GESTAO DE PESSOAS. Por um momento, vêmo-nos como fantoches. De prio drama. Ao. alto e divisando o mecanismo que nos moveu.. Este (Berger,, 1989)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTAO DE PESSOAS. Por um momento, vêmo-nos como fantoches. De prio drama. Ao. alto e divisando o mecanismo que nos moveu.. Este (Berger,, 1989)"

Transcrição

1 GESTAO DE PESSOAS Por um momento, vêmo-nos como fantoches. De repente, porém, percebemos uma diferença entre o teatro dos bonecos e nosso próprio prio drama. Ao contrário rio dos bonecos, temos a possibilidade de interromper nossos movimentos, olhando para o alto e divisando o mecanismo que nos moveu.. Este ato constitui o primeiro passo para a liberdade. (Berger,, 1989)

2 Roteiro da apresentação 1. O que é gerir pessoas? 2. Quando os interesses individuais e organizacionais estão em jogo- Modelos de gestão agency & community 3. Percepção de injustiça retaliação 4. Valores organizacionais comportamento ético nas organizações 5. A responsabilidade da pessoa no processo de gestão: : a Inteligencia emocional 6. Qualidade de vida no trabalho 7. A gestão envolve negociação entre partes: que contrato psicológico somos capazes de construir com a organização ão?

3 Gerir pessoas o que é? Conciliar interesses individuais e coletivos GRUPO Fatores contingenciais: ambiente

4 Na maior parte das vezes o indivíduo ingressa na organização com expectativas de realizar um bom trabalho (MOTIVAÇÃO) A crença é a de que se mostrar motivação e realizar um bom trabalho, atendendo às expectativas organizacionais irá ter em um futuro próximo novas oportunidades de crescimento na organização (CONTRATO PSICOLÓGICO RECIPROCIDADE) Mas, fatores contingenciais podem impedir que esta motivação venha a persistir (DIMINUIÇÃO DO COMPROMETIMENTO)

5 Estes fatores contingenciais que interferem no indivíduo podem ser Nível Nível interpessoal Clientes Colegas Estilos de gestão do gerente Nível grupal Nível grupal Nível Nível intragrupal Nível Nível intergrupal Trocas entre colegas Trocas entre líder e membros do grupo Conflitos e afinidades entre grupos Nível Nível organizacional Valores e cultura organizacional Política organizacional

6 Vejamos um vídeo sobre o primeiro dia de trabalho. O vídeo enfoca justamente fatores contingenciais da relação do empregado com os clientes que interferem na motivação Nível Nível interpessoal Clientes

7 Vejamos um outro vídeo que retrata as relações dentro dos grupos e os valores organizacionais. Nível grupal Nível grupal Nível Nível intragrupal Conflitos pela busca do poder Nível Nível organizacional Valores e cultura organizacional Política organizacional

8 Os problemas ocorrem em parte porque as pessoas possuem expectativas distintas sobre as relações no contexto de trabalho Percepçõesde de como como devem ser ser as as relações entre entre indivíduos e organizações Reconhecendo a importância de dar autonomia e valorizar a individualidade Tensão contínua Reconhecendo a importância de enfatizar o coletivismo e compartilhamento nas organizações

9 Esta tensão entre dar foco à individualidade ou dar foco ao coletivo é um desafio na gestão de pessoas Estilos de gestão individualistas: foco na autonomia e crescimento individual do trabalhador Estilos de gestão coletivistas: : foco no trabalho em equipe e no crescimento do grupo no contexto organizacional

10 Modelo agency ou community (Bastos & Grangeiro,, 2008) Princípios e valores Agency Defender os interesses pessoais Valorização do individualismo, autonomia e auto- regulação Vínculos descartáveis Criar redes sociais fora da organização Community Defender interesses coletivos Suporte mútuo, cooperação e adaptação coletiva ao ambiente Criar redes dentro da organização

11 Modelo agency ou community Agency Práticas de TD&E, Avaliação de desempenho,, suporte social Treinar e qualificar para o desempenho individual Avaliar de acordo com o mérito m individual Carreira é responsabilidade da pessoa Suporte social é uma conquista individual Community Treinar e qualificar promovendo o desenvolvimento integral da pessoa e promovendo a cooperação Privilegiar a equipe na avaliação Planejar carreira é de responsabilidade da organização Suporte social é dado pela organização

12 Avaliando agency e community Que princípios pios devem orientar a gestão? Estimular a cooperação da equipe Preocupar-se com o trabalhador em todas as dimensões Estimular trocas de aprendizagem coletivas Fortalecer o vínculo v com a organização Preocupar em manter os colaboradores Estimular a criação de redes interpessoais na própria pria organização Estimular o suporte mútuo entre colaboradores Estabelecer vínculos duradouros com o trabalhador Estimular as trocas de experiências em equipe

13 Avaliando agency e community Que práticas devem ser adotadas na gestão? Oferecer oportunidades internas de crescimento na carreira Oferecer suporte para pessoas que deixam a organização Recompensar o trabalhador a partir do desempenho coletivo Assegurar recursos para o bem estar pessoal e familiar do trabalhador Promover socialização que favoreça a identificação com a organização Criar mecanismos para integrar o trabalhador à organização Criar oportunidades para a troca de experiências dentro das equipes Oferecer apoio para que as pessoas respondam de modo mais positivo às mudanças as organizacionais

14 Avaliando agency e community Que práticas devem ser adotadas na gestão? Recompensar o trabalhador por seu mérito individual Priorizar ações de recrutação e seleção de caráter transitório rio Priorizar treinamentos focados apenas na tarefa Delegar ao trabalhador a responsabilidade para se manter empregável Cumprir somente com as exigências legais ao término do contrato Recompensar apenas os trabalhadores que sejam empreendedores Priorizar ações de qualificação para o exercício cio das funções Estimular o trabalhador a participar do desenho do seu cargo Oferecer condições para a carreira individual fora da organização

15 É comum defendermos tanto princípios pios e práticas do individualismo quanto do coletivismo O desafio passa a ser o de encontrar um ponto de equílibrio nesta tensão Nem sempre as políticas de gestão de pessoas nas organizações são claras e o risco é o de aumentar a percepção de injustiça nas organizações ões.

16 Quando as expectativas pessoais não são atendidas e o indivíduo duo se percebe injustiçado pela organização ão, ele pode se engajar em ações de retaliação ão. João Joãorecebe um ummemorando memorando do do chefe chefe comunicando comunicando que que Maria, Maria, sua suacolega de de departamento departamento será serápromovida. João Joãoe e os os demais demaiscolegas não nãosabiam sabiamda da promoção promoção e e ninguém ninguémfoi foiconsultado sobre sobre os os critérios critérios rios para para indicação indicação. João João se se sente senteinjustiçado e e muda muda o o seu seu comportamento comportamentono no trabalho. trabalho. Ações de João: Deixar de expor suas melhores idéias ias Fingir estar doente para faltar ao serviço ://www.youtube.com/watch?v=7watch?v=7 m3veurv9ky Confrontar a chefia Fazer corpo mole Vocês acham que a conduta de João é justificada? Vocês já se sentiram injustiçados ados? Como agiram nestes casos? Retaliação tem dois componentes Afetivo: Indignação com o ocorrido - sentimento Conativo avaliar que a empresa merece a retaliação - cognição Mendonça (2008)

17 Vamos analisar um pouco mais o que a empresa e o chefe fizeram com João. Acha Achainjusto o que que a organização fez fez com comjoão? A situação leva leva as as pessoas a sentirem raiva raivada da organização? Ficaria Ficariainsatisfeito com coma organização se se isto istoocorresse com comvocê? Que formas de retaliação considera aceitáveis veis? Deixar de colaborar com colegas Influenciar negativamente os colegas Negar informações importantes aos colegas Ficar indiferente às solicitações da chefia Tratar com indiferença clientes da organização A organização mereceu o que João está fazendo? Aprova o que João fez? Faria a mesma coisa que João fez? Foi justa a reação de João? Acha que João está correto na sua forma de agir? Fingir estar ocupado Fazer corpo mole Produzir abaixo da sua capacidade Gastar mais tempo no intervalo do que o permitido Falar mal da organização para as pessoas estranhas Descumprir normas da empresa Fazer o serviço mal feito de propósito

18 Para evitar o aumento da percepção de injustiça organizacional e o risco de retaliação Monitorar a percepção dos servidores sobre os valores e a ética organizacional

19 Valores organizacionais Valores organizacionais são elementos estruturantes da organização ão, constituindo padrões coletivos que orientam o trabalho A importância de determinados valores influenciam a quantidade de esforço que os seus membros investem para expressar comportamentos congruentes com estes valores.

20 Mas, os valores só podem ser considerados organizacionais se são percebidos como compartilhados Por isto se diz que os dirigentes organizacionais podem tentar impor valores, mas tornar estes valores organizacionais depende do grau de adesão de seus membros a estes mesmos valores, o que nem sempre ocorre.

21 Testando os valores organizacionais (Tamayo & Gondim, 1996) Que valores são importante para sua organização ão? Entende-se por valores aqueles princípios pios que orientam a vida das organizações ões. RESPONDA CONFORME A ESCALA ABAIXO NADA IMPORTANTE IMPORTANTE SUPREMA IMPORTANTE OPOSTO AOS PRINCIPIOS DA ORGANIZAÇÃO MUITO IMPORTANTE

22 1 Abertura (promoção de um clima propício às sugestões e diálogos) 2 Amizade (clima de relacionamento amistoso entre servidores) 3 Benefícios (promoção de programas assistenciais aos servidores) 4 Coleguismo (clima de compreensão e apoio entre servidores) 5 Competência (saber executar as tarefas da organização ão) 6 Competitividade (conquistar clientes em relação à concorrência) 7 Comprometimento (identificação com a missão organizacional) 8 Cooperação ( clima de ajuda mútua) 9 Criatividade (capacidade de innovar na organização ão) 10 Dedicação (promoção ao trabalho com afinco) 11 Democracia (participação dos empregados nos processos decisórios rios) 12 Eficácia cia (fazer as tarefas de forma a atingir os objetivos esperados) 13 Eficiência (executar as tarefas da organização de forma certa)

23 14 Fiscalização ( controle do serviço executado) 15 Flexibilidade (administração que se adapta às situações concretas) 16 Harmonia (ambiente de relacionamento interpessoal adequado) 17 Hierarquia (respeito aos níveis de autoridade) 18 Honestidade ( promoção do combate à corrupção na organização ão) 19 Incentivo à pesquisa (relacionada com os interesses organizacionais) 20 Interação interorganizacional (intercâmbio com outras organizações ões) 21 Justiça (imparcialidade nas decisões administrativas) 22 Modernização de recursos materiais (preocupação em investir na aquisição de equipamentos, tecnologia etc) 23 Obediência ( tradição de respeito às ordens) 24 Organização (existência de normas claras e explícitas) 25 Planejamento (elaboração de planos para evitar improvisações na organização ão) 26 Plano de carreira (preocupação com a carreira funcional dos servidores)

24 27 Polidez (clima de cortesia e educação no relacionamento cotidiano) 28 Pontualidade (preocupação com o cumprimento de horários rios e compromissos) 29 Postura profissional (promover a execução de funções ocupacionais de acordo com as normas da organização ão) 30 Probidade (administrar de maneira adequada o dinheiro público) 31 Produtividade (atenção voltada para a produção e a prestação de serviços os) 32 Qualidade (compromisso com o aprimoramento dos produtos e serviços os) 33 Qualificação dos recursos humanos (promover a capacitação e treinamento dos servidores) 34 Reconhecimento (do mérito m na realização do trabalho) 35 Respeito (consideração às pessoas e opiniões) 36 Sociabilidade (estímulos às atividades sociais fora do ambiente de trabalho) 37 Supervisão (acompanhamento e avaliação contínuos nuos das tarefas) 38 Tradição (preservar usos e costumes da organização ão)

25 Fatores Apurando os resultados dos valores organizacionais itens Divisor Eficácia cia/eficiência 05,07,10,12,13,25,28,31,32 09 Interação no trabalho 01,02,03,04,06,08,09,11,15,36 10 Gestão 14,17,23,24,29,37,38 07 Inovação 19,20,22,30 04 Respeito ao servidor 16,18,21,26,27,33,34,35 08

26 Valores organizacionais do TRT na visão dos servidores Eficácia/ eficiência Interação no no trabal ho ho Gestão Inovação Respeito ao ao servi dor dor Médias Gerais por por Fator es es Total de respondentes: 48 em 30/04/2008

27 Eficiência e Eficácia cia 5 Competência (saber executar as tarefas da organização ão) 7 Comprometimento (identificação com a missão organizacional) 10 Dedicação (promoção ao trabalho com afinco) 12 Eficácia cia (fazer as tarefas de forma a atingir os objetivos esperados) 13 Eficiência (executar as tarefas da organização de forma certa) 25 Planejamento (elaboração de planos para evitar improvisações na organização ão) 28 Pontualidade (preocupação com o cumprimento de horários rios e compromissos) 31 Produtividade (atenção voltada para a produção e a prestação de serviços os) 32 Qualidade (compromisso com o aprimoramento dos produtos e serviços os)

28 Gestão 14 Fiscalização ( controle do serviço executado) 17 Hierarquia (respeito aos níveis de autoridade) 23 Obediência ( tradição de respeito às ordens) 24 Organização (existência de normas claras e explícitas) 29 Postura profissional (promover a execução de funções ocupacionais de acordo com as normas da organização ão) 37 Supervisão (acompanhamento e avaliação contínuos nuos das tarefas) 38 Tradição (preservar usos e costumes da organização ão)

29 Mais baixo valor organizacional TRT Interação com o Trabalho 1 Abertura (promoção de um clima propício às sugestões e diálogos) 2 Amizade (clima de relacionamento amistoso entre servidores) 3 Benefícios (promoção de programas assistenciais aos servidores) 4 Coleguismo (clima de compreensão e apoio entre servidores) 6 Competitividade (conquistar clientes em relação à concorrência) 8 Cooperação ( clima de ajuda mútua) 9 Criatividade (capacidade de innovar na organização ão) 11 Democracia (participação dos empregados nos processos decisórios rios) 15 Flexibilidade (administração que se adapta às situações concretas) 36 Sociabilidade (estímulos às atividades sociais fora do ambiente de trabalho)

30 Intimamente relacionado aos valores organizacionais é preciso considerar a dimensão ética da organização ão.

31 Percepção de comportamentos éticos organizacionais Ética é um tema crescente de interesse para a sociedade e afeta principalmente as organizações públicas Ética pode ser entendida como um conjunto de regras, princípios pios e padrões que regem e orientam o comportamento das organizações em relação aos seus empregados e clientes externos.

32 Percepção de comportamentos éticos organizacionais (Gomide Junior & Fernandes,, 2008) Crenças de como a organização faz sua gestão Qualidade do trabalho e respeito no trato interpessoal Tratamento não discriminatório rio Respeito a prazos Confiabilidade e credibilidade de normas e serviços A organização ão: Oferece oportunidades de corrigir erros? Reconhece os direitos e não só os deveres dos funcionários rios? Não permite discriminação e assédio moral no trabalho? Estabelece prazos compatíveis com as tarefas a serem cumpridas? Deixa claro os objetivos a serem atingidos? Possui políticas justas de avaliação dos funcionários rios? Permite a participação dos funcionários nos processos de tomada de decisão? Permite que haja melhoria de capacitação interna para todos?

33 Percepção de comportamentos éticos organizacionais Crenças de que a organização estabelece relações claras e honestas com os clientes A organização ão: Oferece serviços de qualidade para os clientes? Cumpre os prazos prometidos? Presta informações precisas e objetivas a seus clientes, quando solicitada? Respeita e valoriza os clientes? Busca assegurar honestidade em suas transações com seus clientes? Responde de maneira precisa às demandas dos clientes?

34 Recapitulando, a gestão de pessoas necessita levar em conta Estilos de gestão: agency ou community Valores organizacionais Percepção de comportamentos éticos na organização Percepção de injustiça comportamentos retaliatórios

35 Porém, é preciso ter em mente que há um domínio do âmbito do servidor para lidar melhor com os desafios da organização ão. A gestão de pessoas ou com pessoas demanda uma dupla responsabilidade: gestores e servidores

36 Qualidade de vida e Qualidade de vida no Trabalho Saúde de: bem estar Biológico Psicológico Social Espiritual Qualidade de vida no trabalho não é sinônimo de qualidade de ambiente ou de quantidade de bens materiais ou de saúde física Doença perda de uma harmonia Desequilíbrio físico, emocional, vocacional, intelectual, social e espiritual QVT não se reduz a condições externas de vida Não deve ser confundida com projetos isolados ou pacotes de benefícios ou cumprimento de normas de legislação

37 Qualidade de vida e Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de vida é um conceito dinâmico, contingencial, abrangente, individual e ao mesmo tempo coletivo e multidisciplinar No entanto,, QVT e QV encontram-se inter- relacionadas pois o mal estar no trabalho repercute na família lia,, do mesmo modo que o mal estar repercute no trabalho. Existe uma tendência a considerar as organizações responsáveis pela QVT, enquanto a QV, incluindo aspectos relativos a moradia, educação e outros, requer um projeto social de âmbito político e governamental.

38 Qualidade de vida e Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de vida no trabalho pode ser entendida como um conjunto de ações que envolvem: DIAGNÓSTICO E IMPLANTAÇÃO DE MELHORIAS E INOVAÇÕES GERENCIAIS TECNOLÓGICAS ESTRUTURAIS FOCO: DESENVOLVIMENTO HUMANO PARA E DURANTE A REALIZAÇÃO DE TRABALHO PROMOVER BEM- ESTAR NO TRABALHO FISICA PSICOLOGICA SOCIAL e ESPIRITUALMENTE

39 Por que se preocupar com a QVT? As empresas brasileiras gastam R$ 20 bilhões com empregados temporariamente afastados por motivos de doenças ocupacionais A média nacional de despesa do empregador por trabalhador/ano é de R$ 89 mil A Associação Brasileira de Qualidade de Vida com sede em São Paulo através do Prêmio Nacional de Qualidade de Vida conseguiu reduzir 96% casos de LER 72% casos de absenteísmo smo 36% casos de acidentes de trabalho Mas, a QV geral e no trabalho também depende da pessoa

40 O que você faz pelo sua QV? 1 Procuro realizar alguma atividade física por, pelo menos, 30 minutos por dia,, cinco vezes por semana. 2 Escovo os dentes após as refeições e vou ao dentista todos os anos. 3 Procuro alongar-me por, pelo menos, 5 minutos por dia. 4 Procuro manter o meu peso em níveis adequados. 5 Procuro alimentar-me com,, pelo menos, cinco porções de frutas e vegetais (uma unidade ou meia xícara), todos os dias. 6 Evito comer alimentos ricos em gorduras, como frituras, carnes gordas, leite integral. 7 Evito fumar. 8 Procuro dormir de 6 a 8 horas por dia. 9 Procuro ir ao médico anualmente, para os exames de rotina. 10 Protejo minha pele da exposição excessiva aos raios solares.

41 11 Procuro praticar um gesto de gentileza, pelo menos, uma vez por mês. 12 Procuro resolver os conflitos com as outras pessoas de maneira positiva e respeitosa. 13 Procuro estabelecer metas realistas para minha vida. 14 Procuro manter-me me informado sobre o que se passa no mundo social, político e atualidades. 15 Procuro aprender coisas novas em livros,, revistas, jornais e internet. 16 Procuro manter e melhorar as relações com a família e os amigos. 17 Procuro sempre aproveitar as oportunidades para aprender e ganhar experiência. 18 A minha vida tem sentido. 19 Procuro me interessar em conhecer o ponto de vista das outras pessoas e gosto de compartilhar conhecimentos. 20 Participo de atividades na minha comunidade.

42 Como cada um pode contribuir para o seu bem-estar estar Resiliência Característica comum entre as pessoas que costumam responder satisfatoria e saudavelmente aos processos de mudança e incertezas da vida Pessoas resilientes sentem os mesmos medos e apreensões que todo o mundo quando se envolvem em uma mudança Porém, elas geralmente são capazes de manter sua produtividade, qualidade e competência e o equilíbrio emocional, físico f e social.

43 Características das pessoas resilientes POSITIVIDADE Interpretam a vida como desafiadora e cheia de oportunidades FOCO Têm uma visão clara do que querem alcançar ar e realizar FLEXIBILIDADE E PROAÇAO AO São maleáveis ao responder às incertezas Induzem mudanças as ao invés de se defenderem delas ORGANIZAÇAO AO Desenvolvem abordagens estruturadas para gerenciar ambiguidades

44 Escala Transcultural de Resiliência Wagnild & Young (Pesce & cols, 2005) Fator 2 Independência e determinação Fator 1: Ações e valores que dão sentido à vida Fator 3 Autoconfiança e adaptação a situações diversas

45 Discordo totalmente Concordo totalmente 1 Quandoeufaçoplanos, eulevo eles atéo fim 2 Eu costumo lidar com os problemas de uma forma ou de outra 3 Eu sou capaz de depender de mim mais do que qualquer outra pessoa 4 Manter interesse nas coisas é importante para mim 5 Eu posso estar por minha conta se eu precisar 6 Eu sinto orgulho de ter realizado coisas em minha vida 7 Eu costumo aceitar as coisas sem muita preocupação 8 Eu sou amigo de mim mesmo

46 Discordo totalmente Concordo totalmente 9 Eu sinto que posso lidar com várias v coisas ao mesmo tempo 10 Eu sou determinado 11 Eu raramente penso sobre o objetivo das coisas 12 Eu faço o as coisas um dia de cada vez 13 Eu posso enfrentar tempos difíceis porque jáj experimentei dificuldades antes 14 Eu sou disciplinado 15 Eu mantenho interesse nas coisas 16 Eu normalmente posso achar motivo para rir

47 17 Minha crença a em mim mesmo me leva a atravessar tempos difíceis 18 Em uma emergência, eu sou uma pessoa em quem as pessoas podem contar 19 Eu posso geralmente olhar uma situação em diversas maneiras 20 Às s vezes eu me obrigo a fazer coisas querendo ou não 21 Minha vida tem sentido 22 Eu não insisto em coisas as quais eu não posso fazer nada sobre elas 23 Quando eu estou numa situação difícil, eu normalmente acho uma saída 24 Eu tenho energia suficiente para fazer o que eu tenho que fazer 25 Tudo bem se háh pessoas que não gostam de mim

48 Analisando os resultados Fator 1 Sentido da vida 1,2,6,7,8,10,11,12,14,16, 18,19,21,23,24 Divisor 15 Fator 2 Independência e determinação Fator 3 Autoconfiança e adaptação a situações novas 4,5,15,25 4 3,9,13,17, 20, 22 6

49 Esta na hora de definir o contrato psicológico que pretendemos estabelecer com a organização Que expectativas temos em relação aos deveres e direitos da organização? O que a organização pode esperar de nós como servidores?

50 Recuperando as dimensões de contrato psicológico (Sels( et cols,2004)

51

52 Estrutura temporal O que o empregado oferece: Lealdade à organização Permanência na organização O que o empregado espera Investimento a longo prazo no empregado Segurança no emprego Oportunidades de carreira Oportunidade de ser reaproveitado em outra função significativa caso o cargo deixe de existir

53 Tangibilidade O que o empregado oferece: Clareza de quais são meus objetivos de carreira Informação quando ocorrerem problemas que impeçam o trabalho para que sejam solucionados O que o empregado espera Clareza sobre avanço de carreira Esclarecimento dos procedimentos para ascenção funcional Esclarecimento dos meus direitos Esclarecimento das minhas obrigações

54 Escopo O que o empregado oferece: Preocupação com a organização fora do horário rio de trabalho Horas extras quando necessário Idéias próprias prias e criativas para a organização Investimento de tempo e energia na organização O que o empregado espera Apoio em momentos difíceis Valorização pelo que faz e o que é Considere não só o resultado final, mas o esforço pessoal Tratamento como pessoa e não como númeron Permita a expressão pessoal

55 Estabilidade O que o empregado oferece: Ajustamento pessoal conforme demandas da organização Tolerância à mudanças as Flexibilidade Ajuste a imprevistos Aceitação de revisão de acordos O que o empregado espera Mantenha acordos mesmo se as circunstâncias mudarem Seja flexível nos acordos levando em conta diferenças individuais

56 Simetria O que o empregado oferece: Respeito pelos superiores Atitude formal para com os superiores Aceitação de diferenças de status de superiores Aceitação da autoridade O que o empregado espera Benefícios diferenciados para superiores e subordinados Os gerentes e supervisores tomem decisões pelo empregado

57 Nível O que o empregado oferece: Não ter demandas individuais diferentes dos outros empregados Não querer fazer acordos individuais O que o empregado espera Trate igualmente todos os empregados do mesmo nível Exija igualmente de todos do mesmo nível hierárquico rquico Considere acordos como aplicáveis a todo o grupo Conceda a todos os mesmos benefícios

58 Não há um modelo ideal de contrato psicológico, mas é importante haver equilíbrio Pouca lealdade do emprega do Investim ento de curto prazo Estrutura temporal Muita lealdade do emprega do Investim ento de longo prazo

59 Pouca clareza de interesses de carreira Tangibilidade Interesses Interesses de carreira claros Poucas oportunidades de carreira Muitas oportunidades de carreira

60 Pouca dedicação à organização Escopo Muita dedicação à organização Pouca valorização do servidor como pessoa Muita valorização do servidor como pessoa

61 Pouca ajustamento à mudanças as Estabilidade Muito ajustamento à mudança Mudança de acordos conforme demandas emergentes Mantenha acordos mesmo em momentos difíceis

62 Pouco respeito à hierarquia e aos superiores Gerentes e supervisores não exerçam sua autoridade Simetria Muito Muito respeito à hierarquia e aos superiores Supervisores e gerentes exerçam a autoridade

63 Mantenha demandas individuais distintas dos colegas Tratamento diferencidos colegas Nível Mantenha demandas semelhantes a dos colegas Tratamento igualitário dos colegas

64 Riscos dos contratos psicológicos Esperar muito do empregador e pouco de si mesmo PATERNALISMO Esperar muito do empregador e de si mesmo ENGAJAMENTO MÚTUO Esperar pouco do empregador e de si mesmo DESENGAJAMENTO MÚTUO Esperar muito de si e pouco do empregador ALTRUÍSMO

65 Inteligência emocional O que é inteligência emocional? Habilidade mental de raciocinar sobre emoções e usar essas mesmas emoções para melhorar o pensamento e as ações.

66 Inteligência emocional (IE) é um componente da boa gestão? Recente revisão de literatura (Mayer( Mayer, Roberts & Basade,, 2008) afirma haver relações entre IE e várias fatores Os indivíduos duos com maiores escores de IE apresentam relações sociais mais satisfatórias (Brackett el al,. 2006) Os indivíduos duos com altos escores de IE são percebidos pelos outros mais positivamente do que os que apresentam escores médios ou baixos (Lopes et al., 2005) Os indivíduos duos com maiores escores de IE mantêm boas relações sociais no trabalho e são melhores negociadores (Elfenbein et al., 2007)

67 Além disso, Pessoas com altos escores de IE apresentam grande satisfação pela vida e baixas taxas de depressão, sugerindo que possuem mais bem estar. Críticas, todavia, são dirigidas ao conceito de inteligência emocional, visto que as medidas de inteligência emocional disponíveis na atualidade não apresentam boas correlações entre si.

68 Testando a IE A seguir serão apresentadas algumas afirmativas sobre suas emoções e sentimentos. Leia atentamente cada frase e indique o grau de concordância com respeito a elas. Assinale ao lado da frase o número apropriado a seu grau de concordância,, conforme escala abaixo Nenhuma concordância Pequena concordância Média concordância Muita concordância Total concordância

69 Testando sua IE 1 Presto muita atenção em meus sentimentos Normalmente me preocupo muito com o que sinto Normalmente dedico um tempo para pensar nas minhas emoções 4 Penso que vale a pena prestar atenção em minhas emoções e meu estado de ânimo 5 Deixo que meus sentimentos afetem meus pensamentos Constantemente penso em meu estado de ânimo Comumente fico pensando sobre o que estou sentindo Presto muita atenção a como estou me sentindo Tenho claro quais são meus sentimentos Frequentemente consigo definir os meus sentimentos

70 Testando sua IE 11 Quase sempe sei como me sinto Normalmente conheço meus sentimentos sobre as pessoas 13 Dou conta de meus sentimentos em diferentes situações Sempre posso dizer como me sinto As vezes posso dizer quais são minhas emoções Consigo compreender meus sentimentos Ainda que as vezes me sinta triste, costumo ser otimista 18 Ainda que me sinta mal, procuro pensar em coisas agradáveis 19 Quando estou triste, penso em todos os prazeres da vida 20 Tento ter sentimentos positivos, ainda que me sinta mal

71 Testando sua IE 21 Se começo a dar voltas nas coisas,, complicando-as, as, procuro acalmar-me me Preocupo-me em ter um bom estado de ânimo Tenho muita energia quando me sinto feliz Quando estou aborrecido tento mudar meu estado de ânimo

72 Componentes deste teste de IE Percepção Compreensão Regulação Sou capaz de sentir e expressar os sentimentos de forma adequada à situação Itens 1 a 8 Compreendo bem os meus estados emocionais Itens 9 a 16 Sou capaz de regular os estados emocionais corretamente Itens 17 a 24

73 Resultados por componentee de IE Percepção Compreensão Regulação <24 (<21 homens) necessita prestar atenção aos seus sentimentos 25 a 35 (22 a 32 homens) adequada percepção > 36 (>33 para homens) deve melhorar sua percepção, pois presta atenção demasiada aos seus sentimentos <23 (<25 - para homens) necessita melhorar sua compreensão de seu sentimentos 24 a 34 ( 26 a 35 para homens) adequada compreensão > 35 (>36 para homens) excelente compreensão de seus sentimentos <23 (= para homens) necessita melhorar a regulação de seu sentimentos 24 a 34 (24 a 35 para homens) adequada regulação > 35 (>36 para homens) excelente regulação de seus sentimentos tos

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA LIDERANÇA SITUACIONAL E EMPREENDEDORA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE MUITOS DOS PROBLEMAS MAIS CRÍTICOS NÃO ESTÃO NO MUNDO DAS COISAS, MAS NO MUNDO DAS PESSOAS. DESENVOLVIMENTO: APTIDÕES TÉCNICAS >>> HABILIDADES SOCIAIS CIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS X CIÊNCIAS MAL SUCEDIDAS. -

Leia mais

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio.

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio. Gestão Corporativa Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. PROCESSOS PESSOAS TECNOLOGIA

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português.

Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Este Código de Conduta Ética foi impresso em papel couché, com tiragem de 1500 exemplares, em português. Esta publicação é distribuída para os colaboradores da Recuperadora Sales Gama Ltda e seu público

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

PVI. PERFIL DE VALORES INDIVIDUAIS Parte do coaching/mentoring - dsg. Todos os Direitos Reservados

PVI. PERFIL DE VALORES INDIVIDUAIS Parte do coaching/mentoring - dsg. Todos os Direitos Reservados PVI PERFIL DE VALORES INDIVIDUAIS Parte do coaching/mentoring - dsg O QUE ABRANGE O PVI analisa, prioritariamente, as ATITUDES: Crenças e Valores - e suas consequências nos comportamentos do indivíduo

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE 2 Download da Apresentação www.gptw.com.br publicações e eventos palestras Great Place to Work - Missão 3 Construindo um Excelente Ambiente de Trabalho 4 1 2 3 4 O que

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC

Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC Pesquisa de Clima Organizacional Extended DISC Pesquisas de Clima Organizacional fornecem subsídios para a melhoria das condições de trabalho e a satisfação dos colaboradores e, com isso, tornando esta

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Ana Cláudia Braga Mendonça

Ana Cláudia Braga Mendonça Plano de Cargos e Salários CSJT OCUPAÇÃO DE FUNÇÃO COMISSIONADA E CARGO EM COMISSÃO I - FUNÇÕES COMISSIONADAS (FC-1 - FC-6) 80% > servidores integrantes das Carreiras do Poder Judiciário da União; (Art.3º)

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

www.verriveritatis.com.br

www.verriveritatis.com.br INTELIGÊNCIA ESPIRITUAL EM PROJETOS Por quê? Esta é uma pergunta com um infinito número de respostas, dependendo do contexto. Quando um membro da Equipe pergunta por que um determinado desafio corporativo

Leia mais

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES?

PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? PESQUISA DE ENGAJAMENTO/COMPROMETIMENTO, DE CLIMA ORGANIZACIONAL OU DE SATISFAÇÃO DOS COLABORADORES? Engajamento/comprometimento do colaborador: estado em que esse se encontra de genuíno envolvimento,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Identidade Organizacional. Prezado,

Identidade Organizacional. Prezado, Prezado, Apresentamos a todos os colaboradores, o Código de Conduta da Bolt Transportes, que foi minuciosamente elaborado de acordo com os valores que acreditamos ser essenciais para o um bom relacionamento

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com

Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com Relações Humanas e Públicas Professora Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com 1 2 RELAÇÕES HUMANAS E PÚBLICAS Profª Ana Maria anamelo.rh@hotmail.com EXERCÍCIOS DE PROVA (CESPE/Unb Agente Administrativo/Ministério

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2012 DGC/SPRH/DVRH Pesquisa de Clima Organizacional Objetivo da Pesquisa de Clima Organizacional: Conhecer de forma sistematizada o clima

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Liderança Motivação e Criatividade Palestrante Tatiane Franklin Coach, Palestrante e Consultora Organizacional

Liderança Motivação e Criatividade Palestrante Tatiane Franklin Coach, Palestrante e Consultora Organizacional Liderança Motivação e Criatividade Palestrante 80% das pessoas não se sentem motivadas para trabalhar. 92% dos lideres não sabem aplicar feedback. 66% das pessoas se demitem dos lideres. Líder é aquele

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná

care XIII meeting Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná XIII meeting care Dra. Adriana Vidal Schmidt Médica Alergista - Mestre pela UFPR Professora do Ambulatório de Cosmiatria SBME - Regional Paraná Se o seu coração é absoluto e sincero, você naturalmente

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA

GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA GESTÃO DA QUALIDADE DE VIDA Ana Cristina Limongi França Professora livre-docente da FEA-USP (011) 30915908 Qvt@fia.fea.usp.br NO TRABALHO GQVT: oportunidades de resultados empresariais conteúdo O Stress

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes

Aula 9. Liderança e Gestão de Equipes Aula 9 Liderança e Gestão de Equipes Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Trabalho em Equipe Nenhum homem é uma ilha, sozinho em si mesmo; Cada homem é parte do continente, parte do

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional)

ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) ANEXO I Relatório de Avaliação de Desempenho Individual - RADI (Funcional) 1 Senhor (a) Avaliador (a), a) Para Autoavaliação: utilizar a coluna "A" do campo ; b) Para Avaliação da Equipe de Trabalho: utilizar

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

Pessoas e negócios em evolução.

Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria Pessoas e negócios em evolução. Silvestre Consultoria desde 2001 Nossos Serviços: Pesquisa de Clima Cargos e Salários Avaliação de Desempenho Recrutamento Especializado Mapeamento

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

PVI PERFIL DE VALORES INDIVIDUAIS ANÁLISE DOS RESULTADOS

PVI PERFIL DE VALORES INDIVIDUAIS ANÁLISE DOS RESULTADOS PVI PERFIL DE VALORES INDIVIDUAIS ANÁLISE DOS RESULTADOS VISÃO GERAL DE HOJE Fornecer INFORMAÇÕES RELEVANTES PARA REFLEXÃO, para criar CLIMA APOIADOR, levando à CONSCIENTIZAÇÃO, pois a DECISÃO DE MUDAR

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

Gestão por Valores. com foco em Liderança. Carlos Legal

Gestão por Valores. com foco em Liderança. Carlos Legal Gestão por Valores com foco em Liderança Carlos Legal Quem somos Resultados melhores podem ser alcançados de forma sustentável. Pessoas melhores, geram lideranças e organizações melhores Nosso propósito

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock Gestão de pessoas PRINCIPAIS TÓPICOS 1. Cultura organizacional e outros desafios de projetos; 2. O papel do gerente de projetos; 3. O relacionamento

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo.

O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. Nesta aula veremos o resumo de: O Empreendedor e suas Interações; Definições do Empreendedor; Tipos de Empreendedor. Nesta aula veremos o resumo de: O Intra-Empreendedorismo. 1 VÍDEO 2 O INTRA-EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS. 2013 Hogan Assessment Systems Inc. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EQ A HABILIDADE DE SE IDENTIFICAR E GERIR AS PRÓPRIAS EMOÇÕES E DE OUTRAS PESSOAS Relatório para Tal Fulano ID HC748264 Data 12, Novembro, 2014 2013 Hogan Assessment Systems Inc.

Leia mais

1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas

1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas 1 Dicas para o profissional que vira chefe dos colegas http://oglobo.globo.com/economia/emprego/dicas-para-profissional-que-vira-chefe-dos-colegas-13653201 Tudo depende da postura pessoal, mas clareza

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação

Agenda. A Tríade. Relacionamento e Comunicação São Paulo agosto 2012 A Tríade Corpo Relacionamento e Comunicação A busca de resultados através das pessoas Alma Mente 1 2 Agenda "Não há maior sinal de LOUCURA do que fazer uma coisa repetidamente e esperar

Leia mais