O Papel da Gestão de Pessoas em Processos de Fusões e Aquisições de Empresas. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel da Gestão de Pessoas em Processos de Fusões e Aquisições de Empresas. Resumo"

Transcrição

1 O Papel da Gestão de Pessoas em Processos de Fusões e Aquisições de Empresas Autoria: Grace Vieira Becker Resumo Para garantirem um determinado patamar de competitividade, as empresas se vêem compelidas a repensar internamente seus processos de produção, organização e gestão do trabalho, e numa perspectiva externa a vislumbrar novas alternativas de parcerias, uniões, alianças e coligações. Neste contexto, é visível o movimento de empresas no sentido de viabilizarem processos de fusões e aquisições. Entretanto, uma análise criteriosa sobre o tema aponta para estatísticas preocupantes que ressaltam as dificuldades enfrentadas pelas organizações nestas situações de mudança. Tal cenário vem estimulando o desenvolvimento de estudos sobre os indivíduos nas fusões e aquisições (F&A). Neste sentido, o objetivo do presente artigo é verificar o papel da Gestão de Pessoas em processos de F&A de empresas. Para a realização do estudo utilizou-se o método de estudo de caso realizado em duas empresas de grande porte que apresentavam processos de fusão e aquisição já consolidados. Os resultados mostram a importância de ações sistematizadas de Gestão de Pessoas na condução dos processos de F&A e em quais ações estas empresas concentram seus esforços. INTRODUÇÃO Mudança e transformação são palavras que ilustram o movimento das empresas frente ao contexto formado após o processo de reestruturação da economia mundial, a partir dos anos 80. Para garantirem um determinado patamar de competitividade, as empresas se vêem compelidas a repensar internamente seus processos de produção, organização e gestão do trabalho, e numa perspectiva externa a vislumbrar novas alternativas de parcerias, uniões, alianças e coligações. Neste processo dinâmico de se unificarem variáveis externas e internas numa só unidade, a gestão das pessoas ocupa um espaço importante, na medida em que a capacidade de uma empresa manter-se viva reside na disposição dos seus integrantes de internalizarem novas estratégias, criarem alternativas de ação e construírem novos cenários. A partir desta perspectiva, se pretende justamente verificar a real contribuição da Gestão das Pessoas nos processos de aquisições e fusões de empresas, o que corriqueiramente parece se resumir em atividades de identificar e demitir profissionais que não agregam valor para a nova organização. Apesar disso, estes processos apresentam-se freqüentemente na mídia como casos de sucesso. Entretanto, pesquisas mais minuciosas sobre o assunto não demonstram o happy end tão desejado. Apresentam sim informações e percentuais que assustam até os mais firmes dos namoros (Cliffe, 1999; McLean, 2000; Creswell, 2000; Nadler e Limpert, 1994; McKinsey & Co, 1992). O desvendar da literatura levantada sobre o tema aponta algumas dificuldades enfrentadas em situações de fusões e aquisições de empresas que contribuem para aumentar o percentual dos casos de fracasso: a falta de domínio das questões jurídicas e legais, a incompatibilidade contábil-financeira, desentendimentos nas definições estratégicas e o choque cultural das organizações envolvidas nestes processos. Além disso, percebe-se que a maioria das pesquisas sobre fusões e aquisições focaliza justamente estudos sobre a questão financeira, jurídica e legal. Nos últimos anos, com a chamada mergermania, um olhar mais cuidadoso sobre estes expressivos percentuais nos casos de fracassos vem estimulando o desenvolvimento de estudos sobre as pessoas nas fusões e aquisições - F&A, principalmente em relação ao encontro de culturas. Segundo os estudiosos, são as pessoas e seus sentimentos os grandes 1

2 responsáveis pelos maiores fracassos e maiores sucessos nestes processos (Devoge e Shiraki, 2000; The Economist, 2000; Miller, 2000, Cliffe, 1999). Desta forma, mobilizar e conduzir profissionais em contextos de grandes transformações, como os de união de duas empresas, parecem ser pontos críticos na Gestão de Pessoas. A carência de literatura sobre um espectro maior de conclusões em relação aos impactos dos processos de fusões e aquisições nos profissionais e as ações de gestão de pessoas que norteiam estas circunstâncias motivaram a elaboração deste trabalho. Neste sentido, o objetivo do presente artigo é verificar o papel da Gestão de Pessoas em processos de F&A de empresas. A estrutura compreende os seguintes tópicos: a discussão teórica que destaca as diferentes tipologias relacionadas às associações de empresas e o alinhamento das funções de Gestão de Pessoas em processos de fusões e aquisições de empresas; a metodologia de natureza qualitativa desenvolvida através de estudo de casos; a descrição e a análise dos casos estudados frente às situações de F&A. 1 FUSÕES, AQUISIÇÕES, ASSOCIAÇÕES. QUAIS AS DIFERENÇAS? Na prática, é freqüente a confusão entre as diferentes combinações possíveis no que se refere a associações e uniões de empresas, principalmente em relação aos termos fusões e aquisições. Para uma melhor compreensão da questão e delimitação do escopo deste estudo, torna-se necessário a apresentação e o esclarecimento destes conceitos. A aquisição pode ser definida como a obtenção por uma empresa da propriedade controladora de outra empresa (a adquirida) com a intenção de conservá-la e operá-la (Nadler e Limpert, 1994). Um pouco distinto é o conceito de fusão que caracteriza os casos de combinação de duas organizações, de modo a preservar uma e eliminar a outra (Reed e Lajoux, 1995). Vale destacar que a fusão pressupõe a integração de duas empresas em uma só. Quando há apenas aquisição, sem fusão, a compradora tem a possibilidade de operar a adquirida de maneira independente, o que significa que o impacto sobre a cultura organizacional poderá ser mínimo ou até inexistente. O processo de fusão, conforme o grau de similaridade entre os segmentos das empresas envolvidas, pode ser classificado em horizontal, vertical ou por conglomerados (BNDES, 1999). Resumidamente, na fusão horizontal as duas empresas pertencem a um mesmo segmento e a união possivelmente proporcionará economias de escala. Já na vertical, a fusão se dá em empresas que estão à frente ou atrás na cadeia produtiva. Entre as vantagens associadas a este tipo de fusão estão a garantia de matérias-primas, maior facilidade na distribuição dos produtos e possível aprimoramento na administração da produção uma vez que o gerenciamento dos estoques será mais efetivo. E por fim, a fusão por conglomerados envolve empresas com setores não relacionados. Neste tipo de fusão o enfoque está na diversificação do negócio, ampliação na linha de produtos e no aproveitamento das oportunidades de investimentos (BNDES, 1999). O Quadro 1 destaca as principais diferenças entre os conceitos envolvidos na associação e união de empresas. Quadro 1: União e associação de empresas principais tipologias TIPOLOGIA DESCRIÇÃO Aliança Associação entre duas ou mais empresas que empenham recursos comuns para juntamente desenvolverem uma nova atividade. Joint venture Literalmente significa união de risco. Associação de empresas para o desenvolvimento e execução de projetos específicos sem caracterizar sociedade ou nova companhia. Consórcio Grupo de empresas formado para a aquisição de outra empresa, execução de uma obra ou financiamento de um projeto de grande envergadura. Contrato de Acordo, pacto ou convenção entre empresas para a execução de atividade comum. Longa Duração Fusão União de duas ou mais companhias que formam uma única empresa, geralmente sob controle administrativo da maior ou da mais próspera. 2

3 Aquisição Compra de controle acionário de uma empresa por outra. Fonte: Rossetti (2001) 2 ALINHANDO AS FUNÇÕES DE GESTÃO DE PESSOAS AOS PROCESSOS DE FUSÕES E AQUISIÇÕES Como destacado anteriormente ainda são escassos os estudos que relacionam Gestão de Pessoas a processos de fusões e aquisições de empresas, reduzindo as perspectivas de uma análise mais criteriosa sobre o real impacto das F&A nesse campo. Independente disso, nos anos 90 o movimento denominado mergermania vem se acentuando. Proporcionalmente a este crescimento verifica-se o aumento dos casos de insucesso nestes processos. Dados afirmam que apenas 15% das fusões atingem seus objetivos financeiros; outros indicam que os fracassos em fusões e aquisições oscilam entre 65 a 85% dos casos (Nadler e Limpert, 1994; McKinsey & Co, 1992). Pesquisas mais recentes revelam que metade das empresas que passaram por F&A não conseguem manter o valor de suas ações dois anos depois da transação estar fechada e que menos que 50% das fusões agregam valor (The Economist, 2000). Ao invés de partir logo para uma caça às bruxas, Devoge e Shiraki (2000) preocuparam-se em verificar como aumentar as vantagens que estariam nesta minoria bem sucedida de empresas. Com esta inquietação, os autores saíram a campo e perguntaram a um conjunto de empresas qual era o principal fator a ser considerado antes, durante e depois da fusão e quais as práticas que foram adotadas (ou deveriam ter sido adotadas) para gerar uma diferença positiva. Resumidamente, a principal conclusão destes autores é que os fatores que são mais pobremente conduzidos durante processos de aquisições e fusões e que mais determinam seu sucesso são aqueles que afetam os empregados das organizações envolvidas. Outro aspecto ressaltado na pesquisa demonstra um imenso gap entre a importância atribuída a determinadas políticas e práticas e sua real aplicação nas empresas pesquisadas. Para justificar estes enormes gaps, as empresas afirmaram não existirem rotinas e critérios prédefinidos no processo de fusão. Nos depoimentos apresentados na obra de Devoge e Shiraki (2000, p.27), a informação era de que a fusão assumia uma vida própria e esmagava as melhores intenções para administrá-la. Entretanto, tranqüilizam os autores, muitas empresas estabelecem objetivos na fase que antecede a fusão o que diminui a névoa e a fantasia do processo. Apesar destas constatações, os resultados mais enriquecedores se referem à definição de people factors que responde a principal inquietação dos autores. Dentre cinco fatores destacados em cada fase (antes, durante e depois da fusão) os mais citados pelos entrevistados foram os seguintes: Antes da fusão: Atentar para os aspectos culturais; Durante a fusão: Intensificar o processo de comunicação; Depois da fusão: Colocar a pessoa certa no lugar certo; Entre os fatores de natureza cultural pode-se citar: modos distintos de tratar clientes, fornecedores e colaboradores; tipo e nível de participação na tomada de decisão em cada organização; velocidade e processo na tomada de decisões diferentes; nível de formalidade e controle; expectativa de desempenho; nível de tolerância ao risco; e diferenças na orientação de custo/qualidade (Miller, 2000). O momento de fusão representa um episódio crítico na formação e consolidação de uma cultura. Elementos culturais podem emergir como obstáculos à fusão. Valores e crenças muitas vezes antagônicos são confrontados no processo de consolidação da forma de atuar, sentir e pensar dos indivíduos com relação ao ambiente externo e interno. Nas duas possibilidades a saber: a cultura tomada como barreira à fusão, ou a cultura sendo transformada por uma experiência de fusão, a questão recai na necessidade de verificar a cultura das organizações envolvidas no processo de fusão e na de determinar a cultura 3

4 apropriada para a nova organização (Devoge e Shiraki, 2000), desde que ela faça sentido para as pessoas, pois os valores de uma organização devem ser descobertos e não impostos. Assim como a cultura, a comunicação da visão e metas da organização é também considerada um aspecto crítico em processos de F&A, mas nem por isso é bem administrada. Para Devoge e Shiraki, são tantos assuntos que envolvem uma fusão que muitas vezes a liderança esquece de comunicar para os empregados a visão e a nova direção da organização. Outras vezes, a administração tenta colocar em evidência todos os detalhes do processo, entretanto falha ao utilizar meios inadequados, carentes da credibilidade necessária para este importante propósito, como por exemplo, o jornal da empresa. Segundo os autores, em momentos de mudanças que poderão afetar o futuro dos empregados, empresas que conseguem sucesso nos processos de comunicação utilizam métodos intensivos e personalizados, tais como encontros face-a-face com a liderança, entrevistas com os responsáveis pela F&A e outras técnicas informais de comunicação, em adição aos métodos mais tradicionais de aproximação com os funcionários. Várias empresas utilizam o treinamento como uma forma de garantir a transparência e ajudar a desenvolver uma linguagem comum, assim como estimular o diálogo para aliviar as tensões inerentes aos processos de mudança (Barros, 2001). Todas essas técnicas de nada adiantariam se não estimulassem o comprometimento dos funcionários. O processo de comunicação é importante para despertar nos empregados um sentimento de participação nas mudanças, muitas vezes resgatando a confiança perdida pelas decisões tomadas na fase inicial da fusão. Quando os empregados sentem que estes fatores estão presentes, eles ficam motivados para ajudar e fazer o sucesso do processo de fusão. Na sua ausência, entretanto, alguns empregados - usualmente aqueles com habilidades mais valiosas, recompensarão a carência de atenção pagando com inércia e outras resistências (Devoge e Shiraki, 2000, p.30). O último, mas não menos importante aspecto observado pela pesquisa realizada por Devoge e Shiraki, diz respeito à seleção e alocação das pessoas nos processos de fusão de empresas. Nesta perspectiva, a definição mais complicada relaciona-se ao nível da alta gerência, pois nestes níveis a dimensão do poder é mais relevante. Mesmo entre pessoas que compartilham valores semelhantes, pode haver interesses diferentes em jogo e, portanto, disputas de poder. No caso de fusão organizacional isto é imediato: a consolidação das equipes é inevitável. Daí evidencia-se o conflito. Para Devoge e Shiraki, o timing da identificação da liderança é decisivo na articulação do negócio. Alguns participantes do estudo disseram que esperaram muito tempo para iniciarem as mudanças críticas. Eles concordaram que a liderança sênior deveria ter sido identificada quase que imediatamente aos outros níveis de administração, realizando-se ajustes adicionais assim que necessários. Selecionar e reter as pessoas certas para atuarem em determinadas funções nunca foi novidade, entretanto nas fusões e aquisições este desafio torna-se maior. Nestes processos, criam-se novos relacionamentos, modificam-se as exigências, alteram-se as condições e o ambiente de trabalho e em muitas vezes desconfiguram-se o estilo de administrar e o negócio da empresa de origem. Tais impactos muitas vezes exigem uma grande capacidade das pessoas de enfrentarem tão intensas mudanças e habilidades das lideranças para conduzirem este processo. Neste contexto, a próxima seção apresenta a metodologia adotada neste artigo. 3 METODOLOGIA A metodologia desenvolvida nesta pesquisa é de natureza qualitativa desenvolvida através de estudo de casos. Para Godoy, o objetivo principal do estudo de caso, como tipo de pesquisa, é 4

5 analisar intensivamente uma dada unidade social, aprofundando a descrição de um determinado fenômeno. Este método tem sido amplamente utilizado por pesquisadores que procuram responder a questões relacionadas a como e por quê certos fenômenos ocorrem. Além disso, é também adotado quando o interesse central da pesquisa recair sobre fenômenos atuais, que só poderão ser analisados dentro de algum contexto de vida real (Godoy, 1995, p.25). Sob esta perspectiva metodológica estrutura-se o presente trabalho que tem por objetivo estudar o papel da Gestão de Pessoas em empresas que passaram por processos de F&A. Para tanto, duas empresas participaram deste estudo: A Springer Carrier ilustrando o caso de fusão e a Thyssen Sûr o de aquisição. Um aspecto importante a ser considerado é a condição das empresas no processo de aquisição e fusão. Na situação que representa a fusão, a Springer Carrier comprou a outra empresa e incorporou as atividades desta empresa no seu processo produtivo. Já no caso da Thyssen Sûr a situação é oposta, uma vez que foi ela a comprada. O entendimento desta condição é necessário pois elucida várias constatações realizadas na transcorrer do trabalho. Terem passado por processos de fusão ou aquisição, estarem com estes processos já consolidados e proporcionarem acesso aos dados e às informações solicitadas foram os critérios utilizados para a seleção das empresas participantes do estudo. Na Thyssen Sûr dois funcionários foram entrevistados: o Chefe do Departamento de Contabilidade e o Gerente de RH. Na Springer Carrier participou da entrevista o Gerente de RH. As entrevistas foram pessoais e gravadas. A pesquisadora explicou o objetivo do trabalho e os entrevistados responderam livremente, respeitando os limites do assunto em análise. 4 SPRINGER CARRIER - O CASO QUE ILUSTRA A SITUAÇÃO DE FUSÃO ORGANIZACIONAL A Empresa Springer & Cia, inspirada no nome de seu fundador Charles Springer, foi constituída em 1934 tendo como negócio central a representação e fixação de refrigeradores comerciais. Calcada no espírito empreendedor, a empresa se destaca pelo pioneirismo de seus produtos: nas décadas de 50 e 60 a Springer lança o primeiro condicionador de ar de janela da América Latina, o primeiro refrigerador retangular e exaustor de ar além do primeiro televisor preto e branco portátil no Brasil. O parque industrial da empresa, no município de Canoas no Rio Grande do Sul, foi concluído em 1966 e marcou mais uma etapa de crescimento da empresa. Em 1983, a Springer uniu-se à Carrier Corporation maior empresa do mundo na fabricação de condicionadores de ar comerciais e residenciais, através de uma join-venture, mudando seu nome para Springer Carrier. Neste momento, com a incorporação da tecnologia da Carrier, a Springer Carrier muda seu posicionamento estratégico da diversificação de produtos para a especialização, concentrando seus esforços na produção de condicionadores de ar. Atualmente a Springer Carrier conta com 1002 funcionários distribuídos nas fábricas de Canoas (principal) e Manaus e filiais em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Com esta estrutura, consolida sua posição como a maior fabricante de equipamentos de condicionamento de ar no Brasil, sendo a única empresa que oferece desde equipamentos do tipo janela aos sistemas centrais de refrigeração. 4.1 Processo de Fusão A união da Springer com a Carrier, conforme destacado anteriormente, se refere à fusão macro, que define o nome e a estrutura da empresa até os dias atuais. Neste último ano, a empresa está envolvida em três outros casos de fusões. O caso em que este estudo estará sustentado é na fusão da Springer Carrier com a empresa Tropical Bryant, ocorrida em No momento em que foi adquirida, a Tropical Bryant concorria com a Springer Carrier numa linha de produtos, principalmente em equipamentos de média capacidade. A Tropical era uma 5

6 empresa pequena, de administração familiar, com aproximadamente 150 funcionários e se localizava em São Paulo. Num primeiro momento, a Springer Carrier com intuito de assumir o controle da empresa, destacou um diretor para administrar a Tropical e colocou duas pessoas de confiança ocupando níveis de gerência. Toda a administração foi modificada. Esta alteração foi necessária, segundo o gerente de RH da Springer, porque a administração era muito paternalista e informal, sustentada pelo antigo dono. A Springer comprou a Tropical basicamente por três aspectos: porque era uma empresa que tinha uma parcela do mercado interessante ao seu segmento, era uma empresa reconhecida por essa participação (benchmarking no mercado) e, principalmente, porque era uma empresa muito focada no cliente, muito flexível às demandas do mercado. Este foi o aspecto determinante na compra, uma vez que eles fabricavam o produto conforme o desejo e às necessidades do cliente. A Tropical apresentava como característica marcante uma flexibilidade de manufatura e de produção de produtos. Este aspecto merece destaque porque era de interesse da Springer aprender como ser mais flexível, estar mais perto dos desejos dos clientes. Para uma empresa grande, multinacional, esta mudança representa um desafio, pois o enfoque é muito mais no sentido de projetar e desenvolver produtos com base nas demandas do mercado, mas oferecendo um produto préconcebido. Acostumados a normas, regras e procedimentos, cada projeto obedece a uma série de preceitos formais. No momento que assumiram uma empresa de origem familiar, com procedimentos extremamente informais, com nada no papel, apenas na cabeça das pessoas, passaram por um choque inicial. Em Diadema - São Paulo, funcionava toda a Área Administrativa, Comercial e Técnica da Tropical. No ano de 1996, a Tropical era considerada uma Unidade de Negócios, tendo suas atividades completamente independentes da Springer. As práticas de gestão eram sempre acompanhadas mesmo à distância e estavam alinhadas ao negócio do Grupo multinacional. Desta forma a Tropical foi conduzida até o ano de Apesar de não ter sido inicialmente a intenção da Springer, neste ano tomou-se a decisão de transferir a Área Técnica, de Produção e Administrativa da Tropical para a planta de Canoas RS, só ficando em SP a Área Comercial e Assistência Técnica. Mesmo funcionando em Canoas, no primeiro momento desta transição a Tropical ainda trabalhou com uma estrutura independente, como uma Unidade de Negócio. Com o passar do tempo, a Tropical acumulou experiências e adquiriu conhecimentos sobre o produto da Springer Carrier. Essa nova condição permitiu que a empresa se tornasse uma linha de produtos completamente integrada à planta da Springer. É claro que a questão do custo de ter duas estruturas paralelas também foi fundamental para esta decisão, apesar da Springer assumir o risco de perder as características marcantes de flexibilidade, diferenciação e portfólio de produtos da Tropical. Num primeiro momento, os funcionários alocados de SP para trabalhar na Unidade da Tropical (agora em Canoas), mesmo pertencendo à mesma planta, eram encarados como diferentes. Sentimento perfeitamente compreensível, uma vez que o ritmo de trabalho, as novas exigências por qualidade e por formalização dos procedimentos eram muito diferentes além do sentimento de perda do grupo de amigos, troca de cidade e mudança na identidade do negócio da Tropical. O trabalho de RH neste momento foi fundamental. A unificação do uniforme, dos crachás e do ambiente de trabalho contribuiu para a integração das pessoas. Hoje, segundo o Gerente de RH, a operação na linha de produtos da Tropical funciona muito bem e está totalmente incorporada na Springer Carrier, apresentando condições bem superiores às que tinha em SP. 4.2 Cultura - o maior aprendizado A questão da cultura, no caso da Springer apresenta-se de forma peculiar, uma vez que se caracterizou por ser um dos principais motivos que influenciaram a compra da Tropical. Realizando-se um contraponto entre as duas culturas, constatam-se diferenças que traduzem a 6

7 forma com que os valores, crenças e experiências foram internalizados por seus membros em cada organização, conforme o Quadro 2, abaixo. Quadro 2: Contraponto de culturas Cultura Springer Carrier Cultura Tropical Empresa multinacional de grande porte Empresa familiar de pequeno porte Procedimentos Formais Procedimentos completamente informais Existência de normas, regulamentos Paternalista Processo decisório rígido, hierarquizado Produção flexível Foco no produto Foco no cliente Fonte: elaborado a partir dos dados coletados. O interesse da Springer era tentar aprender com a Tropical sua informalidade e seu modo de se adaptar com flexibilidade e rapidez às necessidades dos clientes. Para o Gerente de RH, houve um aprendizado mútuo em todas as fases do processo: numa primeira fase, quando a empresa funcionava independentemente como Unidade de Negócios da Springer em São Paulo, na fase de transferência da empresa para a planta de Canoas e na fase atual. É claro que, com a fusão, a Tropical perdeu muito de sua informalidade, pois na Springer os processos são muito mais formalizados e organizados. E eu percebo também que houve uma contribuição grande no sentido de fazerem as pessoas terem uma cabeça mais aberta às demandas do mercado, às necessidades dos clientes ressaltou o Gerente da Springer. Sob esta perspectiva, Senn destaca que Uma vez que a organização adquira maior consciência de suas próprias forças e fraquezas culturais, bem como de suas características organizacionais, ela pode usar estas informações para começar a articular uma cultura mais sadia, para apoiar a aquisição e o sucesso interno adicional. (Senn, 1995, p.284) Segundo relato do Gerente, o maior aprendizado foi das pessoas que se envolveram diretamente com o processo. Estas pessoas passaram a ser mais abertas para a necessidade dos clientes e procurar, dentro do possível, flexibilizar as necessidades às demandas do mercado. Entretanto, o próprio Gerente admite que essa mudança não teve os impactos desejados inicialmente pois, em processos de aquisições e fusões, é normal o menor ser engolido pelo maior. 4.3 O Papel de RH no Processo de Fusão de Empresas Assim que a Tropical foi adquirida, destaca-se a iniciativa de RH realizar uma espécie de treinamento com os funcionários em São Paulo cujo objetivo foi mostrar a cultura da Springer Carrier e os valores morais e éticos do Grupo multinacional. Por ser uma empresa extremamente informal, a discussão destes assuntos representou uma novidade para os funcionários da Tropical. Este foi um trabalho muito delicado, pois queríamos contribuir para o alinhamento do negócio e para a integração das equipes de trabalho do RS e de SP, mas sem matar o conceito de negócio deles, destacou o Gerente de RH. Para Barros (2001) este treinamento deve apoiar as pessoas quando voltarem aos seus postos de trabalho e construir pontes para que as relações entre as pessoas sejam mais afetivas. Num segundo momento, caracterizado pelo período de transição da Tropical para Canoas, RH destacou-se por negociar a transferência das pessoas. Como transferir? Quem transferir? Este período de transição marcou uma fase de instabilidade. Para o Gerente de RH, a perda de pessoas-chave descaracterizou a fusão. As pessoas que vieram foram escolhidas em função de seu conhecimento, experiência e posição. Segundo O Rourke (1995), ninguém gosta de demitir, mas se isso for necessário, os responsáveis pelo processo devem ser abertos e sinceros. Além disso, as decisões sobre desligamentos devem ser rápidas para que o estado de 7

8 ansiedade e tensão das pessoas seja o mais breve possível. Segundo o autor, numa situação de reestruturação, a rapidez com que o adquirente realiza as mudanças faz a diferença. Entretanto, no caso analisado, a pressa em conduzir este processo acabou por deixar algumas pessoas importantes para trás, comentou o Gerente. Um outro aspecto que mobilizou as atenções de RH e que foi aprendido simultaneamente ao surgimento da necessidade foi o respeito e a consideração aos aspectos subjetivos e intangíveis tais como fatores culturais, por exemplo. À primeira vista, a empresa estava muito mais preocupada com a questão dos custos, número de máquinas, produtividade, lucro....têm uma série de fatores que contribuem muito e que naquele momento não foram considerados e causaram as grandes barreiras, principalmente nos primeiros meses. Aqui (Canoas/RS) nós tivemos uma certa dificuldade em ter um ritmo de produção semelhante ao de lá (SP), em ter a mesma produtividade, garantir a qualidade dos produtos, o prazo de entrega e conseqüentemente a dificuldade de manter o faturamento. Nós enfrentamos uma série de contratempos por não termos dedicado atenção a estes fatores talvez não tão quantificáveis e tangíveis, destacou o Gerente. Uma análise mais profunda sobre o papel de RH ressalta que a fusão foi um legítimo processo de aprendizagem. E isso implica em aprender a agir conforme as novas configurações dos acontecimentos. Saber lidar com os imprevistos, se caracteriza como o principal desafio em processos de mudanças. Entretanto, a aprendizagem com a experiência pode ser um processo muitas vezes desgastante, uma vez que a falta de sistematização ou de procedimentos formalizados e organizados aumentam o período de insegurança das pessoas envolvidas e dissipam os esforços necessários à condução da mudança. Nesta perspectiva, até o aprendizado deve ser planejado para não diminuir a capacidade de prontidão das ações de RH frente as novas demandas da fusão. Mesmo apresentando estas dificuldades, a riqueza do processo de aprendizagem vivenciado pela Springer Carrier concretizou-se na aquisição de um profundo conhecimento: reconhecendo as próprias falhas, identificado os pontos críticos (importância dos aspectos intangíveis) e verificando que o tempo de execução não foi adequado. É importante destacar que esse aprendizado é extremamente valorizado pela organização e é a base de um conjunto de conquistas na Gestão de Pessoas na Empresa. Atualmente as atividades de RH na Springer são consideradas benchmarking para toda a comunidade empresarial. Eleita uma das 100 Melhores Empresas para se Trabalhar, em pesquisa de abrangência nacional realizada pela Revista Exame, a Empresa se destaca no alto grau de satisfação de seus funcionários. A pesquisa, realizada anualmente, apresentou um índice de satisfação de aproximadamente 70% (Dados do Balanço Social de 2000). A este sentimento destacam-se as seguintes práticas: programa de desenvolvimento de lideranças, reforço do processo de avaliação dos funcionários, ênfase na comunicação interna, consolidação do sistema de qualidade, promoção da Política de Ética e do Programa Diálogo, otimização das ações de treinamento, educação e desenvolvimento de pessoas e campanha institucional com foco no cliente (Dados do Balanço Social de 2000). 5 THYSSEN SÛR - O CASO QUE ILUSTRA A SITUAÇÃO DE AQUISIÇÃO ORGANIZACIONAL A Empresa Elevadores Sûr S/A Indústria e Comércio foi fundada em 1945 e inicialmente dedicava-se à mecânica de precisão na fabricação de relógios-ponto. Em 1965, o aumento da produção e a falta de espaço para a ampliação da fábrica, obrigaram a empresa a mudar sua planta para aproximadamente 30 Km de Porto Alegre. Com a nova fábrica, as características de uma pequena organização, com 20 funcionários e produção artesanal de 5 elevadores no ano de 1955, deram espaço para uma empresa com 300 funcionários e produção de mais de 100 elevadores no ano de Com o mercado em expansão para outros estados do país, 8

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas Competitiva Melhores Práticas A consolidação e a convergência estão intensificando a concretização de operações de - FA (tradicionalmente conhecidas como MA mergers and acquisitions) considerada uma das

Leia mais

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro

COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES. Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro COMO UM CSC PODE ALAVANCAR FUSÕES E AQUISIÇÕES Vanessa Saavedra, Manuela Dantas, Maurício Cavalieri e Rafael Pinheiro Fusão e aquisição (F&A) são termos, por vezes, tratados como sinônimos. Entretanto,

Leia mais

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições

Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Supply Chain Finance 2011 3 Como um CSC pode alavancar Fusões e Aquisições Autores: Vanessa Saavedra/ Manuela Dantas/ Maurício Cavalieri/ Rafael Pinheiro

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS

COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS COACHING: ESTUDO DOS BENEFÍCIOS QUE A TÉCNICA PODE OFERECER A UMA REDE DE IMOBILIÁRIAS E A SEUS PARCEIROS RESUMO Priscila Alves Moreira Robésio Teixeira Gomes Partindo do pressuposto de que o coaching

Leia mais

MBA Executivo Internacional

MBA Executivo Internacional MBA Executivo Internacional Informações* Dias e horários das aulas: Quinzenalmente. Sextas e sábados. Das 08h30 às 17h30. Carga horária: 612 Horas *As informações podem sofrer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Terceiro Setor Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Para que possamos atuar com voluntários, em projetos sociais, em instituições públicas ou privadas é fundamental que se

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6

Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 6 Arquivo Título: A Influência da Cultura Organizacional nos Processos de Fusão e Aquisição Empresarial Autor: Ricardo José Pereira Monteiro Professora Responsável: Prof. Dra. Nilda Maria de Clodoaldo

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

O competitivo mercado de trabalho hoje

O competitivo mercado de trabalho hoje MBA MAUÁ AULA INAUGURAL TURMA 16 O competitivo mercado de trabalho hoje Prof. Helton Haddad Silva São Paulo, 04/08/2003 Conteúdo da Aula Inaugural - O mercado hoje; - O papel do administrador; - O MBA

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas

A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas FATOR HUMANO A importância do RH Uma análise da área de Gestão de Recursos Humanos nas empresas brasileiras revela uma heterogeneidade de conceitos e práticas. Essa heterogeneidade ocorre porque a área

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0366 PERCEPÇÕES DOS PROCESSOS DE LIDERANÇA PÓS-AQUISIÇÃO ALINE DE

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS

ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS MODELOS Djair Picchiai Revisado em 05/04/2010 1 MODELOS DE ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS As organizações têm sido estruturadas de acordo com as funções exercidas pelos seus respectivos

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

O Caminho da Expansão

O Caminho da Expansão O Caminho da Expansão por Luiz Otavio da Silva Nascimento Ao se deparar com um cenário econômico favorável, muitos varejistas optam por continuar o desenvolvimento de suas operações no ritmo sempre adotado,

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS PROGRAMA DA PROVA O exame a ser aplicado na Certificação por Prova, na ênfase Recursos

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr

Projetos na área de TI. Prof. Hélio Engholm Jr Projetos na área de TI Prof. Hélio Engholm Jr Projetos de Software Ciclo de Vida do Projeto Concepção Iniciação Encerramento Planejamento Execução e Controle Revisão Ciclo de Vida do Produto Processos

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Engenharia da Computação RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais