fenômenos que revelam o lado negativo a) Enfraquecimento dos laços afetivos b) Desenraizamento pela globalização c) Comunicação: a impessoalidade d) Busca da felicidade no efêmero Fenômenos que revelam o lado positivo a) Sociedade tornou-se mais pluralista b) Possibilidade de escolhas jamais vistas c) Os desafios tronaram-se mais complexos d) Melhor qualidade de vida

18 III PARTE Ideologia Individualista

19 Ideologia Contemporânea Individualismo Contemporâneo a) O Outro como objeto. b) Isolamento de Si Mesmo. Amar a mim mesmo - Não necessito do outro para me fazer feliz.

20 Individualismo Contemporâneo Consumista Hedonista Narcisista

21 Consumismo a) Bens e Serviços. b) Apelo ao Novo. c) Processo de Sedução.

22 Hedonismo a) Preocupação à Curto Prazo. b) Vida Privada. c) Lazer Individual.

23 Narcisismo a) Centramento em Si Mesmo. b) Culto ao Corpo. c) Superego X Ego.

24 PRINCÍPIOS DO MODO DE SER CONTEMPORÂNEO

25 O que está por debaixo dessa postura?

26 O que está por debaixo dessa postura Autonomia do sujeito Esvaziamento da alteridade Centramento do EU O outro como objeto

27 Autonomia do Sujeito Afirmação do indivíduo Princípio individualista Organização da sociedade

28 Esvaziamento da Alteridade Respeito pela idade Invisibilidade do outro Falta de admiração

29 IV PARTE A Subjetividade Hipermoderna

30 O centramento no Eu Consumo Moda Você escolhe exclusivamente a partir de você É a afirmação do indivíduo

31 Estetização da existência Efêmero Superficialidade Ditadura da Mudança Mudança X Aprofundamento

32 A grande questão: Modos de vida atuais a) Linha do TER b) Linha do PARECER A sociedade não consegue preencher as aspirações humanas.

33 Impacto na Subjetividade

34 Subjetividade Hipermoderna Subjetividade Antiga Subjetividade Contemporânea Centrada no Nós Centrada no Eu Valores Eternos Valores Imediatos

35 Organizadores da Subjetividade Contemporânea Concepção de Felicidade A lógica da diversão A liberdade sem limites

36 Enfraquecimento do laços afetivos Amor Amizade Na vida conjugal

37 Eclipse da reciprocidade Afeto gratuito Solidariedade União familiar

38 Perda da direção da vida Perda do sentido Ser governado Viver em função dos outros

39 V Parte: Busca da superação ou o enfrentamento dos desafios

40

41 Forças capazes de articularem uma nova sociedade Ética Direitos Humanos Ecologia

42 Reorganização da Existência a) Redescoberta da Alteridade b) Resignificar o sentido da vida c) Consolidação da confiança básica d) Fortalecimento dos vínculos afetivos

43 Sociedade da imagem Imagem Discurso Valoriza-se o visual e o belo A reflexão que provoque o pensar

44 Vínculos afetivos Laços Moda Sociedade que Enfraquece os laços Afetivos Busca de uma relação dialógica

45 Virtualidade Internet Presença Presença do Ilimitado, instantâneo e velocidade rápida Que exige tempo E maturação

46 Pluralidade Diversidade Educação A necessidade de uma grande variedade de profissões Que atenda essa exigência de diversidade

47 Valorização dos aspectos positivos a) Sociedade tornou-se mais pluralista b) Possibilidade de escolhas jamais vistas c) Os desafios tronaram-se mais complexos d) Buscar melhor qualidade de vida

48 RESPEITO Cada um de nós tem seu próprio ritmo. Devo estar atento para não querer imprimir no outro o meu ritmo. Temos o impulso de que o melhor para o outro é o que é melhor para mim. Isto não é verdade. J.P

49 Quem tenta ajudar uma borboleta a sair do casulo a mata.quem tenta ajudar um broto a sair da semente o destrói. Há certas coisas que não podem ser ajudadas. Têm de acontecer de dentro para fora. Rubem Alves

PREPARANDO PARA O FUTURO: ENTENDENDO. Luiz Sayão

PREPARANDO PARA O FUTURO: ENTENDENDO. Luiz Sayão PREPARANDO PARA O FUTURO: ENTENDENDO A PÓS-MODERNIDADEP A PÓS-MODERNIDADEP CONCEITUAÇÃO: O movimento da cultura que rejeita os valores da modernidade e vê com desconfiança a os princípios pios racionais

Leia mais

DISCIPLINA: MODERNIDADE E ENVELHECIMENTO 3º E 5º SEMESTRE: SERVIÇO SOCIAL - UNICASTELO OS IDOSOS, AS REDES DE RELAÇÕES SOCIAIS E AS

DISCIPLINA: MODERNIDADE E ENVELHECIMENTO 3º E 5º SEMESTRE: SERVIÇO SOCIAL - UNICASTELO OS IDOSOS, AS REDES DE RELAÇÕES SOCIAIS E AS DISCIPLINA: MODERNIDADE E ENVELHECIMENTO 3º E 5º SEMESTRE: SERVIÇO SOCIAL - UNICASTELO OS IDOSOS, AS REDES DE RELAÇÕES SOCIAIS E AS RELAÇÕES FAMILIARES AUTORA: ANDRÉA MORAES ALVES PROFª MARIA APARECIDA

Leia mais

Igreja e Pós-mod LUIZ SAYÃO

Igreja e Pós-mod LUIZ SAYÃO Igreja e Pós-mod dernidade OS DESAFIOS DA PÓS-MODERNIDADE LUIZ SAYÃO PÓS-MODERNIDADE DESAFIOS METODOLÓGICOS PÓS-MODERNIDADE E INDEFINIÇÃO PÓS-MODERNIDADE E MUDANÇAS VELOZES PÓS-MODERNIDADE E REBELDIA JUVENIL

Leia mais

Jair Ferreira dos Santos, O que é pós-moderno?

Jair Ferreira dos Santos, O que é pós-moderno? O pós-moderno Pós-modernismo é o nome aplicado às mudanças ocorridas na ciência, na arte e nas sociedades avançadas desde 1950. A arquitetura é o seu primeiro reflexo e também a computação. A Pop Art nos

Leia mais

Modernidade Tardia: desafios para a docência no Ensino Superior

Modernidade Tardia: desafios para a docência no Ensino Superior Nascidos X Baixados... alfredoveiganeto@uol.com.br Pensar o presente para... Compreendê-lo; Viver nele da melhor maneira possível; Estar preparado para as mudanças que estão surgindo e nos atropelam. Para

Leia mais

Trabalho produção consumo. Regina Fiorati

Trabalho produção consumo. Regina Fiorati Trabalho produção consumo Regina Fiorati https://www.youtube.com/watch?v=5xqf NmML_V4 O que é Consumo As relações que os seres humanos estabelecem entre si e com a natureza, de caráter econômico, político,

Leia mais

Compreendendo as Relações Interpessoais numa Sociedade Digital

Compreendendo as Relações Interpessoais numa Sociedade Digital Compreendendo as Relações Interpessoais numa Sociedade Digital Compreendendo as Relações Interpessoais na Geração Emergente Zigmunt Bauman Amor Líquido: Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos MODERNIDADE

Leia mais

coleção Conversas #21 - ABRIL e t m o se? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #21 - ABRIL e t m o se? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Sou bem que ele mais v coleção Conversas #21 - ABRIL 2015 - m o c está l e g i o h a que e l apenas por in e t. er e s se? Será Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

Leia mais

CIBERCULTURA, VAZIO EXISTENCIAL E SUBJETIVIDADE: Um novo modo de existir

CIBERCULTURA, VAZIO EXISTENCIAL E SUBJETIVIDADE: Um novo modo de existir PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Graduação em Psicologia Carlos Cézar Pereira dos Santos Filho CIBERCULTURA, VAZIO EXISTENCIAL E SUBJETIVIDADE: Um novo modo de existir Monografia

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS. Prof. Danilo Pastorelli danilopastorelli.wordpress.com

PROJETOS SOCIAIS. Prof. Danilo Pastorelli danilopastorelli.wordpress.com prof.dpastorelli@usjt.br danilopastorelli.wordpress.com altruísmo tendência ou inclinação de natureza instintiva que incita o ser humano à preocupação com o outro não obstante sua atuação espontânea, deve

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

FAMÍLIA COMO PROTEÇÃO AO USO DE DROGAS

FAMÍLIA COMO PROTEÇÃO AO USO DE DROGAS FAMÍLIA COMO PROTEÇÃO AO USO DE DROGAS IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA A família tem papel central na proteção ao uso de drogas. Família é primeira referência. Pode estruturar ou desestruturar. A criança e o adolescente

Leia mais

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira

IGREJA E CULTO. Por que me importar? Presb. José Cordeiro Neto» Presb. Lúcio Mafra Teixeira AULA-5 Os Sem-Igreja Igreja(parte 2): O desinteresse pela igreja e o momento atual da fé evangélica no contexto da pós modernidade e do secularismo IGREJA E CULTO Por que me importar? Presb. José Cordeiro

Leia mais

VER-SUS Litoral Piauiense 2016 A INTENSIDADE DE VIVER SÓ ENQUANTO EU RESPIRAR VOU ME LEMBRAR DE VOCÊ (S)

VER-SUS Litoral Piauiense 2016 A INTENSIDADE DE VIVER SÓ ENQUANTO EU RESPIRAR VOU ME LEMBRAR DE VOCÊ (S) VER-SUS Litoral Piauiense 2016 A INTENSIDADE DE VIVER SÓ ENQUANTO EU RESPIRAR VOU ME LEMBRAR DE VOCÊ (S) Lanniely Sousa Lima 1º Dia - 23/01/2016 As primeiras impressões ao adentra no campo de vivencia

Leia mais

Mopi Integrado I REUNIÃO DE PAIS 6º Ano do Ensino Fundamental 01/02

Mopi Integrado I REUNIÃO DE PAIS 6º Ano do Ensino Fundamental 01/02 Mopi Integrado I REUNIÃO DE PAIS 6º Ano do Ensino Fundamental 01/02 MISSÃO Incentivar no aluno atitudes para que aprenda a transformar simples informação em conhecimento e estimulá-lo a construir e a usufruir

Leia mais

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado;

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado; CARTA VERDE DE FORTALEZA A vida de uma cidade, antes de tudo, é consolidada pela prática da política no seu seio. A política é a grande protagonista do desenvolvimento e é concretizada através dos políticos.

Leia mais

TER OU SER: A SOCIEDADE NARCÍSICA DO CONSUMO 1

TER OU SER: A SOCIEDADE NARCÍSICA DO CONSUMO 1 TER OU SER: A SOCIEDADE NARCÍSICA DO CONSUMO 1 SCARIOT, I. 2 ; ALVES, M. S. 2 ; IENSEN, S. 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de Psicologia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA),

Leia mais

Teorias Éticas e M. Patrão Neves

Teorias Éticas e   M. Patrão Neves Teorias Éticas e Cuidados de Saúde M. Patrão Neves Teorias Éticas e Cuidados de Saúde 0. Medicina e Ética 1. O solilóquio tranquilo da Ética Hipocrática 2. O ruidoso diálogo da pluralidade das éticas contemporâneas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO E ENVELHECIMENTO. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto

DESENVOLVIMENTO HUMANO E ENVELHECIMENTO. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto DESENVOLVIMENTO HUMANO E ENVELHECIMENTO Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto O desenvolvimento humano começa com o nascimento e não cessa até a morte, porém variam em cada etapa, os tipos, as manifestações

Leia mais

Aristóteles e o Espanto

Aristóteles e o Espanto Aristóteles e o Espanto - Para Aristóteles, uma condição básica para o surgimento do conhecimento no homem era o espanto, o qual poderia gerar toda condição para o conhecimento e a elaboração de teorias.

Leia mais

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL

DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL DESAFIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO CONTEXTO ATUAL Andréia Therezinha Lima Reis * A gestão pública brasileira vive um momento de transição e ajustamento às exigências, tanto das leis de responsabilidade

Leia mais

Índice. 1. Conceitos Gerais As Principais Características da Cultura Pós-Moderna e/ou Cultura Líquida...3. Grupo 6.

Índice. 1. Conceitos Gerais As Principais Características da Cultura Pós-Moderna e/ou Cultura Líquida...3. Grupo 6. GRUPO 6.2 MÓDULO 8 Índice 1. Conceitos Gerais...3 2. As Principais Características da Cultura Pós-Moderna e/ou Cultura Líquida...3 2 1. CONCEITOS GERAIS Do ponto de vista histórico, mais três descobertas

Leia mais

CURSO RELACIONAMENTO FAMILIAR SAUDÁVEL

CURSO RELACIONAMENTO FAMILIAR SAUDÁVEL CURSO RELACIONAMENTO FAMILIAR SAUDÁVEL CURSO RELACIONAMENTO FAMILIAR SAUDÁVEL MÓDULO 5-A RELACIONAMENTO CONJUGAL SAUDÁVEL Facilitador: Alírio de Cerqueira Filho RELACIONAMENTO CONJUGAL Como, ainda, concebemos

Leia mais

LIPOVETSKY. G. & SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LIPOVETSKY. G. & SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. 109 LIPOVETSKY. G. & SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. RESENHA DO LIVRO: A ESTETIZAÇÃO DO MUNDO: VIVER NA ERA DO CAPITALISMO

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

Resumo. Palavras-Chave: Reflexividade. Currículo. Educação Física.

Resumo. Palavras-Chave: Reflexividade. Currículo. Educação Física. Resumo Trata-se de um ensaio reflexivo sobre a necessidade e importância da inserção da sociologia nos currículos dos cursos de Educação Física. Percebe-se que exerce grande importância como fator que

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

O MÊS DE OUTUBRO CHEGOU E COM ELE MUITAS CONQUISTAS!!!

O MÊS DE OUTUBRO CHEGOU E COM ELE MUITAS CONQUISTAS!!! O MÊS DE OUTUBRO CHEGOU E COM ELE MUITAS CONQUISTAS!!! LIBERE A CRIANÇA QUE EXISTE EM VOCÊ!!! Diretora Executiva Flávia Angélica Fernandes Muitas pessoas ignoram o que querem e, também, o que sentem, são

Leia mais

FREUD E ERIK ERIKSON. Psicologia do Desenvolvimento

FREUD E ERIK ERIKSON. Psicologia do Desenvolvimento FREUD E ERIK ERIKSON Psicologia do Desenvolvimento Sigmund Freud (1856 1939), médico austríaco Fundador da psicanálise. O aparelho psíquico ID o mais antigo, contém tudo que é herdado (sobretudo os instintos);

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

ENCONTRAMOS O SENHOR! VEM E VÊ!

ENCONTRAMOS O SENHOR! VEM E VÊ! ENCONTRAMOS O SENHOR! VEM E VÊ! CATEQUESE: PERSPECTIVA CRISTOLÓGICO-BÍBLICA 1 Viram o Senhor e conheceram coisas maravilhosas: que coisas são estas? A catequese visa ajudar outros a encontrarem o Senhor

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR: AS CONTRIBUIÇÕES DE MARCOS REIGOTA ROBERTA DALL AGNESE DA COSTA PAULO TADEU CAMPOS LOPES

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR: AS CONTRIBUIÇÕES DE MARCOS REIGOTA ROBERTA DALL AGNESE DA COSTA PAULO TADEU CAMPOS LOPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR: AS CONTRIBUIÇÕES DE MARCOS REIGOTA ROBERTA DALL AGNESE DA

Leia mais

O JOVEM UNIVERSITÁRIO E O MUNDO ATUAL: UMA BREVE REFLEXÃO

O JOVEM UNIVERSITÁRIO E O MUNDO ATUAL: UMA BREVE REFLEXÃO O JOVEM UNIVERSITÁRIO E O MUNDO ATUAL: UMA BREVE REFLEXÃO Maria Helena Duarte de Oliveira, Pedagoga e Psicóloga Resumo O objetivo deste artigo é pontuar algumas facetas da identidade dos jovens que hoje

Leia mais

SUBJETIVIDADE E TRÂNSITO

SUBJETIVIDADE E TRÂNSITO SUBJETIVIDADE E TRÂNSITO Profª Adriane Picchetto Machado Qualità Avaliações Psicológicas e Treinamentos Ltda., Curitiba-PR, Brasil, qualitapsi@uol.com.br PALAVRAS-CHAVE: trânsito, psicologia, subjetividade

Leia mais

Como a família pode ajudar a escola? Maria Izabel de Oliveira Massoni

Como a família pode ajudar a escola? Maria Izabel de Oliveira Massoni Como a família pode ajudar a escola? Maria Izabel de Oliveira Massoni O que é da escola? O que é da família? No que a escola pode ajudar a família? No que a família pode ajudar a escola? De que família

Leia mais

Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01

Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01 Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01 Teologia, Sociedade e meios de Comunicação aula 01 A lógica do consumo/hiperconsumo hipermoderno como chave interpretativa para a compreensão dos movimentos

Leia mais

CURSO DE FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO SISMÉDIO COLÉGIO ESTADUAL EMÍLIO DE MENEZES

CURSO DE FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO SISMÉDIO COLÉGIO ESTADUAL EMÍLIO DE MENEZES CURSO DE FORTALECIMENTO DO ENSINO MÉDIO SISMÉDIO COLÉGIO ESTADUAL EMÍLIO DE MENEZES A proposta desta reflexão é a de conhecer o jovem estudante trabalhador, sua relação com projetos presentes e futuros,

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 180 5 Referências bibliográficas ADLER, Laure. Nos passos de Hannah Arendt. 3 ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Record, 2007. AGUIAR, Odílio Alves. O lugar da política na civilização tecnológica. In: VAZ,

Leia mais

Position Paper Filosofia da Ciência e da Tecnologia

Position Paper Filosofia da Ciência e da Tecnologia 1 Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Pós-Graduação em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação Position Paper Filosofia da Ciência e da Tecnologia

Leia mais

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente

DTeorias e fases do. esenvolvimento. profissional docente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-Graduação em Educação- Mestrado Av. Frei Paulino, 30 Abadia - 38025 - (34) 3318-5803

Leia mais

SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da

SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da vida ética na coletividade e no bem comum. Neste sentido,

Leia mais

Tendências e Mercado: Conceitos Introdutórios Tarcisio D Almeida

Tendências e Mercado: Conceitos Introdutórios Tarcisio D Almeida Tendências e Mercado: Conceitos Introdutórios Tarcisio D Almeida Todas as sociedades modernas existem e confirmam sua produção material de bens de consumo através da existência de um mercado, que faz com

Leia mais

O QUE A GENTE QUER MURAL P(R)O(F)ÉTICO. Estudantes do 3º EJA MÉDIO

O QUE A GENTE QUER MURAL P(R)O(F)ÉTICO. Estudantes do 3º EJA MÉDIO O QUE A GENTE QUER MURAL P(R)O(F)ÉTICO Estudantes do 3º EJA MÉDIO 2 3 APRESENTAÇÃO Os poemas que se seguem foram escritos pelos estudantes do 3º EJA A do Ensino Médio da Escola Estadual Dionysio Costa

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

O esforço de análise aqui expressa buscou desenvolver de maneira dialética as determinações estruturais e o movimento conjuntural, bem como

O esforço de análise aqui expressa buscou desenvolver de maneira dialética as determinações estruturais e o movimento conjuntural, bem como CONCLUSÃO A idéia central conduzida por esta análise foi a de buscar qualificar a pluralidade cultural frente às lutas por igualdade substantiva no interior da sociedade capitalista. A potencialidade contida

Leia mais

Professora: Ana Priscila da Silva Alves Disciplina: Filosofia Série: 1 ª do Ensino Médio Tema: Felicidade

Professora: Ana Priscila da Silva Alves Disciplina: Filosofia Série: 1 ª do Ensino Médio Tema: Felicidade Professora: Ana Priscila da Silva Alves Disciplina: Filosofia Série: 1 ª do Ensino Médio Tema: Felicidade COLÉGIO DIOCESANO SERIDOENSE - CDS 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - 2016 DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSORA:

Leia mais

PARECER CPPEX N 0. 01/2014

PARECER CPPEX N 0. 01/2014 1 PARECER CPPEX N 0. 01/2014 Estabelece diretrizes para avaliação de resumos e dá outras providências. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES. No âmbito do CPPEX, os resumos dos trabalhos acadêmicos, monografias e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Semestre letivo º. 1. Identificação Código

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO. PLANO DE ENSINO Semestre letivo º. 1. Identificação Código MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 1º 1. Identificação Código 1.1. Disciplina: FUNDAMENTOS DE SOCIOLOGIA 0560076 1.2.

Leia mais

A CULTURA-MUNDO E A ÁREA DE EDUCAÇÃO FÍSICA/CIÊNCIAS DO ESPORTE

A CULTURA-MUNDO E A ÁREA DE EDUCAÇÃO FÍSICA/CIÊNCIAS DO ESPORTE A CULTURA-MUNDO E A ÁREA DE EDUCAÇÃO FÍSICA/CIÊNCIAS DO ESPORTE Ms. ALAN CAMARGO SILVA Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de

Leia mais

O Édipo em Lacan. O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo

O Édipo em Lacan. O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo O Édipo em Lacan O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo CAMILA DENENO PEREZ São Paulo 2012 Ser completo não tem uma definição, ser completo compete a quem te diz completo. Ser completo

Leia mais

UMA CULTURA DE CARÁTER MUNDIAL PELA VISÃO DE GILLES LIPOVETSKY 1. Willian Matheus Heineck 2, Danielli Zanini 3.

UMA CULTURA DE CARÁTER MUNDIAL PELA VISÃO DE GILLES LIPOVETSKY 1. Willian Matheus Heineck 2, Danielli Zanini 3. UMA CULTURA DE CARÁTER MUNDIAL PELA VISÃO DE GILLES LIPOVETSKY 1 Willian Matheus Heineck 2, Danielli Zanini 3. 1 RESUMO DE OBRA REALIZADO NA MATÉRIA DE DIREITOS HUMANOS, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

Há muitas razões para lermos a Bíblia nos tempos de hoje

Há muitas razões para lermos a Bíblia nos tempos de hoje Há muitas razões para lermos a Bíblia nos tempos de hoje A Bíblia é como se fosse um manual de sobrevivência com dicas e relatos escritos por pessoas, assim como nós, normais. Exemplo:- como o advogado

Leia mais

TÍTULO: A HUMANIZAÇÃO DO CÃO E A ANIMALIZAÇÃO DO HOMEM - UM PARADOXO CONTEMPORÂNEO

TÍTULO: A HUMANIZAÇÃO DO CÃO E A ANIMALIZAÇÃO DO HOMEM - UM PARADOXO CONTEMPORÂNEO TÍTULO: A HUMANIZAÇÃO DO CÃO E A ANIMALIZAÇÃO DO HOMEM - UM PARADOXO CONTEMPORÂNEO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE VICTOR HUGO AUTOR(ES):

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE FILOSOFIA Nome: Nº 9 a. Série Data: / /2016 Professor: ALESSANDRO Nota: (valor: 1,0) 2º semestre A - Introdução Neste semestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou

Leia mais

Auto-Estima. Elaboração:

Auto-Estima. Elaboração: Auto-Estima Elaboração: www.searadomestre.com.br Estima 1. Apreciação favorável de uma pessoa ou coisa; amizade, apreço, afeição. 2. Consideração. 3. Estimativa, avaliação. O que é Qualidade de Vida? Requisitos

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

nada daquilo que se chama uma potência sou um cidadão alguma coisa de novo alguma coisa de imprevisto e de desconhecido Paulo César Carbonari

nada daquilo que se chama uma potência sou um cidadão alguma coisa de novo alguma coisa de imprevisto e de desconhecido Paulo César Carbonari Eu sou um cidadão, não sou nem banqueiro, nem abade, nem cortesão, nem favorito, nada daquilo que se chama uma potência; eu sou um cidadão, isto é, alguma coisa de novo, alguma coisa de imprevisto e de

Leia mais

SOCIOLOGIA TEORIAS SOCIOLÓGICAS II - 2º ANO ANO LECTIVO DOCENTE: Jean-Martin Rabot

SOCIOLOGIA TEORIAS SOCIOLÓGICAS II - 2º ANO ANO LECTIVO DOCENTE: Jean-Martin Rabot SOCIOLOGIA TEORIAS SOCIOLÓGICAS II - 2º ANO ANO LECTIVO 2006-2007 DOCENTE: Jean-Martin Rabot DESCRIÇÃO SUMÁRIA DA DISCIPLINA E DEFINIÇAO DOS OBJECTIVOS 1. Descrição da disciplina Nesta disciplina, Teorias

Leia mais

05/02/2012. Júlio Furtado

05/02/2012. Júlio Furtado YtéxÜ@áx? àéüçtü@áx? Üx ÇäxÇàtÜ@áx ÑÜÉyxááÉÜ Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 ALTERIDADE Colocar-se no lugar do outro na relação interpessoal, com consideração, valorização,

Leia mais

Evangelho de Lucas. O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso.

Evangelho de Lucas. O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso. Evangelho de Lucas O caminho aberto por Jesus: é o começo da Alegria em Deus Misericordioso. A Dimensão Bíblica da Missão Verbita Brasil Norte SVD Referente: Benjamin Eber Barrios (Gigio) SVD Material

Leia mais

Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade

Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade Individualismo, hedonismo e narcisismo na hipermodernidade Lisandra Darde Krüger Reichow Mestranda em Teologia Bolsista CNPq Faculdades EST lisandradk@gmail.com Resumo A atualidade é caracterizada pela

Leia mais

Maratona de Discursivas FCC. Júnia Andrade e Marco Antônio (Macarrão)

Maratona de Discursivas FCC. Júnia Andrade e Marco Antônio (Macarrão) Maratona de Discursivas FCC Júnia Andrade e Marco Antônio (Macarrão) Tópicos do curso Interpretação dos temas da FCC redação Estudo da estrutura da redação e dos processos avaliativos da banca Exposição

Leia mais

Disciplina: Novas Lógicas e Literacias Emergentes no Contexto da Educação em Rede:

Disciplina: Novas Lógicas e Literacias Emergentes no Contexto da Educação em Rede: Escola de Comunicação e Artes Universidade de São Paulo Disciplina: Novas Lógicas e Literacias Emergentes no Contexto da Educação em Rede: Práticas, Leituras e Reflexões Docente: Brasilina Passarelli Aluna:

Leia mais

Ética e Poder na Sociedade da Informação

Ética e Poder na Sociedade da Informação Ética e Poder na Sociedade da Informação De como a autonomia das novas tecnologias obriga a rever o mito do progresso. Grupo: Brunna Correia Daniel Galdão Fernando Yoshihiro Gabriel Seixas Julien Pinto

Leia mais

PLANO DE CURSO. Tipo de aula

PLANO DE CURSO. Tipo de aula PLANO DE CURSO DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA JURIDICA (CÓD.: ENEX 60109) ETAPA: 2ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM Em cada frase indicar em que sentido se fala da paz como: dom, conquista ou compromisso. Se a frase tiver vários sentidos, assinalá-lo. CATEQUESE 7 - A VERDADE COMO

Leia mais

IV SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA ISSN: Universidade Estadual de Maringá 12, 13 e 14 de Novembro de 2014

IV SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA ISSN: Universidade Estadual de Maringá 12, 13 e 14 de Novembro de 2014 A FORMAÇÃO DE VÍNCULOS NAS RELAÇÕES AMOROSAS NA CONTEMPORANEIDADE Naiara Andressa Albuquerque dos Santos (Departamento de Psicologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá-PR, Brasil); Núbia Rodrigues

Leia mais

Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz. Revisores Oficiais de Contas

Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz. Revisores Oficiais de Contas Mária Lapa, Sónia Matos, Sara Barros e André Machado Vaz Revisores Oficiais de Contas Sustentabilidade Manutenção da profissão, do seu prestígio e do seu contributo para o interesse público, a longo prazo.

Leia mais

ASSOCIATIVISMO E APOSENTADORIA. Luciana Paula Conforti Diretora de Cidadania e Direitos Humanos

ASSOCIATIVISMO E APOSENTADORIA. Luciana Paula Conforti Diretora de Cidadania e Direitos Humanos ASSOCIATIVISMO E APOSENTADORIA Luciana Paula Conforti Diretora de Cidadania e Direitos Humanos - De acordo com BAUMAN vivemos em uma modernidade líquida onde os valores, a experiência e o passado são descartados;

Leia mais

A FILOSOFIA DA TFCA. O Amor Humano

A FILOSOFIA DA TFCA. O Amor Humano O Amor Humano O amor humano é doação total sem pedir retorno do outro. O amor é a vida para o outro sem que o outro possa viver para mim. Exemplo: um casal adotou duas crianças deficientes físicas totais

Leia mais

O jogo do Eu: a mudança de si em uma sociedade global

O jogo do Eu: a mudança de si em uma sociedade global O jogo do Eu: a mudança de si em uma sociedade global MELUCCI, Alberto. O jogo do Eu: a mudança de si em uma sociedade global. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2004. 184 p. 12 RESENHA Sueli Salva * Esse

Leia mais

Superando os momentos difíceis

Superando os momentos difíceis Superando os momentos difíceis Valdir José de Castro Superando os momentos difíceis para viver melhor Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

ARTES VISUAIS 3º ANO

ARTES VISUAIS 3º ANO ARTES VISUAIS Conteúdos Teóricos Renascimento. Barroco. Vanguardas Artísticas. Arte Moderna e Contemporânea. Técnicas Desenho da figura humana. Pintura em tela. CIDADANIA Entendendo os paradigmas contemporâneos.

Leia mais

ÉTICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA. PROFa. DRA. CARLA GIANI MARTELLI UNESP- FCL- ARARAQUARA

ÉTICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA. PROFa. DRA. CARLA GIANI MARTELLI UNESP- FCL- ARARAQUARA ÉTICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA PROFa. DRA. CARLA GIANI MARTELLI UNESP- FCL- ARARAQUARA VALORIZAÇÃO DA ÉTICA Clamor social por mais ética Padrões éticos e morais mais rigorosos no mundo todo Poderia existir

Leia mais

Encontros sobre Ética e Profissão. A Preguiça

Encontros sobre Ética e Profissão. A Preguiça Encontros sobre Ética e Profissão A Preguiça O que é a preguiça a resistência ao esforço e ao sacrifício O preguiçoso não tem um ideal de perfeição esforçada, mas de facilidade. Move o a vantagem. Duas

Leia mais

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS Escola Municipal Alfabeto Série: 2ª Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia Arcoverde PE Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 2 Índice 1. Ética Geral...3 1.1 Conceito de ética... 3 1.2 O conceito de ética e sua relação com a moral... 4 2 1. ÉTICA GERAL 1.1 CONCEITO DE ÉTICA Etimologicamente,

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

a natureza da vida o luto: dimensão geral o luto: tipos e particularidades

a natureza da vida o luto: dimensão geral o luto: tipos e particularidades Curso de Formação curso acreditado sociedade portuguesa de estudo e intervenção n temas da formação a natureza da vida : dimensão geral : tipos e particularidades 1 Tears in the heaven o que é? quais as

Leia mais

Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria

Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto!

Leia mais

VISÃO ANTROPOLÓGIA. Prof. Dieikson de Carvalho

VISÃO ANTROPOLÓGIA. Prof. Dieikson de Carvalho VISÃO ANTROPOLÓGIA Prof. Dieikson de Carvalho Visão dualista do ser humano RAZÃO X EMOÇÃO Visão Antropológica Quando tentamos definir o ser humano, precisamos vencer dois grandes desafios: 1) Visão compartimentada

Leia mais

Para ler. Consumismo e felicidade

Para ler. Consumismo e felicidade Para ler Consumismo e felicidade 08 14 Consumo não é consumismo O dinheiro possui o significado universal que é ser um meio de trocas, socialmente, estabelece alguns contornos e confere um estilo de vida

Leia mais

PROGRAD / COSEAC PEDAGOGIA - Angra dos Reis - Gabarito

PROGRAD / COSEAC PEDAGOGIA - Angra dos Reis - Gabarito Prova de Conhecimentos Específicos 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) A profissão docente, embora pouco prestigiada na sociedade brasileira, é muito importante, pois ser professor significa, entre outros aspectos,

Leia mais

ELISÂNGELA FURTADO 1ª Edição

ELISÂNGELA FURTADO 1ª Edição ELISÂNGELA FURTADO A VIDA EM PROSA E VERSO Do sonho à realidade 1ª Edição ELISÂNGELA FURTADO A VIDA EM PROSA E VERSO Do sonho à realidade São Gonçalo Rio de Janeiro Agosto de 2013 2 AGRADECIMENTOS A DEUS,

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS NA SAÚDE PÚBLICA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS

PRÁTICAS CORPORAIS NA SAÚDE PÚBLICA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS PRÁTICAS CORPORAIS NA SAÚDE PÚBLICA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS CARNEIRO, Juliana Alves 1 ; BAPTISTA, Tadeu João Ribeiro 2 Palavras-chave: Educação Física, Saúde, Comunidade. Introdução A realização de práticas

Leia mais

Mensagem do dia Insistir

Mensagem do dia Insistir Mensagem do dia Insistir Mensagem do Meu Anjo Insistir Por Paulo Roberto Gaefke Para os grandes conflitos da alma, uma tomada de decisão. Para a ausência de soluções, uma nova experiência. Para a desilusão

Leia mais

Marxismo e Autogestão

Marxismo e Autogestão MARXISMO AUTOGESTIONÁRIO O Significado da Solidão Richard Roll A solidão é um sentimento humano provocado pela situação de estar só. Esta é a definição mais simples de solidão, mas nós podemos derivar

Leia mais

Discurso de S. EXA a PAR na abertura da Sessão Solene Comemorativa do 40º aniversário do 25 de Abril

Discurso de S. EXA a PAR na abertura da Sessão Solene Comemorativa do 40º aniversário do 25 de Abril Discurso de S. EXA a PAR na abertura da Sessão Solene Comemorativa do 40º aniversário do 25 de Abril Sr. Presidente da República Sr. Primeiro-Ministro e Senhores membros do Governo Sr. Presidente da Comissão

Leia mais

XIX Congresso do MEJ Shalom Braga, 25, 26 e 27 de Abril de Anabela Marques e Inês Pimentel

XIX Congresso do MEJ Shalom Braga, 25, 26 e 27 de Abril de Anabela Marques e Inês Pimentel XIX Congresso do MEJ Shalom Braga, 25, 26 e 27 de Abril de 2008 Anabela Marques e Inês Pimentel Que ninguém o despreze por ser jovem (1Tm 4, 12) diz o apóstolo Paulo a Timóteo. Di-lo porque a juventude

Leia mais

Utilitarismo 1. Conceitos chave. Bem Supremo. Felicidade. Útil = Moral. O único Princípio ético (critério segundo o qual se avaliam as boas/más ações)

Utilitarismo 1. Conceitos chave. Bem Supremo. Felicidade. Útil = Moral. O único Princípio ético (critério segundo o qual se avaliam as boas/más ações) Utilitarismo 1 1748-1832 Conceitos chave Bem Supremo FELICIDADE Felicidade PRAZER E AUSÊNCIA DE DOR Útil = Moral O QUE PROMOVE A FELICIDADE O único Princípio ético (critério segundo o qual se avaliam as

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

Ponto de Apoio. Edição nº 162

Ponto de Apoio. Edição nº 162 Ponto de Apoio Edição nº 162 1 Tema do Mês União Histórias Quanto mais amigos eu tenho... Mais feliz eu sou!; Desabrochar... Lindas flores e belos gestos; Boas sementes; Lili em Eu participo!; Boas ações

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM

PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO ENSINO RELIGIOSO 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS Compreensão

Leia mais

HISTÓRIA E DIREITO. DIREITOS PARA QUEM? Profa. Me. Érica Rios

HISTÓRIA E DIREITO. DIREITOS PARA QUEM? Profa. Me. Érica Rios HISTÓRIA E DIREITO. DIREITOS PARA QUEM? Profa. Me. Érica Rios erica.carvalho@ucsal.br O QUE É O HOMEM SER HUMANO? Igualdade entre humanos Dignidade da pessoa humana Reflexividade e racionalidade Capacidade

Leia mais

CIVILIZAÇÃO A SOCIEDADE E SEUS VALORES

CIVILIZAÇÃO A SOCIEDADE E SEUS VALORES GILLES LIPOVETSKY TEMPORADA 2017 Expediente Fronteiras do Pensamento Temporada 2017 Curadoria Fernando Schüler Direção Comercial Pedro Longhi Coordenação Editorial Luciana Thomé Marketing Karina Roman

Leia mais

coleção Conversas #12 - SETEMBRO é no Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #12 - SETEMBRO é no Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. a s coleção Conversas #12 - SETEMBRO 2014 - Eu sinto a I tr s ç o ã o por c é no r r m ia a nç a l? s. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Amar a Deus e ao Próximo. Ano C XV Domingo do Tempo Comum

Amar a Deus e ao Próximo. Ano C XV Domingo do Tempo Comum Amar a Deus e ao Próximo. Ano C XV Domingo do Tempo Comum A Palavra de Deus, que vamos escutar, aponta-nos o caminho para encontrarmos a felicidade da vida eterna. É no amor a Deus sobre todas as coisas

Leia mais

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR

REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR REPRESENTAÇÃO IMAGINÁRIA DO SER PROFESSOR RESUMO Mariza de Andrade Brum brum.mariza@yahoo.com.br O presente texto representa uma busca da compreensão do imaginário do ser professor no século XXI. Essa

Leia mais

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária.

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária. MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária Apresentação: Sergio Buaiz O que é Bem-Estar? É sentir-se bem, feliz e confiante. Equilibrar

Leia mais