O Papel da Gestão de Pessoas em Processos de Fusões e Aquisições de Empresas. Resumo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel da Gestão de Pessoas em Processos de Fusões e Aquisições de Empresas. Resumo"

Transcrição

1 O Papel da Gestão de Pessoas em Processos de Fusões e Aquisições de Empresas Autoria: Grace Vieira Becker Resumo Para garantirem um determinado patamar de competitividade, as empresas se vêem compelidas a repensar internamente seus processos de produção, organização e gestão do trabalho, e numa perspectiva externa a vislumbrar novas alternativas de parcerias, uniões, alianças e coligações. Neste contexto, é visível o movimento de empresas no sentido de viabilizarem processos de fusões e aquisições. Entretanto, uma análise criteriosa sobre o tema aponta para estatísticas preocupantes que ressaltam as dificuldades enfrentadas pelas organizações nestas situações de mudança. Tal cenário vem estimulando o desenvolvimento de estudos sobre os indivíduos nas fusões e aquisições (F&A). Neste sentido, o objetivo do presente artigo é verificar o papel da Gestão de Pessoas em processos de F&A de empresas. Para a realização do estudo utilizou-se o método de estudo de caso realizado em duas empresas de grande porte que apresentavam processos de fusão e aquisição já consolidados. Os resultados mostram a importância de ações sistematizadas de Gestão de Pessoas na condução dos processos de F&A e em quais ações estas empresas concentram seus esforços. INTRODUÇÃO Mudança e transformação são palavras que ilustram o movimento das empresas frente ao contexto formado após o processo de reestruturação da economia mundial, a partir dos anos 80. Para garantirem um determinado patamar de competitividade, as empresas se vêem compelidas a repensar internamente seus processos de produção, organização e gestão do trabalho, e numa perspectiva externa a vislumbrar novas alternativas de parcerias, uniões, alianças e coligações. Neste processo dinâmico de se unificarem variáveis externas e internas numa só unidade, a gestão das pessoas ocupa um espaço importante, na medida em que a capacidade de uma empresa manter-se viva reside na disposição dos seus integrantes de internalizarem novas estratégias, criarem alternativas de ação e construírem novos cenários. A partir desta perspectiva, se pretende justamente verificar a real contribuição da Gestão das Pessoas nos processos de aquisições e fusões de empresas, o que corriqueiramente parece se resumir em atividades de identificar e demitir profissionais que não agregam valor para a nova organização. Apesar disso, estes processos apresentam-se freqüentemente na mídia como casos de sucesso. Entretanto, pesquisas mais minuciosas sobre o assunto não demonstram o happy end tão desejado. Apresentam sim informações e percentuais que assustam até os mais firmes dos namoros (Cliffe, 1999; McLean, 2000; Creswell, 2000; Nadler e Limpert, 1994; McKinsey & Co, 1992). O desvendar da literatura levantada sobre o tema aponta algumas dificuldades enfrentadas em situações de fusões e aquisições de empresas que contribuem para aumentar o percentual dos casos de fracasso: a falta de domínio das questões jurídicas e legais, a incompatibilidade contábil-financeira, desentendimentos nas definições estratégicas e o choque cultural das organizações envolvidas nestes processos. Além disso, percebe-se que a maioria das pesquisas sobre fusões e aquisições focaliza justamente estudos sobre a questão financeira, jurídica e legal. Nos últimos anos, com a chamada mergermania, um olhar mais cuidadoso sobre estes expressivos percentuais nos casos de fracassos vem estimulando o desenvolvimento de estudos sobre as pessoas nas fusões e aquisições - F&A, principalmente em relação ao encontro de culturas. Segundo os estudiosos, são as pessoas e seus sentimentos os grandes 1

2 responsáveis pelos maiores fracassos e maiores sucessos nestes processos (Devoge e Shiraki, 2000; The Economist, 2000; Miller, 2000, Cliffe, 1999). Desta forma, mobilizar e conduzir profissionais em contextos de grandes transformações, como os de união de duas empresas, parecem ser pontos críticos na Gestão de Pessoas. A carência de literatura sobre um espectro maior de conclusões em relação aos impactos dos processos de fusões e aquisições nos profissionais e as ações de gestão de pessoas que norteiam estas circunstâncias motivaram a elaboração deste trabalho. Neste sentido, o objetivo do presente artigo é verificar o papel da Gestão de Pessoas em processos de F&A de empresas. A estrutura compreende os seguintes tópicos: a discussão teórica que destaca as diferentes tipologias relacionadas às associações de empresas e o alinhamento das funções de Gestão de Pessoas em processos de fusões e aquisições de empresas; a metodologia de natureza qualitativa desenvolvida através de estudo de casos; a descrição e a análise dos casos estudados frente às situações de F&A. 1 FUSÕES, AQUISIÇÕES, ASSOCIAÇÕES. QUAIS AS DIFERENÇAS? Na prática, é freqüente a confusão entre as diferentes combinações possíveis no que se refere a associações e uniões de empresas, principalmente em relação aos termos fusões e aquisições. Para uma melhor compreensão da questão e delimitação do escopo deste estudo, torna-se necessário a apresentação e o esclarecimento destes conceitos. A aquisição pode ser definida como a obtenção por uma empresa da propriedade controladora de outra empresa (a adquirida) com a intenção de conservá-la e operá-la (Nadler e Limpert, 1994). Um pouco distinto é o conceito de fusão que caracteriza os casos de combinação de duas organizações, de modo a preservar uma e eliminar a outra (Reed e Lajoux, 1995). Vale destacar que a fusão pressupõe a integração de duas empresas em uma só. Quando há apenas aquisição, sem fusão, a compradora tem a possibilidade de operar a adquirida de maneira independente, o que significa que o impacto sobre a cultura organizacional poderá ser mínimo ou até inexistente. O processo de fusão, conforme o grau de similaridade entre os segmentos das empresas envolvidas, pode ser classificado em horizontal, vertical ou por conglomerados (BNDES, 1999). Resumidamente, na fusão horizontal as duas empresas pertencem a um mesmo segmento e a união possivelmente proporcionará economias de escala. Já na vertical, a fusão se dá em empresas que estão à frente ou atrás na cadeia produtiva. Entre as vantagens associadas a este tipo de fusão estão a garantia de matérias-primas, maior facilidade na distribuição dos produtos e possível aprimoramento na administração da produção uma vez que o gerenciamento dos estoques será mais efetivo. E por fim, a fusão por conglomerados envolve empresas com setores não relacionados. Neste tipo de fusão o enfoque está na diversificação do negócio, ampliação na linha de produtos e no aproveitamento das oportunidades de investimentos (BNDES, 1999). O Quadro 1 destaca as principais diferenças entre os conceitos envolvidos na associação e união de empresas. Quadro 1: União e associação de empresas principais tipologias TIPOLOGIA DESCRIÇÃO Aliança Associação entre duas ou mais empresas que empenham recursos comuns para juntamente desenvolverem uma nova atividade. Joint venture Literalmente significa união de risco. Associação de empresas para o desenvolvimento e execução de projetos específicos sem caracterizar sociedade ou nova companhia. Consórcio Grupo de empresas formado para a aquisição de outra empresa, execução de uma obra ou financiamento de um projeto de grande envergadura. Contrato de Acordo, pacto ou convenção entre empresas para a execução de atividade comum. Longa Duração Fusão União de duas ou mais companhias que formam uma única empresa, geralmente sob controle administrativo da maior ou da mais próspera. 2

3 Aquisição Compra de controle acionário de uma empresa por outra. Fonte: Rossetti (2001) 2 ALINHANDO AS FUNÇÕES DE GESTÃO DE PESSOAS AOS PROCESSOS DE FUSÕES E AQUISIÇÕES Como destacado anteriormente ainda são escassos os estudos que relacionam Gestão de Pessoas a processos de fusões e aquisições de empresas, reduzindo as perspectivas de uma análise mais criteriosa sobre o real impacto das F&A nesse campo. Independente disso, nos anos 90 o movimento denominado mergermania vem se acentuando. Proporcionalmente a este crescimento verifica-se o aumento dos casos de insucesso nestes processos. Dados afirmam que apenas 15% das fusões atingem seus objetivos financeiros; outros indicam que os fracassos em fusões e aquisições oscilam entre 65 a 85% dos casos (Nadler e Limpert, 1994; McKinsey & Co, 1992). Pesquisas mais recentes revelam que metade das empresas que passaram por F&A não conseguem manter o valor de suas ações dois anos depois da transação estar fechada e que menos que 50% das fusões agregam valor (The Economist, 2000). Ao invés de partir logo para uma caça às bruxas, Devoge e Shiraki (2000) preocuparam-se em verificar como aumentar as vantagens que estariam nesta minoria bem sucedida de empresas. Com esta inquietação, os autores saíram a campo e perguntaram a um conjunto de empresas qual era o principal fator a ser considerado antes, durante e depois da fusão e quais as práticas que foram adotadas (ou deveriam ter sido adotadas) para gerar uma diferença positiva. Resumidamente, a principal conclusão destes autores é que os fatores que são mais pobremente conduzidos durante processos de aquisições e fusões e que mais determinam seu sucesso são aqueles que afetam os empregados das organizações envolvidas. Outro aspecto ressaltado na pesquisa demonstra um imenso gap entre a importância atribuída a determinadas políticas e práticas e sua real aplicação nas empresas pesquisadas. Para justificar estes enormes gaps, as empresas afirmaram não existirem rotinas e critérios prédefinidos no processo de fusão. Nos depoimentos apresentados na obra de Devoge e Shiraki (2000, p.27), a informação era de que a fusão assumia uma vida própria e esmagava as melhores intenções para administrá-la. Entretanto, tranqüilizam os autores, muitas empresas estabelecem objetivos na fase que antecede a fusão o que diminui a névoa e a fantasia do processo. Apesar destas constatações, os resultados mais enriquecedores se referem à definição de people factors que responde a principal inquietação dos autores. Dentre cinco fatores destacados em cada fase (antes, durante e depois da fusão) os mais citados pelos entrevistados foram os seguintes: Antes da fusão: Atentar para os aspectos culturais; Durante a fusão: Intensificar o processo de comunicação; Depois da fusão: Colocar a pessoa certa no lugar certo; Entre os fatores de natureza cultural pode-se citar: modos distintos de tratar clientes, fornecedores e colaboradores; tipo e nível de participação na tomada de decisão em cada organização; velocidade e processo na tomada de decisões diferentes; nível de formalidade e controle; expectativa de desempenho; nível de tolerância ao risco; e diferenças na orientação de custo/qualidade (Miller, 2000). O momento de fusão representa um episódio crítico na formação e consolidação de uma cultura. Elementos culturais podem emergir como obstáculos à fusão. Valores e crenças muitas vezes antagônicos são confrontados no processo de consolidação da forma de atuar, sentir e pensar dos indivíduos com relação ao ambiente externo e interno. Nas duas possibilidades a saber: a cultura tomada como barreira à fusão, ou a cultura sendo transformada por uma experiência de fusão, a questão recai na necessidade de verificar a cultura das organizações envolvidas no processo de fusão e na de determinar a cultura 3

4 apropriada para a nova organização (Devoge e Shiraki, 2000), desde que ela faça sentido para as pessoas, pois os valores de uma organização devem ser descobertos e não impostos. Assim como a cultura, a comunicação da visão e metas da organização é também considerada um aspecto crítico em processos de F&A, mas nem por isso é bem administrada. Para Devoge e Shiraki, são tantos assuntos que envolvem uma fusão que muitas vezes a liderança esquece de comunicar para os empregados a visão e a nova direção da organização. Outras vezes, a administração tenta colocar em evidência todos os detalhes do processo, entretanto falha ao utilizar meios inadequados, carentes da credibilidade necessária para este importante propósito, como por exemplo, o jornal da empresa. Segundo os autores, em momentos de mudanças que poderão afetar o futuro dos empregados, empresas que conseguem sucesso nos processos de comunicação utilizam métodos intensivos e personalizados, tais como encontros face-a-face com a liderança, entrevistas com os responsáveis pela F&A e outras técnicas informais de comunicação, em adição aos métodos mais tradicionais de aproximação com os funcionários. Várias empresas utilizam o treinamento como uma forma de garantir a transparência e ajudar a desenvolver uma linguagem comum, assim como estimular o diálogo para aliviar as tensões inerentes aos processos de mudança (Barros, 2001). Todas essas técnicas de nada adiantariam se não estimulassem o comprometimento dos funcionários. O processo de comunicação é importante para despertar nos empregados um sentimento de participação nas mudanças, muitas vezes resgatando a confiança perdida pelas decisões tomadas na fase inicial da fusão. Quando os empregados sentem que estes fatores estão presentes, eles ficam motivados para ajudar e fazer o sucesso do processo de fusão. Na sua ausência, entretanto, alguns empregados - usualmente aqueles com habilidades mais valiosas, recompensarão a carência de atenção pagando com inércia e outras resistências (Devoge e Shiraki, 2000, p.30). O último, mas não menos importante aspecto observado pela pesquisa realizada por Devoge e Shiraki, diz respeito à seleção e alocação das pessoas nos processos de fusão de empresas. Nesta perspectiva, a definição mais complicada relaciona-se ao nível da alta gerência, pois nestes níveis a dimensão do poder é mais relevante. Mesmo entre pessoas que compartilham valores semelhantes, pode haver interesses diferentes em jogo e, portanto, disputas de poder. No caso de fusão organizacional isto é imediato: a consolidação das equipes é inevitável. Daí evidencia-se o conflito. Para Devoge e Shiraki, o timing da identificação da liderança é decisivo na articulação do negócio. Alguns participantes do estudo disseram que esperaram muito tempo para iniciarem as mudanças críticas. Eles concordaram que a liderança sênior deveria ter sido identificada quase que imediatamente aos outros níveis de administração, realizando-se ajustes adicionais assim que necessários. Selecionar e reter as pessoas certas para atuarem em determinadas funções nunca foi novidade, entretanto nas fusões e aquisições este desafio torna-se maior. Nestes processos, criam-se novos relacionamentos, modificam-se as exigências, alteram-se as condições e o ambiente de trabalho e em muitas vezes desconfiguram-se o estilo de administrar e o negócio da empresa de origem. Tais impactos muitas vezes exigem uma grande capacidade das pessoas de enfrentarem tão intensas mudanças e habilidades das lideranças para conduzirem este processo. Neste contexto, a próxima seção apresenta a metodologia adotada neste artigo. 3 METODOLOGIA A metodologia desenvolvida nesta pesquisa é de natureza qualitativa desenvolvida através de estudo de casos. Para Godoy, o objetivo principal do estudo de caso, como tipo de pesquisa, é 4

5 analisar intensivamente uma dada unidade social, aprofundando a descrição de um determinado fenômeno. Este método tem sido amplamente utilizado por pesquisadores que procuram responder a questões relacionadas a como e por quê certos fenômenos ocorrem. Além disso, é também adotado quando o interesse central da pesquisa recair sobre fenômenos atuais, que só poderão ser analisados dentro de algum contexto de vida real (Godoy, 1995, p.25). Sob esta perspectiva metodológica estrutura-se o presente trabalho que tem por objetivo estudar o papel da Gestão de Pessoas em empresas que passaram por processos de F&A. Para tanto, duas empresas participaram deste estudo: A Springer Carrier ilustrando o caso de fusão e a Thyssen Sûr o de aquisição. Um aspecto importante a ser considerado é a condição das empresas no processo de aquisição e fusão. Na situação que representa a fusão, a Springer Carrier comprou a outra empresa e incorporou as atividades desta empresa no seu processo produtivo. Já no caso da Thyssen Sûr a situação é oposta, uma vez que foi ela a comprada. O entendimento desta condição é necessário pois elucida várias constatações realizadas na transcorrer do trabalho. Terem passado por processos de fusão ou aquisição, estarem com estes processos já consolidados e proporcionarem acesso aos dados e às informações solicitadas foram os critérios utilizados para a seleção das empresas participantes do estudo. Na Thyssen Sûr dois funcionários foram entrevistados: o Chefe do Departamento de Contabilidade e o Gerente de RH. Na Springer Carrier participou da entrevista o Gerente de RH. As entrevistas foram pessoais e gravadas. A pesquisadora explicou o objetivo do trabalho e os entrevistados responderam livremente, respeitando os limites do assunto em análise. 4 SPRINGER CARRIER - O CASO QUE ILUSTRA A SITUAÇÃO DE FUSÃO ORGANIZACIONAL A Empresa Springer & Cia, inspirada no nome de seu fundador Charles Springer, foi constituída em 1934 tendo como negócio central a representação e fixação de refrigeradores comerciais. Calcada no espírito empreendedor, a empresa se destaca pelo pioneirismo de seus produtos: nas décadas de 50 e 60 a Springer lança o primeiro condicionador de ar de janela da América Latina, o primeiro refrigerador retangular e exaustor de ar além do primeiro televisor preto e branco portátil no Brasil. O parque industrial da empresa, no município de Canoas no Rio Grande do Sul, foi concluído em 1966 e marcou mais uma etapa de crescimento da empresa. Em 1983, a Springer uniu-se à Carrier Corporation maior empresa do mundo na fabricação de condicionadores de ar comerciais e residenciais, através de uma join-venture, mudando seu nome para Springer Carrier. Neste momento, com a incorporação da tecnologia da Carrier, a Springer Carrier muda seu posicionamento estratégico da diversificação de produtos para a especialização, concentrando seus esforços na produção de condicionadores de ar. Atualmente a Springer Carrier conta com 1002 funcionários distribuídos nas fábricas de Canoas (principal) e Manaus e filiais em São Paulo, Rio de Janeiro e Recife. Com esta estrutura, consolida sua posição como a maior fabricante de equipamentos de condicionamento de ar no Brasil, sendo a única empresa que oferece desde equipamentos do tipo janela aos sistemas centrais de refrigeração. 4.1 Processo de Fusão A união da Springer com a Carrier, conforme destacado anteriormente, se refere à fusão macro, que define o nome e a estrutura da empresa até os dias atuais. Neste último ano, a empresa está envolvida em três outros casos de fusões. O caso em que este estudo estará sustentado é na fusão da Springer Carrier com a empresa Tropical Bryant, ocorrida em No momento em que foi adquirida, a Tropical Bryant concorria com a Springer Carrier numa linha de produtos, principalmente em equipamentos de média capacidade. A Tropical era uma 5

6 empresa pequena, de administração familiar, com aproximadamente 150 funcionários e se localizava em São Paulo. Num primeiro momento, a Springer Carrier com intuito de assumir o controle da empresa, destacou um diretor para administrar a Tropical e colocou duas pessoas de confiança ocupando níveis de gerência. Toda a administração foi modificada. Esta alteração foi necessária, segundo o gerente de RH da Springer, porque a administração era muito paternalista e informal, sustentada pelo antigo dono. A Springer comprou a Tropical basicamente por três aspectos: porque era uma empresa que tinha uma parcela do mercado interessante ao seu segmento, era uma empresa reconhecida por essa participação (benchmarking no mercado) e, principalmente, porque era uma empresa muito focada no cliente, muito flexível às demandas do mercado. Este foi o aspecto determinante na compra, uma vez que eles fabricavam o produto conforme o desejo e às necessidades do cliente. A Tropical apresentava como característica marcante uma flexibilidade de manufatura e de produção de produtos. Este aspecto merece destaque porque era de interesse da Springer aprender como ser mais flexível, estar mais perto dos desejos dos clientes. Para uma empresa grande, multinacional, esta mudança representa um desafio, pois o enfoque é muito mais no sentido de projetar e desenvolver produtos com base nas demandas do mercado, mas oferecendo um produto préconcebido. Acostumados a normas, regras e procedimentos, cada projeto obedece a uma série de preceitos formais. No momento que assumiram uma empresa de origem familiar, com procedimentos extremamente informais, com nada no papel, apenas na cabeça das pessoas, passaram por um choque inicial. Em Diadema - São Paulo, funcionava toda a Área Administrativa, Comercial e Técnica da Tropical. No ano de 1996, a Tropical era considerada uma Unidade de Negócios, tendo suas atividades completamente independentes da Springer. As práticas de gestão eram sempre acompanhadas mesmo à distância e estavam alinhadas ao negócio do Grupo multinacional. Desta forma a Tropical foi conduzida até o ano de Apesar de não ter sido inicialmente a intenção da Springer, neste ano tomou-se a decisão de transferir a Área Técnica, de Produção e Administrativa da Tropical para a planta de Canoas RS, só ficando em SP a Área Comercial e Assistência Técnica. Mesmo funcionando em Canoas, no primeiro momento desta transição a Tropical ainda trabalhou com uma estrutura independente, como uma Unidade de Negócio. Com o passar do tempo, a Tropical acumulou experiências e adquiriu conhecimentos sobre o produto da Springer Carrier. Essa nova condição permitiu que a empresa se tornasse uma linha de produtos completamente integrada à planta da Springer. É claro que a questão do custo de ter duas estruturas paralelas também foi fundamental para esta decisão, apesar da Springer assumir o risco de perder as características marcantes de flexibilidade, diferenciação e portfólio de produtos da Tropical. Num primeiro momento, os funcionários alocados de SP para trabalhar na Unidade da Tropical (agora em Canoas), mesmo pertencendo à mesma planta, eram encarados como diferentes. Sentimento perfeitamente compreensível, uma vez que o ritmo de trabalho, as novas exigências por qualidade e por formalização dos procedimentos eram muito diferentes além do sentimento de perda do grupo de amigos, troca de cidade e mudança na identidade do negócio da Tropical. O trabalho de RH neste momento foi fundamental. A unificação do uniforme, dos crachás e do ambiente de trabalho contribuiu para a integração das pessoas. Hoje, segundo o Gerente de RH, a operação na linha de produtos da Tropical funciona muito bem e está totalmente incorporada na Springer Carrier, apresentando condições bem superiores às que tinha em SP. 4.2 Cultura - o maior aprendizado A questão da cultura, no caso da Springer apresenta-se de forma peculiar, uma vez que se caracterizou por ser um dos principais motivos que influenciaram a compra da Tropical. Realizando-se um contraponto entre as duas culturas, constatam-se diferenças que traduzem a 6

7 forma com que os valores, crenças e experiências foram internalizados por seus membros em cada organização, conforme o Quadro 2, abaixo. Quadro 2: Contraponto de culturas Cultura Springer Carrier Cultura Tropical Empresa multinacional de grande porte Empresa familiar de pequeno porte Procedimentos Formais Procedimentos completamente informais Existência de normas, regulamentos Paternalista Processo decisório rígido, hierarquizado Produção flexível Foco no produto Foco no cliente Fonte: elaborado a partir dos dados coletados. O interesse da Springer era tentar aprender com a Tropical sua informalidade e seu modo de se adaptar com flexibilidade e rapidez às necessidades dos clientes. Para o Gerente de RH, houve um aprendizado mútuo em todas as fases do processo: numa primeira fase, quando a empresa funcionava independentemente como Unidade de Negócios da Springer em São Paulo, na fase de transferência da empresa para a planta de Canoas e na fase atual. É claro que, com a fusão, a Tropical perdeu muito de sua informalidade, pois na Springer os processos são muito mais formalizados e organizados. E eu percebo também que houve uma contribuição grande no sentido de fazerem as pessoas terem uma cabeça mais aberta às demandas do mercado, às necessidades dos clientes ressaltou o Gerente da Springer. Sob esta perspectiva, Senn destaca que Uma vez que a organização adquira maior consciência de suas próprias forças e fraquezas culturais, bem como de suas características organizacionais, ela pode usar estas informações para começar a articular uma cultura mais sadia, para apoiar a aquisição e o sucesso interno adicional. (Senn, 1995, p.284) Segundo relato do Gerente, o maior aprendizado foi das pessoas que se envolveram diretamente com o processo. Estas pessoas passaram a ser mais abertas para a necessidade dos clientes e procurar, dentro do possível, flexibilizar as necessidades às demandas do mercado. Entretanto, o próprio Gerente admite que essa mudança não teve os impactos desejados inicialmente pois, em processos de aquisições e fusões, é normal o menor ser engolido pelo maior. 4.3 O Papel de RH no Processo de Fusão de Empresas Assim que a Tropical foi adquirida, destaca-se a iniciativa de RH realizar uma espécie de treinamento com os funcionários em São Paulo cujo objetivo foi mostrar a cultura da Springer Carrier e os valores morais e éticos do Grupo multinacional. Por ser uma empresa extremamente informal, a discussão destes assuntos representou uma novidade para os funcionários da Tropical. Este foi um trabalho muito delicado, pois queríamos contribuir para o alinhamento do negócio e para a integração das equipes de trabalho do RS e de SP, mas sem matar o conceito de negócio deles, destacou o Gerente de RH. Para Barros (2001) este treinamento deve apoiar as pessoas quando voltarem aos seus postos de trabalho e construir pontes para que as relações entre as pessoas sejam mais afetivas. Num segundo momento, caracterizado pelo período de transição da Tropical para Canoas, RH destacou-se por negociar a transferência das pessoas. Como transferir? Quem transferir? Este período de transição marcou uma fase de instabilidade. Para o Gerente de RH, a perda de pessoas-chave descaracterizou a fusão. As pessoas que vieram foram escolhidas em função de seu conhecimento, experiência e posição. Segundo O Rourke (1995), ninguém gosta de demitir, mas se isso for necessário, os responsáveis pelo processo devem ser abertos e sinceros. Além disso, as decisões sobre desligamentos devem ser rápidas para que o estado de 7

8 ansiedade e tensão das pessoas seja o mais breve possível. Segundo o autor, numa situação de reestruturação, a rapidez com que o adquirente realiza as mudanças faz a diferença. Entretanto, no caso analisado, a pressa em conduzir este processo acabou por deixar algumas pessoas importantes para trás, comentou o Gerente. Um outro aspecto que mobilizou as atenções de RH e que foi aprendido simultaneamente ao surgimento da necessidade foi o respeito e a consideração aos aspectos subjetivos e intangíveis tais como fatores culturais, por exemplo. À primeira vista, a empresa estava muito mais preocupada com a questão dos custos, número de máquinas, produtividade, lucro....têm uma série de fatores que contribuem muito e que naquele momento não foram considerados e causaram as grandes barreiras, principalmente nos primeiros meses. Aqui (Canoas/RS) nós tivemos uma certa dificuldade em ter um ritmo de produção semelhante ao de lá (SP), em ter a mesma produtividade, garantir a qualidade dos produtos, o prazo de entrega e conseqüentemente a dificuldade de manter o faturamento. Nós enfrentamos uma série de contratempos por não termos dedicado atenção a estes fatores talvez não tão quantificáveis e tangíveis, destacou o Gerente. Uma análise mais profunda sobre o papel de RH ressalta que a fusão foi um legítimo processo de aprendizagem. E isso implica em aprender a agir conforme as novas configurações dos acontecimentos. Saber lidar com os imprevistos, se caracteriza como o principal desafio em processos de mudanças. Entretanto, a aprendizagem com a experiência pode ser um processo muitas vezes desgastante, uma vez que a falta de sistematização ou de procedimentos formalizados e organizados aumentam o período de insegurança das pessoas envolvidas e dissipam os esforços necessários à condução da mudança. Nesta perspectiva, até o aprendizado deve ser planejado para não diminuir a capacidade de prontidão das ações de RH frente as novas demandas da fusão. Mesmo apresentando estas dificuldades, a riqueza do processo de aprendizagem vivenciado pela Springer Carrier concretizou-se na aquisição de um profundo conhecimento: reconhecendo as próprias falhas, identificado os pontos críticos (importância dos aspectos intangíveis) e verificando que o tempo de execução não foi adequado. É importante destacar que esse aprendizado é extremamente valorizado pela organização e é a base de um conjunto de conquistas na Gestão de Pessoas na Empresa. Atualmente as atividades de RH na Springer são consideradas benchmarking para toda a comunidade empresarial. Eleita uma das 100 Melhores Empresas para se Trabalhar, em pesquisa de abrangência nacional realizada pela Revista Exame, a Empresa se destaca no alto grau de satisfação de seus funcionários. A pesquisa, realizada anualmente, apresentou um índice de satisfação de aproximadamente 70% (Dados do Balanço Social de 2000). A este sentimento destacam-se as seguintes práticas: programa de desenvolvimento de lideranças, reforço do processo de avaliação dos funcionários, ênfase na comunicação interna, consolidação do sistema de qualidade, promoção da Política de Ética e do Programa Diálogo, otimização das ações de treinamento, educação e desenvolvimento de pessoas e campanha institucional com foco no cliente (Dados do Balanço Social de 2000). 5 THYSSEN SÛR - O CASO QUE ILUSTRA A SITUAÇÃO DE AQUISIÇÃO ORGANIZACIONAL A Empresa Elevadores Sûr S/A Indústria e Comércio foi fundada em 1945 e inicialmente dedicava-se à mecânica de precisão na fabricação de relógios-ponto. Em 1965, o aumento da produção e a falta de espaço para a ampliação da fábrica, obrigaram a empresa a mudar sua planta para aproximadamente 30 Km de Porto Alegre. Com a nova fábrica, as características de uma pequena organização, com 20 funcionários e produção artesanal de 5 elevadores no ano de 1955, deram espaço para uma empresa com 300 funcionários e produção de mais de 100 elevadores no ano de Com o mercado em expansão para outros estados do país, 8

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas Competitiva Melhores Práticas A consolidação e a convergência estão intensificando a concretização de operações de - FA (tradicionalmente conhecidas como MA mergers and acquisitions) considerada uma das

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean

Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Maximizando o Ciclo de Vida do Lean Nos últimos anos, muitas empresas tiveram contato com o Lean e se impressionaram com os ganhos que poderiam obter. Tratava-se de uma nova abordagem de negócios, e que

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio.

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio. Gestão Corporativa Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. PROCESSOS PESSOAS TECNOLOGIA

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

5. Tendências na Gestão de Pessoas *

5. Tendências na Gestão de Pessoas * 5. Tendências na Gestão de Pessoas * Trabalho há mais de dez anos como coach e consultora de desenvolvimento humano e organizacional. Minha formação acadêmica é em Engenharia Eletrônica, e antes da grande

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management

Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management CUSTOMER SUCCESS STORY Sicredi aprimora monitoramento de data center com o CA Data Center Infrastructure Management PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços Financeiros Empresa: Sicredi Funcionários: 12.000+

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais