Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio. Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio. Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98"

Transcrição

1 Determinação da entalpia de formação do sal: Cloreto de Amónio Rui Pedro Lousa das Neves Bioquimica Grupo 3 Coimbra 17 /3/98

2 Objectivos: O objectivo deste trabalho prático é determinação da entalpia de formação do sal: cloreto de amónio. Para avaliarmos a exactidão do trabalho realizado, vamos no final proceder á comparação dos resultados obtidos experimentalmente com os publicados na Journal of Chemical Education ). Cálculos: Preparação de Soluções Preparação de solução de ácido clorídrico M (HCl) = 36,5 g/mol 33 % (m / m) ρ = 1,90 g.cm -3 Concentração C pretendida = 1,5 M Volume v = 200 ml n = C. v n = 0,3 mol m = n. M m = 10,95 g massa c/ impurezas = m / grau de pureza = 33,18 g v = m / ρ = 27,8 ml Preparação de solução de amoníaco M ( NH 3 ) = 17,00 g/mol 24 % (m / m) ρ = 0,91 g.cm -3 Concentração C pretendida = 1,5 M Volume v = 200 ml n = C. v n = 0,3mol m = n. M m = 5,10 g massa c/ impurezas = m / grau de pureza = 21,25 g v = m / ρ = 23,4 ml

3 Massa de cloreto de amónio necessária para preparar 100 ml de solução a 0,75 M M (NH 4 Cl) = 53,5 g/mol Concentração C pretendida = 0,75 M Volume v = 100 ml n = C. v n = 0,075 mol m = n. M m = 5,0125 g Resultados: Determinação da capacidade calorífica e do calor específico do calorímetro 1º Ensaio 1º Ensaio 1º Ensaio Massas: massa calorímetro 118,246 g 118,246 g 118,246 g massa calorímetro + água fria 143,020 g 143,020 g 143,215 g massa calorímetro + água fria + água quente 167,990 g 167,490 g 167,675 g massa água fria 24,774 g 24,774 g 24,969 g massa água quente 24,97g 24,47 g 24,46 g Temperaturas: t água quente 50,0º C 50,0º C 50,0º C t água fria 19,5º C 19,5º C 19,5º C t água quente + fria 34,0º ; 33,5º 33,5º ; 33,5º 34,0º ; 33,5º 33,0º ; 33,0º 34,5º ; 33,0º 33,0º ; 33,0º Sabendo que o calor específico da água ( c ) é 1 cal e que: Q = m. c. T

4 Calor cedido pela água quente 1º Ensaio 2º Ensaio 3º Ensaio t média ( água quente + fria) = 33,6º C = 50,0 33,6 = 16,4º C Q = 24,97 x 1 x 16,4 = 410 cal t média ( água quente + fria) = 33,4º C = 50,0 33,4 = 16,6º C Q = 24,47 x 1 x 16,6 = 406 cal t média ( água quente + fria) = 33,4º C = 50,0 33,4 = 16,6º C Q = 24,46 x 1 x 16,6 = 407 cal Calor médio cedido pela água quente : ( ) / cal Calor absorvido pela água fria 1º Ensaio T tmédia ( água quente + fria) =33,6ºC = 33,6 19,5 = 14,1º C Q = 24,774 x 1 x 14,1 = 349 cal 2º Ensaio T média ( água quente + fria) =33,4º C = 33,4-19,5 = 13,9º C Q = 24,774 x 1 x 13,9 = 344 cal 3º Ensaio T média ( água quente + fria) =33,4º C = 33,4 19,5 = 13,9º C Q = 24,969 x 1 x 16,6 = 347 cal Calor médio absorvido pela água fria : ( ) / cal O calor cedido pela água quente vai ser igual à soma dos calores absorvidos pela água fria e pelo calorímetro: Q cedido = Q abs. água + Q abs. calorímetro Q abs. calorímetro = = 61 cal Calor específico do calorímetro Q = m. c. t = 33,5 19,5 = 14,0º C m = 118,246 g Q = 61 cal Q = m. c. T c = 61 / (118,246 x 14) c = 0,037 cal / g.ºc Capacidade calorífica do calorímetro m = 118,246 g c = 0,037 cal / g.ºc C = m.c C = m. c C = 118,246 x 0,037 C = 4,4 cal / ºC

5 Detreminação da entalpia da reação de neutalização 1º ensaio 2º ensaio Base Massas Massa calorímetro 118,670 g 111,473 g Massa calorímetro + base 167,596 g 161,035 g Temperaturas 20,0º ; 20,0 º ; 20,0º 20,0º ; 20,0º ; 20,0º 21,0º ; 21,0º ; 21,0º; 21,0º ; 21,5º ; 21,0º Ácido Massas Massa calorímetro 118, ,670 Massa calorímetro + ácido 169, ,365 Temperaturas 22,5º ; 22,5º ; 22,5º ; 22,5º ; 22,5º ; 22,5º 23,0º ; 22,5º ; 22,5º ; 23,0º ; 23,0º ; 23,0º Ácido + Base Massas Massa calorímetro 118,670 g 111,473 g Massa calorímetro + base + ácido 218,331 g 211,430 g Temperaturas Sabendo que: Temperatura constante: 26,0º Q reacção = Q abs. solução + Q abs. calorímetro Temperatura Constante: 28,0º (apenas nas 11ª e 14ª medições se registou: 28,5º ) Q abs. solução c água = 1, 00 cal/gºc t médio dos 2 ensaios= 5,38 ºC m solução média = 99,809 g Q = m. c. t Q solução = 536,47 cal Q abs. calorímetro c calorímetro = 0,037 cal/gºc t médio dos 2 ensaios= 5,38 ºC m calorímetro = 118,670 g Q = m. c. t Q calorímetro = 23,62 cal Q reacção = 560, 09 cal n = v. C n = 0,005 x 1,5 n = 0,075 mol 560, 09 H = - Q/n H = H = ,9 cal/mol 0,075

6 Determinação da entalpia da reacção de dissolução massa de sal medida : 4,013 1º ensaio 2º ensaio T água 21,0º ; 21,5º ; ; 21,5º 21,0º ; 21,0º ; ; 21,0º T água + sal 18,5º ; 18,5º ; 19,0º ; ; 19,0º 20,0º ; 19,5º ; ; 19,5º Sabendo que: Q reacção = Q abs. solução + Q abs. calorímetro c água = 1, 00 cal/gºc Q abs. solução t médio dos 2 ensaios= -2,5º C v solução = 100, 0 ml ρ solução ρ água 1, 00 g.cm -3 m solução média = ρ. v = 100,0 g Q = m. c. t Q solução = -250 cal c calorímetro = 0,037 cal/gºc Q abs. calorímetro t médio dos 2 ensaios= -2,5 ºC m calorímetro = 118,670 g Q = m. c. t Q calorímetro = -10,98 cal Q reacção = -260,98 cal - 260, 98 H = - Q/n H = H = 3479,7 cal/mol 0,075

7 Determinação da entalpia de formação do cloreto de amónio Para chegar à equação que traduz a reacção de formação deste sal de amónio, seguimos a seguinte sequência de equações: Formação de ácido clorídrico 1/2H 2 (g) + 1/2Cl 2 (g) HCl (g) HCl (g) + aq. HCl (aq) H º formação (HCl) = - 39, 47 kcal/mol Formação de amoníaco 1/2N 2 (g) + 3/2H 2 (g) NH 3 (g) NH 3 (g) + aq. NH 3 (aq) H º formação (NH 3 ) = - 19, 28 kcal/mol Neutralização NH 3 (aq) + HCl (aq) NH 4 Cl (aq) H = - 7,4679 Kcal/mol Cristalização NH 4 Cl (aq) NH 4 Cl (s) H = -3,4797 Kcal/mol Equação Final : 2H 2 (g) + 1/2Cl 2 (g) + 1/2N 2 (g) NH 4 Cl (s) Possuindo todas as entalpias necessárias basta-nos realizar a soma algébrica de todas elas sem, contudo esquecer a troca do sinal na entalpia da reacção de dissolução, pois se atentarmos nas reacções apresentadas acima, a equação 2. não corresponde à reacção de dissolução, mas sim à sua inversa. Deste modo, recorrendo à Lei de Hess, a entalpia de formação do cloreto de amónio será: H º formação = - 69, 70 kcal/mol Valor apresentado pelo Journal of Chemical Education : -75,38 Kcal / mol

8 Conclusão Ápós comparação do valor obtido com o apresentado pela Journal of Chemical Education podemos dizer que o resultado experimental deste trabalho é de certa forma satisfatório, apresentando um erro de 5,68 Kcal/ mol. Afinal de contas não nos podemos esquecer dos calorímetros que utilizámos não passando de simples copos de esferovíte que nem tampa tinham obrigando isso a tentativas de isolamento com papel de alumínio. Este material, tendo certamente um calor específico bastante diferente do resto do calorímetro, vai influenciar a absorsão dos calores provenientes das reacções que nele ocorrem deturpando o resultado. Um outro factor que se veio a notar ao longo da realização deste trabalho é a baixa exactidão de leitura que os termómetros utilizados permitem. Os registos foram feitos utilizando um termómetro de escala 1º C, mesmo assim, em algumas medições fizemos uma subdivisão dessa mesma escala em unidades de 0,5º que apesar de tudo se mostraram bastante insuficientes para obter uma exactidão minimamente aceitável. Bibliografia Chang, Raymond, Química, McGraw-Hill, Neidig, N.A. e Yingling, R.T., Journal of Chemical Education, 42(9), 474(1965)

Determinação da Entalpia de uma Reacção

Determinação da Entalpia de uma Reacção INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático n.º 6 Determinação da Entalpia de uma Reacção

Leia mais

Produto de Solubilidade

Produto de Solubilidade Produto de Solubilidade Hidróxido de Cálcio Rui Pedro Lousa das Neves Bioquímica Grupo 3 Coimbra 31 /3/99 Introdução Este trabalho prático destina-se ao estudo do produto de solubilidade do hidróxido de

Leia mais

Estudo da cinética Química

Estudo da cinética Química Estudo da cinética Química Rui Pedro Lousa das Neves Bioquímica Grupo 3 Coimbra 14 /04/99 Introdução A realização deste trabalho tem como objectivo principal o estudo da cinética de uma reacção segundo

Leia mais

Medição de entalpia de neutralização. Química 12º Ano

Medição de entalpia de neutralização. Química 12º Ano Medição de entalpia de neutralização Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica e do

Leia mais

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Pretende-se com essa atividade dar ao aluno a oportunidade de fazer experiências que possibilitem calcular calores de reação e aplicação da Lei de Hess. Etapa

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 04 Termoquímica Aplicação do ciclo de Born-Harber UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 04 Termoquímica Aplicação

Leia mais

Espectros de Absorção

Espectros de Absorção Espectros de Absorção Rui Pedro Lousa das Neves Bioquímica Grupo 3 Coimbra 21 /4/99 Introdução Este trabalho prático trabalhos consistiu no estudo, análise e interpretação do espectro de absorção de espécies

Leia mais

Química. APL 2.3 Determinação da entalpia de neutralização da reação NaHO (aq) + HCl (aq)

Química. APL 2.3 Determinação da entalpia de neutralização da reação NaHO (aq) + HCl (aq) Química APL 2.3 Determinação da entalpia de neutralização da reação NaHO (aq) + HCl (aq) Luísa Neves, 12ºCT 20 de abril de 2015 Índice Introdução...2 Material e Reagentes...3 Procedimento 4 Perigos específicos

Leia mais

MEDIDA DO CALOR DE REAÇÃO

MEDIDA DO CALOR DE REAÇÃO TERMOQUÍMICA A energia liberada nas reações químicas está presente em várias atividades da nossa vida diária. Por exemplo, á o calor liberado na queima do gás butano que cozinha os nossos alimentos, é

Leia mais

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 1 EXPERIÊNCIA N 0 3: DETERMINAÇÃO DO CALOR DE REAÇÃO E CALOR DE SOLIDIFICAÇÃO 1. Introdução As transformações químicas

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

Apostila de Química 02 Termoquímica

Apostila de Química 02 Termoquímica Apostila de Química 02 Termoquímica 1.0 Introdução A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas; Não há reação química que ocorra sem variação de

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

Química C Extensivo V. 4

Química C Extensivo V. 4 Química C Extensivo V 4 Exercícios 01) C 02) D I Errada degelo de um freezer (fusão do gelo) é um processo que absorve energia (endotérmico) II Errada A sublimação ocorre com absorção de energia (endotérmico)

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

- SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE. COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE ( Cs) Grandeza que depende da natureza do soluto e da temperatura.

- SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE. COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE ( Cs) Grandeza que depende da natureza do soluto e da temperatura. Soluções - MISTURA HOMOGÊNEA - SOLUÇÃO = SOLUTO + SOLVENTE menor quantidade maior quantidade COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE ( Cs) Grandeza que depende da natureza do soluto e da temperatura. Cs = g de soluto

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS Ter estudado todo o conteúdo do primeiro principio da termodinâmica (Aula 4) e como se utilizar de um calorímetro (Aula 5).

PRÉ-REQUISITOS Ter estudado todo o conteúdo do primeiro principio da termodinâmica (Aula 4) e como se utilizar de um calorímetro (Aula 5). CALOR DE NEUTRALIZAÇÃO DE ÁCIDOS E BASES Aula 6 META Determinação da variação de entalpia na reação de neutralização de soluções aquosas de hidróxido de sódio e de ácido clorídrico e hidróxido de sódio

Leia mais

FQE0001 Exp. 04. Físico-Química Experimental. Termoquímica. 1. Introdução

FQE0001 Exp. 04. Físico-Química Experimental. Termoquímica. 1. Introdução 1. Introdução Termoquímica Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

Determinação espectrofotométrica do pka do indicador vermelho de metilo

Determinação espectrofotométrica do pka do indicador vermelho de metilo Determinação espectrofotométrica do pka do indicador vermelho de metilo Rui Pedro Lousa das Neves Bioquímica Grupo 3 Coimbra 28 /05/99 Objectivos Nesta actividade experimental temos como objectivo a determinação

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução de EDTA

Preparação e padronização de uma solução de EDTA Relatório de Laboratórios de Ciências do Ambiente I Módulo de Química Preparação e padronização de uma solução de EDTA Sumário O objetivo desta experiência foi a padronização de uma solução de EDTA a partir

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações nas temperaturas e,

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I

EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 6. Termoquímica Ficha de exercícios 1. Uma amostra de azoto gasoso expande-se do seu volume inicial de 1.6 L para 5.4 L, a temperatura constante. Calcule

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 12.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. A maioria das reacções químicas ocorre com

Leia mais

Transformações da Matéria

Transformações da Matéria APOSTILA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA: é o estudo das energias envolvidas às transformações da matéria. Transformações da Matéria Químicas (reações químicas) Físicas (mudanças de estado físico) Conceitos

Leia mais

Observação: A primeira equação foi invertida, invertendo-se também o sinal do ΔH 0. é obtido pela somatória dos valores de ΔH 0 das equações acima:

Observação: A primeira equação foi invertida, invertendo-se também o sinal do ΔH 0. é obtido pela somatória dos valores de ΔH 0 das equações acima: 01. Item B Teremos em 100 g de água: mxilitol = 60,8 g msolução = 100,0 g+ 60,8 g= 160,8 g 160,8 g (solução) 60,8 g (xilitol) 8,04 g (solução) mxilitol mxilitol = 3,04 g mxilitol 3,04 nxilitol = nxilitol

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS Exercício 1. (UFMG, Adapt.) O rótulo de uma garrafa de vinagre indica que a concentração de ácido acético (CH3COOH) é 42g/L. A fim de verificar se a concentração da solução ácida corresponde à indicada

Leia mais

Termoquímica. Trabalho, calor e energia interna. Leis da Termodinâmica. Entalpia. Lei de Hess. Entropia. Energia livre

Termoquímica. Trabalho, calor e energia interna. Leis da Termodinâmica. Entalpia. Lei de Hess. Entropia. Energia livre Termoquímica IV Trabalho, calor e energia interna Leis da Termodinâmica Entalpia Lei de Hess Entropia Energia livre Trabalho, calor e energia interna Cada reação química obedece a duas leis fundamentais:

Leia mais

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica

Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica Lista de Exercícios Lei de Hess, Cinética Química e Equilíbrio Químico Prof. Benfica 1) A entalpia da reação (I) não pode ser medida diretamente em um calorímetro porque a reação de carbono com excesso

Leia mais

Lista de exercícios 2 QB70D

Lista de exercícios 2 QB70D Lista de exercícios 2 QB70D 1) Suponha que você jogue uma bola de tênis para o alto. (a) A energia cinética da bola aumenta ou diminui à medida que ela ganha altitude? (b) O que acontece com a energia

Leia mais

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Box 6 Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação é determinada experimentalmente no calorímetro. Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 73,15 R = 8,314 J mol -1 K -1

Leia mais

Código do Estudante XX OLIMPÍADA IBEROAMERICANA DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - MCTI

Código do Estudante XX OLIMPÍADA IBEROAMERICANA DE QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO - MCTI NOME: EXAME EXPERIMENTAL SETEMBRO DE 2015 1 Instruções gerais para o exame prático (TOTAL DE PONTOS = 40) 1. Durante todo o tempo em que estiver no laboratório, você deverá estar equipado com a bata e

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

Termoquímica. Prof. Msc João Neto

Termoquímica. Prof. Msc João Neto Termoquímica Prof. Msc João Neto H 2 O 2 NH 4 ClO 4 Prof. Msc João Neto 2 TERMOQUÍMICA: é o ramo da Química que tem por objetivo o estudo da energia associada a uma reação química. Um dos maiores problemas

Leia mais

Química Orgânica. Separação e Purificação de Compostos Orgânicos. Relatório 2. Instituto Superior Técnico. Trabalho realizado por:

Química Orgânica. Separação e Purificação de Compostos Orgânicos. Relatório 2. Instituto Superior Técnico. Trabalho realizado por: Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica 2ªano, 2º semestre de 2008/09 Química Orgânica Relatório 2 Separação e Purificação de Compostos Orgânicos Trabalho realizado por: Joana

Leia mais

Escola Secundária / 3º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO. Ano de Escolaridade : 11

Escola Secundária / 3º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO. Ano de Escolaridade : 11 Escola Secundária / º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO Ano de Escolaridade : 11 AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso

Leia mais

Termoquímica. Química 10/08/2015. Enem 15 Semanas. 1. Observando o diagrama a seguir, é correto afirmar que:

Termoquímica. Química 10/08/2015. Enem 15 Semanas. 1. Observando o diagrama a seguir, é correto afirmar que: Termoquímica 1. Observando o diagrama a seguir, é correto afirmar que: [Dadas as massas molares (g/mol): H=1 e O=16] a) para vaporizar 18g de água são liberados 10,5 kcal. b) o calor de reação, na síntese

Leia mais

Calcule o calor de combustão do metano (CH 4) sabendo que: Entalpia de combustão ou calor de combustão é a variação de entalpia (ΔH) na reação de

Calcule o calor de combustão do metano (CH 4) sabendo que: Entalpia de combustão ou calor de combustão é a variação de entalpia (ΔH) na reação de QUÍMICA 3ºCOLEGIAL 1302 TERMOQUÍMICA Cálculo de Entalpia - Reação balanceada - Reação global através da Lei de Hess uma equação termoquímica pode ser expressa pela soma de 2 ou mais equações. Forma de

Leia mais

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS

ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ESCOLA SECUNDÁRIA /3 GARCIA DE ORTA Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação ESTUDO DA FOTOSSÍNTESE COM ALGAS IMOBILIZADAS ANA LUÍSA SANTOS ÍNDICE pág. ÍNDICE 2 GUIÃO FORNECIDO

Leia mais

Então o monóxido de carbono formado nesta reação poderá ser queimado com oxigênio adicional.

Então o monóxido de carbono formado nesta reação poderá ser queimado com oxigênio adicional. EXPERIÊNCIA 4 CALOR DE REAÇÃO E CALOR DE SOLIDIFICAÇÃO 1. OBJETIVOS No final desta prática o aluno deverá ser capaz de: Compreender o funcionamento de um calorímetro. Comparar o calor liberado na combustão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. BIOLOGIA / LIC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. BIOLOGIA / LIC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL 2/2016 CURSOS: BIOMEDICINA / BACH. BIOLOGIA / LIC. BIOLOGIA LISTA

Leia mais

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

LABORATÓRIO DE QUÍMICA QUI126 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS 1. Soluções básicas servem para a dissolução de gorduras sólidas que obstruem tubulações das cozinhas. O hidróxido de sódio é um exemplo, pois reage com gorduras e gera produtos solúveis. Qual a massa

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib.

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib. TERMOQUÍMICA Prof. Neif Nagib neifnagib@yahoo.com.br Os princípios fundamentais do calor e do trabalho se aplicam no estudo de uma reação química e nas mudanças do estado físico de uma substância. Nesses

Leia mais

Como fonte, pode ser usado o livro texto, livros didáticos de química e textos de química.

Como fonte, pode ser usado o livro texto, livros didáticos de química e textos de química. Aluno (a): Disciplina QUÍMICA Curso Professor ESINO MÉDIO GUILHERME ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 2ª Série Número: 1 - Conteúdo: Gases Lei do gás ideal Misturas Gasosas Relações estequiométricas

Leia mais

Prática 06 Calor de reação e calor de solidificação da Parafina

Prática 06 Calor de reação e calor de solidificação da Parafina UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 06 Calor de reação e calor de solidificação

Leia mais

9ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS 1 a. Lei da Termodinâmica

9ª LISTA - EXERCÍCIOS DE PROVAS 1 a. Lei da Termodinâmica Pg. 1/5 1 a Questão Na combustão completa de 1,00 L de gás natural, a 25,0 C e pressão constante de 1,00 atm, houve liberação de 43,6 kj de calor. Sabendo que este gás é uma mistura contendo metano, CH

Leia mais

TERMOQUÍMICA A QUÍMICA DOS EFEITOS ENERGÉTICOS.

TERMOQUÍMICA A QUÍMICA DOS EFEITOS ENERGÉTICOS. TERMOQUÍMICA A QUÍMICA DOS EFEITOS ENERGÉTICOS. Nelson José Paraná da Silva - Prof. de Química (UFBA-BA) Colégios: Militar de Salvador, CEFET-BA, Mundial, São Francisco de Alagoinhas, BETA vestibular Alagoinhas,

Leia mais

Capítulo 5. Termoquímica

Capítulo 5. Termoquímica Capítulo 5 Termoquímica 1. (FUVEST) Considere as reações de oxidação dos elementos Al, Mg e Si representadas pelas equações abaixo e o calor liberado por mol de O 2 consumido. 4/3Al + O 2 2/3Al 2 O 3 Δ

Leia mais

Nome do(a) candidato(a):

Nome do(a) candidato(a): Universidade Federal do Rio Grande do Norte Instituto de Química Programa de Pós Graduação em Química Concurso para Entrada no Curso de Mestrado/Doutorado do PPGQ UFRN 2016.2 Instruções 1. Não identifique

Leia mais

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Uma fonte de vanádio é o mineral vanadinita, cuja fórmula é Pb 5 (VO 4 ) 3 Cl. DETERMINE: A) A porcentagem em massa de vanádio

Leia mais

Calcule o ph de uma solução de HCl 1x10-7 mol L-1

Calcule o ph de uma solução de HCl 1x10-7 mol L-1 Calcule o ph de uma solução de HCl 1x10-7 mol L-1 TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA Titulação Procedimento analítico, no qual a quantidade desconhecida de um composto é determinada através da reação deste

Leia mais

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental

Práticas de. Química Geral e Orgânica. para Engenharia Ambiental Práticas de Química Geral e Orgânica para Engenharia Ambiental INTRODUÇÂO A química é uma ciência experimental e se ocupa especialmente das transformações das substâncias, de sua composição e das relações

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 273,15 R = 8,314

Leia mais

AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM

AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM O que se preten Pesquisar a presença e compostos em produtos comerciais utilizados no quotidiano, através testes laboratoriais análise qualitativa.

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

R E L A T Ó R I O D A A C T I V I D A D E L A B O R A T O R I A L

R E L A T Ó R I O D A A C T I V I D A D E L A B O R A T O R I A L 1 R E L A T Ó R I O D A A C T I V I D A D E L A B O R A T O R I A L ACTIVIDADE LABORATORIAL 1.3 Efeitos da temperatura e da concentração na progressão global de uma reacção de equilíbrio com iões de cobalto

Leia mais

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Química Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Re Resolução 1. O carbeto de cálcio CaC 2 (s) (massa molar = 64 g mol 1 ), também conhecido como carbureto, pode ser obtido aquecendo-se

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 6.º teste sumativo de FQA 3.março.15 ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 11.º Ano Turma B Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. VERSÃO 2 Este teste é constituído por 8 páginas

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

Resoluções. Termoquímica

Resoluções. Termoquímica Segmento: EM/Pré-vestibular Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Química Volume: 1 Série: 10 Resoluções Termoquímica 1. E I. Correta: O cloreto de cálcio é utilizado em compressas quentes devido ao fato

Leia mais

Professor Marcus Ennes. -Estequiometria

Professor Marcus Ennes. -Estequiometria Professor Marcus Ennes -Estequiometria - RELAÇÕES FUNDAMENTAIS RAZÃO E PROPORÇÃO 1) Um formigueiro é composto por 2.000 formigas. Cada formiga consome por dia, 1.500 moléculas de glicose (C 6 H 12 O 6

Leia mais

Prova de seleção ao Mestrado e Doutorado em Química Programa de Pós-graduação Multicêntrico em Química de Minas Gerais PPGMQMG Edital 1/2016

Prova de seleção ao Mestrado e Doutorado em Química Programa de Pós-graduação Multicêntrico em Química de Minas Gerais PPGMQMG Edital 1/2016 PPGMQMG Edital 1/2016 Orientações gerais Somente identifique sua prova com o número de inscrição (não coloque seu nome); Não é permitida consulta bibliográfica; Realizar a prova com caneta azul ou preta;

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA

TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA TITULAÇÃO EM QUÍMICA ANALÍTICA Titulação Procedimento analítico, no qual a quantidade desconhecida de um composto é determinada através da reação deste com um reagente padrão ou padronizado. Titulante

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

COLÉGIO EUCARÍSTICO Fixando o Conteúdo

COLÉGIO EUCARÍSTICO Fixando o Conteúdo COLÉGIO EUCARÍSTICO Fixando o Conteúdo 1. Considere as informações: I) A + B C + D Hº = - 10,0 kcal II) C + D E Hº = +15,0 kcal 2 Bimestre Calcule o H para cada uma das reações a seguir: a) C + D A + B

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Q = m.c.δθ

TERMOQUÍMICA. Q = m.c.δθ Química 2ª série EM Apostila 3 página 1 TERMOQUÍMICA Termodinâmica: (do grego: movimento de calor) É o estudo das trocas e transformações de energia que acompanham os fenômenos físicos e químicos. Termoquímica:

Leia mais

Um dos grandes problemas mundiais é constante necessidade de geração de energia.

Um dos grandes problemas mundiais é constante necessidade de geração de energia. Termoquímica 1 2 Introdução Um dos grandes problemas mundiais é constante necessidade de geração de energia. A Termoquímica possibilita uma solução viável (econômica e ecológica) para esta crescente demanda.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. OBJETIVOS No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Dada a equação química de um equilíbrio, escrever a expressão para a constante

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA QUÍMICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA QUÍMICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA QUÍMICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir:

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar 17 PROVA DE QUÍMICA Q U E S T Ã O 2 6 Z e X são elementos químicos que apresentam respectivamente 2 e 6 elétrons no nível de valência. A fórmula química resultante da combinação entre átomos dos elementos

Leia mais

a) C 3 H 8 (g) 3C graf. + 4 H 2(g) C 3 H 8(g) b) C 2 H 6 O(l) 2C graf. + 3 H 2(g) + 1/2 O 2(g) C 2 H 6 O (l) c) Na 2 SO 4 (s)

a) C 3 H 8 (g) 3C graf. + 4 H 2(g) C 3 H 8(g) b) C 2 H 6 O(l) 2C graf. + 3 H 2(g) + 1/2 O 2(g) C 2 H 6 O (l) c) Na 2 SO 4 (s) setor 30 300408 Aula 3 TERMOQUÍMICA. ENTALPIA DE FORMAÇÃO Estado Padrão = Estado físico e alotrópico mais estáveis em condição ambiente (5 C, atm). Substâncias Simples no Estado Padrão H FORM H FORM =

Leia mais

QUÍMICA 12º ANO ACTIVIDADE DE PROJECTO CONSTRUÇÃO DE UMA PILHA PROPOSTA DA METODOLOGIA 2010/ º Período

QUÍMICA 12º ANO ACTIVIDADE DE PROJECTO CONSTRUÇÃO DE UMA PILHA PROPOSTA DA METODOLOGIA 2010/ º Período QUÍMICA 12º ANO ACTIVIDADE DE PROJECTO CONSTRUÇÃO DE UMA PILHA PROPOSTA DA METODOLOGIA Henrique Fernandes, número 9 Ricardo Cunha, número 20 Jéssica Lopes, número 26 Professor Ângelo Fernandes Turma B

Leia mais

Suporte universal Tubo de borracha comprido Bureta de 25 ml Pipeta volumétrica de 5mL Gobelé de 500 ml Kitasato de 25 ml Rolha Material e reagentes.

Suporte universal Tubo de borracha comprido Bureta de 25 ml Pipeta volumétrica de 5mL Gobelé de 500 ml Kitasato de 25 ml Rolha Material e reagentes. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Avaliar a velocidade da reacção química entre o ácido clorídrico e o magnésio a partir do volume de hidrogénio molecular libertado em função do tempo. Verificar que a

Leia mais

O X I D A Ç Ã O E R E D U Ç Ã O

O X I D A Ç Ã O E R E D U Ç Ã O O X I D A Ç Ã O E R E D U Ç Ã O PROF. AGAMENON ROBERTO < 2010 > Prof. Agamenon Roberto OXIDAÇÃO E REDUÇÃO www.agamenonquimica.com 2 OXIDAÇÃO E REDUÇÃO INTRODUÇÃO Colocando-se uma lâmina de zinco dentro

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA. Lista IV complementar. 1. A combustão completa do metanol pode ser representada pela equação nãobalanceada:

ESTEQUIOMETRIA. Lista IV complementar. 1. A combustão completa do metanol pode ser representada pela equação nãobalanceada: 1. A combustão completa do metanol pode ser representada pela equação nãobalanceada: CH 3 OH (l) + O 2(g) = CO 2(g) + H 2 O (l) (A) 1,0 mol (B) 1,5 mols (C) 2,0 mols (D) 2,5 mols (E) 3,0 mols Quando se

Leia mais

Aula 9 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA II CALOR ESPECÍFICO DE SUBSTÂNCIA SÓLIDA. Menilton Menezes

Aula 9 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA II CALOR ESPECÍFICO DE SUBSTÂNCIA SÓLIDA. Menilton Menezes Aula 9 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA II CALOR ESPECÍFICO DE SUBSTÂNCIA SÓLIDA META Aplicar o princípio das trocas de calor nos processos de transferência de energia. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Cerca de 99% dos átomos no corpo humano são de H, O, C e N. Oxigenio 63% Hidrogenio 25.2% Carbono 9.5% Azoto 1.4%

Cerca de 99% dos átomos no corpo humano são de H, O, C e N. Oxigenio 63% Hidrogenio 25.2% Carbono 9.5% Azoto 1.4% Cerca de 99% dos átomos no corpo humano são de H, O, C e N Oxigenio 63% Hidrogenio 25.2% Carbono 9.5% Azoto 1.4% Tipos de ligação covalente mais comuns em biomoleculas As reacções bioquímicas utilizam

Leia mais

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO

SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO SÍNTESE DO SULFATO DE TETRAAMINA COBRE (II) MONO HIDRATADO O que se pretende Realizar laboratorialmente a síntese do sal sulfato de tetraaminacobre (II) monohidratado, uma substância usado como fungicida

Leia mais

Exercícios de Termoquímica

Exercícios de Termoquímica Exercícios de Termoquímica 1. Quando se adiciona cal viva (CaO) à água, há uma liberação de calor devida à seguinte reação química: CaO + H2O Ca (OH)2 + X kcal/mol Sabendo-se que as entalpias de formação

Leia mais

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1

UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2011/1 Prof. Marcos Aires de Brito Prof. Fábio Peres Gonçalves Prof. José Carlos Gesser Experiência N 0 3: determinação do calor

Leia mais

Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum

Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Al 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso comum Nome: Turma: Nº Data: / / Questão - problema A publicidade anuncia adubos e produtos de limpeza amoniacais: o que terão de comum estes materiais?

Leia mais

Meu Deus, ajude me a passar na prova de Química. Amém. a) 0,9. b) 1,3. c) 2,8. d) 5,7. e) 15.

Meu Deus, ajude me a passar na prova de Química. Amém. a) 0,9. b) 1,3. c) 2,8. d) 5,7. e) 15. Meu Deus, ajude me a passar na prova de Química. Amém LISTA DE EXERCÍCIOS DE QUÍMICA - 2 ANO 01. A concentração de íons fluoreto em uma água de uso doméstico é de 5,0 10 5 mol/litro. Se uma pessoa tomar

Leia mais

Nome.. nº Sala... Duração : 1h 30m. Responder às perguntas 1, 2, 3 na folha do enunciado

Nome.. nº Sala... Duração : 1h 30m. Responder às perguntas 1, 2, 3 na folha do enunciado Química II 1º teste A 8 de Abril de 2015 Mestrado Integrado Eng. Química Mestrado Integrado Eng. Biológica Nome.. nº Sala... Duração : 1h 30m Responder às perguntas 1, 2, 3 na olha do enunciado 1A. Classiique

Leia mais

1.1. A partir de 10 mol de ácido nítrico qual é a massa de nitrato de amónio que se obtém?

1.1. A partir de 10 mol de ácido nítrico qual é a massa de nitrato de amónio que se obtém? Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 11º Ano Turma A Paula Melo Silva Ficha de Trabalho 5 Cálculos estequiométricos 1. O ácido nítrico é uma das mais importantes substâncias inorgânicas industriais.

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/04/08

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/04/08 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/04/08 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados R = 0,081 atm L mol -1 K -1 T (K) = T ( C) + 73,15

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Termodinâmica

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Termodinâmica PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Termodinâmica 1. Escolha o termo melhor associado com cada exemplo, símbolo ou relação. (A) endotérmico (1) S (B) calor de formação (2) H < 0 (C) estado padrão (3) H para

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 29 ESTEQUIOMETRIA: EXCESSO E LIMITANTE

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 29 ESTEQUIOMETRIA: EXCESSO E LIMITANTE QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 29 ESTEQUIOMETRIA: EXCESSO E LIMITANTE Como pode cair no enem (UFF) O cloreto de alumínio é um reagente muito utilizado em processos industriais que pode ser obtido por meio da

Leia mais

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados.

ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente as respostas e apresente TODOS os cálculos efectuados. Prova de Acesso de Química Maiores de 23 Anos Candidatura 2015-2016 / Candidatos oriundos de outros sistemas de ensino 2015/2016 15 de Junho de 2016 10h00 12h30 ATENÇÃO: assinale ou apresente cuidadosamente

Leia mais

OSASCO-COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

OSASCO-COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR OSASCO-COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR ASSESSORIA TÉCNICA Processo Avaliativo 1º Bimestre/2015 Disciplinas: Química 2ª série EM Nome do aluno Nº Turma A lista de exercícios abaixo, consta de 33 questões diversas,

Leia mais

Determinação da Entalpia de Decomposição do Peróxido de Hidrogênio: Uma Prática Experimental no Ensino de Físico- Química

Determinação da Entalpia de Decomposição do Peróxido de Hidrogênio: Uma Prática Experimental no Ensino de Físico- Química Determinação da Entalpia de Decomposição do Peróxido de Hidrogênio: Uma Prática Experimental no Ensino de Físico- Química Adriane Röedel Hirdes 1* (PQ), Paulo Henrique Guadagnini 2 (PQ), Vania Elisabeth

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS - 4 BIMESTRE 2015 Disciplina: Química Ano: 2 Ensino: EM

ROTEIRO DE ESTUDOS - 4 BIMESTRE 2015 Disciplina: Química Ano: 2 Ensino: EM ROTEIRO DE ESTUDOS - 4 BIMESTRE 2015 Disciplina: Química Ano: 2 Ensino: EM Conteúdo do 4 bimestre: Pilhas, baterias Eletrólise Entalpia Sugestão de estudo: Refazer as listas de exercícios e as avaliações

Leia mais

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 16-21/11/2015. Material de Apoio para Monitoria

Revisão Específicas. Química Monitores: Luciana Lima e Rafael França 16-21/11/2015. Material de Apoio para Monitoria Revisão Específicas 1. (Ufpr) Considere as soluções I, II e III, descritas a seguir. I - Solução obtida pela adição de 9,80 g de H2SO4 (massa molar = 98,0 g) em água suficiente para completar o volume

Leia mais

PREPARAÇÃO, DILUIÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES

PREPARAÇÃO, DILUIÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES Porto, 21 de Março, 2014 Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Laboratórios de Ciências do Ambiente I Módulo Química PREPARAÇÃO, DILUIÇÃO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES Relatório Turma 1 - Grupo 4 Docente:

Leia mais

Titulação de cálcio e magnésio no leite com EDTA. Ilustrar: Titulação por retorno Titulação complexométrica, com EDTA

Titulação de cálcio e magnésio no leite com EDTA. Ilustrar: Titulação por retorno Titulação complexométrica, com EDTA TRABALHO PRÁTICO Titulação de cálcio e magnésio no leite com Ilustrar: Titulação por retorno Titulação complexométrica, com PARTE EXPERIMENTAL Procedimento para determinação do teor de cálcio mais magnésio

Leia mais