* ANEEL. ^ c o 2cPio//m -o o. ad m in istrativ o s, fin an ceiro s e trib utário s. para os anos de 2015 e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "* ANEEL. ^ c o 2cPio//m -o o. ad m in istrativ o s, fin an ceiro s e trib utário s. para os anos de 2015 e 2016 1."

Transcrição

1 * ANEEL A g [ h c i a N a c i o n a l or í n z r g i a [ i z t r i c a Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL Em 6 de novembro de 214. Processo: / Assunto: H om olog ação da estim ativa dos custo s ad m in istrativ o s, fin an ceiro s e trib utário s a serem incorridos pela CCEE na operacionalização da liquidação financeira da receita de venda das centrais de geração Angra 1 e 2; na gestão da CONER e na administração dos contratos associados à Energia de Reserva; e da liquidação financeira da contratação de cotas de garantia física e de potência de que trata a Medida Provisória 579/212, para os anos de 215 e D O O B JE T IV O A presente Nota Técnica tem por objetivo analisar as estimativas da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE para os custos administrativos, financeiros e tributários a serem incorridos em 215 e 216 para fins da: (i) operacionalização da liquidação financeira da receita de venda das centrais de geração Angra 1 e 2; (ii) gestão da Conta de Energia de Reserva - CONER e administração dos contratos associados à Energia de Reserva; e (iii) liquidação financeira da contratação de cotas de garantia física e de potência de que trata a Medida Provisória 579/212, visando a homologação dos valores. II. D O S F A TO S 2. A Resolução Normativa 337/28, que disciplina a co n trata ção a en erg ia de reserva, estabeleceu em seu art. 22: M 22. Para subsidiar o processo de reajuste e/ou revisão tarifária das concessionárias de distribuição, a CCEE deverá encaminhar à ANEEL, até 31 de outubro de cada ano, as seguintes informações para cada mês dos dois anos subseqüentes: I - valor mensal dos pagamentos devidos em cada CER celebrado; * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência. ^ c o 2cPio//m -o o

2 = ANEEL A g ( h c i a N a c i o n a l o e E n e r g i a E l é t r i c a (Fl. 2 da Nota Técnica na 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) II - estimativa mensal dos cu sto s ad m in istrativo s, fin an ceiro s e trib utário s a serem incorridos na gestão da CONER e na administração dos contratos associados à energia de reserva, observado o disposto no art. 24 desta Resolução 3. Conforme consta do Decreto 6.353/28, os custos administrativos, financeiros e tributários (CAFTs) serão rateados entre os usuários finais de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional (SIN), incluindo os consumidores e os autoprodutores apenas na parcela da energia decorrente da interligação ao SIN. 4. A Resolução Normativa 53/212, que "Estabelece a metodologia para o cálculo das c o tas-p arte das centrais de g era ção A n g ra 1 e A n g ra 2 pertencentes à Eletrobrás Termonuclear S/A - Eletronuclear e as condições para a comercialização da energia proveniente dessas usinas, determina em seu art. 33: "Art. 33. Os cu sto s ad m in istrativo s, financeiros e trib u tário s associados à operacionalização da liquidação financeira de que trata o art. 32 s ão de resp o n s ab ilid a d e do G erador, sendo garantido o reconhecimento desses custos na definição da Receita Fixa de que trata o 2 do art o A CCEE deverá encaminhar à ANEEL, até 31 de outubro de cada ano, a estimativa mensal para os próximos dois anos dos custos de que trata o caput." 5. Com as alterações promovidas pelo Decreto 7.85/212, foi incluído o inciso XI no art. 2o do Decreto 5.177/24, que dispõe sobre a organização, as atribuições e o funcionamento da CCEE, nos seguintes termos: "Art. 2o A CCEE terá, dentre outras, as seguintes atribuições: XI - promover a Liq u id ação F in an ceira da C ontratação de C otas de G arantia F ísica de E nergia e de Potência, de que trata a Medida Provisória n 579, de 11 de setembro de 212, cujos custo s ad m in istrativo s, finan ceiro s e trib utário s deverão ser repassados para as co n cessio n árias de geração sig n atárias dos C ontratos de C otas de G arantia Física de E nergia e de P o tê n c ia." 6. Por meio das Cartas CT-CCEE-2964, de 28/1/214, CT-CCEE-296, de 3/1/214 e CT-CCEE-2965, de 28/1/214, a Câmara encaminhou as estimativas de CAFTs na implementação e na gestão da liquidação financeira da receita de venda das centrais de geração Angra 1 e 2, dos contratos associados à Energia de Reserva e da liquidação financeira relativa às Cotas de que trata o Decreto 7.85/212, respectivamente, para os anos de 215 e Adicionalmente, a CCEE enviou a Carta CT-CCEE-323/214, de 4/11/214, que complementa as informações da Carta CCEE-296/214, por meio de esclarecimentos, detalhamentos e retificação em relação ao encontro de contas referente a 214 e às estimativas para o biênio vindouro. * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

3 7 Documento Cópia - SICnet C * ANEEL A g Cn c i a N a c i o n a l o c E n c r g i a E l é t r i c a (Fl. 3 da Nota Técnica n<> 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) III. DA A N Á LIS E 8. Ressalta-se que esta análise parte de premissas já homologadas pela Diretoria da ANEEL, ou seja, se trata de uma análise complementar que considera o histórico já homologado em comparação com as novas estimativas. Além disso, a fiscalização a ANEEL poderá atuar a posteriori para comprovar os custos efetivos, bem como para observar outros aspectos que considere relevantes. I I I. 1. O p e r a c io n a l i z a ç ã o d a l i q u id a ç ã o f in a n c e ir a d a s c o t a s - p a r t e d a s c e n t r a i s d e g e r a ç ã o A n g r a 1 e A n g r a 2 a ) Do HISTÓRICO DE CUSTOS E DAS ESTIMATIVAS 9. Considerando todo o histórico de custos efetivos e as estimativas apresentadas na Carta CT-CCEE-2964, foi possível confeccionar a Tabela 1. Tabela 1. Cotas ANGRA - Histórico (212 e 213) e estimativas (214, 215 e 216) dos CAFTs. A N O AU DITO RIA INDEPENDENTE SERVIÇOS JURÍDICOS LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RECURSOS H U M ANO S PROJETO ANGRA 1 e II TRIBUTOS TOTAL 212 O O O O O O O O TOTAL O Fonte: CCEE 1. Nas estimativas de custos para efetuar a gestão da liquidação financeira da receita de venda das centrais de geração Angra 1 e 2, a CCEE considerou: (i) Recursos Humanos1: anualização da média de horas apontadas no período janeiro/214 a outubro/214, acrescida de 8% e 7,4% nos meses de agosto/215 e agosto/216 (acréscimos devidos à Convenção Coletiva); e (ii) Serviços Jurídicos: estimativa de despesas com escritórios de advocacia em eventuais ações judiciais. b ) P r o j e t o v e r s u s O p e r a c io n a l i z a ç ã o 11. O Gráfico 1 apresenta valores acumulados dos custos totais até o ano de 213 e das estimativas para 2142, 215 e 216, bem como evidencia a influência dos custos de implementação dos sistemas em relação aos custos para operacionalização (Recursos Humanos + Liquidação Financeira + Serviços Jurídicos + Auditoria) pela CCEE. 1 A Câm ara considera que recursos humanos" são as horas de trabalho de seus funcionários para operacionalização, porém sem incluir as horas para im plementação de sistemas, que são sempre incluídas na rubrica projeto". 2 Som ente após o inicio de 215 a CCEE poderá confirm ar os custos em 214 * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

4 C * ANEEL A g í u c i a N a c i o n a l d í E n e r g i a E K i r i c a (Fl. 4 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) Gráfico 1. Cotas ANGRA - Influência dos custos acumulados com implementação do sistema (projeto) 6 Q OOO t CUSTO TOTAL PROJETO ANG RA le II RH * JUR + AUD Nota-se a estabilização dos custos da rubrica "Projeto Angra I e II", bem como a estimativa, para 215/216, de custos com operacionalização que não ultrapassam R$1., anuais. Isso ocorre especialmente porque há certa estabilidade no normativo que trata das cotas de Angra e, assim, não são necessárias alterações substanciais nos sistemas computacionais da CCEE. Consequentemente, não existe previsão de custos adicionais expressivos para o próximo biênio. III.2. P r o m o ç ã o d a L i q u i d a ç ã o F in a n c e ir a d a C o n t r a t a ç ã o d e C o t a s d e G a r a n t ia F ís ic a d e E n e r g ia e d e P o t ê n c ia a ) Do HISTÓRICO DE CUSTOS E DAS ESTIMATIVAS 13. Tendo em vista todo o histórico de custos efetivos e as estimativas apresentadas na Carta CT-CCEE-2965, foi possível confeccionar a Tabela 2. T a b e la 2. C o ta s G F - H istó rico (2 1 2 e ) e e s tim a tiv a s (214, e 216) d o s C A F T s. ANO AUDITORIA INDEPENDENTE SERVIÇOS JURÍDICOS u q u io a ç A o FINANCEIRA RECURSOS HUMANOS PROJETO REGIME DECOTAS ENCONTRO DE CONTAS TRIBUTOS TOTAL TOTAL fo n te : CCEE 14. Além disso, as estimativas de custos para efetuar a gestão da liquidação dos contratos de cotas consideraram: (i) Recursos Humanos: anualização da média de horas apontadas no período janeiro/214 a outubro/214, acrescida de 8% no mês de agosto/215 (acréscimos devidos à Convenção Coletiva); e (ii) Serviços Jurídicos: estimativa de despesas com escritórios de advocacia em eventuais ações judiciais. * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

5 4 ANEEL A c t H c i A N a c i o n a l d z E n c n g i a E i C tu ic a (Fl. 5 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) b ) P r o j e t o v e r s u s O p e r a c io n a l i z a ç ã o 15. O Gráfico 2 apresenta valores acumulados dos custos totais até o ano de 213 e das estimativas para 214, 215 e 216, bem como evidencia a influência dos custos de implementação dos sistemas em relação aos custos para operação (Recursos Humanos + Liquidação Financeira + Serviços Jurídicos + Auditoria). Gráfico 2. Cotas GF - Influência dos custos acumulados com projeto CUSTO TOTAL PROJETO REGIME DE COTAS RH +LIQUID JUR AUD Aqui também se observam as ponderações do 12, com duas diferenças relevantes nos custos com operacionalização: (i) em recursos humanos são um pouco maiores, mas também é maior número de agentes (36 em vez de 2) e (ii) houve um gasto considerável no ano de 213 (R$ ,) com auditoria independente, cuja estimativa foi analisada na Nota Técnica 11/212-SEM/ANEEL e homologada pela Diretoria da ANEEL. 17. Por fim, ressaltamos a manutenção do raciocínio do Ofício 43/214-SEM, de 17 de setembro de 214, que se manifestou pela concordância do exposto na Carta CT-CCEE-249/214, com vistas à utilização pela CCEE do saldo remanescente de 213 para pagamento dos custos de 214. mesmo raciocínio vale para os próximos anos3, ou seja, sempre que houver saldo remanescente, a CCEE poderá utilizá-lo nos anos seguintes para pagamento dos custos homologados pela ANEEL, em vez de repassá-los novamente às concessionárias de geração signatárias dos Contratos de Cotas de Garantia Física de Energia e de Potência. III.3. G e s t ã o d a C o n e r e a a d m in is t r a ç ã o d o s c o n t r a t o s a s s o c ia d o s à e n e r g ia d e r e s e r v a a ) Do HISTÓRICO d e c u s t o s e d a s e s t im a t i v a s 18. Tendo em vista todo o histórico de custos efetivos e as estimativas apresentadas nas Cartas CT-CCEE-296 e CT-CCEE , foi possível confeccionar a Tabela 3. 3 Possivelm ente ainda haverá saldo rem anescente para 215 e, por isso, a CCEE deve utilizá-lo para os custos homologados. * A Nota Técnica é um docum ento em itido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

6 3 ANEEL A g í n c i a N ã c i o n a i d í E n e r g ia E K T r ic a (Fl. 6 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) Tabela 3. Energia de Reserva - Histórico (29 a 213) e estimativas (214 a 216) dos CAFTs. PROJETO ANO AUDITORIA SERVIÇOS LIQUIDAÇÃO RECURSOS GERAIS OU ENERGIA DE TRIBUTOS TOTAL INDEPENDENTE JURÍDICOS FINANCEIRA HUMANOS ENCONTRO DE RESERVA CONTAS ' OS.2O TOTAL F o n te : CCEE 19. Observa-se que, diferentemente dos custos de Cotas e Angra, os custos de energia de reserva continuam apresentando grande materialidade. A CCEE apresentou na Carta CT-CCEE-296 as seguintes motivações para as estimativas: (i) A uditoria In d ep enden te: Os valores referentes aos serviços de auditoria independente foram estimados com base no contrato de prestação de serviço firmado em 16/1/214 entre CCEE e a empresa de auditoria, que estabelece a correção dos valores contratados pelo IPCA. (ii) S erviço s Jurídicos: considera o valor realizado até outubro de 214 atualizado pelo IPCA presumido de 6,%. Adicionalmente, foi acrescido o valor de R$ 4., para contingenciamento de apelação e eventual interposição de recurso especial e extraordinário. (iii) R ecursos H um anos: anualização da média de horas apontadas no período de janeiro/214 a outubro/214 (apontamento timesheet), acrescida de 8% no mês de agosto/215. O acréscimo é decorrente da aplicação de Convenção Coletiva, com a tendência de ser IPCA anual + 2 pontos percentuais. (iv) Liq u id ação Financeira da E nergia de R eserva: manutenção dos valores desembolsados com a Instituição Financeira em 214, considerando o contrato vigente com valor fixo e irreajustável até 216. (v) P rojeto E nergia de R eserva: a estimativa dos valores referentes ao Projeto para o ano de 215 refletem o escopo definido para atender as demandas provenientes das diretrizes regulatórias que serão implementadas no release 5. do Sistema CliqCCEE. Serão aplicadas no total 7.91 horas, sendo horas referentes à dedicação dos colaboradores da CCEE, a um custo homem/hora de R$ 98, e horas decorrentes da utilização de recursos terceirizados, a um custo homem/hora de R$ 128,. No escopo do release as alterações nos componentes do sistema estão concentradas em motor de cálculo e módulo online na mesma proporção de esforço em homem/hora, 21% para cada atividade. * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência. r V

7 C * ANEEL A g Cn c i a N a c i o n a l o e E n e r g i a E l í t r i c a (Fl. 7 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) No total do valor estimado do projeto estão inclusos os custos de certificação contratados junto à empresa de auditoria no montante de R$ 34.9, (Trinta e quatro mil e nove reais) por módulo certificado. As estimativas de esforço para as atividades de fábrica de software (Especificação de requisitos, Construção e Testes) foram elaboradas com base na técnica de Análise de Pontos de Função - APF. O fator produtividade de referência utilizado sobre os pontos de função é de 25h/h. Os demais serviços que complementam o ciclo de desenvolvimento dos módulos online foram baseados no projeto Novo S C I e com referências amplamente aceitas no mercado. Para o levantamento dos recursos internos foram consideradas as fases do ciclo do projeto: Processo: Composto por 1 analista de processo para as atividades de mapeamento de processos, atualização de cadeia de valor, definição de indicadores de desempenho e acompanhamento de implantação do processo, considerando ainda as atividades de gestão como planejamento, estudo e definição de solução no período de um mês e meio; Equipe de Projeto: Composto por 1 gerente de projeto, 1 analista de negócio, 1 analista de infraestrutura e 1 arquiteto/ux designer, com dedicação de meio turno e 2 analistas de requisitos, em turno integral, no período de quatro meses. (vi) E nco n tro de C ontas 214: Estimativa do valor a ser devolvido ou ressarcido ao final do exercício de 214, avaliando uma necessidade de ressarcimento adicional de R $99.83,31 (novecentos e noventa mil, oitocentos e trinta reais e trinta e um centavos), decorrentes principalmente das despesas efetuadas em serviços jurídicos e projeto, conforme descrito abaixo: Projeto energia de reserva: Em outubro de 213 quando foi elaborada a Estimativa de Custos para o biênio 214/215 a CCEE, até aquele momento, não possuía o escopo detalhado referente às alterações necessárias nos módulos do CLIQ CCEE. Dessa forma, a CCEE estimou o valor de R$ ,63, que correspondia a 2% do valor realizado em projeto até o mês de setembro de 213. Posteriormente, no início do ano de 214, a CCEE obteve o seguinte escopo de trabalho contemplando as seguintes demandas: (i) alteração da receita variável de algumas EOL do 2o LER (Portaria N 7, 71 e 8/213), (ii) filtro por leilão no cálculo do Preço de Venda Médio (PVM_CER do 3o LER BIO em diante) (módulo de Contratação de Energia de Reserva); (iii) Regras específicas para o 4o LER - Suprimento 7/14 (Edital de Leilão n 3/211-ANEEL); (iv) Cláusula 14 dos CERs do 1o e do 3o LER (AP 127/213); (v) filtro por leilão no cálculo do Preço de Venda Médio (PVM_CER do 3o LER BIO em diante) (módulo de Contratação de Energia de Reserva). Em decorrência do escopo descrito acima foram necessárias intervenções nas seguintes frentes de trabalho: i) Especificações funcionais e técnicas do sistema, homologação, testes integrados, implantação acompanhamento da implantação, construção do Motor de Cálculo e Camada de integração; ii) Construção de * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência. f ^

8 3 ANEEL A g í n c i a N a c i o n a l d í E n e r g i a E l í i r i c a (Fl. 8 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) código e testes do módulo Online; iii) Especificações funcionais e técnicas, construção e testes unitários da DRI - Divulgação de Resultados e Informações e iv) certificação do módulo Energia de Reserva. Serviços Jurídicos: No decorrer do ano de 214 ocorreram diversas ações judiciais de cunho regulatório, nas quais os agentes questionavam a aplicação de penalidades, ressarcimentos, atrasos de entrada em operação, dentre outras hipóteses relacionadas à Energia de Reserva, sendo necessária a intervenção processual da CCEE. Concomitantemente, ocorreram liminares referentes a questionamentos contra tributação, fatores que elevaram os custos dos serviços jurídicos. (vii) T r ib u t o s : PIS e COFINS sobre os valores a serem reembolsados à CCEE para cobertura dos custos administrativos, com a alíquota de 1,65% relativa ao PIS e 7,6% relativa à COFINS, totalizando 9,25%. 2. A Carta CT-CCEE forneceu à ANEEL complementações essenciais, após provocação da SEM, especialmente em relação às motivações para o encontro de contas de R$99.83,31, que foi retificado para o valor de R$1.5.21,4 (segregado na Tabela 4). Tabela 4. Energia de Reserva - Segregação de serviços jurídicos e projeto nos custos adicionais para 214. A B C D - (A - ( B C» Descrição A pro vado R ealuado E stim ado ANEEL (ja n a se t) (o u t a dez) D esvio A u d ito ria Ind epe nde nte Serviços Jurídicos Liquidação Financeira Recursos Hum anos P ro je to Energia de Reserva , Encontro d e Contas PIS/COFINS !.' Total v a lo r E ncontro d e C ontas sem PIS/COFINS j ,41 Fonte: CCEE b ) P r o j e t o v e r s u s O p e r a c io n a l iz a ç ã o 21. O Gráfico 3 apresenta valores acumulados dos custos totais até o ano de 213 e das estimativas para 214, 215 e 216, bem como evidencia a influência dos custos de implementação dos sistemas em relação aos custos para operação (Recursos Humanos + Liquidação Financeira + Serviços Jurídicos + Auditoria). * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

9 * ANEEL A g Cn c i a N a c i o n a l d e E n e r g i a E l é t r i c a (Fl. 9 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) Gráfico 3. Energia de Reserva - Influência dos custos acumulados com projeto CUSTO TOTAL 6 PROJETO ENERGIA DE RESERVA RH + LIQUlD + JUR AUD Os custos totais com projeto e operacionalização de energia de reserva são maiores que a soma dos custos totais da liquidação financeira da receita de venda das centrais de geração Angra 1 e 2 e da relativa às cotas de que trata o Decreto 7.85/212, bem como a CCEE solicitou um encontro de contas para o ano de 214 no valor de R$ 99.83,31, com os argumentos da seção (vi) do 19 desta Nota Técnica e da Carta CT-CCEE Ressalta-se que o encontro de contas solicitado encontra respaldo legal no art. 24 da Resolução Normativa 337/28: "Constituindo os custos administrativos, financeiros e tributários efetivam en te in co rrid o s pela CCEE na gestão da CONER e na administração dos contratos associados à energia de reserva v a lo r d iferente d aquele ap ro v ado p e la A N E E L e utilizado no cálculo do EER, a d iferença será in co rp o rad a na estim ativa de custo s p ara o an o su b s e q u e n te ', (grifo nosso) 24. Das ponderações da fiscalização da ANEEL no Relatório anexo ao Termo de Notificação 59/214-SFF, de 26 de setembro de 214, vale destacar: Já fo i apontad o, em fiscalizações p assadas, o risco de se tra n s fe rir custo s fix o s " da C C E E à CONER. por meio da apuração de custo por time sheet. Por outro lado, admite-se que a ferramenta "time sheet" é largamente utilizada por empresas de serviços para a administração de custos. Neste contexto, torna-se difícil a fiscalização e possível contestação das horas gastas dos funcionários da CCEE, na operacionalização e gestão da CONER, exceto em casos extremos. mesmo acontece na contratação de sen/iços especializados no desenvolvimento e implantação de sistemas informatizados, essenciais para cumprimento das obrigações e administração da CONER. Sendo assim, aproximamo-nos de um sistema de mero reembolso de custos e despesas, s e m n enhum m ecan ism o de e stím u lo a eficiên cia e pro dutivid ad e. RECOMENDAÇÃO: In c lu ir na g estão e o peracio n alização da C O N E R co ntro les e/o u m ecan ism o s que a p resen tem estím ulos a eficiên cia e p ro d u tiv id a d e : alcan çad o s e a serem alcan çad o s." (grifo nosso) * A Nota Técnica é um docum ento em itido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

10 * ANEEL A g í n c i a N a c i o n a l oe E n c r g i a E l C i r i c a (Fl. 1 da Nota Técnica n? 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) 25. Diante dos fatos, das ponderações dos parágrafos 12 e 16 desta Nota Técnica e da recomendação da SFF no TN 59/214, a SEM realiza a seguir uma análise pormenorizada dos custos de energia de reserva objeto desta Homologação, inclusive porque a Diretoria da ANEEL determinou, em voto de 18 de dezembro de 212, a confecção de metodologia (etapas a seguir num determinado processo) para definição da forma de instruir o processo de homologação das estimativas de custo e de prestação de contas por parte da CCEE. c ) D e m a n d a s R e g u l a t ó r i a s e P r o j e t o e n e r g ia d e r e s e r v a 26. A necessidade de implementação e operacionalização da energia de reserva se iniciou com a Resolução Normativa 337/28, com o conseqüente início dos custos com projeto nos anos de 29 e 21, conforme evidencia o Gráfico 4. Observa-se a intensificação dos custos com projeto no ano de 213, inclusive para o regime de cotas e para cotas de Angra, alcançando o montante total de 9 milhões de reais. 27. Apesar do término dos custos com cotas de garantia física e de potência a partir de 214 e com cotas de Angra a partir de 215, pois não houve mudanças regulatórias que gerassem novos custos, a CCEE tem solicitado continuamente recursos financeiros para implementação de alterações nos sistemas computacionais relacionados com energia de reserva. 28. Neste contexto, é imperioso ponderar que além das freqüentes demandas regulatórias pontuais, como a inclusão do efeito das Portarias MME 71,72 e 8/213 (alteração do cálculo da receita variável de algumas eólicas, decorrente de alteração de características técnicas) ou da Audiência Pública ANEEL 127/213 (aprimoramento da proposta de uniformização da Cláusula 14 dos CERs do 1o e do 3o Leilão de Energia de Reserva - LER), ou ainda de diversas medidas liminares, a Câmara também tem viabilizado nos sistemas computacionais as regras dos LERs (já foram realizados 6 leilões de reserva até o presente momento), bem como a implementação da restituição dos excedentes financeiros (Resoluções Normativas 66/214 e 613/214). Gráfico 4.Custos anuais com Projeto (efetivos e em homologação) loooocjoo I COTAS A N G R A l e II I COTAS G A R A N T IA FÍSICA I ENERGIA DE RESERVA Entretanto, a Carta CT-CCEE-296/214 informa, na letra T do 7, que em outubro de 213 ainda não se conhecia o escopo para melhor definição das estimativas para somente no início de 214 a Câmara obteve este escopo. Esse fato resultou no pedido de homologação adicional de R$99.83,31, retificado posteriormente para R$1.5.21,4. * A Nota Técnica è um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência. í?'

11 3 ANEEL A q C n c i a N a c i o n a l d í E n í r g i a E U t r i c a (Fl. 11 da Nota Técnica n 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) d ) R e c u r s o s H u m a n o s 3. As estimativas de custos com recursos humanos (horas internas de pessoal próprio da CCEE com operacionalização) foram realizadas pela CCEE com o controle do tipo time sheet" a partir do ano de 213 e, por isso, há uma diferença expressiva entre os valores de e 213. De qualquer forma, verifica-se que há certa estabilidade nos custos depois da implantação desse tipo de controle, com gastos da ordem de grandeza de R$35., anuais - aproximadamente 52% desse valor é proveniente de uma equipe dedicada exclusivamente à energia de reserva. 31. Observa-se também que existem atualmente mais de 24 agentes vendedores de energia de reserva (usinas contratadas) e, consequentemente, os custos com operacionalização poderiam ter maior materialidade que os custos para as cotas de garantia física e de potência e para as cotas de Angra (mas não necessariamente serem proporcionais à quantidade de usinas). Gráfico S.Custos anuais com Recursos Humanos (efetivos e em homologação) CZZDCOTAS ANGRA le II 4 2 CO TAS GARANTIA FÍSICA M B E N E R G IA DE RESERVA 1 i l NÚMERO DE USINAS CONTRATADAS (ENERGIA DE O RESERVA) 32. Ainda, vale ressaltar que a própria ANEEL incentiva, desde o ano de 28, o uso do time sheet no Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria Contábil e Financeira dos Projetos, Projetos/Planos de Gestão e Programas de P&D e EE, elaborado pela SFF: Para as despesas relacionadas a Mão de Obra Própria, s o lic ita r a folha de ap o n ta m ento (tim e-sheet) ou documento oficial equivalente e verificar o adequado preenchimento deste, atentar para os profissionais alocados no projeto e as correspondentes horas debitadas, assim como, para a correta valoração destas, atentando para a correção do cálculo dos valores lançados. No caso de lançamentos pelo custo médio, certificar-se de que o valor corresponde ao custo do profissional efetivamente alocado e não ao custo médio de um departamento ou global. C aso a A u d ita d a n ão a d o te n enhum p ro c e d im e n to de a p o n ta m e n to de horas, o fato d everá s e r re p o rta d o no R elató rio de A u d ito ria com o u m a exceção (grifo nosso) 4 Supõe-se que até 212 a Câm ara não conseguia registrar adequadam ente a participação efetiva de seus funcionários nesses custos. * A Nota Técnica é um docum ento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

12 * ANEEL A g C n c i a n a c i o n a l oe E n e r g i a E l é t r i c a (Fl. 12 da Nota Técnica 116/214-SEM/ANEEL, de 6/11/214) 33. Na verdade, se por um lado há novas e freqüentes demandas regulatórias, por outro essas demandas vão sendo automatizadas por meio da implementação nos sistemas computacionais, como tem sido feito, por exemplo, com a inclusão nas REGRAS da restituição dos excedentes financeiros, anteriormente calculada de forma manual (via mecanismo auxiliar de cálculo), o que sugere que o limite superior dos custos com recursos humanos deva ser a média dos últimos anos após a implantação do time sheet - os custos devem manter-se ou até mesmo serem reduzidos futuramente caso haja uma automatização mais célere do que o surgimento de novas demandas que aumentem a operacionalização. e ) S e r v iç o s J u r íd ic o s 34. Constata-se no Gráfico 6 um crescimento do custo com serviços jurídicos especialmente em energia de reserva, cuja motivação encontra-se na Carta CT-CCEE Gráfico 6.Custos anuais com Serviços Jurídicos (efetivos e em homologação) f COTAS ANGRA le II COTAS G ARANTIA FtSICA ENERGIA DE RESERVA 1 5 1,-l.B Em relação ao tema tributação, na Carta CT-CCEE-296/214 a Câmara informou que: A/o contexto das estimativas e informações apresentadas, informamos que não foi considerada a incidência de tributos ou realizado o provisionamento sobre os valores a serem recolhidos a título de EER para pagamento aos geradores. Isso em atenção ao posicionamento já realizado e confirmado pela ANEEL (Ofício n 9/21-SEM/ANEEL e Ofício n 145/213-DR/ANEEL), em que pese os termos da Solução de Consulta Tributária 164/213, em que consta o entendimento de que os valores depositados na CONER seriam receitas da CCEE e que, portanto, deveriam ser tributados pelo IRPJ, CSJJ, PIS e COFINS. Cabe salientar que em decorrência do entendimento do Fisco quanto à tributação em questão, a CCEE, conforme já relatado nas Cartas CT-CCEE 2843/214 e CT-CCEE 292/214, in gressou em ju íz o p a ra q u e s tio n a r a le g alid ad e da in cid ên cia tributária e caso haja necessidade de apresentação em juízo de garantias ou depósitos em dinheiro para suspensão da exigibilidade de eventual crédito tributário que venha a ser constituído, a Câmara fará uso dos montantes existentes no Saldo de Aplicação da CCNER. Assim sendo, eventuais custos para obtenção de ordem judicial (tutela antecipada / liminar) como a contratação de carta de fiança bancária ou depósito em dinheiro não estão contemplados nos montantes tratados nesta correspondência." * A Nota Técnica é um documento emitido pelas Unidades Organizacionais e destina-se a subsidiar as decisões da Agência.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera a metodologia de cálculo das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo, estabelece

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.879, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2015, as Tarifas de Energia TE e as Tarifas de Uso do

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 249, DE 6 DE MAIO DE 2002 Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.505, DE 5 DE ABRIL DE 2013 Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Empresa Energética de Mato Grosso

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.447, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.447, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.447, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 71, DE 7 DE FEVEREIRO DE 2002. Estabelece critérios e procedimentos para a definição de encargos tarifários relativos à aquisição de energia elétrica

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

Ref.: CUSTOS ADMINISTRATIVOS, FINANCEIROS E TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES DO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA

Ref.: CUSTOS ADMINISTRATIVOS, FINANCEIROS E TRIBUTÁRIOS DAS OPERAÇÕES DO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA 1 CT-CCEE - 0581/2014 São Paulo, 28 de fevereiro de 2014. A g ê n c ia N a c io n a l d e E n e r g ia E l é t r i c a - ANEEL d r. F r e d e r ic o R o d r ig u e s S u p e r in t e n d e n t e d e e

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2014 Altera a Resolução Normativa nº 334, de 21 de outubro de 2008, em relação aos controles prévio e a posteriori dos atos

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.428, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.428, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.428, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.432, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.432, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.432, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.718, DE 16 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à AES

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DO PROGRAMA DE EFICIENCIA ENERGETICA O presente documento visa explanar os principais pontos da nova regulamentação e dirimir alguns questionamentos comuns aos agentes diretamente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.425, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.425, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.425, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.809, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014 Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

O Prefeito Municipal de Uberlândia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica Municipal;

O Prefeito Municipal de Uberlândia, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica Municipal; DECRETO Nº 11.245, DE 26 DE JUNHO DE 2008. REGULAMENTA O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA VENDA DE PASSAGENS E CRÉDITOS ELETRÔNICOS DE TRANSPORTES NO SISTEMA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS DE UBERLÂNDIA

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS.

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. VOTO PROCESSO: 48500.004324/2007-97 INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. RELATOR: Diretor RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL PORTARIA CONJUNTA Nº 900, DE 19 DE JULHO DE 2002. Disciplina o pagamento ou parcelamento de débitos de que trata o art. 11 da Medida Provisória nº 38, de 14 de maio de 2002.

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 8.631, DE 4 DE MARÇO DE 1993. Dispõe sobre a fixação dos níveis das tarifas para o serviço público de energia elétrica, extingue o regime de remuneração

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.650, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.650, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2013 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.650, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2013 Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.463, DE 24 DE JANEIRO DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.463, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.463, DE 24 DE JANEIRO DE 2013. Nota Técnica n.º 15/2013-SRE/ANEEL Voto Anexos Homologa as Tarifas de Energia s e as Tarifas de Uso

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS. Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL. Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS. Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL. Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72 Nota Técnica nº 472/2013-SRE/ANEEL Em 24 de outubro de 2013. Processo: 48500.006123/2013-72 Assunto: Critérios e procedimentos para cálculo do custo de capital a ser utilizado na definição da receita teto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. Estabelece os requisitos e os procedimentos atinentes à obtenção e à manutenção de autorização para comercializar

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS

PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS PROPOSTA DE NOVA VERSÃO DAS REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO AP Nº 56/2014 VERSÃO 2015.1.0 Regras de Comercialização Versão 2015.1.0 Vigência a partir de Janeiro/2015 Audiência Pública nº 056/2014 Período de

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.287, DE 8 DE MAIO DE 2012. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

VOTO. PROCESSOS: 48500.000751/2014-25, 48500.000752/2014-70 e 48500.000753/2014-14.

VOTO. PROCESSOS: 48500.000751/2014-25, 48500.000752/2014-70 e 48500.000753/2014-14. VOTO PROCESSOS: 48500.000751/2014-25, 48500.000752/2014-70 e 48500.000753/2014-14. INTERESSADO: Eletrosul Centrais Elétricas S.A. RELATOR(A): Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

www.pwc.com/br Compartilhamento de atividades

www.pwc.com/br Compartilhamento de atividades www.pwc.com/br Compartilhamento de atividades 1 Agenda 1 por meio de contrato de rateio Contrato de rateio Critérios de rateio Documentação comprobatória 2 Aspectos fiscais IRPJ e CSLL ISS PIS e COFINS

Leia mais

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0

Consolidação de Resultados. Versão 2015.1.0 Consolidação de Resultados ÍNDICE CONSOLIDAÇÃO DE RESULTADOS 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas de Consolidação de Resultados 12 2.1. Determinação

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as regras de portabilidade

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*)

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL. RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO No 281, DE 01 DE OUTUBRO DE 1999. (*) (*) Vide alterações e inclusões no final do texto Estabelece as condições gerais de contratação do acesso, compreendendo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 731, DE 11 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 731, DE 11 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 731, DE 11 DE JUNHO DE 2014 Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2014/2015. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A

Redução Juros sobre Multa Punitiva. Redução Multa Punitiva. Parcela Única 60% 60% 75% 75% - N/A TRIBUTÁRIO 16/11/2015 ICMS - Regulamentação do Programa Especial de Parcelamento do Estado de São Paulo PEP Reduções Com base na autorização do Convênio ICMS 117/2015, de 07 de outubro de 2015, no último

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.2 Notificação e gestão do Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 6.2 Notificação e gestão do ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

/2015-SRM/SRD/SRG/SGT/ANEEL

/2015-SRM/SRD/SRG/SGT/ANEEL Nota Técnica n o /2015-SRM/SRD/SRG/SGT/ANEEL Em de março de 2015. Processo: 48500.000887/2015-16. Assunto: Proposta para implementação do disposto na Portaria MME nº 44/2015, que trata da contratação de

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 A ELETROSUL analisou a proposta da ANEEL para a regulamentação das instalações destinadas a interligações internacionais,

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº. 011/2010 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 5 1 - DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa de consultoria tributária para rotinas de apuração de IRPJ/CSLL, PIS/COFINS, bem

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de:

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de: Nº 240, quarta-feira, 16 de dezembro de 2009 1 ISSN 1677-7042 87 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 977, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

1. Critério de alocação

1. Critério de alocação 1. Critério de alocação 1.1. A Equatorial Energia apresenta abaixo sua análise sobre a proposta dessa D.ANEEL descrita na Nota Técnica nº 375/2014-SRE/ANEEL em relação ao critério transitório a ser utilizado

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A.

VOTO. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. VOTO PROCESSO: 48500.007977/2000-07. INTERESSADO: Poente Engenharia e Consultoria S/C Ltda. e Sigma Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF. VOTO PROCESSO: 48500.003968/2015-78. INTERESSADOS: Pantanal Energética Ltda. Pantanal Energética RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC)

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo)

Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Resolução Conjunta SF/PGE Nº 1 DE 28/02/2013 (Estadual - São Paulo) Data D.O.: 01/03/2013 Disciplina os procedimentos administrativos necessários à liquidação de débitos fiscais do Imposto sobre Operações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Compra de Energia Elétrica em mercado livre por estabelecimento do Estado de SC

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Compra de Energia Elétrica em mercado livre por estabelecimento do Estado de SC estabelecimento do Estado de SC 24/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 13 5. Informações

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO No- 260, DE 7 DE JANEIRO DE 2010 O Presidente do CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS - CCFCVS, com

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE

ANEXO CAPÍTULO III MANUAL CONTÁBIL DAS OPERAÇÕES DO MERCADO DE SAÚDE A Norma Contábil é necessária para padronizar o registro das operações do mercado de saúde. O principal objetivo da padronização é monitorar a solvência desse mercado. Solvência é a capacidade de uma operadora

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAUCAIA

MUNICÍPIO DE CAUCAIA LEI N 1765, DE 25 DE AGOSTO 2006. Institui o Programa de Recuperação Fiscal - REFIS no Município de Caucaia, e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE CAUCAIA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 006/2015 Regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias Contribuição da AES Brasil à AP 006/2015, relativa à Conta Centralizadora dos Recursos de

Leia mais

DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009.

DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009. DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009. REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL Nº 81, DE 02 DE SETEMBRO DE 2009, QUE INSTITUI O FUNDO DE INCENTIVO À ENERGIA SOLAR DO ESTADO DO CEARÁ FIES, E DÁ OUTRAS

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

LAM AUDITORES INDEPENDENTES

LAM AUDITORES INDEPENDENTES COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CERRP Relatório de Auditoria das Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012. LAM AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos e condições para obtenção e manutenção da situação operacional e definição de

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA PARANANENSE DE ENERGIA À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 060/2015

CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA PARANANENSE DE ENERGIA À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 060/2015 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA PARANANENSE DE ENERGIA À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 060/2015 OBJETIVO: obter subsídios ao aprimoramento da Resolução Normativa nº 532/2013,

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Carlos Antonio Tilkian Diretor de Relações com Investidores da MANUFATURA DE BRINQUEDOS ESTRELA SA Rua Gomes de Carvalho,

Leia mais