REGULAMENTO DE PUBLICIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE PUBLICIDADE"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE PUBLICIDADE Preâmbulo O artigo 11º da Lei n.º 97/88, de 17 de Agosto, que estabelece o regime jurídico da afixação ou inscrição de mensagens publicitárias de natureza comercial, determina a obrigatoriedade de elaboração de regulamentos municipais de execução de regime nela contemplado. A regulamentação municipal sobre publicidade data de 1992, pelo que é necessário actualizá-la e harmonizá-la com a legislação em vigor, dando cobertura legal ao aparecimento de novas formas de publicidade e suporte de afixação ou inscrição de mensagens publicitárias. No município de Caldas da Rainha tem-se verificado um aumento acentuado da actividade publicitária nos últimos anos, quer ao nível dos suportes, quer do número de concorrência de empresas a operar neste mercado, o que impõe a definição de uma disciplina normativa da actividade publicitária no que se refere à afixação e inscrição de suportes publicitários. A publicidade assume, hoje em dia, uma importância e um relevo significativos, quer enquanto instrumento da actividade económica, quer enquanto instrumento de fomento da concorrência, quer mesmo enquanto instrumento cultural. Neste sentido, a tutela do interesse público a acautelar determina que se positivem os condicionamentos ao licenciamento e se fixem os motivos de indeferimento do pedido de licenciamento ou de renovação da licença. Assim: Assim, nos termos do disposto nos artigos 112.º, n.º 8 e 241.º da Constituição da República Portuguesa, do preceituado na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º e na alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, a Assembleia Municipal de Caldas da Rainha, sob proposta da Câmara Municipal, aprovou o presente Regulamento. O presente Regulamento foi objecto de apreciação pública, nos termos do n.º 2 do artigo 118.º do Decreto-Lei n.º 442/91, de 15 de Novembro, com a nova redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 6/96, de 31 de Janeiro, bem como as alterações propostas. Página 1 de 36

2 CAPITULO I ÂMBITO Artigo 1º (Lei habilitante) O processo de licenciamento de mensagens publicitárias previsto na Lei nº 97/88, de 17 de Agosto, rege-se, na área do Município das Caldas da Rainha, pelo presente Regulamento. Artigo 2º (Objecto e Âmbito da Aplicação) 1 - Este Regulamento aplica-se a qualquer forma de publicidade da natureza comercial independentemente do suporte utilizado para a sua difusão, quando visível ou perceptível do espaço público. 2 - Exceptuam-se do disposto no número anterior: a) Os dizeres que resultem de imposição legal, nomeadamente sinalização de trânsito; b) A indicação de marcas, dos preços ou da qualidade, colocados nos artigos à venda no interior dos estabelecimentos e neles comercializados; c) As montras apenas com acesso pelo interior dos estabelecimentos ou que não tenham sobre a via pública saliência superior a 10 centímetros; d) Os anúncios relativos a serviços de transportes colectivos públicos concedidos; e) A publicidade adjudicada em concurso ou procedimento público e em regime de concessão pela Câmara Municipal das Caldas da Rainha, quando tal dispensa conste nas peças de concurso ou de contrato respectivo; f) Os anúncios colocados ou afixados em prédios urbanos ou rústicos com a simples menção de vende-se, Arrenda-se, trespassa-se, cede-se, ou figuras jurídicas afins; g) A identificação de organismos públicos e de instituições particulares ou de solidariedade social sedeadas na área do Município das Caldas da Rainha; h) A propaganda política, nos termos previstos na Lei nº 97/88 de 17 de Agosto. Página 2 de 36

3 3 - Salvo disposição legal em contrário, as entidades isentas do pagamento de taxas municipais estão, no entanto, sujeitas ao licenciamento previsto no presente regulamento. Artigo 3º (Definições) 1 - Para efeitos deste regulamento entende-se por: a) Publicidade qualquer forma de comunicação feita no âmbito duma actividade económica (comercial, industrial, artesanal ou liberal), com o objectivo directo ou indirecto de promover a comercialização ou alienação de quaisquer bens ou serviços, incluindo direitos e obrigações, bem como qualquer forma de comunicação que vise promover ideias, princípios, iniciativas ou instituições, que não tenham natureza politica; b) Publicidade exterior todas as formas de comunicação publicitária prevista na alínea anterior quando visíveis ou perceptíveis do espaço público; c) Espaço público toda a área não edificada, de livre acesso, incluindo a via pública; d) Via pública as estradas, praças, avenidas, caminhos-de-ferro e todos os demais lugares por onde circulem livremente peões, automóveis e outros veículos. Artigo 4º (Formas de Difusão de Publicidade) 1- São formas de Difusão de publicidade, nomeadamente: a) Suporte publicitário meio utilizado para a transmissão da mensagem publicitária. b) Painel suporte constituído por moldura e respectiva estrutura fixado directamente no solo, parede ou muro, pode ser estático ou rotativo; c) Mono-poste suporte constituído por painel ou conjunto de painéis, fixos ou rotativos, elevados a mais de 5,00 m do solo por meio de um apoio central. d) Mupi tipo de mobiliário urbano destinado a publicidade, dotado de iluminação interior, podendo, em alguns casos, conter informação e servir de suporte à afixação de cartazes publicitários institucionais ou comerciais; e) Coluna publicitária peça de mobiliário urbano de forma cilíndrica ou outra, dotada de iluminação interior, apresentando por vezes uma estrutura dinâmica que permite a rotação das mensagens publicitárias; f) Mastro Bandeira peça de mobiliário urbano derivada do mupi, com a particularidade de estar integrada num mastro, com a função principal de elevar a área de afixação Página 3 de 36

4 publicitária acima dos 2,20 metros de altura. O mastro tem como função complementar ostentar uma bandeira; g) Direccionador (mupe) peça de mobiliário urbano, mono ou biface, com estrutura de suporte fixada directamente no solo, não luminosa, concebida para suportar até três setas direccionais, com afixação acima dos 2,20 metros de altura; h) Anúncio electrónico sistema computorizado de emissão de mensagens e imagens, ou com a possibilidade de ligação a circuitos de televisão e vídeo; i) Letreiro todo o suporte publicitário colocado directamente nas fachadas, sobre o qual se faça incidir intencionalmente uma fonte de luz ou não; j) Anúncio ou reclamo luminoso ou iluminado todo o suporte publicitário que emite luz própria ou sobre o qual se faça incidir intencionalmente uma fonte de luz; k) Bandeirola todo o suporte de publicidade afixado em poste ou candeeiro; l) Chapa suporte não luminoso aplicado ou pintado em paramento visível e liso, usualmente utilizado para assinalar actividades comerciais ou serviços (consultórios médicos, escritórios, ou outras actividades similares), com uma dimensão que não exceda os 0,60mX0,40m, e uma saliência que não exceda os 0.03m; m) Pala elemento rígido com predomínio da dimensão horizontal, fixo aos paramentos das fachadas e funciona como suporte de afixação, inscrição de imagens publicitárias e ou protecção de agentes atmosféricos; n) Placa suporte não luminoso aplicado em paramento visível, com ou sem emolduramento, e não excedendo na sua maior dimensão 1,50m; o) Vitrine ou montra mostrador envidraçado onde se expõe informação, publicidade, menus ou objectos à venda, em estabelecimentos comerciais; p) Toldo toda a cobertura amovível que sirva para abrigar do sol ou da chuva, aplicáveis a vãos de portas, janelas, montras e fachadas de estabelecimentos comerciais e onde estejam inscritas mensagens publicitárias; q) Sanefas facha larga, constituída por materiais diversos, que se estende por baixo dos toldos ou palas; r) Tabuleta suporte luminoso ou não, afixado perpendicularmente às fachadas dos edifícios com mensagens publicitárias nas faces, designando a natureza do comércio ou serviço; s) Cartaz toda a mensagem publicitária ou de propaganda inscrita em papel, tela ou plástico para afixação, colado ou por outro meio afixado directamente em montra ou em local adequado para o efeito e confinando com a via pública; Página 4 de 36

5 t) Letras soltas ou Símbolos mensagens publicitárias aplicadas nas fachadas dos edifícios, constituídas por um conjunto formado por suportes não luminosos, individuais para cada letra ou símbolo; u) Blimp, Balão, Zepplin, Insufláveis e semelhantes - todos os suportes que, para a sua exposição no ar, careçam de gás, podendo estabelecer-se a ligação ao solo por elementos de fixação; v) Unidades móveis publicitários, veículos automóveis e outros meios de locomoção veículos utilizados para o exercício da actividade publicitária. w) Publicidade sonora todas as formas de difusão de som com fins comerciais, emitida no espaço público e dele audível e perceptível. x) Panfleto impresso que é dobrado para facilidade de transporte e acomodação e que se desdobra para consulta; CAPITULO II DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 5º (Critérios de Licenciamento e de Exercício) 1 - Os critérios a estabelecer no licenciamento da publicidade comercial, assim como, o exercício das actividades de propaganda, devem obedecer aos objectivos: a) Não provocar obstrução de perspectivas panorâmicas ou afectar a estética ou ambiente dos lugares ou da paisagem; b) Não prejudicar a beleza ou o enquadramento de monumentos nacionais, de edifícios de interesse público ou outros susceptíveis de ser classificados pelas entidades públicas; c) Não causar prejuízos a terceiros; d) Não afectar a segurança das pessoas ou das coisas, nomeadamente na circulação rodoviária ou ferroviária; e) Não apresentar disposições, formatos ou cores que possam confundirse com as da sinalização de tráfego; f) Não prejudicar a circulação de peões, designadamente dos deficientes; g) Não prejudicar a manutenção e leitura integral da imagem, expressão das fachadas e características dos edifícios em que se venham a inserir designadamente pelo incorrecto enquadramento e integração dos elementos de publicidade propostos no edifício, nomeadamente quanto a cores, dimensões, proporções, escala e materiais; Página 5 de 36

6 h) Não prejudicar a visibilidade de placas toponímicas, semáforos, sinais de trânsito e sinalização informativa; i) Não poderá apresentar disposições, formatos ou cores susceptíveis de se confundir com os elementos da alínea anterior; j) Não prejudicar ou dificultar a circulação de veículos de socorro e de emergência; k) Não prejudicar a iluminação pública; l) Não prejudicar os espaços verdes; m) Não prejudicar a salubridade de espaços públicos; n) Não prejudicar o acesso, sob qualquer forma, a edifícios; o) Não provocar Ruído para além dos limites impostos pela respectiva legislação. 2- É proibida, em qualquer caso, a realização de inscrições ou pinturas murais em monumentos nacionais, edifícios religiosos, sedes de órgão de soberania, de regiões autónomas ou de autarquias locais, tal como em sinais de trânsito, placas de sinalização rodoviárias, interior de quaisquer repartições ou edifícios públicos ou franqueados ao público, incluindo estabelecimentos comerciais e centros históricos como tal declarados ao abrigo da competente regulamentação urbanística. Artigo 6º (Princípios Orientadores) O licenciamento previsto pelo presente regulamento visa definir os critérios de localização, instalação e adequação, formal e funcional, dos meios tendentes à publicidade e dos suportes publicitários relativamente à envolvente urbana, numa perspectiva de qualificação do espaço público, de respeito pelos valores ambientais e paisagísticos e de melhoria da qualidade de vida, regendo-se pelos seguintes valores e princípios fundamentais: a) Salvaguarda da segurança e integridade das pessoas e bens, nomeadamente nas condições de acessibilidade, pedonal e rodoviária; b) Preservação e valorização dos imóveis classificados e conjuntos urbanos de interesse, designadamente dentro do perímetro do Centro Histórico consagrado em Plano Director Municipal e no Plano de Pormenor do Centro Histórico da Cidade das Caldas da Rainha; c) Salvaguarda do equilíbrio ambiental e qualidade estética, ainda que verifique todas as condições de licenciamento. Página 6 de 36

7 Artigo 7º (Licenciamento prévio) 1 - A afixação ou inscrição de mensagens publicitárias em bens ou espaços afectos ao domínio público, ou deles visíveis, fica sujeita a licenciamento prévio da Câmara Municipal. 2 - Exceptuam-se do disposto no número anterior as marcas, objectos e quaisquer referências a bens ou produtos expostos no interior de estabelecimentos ou suas montras de exposição desde que nele comercializados ou fabricados. 3 - Quando os anúncios e reclamos forem substituídos com frequência do mesmo local, por outros de igual natureza, poderá conceder-se avença pela medida que represente a dimensão máxima, ficando a colocação dos anúncios sujeita a visto prévio dos Serviços Municipais. Nestes casos, a importância da avença será igual a quatro vezes a taxa que corresponderia a um anúncio de maior medida. 4 - De modo a salvaguardar a qualidade estética e integração arquitectónica da publicidade nos edifícios e no espaço público, os seus projectos de intervenção deverão ser remetidos para aprovação prévia à Câmara Municipal. 5- Exceptuam-se do nº4, eventos pontuais organizados pela autarquia ou apoiados pela mesma, com carácter provisório, cuja criatividade e originalidade possa ser considerada como elemento valorizador para o edifício e/ou para a paisagem urbana envolvente, nomeadamente intervenções do tipo grafitti não sendo assim consideradas intervenções publicitárias, desde que expressamente salvaguardadas por deliberação do Executivo Municipal. Artigo 8º (Precariedade das Licenças ou Autorizações) Quando imperativos de reordenamento do espaço, designadamente a aprovação dos planos municipais de ordenamento do território, de execução de obra, mau estado de conservação ou outras de manifesto interesse público, assim o justifique, poderá ser ordenada pela Câmara Municipal a remoção de equipamentos e suportes publicitários ou a sua transferência para outro local do concelho. Página 7 de 36

8 Artigo 9º (Concessão de Exclusivos) 1 - A Câmara Municipal poderá conceder, por um período não superior a 5 anos, mediante concurso ou procedimento público, e em locais bem determinados e previamente aprovados pelo Executivo, exclusivos de exploração publicitária em determinados elementos de mobiliário urbano. 2 - Na concessão de exclusivos de exploração, serão ponderados, designadamente, a adequação estética do suporte publicitário ao elemento de mobiliário urbano e à envolvente e contrapartidas para o município. Artigo 10º (Responsabilidade das Empresas de Montagem e Instalação) As empresas de fornecimento e montagem de suportes publicitários a instalar no espaço público, só devem prestar o serviço após ter sido emitido o respectivo alvará de licença, nos termos do presente regulamento, incorrendo também em contra-ordenação caso não cumpram o presente artigo. Artigo 11º (Proibição) 1.Sem prejuízo do estabelecido nos artigos anteriores é proibida: a) A instalação de faixas de pano, plástico, papel ou outro material semelhante que atravessem a via pública, excepto quando a mensagem publicitária anuncie um evento ocasional, regular e de natureza efémera com carácter social, desportivo e cultural ou desde que não condicione a circulação rodoviária. b) A utilização de panfletos ou meios semelhantes projectados ou lançados por meios terrestres ou aéreos. Artigo 12º (Excepções) Sempre que a mensagem publicitária se circunscreva á identificação da actividade exercida no imóvel, embora careça de licenciamento, exceptuam se as limitações previstas neste regulamento. Página 8 de 36

9 Artigo 13º (Condicionamentos ao licenciamento) 1. A difusão publicitária não pode ser licenciada sempre que se situe: a) A menos de 0,40m em relação ao limite exterior do passeio; Quando o passeio tiver largura superior a 1,20m a distância mínima será de 0,80m; b) Em sinais de trânsito ou semáforos; c) Em ilhas para peões ou para suporte de sinalização; d) A menos de 10m do inicio ou fim dos separadores centrais dos arruamentos; e) Nas placas das rotundas, com excepção das situações em que esta for contrapartida pelo seu tratamento e embelezamento; f) Em vidrões, contentores, papeleiras ou outros recipientes de armazenagem de resíduos, armários da EDP, Portugal Telecom ou outras entidades, e postos de transformação. Artigo 14º Publicidade nas vias públicas 1 - Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, a publicidade a afixar ou inscrever nas imediações das vias municipais fora das áreas urbanas, desde que não visível das estradas nacionais, deve obedecer aos seguintes condicionamentos: a) Nas estradas municipais, a publicidade deve ser colocada a uma distância mínima de 6 m do seu eixo; b) Nos caminhos municipais, a publicidade deve ser colocada a uma distância mínima de 4,5 m do seu eixo; 2 - Podem-se exceptuar dos condicionamentos previstos no número anterior os seguintes meios de publicidade: a) De interesse cultural ou turístico; b) Que se destinem a identificar edifícios ou estabelecimentos, públicos ou particulares, desde que tal publicidade seja afixada ou inscrita nos mesmos. Artigo 15º (Publicidade sonora) 1 - É permitida a publicidade sonora, desde que respeite os limites impostos pela legislação aplicável a actividades ruidosas. Página 9 de 36

10 2 - Compete à Câmara Municipal e demais entidades legalmente competentes para o efeito a fiscalização e medição dos níveis sonoros emitidos pelas actividades referidas no número anterior. Artigo 16º (Propaganda em Campanha Eleitoral) 1 - Nos períodos de campanha eleitoral a Câmara deve colocar à disposição das forças concorrentes espaços especialmente destinados à afixação da sua propaganda. 2 - Os critérios de distribuição dos espaços referidos no número anterior, são os que constam dos nºs 2 e 3 do artigo 7º da Lei nº 97/88 de 17 de Agosto. Artigo 17º (Ortografia) 1- Todas as formas de difusão publicitária devem ser de preferência em língua Portuguesa, devendo os termos estrangeiros, sempre que possível, ser acompanhados de tradução para Português. 2- A inclusão de palavras e expressões estrangeiras poderá ser autorizada nas seguintes situações: a) Quando se trate de marcas registadas ou denominações de firmas; b) Quando se trate de nomes de figurantes ou de títulos de espectáculos cinematográficos, teatrais, de variedades ou desportivos. CAPITULO III PROCESSO DE LICENCIAMENTO Artigo 18º (Requerimento inicial) 1- A licença para a difusão publicitária depende de requerimento dirigido ao Presidente da Câmara Municipal. 2- O requerimento inicial tem que dar entrada, pelo menos, 15 dias antes do início do prazo pretendido sempre que este seja inferior a 30 dias. Página 10 de 36

11 3- O licenciamento para a difusão de publicidade através de meios ou suportes que, por si só, exijam licenciamento ou autorização para obras de construção civil deve ser requerido cumulativamente, nos termos da legislação aplicável. 4- Na inobservância do disposto no número anterior, a Câmara Municipal depois de notificar o infractor para o efeito, é competente para ordenar a remoção das mensagens publicitárias e embargar ou demolir as obras. 5- Os restantes meios ou suportes, cujo fim principal seja a publicidade, estão apenas sujeitos a licenciamento para afixação de mensagens publicitárias. Artigo 19º (Elementos obrigatórios) 1 - O requerimento deve conter obrigatoriamente: a) O nome ou a designação, a identificação fiscal e residência ou sede do requerente e a indicação da qualidade em que requer a licença; b) A indicação exacta do local e do meio ou suporte a utilizar; c) O período de utilização pretendida; d) Nome do estabelecimento comercial, quando aplicável; e) Ramo de actividade exercido, quando aplicável, e licença de utilização do espaço no qual exerce. 2 - Ao requerimento deve ser junto: a) Memória descritiva com indicação dos materiais, formas e cores; b) Desenho do meio ou suporte, com indicação da forma, dimensões e balanço de afixação e distâncias ao limite externo do passeio respeitante quando o meio ou suporte se localize a altura inferior a 5,00 m; c) Fotografias a cores indicando o local previsto para a afixação, bem como elucidando o seu enquadramento urbanístico e/ou paisagístico; d) Fotomontagem esclarecedora do pretendido quanto à afixação do suporte publicitário apresentadas em suporte de papel formato A4; e) Planta de localização com identificação do local previsto para a instalação à escala 1:25000 e 1:2000; f) No caso de suportes publicitários a colocar em fachada de edifícios, deve apresentar-se desenho do alçado de conjunto numa extensão de 10 m para cada um dos lados e corte, cotado, esclarecedor do pretendido, à escala mínima de 1:100, com a integração do suporte publicitário e com indicação dos materiais, cores e texturas a utilizar; g) Caso o pedido de licenciamento diga respeito à área geográfica do Centro Histórico, para além da além dos elementos solicitados nas Página 11 de 36

12 alíneas anteriores, deverá ser igualmente mencionada a fonte de letra utilizada; h) Outros elementos que o requerente considere adequados a complementarem os anteriores e esclarecer o pretendido. 3 - Quando a implantação pretendida se situe em zona sujeita a servidão administrativa ou restrição de utilidade pública que obrigue a consulta de entidades exteriores ao município, designadamente no âmbito do património cultural, da rede rodoviária nacional, ou da rede ferroviária, os elementos referidos no número anterior devem ser entregues em número acrescido de quantas as entidades exteriores a consultar. 4 - Outros documentos que, cada caso, especificamente exija. 5 - O pedido de licenciamento deve ainda ser instruído com documento comprovativo de que o requerente é proprietário ou titular de outro direito que invoque sobre o bem ou bens onde pretende afixar, inscrever ou difundir a mensagem publicitária. 6 - Para os casos não previstos no número anterior o requerente deve juntar autorização escrita do proprietário ou possuidor do bem ou dos bens, com a respectiva assinatura devidamente reconhecida nessa qualidade. 7 - O pedido pode ser liminarmente indeferido se não forem indicados ou juntos com o requerimento os elementos ou documentos a que se referem os números anteriores. Artigo 20º (Elementos complementares) 1 - Salvo quando se trate de publicidade inserida em suporte ao abrigo do Regulamento Geral de Mobiliário Urbano e Ocupação de Via Publica, nos 20 dias seguintes à data da entrada do requerimento pode ser solicitado: a) A indicação de outros elementos, sempre que se verifiquem dúvidas susceptíveis de comprometer a apreciação do pedido; b) Autorização de outros proprietários, co-proprietários ou locatários, por escrito e com as respectivas assinaturas devidamente reconhecidas nessa qualidade, que possam vir a sofrer danos com a fixação ou inscrição pretendida; c) Desenho que pormenorize a instalação, indicando as distâncias a outros elementos próximos, às escalas de 1:100 ou 1: O pedido pode ser liminarmente indeferido se não forem indicados ou juntos os elementos complementares, no prazo de 20 dias contados da data da solicitação prevista no número anterior. Página 12 de 36

13 Artigo 21 (Pareceres vinculativos) 1 - Compete à Câmara Municipal promover, no prazo de 20 dias a contar da data da recepção do requerimento, ou da entrega dos elementos complementares a que alude o artigo anterior, a consulta às entidades com jurisdição nos locais onde a mensagem publicitária for afixada ou inscrita. 2 - As entidades consultadas devem, no prazo de 30 dias a contar da data da recepção do processo, pronunciar-se exclusivamente no âmbito das suas competências. 3 - Os pareceres das entidades consultadas serão vinculativos, sempre que estejam em causa condicionalismos legais ou regulamentares, sem prejuízo de qualquer disposição especial. Artigo 22º (Consulta ao IPPAR) O licenciamento da afixação ou inscrição de mensagens publicitárias em imóveis classificados ou em fase de instrução de processos de classificação ou respectivas zonas de protecção, é precedido de consulta, nos termos do artigo anterior, do IPPAR (Instituto Português do Património Arquitectónico), cujo parecer tem carácter vinculativo, nos termos da legislação aplicável em vigor. Artigo 23º (Prazo de licença) 1 - As licenças serão emitidas pelo prazo máximo correspondente ao período de tempo que mediar até ao final do ano civil em curso, podendo ser emitidas por prazo inferior, a solicitação do requerente. 2 - A renovação da licença efectua-se durante o mês de Janeiro de cada ano civil, devendo o respectivo pagamento ser efectuado durante o referido mês. 3 - A licença renova-se automática e sucessivamente por períodos sucessivos de um ano, desde que o interessado pague a respectiva taxa, no prazo de vigência da licença existente, salvo se: Página 13 de 36

14 a) A Câmara Municipal notificar por escrito o titular de decisão em sentido contrário e com a antecedência mínima de 30 dias antes do termo do prazo respectivo; b) O titular comunicar por escrito à Câmara Municipal intenção contrária e com a antecedência mínima de 30 dias; c) Por morte, declaração de insolvência, falência ou outra forma de extinção da entidade titular. Artigo 24º (Taxas) 1 - Pelas licenças de publicidade ou sua renovação são devidas as taxas constantes do Capítulo XI Publicidade da Tabela das Taxas e Licenças Municipais. 2 - As taxas são liquidadas com o deferimento do pedido de licenciamento ou de renovação da licença. 3 - As taxas são pagas aquando do levantamento do alvará de licenciamento ou do averbamento da renovação e são condição da sua eficácia. 4 - Salvo disposição legal em contrário, as entidades legalmente isentas do pagamento de taxas às autarquias não estão isentas do licenciamento a que se refere este regulamento. Artigo 25º (Deliberação sobre o pedido) 1 - A Câmara Municipal deliberará sobre o pedido de licenciamento, no prazo de 30 dias a contar: a) Da data de entrega do requerimento inicial e de todos os documentos a que alude os artigos nº 19 e nº 20; b) Da data de recepção dos pareceres emitidos pelas entidades consultadas; c) Do termo do prazo estabelecido para a emissão dos mesmos, salvo disposição legal em contrário. Página 14 de 36

15 Artigo 26º (Notificação de decisão) 1 - A decisão sobre o pedido de licenciamento é notificada por escrito ao requerente no prazo de oito dias a contar da decisão final. Artigo 27º (Deferimento) 1 - Em caso de deferimento a notificação da deliberação deve incluir a indicação do local, do prazo para o levantamento do alvará de licença e o valor da taxa respectiva. 2 - A autorização conferida caduca se não for levantada a licença e paga a taxa dentro do prazo indicado. 3 - Acompanham obrigatoriamente a licença os duplicados objecto de autorização e apensos ao requerimento, da qual fazem parte. 4 - A licença deve sempre especificar as obrigações e condições a cumprir pelo seu titular, nomeadamente: a) Prazo de duração; b) Prazo para comunicar a não renovação; c) Número de ordem atribuído ao meio ou suporte, o qual deve ser afixado no mesmo, juntamente com o número da licença e identidade do titular; d) Obrigação de manter o meio ou suporte em boas condições de conservação, funcionamento e segurança; e) Quais os duplicados que a integram; 5 - O titular da licença só pode exercer os direitos que lhe são conferidos pelo licenciamento depois do pagamento da taxa referida no artigo 21º. 6 - A Câmara Municipal pode fundamentadamente condicionar o levantamento do alvará de licença, à apresentação de contrato de seguro de responsabilidade civil de valor adequado, em situações que o justifiquem. Artigo 28º (Mudança da Titularidade da Licença) 1 - A utilização da licença de publicidade é válida para o seu titular. 2 - A mudança da titularidade carece de licença e depende do respectivo averbamento, só sendo autorizada nas seguintes condições: a) Quando se encontrem pagas as taxas devidas, previstas no artigo 21º; Página 15 de 36

16 b) Quando não sejam pretendidas quaisquer alterações ao objecto do licenciamento; c) Quando o requerente apresentar prova da legitimidade do seu interesse. 3 - Pela mudança da titularidade, o novo titular fica autorizado, após pagamento da taxa respectiva, a usufruir da publicidade em causa até ao fim do prazo de duração da licença a que estava autorizado o anterior titular. Artigo 29º (Contrapartidas para o Município) O licenciamento de suportes publicitários pode determinar a reserva de algum ou alguns espaços de publicidade, até ao máximo de 20% para difusão de mensagens relativas às actividades do Município ou outras apoiadas por este. Artigo 30º (Licenciamento Cumulativo) 1 - No caso em que a difusão de publicidade exigir a execução de obras de construção civil sujeitas a licença ou autorização, têm estas de ser requeridas cumulativamente, nos termos da legislação aplicável. 2 - O licenciamento referido no número anterior fica sujeito ao pagamento da respectiva taxa cumulativa sempre que exista outra efectiva utilização do domínio público, sem prejuízo de eventuais sanções ou medidas de política municipais aplicáveis. 3 - A Câmara Municipal, mediante incumprimento de notificação para remoção de mensagens de publicidade ou de propaganda não licenciadas nos termos do presente regulamento, pode proceder ao embargo ou demolição das obras. Artigo 31º (Revogação) A licença para afixação ou inscrição de mensagens publicitárias pode ser revogada sempre que: a) Situações excepcionais de imperioso interesse público assim o exigirem; b) O seu titular não cumpra as normas legais e regulamentares a que está sujeito ou quaisquer obrigações a que se tenha vinculado do licenciamento. Página 16 de 36

17 Artigo 32º (Indeferimento) O pedido de licenciamento só poderá ser indeferido com qualquer dos seguintes fundamentos: a) Desrespeito por normas legais e regulamentares em vigor à data; b) Existência de parecer desfavorável de entidade com jurisdição nos locais onde a mensagem publicitária for afixada ou inscrita; c) Não respeitar os limites previstos nos artigos 10º e 11º ou as condições estabelecidas no capítulo IV deste Regulamento, para suportes publicitários; d) Não respeitar os limites impostos pela legislação aplicável em vigor, quando se tratar de licenciamento de publicidade sonora; e) Não terem sido juntos os documentos a que se referem os artigos 48º, 52º e 60º; f) Por interesse público relevante; g) Quando o requerente possuir dividas à autarquia na área da actividade publicitária. Artigo 33º (Deveres Gerais do Titular) O titular da licença de publicidade fica vinculado às seguintes obrigações: a) Não poderá proceder à adulteração dos elementos como tal aprovados; b) Não poderá transmitir a licença a outrem, salvo mudança de titularidade autorizada; c) Deverá remover a mensagem e respectivo suporte, imediatamente, no fim do prazo da licença, se não houver renovação; d) Deverá repor a situação existente no local, a expensas suas, tal como se encontrava à data da instalação do suporte, da afixação ou inscrição da mensagem publicitária ou da utilização com o evento publicitário, findo o prazo da licença; e) Deverá ter sempre colocado em local visível à fiscalização as licenças de publicidade (alvará); f) Deverá conservar os suportes, outros meios publicitários e os espaços circundantes, dentro das normas da melhor apresentação, higiene e arrumação e estado de conservação. g) Quando a publicidade aprovada implique a realização de obras em passeios ou outros espaços públicos, é da responsabilidade do titular da licença a boa execução dos remates com pavimentos existentes, bem como aquando da caducidade das respectivas licenças, a reposição dos mesmos no estado anterior à colocação dos meios ou suportes publicitários. Página 17 de 36

18 CAPITULO IV SUPORTES PUBLICITÁRIOS SECÇÃO I Palas, Toldos e Sanefas Artigo 34º (Limites) 1 - Na instalação de palas, toldos e respectivas sanefas observar-se-ão os seguintes limites: a) A saliência máxima deverá sempre deixar livre uma distância não inferior a 0,60m em relação à vertical do limite externo do passeio, podendo ser fixada uma distância superior sempre que o trafego automóvel ou a existência ou previsão da instalação de equipamento urbano o justifiquem; b) Só é permitida ao nível do rés-do-chão, podendo admitir-se a colocação noutro nível quando o toldo ou similar não exceda os limites exteriores da fachada e quando se coloquem em causa valores de segurança e estética. c) Em caso algum a ocupação pode exceder o balanço de 2,50m, bem como, lateralmente, os limites das instalações pertencentes ao respectivo estabelecimento; d) A instalação deve fazer-se a uma distância do solo igual ou superior a 2,10m ou 2,60m, conforme se trate respectivamente de toldo ou pala, e nunca acima do nível do tecto do estabelecimento a que pertençam. e) O limite inferior das sanefas deverá ficar a uma distância do solo igual ou superior a 1,90m. 2 - A instalação de palas apenas se admitirá excepcionalmente, considerando o ambiente e a estética dos respectivos locais, salvaguardando a sua boa integração e quando as mesmas não comprometam a integridade arquitectónica dos edifícios em que se venham a inserir. 3 - No Centro Histórico só são permitidos: a) Toldos não rígidos, de rebater (do tipo braços invisíveis rebatíveis) no plano de fachada, nos casos em que possua pala pendente esta não poderá ter dimensão superior a 0,15m de altura; b) Toldos que devam assegurar um afastamento horizontal mínimo de 0,60m relativamente ao extremo do passeio e só nos casos em que este tenha largura superior a 1,00m; c) Toldos cuja altura mínima da parte inferior não possa ser inferior a 2,10m; d) Toldos que não contenham publicidade. Só será admitida a identificação do respectivo estabelecimento; Página 18 de 36

19 e) Toldos em lona ou material semelhante, não sendo permitidos em material plástico. f) Os toldos deverão inserir-se no vão que pertencerem ou saliência construtiva. Artigo 35º (Proibições) 1 - É proibido afixar ou pendurar quaisquer objectos nos toldos, palas e sanefas. 2 - Exceptua-se ao disposto no número anterior a afixação de mensagens publicitárias, licenciadas pela Câmara Municipal nos termos do presente Regulamento, e obrigatoriamente constantes do alvará. 3 - As palas não são permitidas na área do Centro Histórico definido no Plano Director Municipal. Artigo 36º (Sanefas) Só poderão ser autorizadas sanefas após o licenciamento da respectiva pala ou toldo. Artigo 37º (Condições de aplicação de palas e toldos) 1 - Não poderão localizar-se acima do nível do piso do 1º andar dos edifícios. 2 - Não poderão exceder a altura dos gradeamentos ou outras zonas vazadas em varandas. 3 - Não poderão ocultar elementos decorativos ou outros com interesse na composição arquitectónica das fachadas. 4 - As palas e toldos deverão ser mantidos em bom estado de conservação e limpeza. Página 19 de 36

20 SECÇÃO II Chapas, Placas, Tabuletas, Letras Soltas ou Símbolos e semelhantes Artigo 38º (Condições de aplicação das chapas) 1 - As chapas não podem: a) Localizar-se acima do nível do piso do 1.º andar dos edifícios. b) Ocultar elementos decorativos ou outros com interesse na composição arquitectónica das fachadas. c) Em cada edifício distinguir-se no tamanho, cor e material, estarem desalinhadas e não manterem entre si distâncias regulares. d) As suas medidas deverão ser proporcionais e adequadas ao espaçamento dos vãos do estabelecimento ou à inserção no edifício, visto caso a caso; Artigo 39º (Condições de aplicação das placas) 1 - As placas não podem: a) Exceder a altura dos gradeamentos ou outras zonas vazadas em varandas; b) Ocultar elementos decorativos ou outros com interesse na composição arquitectónica das fachadas. 2 - No Centro Histórico definido no Plano Director Municipal não é permitida a aplicação de placas acima do nível do piso do 1.º andar dos edifícios. 3 Exceptua-se do n.º anterior as placas indicativas de médicos e advogados, caso a sua aplicação seja em edifícios de tipologia c (carácter recente) definida em regulamento do Plano de Pormenor do Centro Histórico. Artigo 40º (Condições de aplicação das tabuletas) 1 - As tabuletas não podem: a) Ser afixadas a menos de 3,00m de outra previamente licenciada; b) Distar menos de 2,60m do solo; c) Exceder o balanço de 1,20m em relação ao plano marginal do edifício. Página 20 de 36

Regulamento Municipal de Publicidade no Concelho de Viana do Alentejo

Regulamento Municipal de Publicidade no Concelho de Viana do Alentejo Regulamento Municipal de Publicidade no Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo Tendo em consideração a não existência no município de Viana do Alentejo de regulamento de licenciamento de mensagens publicitárias,

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DO CONCELHO DE CAMINHA 1992 1 REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO CONCELHO DE OLIVEIRA DO BAIRRO PREÂMBULO Tendo em vista o interesse em se harmonizar e actualizar a regulamentação municipal sobre publicidade com a legislação em vigor, designadamente

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO SOBRE A AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO SOBRE A AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Artigo 1º Objeto O exercício da publicidade comercial, das mensagens de propaganda e da propaganda eleitoral rege-se pelas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO MUNICIPAL DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - Nota justificativa - A Lei n.º 97/88, de 17 de Agosto, alterada pela Lei n.º 23/2000, de 23 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril,

Leia mais

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DE NATUREZA COMERCIAL EM EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS DE ÂMBITO LOCAL Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento rege-se pelo disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais

PUBLICIDADE COM EQUILÍBRIO

PUBLICIDADE COM EQUILÍBRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE PUBLICIDADE COM EQUILÍBRIO SETOR DE TAXAS E LICENÇAS INDICE: Capítulo I Disposições iniciais. Pág. 3 Artigo 1.º - Lei habilitante. Pág. 3 Artigo 2.º - Âmbito de aplicação...

Leia mais

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO MUNICIPIO DE SETÚBAL

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO MUNICIPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO MUNICIPIO DE SETÚBAL ÍNDICE REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DO MUNICÍPIO DE SETÚBAL Preâmbulo Genérico... 7 Capítulo I - ÂMBITO... 8 Artigo 1.º Leis

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE 1 Município de Arcos de Valdevez REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 105/98, de 24 de Abril, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 166/99, de 13 de Maio, veio proibir a

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPAGANDA POLÍTICA E ELEITORAL DO MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

REGULAMENTO DE PROPAGANDA POLÍTICA E ELEITORAL DO MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ REGULAMENTO DE PROPAGANDA POLÍTICA E ELEITORAL DO MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ Página 1 de 11 ÍNDICE PREÂMBULO.........3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS..... 3 Artigo 1.º - Lei habilitante.....3 Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA NOTA JUSTIFICATIVA A regulamentação municipal sobre a publicidade e propaganda encontra-se bastante desactualizada, existindo

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E DE PROPAGANDA REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E DE PROPAGANDA PREÂMBULO O desenvolvimento das actividades publicitária e de propaganda

Leia mais

Introdução/âmbito de aplicação

Introdução/âmbito de aplicação Introdução/âmbito de aplicação O presente Regulamento visa a criação de regras que permitam a utilização de critérios uniformes no licenciamento, ocupação e instalação de esplanadas nos estabelecimentos

Leia mais

Regulamento de Publicidade, Ocupação do Espaço Público e do Mobiliário Urbano no Município de São João da Madeira. Exposição de Motivos

Regulamento de Publicidade, Ocupação do Espaço Público e do Mobiliário Urbano no Município de São João da Madeira. Exposição de Motivos Regulamento de Publicidade, Ocupação do Espaço Público e do Mobiliário Urbano no Município de São João da Madeira Exposição de Motivos O presente Regulamento de Publicidade, Ocupação do Espaço Público

Leia mais

Regulamento de Publicidade, Propaganda e Ocupação de Espaço Público do Concelho de Montemor-o-Velho. Preâmbulo

Regulamento de Publicidade, Propaganda e Ocupação de Espaço Público do Concelho de Montemor-o-Velho. Preâmbulo Regulamento de Publicidade, Propaganda e Ocupação de Espaço Público do Concelho de Montemor-o-Velho Preâmbulo Considerando que a regulamentação municipal sobre a publicidade se encontra desactualizada

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE ARTIGO 1. (OBJECTO) O exercício da publicidade e propaganda comercial rege-se pelas disposições do presente regulamento. ARTIGO 2.

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Uma tabuleta por estabelecimento e não ser colocada acima do piso térreo;

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE CAPÍTULO I

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE CAPÍTULO I REGULAMENTO MUNICIPAL DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º LEI HABILITANTE O presente regulamento é elaborado ao abrigo do disposto no artigo 241.º da Constituição da República

Leia mais

Regulamento de Publicidade e Ocupação de Espaço Público com Equipamento e Mobiliário Urbano

Regulamento de Publicidade e Ocupação de Espaço Público com Equipamento e Mobiliário Urbano Regulamento de Publicidade e Ocupação de Espaço Público com Equipamento e Mobiliário Urbano Entrada em vigor 11 de julho de 2013 Preâmbulo Decorridos 15 anos sobre a data da entrada em vigor do Regulamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. bandeiras

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. bandeiras CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. bandeiras 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 A distância mínima admitida de qualquer elemento fixado ao mastro ao

Leia mais

REGULAMENTO RESPEITANTE À UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO SOB JURISDIÇÃO MUNICIPAL E À REALIZAÇÃO DE OBRAS EM BENS DO DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL

REGULAMENTO RESPEITANTE À UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO SOB JURISDIÇÃO MUNICIPAL E À REALIZAÇÃO DE OBRAS EM BENS DO DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL REGULAMENTO RESPEITANTE À UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO SOB JURISDIÇÃO MUNICIPAL E À REALIZAÇÃO DE OBRAS EM BENS DO DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL 1. A administração do domínio público municipal, da competência

Leia mais

Regulamento Municipal de Afixação, Inscrição, Instalação e Difusão de Publicidade e Propaganda PREÂMBULO

Regulamento Municipal de Afixação, Inscrição, Instalação e Difusão de Publicidade e Propaganda PREÂMBULO PREÂMBULO O Decreto-lei n.º 105/98, de 24 de abril, com a redação dada pelo Decreto-lei n.º 166/99, de 13 de maio, veio proibir a afixação de publicidade na proximidade das estradas nacionais fora dos

Leia mais

Da Junta de Freguesia do Carregado

Da Junta de Freguesia do Carregado Da Junta de Freguesia do Carregado Edital ARSÉNIO DA ASSUNÇÃO CARVALHO, presidente da Junta de Freguesia do Carregado, torna público que, por deliberações tomadas pela Junta de Freguesia em reunião de

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSAO DE LICENÇAS DE PUBLICIDADE COMERCIAL CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS. Artigo 1º

REGULAMENTO PARA A CONCESSAO DE LICENÇAS DE PUBLICIDADE COMERCIAL CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS. Artigo 1º REGULAMENTO PARA A CONCESSAO DE LICENÇAS DE PUBLICIDADE COMERCIAL CAPITULO I DISPOSIÇOES GERAIS Artigo 1º Os indivíduos, empresas e outras entidades que pretendam fazer uso de publicidade comercial na

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE

REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE A simplificação e alteração do regime de ocupação do espaço público, decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-lei nº.

Leia mais

Proposta de Regulamento Municipal de Publicidade e Ocupação do Domínio Público PREÂMBULO

Proposta de Regulamento Municipal de Publicidade e Ocupação do Domínio Público PREÂMBULO _ Proposta de Proposta de Regulamento Municipal de Publicidade e Ocupação do Domínio Público PREÂMBULO O disposto no artigo 11.º da Lei n.º 97/88, de 17 Agosto, sobre afixação e inscrição de mensagens

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE PROPAGANDA E PUBLICIDADE Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril, diploma legal que regula o regime denominado Licenciamento zero, comporta no seu clausulado uma profunda

Leia mais

Regulamento Municipal sobre Instalação. Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos. CAPÍTULO I Fundamentação legal

Regulamento Municipal sobre Instalação. Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos. CAPÍTULO I Fundamentação legal Regulamento Municipal sobre Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Preâmbulo O Decreto Lei n.º 315/95, de 28 de Novembro, e o Decreto Regulamentar n.º 34/95, de

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice-Presidência do Governo Emprego e Competitividade Empresarial Direção Regional de Organização e Administração Pública

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice-Presidência do Governo Emprego e Competitividade Empresarial Direção Regional de Organização e Administração Pública Propaganda eleitoral A propaganda eleitoral consiste na atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº. 315/95, de 28

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA OCUPAÇO DO ESPAÇO PÚBLICO, DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA OCUPAÇO DO ESPAÇO PÚBLICO, DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DA OCUPAÇO DO ESPAÇO PÚBLICO, DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito da modernização administrativa e da iniciativa Licenciamento Zero, aprovada pelo Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA OCUPAÇO DO ESPAÇO PÚBLICO, DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA OCUPAÇO DO ESPAÇO PÚBLICO, DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DA OCUPAÇO DO ESPAÇO PÚBLICO, DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito da modernização administrativa e da iniciativa Licenciamento Zero, aprovada pelo Decreto-Lei

Leia mais

OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS. Nome Morada Freguesia Código Postal - Telefone Fax Nº. de Contribuinte e-mail

OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS. Nome Morada Freguesia Código Postal - Telefone Fax Nº. de Contribuinte e-mail Registo nº. Data: / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS Nome Morada Freguesia Código Postal - Telefone Fax Nº. de

Leia mais

Propaganda Política e Eleitoral

Propaganda Política e Eleitoral Propaganda Política e Eleitoral Disposições aplicáveis: - Artigos 13º, 18º, 37º, 38º e 113º da Constituição da República Portuguesa; - Artigos 62º, 64º, 68º a 73º, 76º, 99º, 144º, 145º e 147º da Lei Orgânica

Leia mais

Edição Especial 12 de outubro de 2012. (Deliberação da CMA de 07.03.2012) (Deliberação da CMA de 06.06.2012) (Deliberação da CMA de 04.07.

Edição Especial 12 de outubro de 2012. (Deliberação da CMA de 07.03.2012) (Deliberação da CMA de 06.06.2012) (Deliberação da CMA de 04.07. Edição Especial REGULAMENTO SOBRE OCUPAÇÃO DO DOMÍNIO PÚBLICO (Deliberação da CMA de 07.03.2012) (Deliberação da CMA de 06.06.2012) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA (Deliberação da CMA de 04.07.2012) (Deliberação

Leia mais

Regulamento de Publicidade e Propaganda do Município de Portimão Preâmbulo

Regulamento de Publicidade e Propaganda do Município de Portimão Preâmbulo Regulamento de Publicidade e Propaganda do Município de Portimão Preâmbulo Estabelece a Lei n.º 97/88, de 17 de Agosto, no artigo 1.º, n.º 2, que, sem prejuízo de intervenção necessária de outras entidades,

Leia mais

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E DEFESA DA PAISAGEM URBANA

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E DEFESA DA PAISAGEM URBANA REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E DEFESA DA PAISAGEM URBANA 1 PREÂMBULO A paisagem urbana é um valor ambiental e cultural que contempla um conjunto de elementos de carácter sensorial, naturais e construídos,

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

Regulamento de Ocupação do Espaço Público, Publicidade e Propaganda do Concelho de Ponte de Lima

Regulamento de Ocupação do Espaço Público, Publicidade e Propaganda do Concelho de Ponte de Lima Regulamento de Ocupação do Espaço Público, Publicidade e Propaganda do Concelho de Ponte de Lima ÍNDICE Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Lei habilitante Artigo 2.º Objeto Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998.

DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998. DECRETO Nº 6.323 DE 27 DE AGOSTO DE 1.998. Estabelece as penalidades aplicáveis aos infratores da Lei 3.491 de 19 de dezembro de 1.997, que dispõe sobre a consolidação das leis de propaganda no Município

Leia mais

LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS. Nota Justificativa

LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS. Nota Justificativa LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS Nota Justificativa O Dec. Lei nº 315/95, de 28/11, e o Decreto Regulamentar nº 34/95,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

21796 Diário da República, 2.ª série N.º 118 20 de junho de 2012

21796 Diário da República, 2.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 21796 Diário da República, 2.ª série N.º 118 20 de junho de 2012 Património Arquitetónico e Arqueológico, I. P., EP Estradas de Portugal, S. A., Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.

Leia mais

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=270982 Deliberação de 5.3.2008 REGULAMENTO Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações As estações de radiocomunicações

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS O Decreto-Lei nº 309/2002, de 16 de Dezembro, veio estabelecer uma nova regulamentação sobre a instalação

Leia mais

Regulamento Municipal de Afixação, Inscrição, Instalação e Difusão de Publicidade e Propaganda PREÂMBULO

Regulamento Municipal de Afixação, Inscrição, Instalação e Difusão de Publicidade e Propaganda PREÂMBULO PREÂMBULO O Decreto-lei n.º 105/98, de 24 de abril, com a redação dada pelo Decreto-lei n.º 166/99, de 13 de maio, veio proibir a afixação de publicidade na proximidade das estradas nacionais fora dos

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia

Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia Considerando os recentes inconvenientes na distribuição postal, nomeadamente, para as habitações onde não existe numeração

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E DEFESA DA PAISAGEM DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E DEFESA DA PAISAGEM DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E DEFESA DA PAISAGEM DE VILA NOVA DE GAIA 1 PREÂMBULO A paisagem urbana constitui um valor essencial de natureza cultural, social e ambiental, inerente à harmonia estética

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS PARA ANÚNCIOS, RECLAMES E INSTALAÇÕES SONORAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS PARA ANÚNCIOS, RECLAMES E INSTALAÇÕES SONORAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1 Publique na 2ª Série do Diário da República Junta de Freguesia de Geraz do Minho, 31/07/2003. O Presidente da Junta, Para os devidos efeitos se torna público que a Assembleia de Freguesia de Geraz do

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Ser utilizada para divulgação de atividades ou eventos de interesse

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. Nota justificativa REGULAMENTO DE CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO PARA A ZONA DE TRANSITO CONDICIONADO DO CENTRO DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA MADEIRA Nota justificativa As recentes obras realizadas no Centro Cívico da Cidade de

Leia mais

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE PUBLICIDADE E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE ESTARREJA Regulamento Municipal n.º 6/2012 Aprovado em Câmara Municipal a 22/11/2012 Aprovado em Assembleia Municipal a 19/12/2012

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE PUBLICIDADE E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PREÂMBULO O Regulamento Municipal de Publicidade e o Regulamento Municipal de Ocupação de Espaços Públicos do Município de Covilhã, aprovados

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Preâmbulo REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto - Lei n. 167 / 97, de 4 de Julho, veio introduzir grandes inovações no processo de licenciamento de empreendimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE AFIXAÇÃO OU INSCRIÇÃO DE MENSAGENS PUBLICITÁRIAS DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO DE AFIXAÇÃO OU INSCRIÇÃO DE MENSAGENS PUBLICITÁRIAS DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO DE AFIXAÇÃO OU INSCRIÇÃO DE MENSAGENS PUBLICITÁRIAS DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 48/2011 de 1 de abril criou e regulamentou a iniciativa Licenciamento Zero, tendo como

Leia mais

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga 1 Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga Preâmbulo As condições, sem adequado controle, em que se processa o acesso à vasta área pedonal da cidade de Braga, impõem a

Leia mais

Regulamento Municipal de Ocupação de Espaço Público 2

Regulamento Municipal de Ocupação de Espaço Público 2 REGULAMENTO MUNIICIIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLIICO JUNHO/2013 Regulamento Municipal de Ocupação de Espaço Público 2 NOTA JUSTIFICATIVA A simplificação do regime de ocupação de via pública decorrente

Leia mais

Regulamento de Publicidade, Outras Utilizações do Espaço Público e Mobiliário Urbano do Município de Sintra

Regulamento de Publicidade, Outras Utilizações do Espaço Público e Mobiliário Urbano do Município de Sintra 1 Regulamento de Publicidade, Outras Utilizações do Espaço Público e Mobiliário Urbano do Município de Sintra ( Na sequência do Parecer da Comissão Permanente de Economia, Administração e Finanças da Assembleia

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO, MOBILIÁRIO URBANO E PUBLICIDADE DO CONCELHO DE PAREDES. PREÂMBULO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO, MOBILIÁRIO URBANO E PUBLICIDADE DO CONCELHO DE PAREDES. PREÂMBULO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO, MOBILIÁRIO URBANO E PUBLICIDADE DO CONCELHO DE PAREDES. PREÂMBULO As regras do presente regulamento, pretendem proporcionar aos cidadãos de Paredes, um serviço

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento n.º 324/2007, publicado no Diário da Republica, II série, n.º 233, de 4 de Dezembro. REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO CONDICIONADO DA CIDADE DE BRAGANÇA Tendo em consideração a necessidade

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE LAMEGO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE LAMEGO REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE LAMEGO Aprovado pela Câmara Municipal na sua reunião ordinária realizada a 19 de março de 2013 e em sessão ordinária da Assembleia Municipal

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS ARTIGO 1º OBJECTO Este regulamento tem por objectivo a definição das regras de procedimento para

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE DO MUNICÍPIO DE MAFRA. Capítulo I. Disposições gerais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE DO MUNICÍPIO DE MAFRA. Capítulo I. Disposições gerais REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE DO MUNICÍPIO DE MAFRA Capítulo I Disposições gerais Secção I Âmbito e definições Artigo 1.º Objecto 1.O presente regulamento estabelece o regime

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO, PUBLICIDADE E PROPAGANDA DO MUNICÍPIO DE CUBA Nota Justificativa A iniciativa «Licenciamento zero», instituída pelo Decreto-Lei nº 48/2011, de 1 de abril, tendo

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas 02 Critérios específicos 04 Condições Gerais 06 Zonas de Proteção Específica 1 Todo o mobiliário de apoio a esplanadas, nomeadamente, estrados,

Leia mais

Capítulo I. Disposições Gerais

Capítulo I. Disposições Gerais PREÂMBULO Tem vindo a verificar-se em todo o território municipal, um número crescente de intervenções nas redes de infra-estruturas existentes no solo e subsolo do domínio público municipal, promovidas

Leia mais

Regulamento Municipal da Defesa da Paisagem, Publicidade e Ocupação do Espaço Público

Regulamento Municipal da Defesa da Paisagem, Publicidade e Ocupação do Espaço Público Preâmbulo Regulamento Municipal da Defesa da Paisagem, Publicidade e Ocupação do Espaço Público A paisagem urbana constitui um valor essencial de natureza cultural, social e ambiental, inerente à harmonia

Leia mais

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968:

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 936-A/99, de 22 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 936-A/99 de 22 de Outubro

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES PREÂMBULO Com a publicação do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril, o Governo propõe-se simplificar o regime de exercício de diversas

Leia mais

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL TÍTULO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI CLASSIFICAÇÃO GERAL REFERÊNCIA INTERNA DCDET/RGO.006

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma e à escala, de modo a respeitar a integridade

Leia mais

REGULAMENTO DOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO MUNICIPAIS

REGULAMENTO DOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO MUNICIPAIS REGULAMENTO DOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO MUNICIPAIS Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito, Espaço Público e Viaturas Mod. 238/SQ 1 1 PREÂMBULO Considerando a necessidade da Câmara

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA OCUPAÇÃO DE ESPAÇO PÚBLICO PUBLICIDADE

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA OCUPAÇÃO DE ESPAÇO PÚBLICO PUBLICIDADE REGULAMENTO MUNICIPAL PARA OCUPAÇÃO DE ESPAÇO PÚBLICO E PUBLICIDADE ÍNDICE CAPÍTULO I... 6 DISPOSIÇÕES INICIAIS... 6 Lei habilitante... 6 Objeto... 6 Âmbito... 6 Caducidade... 6 CAPÍTULO II... 7 REGIMES

Leia mais

OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS PARTICULARES

OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS PARTICULARES Registo n.º Data / / O Funcionário OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS PARTICULARES Art.. 57º do Decreto-Lei nº. 555/99, de 16 de Dezembro, na redacção do Decreto-Lei nº.26/2010, de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA DO MUNICÍPIO DE AVEIRO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Artigo 1º Leis habilitantes

REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA DO MUNICÍPIO DE AVEIRO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Artigo 1º Leis habilitantes REGULAMENTO DAS ZONAS DE ESTACIONAMENTO DE DURAÇÃO LIMITADA DO MUNICÍPIO DE AVEIRO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Leis habilitantes O presente Regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo do disposto

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM RECINTOS ITINERANTES OU IMPROVISADOS E À REALIZAÇÃO ACIDENTAL DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A.

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM. Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa: Cfr. art.º 116 do C.P.A. O Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, no seu artigo 79.º estipula que é da competência

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente regulamento aplica-se

Leia mais

As alterações introduzidas por este novo regime jurídico importam a alteração de um conjunto de regimes atualmente em vigor, muito concretamente:

As alterações introduzidas por este novo regime jurídico importam a alteração de um conjunto de regimes atualmente em vigor, muito concretamente: Proposta ASSUNTO: REGIME JURÍDICO DO LICENCIAMENTO ZERO PROJETO DE REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E PUBLICIDADE, NO MUNICÍPIO DE GUIMARÃES ALTERAÇÃO DE REGULAMENTOS - CRIAÇÃO DE NOVAS TAXAS

Leia mais

Estacionamento tem novas regras em vigor

Estacionamento tem novas regras em vigor Estacionamento tem novas regras em vigor A presente edição do Almada Informa contém o Regulamento Geral de Estacionamento e Circulação das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada. O mesmo é complementado

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO MAIO 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais