POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO"

Transcrição

1 POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito do Trabalho, preconizados pela OIT Organização Internacional do Trabalho e constante do Pacto Global adotado em Estes princípios, de fundamental importância nos locais de trabalho, aceitos universalmente, também representam um desafio à Petrol e sua missão é adotar estes valores e aplicá-los na empresa: LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO A Petrol apoia a liberdade de associação de seus funcionários, através de comissões, entidades de classe ou sindicatos. A Petrol reconhece o direito à negociação coletiva, acatando integralmente as Convenções estabelecidas com o Sindicato da Classe, e outros acordos feitos com os seus empregados, inclusive com a participação do Sindicato nestas negociações. PARTICIPAÇÃO As comissões de trabalhadores, a CIPA, a de negociação da PLR e outras, são eleitas, livremente, pelos trabalhadores, com a assistência do Sindicato da Classe e sem qualquer interferência da empresa. A Petrol disponibiliza aos funcionários, informações econômico-financeiras e outras sobre a empresa, bem como todas as normas, leis, dissídios, acordos, que representem deveres ou direitos dos mesmos. A empresa procura incentivar e, dentro do possível, aplicar as sugestões oriundas de seus empregados, visando à melhoria dos processos, a segurança e o bem estar de todos. TRABALHO FORÇADO A empresa procura respeitar e seguir toda a legislação trabalhista e não permite a adoção do trabalho forçado (ou escravo), inclusive exigindo o mesmo comportamento de seus fornecedores ou prestadores de serviço. TRABALHO INFANTIL A empresa mantém programa de contratação de menores aprendizes (de 14 a 18 anos) e abomina, sob todas as formas e em toda a cadeia produtiva, a existência do trabalho infantil. A estes menores aprendizes a empresa proporciona boas condições de trabalho, aprendizado e desenvolvimento profissional inclusive com orientações e avaliações. TRABALHADORES TERCEIRIZADOS A empresa mantém todos os seus empregados registrados, com todos os benefícios conforme a legislação brasileira, e os recolhimentos previdenciários e FGTS rigorosamente em dia.

2 A empresa tem por meta limitar a um máximo de 20% o número de empregados terceirizados em relação ao seu quadro de funcionários. Estes funcionários terceirizados são, preferencialmente, com funções de apoio e não destinados às atividades fins da empresa. Aos funcionários terceirizados são garantidos direitos trabalhistas de Lei e benefícios, como registro em carteira, plano de saúde, treinamento e desenvolvimento profissional. TREINAMENTO A Petrol proporciona treinamento tanto interno quanto externo aos seus funcionários, tornandoos aptos a desenvolverem suas atividades com eficiência e segurança. As atividades de treinamento são programadas documentadas e avaliadas pelos superiores imediatos. Ao ser admitido o funcionário recebe treinamento específico e orientação quanto aos riscos de acidentes e segurança no trabalho inclusive no que se refere ao uso adequado de EPI s. As atividades de treinamento são focadas no desempenho de tarefas específicas dos empregados e procuram proporcionar maior capacitação profissional, desenvolvimento contínuo, aquisição de novos conhecimentos em todos os níveis hierárquicos. A empresa procura colaborar com programas de erradicação do analfabetismo (tanto absoluto, como funcional) incentivando seus funcionários na busca do crescimento quanto à educação básica, média ou superior. A empresa sempre que solicitada deve proporcionar estágios a estudantes do 2 grau ou nível superior, oferecendo a eles boas condições de aprendizado e desenvolvimento profissional, em suas respectivas áreas de estudo, com o devido acompanhamento e avaliação. REMUNERAÇÃO O Plano de Cargos e Salários da empresa estabelece cargos e faixas salariais compatíveis com o mercado sem qualquer tipo de discriminação. Os salários pagos pela empresa estão nos mesmos níveis do mercado regional, seguem todas as diretrizes da Convenção Coletiva da Classe inclusive no que se refere a piso salarial. A empresa tem procurado reduzir a distância entre o maior e o menor salário, monitorando, inclusive este índice. A empresa segue a legislação no que se refere à participação nos resultados e o programa é estabelecido por meio de negociação com a comissão dos funcionários e com o Sindicato dos Metalúrgicos. SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS A empresa tem como norma efetuar pelo menos uma vez por ano, pesquisa para medir o nível de satisfação de seus empregados.

3 A empresa mantém permanentemente, caixa de sugestões, visando receber proposições de seus funcionários na busca de melhoria contínua. NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol não apoia e nem permite qualquer tipo de discriminação junto aos seus funcionários, quer seja: Étnico-racial (brancos, pretos ou pardos, índios, etc.). Quanto ao gênero (masculino ou feminino). Quanto à idade. Quanto à religião. Quanto à orientação sexual. Quanto à origem geográfica. Quanto à classe social. Quanto a deficiências físicas. Quanto à aparência. A Petrol segue a legislação e principalmente aos Direitos Humanos, conforme Declaração Universal da ONU, aos Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho estabelecido pela OIT e aos princípios do Pacto Global. A Petrol procura monitorar o seu quadro de funcionários de modo a evitar possíveis discriminações ou desigualdades. A Petrol procura proporcionar oportunidade a todos, em todos os níveis hierárquicos e em todas as áreas, inclusive nos processos de seleção, admissão e promoções na empresa. A Petrol procura estabelecer, sempre que necessário, canais para tratar denúncias, análise e apuração de fatos que envolvam possíveis casos de discriminação. A empresa por lei não está obrigada a estabelecer vagas para funcionários deficientes (possui menos de 100 funcionários). É política da empresa, entretanto, permitir o acesso de um ou dois empregados com algum tipo de deficiência física. O critério de Seleção, Admissão e Promoção na empresa segue apenas aos níveis de conhecimento, aptidão, capacitação e experiência do trabalhador, não tendo qualquer preconceito ou discriminação. A todos, na Petrol, em todas as áreas é permitida a participação nos processos decisórios e na gestão de negócios, respeitando apenas as limitações impostas pelo cargo exercido pelos funcionários, dentro da hierarquia da empresa.

4 A Petrol tem por política a valorização de todos os seus funcionários, sem qualquer discriminação não permitindo qualquer tipo de atitude que possa atentar conta à dignidade dos mesmos. Todos os benefícios, previdência, plano de saúde, transporte, alimentação, são iguais para todos, sem qualquer discriminação racial, de gênero ou qualquer outro tipo. A empresa proíbe qualquer tipo de atividade que possa intimidar ou constranger seus funcionários, principalmente às mulheres e às gestantes. A figura de seus funcionários, principalmente das mulheres, não deve ser utilizada nos veículos de divulgação técnica ou comercial da empresa de maneira que atentem contra a dignidade dos mesmos. SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR A empresa possui política específica quanto à Saúde e Segurança do trabalhador. DEMISSÕES A Petrol tem por política efetuar um mínimo de demissões, procurando sempre uma política de adaptação e valorização de seus empregados e busca sempre alternativas de contenção. Em qualquer tipo de demissão (por justa causa ou não) a empresa segue rigorosamente a legislação. O funcionário, em caso de demissões, recebe orientações quanto aos procedimentos necessários. No histórico da empresa, não consta política de redução de carga horária ou redução de salários, visando evitarem-se demissões em massa. Se necessário demissão em massa, a empresa deve efetuar um estudo sobre demissões voluntárias ou mesmo uma avaliação sócio-econômica para orientar estas demissões. A Petrol toma a decisão sobre demissões, com base em avaliações por competência técnica, comportamental ou indisciplinar, que garantam uma decisão impessoal e sem discriminações. A empresa avalia periodicamente a rotatividade de seus funcionários e procura melhorias com base neste indicador. Em caso de necessidade de demissões em massa, a empresa deve procurar um entendimento com os seus empregados além de comunicar-se com o sindicato da classe sobre razões que levaram a esta decisão. APOSENTADORIA A Petrol tem por norma seguir rigorosamente a Legislação e a Convenção Coletiva quanto aos procedimentos para aposentadoria de seus empregados. Aos empregados em vias de se aposentar, é garantida a estabilidade até a conforme previsto na Convenção Coletiva.

5 Ao funcionário em processo de aposentadoria é fornecida toda a documentação necessária bem como orientação sobre a rotina para a obtenção da aposentadoria. Sempre que de interesse das partes, a empresa tem procurado oferecer aproveitamento da capacidade de trabalho dos aposentados, como funcionários ou como consultores. Revisada em 17/03/2016

Pacto Global das Nações Unidas - Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report)

Pacto Global das Nações Unidas - Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) Direitos Humanos 1 - Apoiar e respeitar a proteção dos direitos humanos proclamados internacionalmente Assistência médica e odontológica A empresa oferece um plano de assistência médica e odontológica

Leia mais

Avaliação socioambiental de fornecedores

Avaliação socioambiental de fornecedores Avaliação socioambiental de fornecedores IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: CNPJ: Material/serviço que fornece: Responsável pelas informações: Cargo: Telefone: E-mail: Questionário Gostaríamos de conhecer

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

Política de Direitos Humanos

Política de Direitos Humanos Política de Direitos Humanos Publicada em 23/11/2016 Resumo do documento: Esta política descreve as regras e diretrizes gerais da atuação dos funcionários do Banco para garantir a proteção e preservação

Leia mais

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (rotinas sugeridas)

GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (rotinas sugeridas) GESTÃO E FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (rotinas sugeridas) (8) FISCALIZAÇÃO TRABALHISTA Os contratos de terceirização envolvem sério risco para a Administração, que é a possibilidade de responsabilização

Leia mais

COP UNIFORMES PARANÁ 2016/2017 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DE PROGRESSO

COP UNIFORMES PARANÁ 2016/2017 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DE PROGRESSO COP UNIFORMES PARANÁ 2016/2017 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DE PROGRESSO CARTA DO GESTOR Lucas Peron O ano de 2016 foi de grandes conquistas para a Uniformes Paraná. Fizemos alterações em nossa planta fabril

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034459/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 15/06/2015 ÀS 13:21 SINDICATO DOS TECNICOS AGRICOLAS DE NIVEL MEDIO DE SC, CNPJ n. 80.460.785/0001-14,

Leia mais

1. CARTA DA DIRETORIA

1. CARTA DA DIRETORIA 1. CARTA DA DIRETORIA A ADVANCE EMBALAGENS adota o presente Código de Conduta Empresarial com o objetivo de conduzir seus negócios embasando-se na obediência a princípios éticos e legais no relacionamento

Leia mais

HOSPITAL MUNICIPAL DE SIMÕES FILHO / ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇAO A MATERNIDADE E A INFÂNCIA DE CASTRO ALVES-APMI

HOSPITAL MUNICIPAL DE SIMÕES FILHO / ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇAO A MATERNIDADE E A INFÂNCIA DE CASTRO ALVES-APMI REGULAMENTO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL 1. DISPOSIÇÕES GERAIS. 1.1. Este Regulamento norteia o recrutamento, seleção, regime jurídico e as regras de conduta ética e disciplinar dos empregados da APMI na

Leia mais

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir uns para com os outros com espírito de fraternidade.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES CÓDIGO DE CONDUTA DE FORNECEDORES SIGILO DAS INFORMAÇÕES respeitar a propriedade intelectual, segredos comerciais e outras informações confi denciais, exclusivas ou reservadas, e não devem fazer uso ou

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Estatuto do Pessoal Técnico Administrativo, conforme cópia anexa a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Estatuto do Pessoal Técnico Administrativo, conforme cópia anexa a esta Resolução. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 36/07/Administração RESOLUÇÃO Nº 36/07/Universitário Aprova o Estatuto do Pessoal Técnico Administrativo. O Conselho e Administração da Fundação

Leia mais

A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) dos técnicos agrícolas, com abrangência territorial em SC.

A presente Convenção Coletiva de Trabalho abrangerá a(s) categoria(s) dos técnicos agrícolas, com abrangência territorial em SC. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031080/2017 SINDICATO DOS TECNICOS AGRICOLAS DE NIVEL MEDIO DE SC, CNPJ n. 80.460.785/0001-14, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038600/2011 SINDICATO DOS TECNICOS AGRICOLAS DE NIVEL MEDIO DE SC, CNPJ n. 80.460.785/0001-14, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

MANUAL DE RECURSOS HUMANOS

MANUAL DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE RECURSOS HUMANOS OBJETIVO O Manual de Recursos Humanos da Associação de Cultura, Educação e Assistência Social Santa Marcelina, denominada SMC, tem como objetivo apresentar as políticas, normas

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001551/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038324/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003880/2014-96 DATA

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES A Malwee está comprometida com a atuação ética. Por essa razão, necessita garantir que, todos com quem realiza negócios, incluindo fornecedores, indústrias, prestadores

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO... 014 Assédio moral no trabalho...

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001482/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039019/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003376/2011-43 DATA

Leia mais

Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho

Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho Política de Direitos no Local de Trabalho Valorizamos o relacionamento que temos com os nossos funcionários. O sucesso do nosso negócio depende de cada

Leia mais

Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro.

Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro. Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro. Introdução ao documento: Os Princípios e Critérios (P&C)

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA IMPACTO NA GESTÃO DE PESSOAS, CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA IMPACTO NA GESTÃO DE PESSOAS, CENÁRIOS E PERSPECTIVAS 1º FÓRUM DE RELAÇÕES TRABALHISTAS LEGISLAÇÃO TRABALHISTA IMPACTO NA GESTÃO DE PESSOAS, CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Sumário o o o RELAÇÕES DE TRABALHO E RH AMPLITUDE DE TEMAS IMPOÂNCIA DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

Leia mais

COMUNICADO DE PROGRESSO COP 2009/10

COMUNICADO DE PROGRESSO COP 2009/10 COMUNICADO DE PROGRESSO COP 2009/10 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INDICADORES ETHOS EMPRESA: FRIAGRIL UNIDADE: MATRIZ VIGÊNCIA: 2009 REALIZAÇÃO: DEZ/2009 2 APRESENTAÇÃO Este documento apresenta os resultados

Leia mais

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial

Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Desenvolvimento, Trabalho Decente e Igualdade Racial Lais Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília, julho de 2012 Esquema da Apresentação 1. Trabalho decente e estratégia de desenvolvimento

Leia mais

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. Ano: 2010

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. Ano: 2010 PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) BPN Brasil Banco Múltiplo S.A. Ano: 2010 P 1/8 BREVE DESCRITIVO DA NATUREZA DO NEGÓCIO BPN Brasil Banco Múltiplo S.A.

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Página 1 de 6 Introdução O da Rotta Paletes busca o compromisso de alcançar seus objetivos empresariais com visão sempre na responsabilidade social, valorização do seu relacionamento com clientes, fornecedores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA SUMÁRIO O que é Código de Ética e Conduta?...04 Condutas esperadas...06 Condutas intoleráveis sujeitas a medidas disciplinares...10 Suas responsabilidades...12 Código de Ética

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001718/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR033973/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003965/2014-74 DATA

Leia mais

COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS

COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS O Capital Humano é o principal ativo da Porto Brasil. A ÉTICA e o RESPEITO ÀS PESSOAS são nossos valores principais. Procuramos orientar e apoiar

Leia mais

1 Código de Conduta do Fornecedor

1 Código de Conduta do Fornecedor 1 Código de Conduta do Fornecedor 2 Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...03 2. DIRETRIZES...03 2.1. QUANTO À INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS...03 2.2. QUANTO À CORRUPÇÃO... 04 2.3.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banrisul Sumário: 1. Introdução... 1 2. Objetivo... 1 3. Princípios e Diretrizes... 1 4. Governança...

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO EMENTA DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DISCIPLINA: Teoria Geral do Direito do Trabalho CARGA-HORÁRIA: 10 horas EMENTA: Estudo sobre a introdução ao direito do trabalho, analisando

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. NR 5 Portaria SSST n.º 08, de 23 de fevereiro de 1999

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. NR 5 Portaria SSST n.º 08, de 23 de fevereiro de 1999 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA NR 5 Portaria SSST n.º 08, de 23 de fevereiro de 1999 Objetivo Tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS As ações da UFAL para apoio aos funcionários, visando sua capacitação externa (participação em eventos e cursos fora da UFAL), são... Página 1141 de 1590 As ações da UFAL para assistência aos funcionários,

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO. Bernadete Kurtz

DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO. Bernadete Kurtz DISCRIMINAÇÃO DE GÊNERO NO MERCADO DE TRABALHO Bernadete Kurtz FERRAMENTAS CONTRA A DISCRIMINAÇÃO DA MULHER NAS RELAÇÕES DE TRABALHO Documentos Internacionais Legislação Brasileira Uso dos princípios Constitucionais

Leia mais

POLÍTICA DE RECRUTAMENTO, SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PESSOAL, PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS

POLÍTICA DE RECRUTAMENTO, SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE PESSOAL, PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E BENEFÍCIOS PL n º Pág: 1/8 Data de CAPÍTULO I. DA INTRODUÇÃO Art. 1º. O presente regulamento tem por finalidade estabelecer normas e critérios para o recrutamento, seleção, contratação e avaliação de desempenho de

Leia mais

BALANÇO SOCIAL IBASE

BALANÇO SOCIAL IBASE BALANÇO SOCIAL IBASE 1. Base de Cálculo 2014 () 2015 () Receita Líquida () (1) 26.221.233 18.211.848 Resultado Operacional (RO) 15.941.039 6.347.868 Folha de Pagamento Bruta () (1)(2) 18.089.073 20.770.313

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CST EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Missão A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Universidade Estácio de Sá consiste em formar profissionais

Leia mais

Entre as funções exercidas pelos funcionários do departamento pessoal temos:

Entre as funções exercidas pelos funcionários do departamento pessoal temos: Conceito O setor de departamento pessoal tem grande importância em uma empresa, podemos dizer que e um dos pilares mais importante, sem ela não temos um bom andamento da empresa, esse setor lida com assuntos

Leia mais

Objetivos. Estabelecer requisitos básicos à admissão de um novo servidor, na medida em que subsidia programas de recrutamento e seleção de pessoal.

Objetivos. Estabelecer requisitos básicos à admissão de um novo servidor, na medida em que subsidia programas de recrutamento e seleção de pessoal. Objetivos A Principal finalidade do Plano de Cargos e Salários é de estabelecer políticas e procedimentos voltados à valorização do colaborador e de incentivo ao seu crescimento profissional. Os fundamentos

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho PROTOCOLO À CONVENÇÃO 29 PROTOCOLO À CONVENÇÃO SOBRE TRABALHO FORÇADO, 1930, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO, GENEBRA, 11 DE JUNHO DE 2014

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

São Paulo, 27 de Março de 2008.

São Paulo, 27 de Março de 2008. Verificação do Cumprimento das Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias na contratação de empresas terceirizadas São Paulo, 27 de Março de 2008. 1 Contatos Marcelo Natale Fernando Azar (11) 5186-1014

Leia mais

OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NA CONSTITUIÇÃO- ARTIGO 7º

OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NA CONSTITUIÇÃO- ARTIGO 7º OS DIREITOS DOS TRABALHADORES NA CONSTITUIÇÃO- ARTIGO 7º A nossa constituição equiparou o trabalhador urbano ao rural ao definir que são direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que

Leia mais

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS)

1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO DO DIRETOR EXECUTIVO (PROPRIETÁRIO OU PRESIDENTE NO CASO DE PEQUENAS EMPRESAS) H.E. BanKi-moon Secretário Geral Nações Unidas Nova York, NY10017 EUA Referência: COMUNICAÇÃO DO PROGRESSO (COP - Communication on Progress) Período: 07/2015 à 06/2016 1. DECLARAÇÃO DE SUPORTE CONTÍNUO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Você pode praticar a responsabilidade social ao abrir vagas na sua empresa para adolescentes, na condição de aprendizes ou estagiários. Nesta seção você poderá saber quais as diferenças

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Jeferson Seidler

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Jeferson Seidler CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES Objetivo A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar

Leia mais

PLENÁRIA DO BANCO DO BRASIL. Sindicato dos Bancários do ABC Novembro/2016

PLENÁRIA DO BANCO DO BRASIL. Sindicato dos Bancários do ABC Novembro/2016 PLENÁRIA DO BANCO DO BRASIL Sindicato dos Bancários do ABC Novembro/2016 REESTRUTURAÇÃO DO BANCO DO BRASIL Período do PEAI: até 09/12/2016 Meta: 18 mil empregados (16% dos atuais 109 mil empregados diretos)

Leia mais

APÊNDICE A CARO (A) EMPRESÁRIO (A):

APÊNDICE A CARO (A) EMPRESÁRIO (A): APÊNDICE A CARO (A) EMPRESÁRIO (A): ESTA ENTREVISTA FAZ PARTE DE UMA PESQUISA (DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL) ACADÊMICA DESENVOLVIDA NA DISCIPLINA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MINISTRADA PELO PROFESSOR ROBERTO

Leia mais

Profissional Técnico de Nível Médio. Profissional de Nível Médio. Curitiba PR Interior do Paraná

Profissional Técnico de Nível Médio. Profissional de Nível Médio. Curitiba PR Interior do Paraná Força de Trabalho Os 8.647 empregados do quadro próprio estão distribuídos em três carreiras: profissional de nível médio (5.105 empregados), profissional técnico de nível médio (2.049 empregados) e profissional

Leia mais

Perguntas Frequentes (Lei /2008)

Perguntas Frequentes (Lei /2008) Perguntas Frequentes (Lei 11.788/2008) O que é o estágio? Estágio é o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de estudantes.

Leia mais

Confira os principais pontos da proposta de reforma trabalhista

Confira os principais pontos da proposta de reforma trabalhista Confira os principais pontos da proposta de reforma trabalhista Comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (25) o Projeto de Lei 6787/16 na versão apresentada pelo relator, deputado

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade. Laís Abramo, OIT Novembro 2014

Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade. Laís Abramo, OIT Novembro 2014 Custos do trabalho de homens e mulheres: mitos e realidade Laís Abramo, OIT Novembro 2014 Quanto custam as mulheres? É muito frequente a noção de que os custos da mão de obra feminina são superiores aos

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO FORNECEDOR CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO FORNECEDOR Setembro de 2017. Código de Ética e Conduta do Fornecedor Prezado Fornecedor, Apresentamos o Código de Ética e Conduta do Fornecedor Wald. Ele tem por objetivo orientá-lo

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS O INDICADORES ETHOS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão criada em 2000 pelo Instituto Ethos e que esta em sua terceira geração.

Leia mais

Política de Sustentabilidade Lojas Renner S.A

Política de Sustentabilidade Lojas Renner S.A Política de Sustentabilidade Lojas Renner S.A SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 A QUEM SE APLICA...2 3 POLÍTICA... 2 3.1 Princípios... 2 3.2 Compromissos... 4 3.3 Diretrizes estratégicas... 4 4 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS C A P Í T U L O 4 O selo C omo meio de assegurar a ampla divulgação das informações e estimular a verificação dos dados por parte da sociedade, desde 1998 o Ibase oferece às médias e grandes empresas que

Leia mais

RIEN SERVIÇOS MÉDICOS E NEFROLÓGICOS LTDA. COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COP PACTO GLOBAL PERÍODO: DE 24/12/2015 À 24/12/2016

RIEN SERVIÇOS MÉDICOS E NEFROLÓGICOS LTDA. COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COP PACTO GLOBAL PERÍODO: DE 24/12/2015 À 24/12/2016 RIEN SERVIÇOS MÉDICOS E NEFROLÓGICOS LTDA. COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO COP PACTO GLOBAL PERÍODO: DE 24/12/2015 À 24/12/2016 DEZEMBRO DE 2016 DECLARAÇÃO DE APOIO CONTINUADO PELO DIRETOR EXECUTIVO Rio de Janeiro,

Leia mais

FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO

FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO FATOR ACIDENTÁRIO DE PREVENÇÃO GESTÃO PARA CUMPRIMENTO DOS PRAZOS DE RECURSOS Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br HISTÓRICO: MP 83/2002 art. 10 Lei 10.666/2003

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 APAE DE FLORIANÓPOLIS

BALANÇO SOCIAL 2014 APAE DE FLORIANÓPOLIS BALANÇO SOCIAL 2014 APAE DE FLORIANÓPOLIS Identificação CNPJ 83.933.192/0001-16 Instituição ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE FLORIANÓPOLIS Natureza Jurídica Associação Registro no CMAS Utilidade

Leia mais

Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER:

Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER: Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER: http://ilolex.ilo.ch:1567/public/english/docs/convdisp.htm CONVENÇÃO 182, DE 1999, SOBRE AS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL

Leia mais

CRITÉRIOS PARA OBTENÇÃO DO ATESTADO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL, NAS FUNÇÕES REGULAMENTADAS PELA LEI 6.533/78, DECRETO 82

CRITÉRIOS PARA OBTENÇÃO DO ATESTADO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL, NAS FUNÇÕES REGULAMENTADAS PELA LEI 6.533/78, DECRETO 82 CRITÉRIOS PARA OBTENÇÃO DO ATESTADO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL, NAS FUNÇÕES REGULAMENTADAS PELA LEI 6.533/78, DECRETO 82.385/78 QUADRO ANEXO ITEM II CINEMA Tendo em vista que o exercício das profissões

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO

GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS E CONTRATO DE TRABALHO Gestão de Pessoas é uma área ou departamento da organização que se ocupa com um conjunto de atividades relacionadas às pessoas (funcionários, familiares, comunidade,

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSP-MESP

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSP-MESP ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 REGIME DE TRABALHO CELETISTA Cláusula 1ª. REPOSIÇÃO SALARIAL. Os empregadores concederão a título de reposição salarial, o percentual correspondente a 5.62% (cinco

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Banco Guanabara S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. Banco Guanabara S.A. Banco Guanabara S.A. INTRODUÇÃO: Caros colegas, Muito mais que um conjunto de normas e procedimentos um Código de Ética tem por objetivo difundir os valores da organização, melhorar sua imagem junto aos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

Recursos Humanos I. Administração de Salários Planos de Benefícios Sociais

Recursos Humanos I. Administração de Salários Planos de Benefícios Sociais Recursos Humanos I Administração de Salários Planos de Benefícios Sociais Administração de Salários Recursos Naturais + Dinheiro Acumulado + Trabalho = Riqueza ou Capital Processo Produtivo = Participação

Leia mais

5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL

5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL 5 Passos Básicos Para Organizar seu DEPARTAMENTO PESSOAL 1 DEPARTAMENTO PESSOAL Algum tempo atrás, somente empresas de grande porte sabiam a importância de manter um departamento pessoal. Mas alguns anos

Leia mais

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Organização Internacional do Trabalho (OIT) Representação Eventual 18ª Reunião Regional Americana da OIT Representante Lidiane Duarte Nogueira Advogada

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003711/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/09/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022115/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010831/2017-51 DATA DO PROTOCOLO: 08/06/2017 ACORDO COLETIVO

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS TROCANDO EM MIÚDOS

A MODERNIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS TROCANDO EM MIÚDOS A MODERNIZAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS Está todo mundo falando sobre a Modernização Trabalhista! É tanta informação, que você pode até estar confuso. Por isso, trocamos em miúdos as principais mudanças para

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Ana Lúcia Monteiro Organização Internacional do Trabalho 28 de outubro de 2011 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O Conceito de Trabalho Decente 2. O compromisso

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SINDIGÁS 2015/2016

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SINDIGÁS 2015/2016 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES SINDIGÁS 2015/2016 01 - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 01 de setembro de 2015 a 31 de agosto de 2016, e

Leia mais

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas

Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas Proibição da Discriminação e Ações Afirmativas TEMAS ATUAIS DE DIREITOS HUMANOS E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA PROF. HELENA DE SOUZA ROCHA Igualdade e Não discriminação Igualdade = conceito antigo, que pode

Leia mais

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social Preâmbulo A Associação Central das Indústrias Electrónicas e Electrotécnicas, associação registada, (ZVEI) e as suas empresas afiliadas reconhecem

Leia mais

Código de Conduta Empresarial. The Binding Site Group Limited. Março de 2017

Código de Conduta Empresarial. The Binding Site Group Limited. Março de 2017 Código de Conduta Empresarial The Binding Site Group Limited Março de 2017 Este Código de Conduta Empresarial se aplica a todos na Binding Site Group Limited, incluindo suas subsidiárias e filiais globais

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular CAPITULO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR E SUAS FINALIDADES Art. 1º Este regulamento tem por finalidade orientar a operacionalização do Estágio Curricular

Leia mais

LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE Reforma Trabalhista

LEI Nº , DE 13 DE JULHO DE Reforma Trabalhista LEI Nº. 13.467, DE 13 DE JULHO DE 2017 Altera a CLT, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho Reforma Trabalhista A Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017), que foi sancionada em 13 de

Leia mais

2.4. Os EMPREGADOS demitidos por justa causa, não farão jus à participação nos lucros ou resultados.

2.4. Os EMPREGADOS demitidos por justa causa, não farão jus à participação nos lucros ou resultados. CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO E DA VIGÊNCIA 1.1 O presente Acordo tem por objeto estabelecer as regras para a participação dos EMPREGADOS nos lucros ou resultados da EMPRESA, na forma disposta na Lei 10.101,

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL DO RS Conforme Art. 7º, inc. IV da Constituição Federal de 1988, o Salário Mínimo deve atender as necessidades básicas do trabalhador e de sua família, como moradia, educação, saúde,

Leia mais

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016

PL 055 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL. Publicado em: 13/05/2016 1. OBJETIVOS Estabelecer os princípios e diretrizes que norteiam as ações de práticas socioambientais da Getnet nos negócios e na relação com todas as partes interessadas, incluindo as diretrizes para

Leia mais

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Os fornecedores e subcontratantes da SKF desempenham um papel importante em nossa

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

Código de Conduta

Código de Conduta Código de Conduta WWW.METADADOS.COM.BR Apresentação O presente documento, intitulado Código de Conduta Metadados, tem como objetivo estabelecer, de maneira formal, o conjunto de normas que regram a conduta

Leia mais

Política Inst. Concessão de Patrocínio

Política Inst. Concessão de Patrocínio Política de Backup Política de Backup Política Inst. Concessão de Patrocínio Página 1 de 5 1. Descrição Política Institucional de Concessão de Patrocínio A Política de Patrocínio da Cooperativa de Economia

Leia mais

DIFICULDADE DO ENGENHEIRO CIVIL PARA CALCULAR CUSTOS DE SERVIÇO Valéria Martins Fonseca

DIFICULDADE DO ENGENHEIRO CIVIL PARA CALCULAR CUSTOS DE SERVIÇO Valéria Martins Fonseca DIFICULDADE DO ENGENHEIRO CIVIL PARA CALCULAR CUSTOS DE SERVIÇO Valéria Martins Fonseca RESUMO Neste artigo serão relatadas as dificuldades do engenheiro para calcular custos com funcionários e com serviços,

Leia mais

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ

Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Normas e Procedimentos de Funcionamento do Sistema de Administração de Cargos e Salários ABCZ Os salários serão administrados dentro das faixas salariais de cada classe de cargos. A determinação dos salários

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Índice 1. Apresentação... 03 2. Abrangência... 04 3. Diretrizes de Conduta... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto à corrupção... 06 3.3. Quanto

Leia mais

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS...

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS... POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS... As avaliações e premiações são consideradas salários indiretos que tem como principal objetivo motivar, reter e consequentemente garantir bons

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

1º SEMESTRE DE 2009.

1º SEMESTRE DE 2009. SISTEMA DE GESTÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SIGMAPLASTH 2009 Apresentamos a seguir para os nossos parceiros, clientes e demais partes interessadas, o desempenho do Sistema de Gestão de Responsabilidade

Leia mais

Zell Ambiental CÓDIGO DE CONDUTA

Zell Ambiental CÓDIGO DE CONDUTA Zell Ambiental CÓDIGO DE CONDUTA Código de Conduta Zell Ambiental A Zell Ambiental tem como filosofia a excelência contínua de seus produtos e processos. Com base nessa filosofia, criamos o Código de Conduta,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO GRUPO NOVO BANCO

PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO GRUPO NOVO BANCO PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO GRUPO NOVO BANCO PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES DO GRUPO NOVO BANCO ANTI-CORRUPÇÃO O meio empresarial deve lutar contra

Leia mais

Cartilha. do adolescente trabalhador

Cartilha. do adolescente trabalhador Cartilha do adolescente trabalhador Se você está em busca de uma oportunidade para se profissionalizar e ingressar no mercado de trabalho, fique de olho nas dicas que preparamos. ANTES DE QUALQUER COISA...

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor da Odebrecht Óleo e Gás 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A atuação no mercado nacional e internacional e em diferentes unidades de negócios, regiões

Leia mais

COMO FAZER A DIFERENÇA NA INDÚSTRIA DA TELECOM, ACULTURANDO OS PRECEITOS EM SSMA

COMO FAZER A DIFERENÇA NA INDÚSTRIA DA TELECOM, ACULTURANDO OS PRECEITOS EM SSMA COMO FAZER A DIFERENÇA NA INDÚSTRIA DA TELECOM, ACULTURANDO OS PRECEITOS EM SSMA OBJETIVO Responsabilidade Socioeconômica Atendimento a legislação Inclusão Social CONCEITOS O que significa comprometimento?

Leia mais

III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA

III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA III ENCONTRO ANUAL FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA Proposta de Sistema de Indicadores de Desempenho de Segurança Pública Doriam Borges (Consultor da SENASP) Abril de 2009 A informação como instrumento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Matriz Curricular do Curso Superior de Tecnologia em

Leia mais