ANAIS DA XI-SARU ISSN:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS DA XI-SARU ISSN: 22379584"

Transcrição

1 ANAIS DA XI-SARU ISSN: Sisal uma cultura transformadora para o semiárido na Bahia. Maria Gorete Borges Figueirêdo Salvador 2014

2 Sisal uma cultura transformadora para o semiárido na Bahia. Maria Gorete Borges Figueirêdo 1 RESUMO: Esse trabalho objetiva abordar o processo de transformação que o semiárido da Bahia vem sofrendo nas últimas décadas, pontuando a importância da cultura do sisal enquanto principal atividade agrícola da região e proporcionador das significativas mudanças locais. A atividade produtiva do sisal embora tenha trazido consigo ao longo dos anos novas formas de inserção econômica a partir do cooperativismo e associativismo, demonstra significativa queda na produção da fibra contrapondo-se às diversas possibilidades que esse agronegócio aponta, onde os atores locais encontraram, a partir da inovação e qualificação do capital humano, novas possibilidades para essa cultura, demandando ao Estado, repensar suas politicas públicas de modo a proporcionar um novo caminho para a região. PALAVRAS CHAVE: Sisal. Transformação. Semiárido. 1. INTRODUÇÃO A região do semiárido baiano historicamente sempre apresentou condições climáticas adversas à prática agrícola, assim as primeiras povoações no sertão se deram nas imediações da oferta de água, permeando brejos, lagos ou mesmo rios. Sendo a principal ocupação econômica da época a pecuária extensiva, desprovida de técnicas especializadas gerava baixa produtividade, o sisal enquanto exploração comercial entra nesse território num contexto histórico posterior. A cultura do Agave sisalana - nome científico da planta de sisal que foi trazida ao Brasil, e sua atividade agrícola para fins de beneficiamento chegaram à Bahia em 1910, inicialmente no município de Santaluz, vinda da Paraíba, contudo somente em 1940 se projetou no semiárido da Bahia quando num projeto experimental 1 Mestranda em Desenvolvimento Regional e Urbana PPDRU/UNIFACS, MBA em Finanças Coorporativas UNIFACS, Graduada em Serviço Social e Pedagogia.

3 foram plantados em Nova Soure aproximadamente pés da planta. A partir daí, a planta progrediu se expandindo para toda região, sendo que hoje, o município de Valente detém a maior produção de sisal na região. Após a Segunda Guerra Mundial a produção da atividade agrícola do sisal desenvolveu-se gerando novos mercados na Europa e América do Norte consolidando o sisal como responsável pela exportação de fios e cordas por parte do Nordeste, sendo apontado como relevante à economia do Brasil. Embora haja outras culturas nessa região como a pecuária e a caprinocultura, a cultura do sisal é considerada principal agronegócio que movimenta a economia do semiárido na Bahia, principal produtor de fibra de sisal do país, e eleva o Brasil a posição de destaque no mercado mundial. Em pouco tempo, o sisal passou a ter significativa relevância ao desenvolvimento econômico do semiárido da Bahia. Pois, foi a partir da cultura do sisal que o desenvolvimento do associativismo e cooperativismo de agricultores e trabalhadores rurais foi amplamente difundido na região. Foram então criadas algumas politicas públicas visando estimular o povo sertanejo a, de modo criativo, implementar mudanças na forma de transformação desse insumo. Dentre os estímulos foram oferecidos incentivos fiscais à formação de novas formas comerciais da fibra. A crise internacional modifica o cenário atual e apresenta um estrangulamento da oferta do insumo principal fibra de sisal, as economias que vivem dessa atividade ao longo de décadas, exigindo do Estado e setores responsáveis pelo sisal, soluções originais e políticas públicas direcionadas para a agricultura sisaleira, uma das principais fontes econômicas do semiárido do nordeste brasileiro. A falta de agilidade na definição dessas políticas de desenvolvimento voltadas especificamente a realidade do semiárido pode resultar no agravamento e estrangulamento da ação do Brasil no mercado do sisal mundial.

4 2. O SEMIARIDO E SEUS ENTRAVES Fazendo uma retrospectiva do semiárido, verifica-se que nos anos 60 a Bahia assume a liderança na produção da fibra de sisal rompendo o isolamento econômico regional existente. A demanda foi crescente e favoreceu o atendimento as indústrias instaladas no estado e no centro-sul do país, assim como a exportação de monofilamentos de sisal para o mercado da América do Norte, Canadá e Europa. Políticas governamentais buscaram estimular esse momento visando favorecer a integração da economia nacional com a exploração do sisal enquanto matériaprima regional. Contudo, no início dos anos 70 com o avanço da indústria de produtos sintéticos derivados do petróleo, surge uma fibra sintética com custos menores, fazendo com que surja a primeira crise na produção sisaleira. O custo de produção da cadeia sisaleira torna-se elevado diante do tempo entre o plantio e a primeira colheita que ocorre em média 42 meses após o plantio da muda, dificultando dessa forma a ampliação da referida cultura por não gerar renda nesse longo período, encarecendo deste modo, os tratos da cultura do sisal estabelecendo um distanciamento entre a demanda de fibras naturais e as fibras sintéticas no mercado. Geralmente, são aproveitados apenas 5%, em media, da palma de sisal (folha) e com essa possibilidade de maior aproveitamento e diversificação de uso esperase mudança significativa dessa produção. A ideia consiste em firmar até cinco polos (áreas) de produção dessas novas máquinas concentrando a produção e definindo critérios técnicos junto a EBDA - Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola. Confrontamo-nos com uma contradição, visto o Governo Federal, ainda, não subvenciona o sisal, como faz com a cana de açúcar embora essa seja a principal

5 agricultura produtiva do semiárido, contudo interfere no preço mínimo de venda da fibra processada. Tal realidade agrava-se pelo fato de, além de obter um resumido percentual de 5% aproveitamento da palma do sisal, ainda possuir um índice baixo de modernização e capitalização aliado a falta de avanços tecnológicos das máquinas. PEDRÃO (1994, pag.205) fala que a reprodução da produção camponesa depende, por isso, de sua possibilidade de manterem-se nesses tempos, indicados pela alternância de usos do solo e de colheitas. A interrupção desses tempos, a substituição desses tempos pelos tempos do comércio e da industrialização do abastecimento dificulta e logo, destroem a reprodução da produção camponesa. No caso do sisal outro ponto que dificulta a produção da fibra de sisal são as condições primitivas e precárias no cultivo e também no beneficiamento do sisal, caracterizando-se como uma exploração da mão-de-obra de forma perversa, e por vezes, desumana, visto ocorrer com frequência mutilações de membros superiores devido ao uso por muitas horas diárias do motor desfibrador da palma da planta do sisal, assim como a exploração do trabalho infantil. Krugman (1991),aborda o subdesenvolvimento, com todas as suas expressões como a pobreza, as fracas condições de trabalho, a falta de respeito pelos direitos humanos, o analfabetismo e a degradação ambiental, mostrando ser um problema multidimensional que não pode ser resolvido através de uma única solução. As causas e expressões do subdesenvolvimento não são as mesmas em todo o lado. Alguns denominadores comuns podem facilmente ser identificados como: a falta de acesso à educação em especial das mulheres; a falta de cuidado com a saúde representado também com ausência de saneamento básico; assim como a distribuição desigual dos recursos em todo nordeste brasileiro, e em especial no semiárido baiano.

6 Nesse cenário, as comunidades rurais são as mais afetadas pela pobreza, e enfrentam seus problemas de desenvolvimento relacionados com as insípidas ou inexistentes infraestruturas (água potável, acesso a eletricidade, vias precárias ou inexistentes de comunicação e telecomunicações, etc.), que significativamente impedem e/ou dificultam a participação dessa parcela da população na economia desses países, e consequentemente na economia mundial. No semiárido há um grande potencial do sertanejo e da natureza, pois mesmo sendo marcado por contínuas desigualdades sociais, ele busca superação da situação de pobreza que se estratifica nessa região. O Ministério da Integração Social aponta que 58% da população pobre do Brasil vive no semiárido, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e de 0,65 considerado em toda essa região. Segundo a Unicef Estudos das Nações Unidas para a Infância quase 70% dos adolescentes e crianças do semiárido são diretamente afetadas pela pobreza, diante disso foram criados desde 2003 objetivos de desenvolvimento do milênio ODM onde busca-se erradicar a pobreza e a fome, estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento, garantir uma sustentabilidade ambiental, destes os oito objetivos estabelecidos. O acesso à renda na região do semiárido é marcado por contradições inclusive na desigualdade de gênero, tendendo as mulheres a buscar os benefícios governamentais como principal, e por vezes única, renda familiar. O índice Gini - mede a desigualdade a partir da renda, da região do semiárido em 2012 é acima de 0,60 significando que há uma elevada concentração da renda visto que, quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade. Essa realidade reflete a luta diária do sertanejo em sobreviver e ter acesso a direitos humanos básicos e fundamentais como água, educação, emprego e renda. Atrelado a essa situação, e funcionando como uma engrenagem do processo de produção está à falta de avanço tecnológico nas formas de cultivo e beneficiamento da planta de sisal, de modo a torná-la eficaz e consequentemente

7 resultar no aumento da sua produtividade. Traço esse característico de países subdesenvolvidos como Brasil e alguns da África. Malassis, Apud Oashi (1999), afirma que o enfoque tradicional de cadeias de produção considera três subsistemas, são eles: produção - engloba o estudo da indústria de insumos e produção agropastoril; transferência - focaliza a transformação agroindustrial; consumo - analisa as forças de mercado (o agribusiness tende a enfocar esse último subsistema como a força central que lhe dá forma). Segundo os estudos apresentados pela EMBRAPA (2011), a Agave Híbrido Desenvolvida na região Oeste da África, é introduzida no Brasil, mesmo que de forma tímida, logo após sua descoberta, visando o aumento da produção da fibra e consequente consumo. O Agave Hibrida 11648, apresenta algumas vantagens sobre o Agave Sisalana - tipo mais comum plantado na Bahia, principalmente em relação ao número de folhas para a poda por planta. Colhem-se em torno de 600 folhas durante seu ciclo produtivo que dura em média de 8 a 10 anos, enquanto os outros tipos de agave chegam a 250 folhas de produtividade com mesmo ciclo. Essa espécie híbrida apresenta, também, mais resistência à seca, permitindo colheitas praticamente durante todo o ano. A sua tolerância à praga da podridão do tronco oriunda de fungos que se instalam na planta, é um diferencial, visto não ocorrer essa resistência com outros tipos de agave, matando a planta por não haver, até a presente data, cura para essa praga que se alastrou em diversas plantações no início dos anos 2000, restando apenas a prática de extirpação e queima total da planta contaminada, substituindo-a por mudas novas e sadias. O sisal é visto como a principal cultura processada no semiárido busca-se rever a cadeia de produção do sisal, e de certo modo recuperá-la através de do

8 aproveitamento total da palma do sisal, já que essa produção envolve, em sua maioria, agricultores familiares um modo peculiar de produção da região. De acordo com Schumpeter (1934), a cadeia de produção sofre transformações conforme o processo de inovação tecnológica, e por ser a economia um sistema dinâmico, a implementação de novas tecnologias transforma a estrutura do mercado a partir da mudança no processo e no produto final, modificando as relações da cadeia produtiva. Buscando enxergar a realidade regional do semiárido e compreender o desenvolvimento de regiões subdesenvolvidas vemos que Myrdal apresenta como ilusão o alcance de um equilíbrio natural e estável operado pela liberdade das forças de mercado. Segundo Grunnar Myrdal, somente o encorajamento reformador do Estado nacional poderia interromper os "efeitos regressivos" que as forças de mercado operam livremente no processo social das regiões subdesenvolvidas. Com vista a dirimir as desigualdades regionais resultantes dos livres movimentos migratórios, de capital e comércio internacional, o êxito dessas políticas em regiões subdesenvolvidas é resultado do melhor planejamento e do desprendimento das cegas explicações da teoria econômica tradicional que, próprias dos países prósperos de onde surgiram, desviam sua atenção ao problema central da igualdade e da solidariedade entre elas. O antídoto à doutrina conservadora das preferências racionais do lassaiz-faire é expressão tanto de uma maior originalidade no campo das ideias, livres da influência das teorias gerais do equilíbrio estável, como da incorporação à análise dos fatores não econômicos, sem os quais não seria possível alcançar a difusão centrífuga dos "efeitos propulsores" à espiral acumulativa ascendente do processo de desenvolvimento social. "É mais fácil ser um conformista do que um rebelde competente" (p. 159), reforça Myrdal. Na última década a situação tem se invertido, crises econômicas mundiais e ausência de políticas emergentes que respondam as sequelas dessa realidade

9 mundial provoca uma decadência no mercado e a consequente queda acentuada do preço das fibras modificando o mercado sisaleiro. 3. SISAL UMA CULTURA QUE SUBSISTE NO SEMIARIDO Por se destacarem comercialmente para a produção de fibras a Agave sisalana perrine e a Agave fourcroydes lamaire são espécies ainda cultivada no Brasil, e as mais produzidas no mundo. Suas fibras são utilizadas tradicionalmente para a fabricação de baler e binder twine (fios de enfeixar fardos de feno) muito utilizados no mercado agrícola mundial. A região do semiárido foi escolhida devido ao clima propício ao desenvolvimento dessa cultura e oferta de mão-de-obra. Com ampla utilização na indústria de cordas e fios, que se fixou na Região Metropolitana de Salvador, seu emprego se dava principalmente no aproveitamento das fibras retiradas das suas folhas, também chamadas de palmas. O semiárido baiano representa 95% da produção de fibra de sisal no Brasil, tornando o Estado da Bahia o maior produtor. E essa produção garante uma movimentação na balança comercial exportadora, em média, de 100,8 milhões de dolares/ano na última decada com os produtos advindos da cadeia produtiva do sisal aqui contemplamos desde fibra in natura exportada para China, até carpetes industrializados com a fibra de sisal pela APAEB. Desse modo, o sisal se mostrou uma cultura que deu certo na região e promoveu oportunidades, geração de empregos e renda, resultando no crescimento regional, por isso é tida como cultura símbolo de resistência à seca. Prova disso é o desempenho da área plantada de sisal que expandiu a diversos municípios do semiárido baiano de Candeal a Monte Santo, hoje designado Território de Identidade do Sisal, tendo como resultante o aumento da produção da fibra de sisal, refletindo nas transformações produtivas na região sisaleira.

10 O cuidado com a terra para plantio, desfibramento e secagem da fibra, garantiu o emprego e renda, a produção de insumo tanto a indústria têxtil até o artesanato local promovem a desconcentração espacial do PIB e a preservação do meio ambiente por ser o sisal um recurso renovável. Nesse mesmo período o movimento ecológico e preservacionista ganha espaço mundial visando à sustentabilidade e ações ecologicamente corretas no processo produtivo, dando fôlego à agricultura do sisal, e fortalecendo a mesma com implantação de indústrias têxtis de manufaturado de sisal incrementando mais uma vez a economia regional. Por ser uma região seca, com escassez de água, o semiárido também carece de uma assistência pública específica para a cultura sisaleira, e também, de incentivo educacional. Sendo pobre é difícil de gerar uma economia sustentável mesmo tendo no sisal uma riqueza natural. Em muito se debate ações para lidar e combater a seca, no âmbito regional, mas o que de concreto se evidencia são ações insípidas da Secretaria do Estado, como o Programa Água para Todos que visa garantir manutenção dos animais e produção de reserva alimentar, mas não chegou a ser realidade para maioria da população do semiárido. Com a crise internacional e a mudança do cenário que resulta num estrangulamento da oferta do insumo principal fibra de sisal, é exigido do Estado e das economias que vivem dessa atividade ao longo de décadas, soluções originais e políticas públicas direcionadas para a agricultura do sisal, uma das principais fontes econômicas do semiárido do nordeste brasileiro. O CODES Conselho Regional de Desenvolvimento Rural Sustentável do território Sisaleiro desde 2003 discute com os atores sociais e poder público políticas que possam lidar com os desafios da região como a revitalização da cadeia produtiva do sisal e a consequente melhoria da qualidade de vida do povo do campo dessa região.

11 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou o Grupo Técnico Interministerial do Sisal (GTIS) composto de diversos órgãos dos Ministérios, visando à promoção de estratégias para o desenvolvimento sustentável do território sisaleiro tendo como foco organizações ligadas a produção de sisal e os agricultores familiares dessa região. O Território Sisaleiro é famoso pela atuação do terceiro setor nos seus diversos municípios, o associativismo e cooperativismo são práticas comuns na região. Contudo na última decada há uma queda significativa na oferta do insumo - fibra de sisal, deixando a cadeia produtiva suscetível a variáveis e intervenções políticas, por vezes pouco favoráveis, de modo a garantir sua sobrevivência. O MOC - Movimento de Organização Comunitária, fundado em 1967, se traduz na mais antiga experiência de fomento de atores sociais rurais. Embora tenha seu surgimento no RJ foi fruto da idealização da igreja católica na Diocese de Feira de Santana no intuito de desenvolver ações comunitárias de cunho pastoral dando apoio financeiro e suporte técnico. Visando a melhoria das ações de comércio de produto (entendida como espaço de informação), o aumento do preço pago pela produção agrícola do pequeno produtor rural (entendida como espaço de valorização) e o combate de comércio intermediário que diminuíam o preço na primeira escala da cadeia e explorando o agente rural e repassava o produto com preços mais altos (entendida como espaço de regulação) as ações e lutas comunitárias se justificam. Dessa forma, fica evidente que as práticas de participação político-educativas e integração social visavam promover a transformação da região sisaleira sob três categorias básicas: Informação: espaço e forma do agricultor familiar pensar e planejar sua produção de modo eficiente; valorização: espaço e forma do agricultor familiar gerar eficácia distributiva dos seus produtos disponíveis (estoques) na comunidade;

12 regulação: espaço e forma do agricultor familiar ter possibilidade de negociar no mercado a compra e a venda dos seus produtos em condições mais favoráveis, do que as até então eram praticadas. O MOC é uma entidade de caráter político-organizacional, que busca atuar na articulação de políticas públicas que possam favorecer a transformação da realidade econômica, política, social e ambiental do Nordeste. Seu exemplo motivou a criação de organizações e empreendimentos de reconhecido sucesso como o é o caso da Associação de Desenvolvimento Sustentável e Solidário da Região Sisaleira - APAEB, localizada em Valente / Ba. APAEB de Valente em parceria com o MOC estruturou um modo de conviver e lidar com o semiárido que foca em dois pontos: O aproveitar a energia solar através do incentivo e da difusão do uso de coletores solares para iluminação doméstica, fortalecendo a infraestrutura socioeconômica; Impedir o êxodo rural difundindo técnicas que favoreçam o aumento do rendimento da propriedade rural, assim como fortalecer a coesão social local. Visando a integração e valorização da agricultura sisaleira foi iniciado um processo de reestruturação da produção agrícola familiar na região tratando modos de revitalização buscando a sobrevivência da mesma a partir da melhoria das condições de vida e diversificação de atividade, combinando com a pecuária. Para tanto, as condições de inserção familiar na ocupação de mão-de-obra devem ser vistas, pois sofrem alternância das condições do clima, do panorama político e da dinâmica do mercado. As ações adotadas e desenvolvidas pela APAEB tinham como ponto focal garantir a permanência da família sertaneja no território do sisal através da transformação da exploração excludente da lavoura do sisal por uma prática agrícola com base na sustentabilidade socioambiental quando dos períodos prolongados de seca e da prática de combinar a atividade familiar agrícola com a pecuária através da

13 criação de cabras leiteiras de modo a garantir o aumento ou mesmo o estabelecimento da constância da renda familiar visto a cadeia produtiva da cabra ter alta aceitação no mercado não só da sua carne como também dos seus derivados. 4. POLITICAS PUBLICAS COMO FATOR DE TRANSFORMAÇÃO O sisal trouxe transformações sócioprodutiva ao semiárido com formação de pequenas propriedades rural familiar de até 50 ha, havendo uma reestruturação. A baixa rentabilidade apresentada pela lavoura sisaleira já havia sido evidenciada com a capacidade produtiva do motor - máquinas que fazem a desfibragem da palma de sisal no campo antes da secagem da mesma, de 5 ton média de fibra seca por semana, podendo haver redução desse numero se diminuir a mão-deobra, o que favorece ao declínio da produção da lavoura sisaleira e reflete no mercado mundial com a consequente queda dos preços. Nos anos 90 entra outra variável a questão ambiental, que traz uma transformação do espaço rural tendo como norteador de novas e alternativas formas de exploração da cultura sisaleira, enquanto potencial remanescente que articula de forma dinâmica com a geração de renda e/ou ocupação e a produção rural familiar de pequeno porte. Mas, quando essa mesma questão é examinada na perspectiva do funcionamento da economia rural em seu conjunto, a questão camponesa passa a ter que ser considerada frente aos problemas de permanência ou de transitoriedade das formas de produção, reconhecendo que uma ou outra alternativa depende de como a produção camponeses se insere numa organização da produção comandada pela produção em escala comercial integrada em mercado. Sua permanência e suas transformações passam a colocar-se como resultado conjunto dos impactos que ela sofre, da expansão da produção comercial e de suas próprias reações diante das transformações do mercado de trabalho e do de produtos.(pedrão, 1994,p.204)

14 Rompe-se então com o padrão de produção anterior e a nova estrutura desse espaço produtivo pede uma apresentação desagregada da antiga estrutura dita fundiária da região sisaleira no semiárido da Bahia. Nesse sentido, vislumbra-se um o desenvolvimento rural a partir da compreensão de que os objetivos devem partir de estruturas sociais formadas conjuntamente e entendidas enquanto recursos a favor dos indivíduos que estão dentro dessa estrutura, abrindo possibilidades para agricultores cooperarem mutuamente tendo acesso a recursos bancários e incentivos de créditos, antes impossível de serem concedidos. Esse entendimento a noção de capital social trazida por COLEMAN (1990), nos leva a enxergar que os indivíduos não agem independentemente, e que seus objetivos não são estabelecidos de maneira isolada. Mas, que há uma estrutura social que facilitam algumas ações dos indivíduos que são parte dessa estrutura. Assim ele traz o conceito de capital social: O conceito de capital social é uma espécie de resposta contrária a um dos mais decisivos mitos fundadores da civilização moderna, o de que a sociedade é um conjunto de indivíduos independentes, cada um agindo para alcançar objetivos a que chegam independentemente uns dos outros, o funcionamento do sistema social consistindo na combinação dessas ações dos indivíduos independentes (COLEMAN, 1990, p. 121). Nos anos 2000, a partir de 2003, surge o Programa Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável dos Territórios Rurais, contemplando o semiárido baiano, buscando a redução das tão evidentes desigualdades sociais presente no Brasil e em especial no Nordeste Brasileiro. A atuação dava-se em espaços com elevada demanda social identificada através da ação da Secretaria do Desenvolvimento Territorial (SDT), vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), fomentando o desenvolvimento sustentável junto aos membros e famílias ligadas à reforma agrária com ênfase na agricultura predominantemente familiar.

15 Dessa forma, o referido programa propicia a formação do que denominamos territórios rurais, onde a estruturação de colegiados de território, surgem de articulações intermunicipais, enquanto espaços privilegiados para gestão dos recursos públicos, recebidos pelos Municípios, para o planejamento do desenvolvimento do território rural. Na Bahia, em 2007, foram criados, segundo o MDA - Ministério do Desenvolvimento Agrário, 26 Territórios de Identidade e todos foram concebidos enquanto unidades de planejamento. Essa acepção não passa de uma definição do governo do Estado, pois o real e factual enquanto configuração de território onde ocorre a intervenção é o semiárido baiano. O SEI Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia delimitou o TERRITORIO DE IDENTIDADE DO SISAL, essa identidade territorial aparece como fruto da herança fundiária, das dinâmicas produtivas e culturais que refletem um caráter abstrato para o mesmo. O território do sisal é um espaço economicamente alterado, uma área problema devido a cultura do sisal ser tão influente por um lado, e do outro, ter trabalho infantil no seu espaço produtivo rural, além da precária forma de ocupação (mãode-obra). Tudo isso dá a esse território uma identidade problemática onde a possibilidade de substituição por potencialidades são difíceis de ocorrer. A cadeia produtiva do sisal oferta o insumo principal de indústrias têxtis locais para produção de fios, cordas e artesanatos, assim como outros destinos de uso, fruto de pesquisas que desenvolveram novas tecnologias, como da fibra e seus resíduos na construção civil e indústria automobilística. Além da exportação da própria fibra in natura hoje tão requisitada no mercado asiático. Por ser essa atividade uma importante geradora de mão-de obra, tanto no setor primário, como secundário, e a principal alternativa econômica da região do semiárido, a inovação tecnológica da cadeia produtiva e a busca de qualificação do capital humano são demandas que surgem e ratificam a necessidade de

16 politicas públicas que deem conta de atender as especificidades regionais emergentes do semiárido sejam planejadas e implementadas sem demora. No Nordeste do Brasil, a disparidade socioeconômica das populações dessa região é gritante e visível. Com um contexto contraditório e marcado por dificuldades que vão desde a produção alimentar familiar à assistência social, essa realidade agrava e dissipa a condição de pobreza dessa população, tornando as politicas públicas insípidas diante dessa realidade marcada por contrastes frente as demais regiões do pais, e em especial a região sudeste. Esses estímulos trouxeram mudanças à região do semiárido gerando crescimento, contudo não evitaram a diminuição da oferta da fibra de sisal que vem acontecendo na ultima década. Na verdade, o fenômeno da seca pode ser entendido como sendo um manancial de escassez de recursos naturais de forma repetitiva, quando não constante, que resulta em reflexos negativos e trazem problemas sociais, econômicos e ambientais formando uma trilogia de criticidade sobre toda região do semiárido. A visão sistêmica dessa cadeia produtiva confirma a viabilidade e continuidade dessa cultura no semiárido baiano. Contudo, o vem acontecendo nos ultimo anos é a redução da capacidade produtiva da fibra de sisal, matéria prima essencial para diversos processos produtivos e artesanais. A Secretaria de Ciência e Tecnologia e Inovação SECTI em parceria com o SENAI CIMATEC está com um projeto de desenvolvimento de um protótipo de maquina que processe o sisal, de modo tal que haja um aproveitamento maior e completo da planta de sisal. Assim os subprodutos: fibra, mucilagem e o suco, podem agregar valor por terem múltiplas aplicações. No que se referem aos demais subprodutos como a mucilagem do sisal é utilizada com prática rotineira e natural como ração animal, podendo, portanto ser comercializada como tal.

17 O Ministério da Agricultura Mapa, já esteve na região de Valente, Santa Luz e Conceição do Coité visando verificar e discutir localmente as formas de aproveitamento da mucilagem e propriedades de uso dessa visando futura comercialização, mas de concreto pouco foi efetivado e não houve avanços dessa questão. Outro fator que perpetua o subdesenvolvimento é a inexistência de voz política por parte dos seus habitantes para influenciar as prioridades dos governos estadual e federal e até mesmo cobrar respostas e avaliação de resultados para as ações que tiveram inicio. É necessária, então, uma estratégia global, elemento essencial do desenvolvimento contínuo e sustentável. Para PEDRÃO (2009) é imperativo rever todo o relativo à região semiárida, em parte para descartar alguns mitos que se acumularam durante as sucessivas fases de políticas especiais para a região, para expor algumas condições e das restrições que caracterizam essa parte do país. Uma vez que as políticas públicas são implementadas e essas se caracterizam por serem elaboradas em âmbito nacional, são na sua maioria, constituídas por programas pontuais de forma imediata reverter situações de perda econômica acentuada e tornam-se inviabilizadas pela realidade agravada dos cenários locais a que se destinam, gerando frustações devido ao insucesso das mesmas na região. Programas que se integram e complementam segundo o MOC (2006): I. Programa Criança e Adolescente com ações do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI; II. Programa de Água e Segurança Alimentar gerando acesso a água, oferecendo água com qualidade para consumo e para o processo de produção via cisternas e política de recursos hídricos; III. Programa de Comunicação onde busca-se capacitação de agentes para cobertura jornalística na região do semiárido, fortalecendo a comunicação comunitária e institucional das organizações sociais;

18 IV. Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar prestando assistência técnica e estimulando à organização e difusão de técnicas agroecológicas, acesso ao crédito e agroindustrialização e comercialização solidária; V. Programa de Gênero - organização das mulheres; VI. Programa de Educação de Adultos com educação continuada, incentivo à leitura e formação de monitores para o PETI; VII. Programa de Políticas Públicas através do fortalecimento da sociedade civil, da capacitação de conselheiros municipais, do incentivo à criação de instrumentos de gestão e a capacitação de jovens para as áreas da educação, saúde e economia rural. NASCIMENTO (2008), traz que é fundamental o envolvimento das organizações sociais na elaboração de políticas públicas de modo a traçar planos estratégicos em parceria com o governo, nas três esferas municipal, estadual e federal, de modo a favorecer: a cidadania ativa através do estímulo à participação da sociedade civil na organização e criação de conselhos municipais e fórum de discussões; a reprodução a vida através da melhoria das condições ambientais, do incentivo ao reflorestamento, assim como a preservação da flora e fauna especificas do sertão baiano; a educação através do conhecimento buscando garantir o ensino fundamental de qualidade, aliado ao ensino técnico que seja pautado em práticas da cultura local, fortalecendo o autodesenvolvimento; a ocupação e/ou renda da mão-de-obra local através de ações de beneficiamento auto reprodutivo incentivado; e a redistribuição da renda através de cooperativas de crédito e financiamento a pequena propriedade rural. A relação do sertanejo com a biodiversidade natural do semiárido é complexa e por vezes paradoxal, pois embora naturalmente tenham uma relação harmônica que favorecem seu sustento sendo fonte de alimentação, por outro, contudo é fruto da devastação do homem e do uso predatório dessa mesma natureza que o sustenta. Com a escassez e carência da água, associado ao manejo inadequado da terra o sertanejo tem, estimulado muitas vezes por ações resultantes de políticas

19 públicas equivocadas, contribuído na extinção de espécies animais e vegetais, comprometendo a vida e a si próprio. A APAEB proporcionou à agricultura familiar a possibilidade de executar papeis mais amplos além da produção de bens mercantis, como garantir a segurança alimentar através da manutenção da ocupação da área rural de forma produtiva, gerindo desse modo seu espaço como produtor e como cidadão rural. Isso foi possível devido a rede criada com agricultores e produtores locais, hoje envolvendo mais de vinte municípios do semiárido, implementando projetos de capacitação e desenvolvimento de habilidades frente as atividades produtivas viáveis na região. A busca pelo conhecimento e qualificação perpassa as experiências positivas apresentadas pela APAEB ao longo da ultima década transformando o cenário do território do sisal. Gera emprego e renda e possibilita o acesso as oportunidades humanas, pois o desenvolvimento local e humano abarcam a melhoria da qualidade de vida do sertanejo. Evidencia disso é que segundo o IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o IDH (índice de desenvolvimento humano) de Valente na última década foi o que teve maior aumento. E tomando como base no Atlas de Desenvolvimento Humano do IPEA quando comparados os índices de 1991 e 2000, com base em Censos Demográficos do IBGE, entre os municípios da região sisaleira o município de Valente passa da sexta posição (1991), para o terceiro lugar em 2000 e o IDH-M passou de para no mesmo período. A partir da atuação da APAEB a valorização do preço da tonelada do sisal para o agricultor em uma década passou de U$130 para U$350 representando um crescimento de quase 200%. Rever o semiárido é compreender a relação de poder estabelecida e resignificar as demandas da região que emergem do povo sertanejo na busca da sobrevivência, enquanto sinais da transformação social que ainda precisa ocorrer.

20 5. CONCLUSAO A seca é resultante de períodos intensos e constantes de estiagem com tempo prolongado que transforma a convivência no semiárido e suas relações sócioprodutivas nessa região. Portanto, ao se pensar em alternativas de culturas sugere-se que seja feita de forma combinada com atividades de pecuária local - a exemplo a caprina, devido a possibilidade da mucilagem do sisal cumprir muito bem o papel de alimento / ração para animais. Embora tenham ocorrido iniciativas de criação de associações para reunir os pequenos produtores de fibra de sisal devido ao baixo valor pago e aos ganhos absurdos que os atravessadores absorvem obtendo o maior lucro, modifica a realidade de mercado e a cadeia produtiva do sisal. Por isso, é preciso que os agentes sociais continuem a exercer seu papel, enquanto cidadãos, e exijam do estado, em paralelo a essas iniciativas, politicas de combate a essa forma de exploração econômica arcaica. Os atores locais buscaram adquirir conhecimento o que gerou inovações tecnológicas e formas diversas do uso do sisal na região de Serrinha, Valente, Conceição do Coité até Santaluz. Essas nossas formas de uso se deram através de diversificação de produtos como carpetes, artesanatos e outros afins que foram destinados ao mercado externo, além da caprinocultura. Isso tudo gerou crescimento local e regional, mas não resultou em desenvolvimento, visto o desenvolvimento está intrincado às politicas públicas direcionadas ao nordeste através de programas insipientes. Essas são pontuais e buscam dar respostas imediatas, e não a superação das causas, portanto não agregam valor, visto não transformarem os problemas sociais dessa região que permanecem e se perpetuam com o fenômeno constante e repetitivo da seca do nordeste. A eficiência produtiva de determinadas localidades é parte do processo de desenvolvimento regional, e desperta a compreensão e o entendimento do fenômeno da concentração de algumas atividades econômicas em uma certa

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de definir políticas de desenvolvimento integrado para o setor sisaleiro, nos âmbitos estaduais, nacional e internacional, e consolidar a posição brasileira para a 32 a Reunião

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Informações sobre a Organização. Nome: MOC - Movimento de Organização Comunitária

Informações sobre a Organização. Nome: MOC - Movimento de Organização Comunitária Centro Brasileiro de Referência em Tecnologia Social Instituto de Tecnologia Social Curso: Tecnologia Social: Desenvolvimento Local, Participativo e Sustentável nos Municípios Resumo a partir de fontes

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Palavras-chave: associações, semiárido, espaço rural. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: associações, semiárido, espaço rural. INTRODUÇÃO 1412 OS SUJEITOS COLETIVOS NO ESPAÇO RURAL DO MUNIÍPIO DE CONCEIÇÃO DO COITÉ 1; Joselane da Rocha Brandão Edinusia Moreira Carneiro Santos 2 1. Graduada em Geografia, Universidade Estadual de Feira de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

A experiência do Baú de leitura

A experiência do Baú de leitura A experiência do Baú de leitura Sueli Maria Gonçalves Hitti 1 Vera Maria Oliveira Carneiro 2 No Baú, qualquer baú, é onde guardamos lembranças, alegres e tristes, objetos preciosos, outros de valor afetivo,

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL

LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL LA EDUCACION RURAL Y SU IMPACTO EM EL DESARROLLO LOCAL Argileu Martins da Silva Diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretário Adjunto de Agricultura Familiar SAF A EDUCAÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná.

COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. COOPERATIVISMO - ORGANIZAÇÃO SOCIAL COMO BASE DO DESNVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR Osvaldir Dalbello e Diane Franz EPAGRI, Paraná. 1.Introdução A cooperação sempre existiu na história

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

no Desenvolvimento dos

no Desenvolvimento dos A Importância do Secretaria de Cooperativismo de Crédito no Desenvolvimento dos Territórios rios Rurais do Brasil (Tema X: O Cooperativismo de Crédito Como Agente Transformador) 5º Seminário Banco Central

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA Maria de Fátima Lima, Coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Patos, Gilberto Nunes de Sousa, Central das Associações do

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA INQUETAÇÕES E DESCONFORTO PARA NÓS, SERES HUMANOS! RESPOSTA DA FIEP E DAS INDÚSTRIAS DA PARAÍBA. O QUE ESTAMOS FAZENDO AGORA. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Gestão Equipamentos de SAN Acesso a água Apoio a Agricultura Familiar Inclusão Produtiva Jainei Cardoso Coordenação Rede de San e Cidadania Conselheira CONSEA-BA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais