CURRICULUM VITAE. Marco Antônio D ávila Fernandes Engenheiro Agrônomo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURRICULUM VITAE. Marco Antônio D ávila Fernandes Engenheiro Agrônomo"

Transcrição

1 CURRICULUM VITAE Marco Antônio D ávila Fernandes Engenheiro Agrônomo Abril de 2012

2 CURRICULUM VITAE 1- DADOS PESSOAIS Nome: Marco Antônio D ávila Fernandes Filiação: Mário Fernandes e Beatriz D ávila Fernandes Local de Nascimento: Cachoeira do Sul - RS Data: 23 de Maio de 1959 Estado Civil: Casado, 3 filhos Nome esposa: Nara Hertzog Schwanck Fernandes Endereço: Particular: Rua Nunes Machado 48, casa 31 Ponta Grossa - Paraná CEP Documentação Profissional: Solida Agroconsultoria Ltda Av. dos Pioneiros, 1010 sala 01 Carambeí - Paraná CEP Fone: Carteira de Identidade: nº SSP/RS Título de Eleitor: nº /71-14ª Zona Certificado de Reservista: nº º C.S.M. CPF: nº Carteira Profissional: nº 15667/ RS Carteira de Habilitação: nº DETRAN/RS 2 - FORMAÇÃO ESCOLAR Curso Secundário Colégio Militar de Porto Alegre e Colégio Nossa Senhora do Rosário Curso Superior Graduação Bacharel em Agronomia pela Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Sul. 1980/ Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do

3 Pós Graduação Cursou a disciplina Administração e Conservação de Energia do Programa de Pós-graduação em Engenharia Metalúrgica e dos Materiais da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Novembro 1981 Cursou a disciplina Aspectos Econômicos da Energia do Programa de Pósgraduação em Engenharia Metalúrgica e dos Materiais da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Abril 1982 Curso de Pós-Graduação em nível de Especialização em Administração,Área de Concentração em Agribusiness.FAE Business School,Curitiba,PR. Janeiro a Dezembro 1997 Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Estratégica no Agronegócio. ISAE/FGV. Agosto 2012/ Bolsa de Estudo 3 - ATIVIDADES CIENTÍFICAS Recebeu Bolsa de Iniciação Científica do CNPq para estudar a Aplicação de Efluentes de Biodigestor como Fertilizante Agrícola.Março/Dezembro Projetos de Pesquisa Elaborou o Projeto Caracterização dos Efluentes de Biodigestor e Avaliação de seu uso como Fertilizante CNPq.1982 Atuou no Projeto Biocidas do Departamento do Meio Ambiente da SSMA-RS, no levantamento das características dos pesticidas envolvidos ATIVIDADES PROFISSIONAIS Experiências Profissionais Co-responsável técnico por lavouras de arroz, milho e soja (320 ha). Planejamento, execução e acompanhamento.são João D Aliança - Goiás Jan 1986/Maio 1987 Responsável técnico por projeto e implantação de lavoura de arroz inundado; levantamento plano altimétrico, planta topográfica, dimensionamento e locação de drenos, área de 35 ha, Sr. Egon Mascke.Planaltina Goiás.Jun 1986/Abril 1987 Responsável técnico por projeto de locação de canais, levantamento topográfico e acompanhamento de lavoura de arroz inundado, área de 70 ha, Sr. Cláudio Porto.São João D Aliança Goiás - Abril 1986/Maio 1987 Responsável técnico por dimensionamento e locação de terraços, área de 50 ha, Fazenda Triângulo - Aviação Taspal, São João D Aliança Goiás.Out/Nov 1986

4 Responsável técnico por coleta de amostras de solos, interpretação e recomendação de adubação para lavouras de soja (1.800 ha), arroz (300 ha), milho (250 ha), Sr. Hermes Pooz.São João D Aliança Goiás.Set/1986 Responsável técnico por projeto e assistência à lavouras de milho (410 ha), soja (140 ha) e feijão (20 ha), Sr. Dirceu B. Mello.Planaltina Goiás.Out 1986/Maio 1987 Responsável técnico por projeto de proteção aos grãos armazenados, Alvorada Armazéns Gerais Ltda. São João D Aliança Goiás.Maio/1987 Co-responsável técnico por projeto e execução do processo de divisão fundiária no Assentamento Vasto Horizonte e assistência técnica em lavouras.emater/pr, Tibagi/Paraná.Setembro 1987/Julho 1988 Responsável técnico pelo planejamento e execução de práticas de manejo conservacionistas nas Microbacias do Barreiro e Vasto Horizonte.EMATER/PR, Tibagi/Paraná.Agosto 1987/Julho 1988 Responsável técnico por assistência a lavouras, recomendação de adubação e calagem, emissão de Receituário Agronômico, perícias de Proagro,.EMATER/PR, Tibagi/Paraná.Setembro 1987/Julho 1988 Co-responsável técnico por levantamento topográfico, dimensionamento de drenos em várzea (12 ha).emater/pr, Castro/Paraná.Jun/Ago 1988 Responsável técnico por assistência a lavouras de trigo (2.500 ha), feijão das águas e secas (1.200 e ha), soja (1.300 ha), milho (3.500 ha), sorgo (60 ha) e arroz (120 ha), em P.D. e P.C.COOPASUL-Ltda - Itararé e Itapeva SP.Ago 1988/Abril 1989 Responsável técnico pelo planejamento das atividades do Campo Demonstrativo da COPASUL-Ltda.Itararé/SP.Ago 1988/Abril 1989 Responsável técnico pelo setor de Administração Rural e Custos de Produção.Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/PR.Maio 1989/Maio 1992 Responsável técnico por assistência a lavouras de soja (900 ha), milho (752 ha), feijão (35 ha), trigo e triticale (1200 ha), em P.D. (80%) e P.C. Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Maio 1989/Abril 1990 Co-responsável técnico pela produção de sementes de milho (10 ha), tremoço (20 ha), trigo e triticale (500 ha), aveia (200 ha) e soja (1800 ha), classes fiscalizada, certificada e registrada.cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná. Maio 1989/Abril 1990 Responsável técnico pelo Setor de Planejamento.Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Out 1990/Maio 1992

5 Co-responsável pela organização de dias-de-campo de culturas de inverno e verão no Campo Demonstrativo e Experimental.Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Set 1989/Maio 1992 Responsável técnico pelo Planejamento e execução de práticas de manejo conservacionista da Microbacia São Domingos.Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Set 1989/Maio 1992 Co-responsável técnico pela avaliação e perícia de lavouras de trigo, triticale, soja e milho inscritos em Seguro Agrícola interno.cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Maio 1989/Maio 1992 Responsável técnico por assistência a lavouras de trigo e triticale (1200 ha), aveia (350 ha), soja (3617 ha), milho (853 ha) e feijão (33 ha) em P.D. (80%) e P.C. Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Maio 1990/Abril 1991 Responsável técnico pela produção de sementes de trigo e triticale (6323 ha), aveia (1776 ha) e soja (10062 ha), classes fiscalizada, certificada e registrada. Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná.Maio 1990/Março 1992 Responsável técnico por assistência a lavouras de trigo e triticale (3300 ha), aveia (969 ha), soja (6630 ha), milho (2451 ha), feijão (102 ha), arroz (42 ha), sorgo (10 ha), em P.D. (90%) e P.C.Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda, Tibagi/Paraná Maio 1991/Março 1992 Supervisor Regional de Adubos Trevo S/A; assistência técnica, coordenação de equipe de representantes e vendas técnicas.adubos Trevo S/A, Cruz Alta/Rio Grande do Sul.Junho 1992/Maio 1993 Responsável técnico por lavouras de trigo e triticale (2200 ha), aveia (2200 ha), canola (60 ha), azevém (2200 ha), soja (4185 ha), milho (1985 ha), feijão (370 ha) e batata (30 ha) em P.Direto e produção de sementes de trigo, triticale, aveia e soja. Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda - Grupo Agropecuária, Carambeí/Paraná Maio 1993/Março 1994 Responsável técnico por lavouras de trigo e triticale (1850 ha), aveia (2350 ha), azevém (3300 ha), soja (4020 ha), milho (2145 ha), feijão (450 ha) e batata (30 ha) em plantio direto e produção de sementes de trigo, triticale e soja. Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda - Grupo Agropecuária, Carambeí/Paraná Maio 1994/Março 1995 Responsável técnico por lavouras de trigo e triticale (1100 ha), aveia (2500 ha), azevém (3800 ha), soja (3768 ha), milho (2321 ha), feijão (490 ha) e batata (30 ha) em plantio direto e produção de sementes de trigo, triticale e soja. Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda - Grupo Agropecuária, Carambeí/Paraná Maio 1995/Março 1996 Responsável técnico por lavouras de trigo e triticale (250 ha), aveia (3300 ha), azevém (2300 ha), soja (4450 ha), milho (2972 ha), feijão (750 ha) e batata (30 ha) em plantio direto e produção de sementes de trigo, triticale e soja.cooperativa Agropecuária Batavo Ltda - Grupo Agropecuária, Carambeí/Paraná.Maio 1996/Maio 1997

6 Responsável técnico pelo planejamento de utilização dos solos, conservação de solos, rotação de culturas, fertilização, perícia de fundo mútuo de seguro, acompanhamento de custos de produção, orçamentação de culturas.cooperativa Agropecuária Batavo Ltda - Grupo Agropecuária, Carambeí/Paraná.Junho 1993/1994 Responsável técnico por atividades de acompanhamento de lavouras anuais de inverno e verão( ha/ano) atendidas pela empresa Solida Agroconsultoria,Paraná,Mato Grosso do Sul.Junho de 1994/2008 Responsável técnico por atividades de acompanhamento de lavouras anuais de inverno e verão( ha/ano) atendidas pela empresa Sólida Agroconsultoria,Paraná Junho de 2009/ Assistente técnico em ação judicial envolvendo questão de arrendamento,tibagí,paraná,junho de 2010 Perito judicial nomeado pela Vara da Família, envolvido em avaliação de atividades agrícolas e rentabilidade,ponta Grossa,Paraná, novembro de Estágios Levantamento topográfico em áreas da região metropolitana de Porto Alegre como auxiliar da empresa HIDROCONSULT Ltda.Dezembro 1979/Janeiro 1980 Cálculo e desenho topográfico de estradas, como auxiliar de Projeto Geométrico de Estradas, empresa ECOPLAN - Porto Alegre RS.Janeiro/Fevereiro 1980 Pesquisa em biodigestores, avaliação de potencial orgânico, construção de planta-piloto, testes de laboratório e casa de vegetação, projeto de biodigestor industrial, confecção de Manual de Operador e avaliação econômica do projeto. Empresa DOSUL - ZAFFARI S/A Comércio de Alimentos.Novembro 1980/Maio 1982 Fiscalização de pesticidas, atendimento a empresas revendedoras de pesticidas, realização de pesquisas bibliográficas e de pareceres sobre pesticidas. Departamento do Meio Ambiente da Secretaria da Saúde e Meio Ambiente do Rio Grande do Sul.Jan/Dez 1983 Prática de mecanização agrícola, manutenção de tratores e implementos, regulagem de implementos, construção de terraços, semeadura - Estação Experimental Agronômica - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Dez/1985 Prática de solos, levantamento topográfico, coleta e análise de amostras de solo, recomendação e prática de calagem e adubação, planejamento agrícola - Estação Experimental Agronômica - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Dez/ Orientação de Estágio Responsável pela orientação de estágio curricular obrigatório dos acadêmicos de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Marcelo Bein e Walter Blank, em atividades de campo e escritório. São João D Aliança/Goiás - Julho/Novembro 1986

7 Responsável pela orientação de estágio curricular obrigatório do acadêmico de Agronomia da UFRGS, Fernando Werlang da Silveira, em atividades de monitoramento do sistema radicular de milho.carambeí/paraná Dez 1994/Jan 1995 Responsável pela orientação de estágio do acadêmico de Agronomia da UEPG Peter Vink em atividades de coleta de tecido foliar de milho.carambeí/paraná Dezembro 1997/Janeiro 1998 Responsável pela orientação de estágio voluntário do acadêmico de Agronomia da UEPG Henrique Degraf em atividades de campo e escritório Carambeí/Paraná- Novembro de Cursos de Aperfeiçoamento Curso de Extensão sobre solos - Departamento de Solos da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - 5 horas/aula.agosto 1979 De Calibrador de Aspersores Terrestres - Ministério do Trabalho - SENAR-IRGA, Porto Alegre - 35 horas/aula.setembro 1979 De Mecanização Agrícola - Companhia Brasileira de Tratores - Porto Alegre - 40 horas/aula.dezembro 1979 De Energia Solar - Departamento de Engenharia Mecânica da Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - 42 horas/aula. De Introdução à Proteção Ambiental e Controle da Poluição - Faculdade de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - 15 horas/aula. Novembro 1980 De Álcool Combustível - Faculdade de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - 15 horas/aula.1980 De Introdução ao Uso da Matéria Orgânica na Agricultura - Associação dos Engenheiros Agrônomos de Porto Alegre.Novembro 1980 De Legislação de Proteção ao Meio Ambiente - Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - 45 horas/aula.1982 De Modernização da Pecuária e Uso da Energia Fóssil - Sociedade de Agronomia do Rio Grande do Sul.Setembro 1980 De Agricultura Biológica - Sociedade de Agronomia do Rio Grande do Sul - 32 horas/aula.abril 1981 De Transformações Microbianas no Solo - Sociedade Brasileira de Microbiologia - Florianópolis/SC - 05 horas/aula.junho 1981 De Digestão Anaeróbica - Sociedade Brasileira de Microbiologia - São Paulo - 15 horas/aula teóricas e 12 horas/aulas práticas.dezembro 1982

8 De Fruticultura para Agrônomos - EMATER/RS - Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Porto Alegre/RS - 30 horas/aula.julho 1987 De Extencionista Rural - ACARPA/EMATER-PR - Curitiba horas/aula Agosto 1987 De Manejo Integrado de Solos e Água em Microbacias - ACARPA/EMATER-PR - Lapa/PR - 40 horas/aula.novembro/dezembro 1987 De Drenagem e Sistematização de Várzeas - ACARPA/EMATER-PR - Curitiba/PR - 84 horas/aula.janeiro/fevereiro 1988 De Sistemas Agrícolas Aplicados ao Desenvolvimento Rural Integrado - Fundação Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR - Londrina/PR.40 horas/aula.março 1988 De Atualização em Tecnologias Aplicadas ao Trigo e Culturas Alternativas de Inverno - Associação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná - Ponta Grossa/Pr. 16 horas/aula.julho 1988 De Atualização na Cultura de Milho - Associação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná - Ponta Grossa-PR.12 horas/aula.agosto 1989 De Operação e Manutenção de Colheitadeiras - SLC S/A.Tibagi - 16 horas/aula Fevereiro 1991 De Fertilizantes - Adubos Trevo S/A - Ponta Grossa-PR.-16 horas aula.agosto 1991 Produção de fertilizantes; aspectos técnicos, industriais e comerciais.adubos Trevo S/A - Porto Alegre horas/aula.fevereiro 1992 Tecnologia e Segurança em Aplicações de defensivos agrícolas. Fundação ABC - Castro-PR.45 horas/aula.agosto 1993 Sistema Integrado de Manejo na Produção Agrícola - Universidade Estadual de Ponta Grossa - Ponta Grossa-PR.40 horas/aula.abril 1995 Agricultura de Precisão University of Illinois Urbana Illinois EUA 20 horas/aula.agosto 1996 Curso de Atualização Tecnológica Agricultura Cerrados. Fundação ABC Castro- PR 40 horas/aula Maio 1997 Introdução à Agricultura de Precisão. GIS Brasil, Curitiba-PR 9 horas/aula Maio 1998 Curso de Atualização Tecnológica em Feijão. Fundação ABC, Castro-PR. 19 horas/aula- Julho de Mediador em debate Curso de Agricultura de Precisão. GIS Brasil, Ponta Grossa-PR. 16 horas/aula- Março de 2000

9 Curso de Agricultura de Precisão na Prática. Insolo,Ponta Grossa-PR. 11 horas/aula, Coordenação Geral- Setembro de 2000 Curso de Análise Financeira. ACIPG,Ponta Grossa-PR.12 horas/aula- Fevereiro de PARTICIPAÇÃO EM CONGRESSOS, SIMPÓSIOS E SEMINÁRIOS IV Semana de Agronomia Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Setembro 1980 V Encontro Estadual de Engenheiros Agrônomos - S.A.R.G.S.Setembro 1980 II Simpósio de Ecologia (Monitoramento Ambiental),UFRGS - SAARBRUCKEN Outubro 1980 I Simpósio Brasileiro de Biogás.Ministério da Agricultura - CNPq - Brasília Março 1981 II Salão de Pesquisa Biológica de Porto Alegre.Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.Março 1981 I Encontro de Botânicos do Rio Grande do Sul.Sociedade Botânica.Julho 1981 XI Congresso Brasileiro de Microbiologia.Florianópolis/SC.Julho 1981 I Simpósio Gaúcho de Fontes Alternativas de Energia.Sociedade Agronomia de Santa Maria/RS.Outubro 1981 I Simpósio de Agro energia do Rio Grande do Sul.Secretaria da Agricultura Março 1982 I Simpósio Estadual da Mandioca.EMBRAPA/EMATER.Outubro 1985 III Reunião Brasileira de Triticale.OCEPAR - Cascavel/PR.Julho 1989 I Seminário de Controle Biológico.M.A./SEAB - Ponta Grossa/PR.Outubro 1989 VIII Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol.FUNDACEP - Cruz Alta/RS. Julho 1990 I Encontro Técnico sobre Reflorestamento da Bacia do Tibagi.COPATI/SEAB - Ponta Grossa/PR.Outubro 1991 XXIII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo.S.B.C.S. - Porto Alegre/RS.Julho 1991 Encontro Nacional do Milho e Sorgo.Fundação ABC/EMBRAPA - Ponta Grossa/PR.Fevereiro 1992 I Jornada Paranaense de Agronomia.A.E.A. P.R/OCEPAR - Cascavel/PR Novembro 1991 XXIV Congresso Brasileiro de Ciência do Solo.S.B.C.S. Goiânia/GO.Julho 1993

10 1994 Seminário sobre qualidade de fertilizantes.a.e.a.c.g. - Ponta Grossa/PR.Abril Simpósio sobre proteção de plantas.a.e.a.c.g. - Ponta Grossa/PR.Junho 1994 Simpósio sobre Integração Agricultura-Pecuária.A.E.A.C.G. - Ponta Grossa:PR Agosto 1994 XXV Congresso Brasileiro de Ciência do Solo.S.B.C.S - Viçosa/MG.Julho 1995 Seminário Internacional de Informatização da Agropecuária.SOFTEX Juiz de Fora/MG,Outubro 1995 Precision Farming Conference 1996.Northern Illinois University - Urbana - Champaign Illinois.Julho 1996 Seminário sobre Fisiologia da Produção e Manejo Água e nutrientes na Cultura de Milho ESALQ/Potafós Piracicaba/SP Abril 1996 IV Congresso e Feira para usuários de Geoprocessamento da América Latina GIS BRASIL 98. Curitiba/PR Maio de 1998 I Encontro Brasileiro de Manejo de doenças da cultura da Soja. Fundação ABC Ponta Grossa/PR Setembro de 1998 Simpósio sobre monitoramento nutricional para recomendação de adubação de culturas. Potafós Piracicaba Abril 1999 I Simpósio Fertilidade Plantio Direto-AEACG- Ponta Grossa/PR- Junho de 2000 Congresso Brasileiro de soja Embrapa Londrina/PR Maio de 1999 XXVIII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo- SBCS- Londrina/PR- Julho de 2001 VII World Soybean Research Conference-Embrapa-Foz do Iguaçu/PR-fevereiro de 2004 XIV Congreso de AAPRESID- Rosário, Argentina- agosto de 2006 Gestão Sustentável do Agronegócio- Federação Plantio Direto,Ponta Grossa,PR-agosto de 2007 I Workshop Milho Bt- Fundação ABC,Castro,PR, novembro de 2008 V Simpósio Internacional de Grãos Armazenados-ABRAPOS,Ponta Grossa,Prmaio 2009 II Simpósio Fertilidade Plantio Direto-AEACG-Ponta Grossa/PR-Maio de 2010

11 6 - FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Aprovado em Concurso Público Federal, promovido pelo Ministério da Agricultura, sendo lotado na 8ª C.S.M. - Porto Alegre, onde exerceu atividades administrativas durante o período de Janeiro/Março 1984 Aprovado em Concurso Público Estadual promovido pela ACARPA/EMATER-PR, exercendo atividades de responsável pelos escritórios municipais de Tibagi, assistência técnica, organização e assessoria a agricultores na produção, beneficiamento e comercialização de produtos agropecuários.agosto 1987/Agosto 1988 Coordenador da Comissão Municipal de Conservação de Solos, exercendo as atividades de Gerência do Programa de Manejo Integrado de Solos e Água nas Microbacias do Município de Tibagi/PR.Março 1988/Agosto 1988 Responsável Técnico-Administrativo pela Produção de Sementes da Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda.TIBAGI-PR.Setembro 1990/1992 Responsável Técnico-Administrativo pelos setores de Administração Rural e Planejamento da Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda.TIBAGI-PR.Maio 1989/1992 Responsável Técnico-Administrativo pela supervisão regional de Adubos Trevo S/A.Cruz Alta - Rio Grande do Sul.Junho 1992/Maio 1993 Gerente Geral da empresa Insolo Agricultura de Precisão.Carambeí- Paraná.Dezembro de 2000/Dezembro de / Sócio Gerente da empresa Sólida Agroconsultoria Ltda,Carambeí,PR.Janeiro de 7 - IDIOMAS Fala, lê e escreve idioma inglês. Possui curso específico no Instituto Cultural Brasileiro-Norte Americano de Porto Alegre/RS. Lê no idioma espanhol. 8 - TRABALHOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS Co-autor de Projeto de Aproveitamento Econômico do Assentamento Vasto Horizonte - ACARPA-EMATER/PR - Ponta Grossa-PR.Dezembro pp não publicado Uso de Inoculante em Feijão. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 72: 15-6, julho Pulverizações Aéreas. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 164:3-5, setembro Batata: Manejo de Pragas e Moléstias. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 73: 13-16, outubro.

12 Controle Biológico de Pragas: Algumas novidades.jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 75: 28-9, janeiro Triticale: Alguns aspectos importantes. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 76: 14-6, março Microbacias. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 171: 29, abril Avaliação da Safra de Verão 1989/90. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 77: 40-3, maio A Cultura do Girassol, Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 77: 44-6, Maio Soja: Concurso de redução de perdas na colheita. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda.Castro, 173: 23, Junho Tibagi, programas em desenvolvimento. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 174: 32,Julho Feijão: resultados de ensaios em Tibagi. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 78: 6-7, agosto Acompanhamento de Culturas. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 176:32, setembro Soja: recomendações para a região Ortigueira e Imbaú. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 177: 32, Outubro Triticale, uma excelente opção em Tibagi. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro 180: 15-6, janeiro Pulverizações em Tibagi, uma pequena radiografia. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 81: 14-6, fevereiro Tibagi: avaliação da safra de trigo Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 181: 26-9, fevereiro Triticale. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 82: 13-4, março Aveia Branca em Tibagi. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 183: 23-4, abril Curso de Manutenção de Colhedeiras em Tibagi. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 183: 25, abril Reunião de Avaliação de Safra 1990/91. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 185: 14, junho Tibagi, avaliação da safra de soja 1990/91. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 83: 29-34, junho Resultados do Concurso de Redução de Perdas na Colheita de Soja. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 186: , julho Feijão: resultados de ensaios em Tibagi e recomendações. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 84:36-8, Agosto Feijão em Tibagi: características das cultivares. Jornal Batavo, Cooperativa Agropecuária Batavo Ltda. Castro, 188: 33, Outubro Avaliação da safra de milho 1990/91 - Tibagi. Jornal DIRAT, Fundação ABC. Castro, 85: 11-3, outubro Soja, recomendações para região Imbaú-Ortigueira. Revista Batavo, Fundação ABC. Castro, 2: 18-9, dezembro Avaliação da safra de trigo 1991 em Tibagi. Revista Batavo, Fundação ABC. Castro, 3: 11-3, janeiro Custos de Produção e sua Importância. Revista Batavo, Fundação ABC. Castro, 3:7-9, janeiro.

13 Triticale, avaliação de safra Revista Batavo, Fundação ABC. Castro 5:12-5,março A Importância da Qualidade dos Fertilizantes. Revista Batavo, Fundação ABC. Castro, 3: 11-4, Janeiro Levantamento populacional e alerta sobre erva problemática. Revista Batavo, Fundação ABC, Castro, 28: 30-32, Fevereiro Fertilidade do Solo. Revista Batavo, Fundação ABC, Castro, 36: 14-16, Outubro Avaliação safra Revista Batavo, Fundação ABC, Castro, 40: 18-24, Fevereiro Qualidade Total na Cultura do Milho. Revista Batavo, Fundação ABC, Castro, 48: Trigo - Avaliação Safra Revista Batavo, Fundação ABC, Castro, 55: 3-10, maio. 9 - FILIAÇÃO À ENTIDADES DE CLASSE Sociedade Brasileira de Ciências do Solo - Sócio nº / Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA, Registro nº RS.1985/ Associação dos Engenheiros Agrônomos de Porto Alegre - AEAPA, sócio nº Associação dos Engenheiros Agrônomos dos Campos Gerais - AEACG Exerceu Diretoria Técnica PALESTRAS PROFERIDAS Fertilidade na Cultura do Milho - Seminário Regional sobre a cultura do milho. Apassul, Faculdade de Agronomia Passo Fundo e Embrapa-CNPT. Passo Fundo-RS. Maio 1993 Integração Agricultura-Pecuária - Encontro Regional Cyanamid Cyanamid Química do Brasil Ltda. XANXERÊ-SC.Agosto 1994 Fertilização nas culturas de milho e soja. Curso de Produção de milho e soja com alta tecnologia. Fundação ABC - Castro-PR.Setembro 1994 Fertilidade Química e Ambiente Radicular. Curso de Extensão Universitária Plantio Direto na Palha. UFPR - Curitiba-PR.Setembro 1994 Produção Pecuária e Plantio Direto. III Encontro Nacional de Plantio Direto. Paraguai Março de 1998 Produção de Biogás em Propriedades Leiteiras. XIV Congresso de AAPRESID, Rosário, Argentina- Agosto de 2006 Sistemas Produtivos no Paraná. Jornada Técnica Anual Embrapa CNPSoja,Londrina,PR- Agosto de 2012

14 11 EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS 1996 Viagem ao Corn Belt e participação de encontro de agricultura de precisão, Illinois, Ohio, Indiana, Missouri Iowa, Julho Viagem ao Corn Belt; visitas a universidades, empresas agribusiness, etc. Illinois, Iowa, Missouri, Julho Viagem ao Corn Belt, participação no Farm Progress Show, Illinois, Iowa, Indiana, Outubro Viagem á Europa, visitas á universidades, produtores rurais e empresas,holanda,alemanha,suiça, França e Inglaterra, Julho de Viagem á Argentina, visitas á produtores e entidades ligadas ao Plantio Direto, Agosto de Viagem ao Chile, visitas á produtores e empresas ligadas á cadeia produtiva do trigo, Julho de Viagem aos EUA,visitas á fazendas,empresas e Farm Progress Show,Illinois,Iowa,Missouri,Setembro de Viagem á Argentina e Chile,visitas á fazendas e empresas do agronegócio local,setembro de REFERÊNCIAS Bancárias Banco Brasil S.A Agência Carambeí/PR Fone Particulares Eng. Agr. Antônio Carlos Campos Gerente Geral Coop. Agrop. Batavo Ltda Carambeí/PR Fone:

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Localização Peru Chile Bolívia Paraguai Uruguai Argentina Passo Fundo, RS O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Embrapa Trigo Rodovia

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO

SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO SUBPROGRAMA 16.1 REMANEJAMENTO DA POPULAÇÃO ASSISTÊNCIA TÉCNICA E SOCIAL - (ATS) REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO DE MANGUEIRINHA-PR EMPRESA CONTRATADA Agrisolo Projetos Técnicos Subprograma 16.1 Remanejamento

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Painel: "DEFINIÇÃO DO REAL PAPEL DAS COMISSÕES DE SEMENTES E MUDAS NO SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS" Reivindicações do Setor Sementeiro

Painel: DEFINIÇÃO DO REAL PAPEL DAS COMISSÕES DE SEMENTES E MUDAS NO SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS Reivindicações do Setor Sementeiro XXXIII Ciclo de Reuniões Conjuntas da CSM/PR Painel: "DEFINIÇÃO DO REAL PAPEL DAS COMISSÕES DE SEMENTES E MUDAS NO SISTEMA NACIONAL DE SEMENTES E MUDAS" Reivindicações do Setor Sementeiro Raphael Rodrigues

Leia mais

Encontro Paranaense de Engenheiros Agrônomos 2011

Encontro Paranaense de Engenheiros Agrônomos 2011 Encontro Paranaense de Engenheiros Agrônomos 2011 Como se elaborar projetos pelo ABC: O passo a passo para financiamentos sob a linha Local: Agricultura de Baixo Carbono" Auditório do CETREFA. Dia 23/11/2011

Leia mais

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento.

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. São objetivos do ABC: Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas

Leia mais

CREA- São Paulo. PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO

CREA- São Paulo. PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO CREA- São Paulo PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO LEGISLAÇÃO E EXERCÍCIO PROFISSIONAL Câmara Especializada de Agronomia CREA/SP Eng. Agr. Daniel Antonio Salati Marcondes ( CEA (Coordenador

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

2013-2013 Curso de curta duração em Inseminação Artificial em Bovinocultura. Fazenda Paraíso, FAZENDA PARAÍSO, Brasil

2013-2013 Curso de curta duração em Inseminação Artificial em Bovinocultura. Fazenda Paraíso, FAZENDA PARAÍSO, Brasil CURRICULUM VITAE JULIO RAMOS REIS Endereço: Rua Iraci, 712, Boa Esperança Patrocínio - MG CEP: 38740-000 Telefones: (34) 9178-4616 / (34) 9903-1156 E-mail: julioramosreis@gmail.com Dados pessoais Filiação

Leia mais

DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR

DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade

Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade Transferência de tecnologias comunicação e marketing para negócios Sandra Maria Santos Campanini Lebna Landgraf do Nascimento José Graças Maia de Andrade Número do Plano de Ação: 04.02.616.02.10 Introdução

Leia mais

CURRICULUM VITAE. João Carlos Gravina Jeremias Engenheiro civil/mecânico e Técnico Agrícola CREA 32.642

CURRICULUM VITAE. João Carlos Gravina Jeremias Engenheiro civil/mecânico e Técnico Agrícola CREA 32.642 CURRICULUM VITAE João Carlos Gravina Jeremias Engenheiro civil/mecânico e Técnico Agrícola CREA 32.642 ÁREA DE ATUAÇÃO: Avaliação de Bens Perícias em Engenharia civil e mecânica Vistorias Renovatórias

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Jéssica Maria Coutinho Roters Curriculum Vitae

Jéssica Maria Coutinho Roters Curriculum Vitae Jéssica Maria Coutinho Roters Curriculum Vitae Junho/2015 Jéssica Maria Coutinho Roters Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Jéssica Maria Coutinho Roters Filiação Oslin Roters e Terezinha de Fatima Coutinho

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Mercia Maria Teixeira Bezerra

Mercia Maria Teixeira Bezerra Mercia Maria Teixeira Bezerra Rua Anísio de Abreu, n 1549, Brasileira Marquês - Teresina PI CEP: 64.002-485 Casada Tel.: (86) 9982-5103/3221-1455/8813-1394 Nascimento: 20/12/1955 Email: merciatb@gmail.com

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA LAMA - LABORATÓRIO

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Eng o Agr o Decio Luiz Gazzoni. Do Oiapoque ao Chuí

Eng o Agr o Decio Luiz Gazzoni. Do Oiapoque ao Chuí Eng o Agr o Decio Luiz Gazzoni Do Oiapoque ao Chuí Nos últimos 40 anos, ocorreu no Brasil uma revolução sem paralelo na História da Agricultura: Passamos de importador de alimentos a maior exportador

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 747 CEP 80.510-040 Curitiba PR - Fone (41) 3221-7504 Internet: http://www.claspar.pr.gov.br e.mail: claspar@claspar.pr.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal:

I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta. André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Tema: I.L.P.F. - Integração Lavoura, Pecuária & Floresta SAF Sistema Agroflorestal PALESTRANTE André Luiz C. Rocha Engenheiro Florestal: Formado pela Universidade Federal de Viçosa no ano de 1985 Especialização

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Luciana Pizzani Rosemary Cristina da Silva Memorial Memorial é o relatório circunstanciado que se apresenta à comissão de progressão funcional, o qual inclui a

Leia mais

20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde

20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde 20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde A produção brasileira de grãos 2000-2001 bateu o recorde nacional superando a marca das 100,3 milhões de toneladas. De

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 *

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Harlen Pereira Ferreira UEMG Unidade Carangola Felipe Silva Vieira UEMG Unidade Carangola Marcela Silva

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas Associação Brasileira de Sementes e Mudas WORKSHOP AMOSTRAGEM, TESTES E ESTATÍSTICA SEMENTES, PLANTAS E GRÃOS Associação Brasileira de Sementes e Mudas A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL ILSI International

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012

ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012 ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal 0110113(5) Introdução à Engenharia Agronômica

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO

AGRICULTURA DE PRECISÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA - CAMPUS JÚLIO DE CASTILHOS CURSO TÉCNICO AGRICOLA COM HABILITAÇÃO EM AGRICULTURA AGRICULTURA DE PRECISÃO

Leia mais

Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global

Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global 1 Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global A evolução da agricultura se confunde com a história da humanidade. Para poder crescer e se desenvolver estabelecendo suas comunidades o

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE

UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE IDENTIFICAÇÃO: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA NÍVEL: Mestrado / Doutorado TIPO: Acadêmico CONCEITO CAPES Mestrado: 4 (Triênios: 2004-2006 e 2007-2009) Doutorado:

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015-2 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola - PGEA

PROCESSO SELETIVO 2015-2 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola - PGEA PROCESSO SELETIVO 2015-2 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola - PGEA O Processo Seletivo para Admissão Ano Letivo 2015-2 do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da UFRPE em Engenharia Agrícola

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA BANANA LUIS ALVES SANTA CATARINA 2005 Compilado no BRDE

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA BANANA LUIS ALVES SANTA CATARINA 2005 Compilado no BRDE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DA BANANA LUIS ALVES SANTA CATARINA 2005 Compilado no BRDE 1. Contextualização e Caracterização do Arranjo a) Os mercados tornam-se cada vez mais exigentes em relação ao consumo

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento

Regimento. Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento. Regimento Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regimento Programa de Residência Zootécnica como formador de agentes de desenvolvimento territorial 2013 Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL. Florianópolis SC Junho - 2015

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL. Florianópolis SC Junho - 2015 Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB Florianópolis SC Junho - 2015 Fonte: SEAB/DERAL. Secretaria da Agricultura e do Abastecimento SEAB O Departamento de Economia Rural está localizado na

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

A função agricultura na Base Mapa/Sian

A função agricultura na Base Mapa/Sian A função agricultura na Base Mapa/Sian Encontram-se disponíveis da Base Mapa/SIAN informações sobre mais de 300 órgãos da administração pública brasileira que desempenharam atribuições relacionadas à agricultura,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PEDRO SIMON I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PEDRO SIMON I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 RELATOR: Senador PEDRO SIMON I RELATÓRIO Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 85, de 2012 (Projeto de Lei nº 6.040,

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários

FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL. Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO E USO DE AGROTÓXICOS NO RIO GRANDE DO SUL Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Insumos e Serviços Agropecuários 1 O que são agrotóxicos e afins? DEFINIÇÃO (Art. 1, inciso

Leia mais

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA

ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA ANEXO AULA 12: CONSERVAÇÃO DO SOLO NA AGROECOLOGIA NESTA AULA SERÁ ABORDADO Importância de conservar o solo e sua influência sobre as plantas As formas e métodos de conservação do terreno Como combater

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

EDITAL Nº011/2015-CCA

EDITAL Nº011/2015-CCA EDITAL Nº011/2015-CCA ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO DE BOLSISTA GRADUANDO PROJETO: Troca de sabes na difusão de tecnologias para melhoria da produção familiar agroecológica. O Centro de Ciências

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa de Utilização Agrícola do Lodo de Esgoto no Estado do Paraná

Mostra de Projetos 2011. Programa de Utilização Agrícola do Lodo de Esgoto no Estado do Paraná Mostra de Projetos 2011 Programa de Utilização Agrícola do Lodo de Esgoto no Estado do Paraná Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES Campus Graduação na área de Artes Ministrar aulas em disciplinas relacionadas à área de Artes em geral. Desenvolver projetos e atividades extra-curriculares nas Artes

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná 06 DE NOVEMBRO DE 2012 caderno de editais PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná Arquivo/ANPr Os agricultores ainda têm informações sobre o uso

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus N o : 1276/14 Nome do Evento: I Dia de Campo de Inverno da UFSC Interessado: Samuel Luiz Fioreze Instituição: Universidade Federal de Santa Catarina, CP.

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba Fotos: Aopa Dia de campo sobre sistemas agroflorestais na comunidade São Sebastião, Cerro Azul-PR Transição agroecológica na região metropolitana de Curitiba Paulo Henrique Mayer* A região metropolitana

Leia mais

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1

CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 CULTIVO AGROECOLÓGICO DE TOMATE CEREJA COM ADUBAÇÃO VERDE INTERCALAR 1 Edmilson José Ambrosano Eng. Agr., Dr., PqC do Pólo Regional Centro Sul/APTA ambrosano@apta.sp.gov.br Fabrício Rossi Eng. Agr., Dr.,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE A Fundação Pró-Sementes aponta que um dos grandes problemas encontrados nos arrozais é a forte atuação de plantas invasoras, que são de difícil controle, prejudicando

Leia mais

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO José Eloir Denardin Jorge Lemainski Embrapa Trigo A ABORDAGEM PROPOSTA Histórico da evolução das tecnologias de produção de soja. Consequências

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais