ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS."

Transcrição

1 Curso de Especialização em Agribusiness BANCO DO BRASIL - SOROCABA PROGRAMA DE ESTUDOS DOS NEGÓCIOS DO SISTEMA AGROINDUSTRIAL Fundação Instituto de Administração - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade - Universidade de São Paulo ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS. Participantes: Generci Assis Neves Carlos Alberto Martins Jorge Miyasava Adelson Francisco de Moura Orientador: Prof. Sérgio Luiz Lepesch Sorocaba São Paulo 2.001

2 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade FEA Fundação Instituto de Administração FIA MBA de especialização em Agribusiness ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EXPLORAÇÃO DE PINUS RESINÍFERO EM PEQUENOS MÓDULOS RURAIS. Participantes: Generci Assis Neves Carlos Alberto Martins Jorge Miyasava Adelson Francisco de Moura Orientador: Prof. Sérgio Luiz Lepesch Monografia apresentada ao PENSA - Programa de Estudos dos Negócios do Sistema Agroindustrial (USP), como requisito parcial para obtenção do Certificado de Especialização em Agribusiness / MBA. Sorocaba São Paulo 2.001

3 Planejamento, diz respeito não as decisões futuras, mas a impactos futuros de decisões presente. Peter Drucker

4 S U M Á R I O LISTA DE QUADROS x LISTA DE FIGURAS E TABELAS xi RESUMO xii 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Madeira de Pinus Resinagem Pinus resinífero Espécies existentes Origem das espécies Espécies no Brasil Qualidade da goma resina No campo Na indústria Fatores interferentes na produtividade da goma resina Fatores intrínsecos Fatores externos Condução da extração, em campo Composição da goma resina Breu Terebintina Manejo florestal, com resinagem Condução e desbastes Efeitos da resinagem Aspectos ambientais de florestas resiníferas

5 Fixação do CO Aspectos sociais de florestas resiníferas Aspectos econômicos de florestas resiníferas PROPOSTA DE TRABALHO Justificativas Caracterização da região estudada Modelo proposto Tamanho do módulo Espaçamento e manejo Custo e receita da floresta Custo e receita da floresta resinagem Análise econômico-financeira Métodos utilizados na análise econômico-financeira O Valor do dinheiro no tempo Inflação Taxa de juros Valor Presente Líquido VPL Taxa Interna de Retorno TIR O Valor da Terra VET Relação Benefício/Custo B/C Análise SWOT RESULTADOS E DISCUSSÕES Análise econômico-financeira da resinagem Análise econômico-financeira do módulo proposto Análise SWOT do projeto proposto

6 5. CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES Consórcio com pecuária e outras culturas Ocupação de áreas marginais e/ou degradadas Proteção de matas ciliares Geração de receitas para pequenos produtores Financiamentos Empresas de participação Instituições financeiras ANEXOS CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS GLOSSÁRIO

7 LISTA DE QUADROS 01 Balanço total da demanda e da oferta de madeira no Brasil Projeção de demanda e oferta de madeira para produtos sólidos Modelo I de manejo florestal (Pinus elliottii) Modelo II de manejo florestal (Pinus tropical) Preço médio atual regional, de madeira roliça de Pinus Temperatura média, precipitação e fotoperíodo de Itapeva - SP Modelo de manejo florestal proposto Estimativa do incremento médio anual (IMA) Estimativa de volume de madeira, previsto nos desbastes Estimativa do faturamento (R$./ha), ao abater as árvores Estimativa de faturamento (R$./20 ha), da resinagem Estimativa de faturamento anual (R$./ha/ano), de resinagem Fluxo de caixa mensal, da resinagem apenas Análise econômico-financeira da resinagem Fluxo de caixa anual, do módulo proposto (20 ha) Análise econômico-financeira, do módulo proposto (20 ha) Concorrência e competitividade Análise SWOT i

8 LISTA DE FIGURAS 01 Aplicações do breu Produção mundial de breu Produção mundial de breu vivo - extraído da resinagem Preço histórico da goma resina brasileira Segmentação de um fuste, em função de tipos de utilização industrial Mapa de localização da região estudada Distribuição da área ocupada com Pinus, no Estado de São Paulo Ciclo da vida financeira de uma pessoa LISTA DE TABELAS 01 Estimativa de custo para reflorestar (R$./ha) Estimativa de custo da resinagem (R$/painél/ano) SEGURO Opção no mercado ii

9 RESUMO O setor florestal brasileiro pode se constituir em um dos mecanismos capazes de auxiliar no desenvolvimento da economia, na medida em que permite um melhor aproveitamento de terras, mesmo aquelas ociosas, sub-utilizadas ou degradadas e utilização de parte da mão de obra que se encontra desempregada. Pode ainda ser uma atividade que, dentro de uma política florestal adequada, contribua para o abastecimento de matérias primas, reduzindo a pressão de desmatamento sobre as matas nativas ainda existentes. A resinagem, uma das explorações economicamente importantes em florestas de Pinus spp., tem demonstrado a capacidade de aumentar a renda da atividade, que até pouco tempo ficava restrita à exploração da madeira. O cultivo de florestas de Pinus spp. tem se mostrado também uma atividade adequada para pequenas propriedades, podendo ser consorciado com outras culturas ou com gado de corte, otimizando-se a utilização do terreno. Assim, em pequenas propriedades pode-se aproveitar a mão de obra familiar, contribuindo para aumentar a renda das famílias rurais, evitando que estas migrem para as cidades em busca de outras oportunidades. O objetivo do trabalho foi o de analisar a viabilidade econômico-financeira da exploração da goma resina, juntamente com a produção de toras para indústrias de serraria e laminação, através da implantação de florestas em pequenos módulos rurais, a partir de 20,00 hectares. Para tanto, além de uma revisão sobre a exploração da floresta de Pinus, fez-se também um estudo detalhado da Região de Itapeva, no Sudoeste do Estado de São Paulo, para a qual se propõe a exploração de florestas de Pinus em pequenos módulos, adequados aos pequenos produtores rurais. iii

10 1. INTRODUÇÃO: O setor florestal brasileiro, com a importância que tem na produção, na arrecadação, nas exportações e no pagamento de salários, pode ser um dos instrumentos necessários para impulsionar o desenvolvimento da economia, podendo absorver grande parte da mão-de-obra ociosa e desqualificada, gerada pelo progresso tecnológico que tem contribuído para o aumento do desemprego, como é o caso da agricultura moderna que vem expulsando os trabalhadores do campo. Desta forma o setor florestal pode, com o seu crescimento, absorver parte dessa mão-de-obra, pois, a atividade, mesmo em áreas acidentadas, tem se mantido viável. O desenvolvimento econômico com base no desenvolvimento florestal é uma alternativa concreta que vem sendo discutida e proposta desde a década de 1950 pela Organização para Alimentação e Agricultura (FAO) da Organização das Nações Unidas (ONU), principalmente para o crescimento da economia dos países em desenvolvimento. Embora tenha acontecido nos países escandinavos e no Canadá; nos países do terceiro mundo, essa possibilidade não tem sido verificada. Isso se deve à falta de uma política adequada de manejo florestal, de industrialização, de gestão e de valorização dos produtos florestais, que vise agregar valor a esses produtos (PALO, 1988; citado por VALVERDE, 2000). Como se vê, o setor de reflorestamento vem ganhando importância em razão do grande potencial gerador de emprego e renda, não somente como incentivou o Governo através de programas de Incentivos Fiscais para o reflorestamento, nos moldes da lei 5.106, de 26 de setembro de 1966 e suas alterações subseqüentes, mas por um novo modelo que venha incentivar e orientar investimentos pulverizados, na implantação de pequenas áreas de florestas em propriedades de pequeno porte, através de programas de fomento. Na região Sudoeste de São Paulo, pelas características climáticas, o gênero pinus foi o que mais se destacou, sendo a mais importante essência indicada para reflorestamentos em pequenas áreas, não só pela grande capacidade de desenvolvimento, mas também pela possibilidade do seu aproveitamento na extração da goma resina, que se constitui num produto importante do setor florestal. FAO (1993), inclui a goma resina nos estudos sobre produtos madeireiros da floresta. A resinagem é uma atividade que consiste na extração de goma resina, em árvores vivas do gênero pinus. É considerada por muitos como uma forma de antecipar receitas de 1

11 uma floresta implantada com outros objetivos, que não a produção da goma resina. Além disso, gera empregos diretos e contribui para a fixação do homem no meio rural. A goma resina de Pinus já era utilizada, segundo HOMA (1983), desde o Egito antigo, com fins religiosos e para a mumificação de corpos. Ela foi também muito utilizada, desde a época colonial norte-americana, na construção naval, com o objetivo de calafetar peças de madeira (GURGEL, 1972), que eram usadas nos barcos da Marinha Real Inglesa. Hoje, a goma resina de Pinus, tem sido utilizada na obtenção de breu (fase sólida) e terebintina (fase liquida), com grande importância nas indústrias de tintas e vernizes, cola para papel, borrachas e adesivos, entre outros. No Brasil, a extração de goma resina é uma atividade relativamente recente, tendo iniciado a partir da década de 70, em árvores de Pinus elliottii implantadas através de incentivos fiscais nos anos 60 e 70. A grande maioria das florestas, onde se faz resinagem, é ainda oriunda daquela época do incentivo fiscal. Essas árvores foram plantadas em sistema adensado, visando apenas a produção de matéria prima para indústrias de celulose e papel. À medida que foram se desenvolvendo, foram sendo feitos desbastes, deixando-as com espaçamento maior, havendo um maior desenvolvimento do tronco e da copa. Isto viabilizou a extração de goma resina, que apesar de ser uma atividade secundária na floresta, levou o Brasil da condição de importador, para exportador, na década de 80 (ARESB, 2000). Hoje, o País é o 2 o produtor mundial, ao lado da Indonésia e abaixo apenas da China. Segundo ARESB, a produção brasileira de goma resina está estimada em aproximadamente toneladas, para atual safra 00/01. Novas florestas que estão sendo implantadas, da mesma forma vêm utilizando espaçamentos reduzidos, com a agravante que, as grandes empresas de reflorestamento, visando maior mecanização, fazem apenas um corte em toda a floresta ao mesmo tempo. Estas árvores, plantadas apenas com o objetivo de produção de celulose e papel, inviabilizam tanto a extração de goma resina, como a produção de toras para indústrias de serraria e laminação. A falta de reflorestamentos para atender o segmento de serraria e laminação, faz com que matas naturais sejam utilizadas com este objetivo, o que resulta em maior eliminação da cobertura florestal do país. Justifica-se a escolha deste tema, pela importância que o negócio tem para a economia brasileira e em especial para a Região Sudoeste do Estado de São Paulo, pelos seus aspectos sociais e econômicos, pela possibilidade de ser um adequado a pequenas áreas, como 2

12 alternativa às demais atividades, hoje adotadas na geração de renda complementar na agricultura familiar. O presente trabalho tem como objetivo, analisar a viabilidade econômicofinanceira da exploração da goma resina, juntamente com a produção de toras para indústrias de serraria e laminação, através da implantação de florestas em pequenos módulos rurais, a partir de 20,00 hectares. 3

13 2. REVISÃO DE LITERATURA: 2.1. MADEIRA DE PINUS: O gênero Pinus produz madeira de excelente qualidade visual, especialmente quando obtida a partir de árvores de grande diâmetro, desramado artificialmente durante os seus estágios de crescimento. Este fato, associado à possibilidade de grande produção de madeira em curto espaço de tempo, gera interesse em estudar as suas qualidades físicoquímicas e mecânicas que visam determinar suas adequadas utilizações (GARCIA, 1980). O Brasil possui um dos maiores reflorestamentos do mundo em coníferas, o que aliado à riqueza das suas características edafoclimáticas, proporcionam seguramente uma enorme vantagem sobre outras nações produtoras. É notório no entanto que se não houver plantio, não haverá o que colher no futuro, principalmente em se tratando de resinagem e madeiras com diâmetro economicamente viável para produção em serrarias e laminação. num futuro próximo. Os dois quadros abaixo elucidam a real possibilidade de déficit desses produtos BALANÇO TOTAL DA DEMANDA E DA OFERTA DE MADEIRA NO BRASIL (1.000 m 3 ). ANO DEMANDA OFERTA BALANÇO Fonte: SBS (1.999) PROJEÇÃO DE DEMANDA / OFERTA DE MADEIRA PARA PRODUTOS SÓLIDOS (1.000 m 3 ). ANO DEMANDA OFERTA BALANÇO Fonte: SBS (1.999) 4

14 (SILVA, 1995) cita que, no setor de produtos sólidos derivados da madeira, que requer uma matéria-prima mais refinada, com diâmetros mais avantajados e por se tratar de matéria prima que demande mais tempo para ser produzida, certamente esse será um dos setores mais atingidos. Conforme quadros acima, fonte da SBS - Sociedade Brasileira de Silvicultura, até o ano de 2.010, o déficit de madeira para esse setor (madeira serrada, laminações, moveleira, etc) atingiria a marca de 271 milhões de metros cúbicos RESINAGEM: Pinus resinífero: Sabe-se que as árvores se distribuem, no globo em folhosas e coníferas ou resinosas, mas nem todas são possíveis de serem exploradas economicamente (GARRIDO et al..,1998) Espécies existentes: Entre as inúmeras espécies existentes, em várias partes do mundo, apenas as do gênero pinus são verdadeiramente produtoras de goma resina, ainda que a produção varie dentro desse gênero, de espécie para espécie. Cita BERZAGHI (1972), que o volume de goma resina e produtos dela obtidos, consumido pelo mercado mundial, são produzidos apenas por 5 espécies principais; P. elliottii var. elliottii, P. caribaea Morelet (englobando as variedades caribaea, hondurensis e bahamensis), P. palustris, P. pinaster e P. sylustris, sendo a primeira a maior produtora Origem das espécies: Pinus elliottii Eagelm E.E.U.U. Slash pine, yellow slash, swamppine, hill pine. A espécie mais cultivada no Brasil, nos E.E.U.U., é tida como a espécie mais importante, oferecendo a mais alta produção de goma resina. Pinus caribaea Morelet Cresce na América Central e no Brasil é conhecida como pinus tropicais. Sendo cultivada em climas mais quentes, como o triângulo mineiro. 5

15 Pinus pallustris Muller E.E.U.U. Souterm Yellow pine - hard pine - longstrow pine - longleaf pine. Nos E.E.U.U. é cultivada principalmente na área que abrange desde as Carolinas até o Texas. Pinus pinaster Ait Espécie Européia, denominado pinheiro marítimo. Desenvolve principalmente em solos arenosos. Pinus sylvestris Cresce na Europa, principalmente na França, Espanha e Portugal. Explorado na Finlândia, Turquia, Rússia, Alemanha e outros países da Europa Espécies no Brasil: Nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, com clima mais ameno, a espécie mais plantada é o Pinus elliottii var. elliottii que coincidentemente é uma das mais produtoras de goma resina. Em outras regiões mais quentes, recentemente começou a explorar goma resina do pinus tropicais destacando-se o Pinus caribaea var. bahamensis e o Pinus caribaea var. hondurensis. (GARRIDO et all, 1987) Qualidade da goma resina: A qualidade da goma resina varia conforme as espécies, tanto em sua forma de extração, como em sua composição física e química No campo: A goma resina do Pinus elliottii não oxida no painel, enquanto a goma resina do pinus tropical oxida nos painéis, dificultando sua coleta. ORLANDINI, (2.000) Na indústria: A goma resina do Pinus elliottii é composta de 68% de breu, 17% de terebintina, 10% de umidade e 5% de impurezas sólidas e água das chuvas, enquanto que a goma resina do pinus tropical possui 68% de breu e de 4 a 9% apenas de terebintina (ORLANDINI, 2.000). ASSUNÇÃO (1973), cita que a qualidade do breu obtido da goma resina de Pinus oocarpa não é muito boa, devido ao seu alto teor de materiais insaponificáveis. A 6

16 goma resina de Pinus pátula foi a que forneceu breu de pior qualidade, pelo teor de insaponificáveis enormemente alto. O breu obtido da goma resina do Pinus insalubris, por sua vez, foi o que apresentou melhores valores para número de saponificação, número de acidez, teor de insaponificáveis, cor e ponto de amolecimento. A goma resina obtida do Pinus pátula forneceu terebintina de pior qualidade, devido ao baixo teor de alfa e beta-pineno nela existentes. No entanto o autor afirma que as gomas resina de Pinus elliottii e Pinus caribaea, produziram derivados com qualidade razoável para uma exploração comercial Fatores interferentes na produtividade da goma resina: Os fatores que influenciam a produção de goma resina podem ser divididos em duas classes: fatores intrínsecos e fatores físicos ou externos (BRITO; BARRICHELO, 1978) Fatores intrínsecos: São fatores determinantes para a implantação do projeto de reflorestamento: A escolha da espécie, sua procedência e constituição genética são determinantes básicas, como salientado anteriormente, pois existem espécies com maior potencial que outras, para a produção de goma resina. Assim, o Pinus elliottii var elliottii é a que apresenta maior potencial. a. Sanidade da planta: Uma árvore sadia e vigorosa tem tudo para ser uma boa produtora de goma resina. b. Idade da Planta: O desenvolvimento vegetal está ligado ao conceito de idade, e portanto é um componente importante da produção. A resinagem em Pinus elliottii var elliottii, na região de Itapeva, Estado de São Paulo, é realizada em povoamentos com mais de 8 anos de idade. c. Espaçamento: Sabe-se que quanto maior o número de indivíduos em relação a uma determinada área, menor será o seu crescimento em diâmetro e em tamanho de copa das árvores. d. Dimensões da planta: A bibliografia é unânime em afirmar a influência da árvore na produção de goma resina. Demonstram haver relação direta entre a produção de goma resina, a copa e o diâmetro da árvore explorada. Em geral, seleciona-se para resinar, árvores com DAP superior a 16 centímetros. 7

17 GURGEL FILHO e GURGEL GARRIDO (1977), realizando estudos com Pinus elliottii var. elliottii, para verificar a influência do diâmetro e da copa, na produção de goma resina, durante um período de 9 meses, concluíram que o DAP influencia na quantidade de goma resina produzida na ordem de 11 %, segundo o coeficiente de determinação obtido. GURGEL FILHO et al. (1967), estudando a produção de goma resina, de acordo com o diâmetro, em árvores de Pinus elliottii, constataram que a cada 1 cm de acréscimo no DAP, correspondeu um aumento de 10,54 gramas na produção de goma resina, por planta e por estria Fatores externos: Também chamados de fatores físicos, estão relacionados com o sistema operacional. A produção de goma resina é influenciada pela qualidade dos serviços praticados, iniciados a partir da escolha da árvore a ser resinada. Pode-se chamar de artesanal, a arte em resinar, pois é dependente da mão de obra e os funcionários que trabalham nesta atividade, devem ser bem preparados e motivados, para executar com carinho, as operações nas árvores resinadas. O principal problema detectado, à nível de campo, é o vazamento lateral da goma resina, que não chega a cair diretamente no recipiente (saco) que deve acondicionar a goma resina produzida. Quer seja pelo mau direcionamento das estrias, vazamento pela má colocação do saco plástico ou mesmo quando esse saco plástico estoura em sua solda ou deprecia pelo tempo de uso Condução da extração, em campo: Sabe-se que a goma resina encontra-se sob pressão no lenho dos pinheiros, dentro de canais resiníferos verticais e horizontais. GRAÇA (1984), citado por GARRIDO et al. (1998) descreve que a atividade resineira, no princípio, consistia no corte da casca e do lenho, de maneira a expor os canais resiníferos e permitir o fluxo da goma resina. Como o processo antigo era muito dispendioso em termos de mão de obra, ensaiaram vários produtos, para manter o fluxo de resina, sem ser necessário fazer estrias tão freqüentes. Atualmente, para destruir as paredes celulósicas dos canais resiníferos e permitir a livre exsudação da goma resina, faz-se a operação de estria, que consiste na remoção periódica (aproximadamente 15 dias), de parte da casca da árvore (aproximadamente 2 cm de 8

18 altura), e em seguida são aplicados junto à linha de contato da casca com o lenho, cerca de 2 gramas de pasta estimulante à base de H 2 SO 4. Para acondicionar essa goma resina que exsuda da árvore, fixa-se na base da árvore, saco plástico (35x25x0,20), com arame (material removível). Quando cheio de goma resina, retira-se em latas de 20 litros e acondiciona em tambores metálicos de 200 quilos para transporte até as indústrias de breu e terebintina, ou mesmo para exportação in natura. Durante uma safra de resinagem (9 meses) faz-se em média 18 a 20 estrias com altura média de 2 cm e largura aproximada de 20 cm, determinando um painel de aproximadamente 800 cm 2. Assim, determina-se a longevidade da atividade na árvore, que economicamente torna-se viável, durante aproximadamente 16 anos. O painel (largura e altura) explorado durante a safra, é fator determinante da produção anual, porém, sabe-se que tecnicamente na análise dos custos, deve-se usar a unidade/quantidade, em gramas produzidas por área (cm 2 ) explorada na árvore. O rendimento da operação de resinagem é de árvores /homem/safra-ano, segundo CASER (1998) e para a ARESB, o rendimento é de árvores/homem/safraano, realizando todas as etapas, com retorno a cada 14 dias. No período mais frio do ano (junho a agosto), é feita a raspa da goma resina que ficou no tronco resinado e em seguida reinstalam-se os sacos que vão acondicionar a goma resina da próxima safra. No frio, a produção de goma resina diminui e por isso essa operação de instalação de materiais, é realizada nessa época, aproveitando a mão de obra, sem dispensar os trabalhadores, além de permitir um descanso da árvore. Segurança do Trabalho: É de suma importância, sendo considerada atividade INSALUBRE, porque há o envolvimento direto do homem na atividade. Os E.P.I. exigidos pela CIPA, para funcionários que atuam na resinagem são: Na aplicação de pasta estimulante e estrias: o Botas de P.V.C., luvas de P.V.C., aventais plásticos, viseira e capacete. Na coleta da goma resina: o Luvas de P.V.C., botina e capacete. No transporte interno da goma resina: o Sapatos com biqueira de aço, luvas de P.V.C. e capacete. 9

19 Composição da goma resina: A goma resina obtida pela exsudação das árvores de pinus, é uma mistura de hidrocarbonetos de cadeia longa, compostos por vários ácidos resínicos, tendo como principal deles, o ácido abiético, que após destilação, torna-se a parte sólida, chamado breu e a parte volátil, composta de cíclicos aromáticos, chamada terebintina Breu: Partindo de citações bíblicas sobre o uso do pinheiro e de sua resina, para calafetar a Arca de Noé ou para impermeabilizar o cesto-berço de Moisés, o breu tem sua história intimamente ligada à construção naval. Navegadores fenícios e ingleses da era vitoriana, independente do tempo que os separam, usaram a goma resina, de modo parecido na calafetação de barcos e na impermeabilização de velas, sendo os ingleses responsáveis pela denominação coletiva de naval stores (suprimentos navais) usada nos países de língua inglesa, até hoje, para denominar os derivados da goma resina. Os grandes volumes de aplicação de breu, na atualidade, são para colas utilizada na fabricação do papel, tintas e vernizes, hot melt, adesivos, borrachas sintéticas; sendo o restante aplicado nas áreas de cosmética, alimentícias, e outras. APLICAÇÕES DO BREU Fonte: Naval Store, % 5% 27% 29% 26% ton Tintas de Impressão ton Cola Papeleira ton Adesivos ton Emulsionantes/Borrachas ton Outros Segmentos *Outros segmentos: dentre eles, cosméticos, sabões, detergentes, e indústrias alimentícias como chicletes. 10

20 Atualmente, a obtenção do breu é decorrente de três modos, sendo dois deles por métodos destrutivos (breu de cepo e breu de tall oil), e o terceiro breu vivo produzido a partir da goma resina extraída de árvores vivas, o qual trata-se do foco deste trabalho. O breu de cepo, ou breu morto, é obtido pelo aproveitamento da base remanescente do corte da floresta, juntamente com as raízes grossas. Método muito antigo, ainda utilizado em parte dos Estados Unidos. Tem custo de extração elevado, justificando-se apenas em áreas de terras de alto valor e que necessitam ser destocadas para serem utilizadas para outra finalidade, razão pela qual ocupa apenas 3% da produção mundial. O breu de tall oil é resultante do aproveitamento obrigatório do resíduo da industrialização da celulose de fibra longa. Esse resíduo, também chamado de lixívia negra, tem grande poder de poluição, devido a lavagem da celulose por solventes, os quais arrastam consigo a goma contida na madeira, no momento do processamento. Como o número de fábricas de celulose e papel de fibra longa é muito grande nos Estados Unidos e norte da Europa (Finlândia, Noruega e Suécia), a quantidade desse breu também é grande, tornando-se forte concorrente ao breu vivo oriundo da resinagem em árvores vivas. A sua participação de mercado, em 33%, é bastante significativa, mesmo com qualidade inferior, devido preço atraente. A extração da goma resina, através do método de resinagem em árvores vivas, em que focamos nosso trabalho, é responsável por 64% da produção mundial de breu, e esse é denominado breu vivo, colofônia, pez ou gum rosin. NAVAL STORE, (2.000). Destaca-se, por ser matéria prima natural, renovável e não poluente. PRODUÇÃO MUNDIAL DE BREU Fonte: Naval Store, % 33% ton BREU de RESINAGEM ton BREU de TALL OIL ton BREU de CEPO 64% 11

Solo e Espaçamento. Sistema Operacional

Solo e Espaçamento. Sistema Operacional Resinagem de Pinus A resinagem é uma atividade de grande significado no contexto econômico-social do Brasil. De importadores até a década de 80, passamos a grandes exportadores a partir de 1989. A importância

Leia mais

QUALIDADE DO BREU E TEREBINTINA DE PINHEIROS TROPICAIS *

QUALIDADE DO BREU E TEREBINTINA DE PINHEIROS TROPICAIS * IPEF n.21, p.55-63, dez.1980 QUALIDADE DO BREU E TEREBINTINA DE PINHEIROS TROPICAIS * O.D.C. - 866.1:174.7 Pinus SUMMARY José Otávio Brito ** Luiz Ernesto George Barrichelo ** Luiz E. Gutierrez *** The

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 41. SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil

CIRCULAR TÉCNICA N o 41. SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil CIRCULAR TÉCNICA N o 41 PBP/3.1.4 SEMINÁRIO: Resina de Pinus Implantados no Brasil IPEF INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS Depto. De Silvicultura Curso de Engenharia Florestal ESALQUSP Piracicaba

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. *

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PBP/2.A3 (Arquivar nesta pasta) PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * 1 INTRODUÇÃO Iniciando os seus plantios em 1958, na região de Agudos (SP), a Companhia Agro Florestal

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ARTIGO A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eliseu de Souza Baena Engenheiro e Economista Florestal Pesquisador Científico I do Instituto Florestal

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO William Tomaz Folmann¹, Maria Laura Quevedo Fernandez² e Gabriel de Magalhães Miranda³. ¹ Doutorando em Economia e Política

Leia mais

Rabobank Agri Focus. A competitividade do eucalipto como alternativa agropecuária. Introdução - O crescente mercado de eucalipto no Brasil

Rabobank Agri Focus. A competitividade do eucalipto como alternativa agropecuária. Introdução - O crescente mercado de eucalipto no Brasil International Araçatuba (SP) (18) 3609-8461 Ribeirão Preto (SP) (16) 3911-5092 Barreiras (BA) (77) 3612-0034 Brasília (DF) (61) 3321-3193 Agri Focus A competitividade do eucalipto como alternativa agropecuária

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

RENTABILIDADE ECONÔMICA DO EUCALIPTO CONDUZIDO PARA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ

RENTABILIDADE ECONÔMICA DO EUCALIPTO CONDUZIDO PARA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ RENTABILIDADE ECONÔMICA DO EUCALIPTO CONDUZIDO PARA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO OESTE DO ESTADO DO PARANÁ RESUMO Robison Giovani Volkweis (FALURB - robisongiovani@yahoo.com.br) Cleiton Rodrigo Hansel

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci FSC - SECR - 0030 ÍNDICE 3 4 6 8 9 10 11 12 13 14 15 Sua empresa vai ficar fora do mercado O que é manejo florestal Resumo das Etapas do Manejo Florestal O que é Certificação Florestal Como funciona O

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL

MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL Kátia Luciane Souza da Rocha UNIFRA 1 Eleni Bisognin - UNIFRA 2 Resumo: Neste trabalho é relatado o resultado de uma

Leia mais

O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo

O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, julho de 28. O Alho no Brasil Um Pouco da História dos Números do Nobre Roxo 1. Histórico

Leia mais

Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v1.0

Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v1.0 Conservação Estratégica Modelo para cálculo do custo de oportunidade do uso da terra MCODE v.0 Guia completo para utilização da ferramenta Thales Rosa Sumário. Apresentação.... Introdução..... Custo de

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Eny Duboc Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18, Caixa Postal 08223, 73010-970 Planaltina, DF. E-mail: enyduboc@cpac.embrapa.br RESUMO Com 477 milhões de hectares,

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Capítulo XV Custos e Rentabilidade

Capítulo XV Custos e Rentabilidade Capítulo XV Custos e Rentabilidade Marcelo do Amaral Santana Clóvis Oliveira de Almeida José da Silva Souza As estimativas de custos de produção e de rentabilidade para uma cultura podem proporcionar informações

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ANÁLISE DO ORÇAMENTO DE UM SISTEMA AGROFLORESTAL EM SITUAÇÃO DE RISCO RESUMO CAROLINA SOUZA JAROCHINSKI 1 ; ANTONIO DONIZETTE DE OLIVEIRA 2. Objetivou-se neste trabalho analisar o risco de um sistema agroflorestal

Leia mais

XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase

XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase XIII OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS - 2011 Florestas Gabarito Segunda Fase 1. Sabe-se que uma área de quatro hectares de floresta na região tropical pode conter cerca de 375 espécies de plantas, enquanto

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br

Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br Gilberto Tozatti tozatti@gconci.com.br 8 o Dia do HLB Cordeirópolis/SP 12 de Março 2015 Agronegócio Citrícola Brasileiro Agronegócio Citrícola Brasileiro 2010 PIB: US$ 6,5 bilhões (Ext. 4,39 + Int. 2,15)

Leia mais

Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho dos Santos 1 Luiz Cláudio de Oliveira 2. Resumo

Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho dos Santos 1 Luiz Cláudio de Oliveira 2. Resumo AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS FINANCEIROS E AMBIENTAIS PARA O MANEJO FLORESTAL MADEIREIRO EM ÁREAS DE RESERVA LEGAL DE PEQUENAS PROPRIEDADES, NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Resumo Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

b) No Brasil, de 2000 a 2010, o ritmo do desmatamento caiu na ordem de 2,6 milhões de hectares por ano.

b) No Brasil, de 2000 a 2010, o ritmo do desmatamento caiu na ordem de 2,6 milhões de hectares por ano. Questão 01) O gráfico abaixo, publicado na revista Veja de 13/06/01, a partir dos dados da Unep, revela uma desaceleração no ritmo de desmatamento das florestas. Veja, São Paulo, nº 73, p. 99, 13 jun.

Leia mais

www.cdljovemcapixaba.com.br

www.cdljovemcapixaba.com.br PLANTANDO EQUILÍBRIO Inscrição Case de Sucesso CDL Jovem2010 Categoria Responsabilidade Social e Ambiental Realização CDL Jovem Capixaba www.cdljovemcapixaba.com.br Índice 1. Resumo... 3 2. Justificativa...

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA FRICAL, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO

PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO PROJEÇÕES DA PRODUÇÃO DE EUCALIPTO NA REGIÃO DO VALE DO PARAÍBA SP - BRASIL E SUA CORRELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE CRÉDITOS DE CARBONO ALMEIDA, Ana Jéssica Rodrigues 1 BARBOSA, José Carlos 2 CASSIN, Elisangela

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL -

DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL - DESAFIOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SUSTENTADO - SETOR FLORESTAL - O MEIO AMBIENTE PARA A ECONOMIA - FIESP- São Paulo - SP 02 de junho de 2008 Rubens Garlipp SENSIBILIDADE ÀS S QUESTÕES FLORESTAIS EM DIFERENTES

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

SOCIAL AMBIENTAL MFS ECONÔMICA

SOCIAL AMBIENTAL MFS ECONÔMICA II FORUM INTERNACIONAL DE MEIO AMBIENTE BRASIL JAPÃO Desenvolvimento Sustentável e Indústria Florestal do Brasil Rio de Janeiro - RJ Setembro 2007 Sociedade Brasileira de Silvicultura Carlos Alberto da

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

EUCALIPTO COMO FORMA DE COMPLEMENTAÇÃO DE RENDA AO PRODUTOR RURAL

EUCALIPTO COMO FORMA DE COMPLEMENTAÇÃO DE RENDA AO PRODUTOR RURAL EUCALIPTO COMO FORMA DE COMPLEMENTAÇÃO DE RENDA AO PRODUTOR RURAL COLOMBINI, Alexandre Beckedorff Acadêmico Eng. Florestal FAIT/AGEG OLIVEIRA JUNIOR, Ezer Dias Docente FAIT/AGEG RESUMO O objetivo desse

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas IV Semana de Engenharia Florestal e I Mostra de Pós-Graduação em Ciências Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas Wellington Blunck Rezende 03.03.2016 Graduação em Ciências

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O MERCADO DA MADEIRA DE EUCALIPTO NO BRASIL

REFLEXÕES SOBRE O MERCADO DA MADEIRA DE EUCALIPTO NO BRASIL REFLEXÕES SOBRE O MERCADO DA MADEIRA DE EUCALIPTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1, Naisy Silva Soares 2, Márcio Lopes da Silva 3, Laércio Antônio Gonçalves Jacovine 4, Sigrid de Aquino Neiva 5 Resumo:

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 17, DE 28 DE MAIO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO E O MINISTRO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso da atribuição que lhes confere o

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS Hilton Thadeu Z. do Couto * José Otávio Brito * 1. INTRODUÇÃO Os altos preços e a instabilidade de fornecimento de energia proveniente de fontes tradicionais aumentaram

Leia mais