Uma reflexão crítica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma reflexão crítica"

Transcrição

1 O USO DAS TICS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NO ENSINO FUNDAMENTAL Uma reflexão crítica Ana Cláudia G. Carvalho Ana Paula Fermin Gilmara R. Santos Patrícia Elaine B.R. Alecrim Telma Augusta da Cunha

2 RESUMO Este trabalho é resultado de estudos realizados sobre o uso das TICs na Educação Infantil e no Ensino Fundamental por um grupo de alunas do 7º período do curso de Pedagogia da PUC-Campinas em busca de entendimentos a respeito da desvalorização e, concomitantemente, da importância da inserção das tecnologias como mediação nas práticas pedagógicas no processo de ensino aprendizagem.

3 BREVE RECORTE HISTÓRICO Nas décadas de 50 e 60 teorias comportamentalistas influenciaram o uso das tecnologias por uma imposição excessiva de uma instrução programada objetivando métodos definidos a partir do princípio em que o papel do professor é transmitir e o do aluno receber o conhecimento.

4 BREVE RECORTE HISTÓRICO Portanto, há uma rejeição e, consequentemente, uma desvalorização do uso das TICs como recurso pedagógico, uma vez que, nos próprios cursos de formação de professores (cursos de licenciatura e pedagogia), percebe-se por parte dos alunos a valorização do domínio de conteúdo [...]. (MASSETO, 2000, p.134). FRONTEIRAS DIGITAIS

5 AS TECNOLOGIAS NO ENSINO PROFESSOR ALUNO MEDIAÇÃO Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação

6 PROFESSOR sujeito que está ligado com o conceito de ensinar e que por suas ações, transmite conhecimentos e experiências a um aluno que tem por obrigação receber, absorver e reproduzir as informações recebidas. (MASSETO, 2011, p.139)

7 ALUNO - o sujeito aprendiz que por suas ações, envolvendo ele próprio, os outros colegas e o professor, busca e adquiri informações, dá significado ao conhecimento, produz reflexões e conhecimentos próprios, pesquisa, dialoga, debate, desenvolve competências pessoais e profissionais, atitudes éticas, políticas, muda comportamentos, transfere aprendizagens, integra conceitos teóricos com realidades práticas, relaciona e contextualiza experiência, dá sentido às diferentes práticas da vida cotidiana [...] (MASSETO, 2011, p. 139, grifos nossos)

8 MEDIAÇÃO Está relacionada a atitude, o comportamento do professor que se coloca como um facilitador, incentivador ou motivador da aprendizagem, que se apresenta com a disposição de ser uma ponte entre o aprendiz e sua aprendizagem não uma ponte estática, mas uma ponte rolante, que ativamente colabora para que o aprendiz chegue aos seus objetivos. (MASSETO, 2011, p. 144, grifos nossos).

9 PORTANTO... A mediação pedagógica, segundo Perez e Castillo (1999, p. 10 apud Masseto, 2011, p. 145) busca abrir um caminho a novas relações do estudante: com os materiais, com o próprio contexto, com outros textos, com seus companheiros de aprendizagem, incluído o professor, consigo mesmo e com seu futuro.

10 AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COM AS TICS NA EDUCAÇÃO A comunicação professor aluno.

11 AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COM AS TICS NA EDUCAÇÃO Motivos para a não utilização destas ferramentas tecnológicas nas salas de aula: 1. falta de familiaridade com o equipamento; 2. formação dos professores.

12 A SOLUÇÃO... Os professores apontam que o ensino a distância seria ideal neste caso, uma oportunidade para uma formação mais adequada, além do aperfeiçoamento profissional, propiciando constante contato com as tecnologias de informação e comunicação disponíveis. Proinfo

13 AS TICS NA EDUCAÇÃO Na sociedade da informação a tecnologia está muito acessível às crianças, que demonstram certas habilidades em seu manuseio desde muito pequenas, assim surge um questionamento central: Por que não utilizar tal ferramenta a favor do processo ensinoaprendizagem na educação infantil e no ensino fundamental?

14 AS TICS NA EDUCAÇÃO Nesse sentido, surge uma forma mais dinâmica de educação, que pode possibilitar interações diferenciadas do aluno e o seu aprendizado com a sociedade, pois constroem o conhecimento em conjunto com seus professores/mediadores do saber. Portanto, projetos interligados com os meios eletrônicos interativos propiciam um salto qualitativo na construção cognitiva da criança através da liberdade de expressão, autonomia, criatividade, imaginação, levantamento de hipóteses e criação.

15 ALGUMAS POSSIBILIDADES DOS USOS DAS TICS NA SALA DE AULA Jogos de alfabetização e letramento Jogos educativos de língua portuguesa Leitura Domínio Público

16 ASSIM... Portanto, o professor deve se apropriar das ferramentas tecnológicas e ter uma visão geral de tudo o que se pretende trabalhar com o aluno, seus objetivos gerais e específicos, pois não é possível utilizar a tecnologia sem que haja um planejamento escolar adequado. Segundo DEMO (GUIRARDI, 2011, p.09 apud 2009, p.01), o principal é aprender bem, ou seja, transformar informação em conhecimento, uma construção contínua aliada às novas tecnologias que disponibilizam e ampliam horizontes favorecendo a criação de experiências de aprendizagem com sentido e, ao tê-la, o estudante, os professores e os membros da comunidade se envolvem apaixonadamente no processo de aprender. (HERNÁNDEZ, 2006, p. 43, grifos nossos).

17 REFERÊNCIAS DIEB, Messias. O Professor de Educação Infantil e as novas TICs: Relações Identitárias e Letramentos. Trabalho apresentado ao Grupo de Discussão Letramentos na Web e Educação a Distância, no III Encontro Nacional sobre Hipertexto, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, GUIRARDI, Maria Marcia Mariani. et al. A inserção das TIC S no ensino fundamental: Limites e possibilidades. Revista Científica de Educação a Distância. V. 2, n. 4. p.1-26, Jul LOPES, Roseli de Deus, PEREIRA, Andréia Regina. Legal: Ambiente de Autoria para Educação Infantil apoiada em Meios Eletrônicos Interativos. Trabalho apresentado no XVI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE - UFJF, MASSETO T. Marcos. Mediação pedagógica e uso da tecnologia. In: Novas tecnologias e mediação pedagógica. José Manoel Moran, Marcos T. Masetto, Marilda Aparecida Behrens. Campinas, SP: p HERNÁNDEZ, Fernando. Por que dizemos que somos a favor da Educação se optamos por um caminho que deseduca e excluí? In: Tecnologias para transformar a Educação. Juana Maria Sancho... [et al.]; Trad. Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, p.

Aplicação de mapas conceituais e storyboard como metodologia no desenvolvimento de aplicativo gamificado para o ensino de ciências

Aplicação de mapas conceituais e storyboard como metodologia no desenvolvimento de aplicativo gamificado para o ensino de ciências Aplicação de mapas conceituais e storyboard como metodologia no desenvolvimento de aplicativo gamificado para o ensino de ciências Fernando Chade De Grande e-mail: tiensdesenhos@hotmail.com João Fernando

Leia mais

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância Seminário de Educação a Distância na Administração Pública: Cursos Mistos e Redes Virtuais Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Leia mais

Aplicação de jogos virtuais como temática de educação entre as matérias

Aplicação de jogos virtuais como temática de educação entre as matérias Aplicação de jogos virtuais como temática de educação entre as matérias Autor: Bianca de Lima Co-autores: Danielle Costa Fernanda Jesus Orientador: José Vicente Robaina Co-Orientador: Ana Lúcia Bastos

Leia mais

DESAFIOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 1º ANO DO PROGRAMA BÁSICO DE

DESAFIOS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NO 1º ANO DO PROGRAMA BÁSICO DE DESAFIOS E POSSIBILIDADES NAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ATUANDO COM CRIANÇAS NO 1º ANO DO PROGRAMA BÁSICO DE ALFABETIZAÇÃO CILIANE C. FABRI NÃO É NO SILÊNCIO QUE OS HOMENS SE FAZEM, MAS NAS PALAVRAS, NO TRABALHO,

Leia mais

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO MULTILETRAMENTOS EM ESCOLAS PÚBLICAS: UMA ALTERNATIVA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Alex Junior Bilhoto Faria 1, Yuka Garcia Kinoshita 2, Winnie Mandela de Paula Raimundo 3 Karina Oliveira Silva 4 Marieli

Leia mais

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR

Atribuições do professor-tutor da Seed/PR GESTÃO EM FOCO Programa de Fortalecimento da Gestão Escolar Secretaria de Estado da Educação do Paraná Governo do Paraná Atribuições do professor-tutor da Seed/PR Pauta da Reunião a) Edital de seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO METODOLOGIA DA PESQUISA EM MATEMÁTICA PARA TCC CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM MATEMÁTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA Bruno

Leia mais

A Informática na Educação Infantil

A Informática na Educação Infantil A Informática na Educação Infantil Apresentação A informática na educação se apresenta como uma inovação nas metodologias educacionais, fazendo uso da tecnologia no ambiente das escolas e trazendo o universo

Leia mais

O ensino da música através da criação e sonorização de uma história para a produção de um vídeo educativo

O ensino da música através da criação e sonorização de uma história para a produção de um vídeo educativo O ensino da música através da criação e sonorização de uma história para a produção de um vídeo educativo Paulo Ricardo Ulrich 1 Israel Silva de Oliveira 2 Cristina Rolim Wolffenbüttel 3 cristina-wolffenbuttel@uergs.edu.br

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Braille II

Fundamentos e Práticas de Braille II Fundamentos e Práticas de Braille II Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

A Interação entre a Educação Básica e a

A Interação entre a Educação Básica e a A Interação entre a Educação Básica e a Educação Superior: a visão do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação das Universidades Brasileiras) Jorge Audy Presidente FOPROP Nacional audy@pucrs.br

Leia mais

Fundamentos da Alfabetização Prof. Dorival Rosa Brito 1

Fundamentos da Alfabetização Prof. Dorival Rosa Brito 1 Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Educação de Fundamentos da Alfabetização Prof. Dorival Rosa Brito 1 Curso Aprender para Ver: Fundamentos Teóricos e Metodológicos da Educação de Eu sozinho menino

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A NA EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A NA EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teresa Avalos Pereira UNIFESP teresa.bc@epm.br Rita Maria Lino Tarcia UNIFESP rtarcia@unifesp.br if Daniel Sigulem UNIFESP sigulem@dis.epm.br

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR

ANEXO PLANO DE AÇÃO PROFESSOR ANEXO 5.2.2. PLANO DE AÇÃO PROFESSOR Rua Bruxelas, nº 169 São Paulo - SP CEP 01259-020 Tel: (11) 2506-6570 escravonempensar@reporterbrasil.org.br www.escravonempensar.org.br O que é o plano de ação? O

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE JOGOS EDUCATIVOS COMO MATERIAL PEDAGÓGICO DE APOIO DIDÁTICO EM GEOGRAFIA RELATO DE EXPERIENCIA¹

UTILIZAÇÃO DE JOGOS EDUCATIVOS COMO MATERIAL PEDAGÓGICO DE APOIO DIDÁTICO EM GEOGRAFIA RELATO DE EXPERIENCIA¹ UTILIZAÇÃO DE JOGOS EDUCATIVOS COMO MATERIAL PEDAGÓGICO DE APOIO DIDÁTICO EM GEOGRAFIA RELATO DE EXPERIENCIA¹ Heitor Petinari Ferrari César Costa Sanches Claudivan Sanches Lopes Universidade Estadual de

Leia mais

E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O

E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O MODELO DO PL ANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O E B 1 / P E D O C A M I N H O C H Ã O D I R E Ç Ã O DE S E R V I Ç O S DE I N V E S T I G AÇ Ã O, F

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI

Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI Educação continuada para professores de inglês da rede pública - ECOPLI Universidade Federal do Espírito Santo. CCHN DLL. Abril 2012. Segundo encontro: Formação continuada de professores de inglês. The

Leia mais

O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o

O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o O uso da Informática na Educação faz parte de um processo natural do avanço da ciência, não tendo mais sentido a discussão sobre usar ou não o computador nas escolas, pois ele está inserido, diretamente

Leia mais

O jogo do Mico no ensino das Funções Orgânicas: o lúdico como estratégia no PIBID

O jogo do Mico no ensino das Funções Orgânicas: o lúdico como estratégia no PIBID O jogo do Mico no ensino das Funções Orgânicas: o lúdico como estratégia no PIBID Danilo Augusto Matos 1, Vinícius Nunes dos Santos 1, Daniela Marques Alexandrino 2*, Maria Celeste Passos Silva Nascimento

Leia mais

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas:

MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE. Competências a serem Desenvolvidas: MÓDULO 3 - CONTAR HISTÓRIAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO E SENSIBILIZAÇÃO DE EDUCADORES: INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS Competências a serem Desenvolvidas: O participante desenvolve o recurso de contar

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO: ressignificar a pesquisa na escola numa abordagem da relação de saberes LUCIANA VIEIRA DEMERY Introdução Este artigo é resultado de uma experiência com formação continuada

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

As Novas Tecnologias no Processo Ensino-Aprendizagem da Matemática

As Novas Tecnologias no Processo Ensino-Aprendizagem da Matemática A UTILIZAÇÃO DE BLOGs COMO RECURSO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Maria Angela Oliveira Oliveira Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho matematicangela2007@yahoo.com.br Resumo: O Mini-Curso

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás. Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Goiás Adriely Felipe Tatagiba Sueli Correa Proeja no IFG - Campus Goiânia: os desafios do trabalho docente

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: ESPAÇO DE INCLUSÃO Autores Terezinha Mônica Sinício Beltrão. Professora da Rede Pública Municipal de Ensino da Prefeitura do Recife e Professora Técnica da Gerência de Educação

Leia mais

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 RESUMO Melquisedec Anselmo da Costa AZEVEDO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL 1 Título: Localizando-se... 2 Autora: Adriana Regina Perez Rech 3 Docente: Lisiane Cristina Amplatz 4 Aplicativo utilizado: Geogebra 5 Disciplina: Matemática 6 Objetivos / Expectativas de aprendizagem:

Leia mais

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO

AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO II ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA AS INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS PARA O ALUNO COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Ilse Silva Matos Dantas 1 Neire Abreu Mota Profiro 2 1. INTRODUÇÃO Espectro do autismo

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG

FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG FORMAÇÃO DOCENTE NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG Maria Wellitania de Oliveira Adriana de Miranda Santiago Terra Eduardo Fernandes de Miranda Sandra de Cássia Amorim Abrão

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização

Título do Slide Máximo de 2 linhas Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização Desenvolvendo Competências de Gerenciamento de Projetos por Meio de Jogos de Dramatização Darli Palma Cunha, 09/19/2013 Título As mãos do que Slide desenham Todo fazer é um conhecer e todo conhecer é um

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Sala de Jogos da matemática à interdisciplinaridade

Sala de Jogos da matemática à interdisciplinaridade Sala de Jogos da matemática à interdisciplinaridade Orientadora: Eliane Lopes Werneck de Andrade Matrícula SIAPE: 1697146 Orientada: Vitória Mota Araújo Matrícula UFF: 000105/06 Palavras-chave: Interdisciplinaridade,

Leia mais

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil ICT Education Research and challenges for the use of technology in elementary and secondary

Leia mais

paulinhaven@hotmail.com Introdução

paulinhaven@hotmail.com Introdução DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NO ENSINO DE BIOLOGIA: REFLEXÃO A PARTIR DE SUBSTRATOS TEÓRICOS E PESQUISAS EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE PARNAÍBA/PI 1 Ana Paula Costa do Nascimento 1 Nailton de Souza

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

Coordenação: Graduandos Ministrantes:

Coordenação: Graduandos Ministrantes: Coordenação: Profª. Esp. Darlene Del -Tetto. Graduandos em Licenciatura em Informática- 4º sem. Graduandos Ministrantes: Andréa de Castro, Elias Ataide, Fauze Nassarden, Onielma Ferreira, Paula Rabelo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA TECNOLOGIA NA TUTORIA EAD.

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA TECNOLOGIA NA TUTORIA EAD. A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA TECNOLOGIA NA TUTORIA EAD. O tutor é preciso ter domínio da tecnologia, do conteúdo, trabalhar sob planejamento, organização, disciplina, respeito, confiança, empatia, afetividade,

Leia mais

O CONTEXTO SOCIOTÉCNICO CONTEMPORÂNEO Diferentemente dos tradicionais meios de transmissão em massa, as tecnologias digitais são campo de

O CONTEXTO SOCIOTÉCNICO CONTEMPORÂNEO Diferentemente dos tradicionais meios de transmissão em massa, as tecnologias digitais são campo de Docência On Line INTRODUÇÃO A educação a Distância (EAD) se tornou uma realidade necessária nos dias atuais, tendo como objetivo ajudar e qualificar aquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de estudarem

Leia mais

Rodrigo Claudino Diogo 1, Valéria A. Ribeiro de Lima 2, Vanusa Maria de Paula 3, Rosymeire Evangelista Dias 4

Rodrigo Claudino Diogo 1, Valéria A. Ribeiro de Lima 2, Vanusa Maria de Paula 3, Rosymeire Evangelista Dias 4 A formação docente em Ciência, Tecnologia, Sociedade e Educação Ambiental TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: PRODUÇÃO DE VÍDEOS POR MEIO DE SMARTPHONES COMO UMA POSSIBILIDADE VIÁVEL

Leia mais

POSSIBILIDADES DO USO DAS REDES SOCIAIS VIRTUAIS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS: CONCEPÇÕES DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS

POSSIBILIDADES DO USO DAS REDES SOCIAIS VIRTUAIS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS: CONCEPÇÕES DE LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA LUCAS ANTONIO FEITOSA DE JESUS POSSIBILIDADES DO USO DAS REDES SOCIAIS VIRTUAIS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS:

Leia mais

C O L É G I O L A S A L L E

C O L É G I O L A S A L L E C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-1336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: PROGRAMA

Leia mais

Os recursos tecnológicos na Educação de Jovens e Adultos: um diferencial no processo ensino aprendizagem.

Os recursos tecnológicos na Educação de Jovens e Adultos: um diferencial no processo ensino aprendizagem. Os recursos tecnológicos na Educação de Jovens e Adultos: um diferencial no processo ensino aprendizagem. Fátima Aparecida Machado dos Santos Centro Educacional de Jovens e Adultos /Secretaria Municipal

Leia mais

Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico

Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico Célia Regina Rodrigues 1, Cristina Magalhães 1, Edna Rodrigues 1, Flávia Sousa Pereira 1, Maria das Graças Andrade 1, Solange Silva 1, Olavo Egídio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO JULIANA LEME MOURÃO ORIENTADOR: PAULO GUILHERMETI SIMULADORES VIRTUAIS ALIADOS AO ENSINO DE FÍSICA GOIOERÊ

Leia mais

O USO DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA: DE PESQUISAS ACADÊMICAS PARA SALA DE AULA

O USO DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA: DE PESQUISAS ACADÊMICAS PARA SALA DE AULA O USO DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA: DE PESQUISAS ACADÊMICAS PARA SALA DE AULA Renan Mercuri Pinto Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campus de Rio Claro renanmercuri@yahoo.com.br

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU236 DISCIPLINA: TEORIAS, PROCESSOS DE ENSINO E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS CARGA HORÁRIA: 90h

Leia mais

GEOGRAFIA UNIVERSOS. Por que escolher a coleção Universos Geografia

GEOGRAFIA UNIVERSOS. Por que escolher a coleção Universos Geografia UNIVERSOS GEOGRAFIA Por que escolher a coleção Universos Geografia 1 Pensada a partir do conceito SM Educação Integrada, oferece ao professor e ao aluno recursos integrados que contribuem para um processo

Leia mais

I. Identificação do participante (da pessoa que for designada para o preenchimento) Escolaridade/Formação (quando tiver nível superior): Advogada

I. Identificação do participante (da pessoa que for designada para o preenchimento) Escolaridade/Formação (quando tiver nível superior): Advogada ANEXO III - FORMULÁRIO DE CONTRIBUIÇÕES I. Identificação do participante (da pessoa que for designada para o preenchimento) Nome Completo: Tamara Amoroso Gonçalves Escolaridade/Formação (quando tiver nível

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo (Nível dos Conhecimentos) Compreensão oral e escrita; Conhecimento de formas e regras de funcionamento da língua materna; Conhecimento e compreensão de conceitos

Leia mais

TABLETS COMO RECURSO DE ENSINO: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA NUMA ESCOLA PÚBLICA DA PARAÍBA

TABLETS COMO RECURSO DE ENSINO: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA NUMA ESCOLA PÚBLICA DA PARAÍBA TABLETS COMO RECURSO DE ENSINO: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA NUMA ESCOLA PÚBLICA DA PARAÍBA 1-Introdução LUCAS, Leandro Mário UEPB leandrosl.pb@gmail.com MOITA, Filomena Maria UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CONTEÚDO DIGITAL PARA O USO NA EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS Júlio César Neis 1 ; Rosangela Aguiar Adam 2 ; Tiago Lopes Gonçalves 3 ; Vera Regina Mazureck

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS

MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS, SALA DE AULA E TECNOLOGIAS Jonei Cerqueira Barbosa d Universidade Federal da Bahia Faculdade de Educação jonei.cerqueira@ufba.br MODELAGEM MATEMÁTICA: PERSPECTIVAS E

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré. Atividade de Enriquecimento Curricular TIC. Pré-Escolar Nenúfares Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Nazaré Atividade de Enriquecimento Curricular TIC Pré-Escolar Nenúfares Docente: Telma Sá Ano Letivo: 2015/2016 1 O saber é um processo, não é um produto. Jerome

Leia mais

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO

Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade Estadual da Paraíba UEPB / leonidas.duarte@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO REFLEXÕES SOBRE ASPECTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO ENSINO DE GEOGRAFIA PRATICADO POR PROFESSORES CURSISTAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO UEPB 2013/2014 Leônidas Siqueira Duarte 1 Universidade

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

O Espaço Cultural da Eseba/UFU

O Espaço Cultural da Eseba/UFU Profª Paula Amaral Faria Escola de Educação Básica da Universidade Fe deral de Uberlând Sala do Espaço Cultural da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia. Atende alunos da Educação

Leia mais

Tutor de Formação a Distância

Tutor de Formação a Distância P ERFIL, D ELTAC ONSULTORES EM CONSÓRCIO Tutor de Formação a Distância Ficha Técnica Autores: Alcino Ferreira da Silva e Gabriela Paleta Título: Programa do Curso de Tutor de Formação a Distância Coordenação

Leia mais

SOFTWARES EDUCATIVOS MANUAL ZAC BROWSER 1.5

SOFTWARES EDUCATIVOS MANUAL ZAC BROWSER 1.5 SOFTWARES EDUCATIVOS MANUAL ZAC BROWSER 1.5 BENTO GONÇALVES Setembro de 2015 Sumário Apresentação do Software... 3 O que é?... 3 Requisitos... 4 Objetivos... 4 Links para download... 4 Funcionamento e

Leia mais

USO DO AUDIO-IMAGEM COMO FERRAMENTA DIDÁTICO PEDAGÓGICA EM ATIVIDADES EM SALA DE AULA.

USO DO AUDIO-IMAGEM COMO FERRAMENTA DIDÁTICO PEDAGÓGICA EM ATIVIDADES EM SALA DE AULA. USO DO AUDIO-IMAGEM COMO FERRAMENTA DIDÁTICO PEDAGÓGICA EM ATIVIDADES EM SALA DE AULA. AREND, Michele Catherin 1 ; BASTOS, Maycon Fernando 2 1 Instituto Federal Catarinense IFC. Camboriú/SC. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Coordenadoria Institucional de Educação a Distância - CIED

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL Coordenadoria Institucional de Educação a Distância - CIED Recomendação da Coordenadoria Institucional de Educação a Distância (CIED) sobre a inclusão de disciplinas nos cursos de licenciatura presencial e a distância da UFAL A Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

INTERAÇÃO HOMEM COMPUTADOR. Professora Marcia Pereira Sistemas de Informação

INTERAÇÃO HOMEM COMPUTADOR. Professora Marcia Pereira Sistemas de Informação INTERAÇÃO HOMEM COMPUTADOR Professora Marcia Pereira marciapsm@gmail.com Sistemas de Informação Conteúdo Ementa Metodologia Avaliação Introdução Participação Pré-Atividade Faça uma pesquisa sobre as interfaces

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Estabelece preceitos para o aperfeiçoamento da política educacional estadual dos sistemas públicos de ensino, para a permanência e o sucesso escolar de alunos com distúrbios,

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA DISCIPLINA MARISTA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA DISCIPLINA MARISTA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NA DISCIPLINA MARISTA AULA COM O IRMÃO CLEMENTE 05/03/2016 A pedagogia Marista foi idealizada por Marcelino Champagnat em 1817, que fundou o Instituto dos Irmãos Maristas. O princípios

Leia mais

Concepção Pedagógica do curso-piloto Pradime on line 1

Concepção Pedagógica do curso-piloto Pradime on line 1 Concepção Pedagógica do curso-piloto Pradime on line 1 Equipe de Consultores do Pradime Celso Vallin Edna Tmarozzi, Maria Elisabette B.B. Prado Solange Lima D Agua Vitória Kachar No contexto virtual evidencia-se

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 14, Toledo PR Fone: 77-810 PLANEJAMENTO ANUAL DE LINGUAGEM SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR: Carla Iappe

Leia mais

Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar no Ensino de Conceitos Químicos

Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar no Ensino de Conceitos Químicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID-PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA BOLSISTA: LIANE ALVES DA SILVA Avaliação dos Estudantes sobre o Uso de Imagens como Recurso Auxiliar

Leia mais

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: COMPUTADOR E USO DA INTERNET.

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: COMPUTADOR E USO DA INTERNET. UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ROSELI FORNAZA PROJETO DE PESQUISA APLICAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO- PRONATEC

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais

Tema Referência Min. Página Transcrição Palestra proferida

Tema Referência Min. Página Transcrição Palestra proferida Tema Referência Min. Página Transcrição Palestra proferida Avaliação pela Prof. Ana Maria A avaliação têm caráter impressionista - é um Saul aos casaco de várias cores, poruq existem vários tipos professores

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Marcus Araújo e Rosinda Ramos

Marcus Araújo e Rosinda Ramos SARDINHA, T. B. et al (org.). Tecnologias e mídias no ensino de inglês: o corpus nas receitas. São Paulo: Macmillan, 2012. ISBN 978-85-7418-859-1. 136p. Resenhado por Marcus de Souza Araújo Universidade

Leia mais

Escola de Turismo e Hotelaria Canto da Ilha PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Educação Integral dos Trabalhadores

Escola de Turismo e Hotelaria Canto da Ilha PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO. Educação Integral dos Trabalhadores Escola de Turismo e Hotelaria Canto da Ilha PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Educação Integral dos Trabalhadores ESCOLA DE TURISMO E HOTELARIA CANTO DA ILHA - CUT Projeto Político Pedagógico da Escola de Turismo

Leia mais

Transferência Externa

Transferência Externa Transferência Externa Para alunos de outras instituições que queiram se transferir para a Una tendo como opção dispensar ou não disciplinas em sua grade curricular. Período de inscrições: 14/4/2014 a 1/8/2014,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 002/2013 - OFICINAS E PALESTRAS PARA INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E SERVIÇOS DE ACESSIBILIDADE O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

3º seminário de Proteção Escolar. Diretoria de Ensino de São Vicente

3º seminário de Proteção Escolar. Diretoria de Ensino de São Vicente 3º seminário de Proteção Escolar Diretoria de Ensino de São Vicente GESTÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO MEDIAÇÃO ESCOLAR DO SÉC. XXI ELISABETE CANDIDA CAETANO DE SOUZA E.E. Dr. Reynaldo Kuntz Busch Praia Grande

Leia mais

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação São Paulo, 01 de setembro

Leia mais

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2013, este informativo apresenta um perfil dos 50.798 profissionais

Leia mais

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Relações Governamentais no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

A Docência no contexto da Ead online

A Docência no contexto da Ead online A Docência no contexto da Ead online Há uma inovação como modalidade de ensino e aprendizagem em que o aluno e o professor desenvolvem atividades em lugares e tempos diferentes; esta é a chamada Educação

Leia mais

EFEITOS JURÍDICOS DO TRABALHO À DISTÂNCIA (LEI Nº /2011)

EFEITOS JURÍDICOS DO TRABALHO À DISTÂNCIA (LEI Nº /2011) EFEITOS JURÍDICOS DO TRABALHO À DISTÂNCIA (LEI Nº 12.551/2011) ALTERAÇÕES CONCEITO EFEITOS JURÍDICOS ALTERAÇÕES ARTIGO 6º DA CLT Lei nº 12.551 de 16/12/2011 - modificou o artigo 6º da CLT, para: ANTERIOR

Leia mais

Proposta de Ação de Extensão

Proposta de Ação de Extensão Proposta de Ação de Extensão Dados Gerais Evento: PET INCENTIVA PREAE: Proponente: Daniel Juliano Pamplona da Silva (Instituto de Ciência e Tecnologia) Edital: 06/2015 (Fluxo contínuo - EVENTOS) Área CNPq:

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA CLARI E AS ATITUDES POSITIVAS

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA CLARI E AS ATITUDES POSITIVAS SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA CLARI E AS ATITUDES POSITIVAS Resumo do Episódio: Clari e as atitudes positivas Em um tempo em que a profissão docente é assustada pela síndrome de Burnout, a escola apresentada

Leia mais

Introdução a Ergonomia e Usabilidade

Introdução a Ergonomia e Usabilidade Introdução a Ergonomia e Usabilidade Projeto de Interface Homem- Máquina Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Agenda Apresentação Definições Gerais Importância Usabilidade e Ergonomia Engenharia da

Leia mais

RESENHA. Contrapontos - volume 3 - n. 3 - p. 547-550 - Itajaí, set./dez. 2003 545

RESENHA. Contrapontos - volume 3 - n. 3 - p. 547-550 - Itajaí, set./dez. 2003 545 RESENHA Contrapontos - volume 3 - n. 3 - p. 547-550 - Itajaí, set./dez. 2003 545 546 Ciberespaço e formações abertas: rumo a novas práticas educacionais Maristela Vanzuita Machado CIBERESPAÇO E FORMAÇÕES

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Jaiana Cirino dos Santos Graduanda de Pedagogia CFP / UFCG jaianacz@hotmail.com Alzenira Cândida Alves Graduanda de Pedagogia CFP /UFCG

Leia mais

O PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA

O PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA O PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA Vinícius Sanches Tizzo Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Campus de Paranaíba vinicius_tizzo.sfs@hotmail.com

Leia mais

Biblioteca Escolar: estratégias para torná-la mais atraente

Biblioteca Escolar: estratégias para torná-la mais atraente Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Biblioteca Escolar: estratégias para torná-la mais atraente Maria do Carmo Sá Barreto Ferreira (UEFS) - carmo@uefs.br Isabel Cristina Nascimento Santana (UEFS) - icns@uefs.br

Leia mais