KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA"

Transcrição

1 KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA Palmas, 2006

2 ii KÊNIA DIAS ZORZIN IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DO SISTEMA HEMOVIDA Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina Estágio Supervisionado em Sistemas de Informação do curso de Sistemas de Informação do Centro Universitário Luterano de Palmas, coordenado pelo Prof. Ricardo Marx e Prof. MS.c. Fabiano Fagundes. Palmas, 2006

3 iii "A vida é construída nos sonhos e concretizada no amor". [Francisco Cândido Xavier]

4 iv SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA WEB SERVICES PLATAFORMA.NET CLR (Common Language Runtime) MSIL (Microsoft Intermediate Language) CTS (Common Type System) ASP.NET (ACTIVE SERVER PAGES.NET) XML (EXTENSIBLE MARKUP LANGUAGE) SOAP (SIMPLE OBJECT ACCESS PROTOCOL) WSDL (WEB SERVICES DESCRIPTION LANGUAGE) MICROSOFT VISUAL STUDIO.NET 2005 (VS) VISUAL C# (C SHARP) MATERIAIS E MÉTODOS LOCAL E PERÍODO MATERIAL Fontes bibliográficas Hardwares Softwares MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÕES ANÁLISE DO PROBLEMA ANÁLISES E TESTES DE IMPLEMENTAÇÕES Implementação do Web Service Calculadora Implementação do Cliente que consome o WS Calculadora Implementação do Web Service TrabAgenda Implementação do Cliente que consome o WS TrabAgenda Implementação do Web Service WSHemovida Implementação do Cliente que consome o WSHemovida Implementação do WS final Implementação do Cliente Consumidor final CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 76

5 v LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 FUNCIONAMENTO DE UM WEB SERVICE, ADAPTADO DE WANDER (2003, P. 84) FIGURA 2 EXEMPLO DE CÓDIGO XML FIGURA 3 EXEMPLO DE DTD QUE VALIDA O XML DA FIGURA FIGURA 4 PASSOS PARA CRIAR UM SITE PARA A WEB FIGURA 5 CONFIGURAÇÃO DO SITE E DA LINGUAGEM DO WS FIGURA 6 DEFINIÇÃO DO NOME DO SITE E DO LOCAL DE SALVAMENTO DO MESMO FIGURA 7 CÓDIGO FONTE DO ARQUIVO ASMX FIGURA 8 CÓDIGO FONTE DO ARQUIVO CS FIGURA 9 WEB SERVICE PUBLICADO PARA UTILIZAÇÃO FIGURA 10 EXECUÇÃO DO MÉTODO SOMA FIGURA 11 RESULTADO DA EXECUÇÃO DO MÉTODO SOMA FIGURA 12 INTERFACE CRIADA PARA VISUALIZAÇÃO DO CLIENTE EM ASP.NET FIGURA 13 INICIANDO A INSERÇÃO DE UMA REFERENCIA A UM WEB SERVICE FIGURA 14 FINALIZANDO A INSERÇÃO DE UMA REFERÊNCIA A UM WEB SERVICE FIGURA 15 IMPLEMENTAÇÃO DA FUNÇÃO DO BOTÃO CALCULAR FIGURA 16 CLIENTE DE CONSUMO DO WEB SERVICE FIGURA 17 PÁGINA DO CLIENTE INFORMANDO O RESULTADO FIGURA 18 SCRIPT DO WEB METHOD DE CONEXÃO COM O ACCESS FIGURA 19 WS EM FUNCIONAMENTO FIGURA 20 EXEMPLO DE CHAMADA DO MÉTODO CONTATOS FIGURA 21 EXEMPLO DO RETORNO DO DATA SET FIGURA 22 DADOS CONTIDOS NA TABELA CONTATOS FIGURA 23 INTERFACE CRIADA PARA DISPONIBILIZAR O RESULTADO DA CONSULTA AO WS FIGURA 24 CÓDIGO DA IMPLEMENTAÇÃO DO CLIENTE FIGURA 25 EXEMPLO DO CLIENTE QUE UTILIZA O WS EM TEMPO DE EXECUÇÃO FIGURA 26 EXEMPLO DO CONSUMO DO WS TRABAGENDA FIGURA 27 CÓDIGO DO WS QUE CONECTA DO BANCO DE DADOS HEMOVIDA FIGURA 28 WSHEMOVIDA2 EM EXECUÇÃO FIGURA 29 EXEMPLO DO WSHEMOVIDA APÓS ACESSADO O LINK RETORNO FIGURA 30 RESULTADO DA CONSULTA FEITA DIRETAMENTE NO WS FIGURA 31 INTERFACE UTILIZADA PARA ACESSO AO WSHEMOVIDA FIGURA 32 CÓDIGO FONTE QUE CONSOME O WS FIGURA 33 CLIENTE UTILIZANDO O WS EM EXECUÇÃO FIGURA 34 RESULTADO FINAL DA CONSULTA DO CLIENTE AO WS FIGURA 35 FUNÇÕES DISPONIBILIZADAS PELO WS DO HEMOVIDA FIGURA 36 MOSTRA OS ATRIBUTOS DA FUNÇÃO ANIVERSARIANTES FIGURA 37 RESULTADO DA CONSULTA EFETUADA NA FUNÇÃO ANIVERSARIANTES... 50

6 vi FIGURA 38 CÓDIGO DO WEB METHOD ANIVERSARIANTES FIGURA 39 ATRIBUTOS DA FUNÇÃO EXPURGO FIGURA 40 RESULTADO DE CONSULTA DA FUNÇÃO EXPURGO FIGURA 41 CÓDIGO FONTE DO WEB METHOD DE EXPURGO FIGURA 42 MOSTRA ATRIBUTOS DA FUNÇÃO FRACIONAMENTO FIGURA 43 RESULTADO DA CONSULTA FRACIONAMENTO FIGURA 44 CÓDIGO FONTE DO WEB METHOD DA FUNÇÃO FRACIONAMENTO FIGURA 45 TELA INICIAL DO CLIENTE FIGURA 46 CÓDIGO FONTE DO ARQUIVO DEFAULT.ASPX FIGURA 47 - CÓDIGO FONTE DO ARQUIVO DEFAULT.ASPX.CS FIGURA 48 TELA INICIAL DE CONSULTA A NOMES DE DOADORES FIGURA 49 RESULTADO DA CONSULTA DOS NOMES DOS DOADORES FIGURA 50 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DOS DOADORES ARQUIVO ASPX FIGURA 51 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DOS DOADORES ARQUIVO ASPX.CS FIGURA 52 TELA INICIAL DE CONSULTA DA FUNÇÃO FRACIONAMENTO FIGURA 53 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DA FUNÇÃO FRACIONAMENTO, ARQUIVO ASPX FIGURA 54 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DA FUNÇÃO FRACIONAMENTO, ARQUIVO ASPX.CS FIGURA 55 TELA INICIAL DE ACESSO A CONSULTA DOS ANIVERSARIANTES FIGURA 56 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DA FUNÇÃO ANIVERSARIANTES, ARQUIVO ASPX FIGURA 56 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DA FUNÇÃO ANIVERSARIANTES, ARQUIVO ASPX.CS FIGURA 57 - TELA INICIAL DA CONSULTA A FUNÇÃO EXPURGO FIGURA 58 CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DA FUNÇÃO ANIVERSARIANTES, ARQUIVO ASPX FIGURA 59 - CÓDIGO FONTE DA CONSULTA DA FUNÇÃO ANIVERSARIANTES, ARQUIVO ASPX.CS... 74

7 7 1 INTRODUÇÃO O Web Service (WS) é uma tecnologia nova que está sendo utilizada em todo o mundo, por ser voltada para a internet e facilitando a comunicação entre as empresas. Os softwares das empresas podem acessar as informações que outras empresas disponibilizam na internet. Através de chamadas remotas à procedimentos essas comunicações entre empresas podem serem feitas, passando por seus firewall s sem problemas, pois utilizam os protocolos SOAP que é escrito em XML. Todas essas junções de tecnologias fornecem facilidades imensas nas comunicações entre as empresas e possibilitam visualizarem novas tendências para o futuro das empresas. Empresas e Órgãos Estaduais, como é caso do Hemocentro, procuram saídas para realizar a integração de suas filiais ou Órgãos anexos. O Hemocentro Coordenador de Palmas, nas pessoas do departamento de informática, encontraram no WS uma saída para disponibilização e aquisição de informações referentes as suas atividades diárias. Porque o WS possui características e fornece resultados de forma mais rápida e segura. A proposta deste trabalho é o desenvolvimento de um WS que disponibilize relatórios na Web, como exemplo desses relatórios, podemos citar os seguintes: relatório dos nomes dos doadores aniversariantes de um determinado mês, que doaram entre um período específico; relatório das quantidades de Plasma Fresco Congelado com volume acima de 180ml, que estejam no Estoque e tenham a data de coleta acima de uma data em específico; relatório das quantidades de hemocomponentes descartados divididos por motivos no período especificado.

8 8 No término deste trabalho, podemos observar que foi realizado a implementação dos relatórios citados anteriormente, bem como a implementação de um Cliente e um Servidor que disponibiliza esses serviços na Internet. Obteve-se também uma referência teórica quanto às tecnologias propostas, um roteiro de como foi implementado o Web Service proposto e por fim um manual básico de como utilizar o Web Service.

9 9 2 REVISÃO DE LITERATURA Está seção apresenta o embasamento teórico que foi estudado e aprendido durante o processo de desenvolvimento deste trabalho. Nas subseções mostram as definições, as principais características e funcionalidades das tecnologias estudadas. 2.1 Web Services O Web Service (WS) surgiu da necessidade de empresas de todos os ramos de atuação comunicarem-se de forma rápida e segura. As necessidades de utilização de plataformas diferentes e ambientes heterogêneos levaram ao surgimento de uma nova forma de integração entre as empresas, sem ter a necessidade de alterar seus Sistemas de Gerenciamento. Um Web Service é uma aplicação lógica, programável, acessível, que usa protocolos padrões da internet, para que se torne possível a comunicação transparente de máquina-para-máquina e aplicação-para-aplicação. (BOARO, 2006). São programas desenvolvidos para simplificar a comunicação entre máquinas de redes diferentes. Os Web Services são componentes de softwares que são chamados a partir de outros aplicativos. São páginas web para outros computadores e não para seres humanos como as páginas HTML tradicionais. (TOLOMELLI, 2006). É um sistema desenvolvido para que uma outra aplicação o utilize independente de plataforma ou linguagem de programação, através de protocolos padronizados e com transações transparentes para o usuário.

10 10 Segundo Paulo (2006) quando se analisa um Web Service, observa-se que ele tem suas funcionalidades encapsuladas, onde se sabe o que ele se propõe a fazer, mas não se sabe como exatamente que ele faz por não se ter acesso direto aos dados da empresa. Somente ficam disponíveis para os usuários, quais as funções e como elas podem ser acessadas. Os Web Services são serviços distribuídos escritos em linguagens que são suportadas pela plataforma.net, que possuem mensagens escritas em XML (extensible Markup Language) e descritas através do WSDL (Web Services Description Language), as quais são empacotadas em um protocolo SOAP (Simple Object Access Protocol) e transportadas através de HTTP (HyperText Transfer Protocol). Segundo Oliveira (2004), a plataforma.net é um padrão de desenvolvimento criado pela Microsoft. Conforme Boaro (2006), o XML é uma linguagem de marcação definida para padronizar a estrutura e propriedades de dados. E segundo Paulo (2006), no WSDL do serviço é feito o encapsulamento das informações, que definem quais serão os dados que devem ser passados para as funções, quais as suas funcionalidades, sem definir exatamente como essas informações serão adquiridas internamente. E conforme Haddad (2006), os SOAP são protocolos simples de acessos a objetos sendo um padrão aberto criado para padronizar o tráfico das informações. E finalmente segundo Sant Anna, o HTTP é um protocolo utilizado para transferência de dados através da Word Wide Web. Sendo estas as definições simplificadas das tecnologias utilizadas na construção de um Web Service. Um Web Service é uma página disponibilizada na Web para que aplicativos de outras empresas possam acessar sem ter problemas com firewall s, não precisando abrir brechas na segurança das empresas e pode ser acessado simultaneamente por vários aplicativos diferentes com uma maior rapidez e confiabilidade. As principais características de um Web Services são: independência de plataforma e de linguagem; utilização de padrões abertos; possuir uma flexibilidade de alterações muito maior; possuir um custo reduzido na sua implementação, por ser uma abordagem mais simples de ser implementada; implementação dos sistemas feita de forma modularizada.

11 11 O WS proporcionou o surgimento de novas oportunidades de negócios, possibilitando o acesso a informações importantes de sites distintos de forma fácil, ágil e sigilosa, como por exemplo, um site de uma empresa precisa validar os dados dos cartões de créditos de seus clientes em tempo real, basta apenas o site buscar essas informações em um WS disponibilizado pelo Banco, informando os dados necessários para a consulta. Uma outra facilidade está no momento da atualização do WS: não necessita de atualização nos clientes, basta apenas atualizar o servidor com as novas informações, pois os clientes não têm acesso a implementação das classes. A Figura 1 apresenta a utilização completa de um WS, onde o WS é acessado por meio de uma chamada SOAP HTTP através de uma solicitação de uma página ASP.NET. O WS retorna o resultado em XML para a página ASP.NET que solicitou o serviço. Que por sua vez, a página ASP.NET utiliza um XSLT para formatar os dados XML e, finalmente, entrega um HTML formatado para o cliente. Figura 1 Funcionamento de um Web Service, adaptado de Wander (2003, p. 84) Esse processo é feito de forma invisível para o cliente final. O cliente apenas solicita a informação que deseja para um página ASP.NET, e está página lhe traz um resultado de forma entendível pelo cliente. A seguir serão apresentadas informações sobre a Plataforma.NET e, alguns de seus componentes.

12 Plataforma.NET.NET é uma estratégia para atender às demandas desse wired, wired world. É uma estratégia para fornecer os softwares e serviços senão todos, pelo menos uma fatia substancial que tornarão esse mundo real e não apenas uma visão num filme publicitário. (GUTIERREZ, 2001, p. 12). É a forma que a Microsoft definiu e implementou para facilitar o desenvolvimento de softwares pelos programadores do mundo inteiro. O.NET pode ser definido como um ambiente independente de linguagem de programação que possibilita implementar sistemas que se comunicam com facilidade e segurança. Muitos programadores ainda utilizam ferramentas de programação que fazem a junção do hardware e do software que está sendo utilizado, o que faz com que o aplicativo não funcione sem as mesmas configurações utilizadas na construção do mesmo. Mas se o aplicativo for desenvolvido utilizando a plataforma.net, este sistema funcionará em qualquer máquina, desde que a plataforma esteja instalada, não importando qual foi a linguagem de programação utilizada. Os componentes que englobam a plataforma.net são chamados de.net Frameworks. Por englobar uma grande quantidade de ferramentas e recursos para utilização de desenvolvedores e por possuírem as características da plataforma.net, pode se considerar que o.net Frameworks é um ambiente de desenvolvimento que não depende de plataforma e não depende de linguagem de programação. Nas seções a seguir serão apresentados os componentes da plataforma.net Framework mais relevantes para esse trabalho CLR (Common Language Runtime) O objetivo fundamental da CLR é simplificar o processo de implementar de componentes e aplicações a partir de qualquer linguagem de programação, tendo como alvo qualquer plataforma de hardware. (GUTIERREZ, 2001, p. 20). A CLR faz com que esse processo de implementação de componentes e aplicações seja feito de maneira rápida e simples, tornando esse processo invisível para o desenvolvedor, sendo responsável pela compilação das linguagens no.net Framework.

13 MSIL (Microsoft Intermediate Language) Os compiladores baseados no frameworks não geram código nativo diretamente. Ao invés disso, compilam utilizando um conjunto intermediário de instruções especificado na MSIL. Esta linguagem foi projetada para ser facilmente gerada e facilmente convertida on-the-fly em código nativo em tempo de execução, durante o processo de carga das aplicações. (GUTIERREZ, 2001, p. 26). O MSIL é um conjunto de instruções, que é gerado no processo de compilação do código fonte, e ao final da compilação tem-se um código intermediário que poderá ser rodado em qualquer computador que tenha a plataforma.net instalada CTS (Common Type System) Em linhas gerais, o CTS estabelece um mecanismo para que diferentes linguagens de programação sejam capazes de fazer uso da CLR através de tipos bem definidos e consistentes. (GUTIERREZ, 2001, p. 20). O CTS é uma definição de tipos de dados bem consistentes e totalmente orientados a objetos, podendo ser considerado um subsistema que garante e define quais os dados que serão suportados pelo CLR. 2.3 ASP.NET (Active Server Pages.NET) O ASP.NET surgiu da necessidade de se construir páginas para a Internet mais aprimoradas e dinâmicas. Inicialmente foi criado o ASP, onde o mesmo se comunicava utilizando o paradigma de cliente/servidor de solicitação de serviço e recebimento de uma resposta. (AHMED, 2002, p.3). Mas quando o servidor respondia a solicitação do cliente, o mesmo perdia o contato com o cliente, fazendo com que o servidor, ficasse esperando ser solicitado um serviço novamente, e ainda não tendo segurança com as informações que trafegavam pela rede, pois ao enviar a resposta para o cliente, o servidor perdia a conexão com o cliente. Com o surgimento do ASP.NET, o servidor passou a ter uma conexão constante com o cliente, durante todo tempo em que o mesmo acessava o servidor.

14 14 Essa nova forma de implementar facilitou e auxiliou no surgimento de aplicações comerciais mais elaboradas e complexas, deixando as páginas Web que continham apenas texto, de fora do mercado atual. O ASP.NET é uma solução poderosa e fácil de usar para desenvolver sites da Web complexos (PAYNE, 2001, p.03). É simplesmente uma estrutura para construir sites da Web mais interativos (PAYNE, 2001, p.22). Através do ASP.NET, podem-se construir páginas com uma maior comunicação com o usuário por trabalhar com páginas dinâmicas que possibilita ao servidor se adiantar perante uma ação do cliente. No ASP, conhecido hoje como tradicional, as suas páginas são interpretadas e escritas em linguagens de script, e esse código é escrito juntamente com o HTML; no ASP.NET as páginas são compiladas no servidor em códigos simples para que qualquer computador possa acessa-las. Esta característica faz com que o ASP.NET seja acessado por qualquer sistema operacional (GUITIERREZ, 2001). Algumas das principais características do ASP.NET, segundo Ahemed (2002): permite que o desenvolvedor escolha a linguagem de programação a ser utilizada, podendo escolher a que possui um maior domínio, facilitando o desenvolvimento das aplicações; possibilita a reutilização dos códigos, através das bibliotecas (FCL); possui um suporte ao XML (e-xtensible Markup Language), através do namespace System.Data. Com essas três características pode-se afirmar que com o surgimento do ASP.NET, abriu um novo conceito de programação para a Web, facilitando a programação para o desenvolvedor e proporcionando uma maior quantidade de procedimentos e informações a serem disponibilizadas na Web. 2.4 XML (extensible Markup Language) Pode-se dizer que a internet é hoje o melhor local para se buscar informações sobre todos os tipos de assuntos. A estrutura básica de disponibilização de informações na internet é através do HTML (HyperText Transfer Protocol), mas esse formato disponibiliza

15 15 recursos apenas para organizar a formatação dos textos, sem se preocupar com o seu conteúdo. Com a evolução da internet, percebeu-se a necessidade de uma nova linguagem que propiciasse controlar tanto a formatação das páginas como também o conteúdo que seria acrescentado nas mesmas. Assim surgiu a XML, uma evolução do SGML (Standard Generelized Markup Language), que por ser complexo e possuir grandes limitações deixou-se de usá-lo. A XML é uma nova linguagem de editoração. Ela oferece um formato universal para estruturação de documentos e dados na Web (FILHO, 2004, p.6). Ela está se tornando um padrão para utilização de transferência de dados pela Web, sendo que vários outros sistemas já estão utilizando-o nas atividades que necessitam de toca de informações pela Web. A XML é uma linguagem destinada a implementar linguagens de markup para descrição de dados de qualquer natureza (GUTIERREZ, 2001, p. 205). Por ser uma linguagem que permite que sua implementação seja aberta, quer dizer que se podem acrescentar novas tags de marcação ou retirar a maneira em que for sendo preciso. Por ser uma linguagem toda escrita em tags de somente texto, onde essas tags servem para descrever a estrutura de um documento, sem descrever a forma de apresentação, faz com que documentos em XML possam ser transmitidos pela Web facilmente pelos protocolos utilizados atualmente, não dependendo de nenhuma plataforma específica de hardware ou software, e pode ser acessada pela maioria das linguagens de programação, aquela que o desenvolvedor tenha maior familiaridade. O principal objetivo da XML, conforme Ahmed (2002, p. 341), é organizar as informações de tal modo que os seres humanos possam ler e compreender os dados em seu contexto. Um exemplo de um código XML será mostrado na Figura 2, a seguir.

16 16 <?xml version= 1.0?> <Biblioteca> <Livros> <Titulo>Aprenda em 21 dias ASP.NET </Titulo> <Autor>Chris Payne</Autor> <Editora>Campus</Editora> </Livros> <Monografias> <Titulo>Construindo um Web Services</Titulo> <Autor>João da Silva</Autor> <Orientador>Carlos Francisco Xavier</Orientador> </Monografias> </Biblioteca> Figura 2 Exemplo de código XML. A Figura 3 mostra que todo código XML é somente texto, para facilitar no transporte dos dados. Neste exemplo, pode-se ver que se trata de uma representação de uma Biblioteca, onde se tem tags (Titulo) dentro de outras tags (livros), classificando-as como uma hierarquia. Essas tags filhas (Títulos, Autor, Editora e Orientador) são chamadas de subelementos. Todas essas tags estão dentro de uma outra tag (Biblioteca), a qual dá nome a descrição do conjunto de dados. Essa representação é chamada de árvore de documentos (PAYNE, 2001, p.328). Para um documento XML ser considerado sintaticamente bem formado ele deve atender a sintaxe XML usada no próprio documento. Um exemplo seria se um programador abrir uma tag <texto> para iniciar um documento, mas esquecer de fechar essa tag </texto>. São documentos XML válidos os documentos que possuem associados a ele uma declaração a respeito do seu tipo e se estão de acordo com essas declarações. As descrições estruturais são DTDs (Document Type Definitions). (GUTIERREZ, 2001, p.215). A Figura 3 demonstra um exemplo de uma DTD que valide o exemplo da Figura 2.

17 17 <?xml version= 1.0?> <!DOCTYPE Biblioteca (Livros,Monografias) [ <!ELEMENT Livros (Titulo, Autor, Editora)> <!ELEMENT Monografias (Titulo, Autor, Orientador)> <!ELEMENT Titulo (#PCDATA)> <!ELEMENT Autor (#PCDATA)> <!ELEMENT Editora (#PCDATA)> <!ELEMENT Orientador (#PCDATA)> ]> Figura 3 Exemplo de DTD que valida o XML da Figura 2. A Figura 3 demonstra quais são as tags que o programador poderá utilizar no documento XML, sendo que a tag raiz deverá se chamar Biblioteca, e essa tag terá duas tags diretamente ligadas a ela e ambas teriam três outras tags, as quais estão sendo definidas os seus tipos de dados. 2.5 SOAP (Simple Object Access Protocol) O SOAP é um documento XML relativamente simples, que descreve os dados a serem transmitidos (AHMED, 2002, p.450). Por serem pacotes descritos totalmente em texto facilita o entendimento tanto dos seres humanos quanto das aplicações que irá utilizar esse protocolo. O SOAP foi criado para fornecer meios para que uma aplicação invoque um método de um objeto remoto utilizando um documento XML, enviado através de quaisquer dos protocolos existentes na Internet, como, por exemplo, o HTTP (HyperText Transfer Protocol) (GUTIERREZ, 2001, p. 233). Seu surgimento veio facilitar a comunicação dos sistemas entre empresas, as quais bastavam apenas que se utilizasse um protocolo de transporte que transportasse documentos de texto pela Web. O protocolo SOAP é o grande viabilizador da interoperabilidade na internet (WANDER, 2003, p. 80). O protocolo é baseado em HTTP, usando o XML para definir a sua comunicação. Pela comunicação ser feita através da porta 80 (porta usada pelo HTTP) se faz muito mais simples o tráfico dos dados, pois os firewalls normalmente não bloqueiam essa porta.

18 18 Este fato faz com que as empresas possam comunicar se com mais facilidade, e mantendo a sua segurança, pois os métodos de segurança podem ser os mesmos que são usados para o protocolo HTTP. 2.6 WSDL (Web Services Description Language) O WSDL é uma linguagem baseada em XML que descreve serviços Web e suporta apenas o SOAP como protocolo de mensagens (AHMED, 2002, p. 445). Essa linguagem é usualmente utilizada na descrição das funções que são disponibilizadas pelos Web Services, informando o que a função faz, em que local ela está guardada e ainda fornece informações de como chamar essa função. A WSDL descreve as interfaces de métodos de serviços Web de maneira completa o bastante para que seja usada para criar métodos proxy que permitam a outras classes chamarem seus membros como se fossem métodos locais. (AHMED, 2002, p. 445). Obtendo as informações fornecidas pelo WSDL, pode-se fazer chamadas remotas de funções como se a função estivesse no mesmo local. Essa facilidade proporciona uma infinita quantidade de processos e serviços que podem ser disponibilizados na Web para comunicação entre empresas, sem ter a necessidade de atualização de versões e programas nas empresas parceiras, basta apenas atualizar a WSDL, e todas as empresas terão acesso a essas mudanças. Economiza se tempo e facilita se a vida de todos, de ambas as empresas. 2.7 Microsoft Visual Studio.NET 2005 (VS) Visualizando as tendências do mercado que vinham emergindo, a Microsoft lançou uma nova versão do Visual Studio, o Visual Studio.NET, que visa fornecer mecanismos e técnicas que auxiliem os desenvolvedores a criarem soluções inovadoras de forma rápida e eficiente. (HULOT, 2005). O VS é uma junção de ferramentas de desenvolvimento que veio para auxiliar nas criações de aplicações desktops, páginas em ASP.NET, na criação de Web Services e até mesmo em aplicações para utilização em aparelhos móveis. Além de possibilitar a

19 19 implementação utilizando o Visual C#, Visual J#, Visual Basic ou o Visual C++, pois possibilita que o programador escolha com que linguagem ele deseja trabalhar, facilitando a sua utilização. O VS.NET não é simplesmente mais uma ferramenta de desenvolvimento, e sim, uma nova filosofia de desenvolvimento Web orientado a objetos (HADDAD, 2001, p.3). Com tantas funcionalidades disponíveis no VS, a ferramenta se torna mais popular a cada dia. 2.8 Visual C# (C sharp) 2005 Segundo Hickson (2002, p. 287 e 288), o C# foi criado pela Microsoft com o intuito de disponibilizar uma linguagem moderna, simples, poderosa e orientada a objetos, que possibilitasse aos programadores uma maior rapidez e eficiência na criação de seus projetos, com a utilização da Plataforma.NET, que disponibiliza muitas ferramentas e serviços que utilizam muito a computação e as comunicação. Conforme Haddad (2001, p. 2), a Microsoft criou a linguagem C# abrangendo o poder e a versatilidade do Visual Basic, a força e criatividade do C++ e a facilidade do Jscript. Através dessa junção, o programador pode escolher qualquer uma das linguagens citadas, e desenvolver seu projeto, mas porque utilizar apenas uma delas, se podem ter todas elas numa linguagem apenas. O C# surgiu para mudar o mercado na forma de pensar e de programar.

20 20 3 MATERIAIS E MÉTODOS Nesta seção serão descritos os materiais e os métodos utilizados para o desenvolvimento deste trabalho. 3.1 Local e Período Este trabalho foi desenvolvido utilizando computadores do NDS (Núcleo de Desenvolvimento de Sistemas) do Curso de Sistemas de Informação, localizado no Centro Universitário Luterano de Palmas, também foram utilizados os computadores do Setor de Informática do Hemocentro Coordenador de Palmas, e por último, foi utilizado o meu computador pessoal. O desenvolvimento desse trabalho iniciou em Agosto de 2006 e finalizou em novembro de Material O material utilizado para o desenvolvimento deste trabalho pode ser dividido em: Fontes bibliográficas, Hardwares e Softwares Fontes bibliográficas

21 21 Utilizaram-se livros emprestados pela Biblioteca do Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP / ULBRA), livros emprestados por Professores do Curso de Sistemas de Informação do CEULP / ULBRA, livros pessoais, monografias, matérias e artigos encontrados na Internet Hardwares Foram utilizados os computadores do Hemocentro Coordenador de Palmas, do CEULP / ULBRA e o pessoal. As configurações dos computadores são: Hemocentro Coordenador de Palmas microcomputador com processador Pentium IV com clock de 1,7 GHz, com 256Mb de memória RAM e HD com capacidade de 80Gb; notebook com processador Pentium IV com clock de 2,8 GHz, com 1024Mb de memória RAM e HD com capacidade de 80Gb. CEULP / ULBRA microcomputador com processador Pentium IV com clock de 1,4GHz, com 256Mb de memória RAM e HD de 40Gb. Pessoal microcomputador com processador Pentium IV com clock de 1,4GHz, com 512Mb de memória RAM e dois HD s, um de 40Gb e outro de 160Gb Softwares Foram utilizados neste trabalho os softwares descritos a seguir: Sistemas Operacionais Microsoft Windows 2000 Professional e Windows XP Professional, como base para utilização dos computadores;

22 22 Microsoft Office Word 2003, utilizado para visualização de material de referência bibliográfica e para a elaboração dos relatórios exigidos pela Disciplina; Notepad, utilizado para visualização rápida de códigos fontes escritos ASP.NET, XML e C#. E foi utilizado para manter as páginas da Web que foram acessadas durante as pesquisas; Adobe Acrobat Reader 5.0, utilizado para visualização de material de referência bibliográfica; Microsoft Office Access 2003, utilizado para realização de testes de conexão do Web Service com bancos de dados; Microsoft SQL Server 2005, utilizado para armazenar a base de dados do Hemovida; Sistema Hemovida 2.0, utilizado para analisar a necessidade da construção do trabalho; Microsoft.NET Framework SDK 2.0, utilizado para a execução das aplicações em ASP.NET e C#; Microsoft Visual Studio 2005, utilizado para desenvolver as aplicações em ASP.NET e C# dos Web Services; Microsoft Internet Explorer, utilizado para visualização dos resultados das aplicações desenvolvidas; CorelDraw 12, utilizado para criação e editoração de imagens utilizadas nesse trabalho; Paint, utilizado para editar imagens utilizadas no trabalho. 3.3 Métodos O método utilizado na elaboração desse trabalho foi definido pelo Curso de Sistemas de Informação, onde a cada 15 dias, foi elaborado um relatório parcial descrevendo as atividades desenvolvidas durante o tempo decorrido até a entrega dos mesmos. No final do semestre foi elaborado esse relatório final, descrevendo as etapas até a conclusão do trabalho, onde será apresentado um Workshop para defesa do trabalho desenvolvido.

23 23 Para a elaboração dos relatórios parciais, foram utilizadas pesquisas na internet, pesquisas em livros, artigos e monografias buscando informações referentes às tecnologias a serem utilizadas durante todo o trabalho e buscando atingir o objetivo proposto para este trabalho. Foi realizado um estudo de caso para definição do domínio do trabalho, após essa definição realizaram-se as pesquisas e estudos referentes às tecnologias. Assim, foi desenvolvido o Web Service proposto para o trabalho.

24 24 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES Nesta seção serão expostos os resultados obtidos durante a execução desse trabalho, primeiramente será exposto à análise do problema encontrado, seguido pela implementação e por fim os testes executados com suas análises. 4.1 Análise do Problema Com o conhecimento das funcionalidades e características de um WS, foi possível analisar as dificuldades encontradas pelo Hemocentro Coordenador de Palmas em adquirir informações dos Órgãos anexos a ele de forma diferente e propondo uma solução para o problema. Como exemplo do órgão, podemos citar o Hemonúcleo de Gurupi e o Hemocentro Regional de Araguaína. A Hemorrede do Tocantins é uma diretoria vinculada à Secretaria Estadual da Saúde, ligada diretamente ao gabinete do Secretário de Saúde, o Sistema de distribuição e abastecimento de sangue do Estado do Tocantins está concentrado somente na rede pública do Estado. Sua estrutura organizacional é constituída por uma diretoria administrativa, uma diretoria técnica, coordenações regionais e gerências técnicas e administrativas. É atualmente constituída por: - Um Hemocentro coordenador (Palmas). - Um Hemocentro regional (Araguaína). - Um Hemonúcleo (Gurupí). - Duas Unidades de Coleta e Transfusão (Porto Nacional e Augustinópolis). - Treze Agências Transfusionais intra-hospitalares

25 25 No Hemocentro, utiliza-se o sistema Hemovida (Sistema de Gerenciamento em Serviços de Hemoterapia). Analisou-se esse sistema, onde se identificou uma dificuldade de obtenção de informações estatísticas. Atualmente, o processo de retirada de informações gerenciais é feito manualmente, sendo um processo demorado, dispendioso e cansativo. O Hemovida é um Sistema criado pelo DataSus do Rio de Janeiro, que organiza desde a recepção do doador no Hemocentro até sua finalização da doação, e ainda registra todos os dados referente a cada bolsa de sangue total que entra no Setor de Fracionamento do Hemocentro, até os resultados de Sorologia e Imunohematologia. Todos os dados que são coletados no Ciclo do Sangue, que vai desde a recepção do doador até a distribuição do hemocomponente, são armazenados no Banco de Dados utilizando o SQL Server A distância entre os órgãos que compõem a estrutura da Hemorrede do Estado, dificulta a aquisição de informações e relatórios referentes aos serviços desenvolvidos nos órgãos. Buscando solucionar esse problema, foi proposta a construção de um WS, o que poderá fornecer os relatórios necessários para as tomadas de decisões do Hemocentro Coordenador de forma mais rápida. Na seção seguinte serão mostrados exemplos de implementações de WS s, visando auxiliar na implementação do WS final do Hemovida. 4.1 Análises e Testes de Implementações Para verificar o funcionamento de um processo de WS, foram realizados implementações de alguns exemplos de Web Service. O primeiro foi um chamado Calculadora, onde este é utilizado por uma página ASP.NET, que é o cliente consumidor do WS, mas esta página desenvolvida em ASP.NET será a interface que o usuário final terá acesso. A seguir será mostrado dois exemplos de implementações desenvolvidos para testar a conexão de um Web Service (WS) com um Banco de Dados no Access e com um Banco de Dados no SQL Server Ambos os exemplos, foram realizadas as implementações de um Cliente que consumiria os WS correspondentes.

26 Implementação do Web Service Calculadora No primeiro WS, será disponibilizado uma classe simples que faz a soma de 2 (dois) valores informados pelo usuário. Cada Web Service possui dois arquivos, um com a extensão asmx (Web Service) e outro com extensão cs (código com a descrição dos métodos do WS). Segundo Haddad (2001, p. 380), um WS é um conjunto de métodos (Web Methods) e, estes por sua vez, são rotinas criadas em C# (.cs) e armazenadas no WS (asmx). A seguir será mostrada a criação de um WS utilizando o Software Microsoft Visual Studio (VS).NET 2005 e a linguagem C#. Para criar um WS no VS, primeiro deve criar um site para a Web, para isso, basta acessar o menu File / New / Web Site, como exemplifica a figura 4. Figura 4 Passos para criar um Site para a Web. Deve ser definido o tipo de site que se deseja criar, neste caso será um ASP.NET Web Service, para que o site utilize a linguagem C#, deve ser escolhida a linguagem Visual C# no campo Language, conforme ilustra a figura 4, e clicando no botão Browse..., se tem acesso ao local que deseja salvar o site e qual o nome que deseja utilizar para o mesmo, conforme ilustra a figura 5.

27 27 Figura 5 Configuração do site e da linguagem do WS. Figura 6 Definição do nome do Site e do local de salvamento do mesmo. O Site cria dois arquivos, um com extensão asmx e outro cs. No arquivo asmx deverá conter o código fonte descrito na figura 7. WebService Language="C#" CodeBehind="~/App_Code/WebServiceCalculadora.cs" Class="WebServiceCalculadora" %> Figura 7 Código fonte do arquivo asmx.

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais ASP.NET > WebService herman_arais@yahoo.com.br Introdução Um WebService é um componente, ou unidade lógica de aplicação, acessível através de protocolos padrões de Internet. Como componentes, esses serviços

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Criação de um Web Services em.net

Criação de um Web Services em.net Web Service em.net 1 Criação de um Web Services em.net 1. Criar um novo Web Site com template ASP.NET Web Service, de acordo com a figura seguinte. O Visual studio cria um directório com os ficheiros indicados

Leia mais

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Trabalhando com XML RENATO CORREIA DE MATOS

Trabalhando com XML RENATO CORREIA DE MATOS Trabalhando com XML RENATO CORREIA DE MATOS Para que aplicações heterogêneas possam se comunicar é necessário que haja um padrão. Uma boa escolha para a troca de mensagens seria por meio de arquivo texto,

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Web Services na plataforma.net

Web Services na plataforma.net Web Services na plataforma.net Jackson Gomes de Souza 1 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal 160 77054-970 Palmas TO Brasil jgomes@ulbra-to.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Introdução ao ASP.NET

Introdução ao ASP.NET Introdução ao ASP.NET Miguel Isidoro Agenda ASP ASP.NET Server Controls Separação de Código e Apresentação Acesso a Dados Web Services Aplicações Web ASP.NET 1 ASP Razões do Sucesso Modelo de programação

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Conexão ao Webservice Manual do Desenvolvedor Versão 2.0.0 Brasília, fevereiro de 2013. Copyright 2012. Agência Nacional

Leia mais

Consulta de endereço através do Cep

Consulta de endereço através do Cep --------------------------------------------------------------------------------------------- Por: Giancarlo Fim giancarlo.fim@gmail.com Acesse: http://giancarlofim.wordpress.com/ ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS

JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR DE PALMAS Palmas 2006 ii JÚLIO CÉSAR PRIOLI DIÓGENES IMPLEMENTAÇÃO DE UM WEB SERVICE PARA O HEMOCENTRO COORDENADOR

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Criação de um Web Services em.net

Criação de um Web Services em.net Web Service em.net 1 Criação de um Web Services em.net 1. Criar um novo projecto do tipo ASP.NET Web Service, de acordo com a figura seguinte. O.Net cria um directório virtual com os ficheiros indicados

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Locais na Plataforma Microsoft

Desenvolvimento de Aplicações Locais na Plataforma Microsoft Desenvolvimento de Aplicações Locais na Plataforma Microsoft Profª. Angelina V.S. Melaré angelinamelare@gmail.com Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ºsem/2008 Objetivo da Aula Saber diferenciar

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br Professor Apresentação Agenda Ementa, Objetivo, Conteúdo Programático, Bibliografia,

Leia mais

ASP.NET. Michael Schuenck dos Santos

ASP.NET. Michael Schuenck dos Santos ASP.NET Michael Schuenck dos Santos Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal 15.064 91.501-970 Palmas TO Brasil michael@ulbra-to.br 1. Introdução

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 13 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Comparando Java e C#

Comparando Java e C# Por: Lincon Alexandre Marques Jonathan T. Dos Santos Ricardo Fumio Tanimoto Abril, 2009 Comparando Java e C# Introdução Escolhemos como tema deste artigo um comparativo entre as linguagens Java e C#, duas

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Tecnologia Web Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Tecnologia Web Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Tecnologia Web Professor Machado 1 WWW - World Wide Web Surgiu da necessidade de troca de documentos entre institutos de pesquisas. Utiliza o protocolo HTTP (HyperText

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes ASP.NET 2.0 e PHP Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes Linguagens pesquisadas ASP.NET 2.0 e PHP. 1 - ASP.NET 2.0 ASP.NET não é nem uma linguagem de programação como VBScript, php, nem um servidor

Leia mais

Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud. Como aproveitar o melhor de cada programador?

Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud. Como aproveitar o melhor de cada programador? Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud Como aproveitar o melhor de cada programador? Clientes querem tudo pra ontem. Como atender essa necessidade? Microsoft.NET

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

KATIA GOMES DA SILVA PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM A PLATAFORMA.NET

KATIA GOMES DA SILVA PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM A PLATAFORMA.NET KATIA GOMES DA SILVA PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM A PLATAFORMA.NET Palmas TO 2006 2 KATIA GOMES DA SILVA PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM A PLATAFORMA.NET Trabalho de Estágio apresentado

Leia mais

PADI 2015/16. Aula 1 Introdução à Plataforma.NET

PADI 2015/16. Aula 1 Introdução à Plataforma.NET PADI 2015/16 Aula 1 Introdução à Plataforma.NET 1 Sumário 1. Framework.NET Arquitectura 2. Linguagem C# 2.0 Sintaxe C# vs. Java vs. C++ 3. IDE: MS Visual Studio 2005 ou superior Ferramentas Console/Win

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

1- ASP.NET - HTML Server Controls

1- ASP.NET - HTML Server Controls 1- ASP.NET - HTML Server Controls Os controles de servidor - Server Controls - HTML são tags HTML padrão, com exceção de possuirem o atributo : runat="server". Vejamos um código que ilustra isto: O atributo

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML

Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Protótipo de um sistema para licenciamento de aplicativos Microsoft.NET baseado em assinatura digital XML Acadêmico: Leonardo Chagas D Ippolito Orientador: Prof. Marcel Hugo Blumenau, Dezembro de 2004

Leia mais

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX?

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX? Nível - Avançado AJAX no GASweb Por: Pablo Hadler AJAX (Asynchronous Javascript and XML) foi criado com o princípio de ser uma maneira rápida e otimizada de podermos fazer requisições Web, sendo esta totalmente

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas

ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas ADO.NET - Roteiro básico e Boas Práticas Confuso com tantos conceitos novos, com tantas siglas e acrósticos? Qual provedor usar? Devo usar DataSet ou DataReader? Se essas e outras dúvidas te atormentam,

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 16 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Acesso a Banco de Dados usando C# (MySql Provider)

Acesso a Banco de Dados usando C# (MySql Provider) Ambiente de Programação Visual Acesso a Banco de Dados usando C# (MySql Provider) Prof. Mauro Lopes 1-31 22 Objetivos Nesta aula iremos apresentar o ADO.NET. Esta importante parte da tecnologia.net permite

Leia mais

Dando um passeio no ASP.NET

Dando um passeio no ASP.NET Dando um passeio no ASP.NET Por Mauro Sant Anna (mas_mauro@hotmail.com). Mauro é um MSDN Regional Director, consultor e instrutor. O principal objetivo da arquitetura.net é permitir ao usuário o fácil

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

A interface do Microsoft Visual Studio 2005

A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Tarefa Orientada 1 A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Objectivos: Introdução à framework.net Iniciar o Visual Studio 2005. Criar um novo projecto de Windows Forms em Visual Basic Introdução à

Leia mais

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET

CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET CAPÍTULO 8 Conexões de banco de dados para programadores ASP.NET Para utilizar um banco de dados com um aplicativo ASP.NET, é necessário criar uma conexão de banco de dados no Macromedia Dreamweaver MX.

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

REGRAS DE CODIFICAÇÃO PARA O SMARTSHARE

REGRAS DE CODIFICAÇÃO PARA O SMARTSHARE REGRAS DE CODIFICAÇÃO PARA O SMARTSHARE 1. Como nomear variáveis, classes métodos e etc... Métodos descrevem ações, portanto todos os métodos DEVEM conter no mínimo um verbo SEMPRE no infinitivo. Toda

Leia mais