A CIDADE É UMA SÓ?: BRASÍLIA, PLANO SÍNTESE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CIDADE É UMA SÓ?: BRASÍLIA, PLANO SÍNTESE"

Transcrição

1 1 A CIDADE É UMA SÓ?: BRASÍLIA, PLANO SÍNTESE por Angelita Bogado Apague os rastros, e apostando na arquitetura dos anos de 1920, que criava espaços de vidro e aço, nos quais não é fácil deixar rastros. 1 A Cidade é uma Só? 2 Documentário assinado por Adirley Queirós (Brasil, 2012), conta como os governantes da nova capital do país varreram do Plano Piloto a população que trabalhou durante anos nos canteiros de obras para erguer Brasília. Para refletir sobre a questão-título A Cidade é uma Só?, o diretor traz para a cena três personagens centrais Nancy, Dildu e Zé Bigode 3. Moradores da cidade satélite de Ceilândia, eles rememoram fatos históricos da criação do entorno de Brasília, ao mesmo tempo em que revelam o asséptico projeto político de erradicação das invasões. Narrativas que deveriam permanecer no plano do inenarrável, já que o governo se empenhou bastante na época para anular os rastros desta população, são redesenhadas na linguagem fílmica. O projeto desenvolvimentista do presidente Jucelino Kubitschek contemplava a criação de uma nova capital para o Brasil com o objetivo de desenvolver e modernizar o interior do país. O planalto central, equidistante de todas as regiões norte, sul leste e oeste- se apresentou como lugar ideal de disseminação e interiorização do progresso. Inspirados nas ideias modernistas da arquitetura mundial (Cf. Bauhaus Modell und Mythos, texto de Sandra Coelho), os idealizadores do Plano Piloto buscaram criar através do racionalismo dos apartamentos de vidro e aço um ideal de 1 JANZ Rolf-Peter, em Ausente e Presente: sobre o paradoxo da aura e do vestígio, fala sobre a recusa de Walter Benjamin em se morar em salas sobrecarregadas de quinquilharias e utensílios dos anos de 1880, Apague os Rastros é uma referência ao poema de Brecht (Verwisch die Spuren).(SELDMAYER, S.; GUINZBURG,J. (Orgs). Walter Benjamin: rastro, aura e história, 2012). 2 Produzido com recursos parciais do Ministério da Cultura e TV Brasil, sob a temática das comemorações dos 50 anos de Brasília, o filme ganhou o festival de cinema de Tiradentes em Apenas Nancy Araújo é personagem histórica, Dildu (Dilmar Durães) e Zé Bigode (Wellington Abreu) são personagens criados pelos roteiristas Adirley Queirós e Thiago Mendonça.

2 2 uniformidade, procurando assim acabar com os rastros da diferença entre seus moradores. Na estética moderna, a face da casa não determinaria vestígios de classe e da vida privada de seus moradores e, ao mesmo tempo, suas grandes vidraças transparentes abririam uma janela para o mundo externo e o convívio social. As ideias foram estilhaçadas, em A cidade é uma Só? o mundo externo da capital está confinado em automóveis. A maioria dos planos é filmado do interior de veículos, seja do carro do corretor Zé Bigode ou do ônibus urbano que Dildu pega para ir e voltar do trabalho, os personagens circulam pela cidade, dormem e comem sem sair de suas casas sob rodas. O espaço está praticamente suspenso. Suprimido da imagem, o diretor imprime o espaço na fala das personagens, Brasília e Ceilândia são traçadas a partir do ponto de vista de quem é mero rastro da cidade. Através do depoimento de Nancy, tomamos conhecimento da Campanha de Erradicação das Invasões 4 (CEI), implantado nos anos de , o projeto visava retirar os trabalhadores e suas famílias do Plano. Bem menos elaborado do que o projeto de Niemayer e Lúcio Costa 5, Nancy conta que o governo distrital arquitetou um plano para os sem terra do Plano: levar os pobres que enfeiavam a capital para um lugar bem distante. O governo propagandiava Ceilândia como uma área para harmonizar os serviços públicos e dar condições de vida melhor aquela gente, até então favelados e Nancy relata que o lugar nada se assemelhava à propaganda: tinha muito mato, muita terra e nenhuma infraestrutura. No lugar das linhas que criaram o desenho de uma aeronave no planalto central, os candangos 6 ganharam outras duas linhas um X. O X também era uma marca de uniformidade, pintado nas casas dos moradores da vila do IAPI 7. Nancy diz que o X determiva quem teria a sorte e o direito de se mudar para Ceilândia, quando derrepente, ouvimos uma propaganda da época, feita para a comemoração do aniversário de Brasília, anunciar: Brasília, síntese da nacionalidade espera por você. A propaganda, de 1972, do Governo Distrital que convida a todos a participar de 4 O nome Ceilândia foi cunhado da sigla CEI, Capanha de Erradicação das Invasões. 5 Oscar Niemayer ( ), e Lucio Marçal Ferreira Ribeiro de Lima e Costa ( ), foram os arquitetos responsáveis pela criação de Brasília. Niemayer foi convidado por JK e Lúcio Costa ganhou, em 1957, o concurso para a escolha do plano piloto de Brasília. Seu projeto, cujo o formato era de um avião, colocou em prática os conceitos modernistas da cidade imaginada por JK, em que o automóvel estava no centro das atenções. 6 Nome dado aos operários que trabalharam na construção de Brasília. 7 IAPI era área considerada pelo governo como invasão.

3 3 sua história, um ano antes havia excluído, dessa síntese de nacionalidade, os 60 mil trabalhadores da cidade. As linhas que se cruzam para formar o desenho do avião ou do xis, também se cruzam entre si, trazendo a marca da tensão instaurada com o projeto de erradicação das invasões. Na invisibilidade da linguagem, o diretor aponta os rastros que unem inevitavelmente a cidade satélite e sua capital, as linhas da Ceilândia e do Plano se encontram a todo momento no filme, mostrando a falência do projeto governamentista de mantê-las em paralelo. Nesse sentido, é exemplar a cena do carro que promove um efeito de espelhamento dos espaços. O reflexo da periferia no Plano constrói filmicamente a relação ambígua de presença/ausência da(s) cidade(s). O velho automóvel do corretor Zé Bigode, um santana que vemos em várias passagens da narrativa, por duas vezes é filmado em um plano frontal geral. Em uma cena, o carro está circulando pelas avenidas de Brasília, e em outra, o vemos nas ruas de Ceilândia. Além do mesmo enquadramento, a música clássica, inserida apenas nestas duas cenas, é a principal fonte do efeito de espelhos. A linguagem, nesse momento, parece expressar um sentimento de unidade, como se Ceilândia e Brasília fizessem parte realmente de um mesmo espaço, entretanto, o asfalto do Plano em contraponto as ruas de terra da periferia nos faz questionar se a cidade realmente é uma só? Dildu também expressa essa relação ambígua de pertencimento e nãopertencimento, de privação e presença do Plano. Faxineiro em uma escola da capital, ele lança sua candidatura a vereador distrital pelo PCN, Partido da Correria Nacional, entre as suas propostas de governo está a de indenização para os antigos moradores expulsos do Plano pela CEI. Da mesma forma em que é clara a sua tarefa política de luta contra o esquecimento e de reafirmar sua identidade, em várias passagens quando ele e o amigo Zé passeiam de carro pelo Plano o desejo de sair daquele lugar é explícito, chegando a dizer morreu foi muita gente aqui ninguém tem sorte aqui tem que sair daqui o nosso negócio é pra lá. Mais adiante, durante sua panfletagem, ele diz Brasília sem nós é um fantasma a cidade pára se agente não tiver lá, mas agente não tem valor. O problema não está em Brasília ser uma cidade forjada. Criada a partir de regras e uma gramática própria, a cidade acreditou que poderia normatizar os espaços, e deixar de fora do quadro o que não era digno se ser avistado em suas grandes vidraças. Para toda a regra há de haver subversão. A cidade não pode varrer a diversidade de elementos que a constitui sob a pena de transformar-se em uma cidade

4 4 sem vida, fantasmagórica, como bem assinalou Dildu. Além da campanha política de Dildu, a subversão encontra expressão nas letras de Rap cantadas por ele e seus amigos. O Rap é uma expressão de arte que não busca nenhum tipo de conforto ilusório sobre uma estética do belo, a arte das ruas deixa uma marca concreta de denúncia da não uniformidade histórica entre Brasília e seu entorno. Nas palavras do personagem é preciso ressignificar o X. Além dos depoimentos sobre o surgimento de Ceilândia e das cenas em que canta músicas sobre o Plano, Nancy percorre a narrativa fílmica - incluindo uma visita ao arquivo nacional - em busca de um jingle produzido pelo governo distrital durante a Campanha de Erradicação. Crianças, incluindo a Nancy, que pertenciam as famílias expulsas do Plano, cantaram os seguintes versos para o rádio e TV: Você que tem um bom lugar para morar/ Nos dê a mão/ajude a construir nosso lar/ Para que possamos dizer juntos/ A cidade é uma só/ Você, você, você/ Você vai participar/ Porque, porque, porque/ a cidade é uma só. No início do filme, vemos um fragmento dessa propaganda política, no entanto, bem mais tarde, compreendemos se tratar de uma reconstituição e não de um documento histórico. O jingle, mesmo quando sabemos que se trata de uma encenação, se apresenta como um vestígio material da memória, uma prova simbólica da história de Nancy, bem como mostra a face diabólica do projeto distrital. A pesquisadora Jeanne Marie Gagnebin afirma que o rastro está sempre ameaçado de ser apagado ou de não ser mais reconhecido como signo de algo que assinala 8. Em uma conversa entre o diretor e a personagem, percebe-se a incompreensão deles sobre a história de Ceilândia ter caído no esquecimento. Na ausência do registro, ou seja, do vestígio material que evidencia o rastro memorialístico, a encenação aparece para não permitir que os rastros sejam apagados. Em A Cidade é uma Só?, o diretor e seus atores empregam estratégias de discurso semelhantes as que foram adotadas pelo governo para expulsar os moradores da capital. A farsa da candidatura de Dildu, bem como a encenação do Jingle lembram, com ironia e acidez, as campanhas falaciosas sobre Ceilândia, enquanto lugar decente para se morar. O movimento de desconstruir o discurso político e reconstruir a memória através da fala recobre todo documentário. As imagens finais do filme promovem um sentimento inquietante - Dildu andando, sozinho e introspectivo, encontra uma carreata imensa da campanha de 8 GAGNEBIN. Apagar os rastros, recolher os restos. In: Walter benjamin: rastro, aura e história. p. 27.

5 5 Dilma para presidente nas ruas de Ceilândia. Um plano aberto de Dildu atravessando uma área vazia e barrenta com um out door de Ana Maria Braga anunciando em breve apartamentos de dois e três quartos. Uma cena de crianças praticando esportes em um descampado ao lado de uma estrutura de ferro abandonada. Dildu sentado em frente a uma pichação I os aplausos deichem para depois, em seguida o vemos rumo ao infinito cantarolando Pacientemente, tamo junto. Toda essa sequência do personagem atravessando os cenários descritos, mais o texto dos créditos finais: Os barracos verticalizados sobem sobre concretos de especulação imobiliária. O entorno nos espera, promovem um tom de desesperança e anúncia um cruzamento inevitável, em que o Plano se encontrará com o entorno, talvez não mais pacientemente como narra a letra da música. A Cidade é uma Só? Pode ser visto como filme-síntese desta curadoria sobre espaços urbanos. Inúmeros questionamentos e tensões mencionados nesta narrativa fílmica, também se encontram nas obras analisadas pelo grupo Nanook como: artifícios das cidades-postais, confinamento, descompassos identitários, choque entre culturas. Essa perspectiva nos leva a acreditar, ao menos no plano das relações identitárias e conflituosas entre sujeitos e espaços, que de Berlim a Brasília a cidade é uma só.

O CINEMA DO ENTRELUGAR 1 Imaginários de um passado em fluxo. Angelita Maria Bogado 2 Docente Cinema e Audiovisual UFRB, Doutoranda Poscom UFBA

O CINEMA DO ENTRELUGAR 1 Imaginários de um passado em fluxo. Angelita Maria Bogado 2 Docente Cinema e Audiovisual UFRB, Doutoranda Poscom UFBA 1 O CINEMA DO ENTRELUGAR 1 Imaginários de um passado em fluxo Angelita Maria Bogado 2 Docente Cinema e Audiovisual UFRB, Doutoranda Poscom UFBA Resumo: Analisaremos o documentário A cidade é uma só? (Brasil,

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

Cartilha de princípios

Cartilha de princípios Cartilha de princípios 2 MTST - Cartilha de princípios AS LINHAS POLÍTICAS DO MTST O MTST é um movimento que organiza trabalhadores urbanos a partir do local em que vivem: os bairros periféricos. Não é

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PENSAR BRASÍLIA, PENSAR HISTÓRIA, PENSAR CINEMA 1 Anna Lorena Morais 2

PENSAR BRASÍLIA, PENSAR HISTÓRIA, PENSAR CINEMA 1 Anna Lorena Morais 2 PENSAR BRASÍLIA, PENSAR HISTÓRIA, PENSAR CINEMA 1 Anna Lorena Morais 2 Resumo: O século XX é carregado de grandes transformações e significações as quais nos remetemos ao pensar sobre a História na atualidade.

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE IMAGES OF THE VIOLENCE: COLLAGES OF BITS AND PIECES OF TEENAGERS EVERYDAY LIFE SINOPSE José

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2 E-livro FICHA CATALOGRÁFICA Celeste, Krauss O galo e a coruja cupinzeira/celeste Emília Krauss Guimarães Antônio Carlos Guimarães [organização e revisão] Lambari: Edição do Autor; Belo Horizonte: Antônio

Leia mais

Projeto: Brasília, 50 Anos

Projeto: Brasília, 50 Anos CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS AUXILIARES DE NOSSA SENHORA DA PIEDADE Instituto São José Sobradinho - DF Projeto: Brasília, 50 Anos A comemoração dos 50 anos da capital do Brasil abre espaço para estudar os traços

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Candidatos à Presidência da República.

Candidatos à Presidência da República. Candidatos à Presidência da República. Se compusessem um estado, as favelas seriam o quinto mais populoso da federação, capaz de movimentar 63 milhões de reais a cada ano. Investigaram 63 favelas em 10

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS Leandro R. Pinheiro - UFRGS FAPERGS Dos anos 1970 aos 1990, visualizamos mudanças no cenário de ação sociopolítica

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 3.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 3.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA HISTÓRIA 3.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Anexo XIII Planilha de Registro de Caixa de Sugestões

Anexo XIII Planilha de Registro de Caixa de Sugestões Anexo XIII Planilha de Registro de Caixa de Sugestões Mês: Junho Nº Data de abertura da caixa de sugestão 1 16/06/ 2 30/06/ Nome, endereço, telefone município Bárbara Dantas. Rua da Pista, 117, fone: 3237-3104,

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz)

População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua leva cartão vermelho Viviane Tavares - Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) População de rua aumenta nos últimos anos e a resposta da gestão pública é a violência,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS. Território Modular 1 Coletivo MUDA TERRITÓRIO MODULAR 23 de agosto a 04 de outubro de 2013 2 Em movimento Felipe Scovino Para essa primeira exposição do MUDA em uma galeria comercial, uma questão importante

Leia mais

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo)

Constituição da República Portuguesa. Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) Constituição da República Portuguesa Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) 1. Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo. Giuliano Jorge Magalhães da Silva 1

Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo. Giuliano Jorge Magalhães da Silva 1 Aos olhos de uma criança: o imaginário Menino para o Mundo 1 do filme O menino e o mundo. Dir.: Alê Abreu, animação, Brasil, 80, 2014. 1 Mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense. E-mail:

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES REDAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES REDAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES REDAÇÃO Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Conteúdo de Recuperação

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

UM OLHAR SOBRE OS MORADORES DO SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO E SUAS POSSIBILIDADES DE CIRCULAÇÃO E AÇÃO NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP

UM OLHAR SOBRE OS MORADORES DO SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO E SUAS POSSIBILIDADES DE CIRCULAÇÃO E AÇÃO NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP UM OLHAR SOBRE OS MORADORES DO SERVIÇO RESIDENCIAL TERAPÊUTICO E SUAS POSSIBILIDADES DE CIRCULAÇÃO E AÇÃO NA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP Camila de Assis Covas 1 Karina Soares Montmasson 2 Ligia Moraes

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013

Atividades Pedagógicas. Outubro 2013 Atividades Pedagógicas Outubro 2013 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO IV A GRUPO IV B GRUPO IV C GRUPO IV

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública

Construindo uma cultura de paz. Tornando-se política pública Construindo uma cultura de paz Em 2000, no marco do Ano Internacional para uma cultura de paz, a Representação da UNESCO no Brasil lançou o Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz, uma

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais A realização deste trabalho nos possibilitou algumas conclusões. Assim apontamos que as Assistentes Sociais entrevistadas para nossa pesquisa demonstraram em suas reflexões que

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Desenho de observação

Desenho de observação QUESTÃO 1 Desenho de observação Tomando por base o que você está observando nesta sala, desenhe uma visão do espaço, incluindo pessoas, mobiliário e objetos. Na avaliação do seu desenho, serão considerados

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA

RICHTER 8.2 A FÚRIA DA NATUREZA JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 1 RICHTER 8.2 2 JOSÉ ARAÚJO RICHTER 8.2 FURIA DA NATUREZA 3 RICHTER 8.2 Copyright 2008 José Araújo Título: Richter 8.2 Fúria da Natureza Edição: José Araújo Revisão: José Araújo

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professora do Estúdio: Isabel Saraiva Silva Carga Horária:

Leia mais

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional;

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional; Ensino Médio Cinema e Educação: O Poeta das Sete Faces Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; História; Sociologia; Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

QUESTÃO 1. 1. a Certificação de Habilidade Específica de 2011 Prova de Habilidades Específicas Arquitetura e Urbanismo 1

QUESTÃO 1. 1. a Certificação de Habilidade Específica de 2011 Prova de Habilidades Específicas Arquitetura e Urbanismo 1 QUESTÃO 1 Desenho de Observação A mão desenhava. Mas não desenhava em uma superfície plana. Gravar era desenhar em três dimensões. Era cavar ou criar um relevo. Ver o volume. E o volume tanto era interno

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA Selma Dansi 1 RESUMO As Representações do Rural nos Processos Organizativos da Juventude Rural (UFRRJ/FAPERJ/NEAD/MDA).

Leia mais

Exposição 40 anos de Porsche 911

Exposição 40 anos de Porsche 911 Exposição 40 anos de Porsche 911 Classic News Porsche 912E (1968) A história diante dos olhos Exposição em Interlagos resgata os 40 anos de história do Porsche 911, um evento sem similar em todo o mundo.

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

A (in)visibilidade da violência urbana em imagens da(s) cidade(s) de Florianópolis/SC

A (in)visibilidade da violência urbana em imagens da(s) cidade(s) de Florianópolis/SC Autoras: Andréia Piana Titon; Andréa Vieira Zanella - Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis/SC. Tipo proposta: Comunicação Oral Título do trabalho: A (in)visibilidade da violência urbana

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo Apresentação Milene de Cássia Silveira Gusmão* ** *** *Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

INFORME Nº 8. 22 de abril de 2009. 1. Exposição e seminário. 1.1. Fortaleza

INFORME Nº 8. 22 de abril de 2009. 1. Exposição e seminário. 1.1. Fortaleza INFORME Nº 8 22 de abril de 2009 1. Exposição e seminário 1.1. Fortaleza O Seminário e a abertura da exposição em Fortaleza ocorreram no dia 14 abril de 2009. O evento foi realizado no auditório do CREA

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro

experiencias Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva Alexandre San Goes Priscila Erthal Risi lugar cadeiras encontro experiencias ^ Plano de Notas Sobre como montar uma narrativa de chuva lugar cadeiras encontro Alexandre San Goes Graduando em Ciências Sociais/UFBA Priscila Erthal Risi Arquiteta urbanista, mestranda

Leia mais

MENU DE MÍDIAS PROCESSOS SELETIVOS

MENU DE MÍDIAS PROCESSOS SELETIVOS MENU DE MÍDIAS PROCESSOS SELETIVOS Este documento tem o objetivo de apresentar algumas possibilidades de divulgação dos processos seletivos para ingresso de alunos no Instituto Federal do Espírito Santo.

Leia mais

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias:

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias: 2. Equilíbrio O equilíbrio é um parâmetro da imagem que está diretamente relacionado com o inconsciente. Andamos de modo equilibrado, sem pensar que o estamos fazendo. Ao tentarmos a mesma experiência

Leia mais

Dicionário Histórico de Instituições de Psicologia no Brasil 1267

Dicionário Histórico de Instituições de Psicologia no Brasil 1267 Dicionário Histórico de Instituições de Psicologia no Brasil 1267 Dicionário Histórico de Instituições de Psicologia no Brasil Organizadora: Ana Maria Jacó-Vilela ISBN: 9788531210686 Idioma: Português

Leia mais

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio

Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa. Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Filme: Como se morre no cinema 1 de Luelane Loiola Correa Plano de Aula: Ensino Fundamental II e Ensino Médio Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; Inglês; Projeto Interdisciplinar;

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Espaços urbanos e Formas de convívio na cidade de Uberlândia. própria e todas as suas partes".

Espaços urbanos e Formas de convívio na cidade de Uberlândia. própria e todas as suas partes. Espaços urbanos e Formas de convívio na cidade de Uberlândia Geovanna de Lourdes Alves Ramos* - PPG-UFU "O olhar percorre as ruas como se fossem páginas escritas: a cidade diz tudo o que você deve pensar,

Leia mais

5º ano. Atividade de Estudo - Português

5º ano. Atividade de Estudo - Português Atividade de Estudo - Português 5º ano O texto que você vai ler abaixo pertence ao gênero crônica. As crônicas transformam um acontecimento comum, do nosso dia a dia, em uma história muito interessante.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL Área Temática: Cultura Vânia Lionço (Coordenadora da Ação de Extensão) Vânia Lionço 1 Lowrrane Paollo Pinheiro 2 Valquíria Gandolpho Maciel do Nascimento 3

Leia mais

Elaboramos algumas atividades referentes a revisão de prérequisitos. Faça as atividades com calma e capricho. Lembre-se de trazer todas

Elaboramos algumas atividades referentes a revisão de prérequisitos. Faça as atividades com calma e capricho. Lembre-se de trazer todas Srs. Pais e alunos, Elaboramos algumas atividades referentes a revisão de prérequisitos para iniciação de novos conteúdos. Faça as atividades com calma e capricho. Lembre-se de trazer todas quando voltarmos,

Leia mais