Entre monopólio e concorrência perfeita. Oligopólio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "15-12-2008. Entre monopólio e concorrência perfeita. Oligopólio"

Transcrição

1 Entre monopólio e concorrência perfeita Figure 1 The Four Types of Market Structure Number of Firms? Concorrência imperfeita refere-se a estruturas de mercado que estão entre concorrência perfeita e monopólio puro. One firm Few firms Many firms Differentiated products Type of Products? Identical products Concorrência imperfeita inclui as indústrias cujas empresas têm concorrentes mas têm algum poder de mercado. Assim são price takers. Monopoly (Chapter 15) Tap water Cable TV Oligopoly (Chapter 16) Tennis balls Crude oil Monopolistic Competition (Chapter 17) Novels Movies Perfect Competition (Chapter 14) Wheat Milk Copyright 2004 South-Western Tipos de mercados imperfeitamente competitivos Oligopólio Concorrência monopolística Muitas empresas a vender produtos semelhantes mas não idênticos. Mercados que têm algumas características de concorrência e algumas características de monopólio. Oligopólio Apenas alguns vendedores, cada uma oferecendo um produto semelhante ou idêntico. Existem poucos produtores Característica principal: tensão entre cooperação e interesse próprio Economia Mankiw et al. política Principles of -Microeconomics, Ciências da 2nd Comunicação Canadian Edition Chapter 17: Page 3 1

2 Duopólio (Jill e Jack) Table 1 The Demand Schedule for Water Suponha: Duas empresas distribuidoras de água Cada uma retira a água a um custo marginal zero. Tabela seguinte indica a curva da procura de água, preço e lucro total (=receita total) Copyright 2004 South-Western A Duopólio FuDuopo (Jill Example e Jack) Duopólio (Jill e Jack) Preço e quantidade oferecida O preço da água num mercado perfeitamente competitivo baixaria até ser igual ao custo marginal : P = Cmg = $0 Q = 120 galões O preço e quantidade num mercado monopolista seria quando o lucro total é maximizado: P = $60 Q = 60 galões Preço e quantidade oferecida A quantidade socialmente eficiente de água é 120 galões um monopolista produziria só 60 galões de água, quantidade socialmente ineficiente. Qual a produção que será esperada dos duopolistas? 1. conluio entre empresários formando um cartel produziriam 60 galões, quantidade de monopólio. A quota de mercado depende do acordo a estabelecer. 2

3 Duopólio (Jill e Jack) Solução estável? Admitindo que a quota de mercado para cada empresário é de 30 litros/cada preço seria 60, e lucro conjunto seria de 3600 euros Se um dos produtores quebrar o acordo e decidir produzir 40 litros, o preço baixará para 50 e o seu lucro seria de 2000 mais do que anteriormente. O outro produtor poderia pensar o mesmo. Duopólio (Jill e Jack) Ambos tentariam vender 40 litros de água. No conjunto seriam 80 litros, o preço baixaria para 40. Lucros totais baixariam para Conclusão: Se ambos os produtores pretenderem prosseguir com o seu interesse individual, produzir-se-ia mais do que em monopólio, o preço seria mais baixo, e o lucro também menor do que o lucro monopolista Duopólio (Jill e Jack) Ambos tentariam vender 40 litros de água. No conjunto seriam 80 litros, o preço baixaria para 40. O lucro será agora de Se um dos produtores aumentar para 50 litros, o preço baixará para 30 (total vendido 90 litros); o seu lucro baixaria para A quantidade de 40 litros para cada, acaba por ser uma solução de equilíbrio (que não corresponde à perfeitamente competitiva). Duopólio (Jill e Jack) Como um dos empresários está a produzir 40 litros, o outro também decide produzir 40, é a sua melhor estratégia. Solução de equilíbrio de Nash: (não existe incentivo para nenhum sair ) Situação em que os agentes económicos interagindo entre si, cada um deles, escolhe a melhor estratégia para si tendo como base a decisão tomada pelos outros. 3

4 Duopólio (Jill e Jack) A cooperação seria o melhor resultado para ambos produção e preço de monopólio Como procuram o seu próprio interesse, produzem mais e a um preço mais baixo do que de monopólio Produzem menos e a um preço mais elevado do que em concorrência perfeita - têm consciência que a acção de cada um irá fazer diminuir o preço Oligopólio A cooperação entre empresários - é desejável para poderem obter o resultado de monopólio - Difícil de obter porque cada empresário tende a procurar o interesse individual Teoria dos jogos Mais informação sobre teoria dos jogos Uma teoria de estratégia atribuída a comportamento de uma empresa em oligopólio /alroth.html 1999 South-Western College Publishing South-Western College Publishing 16 4

5 Figure 2 O dilema do prisioneiro Teoria dos jogos Decisão De Clyde Confessa Não confessa Decisão de Bonnie Confessa Não confessa Bonnie apanha 8 anos Bonnie apanha 20 anos Clyde apanha 8 anos Bonnie é libertada Clyde apanha 20 anos Clyde é libertada Bonnie apanha 1 ano Clyde apanha 1 ano Se as duas pessoas pudessem decidir em conjunto, escolheriam não confessar, mas o interesse individual leva cada um a confessar, esperando que o outro não confesse, acabando por ambos confessarem, o resultado é o pior para ambos. Copyright 2003 Southwestern/Thomson Learning 18 Qual é a estratégia dominante? Equilibrio de Nash Uma estratégia que é a melhor independentemente do que o opositor faz. Para Bonnie, a melhor estratégia é confessar, também para Clyde. Ambos evitam o pior cenário. Uma situação em que nenhum participante (empresa) pode aumentar o seu resultado, dado o que o outro participante (outra empresa) está a fazer. Neste exemplo, quebrar o acordo será o equilíbrio de Nash

6 O dilema do prisioneiro A estrategia dominante é a melhor estratégia para o jogador independentemente das estratégias escolhidas pelos outros jogadores Cooperação é difícil de manter, porque a cooperação não corresponde ao melhor interesse do jogador individual. Caso: Corrida ao armamento Decisão de EUA e União Soviética: Produzir novas armas ou desarmar-se? Cada país prefere ter mais armas porque lhe dá vantagem relativamente ao outro Cada país prefere viver num mundo mais seguro Figure 4 Jogo da corrida ao armamento Caso: Publicidade Decisão Da União Soviética (USSR) Arma Disarma Decisão dos Estados Unidos (U.S.) Arma U.S. em risco Disarma U.S. em risco e fraco USSR em risco USSR segura e poderosa U.S. segura e poderosa U.S. segura USSR em risco e poderosa USSR segura Copyright 2003 Southwestern/Thomson Learning Duas empresas que fazem publicidade Pretendem atrair os mesmos consumidores - Se nenhuma das empresas anunciar, elas dividem o mercado ($4 biliões cada). -Se ambas anunciarem, também dividem o mercado, mas os lucros serão menores por causa dos custos da publicidade ($3 biliões cada) -Se apenas uma delas fizer publicidade, esta atrairá mais compradores do que a outra e terá lucros mais elevados ($5 biliões contra $2 biliões) 6

7 Figure 5 Jogo de publicidade O exemplo do duopólio (Jill e Jack) Faz publicidade Decisão de Camel Não faz publicidade Camel tem $3 biliões de lucro Camel tem $2 biliões de lucro Decisão da Marlboro Faz publicidade Marlboro tem $3 biliões de lucro Marlboro tem $5 biliões de lucro Não faz publicidade Camel tem $5 biliões de lucro Camel tem $4 biliões de lucro Marlboro tem $2 biliões de lucro Marlboro tem $4 biliões de lucro Estratégias para Jill e Jack - Ambos venderem 30 litros água lucro de $1800 para cada um - Se Jill vender 40 litros obtém $2000 e Jack vender 30 litros $ Se ambos venderem 40 litros, obtêm $1600 cada Copyright 2003 Southwestern/Thomson Learning Figure 7 Jack and Jill Oligopoly Game Duopólio Jill s Decision Sell 40 Gallons Sell 30 Gallons Jack s Decision Sell 40 Gallons Jack gets $1,600 profit Jill gets $1,600 profit Jill gets $1,500 profit Jack gets $2,000 profit Sell 30 Gallons Jill gets $2,000 profit Jill gets $1,800 profit Jack gets $1,500 profit Jack gets $1,800 profit Repetição da decisão: Jogo várias vezes Jill e Jack decidem cooperar, formando cartel. Cada um venderá 30 litros. Se jogarem apenas uma vez: Cada um deles tem incentivo para denunciar o acordo tentando vender 40 litros. Se o jogo se repetir, cada jogador sabe que o lucro mais elevado não durará muito. Quando se decidirem pela produção de monopólio poderão também especificar o que acontecerá se um deles romper o acordo. Copyright 2003 Southwestern/Thomson Learning 7

8 Política pública Cooperação entre oligopolistas não é desejável sob o ponto de vista da sociedade porque produz-se pouco e preços são demasiado elevados Concorrência monopolista Muitos vendedores Diferenciação do produto Livre entrada e saída Concorrência monopolística Muitos Vendedores Existem muitas empresas a concorrer para o mesmo grupo de clientes. Livros, CDs, filmes, jogos de computador, restaurantes, biscoitos, mobília, etc. Diferenciação i de Produto Cada empresa produz um produto que pelo menos é ligeiramente diferente Cada empresa enfrenta uma curva da procura negativamente inclinada pelo que é price taker. Concorrência monopolística Livre entrada e saída Empresas podem entrar ou sair do mercado sem restrição. O número de empresas no mercado ajustase até que os lucros económicos sejam igual a zero. 8

9 Concorrência monopolística No curto prazo Perdas de curto prazo encoraja empresas a saírem do mercado Diminui o número de produtos oferecidos. Aumenta a procura que é enfrentada pelas empresas que permanecem na indústria. Desloca as curvas das procuras das empresas que permanecem na indústria para a direita. Aumenta os lucros das empresas que permanecem. Figure 17-1: 1: Monopolistic Competitors in the Short Run (a) Firm Makes Profit (b) Firm Makes Losses Price Price MC MC ATC ATC Average total cost Price Price Average total cost Losses Profit Demand Demand MR MR Profit- 0 Lossminimizingq Quantity Quantity maximizing quantity uantity O Equilíbrio de Período Longo Figure 17-2: Monopolistic Competitors in the Long Run Empresas entrarão e sairão até que as empresas obtenham lucros económicos nulos. Price P = ATC MC ATC Demand MR 0 Profit-maximizing quantity Quantity Economia Mankiw et al. política Principles of -Microeconomics, Ciências da 2nd Comunicação Canadian Edition Chapter 17: Page 35 9

10 O equilíbrio de Período Longo Duas características Como em monopólio, o preço é superior ao custo marginal. Maximização de lucro requer que a receita marginal seja igual ao custo marginal. A curva da procura é negativamente inclinada determina que a receita marginal seja inferior ao preço. Como num mercado competitivo, o preço é igual ao custo total médio. A livre entrada e saída conduz a um lucro económico igual a zero. Concorrência Monopolística Versus Concorrência Perfeita Diferenças entre concorrência monopolística e concorrência perfeita - excesso de capacidade - preço acima do custo: markup Uma unidade extra vendida significa mais lucro para a empresa monopolisticamente competitiva Economia Mankiw et al. política Principles of -Microeconomics, Ciências da 2nd Comunicação Canadian Edition Chapter 17: Page 37 Price Markup Price Marginal cost Figure 17-3: Monopolistic versus Perfect Competition (a) Monopolistically Competitive Firm (b) Perfectly Competitive Firm Price MC ATC MC P = MC P = MR Demand MR Quantity Efficient 0 Quantity produced = Quantity Quantity produced scale efficient scale Concorrência Monopolística e o Bem-estarestar da Sociedade Concorrência monopolística não tem todas as propriedades desejáveis da concorrência perfeita. Existe a perda líquida de bem-estar causada pelo preço ser superior ao custo marginal. Solução: Regulamentação do preço destas empresas que produzem produtos diferentes seria enorme. 10

11 Externalidades de entrada: Pela existência de variedade de produtos. Pelo roubo de negócios Concorrência Monopolística e o Bem- estar da Sociedade Concorrência Monopolística e o Bem- Estar da Sociedade Externalidades pela existência de variedade de produtos : A entrada de uma nova empresa, com um novo produto: Concede uma externalidade d positiva para os consumidores porque aumenta o excedente dos consumidores. Externalidades pelo roubo de negócios: Impõe uma externalidade negativa nas empresas existentes, porque rouba clientes. Concorrência Monopolística e Publicidade Concorrência Monopolística e Publicidade A diferenciação do produto induz cada empresa a recorrer a publicidade e marcas de produto Criticos: Empresas utilizam publicidade e marcas para tirar vantagem da irracionalidade dos consumidores (manipulação dos gostos dos consumidores) e reduzir a concorrência (dando a atender que os produtos são mais diferentes do que efectivamente são). A diferenciação do produto induz cada empresa a recorrer a publicidade e marcas de produto Defensores: A publicidade e as marcas destinam-se a informar consumidores e concorrer mais fortemente pelo preço ou pela qualidade do produto. 11

12 Produção e crescimento O nível de vida de um país depende da sua capacidade de produzir bens e serviços. Produção e crescimento Crescimento médio em Portugal (medido em termos de PIB) Num dado país existem grandes diferenças no nível de vida ao longo do tempo Produção e crescimento Produção e crescimento Grandes diferenças entre países - nível do PIB real -taxa de crescimento do PIB real por pessoa 12

13 Table 1 The Variety of Growth Experiences Produção e crescimento Copyright 2004 South-Western Países com padrões de vida muito diferentes - O PIB dos EUA 8 vezes maior do que opibda China e quase 30 vezes maior do que o PIB da Índia - A China em 1997 tem PIB idêntico ao dos EUA em Paquistão em 1997 com o PIB de cerca de metade do PIB dos EUA em 1870 Produção e crescimento Jornalismo e Ciências da Comunicação - Macro - Países que em 1890 não eram ricos e que se tornaram ricos como o Japão - Países que não registaram alteração sensível como o Bangladesh - Países que perderam posição relativa como a Inglaterra e Argentina - Inglaterra país mais rico em 1870 que perde posição para os EUA e Canadá 13

14 Crescimento económico Importância das diferenças nas taxas de crescimento para explicar a diferença no nível de rendimento no longo prazo. O crescimento de cada ano é baseado no crescimento acumulado do ano anterior Regra: se uma determinada variável cresce a uma taxa X% ao ano, então o seu valor duplica aproximadamente 70/x anos. Ex: uma taxa de 1% do PIB implica o seu dobro ao fim de 70 anos; 4% ao fim de 17 anos. Crescimento económico Nível de vida, medido em termos de PIB real, varia significativamente entre países e para o mesmo país varia ao longo do tempo Razão: Produtividade produção de bens e serviços Produtividade Determinantes de produtividade Os factores de produção determinam a produtividade Capital físico Capital humano Recursos naturais Conhecimento tecnológico Produtividade Os factores de produção determinam a produtividade Capital físico - Stock de equipamento e estruturas que são utilizadas para produzir bens e serviços. Equipamentos, edifícios - É um factor de produção já produzido Factor que é factor de produção no processo produtivo e que já foi um produto num processo produtivo anterior. Capital físico aumenta a capacidade para produzir bens e serviços. 14

15 Produtividade Capital humano Conhecimento e qualificações que trabalhadores adquirem através educação, treino, e experiência Capital humano aumenta a capacidade para produzir bens e serviços. Produtividade Recursos naturais factores utilizados na produção que provêm da natureza terra, rios, recursos minerais. Recursos renováveis árvores e florestas. Recursos não renováveis Explicam a riqueza dos EUA, dos países árabes mas não de países como o Japão Podem ser importantes mas não são necessários para uma economia ser altamente produtiva. How Produtividade Productivity Is Determined Conhecimento Tecnológico How Produtividade Productivity Is Determined Função de produção Conhecimento pela sociedade dos melhores meios de produzir bens e serviços. Ex: a descoberta e aplicação dos herbicidas na agricultura o computador Estabelece a relação entre a quantidade de factores de produção utilizados na produção e a quantidade de produto produzido num determinado período de tempo. Retornos constantes, crescentes ou decrescentes à escala (no período longo) Rendimentos decrescentes à escala (período curto) 15

16 Função de produção Y = A F(L, K, H, N) Y = quantidade produzida A = tecnologia existente L = quantidade de trabalho K = quantidade de capital físico H = quantidade de capital humano N = quantidade de recurso naturais F( ) função que indica como os factores de produção são combinados How Produtividade Productivity Is Determined Papel da tecnologia no crescimento O facto dos recursos naturais serem limitados, a existência de rendimentos decrescentes não tem impedido o crescimento das economias mundiais dado o papel dos avanços tecnológicos. Crescimento económico e políticas públicas Crescimento económico e política pública Intervenção dos governos para aumentar a produtividade e níveis de vida. Encorajar poupança e investimento. Encorajar investimento estrangeiro Encorajar investimento em educação e treino. Estabelecer direitos de propriedade seguros e manter estabilidade política. Promover comércio livre. Promover investigação e desenvolvimento. Controlar o crescimento populacional 16

17 Crescimento económico e política pública Encorajar poupança e investimento.. Investimento em capital aumenta produtividade e níveis de vida. Consumo é o custo de oportunidade Investimento em capital pode ser sujeito a rendimentos decrescentes : a partir de um determinado stock de capital acréscimos de capital induzem acréscimos de produto cada vez menores. Crescimento económico e política pública Encorajar poupança e investimento.. Investimento em capital pode ser sujeito a rendimentos decrescentes Efeito de convergência: países em vias de desenvolvimento apresentam taxas de crescimento mais elevadas do que em países desenvolvidos devidas a idênticos aumentos de investimento em capital Crescimento económico e política pública Encorajar poupança e investimento.. Por causa da lei dos rendimentos e decrescentes, um aumento da taxa de poupança conduz a um crescimento mais elevado só durante algum tempo. Figure 1 Growth and Investment (a) Growth Rate (b) Investment South Korea South Korea Singapore Singapore Japan Japan Israel Israel Canada Canada Brazil Brazil West Germany West Germany Mexico Mexico United Kingdom United Kingdom Nigeria Nigeria United States United States India India Bangladesh Bangladesh Chile Chile Rwanda Rwanda Growth Rate (percent) Investment (percent of GDP) Copyright 2003 Southwestern/Thomson Learning 17

18 Crescimento económico e política pública Encorajar investimento estrangeiro Promover condições para a fixação do capital estrangeiro Promover um ambiente político estável Promover a simplificação dos procedimentos Crescimento económico e política pública Encorajar investimento em educação e treino. Educação e treino é um investimento em capital humano. Aumenta a produtividade do indivíduo. Providencia uma externalidade positiva (que justifica o investimento público) Crescimento económico e política pública Estabelecer direitos de propriedade seguros e manter estabilidade política. Capacidade das pessoas exercerem autoridade sobre os recursos próprios. Respeito pelos direitos de propriedade é um requesito fundamental para o funcionamento do sistema de preços. É necessário que os investidores sintam que os seus investimentos estejam seguros. Crescimento económico e política pública Promover comércio livre. Comércio é, em certa medida, um tipo de tecnologia: Um país que elimina barreiras comerciais pode obter o mesmo crescimento económico que ocorreria depois dum grande avanço tecnológico Com o comércio o país beneficia da maior eficiência na produção ocorrida noutros países. 18

19 Crescimento económico e política pública Indústrias na sua infância: - Políticas voltadas para o exterior que reduzem ou eliminam barreiras comerciais Ou - Políticas voltadas para o interior: protecção da indústria doméstica contra a concorrência estrangeira? Crescimento económico e política pública Promover investigação e desenvolvimento O governo pode encorajar a investigação privada e os investigadores individuais. Subsídios, bolsas para investigação, diminuição de impostos, promover um sistema de patentes, etc.. Conhecimento torna-se um bem público, todos poderão beneficiar sem diminuir os benefícios de outros. Crescimento económico e política pública Controlar o crescimento populacional Interação com outros factores de produção: - Menos recursos naturais per capita - Menos stock de capital per capita Sistema Financeiro Não sei porque é que a maior prioridade é salvar o sistema financeiro Para que serve um sistema financeiro eficiente se a economia real não funcionar Belmiro de Azevedo in Semanário Económico 13/12/2008 Qualquer falência de bancos em Portugal atira o risco do país para níveis incomportáveis. Nesse quadro, os mais afectados seriam os próprios empresários, que veriam o custo do dinheiro a crescer em flecha. É que se o risco do país sobe, as instituições bancárias nacionais que recorrem ao mercado inter-bancário ou a colocação da dívida pública do Estado passarão a contar com taxas menos atractivas. José António Barros (AEP) in Semanário Económico 13/12/

20 Sistema Financeiro Sistema Financeiro Os bancos. se são economicamente viáveis devem merecer um tratamento especial`. Porque o sector bancário é, verdadeiramente, o único que deve ser considerado estratégico, porque a sua actividade principal é fazer funcionar a economia, financiando agentes económicos, as empresas, as famílias e o Estado. Depreende-se das palavras de Belmiro que são as empresas a fazer funcionar os bancos, quando o que se passa é precisamente o contrário. Editorial do semanário económico, 13/12/08 Sistema Financeiro Sistema Financeiro Capa da revista visão - 11 de Dezembro de 2008 O ano em que os milionários encolheram Ganharam milhões em 2007, mas o turbilhão bolsista transformou o sonho em pesadelo de alguns dos detentores das maiores fortunas do País O sistema financeiro consiste num grupo de instituições na economia que ajudam a encontrar a poupança de uma pessoa com o investimento de outra pessoa Instituições onde os fundos são transferidos das pessoas que têm excesso de fundos disponíveis para os que têm escassez de fundos O sistema financeiro transfere os recursos escassos dos que poupam para os que pedem emprestado 20

21 Sistema Financeiro Sistema Financeiro Categorias de Instituições Financeiras: Mercados Financeiros Intermediários Financeiros Mercados Financeiros Mercado de obrigações Mercado de acções Intermediários Financeiros Bancos Fundos Mercados Financeiros são instituições através das quais os que poupam podem directamente providenciar fundos a quem pede emprestado. Intermediários Financeiros são instituições financeiras através das quais os que poupam podem providenciar indirectamente fundos aos que pedem emprestado Mercados Financeiros O Mercado de Obrigações Uma obrigação é um certificado de débito que especifica obrigações de quem pede emprestado para com quem detém as obrigações Obrigações. Período de tempo até que a obrigação vença. O risco do crédito. Tratamento de impostos ou taxas. Financial Markets Mercados Financeiros Mercado de acções Acção representa um direito à propriedade parcial numa empresa e é portanto, um direito aos lucros que a empresa faz. O aumento de capital por parte duma empresa pode ser feito através de emissão e venda de acções. - Comparadas com as obrigações, as acções oferecem maior risco e potencialmente retornos mais elevados. 21

22 Intermediários Financeiros Financial Intermediários Intermediaries Financeiros Intermediários Financeiros - Recebem depósitos de quem poupa e utilizam os depósitos para efectuar empréstimos a quem quer pedir emprestado. Bancos Bancos ajudam a criar um meio de troca permitindo pessoas escrever cheques (ou utilizar cartão de multibanco) sobre os seus depósitos. Isto facilita as aquisições de bens e serviços. - Pagam aos depositantes juro pelos depósitos e estipulam juro mais elevado aos empréstimos. Financial Intermediários Intermediaries Financeiros Fundos de investimento mobiliário ou imobiliário Um fundo de investimento mobiliário é uma instituição que vende ao público e compra um portfolio, de vários tipos de acções, obrigações ou ambos. Permitem que pessoas com pequenos montantes de dinheiro possam mais facilmente diversificar. Financial Intermediários Intermediaries Financeiros Outras Instituições Financeiras Fundos de pensões Instituições de Seguros 22

23 Financial Mercados Financeiros Intermediaries Financial Mercados Financeiros Intermediaries Papel dos mercados financeiros PIB = C + I + G + X-M Em economia fechada: Y = C + I + G Y - C + G = I S=I S=I S = Y C G Poupança nacional S = (Y T C) + (T G) Igual à Poupança privada + Poupança pública Financial Mercados Financeiros Intermediaries Financial Mercados Financeiros Intermediaries Poupança Nacional Poupança Nacional é o rendimento total na economia que fica após pagar o consumo e despesas governamentais. Poupança Pública é o montante de receitas dos impostos que ficam após o governo pagar as suas despesas. Poupança pública = (T G) Poupança Privada Poupança Privada é o rendimento que fica após as famílias pagarem os seus impostos e o consumo Y T C Se T< G existe défice Se T>G existe excedente 23

24 Financial Mercados Financeiros Intermediaries Mercados financeiros coordenam as poupanças e investimentos da economia num mercado de fundos para emprestar. Mercado onde os que querem poupar oferecem fundos e os que pretendem pedir emprestado para investir procuram fundos. Financial Mercados Financeiros Intermediaries Mercados financeiros funcionam como outros mercados na economia. O equilíbrio entre a oferta e procura para fundos de empréstimo determina a taxa de juro. A taxa de juro é o preço do empréstimo. Representa o montante que os que pedem emprestado pagam por empréstimos e o montante que os que emprestam recebem pelas poupanças. Financial Mercados Financeiros Intermediaries Mercados financeiros funcionam como outros mercados na economia - fundos de empréstimo refere-se a todo o rendimento que as pessoas escolhem para poupar ou emprestar, em vez da sua utilização para consumo próprio. Financial Mercados Financeiros Intermediaries Mercados financeiros funcionam como outros mercados na economia oferta para fundos de empréstimo Vem de pessoas que têm rendimento extra que pretendem poupar e emprestar. - procura de fundos de empréstimo Vem de famílias e empresas que desejam pedir emprestado para efectuar investimentos. 24

25 Financial Mercados Financeiros Intermediaries Figura: O mercado de fundos de empréstimo Taxa de juro Taxa Juro Oferta A taxa de juro é o preço do empréstimo. Representa o montante que os que pedem emprestado pagam por empréstimos e o montante que os que emprestam recebem pelas poupanças. 5% Procura 0 1,200 Fundos para empréstimo (milhões de euros) Copyright 2004 South-Western Financial Mercados Financeiros Intermediaries Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Impostos e poupançap Impostos e investimento Défices governamentais Financial Mercados Financeiros Intermediaries Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Impostos e poupança Impostos sobre o rendimento proveniente de taxas de juro reduzem o rendimento futuro da poupança actual, reduzindo o incentivo à poupança Se diminuir os impostos sobre os juros de poupanças: 25

26 Figura Aumento na oferta de fundos para empréstimo Financial Mercados Financeiros Intermediaries Taxa juro 5% 4% que Reduz a Taxa de juro e... Oferta, S 1 S 2 1. Diminuição de impostos Para aumentar a Oferta de fundos Procura 0 1,200 1,600 Fundos para empréstimo (em milhões de euros) E aumenta a quantidade de fundos para emprestar. Copyright 2004 South-Western Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Impostos e investimento: crédito fiscal ao investimento Aumenta a procura por fundos de empréstimo Desloca a curva da procura para a direita. Resulta numa taxa de juro mais elevada e num maior montante poupado. Figura Aumento na Procura de Fundos para Empréstimo Financial Mercados Financeiros Intermediaries Taxa de juro 6% 5% que Aumenta a Taxa de juro De equilíbrio... Oferta 1. Crédito fiscal Ao investimento aumenta A procura De fundos de. empréstimo.. Procura, D 1 D 2 Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Défices governamentais obriga a empréstimo do governo para financiar o défice 0 1,200 1, E aumenta a quantidade Fundos para empréstimo. Fundos para empréstimo (em milhões de euros) Copyright 2004 South-Western 26

27 Financial Mercados Financeiros Intermediaries. Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Empréstimo reduz a oferta de fundos para empréstimo disponíveis para financiar o investimento pelas famílias e empresas. Esta redução no investimento é referida como sendo efeito crowding out Financial Mercados Financeiros Intermediaries Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Défice diminui a oferta de fundos para empréstimo: A curva da oferta desloca-se para a esquerda. Aumenta a taxa de juro. Reduz a quantidade de equilíbrio de fundos para empréstimo. Figura: O efeito de um défice governamental Taxa De juro 6% 5% que Aumenta a Taxa de juro De equilíbr io e 0 S 2 Oferta, S 1 1. Um défice orçamental Diminui a Oferta de fundos de empréstimor... Procura 800 1,200 Fundos para empréstimo (milhões de euros) e reduz a quantidade de fundos de empréstimo Copyright 2004 South-Western Financial Mercados Financeiros Intermediaries Políticas do governo que afectam a poupança e o investimento Défice diminui a oferta de fundos para empréstimo: Quando o governo reduz a poupança nacional por causa de um défice, a taxa de juro aumenta e investimento diminui. 27

28 70,0 60,0 50,0 Evolução da Dívida Pública em % do PIB Financial RESUMOIntermediaries Sistema financeiro constituído por instituições financeiras: 40,0 30,0 20,0 10,0 - mercado de obrigações - mercado de acções - bancos - fundos de investimento. 0, Financial RESUMOIntermediaries Instituições financeiras - Actuam para direccionar os recursos das famílias que querem poupar algum do seu rendimento para as mãos das famílias e empresas que querem contrair empréstimos. - Têm como objectivo ajustar a poupança com o investimento (economia fechada). Financial RESUMO Intermediaries A taxa de juro é determinada pela oferta e procura de fundos para empréstimo A oferta de fundos vêm de famílias que pretendem poupar p parte do seu rendimento. A procura de fundos vêm de famílias que querem pedir emprestado fundos para investimento. 28

Macroeconomia. 8. Crescimento Económico e Tecnologia. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 8. Crescimento Económico e Tecnologia. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 8. Crescimento Económico e Tecnologia Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial O crescimento económico é determinante para os níveis de vida

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 2º CADERNO DE EXERCÍCIOS Estudo dos Ciclos Económicos 1. O MERCADO DO PRODUTO 1.1. Modelo Simples

Leia mais

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados Estruturas de Mercado 17. Concorrência Monopolística Número de Firmas? Muitas firmas Tipo de Produto? Uma firma Poucas firmas Produtos diferenciados Produtos idênticos Monopólio Oligopólio Competição Monopolística

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Resolução da Prova de Época Normal de Economia I 2º Semestre (PARTE A) Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 11 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Apresentação na 1ª Reunião do Fórum CMVM/PME para o Mercado de Capitais Carlos Tavares 27 Março 2012 1 Redução dos desequilíbrios externos da Economia

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico.

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico. GESTÃO 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado Mercados 1 Meio envolvente global: o ambiente económico A empresa insere-se num ambiente macroeconómico,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais

Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais Capítulo 3: Restrições orçamentais intertemporais 3.1. Aspectos conceptuais - antecipação do futuro, informação e expectativas racionais 3.2. A restrição orçamental intertemporal das famílias 3.3. Teoria

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Economia Conceitos e Exercícios

Economia Conceitos e Exercícios Economia Conceitos e Exercícios Noções gerais. Economia é a Ciência que estuda como os Agentes Econômicos (Empresas, Famílias, Governo) decidem utilizar recursos produtivos escassos para atender as necessidades

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS

VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 1 VALOR EM FINANÇAS VAL- 2! Objectivo: " Identificação de uma teoria do valor (ainda rudimentar)! Caso os mercados funcionem bem os preços igualarão o valor dos diferentes produtos e serviços.! Qual

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro

Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco de Desenvolvimento Brasileiro O que podem os países africanos aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: Afectação do Crédito para Investimento, Estabilidade e Crescimento: Lições do Banco

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA

GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE. Cursos Profissionais. Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Lectivo 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA (2º ano de formação) Página 1 de 6 Competências Gerais Usar os conceitos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Análise de Projectos ESAPL / IPVC Introdução Alguns Conceitos Básicos O Conceito de Investimento Tipologias de Investimentos Uma definição de empresa Uma empresa é um sistema em que se coordenam, para

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco?

Dos documentos que se seguem quais os necessários para abrir uma conta num banco? Quais as principais funções de um banco? A Captar depósitos e gerir a poupança dos seus clientes. B Conceder empréstimos a empresas, particulares e ao Estado. C Disponibilizar meios e formas de pagamento

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

1 Macroeconomia II - Aula 11

1 Macroeconomia II - Aula 11 Macroeconomia II - Aula. Set-up do Modelo de Crescimento Endógeno: Progresso Tecnológico Endógeno. Modelo de Equilíbrio Geral com Microfundações (excepto no que respeita as decisões de poupança/consumo).

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Ricos em Recursos Naturais

Ricos em Recursos Naturais Acção de formação Gestão Crescimento Macroeconómica Económico e os Recursos em Naturais Países Ricos em Recursos Naturais Abril de 2015 Maio 2015 Sumário executivo A Presente palestra visa apresentar de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Noção do Subprime Causas da crise Consequências da crise A crise subprime em Portugal Previsões para as economias

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial

Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Teoria dos Jogos e Estratégia Empresarial Docente: Prof. Humberto Ribeiro Trabalho elaborado por: Luís Gonçalves nº 7366 Alícia Prada nº 17580 Ana Gonçalves nº 15412 Mestrado em Gestão das Organizações

Leia mais

Efeito de substituíção

Efeito de substituíção Efeito de substituíção Y Recta orçamental 2 Y3 óptimo do consumidor X, Y = Bens Y1 Y2 Recta orçamental 1 Y 0 X2 X3 X1 Efeito rendimento P Efeito de substituíção P2 P1 0 X2 X1 QX X Para bens normais, existe

Leia mais