RELATÓRIO DE FORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE FORMAÇÃO"

Transcrição

1 RELATÓRIO 2013 DE FORMAÇÃO

2 2

3 Índice Introdução Indicadores Gerais da Formação em Nível de Execução do Plano de Formação Formação extraplano Autoformação Indicadores de formação interna e de formação externa a. Formação interna realizada em b. Formação externa realizada em Metodologia de formação à distância Formação em função da duração e do tipo de formação Avaliação da formação Despesa com formação no ano Outros recursos disponíveis a. Espaços para formação b. Recursos humanos c. Recursos Tecnológicos Conclusões

4 4

5 Introdução A elaboração deste Relatório de Formação de 2013 tem por objetivo reportar as ações desenvolvidas e o balanço dos resultados obtidos na atividade formativa, tendo presente o propósito anteriormente expresso. Foi considerada a formação constante do Plano anual de Formação e as necessidades formativas identificadas ao longo do ano, enquadradas na categoria extraplano. Em 2013 destaca-se a formação realizada na área inspetiva e de segurança e saúde no trabalho, nomeadamente as formações internas de máquinas e equipamentos, com 209 formandos, a formação de transportes rodoviários em parceria com o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), que abrangeu um total de 403 formandos e a formação sobre o tráfico de seres humanos para exploração laboral, que teve a participação de 218 inspetores. Na área comportamental, foi realizada a formação em atendimento ao público que se desdobrou em 9 ações de formação, formando 124 participantes das várias carreiras. Em informática, teve destaque a formação interna em ferramentas de produtividade (Word, Excel e Outlook) que ao longo do ano contribuiu para o desenvolvimento destas competências em 165 participantes. No final do ano, as áreas transversais de gestão administrativa tiveram um forte impulso com as oportunidades de formação a custo zero da Secretária Geral do Ministério da tutela. Entre estas, destacam-se a formação sobre o procedimento administrativo para assistentes técnicos, a formação relativa a compras públicas e sobre auditorias internas. 5

6 1. Indicadores Gerais da Formação em 2013 Em 2013 foram registadas 33 formações para um universo de 844 trabalhadores. No conjunto das formações previstas no Plano de Formação 2013 e das realizadas extraplano, foi registada a frequência de 1968 participantes em ações de formação internas e externas. A percentagem de trabalhadores que tiveram acesso, em 2013, a pelo menos uma ação de formação, foi de 83,4%, o que em valores absolutos corresponde a 704 do total de 844 trabalhadores existentes na ACT à data de 31 de dezembro. Comparando com 2012, verificou-se o aumento no número de participações (contabilizando o n.º de formandos em todas as formações) e de participantes (contabilizando o nº de trabalhadores que tiveram acesso, a pelo menos, uma ação de formação), conforme descrito no Quadro 1. Quadro 1 Número de trabalhadores com acesso a formação em 2012 e 2013 Designação Nº total de participações Nº total de participantes A predominância de trabalhadores do sexo feminino no mapa de pessoal da ACT, explica o número significativamente superior de formandos deste género em comparação com os formandos do sexo masculino. Gráfico 4 Total de participantes por género Masculino Feminino Sem acesso a formação em 2013 Com acesso a formação em 2013 Em proporção o género masculino teve 78,7% de pessoas formadas e o género feminino 85%. 6

7 Estes resultados apresentam-se em detalhe segundo os cargos/carreiras de acordo com o Quadro 2. Quadro 2 Acesso a formação em 2013 segundo o cargo/carreira. Acções Acções Cargo/carreira/ TOTAL TOTAL internas externas Nº de participações e Nº de Nº de Nº de de participantes Nº de Participantes participações participações participações Dirigente Superior Dirigente intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Técnico Informático Inspector de Trabalho Total Nível de Execução do Plano de Formação 2013 Um dos indicadores de desempenho da formação considerado em 2013 foi o nível de execução do Plano de Formação Inicialmente foram previstas 24 formações divididas por 5 áreas de conhecimento que se apresentam na tabela abaixo, assinaladas formações realizadas (a verde) e não realizadas (a vermelho). Tabela 1 -Formações previstas no Plano de 2013 Tráfico Seres Humanos para Exploração Laboral Transportes Rodoviários Intervenção no setor das Pescas Área Inspetiva Máquinas e Equipamentos Exposição Ocupacional ao Amianto Igualdade de Género Riscos profissionais na indústria do calçado Destacamento de Trabalhadores Área de SST Enquadramento SST - Lei n.º 102/2009 7

8 Metodologias e técnicas de auditoria Combate a incêndios Curso básico de Primeiros Socorros Ferramentas de Produtividade (Word, Excel, Outlook) Área Informática Área Gestão Pública e Administrativa SharePoint Server 2010 Site Owner/Power User Design &Develop SharePoint Server 2010 Apps Powerbuilder 12 Ambiente windows FORGEP Procedimento Administrativo Mapas POCP Contabilidade Pública para não financeiros SRH_SSD suporte à decisão Contencioso Administrativo Contratos Públicos Análise de Propostas Área comportamental Atendimento ao Público Conforme se apresenta na tabela acima, foram realizadas 15 no total de 24 formações previstas. No que diz respeito a formação não realizadas, apresenta-se resumidamente a justificação para a não realização da formação: Formação não realizada em 2013 Justificação Exposição Ocupacional ao Amianto Formação adiada para 2014 Igualdade de género Formação adiada para fevereiro 2014 Metodologias e técnicas de Auditoria Formação adiada para 2014 Enquadramento SST - Lei n.º 102/2009 Formação adiada para 2014 SharePoint Server 2010 Site Owner Design &Develop SharePoint Server 2010 Apps Mapas POCP Contabilidade Pública para não financeiros SRH_SSD suporte à decisão Impossibilidade de reforço de verba Impossibilidade de reforço de verba Data de realização do INA adiada Data de realização do INA adiada Por opção da chefia de divisão 8

9 3. Formação extraplano Para além do planeamento surgiram ao longo do ano pedidos de formação não previstos. De seguida apresentam-se as formações extraplano realizadas em Quadro 4 Formação extraplano por área de formação. Insolvência de empresas e pessoas singulares Área Inspetiva Direito das contraordenações Colóquio Internacional de Segurança e Higiene Ocupacionais VIH e SIDA no Contexto Laboral Área de SST Transporte de mercadorias perigosas Prevenir e Intervir nas toxicodependências em meio laboral ONU: Agenda Global Desenvolvimento pós 2015 Área Informática Formação sobre a aplicação SINAI CAGEP Auditoria interna Código dos Contratos Públicos Código dos Contratos Públicos: a fase de execução dos contratos Área Gestão Pública e Administrativa Curso GLEC Novo Modelo de Gestão de RH Inglês Colóquio Projeto de Revisão do Cód. do Procedimento Administrativo Legística Gestão do tempo Analisando o número de formações realizadas de acordo com o previsto no Plano e número de formações extraplano, verifica-se que, no global em 2013 foi realizada mais formação do que inicialmente previsto. 4. Autoformação De acordo com o nº 1, do artigo 24 da Lei nº 50/98 de 11 de Março, que reformula o regime jurídico da formação profissional na Administração Pública, a 9

10 autoformação é entendida, como o acesso à formação por iniciativa do trabalhado e que corresponde direta ou indiretamente, às áreas funcionais em que se encontra inserido ou contribua para o aumento da respetiva qualificação. Em 2013, apenas um trabalhador da carreira inspetiva recorreu a autoformação na área de Auditorias a sistemas de qualidade, segurança e higiene no ambiente. 5. Indicadores de formação interna e de formação externa No que se refere ao tipo de formação, interna ou externa, verificou-se uma diminuição da formação interna e um aumento da formação externa. Quadro 3 Formação interna e externa em 2012 e 2013 Formação Total cursos 2012 Total cursos 2013 Formação interna 11 8 Formação externa Total O aumento do número de formação externa não significou um aumento de despesa com formação, este valor deve-se sobretudo ao número de ações extraplano a custo zero a que tivemos acesso através da Secretaria Geral do Ministério da Solidariedade Emprego e Segurança Social. a. Formação interna realizada em 2013 Considerou-se como formação interna, as previstas no Plano de Formação e também 2 formações extraplano, uma sobre o modelo de gestão de RH e outra sobre atualização da aplicação SINAI. Formações internas realizadas em 2013 Número de horas por Número ação de formação de formandos Tráfico de seres humanos p/ exploração laboral Transportes rodoviários (parte interna) Máquinas e equipamentos de trabalho Destacamento de trabalhadores

11 Novo modelo de gestão RH (extraplano) Atendimento ao público Formação SINAI (extraplano) Ferramentas de produtividade (Word,Excel,Outlook) Total 1415 Tal como nos anos anteriores, os principais destinatários da formação interna organizada são da carreira inspetiva, conforme se verifica no quadro abaixo. Formandos em formação interna por carreira Número de formandos Percentagem Dirigentes 50 3% Inspetores % Técnicos Superiores % Técnicos de Informática 0 0% Assistentes técnicos % Assistentes operacionais 17 1% Total % Verifica-se que a grande maioria da formação interna se destinou aos inspetores do trabalho (67%), sendo o foco da formação interna nos temas: Transportes Rodoviários ; Tráfico de seres humanos p/ exploração laboral ; Máquinas e equipamentos, atualização da aplicação SINAI e destacamento de trabalhadores. b. Formação externa realizada em 2013 Considerou-se como formação externa toda a realizada e prevista no Plano e também a formação externa extraplano, conforme se aqui se apresenta. Formações externas realizadas em 2013 Nº horas Nº de por ação formandos ONU: Agenda global desenvolvimento pós 2015 (extraplano) 3 15 Curso GLEC (extraplano) 46 1 Colóquio de segurança e higiene ocupacional (extraplano) 7 20 CAGEP (extraplano) 75 2 CCP: a fase de execução dos contratos (extraplano) 21 3 Powerbuilder

12 Direito das contraordenações (extraplano) 21 2 CCP (extraplano) 12 2 FORGEP Inglês (extraplano) Colóquio Projeto de revisão do CPA (extraplano) 6,5 7 Intervenção no setor das pescas 6 28 Transportes rodoviários (parte externa) VIH e SIDA no contexto laboral (extraplano) 5 18 Prevenir e intervir nas toxicodependências (extraplano) 6 21 Riscos profissionais na indústria do calçado Insolvências de empresas e pessoas singulares (extraplano) 20 5 CPA - aspetos práticos CPA - Contencioso administrativo 28 5 Gestão de tempo (extraplano) 25 8 Legística (extraplano) Auditoria interna 14 5 Transportes de mercadores perigosas (extraplano) 3,5 5 Combate de incêndios 7 61 Curso básico de primeiros socorros Conforme se verifica pela tabela acima, a maioria da formação externa realizada não estava prevista no Plano de formação. Em comparação com a formação interna, foram realizadas mais formações externas e ações extraplano (25 externas para 8 internas), no entanto o número de formandos foi menor, 549 formandos na formação externa para 1419 formandos na formação interna. No que se refere ao tipo de destinatários da formação externa, verifica-se que se mantém a maioria de formandos da carreira inspetiva (52%), no entanto, o foco de destinatários é mais alargado se comparado com a formação interna, abrangendo 32% dos técnicos superiores. Formandos em formação externa por carreira Número formandos de Percentagem Dirigentes 22 4% Inspetores % Técnicos Superiores % Técnicos de Informática 4 1% Assistentes técnicos 62 11% Assistentes operacionais 0 0% Total % 12

13 6. Metodologia de formação à distância Foram realizadas 3 ações de formação à distância de acordo com o Plano de Formação. Esta opção entre formação presencial e formação à distância resultou 3 ações de formação em e-learning. Formação em elearning/blearning Nº horas por ação Total formandos Transportes Rodoviários Máquinas e equipamentos de trabalho Destacamento de trabalhadores 4 68 Quadro 7 Evolução do número de trabalhadores formados em elearning Total formandos 2011 Total formandos 2012 Total formandos Formação em função da duração e do tipo de formação No que se refere à duração das formações, apresentam-se de seguida os quadros de reporte para o Balanço Social. Quadro 9 Duração em função do tipo de formação interna ou externa Tipo de ação/duração Menos de 30 horas De 30 a 59 horas de 60 a 119 horas 120 horas ou mais Total Internas Externas Total No quadro acima verifica-se que 41 formações realizadas no total de 45, tiveram uma duração inferir a 30 horas. As exceções correspondem a formação para cargos dirigentes, nomeadamente a formação Forgep, Cagep e uma formação em inglês. 13

14 Grupo/cargo/carreira/Horas dispendidas Horas dispendidas em acções internas Horas dispendidas em acções externas Total de horas em acções de formação Dirigente superior Dirigente intermédio Técnico Superior Assistente Técnico Assistente Operacional Informático Inspector de Trabalho Total Avaliação da formação A avaliação da formação realizada tem como objetivo avaliar o nível de satisfação dos formandos. Considerando as conclusões dos relatórios de formação, importa destacar a avaliação positiva nos indicadores: Apresentação dos objetivos pedagógicos Domínio da matéria Clareza das intervenções Disponibilidade para prestar esclarecimento face às dificuldades dos formandos Como aspetos a melhorar: Duração insuficiente das ações de formação; Necessidade de uma componente mais prática das intervenções. Inadequação de algumas formações internas à metodologia e-learning. 14

15 9. Despesa com formação no ano 2013 Parte do planeamento da formação em 2013 consistiu na previsão de despesa com formação. De acordo com o tipo de formação foram previstas e contabilizadas as despesas com pagamento a formadores internos ou despesas com serviços de formação prestados por entidades externas. A tabela seguinte apresenta a despesa contabilizada pela DFRH com formação externa. Formações externas realizadas em 2013 Despesa contabilizada na DFRH ONU: Agenda global desenvolvimento pós Curso GLEC 0 Colóquio Internacional de segurança e higiene ocupacional 0 CAGEP CCP: a fase de execução dos contratos 210 Direito das contraordenações 420 CCP(MSESS) 0 FORGEP Inglês 657 Colóquio Projeto de revisão do CPA 0 Intervenção em meio aquático 613 Transportes rodoviários (parte externa) 0 VIH e SIDA no contexto laboral 0 Prevenir e intervir nas toxicodependências 0 Riscos profissionais na indústria do calçado (parte externa) Insolvências de empresas e pessoas singulares 900 CPA - aspetos práticos 0 Contencioso administrativo Gestão de tempo 0 Legística Auditoria interna 0 Transportes de mercadores perigosas 100 Combate de incêndios Primeiros socorros Total A despesa contabilizada com formação externa baseia-se no valor apresentado pela entidade formadora e o número de inscrições pretendidas. 15

16 A despesa contabilizada com formação interna baseia-se no valor/hora pago a formadores internos, conforme regulamento em vigor aprovado na informação 223/DFRH/2012. Formações internas realizadas em 2013 Despesa contabilizada na DFRH Tráfico de seres humanos para exploração laboral 0 Transportes Rodoviários (parte interna) Máquinas e equipamentos de trabalho Destacamento de trabalhadores 100 Novo modelo de gestão RH Atendimento ao público Formação SINAI Ferramentas de produtividade Total Por último, a formação externa na área de informática teve uma ação para técnicos da divisão de sistemas de informação, com o custo que se apresenta. Formações externas TIC ( A0) realizadas em 2013 Powerbuilder 12 Ambiente windows 2025 Total 2025 Em comparação com o ano anterior, verifica-se que a principal diferença se encontra na formação externa, tendo a despesa de 2013 sido significativamente inferior ao ano anterior. Quadro 10 Comparação de despesa com o ano anterior Classificação económica Designação Despesa 2012 Despesa Formação interna , AO Formação externa TIC 1.396, BO Formação externa/outros ,

17 10. Outros recursos disponíveis a. Espaços para formação Salas de formação da ACT o Serviços centrais em Alvalade; o Auditório (Centro Local de Lisboa Oriental); o Auditório do Centro Local do Grande Porto; o Salas disponibilizadas pelas unidades orgânicas. Espaços cedidos a título gratuito por entidades da Administração Pública. b. Recursos humanos 3 técnicos superiores afetos à Divisão de Formação e Recursos Humanos; Formadores internos; c. Recursos Tecnológicos Retroprojetor; PC; Plataforma moodle. 17

18 11. Conclusões No geral, pode-se concluir que uma das características da formação realizada em 2013 foi o alargamento do tipo de destinatários da formação. Registou-se uma aproximação a outras entidades externas, como a Secretaria-Geral, assim como a diversificação de oportunidades de formação para as carreiras gerais. Habitualmente centrada na formação das áreas de inspeção e prevenção, a formação em 2013 permitiu o acesso a um conjunto de áreas funcionais e carreiras habitualmente menos visíveis, como é o caso das áreas de gestão administrativa e restantes áreas transversais. No global, esta mudança contribuiu para um maior número de ações externas e um número superior de trabalhadores formados, comparativamente com o ano anterior. Contudo, este aspeto não significou um desinvestimento na formação das áreas principais. A maioria das formações previstas na área de inspeção e prevenção, foram realizadas, resultando no registo de 342 participantes apenas da carreira inspetiva. Sendo importante referir que este volume de participantes se deve em grande parte ao recurso a formação à distância. Ainda acerca da formação na área inspetiva de prevenção, prevê-se que as formações adiadas sejam realizadas durante o 1º semestre de O que se pressupõe ser resultado de um acompanhamento mais eficaz do Plano de Formação de Outro aspeto que se considera positivo no planeamento foi a maior atenção dada ao controlo de despesa com formação interna e externa. Em 2013, a divisão de formação e recursos humanos passou a incluir nas informações elaboradas uma previsão de despesas devido a uma comunicação mais próxima com as áreas de processamento de abonos e de contabilidade. Considera-se que parte das ações de formação internas autorizadas beneficiou desta melhor comunicação entre divisões. 18

19 Como aspetos de melhoria, apesar das vantagens inicialmente previstas, é a opção pela modalidade de formação em e-learning. Sendo indiscutível como método para registar um número elevado de formados a baixo custo, em 2013 obteve-se o feedback de vários formandos referindo que este tipo de formação não é eficaz em determinados temas. O nível de participação e envolvimento dos formandos nas ações à distância revelou-se difícil de comprovar, surgindo dúvidas sobre o empenho dos formandos durante a formação e consequentemente, sobre a eficácia do processo de aprendizagem. Do mesmo modo, a experiência de avaliação de conhecimentos via e-learning, revelou que este método de avaliação à distância, não assegura que tenha existido aquisição de conhecimentos. Conclui-se assim, na prática, que este método de formação privilegia a quantidade em detrimento da qualidade da formação, pelo que no próximo ano a formação à distância deverá incluir uma componente presencial mais relevante (blended- Learning). Por último, apesar de haver um maior envolvimento dos serviços no acompanhamento do Plano de Formação, persiste a tendência para recorrer a soluções de formação que surgem no momento, apesar do esforço de planeamento e definição de prioridades de gestão. 19

RELATÓRIO DE FORMAÇÃO

RELATÓRIO DE FORMAÇÃO RELATÓRIO 2014 DE FORMAÇÃO 2 Índice Introdução... 5 1. Indicadores Gerais da Formação em 2014... 6 2. Nível de Eecução do Plano de Formação 2014... 7 3. Formação etraplano... 10 4. Autoformação... 11 5.

Leia mais

autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Atividades/2012 1

autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Atividades/2012 1 autor: Júlio Pomar Título da obra Kuarup I ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Plano de frequência de ações de formação 2012 Designação da Ação Entidade Formadora/ Organizadora Data prevista Duração da ação

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL Claustro central do edifício sede do Ministério das Finanças Foto de Luís Grancho, SGMF ANEO C FORMAÇÃO PROFISSIONAL O Plano de Frequência de ações de formação 2013, adiante incluído, integra o Plano de

Leia mais

Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho. Programa Operacional

Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho. Programa Operacional Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Introdução [Índice] Atividades de Promoção da segurança e saúde no trabalho Estratégia Nacional SST Inquérito Nacional às Condições de Trabalho Intervenção no

Leia mais

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral

Unidade orgânica/áreas de atividades. Inspetor- Geral. Subinspetor- Geral MODELO A MAPA DE PESSOAL 05 (Estrutura de mapa de pessoal - artigo 5º LVCR) Atribuições/Competências/Atividades Unidade orgânica/áreas de atividades Inspetor- Geral Subinspetor- Geral Diretor de Serviços

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

Relatório. Formação Profissional 2012

Relatório. Formação Profissional 2012 Relatório Formação Profissional 2012 Ficha técnica Relatório Formação Profissional 2012 Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Data de publicação: Setembro de 2013 Tipo de Publicação:

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL

FORMAÇÃO PROFISSIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL D. L. Nº N 50/98, 11 de Março LEI Nº N 12-A/2008, 27 de Fevereiro LEI Nº N 53/2006, 7 de Dezembro DGAEP/DGDRH Março/ 2009 1 OS TRABALHADORES TÊM O DIREITO E O DEVER DE FREQUENTAR,

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Rua António Pereira Carrilho, n.º 38, 4.º, 1000-047 Lisboa Telefone/Fax +351.218.444.200 / +351.218.444.209 Correio

Leia mais

Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar. Relatório de Actividades

Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar. Relatório de Actividades Relatório de Actividades X LEGISLATURA 2005 2009 Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar 1 Relatório da Legislatura Introdução 3 Acções de Formação (Internas/Externas/E Learning) 5 Número de

Leia mais

Relatório Balanço Social

Relatório Balanço Social Relatório Balanço Social 12 de Abril, 2012 Índice Introdução... 2 Identificação do Organismo... 3 Indicadores de gestão... 4 Perfil tipo do trabalhador... 5 1. Caracterização do efetivo global... 6 1.1

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Plano de Formação de Colaboradores 2014

Plano de Formação de Colaboradores 2014 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO set dez 2012

PLANO DE FORMAÇÃO set dez 2012 set dez AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO Num ano de dificuldades e desafios acrescidos, acreditamos que o conhecimento é fundamental para responder às novas exigências e alavancar

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT

Workshop Certificação de Entidades pela DGERT www.b-training.pt Workshop Certificação de Entidades pela DGERT 27 de Maio de 2011 ORDEM DE TRABALHOS 10h00 11h15 11h30 12h30 13h Início dos Trabalhos Coffee-Break Reinício dos Trabalhos Perguntas & Respotas

Leia mais

MELHORIAabcdCONTÍNUAefgfijklmn qcompetênciasrstsuperaçãouvx dfghjklçzziopasdfghjklçzxcvbnmqwer tyuio Direção-Geral de Estatísticas da

MELHORIAabcdCONTÍNUAefgfijklmn qcompetênciasrstsuperaçãouvx dfghjklçzziopasdfghjklçzxcvbnmqwer tyuio Direção-Geral de Estatísticas da MELHORIAabcdCONTÍNUAefgfijklmn qcompetênciasrstsuperaçãouvx dfghjklçzziopasdfghjklçzxcvbnmqwer tyuio Direção-Geral de Estatísticas da PLANO DE FORMAÇÃO 2013/2014 Educação e Ciência pasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2013

PLANO DE FORMAÇÃO 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA @ FEVEREIRO INTRODUÇÃO O ano de, imbuído no que tem sido a realidade socioeconómica nacional dos últimos tempos, prevê um orçamento rigoroso, no que toca à despesa

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt

CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014. www.navegantescf.pt CALENDARIZAÇÃO DA ATIVIDADE FORMATIVA 2014 FORMAÇÃO Início Fim Duração Horário Inscrição Contabilidade e Fiscalidade 01-10-2014 29-10-2014 21h P.L/S 100 Sensibilização e Orientação para o Cliente 02-10-2014

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso

Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Conhecimentos essenciais na utilização de software PRIMAVERA Guia do curso Pág. 1 Índice Índice... 2 Dados Gerais da formação... 3 Objetivos da formação... 3 Estrutura e desenvolvimento da formação...

Leia mais

Relatório de Actividades 2009

Relatório de Actividades 2009 Relatório de Actividades 2009 C e n t r o d e F o r m a ç ã o RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 Centro de Formação DGCI Centro de Formação 2 Índice I. NOTA INTRODUTÓRIA 4 1. Análise conjuntural7 2. Enquadramento

Leia mais

Plano de Formação Janeiro a Março 2015

Plano de Formação Janeiro a Março 2015 Plano de Formação Janeiro a Março 2015 (As datas indicadas no calendário são meramente indicativas e não dispensam a consulta e confirmação por parte da Forseguro) ÁREA: FORMAÇÃO DE PROFESSORES/FORMADORES

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

Relatório. Formação Profissional 2011

Relatório. Formação Profissional 2011 Relatório Formação Profissional 2011 Ficha técnica Relatório Formação Profissional 2011 Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Data de publicação: Agosto de 2012 Tipo de Publicação: Relatório

Leia mais

www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS

www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS www.intelac.pt Pacote de Serviços Integrados Disponibilizados pela Intelac Rh a MICRO EMPRESAS 1 3 4 recursos humanos contabilidade e gestão DINAMIZAÇÃO DO NEGÓCIO 1 2 área comercial área HST Enquadramento

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Plano de Formação Promovida DTIM - 2011

Plano de Formação Promovida DTIM - 2011 à Informática Não se aplica Presencial 1 39 12 20-01-2011 03-03-2011 3ª e 5ª 09:30/12:30 Formação Inicial de Formadores Presencial 1 96 12 24-01-2011 13-04-2011 2ª, 4ª e 6ª 19:00/22:00 Vários módulos 375,00

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

Plano de Formação 2010

Plano de Formação 2010 Plano de Formação 2010 Formando Unidade Orgânica Designação das acções de formação Data e duração Entidade Formadora/ Local Custo c/iva DIRIGENTES Participação no Colóquio "Quality of Legislation" da International

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação

KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação KEY Centro de Formação, Lda. Regulamento de Funcionamento da Formação Página 2 de 12 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO...

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Lingua Espanhola - Relações Laborais - Iniciação (Ufcd 5446) Novas Oportunidades para Desempregados

Lingua Espanhola - Relações Laborais - Iniciação (Ufcd 5446) Novas Oportunidades para Desempregados tel. 213 610 650 sede.lisboa@cequal.pt Lingua Espanhola - Relações Laborais - Iniciação (Ufcd 5446) DATA: 01,03,04,08,10,12,15,17,18,22,24,26,29 de Setembro; 03 de Outubro. DURAÇÃO: 50 horas. OBJECTIVOS:

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015

Balanço da Campanha. Felgueiras, 4 de março de 2015 Balanço da Campanha Felgueiras, 4 de março de 2015 Preparação da Campanha Envolvimento dos parceiros sociais APICCAPS, CTCP, FESETE, SINDEQ e Academia do Design e Calçado Compromisso de apoio à Campanha

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

Relatório de Monitorização Pedagógica

Relatório de Monitorização Pedagógica Relatório de Monitorização Pedagógica Inquérito aos Alunos do 1º Ciclo 2011/2012 1º Semestre Janeiro 2012 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO EXTERNA 2015. Qualidade

PLANO DE FORMAÇÃO EXTERNA 2015. Qualidade (Isento IVA) Qualidade Norma ISO 9001 Qualidade (nova versão ) Gestores da Qualidade 7 outubro Formar acerca do conteúdo da Norma de referência ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade: requisitos Conhecer

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias Alimentares

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Técnico superior de um centro de formação profissional de reparação automóvel, tendo como principais responsabilidades:

CURRICULUM VITAE. Técnico superior de um centro de formação profissional de reparação automóvel, tendo como principais responsabilidades: CURRICULUM VITAE Tomé Pereira de Matos Canas Residência: Largo Carlos Selvagem, n.º 4, 1º D to. Código Postal: 1500-140 Lisboa Telefone: 21 7743434 Telemóvel: 96 4159509 E-mail: tome.canas@clix.pt Data

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL

O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL O PAPEL DAS ESCOLAS SUPERIORES NA CULTURA DA SEGURANÇA NO SECTOR DA CONSTRUÇÃO, EM PORTUGAL Anabela Mendes Moreira; Ana Paula Machado; Carla G. Correia Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de

Leia mais

344 Contabilidade e Fiscalidade

344 Contabilidade e Fiscalidade 344 Contabilidade e Fiscalidade A Inspeção Tributária nas Empresas Empresários, Diretores, Técnicos Oficiais de Contas. Não existentes. Formação Continua. Destinatários Requisitos de acesso Modalidade

Leia mais

GUIA DO QUESTIONÁRIO RAF - 2013 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRETA UTILIZAÇÃO DO QUESTIONÁRIO... 2

GUIA DO QUESTIONÁRIO RAF - 2013 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRETA UTILIZAÇÃO DO QUESTIONÁRIO... 2 0 GUIA DO QUESTIONÁRIO RAF - 2013 Índice INSTRUÇÕES PARA UMA CORRETA UTILIZAÇÃO DO QUESTIONÁRIO... 2 1. COMO DESCARREGAR O QUESTIONÁRIO A PARTIR DO SITE DO INA... 2 2. COMO PREENCHER E VALIDAR OS DADOS

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

2012 Relatório sobre As Práticas de Avaliação e Gestão do Desempenho em Portugal

2012 Relatório sobre As Práticas de Avaliação e Gestão do Desempenho em Portugal 2012 Relatório sobre As Práticas de Avaliação e Gestão do Desempenho em Portugal ÍNDICE Agradecimentos...2 Introdução...3 Parte 1 Síntese das principais conclusões e comparação com os resultados obtidos

Leia mais

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016

Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses, embora esteja definido para o período 2014-2016, será revisto anualmente por

Leia mais

Impactos na qualidade formativa

Impactos na qualidade formativa Impactos na qualidade formativa Da acreditação à certificação (principais alterações) Simplificação do regime Certificação sem prazo de validade Acompanhamento regular das entidades Pedidos de certificação

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE GEOGRAFIA PROVA 18/ 2015 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2015/2016

PLANO DE FORMAÇÃO 2015/2016 PLANO DE FORMAÇÃO 2015/2016 MLCPT, UNIPESSOAL LDA Outubro de 2015 A NOSSA EMPRESA A MLCPT tem por objeto, o desenvolvimento de atividades de educação e formação profissional e não profissional para jovens

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

OFERTA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES

OFERTA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES FINANCEIRA IVA INTRACOMUNITÁRIO (RITI) E OPERAÇÕES COM N/RESIDENTES Colaboradores dos serviços de contabilidade implicados na contabilização do IVA que desejem melhorar os seus conhecimentos nestas matérias.

Leia mais

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública

O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública O Novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Sua Implicação na Administração Pública 4 de Junho de 2015 Auditório da Casa das Histórias da Paula Rego 1 1991: Arranque das Políticas

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

COACHING EM PORTUGAL 2009

COACHING EM PORTUGAL 2009 Alexandra Barosa-Pereira e Diana Vieira 16H30 APRESENTAÇÃO DO ESTUDO 18H00 COFFEE-END ORGANIZAÇÃO Licenciatura em Recursos Humanos ESEIG Núcleo de Investigação e Desenvolvimento em RH NID-RH ESEIG ABP

Leia mais

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos...

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO E DE ENTIDADES COM FINS PÚBLICOS REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO I Contexto de intervenção A formação é uma área crítica da Administração Pública (AP),

Leia mais

Plano de Formação 2013

Plano de Formação 2013 Plano de Formação 2013 Ações Internas 2013 APRESENTAÇÃO DAS ÁREAS DE FORMAÇÃO Línguas Higiene, segurança e saúde no trabalho Relacionamento Interpessoal Tecnologias de Informação 2 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP Título: Agência para a Modernização Administrativa, I.P.: Balanço Social 2013 Autoria: Equipa de Recursos Humanos Aprovação: Conselho

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Setembro 2013 Agradecimentos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Capítulo I Política e Estratégia Artigo 1.º

Leia mais

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Training Manager Certificação PwC 7, 14 e 21 de março Academia da PwC As empresas líderes analisam quais as competências necessárias para o desempenho dos seus colaboradores, implementam

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO E-Tutor: especialização pedagógica em e-learning DURAÇÃO DO CURSO 60 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. VIRTUAL LEARNING CENTER

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra

Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho. Patrícia Serra Pontos críticos das auditorias de segurança do trabalho Patrícia Serra 1 Objetivos das Auditorias ao SGSST Verificar se o SG cumpre eficazmente a política, os objetivos e metas definidos pela organização

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

REGULAMENTO Campanha Reservas Antecipadas

REGULAMENTO Campanha Reservas Antecipadas REGULAMENTO Campanha Reservas Antecipadas As condições descritas abaixo estabelecem o Regulamento da Campanha Reservas Antecipadas para serem utilizadas por cada cliente/formando relativamente aos serviços

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais