Oportunidades para micro e pequenas empresas geradas pela implantação de usinas sucroalcooleiras em Mato Grosso do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Oportunidades para micro e pequenas empresas geradas pela implantação de usinas sucroalcooleiras em Mato Grosso do Sul"

Transcrição

1 Oportunidades para micro e pequenas empresas

2 Governo Estadual de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - Seprotur Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul - Sebrae/MS Oportunidades para micro e pequenas empresas Campo Grande, MS 2008 Convênio nº /2008

3 Governo do Estado de Mato Grosso do Sul André Puccinelli Governador Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - Seprotur Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias Secretária

4 Conselho Deliberativo do Sebrae em Mato Grosso do Sul Associação das Microempresas do Estado de Mato Grosso do Sul - AMEMS Banco do Brasil - BB S.A. Caixa Econômica Federal - CAIXA Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul - FIEMS Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul - FUNDECT Federação do Comércio do Estado de Mato Grosso do Sul - FECOMÉRCIO Federação das Associações Empresariais de Mato Grosso do Sul - FAEMS Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul - FAMASUL Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo - SEPROTUR Presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/MS Luis Cláudio Sabedotti Fornari Diretor Superintendente Cláudio George Mendonça Diretor Técnico Tito Manuel Sarabando Bola Estanqueiro Diretora de Operações Maristela de Oliveira França Gerente da Unidade de Gestão Estratégica Sandra Amarilha Gerente da Unidade de Agronegócios Carlos Alberto Santos do Valle Equipe Técnica Fernando Rodrigues Marcílio Moreira da Cunha Júnior

5 Entidade executora AGRICON Coordenadores Luiz Tanahara, economista, mestre em economia rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e sócio-diretor da Agricon Consultoria. Ricardo Senna, economista, MBA em Gestão Empresarial Estratégica do Agribusiness, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV Managment); mestre em economia política pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e consultor. Equipe de trabalho Petterson Villa Nova, economista, especialista em auditoria tributária pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, MBA Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas e consultor de projetos da Agricon Consultoria. Anna Karolina Guimarães Monteiro, acadêmica do curso de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; estagiária.

6 Sumário Apresentação 8 Metodologia do trabalho 10 Costa Rica Caracterização da região 12 Costa Rica Caracterização da região Perfil socioeconômico 12 Chapadão do Sul Caracterização da região Perfil socioeconômico 20 Análise de impactos locais 29 Análise de impactos locais Costa Rica 33 Análise de impactos locais Chapadão do Sul 45 Caracterização dos empreendimentos As usinas BRENCO 58 Caracterização dos empreendimentos As usinas EQUIPAV 58 Caracterização dos empreendimentos A usina IACO 59 Setores afetados pelos empreendimentos 61 Identificação do potencial de geração de emprego e renda na região IACO Agrícola S.A. 62 Identificação do potencial de geração de emprego e renda na região Unidade de Bioenergia Costa Rica (BRENCO) 68 Mapeamento do perfil da mão de obra necessária 70 Mapeamento do perfil da mão de obra necessária Área industrial 71 Mapeamento do perfil da mão de obra necessária Área administrativa 79

7 Sumário Mapeamento do perfil da mão de obra necessária Área agrícola 85 Mapeamento do perfil da mão de obra necessária Área S.E.S.M.T. 89 Necessidades de infraestrutura econômica e social nos municípios 91 Impactos na demanda e oferta local de bens e serviços 92 Oportunidades de negócios para micro e pequena empresa 122 Mapeamento das oportunidades indiretas Plano de ação para inclusão das MPEs na cadeia produtiva da cana-de-açúcar e painel de indicadores Considerações finais Referências bibliográficas 135 Anexo I Relação de usinas de açúcar e álcool instaladas no Estado 137 Anexo I Relação de usinas de açúcar e álcool em implantação 138 Anexo I Relação de usinas de açúcar e álcool em negociação 145 Anexo II Questionário da pesquisa de campo 152 Anexo III Total de MPEs nos municípios de Costa Rica por setor de atividade 153

8 Apresentação O presente estudo tem por objetivo identificar e analisar os impactos econômicos que podem ser gerados pela realização de investimentos de grupos empresariais do setor sucroalcooleiro nos municípios de Costa Rica. Tais investimentos referem-se à implantação de usinas de açúcar, álcool e energia. Objetiva-se também, a elaboração de um plano de ação que possa promover a inclusão econômica das micro e pequenas empresas na cadeia produtiva da cana-de-açúcar a partir das novas oportunidades de negócios identificadas. Além disso, objetiva-se a elaboração de um painel de indicadores para mensurar e monitorar o impacto dos investimentos sobre a demanda por produtos e serviços das micro e pequenas empresas locais, visando nortear novas oportunidades. Dessa forma, o estudo foi elaborado buscando-se contemplar esses três objetivos, que foram trabalhados da seguinte forma: No estudo de impactos, buscou-se realizar a análise dos impactos locais ocasionados pela industrialização acelerada, a caracterização dos empreendimentos em fase de instalação, a identificação dos setores que serão direta e indiretamente afetados pelos investimentos, a identificação do potencial de geração de empregos e renda na região, a identificação do perfil de mão de obra que será demandado, o levantamento das necessidades de infraestrutura para os municípios, a análise dos impactos na oferta e demanda local de bens e serviços e a identificação das oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas dos municípios de Costa Rica ; Na elaboração do plano de ação, buscou-se, a partir da interação com os principais atores e lideranças dos municípios, propor ações que promovessem a inclusão econômica das micro e pequenas empresas locais na cadeia produtiva da cana-deaçúcar; Na elaboração do painel de indicadores, buscou-se criar indicadores que permitissem mensurar os impactos dos investimentos anunciados para a implantação das usinas na demanda dos produtos e serviços das micro e pequenas empresas locais, buscando nortear novas oportunidades de negócios. As discussões sobre o potencial do setor sucroalcooleiro estão presentes nas páginas dos jornais e revistas especializadas, sendo tema de debates entre técnicos do setor, governo e empresários. Os itens abaixo mostram o panorama do setor para o ano de 2006 no Brasil: 1 Faturamento total: US$ 20,5 bilhões; Geração de renda: PIB Brasil: US$ 900 bilhões; Geração de empregos: quatro milhões de empregos diretos e indiretos; Fornecedores: produtores independentes; Área cultivada: seis milhões de hectares (0,7% da área total);. 8

9 Apresentação... Insumos: 50 mil fornecedores de insumos agrícolas; Moagem: 420 milhões de toneladas de cana-de-açúcar; Produção de 30 milhões de toneladas de açúcar; Produção de 17,5 bilhões de litros de álcool: mais de US$ 8,5 bilhões; Exportações:19 milhões de toneladas de açúcar (US$ 7 bilhões); 3,6 bilhões de litros de etanol (US$ 1,5 bilhão); Impostos: US$ 6 bilhões em impostos; Investimentos: US$ 2,5 bilhões/ano; Agentes: 414 usinas de álcool e açúcar e destilarias (em operação + projetos); Demanda potencial mundial por álcool: 63,7 bilhões de litros; Energia: o potencial de co-geração para 2012 é de nove mil MW (hoje é de MW) A razão do grande interesse que o setor desperta reside na generalizada percepção de sucesso das oportunidades relacionadas ao negócio cana e seus derivados (açúcar e álcool), com impactos de ordem econômica e ambiental, tanto para o Brasil como para o mundo. A inquestionável vantagem comparativa brasileira para a produção de cana-de-açúcar a preços competitivos alia-se a um bem-sucedido pacote tecnológico já desenvolvido pelo país para a produção de etanol. Em consonância com a tendência de crescimento do setor no país, destaque deve ser dado à região Centro-Oeste. Especificamente, no que diz respeito a Mato Grosso do Sul. A partir de dados do IBGE, constata-se uma taxa de crescimento de produção e área de cana-de-açúcar superior à média nacional e da região Centro-Oeste, com um acréscimo de área da ordem de 32,38% e de 64% em produção, contra um crescimento de 24,32% e 17,22% para produção e área no Brasil no período de 2000 e A disponibilidade de áreas agricultáveis no estado, as condições favoráveis de clima e solo, a proximidade de centros consumidores e exportadores e a capacidade empreendedora garantem a Mato Grosso do Sul posição de destaque como fronteira agrícola para a produção de álcool e açúcar. Frente às oportunidades expostas, o Conselho de Desenvolvimento Industrial (CDI/MS), órgão vinculado à Secretaria de Produção e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul (SEPROTUR), aponta a perspectiva de mais de 30 novos empreendimentos no setor, além das atuais 14 plantas industriais em operação no Estado. As perspectivas promissoras para a cadeia produtiva da cana-de-açúcar em âmbito nacional, sustentadas pelas expectativas favoráveis da participação de Mato Grosso do Sul na produção e exportação nacional, demandam uma maior compreensão das particularidades deste setor no Estado, suas potencialidades e os desafios impostos ao governo e à iniciativa privada. 9

10 Apresentação... Entender a dinâmica deste setor e as especificidades regionais permite a identificação de políticas públicas e estratégias empresariais eficazes e competitivas para a inserção de Mato Grosso do Sul no contexto da grande tendência mundial: a nova história da energia. 1-Neves, Marcos Fava; Conejero, Marco Antônio. Sistema agro-industrial da cana: cenários e agenda estratégica. In: Economia Aplicada, São Paulo, v. 11, nº 4, p , outubro-dezembro Metodologia de trabalho O objetivo geral do estudo é identificar e analisar os impactos econômicos gerados pela aceleração dos investimentos do setor sucroalcooleiro na região de Costa Rica e Chapadão do Sul e elaboração de um plano de ação para inclusão econômica das micro e pequenas empresas nas oportunidades identificadas. O plano de trabalho dos serviços de consultoria para análise de impactos dos investimentos do setor sucroalcooleiro nos municípios de Costa Rica foi executado visando a realização de um estudo e análise de impactos dos investimentos (itens de 2 a 10 deste estudo) realizados com base na: Caracterização dos empreendimentos em fase de instalação (item 4); Identificação dos setores que serão direta e indiretamente mais afetados pelos investimentos (item 5); Identificação do potencial de geração de empregos e renda na região (item 6); Identificação do perfil de mão-de-obra que será demandado nas instalações destas empresas (item 7); Identificação das necessidades de infraestrutura para o município (item 8); Identificação dos impactos na oferta e demanda local de bens e serviços (item 9); Identificação das oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas (item10); A elaboração de um plano de ação objetivando a promoção da inclusão econômica das micro e pequenas empresas na cadeia produtiva da cana-de-açúcar nos municípios (item 11); Elaboração de um painel de indicadores, de cunho estratégico, que possa mensurar e monitorar o impacto dos investimentos sobre a demanda de produtos e serviços das micro e pequenas empresas locais (item 11). 10

11 1.1. Metodologia de trabalho... Para a execução do plano de trabalho, foram realizadas pesquisas de dados primários, dados secundários, pesquisa documental e bibliográfica. Os dados primários foram necessários para se avaliar a percepção dos atores locais sobre o impacto dos investimentos em curso. Além disso, os dados foram importantes para se realizar a caracterização dos empreendimentos e o funcionamento e estruturação da cadeia produtiva, visando a identificação dos elos de inserção das micro e pequenas empresas. Os dados primários foram obtidos por meio de reuniões, consultas, audiências e pesquisas de campo para o levantamento das oportunidades, desafios e estabelecimento do plano de ação e outros subsídios que pudessem balizar a análise de impactos. Foram realizadas reuniões técnicas entre os consultores e investidores para o mapeamento da cadeia de bens e serviços do setor sucroalcooleiro, a oferta por insumos, o contingente de mão de obra e as perspectivas de consumo local, bem como as possibilidades de inclusão das micro e pequenas empresas locais na cadeia produtiva. As atividades presenciais (reuniões, visitas etc.) foram realizadas com ou sem a participação da equipe técnica do SEBRAE/MS. A pesquisa de expectativas empresariais foi obtida por meio de uma pesquisa de campo sobre as perspectivas do impacto da implantação das usinas nos municípios de Costa Rica e Chapadão do Sul. A pesquisa foi realizada no período de 3 a 7/6/08 e foram envolvidos 13 pesquisadores. Outra fonte de dados primários foram as entrevistas semiestruturadas e entrevistas informais realizadas com executivos do Grupo Equipav, que possui usinas nos municípios de Promissão e Brejo Alegre, no Estado de São Paulo, e nos municípios de Costa Rica, no Estado de Mato Grosso do Sul, com executivos das usinas IACO e BRENCO. Foram realizadas várias visitas aos municípios de Costa Rica para coleta de dados e reuniões com empresários, gestores públicos e lideranças locais para apresentação e discussão do presente estudo. Ao longo da realização do estudo, os resultados parciais foram divulgados para se obter feedback do meio empresarial e da comunidade local. A Feira do Empreendedor do SEBRAE, realizada em julho de 2008, o 2º CANASUL, realizado em agosto de 2008, além das palestras realizadas nos municípios, são alguns dos eventos utilizados pelos consultores para apresentar os resultados preliminares do estudo e incorporar sugestões e novas idéias para a análise de impactos, plano de ação e painel de indicadores. 11

12 2. Caracterização da região O objetivo deste item é realizar uma caracterização socioeconômica dos municípios de Costa Rica, por serem diretamente afetados pelos investimentos das usinas de álcool e açúcar, que anunciaram sua instalação na região. Tal caracterização se faz importante para que se possa avaliar futuramente a evolução dos indicadores e números aqui apresentados. 2.1 Costa Rica Costa Rica O município de Costa Rica está localizado na região norte do Estado de Mato Grosso do Sul, pertencente à microrregião de Cassilândia. Instalado em 1980, possui uma área de 5.740,8 km² e uma densidade demográfica de 2,7 hab/km². Está distante a 264,2 km da Capital e a altitude da sua sede é de 641 m. CAMPO GRANDE Perfil socioeconômico do município População No período , a população de Costa Rica teve uma taxa média de crescimento anual de 1,19%, passando de em 1991, para em 2000, representando 0,75% da população do Estado e 0,01% da população do País. A taxa média de crescimento anual entre subiu 1,30%, considerando a contagem da população publicada no D.O.U, em 14/11/2007. Tabela 1 População Residente, por Sexo e Situação de Domicílio População Residente, por Sexo e Situação de Domicílio Anos População Total Homens Mulheres Urbana Rural 1980 (1) (1) (2) (1) (3) (3) (3) (3) (3) (2) (1) Censo Demográfico. (2) Contagem da População. (3) Estimativa. (4) Publicado no D.O.U. dia 14/11/2007. Fonte: SEMAC / MS Em 2000, a população estava equilibradamente distribuída entre os grupos de idade, sendo que 54,69% da população tinham entre anos. A taxa de mortalidade caiu de 29,64 (por mil nascidos vivos) em 1991, para 20,53 (por mil nascidos vivos) em 2000, e a esperança de vida ao nascer cresceu 3,60 anos, passando de 68,27 anos em 1991, para 71,87 anos, em

13 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região Tabela 2 População Residente por Grupo de Idade População Residente por Grupo de Idade 2000 Grupo de Idade População Residente Total a4anos a9anos a19anos a29anos a39anos a49anos a59anos anos ou mais Fonte: SEMAC / MS Cabe ressaltar que, entre os dois Censos, a taxa de fecundidade caiu 0,6 pontos. Tabela 3 Indicadores de Longevidade, Mortalidade e Fecundidade e Indicadores de Longevidade, Mortalidade e Fecundidade e Mortalidade até 01 ano de idade (por 1000 nascidos vivos) 29,64 20,53 Esperança de vida ao nascer (anos) 68,27 71,87 Taxa de Fecundidade Total (filhos por mulher) 2,8 2,2 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano Dados mais atuais mostram que a taxa de mortalidade geral continua em queda, registrando, em 2005, um coeficiente 0,54 menor do que em Tabela 4 Coeficiente de Mortalidade Coeficiente de Mortalidade Especificação Mortalidade Geral 4,09 4,55 5,52 6,15 3,55 Mortalidade Infantil 17,99 34,62 21,19 13,56 9,87 Mortalidade Neonatal 17,99 23,08 12,71 9,78 9,87 Fonte: SEMAC / MS Educação Em 2000, do total da população residente no município de Costa Rica, com mais de 10 anos de idade, era alfabetizada, alcançando uma taxa superior a 88%. 13

14 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região Tabela 5 Taxa de Alfabetização para pessoas com mais de 10 anos de idade Taxa de Alfabetização para pessoas com mais de 10 anos de idade Total da População População com mais de 10 anos Alfabetizada Taxa de Alfabetização (%) 88,2 Fonte: SEMAC / MS Mais de 90% das crianças e adolescentes de 07 a 14 anos frequentavam a escola e, entre os jovens, esse percentual é superior a 80%. Em 1991, somente 48,8% dos jovens nessa faixa etária estavam na escola. Tabela 6 Nível Educacional da População Jovem e Faixa etária Nível Educacional da População Jovem e 2000 Taxa de %menosde4 %menosde8 %freqüentandoa Analfabetismo anos de estudo anos de estudo escola a 14 20,00 2, ,60 97,80 10 a 14 11,90 0,70 60,10 30, ,50 96,70 15 a 17 13,20 1,40 30,10 6,70 89,30 61,70 48,80 80,70 18 a 24 10,50 3,60 34,20 16,30 77,40 56, Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano A média de anos de estudo da população adulta em 1991 era de 3,7; já em 2000, essa média aumentou para 4,5. Essa redução também é verificada quando se observa a taxa de analfabetismo, que, em 1991, era de 23,2% e, em 2000, caiu para 17,5%. Tabela 7 Nível Educacional da População Adulta e Nível Educacional da População Adulta e Taxa de analfabetismo 23,2 17,5 % com menos de 4 anos de estudo 54,6 45,6 % com menos de 8 anos de estudo 83,4 77 Média de anos de estudo 3,7 4, 5 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano O município possuía, em 2006, 15 estabelecimentos escolares, da educação infantil ao ensino médio, sendo que 14 encontravam-se na zona urbana e apenas 01 em zona rural. Do total das escolas, 20% eram da rede estadual, 60% da rede municipal e 20% da rede particular de ensino. A partir de julho de 2007, a população passou a contar com uma instituição de ensino superior: a Faculdade de Educação de Costa Rica - FECRA. 14

15 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região Tabela 8 Número de Escolas -Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Número de Escolas Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio 2006 Dependência Administrativa Número de Escolas Total Urbana Rural Total Federal Estadual Municipal Particular Fonte: SEMAC / MS Existem 319 docentes no município. Desses, 35 são professores da educação infantil, 202 do ensino fundamental e 82 do ensino médio. A maioria do corpo docente está lotada na rede municipal de ensino 137 do total. Tabela 9 Número de Professores por Zona e Dependência Administrativa Dependência Administrativa Número de Professores por Zona e Dependência Administrativa Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Total Urbana Rural Total Urbana Rural Total Urbana Rural Total Federal Estadual Municipal Particular Fonte: SEMAC / MS Renda Dados do Censo 2000 mostram que a renda per capita média do município cresceu 110,85% no período de 1991 a 2000, passando de R$ 164,17 para R$ 346,15. Seguindo a mesma linha, a pobreza diminuiu 48,20% de 1991 para Porém, é verificado também que o nível de desigualdade cresceu: o Índice de Gini passou de 0,54 em 1991 para 0,76 em Tabela 10 Indicadores de Renda, Pobreza e Desigualdade e Indicadores de Renda, Pobreza e Desigualdade e Renda per capita Média (R$ de 2000) 164,2 346,1 Proporção de Pobres (%) 42,9 22,2 Índice de Gini 0,54 0,76 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano 15

16 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região O Censo 2000 mostra que 54, 83% das pessoas, com 10 anos ou mais, recebiam até 5 salários mínimos (em 2000, o valor do salário mínimo vigente era de R$ 151,00) e que pessoas, ou seja, 37,7%, não possuiam renda. Tabela 11 Pessoas de 10 Anos ou mais, por Classes de Rendimento (s.m.) -Censo Pessoas de 10 Anos ou mais, por Classes de Rendimento (s.m.) Censo 2000 Total Até 1 s.m De1a2s.m De2a3s.m De3a5s.m. 675 De5a10s.m. 575 De10a20s.m. 191 Mais de 20 s.m. 160 Sem rendimentos Fonte: SEMAC / MS Infraestrutura O município apresentou um aumento no acesso aos serviços básicos pela população. Em 1991, 79,8% da população tinham acesso à água encanada e 72,4% à energia elétrica. Em 2000, esse percentual subiu para mais de 90% para os dois serviços. O maior aumento se deu na coleta domiciliar de lixo, que, em 1991, alcançava 78,7 das residências, subindo para 96% em Tabela 12 Acesso a Serviços Básicos e Acesso a Serviços Básicos e Água Encanada 79,8 90,8 Energia Elétrica 72,4 93 Coleta de Lixo ¹ 78,7 96 ¹Somentedomicíliosurbanos Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano Quanto aos estabelecimentos de saúde, Costa Rica possui 43 leitos, distribuídos em 25 unidades de atendimento. 16

17 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região Tabela 13 Estabelecimentos de Saúde Estabelecimentos de Saúde 2007 Centro de Saúde 7 Clínica Especializada 0 Consultório Isolado 12 Hospital Geral 2 Posto de Saúde 0 Unid. Diagnóstico e Terapia 3 Unid. Vigilância em Saúde 1 Número de Leitos 43 Fonte: SEMAC / MS Em 2006, a concessionária de energia elétrica possuía consumidores. Desses, são consumidores residenciais, 64 industriais, 485 comerciais e 799 diversos. Tabela 14 Energia Elétrica Energia Elétrica 2006 Consumo (Mwh)* Consumidores Residencial Residencial Industrial Industrial 64 Comercial Comercial 485 Rural Rural 683 Poder Público 810 Poder Público 81 Iluminação Pública Iluminação Pública 14 Serviço Público 839 Serviço Público 18 Próprio 21 Próprio 3 (*) A diferença do total com a fonte é de arredondamento. Fonte: SEMAC / MS A extensão da rede de saneamento alcançava, em 2006, metros, com ligações reais. A extensão da rede de esgoto alcançava metros. Tabela 15 Saneamento e Esgoto Saneamento e Esgoto 2006 Saneamento Volume Produzido (m3) Volume Consumido (m3) Volume Faturado (m 3 ) Ligações Reais Economias Reais Extensão da Rede (m) Esgoto Número de Economias Extensão da Rede (m) Fonte: SEMAC / MS 17

18 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região O município possui pontos telefônicos, entre terminais instalados e de serviços. Tabela 16 Telefonia Telefonia 2006 Terminais Instalados Terminais de Serviços Fonte: SEMAC / MS Em 2007, foram contabilizadas 4 agências bancárias. Tabela 17 Agências Bancárias Agências Bancárias 2007 Comerciais (HSBC, Bradesco e Sicredi) 3 Banco do Brasil 1 Fonte: SEMAC / MS De acordo com dados da SEMAC/MS, a frota de veículos de Costa Rica em 2007, era de mais de quatro mil veículos. Tabela 18 Frota de Veículos Frota de Veículos Automóvel 1712 Caminhonete 800 Motociclo 1209 Caminhão 359 Ônibus 34 Fonte: SEMAC / MS Aspectos Econômicos A quantidade de indústrias por ramo de atividade não teve grandes alterações no período de 2002 a Dados da SEMAC/MS mostram que em 2002, o total de indústrias no município de Costa Rica era de 36 e, em 2006, esse número foi para 32 indústrias. 18

19 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região O município possui pontos telefônicos, entre terminais instalados e de serviços. Tabela 19 Indústria por ramo de atividade Indústria por ramo de atividade Atividade Total Minerais não Metálicos Metalúrgica Mecânica Mat. Elétr. e de Comunicação Transportes Madeira Mobiliário Papel e Papelão Couros, Peles e Prod. Similar Indústria Química Prod. Farmac. e Veterinários Perfumaria, Sabões e Velas Prod. Matérias Plásticas Têxtil Vest., Calç., Artef. Tecidos Produtos Alimentícios Bebidas, Álc. Etílico e Vinagre Editoria e Gráfica Diversos Fonte: SEMAC / MS No município, predominam os estabelecimentos comerciais varejistas. Em 2006, eram 243 estabelecimentos desse tipo, contra, apenas, 21 atacadistas. Assim, como no setor industrial, o comércio local também não apresentou significativas mudanças no mesmo período. Tabela 20 Estabelecimentos Comerciais Estabelecimentos Comerciais Especificações Total Atacadista Varejista Fonte: SEMAC / MS A receita municipal apresentou sucessivos crescimentos no período de 2001 a 2005, acumulando um aumento de 244% no mesmo período. Em 2001, a receita municipal era de R$ , 49 e, em 2005, a receita municipal foi de R$ ,98. 19

20 CAMPO GRANDE Costa Rica 2. Caracterização da região Tabela 21 Receitas Municipais * 21 Receitas Municipais * Receitas Total , , , , ,98 I.P.T.U , , , , ,55 I.T.B.I , , , , ,77 I.S.S , , , , ,41 Receita Dívida Tributária , , , , ,12 Receita Patrimonial , , , , ,20 Taxas Diversas , , , , ,79 Outras Receitas , , , , ,14 *R$ 1,00 Fonte: SEMAC / MS Índice de Desenvolvimento Humano IDH Tabela 22 Índice de Desenvolvimento Humano Índice de Desenvolvimento Humano Municipal 0,689 0,798 Educação 0,721 0,863 Longevidade 0,721 0,781 Renda 0,624 0,749 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano No período , o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Costa Rica cresceu 15,82%, passando de 0,689, em 1991, para 0,798, em Segundo a classificação do PNUD, o município está entre as regiões consideradas de médio desenvolvimento humano (IDH entre 0,5 e 0,8). A dimensão que mais contribuiu para esse crescimento foi a educação, com 43,4%, seguida pela renda, com 38,2% e pela longevidade, com 18,3%. 2.2 Chapadão do Sul Chapadão do Sul Perfil socioeconômico do município População CAMPO GRANDE No período , a população d teve uma taxa média de crescimento anual de 1,74%, passando de 5.833, em 1991, para , em 2000, representando 0,56% da população do Estado, e 0,01% da população do país. A contagem populacional feita pelo último Censo, e publicado no D.O.U. de 14/11/2007, mostra que o município já possui habitantes. 20

21 CAMPO GRANDE Chapadão do Sul 2. Caracterização da região Tabela 23 População Residente, por Sexo e Situação de Domicílio População Residente, por Sexo e Situação de Domicílio Anos População Total Homens Mulheres Urbana Rural 1980 (1) (1) (2) (1) (3) (3) (3) (3) (3) (2) (1) Censo Demográfico. (2) Contagem da População. (3) Estimativa. Publicado no D.O.U. dia 14/11/2007. Fonte: SEMAC / MS Em 2000, 80,66% da população tinham entre anos. A taxa de mortalidade caiu de 33,1 (por mil nascidos vivos) em 1991, para 18,0 (por mil nascidos vivos) em 2000, e a esperança de vida ao nascer cresceu 5,8 anos, passando de 67,1 anos em 1991, para 72,9 anos, em Tabela 24 População Residente por Grupos de Idade População Residente por Grupos de Idade 2000 Grupo de Idade População Residente Total a4anos a9anos a 19 anos a 29 anos a 39 anos a 49 anos a 59 anos anos ou mais 334 Fonte: SEMAC / MS Cabe ressaltar que, entre os dois Censos, a taxa de fecundidade caiu 0,5 pontos. Tabela 25 Indicadores de Longevidade, Mortalidade e Fecundidade e Indicadores de Longevidade, Mortalidade e Fecundidade e Mortalidade até 1 ano de idade (por 1000 nascidos vivos) 33,1 18,0 Esperança de vida ao nascer (anos) 67,1 72,9 Taxa de Fecundidade Total (filhos por mulher) 2,7 2,1 Fonte: Atlas do Desenvolvimento Humano 21

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS

SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS SONDAGEM DE VENDAS DIA DAS CRIANÇAS OUTUBRO/2013 FECOMERCIO/TO Hugo de Carvalho Presidente Anselmo da Silva Moraes Vice Presidente Silmara Lustosa Ribeiro Superintendente INSTITUTO FECOMÉRCIO/TO Hugo de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

RELATÓRIO. Outubro 2015. Ano 03-10

RELATÓRIO. Outubro 2015. Ano 03-10 RELATÓRIO Outubro 2015 Ano 03-10 APOIO: - CENTRO DE INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS FACISA Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas ÍNDICE DE CONFIANÇA EMPRESARIAL (ICE) ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE SINOP

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS

PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS PESQUISA DE MERCADO JÓIAS, FOLHEADOS E BIJUTERIAS AGENDA Metodologia Dados Secundários Dados Primários Comentários, Sugestões e Críticas das Empresas Considerações Finais TRABALHO DE CAMPO PASSO A PASSO

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades Rodrigo Santos Nogueira Diretor Setorial de Responsabilidade Social e Sustentabilidade FEBRABAN

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II

P A L N A O N O D E D E E X E P X A P N A S N Ã S O Ã O I II PLANO DE EXPANSÃO III (2011 2014) ESTUDO DE VIABILIDADE Equipe Técnica Responsável: Prof. Dr. Jimmy de Almeida Léllis - Coordenador Prof. Dr. Ridelson Farias de Sousa - Coordenador Prof. M.Sc. Thiago José

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX

Clipping, Quarta-feira, 25 de Junho de 2008 Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online. Cerona fecha contrato com a ENGEVIX Rede Energia Blog - (12/06/08) - Online Cerona fecha contrato com a ENGEVIX A Cerona - Companhia de Energia Renovável acaba de anunciar a escolha da ENGEVIX como gestora de todo o processo de instalação

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae)

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais feitas em abril de 2015. Análise da base de dados do Microempreendedor Individual

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO Orientador Empresarial Microempreendedor Individual-Formalização-Setor de Serviços-Crescimento SETOR DE SERVIÇOS É CAMPEÃO EM

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local

Mineração de fosfato em. desenvolvimento local Mineração de fosfato em Cajati (SP) e o desenvolvimento local Solange S. Sánchez Procam Universidade de São Paulo Luis E. Sánchez Escola Politécnica Universidade de São Paulo Seminário Recursos Minerais

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 Faturamento do e-commerce no Brasil Vitória está entre

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012)

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) Março/2014 Estudos e Pesquisas 1 SEBRAE 2 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP INFLAÇÃO JUNHO/2015 SUMÁRIO

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP INFLAÇÃO JUNHO/2015 SUMÁRIO PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP INFLAÇÃO JUNHO/2015 SUMÁRIO A pesquisa revela que a inflação está alterando o consumo das pessoas. A maioria dos entrevistados vem percebendo grandes aumentos de preços

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais