4.4.7 Joseph Kovács: Um projetista e sua filosofia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4.4.7 Joseph Kovács: Um projetista e sua filosofia"

Transcrição

1 4.4.7 Joseph Kovács: Um projetista e sua filosofia Kovács Jözsef Gábor, nascido em Mezötur, na Hungria em 19 de março de 1926, seu pai, um herói da I Guerra Mundial, não gostava de aviação e não incentivou os filhos neste sentido. Kovács foi sempre um apaixonado por aviões, desenvolveu em sua carreira de projetista, cerca de cinqüenta e seis (56) aviões e planadores, entre eles os treinadores Neiva Universal T-25 e o Embraer 312 / AT-27 Tucano, atuou também no desenvolvimento do Embraer cento e dez Bandeirantes. Desde criança, subia em um paiol para de lá ver os aviões de perto, mexia com aeromodelismo e aos 15 anos começou a voar planadores. Estes planadores eram lançados de uma colina em Budapeste, utilizando uma espécie de estilingue de borracha; entretanto, após a Segunda Guerra Mundial, o regime comunista proibiu qualquer tipo de voo na Hungria, no entanto, a sua paixão ia além das imposições do regime político e, por diversas vezes, ele e os companheiros iam às colinas nas noites não muito claras e voavam no breu, acendendo um isqueiro para sinalizar ao planador, após escutarem o zumbido próximo causado por suas asas. Foi, por isso, que resolveu com mais três colegas, deixarem seu país de origem, segundo ele: Era uma situação absurda e humilhante, parecia que estávamos fazendo algo clandestino. Figura 59 - Foto do autor com o Sr. Joseph Kovács, em 29 de maio de 2008, em São José dos Campos. Fonte: arquivo do autor 141

2 Saiu da Hungria em 1948, e ficou na Áustria por algum tempo. Ele e um dos amigos haviam pensado em ir para a Etiópia, antiga Abissínia, pois lá havia um húngaro que possuía uma escola de pilotagem, mas não havia condições de moradia e sustento, por isso tentou se alistar na Legião Estrangeira, porém não contente com as difíceis perspectivas legionárias, resolveu fazer corpo mole nos exames e ficou mesmo pela Áustria, até que surgiu uma oportunidade de trabalhar no Brasil, chegando por aqui em dezembro de Seus primeiros trabalhos com aviação foram no IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas, e na Real-Transportes Aéreos. Associou-se ao Clube Politécnico de Planadores em Em 1952, foi trabalhar no CTA Centro Técnico Aeroespacial, um lugar cheio de ideias inovadoras. Sua formação não é Engenharia Aeronáutica, mas sim engenharia industrial. Diplomado na Escola Técnica de Budapeste, diz que não havia campo para aeronáutica em seu país, não havia luxo. Foi sempre um autodidata, aprendeu em livros, alguns húngaros e outros alemães, os quais lia com amigos e os praticava. O primeiro projeto que desenvolveu foi o de um planador aos quinze anos de idade, um desses planadores leves de 30 ou 40 kg. O segundo projeto foi um avião com motor BMW de 25 Cavalos de potência, entretanto, com certeza, o projeto mais importante para ele, em sua carreira, foi o Universal T-25 (Fig. 60), a atual aeronave de treinamento, utilizada pela força aérea brasileira. Figura 60 - Foto do avião de treinamento Neiva T-25C Universal, projetado pelo engenheiro Kovács. Fonte: (www.airliners.net) O que realmente fez a diferença foram cinquenta anos de dedicação, estudo, exercício e trabalho. Sendo esta a melhor escola de todas. Para quem gosta de aviação, não importa o diploma, o projetista aeronáutico não pode ser chamado de 142

3 cientista, ele é um artista que sabe combinar melhor as soluções. Sendo que a arte de projetar avião mais se assemelha à arte culinária do que qualquer outra coisa. O importante é saber juntar os elementos corretos para ter um bom resultado. (AEROMAGAZINE, fev.-1998). Figura 61 - Outras aeronaves projetadas pelo engenheiro Kovács Neiva 561 A filosofia do projeto do Universal T-25 O projeto N.621 como foi batizado internamente o Universal, começou nas pranchetas de Kovács, em 1962, (projeto preliminar) para atender as especificações do Ministério da Aeronáutica, para substituir os Fokker S.11 (T-21) e S.12 (T-22) que eram as aeronaves em uso na época. A proposta da equipe de projeto era a de fazer uma aeronave totalmente nova em conceito, capaz de fazer voo invertido, uma característica que segundo o engenheiro Kovács (1986), há muito havia sido retirada dos aviões de treinamento, em função da força aérea brasileira estar acostumada a receber as sobras obsoletas do excedente norte-americano. 143

4 A ausência do voo invertido acabou por tornar-se um vício, passível até de repressão por parte dos instrutores na academia. Os pilotos brasileiros ficaram ainda viciados a conduzir máquinas robustas, insensíveis e ineficientes que aguentavam toda espécie de maus tratos, por parte dos cadetes. Havia inclusive um estigma de que respeitar os limites operacionais das aeronaves era assunto dos Fracos. A ideia que ecoava na cabeça de Kovács, não amparada contratualmente, era a de se fazer um avião de transição, que não fosse tão sensível para a operação normal e nem tão robusto, caro e difícil de manter. As qualidades de voo almejadas pela equipe era a de um treinador semelhante aos europeus, capazes de voos acrobáticos e com comando leves e de rápida resposta. A filosofia era circunstancial e do tipo indireta, com otimizações criteriosas, no entanto, sem soluções revolucionárias. O Ministério da Aeronáutica aprovou a proposta de desenvolvimento, chamando o projeto de IPD-6201 (Fig. 62), autorizou a construção de um protótipo para ensaios, que recebeu a matrícula civil: PT-ZTW e realizou seu primeiro voo em 29 de abril de 1966 (PEREIRA, 1997), seguido, em 1967, pelo segundo protótipo, na versão militar. O primeiro T-25A foi entregue em abril de 1971, tendo sido produzidos ao todo 178 unidades até o ano de Embora o projeto tenha sido atrapalhado por diversos fatores, de problemas de ordem financeira e administrativa, e a inexperiência da equipe na época, o avião cumpriu e ainda hoje cumpre a finalidade da qual se propôs. 144

5 Figura 62 Desenho da aeronave T-25 (IPD- 6201), conforme constava na descrição preliminar do contrato. Fonte: KOVÁCS, O fator aumentador de peso se fez presente a uma razão de 1:6, impulsionado por imposições contratuais rígidas, que exigiam muitos equipamentos, o que desviou o projeto da idéia inicial de otimização do desempenho. Os equipamentos que deveriam ser utilizados na montagem dos T-25 seriam oriundos dos estoques dos Parques de Aeronáutica e eram antigos obsoletos e, sobretudo, pesados (KOVÁCS. 1996). Kovács cita o fato de que o T-25 teve um papel de demonstrar a capacidade de projeto e execução do pessoal brasileiro, abrindo caminho para a ideia de uma indústria nacional de maior porte (EMBRAER). O projeto 621 era visto com muita desconfiança, foram aplicados poucos recursos na sua execução. O primeiro protótipo era o mais leve, o que tinha melhor desempenho e possuía a função de fazer os voos de demonstração para o público, o que ajudava a aumentar a credibilidade. Foram contratados inicialmente pela força aérea 140 desses aviões. Dez unidades foram exportadas para o Chile no ano de 1978, e após anos em serviço com o exército daquele país, foram revendidos para a Força Aérea Paraguaia. 145

6 Várias tentativas foram feitas, para a extensão da vida do projeto, que recebeu versões com motores turbo-hélice e até variantes armadas, como foi o caso do Carajá (Fig. 63), cuja função era a de um treinador avançado e aeronave leve de ataque, sob a mesma plataforma básica do T-25. Figura 63 Desenho da aeronave Carajá (N. 721B). Fonte: PEREIRA, Até a proposta de uma versão de ataque bimotor (Fig. 64), foi avaliada pela indústria Neiva, em função do aproveitamento dos gabaritos de construção, utilizados para o T-25. Considerações válidas para projetos com comunicação de itens. Figura 64 Desenho da aeronave Bi-Universal - Ataque. Fonte: PEREIRA, O próprio projetista defendeu, no ano de 1996, a revitalização do projeto do T-25. Esta poderia ser feita com custos moderados e sem a paralisação da frota, 146

7 aplicando-se a redução de peso pelo emprego de equipamentos modernos e minimizados, a limpeza aerodinâmica pela mudança da capota (canopy) transparente por uma versão mais fluída e leve, a instalação de uma hélice tripa de até 2.1 metros (82 polegadas) de diâmetro e até a restrição do combustível, tendo em vista a enorme capacidade de 340 litros. Todavia, Kovács (1996, p.92) alerta: A filosofia de projeto, naturalmente, seria completamente diferente do que em 1961, particularmente pela existência do T-27 Tucano, ou seja, um treinador tipicamente primário de porte, complexidade e custos menores. 4.5 Engenharia de Sistemas Não se pode falar em Engenharia de sistemas sem analisar atividade de projeto na área da engenharia, para isso, começamos com a missão do projetista, que é a de encontrar soluções para problemas técnicos, baseando suas propostas no conhecimento das ciências naturais e da engenharia, e leva em conta os condicionantes materiais, tecnológicas, econômicas e ainda preocupações de ordem legal e ambiental. Após o conhecimento do que é o problema a ser resolvido são criadas subtarefas concretas, que farão parte do desenvolvimento do produto. Isto ocorre tanto em termos individuais quanto em desenvolvimento interdisciplinar de produtos. As características técnicas, econômicas e ecológicas serão fruto de suas ideias, conhecimento e talento. Do ponto de vista metodológico, projetar é processo de otimização, que possuem objetivos e condicionantes ou restrições impostas por vários fatores. Os requisitos variam em função do tempo, por este motivo uma solução só pode ser otimizada sob as condicionantes existentes na época do projeto. Sob a ótica organizacional o projeto participa do ciclo de vida do produto, ciclo este que se inicia com uma demanda ou pela própria vontade do ser humano. A primeira atividade é o planejamento do produto e a última o descarte do mesmo. (PAHL et al., 2005). 147

8 A organização de um processo de projeto é orientada pela própria organização geral da empresa. Há varias formas de organização, dentre elas as empresas organizadas por produto, aquelas orientadas por problemas e ainda outras que se dividem de acordo com a etapa de projeto a ser executada ou a especialidade deste. Hoje em dia, algumas modificações foram feitas nas sistemáticas de projeto em função da crescente consciência ecológica, que exigem uma nova concepção de produtos e de processos, onde várias soluções padronizadas devem ser repensadas. Estas soluções vêm, às vezes, de trabalhos em conjunto com especialistas de outras áreas e detentores de conhecimentos em outras disciplinas. Uma tendência nesta área de atuação do Engenheiro, Projetista ou Designer, como já citado na introdução deste trabalho, é o uso das diversas plataformas CAF (Computer Aided Design Design Auxiliado por Computador) que modifica os métodos de projeto e agrega novos personagens na cena do projeto como: Gerentes de Sistema e Assistentes de CAD. No entanto, apesar do auxílio do computador, os projetos demandam ainda muita criatividade, conhecimentos e experiência do Projetista (englobando Engenheiros, Designers, etc.). O desenvolvimento de sistemas baseados no conhecimento (Sistemas inteligentes), bem como os catálogos eletrônicos de fornecedores, aumentaram a quantidade de informações de produtos, soluções já empregadas e também em áreas de otimização, cálculo e combinação de soluções, facilitando a interação entre a equipe de projeto na análise de soluções propostas. Nas empresas, está crescente também a tendência de efetuar projetos no contexto de sua competência central e fazer o complemento de projeto, como também, a execução com componentes terceirizados (Outsourcing), a busca pode ainda acontecer em nível de parceria firmada entre detentores de vários tipos de conhecimentos e competências. A própria EMBRAER, adota um sistema de parcerias em diversas áreas do projeto de suas aeronaves, empresas européias e até chinesas participam desses trabalhos. Um dos últimos acordos foi anunciado 148

9 em junho de 2009, onde um investimento de mais de 200 Milhões de euros será feito pela EMBRAER na região de Évora em Portugal, transformando em um pólo aeronáutico (http://www.portugaldigital.com.br/noticia.kmf?cod=553413&índice=0& canal=159). Um outro exemplo é a nova aeronave de transporte militar e reabastecimento em voo da EMBRAER, batizado de KC-390, que está sendo projetado em conjunto com várias empresas, dentre elas, a empresa norte-americana Hitco Carbon Composites que fará o cone de cauda do gigante alado e a sul-africana Denel Saab Structures, encarregada da empenagem (RODRIGUES, 2009). O termo Engenharia de Sistemas não é tão atual quanto se pensa e tem sua origem nos laboratórios da empresa fabricante de telefones Bell nos Estados Unidos, na década de Havia a necessidade de se identificar e manipular as propriedades de um sistema como um todo, principalmente em projetos complexos, nos quais a soma das partes não correspondia ao todo, então começaram a se desenvolver técnicas de observação mais holísticas e que ajudavam a entender os problemas que se tornavam mais complexos. Ainda hoje novas técnicas são desenvolvidas, pois a Engenharia de Sistemas está em contínuo desenvolvimento. Muitas instituições em virtude do tipo de natureza dos seus projetos começaram a utilizar-se das técnicas, entre elas, o Departamento de Defesa Norte-Americano a NASA e várias empresas. Engenharia de Sistemas é, então, a evolução das metodologias de projeto. A grande importância do desenvolvimento de um produto reside na aceitação por parte do mercado que deverá absorvê-lo, deste modo, torna-se necessário um procedimento para o desenvolvimento de soluções que seja flexível, otimizável e verificável, possibilitando limitar os erros e potencializar os acertos nas decisões de projeto. Segundo Pahl et al. (2005), uma metodologia de projeto deverá: 149

10 Possibilitar um desenvolvimento orientado por problemas, ou seja, ser aplicada em princípio em qualquer atividade de projeto, independente da especialidade; Incentivar invenções e conhecimentos, ou seja, facilitar a busca de soluções ótimas; Ser compatível com conceitos, métodos e conhecimentos de outras disciplinas; Não gerar soluções somente por acaso; Permitir uma fácil transferência das soluções de tarefas semelhantes; Ser apropriada para ser utilizada no computador; Ser possível de ser ensinada e aprendida; Estar em conformidade com conhecimentos de psicologia cognitiva e da ergonomia, ou seja, facilitar o trabalho em equipe num processo integrado e multidisciplinar de geração de um produto; Ser orientação e diretriz para os gerentes de projeto de equipes de desenvolvimento. Os métodos de engenharia de sistemas têm adquirido crescente relevância em processos técnicos sócio-econômicos. No mínimo de forma implícita, ela é fundamental para o procedimento metódico. Como ciência interdisciplinar, a engenharia de sistemas disponibiliza métodos, processos e ferramentas para análise, planejamento, seleção e configuração otimizada de sistemas complexos (PAHL et al. 2005, p.9). Para Raymer (2002), a Engenharia de Sistemas é um processo multidisciplinar com meios que permitem o entendimento de sistemas, focado na definição das necessidades do cliente (usuário). É ainda a síntese do projeto considerando o problema por completo: Operações; Desempenho; 150

11 Ensaios; Produção; Custo e Cronogramas; Treinamento e assistência; Descarte. Raymer (2002) faz ainda uma distinção entre Engenharia de Sistema e Engenharia de Sistemas, em que a primeira é, por exemplo, hidráulica que é um dos sistemas das aeronaves, e ainda propõe algumas definições, colocadas a seguir: Sistema Qualquer conjunto de equipamentos, habilidades e capacidades orientadas ao cumprimento de algum objetivo operacional. Processo sistemático A consideração de interações dos diferentes componentes de um sistema, face ao cumprimento de objetivos gerais do sistema. Engenharia de Sistemas O projeto de ambos, componentes dos sistemas e a arquitetura da interação entre estes componentes, com vistas a aperfeiçoar o desempenho dos objetivos do sistema, em concordância com os requisitos e os condicionantes restritivos. Criações técnicas, como o projeto de um veículo ou máquinas, representam um sistema. Aeronaves, então, são sistemas artificiais, dinâmicos, constituídos por elementos ordenados, interligados por relações com base em suas características. Um sistema caracteriza-se por estar alinhado por seu ambiente, onde as ligações para mesmo ambiente são cortadas pelos limites do sistema. As linhas de transmissão determinam o comportamento do sistema para fora, isto torna possível a definição de uma função que faz relação entre as grandezas de 151

12 entrada e saída, indicando, assim, a variação das características das grandezas do sistema. (Fig. 65). Figura 65 Estrutura de um sistema. Fonte: PAHL et al. (2005). O procedimento da Engenharia de Sistemas baseia-se na percepção geral de que problemas complexos são resolvidos em fases determinadas do trabalho, estas fases devem ser orientadas pelas mesmas fases de qualquer atividade de desenvolvimento, pela análise e pela síntese. Embora seja um termo cunhado recentemente, na indústria aeronáutica em virtude da complexidade dos aviões, foi utilizado por alguns projetistas de renome como Kelly Johnson, engenheiro aeronáutico, que trabalhou cinquenta anos na empresa Northrop, foi o responsável por projetos inovadores como o do avião espião Blackbird, o caça interceptador F-104, o Lockheed C-130 Hércules entre outros. Raymer (2002) destaca que esses projetistas que já trabalhavam com Engenharia de Sistemas exibiam alguns pensamentos similares: Trabalhavam como os clientes para definir e aperfeiçoar os requisitos; Consideravam o veículo aéreo apenas como parte de todo o processo; Insistiam em inúmeros estudos e propostas alternativas; Realizavam numerosos estudos comparativos. 152

13 O processo de Engenharia de Sistemas (Fig. 66) começa com a coleta de informações sobre o sistema, também chamado de estudo de sistemas, este pode ser resultante de análises de mercado, pesquisas de tendências ou da formulação de problemas concretos. Algumas metodologias chamam esta fase de análise do problema. Figura 66 Fases da Engenharia de Sistemas. PAHL et al. (2005).. O objetivo desta fase é o de estabelecer claramente as fronteiras do problema e as subtarefas a serem solucionadas, e que se tornarão o ponto de partida para o projeto. Já, na segunda fase, são elaboradas com base nesta formulação clara do problema, metas que constituem o programa alvo e que é a base importante para a posterior avaliação das variantes de solução, durante a busca por uma solução ótima. 153

14 A síntese do sistema corresponde à terceira fase, quando são propostas as variantes da solução, com base nos dados colhidos nas fases anteriores. Este processamento de informações deve fornecer o maior número de propostas de solução e de configuração para o sistema planejado. Para a escolha da solução mais otimizada, as variáveis de solução são comparadas ao programa alvo elaborado na segunda fase, ou seja, deve-se ter certeza de qual a solução satisfaz, da melhor maneira, os requisitos. Pré-condição é, assim, o conhecimento das características das variantes da solução. Por este fato, é que estas características são apuradas em primeiro lugar, para que a avaliação possa ser executada. A fase da Avaliação (4ª fase), então, assegura o encontro de uma solução relativamente otimizada e constitui a base para a decisão sobre o sistema. A comunicação da informação ocorre na fase de planejamento da execução do sistema e, na Fig. 67, mostra que só um processo interativo é que garante soluções adequadas, as fases de decisão intercaladas facilitam o processo à otimização e representam uma conversão de informações. Figura 67 Modelo de Procedimento de Engenharia de Sistemas para diferentes ciclos de vida (fases de concretização).fonte: PAHL et al. (2005). 154

15 Em 1990, foi fundado, nos Estados Unidos, o Conselho Nacional em Engenharia de Sistemas (NCOSE National Council on Systems Engeneering), com representantes de muitas corporações e instituições. O conselho foi criado com vistas a melhorar as práticas e o ensino das técnicas da Engenharia de Sistemas. O crescimento do envolvimento mundial ficou tão grande com relação à Engenharia de Sistemas que, em 1995, se resolveu mudar o nome para Conselho Internacional (INCOSE). Várias escolas, mundo a fora, oferecem programas de Engenharia de Sistemas, além de educação continuada para pessoas de outras áreas. 4.6 Engenharia Simultânea Desenvolvimento integrado de produto (IPD Integrated Product Development) É a Engenharia de Sistemas aplicada a projetos aeronáuticos, ou seja, uma filosofia que emprega sistematicamente equipes de diferentes disciplinas para integrar e aplicar todos os processos necessários para resultar em um produto eficiente que satisfaça a necessidade do consumidor. Nas indústrias aeronáuticas, o projeto aeronáutico é feito pelas equipes integradas de produto (IPT Integrated Product Teams). O IPD Integratred Product Development é uma mudança cultural na abordagem de problemas, mudando o foco para alguns requisitos em ordem de importância: Cliente; Produto; Processo; Restrições; Estrutura organizacional. 155

16 A filosofia do IPD é a tomada de decisões baseada em análises multidisciplinares ao invés de decisões hierárquicas tradicionais, reúne pessoas da área de projeto, engenharia, produção, operação e representantes dos clientes para que definam e desenvolvam novos produtos. Esse processo é muito utilizado hoje nas indústrias desse setor, porém como adverte Leão (s.d.) que embora seja formada uma equipe com pessoas de várias áreas do conhecimento referente à engenharia ou engenharias, envolvidas no projeto aeronáutico, deve ser do projetista mais experiente a sinalização de que a configuração deve ser adotada, mesmo com as competências dos outros membros da equipe, como ainda, os requisitos e objetivos acordados com o cliente, a gerência e com os outros membros do IPT. A engenharia simultânea é uma parte importante do desenvolvimento integrado de produto, pois em épocas remotas, na indústria aeronáutica, o desenvolvimento de produtos seguia uma trilha linear e seriada, onde o pessoal concebia a aeronave e o design preliminar e, então, passava tudo o que havia sido desenvolvido para a equipe de detalhamento, que, por sua vez, não havia participado da concepção e, assim, a confusão começava: como vamos construir esta coisa? Em projetos complexos como navios, submarinos e aeronaves, a engenharia simultânea presta imensa e valorosa contribuição, eliminando problemas que custariam muito para serem resolvidos ou inviabilizariam o processo todo. Segundo Leão (s.d.) há um aumento nos custos iniciais, contudo, estes são mínimos se comparados aos benefícios. 156

17 5 REQUISITOS DE PROJETO 5.1 Introdução à Regulamentação Aeronáutica Segundo Rosa (2006, p.201), os regulamentos aeronáuticos RA, são documentos oficiais que regulamentam e normalizam o setor da aeronáutica civil, são desenvolvidos pelas agencias governamentais específicas em conjunto com associações e comissões próprias. São impostos aos fabricantes e operadores para garantir a segurança de qualquer cidadão que deles faça uso. Essas regras são extremamente importantes e cobrem desde o projeto da estrutura, sistemas e até na qualidade de voo e desempenho (DE ANDRADE, 2000). As regras variam de país para país e é importante para o projetista que almeja o mercado internacional, conhecer e escolher a regulamentação compatível. Esses regulamentos são padronizados internacionalmente em relação à divisão de partes e no parágrafo do texto de cada parte ou subparte. Os requisitos em vigor nos dias de hoje, segundo De Andrade (2000) e Da Rosa (2006), são: Federal Aviation Regulations (FAR), emitido pela Federal Aviation Administration (FAA), um órgão do Departamento de Transportes dos Estados Unidos da América. Joint Aviation Requirements (JAR), emitido pelo Joint Aviation Authorities (JAA), autoridade de aeronavegabilidade colegiada dos estados europeus; 157

18 Canadian Aviation Regulation (CAR), emitido pelo Canadian Aviation Regulation Aviation Council (CARAC); Civil Aviation Safety Regulations (CASR), emitido pelo Aviation Safety Authority Australia (CASA). No Brasil, estas normas são de responsabilidade da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), seguem também a mesma divisão internacional, no entanto, são batizadas de RBHA (Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica). Abaixo na Tabela 22, encontra-se a correspondência entre os regulamentos atuais. Tabela 22 - Principais Partes dos Regulamentos Aeronáuticos. CONTEÚDO CAR CASA FAA JAA RBHA Definições - Dictionary Part 1 JAR-1 RBHA 01 Procedimentos para elaboração dos regulamentos - Part 11 Part 11 JAR-11 RBHA 11 Homologação de produtos e peças Chapter 521 Part 21 Part 21 JAR-21 RBHA 21 Planadores e motoplanadores Chapter 522 Part 22 - JAR-22 RBHA 22 Aviões categorias normal, utilitários e acrobáticos Chapter 523 Part 23 Part 23 JAR-23 RBHA 23 Aviões de transporte (grande porte) Chapter 525 Part 25 Part 25 JAR-25 RBHA 25 Aviões de categoria primária ou intermediários - Part RBHA 26 Aeronaves normais de asa rotativa (pequenas) - Part 27 Part 27 JAR-27 RBHA 27 Aeronave de transporte de asas rotativas (grandes) - Part 29 Part 29 JAR-29 RBHA 27 Balões livres tripulados Chapter 531 Part 31 Part 31 - RBHA 31 Motores aeronáuticos para aviões muito leves - Part Motores aeronáuticos Chapter 533 Part 33 Part 33 JAR-E RBHA 33 Hélices Chapter 535 Part 35 Part 35 JAR-P RBHA 35 Normas de Ruído/ emissões Chapter Part 36 JAR-36 RBHA 36 Manutenção, reconstrução e alteração Chapter 571 Part 43 Part 43 JAR-147 RBHA 43 Registro de aeronaves Part II Part 47 Part 47 - RBHA 47 Aeronaves muito leves Chapter 523 Part 26 Part 103 JAR-VLA RBHA 26 Aviação agrícola Part 137 Part RBHA 137 Fonte: Adaptado pelo autor de (DA ROSA, 2006). Nota: Existem também normas militares que no Brasil são batizadas de AER e nos Estados Unidos são chamadas normas MIL (Military Standards), as normas nacionais são baseadas e adaptadas em normas estrangeiras MIL ou equivalentes de outros países como França e Inglaterra, que têm vasta e longa cultura da engenharia e indústria aeronáutica. 158

19 Aeronaves categorias normais, utilitárias e acrobáticas com peso máximo de decolagem de libras (5.700 kg), são regulamentadas pela FAR 23 (US Federal Aviation Regulations) e as aeronaves de treinamento são regidas por esta parte, que aqui, no Brasil, tem sua correspondência no RBHA 23 (Registro brasileiro de homologação aeronáutica), conforme tabela acima. Neste trabalho, será apresentada apenas a divisão das subpartes da RBHA 23, sem se ater ao conteúdo. A parte apresentada a seguir trata de critérios de projeto, construção de testes de aeronaves, chamados de requisitos de aeronavegabilidade (Airworthiness Standards) e são o maior interesse no foco deste trabalho. Para este tipo, a parte é subdividida em subpartes: PART 23 Requisitos de Aeronavegabilidade Subparte A Geral Subparte B Voo 1. Geral; 2. Desempenho; 3. Caracteírsticas de voo; 4. Controle e manobrabilidade; 5. Ajuste; 6. Estabilidade; 7. Estóis; 8. Parafusos; 9. Características de manejo no solo e na água; 10. Miscelânea de requisitos de voo. 159

20 Subparte C Estrutura 1. Geral; 2. Cargas em voo; 3. Superfícies de controle e carga nos sistemas; 4. Estabilidade horizontal e superfícies de equilíbrio; 5. Superfícies verticais; 6. Cargas em solo; 7. Cargas em água; 8. Condições de pouso de emergência; 9. Avaliação da fadiga. Subparte D Projeto e Construção 1. Asas; 2. Superfícies de controle; 3. Sistemas de controle; 4. Trem de pouso; 5. Flutuadores e cascos; 6. Acomodação de cargas e pessoas; 7. Pressurização; 8. Proteção contra incêndio; 9. Comportamento elétrico e proteção contra raios; 10. Miscelânea. Subparte E Grupo motopropulsor Subparte F Equipamento Subparte G Limitações de Operação e informação Apêndices 160

21 5.2 Requisitos Operacionais e de Manutenção Apontados na Pesquisa com o Pessoal da Academia da Força Aérea Brasileira Os regulamentos guiam as ideias dos projetistas aeronáuticos para adotar soluções que possam resultar em sistemas que forneçam características que se enquadrem e demandem valores dentro das tolerâncias especificadas em seu conteúdo, porém, eles não definem formas, configurações como nem quais tipos de motores sistemas e soluções utilizam. Este trabalho extraiu alguns requisitos, que foram apontados na pesquisa com os instrutores e pessoal de manutenção da academia da Força Aérea Brasileira, e que podem ser utilizados como guia para a escolha de uma nova aeronave de treinamento, ou na composição de possíveis soluções de projeto em um estudo preliminar para a um novo avião. Pelas próprias características do voo militar é ideal que as aeronaves destinadas à instrução militar sejam robustas. Quase uma unanimidade na pesquisa feita, apontou para a adoção de uma aviônica atualizada e confiável, com capacidade de voo por instrumentos. A aeronave em questão seria uma aeronave leve de asa baixa com configuração de motor: tratora, de baixo consumo com capacidade total acrobática com velocidade de estol baixa, facilidade de pilotagem e manobrável, podendo ser de construção metálica ou feita com materiais compósitos ou até a união das duas formas. A velocidade e razão de subida deveriam ser superiores às do T-25 (1.050 pés/minuto), o que segundo a pesquisa, melhoraria a operação, uma vez que diminuiria o tempo para se efetuar o deslocamento até a área de instrução. A disposição dos assentos considerada como melhor é a lado a lado para a instrução primária é básica, a cabine possuiria ar condicionado para aliviar a temperatura para instrutor e aluno, que além do macacão de voo (feito em uma 161

22 fibra polimérica chamada Nomex ), utilizam o capacete de voo que pesa mais de um kilograma e também esquenta a cabeça. Em função de problemas que os cadetes enfrentam na transição para a aeronave de instrução avançada, seria interessante ter o uso de punhos de manche (joysticks) similares contendo o maior número de funções ao alcance dos dedos (HOTAS Hands on Throttle and Stick). A presença de manuais técnicos de fácil leitura e interpretação também foi destaque nos apontamentos, assim como esquemas elétricos e imagens da montagem de conjuntos e subconjuntos. Trem de pouso retrátil e hélice de passo comandável foram também sinalizados como itens importantes. 162

23 6 ANÁLISE DE AERONAVES DE TREINAMENTO DISPONÍVEIS NO MERCADO E COMPATÍVEIS COM OS REQUISITOS Há inúmeras aeronaves de treinamento disponíveis no mercado mundial nos dias de hoje, inclusive soluções derivadas de aviões experimentais. Projetos famosos na comunidade amadora, que foram transformados em treinadores. Este é o caso do canadense CH-600 fabricado pela empresa Zenair e projetado por Chris Reinz, e o sucesso de vendas da norte-americana Vans, modelo RV-9, que atualmente são utilizados pelas forças aéreas da Jordânia e Nigéria, respectivamente como suas aeronaves leves de instrução. Em um primeiro momento, o autor reuniu vários possíveis substitutos para os T-25, que ao menos em primeira e superficial análise poderiam se encaixar no perfil de nosso avião. No decorrer deste capítulo, ir-se-á elucidar mais os porquês das escolhas e exclusões dessas máquinas. 6.1 Enaer T-35 Pillan (Chile) A primeira dessas aeronaves foi o Enaer T-35 Pillan, de fabricação chilena, fez seu voo inaugural em , esta aeronave está em uso em seis países latinoamericanos e na Espanha. Entre os países estão: El Salvador, Equador, Guatemala, Panamá, Paraguai e República dominicana. As utilizações principais são como avião de treinamento primário/ básico. Os motivos da escolha dessa aeronave como candidato, foram a simplicidade de projeto e as características de robustez de seu design, além da simplicidade de projeto, em função do aproveitamento de componentes de aeronaves já consagradas. O aspecto visual é o de um caçinha, assentos em configuração tandem, fuselagem proporcional e um conjunto capô e spinner de hélice harmônico e 163

24 arrojado, muito semelhante às aeronaves da Piper que emprestaram seu DNA, para que a empresa chilena obtivesse esse puro sangue. O T-35 Pillan foi desenvolvido pela Enaer em conjunto com a Piper (empresa norte-americana), sob o código de PA. 28R-300-XBT e utilizava componentes dos modelos de série, modificados. A estrutura principal é feita em ligas de alumínio e aço, com revestimento rebitado, exceto o capô, pontas de asa e deriva, que são feitas em fibra de vidro. A longarina principal da asa à prova de falhas (fail safe), foi feita utilizando-se o bordo de ataque do PA Dakota e o bordo de fuga do PA-32R-301 Saratoga, modificado em função da menor envergadura; o plano vertical da deriva é virtualmente idêntico ao Piper Dakota, o plano horizontal usa componentes de linha do PA-31 Navajo/Cheyenne; o cone de cauda usa componentes do Piper Cherokee, ligeiramente modificado na largura mais estreita. A hélice Hartzell tripá de passo variável é impulsionada por um motor a explosão de seis cilindros Lycoming IO-540-K1K5, que produz 300hp de potência (GAINES, 1988). Entre os motivos para a escolha do T-35 Pillan, tratados no parágrafo acima, talvez o que mais tenha chamado a atenção do autor é que a indústria Neiva, hoje de propriedade da Embraer, que se localiza em Botucatu (interior do Estado de São Paulo), poderia a exemplo da colega chilena, desenvolver uma aeronave baseada no T-35 Pillan, entretanto, utilizando os requisitos apontados pelo estudo aqui apresentado, com maior profundidade. A Neiva fabricava algumas aeronaves da linha Piper na década de 1980 e, portanto, detém o conhecimento dessas plataformas. Talvez possa ter ficado confuso, ter-se escolhido uma aeronave como substituto, contudo, sugerir o projeto de outra, baseado em seu conceito. A verdade é que esse trabalho visa como um de seus objetivos, nortear a substituição do T-25. Esta substituição poderá ser feita por uma aeronave que governo brasileiro comprará ou ao olhar mais empolgado, por uma aeronave desenvolvida aqui no Brasil, para esta força aérea. E é por isso que se escolheu o T-35 Pillan como uma experiência 164

25 chilena bem sucedida que poderia ser uma alternativa barata e viável ao problema deste país. Não haveria muita vantagem no desempenho e consumo (vide Tabela 23, p. 169), fatores que foram evidenciados nesta pesquisa com os profissionais da aeronáutica militar brasileira. Conclui-se, então, que o T-35 não é um candidato para a substituição, mas, um exemplo que poderá ser explorado. Agora segundo as pesquisas sobre o método de instrução, uma conclusão a que se chegou, foi o uso de uma aeronave leve para a instrução inicial, que se chamou de Monitoramento em voo. Desta forma, o T-35 tem peso, consumo e dimensões muito próximas ao T-25, o que, sem dúvida, é um voto contrário à sua utilização. Figura 68 Desenho em três vistas do avião de treinamento Enaer T-35 Pillan. Fonte:Gaines (1998) 165

26 Tabela 23 Dados das aeronaves Neiva T-25C Universal e Enaer T-35 Pillan. Aeronave Neiva T-25-C Universal Enaer T-35 Pillan Motor Hélice Lycoming IO-540 K1D5 de 300hp Hartzell bipá (vel.constante) Lycoming IO-540 K1K5 de 300hp Hartzell tripa (vel.constante) Peso vazio Peso máximo de decolagem Envergadura Comprimento Altura Superfície alar Capacidade de combustível Carga alar Carga de potência Velocidade máxima Velocidade de Cruzeiro (55%) kg 930 kg kg kg 11 m 8.8 m 8.6 m 8 m 3 m 2.7 m 17.2 m m l 292 l 100 kg/m2 98 kg/m2 5.7 kg/hp 4.5 kg/hp 311 km/h 300 km/h 241 km/h - Velocidade de Cruzeiro (75% de potência) Velocidade de Estol Razão de subida Teto de serviço Alcance máximo Distância de decolagem (15m) Distância de pouso (15m) 285 km/h km/h 111 km/h/ com 60 o flape km/h / liso 1050 pés/minuto - MSL 1500 pés/minuto m m km km 650 m m 509 m Fonte: Adaptado pelo autor de Gaines (1998) e Almeida (2003). 166

27 6.2 Lasta 95 (Servia e Montenegro) Este avião é fruto da necessidade por vetores de treinamento na força aérea da antiga Iugoslávia, nos anos O primeiro Lasta fez seu voo inaugural em Embargos, problemas políticos e até o bombardeio da fabrica Utva Aicraft Industry, fizeram com que o projeto fosse descontinuado. O primeiro protótipo foi perdido em um acidente e a produção de um lote piloto de seis aeronaves ficou totalmente destruída em um bombardeio da NATO à antiga Iugoslávia (FLIGHT INTERNATIONAL, abril de 2004). O projeto foi retomado no início dos anos 2000, sendo rebatizado de Lasta 3, que fez seu primeiro voo como Lasta 3 em 5 de fevereiro de 2009, na base aérea de Batajnica. A Servia tem a intenção de comprar quinze (15) aeronaves. O Iraque já encomendou vinte (20) exemplares na versão armada com a opção de mais quinze (15). A versão armada pode transportar armamentos leves como, casulo de foguetes e metralhadora de 12.7 mm. A escolha desse modelo pelo autor tem semelhança nas características apontadas no exemplar analisado no item 6.1 neste trabalho. As linhas aerodinâmicas limpas e o desenho agressivo, somado a uma estrutura semi-monocasco de construção leve e simples (ligas de alumínio), são fatores positivos. Porém a dimensão o peso e a motorização são próximas ao candidato anterior (Enaer T-35), assim sendo, o consumo e a configuração de cabine estão fora dos requisitos apontados por esta pesquisa. O peso Máximo é um pouco menor do que o dos T-25 (1.700 kg), todavia, superior ao peso do T-35 (1.340 kg), ficando na casa dos kg. Além das fotos do primeiro voo e das três vistas, não há muitos dados divulgados (Tabela 24), para se poder comparar o envelope de voo com o T-25, no entanto, o Lasta 95 não é tão leve se comparado a aeronaves utilizadas para o monitoramento em voo na 167

28 USAF e, em outras forças aéreas, o que somado ao consumo inviabilizaria sua aquisição. Figura 69 Desenho em três vistas do avião de treinamento Lasta

29 Tabela 24 Dados das aeronaves Neiva T-25C Universal e Utva Lasta 95. Aeronave Neiva T-25-C Universal Utva Lasta 95 Motor Hélice Lycoming IO-540 K1D5 de 300hp Hartzell bipá (vel.constante) Lycoming IO-540 z1b5d de 300hp Hofman tripa HO-V-123-K-V Peso vazio Peso máximo de decolagem Envergadura Comprimento Altura Superfície alar Capacidade de combustível Carga alar Carga de potência Velocidade máxima Velocidade de Cruzeiro (55%) kg kg kg kg 11 m 9.7 m 8.6 m 7.9 m 3 m 3.2 m 17.2 m m l kg/m2 126 kg/m2 5.7 kg/hp 5.4 kg/hp 311 km/h 345 km/h 241 km/h km/h Velocidade de Cruzeiro (75% de potência) Velocidade de Estol Razão de subida Teto de serviço Alcance máximo Distância de decolagem (15m) Distância de pouso (15m) 285 km/h km/h/ com 60 o flape km/h / liso pés/minuto MSL pés/minuto m m km m m - 169

30 6.3 AIEP Air Bettle (Vans RV-6A - USA). A empresa nigeriana AIEP-Aeronautical Industrial Engineering and Project Mangement Company Ltd, foi criada em 1979 e teve parceria técnica com a empresa alemã Dornier Luftfahrt no programa do Air Bettle. O Air Bettle foi baseado no Vans RV-6A com grandes modificações, trata-se de um monomotor metálico de asa baixa e disposição de assentos lado a lado. Seu projeto teve a função de criar uma aeronave para substituir os antigos aviões de treinamento (British Aerospace Bulldog) da Força Aérea da Nigeria. A construção dos três protótipos começou em 1988, terminando em outubro de No total os protótipos voaram horas até o fim do ano de O Air Bettle é disponível em três versões: T-16- versão com motor de 160hp (versão planejada); T-18 versão padrão em produção utilizando motor de 180hp para operações de treinamento padrão; T-20 versão com desempenho melhorado, usando para isso um motor de 200hp de potência. Este avião foi escolhido como possível candidato, porque foi um caso bem sucedido do uso de uma plataforma de projeto já consagrada na aviação de construção amadora, o RV-6A é um avião experimental com muita aceitação nos Estados Unidos e Canadá, pode ser comprado em forma de kit e tem um valor unitário bem baixo. Seu desenho estrutural e método de fabricação requerem, ferramentas básicas e pode ser montado por leigos. A configuração de assentos e a ampla cabine com excelente visibilidade são atributos positivos. Este seria considerado pelo autor como um possível avião para o programa de monitoramento em voo. 170

31 Abaixo, pode-se conferir as características em comparação às do T-25, notar as características de desempenho (evidenciadas pela cor cinza), com um motor mais econômico, utilizando aeronave mais leve. (Tabela 25). Figura 70 Desenho em três vistas do avião de treinamento AIEP Air Beetle. 171

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL

MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL MULAS MECÂNICAS MADE IN BRAZIL Nos anos 70 diversos exércitos no mundo estavam a desenvolver uma família de veículos leves, versáteis e capazes de serem lançados de pará-quedas para apoiar operações que

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Tópicos Abordados Criação, Estruturação e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto. O Papel

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil Documento informativo Treinamento como ferramenta na mitigação de problemas ambientais

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

EPR 401 Gestão de Desenvolvimento de Produtos

EPR 401 Gestão de Desenvolvimento de Produtos EPR 401 Gestão de Desenvolvimento de Produtos Novos produtos como resultado do comportamento estratégico Prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva Prof. Carlos Henrique Pereira Mello 2013 Como obter novos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

Permanecendo competitivo

Permanecendo competitivo Permanecendo competitivo Você consegue sobreviver sem o BIM? AFINAL, É UM MUNDO EM 3D Na virada do século 21, a indústria de edificações e construção passou por uma transição do método 2D para projetos

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF Uma solução inovadora para as transmissões por correias É sabido

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência A Marcopolo lança o seu mais novo e moderno ônibus urbano,

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 REGULAMENTO (UE) N. o 593/2012 DA COMISSÃO de 5 de julho de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade permanente

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Demoiselle. Papel. Série: Formato... A4 Dificuldade... 03 Papel...120g/m² Por:

Demoiselle. Papel. Série: Formato... A4 Dificuldade... 03 Papel...120g/m² Por: Papel MOD Nº A02 - Mar.2007 - Papel Modelismo - 1/25 Série: Aviões do Brasil Modelo Grátis Formato... A4 Dificuldade... 03 Papel...0g/m² Por: ano 1908 0 1 2 3 4 5 cm Modelo de Papel: Série: Tipo: Alberto

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência.

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA EQUIPE F- CARRANCA AERODESIGN SAE NO ANO DE 2016 A F- Carranca, equipe de AeroDesign da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), informa que realizará

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD)

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO RÁPIDO DE PRODUTO (RPD) REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA PARA DESENVOLVIMENTO INTERNACIONAL DE NOVOS PRODUTOS O esquema abaixo considera o conceito de design de produto, esboços

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI

FANTASMA C-47 em combate no Século XXI FANTASMA C-47 em combate no Século XXI Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) Membro de Centro de Pesquisas

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAMENTO ENTRE EIXOS Manutenção Preditiva Alinhamentos. Introdução

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAMENTO ENTRE EIXOS Manutenção Preditiva Alinhamentos. Introdução Introdução As perguntas mais freqüentes formuladas por gerentes, engenheiros, supervisores, contratantes, profissionais da área, referentes ao alinhamento (ou desalinhamento) de eixos e sua importância

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos

Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos thinkmotion Motores em miniatura proporcionam um grande desempenho para analisadores médicos Os analisadores médicos são elementos fundamentais do setor de diagnósticos médicos. São ferramentas versáteis

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Missão. Valores. Visão

Missão. Valores. Visão O U T E C N C A empresa A Tecnopampa Indústria de Máquinas Ltda é uma empresa Brasileira sediada em Santa Maria -S que atua na fabricação de máquinas CNC. Pesquisando e desenvolvendo tecnologias próprias

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC

IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO DO DAC REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 180-1003 IDENTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADE DE MATERIAL AERONÁUTICO

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado)

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) O Gerenciamento de Riscos é uma das áreas contidas no Gerenciamento de Projetos, e uma

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 91-002 Aprovação: Portaria nº 2471/SPO, de 17 de setembro de 2015. Assunto: Uso de informação aeronáutica em formato digital - Electronic Flight Bag (EFB). Origem: SPO 1.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO 9 METODOLOGIAS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS O termo metodologia não possui uma definição amplamente aceita, sendo entendido na maioria das vezes como um conjunto de passos e procedimentos que

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO CENTRO TÉCNICO AEROESPACIAL +-------------------+ ESPECIFICAÇÃO DE AERONAVE Nº EA-7501 EA-7501-04 Detentor do CHT: Folha 1 INDÚSTRIA

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais