Licenciado em design de comunicação e produção audiovisual; mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Licenciado em design de comunicação e produção audiovisual; mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB."

Transcrição

1 PLANO DE NEGÓCIOS

2

3 AGROOP: Novo Impulso plano de Negócios BRUNO FOnsecA Licenciado em design multimédia e mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB. É o fundador do projeto, responsável pela gestão da marca, branding, comunicação e estratégia corporativa. BRUNO RODRIGUes Licenciado em design de comunicação e produção audiovisual; mestre em design gráfico/ comunicação pelo IPCB. É o elemento responsável pela gestão de design, desenvolvimento da identidade visual corporativa e layout da multiplataforma. TIAGO CARVALHINHO Licenciado em design industrial pela UBI e mestrando em design gráfico na ESAD. É o responsável pelas relações públicas, com parceitos e potenciais clientes. É também responsável pela produção audiovisual e marketing vídeo. 1

4 Plano de Negócios O impulso faz parte do salto. SPARKIS, Halil Os homens de negócio não precisam apenas de compreender melhor os designers; precisam de ser tornar designers. MARTIN, Roger - Reitor, Rotman School of Managment II

5 AGROOP: Novo Impulso Conteúdo Plano de Negócios Sumário executivo Como surgiu a ideia e quem é a equipa? O que é a AGROOP? AGROOP Social Agroop Pedagógica AGROOP Comercial Missão Quem são os potenciais clientes? o mercado concorrentes diferenciação POsicionamenTO análise swot EsTRATégia comercial estratégia de comunicação PROjeções de venda PRevisão de Cash flow e resultados líquidos FORnecimenTO de serviços externos PRevisões de recursos humanos gestão e controlo de negócio investimento necessário Iii

6

7 AGROOP: Novo Impulso Plano de Negócios (start-up plan Sumário Executivo A Agroop é uma multiplataforma destinada ao setor agrícola, constituída por 4 vertentes complementares: É um software multiplataforma de gestão operacional que permitirá às associações/ cooperativas aceder em tempo real aos dados gerados pelos seus associados. É uma rede social destinada ao setor agrícola, onde os diversos agentes agroalimentares poderão comunicar e criar sinergias. É uma rede que permitirá, que agricultores e outros agentes, consultem informação técnica especializada em vídeo (workshops e tutoriais agrícolas), percebam as principais tendências e inovações do mercado, acompanhem as cotações de commodities agrícolas, acessem a uma secção de classificados (bolsa de terrenos, trabalho e equipamento em segunda mão) e consultem um forúm de apoio técnico em agronomia. É um mercado agrícola online, onde associações, cooperativas e produtores poderão vender as suas produções e onde os agentes agrícolas poderão consultar uma base de dados de fornecedores e compradores nacionais e internacionais. Este sistema Agroop, destina-se principalmente a todos os novos e jovens agricultores que possuam uma postura de gestão mais sofisticada e profissionalizada, mas também a associações, cooperativas, grossistas, retalhistas, indústria agro-alimentar que queiram fazer parte deste novo paradigma agrícola. Optou-se por dividir a Agroop em 4 subprojetos, para possibilitar um desenvolvimento mais coeso e uma estrutura complementar que por sua vez consiga acompanhar e apoiar os agricultores em várias frentes (Figura 01), ao longo da sua atividade (produção, networking, aprendizagem e venda). Inicialmente o teste de conceito e tração de mercado irá ser feito em Portugal, onde se estipula existirem cerca de potenciais clientes da Agroop 01

8 Plano de Negócios Figura 01. Variantes Agroop. Fonte: Agroop. Operacional e possíveis utilizadores interessados nas restantes variantes (Social, Pedagógica e Comercial). Uma vez que se trata de um conceito com um potencial de escalabilidade elevado, o objetivo será exportá-lo para outros mercados, nomeadamente, estados membros da União Europeia. PRODUÇÃO NETWORKING APRENDIZAGEM E LEITURA DE MERCADO PROMOÇÃO E VENDA 01 Neste momento, o projeto necessita de um investimento de aproximadamente Estima-se que atinja o break-even em meados de 2016 e chegue a um resultado líquido de em 2019 (operando no mercado Ibérico). Nesse mesmo ano, prevê-se que a equipa seja constituída por 25 elementos, dos quais, a grande maioria será altamente qualificada. A frase proferida por Halil Sparkis O impulso faz parte do salto serve de mote para toda a envolvência pretendida para a comunicação da Agroop e o slogan Novo Impulso, reflete a profunda convicção desta marca, de que em qualquer fase de mudança de paradigma é fundamental a existência de elementos disruptivos que ajudem as pessoas a evoluírem nesses períodos de transição. A equipa sente-se preparada para esta transição e desejosa de ajudar os agentes agrícolas a ultrapassar todos os desafios futuros. Como surgiu a ideia e quem é a equipa? Este projeto surgiu quando Bruno Fonseca (fundador) estava a trabalhar para um projeto agrícola (Real Idanha) na vertente de design e gestão de marca. Em várias conversações com o seu cliente e agricultor (Ricardo Araújo), foram identificadas algumas dificuldades que se viriam a revelar fontes de problematização, que resultariam, por sua vez, na vontade de desenvolver uma projeto como a Agroop. Verificou-se a necessidade da existência de uma ferramenta digital intuitiva, que possibilitasse uma gestão operacional agrícola mais eficiente e simultaneamente um apoio na aprendizagem, comunicação e promoção de agricultores como o Ricardo. Após esta primeira abordagem Bruno Fonseca, Bruno Rodrigues e Tiago Carvalhinho submeteram a ideia ao programa Passaporte para o Empreendedorismo e conseguiram a aprovação do projeto (taxa de aprovação de 25%), em Através de benchmarking, chegou-se à conclusão que seria uma mais-valia a génese da equipa ter como principais valências, disciplinas como design, branding e gestão de marca, uma vez que, um dos principais problemas 02

9 AGROOP: Novo Impulso Figura 02. Conpetências ecercídas no projeto/ empresa. Fonte: Agroop. apontados pelos agricultores e associações contactadas, era o facto de os softwares existentes serem muito complexos e muito pouco intuitivos. No entanto, e tendo em conta que se trata de um projeto agrícola com uma forte componente tecnológica, rapidamente se juntaram à equipa, dois engenheiros agrónomos e um programador sénior, que viriam complementar as competências dos 3 promotores iniciais. A imagem (Figura 02) demostra a constituição atual da equipa, as valências e funções exercidas no projeto. DESIGN COMUNICAÇÃO BRANDING MARKETING BRANDING COMUNICAÇÃO GESTÃO MARKETING DESING COMUNICAÇÃO BRANGING GESTÃO DANIEL RAPOSO É doutorado em Design, pela Universidade de Aveiro e docente na Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco. É autor de vários livros na sua área metodológica e já foi presidente da Associação Nacional de Designers. Assume neste projeto o papel de mentor. BRUNO FONSECA Tem 28 anos, é licenciado em Design Multimédia e mestre em Design de Comunicação pelo IPCB. É o fundador do projeto, responsável pela gestão da marca, branding, comunicação e estratégia corporativa. BRUNO RODRIGUES Tem 24 anos, é licenciado em Design Comunicação e mestre em Design de Gráfico pelo IPCB. É o elemento responsável pela gestão do design, desenvolvimento da identidade visual corporativa e layout da multiplataforma. COMUNICAÇÃO DESIGN TIAGO CARVALHINHO Tem 24 anos, é licenciado em Design Industrial pela UBI e mestrando em Design Gráfico na ESAD. É o responsável pelas relações públicas, com parceiros e potenciais clientes. É também o membro responsável pela produção audiovisual e marketing vídeo. AGRONOMIA BRANGING GESTÃO JOÃO PRETO Tem 38 anos, é licenciado em Engenharia de Produção Hortofrutícola. Possui em Msc International Horticulture & Agribusiness pela Essex University e um MBA pela AESE/IESE. Tem mais de dez anos de experiência na área e desempenha a função de consultor. AGRONOMIA THOMAS PEDRO Tem 38 anos, é licenciado em Tecnologia e Segurança Alimentar pela Universidade Nova de Lisboa. Possui mais de dez anos na área e desempenha a função de consultor. PROGRAMAÇÃO NUNO CRUZ Tem 32 anos, tirou o mestrado em Eng. Informático na Universidade de Coimbra. Tem seis anos de experência em desenvolvimento de software e já trabalhou em projetos dentro e fora de portas. Mentor Membro fundador/ Promotor Tempo inteiro (Bolsista do Passaporte para o Empreendedorismo entre Julho de 2013 e Julho de 2014 Tempo parcial (Integra a equipa a tempo parcial ou como consultor) 02 03

10 Plano de Negócios O que é a agroop? A Agroop é uma multiplataforma tecnológica destinada ao setor agrícola que está dividida em quatro eixos/produtos complementares entre si: AGROOP OPERAciONAL É um software multiplataforma de gestão operacional que permitirá às associações/cooperativas aceder em tempo real aos dados gerados pelos seus associados. Como funciona? Os agricultores, entre muitas outras funcionalidades, poderão adicionar registos de campo e despesas, consultar a estrutura de custos e proveitos da sua atividade, pedir assistência técnica remota, etc Figura 03. Software bilateral. Fonte: Agroop. Uma vez que se trata de um software bilateral, as associações por sua vez poderão aceder em tempo real a alguns dos dados que são gerados pelos seus associados, como por exemplo, a data de previsão de colheita, os estados fenológicos atuais, as atividades agrícolas, as aplicações de fitofármacos executadas e muitos outros dados que permitirão às mesmas, fazer um planeamento e um acompanhamento técnico e comercial muito mais assertivo, eficiente e económico. REGISTOS DE CAMPO PLANEAMENTO ESTRUTURA DE RECEITAS E DESPESAS INTERNET REDUÇÃO DE CUSTOS ASSISTÊNCIA TÉCNICA REMOTA RASTREABILIDADE DO PRODUTO APP. AGRICULTORES TRANSFERÊNCIA DE DADOS DESK. ASSOCIAÇÃO 03 04

11 AGROOP: Novo Impulso AGROOP SOciAL Figura 04. Agroop Social. Fonte: Agroop. É uma rede social que possibilitará aos agentes agrícolas comunicar e criar sinergias entre si. 04 AGROOP PedAGÓGicA Figura 05. Agroop Pedagógica. Fonte: Agroop. É uma rede que permitirá, que agricultores e outros agentes, consultem informação técnica especializada em vídeo (workshops e tutoriais agrícolas), percebam as principais tendências e inovações do mercado, acompanhem as cotações de commodities agrícolas, acessem a uma secção de classificados (bolsa de terrenos, trabalho e equipamento em segunda mão) e consultem um forúm de apoio técnico em agronomia

12 Plano de Negócios AGROOP COmeRciAL Figura 06. Agroop Comercial. Fonte: Agroop. É um mercado agrícola online, onde associações, cooperativas e produtores poderão vender as suas produções e onde os agentes agrícolas poderão consultar uma base de dados de fornecedores e compradores nacionais e internacionais. 06 Missão Quem são os POtenciais clientes? Contribuir para a mudança de paradigma, ajudando a transformar a agricultura num atividade mais sofisticada, profissionalizada e eficiente. A Agroop vai apoiar os atuais e futuros agricultores ao longo das várias vertentes da sua atividade, fazendo com que os mesmos possam operacionalizar, aprender, comunicar e vender melhor. Uma vez que a Agroop é uma plataforma inclusiva e intuitiva, terá como objetivo atingir o maior número de agricultores possível, no entanto, e tendo em conta a realidade atual, o core target serão sempre os jovens agricultores, pois estes, apresentam uma maior propensão para o uso das novas tecnologias e percebem que a competitividade do mercado nacional e internacional exige uma gestão cada vez mais eficiente e profissionalizada. Contudo as variantes social, pedagógica e comercial estão também desenhadas para o sector agroalimentar, nomeadamente, retalhistas, grossistas, indústria transformadora, associações/cooperativas e empresas de consultoria agrícola. Com o objetivo de se determinar com maior convicção o perfil do utilizador core da Agroop, desenvolveu-se uma técnica de análise qualitativa por intermédio do Facebook. 06

13 AGROOP: Novo Impulso Figura 07. Novos Rurais - Farming Culture. Fonte: Disponível em < www. facebook.com/novosrurais. farmingculture>[consult.30 de Abril de 2014]. Foi identificada uma página, intitulada Novos Rurais Farming Culture (Figura 07) que possui um posicionamento onde a Agroop se revê e por conseguinte os fãs da mesma enquadram-se no panorama dos potenciais clientes da marca. A imagem seguinte (Figura 08) reflete as preferências narrativas obtidas pela análise a 50 fãs da página referida, nomeadamente, 27 homens e 23 mulheres com idades compreendidas entre os 35 e 44 anos

14 Plano de Negócios 08 Figura 08. Narrativas recolhidas através das preferências (gostos) descritas pelos fãs da página de Facebook Novos Rurais - Farming Culture). Fonte: Disponível em <https://www.facebook. com/novosrurais.farmingculture?fref=ts> [Consult. 28 de Novembro de 2013]. Pode, num contexto mais amplo, descrever-se o potencial cliente da Agroop, como uma pessoa aventureira, com espírito empreendedor, que gosta de se manter informada sobre o contexto social, económico e cultural envolvente. Sendo uma pessoa atualizada tem uma forte propensão para identificar tendências e oportunidades. O facto de gostar de programas como Governo Sombra ou 5 para a meia noite, denota um sentido de humor apurado e aptidão por um discurso informal, descontraído e direto. Este utilizador, revela também uma maior capacidade de gestão e um desejo por acompanhar um processo organizado que conflua para um fim mais eficiente. Este potencial cliente, assume uma postura de líder contemporâneo e sabe que o poder de um bom trabalho reside no potencial da equipa que o executa. Além do mencionado, é uma pessoa que valoriza a estrutura familiar, é patriota e valoriza muito a gastronomia portuguesa. Tem um carácter pragmático, mas uma postura open mind. Figura 09. QRCODE do vídeo aspiracional. Fonte: Agroop. O mercado O vídeo aspiricional desenvolvido pelos promotores da Agroop visa estabelecer um contacto emocional com este tipo de consumidor. A Agroop está a afirmar que não só acredita nestes novos e jovens agricultores, como pretende ajudálos a atingir os seus objetivos e ambições. Embora o projeto tenha ambições internacionais, será primeiro testado no mercado português. Segundo dados do INE, existem atualmente em Portugal cerca de explorações agrícolas e agricultores. Deste universo, o EUROSTAT indica-nos que 45% fazem da agricultura a sua ocupação principal e que desses; têm menos de 45 anos de idade. 01. Olhos nos olhos. Lisboa, TVI24, 2012 Segundo João Machado 01 (Presidente da CAP), a CAP tem vindo a apoiar cerca de 200 jovens (maioritariamente abaixo dos 40 anos) todos os meses. O presidente caracteriza estes agricultores como indivíduos licenciados, saídos 08

15 AGROOP: Novo Impulso das cidades e com uma formação diversa do mundo agrícola, possuidores de uma visão abrangente, eficiente, moderna e inovadora da agricultura. Já o ES Research, refere que a agricultura em Portugal representa um mercado de 6 mil milhões de euros, um universo empresarial de empresas e cerca de associações/cooperativas agrícolas. Tendo em conta o posicionamento e especificidades da Agroop, os agricultores representam o core target para a vertente operacional no mercado nacional, no entanto, as variantes social, pedagógica e comercial deverão atingir um número de agricultores muito superior ( ), uma vez que, embora, muitos não se dediquem a tempo inteiro à agricultura, terão potencial interesse em fazer parte da comunidade e usufruir das funcionalidades destas variantes. Além disso, outros nichos, nomeadamente, empresas de consultoria agrícola, retalhistas, grossistas e indústria transformadora também serão potenciais utilizadores. 02. Dados de 2003 a 2009 têm como Fonte o Instituto Nacional de Estatística (INE). Projeção FIPA, baseada em valores do INE de 2000 a Figura 10. Número de potenciais utilizadores. Fonte: Agroop Tendo em conta todos estes fatores é expetável que a Agroop, em todas as suas fases, consiga atingir só em Portugal um total de utilizadores ( agricultores empresas dos setor alimentar 02 ). Além do mercado português foram também analisados dados mais concretos sobre outros mercados, por forma a conseguir entender-se o potencial de expansão do projeto. Em determinados casos, observa-se que o número de agricultores não é proporcional à dimensão do mercado, pois, por exemplo, o mercado norte-americano, embora seja muito superior ao português, no que respeita ao número de agricultores não é tão díspar como seria de esperar, uma vez que a tipologia dos mesmos é muito diferente; em média um agricultor norte-americano tem uma exploração agrícola com 760 ha, enquanto que um agricultor português tem em média uma exploração de 12 ha. A Figura 10 explana o número de potenciais utilizadores que a Agroop poderá atingir noutros mercados. Nº de agricultores com idade inferior a 46 anos e que se dedicam a tempo inteiro à agricultura Agricultores com idade inferior a 46 anos. Nº de empresas do setor alimentar Portugal Europa INE e PORDATA (Portugal); EUROSTAT (Europa)

16 Plano de Negócios Nº de agricultores com idade inferior a 46 anos e que se dedicam a tempo inteiro à agricultura Agricultores com idade inferiora 46 anos Espanha França Brasil EUA EUROSTAT (Espanha e França); IBGD (Brasil); NASS (EUA). 10 Curiosidade - Segundo dados recolhidos através do Facebook, existem cerca de utilizadores portugueses relacionados direta ou indiretamente com a atividade agrícola, que possuem smartphone ou tablet com sistema Android. Concorrentes Como já referido, logo no início do desenvolvimento deste projeto, foi feita uma análise de alguns concorrentes, com o intuito de se identificar soluções e limitações, complementar funcionalidades e compreender de uma forma mais detalhada a construção, arquitetura e posicionamento de plataformas e softwares já implementados no mercado. Não se pode considerar que exista uma concorrência direta à Agroop, uma vez que esta constitui-se como uma plataforma integrada, no entanto, existem concorrentes quando a isolamos nas respetivas variantes. Relativamente à Agroop Operacional foram encontrados softwares concorrentes no mercado nacional como o Agrogestão (Figura 11), o Isagri (Figura 12), o Omi4Campo (Figura 13) e o Ruralbit (Figura 14). Já no panorama internacional o software Agsquared (Figura 15) revelou-se o concorrente mais direto. O Agrogestão, o RuralBit e o Isagri (Portugal) têm aproximadamente utilizadores cada e cobram valores iniciais pelos seus programas, que podem variar entre os e os ; cobram também um preço médio anual de 300 pela manutenção dos seus sistemas. Já a Agsquared, que opera no mercado norte-americano tem cerca de utilizadores e cobra uma mensalidade de 23 pela sua utilização. É ainda importante referir que o Isagri é o líder europeu, com cerca de clientes. 10

17 AGROOP: Novo Impulso 11 Figura 11. Agrogestão mobile. Fonte: Disponível em <http://agrogestao. com/ficheiros/agrogest%c3%83o_ MOBILE_Apresentacao.pdf>[Consult.07 de Agosto de 2013]. Figura 12. PDA Isagri. Fonte: Disponível em <http://www.isagri. pt/gps-agricola--isa360/ sistema-degps-agricola-1176.aspx> [Consult.12 de Agosto de 2013] 12 11

18 Plano de Negócios 13 Figura 13. Interface Omi4Campo. Fonte: Omni4Campo Manual Avançado. 14 Figura 14. Interface Ruralbit. Fonte: Disponível em <www.ruralbit.pt/ conteudo.php?idm=18> [Consult.30 de Abril de 2014] 12

19 AGROOP: Novo Impulso 15 Figura 15. Agsquared. Fonte: Disponível em <www. agsquared.com/en/admin/crops> [Consult.30 de Abril de 2014]. Figura 16. Sojabook. Fonte: Disponível em < com> [Consult.01 de Maio de 2014]. A Agroop Social e Pedagógica tem um concorrente argentino chamado Sojabook (Figura 16), que segundo os seus promotores é a primeira rede social agrícola de todo o Mundo. Em cerca de um ano e meio conseguiu atrair utilizadores e fatura mensalmente aproximadamente % dos seus utilizadores são brasileiros. O Sojabook permite que os utilizadores comuniquem entre si, coloquem classificados promovendo os seus produtos e esclareçam dúvidas por intermédio de um fórum com especialistas

20 Plano de Negócios Figura 17. Mercado agrícola online. Fonte: Disponível em < sra.pt/mercadoagricola> [Consult.01 de Maio de 2014]. No que diz respeito à Agroop Comercial foram identificados dois concorrentes, um nacional, Mercado agrícola online (Figura 17) e um internacional, Local harvest (Figura 18). Ambos, permitem que os seus utilizadores promovam os seus produtos online. O Mercado agrícola online da Região Autónoma da Madeira funciona como um intermediário e o Local harvest tem um papel mais interventivo, permitindo a compra diretamente a partir do site. 17 Figura 18. Local harvest. Fonte: Disponível em < localharvest.org/> [Consult.01 de Maio de 2014]

21 AGROOP: Novo Impulso Diferenciação Ao longo do processo estratégico foram identificados e definidos os principais focos de diferenciação da Agroop em relação aos concorrentes. Embora existam concorrentes com abordagens técnicas e comerciais diferentes entre si, conseguem identificar-se pontos comuns onde a Agroop assume uma clara diferenciação. A perceção de uma forma genérica, é a de que os softwares e as marcas analisadas apresentam para com os seus potenciais clientes, uma abordagem excessivamente rígida e impessoal. Da perspetiva técnica, os softwares e plataformas dos concorrentes são na generalidade completos e tecnicamente capazes, no entanto, e tendo em conta as opiniões dos agricultores, não são desenhados para uma utilização intuitiva. Como referido anteriormente, os fundadores da Agroop, tendo em conta o seu background, preocuparam-se desde cedo com uma definição clara da comunicação da marca e da interface gráfica da multiplataforma. A equipa da Agroop acredita que uma marca deve ter vida, ser sexy, intuitiva e revelar uma personalidade. As pessoas de forma intrínseca fazem escolhas e compras porque determinados produtos as remetem para valores, arquétipos e sensações com que se identificam. Em suma, a Agroop é diferente, porque comunica de forma clara e emocional, porque coloca sempre o utilizador no centro do desenvolvimento e design do produto. Do ponto de vista mais técnico a Agroop é diferenciadora, pois permitirá uma utilização transversal, que apoia várias áreas de atuação da atividade agrícola (gestão operacional, pedagogia, promoção e venda). Por último e não menos importante, é uma solução tecnológica transparente, pois as associação poderão ter acesso em tempo real, aos dados gerados pelos seus associados. Posicionamento O posicionamento representa a área de atuação de uma marca relativamente aos seus concorrentes e a forma como esta pretende vincar as suas premissas dentro dessa posição. Segundo a pesquisa feita anteriormente, relativamente às principais marcas concorrentes, é possível concluir que possuem posicionamentos significativamente idênticos entre si. No processo de branding da Agroop foi decidido que esta marca iria posicionar-se enquanto identidade e comunicação, num espetro mais contemporâneo e emocional, por forma a conseguir vincar nos seus públicos uma perceção mais distinta e diferenciadora dentro do mercado. O gráfico seguinte (Figura 19) representa o posicionamento pretendido: 15

22 Plano de Negócios Tradicional Figura 19. Posicionamento da Agroop face aos concorrentes Fonte: Agroop Racional Emocional contemporâneo 19 Análise SWOT FATORES CRÍTICOS INTERNOS Forças. Forte dinâmica de processos de design e gestão de marca (know-how dos promotores/fundadores).. Elevado potencial de internacionalização e escalabilidade do projecto.. Elevado grau de inovação e diferenciação.. Produtos são adequados à venda em canal online.. Múltiplas fontes de rentabilidade e sistema de cross-selling.. Forte componente tecnológica.. Equipa de consultores com forte experiência agrícola (complementaridade das competências dos promotores).. Fomento de uma forte política de branding que contribuirá para uma maior taxa de fidelização e engagement por parte dos utilizadores. Fraquezas. Necessidade de forte investimento inicial para desenvolvimento dos produtos.. Necessidade de um número expressivo de utilizadores..limitada capacidade de escalabilidade do projecto para mercados com sistemas de telecomunicação fracos.. O projeto poderá ser replicado, uma vez que a Agroop não tem protecção de patente. FATORES CRÍTICOS EXTERNOS Oportunidades. Forte ingresso de novos e jovens agricultores no setor agrícola nacional.. Aumento da propensão para utilização de novas tecnologias no setor agrícola.. Aumento do número de agricultores com estrutura agrícola mais profissionalizada (em contraponto com a agricultura de subsistência e minifundiária).. Aumento das exportações no sector agro alimentar e tendência para o investimento na exportação.. Aumento acentuado da população mundial (9 mil milhões de pessoas até 2050) e consequente aumento das necessidades de nutrição..como um todo, a Agroop não tem concorrência directa nem em Portugal, nem no resto do Mundo. Ameaças. Expressivo número de agricultores portugueses com características conservadoras.. Expressivo número de agricultores portugueses com ineficiente capacidade de gestão.. Expressivo número de agricultores portugueses com pouca propensão para a utilização de novas tecnologias.. Expressivo número de agricultores portugueses com estrutura agrícola pouco profissionalizada.. A estrutura associativa forte é pouco expressiva em Portugal. 16

23 AGROOP: Novo Impulso Estratégia comercial Tendo em conta todos os casos de estudo analisados e a informação recolhida no mercado, a estratégia da Agroop passará por definir logo à partida todos os argumentos de diferenciação que tem fase aos seus concorrentes mais diretos, tanto no mercado nacional como internacional. Em Portugal a Agroop Operacional compete com a Agrogestão, a Isagri, a RuralBit e a Omni4Campo. Excetuando esta última, todos os restantes concorrentes possuem um modelo de negócio onde se cobra aos seus clientes a venda do software como pacote inicial, obrigando assim, os utilizadores a disponibilizar um montante que varia entre a Estas empresas ainda cobram posteriormente uma anuidade de valor médio de 300 para manutenção do sistema. A Agroop Operacional irá cobrar uma mensalidade de 14,99 (ainda em análise) pela utilização e manutenção do sistema, possibilitando desta forma a sua utilização por parte de agricultores com explorações mais pequenas. Além disso contribuirá para uma previsibilidade dos custos mensais dos seus clientes. A Agroop Operacional não cobrará nenhum valor pela venda inicial do software e embora possua uma anuidade de 179,88, bem mais barata que as anuidades de manutenção da concorrência; nunca fará parte dos argumentos de venda Somos mais baratos mas sim, algo mais subtil como por exemplo: Permitimos uma poupança de custos. O objetivo nunca será o de competir pelo preço. A equipa sabe que essa particularidade será percebida pelos potenciais utilizadores sem necessidade de argumentação de venda. A Agroop Operacional não será mais barata para poder competir, será mais barata porque a sua estratégia assentará num modelo de venda de massa que o permitirá fazer. É ainda importante referir que nenhum dos softwares analisados possui uma lógica de cloud software e web version, ou seja, não são construídos para utilização multiplataforma nem para uma portabilidade efetiva, permitindo apenas ser utilizados nos equipamentos onde foram instalados. A Agroop poderá ser usada em qualquer local com acesso à internet ou em modo offline, em qualquer dispositivo móvel, podendo ser descarregada nas lojas da Apple, Android, Blackberry e Windows. Outro dos principais argumentos de venda será o facto de a Agroop permitir de uma forma ampla e integrada o apoio a várias vertentes do negócio de um agricultor. A marca Agroop, através desta abrangência, acredita que conseguirá conquistar maior notoriedade e awareness por parte dos seus stakeholders. Relativamente à Agroop Social a abordagem comercial incidirá quase sempre nas vantagens que uma rede deste género poderá aportar, nomeadamente a possibilidade de um agricultor criar sinergias com outros agentes agro alimentares independentemente da localização geográfica da sua exploração. 17

24 Plano de Negócios Já a Agroop Pedagógica possibilitará a qualquer utilizador aprender de forma dinâmica determinados procedimentos e processos agrícolas, recorrendo a vídeos (workshops e tutoriais) chancelados por entidades credíveis. Qualquer utilizador poderá também consultar programas informativos, que têm como principal objetivo sensibilizar os utilizadores para as novas tendências e inovações no setor agrícola. Está ainda em análise a possibilidade de inclusão de uma bolsa de commodities agrícolas, de um forúm de consultoria agrícola e de uma secção de classificados (bolsa de terras, equipamento em segunda mão, emprego permanente ou sazonal ). Por último, a Agroop Comercial será publicitada como uma janela para o mercado agrícola, uma vez que aqui serão agregados contactos de compradores e fornecedores nacionais e estrangeiros. Com a criação de um único perfil, qualquer utilizador poderá comprar ou vender com toda a comodidade e segurança. Figura 20. Monetização das variantes Agroop. Fonte: Agroop Todos os serviços disponibilizados pela Agroop serão cobrados de forma imediatamente anterior ao ato da utilização, muito à semelhança de outros sistemas SaaS (Software as a service) já implementados. A imagem seguinte (Figura 20) demostra como se pretende monetizar todas as variantes do projeto. ASSINATURAS MENSAIS SOBRE UTILIZADORES ASSOCIAÇÕES & COOPERATIVAS 74,99 /Mês (sobre análise) AGRICULTORES 14,99 /Mês (sobre análise) RECEITAS COM PUBLICIDADE ESPECIALIZADA (CRIAÇÃO DE TRÁFEGO) COBRANÇA PARA VISUALIZAÇÃO DE CONTEÚDOS PEDAGÓGICOS RELEVANTES (WORKSHOPS OU TUTORIAIS AGRÍCOLAS). COBRANÇA SOBRE CLASSIFICADOS (BOLSAS DE TERRENOS, EQUIPAMENTOS EM SEGUNDA MÃO E EMPREGO) COBRANÇA DE ASSINATURA MENSAL, PARA PERMANÊNCIA OU DESTAQUE NA LISTA DE FORNECEDORES DISPONÍVEIS E/OU COBRANÇA DE FEE SOBRE TRANSAÇÕES COMERCIAIS EFETUADAS ATRAVÉS DA PLATAFORMA (E-COMMERCE). 20 Estratégia de comunicação Relativamente à estratégia de comunicação implementada, remete-se o leitor para o apêndice A (Plano de Comunicação). 18

AGROOP: Novo Impulso. plano de Negócios. www.facebook.com/agroop www.agroop.net

AGROOP: Novo Impulso. plano de Negócios. www.facebook.com/agroop www.agroop.net PLANO DE NEGÓCIOS AGROOP: Novo Impulso plano de Negócios www.facebook.com/agroop www.agroop.net 1 Plano de Negócios O impulso faz parte do salto. SPARKIS, Halil Os homens de negócio não precisam apenas

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Capacitação em Valorização de Tecnologias

Capacitação em Valorização de Tecnologias Capacitação em Valorização de Tecnologias Enquadramento No âmbito do projeto INESPO 2 Innovation Network Spain-Portugal, as universidades parceiras propuseram-se dinamizar uma ação de Capacitação em Valorização

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 1. ENQUADRAMENTO Nos últimos 3 anos e meio a Câmara Municipal de Lisboa vem desenvolvendo uma estratégia para a valorização económica da cidade e captação de investimento (http://www.cm-lisboa.pt/investir)

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 3 Hemisfério esquerdo responsável pelo pensamento lógico e pela competência

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA

COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA COMO ADQUIRIR UMA FRANQUIA O que é Franquia? Objetivo Esclarecer dúvidas, opiniões e conceitos existentes no mercado sobre o sistema de franquias. Público-Alvo Pessoa física que deseja constituir um negócio

Leia mais

ce tec CURSO DE EMPREENDEDORISMO 3ª Edição-Internacional CENTRO DE EMPREENDEDORISMO / ISMAI - TECMAIA

ce tec CURSO DE EMPREENDEDORISMO 3ª Edição-Internacional CENTRO DE EMPREENDEDORISMO / ISMAI - TECMAIA ce tec CENTRO DE EMPREENDEDORISMO / ISMAI - TECMAIA CURSO DE EMPREENDEDORISMO 3ª Edição-Internacional O CEITEC (Centro de Empreendedorismo ISMAI-Tecmaia) apresenta a 3ª edição do Curso em Empreendedorismo,

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS PARA A CRIAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS PARA A CRIAÇÃO DE EMPRESAS INOVADORAS REGULAMENTO REGULAMENTO Artigo 1.º - Enquadramento O Concurso de Ideias para a Criação de Empresas Inovadoras é uma iniciativa do BICMINHO no âmbito da execução da operação n.º NORTE-07-0364-FEDER-000006 Apoio à Criação

Leia mais

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo

«atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio. REGULAMENTO Preâmbulo «atrevo.me 13» concurso de ideias de negócio REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade de Évora, através da Divisão de Projetos e Informação (SCC-DPI), enquanto parte integrante do Serviço de Ciência e Cooperação,

Leia mais

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar?

Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? QUESTÕES COLOCADAS PELO JORNALISTA MARC BARROS SOBRE O PROTOCOLO ENTRE A FNABA E O TURISMO DE PORTUGAL Qual o âmbito deste protocolo e que tipo de projectos pretende apoiar? Com propostas para fazer e

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME

Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Candidaturas Incentivos à Qualificação e Internacionalização das PME Projetos Conjuntos de Internacionalização: Natureza dos beneficiários Os beneficiários são empresas PME de qualquer natureza

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Fórum 2014 Porto Casa da Música. www.it4legal.org

Fórum 2014 Porto Casa da Música. www.it4legal.org Porto Casa da Música www.it4legal.org Porto Casa da Música IT4Legal Quem Somos IT4Legal é um grupo informal dedicado à partilha e divulgação de informação acerca de sistemas de informação nas sociedades

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências

Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências Curso Temático Intensivo 1 - Gestão da qualidade nos sistemas de formação profissional e de desenvolvimento de competências O programa do curso sobre a qualidade no desenvolvimento de competências irá

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Concurso de Ideias Empreende +

Concurso de Ideias Empreende + Concurso de Ideias Empreende + REGULAMENTO Preâmbulo A Universidade de Aveiro, através da sua Unidade de Transferência de Tecnologia (UATEC), a seguir denominada Organização, promove o «Concurso de Ideias

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

Construção e Inovação juntos no seu Franchising

Construção e Inovação juntos no seu Franchising Construção e Inovação juntos no seu Franchising Projeto Casa Viva Obras O projeto Casa Viva iniciou em 2010. Atuamos em obras de Remodelação, Construção Nova e Recuperação de Edifícios em Portugal, Espanha

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

BIS - Banco de Inovação Social

BIS - Banco de Inovação Social BIS - Banco de Inovação Social Natureza do BIS Missão do BIS Instrumentos do BIS Iniciativas e Programas do BIS Os Membros do BIS Orgânica Estratégico Executivo MEMBROS MEMBROS 5 Empresários inovadores

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015

TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 TURISMO DE PORTUGAL HORIZONTE 2015 João Cotrim de Figueiredo 10 Out 2014 Turismo: crescimento e resiliência No século do Turismo? Mais de 1.100 milhões de turistas em 2014 OMT prevê crescimento médio anual

Leia mais

BALCÃO + CULTURA BALCÃO +CULTURA + B +

BALCÃO + CULTURA BALCÃO +CULTURA + B + BALCÃO + CULTURA B BALCÃO + +CULTURA 1. CONTEXTUALIZAÇÃO A crescente relevância das Indústrias Culturais e Criativas, enquanto atividades que com base na criatividade, no talento, nos ativos culturais

Leia mais

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura

Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Programa +Inovação +Indústria Formulário de Candidatura Com o propósito de ajudar no preenchimento do formulário de candidatura online, em letra Arial, tamanho 11, a informação necessária está resumida

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

Missão. DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO E FERRAMENTAS PARA A CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS ATRAVÉS DA MARCA.

Missão. DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO E FERRAMENTAS PARA A CONQUISTA DOS MERCADOS INTERNACIONAIS ATRAVÉS DA MARCA. O que é a Oficina da Marca? Serviço de gestão integrada e estratégica para o desenvolvimento de produtos e a sua promoção no mercado Global através da marca. Missão DOTAR AS PME s PORTUGUESAS DE CONHECIMENTO

Leia mais

Regulamento do. I Concurso de Empreendedorismo Intermunicipal da Beira Interior Sul

Regulamento do. I Concurso de Empreendedorismo Intermunicipal da Beira Interior Sul Regulamento do I Concurso de Empreendedorismo Intermunicipal da Beira Interior Sul FEVEREIRO 2013 I. INTRODUÇÃO A Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul, (CIMBIS), no âmbito da Rede Regional de

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego

EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DATA: Segunda-feira, 31 de dezembro de 2012 NÚMERO: 252 SÉRIE I EMISSOR: Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Economia e do Emprego DIPLOMA: Portaria n.º 427/2012 SUMÁRIO: Regulamenta a

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Oportunidades a explorar

Oportunidades a explorar Oportunidades a explorar 1. Candidatura ao reconhecimento da Dieta Mediterrânica de PORTUGAL (liderada por Tavira) 2. Notoriedade do ALGARVE nos principais mercados turísticos europeus [Reino Unido, Alemanha,

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I PROMOÇÃO DA PARTICIPAÇÃO NO 7.º PROGRAMA-QUADRO DE I&DT (UNIÃO EUROPEIA)

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012 Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades AEP Março.2012 1/ Perfil Em busca da Excelência Missão Inovar com qualidade 1/ Perfil Trabalhamos diariamente no desenvolvimento de soluções

Leia mais