RELAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS"

Transcrição

1 Acendedor, cordel (ver Cordel acendedor) ACENDEDOR DE ESTOPIM S 1000 ACENDEDOR DE ESTOPIM, tubular, com revestimento metálico G 500 ACENDEDORES G 50 ACENDEDORES G 50 ACENDEDORES G 50 ACENDEDORES G 500 ACENDEDORES S 1000 ACENDEDORES, SÓLIDOS, com líquido inflamável ACETAL II 333 ACETALDEÍDO I 333 ACETALDEÍDO AMÔNIA III ACETALDEÍDO OXIMA II 333 Acetaldoxima (ver Acetaldeído oxima) ACETATO DE ALILA II 100 ACETATO(S) DE AMILA III 500 ACETATO DE BROMOETILA II 50 ACETATO DE BROMOMETILA II 50 ACETATO(S) DE BUTILA Acetato de butila, secundário (ver Acetato de butila) 33 ACETATO DE CHUMBO III 100 ACETATO DE CICLO-HEXILA III 1000 ACETATO DE ÉTER MONOETÍLICO DE ETILENOGLICOL III 500 ACETATO DE ÉTER MONOMETÍLICO DE ETILENOGLICOL III 500 ACETATO DE ETILA II 333 ACETATO DE ETILBUTILA III 500 Acetato de etilglicol (ver Acetato de éter monoetílico de etilenoglicol) Acetato de 2-etoxietila (ver Acetato de éter monoetílico de etilenoglicol) ACETATO DE FENILMERCÚRIO II ACETATO DE ISOBUTILA II 333 ACETATO DE ISOPROPENILA II 333 ACETATO DE ISOPROPILA II 333 ACETATO DE MERCÚRIO II 50 ACETATO DE METILA II 333 ACETATO DE METILAMILA III 500 Acetato de metilglicol (ver Acetato de éter monometílico de etilenoglicol) Acetato de metilisobutilcarbinol (ver Acetato de metilamila) Acetato de 2-metoxietila (ver Acetato de éter monometílico de etilenoglicol) ACETATO DE n-propila II 333 ACETATO DE VINILA, INIBIDO II 333 ACETILENO, DISSOLVIDO ACETILMETILCARBINOL III 500 ACETOARSENITO DE COBRE II 50 Acetoin (ver Acetilmetilcarbinol) ACETONA II 50 ACETONA-CIANIDRINA, ESTABILIZADA I 5 Dez/94 1 (continua)

2 Acetonitrila (ver Cianeto de metila) Ácido acético e trifluoreto de boro, complexo de (ver Trifluoreto de boro e ácido acético, complexo de) ÁCIDO ACÉTICO, GLACIAL ou SOLUÇÃO DE ÁCIDO II 100 ACÉTICO, com mais de 80% de ácido, em massa ÁCIDO ACÉTICO, SOLUÇÃO, com mais de 10% e até 80% de II 500 ácido, em massa ÁCIDO ACRÍLICO, INIBIDO II 100 ÁCIDO ALQUIL, ARIL ou TOLUENO SULFÔNICO, LÍQUIDO, III 100 com até 5% de ácido sulfúrico livre ÁCIDO ALQUIL, ARIL ou TOLUENO SULFÔNICO, LÍQUIDO, II 100 com mais de 5% de ácido sulfúrico livre ÁCIDO ALQUIL, ARIL ou TOLUENO SULFÔNICO, SÓLIDO, III 100 com até 5% de ácido sulfúrico livre ÁCIDO ALQUIL, ARIL ou TOLUENO SULFÔNICO, SÓLIDO, II 100 com mais de 5% de ácido sulfúrico livre ÁCIDO ARSÊNICO, LÍQUIDO I 5 ÁCIDO ARSÊNICO, SÓLIDO II 50 Ácido bromídrico, anidro (ver Brometo de hidrogênio, anidro) ÁCIDO BROMÍDRICO, SOLUÇÃO ÁCIDO BROMOACÉTICO II 100 ÁCIDO BUTÍRICO III 500 ÁCIDO CACODÍLICO II 50 ÁCIDO CAPRÓICO III 500 Ácido carbólico (ver Fenol) ÁCIDO CIANÍDRICO, ANIDRO, ESTABILIZADO I zero ÁCIDO CIANÍDRICO, ANIDRO, ESTABILIZADO, absorvido em I zero material inerte e poroso ÁCIDO CIANÍDRICO, SOLUÇÃO AQUOSA, com até 20% de I 48 zero ácido cianídrico ÁCIDO CLORACÉTICO, FUNDIDO II 50 ÁCIDO CLORACÉTICO, SÓLIDO II 50 ÁCIDO CLORACÉTICO, SOLUÇÃO II 50 ÁCIDO CLÓRICO, SOLUÇÃO AQUOSA, com até 10% de ácido II 100 clórico Ácido clorídrico, anidro (ver Cloreto de hidrogênio, anidro) ÁCIDO CLORÍDRICO, SOLUÇÃO ÁCIDO CLOROPLATÍNICO, SÓLIDO III 500 ÁCIDO alfa-cloropropiônico III 500 Ácido cloropropiônico (ver Ácido alfa-cloropropiônico) ÁCIDO CLOROSSULFÔNICO (com ou sem trióxido de enxofre) I 20 ÁCIDO CRESÍLICO II 50 Ácido crômico, sólido (ver Trióxido de cromo, anidro) ÁCIDO CRÔMICO, SOLUÇÃO ÁCIDO CROMOSSULFÚRICO I 20 ÁCIDO CROTÔNICO III 500 ÁCIDO DICLORACÉTICO II 100 ÁCIDO DICLOROISOCIANÚRICO, SECO, ou SAIS DE ÁCIDO II DICLOROISOCIANÚRICO Ácido di-(2-etil-hexil)fosfórico (ver Fosfato ácido de diisooctila) ÁCIDO DIFLUORFOSFÓRICO, ANIDRO II 100 Ácido dimetilarsínico (ver Ácido cacodílico) Dez/94 2 (continua)

3 Ácido estifínico (ver Trinitro-resorcinol) ÁCIDO ETILSULFÚRICO II 100 ÁCIDO FENOLSULFÔNICO, LÍQUIDO II 100 ÁCIDO FLUORACÉTICO I 5 ÁCIDO FLUORBÓRICO II 20 ÁCIDO FLUORFOSFÓRICO, ANIDRO II 100 Ácido fluorídrico, anidro (ver Fluoreto de hidrogênio, anidro) ÁCIDO FLUORÍDRICO, SOLUÇÃO ÁCIDO FLUORSILÍCICO II 100 ÁCIDO FLUORSULFÔNICO I 100 ÁCIDO FÓRMICO II 100 ÁCIDO FOSFÓRICO III 500 Ácido fosfórico, anidro (ver Pentóxido de fósforo) ÁCIDO HEXAFLUORFOSFÓRICO II 100 Ácido hexanóico (ver Ácido capróico) Ácido hidrofluorsilícico (ver Ácido fluorsilícico) Ácido hidro-selênico (ver Hidreto de selênio, anidro) Ácido hidro-silicofluorídrico (ver Ácido fluorsilícico) ÁCIDO IODÍDRICO, SOLUÇÃO ÁCIDO ISOBUTÍRICO III 500 Ácido 2-mercaptopropiônico (ver Ácido tiolático) ÁCIDO 5-MERCAPTOTETRAZOL-1-ACÉTICO C 500 ÁCIDO METACRÍLICO, INIBIDO III 500 Ácido monocloroacético (ver Ácido cloracético, solução ou sólido) Ácido muriático (ver Ácido clorídrico, solução) ÁCIDO NÍTRICO, exceto fumegante ÁCIDO NÍTRICO, FUMEGANTE I ÁCIDO NITROBENZENOSSULFÔNICO II 100 ÁCIDO NITROSILSULFÚRICO II 100 Ácido ortofosfórico (ver Ácido fosfórico) ÁCIDO ORTOFOSFOROSO III 500 ÁCIDO PERCLÓRICO, com até 50% de ácido, em massa II 100 ÁCIDO PERCLÓRICO, com mais de 50% e até 72% de ácido, I em massa Ácido pícrico (ver Trinitrofenol, seco ou umedecido com menos de 30% de água, em massa) ÁCIDO PROPIÔNICO III 500 Ácido propiônico e trifluoreto de boro, complexo de (ver Trifluoreto de boro e ácido propiônico, complexo de ) ÁCIDO SELÊNICO I 100 Ácido silicofluorídrico (ver Ácido fluorsilícico) ÁCIDO SULFÂMICO III 500 ÁCIDO SULFÚRICO II 100 ÁCIDO SULFÚRICO, FUMEGANTE X886 I 20 ÁCIDO SULFÚRICO, RESIDUAL II ÁCIDO SULFUROSO II 100 ÁCIDO TETRAZOL-1-ACÉTICO C 500 ÁCIDO TIOACÉTICO II 333 ÁCIDO TIOGLICÓLICO II 100 Dez/94 3 (continua)

4 ÁCIDO TIOLÁTICO II 50 Ácido tolueno sulfônico (ver Ácido alquil, aril ou tolueno sulfônico) ÁCIDO TRICLOROACÉTICO II 100 ÁCIDO TRICLOROACÉTICO, SOLUÇÃO ÁCIDO TRICLOROISOCIANÚRICO, SECO II 100 ÁCIDO TRIFLUORACÉTICO I 100 ÁCIDO TRINITROBENZENOSSULFÔNICO D 5 ÁCIDO TRINITROBENZÓICO, seco ou umedecido com menos D 15 5 de 30% de água, em massa ÁCIDO TRINITROBENZÓICO, UMEDECIDO com 30% ou mais I 15 5 de água, em massa 28 ACRIDINA III 100 ACRILAMIDA III 100 ACRILATO DE BUTILA ACRILATO DE ETILA, INIBIDO II 333 ACRILATO DE ISOBUTILA III 500 ACRILATO DE METILA, INIBIDO II 333 ACRILONITRILA, INIBIDA I 5 ACROLEÍNA, DIMERIZADA, ESTABILIZADA III 500 ACROLEÍNA, INIBIDA I 5 Actinólito (ver Amianto Branco) Acumuladores (ver Baterias elétricas) ADESIVOS, contendo líquido inflamável ADIPONITRILA III 100 AEROSSÓIS ALCALÓIDES, LÍQUIDOS, N.E., ou SAIS DE ALCALÓIDES, LÍQUIDOS, N.E., tóxicos ALCALÓIDES, SÓLIDOS, N.E., ou SÓLIDOS N.E., tóxicos SAIS DE ALCALÓIDES, ALCATRÕES LÍQUIDOS, inclusive asfalto, óleos, betumes e cutbacks rodoviários ÁLCOOIS, N.E ÁLCOOIS, TÓXICOS, N.E ÁLCOOL ALÍLICO I 5 ÁLCOOL(IS) AMÍLICO(S) Álcool(is) amílico(s) terciário(s) (ver Álcoois amílicos) 33 ALCOOLATOS DE METAIS ALCALINOS, N.E ALCOOLATOS DE METAIS ALCALINO-TERROSOS, N.E Álcool(is) butílico(s) (ver Butanóis) Álcool de madeira (ver Metanol) Álcool desnaturado (ver Álcoois, n.e. / Álcoois, tóxicos, n.e.) Álcool etílico (ver Etanol) ÁLCOOL FURFURÍLICO III 100 Dez/94 4 (continua)

5 Álcool industrial (ver Álcoois, n.e. / Álcoois, tóxicos, n.e.) Álcool isobutílico (ver Isobutanol) Álcool isopropílico (ver Isopropanol) ÁLCOOL METALÍLICO III 500 Álcool metilamílico (ver Metilisobutilcarbinol) ÁLCOOL alfa-metilbenzílico III 100 Álcool metílico (ver Metanol) Álcool propílico normal (ver n-propanol) Aldeído acético (ver Acetaldeído) Aldeído acrílico (ver Acroleína, inibida) Aldeído amílico (ver Aldeído valérico) Aldeído butírico (ver Butiraldeído) Aldeído crotônico (ver Crotonaldeído, estabilizado) Aldeído fórmico (ver Formaldeído) Aldeído isobutílico (ver Isobutiraldeído) ALDEÍDO METACRÍLICO II 100 ALDEÍDOS, N.E ALDEÍDOS OCTÍLICOS, inflamáveis III 500 ALDEÍDOS, TÓXICOS, N.E ALDEÍDO VALÉRICO II 333 ALDOL II 50 Aldoxima (ver Acetaldeído oxima) Aleno (ver Propadieno, inibido) Alfa-iodotolueno (ver Iodeto de benzila) Algodão-colódio (ver Nitrocelulose) ALGODÃO, RESÍDUOS OLEOSOS III ALGODÃO, ÚMIDO III ALILAMINA I 5 ALILTRICLOROSSILANO, ESTABILIZADO X839 II 100 ALQUILAMINAS, N.E., ou POLIALQUILAMINAS, N.E., corrosivas 112 ALQUILAMINAS, N.E., ou POLIALQUILAMINAS, N.E., corrosivas, inflamáveis 130 ALQUILAMINAS, N.E., ou POLIALQUILAMINAS, N.E., inflamáveis, corrosivas 129 ALQUIL FENÓIS, LÍQUIDOS, N.E. (incluindo os homólogos III 100 C2-C8) ALQUIL FENÓIS, SÓLIDOS, N.E. (incluindo os homólogos III 100 C2-C8) Alquil-lítio (ver Lítio-Alquilas) ALQUIL METAIS, N.E., ou ARIL METAIS, N.E X333 I zero ALUMINATO DE SÓDIO, SÓLIDO III 106 ALUMINATO DE SÓDIO, SOLUÇÃO ALUMINIOALQUILAS X333 I zero ALUMÍNIO, EM PÓ, NÃO-REVESTIDO ALUMÍNIO, EM PÓ, REVESTIDO ALUMÍNIO-FERRO-SILÍCIO, EM PÓ II 333 ALUMÍNIO-SILÍCIO, EM PÓ, NÃO-REVESTIDO III Dez/94 5 (continua)

6 Aluminiotrietila (ver Aluminioalquilas) Aluminiotrimetila (ver Aluminioalquilas) AMÁLGAMAS DE METAIS ALCALINOS X423 I AMÁLGAMAS DE METAIS ALCALINO-TERROSOS X423 I Amatóis (ver Explosivos de demolição, tipo B,1.1D) AMIANTO AZUL (crocidolita) ou AMIANTO MARROM (amosita, II misorita) AMIANTO BRANCO, (crisotila, actinólito, antofilita, tremolita) III AMIDAS DE METAIS ALCALINOS II zero 182 AMILAMINA II 100 n-amileno I 333 AMILMERCAPTANA II 333 AMILMETILCETONA III 500 AMILTRICLOROSSILANO X80 II 100 Aminobenzeno (ver Anilina) Aminobutano (ver n-butilamina) 2-AMINO-4-CLOROFENOL II 50 2-AMINO-5-DIETILAMINOPENTANO III 100 Amino dimetil benzenos (ver Xilidinas) 1-Aminoetanol (ver Acetaldeído amônia) N-AMINOETILPIPERAZINA III (2-AMINOETÓXI) ETANOL III 500 p-aminofenilarsonato de sódio (ver Arsanilato de sódio) AMINOFENÓIS (o-,m-,p-) III Amino-2-nitrobenzeno (ver Nitroanilinas) 1-Amino-3-nitrobenzeno (ver Nitroanilinas) 1-Amino-4-nitrobenzeno (ver Nitroanilinas) AMINOPIRIDINAS (o-,m-,p-) II 50 3-Aminopropileno (ver Alilamina) AMÔNIA, ANIDRA, LIQUEFEITA, ou AMÔNIA EM SOLUÇÃO aquosa, com densidade relativa inferior a 0,880 a 15ºC, com mais de 50% de amônia AMÔNIA, SOLUÇÕES aquosas, com densidade relativa entre III 500 0,880 e 0,957 a 15ºC, com mais de 10% e até 35% de amônia AMÔNIA, SOLUÇÕES aquosas, com densidade relativa inferior a 0,880 a 15ºC, com mais de 35% e até 50% de amônia Amosita (ver Amianto azul ou Amianto marrom) ANIDRIDO ACÉTICO II 100 Anidrido arsênico (ver Pentóxido de arsênio) Anidrido arsenioso (ver Trióxido de arsênio) ANIDRIDO BUTÍRICO III 500 Anidrido carbônico (ver Dióxido de carbono) Anidrido crômico, sólido (ver Trióxido de cromo, anidro) Anidrido fosfórico (ver Pentóxido de fósforo) ANIDRIDO FTÁLICO, com mais de 0,05% de anidrido maléico III ANIDRIDO ISOBUTÍRICO III 500 ANIDRIDO MALÉICO III 500 ANIDRIDO PROPIÔNICO III 500 Dez/94 6 (continua)

7 Anidrido sulfúrico, inibido (ver Trióxido de enxofre, inibido) Anidrido sulfuroso, liquefeito (ver Dióxido de enxofre, liquefeito) ANIDRIDO(S) TETRA-HIDROFTÁLICO(S), com mais de 0,05% III de anidrido maléico 169 ANILINA II 50 Anilina arsonato de sódio (ver Arsanilato de sódio) ANISIDINAS III 100 ANISOL III 500 ANTIMÔNIO, COMPOSTOS INORGÂNICOS, LÍQUIDOS, N.E ANTIMÔNIO, COMPOSTOS INORGÂNICOS, SÓLIDOS, N.E ANTIMÔNIO, EM PÓ III 100 Antofilita (ver Amianto branco) Antu (ver Naftiltiouréia) AR COMPRIMIDO AR, LÍQUIDO REFRIGERADO ARGÔNIO, COMPRIMIDO ARGÔNIO, LÍQUIDO REFRIGERADO ARSANILATO DE SÓDIO III 100 ARSENIATO DE AMÔNIO II 50 ARSENIATO DE CÁLCIO II 50 ARSENIATO(S) DE CHUMBO II 50 ARSENIATO DE MAGNÉSIO II 50 ARSENIATO DE POTÁSSIO II 50 ARSENIATO DE SÓDIO II 50 ARSENIATO DE ZINCO, ARSENITO DE ZINCO ou MISTURAS II 50 DE ARSENIATO DE ZINCO E ARSENITO DE ZINCO ARSENIATO FÉRRICO II 50 ARSENIATO FERROSO II 50 ARSENIATO MERCÚRICO II 50 Arseniatos, n.e. (ver Arsênio, compostos líquidos, n.e., ou Arsênio, compostos sólidos, n.e.) Arsenieto de hidrogênio (ver Arsina) ARSÊNIO II 50 Arsênio branco (ver Trióxido de arsênio) ARSÊNIO, COMPOSTOS LÍQUIDOS, N.E., incluindo Arseniatos, n.e., Arsenitos, n.e., Sulfetos de arsênio, n.e. e Compostos orgânicos de arsênio, n.e ARSÊNIO, COMPOSTOS SÓLIDOS, N.E., incluindo Arseniatos, n.e., Arsenitos, n.e., Sulfetos de arsênio, n.e. e Compostos orgânicos de arsênio, n.e Arsênio, líquido, fumegante (ver Tricloreto de arsênio) ARSENITO(S) DE CHUMBO II 50 ARSENITO DE COBRE II 50 ARSENITO DE ESTRÔNCIO II 50 ARSENITO DE POTÁSSIO II 50 ARSENITO DE PRATA II 50 ARSENITO DE SÓDIO, SÓLIDO II Dez/94 7 (continua)

8 ARSENITO DE SÓDIO, SOLUÇÕES AQUOSAS Arsenito de zinco (ver Arseniato de zinco, arsenito de zinco ou misturas de arseniato de zinco e arsenito de zinco) ARSENITO FÉRRICO II 50 Arsenitos, n.e. (ver Arsênio, compostos líquidos, n.e., ou Arsênio, compostos sólidos, n.e.) ARSINA Artefatos acionáveis por água (ver Dispositivos acionáveis por água) ARTIGOS EXPLOSIVOS, EXTREMAMENTE INSENSÍVEIS N zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E S 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E B 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E C 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E D 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E G 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E L 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E L 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E L 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E C 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E D 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E E 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E F 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E C 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E D 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E E 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E F 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E C 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E E 178 zero ARTIGOS EXPLOSIVOS, N.E F 178 zero ARTIGOS PIROFÓRICOS L zero ARTIGOS PIROTÉCNICOS, para fins técnicos G 50 ARTIGOS PIROTÉCNICOS, para fins técnicos G 50 ARTIGOS PIROTÉCNICOS, para fins técnicos G 50 ARTIGOS PIROTÉCNICOS, para fins técnicos G 500 ARTIGOS PIROTÉCNICOS, para fins técnicos S 1000 ARTIGOS PRESSURIZADOS PNEUMÁTICOS ou HIDRÁULICOS (contendo gás não-inflamável) Asbesto (ver Amianto) Atoxil (ver Arsanilato de sódio) AZIDA DE BÁRIO, seca ou umedecida com menos de 50% de A 6.1 zero água, em massa AZIDA DE BÁRIO, UMEDECIDA com, no mínimo, 50% de água, I 5 em massa AZIDA DE CHUMBO, UMEDECIDA com, no mínimo, 20% de A 2 zero água, ou mistura de álcool e água, em massa AZIDA DE SÓDIO II 50 AZODICARBONAMIDA II Balistita (ver Pólvora sem fumaça) BÁRIO II 333 Dez/94 8 (continua)

9 BÁRIO, COMPOSTOS, N.E BATERIAS DE LÍTIO II BATERIAS DE LÍTIO, CONTIDAS EM EQUIPAMENTOS II BATERIAS ELÉTRICAS, SECAS, CONTENDO HIDRÓXIDO DE III 500 POTÁSSIO SÓLIDO BATERIAS ELÉTRICAS, ÚMIDAS, À PROVA DE RESPINGOS III BATERIAS ELÉTRICAS, ÚMIDAS, CONTENDO SOLUÇÕES III 500 ÁCIDAS BATERIAS ELÉTRICAS, ÚMIDAS, CONTENDO SOLUÇÕES III 500 ALCALINAS Baterias, fluido (ver Fluido para baterias) BEBIDAS ALCOÓLICAS BENZENO II 333 1,4-Benzenodiol (ver Hidroquinona) Benzenotiol (ver Fenilmercaptana) BENZIDINA II 50 BENZILDIMETILAMINA II 20 BENZOATO DE MERCÚRIO II 50 BENZOATO DE METILA III 100 Benzol (ver Benzeno) Benzoleno (ver Éter de Petróleo) BENZONITRILA II 50 BENZOQUINONA II 50 Benzossulfocloreto (ver Cloreto de benzeno-sulfonila) BERÍLIO, COMPOSTOS, N.E BERÍLIO, EM PÓ II 50 Bicloreto de enxofre (ver Cloretos de enxofre) X886 Bicloreto de mercúrio (ver Cloreto mercúrico) Bicromato de amônio (ver Dicromato de amônio) BIFENILAS POLICLORADAS II zero BIFENILAS POLI-HALOGENADAS, LÍQUIDAS ou TERFENILAS 3151 II 203 zero POLI-HALOGENADAS, LÍQUIDAS BIFENILAS POLI-HALOGENADAS, SÓLIDAS, ou TERFENILAS II 203 zero POLI-HALOGENADAS, SÓLIDAS BIFLUORETO DE AMÔNIO, SÓLIDO II 100 BIFLUORETO DE AMÔNIO, SOLUÇÃO BIFLUORETO DE POTÁSSIO II 100 BIFLUORETO DE SÓDIO II 100 BIFLUORETOS, N.E Bióxido de bário (ver Peróxido de bário) Bióxido de sódio (ver Peróxido de sódio) BISSULFATO DE AMÔNIO II 100 BISSULFATO DE POTÁSSIO II 100 BISSULFATO DE SÓDIO, SOLUÇÃO Bissulfato mercuroso (ver Sulfato de mercúrio) Bissulfeto de carbono (ver Dissulfeto de carbono) Dez/94 9 (continua)

10 Bissulfito de amônio, soluções (ver Bissulfitos inorgânicos, soluções aquosas, n.e.) Bissulfito de cálcio, soluções (ver Bissulfitos inorgânicos, soluções aquosas, n.e.) Bissulfito de magnésio, soluções (ver Bissulfitos inorgânicos, soluções aquosas, n.e.) Bissulfito de potássio, soluções (ver Bissulfitos inorgânicos, soluões aquosas, n.e.) Bissulfito de sódio, soluções (ver Bissulfitos inorgânicos, soluções aquosas,n.e.) Bissulfito de zinco, soluções (ver Bissulfitos inorgânicos, soluções aquosas, n.e.) BISSULFITOS INORGÂNICOS, SOLUÇÕES AQUOSAS, N.E III 500 BOMBAS com carga de ruptura F 50 BOMBAS com carga de ruptura D 50 BOMBAS com carga de ruptura D 50 BOMBAS com carga de ruptura F 50 BOMBAS COM LÍQUIDO INFLAMÁVEL, com carga de ruptura J 50 BOMBAS COM LÍQUIDO INFLAMÁVEL, com carga de ruptura J 50 BOMBAS FOTO-ILUMINANTES F 50 BOMBAS FOTO-ILUMINANTES D 50 BOMBAS FOTO-ILUMINANTES G 50 BOMBAS FOTO-ILUMINANTES G 50 BOMBAS, FUMÍGENAS, NÃO-EXPLOSIVAS, com líquido II 100 corrosivo, sem dispositivo iniciador BORATO DE ETILA II 333 BORATO DE TRIALILA III 100 Borato de trietila (ver Borato de etila) BORATO DE TRIISOPROPILA BORATO DE TRIMETILA II 333 BORNEOL III 333 BORO-HIDRETO DE ALUMÍNIO ou DISPOSITIVOS DE BORO X333 I 78 zero HIDRETO DE ALUMÍNIO BORO-HIDRETO DE LÍTIO I 5 BORO-HIDRETO DE POTÁSSIO I 5 BORO-HIDRETO DE SÓDIO I 5 BORRACHA, EM SOLUÇÃO BORRACHA, RASPAS, APARAS ou REFUGOS, em pó ou em II 1000 grãos de até 840 micra, contendo mais de 45% de borracha Borras ácidas (ver Lamas ácidas) BROMATO DE BÁRIO II 100 BROMATO DE MAGNÉSIO II 100 BROMATO DE POTÁSSIO II 100 BROMATO DE SÓDIO II 100 BROMATO DE ZINCO III 500 BROMATOS INORGÂNICOS, N.E II 100 BROMATOS INORGÂNICOS, SOLUÇÕES AQUOSAS, N.E II 100 BROMETO DE ACETILA II 100 BROMETO DE ALILA I 5 BROMETO DE ALUMÍNIO, ANIDRO II 20 BROMETO DE ALUMÍNIO, SOLUÇÃO III BROMETO DE ARSÊNIO II 50 Dez/94 10 (continua)

11 BROMETO DE BENZILA II 50 BROMETO DE BROMOACETILA X80 II 100 BROMETO DE n-butila II 333 BROMETO DE CIANOGÊNIO I 5 BROMETO DE DIFENILMETILA II 100 BROMETO DE ETILA II 50 BROMETO DE FENACILA II 50 Brometo de fósforo (ver Tribrometo de fósforo) BROMETO DE HIDROGÊNIO, ANIDRO Brometo de isopropila (ver 2-Bromopropano) BROMETO(S) DE MERCÚRIO II 50 BROMETO DE METILA Brometo de metilbenzila (ver Brometo de xilila) Brometo de metileno (ver Dibromometano) BROMETO DE METILMAGNÉSIO EM ÉTER ETÍLICO X323 I zero Brometo de nitrobenzeno (ver Nitrobromobenzeno) BROMETO DE VINILA, INIBIDO BROMETO DE XILILA II 50 BROMO ou SOLUÇÕES DE BROMO I 20 ômega-bromoacetofenona (ver Brometo de fenacila) BROMOACETONA II 50 BROMOBENZENO III 500 Bromobutano (ver Brometo de n-butila) 2-BROMOBUTANO II 333 Bromoclorodifluormetano (ver Clorodifluorbromometano) BROMOCLOROMETANO III 50 1-Bromo-2,3-epoxipropano (ver Epibromidrina) Bromoetano (ver Brometo de etila) BROMOFÓRMIO III 100 Bromometano (ver Brometo de metila) 1-BROMO-3-METILBUTANO III 500 BROMOMETILPROPANOS BROMO-2-NITROPROPANO-1,3-DIOL III BROMOPENTANO II BROMOPROPANO II BROMOPROPINO II 333 BROMOTRIFLUORETILENO BROMOTRIFLUORMETANO BRUCINA I 43 5 BUTADIENOS, INIBIDOS BUTANO ou MISTURAS DE BUTANO BUTANODIONA BUTANÓIS Butanol (ver Butanóis) Butan-2-ol (ver Butanóis) Butanol secundário (ver Butanóis) Butanol terciário (ver Butanóis) 33 Butanona (ver Etilmetilcetona) Butano-1-tiol (ver Butilmercaptana) 2-Butenal (ver Crotonaldeído, estabilizado) Dez/94 11 (continua)

12 BUTENO Buten-1-ol (ver Álcool metalílico) But-1-en-3-ona (ver Metilvinilcetona) n-butilamina II 100 N-BUTILANILINA II 50 s-butilbenzeno (ver Butilbenzenos) BUTILBENZENOS III 500 Butilclorossilano (ver Butiltriclorossilano) Butileno (ver Buteno) BUTILFENÓIS, LÍQUIDOS III 100 BUTILFENÓIS, SÓLIDOS III 100 N,n-BUTILIMIDAZOL II 50 BUTILMERCAPTANA II 333 n-butilpropionato (ver Propionato de butila) p-t-butiltolueno (ver Butiltoluenos) BUTILTOLUENOS III 100 BUTILTRICLOROSSILANO X83 II t-BUTIL-2,4,6-TRINITRO-m-XILENO III Butino (ver Etilacetileno, inibido) 1,4-BUTINODIOL III Butino-1,4-diol (ver 1,4-Butinodiol) BUTIRALDEÍDO II 333 BUTIRALDOXIMA III 1000 BUTIRATO(S) DE AMILA III 500 BUTIRATO DE ETILA II 500 BUTIRATO DE ISOPROPILA III 333 BUTIRATO DE METILA II 333 BUTIRATO DE VINILA, INIBIDO II 333 Butirona (ver Dipropilcetona) BUTIRONITRILA II 100 BUTOXIL III 500 CACODILATO DE SÓDIO II 50 CADEIRA DE RODAS, ELÉTRICA, com baterias CÁDMIO, COMPOSTOS Cafeína (ver Alcalóides, sólidos, n.e., ou sais de alcalóides, sólidos, n.e., tóxicos) Cajeputeno (ver Dipenteno) CÁLCIO II 333 CÁLCIO-MANGANÊS-SILÍCIO III 1000 CÁLCIO, PIROFÓRICO ou LIGAS DE CÁLCIO, PIROFÓRICAS I zero Cálcio-silício (ver Silicieto de cálcio) Calicidas, à base de nitrocelulose (ver Fibras ou tecidos, impregnados com nitrocelulose fracamente nitrada, n.e.) CAL SODADA, com mais de 4% de hidróxido de sódio III Canfanona (ver Cânfora, sintética) CÂNFORA, sintética III 333 CANHÕES PARA JATO-PERFURAÇÃO em poços de petróleo, CARREGADOS, sem detonador D 50 Dez/94 12 (continua)

13 CANHÕES PARA JATO-PERFURAÇÃO em poços de petróleo, D 500 CARREGADOS, sem detonador CARBONATO DE DIETILA III 500 CARBONATO DE DIMETILA II 333 CARBURETO DE ALUMÍNIO II 333 CARBURETO DE CÁLCIO II 333 CARGAS DE DEMOLIÇÃO D 50 Cargas de hidrocarbonetos gasosos, para pequenos recipientes (ver Dispositivos pequenos, acionados por hidrocarbonetos gasosos) CARGAS DE PROFUNDIDADE D 50 CARGAS DE RUPTURA, COM AGLUTINANTE PLÁSTICO D 50 CARGAS DE RUPTURA, COM AGLUTINANTE PLÁSTICO D 50 CARGAS DE RUPTURA, COM AGLUTINANTE PLÁSTICO D 500 CARGAS DE RUPTURA, COM AGLUTINANTE PLÁSTICO S 1000 CARGAS EXPLOSIVAS, COMERCIAIS, sem detonador D 50 CARGAS EXPLOSIVAS, COMERCIAIS, sem detonador D 50 CARGAS EXPLOSIVAS, COMERCIAIS, sem detonador D 500 CARGAS EXPLOSIVAS, COMERCIAIS, sem detonador S 1000 CARGAS MOLDADAS, COMERCIAIS, sem detonador D 50 CARGAS MOLDADAS, COMERCIAIS, sem detonador D 50 CARGAS MOLDADAS, COMERCIAIS, sem detonador D 500 CARGAS MOLDADAS, COMERCIAIS, sem detonador S 1000 CARGAS MOLDADAS, FLEXÍVEIS, LINEARES D 500 CARGAS MOLDADAS, FLEXÍVEIS, LINEARES D 50 CARGAS PARA EXTINTOR DE INCÊNDIO, líquidas, corrosivas II 100 CARGAS PROPELENTES C 50 CARGAS PROPELENTES C 50 CARGAS PROPELENTES C 50 CARGAS PROPELENTES C 500 CARGAS PROPELENTES, PARA CANHÃO C 50 CARGAS PROPELENTES, PARA CANHÃO C 50 CARGAS PROPELENTES, PARA CANHÃO C 50 CARGAS SUPLEMENTARES, EXPLOSIVAS D 50 Cartuchos, estojos vazios, com iniciador (ver Estojos de cartuchos,vazios, com iniciador) Cartuchos explosivos (ver Cargas de demolição) CARTUCHOS ILUMINANTES G 50 CARTUCHOS ILUMINANTES G 50 Cartuchos, iluminantes (ver também Munição iluminante) CARTUCHOS PARA ARMAS, com carga de ruptura F 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, com carga de ruptura E 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, com carga de ruptura F 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, com carga de ruptura E 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, com carga de ruptura F 500 CARTUCHOS PARA ARMAS, com carga de ruptura E 500 CARTUCHOS PARA ARMAS, FESTIM C 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, FESTIM C 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, FESTIM ou CARTUCHOS PARA ARMAS PORTÁTEIS, FESTIM S 1000 Dez/94 13 (continua)

14 CARTUCHOS PARA ARMAS, FESTIM ou CARTUCHOS PARA C 50 ARMAS PORTÁTEIS, FESTIM CARTUCHOS PARA ARMAS, FESTIM ou CARTUCHOS PARA C 500 ARMAS PORTÁTEIS, FESTIM CARTUCHOS PARA ARMAS, PROJÉTEIS INERTES C 50 CARTUCHOS PARA ARMAS, PROJÉTEIS INERTES ou S 1000 CARTUCHOS PARA ARMAS PORTÁTEIS CARTUCHOS PARA ARMAS, PROJÉTEIS INERTES ou C 500 CARTUCHOS PARA ARMAS PORTÁTEIS CARTUCHOS PARA ARMAS, PROJÉTEIS INERTES ou C 50 CARTUCHOS PARA ARMAS PORTÁTEIS CARTUCHOS PARA DISPOSITIVO MECÂNICO C 50 CARTUCHOS PARA DISPOSITIVO MECÂNICO C 500 CARTUCHOS PARA DISPOSITIVO MECÂNICO S 1000 CARTUCHOS PARA DISPOSITIVO MECÂNICO C 50 CARTUCHOS PARA POÇOS DE PETRÓLEO C 50 CARTUCHOS PARA POÇOS DE PETRÓLEO C 500 CARTUCHOS PARA SINALIZAÇÃO G 50 CARTUCHOS PARA SINALIZAÇÃO G 500 CARTUCHOS PARA SINALIZAÇÃO S 1000 CATALISADOR METÁLICO, SECO zero 200 CATALISADOR METÁLICO UMEDECIDO, com visível excesso II de líquido CARVÃO ATIVADO III CARVÃO, de origem animal ou vegetal Carvão, óleos (ver Destilados de alcatrão de hulha, inflamáveis) CELULÓIDE, em blocos, barras, cilindros, folhas, tubos etc., III exceto refugos CELULÓIDE, REFUGOS III CÉRIO, aparas de torneamento ou pó de granulação grossa II 333 CÉRIO, chapas, lingotes ou barras II 50 CÉSIO X423 I 5 CETONAS, LÍQUIDAS, N.E CHUMBO, COMPOSTOS, SOLÚVEIS, N.E III Chumbo tetraetila (ver Misturas antidetonantes, para combustível para motores) Chumbo tetrametila (ver Misturas antidetonantes, para combustível para motores) CIANAMIDA CÁLCICA, contendo mais de 0,1% de carbureto de III 38 zero cálcio CIANETO DE BÁRIO I 5 Cianeto de benzila (ver Fenilacetonitrila, líquida) CIANETO(S) DE BROMOBENZILA I CIANETO DE CÁLCIO I 5 CIANETO DE CHUMBO II 50 Cianeto de clorometila (ver Cloroacetonitrila) CIANETO DE COBRE II 50 Cianeto de fenila (ver Benzonitrila) Dez/94 14 (continua)

15 Cianeto de hidrogênio (ver Ácido cianídrico) CIANETO DE MERCÚRIO II 50 CIANETO DE METILA II 100 CIANETO DE NÍQUEL II 50 CIANETO DE POTÁSSIO I 5 CIANETO DE PRATA II 50 CIANETO DE SÓDIO I 5 Cianeto de tetrametileno (ver Adiponitrila) CIANETO DE ZINCO I 5 CIANETO DUPLO DE MERCÚRIO E POTÁSSIO I 5 CIANETOS INORGÂNICOS, N.E CIANETOS, SOLUÇÕES CIANOACETATO DE ETILA III 100 Cianoacetonitrila (ver Malononitrila) CIANOGÊNIO, LIQUEFEITO CICLOBUTANO ,5,9-CICLODODECATRIENO III 100 CICLO-HEPTANO II 333 CICLO-HEPTATRIENO II 100 CICLO-HEPTENO II 333 1,4-Ciclo-hexadienodiona (ver Benzoquinona) CICLO-HEXANO II 333 CICLO-HEXANONA III 500 Ciclo-hexanotiol (ver Ciclo-hexil mercaptana) CICLO-HEXENILTRICLOROSSILANO X80 II 100 CICLO-HEXENO II 333 CICLO-HEXILAMINA II 20 CICLO-HEXIL MERCAPTANA III 500 CICLO-HEXILTRICLOROSSILANO X80 II 100 Ciclonita (ver Ciclotrimetilenotrinitramina) CICLOOCTADIENOS III 500 CICLOOCTATETRAENO II 333 CICLOPENTANO II 333 CICLOPENTANOL III 500 CICLOPENTANONA III 500 CICLOPENTENO II 333 CICLOPROPANO, LIQUEFEITO CICLOTETRAMETILENO TETRANITRAMINA (HMX; OCTO D 2 5 GÊNIO), UMEDECIDA com, no mínimo, 15% de água, em massa CICLOTETRAMETILENO TETRANITRAMINA (OCTOGÊNIO; D 5 HMX), INSENSIBILIZADA CICLOTRIMETILENOTRINITRAMINA (CICLONITA; HEXOGÊ D 2 5 NIO; RDX) E CICLOTETRAMETILENOTETRANITRAMINA (HMX; OCTOGÊNIO), MISTURAS UMEDECIDAS com, no mínimo 15% de água, em massa, ou INSENSIBILIZADAS com, no mínimo, 10% de dessensibilizante, em massa CICLOTRIMETILENOTRINITRAMINA (CICLONITA; HEXOGÊ- NIO; RDX), INSENSIBILIZADA D 5 Dez/94 15 (continua)

16 CICLOTRIMETILENOTRINITRAMINA (CICLONITA; HEXOGÊ D 2 5 NIO; RDX), UMEDECIDA com, no mínimo, 15% de água, em massa CIMENOS III 500 Cimol (ver Cimenos) Cinameno (ver Estireno, monômero, inibido) Cinamol (ver Estireno, monômero, inibido) Cloracetaldeído (ver Cloroacetaldeído) CLORAL, ANIDRO, INIBIDO II 50 CLORATO DE BÁRIO II 100 CLORATO DE CÁLCIO II 100 CLORATO DE CÁLCIO, SOLUÇÃO AQUOSA II 100 CLORATO DE COBRE II 100 CLORATO DE ESTRÔNCIO II 100 CLORATO DE MAGNÉSIO II 100 CLORATO DE POTÁSSIO II 100 Clorato de potássio em mistura com óleo mineral (ver Explosivos de demolição, tipo C) CLORATO DE POTÁSSIO, SOLUÇÃO AQUOSA II 100 CLORATO DE SÓDIO II 100 Clorato de sódio em mistura com dinitrotolueno (ver Explosivos de demolição, tipo C) CLORATO DE SÓDIO, SOLUÇÃO AQUOSA II 100 CLORATO DE TÁLIO II 100 CLORATO DE ZINCO II 100 CLORATOS, INORGÂNICOS, N.E II 100 CLORATOS INORGÂNICOS, SOLUÇÕES AQUOSAS, N.E II 100 Cloreto antimonioso (ver Tricloreto de antimônio) Cloreto arsênico (ver Tricloreto de arsênio) Cloreto arsenioso (ver Tricloreto de arsênio) CLORETO CIANÚRICO III 500 CLORETO DE ACETILA X338 II 100 CLORETO DE ALILA I 5 CLORETO DE ALUMÍNIO, ANIDRO II 20 Cloreto de aluminiodietila (ver Haletos de aluminioalquilas) CLORETO DE ALUMÍNIO, SOLUÇÃO III CLORETO DE AMILA II 333 Cloreto de anilina (ver Cloridrato de anilina) CLORETO DE ANISOÍLA II 100 CLORETO DE BENZENO-SULFONILA III 500 CLORETO DE BENZILA II 50 CLORETO DE BENZILIDENO II 50 CLORETO DE BENZOÍLA II 100 CLORETO DE BROMO Cloreto de n-butila (ver Clorobutanos) CLORETO DE BUTIRILA II 100 Cloreto de carbonila (ver Fosgênio) Cloreto de chumbo, sólido (ver Chumbo, compostos solúveis, n.e.) CLORETO DE CIANOGÊNIO, INIBIDO Dez/94 16 (continua)

17 CLORETO DE CLOROACETILA X80 II 100 CLORETO(S) DE CLOROBENZILA III 100 Cloreto de p-clorobenzila (ver Cloreto de clorobenzila) CLORETO DE COBRE III 500 CLORETO DE DICLOROACETILA X80 II 100 Cloreto de dietilalumínio (ver Haletos de aluminioalquilas) CLORETO DE DIETILTIOFOSFORILA II 100 CLORETO DE DIMETILCARBAMILA (Cloreto de dimetilcarbamoíla) II 100 CLORETO DE DIMETILTIOFOSFORILA III 500 CLORETO(S) DE ENXOFRE I 20 Cloreto de estanho fumegante (ver Cloreto estânico, anidro) CLORETO DE ETILA Cloreto de etilalumínio (ver Haletos de aluminioalquilas) CLORETO DE FENILACETILA II 100 CLORETO DE FENILCARBILAMINA I 5 Cloreto de ferro (ver Cloreto férrico) CLORETO DE FOSFORILA II 100 Cloreto de fósforo (ver Tricloreto de fósforo) CLORETO DE FUMARILA II 100 CLORETO DE HIDROGÊNIO, ANIDRO CLORETO DE HIDROGÊNIO, LÍQUIDO REFRIGERADO CLORETO DE ISOBUTIRILA II 100 Cloreto de isopropila (ver 2-Cloropropano) CLORETO DE METANOSSULFONILA I 5 CLORETO DE METILA CLORETO DE METILALILA II 333 Cloreto de metileno (ver Diclorometano) CLORETO DE NITROSILA Cloreto de picrila (ver Trinitroclorobenzeno) CLORETO DE PIROSSULFURILA II 100 Cloreto de pivaloíla (ver Cloreto de trimetilacetila) CLORETO DE PROPILA II 333 CLORETO DE PROPIONILA II 100 Cloreto de silício (ver Tetracloreto de silício) CLORETO DE SULFURILA X88 I 20 CLORETO DE TIOFOSFORILA II 100 CLORETO DE TIONILA X88 I 20 CLORETO DE TRICLOROACETILA X80 II 100 CLORETO DE TRIFLUORACETILA CLORETO DE TRIMETILACETILA II 100 CLORETO DE VALERILA II 100 CLORETO DE VINILA, INIBIDO CLORETO DE VINILIDENO, INIBIDO I 333 CLORETO DE ZINCO, ANIDRO III 500 CLORETO DE ZINCO, SOLUÇÃO III CLORETO DUPLO DE MERCÚRIO E AMÔNIO II 50 CLORETO ESTÂNICO, ANIDRO II 100 CLORETO ESTÂNICO, PENTAIDRATADO III 500 CLORETO FÉRRICO III 500 CLORETO FÉRRICO, SOLUÇÃO III Dez/94 17 (continua)

18 Cloreto fosforoso (ver Tricloreto de fósforo) CLORETO MERCÚRICO II 50 CLORIDRATO DE ANILINA III 100 CLORIDRATO DE 4-CLORO-o-TOLUIDINA III 100 CLORIDRATO DE NICOTINA ou SOLUÇÃO DE CLORIDRATO II DE NICOTINA CLORITO DE CÁLCIO II 100 CLORITO DE SÓDIO II 100 CLORITO DE SÓDIO, SOLUÇÃO, com mais de 5% de cloro II CLORITOS, INORGÂNICOS, N.E II 100 CLORO CLOROACETALDEÍDO II 50 CLOROACETATO DE ETILA II 50 CLOROACETATO DE ISOPROPILA III 1000 CLOROACETATO DE METILA II 50 CLOROACETATO DE SÓDIO III 100 CLOROACETATO DE VINILA II 50 CLOROACETOFENONA II 50 CLOROACETONA, ESTABILIZADA II 50 CLOROACETONITRILA II 50 Cloroamílico (ver Cloreto de amila) CLOROANILINAS, LÍQUIDAS II 50 CLOROANILINAS, SÓLIDAS II 50 CLOROANISIDINAS III 100 CLOROBENZENO III 500 Clorobrometo de trimetileno (ver 1-Cloro-3-bromopropano) Clorobromometano (ver Bromoclorometano) 1-CLORO-3-BROMOPROPANO III Clorobutadieno-1,3, inibido (ver Cloropreno, inibido) 1-Clorobutano (ver Clorobutanos) 2-Clorobutano (ver Clorobutanos) CLOROBUTANOS II 333 Clorocarbonato de alila (ver Cloroformiato de alila) Clorocarbonato de benzila (ver Cloroformiato de benzila) Clorocarbonato de etila (ver Cloroformiato de etila) Clorocarbonato de metila (ver Cloroformiato de metila) CLOROCRESÓIS II 50 CLORODIFLUORBROMOMETANO ,1,1-Clorodifluoretano (ver Clorodifluoretanos) CLORODIFLUORETANOS (DIFLUORCLOROETANOS) CLORODIFLUORMETANO Cloro-1,2-diidroxipropano (ver Glicerol-alfa-monocloridrina) CLORODINITROBENZENOS II 50 Cloroetano (ver Cloreto de etila) 2-Cloroetanol (ver Etilenocloridrina) Cloroetanonitrila (ver Cloroacetonitrila) CLOROFENATOS, LÍQUIDOS III 500 CLOROFENATOS, SÓLIDOS III 500 CLOROFENILTRICLOROSSILANO X80 II 100 CLOROFENÓIS, LÍQUIDOS III 100 CLOROFENÓIS, SÓLIDOS III Dez/94 18 (continua)

19 CLOROFORMIATO DE ALILA I 100 CLOROFORMIATO DE BENZILA I 100 CLOROFORMIATO DE n-butila II 50 CLOROFORMIATO DE t-butilciclo-hexila III 100 CLOROFORMIATO DE CICLOBUTILA II 50 CLOROFORMIATO DE CLOROMETILA II 50 CLOROFORMIATO DE ETILA I 5 8 CLOROFORMIATO DE 2-ETIL-HEXILA II 50 CLOROFORMIATO DE FENILA II 50 CLOROFORMIATO DE ISOPROPILA II 5 CLOROFORMIATO DE METILA I 5 8 CLOROFORMIATO DE n-propila I 5 8 CLOROFORMIATOS, N.E., com PFg maior ou igual a 23 C II 50 CLOROFÓRMIO II 50 Clorometano (ver Cloreto de metila) 1-Cloro-3-metilbutano (ver Cloreto de amila) 2-Cloro-2-metilbutano (ver Cloreto de amila) 3-Cloro-4-metilfenilisocianato (ver Isocianato de 3-cloro-4- metilfenila) 3-Cloro-2-metilprop-1-eno (ver Cloreto de metilalila) CLORONITROANILINAS III 100 Cloronitrobenzenos (ver Nitrobenzenos clorados) CLOROPENTAFLUORETANO Cloropentano (ver Cloreto de amila) CLOROPICRINA I 5 2-CLOROPIRIDINA II 50 CLOROPRENO, INIBIDO I 5 2-CLOROPROPANO I Cloropropano-1-2-diol (ver Glicerol-alfa-monocloridrina) Cloropropanol (ver Propenocloridrina) 2-Cloro-1-propanol (ver Propenocloridrina) 3-CLOROPROPANOL III CLOROPROPENO I Cloropropeno (ver Cloreto de alila) 3-Cloroprop-1-eno (ver Cloreto de alila) 2-CLOROPROPIONATO DE METILA III 500 CLOROSSILANOS, N.E X80 II 100 CLOROSSILANOS, N.E., com PFg abaixo de 23 C X338 II 5 CLOROSSILANOS, N.E., com PFg igual ou superior a 23 C X83 II 100 CLOROSSILANOS, N.E., que em contato com água emitem X338 I zero gases inflamáveis 8 1-CLORO-1,2,2,2-TETRAFLUORETANO CLOROTIOFORMIATO DE ETILA II CLORO-2,2,2-TRIFLUORETANO Clorotrifluoreteno (ver Trifluorcloroeteno, inibido) Clorotrifluoretileno (ver Trifluorcloroeteno, inibido) CLOROTRIFLUORMETANO Coculus (ver Toxinas extraídas de fontes vivas, n.e.) Dez/94 19 (continua)

20 Combustível contendo M86 para aviação (ver Tanque de combustível de unidade de força hidráulica para aeronave) COMBUSTÍVEL PARA AVIÕES A TURBINA COMBUSTÍVEL PARA MOTORES, inclusive GASOLINA II 333 Composição B (ver Hexolita) COMPOSIÇÃO ILUMINANTE, EM PÓ G 5 COMPOSIÇÃO ILUMINANTE, EM PÓ G 20 COMPOSTOS ORGANOMETÁLICOS, PIROFÓRICOS, N.E X333 I zero COMPOSTOS, ou SOLUÇÕES, ou DISPERSÕES ORGANO zero METÁLICOS, QUE REAGEM COM ÁGUA, INFLAMÁVEIS, N.E COPRA III CORANTES, LÍQUIDOS, N.E., ou INTERMEDIÁRIOS PARA CORANTES, LÍQUIDOS, N.E., corrosivos 184 CORANTES, LÍQUIDOS, N.E., ou INTERMEDIÁRIOS PARA CORANTES, LÍQUIDOS, N.E., tóxicos CORANTES, SÓLIDOS, N.E., ou INTERMEDIÁRIOS PARA CORANTES, SÓLIDOS, N.E., corrosivos 184 CORANTES, SÓLIDOS, N.E., ou INTERMEDIÁRIOS PARA CORANTES. SÓLIDOS, N.E., tóxicos CORDEL ACENDEDOR G 500 CORDEL DETONANTE, flexível D 50 CORDEL DETONANTE, flexível D 500 CORDEL DETONANTE, com revestimento metálico D 50 CORDEL DETONANTE, com revestimento metálico D 50 CORDEL DETONANTE, DE EFEITO SUAVE, com revestimento D 500 metálico Cordite (ver Pólvora sem fumaça) CORTA-CABOS, EXPLOSIVOS S 1000 Creosoto (ver Líquido tóxico, n.e.) CRESÓIS (o-,m-,p-) II 50 CRIPTÔNIO, COMPRIMIDO CRIPTÔNIO, LÍQUIDO REFRIGERADO Crisotila (ver Amianto branco) Crocidolita (ver Amianto azul) CROTONALDEÍDO, ESTABILIZADO II 333 CROTONATO DE ETILA II 333 CROTONILENO I 333 Cumeno (ver Isopropilbenzeno) Cumol (ver Isopropilbenzeno) CUPROCIANETO DE POTÁSSIO II 50 CUPROCIANETO DE SÓDIO, SÓLIDO I 5 CUPROCIANETO DE SÓDIO, SOLUÇÃO I 5 Deanol (ver Dimetiletanolamina) DECABORANO II 50 DECA-HIDRONAFTALENO III 1000 Decalina (ver Deca-hidronaftaleno) n-decano III 500 Deflagrantes, sais metálicos de nitroderivados aromáticos (ver Sais metálicos deflagrantes) DESINFETANTES, CORROSIVOS, LÍQUIDOS, N.E Dez/94 20 (continua)

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 11

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 11 NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 11 AGENTES QUÍMICOS CUJA INSALUBRIDADE É CARACTERIZADA POR LIMITE DE TOLERÂNCIA E INSPEÇÃO NO LOCAL DE TRABALHO 1. Nas atividades ou operações nas quais

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS

COMISSÃO NACIONAL DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS COMISSÃO NACIONAL DO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS CNTMP/2007/6(Pc) 22.6.2007 (rev.).2.2 Quadro B: Índice alfabético das matérias e objectos O quadro B seguinte é uma lista alfabética das matérias

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

3.2.5 Relação Alfabética de Produtos Perigosos

3.2.5 Relação Alfabética de Produtos Perigosos 3.2.5 Relação Alfabética Produto Perigoo Nome e Decrição Clae Subidiário ACENDEDORES 0121 1.1G 20 zero P142 Embalagen e IBC Int. Intruçõe Tanque ACENDEDORES 0314 1.2G 20 zero P142 ACENDEDORES 0315 1.3G

Leia mais

BORRACHA NATURAL BORRACHA NITRÍLICA # QUÍMICO NEOPRENE PVA PVC. 1 1,1,1 Tricloro etano 2 1,2 Ácido etileno dicarboxílico

BORRACHA NATURAL BORRACHA NITRÍLICA # QUÍMICO NEOPRENE PVA PVC. 1 1,1,1 Tricloro etano 2 1,2 Ácido etileno dicarboxílico COMO UTILIZAR A TABELA QUÍMICA Localize o produto químico do qual você precisa de proteção. Siga a linha horizontal e selecione a coluna com o melhor desempenho nos testes. UTILIZE A LEGENDA VERDE: a luva

Leia mais

Tabela de Resistência Química de compostos de PVC

Tabela de Resistência Química de compostos de PVC Tabela de Resistência Química de compostos de VC ignificado dos símbolos que denotam o desempenho do composto: : Resistência química satisfatória; : Ataque ou absorção parcial. A resistência pode ser considerada

Leia mais

ANEXO I LISTA I ADENDO

ANEXO I LISTA I ADENDO ANEXO I LISTA I 1. ÁCIDO N-ACETILANTRANÍLICO (1) 2. ÁCIDO ANTRANÍLICO (1) 3. ÁCIDO FENILACÉTICO (1) 4. ÁCIDO LISÉRGICO 5. ANIDRIDO PROPIÔNICO 6. CLORETO DE ETILA 7. EFEDRINA (1) 8. ERGOMETRINA (1) 9. ERGOTAMINA

Leia mais

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS

Comissão Institucional de Resíduos Químicos e Biológicos TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS TABELAS DE INCOMPATIBILIDADES ENTRE ESPÉCIES QUÍMICAS Ácidos inorgânicos 1 1 Ácidos inorgânicos Ácidos orgânicos 2 X 2 Ácidos orgânicos Bases 3 X X 3 Bases Aminas 4 X X 4 Aminas Compostos halogenados 5

Leia mais

GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN

GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR DETECTOR DE GÁS MERIDIAN ÍNDICE GUIA DE ESPECIFICAÇÕES DO SENSOR MERIDIAN SENSORES PARA GASES COMBUSTÍVEIS 3 Sensor de gás combustível por oxidação catalítica 4 Fatores

Leia mais

Fibra de Carbono e NBR. Condições de Fornecimento: Norma atendida: ASTM F104 713130E43-M5. Temperatura Limite ( 0 C) Máxima: 400 / Normal: 240

Fibra de Carbono e NBR. Condições de Fornecimento: Norma atendida: ASTM F104 713130E43-M5. Temperatura Limite ( 0 C) Máxima: 400 / Normal: 240 D E IS E N T O S A M N I A O T NA1100 Fibra de Carbono e NBR descrição / Aplicações: NA1100 é um papelão hidráulico contendo fibra de carbono e grafite, cargas reforçantes e outros materiais ligados com

Leia mais

Descontaminação dos Equipamentos Envolvidos em Emergência Química

Descontaminação dos Equipamentos Envolvidos em Emergência Química Descontaminação dos Equipamentos Envolvidos em Emergência Química 1. Introdução Os técnicos envolvidos no atendimento a acidentes com produtos químicos podem se contaminar de diversas maneiras: através

Leia mais

Manual e regras básicas de segurança para os laboratórios de ensino do Curso de Engenharia Ambiental

Manual e regras básicas de segurança para os laboratórios de ensino do Curso de Engenharia Ambiental Manual e regras básicas de segurança para os laboratórios de ensino do Curso de Engenharia Ambiental Telefones de emergência: Bombeiros 193 ou 3711-2323 Vigilância 7618 ou 7400 SIS (Serviço Integrado de

Leia mais

Classifique seu Resíduo Laboratorial

Classifique seu Resíduo Laboratorial Normas para Coleta, Tratamento e Armazenagem de Resíduos Químicos da UFPR 1) Classifique o resíduo laboratorial de acordo com a Tabela 1. 2) As classes de resíduos químicos e os seus tratamentos estão

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA Manual Elaborado por: José Maurício M. Pires. Bacharel em Química pela UFV, Licenciado em Química pela Unifran. MSc em Geoquímica Ambiental

Leia mais

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Tabela de incompatibilidade entre produtos 2 Aplicação B - Programa de matérias 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS

IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS IT - 27 MEDIDAS DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS PERIGOSOS SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas ANEXO A - Tabela de incompatibilidade entre produtos B - Programa de matérias

Leia mais

Determinação de Fumos de Asfalto por Gravimetria NIOSH 5042:1998

Determinação de Fumos de Asfalto por Gravimetria NIOSH 5042:1998 ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SOLUTECH COMÉRCIO E SERVIÇOS DE ANÁLISES QUÍMICAS

Leia mais

TABELA DE RESISTÊNCIA QUÍMICA

TABELA DE RESISTÊNCIA QUÍMICA A Acetal Líquido incolor 1 1 1 1 1 - - - - 1 X - 1 - - - - - - 1 - Acetaldeído Líquido incolor 1 1 1 1 1 X 2 2 X 1 X X 1 2 X 1 1 1 1 1 1 Acetamida Líquido acima de 176ºF(80ºC) 1 1 2 1 2 2 - - - 2 X - 1

Leia mais

POLIETILENO ANTI-CHAMA

POLIETILENO ANTI-CHAMA POLIETILENO ANTI-CHAMA TUBO DE POLIETILENO ANTI-CHAMA MATERIAL Polietileno de baixa densidade auto-extinguível APLICAÇÕES Linhas para condução de gases e líquidos. Linhas que necessitam de materiais que

Leia mais

IVPU-Z IBIRÁ é fabricada em poliuretano com reforço de espiral em aço zincado. Possui alta flexibilidade, ótima resistância à abrasão.

IVPU-Z IBIRÁ é fabricada em poliuretano com reforço de espiral em aço zincado. Possui alta flexibilidade, ótima resistância à abrasão. VU-Z vácuo-ar 100% U Ficha Técnica Edição 00-08/05/015 VU-Z BRÁ VU-Z BRÁ Mangueira 100% U Descrição dos produtos Campos de Aplicação Dados do produto Metodologias Utilizadas: VU-Z BRÁ é fabricada em poliuretano

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP UFMG/PRA/DGA-PGRQ/AC 01/2014. Acondicionamento de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras.

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP UFMG/PRA/DGA-PGRQ/AC 01/2014. Acondicionamento de Resíduos Químicos das Unidades Geradoras. Página 2 de 18 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2 RESULTADOS ESPERADOS... 3 3 APLICAÇÃO E RESPONSABILIDADES... 3 4 RECURSOS NECESSÁRIOS... 4 5 DEFINIÇÕES... 4 6 PROCEDIMENTOS... 5 6.1 Procedimentos Gerais... 5

Leia mais

Papelões Hidráulicos NA1060 NA1092. NA1085 Tabela de Compatibilidade Química - Papelões Hidráulicos

Papelões Hidráulicos NA1060 NA1092. NA1085 Tabela de Compatibilidade Química - Papelões Hidráulicos Papelões Hidráulicos NA11 NA192 NA12 NA14 NA1M NA16 NA185 Tabela de Compatibilidade Química - Papelões Hidráulicos Os papelões hidráulicos são indicados para fabricação de juntas de vedação nos mais variados

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO ALVEOLAR

BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO ALVEOLAR BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO ALVEOLAR Apresentação Sobre Policarbonato Policarbonato é um termoplástico de engenharia muito conhecido por ser transparente como vidro e resistente como o aço, derivado

Leia mais

Mangueiras PVC Catálogo Técnico. A Tecnologia Européia

Mangueiras PVC Catálogo Técnico. A Tecnologia Européia Mangueiras PVC Catálogo Técnico A Tecnologia Européia Mangueiras de PVC Balflex Balflex Brasil Ltda É UMA EMPRESA CERTIFICADA NBR ISO 9001:2008 Certificações Balflex : Balflex Membro de : (P) PVC 2 Balflex

Leia mais

(Segregação, Armazenamento e Rotulagem)

(Segregação, Armazenamento e Rotulagem) 680È5,2 1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3. RESPONSABILIDADE 4. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 5. DEFINIÇÕES 6. CONDIÇÕES GERAIS PARA ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS 7. CONDIÇÕES GERAIS PARA SEGREGAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA

MANUAL DE CONDUTA EM LABORATÓRIO DE QUÍMICA E NORMAS DE SEGURANÇA Ciências Biológicas: Autorizado pela Portaria nº 23 de 10/01/2007 Mantida pela A.E.S.P. Av. Presidente Vargas, 725 Centro Tel.: (67)3437-3804 Ponta Porã MS Home Page: www.magsul-ms.com.br E-mail: magsul@terra.com.br

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DOS LABORATÓRIOS BÁSICOS E NORMAS DE BIOSSEGURANÇA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DOS LABORATÓRIOS BÁSICOS E NORMAS DE BIOSSEGURANÇA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DOS LABORATÓRIOS BÁSICOS E NORMAS DE BIOSSEGURANÇA 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 6 1. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS AULAS PRÁTICAS... 7 1.1 ORGANIZAÇÃO DOS MATERIAIS DAS AULAS...7 1.1.1

Leia mais

5 - Além da especificação do tipo de explosivo, também deve ser declarado o seu nome comum.

5 - Além da especificação do tipo de explosivo, também deve ser declarado o seu nome comum. 4.5 PROVISÕES ESPECIAIS 2 - Esta substância não deve ser transportada (exceto sob licença especial das autoridades competentes) quando o teor de álcool, água ou dessensibilizante for inferior ao especificado.

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA DO INSTITUTO DE QUÍMICA

MANUAL DE SEGURANÇA DO INSTITUTO DE QUÍMICA MANUAL DE SEGURANÇA DO INSTITUTO DE QUÍMICA O risco de acidentes é maior quando nos acostumamos a conviver com o perigo e passamos a ignorá-lo. A segurança em qualquer local está apoiada em cada um: você

Leia mais

EMERGÊNCIA EM LABORATÓRIO

EMERGÊNCIA EM LABORATÓRIO EMERGÊNCIA EM LABORATÓRIO REGRAS BÁSICAS EM CASO DE INCÊNDIO NO LABORATÓRIO: - Quando o fogo irromper em um béquer ou balão de reação, basta tapar o frasco com uma rolha, toalha ou vidro de relógio, de

Leia mais

Dispensette S NOVO! Dispensador para frascos. A nova geração! n Novo tubo de dosificação. n Novo sistema de válvulas. n Iniciação rápida

Dispensette S NOVO! Dispensador para frascos. A nova geração! n Novo tubo de dosificação. n Novo sistema de válvulas. n Iniciação rápida A nova geração! Dispensette S Dispensador para frascos F I R S T C L A S S B R A N D Idéias inovadoras com tecnologia reconhecida o novo dispensador para frascos. n Novo tubo de dosificação com ou sem

Leia mais

ALUMELT Indústria de Metais Ltda.

ALUMELT Indústria de Metais Ltda. Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Pó de alumínio atomizado. Código interno de identificação do produto: ALU-100 / ALU-102 / ALU- 203 / ALU-300 Nome da empresa: Alumelt

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) Alternativa correta: A 5 4 3 2 1 CH 3 CH 2 CH CH CH 2 OH CH 3 CH 3 metil metil 02) Alternativa correta: D 8 7 6 5 4 3 2 1 CH 3 C = CH CH 2 CH 2 CH CH 2 CH 2 OH CH

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Propor e explicar procedimentos padrão

Leia mais

Decreto-Lei nº 127/2013 de 30-08-2013. ANEXO I - Categorias de atividades industriais e agropecuárias a que se refere o Capítulo II

Decreto-Lei nº 127/2013 de 30-08-2013. ANEXO I - Categorias de atividades industriais e agropecuárias a que se refere o Capítulo II Decreto-Lei nº 127/2013 de 30-08-2013 ANEXO I - Categorias de atividades industriais e agropecuárias a que se refere o Capítulo II Os limiares estabelecidos neste anexo referem-se, regra geral, à capacidade

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio Antônio

Leia mais

1. A melhor maneira de separar os componentes da mistura de água e gasolina é: a) Destilação fracionada b) Evaporação c) Destilação simples

1. A melhor maneira de separar os componentes da mistura de água e gasolina é: a) Destilação fracionada b) Evaporação c) Destilação simples 1º ANO ABC 1. A melhor maneira de separar os componentes da mistura de água e gasolina é: a) Destilação fracionada b) Evaporação c) Destilação simples d) Decantação e) Filtração da água 2. Explique um

Leia mais

Compostos Halogenados

Compostos Halogenados CLÉGI ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSIN MÉDI REPSIÇÃ DAS AULAS D DIA 03/07/2012 DAS 3 ª SÉRIES: A, B, C. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química Compostos Halogenados São compostos que apresentam

Leia mais

NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS

NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PREFEITURA DO CAMPUS DIVISÃO AMBIENTAL COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NORMA COGERE - RQ01/2007 ROTULAGEM, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE RESÍDUOS QUÍMICOS 1. Classificação

Leia mais

TUBOS DE DETECÇÃO COLORIMÉTRICOS E BOMBA KWIK-DRAW

TUBOS DE DETECÇÃO COLORIMÉTRICOS E BOMBA KWIK-DRAW TUBOS DE DETECÇÃO COLORIMÉTRICOS E BOMBA KWIK-DRAW Características: Rápido e de fácil uso. Um método confiável de verificar a presença de mais de 150 tipos de gases e vapores. As bombas Kwik-Draw oferecem

Leia mais

SEDQ/CGPRE Setor de Repressão aos Desvios de Produtos Químicos. Insumos Químicos e Drogas Sintéticas

SEDQ/CGPRE Setor de Repressão aos Desvios de Produtos Químicos. Insumos Químicos e Drogas Sintéticas Insumos Químicos e Drogas Sintéticas Sumário 1- Conceitos Técnicos 1.1 - Ácidos e Bases 1.2 Solventes 2- Anfetamínicos 2.1 Metanfetamina 3- Ecstasy (Safrol) 4- LSD (Ergina) 1.1 Ácidos e Bases * A reação

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR

DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR 2009 DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS UFPR Regina Célia Zanelatto Divisão de Gestão Ambiental Prefeitura da Cidade Universitária Pró-Reitora de Administração DIAGNÓSTICO DE RESÍDUOS DA UFPR A Divisão de Gestão

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

Estocagem e Segurança

Estocagem e Segurança Estocagem e Segurança - Regras gerais - 1) Materiais devem ser protegidos contra furto ou roubo, contra a ação de perigos mecânicos e ameaças climáticas, bem como de animais daninhos; 2) O ambiente deve

Leia mais

Sistema globalmente harmonizado de classificação e rotulagem de produtos químicos (GHS)

Sistema globalmente harmonizado de classificação e rotulagem de produtos químicos (GHS) Sistema globalmente harmonizado de classificação e rotulagem de produtos químicos (GHS) (ANTT 420) Definição das classes de risco PROPORÇÃO ENTRE OS SÍMBOLOS A SEGUIR ESTÁ ALTERADA. 1 - Explosivos 2 -

Leia mais

ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO DEPARTAMENTO

ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO DEPARTAMENTO ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS QUÍMICOS UTILIZADOS NO DEPARTAMENTO Os produtos químicos manuseados tornam-se muitas vezes agentes de risco pela inexistência de condições de segurança, tais como,

Leia mais

Manual de Segurança do Laboratório de Química

Manual de Segurança do Laboratório de Química Manual de Segurança do Laboratório de Química Universidade Federal do Pampa Campus Caçapava do Sul 1 INTRODUÇÃO O Manual de Segurança do Laboratório de Química foi elaborado com o objetivo de fornecer

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

01) Considere as seguintes substâncias: e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico.

01) Considere as seguintes substâncias: e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico. 01) onsidere as seguintes substâncias: I) 3 e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico. B álcool. aldeído. II) III) IV) 3 3 3 D cetona. E éster. F éter. A opção que associa corretamente as substâncias

Leia mais

Pisos em Epóxi. Autonivelante ST multiuso. Descrição geral. Vantagens. Aplicações

Pisos em Epóxi. Autonivelante ST multiuso. Descrição geral. Vantagens. Aplicações Pisos em Epóxi Autonivelante ST multiuso Descrição geral Nossas soluções em epóxi 100% sólidos são excelentes alternativas para uso em áreas secas de processamento, onde a estética diferenciada é necessária.

Leia mais

CAPÍTULO 16 TABELA DE RESISTÊNCIA QUÍMICA DO PEAD

CAPÍTULO 16 TABELA DE RESISTÊNCIA QUÍMICA DO PEAD 170 CAPÍTULO 16 TABELA DE RESISTÊNCIA QUÍMICA DO PEAD CONVENÇÕES + = resistente Inchamento

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário II CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio

Leia mais

CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID GRUPO PRAZO DE ENTREGA CLASS FISCAL EX CV FD

CÓDIGO DESCRIÇÃO UNID GRUPO PRAZO DE ENTREGA CLASS FISCAL EX CV FD 1004000017 ACETATO DE CALCIO H2O PA 25G FR PRODUTOS PA 05 DIAS 2915.29.00 N N N 1004000018 ACETATO DE CALCIO H2O PA 500G FR PRODUTOS PA 05 DIAS 2915.29.00 N N N 1004000023 ACETATO DE CHUMBO II NEUTRO (3H2O)

Leia mais

MANUAL de SEGURANÇA. REGRAS BÁSICAS Em LABORATÓRIO

MANUAL de SEGURANÇA. REGRAS BÁSICAS Em LABORATÓRIO MANUAL de SEGURANÇA e REGRAS BÁSICAS Em LABORATÓRIO PRINCIPAIS REGRAS DE SEGURANÇA NOS LABORATÓRIOS 1. Usar sempre óculos de segurança no local de trabalho 2. Fornecer óculos de segurança a todos os visitantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - CFM PARTE 1 MANUAL DE REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA PARA LABORATÓRIOS DE QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - CFM PARTE 1 MANUAL DE REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA PARA LABORATÓRIOS DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA - CFM PARTE 1 MANUAL DE REGRAS BÁSICAS DE SEGURANÇA PARA LABORATÓRIOS DE QUÍMICA PARTE 2 RESÍDUOS QUÍMICOS: GERENCIAMENTO E PROCEDIMENTOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIA CÂMPUS DE JABOTICABAL PAULO ANTONIO TOSTA JOSE ROBERTO POLACHINI

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIA CÂMPUS DE JABOTICABAL PAULO ANTONIO TOSTA JOSE ROBERTO POLACHINI UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIA CÂMPUS DE JABOTICABAL PAULO ANTONIO TOSTA JOSE ROBERTO POLACHINI IDENTIFICAÇÃO E COMPREENSÃO DOS PICTOGRAMAS ROTULADOS NAS EMBALAGENS

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER

MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER MANUAL DE SEGURANÇA PARA ATIVIDADES NO LACER SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. SEGURANÇA III. PROCEDIMENTOS PARA DESCARTE DE RESÍDUOS GERADOS EM LABORATÓRIO IV. ALGUNS PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS I - INTRODUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 3.3 PROVISÕES ESPECIAIS APLICÁVEIS A CERTOS ARTIGOS OU SUBSTÂNCIAS

CAPÍTULO 3.3 PROVISÕES ESPECIAIS APLICÁVEIS A CERTOS ARTIGOS OU SUBSTÂNCIAS 466 CAPÍTULO 3.3 PROVISÕES ESPECIAIS APLICÁVEIS A CERTOS ARTIGOS OU SUBSTÂNCIAS 3.3.1 Quando a coluna 7 da Relação de Produtos Perigosos indicar que uma provisão especial é pertinente a uma substância

Leia mais

1º Workshop. Área de Produtos Perigosos. - Inmetro -

1º Workshop. Área de Produtos Perigosos. - Inmetro - 1º Workshop da Área de Produtos Perigosos - Inmetro - Estanislau Olszanski Filho SBI Sistema Brasileiro de Inspeção Ltda ABTLP / NTC - SP 14 e 15 de dezembro de 2004 RTQ 7 RTQ 32 RTQ 3 RTQ 7c Inspeção

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA PARA LABORATÓRIO (BPL) FÁBRICA DE QUEIJOS Fernando Rodrigues Parte I

MANUAL DE SEGURANÇA PARA LABORATÓRIO (BPL) FÁBRICA DE QUEIJOS Fernando Rodrigues Parte I MANUAL DE SEGURANÇA PARA LABORATÓRIO (BPL) FÁBRICA DE QUEIJOS Fernando Rodrigues Parte I 1. Objetivos 2. Princípios gerais 3. Saúde e higiene 4. Segurança básica 5. Manutenção das instalações e equipamentos

Leia mais

Absorventes para Líquidos Agressivos - LINHA VERDE São indicados para derramamentos e contenções de ácidos, bases, tóxicos e produtos desconhecidos.

Absorventes para Líquidos Agressivos - LINHA VERDE São indicados para derramamentos e contenções de ácidos, bases, tóxicos e produtos desconhecidos. Saiba mais sobre Absorventes Industriais Ambclean Para o melhor custo benefício, é muito importante a escolha correta dos absorventes industriais a serem utilizados em sua empresa. A escolha da linha de

Leia mais

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL "A gestão do resíduo constitui parte integrante do seu ciclo de vida, sendo da responsabilidade do respetivo produtor. (Decreto Lei n.º 178/2006 de 5

Leia mais

3.1 - ÁGUA PURIFICADA

3.1 - ÁGUA PURIFICADA ANEXO 3 INSUMOS INERTES 3.1 - ÁGUA PURIFICADA H 2 O;18 Água para preparação de medicamentos não estéreis. É obtida por destilação, troca iônica ou outro processo adequado que garanta as especificações

Leia mais

ENIO LOBO DESPACHANTE OFICIAL S.S.P. 2.801 Av. São João, 1113-3.º andar- Cj. 17 Centro - São Paulo - SP Cep: 01035-100 Tel.

ENIO LOBO DESPACHANTE OFICIAL S.S.P. 2.801 Av. São João, 1113-3.º andar- Cj. 17 Centro - São Paulo - SP Cep: 01035-100 Tel. RELAÇÃO DOS PRODUTOS CONTROLADOS Conforme exigências do Regulamento aprovado pelo Decreto Federal nº 3.665 de 20 de novembro de 2.000; Lei nº 10.357, de 27 de dezembro de 2.001 e Decreto Estadual No. 6.911,

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar:

Sobre as substâncias representadas pelas estruturas I e II, é INCORRETO afirmar: 8 GABARITO 1 1 O DIA 2 o PROCESSO SELETIVO/2005 QUÍMICA QUESTÕES DE 16 A 30 16. Devido à sua importância como catalisadores, haletos de boro (especialmente B 3 ) são produzidos na escala de toneladas por

Leia mais

INÁCIO AFONSO KROETZ

INÁCIO AFONSO KROETZ FOOD INTELLIGENCE Nome Empresarial: FOOD INTELLIGENCE CONSULTORIA EM ALIMENTOS S/S LTDA. CNPJ: 03.627.116/0001-43 Endereço: Rua Pássaro e Flores, nº. 141 Bairro: Brooklin CEP: 04704-000 Cidade: São Paulo-SP

Leia mais

Diagnóstico do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Distrito Federal - Uma Proposta Metodológica -

Diagnóstico do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Distrito Federal - Uma Proposta Metodológica - III Encontro da ANPPAS 23 a 26 de maio de 2006 Brasília-DF Diagnóstico do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Distrito Federal - Uma Proposta Metodológica - David Rodrigues dos Santos - Corpo

Leia mais

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Paulo Migoto

FUNÇÕES INORGÂNICAS. Ácido, Base, Sal e Óxido. Paulo Migoto FUNÇÕES INORGÂNICAS Ácido, Base, Sal e Óxido Paulo Migoto Caderno II Frente II ÁCIDOS E BASES (HIDRÓXIDOS) Aulas 10 a 12 Paulo Migoto Funções químicas Função química corresponde a um conjunto de substâncias

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS RELATÓRIO TÉCNICO DE CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1 / 15 I - INTRODUÇÃO: Empresa Responsável : PROJECONTROL Consultoria Empresarial e Serviços Ltda. Rua Princesa Isabel, nº 94-11 o Andar conjunto

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Tubo PA Advanced Uma excelente alternativa para o Poliamida Semi-Rigida

Tubo PA Advanced Uma excelente alternativa para o Poliamida Semi-Rigida Tubo PA Advanced Uma excelente alternativa para o Poliamida Semi-Rigida aerospace climate control electromechanical filtration fluid & gas handling hydraulics pneumatics process control sealing & shielding

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL - CEP CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS NO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Vanessa Tressoldi Schneider Lajeado, novembro de

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

Válvulas Globo de Pistão KLINGER

Válvulas Globo de Pistão KLINGER Catálogo Válvulas Globo de Pistão KLINGER 1. Introdução 2. Introdução. Válvula de Pistão KVMD e KVSD. Válvula de Pistão KVD 5. Válvula de Pistão KVN-LT. Vedação KXGT 7. Gráficos de Pressão/Temperatura

Leia mais

MERIDIAN DETECTOR DE GÁS UNIVERSAL

MERIDIAN DETECTOR DE GÁS UNIVERSAL MERIDIAN DETECTOR DE GÁS UNIVERSAL MERIDIAN: UM DETECTOR DE GÁS VERDADEIRAMENTE UNIVERSAL O termo universal é frequentemente empregado no setor para caracterizar detectores de gás que trabalham com gases

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVR QUÍMIA Resoluções das atividades Sumário apítulo Estudo das funções oxigenadas II Ácidos carboxílicos, aldeídos, ésteres e sais orgânicos... apítulo Estudo das funções oxigenadas III Anidridos de

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA Teoria Geral

QUÍMICA ORGÂNICA Teoria Geral QUÍMICA RGÂNICA Teoria Geral Tipos de Carbono Dependendo do número de ligações que o átomo de carbono faz com outros carbonos, podemos classificá-los como:! rimário: ligado diretamente a, no máximo, um

Leia mais

6 D.O.E.; Poder Executivo, Seção I, São Paulo, 113 (149), sábado, 9 de agosto de 2003

6 D.O.E.; Poder Executivo, Seção I, São Paulo, 113 (149), sábado, 9 de agosto de 2003 6 D.O.E.; Poder Executivo, Seção I, São Paulo, 113 (149), sábado, 9 de agosto de 2003 Departamento de Identificação e Registros Diversos / DIRD, de 2474/2003, de 05.08.2003, é determinado o Sobrestamento

Leia mais

Funções organometálicas:

Funções organometálicas: Funções organometálicas: 1- Para dar nome em compostos organometálicos, primeiramente coloca-se o nome do radical orgânico e em seguida o nome do metal: a) Metil sódio. b) Dimetil Zinco c) Butil lítio.

Leia mais

TURMA DOS 30 01. Considere a cadeia carbônica representada a seguir:

TURMA DOS 30 01. Considere a cadeia carbônica representada a seguir: 01. Considere a cadeia carbônica representada a seguir: 06. Considere as seguintes substâncias e suas fórmulas estruturais: I. Antídoto efetivo no envenenamento por arsênio: Os carbonos numerados classificam-se

Leia mais

Teoria de Arrhenius. Ácidos: definição e classificação

Teoria de Arrhenius. Ácidos: definição e classificação Química Teoria de Arrhenius Eletrólitos e não eletrólitos. Soluções eletrolíticas e não eletrolíticas. Ionização: formação de íons em uma solução devido à reação das moléculas de uma substância dissolvida

Leia mais

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool

Glicose. Frutose. Unidade 6 Açúcar e álcool Unidade 6 Açúcar e álcool Açúcares A sacarose é um dos açúcares presentes na canadeaçúcar. Junto com ele também são encontrados os açúcares glicose e frutose. A diferença é que a sacarose está presente

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE FÍSICA E QUÍMICA 1. INTRODUÇÃO As partes práticas das disciplinas química geral e Física I são executadas no laboratório e têm como finalidade desenvolver

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

Outras Reações na Química Orgânica

Outras Reações na Química Orgânica Outras Reações na Química Orgânica É fácil perceber que, de acordo com a sequência apresentada pelas duas últimas equações químicas, teremos: Também temos obtenção de moléculas maiores a partir de moléculas

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

INOVAÇÃO EM MANGUEIRAS INDUSTRIAIS

INOVAÇÃO EM MANGUEIRAS INDUSTRIAIS INOVAÇÃO EM MANGUEIRAS INDUSTRIAIS MANGUEIRAS INDUSTRIAIS SÃO NOSSO NEGÓCIO O DESENVOLVIMENTO, A PRODUÇÃO E AS VENDAS Reconhecida por seus clientes como uma fornecedora de soluções, a CSM conquistou a

Leia mais

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3)

química 2 Questão 37 Questão 38 Questão 39 alternativa C na alternativa B. Sabendo-se que a amônia (NH 3) química 2 Questão 37 Questão 38 abendo-se que a amônia (N 3) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (2 2) não possui isômeros. ua molécula apresenta polaridade,

Leia mais

Para facilitar o estudo da Química, as substâncias são divididas em grupos, chamados de funções químicas!!!!

Para facilitar o estudo da Química, as substâncias são divididas em grupos, chamados de funções químicas!!!! Para facilitar o estudo da Química, as substâncias são divididas em grupos, chamados de funções químicas!!!! As principais funções inorgânicas são: ácidos, bases, sais e óxidos. Ácidos Uma características

Leia mais

De onde vêm as lágrimas?

De onde vêm as lágrimas? De onde vêm as lágrimas? É toda substância que, em solução aquosa, sofre dissociação, liberado pelo menos um cátion diferente de H + e um ânion diferente de OH -. a) Presença de oxigênio b) Sal não oxigenado

Leia mais

Grupo de Ecofisiolgia e Melhoramento Florestal. Guia de Armazenamento de reagentes

Grupo de Ecofisiolgia e Melhoramento Florestal. Guia de Armazenamento de reagentes Grupo de Ecofisiolgia e Melhoramento Florestal Guia de Armazenamento de reagentes Índice 1. GUIA PARA O ARMAZENAMENTO SEGURO DE PRODUTOS QUÍMICOS 3 1.1. INTRODUÇÃO... 3 1.2. INVENTÁRIO... 3 1.3. VERIFICAÇÃO

Leia mais

Conteúdo: Substancias e misturas

Conteúdo: Substancias e misturas LISTA 1º. ANO - Substâncias Conteúdo: Substancias e misturas 1- Com relação ao número de fases, os sistemas podem ser classificados como homogêneos ou heterogêneos. As alternativas correlacionam adequadamente

Leia mais

DERAKANE Resinas Epóxi Éster Vinílicas. Manual de Engenharia e Resistência Química

DERAKANE Resinas Epóxi Éster Vinílicas. Manual de Engenharia e Resistência Química Resinas Epóxi Éster Vinílicas Manual de Engenharia e Resistência Química Resinas Epóxi Éster Vinílicas ONDE QUER QUE VOCÊ PRECISE DE PROTEÇÃO Formulário # 028-00100 Revisado em OUT/2002 Resinas Epóxi Éster

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 16 DE JULHO DE 2013. Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de controle da importação de

Leia mais

SEI Ensina - MILITAR Química

SEI Ensina - MILITAR Química SEI Ensina - MILITA Química Funções e Nomenclaturas e Química rgânica idrocarbonetos e Derivados alogenados Função aracterística Nomenclatura idrocarbonetos Somente átomos de arbono e idrogênio o Alcanos

Leia mais

3 Geração de efluentes da indústria petroquímica e processos convencionais de tratamento

3 Geração de efluentes da indústria petroquímica e processos convencionais de tratamento 3 Geração de efluentes da indústria petroquímica e processos convencionais de tratamento 3.1 Natureza dos processos petroquímicos Os processos petroquímicos consistem na obtenção de derivados químicos

Leia mais