UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO PROFESSOR E O LIVRO DIDÁTICO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO PROFESSOR E O LIVRO DIDÁTICO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I CURSO DE PEDAGOGIA AMANDA PENALVA BATISTA UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO PROFESSOR E O LIVRO DIDÁTICO. Salvador 2011 AMANDA PENALVA BATISTA

2 UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO PROFESSOR E O LIVRO DIDÁTICO. Monografia apresentada como requisito para obtenção da Graduação em Pedagogia do Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia, sob a orientação da Profª. Vivian Antonino. Salvador 2011 AMANDA PENALVA BATISTA

3 UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO PROFESSOR E O LIVRO DIDÁTICO. Monografia apresentada como requisito para obtenção da Graduação em Pedagogia do Departamento de Educação da Universidade do Estado da Bahia, pela seguinte banca examinadora: Salvador, de de 2011

4 Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos (...). Coríntios 4: 8 e 9.

5 Dedico este trabalho a todos envolvidos com a Educação e aqueles que não acreditam que as técnicas superem nossa capacidade humana. AGRADECIMENTOS

6 Agradeço a Deus por mais uma etapa concluída em minha vida, pois sem Ele todo esforço seria em vão, por isso expresso aqui minha gratidão pelo milagre da vida e pelas bênçãos derramadas durante a minha trajetória. À minha família, pelo carinho nos momentos de solidão, pelas palavras de incentivo e a compreensão pela falta de tempo e atenção, agradeço, principalmente, pelas orações. À professora, Vívian Antonino, pela aceitação em orientar meu trabalho, pela perseverança, paciência e dedicação. A todos os meus amigos, principalmente a Brisa, Juliana e Renata por me ajudarem nos momentos mais difíceis do processo monográfico e pela paciência por me ouvirem. À minha prima Eneida, pela ajuda no planejamento do trabalho e pelo incentivo em continuar, tendo como exemplo sua própria vida. Ao jornalista José Carlos Amorim, pela boa vontade em me ajudar e aceitar fazer as revisões da minha monografia em tempo recorde. Por fim, à professora Jane Célia e aos alunos da Escola Municipal Jaqueira do Carneiro, pela atenção dedicada nos dias de pesquisa.

7 RESUMO Este trabalho tem como finalidade refletir sobre o papel que o livro didático tem assumido ao longo dos tempos até os dias atuais, no contexto escolar. Para isso, vale-se da pesquisa bibliográfica e da pesquisa de campo como elementos para análise do uso do livro didático e da autonomia do professor na sala de aula bem como dos limites impostos por este suporte pedagógico e dá sugestões para resolução destas questões. Alguns aspectos didáticos estudados no ensino da língua materna serão discutidos para levar o leitor à reflexão para a melhoria do uso crítico do livro didático. Também aborda como a relação entre a formação docente e uso do livro didático têm sido traçados historicamente resultando uma educação precária. Com isso, mostra a possibilidade de construção de caminhos que levem o professor a ser cada vez mais independente do livro didático, favorecendo o processo de aprendizagem na escola. Palavras- Chave: livro didático processo de ensino e aprendizagem- autonomiaconstrutivismo- formação docente. ABSTRACT

8 This work is one of the purposes to reflect on the role that the textbook has taken over the years until today, even under the influence of constructivist theory. To do this, it is a bibliographic and field research as evidence for analysis of the use of textbooks and teacher autonomy in the classroom as well as the limits imposed by this pedagogical support and give suggestions for addressing these issues. Some didactic aspects studied in mother-tongue teaching will be discussed to bring the reader to reflect for improving the critical use of the textbook. It also discusses how the relationship between teacher training and use of textbooks have been traced historically resulting in a poor education. Thus, it shows the possibility of constructing paths that lead the teacher to be increasingly independent of the textbook favoring the learning process at school. Key-words: schoolbook teaching and learning autonomy constructivism teacher training SUMÁRIO

9 1. INTRODUÇÃO PARA QUE SERVE O LIVRO DIDÁTICO? DEFINIÇÕES DE LIVRO DIDÁTICO BREVE HISTÓRICO DO LIVRO DIDÁTICO NO BRASIL PNDL (PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO) A VISÃO DO LIVRO DIDÁTICO NAS QUESTÕES EDUCACIONAIS LETRAMENTO E LIVRO DIDÁTICO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E O LIVRO DIDÁTICO O USO DO LIVRO DIDÁTICO OU DAS APOSTILAS NA ESCOLA? A EPISTEMOLOGIA DO PROFESSOR E A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO A DINÂMICA EM SALA DE AULA A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O LIVRO DIDÁTICO: TENSÕES E POSSIBILIDADES CONSIDERAÇÕES FINAIS 57 REFERÊNCIAS 61 APÊNDICE 64

10 10 1.INTRODUÇÃO O livro didático faz parte da história da escola há pelo menos dois séculos. A origem do seu nome vem do latim libru, que se refere às cascas das árvores que antigamente se escrevia o chamado líber. Segundo a UNESCO, o livro é todo material impresso não periódico contendo pelo menos 48 páginas, excluindo a capa. Porém, o material descrito também leva o termo didático do grego didaktikós, que indica que ele serve para instruir. Mas será que o livro didático tem servido para esses objetivos? Neste sentido, busca-se neste trabalho discutir a articulação entre o as teorias pedagógicas e a utilização do livro didático na prática em sala de aula, refletindo sobre o papel que historicamente o LD desempenha no contexto escolar e sua relação com a falta de investimento em educação, propondo mecanismos para superação das tensões provocadas entre as questões educacionais e o livro didático. O livro didático ainda é visto com desconfiança por alguns setores da sociedade por uma série de equívocos. Então, para deixar mais claro nosso objeto de estudo, o primeiro capítulo deste texto procura delimitá-lo, fazendo referência ao foco das pesquisas sobre livro didático nos últimos anos, além de explorar historicamente a postura adotada pelos estudiosos com referência à utilização do livro didático e como o governo trata, atualmente, sobre estas questões através da análise Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Já no segundo capítulo, a ênfase é dada às mudanças que o livro didático sofreu a partir do PNLD, como a atenção dada aos Parâmetros Nacionais Curriculares (PCNs) e suas propostas de letramento, tanto na leitura como na escrita e na oralização, sendo que se deslocou o foco do estudo das questões gramaticais para a análise do discurso. Com isso, o livro didático passou a misturar uma série de teorias pedagógicas além de criar novas questões a serem discutidas por toda comunidade escolar. No terceiro capítulo, é analisada a relação entre a postura do professor, sua teoria pedagógica e a utilização do livro didático em sala de aula através da pesquisa de campo em uma escola pública, considerando o livro didático adotado, seus limites e como a professora administra essas dificuldades, transpondo os conhecimentos adquiridos na faculdade com os adquiridos na prática em sala de aula como fatores para o desenvolvimento de sua autonomia profissional.

11 11 Além disso, a motivação por esse tema veio através da pesquisa de campo realizada na Escola Municipal Jaqueira do Carneiro, na sala do primeiro ano, sendo que o objetivo inicial era identificar as práticas de letramento suscitadas pelo projeto Cidade Educadora, mas o que foi visto na sala de aula me despertou para novas questões. Na sala de aula, verificou-se que a professora não utilizava o projeto e sim outros suportes pedagógicos que extrapolavam os limites do livro didático e produzia um resultado interessante, e isto me motivou para estudar mais sobre o livro didático e suas implicações na sala de aula. A partir desta motivação, é necessário debruçar sobre este assunto durante o processo de formação docente, até por que ainda que com maior ou menor frequência o uso do livro didático é uma ferramenta influente na prática de ensino na maioria das escolas. Muitas vezes o livro didático tem servido de manual para professores na falta de um planejamento escolar mais consistente. Nos meus estágios curriculares, percebi o quanto a educação às vezes parece ser norteada pelos improvisos; durante a disciplina de Estágio Supervisionado III, a professora da sala que estava sendo observada adoeceu, então nos pediram para tomar conta da sala, e para que as crianças ficassem quietas, a orientação era passar muitas atividades, incluindo as do livro didático. Quando refletimos sobre a escola, percebemos que o papel da educação está muito além do de instruir, pois deveria proporcionar ao sujeito: a produção e alteração de significados e o desenvolvimento humano, além da formação para o trabalho. Desta forma, é indispensável o trabalho do professor em auxiliar a construção do conhecimento do aluno a partir dos seus conhecimentos prévios, sendo o livro didático apenas um dos instrumentos que facilitam esta aprendizagem.

12 12 2. PARA QUE SERVE O LIVRO DIDÁTICO? À primeira vista, a resposta desse questionamento parece ser simples, mas não é, pois esbarra em outras perguntas como: o que vem a ser o livro didático e como ele é encarado em nossa sociedade. 2.1 DEFINIÇÕES DO LIVRO DIDÁTICO Quando se fala em livro didático (LD), é natural associá-lo a todos os impressos que circulam na escola. Isso ocorre porque o LD, por ser tão comum, e recorrente no contexto escolar, acaba não chamando a atenção para sua singularidade no que se refere à sua produção e consumo, por esse motivo tem sido pouco utilizado como objeto de interesse de pesquisas que queiram delimitá-lo, sendo analisado apenas enquanto revelador das práticas escolares. O livro didático tem sido objeto de discussões nos últimos anos. Nas décadas de 70 e 80, estudos (Nosella (1979), Freitag (1989), Deiró (1981), Mota (1989) e outros) apontavam mecanismos utilizados pelas classes dominantes para, através do LD, incutir seus valores aos mais pobres. Nos dias atuais, pesquisas de D Ávila (2008), Lajolo (1996), Costa (2007) desenvolvidas sobre o LD, giram em torno das questões didáticopedagógicas e sua relação na prática em sala de aula. É interessante notar que um mesmo objeto de pesquisa, no caso o livro didático, é abordado em suas várias dimensões: primeiramente, a partir de sua ideologia e depois pelo seu conteúdo e como material de análise da própria sala de aula. Porém, uma questão essencial em todas essas discussões é justamente a definição do que venha a ser o livro didático, sem negar a existência de outros materiais escritos na escola. Não se pode cair no equívoco, por exemplo, de analisar um material da editora Melhoramentos, utilizado de 1ª a 4ª série na forma de cartazes organizados em um álbum com cenas para serem descritas em formas de redações pelo aluno como se este fosse um livro didático. (Abreu, 1999) Apesar de o LD ser criticado por inúmeros pesquisadores como Lajolo (1996), Faria (1994) e Nosella (1979) que o entendem como um produto que não reflete a

13 13 realidade de um povo, mas sim a visões particulares de mundo presas às concepções da época em que foram escritos, há muitos que concordam com sua relevância no processo de ensino e aprendizagem (cf. Rojo (2005) SOARES (2009)). O LD já faz parte da história da escola há pelo menos dois séculos, povoando o imaginário da comunidade que faz o seu uso: família, escola, família e governo. A família tem como referência de bom ensino a prática de exercícios exaustivos, fato que pressiona o professor a ensinar em conformidade com o LD, devendo obedecer à disposição dos conteúdos dentro do livro. A família cobra que se façam todos os exercícios propostos no livro. E o professor, devido à frágil formação acadêmica, vê o LD como verdade absoluta e praticamente não utiliza de outros elementos para enriquecer o aprendizado na sala de aula. E quando ele consegue romper as barreiras do livro didático, buscando outros suportes para o ensino-aprendizagem, enfrenta resistência, inclusive dos alunos que muitas vezes não entendem o seu método de ensino e solicitam o uso de LD. O governo brasileiro, mesmo diante das carências generalizadas na sociedade e mesmo nas escolas especificamente, dispensa muito dinheiro para adquirir os livros didáticos, como se estes por si só resolvessem os problemas referentes à Educação. O governo é incentivado por organismos internacionais, como o Banco Mundial a investir em livros didáticos devido à formação precária do professor. O investimento em livro didático faz com que o governo brasileiro seja o maior comprador deste tipo de material no mundo, porém a produção do livro didático não descarta mudanças estruturais na educação, como a valorização da carreira de professor e abertura de bibliotecas para incentivar a leitura e a pesquisa. Estes são apenas alguns exemplos em que podemos notar a complexidade da discussão em torno do LD e ao mesmo tempo o quanto o LD é conhecido, até porque é debatido dentro da escola por professores, alunos e suas famílias, em encontros acadêmicos e por intelectuais de diferentes setores, pelo governo e nas editoras. Mas, afinal, o que é o livro didático? Há diferentes respostas para esse mesmo questionamento. Segundo Silva (2000), qualquer texto pode ser utilizado como recurso didático, já D Ávila (2008) entende o livro didático como um manual. O livro didático muitas vezes é qualificado como um material impresso para fins escolares, ou seja, é resultado de um processo de reprodução com características específicas. A utilização do termo impresso torna-se problemático porque a escola

14 14 também produz seus textos através do mimeógrafo, computador ou xérox, chamado por Abreu (1999) como imprensa escolar. Esses textos, produzidos pela escola, são de suma importância para aprendizagem por ser uma espécie de apostila geralmente utilizada para o ensino médio e em cursinhos pré-vestibulares, ou quando existe a falta do livro didático no Ensino Fundamental. Também não podemos perder de vista que muitas editoras, como a Ática, começaram através da imprensa escolar, ou seja, das apostilas feitas pelos próprios professores copiados por outros docentes e mais tarde submetidos a processos editoriais. (Abreu, 1999) Associando à imprensa escolar, Silva considera que um livro qualquer é didático, em qualquer momento, se, naquele momento, ele atende, de alguma forma, propósitos da aprendizagem, sejam com jogos, estudos dirigidos, etc. (Silva, 2000). A partir desta definição, é possível perceber que o professor precisa ter competência para retirar de textos reais aspectos a serem analisados, indo além da gramática tradicional e do pretexto de ensinar sobre determinado assunto, buscando a real necessidade do seu alunado. Acostumamo-nos a ver o livro didático sendo utilizado como principal, ou até mesmo o único material de estudo, o que deixa o ensino desgastante e sem criticidade para despertar a necessidade de aprender. O processo de ensino e aprendizagem deve envolver materiais variados e nenhum deles deve ser mais importante do que o educador, que tem de ser o autor do ato de ensinar, de modo a definir objetivos próprios, seguir metodologias específicas conforme o público que ele atende e não segundo um modelo proposto no livro didático. Este ensino inovador não requer malabarismos por parte do professor, mas que aperfeiçoe os recursos existentes na escola e transforme-os em estratégia para ensinar, respeitando as diferentes formas com que cada aluno aprende. Isto possibilita que o aprendiz faça a leitura crítica da realidade através de vários suportes, sem fugir dos objetivos propostos pelo currículo mínimo nacional. Segundo Moysés (1997), todo este movimento é possível se nos apoiarmos na formação docente de qualidade, que promova a criatividade do futuro professor no sentido defendido por Vygotsky, que, diante de uma situação nova, reorganize as experiências pelas quais já passou, divida-as em inúmeras partes, retendo aquelas que podem ajudar a resolver determinada situação e esqueça-se das demais.

15 15 Em seguida, é necessário que este faça associações e até distorções dessas experiências e possa alterá-las em sua mente. Estas modificações podem ser feitas através do que a pessoa aprendeu, como, por exemplo, na faculdade, e aí unir essas ideias alteradas e combiná-las formando um novo sistema, culminando para a resolução de suas questões através da ação. (Moysés, 1997) A criatividade, tal qual como é descrita por Moysés (1997), é o movimento de o professor analisar a realidade dos seus alunos e repensar os conhecimentos adquiridos na faculdade, adaptando para a solução de problemas na sala de aula. Isso equivale repensar a formação inicial dos professores e investir em escolas de aplicação desde o início do curso de pedagogia aliando à pesquisa, ensino e extensão. Segundo Libâneo (2002), o livro didático é um recurso importante na escola por ser útil tanto ao professor como ao aluno. Pois, através dele o docente pode reforçar seus conhecimentos sobre um assunto específico ou receber sugestões de como apresentá-lo em sala de aula. Já para o aluno, é uma forma de ter de maneira mais organizada e sistematizada um assunto que possibilite que ele revise em sua casa e faça exercícios que reforcem este conhecimento. A decisão de fazer do livro didático um aliado ou inimigo parte do professor em relação às escolhas que faz no seu dia a dia. Se é notório que o livro didático apresenta problemas tanto em erros conceituais como também preconceitos dos mais diversos, por outro lado pode ajudar os alunos a formarem conceitos e elaborarem suas próprias estratégias cognitivas.(lajolo,1996) A importância do livro didático é que ele pode ser um suporte para aprendizagem quando utilizado de acordo com os objetivos traçados pelo docente para sua sala de aula. Desta forma, os conteúdos, valores e comportamentos e atividades que o LD sugere devem estabelecer uma relação entre os que pensam os alunos e o que é ensinado pelo professor para fazer com que a classe avance na aprendizagem. (Lajolo, 1996). O livro didático possui características que o diferencia dos demais livros por uma série de fatores, como sua lógica, público específico e sua utilização restrita. Sem dúvida, trata-se de um gênero particular na literatura em geral, entendido por muitos como um livro de menor importância. (Bourdieu, 1992). Diante dessa situação, alguns pesquisadores chamam o LD de manual didático por entenderem que, diferentemente do livro comum, deveria ser lido página por página de forma linear. Ele é um material para

16 16 ser utilizado em uma situação específica, que é durante o processo de ensino e aprendizagem tanto em grupos como individualmente. Trata-se, portanto, de um livro que parece ter um prazo de validade ao final de cada período escolar, quando o aluno o deixa de lado ou entrega para outra pessoa utilizá-lo, e por isso alguns autores entendem que o LD tem usuário ao invés de leitores (Lajolo, 1996). Além disso, o livro didático aparece nas prateleiras de livrarias somente no começo do ano letivo, sempre voltado para o público escolar, sendo pouco visto em bibliotecas particulares. De acordo com D Ávila (2008), o livro didático se assemelha a um manual quando é utilizado cegamente para um determinado objetivo. O LD cumpre o papel de guia do aprendizado, desenvolvendo pouquíssimas habilidades cognitivas e emocionais do aluno, dando pouco espaço para o aluno refletir sobre si mesmo e sua língua materna, bem como adquirir sua autonomia. O LD oferece exercícios no qual é valorizada a memorização, e as atividades de interpretação encontram-se no próprio texto; o LD está alicerçado no modelo behaviorista de estímulo e resposta. Contudo, o LD não precisa ser descartado da sala de aula, mas, sim, ser utilizado e percebido como um produto cultural e científico. O que revela sua complexidade é a transposição dos conhecimentos científicos através de metodologias específicas e linguagem superespecializada para a didatização, desde conteúdos de forma compreensível ao aluno para que ele utilize destes saberes em seu cotidiano, dando oportunidade à criança de ressignificá-los e de transformar sua realidade. O livro didático, além de seu aspecto científico, tem todo aparato cultural, e por isso deve ser analisado dentro do contexto social, econômico e político, representando também dificuldades em defini-lo, já que adquire diferentes funções em nossa sociedade. Desta forma, não se pode desconsiderar o entendimento de Paulo Freire sobre o fazer pedagógico: Na medida em que compreendemos a educação, de um lado reproduzimos a ideologia dominante, mas de outro proporcionamos, independente da intenção de quem tem o poder, a negação daquela ideologia [...] pela confrontação entre ela e a verdade. (Freire, 1987, p. 28-9). Nesse sentido, fica evidente que se pode fazer a diferença no ensino mesmo que os materiais disponíveis sejam problemáticos se o professor for instrumentalizado de modo a analisar essas questões com a sala e promover a reflexão de como superar esses embates. É importante refletir sobre o papel do professor assumindo sua autoria no processo de ensino, mesmo que isso signifique

17 17 sair do lugar comum e questionar os próprios saberes. O professor deve ser capaz de identificar a partir de textos reais aqueles que estejam em consonância com as necessidades da turma para estudá-los, fazendo os alunos avançarem na aprendizagem. 2.2 BREVE HISTÓRICO DO LIVRO DIDÁTICO NO BRASIL Os materiais impressos na/para a escola assumem diferentes funções na sala de aula, sendo as mais comuns classificadas por Abreu (1999) baseados em Chopin (1992) em: manual e seus satélites, as edições clássicas, as obras de referência e os paradidáticos. Estas não são classificações estáticas, mas se intercalam no contexto da escola. Pode-se dizer que os livros considerados manuais e seus satélites são aqueles que servem de suporte para a ação do professor. Neste tipo de material, os conteúdos iriam obedecer a um grau progressivo de dificuldade sob a forma de lições ou unidades bem definidas. Essas obras podem ser utilizadas tanto na sala de aula com na orientação do professor, e como também de forma individualizada. As edições clássicas como o próprio nome já diz, trata-se de textos gregos, latinos ou até de língua materna, amplamente divulgadas ou comentadas. Seu uso depende muito da autonomia que o professor tem em relação aos programas tradicionais adotados pela escola (o currículo). (Abreu, 1999) Nas obras de referência, não existe um padrão único para classificá-las, podendo ser dicionários, mapas, revistas ou enciclopédias que não são de uso estritamente escolares ou restritos a uma determinada série, mas que servem como um complemento para o estudo. Por último, têm-se as obras paraescolares também chamadas de livros paradidáticos, que, em geral, apresentam um assunto visto na escola de maneira mais intensa. São obras destinadas a serem lidas individualmente em casa por livre-escolha do aluno ou se fazendo obrigatória a sua leitura, a depender da escola. Compreender como se dá o processo de ensino-aprendizagem requer também examinar os materiais utilizados como suporte ou guia na sala de aula. Sabe-se que o livro didático ocupa um lugar privilegiado na maioria das escolas pelo seu fácil acesso e popularização; nas famílias mais pobres, inclusive, ele é utilizado como fonte de informação. Analisá-lo significa percorrer a história envolvendo toda a formatação atual

18 18 desde o material utilizado como capa à opção por ser livro consumível ou não, o próprio reconhecimento dos conteúdos elencados para serem trabalhados durante o ano letivo baseados na idade da criança e como foi pensada a divisão dos conteúdos por unidades temáticas. Tudo isso reflete o fato de o livro didático ser também um produto cultural. Assim não basta definir o livro didático apenas como um produto científico, já que o conhecimento de maneira alguma pode ser neutro, pois é fato que nos movemos de acordo com os nossos interesses; desta forma, o autor também influencia naquilo que está sendo escrito, retratando um dos lados da história, geralmente a história e o ponto de vista dos vencedores. Então, nesse caso, é preciso verificar o imaginário popular que legitima o livro didático como fonte de conhecimento, pensando que na trajetória das pessoas que passaram pela formação básica na escola são comuns as lembranças boas ou más dos professores, horários, espaços, e, principalmente, dos livros que marcaram sua história de vida e da relação que é passada de pai para filho da autoridade deste tipo de material. A formatação do livro didático é algo importante de ser analisado, visto que se modificou de acordo com o público ao qual se destina. Primeiramente, o alvo eram os professores, por isso a linguagem era bastante técnica por servir como apoio aos seus conhecimentos, cabendo ao docente ditar esses conteúdos aos seus alunos. (Nakamoto, 2010) A partir do século XIX, o livro didático é, enfim, dimensionado à criança e ao adolescente, e assim o governo brasileiro começa a regulamentar o que deveria conter neste material didático, visto que ele poderia ter um conteúdo inadequado, erros gramaticais ou falhas na impressão. Estas mudanças no perfil a quem seria destinada essas obras didáticas são resultados de questões tanto estilísticas quanto comerciais. De início, nossa análise considerará que a literatura didática no Brasil inicia-se no século XVI através das cartas que eram levadas pelo professor e pelos pais dos alunos para que as crianças aprendessem a ler, as famosas cartilhas, que eram utilizadas para também transmitir noções de catecismo. (cf. SILVA, 2000) Alguns depoimentos desta época chegaram a afirmar que, graças à utilização destas cartas, quase não sobraram documentos escritos por causa da intensa manipulação destes documentos e da sua degeneração pelo constante uso. Em regiões como Goiânia, onde havia falta deste tipo de material, era comum que fizessem as cartilhas utilizando materiais, como caixas de sapato, grão de milho ou traçassem letras de todos os tipos

19 19 em folhas de bananeiras cravadas com folhas de laranjeira. (cf. SILVA, 2000). Ao lado deste tipo de material, existiam os livros feitos em Portugal e trazidos para o nosso País, em que eram reunidos os clássicos, e, a partir disso, era estudada a gramática, o latim e a retórica, além de noções de geografia, história e ciências, tendo pouca ou nenhuma importância a matemática. É paradoxal pensar que o LD, tão criticado por seus textos artificiais em nossos dias, tenha partido de um modelo que tinha como base a própria realidade dos educandos, e que estes aprendiam a ler e escrever através de cartas, ou seja, de situações reais em que era necessário dominar o código escrito. Porém, a aprendizagem através de cartas foi logo substituída por um ensino alienante, baseado nos livros de origem portuguesa que tinham pouca ou nenhuma relação com a realidade dos alunos brasileiros. Então era necessário criar livros que tivessem "o jeito" brasileiro de enxergar o mundo; era uma procura pela identidade nacional. O Brasil só teve as primeiras iniciativas editoriais após a vinda da família real portuguesa, quando foi permitido que tivesse bibliotecas, jornais, tipografias e a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, sendo que até o século XIX e começo do século XX os livros utilizados aqui vinham de Portugal. Somente em 1930 é que o livro didático no Brasil teve maior notabilidade e crescimento devido à crise econômica mundial, que fez cair o valor de nossa moeda, e o livro estrangeiro ficou mais caro. Assim, o produto nacional tornou-se mais acessível e com uma qualidade gráfica melhorada, proporcionada pela maior circulação de capital devido à produção cafeeira. A expansão do livro didático está ligada à abertura de escolas, incluindo as particulares, na segunda metade do século XX (cf. SILVA, 2000). Desta forma, Getúlio Vargas criou o Ministério da Educação e Saúde, passando a exercer um maior controle sobre essa produção nacional e, em 1937, foi criado o Instituto Nacional do Livro (INL) com o objetivo de planejar a divulgação e produção, realizando, inclusive, o controle ideológico do livro didático. É dessa época a legislação de 1938 com o Decreto-lei nº 1006 de 30/12/1938, em que aparece pela primeira vez a definição do livro didático: 1 Compêndios são livros que exponham total ou parcialmente a matéria das disciplinas constantes dos programas escolares; 2 livros de leitura de classe são livros usados para a leitura dos alunos em aula; tais livros

20 20 também são chamados de livros de texto, livro-texto, compêndio escolar, livro escolar, livro de classe, manual, livro didático. Então, de acordo com este decreto, para que o livro possa ser reconhecido como didático, é preciso que atenda a duas dimensões: a do aluno e do professor. Em relação ao aluno, o LD apresenta-se como livro de leitura em sala de aula, dando a entender que este tipo de ensino baseava-se na memorização e que os livros-textos eram utilizados como única fonte de informação. A outra definição concentra-se na ideia de manual do professor, ou seja, de livro que norteia tanto o ensino como a aprendizagem, desde a seleção dos objetivos até a forma de como eles seriam alcançados. Na Era Vargas, é possível ter uma ideia sobre esta teoria através da criação da Comissão Nacional do Livro Didático (CNLD), responsável por verificar se os livros seriam aprovados ou não mediante alguns critérios, tais como serem escritos em língua portuguesa em sua norma culta e estarem de acordo com o sistema educacional vigente. Estas atitudes tinham como objetivo propagar os sentimentos pela Pátria, ou seja, a construção da identidade do que seria o povo brasileiro e o desejo de ser reconhecido no âmbito internacional. Desta forma, os LDs e cartilhas passaram a enfatizar questões de higiene e comportamentos que seriam necessários para que os alunos se adaptassem às condições do trabalho naquela época e fizessem o País crescer. Após muitas críticas questionando a autoridade desta comissão, enfim, em 1945, é dada a liberdade de o professor escolher seu material didático. Vale destacar também que o professor até essa época não tinha o direito de escolher o livro didático a ser adotado, dada à sua formação precária. Cabia a outro (o governo) avaliar o que seria estudado e como seria ensinado, ficando com o professor a responsabilidade de passar os conteúdos às crianças. Isso mais uma vez nos remete ao LD como um manual, legitimado pelo Decreto-lei nº 1006 de 30/12/1938, que definia o livro didático como um livro que servia apenas na sala de aula. No período da ditadura militar, houve um retrocesso quanto à escolha do livro didático pelos acordos feito entre o MEC e a Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento Industrial (USAID), que criaram a Comissão do Livro Técnico e Didático (COLTED). Este órgão era responsável pela produção, edição e distribuição do material didático, e tinha como meta a distribuição gratuita de 51 milhões de LD em três anos, a criação de bibliotecas e a formação imediata de professores e instrutores.

PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS.

PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS. PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD): ASPECTOS HISTÓRICOS E POLÍTICOS. LUCIANO DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA). Resumo O texto pretende discutir a política do livro didático no

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Título: O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Área Temática: Educação e Ensino Fundamental Autora: ANELSI SALETTE BIANCHIM Instituição: Universidade

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM COMPETÊNCIAS E HABILIDADES NA PRÁTICA ESCRITA: Trabalhando com a redação do ENEM Mayara Myrthes Henriques Santos Universidade Estadual da Paraíba, mayara.mhs@gmail.com RESUMO: O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP: Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo (SILVA, Jansen Felipe; HOFFMAN, Jussara; ESTABAN, Maria Teresa. Porto Alegre: Mediação. 2003). André Luiz da

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA Resumo LEITE, Álvaro Emílio UFPR aelfis@yahoo.com.br GARCIA, Nilson Marcos Dias* UTFPR/UFPR nilson@utfpr.edu.br ROCHA, Marcos UFPR

Leia mais

LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO E LIVROS DIDÁTICOS

LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO E LIVROS DIDÁTICOS LETRAMENTO, ALFABETIZAÇÃO E LIVROS DIDÁTICOS Resumo MEIMES, Leonardo Telles PUCPR leonardomeimes@hotmail.com CORRÊA, Fernanda Calvetti - PUCPR nanda_calvetti@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO NO SISTEMA DE ENSINO PÚBLICO DO BRASIL

O LIVRO DIDÁTICO NO SISTEMA DE ENSINO PÚBLICO DO BRASIL 21/01/99 O LIVRO DIDÁTICO NO SISTEMA DE ENSINO PÚBLICO DO BRASIL Alguns conceitos-chave Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita 1. LIVRO DIDÁTICO. É o livro de uso individual

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas

Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas Alfabetizar as crianças na idade certa com Paulo Freire e Emilia Ferreiro Práticas socioconstrutivistas Apoio Pedagógico Memória, cultura e literatura O prazer de ler e recriar o mundo, Elias José Preservando

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SOB O OLHAR DE FORMANDAS EM PEDAGOGIA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SOB O OLHAR DE FORMANDAS EM PEDAGOGIA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SOB O OLHAR DE FORMANDAS EM PEDAGOGIA Aleciane Carmagos Nunes Ana Cláudia dos Santos Lima Nayara de Oliveira Souza Adriana A. Martins Faculdade Católica de Uberlândia Quando

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES

CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES CICLO DA INFÂNCIA E CICLO DE ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: COMPARAÇÕES PRELIMINARES Rosilene Lagares PET Pedagogia/Campus de Palmas/Pedagogia/Mestrado em Educação/UFT/Capes roselagares@uft.edu.br

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES RELATO DE EXPERIÊNCIA: PROJETO DE EXTENSÃO PRÁTICA DE ENSINO E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Thais Tolentino 1 Valdeniza Maria Lopes da Barra 2 RESUMO: Este trabalho pretende mostrar os apontamentos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas FORMAÇÃO CONTINUADA EM BRAILLE VISANDO À EDUCACAO INCLUSIVA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA GT 08 - Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) RESUMO Neste relato apresenta-se o curso de Braille-Módulo

Leia mais

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO

A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO A MATEMÁTICA FINANCEIRA COMO AUXÍLIO À REFLEXÃO SOBRE A COMPRA DE BENS DE CONSUMO GT 02 Educação Matemática no Ensino Médio e Ensino Superior Janete Jacinta Carrer Soppelsa UCS - jsopelsa@gmail.com Raquel

Leia mais

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS

SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS SUPERANDO DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NA MATEMÁTICA: UM PROJETO DE CONSTRUÇÃO ATIVA DE CONCEITOS Carolina Fuso Mendes¹; Márcia Lopes Francisco Mantovani²; Sandra Albano da Silva³ UEMS - 79750-000 Nova

Leia mais

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação

Ensino Médio em Questão. José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Ensino Médio em Questão José Fernandes de Lima Conselho Nacional de Educação Introdução O ensino médio tem sido debatido em todos os países Trata com adolescente e jovens que estão decidindo seus destinos.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES Antonio Fernando de Araújo dos Santos PUCPR Maria Sílvia Bacila Winkeler PUCPR Resumo: Este trabalho discute

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil

Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Mesa-redonda: Ensino de redação na escola - a prática de ensino de português no Brasil Debatedores: Profª, mestranda em Letras (UFSM) e professora de ensino médio público estadual; e Profª Me. Tânia Maria

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Palavras-chave: Programas Curriculares; Conteúdos; Aprendizagem; Ensino de Química; Escola Pública.

Palavras-chave: Programas Curriculares; Conteúdos; Aprendizagem; Ensino de Química; Escola Pública. LEVANTAMENTO DOS CONTEÚDOS DE QUÍMICA MINISTRADOS PELOS PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DA CIDADE DE AREIA - PB Fabrícia Bezerra Vieira, Gustavo do Nascimento, Maria Betania Hermenegildo

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO AO LONGO DO TEMPO: A FORMA DO CONTEÚDO 1. Neli Klix Freitas 2, Melissa Haag Rodrigues 3

O LIVRO DIDÁTICO AO LONGO DO TEMPO: A FORMA DO CONTEÚDO 1. Neli Klix Freitas 2, Melissa Haag Rodrigues 3 O LIVRO DIDÁTICO AO LONGO DO TEMPO: A FORMA DO CONTEÚDO 1 Neli Klix Freitas 2, Melissa Haag Rodrigues 3 Palavras-chave: livro didático, mediação, comunicação visual. Resumo: O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais