UNIVERSIDADE DE UBERABA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE UBERABA"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO ADMINISTRAÇÃO MODALIDADE PRESENCIAL Uberlândia/MG 2015

2 Projeto Pedagógico do Curso Administração Modalidade Presencial REITOR PROF. MARCELO PALMÉRIO PRÓ-REITORA DE ENSINO SUPERIOR PROFª. INARA BARBOSA PENA ELIAS DIRETORA PROFª. MARLY TEIXEIRA DE MORAES NDE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE PROF. ESPEC. CASSIO REZENDE DE BRITO PROF. DR. JULIO CÉSAR OLIVEIRA PROFª. ESPEC. MARLY TEIXEIRA DE MORAES PROF. MS. STEFANO SCHWENCK BORGES VALE VITA PROF. MS. THIAGO FERNANDO FERREIRA

3 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO A INSTITUIÇÃO IDENTIFICAÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE UBERABA Histórico da Universidade de Uberaba UNIUBE Inserção Regional PRINCÍPIOS ORIENTADORES Missão Objetivos Visão de Futuro REFERENCIAIS ÉTICO-POLÍTICOS REFERENCIAIS EPISTEMOLÓGICOS, EDUCACIONAIS E TÉCNICOS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS Ensino, pesquisa, extensão e responsabilidade social Cursos da Educação Superior na UNIUBE MODALIDADES DE ENSINO Presencial A Distância A CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO E CURRÍCULO NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM METODOLOGIA DO ENSINO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TICS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM MECANISMOS DE INTERAÇÃO ENTRE DOCENTES E ESTUDANTES MATERIAL DIDÁTICO INSTITUCIONAL O CURSO IDENTIFICAÇÃO BREVE HISTÓRICO E TRAJETÓRIA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS PERFIL DO EGRESSO O PROJETO DO CURSO E SUA IDENTIDADE COM AS Diretrizes curriculares nacionais PROPOSTA PEDAGÓGICA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR POR EIXOS TEMÁTICOS E UNIDADES TEMÁTICAS Componentes da Formação FLEXIBILIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE Componentes Optativos Temas Transversais DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO-APRENDIZAGEM ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESTÁGIO CURRICULAR EMPRESA JÚNIOR PROJETO INTEGRADO PRÁTICAS ORGANIZAÇÃO CURRICULAR REPRESENTAÇÃO GRÁFICA EMENTAS E BIBLIOGRAFIA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO E RECUPERAÇÃO DA APRENDIZAGEM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

4 10.3 AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROGRAMAS INSTITUCIONAIS DE ATENDIMENTO AO ALUNO PROGRAMAS DE ATENDIMENTO AO ALUNO Programa de Benefícios Acessibilidade Assistência Pedagógica PROGRAMAS DE ENSINO Programa de Estágio PROEST Programa Institucional de Atividades Complementares PIAC Programa Institucional de Monitoria de Ensino PIME Programa Institucional de Iniciação Científica PIBIC e Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI SISTEMA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CURSO ÓRGAÕS COLEGIADOS Colegiado de Curso Núcleo Docente Estruturante NDE GESTOR DO CURSO SISTEMA DE GESTÃO ACADÊMICA Diretoria de Serviços Acadêmicos DSA RECURSOS HUMANOS EQUIPE DOCENTE TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS Assistente Pedagógico (a) Secretários (as) POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO POLÍTICAS PARA O CORPO DOCENTE RECURSOS FÍSICOS E MATERIAIS ESPECÍFICOS DO CURSO DE USO COMUM DA INSTITUIÇÃO Laboratórios Biblioteca e Acervo Bibliográfico BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ANEXOS

5 APRESENTAÇÃO A Universidade de Uberaba, que se constitui em uma das maiores fontes geradoras de talentos para a cidade e região, é parte responsável pelo atendimento das demandas por profissionais conscientes de sua responsabilidade, que se insiram no exigente cenário da atualidade e sejam capazes de atender as demandas de uma realidade cada vez mais complexa e plural. A proposta, ora apresentada, de atualização do Projeto Pedagógico do Curso de Administração da UNIUBE modalidade presencial - reitera o compromisso com a Educação, não apenas visando a reprodução do conhecimento, mas incentivando a produção de novos conhecimentos e sua aplicabilidade no âmbito das organizações e a utilização de novas tecnologias da comunicação e da informação. A estrutura curricular do curso de Graduação em Administração na modalidade presencial atende à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996, aos objetivos, competências e habilidades previstas na Resolução nº 4 CES/CNE, de 13 de julho de 2005 que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso. Atende ainda às legislações: a Resolução CNE/CP nº 1, de 17 de junho de 2004 e a Lei nº /2008 (que propõe a inclusão da temática História e Cultura Afro-brasileira e Indígena); a Lei nº 9795/1999 que trata da Política Nacional de Educação Ambiental e o Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 que regulamenta a Lei nº /2002 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais LIBRAS e Resolução nº 1, de 30 de maio de 2012 que estabelece as Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Esta proposta, coerente com o perfil do profissional de Administração preconizado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, propõe uma formação que vise a capacitação e aptidão para compreender as questões científicas, técnicas, sociais e econômicas da produção e de seu gerenciamento adequado, observados os níveis graduais do processo de tomada de decisão (DCNs/ 2005). O administrador egresso da UNIUBE deverá ser capaz de 5

6 assimilar as novas informações e construir conhecimentos contextualizados para aplicá-los em situações diversas nos vários campos de atuação desse profissional. Para isso, a organização curricular do curso contempla: conteúdos de formação básica; conteúdos de formação profissional relacionados com as áreas específicas da formação do administrador; conteúdos de estudos quantitativos e suas tecnologias considerando as estratégias e procedimentos inerentes à atuação do administrador e conteúdos de formação complementar que, por suas características transversais e interdisciplinares, propiciam o enriquecimento do perfil do administrador que se pretende formar. O curso adota novas metodologias no processo de ensino-aprendizagem, orientando-se pela Portaria Ministerial n 4059, de 10 de dezembro de 2004 que possibilita a oferta de disciplinas na modalidade semipresencial. Este projeto se concretizará pelo envolvimento da comunidade acadêmica em sua implementação, avaliação contínua e nos ajustes que se fizerem necessários durante o processo de sua execução. É, portanto, um projeto que supõe a participação do coletivo, de forma democrática, por meio do diálogo, da ação integrada, da visão interdisciplinar em todas as etapas de sua operacionalização e autoavaliação. Desta forma, propõe- se, em consonância com as propostas do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e com o apoio da política institucional, ações que envolvem a pesquisa, o ensino e a extensão como compromisso social da Universidade. 6

7 1 A INSTITUIÇÃO 1.1 IDENTIFICAÇÃO Mantenedora: Sociedade Educacional Uberabense SEU CNPJ/CPF: / Mantida: Universidade de Uberaba UNIUBE Reitor: Marcelo Palmério Campus Uberaba: Endereço: Avenida Nenê Sabino nº 1801 Bairro Universitário Uberaba MG / CEP Telefone: (34) Fax: (34) Campus Uberlândia: Unidade de Gestão e Direito Endereço: Av. Marcos de Freitas Costa, 1041 Bairro Daniel Fonseca Uberlândia MG / CEP Telefone/Fax: (34) CONTEXTUALIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE UBERABA Histórico da Universidade de Uberaba UNIUBE Seu fundador, Mário de Ascensão Palmério, iniciou sua prática pedagógica em 1936, como professor de Matemática. Além de reconhecido como visionário da Educação, Mário Palmério prestou significativa contribuição à política regional, nacional e internacional. Sua obra literária conduziu-o à Academia Brasileira de Letras, ocupando a vaga de João Guimarães Rosa. Com mais de cinquenta anos, a UNIUBE estabeleceu-se e consolidou-se como Instituição de ensino superior privado. A UNIUBE experimentou várias transformações: a) ciclo das faculdades isoladas: em 1947 é criada a Faculdade de Odontologia do Triângulo Mineiro. Em 1951 é criada a Faculdade de Direito do 7

8 Triângulo Mineiro e, em 1956, a Escola de Engenharia do Triângulo Mineiro. As três, mantidas pela Sociedade de Educação do Triângulo Mineiro; b) ciclo da integração: em 1972 se dá a integração administrativa e didática das três faculdades. O Sistema Integrado recebe a denominação de Faculdades Integradas de Uberaba- FIUBE; c) ciclo da fusão: de 1981 a 1987, a Sociedade de Educação do Triângulo Mineiro promove a fusão com as Faculdades Integradas São Tomás de Aquino- FISTA. A Sociedade Educacional Uberabense assume a manutenção das Faculdades Integradas de Uberaba- FIUBE; d) ciclo da transformação: em 1988, a FIUBE se transforma em Universidade de Uberaba. O Estatuto da Universidade de Uberaba- 1990, concernente ao ciclo da transformação indica, no seu artigo primeiro, o reconhecimento da Universidade pela Portaria MEC nº 544, de 25 de outubro de 1988; e) ciclo da modernização e expansão: inicia-se em 1997, sob a égide da nova LDB. Concebe-se então uma nova estrutura organizacional; faz-se a reestruturação no desenvolvimento de ensino, pesquisa e extensão; cria-se um novo modelo didático-pedagógico; faz-se uma restauração da estrutura física com construção de mais salas, ampliação e modernização dos laboratórios, instalação de uma biblioteca totalmente informatizada, com uma estrutura física, acervo e serviços condizentes com necessidade do suporte necessário às atividades de ensino, pesquisa e extensão; criam-se novas modalidades de processo seletivo e contratamse professores titulados em praticamente todas as áreas do conhecimento. Em 2002, pela Portaria MEC nº 2.728, foi aprovada a criação do campus fora de sede, no município de Uberlândia. Em 2005, a UNIUBE foi credenciada para a oferta de cursos superiores a distância pela Portaria MEC nº 1.871, de 02/06/ Inserção Regional O município de Uberaba está localizado numa região que num raio de 500 km reúne cerca de 2100 municípios, incluindo Brasília-DF, São Paulo, Goiânia e Belo Horizonte, que juntos detêm mais de 70% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Assim estrategicamente posicionada, Uberaba se insere num mercado potencial de consumidores que alcança 71 milhões de habitantes. Uberaba está interligada aos principais centros consumidores do País por meio de uma logística privilegiada (BR- 050, BR-262, BR-464, MG-190, LMG-798, MG-427 e MG-255), além dos terminais ferroviários e aeroporto. 8

9 A infraestrutura do município, de alta qualidade, possibilita o acesso à educação, saúde, lazer e serviços básicos que garantem a qualidade de vida, resultando em altos índices de desenvolvimento humano (IDH). Uberaba está entre os dez municípios mais populosos de Minas Gerais e, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2014), possui uma população estimada em pessoas, cuja maioria, vive na zona urbana. A economia do município é sustentada pelo segmento de serviços (58,03%), indústria (32,80%) e agropecuária (9,17%). O município detém cerca microempresas, 974 empresas de pequeno porte e empresas e entidades sem fins lucrativos. O setor que mais cresceu no município entre 1999 e 2006 foi o de produção e distribuição de eletricidade, gás e água (300%), seguido pela atividade de transporte, saúde e serviços sociais (99,32%) armazenagem e comunicações (82,5%) e por agricultura, pecuária, silvicultura e exploração florestal (49,34%). Em 2008 houve um aumento de 265,57% nos postos de trabalho com carteira assinada e 35% de trabalhadores informais (CAGED-MME,2010). Do total de arrecadação do ICMS, o comércio é responsável por 22%, a indústria por 33%, serviços por 44% e agropecuária por 0,18%. Uberaba conserva a 6ª posição na classificação dos 10 municípios que mais arrecadam tributos no Estado de Minas Gerais. Este resultado projetou uma renda per capta em torno de R$ ,00 em Em 2010, Uberaba se lança como polo industrial, possuído quatro distritos industriais além de um Parque Empresarial, Parque Tecnológico, Polo de Agronegócio e Biotecnologia. Conforme dados do Cadastro Nacional de Empregos (CAGED) Uberaba teve admissões nos sete primeiros meses de 2014, o que garantiu ao município a terceira posição na geração de empregos em Minas Gerais. O setor de maior empregabilidade foi o de serviço com 1.844, seguido do setor de construção civil com e o comércio com empregos gerados. Na educação, Uberaba possui estudantes em todos os níveis de ensino distribuídos na rede federal (2.722), estadual (31.972), municipal (24.238) e particular (15.170). A rede municipal de ensino conta com 19 escolas de Educação 9

10 Infantil, 22 Centros Municipais de Educação Infantil (CEMEI s), 33 creches conveniadas e 34 escolas de Ensino Fundamental. A taxa de alfabetização é 98,7% e a de evasão escolar é de 6%. A rede federal de educação conta com uma escola de Ensino Médio e duas de ensino superior. A rede estadual possui 34 escolas de ensino fundamental, 23 de ensino médio, 1 centro interescolar de línguas e 1 conservatório de música. A rede particular conta com 25 escolas de educação infantil, 30 de ensino fundamental, 16 de ensino médio, 09 de ensino técnico, 07 de ensino superior e 05 de educação especial. O ensino superior, segundo dados de 2009, possui estudantes de graduação e de pós-graduação, matriculados em nove instituições de ensino superior. Pelo Censo Educacional 2013, a UNIUBE conta com alunos matriculados nos cursos presenciais e alunos matriculados nos cursos EAD, totalizando alunos. Na Pós-graduação (especialização) a UNIUBE oferece 18 cursos presenciais e 06 na EAD. Conta com 03 mestrados: em Educação, em Odontologia e em Sanidade e Produção Animal nos Trópicos. O município de Uberlândia encontra-se localizado na Mesorregião do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, Estado de Minas Gerais, Região Sudeste do Brasil. Localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 556 quilômetros. Sua população, segundo a estimativa de 2014, é de habitantes sendo o município mais populoso da região do Triângulo Mineiro e o segundo mais populoso de Minas Gerais, depois da capital, Belo Horizonte, e o quarto município mais populoso do interior do Brasil. Ocupa uma área de 4.1 mil quilômetros quadrados, sendo que quilômetros quadrados estão em perímetro urbano. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), segundo dados de 2010, é de 0.789, considerado "alto" pela ONU, sendo o terceiro município com melhor IDH do estado e o 71 do Brasil, estando, inclusive, acima tanto da média estadual quanto nacional, que foram calculadas no mesmo ano como de e 0.699, respectivamente. A cidade está estrategicamente situada no entroncamento de várias rodovias e ferrovias, o que facilita sua estruturação logística e incentiva cada vez mais o turismo de negócios. No último ano, só o aeroporto da cidade recebeu 323 mil 10

11 embarques e desembarques. Além de cidade pólo de negócios agropecuários, é hoje, sede do maior centro atacadista-distribuidor da América Latina. A indústria atualmente é o segundo setor mais relevante para a economia uberlandense, sendo que mil reais do PIB municipal bruto é originado da indústria (setor secundário). Uma importante parcela de participação do setor secundário municipal é oriunda do Distrito Industrial Guiomar de Freitas Costa, localizado na zona norte da cidade. Nele estão as principais indústrias da cidade, inclusive instalações de algumas das maiores empresas do Brasil e ainda multinacionais, como Cargill Agrícola, Casas Bahia, Companhia de Telecomunicações do Brasil Central (CTBC), Monsanto, Petrobras, Sadia, Souza Cruz e Coca-Cola. Para atender a essa demanda, floresce na cidade uma constelação de centenas de empresas atacadistas, responsáveis pela distribuição de uma gama de produtos, não apenas para a região circunvizinha, mas para mais de pontos de venda em todos os Estados da Federação, alcançando mais de 10 mil diferentes localidades em Km² do território nacional, figurando como a terceira em arrecadação de ICMS. O município é um dos centros de agribusiness do País, pois a agricultura presente possui elevados índices de produtividade e qualidade dos produtos, devido ao enorme potencial de áreas agricultáveis e à disponibilidade de recursos hídricos, além disso, dispõe da segunda maior capacidade de armazenamento do Brasil. Outro fator importante é o avançado centro de Biotecnologia presente no município, que se destaca como um diferencial aos demais municípios brasileiros, sediando grandes nomes no setor da biotecnologia, como Syngenta, Bayer Seeds, Cargill, Monsanto, entre outros. Uberlândia é ainda destacada pelo seu potencial tecnológico, tendo um Call Center consolidado como um dos melhores do País. Também destacamos a importância do porto seco do cerrado, que se encontra instalado no distrito industrial do município e a implementação do pólo moveleiro. O setor terciário atualmente é a maior fonte geradora do PIB uberlandense. De acordo com o IBGE a cidade possuía no ano de empresas e

12 trabalhadores, sendo pessoal ocupado total e ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam R$ reais e o salário médio mensal de todo município era de 2,9 salários mínimos. Uberlândia conta com alguns dos maiores shopping centers da região do Triângulo Mineiro, como o Pratic Shopping, o Griff Shopping e o Center Shopping Uberlândia, considerado como o maior shopping center do estado e o sétimo do país. Uberlândia conta com escolas em todas as localidades do município. Devido à intensa urbanização, os poucos habitantes da zona rural têm fácil acesso a escolas em bairros urbanos próximos. Uberlândia possui um vasto campo de bens históricos e naturais, contando com inúmeros 12

13 A educação nas escolas municipais tem um nível inferior ao das escolas estaduais, mas a prefeitura está criando estudos para tornar a educação pública municipal ainda melhor, de modo a conseguir melhores resultados no IDEB. O município em 2008 contava com aproximadamente matrículas, docentes e 67 escolas nas redes públicas e particulares. A cidade também conta com várias faculdades e duas universidades, a UFU - Universidade Federal de Uberlândia e a UNIUBE Universidade de Uberaba, totalizando uma população universitária de aproximadamente estudantes, considerando alunos dos cursos presenciais e não-presenciais. A população acadêmica da UNIUBE-Uberlândia está distribuída na Unidade de Gestão e Direito (Administração, Ciências Contábeis e Direito) e na Unidade Rondon (Engenharias: Produção, Ambiental, Elétrica, Sistema da Informação e o Ensino a Distância). 1.3 PRINCÍPIOS ORIENTADORES Missão Promover o ensino e a geração do conhecimento formando o profissional compromissado com uma sociedade justa Objetivos Objetivo geral Promover a educação e a cultura por meio das diversas modalidades de ensino, da pesquisa e da extensão, para o desenvolvimento pessoal e profissional do ser humano. Objetivos específicos formar cidadãos nas diferentes áreas do conhecimento, inserindo-os em setores profissionais; promover a formação contínua dos egressos e da comunidade; incentivar a pesquisa e a investigação científica, para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e da difusão da cultura; 13

14 promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos; preservar, promover e difundir bens e valores culturais; prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade; promover a extensão, aberta à participação de todos Visão de Futuro De acordo com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI, a UNIUBE propõe como visão de futuro a consolidação da Universidade como referência na pesquisa, no ensino de qualidade e na extensão e ação comunitária da região, firmando-se como uma instituição com responsabilidade social. A consolidação da universidade nas áreas de ação comunitária, pesquisa e produção científica e ensino de qualidade se fará nos segmentos: a) extensão e ação comunitária demonstrada pelo comprometimento institucional com a sociedade, através de seus programas e projetos de extensão, dos cursos de extensão abertos a todos, independentemente da formação ou nível de escolaridade; b) pesquisa pela consolidação dos grupos de pesquisa e implantação de novos programas de pós-graduação lato e stricto sensu; c) ensino pela diversificação da oferta das diversas modalidades de ensino, pela qualificação dos recursos humanos, pela adequação da estrutura, pela incorporação de novas tecnologias educacionais, pela adoção de práticas pedagógicas inovadoras e reforçadas por uma gestão profissionalizada e sistêmica. 1.4 REFERENCIAIS ÉTICO-POLÍTICOS A identidade da UNIUBE, como uma instituição de ensino superior, com responsabilidade social e socialmente responsável, visa uma atuação solidária com reflexos na formação profissional, agregando valores e atitudes que norteiam a comunidade acadêmica no contexto da sociedade. 14

15 O Projeto Pedagógico Institucional da UNIUBE visa uma formação humanista do indivíduo o homem completo individual e coletivamente, potencializado de valores, capaz de responder às demandas sociais e de ser um agente de transformação na sociedade, sem prescindir da ética nas práticas humanas. Como o processo formal de educação não pode ficar restrito apenas às ações realizadas em sala de aula, a Universidade busca a relação com a sociedade e com o mundo do trabalho, a fim de prover o desenvolvimento integral do estudante, enquanto homem e sujeito social. Os princípios ético-políticos estabelecidos pela Universidade de Uberaba estão alicerçados nos seguintes princípios: cidadania como patrimônio universal; autonomia universitária; ética na atividade humana e responsabilidade institucional e social. O processo pedagógico visa mais que o ensino, tendo em vista o envolvimento do estudante com a realidade do mundo contemporâneo relacionando sua formação ao universo das aspirações e das necessidades da sociedade. A formação profissional envolve a formação para a cidadania que significa a formação do homem todo, autônomo e, ao mesmo tempo, incompleto, que pode ser compreendido em sua complexidade de forma relacional e dialogal consigo mesmo, com os outros e com a natureza. 1.5 REFERENCIAIS EPISTEMOLÓGICOS, EDUCACIONAIS E TÉCNICOS A UNIUBE, acompanhando as mudanças dos cenários político, sociocultural, econômico, científico e educacional, está atenta aos novos paradigmas e neles procura as referências para a construção do seu Projeto Pedagógico Institucional (PPI). Nesse sentido, a UNIUBE busca uma concepção contemporânea de ciência que se constrói sobre a procura da verdade, o contínuo questionamento das teorias, 15

16 métodos e processos de investigação. A ciência é concebida hoje como um processo altamente criativo e crítico e o conhecimento é visto como algo que está sendo continuamente revisto, reconstruído. Não há resultado pronto, acabado e verdades inquestionáveis. Epistemologicamente, a UNIUBE, ao adotar este paradigma científico, incorpora uma nova concepção de ciência que perpassa as ações de ensino, pesquisa e extensão. Essa concepção de ciência conduz os objetivos do ensino para a identificação de situações-problema com as quais o estudante deverá lidar, e utilizar os conhecimentos disponíveis e necessários para solucioná-las. Assim, como estabelecido em seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) fundem-se no ensino os processos científico e pedagógico uma nova pedagogia que ultrapassa as práticas tradicionalmente adotadas, fundamentadas no processo científico que visa facilitar e criar condições para que o estudante aprenda a produzir conhecimento científico. A construção do conhecimento acadêmico é, sobretudo, constitutiva do desenvolvimento do profissional e do cidadão ao mesmo tempo. Para tanto, adota-se uma abordagem interdisciplinar que consiste na comunicação, no diálogo sobre e entre saberes e práticas para gerar novos saberes e novas práticas de forma a provocar a diminuição das fronteiras disciplinares. A flexibilidade curricular e a interdisciplinaridade norteiam a nova atitude acadêmica de ensinar, tendo em vista a ruptura da tradição do ensino fragmentário. A busca pela flexibilidade curricular das propostas de ensino, em todos os níveis, possibilitará ao estudante que ele exerça sua autonomia na busca de sentido para a sua vida acadêmica e profissional. 1.6 POLÍTICAS INSTITUCIONAIS A UNIUBE tem como principais políticas institucionais, conforme seu PDI: oferta do ensino em diferentes modalidades de interesse da comunidade, dentro dos padrões de qualidade; 16

17 consolidação e desenvolvimento de linhas de pesquisa relevantes, que resultem em suporte à qualidade do ensino, bem como responda às necessidades da sociedade para o seu desenvolvimento sócio-econômicocultural e político; manutenção dos serviços de atenção à saúde preventivo e curativo por meio de seus laboratórios e clínicas integradas, e de atendimento jurídico entre outros atendimentos, no processo de desenvolvimento profissional da sua comunidade acadêmica; qualificação contínua do seu quadro de recursos humanos, para responder aos desafios das constantes mudanças da sociedade contemporânea; extensão universitária, através de uma programação comprometida com os anseios da comunidade, aberta à participação de todos, independentemente da formação ou escolaridade, alicerçadas nos princípios de cidadania, ética na atividade humana e responsabilidade social; ampliação de sua infraestrutura tecnológica, mediante parcerias estratégicas que viabilizem uma proposta de desenvolvimento sustentável para a região Ensino, pesquisa, extensão e responsabilidade social ENSINO O Ensino, na UNIUBE está comprometido com a divulgação do conhecimento técnico-científico e com a preservação e difusão de valores e bens culturais, propondo-se a promover uma crescente melhoria na qualidade da formação profissional. Fundamentado nos princípios da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e no Plano Nacional de Educação, propõe-se: implementar currículos flexíveis, que reflitam as necessidades da população e propiciem uma formação integral do profissional-cidadão; consolidar o processo de avaliação e acompanhamento do Ensino de Graduação, com a participação de todos os segmentos da comunidade interna e externa; 17

18 incentivar e viabilizar a formação docente no que se refere às práticas pedagógicas e às novas tecnologias e metodologias de ensino; adequar e diversificar os espaços de aprendizagem para os cursos de graduação; fortalecer a atuação do aluno nos papéis de representatividade junto aos órgãos colegiados, para o exercício da cidadania na vida acadêmica. PESQUISA A política de pesquisa da UNIUBE, fundamentada nos princípios da autonomia universitária e em consonância com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, se propõe a: consolidar gradualmente os grupos de pesquisa, buscando torná-los de excelência em nível nacional; manter na equipe um grupo de professores pesquisadores permanentes; concentrar as atividades de pesquisa em temas locais e regionais, preferencialmente. Para garantir a execução das políticas de pesquisa, faz-se necessário prover ações essenciais, como: a manutenção da instituição credenciada/cadastrada em órgão de fomento como CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, FAPEMIG Fundação de Amparo a Pesquisa de Minas Gerais, e CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior; a criação de fundos institucionais de apoio à pesquisa; a participação de pesquisadores em eventos científicos e tecnológicos; a criação de programas de pós-graduação stricto sensu; a existência de grupos de pesquisa cadastrados no CNPq; a implantação/manutenção de programa de Iniciação Científica; 18

19 a atualização constante do Plano de Atendimento ao Art. 52, da Lei 9394/96, que estabelece: As universidades são instituições pluridisciplinares de formação dos quadros profissionais de nível superior, de pesquisa, de extensão e de domínio e cultivo do saber humano, que se caracterizam por: I produção intelectual institucionalizada mediante o estudo sistemático dos temas e problemas mais relevantes, tanto do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e nacional; II um terço do corpo docente, pelo menos, com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado; III um terço do corpo docente em regime de tempo integral. a manutenção de um Comitê de Ética em Pesquisa registrado no CONEP- Conselho Nacional de Ética em Pesquisa do Ministério da Saúde; EXTENSÃO A política de Extensão da UNIUBE está alicerçada nos princípios de cidadania, autonomia universitária, ética na atividade humana, responsabilidade institucional e social, e desenvolvida em consonância com o Plano Nacional de Educação, com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, com o Projeto Pedagógico Institucional, orientando-se pelos objetivos definidos institucionalmente e pelos objetivos estabelecidos no Plano Nacional de Extensão, transcritos a seguir: reafirmar a Extensão Universitária como processo acadêmico definido e efetivado em função das exigências da realidade na formação do aluno, na qualificação do professor e no intercâmbio com a sociedade, o que implica relações multi, inter ou transdisciplinares e interprofissionais; priorizar as práticas voltadas ao atendimento de necessidades sociais relacionadas com a área de educação, saúde e habitação, produção de alimentos, geração de emprego e ampliação da renda; enfatizar a utilização da tecnologia disponível para ampliar a oferta de oportunidades e melhorar a qualidade da educação, aí incluindo a educação continuada a distância; estimular a inclusão da Educação Ambiental e do Desenvolvimento Sustentável como componentes da atividade extensionista; 19

20 valorizar os programas de extensão interinstitucionais sob a forma de consórcios, redes ou parcerias, e as atividades voltadas para o intercâmbio e para a solidariedade nacional e internacional; tornar permanente a avaliação institucional das atividades de extensão universitária como um dos parâmetros de avaliação da própria Universidade; possibilitar novos meios e processos de produção, inovação e transferência de conhecimentos, apoiando a produção acadêmica; viabilizar a prestação de serviços como produto de interesse acadêmico, científico, filosófico, tecnológico e artístico do Ensino, Pesquisa e Extensão. A UNIUBE oferece cursos de extensão que são abertos a candidatos, independentemente do nível de formação, desde que atendam aos requisitos estabelecidos, em cada caso. Buscam, principalmente, oferecer à comunidade o acesso ao conhecimento. RESPONSABILIDADE SOCIAL A partir da flexibilização e de práticas didáticas inovadoras, pautadas na responsabilidade social, a UNIUBE tem assumido uma postura muito diferente da concepção tradicional, meramente assistencialista, que recaia na prática de ações esporádicas. A extensão universitária e responsabilidade social buscam um novo conceito de sala de aula, que deixa de ser o lugar privilegiado para o ato de aprender, para adquirir uma estrutura ágil e dinâmica, ocorrendo em qualquer espaço e momento, dentro e fora dos muros da Universidade. As ações de Extensão e de Responsabilidade Social buscam estabelecer a identidade institucional, firmada na missão de Promover o ensino e a geração do conhecimento, formando o profissional compromissado com uma sociedade justa. As ações de Extensão e Responsabilidade Social são realizadas por meio de programas, projetos, eventos, cursos de atualização e capacitação, cooperação interinstitucional, divulgação e publicação da produção acadêmica, prestação de serviços, e do apoio à comunidade universitária e à população em geral. 20

21 A UNIUBE concebe Responsabilidade Social como as atividades desenvolvidas pela Universidade sem um vínculo direto com os programas de ensino e de pesquisa. Abre-se, assim, um espaço para a realização de ações junto à comunidade interna e externa. Essas atividades potencializam: apoio ao estudante em sua trajetória no ensino superior, com relação a aspectos culturais, de ensino, pesquisa, extensão, profissão e de cidadania; ações que promovam a qualidade de vida dos funcionários da UNIUBE, para atendimento do desenvolvimento pessoal e profissional; ações culturais, desportivas e de manifestações artísticas; ações integradas com os setores públicos e privados em suas várias instâncias e com as entidades da sociedade civil, abrangendo programas, projetos, eventos, cooperação interinstitucional e a prestação de serviços. A realização das atividades relativas à extensão e responsabilidade social exige: o estabelecimento de relações operacionais pautadas em duas premissas: o cumprimento do estabelecido nas peças regimentais da Universidade e a agilidade dos procedimentos; a disponibilização, no orçamento da Universidade, de recursos físicos, materiais e humanos, destinados ao seu desenvolvimento; a existência de um espaço específico na estrutura organizacional, para abrigar a gestão dessas políticas; a instalação de uma cultura permanente de avaliação, buscando estabelecer retroalimentação além da prospecção de novos cenários Cursos da Educação Superior na UNIUBE A UNIUBE oferece os seguintes cursos: de graduação acadêmica, de graduação tecnológica, de pós-graduação lato sensu e stricto sensu, segundo as necessidades e anseios da sociedade, adotando um modelo includente que implica não atuar, apenas, para um único segmento social. 21

22 Graduação Acadêmica Os cursos de graduação são cursos tradicionais e conferem diploma com o grau de Bacharel, Licenciado, Tecnólogo ou título específico referente à profissão. O grau de Bacharel ou o título específico referente à profissão habilitam o portador a exercer uma profissão de nível superior; o de Licenciado habilita o portador para o magistério no ensino fundamental e médio. É possível obter o diploma de bacharel e de licenciado cumprindo os currículos específicos de cada uma dessas modalidades. Além das disciplinas de conteúdo da área de formação, a Licenciatura requer também disciplinas pedagógicas e horas de prática de ensino, conforme a legislação vigente. Graduação Tecnológica Trata-se de curso de graduação com características especiais, aberto a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e que é estruturado para atender aos diversos setores da economia, abrangendo áreas especializadas. Confere diploma de Tecnólogo. Foi criado pela Lei nº 5.692/71 (artigo 23, 2º), ratificado pelas Leis nº 9.131/95 e 9.394/96 e pelo Decreto nº 2.406, de 27/11/97, e foi regulamentado pela Portaria Ministerial MEC nº 1.647, de 25/11/99. A publicação do Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia em dezembro de 2006, em cumprimento ao Decreto 5773/06, aprimora e fortalece esses cursos estabelecendo os eixos da formação tecnológica, constituindo-se como um guia de referência para estudantes, educadores, instituições ofertantes, sistemas e redes de ensino, entidades representativas de classes, empregadores e público em geral. Pós-Graduação Os programas de pós-graduação da UNIUBE compreendem a pós-graduação lato sensu (cursos de especialização, MBA ou equivalentes) e programas de pósgraduação stricto sensu. A pesquisa constitui, juntamente com a pós-graduação, instrumentos para o desenvolvimento científico e tecnológico. Por ser estratégica ao desenvolvimento regional e nacional, a gestão da pesquisa exige, além de competência e habilidades, conhecimento da política nacional e dos diferentes órgãos de fomento. (PDI) 22

23 A UNIUBE insere na sua missão a promoção da geração do conhecimento para proporcionar a melhoria da qualidade de vida das pessoas. 1.7 MODALIDADES DE ENSINO O ensino, na UNIUBE, pode ser ministrado nas seguintes modalidades: presencial e a distância Presencial Esta modalidade exige a presença do aluno em 75% das aulas e em todas as avaliações, conforme estabelecido no Regimento Geral. A partir de 2003, a Universidade de Uberaba passou a oferecer, nos currículos dos cursos de graduação, componentes curriculares não-presenciais e semipresenciais, sob a orientação do Programa de Educação a Distância, que se consolidou a partir de 2005 pela Portaria MEC nº 1.871, de 02/06/05 que credencia a Universidade de Uberaba vagas para a oferta de cursos superiores a distância, por meio da oferta dos cursos de graduação na modalidade a distância A Distância Modalidade de organização do processo educativo que amplia a dimensão do tempo-espaço escolar, em que aluno e professor se encontram em espaços físicos diferentes e a interlocução se faz mediada por atores e recursos didáticos, sistematicamente organizados, nos quais se ressalta o paradigma da interação como suporte do processo ensino-aprendizagem. 23

24 2 A CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO E CURRÍCULO NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM As transformações ocorridas na concepção de homem e mundo e as consequentes mudanças de paradigmas no seio da comunidade científica provocaram o surgimento de novas exigências orientadas à busca de alternativas de enfrentamento das questões postas, capazes de contemplar as necessidades individuais e coletivas, norteadas por uma nova ética e estética de vida e de relação. Os princípios de diversidade, pluralidade e os conceitos de interdisciplinaridade passam a fazer parte do cenário científico desafiando a contínua constituição de novos olhares e novas leituras dos fenômenos humanos. Esse universo solicita a modificação das relações do homem com seu mundo, e com os distintos processos de trabalho que possibilitem, aos diferentes profissionais, atuarem como sujeitos de sua própria ação e campo de conhecimento de forma engendrada com a cultura, com as questões sociais e com seus atores. A elaboração do presente projeto sustenta-se, pois, em uma concepção humanista de Educação e em uma perspectiva multiculturalista crítica, visando à formação de profissionais comprometidos com o pleno desenvolvimento humano e com capacidade crítica para compreender de forma contextualizada os elementos que caracterizam a realidade hoje. Busca-se oportunizar ao estudante uma aprendizagem mais significativa em que ele seja corresponsável pela construção do seu próprio conhecimento, bem como o compartilhamento de suas experiências. A proposta pedagógica adotada volta sua atenção para os papéis dos alunos em atividades colaborativas, favorecendo a interação aluno-professor e aluno-aluno, viabilizando a construção do conhecimento individual e coletivo. A abordagem andragógica 1 exige a criação de ambientes 1 A Andragogia significa (...) ensino para adultos. Um caminho educacional que busca compreender o adulto desde todos os componentes humanos, e decidir como um ente psicológico, biológico e social. Goecks,

25 seguros para participação do aluno e o apoio ao desenvolvimento de identidades. A postura facilitadora de diálogos possibilita a autenticidade no estabelecimento de relações interpessoais e consolidação de valores, crenças e competências que vão sendo desenvolvidos durante o curso, o que facilita as aprendizagens autênticas. Na educação de alunos jovens e adultos, é preciso levar em conta que eles são motivados a aprender na medida em que experimentam a satisfação de suas necessidades e interesses o que influi na organização das atividades de ensino e aprendizagem pelo professor. Essa orientação da aprendizagem deve estar centrada na vida. Desta forma, os componentes curriculares precisam estabelecer os programas de aprendizagem a partir de situações de vida, pois a experiência é a fonte mais rica para o adulto aprender. Nessa perspectiva, a interdisciplinaridade está presente na proposta pedagógica. Adotar uma perspectiva interdisciplinar não significa diluir as teorias, os métodos e as técnicas dos diferentes campos do saber em um todo amorfo e eclético; mas, sim, valer-se dos saberes específicos das diversas áreas do conhecimento na organização dos componentes curriculares e na integração entre os componentes de uma etapa e entre as etapas no curso. No Brasil, durante as últimas décadas do século XX, as manifestações das tendências pedagógicas e dos seus pressupostos de aprendizagem na prática escolar oscilaram entre as tendências liberais e as progressistas, que fundamentaram as políticas públicas para a educação ora com ênfase na neutralidade conforme José Carlos Libâneo sem assumir o compromisso com as necessárias transformações sociais; ora concebendo que a educação escolar consiste na preparação do aluno para o mundo e suas contradições e, por isso, deve ter o propósito de fornecer-lhe um instrumental, por meio da aquisição de conteúdos e da socialização, estimulando-o à participação ativa e cidadã para a atual reconstrução da ordem social democrática do país. 25

26 Essa é a concepção de educação que fundamenta a presente proposta pedagógica para os cursos de graduação da UNIUBE. A atual LDBN permite o exercício desta prática educativa em todos os níveis de ensino, no momento em que estimula a autonomia institucional para a composição curricular. No ensino superior, esta autonomia se reforça no estabelecimento das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação, com o objetivo de servir de referência para a organização de programas de formação com a ênfase na flexibilidade, consoante à heterogeneidade da formação prévia e das expectativas e dos interesses dos alunos, uma vez que a graduação deve constituir-se em uma etapa da formação pessoal e profissional, que se prolonga tanto no exercício da profissão quanto nos cursos de aperfeiçoamento profissional e de pós-graduação lato e strito sensu. O conhecimento é aqui concebido como uma construção dinâmica, contínua e progressiva da prática social, como um meio de promover o desenvolvimento humano em todas as suas dimensões, e como recurso a ser mobilizado para desenvolver saberes que permitam interferir na realidade física e social, identificando os desafios e problemas colocados pela vida em sociedade, buscando soluções que possam garantir a inclusão da diversidade humana e o comprometimento com valores humanos e éticos que promovam o ser. 26

27 3 METODOLOGIA DO ENSINO Da perspectiva em educação proposta, decorre a compreensão do processo ensinoaprendizagem: ele se constitui pela relação entre sujeitos concretos, alunoprofessor, que compartilham práticas sociais de sua cultura, contribuem com suas subjetividades e compartilham os sentidos que dão ao mundo, promovendo a reflexão e a crítica da realidade. O curso busca aliar à formação do profissional, a construção de saberes científicos e humanísticos, por meio de uma proposta pedagógica alicerçada na flexibilidade, interdisciplinaridade, contextualização e atualização permanente. Assim, garante ao aluno o desenvolvimento processual de suas aptidões e potencialidades, visando à formação de um profissional comprometido com a realidade produtiva e social, capaz de, no exercício da profissão, integrar educação e mundo do trabalho a serviço de uma sociedade sustentável e cidadã. A metodologia adotada tem como sustentação uma concepção humanista de Educação e considera que o indivíduo constrói seu próprio conhecimento principalmente por meio de suas estruturas mentais. O aluno compõe o seu conhecimento na medida em que lê, vê, ouve e experimenta e é testado em relação ao conhecimento anterior que, se for viável, forma um novo conhecimento. Nessa proposta metodológica, o aluno é ativo e adquire autonomia na construção de seu conhecimento por meio da interação com o meio e com os demais sujeitos. O papel do professor, enquanto agente condutor e mediador do processo de aprendizagem é o de desafiar, motivar o aluno para a exploração, a reflexão e a construção de novos conhecimentos. A sala de aula passa a ser um espaço que favorece uma atividade exploratória e comprometida. A criatividade e a sensibilidade do professor, o compromisso com a proposta do curso, as atitudes, a vontade e a coragem de mudar metodologias e propor novas 27

28 experiências didáticas é que garantirão o sucesso da execução do projeto pedagógico. Desenvolvido em uma modalidade de ensino que conjuga componentes presenciais e componentes semipresenciais, o curso possui uma carga horária total de 3613 horas/aula, distribuídas em oito semestres letivos. Por se tratar de pessoas jovens e ou adultas, a metodologia mais adequada é aquela que utiliza as experiências do aluno e o papel do professor é engajar-se no processo de investigação junto com eles e não apenas transmitir conhecimentos e depois avaliar. A educação voltada para adultos deve considerar as diferenças de ritmo de aprendizagem e o estilo que o aluno já construiu pela experiência de vida. 3.1 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TICS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM O curso de Administração acompanha o aluno, em seu desenvolvimento pessoal e processo formativo, por meio da utilização de recursos das tecnologias de informação e comunicação que facilitam a mediação e promovem a interatividade entre alunos, docentes e gestão do curso. O curso utiliza-se dos mecanismos de interação e conta com o suporte tecnológico disponível descrito a seguir: o AVA UNIUBE ON-LINE é uma ferramenta desenvolvida por uma equipe multidisciplinar atendendo aos cursos de graduação, de extensão e de pós-graduação da UNIUBE, seja na modalidade presencial, seja na EAD. Empregando diversas e atuais tecnologias, o objetivo do AVA é o de desenvolver o conhecimento de forma coletiva e colaborativa. Além dos objetivos pedagógicos, favorece o monitoramento acadêmico e outras ferramentas que possibilitam seu uso para vários perfis. Seu conceito tecnológico está amparado num modelo de três camadas: a) Gestão Acadêmica área onde os alunos têm acesso a informações gerais sobre sua vida acadêmica, tais como: currículos, frequência, pontuação, horários (de aulas, de exames suplementares e de atendimento do gestor), acompanhamento 28

29 virtual do Programa Institucional de Atividades Complementares (PIAC), acompanhamento virtual do PIME (Programa Institucional de Monitoria de Ensino), Aplicativos liberados por convênio de acordo com o curso (Microsoft, Autodesk, dentre outros), acerto digital, agendas, calendários, acompanhamento virtual de Projetos de Iniciação Científica, módulo de gabarito e de solicitação de revisão de nota para exame suplementar, ferramentas para interatividade, dentre outras. O gestor e os professores possuem ferramentas para acompanhamento e auxílio ao aluno. No caso do professor, todo o processo de planejamento e consolidação do seu componente é facilitado pelo ambiente, que também propicia o lançamento da frequência e pontuação de forma virtual. b) Gestão Administrativa e Financeira é a secretaria virtual que possibilita ao aluno gerenciar seus dados junto à instituição. A área contempla ferramentas tais como: alteração de endereços, alteração de dados de contato (celular, facebook, twitter, dentre outras redes sociais que estão em fase de implementação), documentos pendentes, documentos autenticados (declarações, certidões, histórico, dentre outros), acompanhamento de eventos diversos, ficha financeira, acompanhamento e emissão de mensalidades, acompanhamento de boletim, gestão da pré-matrícula, abertura e acompanhamento de protocolos, gestão de temas, gestão de segurança, tutoriais, sugestões, dentre outras. c) Sala de Aula Virtual é o ambiente de aprendizagem onde se destacam as ferramentas plano de ensino, agendas, diário de bordo, disco virtual, fórum, faq e, em breve, o professor também poderá disponibilizar orientações de estudos, avaliações on-line, vídeos, imagens e sons que possam enriquecer a construção do aprendizado do aluno. Além disso, existe um ambiente especial da Sala de Aula que propicia aos alunos que cursam TCC, bem como para os professores supervisores e professores orientadores, uma gestão de acompanhamento de ações e de resultados. O AVA UNIUBE ON-LINE é um ambiente dotado de ferramentas que possibilitam a organização, o desenvolvimento e dão suporte ao processo de aprendizagem. É simples, interativo, participativo e que o possibilita a distância transacional, mesmo no presencial, contribuindo para que haja maior integração entre alunos e professores. Seu projeto teve como base os conceitos da web 2.0 e os atributos das Redes Sociais Acadêmicas. 29

30 Está sendo implementado um processo de publicação de recados e orientações para alunos integrado com o Facebook, com as plataformas de e com o uso de SMS para alguns casos (lembretes da biblioteca, aniversários, falta do docente, aviso de prova, aviso de eventos, aviso de publicação em disco virtual, videoaulas, dentre outras já em fase de produção). Acesso dos alunos a equipamentos de informática O Laboratório de Informática Aplicado à Educação LIAE, funciona na sala climatizada LB 001, com microcomputadores instalados. É disponibilizado para todos os alunos e professores da Unidade de Gestão e Direito. Essa estrutura possibilita o desenvolvimento de uma proposta pedagógica centrada no domínio da técnica com vistas à produção do conhecimento, denominado ensino pelo computador. O ensino pelo computador implica que o aluno, através da máquina, possa adquirir conceitos sobre praticamente qualquer domínio e, ainda, transformar tais conceitos em conhecimento. Desta forma o computador deverá atuar como uma ferramenta que permita ao aprendiz resolver problemas, desenvolver o espírito científico através de pesquisas e realizar tarefas do dia-a-dia. A proposta pedagógica sugerida é a que permite ao aluno: obter conhecimento técnico suficiente e decidir qual ferramenta utilizar nas diversas situações e em qual ferramenta pretendem se aprofundar; aprender de forma contextualizada para a aplicação de conhecimentos adquiridos no curso; desenvolver projetos utilizando a informática como recurso para pesquisa e troca de experiências; testar hipóteses através de simulações. 3.2 MECANISMOS DE INTERAÇÃO ENTRE DOCENTES E ESTUDANTES O curso de Administração, assim como os demais cursos presenciais da UNIUBE utiliza as seguintes ferramentas como mecanismo de interação entre docentes e estudantes: 30

31 - Agenda: foi elaborada para auxiliar o aluno com as atividades agendadas pelo professor, permitindo organizar as atividades que o aluno deverá realizar. As orientações são fornecidas com o intuito de nortear o aluno no desenvolvimento de seus estudos, bem como indicar as ferramentas para o acompanhamento destas atividades. A ferramenta possibilita a visualização, de forma resumida, dos compromissos semanais do aluno, além de permitir que o aluno marque os apontamentos que já foram realizados, facilitando também o acompanhamento pelo professor. - Central de mensagens: o aluno, no decorrer de seus estudos, pode sentir a necessidade de contatar eletronicamente seus professores ou seus colegas ou ainda o gestor de seu curso, para dirimir dúvida, compartilhar conhecimento ou até mesmo trocar informações a respeito do componente ou do curso. Desta forma, a central de mensagens transcende as barreiras do espaço geográfico e proporciona o contato, de forma assíncrona, entre a equipe pedagógica e o aluno. - Fórum: trata-se de uma ferramenta que proporciona o debate assíncrono, onde as informações ficam dispostas de forma linear, temporal e com uma linha de raciocínio sobre determinados assuntos entre os alunos, que são mediados pelo professor. Esta mediação deve conduzir o aluno à reflexão. O professor deve participar do fórum, sempre numa perspectiva que incentive e proporcione novas discussões e descobertas, e transforme o fórum num processo colaborativo de ensino e de aprendizagem. A intervenção do professor deve acontecer de forma condutiva, motivadora ou esclarecedora, e sempre incentivando a participação de todos os alunos. - Disco Virtual: todo bom estudo é resultado também de um bom material pedagógico; o Disco Virtual é um espaço de armazenamento de mídias, podendo conter: textos digitalizados, vídeos ou endereços eletrônicos. Essas mídias estão organizadas em componentes curriculares que apresentam referenciais obrigatórios e/ou complementares. - Diário de Bordo: permite que o aluno insira seus textos de reflexão ou síntese de aprendizagem, com a orientação e o acompanhamento do professor. O instrumento apresenta-se de forma individual e não deve ser publicado para o grupo de colegas sem a liberação do professor. Após a correção e os ajustes necessários, o aluno 31

32 disponibiliza sua publicação para a socialização entre seus colegas, que também têm a possibilidade de comentá-las. - Perfil: é uma ferramenta de apresentação dos atores do Ambiente Virtual. Possibilita o cadastramento de informações pessoais e a troca de mensagens. 3.3 MATERIAL DIDÁTICO INSTITUCIONAL O material didático institucional da Universidade de Uberaba, utilizado nos componentes semipresenciais dos cursos presenciais, é um recurso usado na mediação do processo de ensino-aprendizagem, que observa um modelo de conversação didática compatível com a concepção de educação adotada em um determinado curso. Ele passa por um tratamento didático-pedagógico, processo que visa tornar esse recurso, destinado à comunicação de uma mensagem, apropriado também à facilitação da aprendizagem. O tratamento didático-pedagógico inclui cuidados especiais quanto à linguagem utilizada, à organização, sequenciação e dosagem do conteúdo. Esse material constitui-se de Roteiros de Estudo, material didático institucional, auto instrucional, cujo conteúdo, pedagogicamente tratado, se compõe de: identificação dos objetivos e das habilidades a serem desenvolvidas a partir do estudo realizado; texto introdutório ao assunto do Roteiro; indicações de leituras obrigatórias e de complementares (vídeos, CD-ROMs, sites e outros), acompanhadas de breve comentário; atividades de compreensão, fixação e avaliação acompanhadas de referencial de respostas relacionadas às habilidades e objetivos determinados; indicação de fontes para pesquisa sobre o assunto abordado de forma a permitir que o aluno adquira mais informações e amplie os seus conhecimentos. O Roteiro de Estudo, caracteriza-se por ser uma unidade didático-pedagógica equivalente a 15(quinze) horas de estudo, cuja produção segue as seguintes exigências estabelecidas por Contrato de Cessão de Direitos Autorais: será produzido em quatro versões, sendo a primeira a versão original a ser analisada pela coordenação do curso e pela equipe de produção de materiais; a segunda versão do roteiro é feita levando em consideração as observações da coordenação do curso e da equipe de produção de materiais. Essa versão será submetida a 32

33 parecer técnico de outros especialistas da área, uma apreciação crítica do material, que é apresentado por escrito ao autor. A partir daí o autor elaborará a terceira versão do roteiro, que incluirá as sugestões dos pareceristas ou a justificativa da sua não-aceitação. Essa versão será submetida à revisão textual e tratamento didático-pedagógico. A quarta é a versão final, aprovada pelo autor após o tratamento didático-pedagógico. No caso desse material impresso, os cuidados contemplam, ainda, a relação entre texto e ilustrações, o layout da página, o tipo de letra, o formato, entre outros. Esse processo implica, também, a inclusão de elementos textuais para a adequação de enunciados, de objetivos, de exemplos e contraexemplos, de exercícios para compreensão, fixação e avaliação da aprendizagem. 33

34 4 O CURSO 4.1 IDENTIFICAÇÃO Nome do curso: Graduação em Administração Vagas ofertadas: 50 alunos por turma/semestre Regime escolar: semestral Duração: Duração mínima de 8 semestres Carga horária total: horas/aula A quem se destina (público-alvo): Concluintes do Ensino Médio com afinidade e/ou interesse no conteúdo do curso; Graduado de outras áreas e/ou técnicos, motivados na geração de conhecimentos específicos que contribuam na área da Gestão; Profissionais que atuam na área da Gestão e que não tenham formação específica. Situação legal: Reconhecido Portaria MEC 487/2011 DOU 22/12/2011. Campus: Uberlândia Endereço: Av. Marcos de Freitas Costa, 1041 Bairro Daniel Fonseca Uberlândia MG / CEP: Telefone/fax: (34) / BREVE HISTÓRICO E TRAJETÓRIA Criado em 1989 na cidade de Uberaba, no atual campus Aeroporto, reconhecido pela Portaria MEC 1.758, de 09/12/1993, publicado no DOU 13/12/1993 e atualmente em processo de renovação de reconhecimento, o curso de Administração na Universidade de Uberaba UNIUBE- completa 26 anos de existência em Neste período sofreu reformulações pedagógicas em função de alterações na legislação nacional, e também em função de alterações no âmbito da UNIUBE. 34

35 Sob a orientação dessas diretrizes do MEC o projeto do curso passou a ofertar uma organização pedagógica de formação generalista, sem habilitações ou ênfases; Em 1993 o Conselho Federal de Educação expediu a Resolução nº 2, de 04/10/93, instituindo o currículo pleno dos cursos de graduação em Administração. De acordo com a resolução, as instituições poderiam criar habilitações específicas, mediante intensificação de estudos das matérias fixadas por essa Resolução, além de outras que poderiam ser indicadas pelas IES para compor o currículo pleno. Em meados da década de 90, implementou, na organização curricular, duas ênfases: em Gestão Estratégica e Gestão em Agronegócio, em que o aluno, a partir do 5º período faria sua opção. Esta organização curricular vigorou até A partir de 2001, a organização curricular retoma a formação generalista assim permanecendo até os dias atuais. É de se ressaltar que ocorreram alterações na organização curricular, carga horária e período de oferta (matutino e noturno) do curso no período , porém mantendo-se a formação generalista. No período que compreende do 1º semestre de 2003 até o 1º semestre de 2004 a UNIUBE, como outras IES pelo Brasil, fez parceria pedagógica com o Ibmec-TE, (Ibmec-Tecnologia Educacional) do Rio de Janeiro para os cursos de Administração e Ciências Contábeis. Em 21 de Julho de 2003, na cidade de Uberlândia, foi autorizada pelo Conselho Universitário, realizado no dia 18 de março de 2003, por meio da Resolução 01/03, a criação do Curso de Administração em Uberlândia. Nessa época foram abertos o 1º e 2º períodos do curso, nos moldes do convênio firmado entre a UNIUBE e o Ibmec- TE. A organização curricular era formatada pelo Ibmec-TE, tendo as IES pouca mobilidade para alterações e ou inclusões de disciplinas e atividades. No final do 1º Semestre de 2004, de forma unilateral, o Ibmec-TE, rescindiu a parceria. No 2º semestre de 2004 nova organização curricular foi implementada, seguindo as novas Diretrizes Curriculares Nacionais DCN (Resolução CNE/CES nº 1 de 2 de fevereiro de 2004), revogada em 2005 pela Resolução CNE/CES nº 4 de 13 de julho de 2005, que dá uma nova redação aos incisos VII a XII da Diretriz Curricular 35

36 anterior. Até a data atual o core desta organização é seguido, passando por alterações em sua operacionalização (oferta, carga horária, atividades complementares, etc). Assim, no 1º semestre de 2008, a organização curricular do curso sofreu alterações por força de legislação: Resolução nº 3, de 2007 que dispõe sobre procedimentos a serem adotados quanto ao conceito de hora-aula, estabelecendo, em horas relógio a carga horária total dos cursos de graduação. E, em 2009, por determinação institucional, as organizações curriculares se adaptaram ao módulo-aula de 60 minutos o que acarretou alterações na carga horária dos conteúdos a partir do 1º semestre de Também nesse semestre o curso passa a ofertar disciplinas semipresenciais, com base na Portaria nº 4058 de dezembro de Ao final de 2011, foram encaminhadas pelo NDE e aprovadas pelo Colegiado do Curso, propostas de alterações curriculares motivadas pela opção institucional de organizar a oferta de todos os seus cursos em módulos de horas-aulas e não mais em módulos de horas-relógio. Assim, a partir de 2012, o curso passou a ser ofertado com um total de 3613 horas/aula. (anexo A). Atualmente o curso contempla em seu currículo conteúdos presenciais e semipresenciais, componentes curriculares teóricos e práticos, e atividades que complementam a formação do perfil do egresso, aproximando os alunos das vivências práticas da profissão. O curso tem se consolidado em Uberlândia e região, como uma das referências no ensino de Administração. 4.3 JUSTIFICATIVA A dinâmica da economia brasileira após a implementação do Plano Real em 1994 mudou radicalmente, se comparada à estagnação dos anos 80. Esta alteração no ritmo e velocidade se deve, primordialmente, à estabilidade inflacionária e, mais recentemente, à relativa estabilidade econômica (inflação, política fiscal, política monetária, câmbio e nível de emprego). 36

37 A atribuição do grau de investimento ao país pelas agências de risco, como a Moody s, demonstra como a percepção da economia nacional pelos agentes econômicos externos mudou, e para melhor. Este ambiente macroeconômico é uma espécie de pano de fundo para os agentes da microeconomia, que são as empresas e seus clientes (consumidores).sem estabilidade macroeconômica é muito difícil para as organizações planejarem orçamentos, preços de venda, fluxos de caixa, investimentos e planos estratégicos, variáveis que no médio e longo prazo sustentam, em um ciclo virtuoso, o crescimento do emprego e renda. Operacionalizar de forma eficiente as ferramentas, técnicas e conceitos da gestão empresarial demandam, além das inovações em tecnologias da informação e da produção, pessoas capacitadas a tomar decisões otimizadoras de resultados que deverão atuar em meio às incertezas do mercado, que deverão gerir motivar e liderar equipes e que, acima de tudo, vislumbrem oportunidades e saibam minimizar as ameaças à competitividade das organizações. As instituições de ensino superior, e de um modo específico o curso de graduação em Administração, é uma das principais fontes de formação dos futuros gestores, aqui conceituados como sendo a pessoa a quem a administração de uma empresa delega autoridade para tomar decisões otimizadoras de resultados. Decidir é a principal função do gestor. (Peleias, 2002) Em várias reportagens da Revista Brasileira de Administração RBA é reforçada a necessidade de aprimorar a habilidade de tomar decisões, nos Administradores brasileiros. No atual ambiente de negócios onde as estratégias de fusões e aquisições criam conglomerados nacionais fortes o suficiente para competirem na Europa e nos Estados Unidos, em que países como China que se tornou recentemente um dos principais destinos das exportações brasileiras planejam investir fortemente no Brasil (principalmente no mercado de commodities e de infraestrutura). Fundos de pensão internacionais, aqui aportam para investimentos diretos e no mercado financeiro. A ascensão econômica da classe C cria um sustentável mercado de consumo, assim propiciar a formação de futuros Administradores (as) é vital na 37

38 manutenção do ciclo de crescimento sustentável, que obrigatoriamente passa pela melhoria gerencial das micro e pequenas empresas, fonte de grande parte do emprego e renda. Assim, o curso de Administração é um dos mais demandados pelo mercado de trabalho em função de sua ampla área de atuação que abrange uma infinidade de segmentos. A empresa de recrutamento e seleção Michael Page elaborou uma pesquisa de mercado para descobrir quais serão os cargos mais demandados pelas companhias em 2015, apontando 10 profissões mais promissoras para 2015, dentre estas 09 podem ser ocupadas por administradores: Gerente de Logística, Gerente de Planejamento e Demanda, Diretor Comercial, Gerente de Processos, Gerente de Controladoria, Gerente de Tesouraria, Gerente de Desenvolvimento Organizacional, Diretor de Compliance e Gerente Comercial. Esta pesquisa vem ratificar que o mercado de trabalho para o curso de Administração está em plena expansão. Em Uberlândia, de acordo com a Rais de 2013, último ano disponível, dentre as empresas da cidade, no setor do comércio estão e no setor de serviços , o que demanda administradores para a gestão destas organizações bem como de funcionários que estão ainda realizando o curso de Administração para realizarem funções administrativas. Ainda de acordo com a Rais de 2013, dentre os empregos ativos de Uberlândia, no setor do comércio estão e no setor de serviços estão , ou seja, 68% dos empregos estão em setores afins da administração. A título de informação de mercado, em Uberlândia, concluem o 3º ano do ensino médio, historicamente, segundo a Superintendente Regional de Educação, cerca de alunos. Nesse contexto, a Universidade de Uberaba se destaca por preocupar em formar profissionais com visão globalizante, com capacidade de raciocínio lógico e analítico, com habilidades empreendedoras e apto a tomar decisões estratégicas, que contribuirão, independente da região em que atue, para a melhoria das condições sociais e econômicas. Os indicadores desta pesquisa resultam no reconhecimento da UNIUBE como instituição comprometida com um ensino de qualidade. Esta pesquisa juntamente 38

39 com a realizada semestralmente pela CPA demonstra o reconhecimento da qualidade acadêmica do curso de Administração e a satisfação do egresso e discentes do curso. 4.4 OBJETIVOS Objetivo Geral do Curso Habilitar profissionais com sólido embasamento em Administração, capazes de atuar e influir, de forma eficiente e eficaz, no enfrentamento ético e consciente dos níveis de competitividade presentes nas organizações. E ainda, incentivar a construção de (I) forte base lógica para tomada de decisões, do (II) desenvolvimento do comportamento ético-humanístico, (III) da capacidade de comunicação, (IV) da interação teórico-prática em administração financeira-econômico-estratégica e do (V) desenvolvimento da atitude empreendedora considerando a proteção ao meio ambiente e valorização da diversidade cultural. Objetivos Específicos do Curso Formar Administradores que sejam capazes de: pensar estratégica e sistematicamente, de forma a compreender a complexidade das organizações; trabalhar com as pessoas para se atingir resultados otimizadores; construir uma consistente base teórico-prática e econômico-financeira que o capacite a tomar decisões nas organizações; estimular o exercício de atitudes empreendedoras; estimular a criação, manutenção e crescimento de novos negócios; formar consciência da qualidade e implicações éticas do trabalho; incentivar o conhecimento histórico do padrão instituído pelo modo de produção que norteia a vida em coletividade; incentivar a percepção da pluralidade da qual se constitui a sociedade consumidora; promover os conceitos de inovação e sustentabilidade na análise de situações cotidianas do mercado. 39

40 4.5 PERFIL DO EGRESSO Perfil Final (ao final do 8º período) O egresso é um Administrador profissional, com perfil empreendedor com visão humanística, com iniciativa, criatividade e capacidade de gerenciamento, de forma a conduzir a organização a decisões estratégicas. Possuirá competências para: utilizar adequadamente ferramentas gerenciais; tomar decisões e avaliar o impacto das mesmas no contexto em que estão inseridas; implementar mudanças no âmbito das organizações; trabalhar em equipe e motivá-la; conhecer os impactos da realidade externa nas organizações e disponibilizar seus conhecimentos à sociedade. Perfil Intermediário (ao final do 4º período) O graduando de Administração, nesta fase do curso, trabalha com informações gerenciais e propõe alternativas de cursos de ações diante de uma situação dada, comunicando-as adequadamente. Nessa fase, deverá possuir competências para: buscar informações; organizar informações; analisar dados gerenciais básicos; aprimorar o raciocínio lógico-dedutivo e desenvolver a comunicação e expressão compatíveis com o exercício profissional; desenvolver senso crítico na tomada de decisões. 4.6 O PROJETO DO CURSO E SUA IDENTIDADE COM AS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O Projeto do Curso atende as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) e a esta procura 40

41 se adequar sempre que mudanças são realizadas, tendo constante feedback com a Pró- Reitoria de Graduação de Ensino Superior e áreas correlatas ao assunto. Desta forma, contempla na sua organização curricular os seguintes campos de formação: conteúdos de formação básica relacionados com estudos antropológicos, sociológicos, filosóficos, psicológicos, ético-profissionais, políticos, comportamentais, econômicos e contábeis, bem como os relacionados com a tecnologia da comunicação e da informação e das ciências jurídicas (Art.5º.); conteúdos de Formação Profissional que estão relacionados às áreas específicas, envolvendo teorias da administração e das organizações e a administração de recursos humanos, mercado e marketing, materiais, produção e logística, financeira e orçamentária, sistemas de informações, planejamento estratégico e serviços (Art.5º.); conteúdos de Estudos Quantitativos e suas Tecnologias que abrange pesquisa operacional, teoria dos jogos, modelos matemáticos e estatísticos e aplicação de tecnologias que contribuam para a definição e utilização de estratégias e procedimentos inerentes à administração (Art.5º.); conteúdos de Formação Complementar que são estudos opcionais de caráter transversal e interdisciplinar para o enriquecimento do perfil do formando. O curso de Administração optou por incluir no seu currículo o Estágio Curricular que é realizado nas etapas 4, 7 e 8 do curso, conforme 3º do Art. 7º das Diretrizes Curriculares. 41

42 5 PROPOSTA PEDAGÓGICA A proposta pedagógica do curso de Administração da UNIUBE tem em vista a formação de profissionais capacitados para atuar com base em fundamentos científicos e técnicos, comprometidos com as questões sociais e econômicas que se insiram no cenário atual, com competência e criatividade. O Administrador pode ser caracterizado como um profissional empreendedor com capacidade de gerir negócios. O empreendedor não pode ser visto simplesmente como aquele que possui iniciativa e o insight da ideia, mas como aquele que inova, cria e possui a capacidade de implantar, gerenciar e fazer crescer o empreendimento ao longo do tempo, característica extremamente necessária à sobrevivência das micro, pequenas e médias empresas, que respondem por grande parte do emprego, renda e produção nacional. O Brasil, desde junho de 1994, vive uma nova dinâmica econômico-social, sem paralelo em sua história. São características desta fase da história brasileira um maior intercâmbio do país com o exterior, estabilidade do nível geral de preços por um longo período, aumento da competitividade e a inserção do país nos blocos econômicos, características essas que exigem organizações mais dinâmicas e flexíveis e a formação de um profissional mais cosmopolita. Os consumidores tornaram-se mais cientes de seus direitos, as organizações passaram a ter maior responsabilidade social e acelerou-se o emprego e uso das novas tecnologias de gestão e produção. Ao mesmo tempo em que se assiste a profundas modificações no âmbito das organizações, verifica-se uma assimetria educacional no país. Segundo informação publicada no jornal O Estado de São Paulo (OESP), página E4, de 28/04/13, apenas 10% dos jovens com idade entre 18 e 24 anos cursam o ensino superior, em contraposição ao crescente número de alunos egressos do Ensino Médio. 42

43 Segundo Kanitz 2, a principal carência na formação do administrador brasileiro é a do Administrador-Fazedor ou Acabativo - aquele que tem a ideia e a capacidade de concretizá-la. A característica do Administrador-Acabativo, com visão estratégica, é a que permeia a elaboração da proposta curricular do curso de Administração. Assim, preveem-se, durante o curso, certos momentos, exemplificados nos Estágios Não Obrigatórios, Atividades Complementares, Projetos, Workshops e demais atividades durante a vida acadêmica, que propiciam a oportunidade para desenvolvimento do Administrador-Acabativo. 5.1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR POR EIXOS TEMÁTICOS E UNIDADES TEMÁTICAS Conforme Regimento Geral da UNIUBE, Art. 3º, incisos I e II, apresenta-se a seguir a definição de eixos temáticos: I - eixos temáticos são temas em torno dos quais se articulam as unidades temáticas. São definidos de acordo com as especificidades de cada curso; II - unidades temáticas são o conjunto de conteúdos compreendidos nas suas dimensões conceitual, procedimental e atitudinal, como meios para o desenvolvimento humano, entre si relacionados, que emanam dos eixos temáticos e são constitutivos de um todo harmonioso e contextualizado. Portanto, para evitar a fragmentação do currículo em unidades estanques, os currículos foram organizados em unidades maiores, em recortes mais amplos de um campo do saber que são: os eixos temáticos e, dentro deles estão especificadas as unidades temáticas. O curso está organizado em 3613 horas-aula de estudos, organizadas em oito etapas de seis meses consecutivas. A integralização curricular está prevista para um período de, no mínimo, quatro anos. Os conteúdos que compõem cada uma das etapas são trabalhados de forma integrada, para que os objetivos do curso se concretizem. O trabalho é, portanto, interdisciplinar, condição para se garantir a formação de competências e habilidades 2 Stephen Kanitz, Iniciativa e Acabativa. Disponível em: http//www.kanitz.com.br/veja/acabativa.htm 43

44 requeridas desse profissional. Ressalta-se que o sentido humanístico está presente em todas as áreas, seja explicitamente como conteúdo de formação, seja como princípios e valores a serem construídos conjuntamente com os propósitos técnicos e científicos de cada área Componentes da Formação Na proposta curricular são contemplados quatro eixos de formação estabelecidos no Art. 5º da Resolução nº 4/2005 que institui as Diretrizes Curriculares do Curso: Conteúdos de Formação Básica; Conteúdos de Formação Profissional; Conteúdos de Estudos Quantitativos e suas Tecnologias e Conteúdos de formação Complementar. Com base nas diretrizes curriculares, procurou-se organizar o curso levando em consideração o perfil do egresso, as competências e habilidades a serem constituídas. Conteúdos de Formação Básica Compreende-se por conteúdos de formação básica aqueles nos quais são abordados os princípios básicos relacionados com outras áreas do conhecimento. O trabalho desenvolvido com esses conteúdos tem como finalidade a formação de um referencial teórico e a incorporação da metodologia científica e tecnologias da comunicação e da informação bem como das ciências jurídicas, que permitam ao profissional ter bom trânsito no estudo e domínio com outras áreas do conhecimento, do fluxo da história e das diferentes culturas no mundo atual. Integram essa área de formação os seguintes conteúdos: Componente ETAPA Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 1 Contabilidade Básica 1 Comportamento Empreendedor 1 Sociologia das Organizações 2 Instituições do Direito 2 Análise das Demonstrações Contábeis 2 Informática Aplicada 3 Contabilidade Gerencial e Análise de Custos 3 Economia de Empresas 4 Macroeconomia e Políticas de Intervenção 5 Fundamentos do Comércio Exterior 6 Ética Empresarial 6 44

45 Conteúdos de Formação Profissional Podem também ser chamados de formação aplicada, já que pressupõem a aplicação dos conhecimentos básicos à administração incluindo os conteúdos listados a seguir: Componente Etapa Teorias da Administração 1 Teoria das Organizações 2 Organização, Sistemas e Métodos 3 Gestão de Materiais 4 Matemática Financeira 4 Estágio Curricular Supervisionado de Aplicabilidade 4 Administração dos Recursos Humanos 5 Marketing Básico 5 Projeto Integrado 5 Gestão da Produção 5 Equipe e Liderança dos Recursos Humanos 6 Estratégias de Marketing e Pesquisa de Mercado 6 Gestão Financeira 6 Gestão da Logística 6 Gestão Estratégica 7 Elaboração e Análise Orçamentária 7 Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Negócios 7 Sistemas de Informações Gerenciais 7 Estágio Supervisionado I 7 Avaliação de Empresas 7 Mercado de Capitais e Derivativos 8 Técnicas de Consultoria e Assessoria 8 Elaboração e Análise de Projetos 8 Estágio Supervisionado II 8 Jogos de Empresa 8 Conteúdos de Estudos Quantitativos e Suas Tecnologias O trabalho desenvolvido nessa área abrange conteúdos que levem o estudante à utilização de estratégias e procedimentos inerentes à administração tais como: Pesquisa Operacional. Teorias dos Jogos, modelos matemáticos e estatísticos bem como a aplicação de tecnologias. Integram essa área os seguintes conteúdos: Componente Etapa Matemática Básica 1 Matemática para Decisões Administrativas I 2 Matemática para Decisões Administrativas II 3 Estatística Básica 3 Estatística Inferencial 4 Métodos Quantitativos 5 45

46 Conteúdos de Formação Complementar Abrangem os estudos de caráter transversal que visam o enriquecimento do perfil do graduando como cidadão sensível às questões do desenvolvimento sustentável e às diferenças raciais e sociais bem como a educação em Direitos Humanos: Componente Etapa Atividades Complementares Tópicos Especiais em Administração I 4 Tópicos Especiais em Administração II 8 Componentes Optativos A definir pelo aluno Cidadania, diversidade e heterogeneidade FLEXIBILIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE Componentes Optativos No curso de Administração, são ofertados sete (07) componentes optativos para que o aluno escolha e curse durante o seu período de formação. Relação de Componentes Optativos: Direito Internacional Direito Financeiro Processos Interativos com a Pessoa Surda LIBRAS Legislação Social e Previdenciária Legislação Tributária Contabilidade Avançada Planejamento Tributário O componente optativo Direito Internacional, ofertado na Organização Curricular do curso de Direito, objetiva fazer com que o aluno conheça as diversas normas reguladoras do moderno direito internacional, sua importância e repercussões dos problemas internacionais tanto na vida macro como microeconômica de cada país em um momento em que a globalização econômico-financeira é uma realidade. O objetivo deste componente é fazer com que o aluno conheça os princípios gerais, analise criticamente os acontecimentos na sociedade internacional e seus diversos 46

47 reflexos na ordem interna do país e possa correlacioná-los com a dinâmica dos negócios. O componente optativo Direito Financeiro ofertado na Organização Curricular do curso de Direito, objetiva capacitar o aluno para que o mesmo possa analisar, avaliar e interpretar situações relacionadas à Ordem Econômica, ligada que está ao orçamento e às relações de consumo. O discente deve estar apto a fundamentar suas análises no conhecimento técnico, bem como poder aplicar o saber jurídico de forma articulada, integrada, interdisciplinar e científica aos temas políticos, econômicos e sociais atuais. O componente optativo Processos Interativos com a Pessoa Surda LIBRAS é ofertado em atendimento à Lei nº /2002, regulamentada pelo Dec. Nº 5.626/2005 e aborda a singularidade e os fundamentos linguísticos dessa língua; o desenvolvimento psicossocial da pessoa surda; a história e a identidade do surdo e as políticas sociais e educacionais voltadas à surdez, numa abordagem sócio antropológica. Os estudos propostos objetivam compreender os modos de interação do surdo na sociedade e oferecer formação teórico-prática para a comunicação com pessoas surdas contribuindo para o atendimento das suas especificidades numa abordagem que traz de forma sucinta um estudo de práticas educacionais voltadas para a inclusão dessas pessoas. O componente optativo Legislação Social e Previdenciária, ofertado na Organização Curricular do curso de Ciências Contábeis, objetiva proporcionar maior percepção das relações jurídicas vivenciadas no dia a dia dos negócios, e ao mesmo tempo possibilitar a interpretação dos atos e fatos jurídicos dando enfoque aos principais institutos jurídicos no âmbito do Direito Público e Privado, bem como aos interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos, enfatizando a relação desses ramos do Direito com a Constituição Federal e suas implicações na gestão econômicofinanceira dos negócios. O componente optativo Legislação Tributária, ofertado na Organização Curricular do curso de Ciências Contábeis, propiciará ao aluno ser capaz de criticar e analisar as espécies e as formas pelas quais o Estado arrecada, culminando com estudos específicos relativos aos tributos, o trâmite legal pelo qual deve percorrer o Estado para efetivar o recolhimento do produto da arrecadação e as maneiras pelas quais 47

48 coercitivamente compele o contribuinte ao pagamento, enfim perceber o Direito Tributário como parte do ambiente organizacional e, portanto, base diretora dos negócios e do relacionamento empresa e estado. O componente optativo Contabilidade Avançada, ofertado na Organização Curricular do curso de Ciências Contábeis, propiciará ao aluno de Administração condições de elaborar, analisar e implementar atividades de assuntos contábeis avançados, com ênfase em demonstrações contábeis e os impactos da Equivalência Patrimonial, Compensação de Prejuízos, Ganhos e Perdas de Capital, Reavaliação de Bens, Concentração e Extinção de Sociedades e Demonstrações Financeiras Consolidadas, permitindo assim ao aluno aplicar, em níveis mais estratégicos, os conceitos da Contabilidade. O componente optativo Planejamento Tributário, ofertado na Organização Curricular do curso de Ciências Contábeis, propiciará ao aluno de Administração condições de elaborar, analisar e implementar ações gerenciais que otimizem, dentro da lei e da ética, uma gestão eficiente do recolhimento de tributos que melhorará a competitividade dos negócios no mercado em que estiver inserida Temas Transversais Os temas transversais, a serem trabalhados em todas as etapas do curso, visam à reconstrução do saber, à construção de novas modalidades de interpretação do real e à integração horizontal e vertical do currículo pela via da interdisciplinaridade. O curso inclui temas que promovem a transversalidade do currículo e, os trabalhos interdisciplinares orientados e acompanhados por professores possibilitam ao aluno a visão de um mesmo problema ou fenômeno sob diferentes ângulos promovendo o desenvolvimento dos alunos na convergência entre o ensino, a pesquisa e a extensão. A UNIUBE, ciente dos desafios que a atual realidade brasileira apresenta, especialmente no tocante às desigualdades sociais, explicita, em seus Projetos Pedagógicos, uma posição favorável à formação de valores e posturas relacionadas às questões do multiculturalismo, das relações étnico-raciais e cultura afro-brasileira e o compromisso educativo com o fortalecimento do processo histórico de 48

49 construção de um país socialmente mais humano e mais justo conforme preconizam a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), a Constituição Federal (1988), o Estatuto dos Direitos da Criança e do Adolescente (1990). Visa desta forma, à formação de profissionais comprometidos com o pleno desenvolvimento humano e com capacidade crítica para compreender de forma contextualizada os elementos que caracterizam a realidade hoje. Assim, as propostas curriculares dos cursos da UNIUBE abordam tais temáticas propostas pela Lei nº /2008, que trata da história e cultura afro-brasileira e indígena e da Lei nº 9.795/1999, que no seu Art. 11, considera a importância dos estudos e discussões sobre a dimensão ambiental na formação dos estudantes com a finalidade de promover a educação para mudança e a transformação social. As questões relacionadas à diversidade cultural, às desigualdades sociais e à cidadania no Brasil são abordadas na perspectiva das Ciências Sociais, com ênfase nas dimensões históricas e condições contemporâneas. Abordam-se as relações entre grupos sociais na perspectiva da construção de identidades, espaços culturais e territoriais. Analisam-se a diversidade dos sujeitos sociais, as relações entre o Estado e a Sociedade Civil, destacando-se a necessidade de construção de políticas sociais com a participação popular. A exclusão social hoje se dá simultaneamente pelas vias do trabalho, da cultura, da etnia, da idade, do gênero, e, assim sendo, torna-se difícil atribuí-la apenas um aspecto desse fenômeno, tendo em vista que se constitui de vários elementos. Deste modo, dificilmente poder-se-á compreender a situação sem antes conhecer o fenômeno da exclusão e suas formas de manifestação que são, muitas vezes, degradantes e tão presentes na sociedade contemporânea. Ao concebermos esta realidade, ganham importância as discussões sobre os tempos atuais: a sociedade globalizada neoliberal, a consequente necessidade da humanização do processo global, e os desafios impostos à educação frente às demandas e aos desafios do século XXI. Importa ressaltar que, nesse cenário, a educação precisa evidenciar seu potencial criativo, instigante e produtivo, em resposta às expressões da questão social, na consolidação da democracia e nos 49

50 direitos à cidadania, tornando-se um dos desafios emergentes. Há um fenômeno mundial, chamado exclusão social exigindo ações propositivas que visem à emancipação e garantia de direitos. A temática relacionada ao meio ambiente é desenvolvida de modo a contribuir para o entendimento do caráter interdisciplinar e transversal da educação ambiental, que ocorrerá por meio de um diálogo direto com os estudantes discutindo os programas educativos, dirimindo suas dúvidas, questionamentos, focalizando os temas de interesse e as experiências práticas que estão tendo êxito. São discutidos os conceitos fundamentais de ecologia, a crise ambiental, a saúde ambiental, a poluição ambiental, a avaliação ambiental e noções sobre desenvolvimento sustentável e legislação ambiental. O enfoque dado, de caráter humanístico, considera que o tema meio ambiente está intimamente ligado às questões socioeconômicas e culturais e que deve ser tratado de forma ética e responsável por todos. Tais temas revelam-se de forma transversal por meio de trabalhos de alunos, em sala de aula, eventos e atividades desenvolvidas pelo curso (palestras, debates, mesas redondas, seminários) o que concorre para a formação geral dos alunos desta universidade. O curso busca a eliminação de barreiras e a construção de uma sociedade inclusiva e a preocupação com a educação no campo. O atendimento aos princípios que orientam a educação brasileira nos remete ao respeito, às diferenças e à política de igualdade, tratando a qualidade da educação escolar na perspectiva da inclusão. Além de serem tratados de forma transversal, esses temas também ocupam o seu lugar nos currículos. No curso de Administração, tais temáticas estão presentes nos seguintes componentes curriculares: Cidadania: Heterogeneidade e Diversidade Sociologia das Organizações Tópicos Especiais em Administração I Ética Empresarial Tópicos Especiais em Administração II 50

51 6 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO-APRENDIZAGEM As atividades de ensino-aprendizagem estão organizadas de forma a permitir a integração de conteúdos e metodologias com o objetivo de se realizar uma abordagem interdisciplinar, favorecer a relação teoria/prática e integrar a pesquisa e a extensão ao processo de ensino-aprendizagem, durante todas as etapas do curso. Nesse sentido, são considerados componentes curriculares que dão flexibilidade ao currículo e possibilitam o aproveitamento do potencial científico. O curso possibilita a integração entre teoria e prática por meio da: Abordagem teórica dos temas, com fixação de aprendizagem, pelo uso intensivo dos estudos de casos. Aplicação prática para o desenvolvimento de habilidades intelectuais e sociais, por meio de Visitas-Técnicas de Estudo, Estágios Curriculares Obrigatórios e Estágios Não Obrigatórios, Atividades Complementares, palestras com profissionais do mercado e participação em projetos sociais e da IES, dentre outras atividades. Elaboração de Produtos/Serviços com características inovadoras. A interdisciplinaridade ocorre por meio de: Práticas no Laboratório de Informática. Realização do Projeto Integrado na 5ª etapa. Desenvolvimento de Plano de Negócios. Desenvolvimento de ações administrativas nos Estágios Curriculares Não Obrigatórios. Possibilidade de cursar a disciplina de Tópicos Especiais (I e II) em outros cursos da IES. Desenvolvimento de Produtos. 51

52 O incentivo à pesquisa, como forma de estabelecer a necessária integração entre ensino e pesquisa pode ser concretizado pela: Participação no Programa de Iniciação Científica (PIC). Participação em projetos de pesquisa da IES ou do curso. Apresentação de trabalhos em Seminários e eventos acadêmicos. Elaboração de trabalhos nas Atividades Complementares. Elaboração de trabalhos em conjunto com professor da disciplina (artigos, resenhas, trabalhos a serem publicados). A Gestão do curso, em constante contato com o mercado (empresas, instituições e ex-alunos) fomenta a prática do Estágio Não Obrigatório, o que faz do mesmo um dos que mais ofertam oportunidades de estágio e emprego efetivo aos discentes e egressos. Executivos e representantes de empresas são convidados para ministrar palestras, bem como, receber alunos para trabalhos práticos. 6.1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares constituem-se em componente curricular aberto e flexível que estimula a prática de estudos independentes, visando a crescente autonomia profissional e intelectual dos alunos. Estão vinculadas aos perfis dos cursos, com a função de contribuir para a flexibilização do currículo, servindo de instrumento para que alunos e Instituição possam definir orientar e reorientar ações. São realizadas de forma autônoma pelos alunos, fora do horário regular de aula, sob supervisão do professor-orientador, a partir do elenco de sugestões do PIAC. São registradas no Histórico Escolar dos alunos. As Atividades Complementares, recomendadas pela LDB de Educação Nacional, Lei nº 9394/96, e regulamentadas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais foram institucionalizadas e incorporadas aos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da Universidade de Uberaba através das diretrizes institucionais fixadas pela Resolução 01/2003, como componente curricular aberto e flexível, que tem como objetivo estimular a prática de estudos independentes, visando uma crescente 52

53 autonomia profissional e intelectual dos alunos. (Artigo 2º) 01/2003. Até então essas atividades eram desenvolvidas separadamente em cada curso de graduação. A partir de 2005, conforme a Resolução 050/05 da IES, as Atividades Complementares passaram a ser coordenadas e organizadas pelo Programa Institucional de Atividades Complementares (PIAC). O Programa Institucional de Atividades Complementares PIAC tem como linha de ação a EDUCAÇÃO PARA O EXERCÍCIO DA CIDADANIA e EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE sendo o eixo articulador, propositor, organizador e divulgador das diferentes propostas geradas para Atividades Complementares, integrando alunos e professores de todos os cursos, tornando mais visíveis as formas pelas quais a UNIUBE assume seu compromisso e responsabilidade social, estimulando o contato discente com a realidade social, econômica e cultural, para o exercício da cidadania. O Programa Institucional de Atividades Complementares é constituído por um Núcleo de Orientação e Coordenação, composto por professores de tempo contínuo da Universidade de Uberaba, indicados pelos diretores de curso e aprovados pelo Reitor, que têm por função orientar e acompanhar os alunos quanto à realização de propostas diversificadas de atividades complementares; aprovar e validar, em créditos, a participação dos alunos em atividades complementares à sua formação acadêmica, dentro ou fora da Instituição. Além desse Núcleo, é composto também por uma Secretaria, encarregada de fazer o atendimento aos alunos, receber e registrar os créditos correspondentes às Atividades Complementares validadas pelo Núcleo de Orientação e Coordenação. Objetivos do PIAC contribuir para a obtenção do perfil desejado, possibilitando que o aluno desenvolva as habilidades e competências estabelecidas em cada etapa do curso de origem; promover a integração entre ensino, pesquisa e extensão; contribuir para a autonomia intelectual do aluno, colocando-o como corresponsável pela condução, conclusão e apresentação de conhecimentos obtidos, de forma continuada; 53

54 oportunizar ao aluno a realização de atividades de seu interesse, trabalhando sua vocação, desenvolvendo suas aptidões, sua postura e potencial empreendedor que o auxiliarão a decidir sobre os rumos de sua carreira profissional; promover a integração das Atividades Complementares como um Componente Curricular que transcende os limites dos cursos, estimula a vivência universitária e promove a multidisciplinaridade e a interdisciplinaridade; dar visibilidade às Atividades Complementares promovidas no âmbito dos diferentes cursos para toda a comunidade acadêmica; possibilitar inserção de atividades em equipe, favorecendo o desenvolvimento das habilidades de comunicação, relacionamento, cooperação e liderança; elaborar programas que acolham os alunos em projetos de significado social para a comunidade; inserir alunos em ações comunitárias, estimulando o contato com a realidade social, econômica e cultural, para o exercício da cidadania; incentivar e ampliar a participação dos alunos em eventos científicos, artísticos e culturais no âmbito da UNIUBE e da sociedade; inserir alunos no contato com o mercado de trabalho. Para efeito de validação e registro, as Atividades Complementares da Universidade de Uberaba traduzem-se em créditos. Em cada semestre, há ofertas de Atividades Complementares, quando o aluno deverá cumprir 30 créditos que correspondem a 60 horas na organização curricular do curso. No curso de Administração as Atividades Complementares acontecem em três (03) períodos, conforme descrito no Quadro 01. Somente serão reconhecidas e validadas as Atividades Complementares aprovadas e registradas pelo Programa Institucional de Atividades Complementares. Os créditos serão registrados e encaminhados à Diretoria de Serviços Acadêmicos (DSA) pela Secretaria do Programa Institucional de Atividades Complementares. Todas as informações sobre os eventos e créditos correspondentes à cada Atividade Complementar e aos comprovantes a serem apresentados para creditação junto ao PIAC, estão disponibilizados na página do aluno. 54

55 Quadro 01: Etapas onde são desenvolvidas as Atividades Complementares no curso de Administração Etapa Carga-Horária 3ª 60 h/a 5ª 60 h/a 6ª 60 h/a 6.2 ESTÁGIO CURRICULAR De acordo com a lei nº , de 25 de setembro de 2008, no seu art. 1º, Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de educandos (...). Deve fazer parte do Projeto Pedagógico do Curso integrando o processo formativo do aluno tendo em vista o aprendizado de competências relacionadas à atividade profissional que ele irá exercer. O Estágio Supervisionado possibilitará ao estagiário a consolidação das competências e habilidades necessárias ao pleno exercício profissional, proporcionará a vivência de situações reais nas diversas áreas da atuação do administrador. O Estágio Supervisionado tem como objetivo aperfeiçoar os conhecimentos adquiridos no curso de Administração e aplicá-los na prática organizacional. Os objetivos e metas de estágio, presentes no planejamento das atividades, são adequadas às áreas de conhecimentos alcançados até a etapa em que o aluno está matriculado. A metodologia adotada consiste na orientação individual do aluno que realiza, sob a orientação do professor, o levantamento, a análise e as soluções condizentes com a complexidade organizacional. O acompanhamento do aluno ocorre uma vez por semana quando o estagiário demonstra seu desenvolvimento no campo de estágio (formulário disponibilizado em modelo próprio, carimbado e assinado). O estagiário elabora o Relatório Final do estágio referente ao assunto de maior relevância identificado no diagnóstico. Essas etapas estão presentes no cronograma estabelecido pelo professor e disponibilizadas nas aulas iniciais de orientação das atividades de estágio. É 55

56 obrigatório ter no mínimo 75% das frequências individuais com o professor supervisor. O Estágio Curricular Obrigatório do curso de Administração da Universidade de Uberaba é desenvolvido, resumidamente, conforme o quadro descritivo abaixo. Quadro 02: Distribuição dos Estágios Curriculares Supervisionados Período Atividade Objetivo 4 º 7 º 8 º Estágio e Supervisão do Estágio Curricular de Aplicabilidade Estágio e Supervisão de Estágio Curricular Obrigatório I Estágio e Supervisão do Estágio Curricular Obrigatório II Verificar a aplicabilidade dos métodos e técnicas da Administração junto a realidade organizacional por meio de Linhas de Pesquisa. Realizar análise global da organização. Intervir na realidade com a intenção de propor mudanças para os fenômenos observados. Horas-aula de Supervisão Hora-Atividade Extraclasse 40 h/aula 90 h/atividade 40 h/aula 90 h/atividade 40 h/aula 100 h/atividade Os Estágios Curriculares, Obrigatórios ou Não Obrigatórios, possibilitam ao acadêmico uma série de vantagens importantes para a sua formação: aproximação com o mercado de trabalho, propiciando oportunidade de atuação em sua atividade específica; desenvolvimento de atividades práticas, conciliando-as com a teoria; busca de aprofundamento em área de interesse específico; conhecimento sobre a avaliação do mercado; oportunidade de testar habilidades adquiridas; contribuição para a formação dos perfis. A aprovação do aluno consiste no Conceito H de Habilitado quando obtida a frequência de 75% na Supervisão, 100% da carga horária no campo de estágio e nota mínima de 60,0 pontos. Caso o aluno não atenda algum dos três critérios terá o conceito I de Inabilitado. 56

57 O Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do curso de Administração normatiza o funcionamento e operacionalização dos estágios e se encontra no Anexo B deste Projeto Pedagógico. 6.3 EMPRESA JÚNIOR A Multi Júnior, empresa júnior do curso de Administração do campus Uberlândia, criada em outubro de 2007, é uma empresa formada e gerida por estudantes da graduação, com o objetivo de prestar serviços de consultorias a micro e pequenas empresas ou instituições de caráter público, a baixo custo. Simultaneamente proporciona aos discentes a oportunidade de ingressar no mercado de trabalho, além de estimular o aluno a aprofundar os estudos em busca de soluções para as falhas diagnosticadas nas organizações clientes. A Multi Júnior segue suas atividades sempre amparada pelo corpo docente e gestores da instituição, que demonstram a todo momento o apoio aos envolvidos. Negócio: consultoria e assessoria em vários segmentos de mercado. Missão: fornecer soluções empresariais através do conhecimento acadêmico multidisciplinar, integrando universidade e empresários em benefício da sociedade. Visão: ser referência no mercado através de inovações multidisciplinares. 6.4 PROJETO INTEGRADO Na 5ª etapa o aluno realiza o Projeto Integrado que proporciona ao aluno o interrelacionamento dos conhecimentos do 5º período em uma empresa real, com a finalidade de desenvolver uma visão integrada da Administração. Em equipe, após o Diagnóstico Empresarial, os alunos identificam um problema prioritário promovendo soluções por meio dos métodos e técnicas estudadas nos componentes curriculares cursados até a 5ª etapa do curso. 6.5 PRÁTICAS 57

58 A Instituição incentiva e promove ações que auxiliam seus docentes a construir práticas pedagógicas inovadoras, o que contribui para o enriquecimento da proposta do curso. No curso de Administração tais práticas são realizadas por meio dos estágios curriculares obrigatórios (4ª. 7ª. e 8ª. Etapas), pelo Empreendedorismo Social (na 1ª. Etapa com a Campanha Páscoa solidária e no trabalho social ao final da disciplina Comportamento Empreendedor), Projeto Integrado (5ª. Etapa, com o projeto Laboratório de novos produtos onde um grupo de alunos identifica em determinada organização demanda(s) não atendida(s) e propõe produtos e/ou serviços inovadores, utilizando os conceitos/ferramentas/técnicas aprendidas nas disciplinas da etapa), Desenvolvimento de Novos Produto/Serviços (7ª. Etapa, na disciplina de Empreendedorismo de Novos Negócios, vinculado à criação de uma empresa fictícia), Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Longo Prazo (para a empresa fictícia criada na disciplina de Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Negócios) e os trabalhos práticos de Consultoria e Assessoria desenvolvidos na etapa 8 (disciplina de Técnicas de Consultoria e Assessoria). 58

59 7 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Componentes Curriculares por Etapa Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP 1 Teorias da Administração Semipresencial 72,0 15,0 1 Matemática Básica Semipresencial 72,0 15,0 1 Contabilidade Básica Semipresencial 72,0 15,0 1 Comportamento Empreendedor Semipresencial 36,0 15,0 1 Cidadania: Heterogeneidade e Diversidade Semipresencial 36,0 20,0 1 Leitura e Produção de Textos Acadêmicos Semipresencial 36,0 44,0 Total da carga horária: 324,0 124,0 Total da carga horária da etapa 448,0 AT Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP 2 Análise das Demonstrações Contábeis Semipresencial 80,0 15,0 2 Sociologia das Organizações Semipresencial 40,0 15,0 2 Teoria das Organizações Semipresencial 40,0 15,0 2 Matemática para Decisões Administrativas I Semipresencial 80,0 15,0 2 Instituições do Direito Semipresencial 80,0 15,0 Total da carga horária: 320,0 75,0 Total da carga horária da etapa: 395,0 AT Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP AT 3 Estatística Básica Presencial 80,0 3 Contabilidade Gerencial e Análise de Custos Semipresencial 80,0 15,0 10,0 3 Matemática para Decisões Administrativas II Presencial 80,0 3 Organização, Sistemas e Métodos Semipresencial 40,0 15,0 3 Informática Aplicada Semipresencial 15,0 40,0 Atividades Complementares Presencial 60,0 Total da carga horária: 280,0 45,0 40,0 70,0 Total da carga horária da etapa: 435,0 59

60 Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP AT 4 Economia de Empresas Semipresencial 80,0 15,0 4 Estatística Inferencial Presencial 40,0 4 Matemática Financeira Semipresencial 80,0 15,0 4 Gestão de Materiais Semipresencial 40,0 15,0 4 Tópicos Especiais em Administração I Presencial 40,0 Estágio Curricular 4 Supervisionado de Presencial 40,0 90,0 Aplicabilidade Total da carga horária: 280,0 45,0 40,0 90,0 Total da carga horária da etapa: 455,0 Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP AT 5 Administração dos Recursos Humanos Semipresencial 80,0 15,0 5 Gestão da Produção Presencial 80,0 5 Marketing Básico Presencial 80,0 10,0 5 Macroeconomia e Políticas de Intervenção Semipresencial 80,0 15,0 5 Métodos Quantitativos Presencial 40,0 40,0 5 Projeto Integrado Presencial 20,0 5 Atividades Complementares Presencial 60,0 Total da carga horária: 360,0 30,0 40,0 90,0 Total da carga horária da etapa: 520,0 Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP AT 6 Gestão Financeira Presencial 80,0 6 Gestão da Logística Semipresencial 40,0 15,0 6 Estratégia de Marketing e Pesquisa de Mercado Presencial 80,0 30,0 6 Fundamentos do Comércio Exterior Presencial 40,0 6 Ética Empresarial Presencial 40,0 6 Equipe e Liderança dos Recursos Humanos Semipresencial 40,0 15,0 6 Atividades Complementares Presencial 60,0 Total da carga horária: 320,0 30,0 90,0 Total da carga horária da etapa: 440,0 60

61 Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP AT 7 Gestão Estratégica Semipresencial 80,0 15,0 7 Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Semipresencial 40,0 15,0 Negócios 7 Elaboração e Análise Orçamentária Semipresencial 80,0 15,0 7 Sistemas de Informações Gerenciais Semipresencial 40,0 15,0 7 Avaliação de Empresas Presencial 40,0 7 Estágio Curricular Supervisionado I Presencial 40,0 90,0 Total da carga horária: 280,0 60,0 40,0 90,0 Total da carga horária da etapa: 470,0 Etapa Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP AT 8 Mercado de Capitais e Derivativos Semipresencial 80,0 15,0 8 Elaboração e Análise de Projetos Semipresencial 80,0 15,0 8 Jogos de Empresa Presencial 40,0 8 Técnicas de Consultoria e Assessoria Presencial 40,0 8 Tópicos Especiais em Administração II Presencial 40,0 8 Estágio Curricular Supervisionado II Presencial 40,0 100,0 Total da carga horária: 280,0 30,0 40,0 100,0 Total da carga horária da etapa: 450,0 Total da carga horária: 2448,0 439,0 200,0 530,0 Total da carga horária Geral: 3613,0 Componente Curricular Modalidade Teórica Prática Pres. NP Pres. NP Direito Internacional Presencial 80,0 Direito Financeiro Presencial 40,0 Processos Interativos com a Pessoa Surda LIBRAS Semipresencial 40,0 60,0 Legislação Social e Previdenciária Presencial 6,0 66,0 Legislação Tributária Presencial 4,0 68,0 Contabilidade Avançada Presencial 4,0 60,0 Planejamento Tributário Presencial 4,0 60,0 Total da carga horária: 178,0 314,0 Total: 492,0 AT 61

62 8 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA 62

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola

Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola Catálogo do Curso de Educação Ambiental Dimensões da Sustentabilidade na Escola 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental: Dimensões da Sustentabilidade

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Portaria/MEC nº 16, publicada no Diário Oficial da União de 5/1/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Educacional Cidade de São Paulo

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO

FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES FÓRUNS ESTADUAIS DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE: ORIENTAÇÕES PARA SUA ORGANIZAÇÃO (versão preliminar) Brasília, setembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais