Do pap a el ao digi di t gi al t

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do pap a el ao digi di t gi al t"

Transcrição

1 Do papel ao digital

2 Linguagem FÍSICO Documento DIGITAL D O C U M E N T O Documento Consideram-se documentos quaisquer escritos, instrumentos ou papéis CPP, 332 Unidade de registro de informações, qualquer que seja o formato ou o suporte Arquivo Nacional, 2005

3 Liberdade de forma A validade da declaração de vontade não dependerá de forma especial, senão quando a lei expressamente a exigir Código Civil, Art. 107 PROVA Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que se fundaaaçãoouadefesa. CPC, art. 332 As partes têm o direito de empregar todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, para provar a verdade dosfatosem que se funda opedidoou adefesa einfluir eficazmente na convicção do juiz. Art. 369

4 DOCUMENTO FÍSICO Conteúdo fixado no suporte físico do papel vegetal Garantia de autenticidade Reputa-se autêntico o documento, quando o tabelião reconhecer a firma do signatário, declarando que foi aposta em sua presença CPC, art. 369 NOVO CPC, art. 411, I Considera-se autêntico o documento quando: O tabelião reconhecer a firma do signatário

5 Força probante Prova autoria declaração CPC, 371, 373 Presunção de veracidade CC, 219 Prova obrigação assumida CC,221 Documento digital Informação registrada, codificada em dígitos binários, acessível e interpretável por meio de sistema computacional Conselho Nacional de Arquivo -CONARQ Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Glossário, 2014, 6ª versão

6 Requisitos de validade Para que os documentos produzidos em meio eletrônico se revistam de inquestionável eficácia, devem ser cumpridos os requisitos próprios ao meio onde foi gerado, voltados à utilização de arquivos digitais AUTENTICAÇÃO Verificaçãoda identidade do autor INTEGRIDADE Preservação do conteúdo informacional DISPONIBILIDADE Armazenamento/disponibilidade para acesso

7 Garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica dedocumentos EM FORMA ELETRÔNICA, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras Medida Provisória /01 Certificado digital Funciona como uma identidade virtual que permite a identificação segura e inequívoca do autor de uma mensagem ou transação feita em meios eletrônicos

8 Assinatura digital Ferramenta tecnológica de autenticação de autoria e validação da manifestação da vontade, associando um indivíduo a uma declaração de vontade veiculada eletronicamente Fabiano Menke. Obra Assinatura Eletrônica. Ed. RT Equiparação legal Mesmos efeitos da assinatura manuscrita

9 Força probante As declarações constantes dos documentos em forma eletrônica produzidos com a utilização de processo de certificação disponibilizado pela ICP-Brasil presumem-se verdadeiros em relação aos signatários, na forma do art. 131 do CCivil Art.10, 1 o IV Jornada de Direito Civil O documento eletrônico tem valor probante, desde que seja apto a conservar a integridade de seu conteúdo e idôneo a apontar sua autoria, independentemente da tecnologia empregada 297: Art. 212, CC Os arquivos eletrônicos incluem-se no conceito de reproduções eletrônicas de fatos ou de coisas, do art. 225 do C.C., aos quais deve ser aplicado o regime jurídico da prova documental 298: Arts. 212 e 225, CC

10 Novo CPC Considera-se autêntico o documento quando: A autoria estiver identificada por qualquer outro meio legal de certificação, inclusive eletrônico, nos termos da lei Art. 411, II Conferência da assinatura

11 Conferência da assinatura

12 Documento digital impresso Válido Validade condicionada ao MEIO em que foi gerado Conservado em formato digital ao longo do ciclo de vida Somente visível em meio digital Sem qualquer indicação de assinatura

13 Novo CPC A utilização de documentos eletrônicos no processo convencional dependerá de sua conversão à forma impressa e da verificação de sua autenticidade, na formadalei. Art.439 O juiz apreciará o valor probante do documento eletrônico não convertido, assegurado às partes o acessoaoseuteor. Art.440 Serão admitidos documentos eletrônicos produzidos e conservados com a observância da legislação específica. Art. 441 Documento eletrônico NÃO assinado As reproduções fotográficas, cinematográficas, os registros fonográficos e, em geral, quaisquer outras reproduções mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena destes, se a parte, contra quem forem exibidos, não lhes impugnar a exatidão CC, art. 225

14 Sem valor legal Pode ser recortada/copiada e inserida em outro documento Lei /2012 Entende-se por digitalização a conversão da fiel imagem de um documento para código digital O processo de digitalização deverá ser realizado de forma a manter a integridade, a autenticidade e, se necessário, a confidencialidade do documento digital, com o emprego de certificado digital emitido no âmbito da ICP - Brasil

15 Ao regular a produção de efeitos jurídicos dos documentos resultantes do processo de digitalização de forma distinta, os dispositivos ensejariam insegurança jurídica. Por fim, não estão estabelecidos os procedimentos para a reprodução dos documentos resultantes do processo de digitalização, de forma que a extensão de efeitos jurídicos para todos os fins de direito não teria contrapartida de garantia tecnológica ou procedimental que a justificasse Mensagem 313/2012 No processo judicial eletrônico Fazem a mesma prova que os originais VI. As reproduções digitalizadas de qualquer documento, público ou particular, quando juntados aos autos pelos órgãos da Justiça e seus auxiliares, pelo Ministério Público e seus auxiliares, pelas procuradorias, pelas repartições públicas em geral e por advogados públicos ou privados, ressalvada a alegação motivada e fundamentada de adulteração antes ou durante o processo de digitalização. 1º Os originais dos documentos digitalizados, mencionados no inciso VI do caput deste artigo, deverão ser preservados pelo seu detentor até o final do prazo para interposição de ação rescisória CPC, 365

16 Mensagem eletrônica Documento digital produzido ou recebido via um sistema de correio eletrônico, incluindo anexos que possam ser transmitidos com a mensagem Assinada digitalmente Prova da autoria e integridade do conteúdo

17 Novo CPC MENSAGEM ELETRÔNICA IMPRESSA Se impugnada deve ser apresentada a autenticação eletrônica, ou, não sendo possível, realizada perícia. Art. 422 e 3º

18 OBRIGADA! Ana Amelia Menna Barreto

Aspectos Jurídicos do Arquivamento Eletrônico de Documentos. José Henrique Barbosa Moreira Lima Neto

Aspectos Jurídicos do Arquivamento Eletrônico de Documentos. José Henrique Barbosa Moreira Lima Neto Aspectos Jurídicos do Arquivamento Eletrônico de Documentos José Henrique Barbosa Moreira Lima Neto Lei 8.159/91 Art. 2º Consideram-se arquivos, para os fins desta lei, os conjuntos de documentos produzidos

Leia mais

Linguagem. Documento D O C U M E N T O FÍSICO DIGITAL

Linguagem. Documento D O C U M E N T O FÍSICO DIGITAL Paradigma Do papel ao digital Linguagem FÍSICO Documento DIGITAL 01100100 01101111 01100011 01110101 D O C U 01101101 01100101 01101110 01110100 01101111 M E N T O Documento Consideram-se documentos quaisquer

Leia mais

A Virtualização do. do Trabalho. Airton Cezar de Menezes Associação Catarinense de Advogados Trabalhistas

A Virtualização do. do Trabalho. Airton Cezar de Menezes Associação Catarinense de Advogados Trabalhistas A Virtualização do Processo na Justiça do Trabalho Airton Cezar de Menezes Associação Catarinense de Advogados Trabalhistas 1 No intervalo de tempo que vai do nascimento à mortedeumúnicoindivíduodenossotempo,as

Leia mais

3 O prontuário do paciente é um documento privado e tem como fiel depositário a instituição que o atendeu e registrou todas as informações da

3 O prontuário do paciente é um documento privado e tem como fiel depositário a instituição que o atendeu e registrou todas as informações da 2 JUSTIFICATIVA É responsabilidade das instituições de saúde armazenar de forma segura os prontuários dos pacientes e mantê-los, de acordo com a legislação vigente, por um período mínimo de 20 anos. Há

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 82, incisos V e VII da Constituição do Estado,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 82, incisos V e VII da Constituição do Estado, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.715, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 222, de 23 de novembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto

DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS. por Ana Amelia Menna Barreto DOCUMENTOS DIGITAIS COMO PROVA EM QUESTÕES JUDICIAIS por Ana Amelia Menna Barreto ÁTOMOS E BITS A civilização está se alterando em sua concepção básica Estamos passando dos átomos para os bits, onde a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.474, DE 31 DE MARÇO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 4.474, DE 31 DE MARÇO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 4.474, DE 31 DE MARÇO DE 2016 Dispõe sobre a digitalização e a gestão de documentos digitalizados relativos às operações e às transações realizadas pelas instituições financeiras e pelas demais

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB

REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB REGULAMENTO DA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E GUARDA DO ACERVO ACADÊMICO DA ESCOLA DE DIREITO DE BRASÍLIA EDB Estabelece a Política para Manutenção e Guarda do Acervo Acadêmico da Escola de Direito de Brasília

Leia mais

Certificação Digital AB SISTEMAS

Certificação Digital AB SISTEMAS Certificação Digital AB SISTEMAS RDC 30/2015 Como Funciona a Certificação Digital? Índice Introdução... 04 Entendendo a RDC 30... 05 A Lei... 06 Certificado Digital... 07 Como adquirir o seu Certificado

Leia mais

O NOVO MODELO DE EXECUÇÃO FISCAL

O NOVO MODELO DE EXECUÇÃO FISCAL O NOVO MODELO DE EXECUÇÃO FISCAL EXECUÇÃO FISCAL Legislação aplicável: Lei 6.830/80 e aplicação subsidiária do CPC. OBJETIVOS DA LEI 6.830/80: Regular a execução judicial para a cobrança da dívida ativa

Leia mais

A Mensagem de correio eletrônico

A Mensagem de correio eletrônico A Mensagem de correio eletrônico V Seminário A Gestão de Documentos Arquivísticos na Administração Pública Federal Brenda Couto de Brito Rocco Agosto de 2014 A mensagem de correio eletrônico Mensagem eletrônica:

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases..

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. A Emenda Constitucional nº 42/2003 introduziu o inciso XXII ao artigo 37 da Constituição Federal, que determina que as administrações tributárias

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Experiência da Prodemge no Governo de Minas Gerais. Certforum

CERTIFICAÇÃO DIGITAL. Experiência da Prodemge no Governo de Minas Gerais. Certforum CERTIFICAÇÃO DIGITAL Experiência da Prodemge no Governo de Minas Gerais Certforum Presente no Estado, Presente na Vida do Cidadão Empresa pública vinculada à Secretaria de Planejamento e Gestão Com foco

Leia mais

Assinatura de documento em papel

Assinatura de documento em papel Assinatura em Papel Assinatura de documento em papel Instante da Assinatura Finalidade da Assinatura Assinatura em Papel Características Garantia de autoria A assinatura é utilizada para validar o autor

Leia mais

Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI

Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI Presidência da República do Brasil Casa Civil Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI DA BUROCRACIA TRADICIONAL PARA BUROCRACIA ELETRÔNICA, ou e-burocracia Identificação e Autenticação

Leia mais

SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência

SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Cadastro e Habilitação Declaração de Inocorrência Sumário ORIENTAÇÕES GERAIS... 3 O que são Pessoas Obrigadas... 4 O que é o SISCOAF... 4 Quem deve

Leia mais

Novos Meios de Prova no Processo Civil e Administrativo no Brasil

Novos Meios de Prova no Processo Civil e Administrativo no Brasil Novos Meios de Prova no Processo Civil e Administrativo no Brasil Ana Paula de Oliveira Gomes Professora do Centro de Ciências Administrativas da Universidade de Fortaleza (Unifor). Servidora pública estadual.

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1 NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/2015 1 Rev 1 [Operações públicas FEDER] 1 Não aplicável a operações enquadradas no Sistema de Incentivos às Empresas e a operações cofinanciadas pelo FSE. CONTROLO DO DOCUMENTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Caro Colega.

APRESENTAÇÃO. Caro Colega. APRESENTAÇÃO Caro Colega. A OAB/RJ oferece uma nova Cartilha com o objetivo de promover a atualização da advocacia frente ao novo Código de Processo Civil. A cartilha digital Lei do Processo Eletrônico

Leia mais

SÃO PAULO. 32º Subseção Lins. Anderson Marques dos Santos

SÃO PAULO. 32º Subseção Lins. Anderson Marques dos Santos SÃO PAULO 32º Subseção Lins Anderson Marques dos Santos anderson@andersonmarques.adv.br SÃO PAULO O que é a Certificação Digital? A certificação digital é uma tecnologia que certifica a autenticidade dos

Leia mais

Biometria e Certificação Digital no Documento de Identidade

Biometria e Certificação Digital no Documento de Identidade Biometria e Certificação Digital no Documento de Identidade ICCyber 2009 Natal, Setembro de 2009 MAURICIO MIRABETTI ABRID Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia em Identificação Digital Agenda

Leia mais

Súmula da Audiência Pública nº 4/2010

Súmula da Audiência Pública nº 4/2010 Minuta de resolução que estabelece a obrigatoriedade da utilização de certificados digitais para o envio de informações, em forma eletrônica, à ANP. 1. Data e local da realização A audiência pública realizou-se

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL PARA CIRURGIÕES DENTISTAS. Dra. Nayene Leocádia Manzutti Eid

CERTIFICAÇÃO DIGITAL PARA CIRURGIÕES DENTISTAS. Dra. Nayene Leocádia Manzutti Eid CERTIFICAÇÃO DIGITAL PARA CIRURGIÕES DENTISTAS Dra. Nayene Leocádia Manzutti Eid Especialista em Radiologia Odontológica Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/USP). Mestre em Radiologia

Leia mais

Código Multicanal (7 dígitos numéricos): Código definido pelo utilizador, sendo que não são aceites sequências nem repetições de números:

Código Multicanal (7 dígitos numéricos): Código definido pelo utilizador, sendo que não são aceites sequências nem repetições de números: Identificação Código de utilizador (8 caracteres Alfanuméricos): Código definido pelo utilizador, sendo que não são aceites sequências nem repetições de números ou letras: Ex.: ABC123 Ex.: ACB132 Código

Leia mais

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS

LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS LEGALIZAÇÃO E IMPUTAÇÃO DE AUTORIA EM DOCUMENTOS DIGITAIS Angelo Volpi Neto angelo@volpi.not.br www.volpi.not.br LEGALIDADE DOCUMENTOS DIGITAIS Cod. Civil art. 225. As reproduções fotográficas, cinematográficas,

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Auditoria e Análise de Segurança da Informação Forense Computacional Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Forense Computacional 2 Forense Computacional A forense computacional pode ser definida

Leia mais

A DESERDAÇÃO DE FILHO DEVE SER PRECEDIDA DE CUIDADOS ESPECIAIS. Danilo Santana

A DESERDAÇÃO DE FILHO DEVE SER PRECEDIDA DE CUIDADOS ESPECIAIS. Danilo Santana A DESERDAÇÃO DE FILHO DEVE SER PRECEDIDA DE CUIDADOS ESPECIAIS Danilo Santana A DESERDAÇÃO DE FILHO DEVE SER PRECEDIDA DE CUIDADOS ESPECIAIS Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL

SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL 1. Como é feita a entrega do Certificado Digital? Resposta: O certificado digital é entregue ao cliente após o procedimento de Validação Presencial, o qual consiste na

Leia mais

TUTORIAL. ASSINATURA E CRIPTOGRAFIA DE NO OUTLOOK-2007 COM USO DO DISPOSITIVO etoken FORNECIDO PELO TCU. Conceitos básicos...

TUTORIAL. ASSINATURA E CRIPTOGRAFIA DE  NO OUTLOOK-2007 COM USO DO DISPOSITIVO etoken FORNECIDO PELO TCU. Conceitos básicos... TUTORIAL ASSINATURA E CRIPTOGRAFIA DE EMAIL NO OUTLOOK-2007 COM USO DO DISPOSITIVO etoken FORNECIDO PELO TCU Conteúdo Conceitos básicos... 2 Pré-requisitos para utilização dos procedimentos descritos neste

Leia mais

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador FLÁVIO ARNS

PARECER Nº, DE RELATOR: Senador FLÁVIO ARNS PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA, sobre o PLC nº 11, de 2007 (nº 1.532, de 1999, na origem), que dispõe sobre a elaboração e o arquivamento de

Leia mais

Edição Número 217 de 13/11/2015 Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior EDITAL Nº 33, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015

Edição Número 217 de 13/11/2015 Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior EDITAL Nº 33, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015 Edição Número 217 de 13/11/2015 Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior EDITAL Nº 33, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015 PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE

Leia mais

PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1:

PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1: Esclarecimentos I PERGUNTA 1: O Edital do Pregão Eletrônico prevê, em seu item 4.1.1: 4.1.1 Deverão ser protocolados na ANP, Avenida Rio Branco nº 65, 16º andar, Superintendência de Abastecimento, Centro,

Leia mais

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo Dezembro 2015 O serviço refere-se ao processo de depósito de valores mobiliários (ativos) na Central Depositária da BM&FBOVESPA, sem que estejam admitidos à negociação em sua plataforma eletrônica. O oferece

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece o Regulamento dos cursos presenciais e a distância realizados pelo CRCMG. O PLENÁRIO DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade mantém Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda,

CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade mantém Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.299/10 Aprova o Comunicado Técnico CT 04 que define as formalidades da escrituração contábil em forma digital para fins de atendimento ao Sistema Público de Escrituração Digital (SPED).

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 3 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta o porte de arma de fogo para os servidores que exercem funções de segurança no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS. Secretaria Municipal de Administração Coordenadoria de Compras Telefone: REPUBLICADO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS. Secretaria Municipal de Administração Coordenadoria de Compras Telefone: REPUBLICADO REPUBLICADO EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2010 PREÂMBULO Interessado: Secretaria Municipal de Comunicação Social e Institucional. Referência: Chamamento nº. 001/2010. Objeto resumido: Inscrição de

Leia mais

PORTARIA N.º 018/2010. Promotora de Justiça signatária, no uso das suas atribuições

PORTARIA N.º 018/2010. Promotora de Justiça signatária, no uso das suas atribuições PORTARIA N.º 018/2010 O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, pela Promotora de Justiça signatária, no uso das suas atribuições institucionais que lhe são conferidas pelo art. 129, III, da Constituição

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL Manual de orientação do Sistema de Requisição de Recibos Anuais SRA Versão 1.0 Sumário Apresentação do sistema... 3 Requisitos do sistema... 3 Cadastrar uma senha para acessar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO ANEXO I (Anexo ao Regulamento Portaria JFES-POR-2014/00073) LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA BAIXA DEFINITIVA DE AUTOS Órgão Julgador/Vara Processo

Leia mais

CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL DE NO GROUPWISE

CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL DE  NO GROUPWISE MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CORREDENADORIA DE SUPORTE TÉCNICO DIVISÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO CRIPTOGRAFIA E ASSINATURA DIGITAL DE E-MAIL NO GROUPWISE Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - UNIFEB

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - UNIFEB REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - UNIFEB Da exposição de motivos Considerando que a disciplina Atividades Complementares

Leia mais

PROVIMENTO Nº 11/2010

PROVIMENTO Nº 11/2010 PROVIMENTO Nº 11/2010 Ementa: Regulamenta a prestação de serviços pelos Cartórios de Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado de Pernambuco nos estabelecimentos de saúde que realizam partos, bem como

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração:

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC)

Universidade Federal de Santa Catarina. Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC) Universidade Federal de Santa Catarina Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC) Documento elaborado pelo Comitê de Segurança da Informação e Comunicação (COSIC) instituído pela Portaria

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS Av. João Pinheiro, 417 B. Centro-BH/MG CEP: 30130.180 PORTARIA N 92.147/2005 de 10 de dezembro de 2005 O Chefe do Departamento de

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 2.750, DE 2011.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 2.750, DE 2011. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 2.750, DE 2011. Fixa piso salarial nacional dos médicos. Autor: Deputado ANDRE MOURA Relatora: Deputada FLÁVIA MORAIS I - RELATÓRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 7/2016. Implanta o Processo Judicial Eletrônico (PJe) no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, regulamenta seu uso e funcionamento.

RESOLUÇÃO Nº 7/2016. Implanta o Processo Judicial Eletrônico (PJe) no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, regulamenta seu uso e funcionamento. PROCESSO: INSTRUÇÃO Nº 469-64.2016.6.15.0000 - Classe 19. PROCEDÊNCIA: João Pessoa-PB RELATOR:Excelentíssimo Desembargador José Aurélio da Cruz ASSUNTO: INSTRUÇÃO - MATÉRIA ADMINISTRATIVA - SEI N.º 0001132-69.2016.6.15.8000

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2014/05/07 Circular nº.: S_DGE_2014/1836 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2014/2015 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Informações aos candidatos inscritos BOLSA REMANESCENTE - ProUni 2016

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Informações aos candidatos inscritos BOLSA REMANESCENTE - ProUni 2016 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Informações aos candidatos inscritos BOLSA REMANESCENTE - ProUni 2016 O candidato que concluir a inscrição para bolsa remanescente deverá entregar

Leia mais

DECLARAÇÃO BÁSICA: CARACTERÍSTICAS E REQUERIMENTOS ENTIDADE

DECLARAÇÃO BÁSICA: CARACTERÍSTICAS E REQUERIMENTOS ENTIDADE DECLARAÇÃO BÁSICA: CARACTERÍSTICAS E REQUERIMENTOS ENTIDADE Entidade Certificadora Comum do Estado ECCE SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ELECTRÓNICA DO ESTADO (SCEE) INFRA-ESTRUTURA DE CHAVES PÚBLICAS OID: 2.16.620.1.1.1.2.3.2.2

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA RESERVA LEGAL Palestrante: Letícia Horta Vilas Boas POLÍCIA RESERVA LEGAL RESERVA LEGAL é a área localizada no interior de uma propriedade

Leia mais

CENTRAL DE BALANÇOS PEDRO ONOFRE FERNANDES. abril de 2010 AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Sistema Público de Escrituração Digital

CENTRAL DE BALANÇOS PEDRO ONOFRE FERNANDES. abril de 2010 AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Sistema Público de Escrituração Digital CENTRAL DE BALANÇOS abril de 2010 PEDRO ONOFRE FERNANDES AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUMÁRIO Sistema Público de Escrituração Digital SPED Objetivo Premissas Abrangência Central de Balanços

Leia mais

RECOMENDAÇÕES SOBRE COMUNICAÇÃO ENTRE NÚCLEOS DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS E POSTOS AVANÇADOS DE ATENDIMENTO HUMANIZADO AO MIGRANTE

RECOMENDAÇÕES SOBRE COMUNICAÇÃO ENTRE NÚCLEOS DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS E POSTOS AVANÇADOS DE ATENDIMENTO HUMANIZADO AO MIGRANTE RECOMENDAÇÕES SOBRE COMUNICAÇÃO ENTRE NÚCLEOS DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS E POSTOS AVANÇADOS DE ATENDIMENTO HUMANIZADO AO MIGRANTE Dispõe sobre a comunicação entre Núcleos de Enfrentamento ao

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.396 INSTRUÇÃO Nº 958-26.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a apuração de crimes eleitorais.

Leia mais

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor

ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor ITCMD Aspectos Relacionados ao Terceiro Setor Comissão de Direito do Terceiro Setor Danilo Brandani Tiisel Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos ITCMD Conceito

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião realizada em

Leia mais

C O N V Ê N I O Celepar e ITI assinam protocolo de intenções para certificação digital Em breve a Celepar vai ser credenciada como entidade certificadora de chave pública ICP-Brasil, com capacidade para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

SISTEMA AUTENTICADOR E TRANSMISSOR DE CUPONS FISCAIS ELETRÔNICOS - SAT - CF-e

SISTEMA AUTENTICADOR E TRANSMISSOR DE CUPONS FISCAIS ELETRÔNICOS - SAT - CF-e SISTEMA AUTENTICADOR E TRANSMISSOR DE CUPONS FISCAIS ELETRÔNICOS - SAT - CF-e SISTEMA AUTENTICADOR E TRANSMISSOR DE CUPONS FISCAIS ELETRÔNICOS - SAT - CF-e Informações Gerais 1. O que é o projeto SAT-CF-e?

Leia mais

Termos de Uso. Acervo de Recursos Educacionais em Saúde - ARES

Termos de Uso. Acervo de Recursos Educacionais em Saúde - ARES Termos de Uso Acervo de Recursos Educacionais em Saúde - ARES Brasília Junho de 2015 SOBRE O ARES... 3 USO DO ARES... 3 PROTEÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS... 4 USOS PERMITIDOS... 4 USOS QUE NECESSISTAM DE

Leia mais

Condições da Ação Penal -Possibilidade jurídica do pedido A pretensão do autor deve referir-se a providência admitida pelo direito objetivo. Para que

Condições da Ação Penal -Possibilidade jurídica do pedido A pretensão do autor deve referir-se a providência admitida pelo direito objetivo. Para que AÇÃO PENAL Ação é o direito subjetivo de se invocar do Estado- Juiz a aplicação do direito objetivo a um caso concreto. Tal direito é público, subjetivo, autônomo, específico, determinado e abstrato (TOURINHO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016 Dispõe sobre os procedimentos para a Certificação de Conclusão do Ensino Médio e da Declaração Parcial de Proficiência com base nos resultados do Exame

Leia mais

FACULDADE MURIALDO Credenciada pelo MEC (Portaria 1257/de 16/09/ 2011) EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 SEGUNDA EDIÇÃO

FACULDADE MURIALDO Credenciada pelo MEC (Portaria 1257/de 16/09/ 2011) EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 SEGUNDA EDIÇÃO FACULDADE MURIALDO Credenciada pelo MEC (Portaria 1257/de 16/09/ 2011) EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 SEGUNDA EDIÇÃO A Faculdade Murialdo, instalada na Rua Marquês do Herval, 701, Centro de

Leia mais

ANEXO IX MODELOS DO EDITAL SUMÁRIO

ANEXO IX MODELOS DO EDITAL SUMÁRIO ANEXO IX MODELOS DO EDITAL SUMÁRIO Modelo 01 - Termo de Responsabilidade e Renúncia à Visita Técnica... 2 Modelo 02 - Declaração de que Não Emprega Menores de 18 Anos (com exceção de menor a partir de

Leia mais

Antecipação de IPVA. Manual do Usuário. Versão 1.4. Antecipação de IPVA pelo Portal Manual. Antecipação de IPVA pelo Portal 1.

Antecipação de IPVA. Manual do Usuário. Versão 1.4. Antecipação de IPVA pelo Portal Manual. Antecipação de IPVA pelo Portal 1. GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DA FAZENDA DIRETORIA DE TECNOLÓGIA E INFORMAÇÃO GERENCIA DE ARRECADAÇÃO Antecipação de IPVA Manual do Usuário

Leia mais

Condição prévia à contratação em operações com frigoríficos

Condição prévia à contratação em operações com frigoríficos CIRCULAR Nº 38/2011 Rio de Janeiro, 10 de outubro de 2011 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame Leasing, BNDES Finame e BNDES Automático (Circulares nº 196/2006, de 04.08.2006, nº 33/2011, de 01.09.2011, e

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 602, DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 602, DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 602, DE 2012 FEVEREIRO/2013 Nota Descritiva 2 A, autoriza a prorrogação de contratos por tempo determinado no âmbito do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia

Leia mais

1º CONCURSO FOTOGRÁFICO IFG LUZIÂNIA

1º CONCURSO FOTOGRÁFICO IFG LUZIÂNIA 1º CONCURSO FOTOGRÁFICO IFG LUZIÂNIA Urbano Fotografia Organizado (por): Marise Takano, Heloiza Bonilla Proposto (por): Curso Técnico Integrado de Edificações Regulamento 1 I CONCURSO DE FOTOGRAFIA IFG

Leia mais

Guia de Uso - Mobile ID

Guia de Uso - Mobile ID Guia de Uso - Mobile ID Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Requisitos 3 4. Instalação e Configuração do Aplicativo MobileID no ios 3 4.1. Instalação do Aplicativo MobileID 3 4.2. Configurando o Aplicativo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Forças policiais e ordem pública. Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Capítulo 1 Forças policiais e ordem pública. 1.1.Ordem pública e seu alcance O cidadão possui direitos e garantias fundamentais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77 DE 23 DE AGOSTO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77 DE 23 DE AGOSTO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77 DE 23 DE AGOSTO DE 2013. Regulamenta o procedimento de certificação da poligonal objeto de memorial descritivo de imóveis rurais a que se refere o 5º do art. 176 da Lei nº 6.015,

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Julho/2015 Conteúdo 1. BASE LEGAL... 2 1.1. NORMAS... 2 1.2. OUTRAS NORMAS RELACIONADAS... 4 2. NORMAS ADMINISTRATIVAS APLICÁVEIS... 5 1.

Leia mais

Segurança e Preservação de Dados

Segurança e Preservação de Dados Segurança e Preservação de Dados Computação Forense Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.6T Segurança e Preservação de Dados Conteúdo Programático :: 1a Unidade Conceitos

Leia mais

Certificado Digital A1/S1 e A3/S3. Instalação das Cadeias de Certificação

Certificado Digital A1/S1 e A3/S3. Instalação das Cadeias de Certificação Instalação das Cadeias de Certificação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2010 Pré Requisitos para a instalação Dispositivos de Certificação Digital (todos os modelos) Para que

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs 1) Quanto à aquisição de equipamentos para apoio à infraestrutura da governança, podem os mesmos serem adquiridos via internet

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.864, DE 2013 (Do Sr. Roberto Britto)

PROJETO DE LEI N.º 6.864, DE 2013 (Do Sr. Roberto Britto) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.864, DE 2013 (Do Sr. Roberto Britto) Dispõe sobre serviços privados de estacionamento e de manobra e guarda de veículos em áreas comerciais. DESPACHO: APENSE-SE

Leia mais

REQUISIÇÃO DE DOCUMENTOS

REQUISIÇÃO DE DOCUMENTOS Data versão inicial: Data versão vigente: 1/6 Unidade de Aplicação: Promotorias de do MP-PR. Objetivo do Processo: Responsável(is) envolvido(s): Secretarias, assessorias e promotores de justiça. Cumprimento

Leia mais

Ferramentas eletrónicas e preservação digital. - A realidade do Algarve -

Ferramentas eletrónicas e preservação digital. - A realidade do Algarve - Ferramentas eletrónicas e preservação digital A presente comunicação tem por base parte do diagnóstico que a Rede de Arquivos do Algarve (RAalg) realizou em 205 aos Arquivos do Algarve, com a finalidade

Leia mais

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras

Prefeitura do Município de Piracicaba Secretaria Municipal de Administração Departamento de Material e Patrimônio Divisão de Compras O, por intermédio da, comunica que, de acordo com o que dispõe a Lei Federal nº 8.666/93 e suas alterações, os Srs. Fornecedores da Prefeitura do Município de Piracicaba que desejarem se inscrever no CERTIFICADO

Leia mais

E TA I s A LEI C PLE ENTAR 1 11. A Divulga~ao peja Internet dos Atos de. Marcus Vinicius Fngueiras Junior. Administra~ao Publica Brasileira

E TA I s A LEI C PLE ENTAR 1 11. A Divulga~ao peja Internet dos Atos de. Marcus Vinicius Fngueiras Junior. Administra~ao Publica Brasileira Marcus Vinicius Fngueiras Junior E TA I s A LEI C PLE ENTAR 1 11 A Divulga~ao peja Internet dos Atos de Execu~ao Or~amentaria e Financeira da Administra~ao Publica Brasileira Curitiba Jurua Editora 2015

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e)

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) Manual de Acesso ao Sistema Pessoa Física Todos os dados e valores apresentados neste manual são ficticios. Qualquer dúvida consulte a legislação vigente. Sistema desenvolvido por Tiplan Tecnologia em

Leia mais

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa

Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Regulamento do Cartão Jovem Municipal Nota justificativa Considerando que o Município do Barreiro tem como princípio o bem-estar, a realização pessoal e a plena participação social dos jovens. Considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA Preâmbulo No processamento da política de reorganização dos serviços municipais e no caso particular do Arquivo do Município de Fronteira, pretende-se com

Leia mais

Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes medidas: o De prevenção; o Detecç

Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes medidas: o De prevenção; o Detecç Auditoria e Segurança de Sistemas Prof.: Mauricio Pitangueira Instituto Federal da Bahia Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes

Leia mais

EDITAL PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS MEIO AMBIENTE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 001/15

EDITAL PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS MEIO AMBIENTE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 001/15 EDITAL PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS MEIO AMBIENTE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 001/15 A Direção Geral da Faculdade do Espírito Santo Multivix Cachoeiro de Itapemirim, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Ref.: Pedido de Recurso pela inabilitação técnica no Pregão Eletrônico n o 70/2012 Autor: 3A Marques e Nunes Comércio e Serviço de Instalações e Projetos Ltda. Em: 19/12/2012 Do Recurso ao Pregão: 1. Amparada

Leia mais

DISPENSA DE LICITAÇÃO

DISPENSA DE LICITAÇÃO DISPENSA DE LICITAÇÃO Processo: Secretaria: Empresa: CNPJ: Objeto: LISTA DE VERIFICAÇÕES Justificativa - deverá ser elaborada pela Secretaria Requisitante, a qual identificará a necessidade administrativa

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº035/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Recursos Humanos. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 de 20 de Dezembro de 2012

SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Recursos Humanos. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 de 20 de Dezembro de 2012 SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO Divisão de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 de 20 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: RECADASTRAMENTO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS Esta Instrução Normativa

Leia mais

O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Marcelo Alves Carrera 1 Resumo: A crescente competitividade do cenário, a globalização, a transformação da sociedade industrial numa sociedade baseada

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS CACHOEIRAS LEI Nº DE 28 DE MAIO DE 2014.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS CACHOEIRAS LEI Nº DE 28 DE MAIO DE 2014. LEI Nº 1.453 DE 28 DE MAIO DE 2014. Autoriza o Poder Executivo a celebrar convênio com a Associação Te Yang de Taekwondo. NESTOR BEHENCK SEBASTIÃO, Prefeito de Três Cachoeiras, Estado do Rio Grande do

Leia mais

Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados

Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados Portal dos Jurisdicionados Projeto de prestação de Contas Eletrônica via INTERNET. Processo Digital Fases do Projeto 1ª ) Licitações e Contratos

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 551, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 551, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014 Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 332, de 4 de abril de 2000, à Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003, e à Instrução CVM nº 476, de 16 de janeiro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1-Nº 116, segunda-feira, 18 de junho de 2012

Diário Oficial da União Seção 1-Nº 116, segunda-feira, 18 de junho de 2012 Secretaria da Receita Federal do Brasil revoga instrução normativa que tratava a respeito dos procedimentos para ratificação de erros no preenchimento de Guia da Previdência Social (GPS) Para conhecimento,

Leia mais