PARTICIPAÇÃO E LEGITIMAÇÃO POLÍTICA: O (DES) ENCONTRO DE THOMPSON COM HABERMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTICIPAÇÃO E LEGITIMAÇÃO POLÍTICA: O (DES) ENCONTRO DE THOMPSON COM HABERMAS"

Transcrição

1 PARTICIPAÇÃO E LEGITIMAÇÃO POLÍTICA: O (DES) ENCONTRO DE THOMPSON COM HABERMAS Laerson Bruxel 1 RESUMO Quando se fala em democracia, pressupõe-se a participação do povo na tomada de decisões políticas. A participação consciente e a legitimação das decisões políticas motivam grandes debates. Habermas propôs o conceito de esfera pública para entender este campo. Intermediária entre sociedade civil e poder político, esta esfera apresenta-se como espaço para a constituição da vontade pública. Focando as grandes transformações pelas quais passa a sociedade, em especial a crescente influência da mídia, John Thompson questiona a proposta de Habermas e propõe a democracia deliberativa. O presente artigo reflete sobre este tema, apontando divergências e convergências entre Habermas e Thompson. A constituição de um espaço público para decidir sobre questões relativas à coletividade, onde todos possam participar, é uma questão que permeia a obra de Jürgen Habermas. Este debate acompanha a humanidade desde o surgimento da modernidade. Até então, o homem se resignava diante dos poderes temporais, considerando-os desígnios dos deuses. A racionalidade acaba por sepultar essa visão. O Estado moderno surge, assim, fundado numa espécie de acordo entre os homens, que assumem as rédeas do seu destino. Um governante passa a ter legitimidade somente se contar com o assentimento dos governados. E estes passam a exigir o atendimento de determinadas demandas daqueles que ocupam, temporariamente, o posto de comando. Estas são as idéias norteadoras desta nova visão da organização sócio-política. Habermas introduz o conceito de esfera pública para estruturar e esclarecer sua idéia acerca desta questão. A esfera pública é vista como local de disputa entre os princípios divergentes de organização da sociabilidade. Neste espaço transitam os mais diversos atores, cada qual defendendo seus interesses. Na visão habermasiana, a esfera pública se constitui como instância deliberativa e legitimadora do poder político. É verdade que em Mudança 1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

2 Estrutural da Esfera Pública, tradicional obra em que Habermas lança este seu conceito, a esfera pública é vinculada ao surgimento e ascensão da burguesia. A esfera pública é caracterizada como um espaço de mediação entre o campo das relações privadas e o Poder Público. Na sua origem, trata-se de um espaço independente do Estado, que tem como objetivo principal discutir racionalmente as questões de interesse privado (da burguesia) mas que, pela relevância destes, acabam se transformando em questões de interesse público. E sendo relevantes publicamente, estas demandas ganham conotação política, razão pela qual a esfera pública burguesa assume função política (Habermas, 1984: ). Atualizando, portanto, a proposta de Habermas, e ampliando o espectro de influência do seu conceito, qualquer tema de relevância pública, quer seja da burguesia, da classe operária ou de outros grupos, enfim, da coletividade, precisa ser submetido à discussão. No entendimento de Habermas, uma vontade individual ou de grupos não pode ser imposta. Vontades individuais precisam ser transformadas em uma vontade geral. Esta deve ser construída racionalmente. O que é determinante é o argumento racional, e não o poder, privilégios, a classe social ou qualquer outro tipo de influência. Em síntese, trata-se de construir uma opinião pública que leve a uma tomada de decisões (por parte do Poder Público) que atendam a esta vontade geral. Em contraposição à política do segredo praticada pelos monarcas, Habermas (1984:235) sugere tornar público, para submeter ao debate racional, tudo que se refere à coletividade. Para ele, as decisões políticas sempre devem estar sujeitas à revisão perante a instância da opinião pública. Novos contornos da esfera pública A participação de todos os indivíduos, livres e conscientes, na decisão das questões de interesse público se configura como a situação ideal de democracia. No entanto, diante da complexificação cada vez maior das relações sociais, não resta dúvida de que isso se torna cada vez mais problemático. É preciso, em primeiro lugar, um espaço específico. Além disso, sem uma instituição que assegure, tenha força e legitimidade para implementar uma política que é formulada a partir de uma construção coletiva, também se tornam inócuas todas as iniciativas com vistas à implantação deste espaço. Habermas (2002: ) lembra que o Estado-nação propiciou uma estrutura na qual a idéia republicana de uma comunidade, influindo sobre si mesma de maneira consciente, pôde ser articulada e institucionalizada. Hoje, porém, destaca Habermas, a soberania é atingida pelo processo de globalização. Para

3 Ianni (1996:110), é muito forte a evidência de que as relações internacionais e transnacionais debilitaram os poderes do moderno Estado soberano. Individualmente, Estados são cada vez menos capazes de controlar as economias nacionais. Conforme Habermas (1995: ), os problemas tomaram dimensões que fogem ao controle desta estrutura de poder. Ele também faz referência à real possibilidade de desencadeamento do que chama de riscos globais (ecológicos, clima, problemas sociais e pobreza). Um problema ecológico ou a exclusão social de grandes massas causam um impacto do qual quase ninguém escapará caso essas tendências mundiais não sejam detidas e revertidas. Todas as sociedades, enfatiza Habermas (1995:101), já constituem parte inseparável de uma comunidade de riscos compartilhados, que são percebidos como desafios para a ação política cooperativa. O crescente pluralismo no interior das sociedades nacionais e os problemas globais que os governos nacionais enfrentam no setor externo fazem com que o Estado-nação não possa mais fornecer a estrutura apropriada para a manutenção da cidadania democrática no futuro previsível. Para Habermas, o que parece ser necessário é o desenvolvimento de capacidades para a ação política num nível acima dos e entre os Estados-nação. Uma das maneiras de escapar ao impasse seria a emergência de regimes supranacionais, como a União Européia. Habermas entende que é preciso salvar a herança republicana, mesmo que seja transcendendo os limites do Estado-nação. Nossas capacidades para a ação política devem acompanhar o ritmo da globalização das redes e sistemas auto-regulados (1995:100). A proposta de Habermas se constitui como uma resposta à lógica da globalização. Se os problemas e outras questões relativas à coletividade tomaram dimensão transnacional, sobre as quais o Estado-nação perdeu força, torna-se necessário instituir um espaço supranacional, uma esfera pública mundial, onde o cidadão do mundo possa atuar. E não basta somente um espaço de discussão. Considerando-se o enfraquecimento do Estado-nação, é preciso também uma instância que tenha legitimidade e força para agir e assegurar os direitos dos novos cidadãos. Na mesma linha de Habermas, David Held também defende a necessidade de criar um novo nível de direitos e deveres ligados a uma cidadania transnacional. Ele (Held apud Vieira, 2001:270) aponta a existência de um déficit democrático. Conforme Vieira (2001:270), a perspectiva da democracia cosmopolita propõe a existência de novas estruturas de cooperação internacional. Ele defende a criação de uma esfera pública mundial. Diante dos limites do Estado-nação, Habermas salienta que o que já significou, certa vez, a idéia de soberania popular está condenada a decair em pura quimera se permanecer encerrada na forma histórica do Estado-nação soberano. Para Habermas, o advento da cidadania mundial não é mais mera fantasia. A cidadania estatal e a cidadania

4 mundial formam um continuum cujos contornos, pelo menos, já se tornam visíveis (Habermas apud Vieira, 2001:272). Limites para a participação na esfera pública mundial Se o processo de globalização desafia as instâncias democráticas, propondo novas formas de participação e legitimação, o campo da comunicação também requer atenção especial. Um requisito fundamental para quem deseja participar da discussão pública é o de que esteja bem informado. Ianni (1996:114) constata que são poucos os que dispõem de condições para se informarem e se posicionarem diante dos acontecimentos mundiais, tendo em conta suas implicações locais, regionais, nacionais e continentais. O autor de A sociedade global pinta um quadro nada animador. Para ele, por causa da mídia, grande parte da população recebe praticamente as mesmas mensagens de forma homogênea. Ianni (1996: ) vê pouca autonomia no sujeito e acha que a mídia é responsável por uma coesão global. Em Mudança Estrutural da Esfera Pública, Habermas já chama a atenção para o importante papel que a imprensa desempenha dentro da esfera pública. Para ele, a imprensa passa, historicamente, a ser um espaço privilegiado para a formação da opinião pública, uma vez que consegue atingir grande número de pessoas. Conforme Habermas (1984:218), a estruturação como empresas, e portanto com interesse comercial, fez com que os meios de comunicação se tornassem pórtico de entrada de privilegiados interesses privados na esfera pública. Ao invés de dar publicidade às questões que efetivamente teriam interesse público para que pudessem ser trazidas e submetidas a um debate racional, a imprensa passa a dar publicidade à posição de alguns grupos (os patrocinadores) que, assim, buscam criar um clima de opinião, o que é qualificado por Habermas (1984:254) como manipulação. No momento em que muitas empresas adquirem caráter transnacional, atuando em diversos países, a área da comunicação passa a ser estratégica. Webster (1995: ) lembra que o domínio ou gerenciamento das informações permite criar imagens comuns à população dos mais diversos países. As forças econômicas viram na mídia uma forma de sustentar seu poder através de um meio simbólico. A mídia caracteriza-se, fundamentalmente, como espaço privilegiado para divulgação comercial. Conforme Webster, o que se viu nos últimos anos, especialmente no século XX, foi o crescimento da consciência de que o gerenciamento da informação passou a ser uma estratégia fundamental para o sucesso, tanto de governos como de grupos empresariais. De outra parte, o acesso à informação também virou privilégio. Peter Dahlgren (1997:256) observa que os progressos tecnológicos têm favorecido interesses privados em

5 detrimento do domínio público, o que, no seu entender, compromete o ideal universalista da cidadania. Entrando no campo mais específico da política, e analisando a esfera pública hoje, Webster (1995: ) faz um alerta. Grande parte das informações que por aí circulam - e das quais a maioria se alimenta -, mesmo sendo oriundas de instituições que deveriam zelar pelo interesse público, nem sempre são confiáveis, uma vez que podem ter sido administradas e trabalhadas de acordo com determinados interesses, sejam de grupos privados ou do próprio Poder Público, na sua tentativa de se manter no poder e continuar contando com o apoio da população. Por outro lado, Webster (1995: ) não deixa de reconhecer alguns aspectos que advogam em favor de uma esfera pública democrática. Segundo ele, apesar de várias limitações, de um modo geral, hoje as pessoas têm acesso a muitas informações. Para ele, não se pode menosprezar a criatividade das pessoas. Webster percebe nas novas tecnologias da informação um potencial democrático, e que pode ser, e já é, usado em diversas áreas da sociedade civil, funcionando como mediação entre governo (Poder Público) e família (esfera privada), realizando assim funções que Habermas qualificava como sendo próprias da esfera pública. A crítica de Thompson A proposta de Habermas, de uma esfera pública mundial, onde as grandes questões possam ser discutidas racionalmente, em condições de igualdade, não deixa de ser utópica. A situação ideal de fala desejada por Habermas é impossível de ser realizada, até pelas próprias limitações humanas, como as de tempo e espaço. Vale lembrar, como bem faz Vieira (2001:60), que o modelo discursivo de Habermas é procedimental. A argumentação deve se dar num ambiente de conversação, de diálogo. E isto expressa uma condição de igualdade, onde todos os participantes têm chances iguais de iniciar ou continuar a comunicação, fazer comentários, recomendações e explanações e de expressar desejos e sentimentos. Habermas entende que cada cidadão deve ser livre para tematizar as relações de poder que, em contextos ordinários normais, constrangem a livre articulação de opiniões e posições. Na sua crítica, John Thompson vai direto ao ponto quando se refere à esfera pública burguesa de Habermas. Para ele (2002:70), está claro que Habermas considerou este modelo como uma idealização dos verdadeiros processos históricos. Entre as principais lacunas na argumentação de Habermas, Thompson aponta o esquecimento de outras formas de discurso e

6 atividades públicas que, além das burguesas, existiram durante o período ao qual Habermas se refere séculos XVII a XIX. Como exemplo, cita movimentos sociais e políticos plebeus (2002:69). Thompson ainda questiona o fato de Habermas valorizar somente um tipo de periódico os que tinham teor crítico e político em detrimento a outros, de caráter comercial e com conteúdo sensacionalista. Para Thompson, a explicação sobre a refeudalização e o declínio da esfera pública também não é satisfatória. No entanto, se estas lacunas são evidentes, Thompson acha que elas ajudam a entender como Habermas chegou às conclusões apresentadas em Mudança Estrutural da Esfera Pública. Apesar destas críticas, Thompson aponta dois grandes méritos da obra de Habermas. O primeiro, por destacar a mais ampla importância política do desenvolvimento da imprensa periódica nos inícios da Europa moderna (2002:69), e o segundo, ao chamar a atenção para o fato de que as indústrias da mídia sofreram grandes mudanças ao longo dos séculos XIX e XX (2002:72-73). Com relação ao segundo ponto, Thompson assinala três tendências centrais no desenvolvimento das indústrias da mídia: 1) a transformação das instituições da mídia em interesses comerciais de grande escala; 2) a globalização da comunicação; 3) o desenvolvimento das formas de comunicação eletronicamente mediadas. A mídia é o foco central da análise de Thompson. Se ela exerce grande influência, é preciso, antes de tudo, entendê-la e saber como se dão as relações mediadas. Thompson (2002:77) lembra que durante a maior parte da história humana, a grande maioria das interações sociais se deu numa situação face a face. Os indivíduos se relacionavam entre si num ambiente físico compartilhado. Porém, o desenvolvimento dos meios de comunicação alterou os padrões tradicionais de interação social. Thompson (2002:78-82) identifica três tipos de interação: 1) face a face; 2) mediada; 3) quase-interação mediada. A primeira, como já descrito anteriormente, exige um contexto de co-presença, é dialógica. A segunda também é dialógica, mas não exige a presença dos interlocutores no mesmo espaço. Como exemplo, pode ser citado o uso do telefone. A quase-interação mediada, por sua vez, não é nem dialógica - é monológica - e nem exige um mesmo contexto. A televisão serve como exemplo. Através deste meio, pode-se, fora do contexto do telespectador, emitir uma mensagem a ele sem que lhe seja dada oportunidade de se manifestar. Thompson faz questão de destacar que o uso dos meios de comunicação, cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas, proporciona novas formas de interação, que se estendem no espaço e, em muitos casos, também no tempo. Tem-se, assim, um leque de características que as diferenciam das interações face a face. Por isso, a esfera pública de

7 Habermas torna-se deficitária se pensada nos dias de hoje. Ela está baseada na concepção tradicional, do encontro face a face, no compartilhamento de um mesmo lugar para a conversação, para a discussão das coisas de relevância pública. Por isso, Thompson é categórico em afirmar que a idéia original da esfera pública não pode ser diretamente aplicada às condições criadas pelo desenvolvimento dos novos meios técnicos. Além disso, considera a idéia de esfera pública de importância limitada porque ela está ligada, fundamentalmente, à noção de formação de opinião participativa (1995:156). Conforme Thompson, as realidades e possibilidades políticas do final do século XX não sustentam a idéia de uma esfera pública em que opiniões pessoais dos indivíduos se tornem opinião pública através da participação num debate livre e igual, aberto a todos. Para Thompson, esta situação até pode ocorrer em nível micro, porém, no nível da política nacional e internacional, e nos níveis superiores onde o poder é exercido em organizações civis e comerciais de grande escala, é difícil ver como a idéia de formação de opinião participativa poderia ser implementada de maneira significativa. Thompson (1995:157) vê com ceticismo a proposta de Habermas de reconstruir a esfera pública numa base institucional diferente, de caráter transnacional. Se o debate livre e aberto é inviável no plano nacional, então, no nível internacional, sequer pode ser imaginada sua implementação. Princípio do pluralismo regulado e democracia deliberativa O grande mérito da obra de Habermas é reconhecer a crescente influência da imprensa na formação da chamada opinião pública, ou seja, no debate democrático. Thompson dá esse crédito ao autor de Mudança Estrutural da Esfera Pública, mas entende que a teoria de Habermas não consegue dar conta da complexidade desta questão. Thompson (2002:72) vê nisso a influência de Adorno e Horkheimer, fazendo com que Habermas relegasse a um segundo plano esta questão, uma vez que desconsidera qualquer papel esclarecedor que a imprensa pudesse vir a desempenhar. Para Thompson, a partir deste ponto começam as principais dificuldades e limitações de toda construção teórica de Habermas. Thompson afirma que na contemporaneidade não há como negligenciar o papel da mídia. Além de exercer grande influência, ela também acabou por alterar as relações sociais. De um contexto de co-presença, grande parte da interação social passa a se dar de forma mediada (Thompson, 2002: ). Então, qualquer proposta de organização de uma sociedade precisa considerar este aspecto. Thompson reconhece que a democracia tornou-se a única idéia capaz de garantir o exercício legítimo do poder político. Assim como Habermas, também lembra que na

8 sociedade moderna ela está fundada nos estados nacionais, que estão em crise. Recorda ainda o problema das desigualdades sociais. O modelo da democracia moderna, e em especial a proposta de Habermas, pressupõe um processo de comunicação dialógica entre indivíduos de condições sociais mais ou menos iguais que se reúnem para formar, através da argumentação e do debate, uma vontade coletiva. Para Thompson (2002:220), este modelo, dada a complexidade das sociedades modernas em crescente intercomunicabilidade no mundo, não consegue resolver os atuais dilemas da política democrática. Com o advento da interação mediada, Thompson considera necessário enfocar a problemática da renovação da vida pública e da democracia a partir do papel exercido pela mídia. Num período em que os conglomerados de comunicação global são atores-chave na produção e distribuição de bens simbólicos, a reflexão sobre as condições de liberdade de expressão não pode se restringir à estrutura territorial do estado nacional. Se antes as ameaças à liberdade de expressão provinham do excessivo uso de poder pelo Estado, hoje o que se apresenta como ameaça é o desimpedido crescimento das organizações da mídia e de seus interesses comerciais. Para administrar este novo cenário, e garantir a diversidade e a liberdade de expressão, Thompson (2002:209) propõe a adoção do princípio do pluralismo regulado. Através deste seria possível estabelecer parâmetros para o desenvolvimento das instituições da mídia. Por um lado, esclarece o autor, o princípio propõe a descentralização de recursos e, por outro, a separação do poder estatal. A proposta visa a garantir a liberdade de expressão, fugindo de eventuais abusos do poder estatal, e, também, por não acreditar que o mercado se auto-regule, busca assegurar e promover a diversidade e o pluralismo na esfera da comunicação. Segundo Thompson (2002:211), o princípio do pluralismo regulado define um largo espaço institucional que permite este tipo de variedade. É um espaço situado entre o mercado e o Estado. Thompson vai um pouco mais longe. Entende que este espaço deve ficar além do Estado. E a justificativa é óbvia: se os produtos da mídia circulam muito além das fronteiras de particulares estados nacionais, qualquer tentativa de regular e diversificar deve, portanto, se situar num nível que transcenda as políticas domésticas de Estados individuais (Thompson, 2002:211). Considerando as limitações do modelo da democracia moderna, e vislumbrando a implementação do princípio do pluralismo regulado, Thompson (2002:221) aposta na concepção deliberativa de democracia. Nesta os indivíduos são vistos como agentes autônomos, capazes de formar juízos razoáveis através da assimilação de informações e diferentes pontos de vista (Thompson, 2002:220). A democracia deliberativa

9 institucionalizaria uma variedade de mecanismos para incorporar os juízos individuais num processo coletivo de tomada de decisão. Numa concepção deliberativa de democracia, a legitimidade de uma decisão deriva do fato de que ela é resultado de um processo de generalizada deliberação. Uma concepção deliberativa não pressupõe que cada indivíduo já possua uma vontade predeterminada ou um conjunto de preferências, nem define a legitimidade como a soma aritmética de preferências individuais. Mas do que isto, o processo de deliberação em si mesmo é crucial, porque é através dele, da consideração e avaliação de diferentes pontos de vista, que os indivíduos chegam a formar suas vontades (THOMPSON, 2002:221). Entre as vantagens da concepção deliberativa de democracia deliberativa, Thompson ressalta que não requer necessariamente uma concepção dialógica. O autor tem razão ao afirmar que não há boas razões para pressupor que o processo de ler um livro ou de assistir a um programa de televisão seja, por si mesmo, menos indicado para se chegar a uma deliberação do que numa conversa face a face com outros (Thompson, 2002:221). Outro aspecto que merece atenção é fato de que, numa democracia deliberativa, os indivíduos podem participar das decisões públicas sem que, com isso, tenham que se reunir em um local compartilhado. Thompson está correto ao dizer que não se pode querer que o modelo tradicional, de cidadãos reunidos num mesmo espaço, seja o único e legítimo fórum de deliberação. O modelo proposto por Thompson vê papel central na mídia. É a partir dela com o fornecimento de informações e pontos de vista diferentes que os indivíduos vão formar juízos de valor sobre assuntos de seus interesses. O incentivo à diversidade e ao pluralismo na mídia é, portanto, uma condição essencial, não opcional ou dispensável, para o desenvolvimento da democracia deliberativa (Thompson, 2002:222). A democracia deliberativa de Thompson (2002:223) é uma democracia mediada. Os processos de deliberação dependeriam de instituições da mídia, tanto como um meio de informação quanto como um meio de expressão. Thompson reconhece que seria ingênuo supor que suas propostas para uma democracia deliberativa possam superar, ou mesmo atenuar em alguma medida, os problemas enfrentados pela política democrática moderna. Segundo ele, os problemas estão enraizados em aspectos fundamentais da organização social e em processos de mudança social de longo tempo. Mas, por fim, Thompson não deixa de revelar seu lado utópico. Ele entende que sua proposta pode ajudar a construir uma forma de vida democrática onde todos os indivíduos sejam agentes autônomos, responsáveis e capazes de juízos de valor (2002:223), sem que com isso tenham que se reunir num mesmo espaço para conversar ou deliberar.

10 Os sonhos de Thompson e Habermas Thompson é muito claro e, em alguns aspectos, muito feliz nas críticas à proposta de Habermas de instituir um espaço, uma esfera pública mundial, onde todos os cidadãos pudessem se reunir para, de maneira livre e aberta, decidir através de um debate racional sobre as questões que dizem respeito à coletividade. Por outro lado, a alternativa apresentada por Thompson um pluralismo regulado para instituição de uma democracia deliberativa não deixa de ser também um tanto quanto utópica, aproximando-se neste sentido do objetivo último de Habermas uma esfera de legitimação das questões de interesse público. É verdade, como disse Webster e o próprio Thompson, que não se pode menosprezar a criatividade dos indivíduos. Mas, por outro lado, considerando a grande e crescente importância que tem a mídia, a existência de monopólios nesta área aspectos reconhecidos e ressaltados por Thompson e bem analisados por Webster -, torna-se difícil vislumbrar a formação de uma sociedade onde todos os indivíduos sejam agentes autônomos, responsáveis e capazes de juízos de valor, como sonha o autor de A mídia e a modernidade. Ianni, como vimos anteriormente, vê pouca autonomia no sujeito neste novo cenário globalizado. Para ele, a mídia não favorece a pluralidade, mas sim gera uma coesão global. Tanto Habermas como Thompson tentam encontrar uma alternativa para preservar o princípio básico da democracia: o de que os indivíduos possam participar das decisões que lhe digam respeito. Se Habermas aparece como ingênuo ao insistir numa proposta dialógica, de interação face a face, Thompson não foge muito disso, ao ressaltar, e até exagerar, as supostas virtudes que as novas técnicas da mídia poderiam vir a trazer para a implementação de mecanismos que possam vir a acolher e retratar a vontade dos indivíduos. Habermas insiste no projeto de uma sociedade apta a aprender e capaz de agir sobre si mesma por meio da vontade e da consciência política, mesmo para além de um mundo constituído por Estados nacionais (Habermas, 2002:142). Thompson, com seu princípio do pluralismo regulado e com sua democracia deliberativa, tocada por agentes autônomos, responsáveis e capazes de juízos de valor, se aproxima do ideal democrático de Habermas. Ambos vêem a necessidade de criar mecanismos que garantam maior legitimidade às decisões políticas. Enquanto um aposta no discurso racional de indivíduos livres, na participação face a face, o outro vê a saída na deliberação de agentes autônomos, que se aproveitam dos avanços das novas tecnologias da mídia.

11 BIBLIOGRAFIA DAHLGREN, Peter. El espacio público y los medios: una nueva era? In: VEYRAT MASSON, Isabelle y DAYAN, Daniel (comps.). Espacios publicos en imagines. Barcelona: Gedisa Editorial, FREITAG, B, ROUANET, S, Habermas. Coleção Grandes Cientistas Sociais 3. ed. São Paulo: Ática, HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa; tradução de Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, HABERMAS, Jürgen. O Estado-nação europeu frente aos desafios da globalização: o passado e o futuro da soberania e da cidadania. In: Novos estudos do CEBRAP. São Paulo, n. 43, nov IANNI, Octávio. A sociedade global. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 4. ed. Petrópolis: Vozes, THOMPSON, John B. Ideologia e Cultura Moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, VIEIRA, Liszt. Os argonautas da cidadania: a sociedade civil e a globalização. Rio de Janeiro: Record, 2001.

12 WEBSTER, Frank Neville. Theories of information society. Londres: Routledge, 1995.

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO Carlos Antônio Petter Bomfá 1 RESUMO: A globalização tem se tornado um elemento de identificação de uma

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Democracia e Cidadania 1

Democracia e Cidadania 1 Democracia e Cidadania 1 Orlando Alves dos Santos Junior (Fase) * Será que o Brasil é um país democrático? Sob muitos aspectos não resta dúvida que sim, mas sob outros podemos levantar diversas dúvidas.

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação

Democracia Burguesa e Apatia Política. Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação Democracia Burguesa e Apatia Política Luciano Cavini Martorano 1 Se, como apontou Marx, existe uma relação entre o nível de participação popular e a plenitude da transformação social, o socialismo deveria

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO EMENTA: Novas tendências na produção, distribuição e consumo da comunicação com vertentes no jornalismo diante nova reconfiguração capitalista em um cenário neoliberal. AVALIAÇÃO: A avalição será feita

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia

Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia ARTIGO Inclusão digital e a busca por um acesso tecnológico respaldado nos reais interesses dos povos da Amazônia Ricardo Damasceno Moura RESUMO Este ensaio faz uma análise da importância das tecnologias

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução

Em matérias jornalísticas publicadas em vários. Introdução Introdução Em matérias jornalísticas publicadas em vários países do mundo nos últimos anos emerge um aparente paradoxo a respeito da vida na península italiana: o amor do mundo pela Itália, enquanto os

Leia mais

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA

A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA A POLÍTICA, AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria do Socorro da Cunha Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: A presente texto tem, como objetivo, tecer considerações

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

CENÁRIOS DA GLOBALIZAÇÃO: MUDANÇAS NA CONFORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS E DAS IDENTIDADES CULTURAIS.

CENÁRIOS DA GLOBALIZAÇÃO: MUDANÇAS NA CONFORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS E DAS IDENTIDADES CULTURAIS. CENÁRIOS DA GLOBALIZAÇÃO: MUDANÇAS NA CONFORMAÇÃO DOS ESTADOS NACIONAIS E DAS IDENTIDADES CULTURAIS. SILVA, Odair Vieira da. Docente dos cursos de Pedagogia e Turismo da Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Sumário. Apresentação Valéria Amorim Arantes... 7. PARTE I Educação formal e não-formal... 13 Jaume Trilla Elie Ghanem

Sumário. Apresentação Valéria Amorim Arantes... 7. PARTE I Educação formal e não-formal... 13 Jaume Trilla Elie Ghanem Sumário Apresentação Valéria Amorim Arantes... 7 PARTE I Educação formal e não-formal.... 13 Jaume Trilla Elie Ghanem A educação não-formal Jaume Trilla Introdução... 15 Contexto e fatores do desenvolvimento

Leia mais

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural. helviocarvalho@hotmail.com Valmir da Silva Acadêmico

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA INTERFACE COM A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Manoel Santos da Silva (IFAL) manoel.silva@ifal.edu.br RESUMO Este trabalho percorre por alguns questionamentos sobre

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTRIBUTO DA CPMCS PROPOSTA AO GOVERNO E AOS PARTIDOS POLÍTICOS

INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTRIBUTO DA CPMCS PROPOSTA AO GOVERNO E AOS PARTIDOS POLÍTICOS INDÚSTRIA DA COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTRIBUTO DA CPMCS PROPOSTA AO GOVERNO E AOS PARTIDOS POLÍTICOS Dezembro de 2009 Liberdade do Discurso Comercial É através da publicidade que o Consumidor fica a conhecer

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

A Teoria de Alain Touraine sobre Democracia e Representação Política na Sociedade Contemporânea

A Teoria de Alain Touraine sobre Democracia e Representação Política na Sociedade Contemporânea A Teoria de Alain Touraine sobre Democracia e Representação Política na Sociedade Contemporânea Resumo GT 13- Reforma del estado, gobernabilidad y democracia Rubia de Araujo Ramos 1 Segundo Alain Touraine,

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999

LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 LEI N. 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso

Leia mais

Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas

Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas Os Desafios da Cidadania nas Sociedades Contemporâneas Emília Cristine Pires Neste texto, discutiremos o conceito de cidadania, analisando sua concepção tradicional elaborada por T. H. Marshall, como também

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS)

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) N20120229n EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) A 29 de Fevereiro de 2012, Mendes Bota interveio na sessão de abertura do colóquio subordinado ao tema

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E MUDANÇAS NO ESTADO

GLOBALIZAÇÃO E MUDANÇAS NO ESTADO GLOBALIZAÇÃO E MUDANÇAS NO ESTADO Eduardo Kroeff Machado Carrion Ex-diretor e Professor Titular de Direito Constitucional da Faculdade de Direito da UFRGS 1. Introdução A globalização parece ser o principal

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO)

DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) 1 DEFORMAÇÃO DA CRIANÇA NEGRA PELA MÍDIA (TELEVISÃO) Cláudio Amorim Pereira 1 Resumo Esse artigo tem como objetivo falar sobre a criança negra e a mídia é, sobretudo, discutir hegemonia, ideologia, monopólio

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Comunicação, Política e Democracia: Novas configurações em um espaço público midiatizado 1

Comunicação, Política e Democracia: Novas configurações em um espaço público midiatizado 1 Comunicação, Política e Democracia: Novas configurações em um espaço público midiatizado 1 Rejane de Oliveira Pozobon Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Midiática da Universidade Federal

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais