Ergonomia e usabilidade. TCC - Design Centrado no Usuário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ergonomia e usabilidade. TCC - Design Centrado no Usuário"

Transcrição

1 Ergonomia e usabilidade TCC - Design Centrado no Usuário

2 Usabilidade

3 De acordo com Dantas (2005, 193) interface, perante o senso comum significa comunicação, ou seja, espaço em que há relação entre dois elementos que se encontram em lugares distintos e que necessitam da interface para intermediar uma ligação, uma compreensão. A partir disso entendemos que interface é o elo de comunicação entre o usuário e o objeto, e que ela necessita ser eficiente, uma vez que, se o usuário para o qual o objeto foi desenvolvido não consegue entender o que o sistema está tentando lhe dizer, não será culpa dele e essa falha de comunicação será atribuída ao mal desenvolvimento da interface.

4 "A usabilidade é a qualidade que caracteriza o uso dos programas e aplicações. Assim, ela não é uma qualidade intrínseca de um sistema, mas depende de um acordo entre características de uma sua interface e as características de seus usuários ao buscarem determinados objetivos em determinadas situações de uso." Cybis (2007, 15) Qualidade que caracteriza um sistema interativo "A construção de um sistema com usabilidade depende da análise cuidadosa dos diversos componentes de seus contexto de uso e da participação ativa do usuário nas decisões de projeto da interface, visto como o processo de configuração de qualidde interna e externas do sistema"

5 Molich e Nielsen em 1990 propuseram alguns critérios que deveriam ser levados em conta durante uma avaliação heurística. Esses itens foram revisados em 1994 pelo próprio Nielsen e passaram a ser conhecidos como as 10 heurísticas de Nielsen, sendo eles: 1. visibilidade do estado do sistema, ou seja, o sistema deve sempre oferecer ao usuário a possibilidade de saber o que está acontecendo, proporcionando um feedback. De acordo com o autor, o tempo ideal estimado para essa resposta seria de 10 segundos; 2. mapeamento entre o sistema e o mundo real, pois a interface deve falar a linguagem do usuário ao invés de ser orientada ao sistema. Para isso, o sistema deve trazer elementos mentais que possa ser reconhecidos pelo usuário, fazendo com que as informações apareçam em uma ordem natural e lógica; 3. liberdade e controle ao usuário, para que quando um erro for cometido durante a navegação, o usuário consiga facilmente encontrar uma "saída de emergência" e retomar ao ponto em que se encontrava antes do engano; 4. consistência e padrões, sendo que o usuário não deverá encontrar palavras, situações ou ações diferentes que signifiquem a mesma coisa. Isso significa que uma determinada ação ou comando precisa sempre resultar na mesma reação, e deve ser apresentada sempre com a mesma formatação e localização para facilitar o seu reconhecimento;

6 5. prevenção de erros através da identificação de pontos problemáticos da interface possibilitando que eles sejam corrigidos, afim de diminuir a incidência de erros realizados pelos usuários; 6. reconhecer em vez de relembrar tornando visíveis objetos, opções e ações, e possibilitando que o sistema mostre os elementos de diálogo necessários para que o usuário faça suas escolhas, minimizando a necessidade de lembrar comandos específicos; 7. flexibilidade e eficiência de uso pode ser obtida utilizando atalhos, que são elementos aceleradores, e que possibilitam aumentar a velocidade da interação. É importante oferecer ao usuário a possibilidade de personalizar as ações mais frequentemente utilizadas; 8. design estético e minimalista, evitando mostrar informações raramente necessárias ou irrelevantes. O ideal é que sejam mostradas ao usuário apenas as informações necessárias de acordo com cada momento, nem mais nem menos; 9. suporte para o usuário reconhecer, diagnosticar e recuperar erros utilizando linguagem simples, clara e sem códigos, que deve descrever o motivo pelo qual o erro aconteceu para que o usuário consiga resolve-lo. Não se deve culpar nem intimidar o usuário quando erros são cometidos; 10.ajuda e documentação não deveriam ser necessárias para a utilização de um sistema, porém, quando o usuário precisar de qualquer tipo de informação referente, ela deve ser fácil de ser encontrada e deve auxiliá-lo passo-a-passo a resolver suas dúvidas sem se estender muito.

7 É crucial que a avaliação heurística seja realizada por especialistas, pois apenas esses profissionais são capazes de compreender os erros da interface e relacioná-los aos critérios heurísticos juntamente com critérios de suas experiências pessoais. Outra forma de se testar a usabilidade um produto é fazendo testes com usuários comuns, solicitando os que realizem determinada tarefa, enquanto isso são registrados os erros que o usuário cometeu e o tempo que levou para realizar tal tarefa.

8 Fu, Salvandy e Turley (2002) afirmam que ambos os testes são importante e cruciais para a criação de um projeto realmente eficiente e eficaz, porém os autores sugerem que sejam utilizados em momentos diferentes, sendo a avaliação heurística utilizada antes logo nas etapas iniciais do projeto e/ou quando já tiver algum material mais concreto para ser testado. O teste utilizando usuários deverá apenas ser utilizado quando os problemas identificados pela heurística forem solucionados, possibilitando um teste mais focado e com resultados que possibilitarão analises mais completas.

9 Ergonomia

10 A Ergonomia é a disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema, e também é a profissão que aplica teoria, princípios, dados e métodos para projetar a fim de otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral de um sistema. Esta é a definição adotada pela Associação Internacional de Ergonomia (International Ergonomics Association - IEA ) em Os ergonomistas contribuem para o projeto e avaliação de tarefas, trabalhos, produtos, ambientes e sistemas, a fim de torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas. (IEA, 2000).

11 Ergonomia (do grego) ERGOS (trabalho) + NOMOS (leis, normas ou regras) NORMAS PARA O TRABALHO O Polonês Wojciech Jastrzębowski usou o termo pela 1ª vez em um artigo publicado chamado: Ensaios de ergonomia ou ciência do trabalho, baseada nas leis objetivas da ciência sobre a natureza.

12 No fim do século XIX, o engenheiro americano Frederick Winslow Taylor lançou seu livro "Administração Científica", com uma abordagem que buscava a melhor maneira de executar um trabalho e suas tarefas. Mediante aumento e redução do tamanho e peso de uma pá de carvão, até que a melhor relação fosse alcançada, Taylor triplicou a quantidade de carvão que os trabalhadores podiam carregar num dia. Já no início do século XX, Frank Bunker Gilbreth e sua esposa Lilian expandiram os métodos de Taylor para desenvolver "Estudos de Tempos e Movimentos" o que ajudou a melhorar a eficiência, eliminando passos e ações desnecessárias. Ao aplicar tal abordagem, Gilbreth reduziu o número de movimentos no assentamento de tijolos de 18 para 4,5 permitindo que os operários aumentassem a taxa de 120 para 350 tijolos por hora. A Segunda Guerra Mundial marcou o advento de máquinas e armas sofisticadas, criando demandas cognitivas jamais vistas antes por operadores de máquinas, em termos de tomada de decisão, atenção, análise situacional e coordenação entre mãos e olhos. Foi observado que aeronaves em perfeito estado de funcionamento, conduzidas pelos melhores pilotos, ainda caíam. Em 1943, Alphonse Chapanis, um tenente no exército norte-americano, mostrou que o "erro do piloto" poderia ser muito reduzido quando controles mais lógicos e diferenciáveis substituíram os confusos projetos das cabines dos aviões.

13 Ergonomia Física: que lida com as respostas do corpo humano à carga física e psicológica. Tópicos relevantes incluem manipulação de materiais, arranjo físico de estações de trabalho, demandas do trabalho e fatores tais como repetição, vibração, força e postura estática, relacionada com lesões músculo-esqueléticas.

14 Ergonomia Cognitiva: também conhecida engenharia psicológica, refere-se aos processos mentais, tais como percepção, atenção, cognição, controle motor e armazenamento e recuperação de memória, como eles afetam as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema. Tópicos relevantes incluem carga mental de trabalho, vigilância, tomada de decisão, desempenho de habilidades, erro humano, interação humano-computador e treinamento.

15 Ergonomia Organizacional: ou macroergonomia, relacionada com a otimização dos sistemas socio-técnicos, incluindo sua estrutura organizacional, políticas e processos. Tópicos relevantes incluem trabalho em turnos, programação de trabalho, satisfação no trabalho, teoria motivacional, supervisão, trabalho em equipe, trabalho à distância e ética.

16 Design, Usabilidade & Emoção

17 Sistemas de processamento da mente humana Cognitivo - compreensão e interpretação do mundo Emocional - julgamento e validação do mundo Três níveis de abordagem destes sistemas no design propostos por Donald Norman 1. Visceral - reação aos primeiros atributos e estímulos sensoriais 2. Comportamental - sensações diante do uso do produto 3. Reflexivo - o nível menos imediato, relacionado à reflexão que o usuário tem sobre o produto e o que este significa para ele

18 Necessidades humanas por trás dos três níveis Como o usuário quer se sentir O que o usuário quer fazer Quem o usuário quer ser O atendimento destas necessidades pode proporcionar grande prazer ao indivíduo em utilizar e possuir um produto; caso contrário, o usuário se sentirá frustrado. Emoções positivas e negativas Segundo Donald Norman, as emoções humanas têm grande importância no processo de escolha de decisões das pessoas, mudando os parâmetros operacionais da cognição. Emoções positivas - estimulam a criatividade, torna-o mais tolerante às dificuldades Emoções negativas - estimulam a concentração e o foco, minimizando distrações

19 Ergonomia nos Games

20 A Ergonomia, no sistema homem-máquina de computadores, ocorre quando a interface gráfica é apresentada ao seu usuário em uma linguagem que este já esteja adaptado. Na escala hierárquica que rege a comunicação dos elementos, o homem vem em primeiro lugar e a máquina deve ser projetada sob o ponto de vista do homem, conforme analisou Régnier: A ergonomia tem como objeto as comunicações entre homens e máquinas, o homem como usuário, consumidor, operador, controlador, trabalhador. Os ergonomistas, ao projetarem equipamentos, produtos, estações de trabalho e sistemas, objetivam maximizar o conforto, a satisfação e o bem-estar, garantir a segurança e minimizar os custos humanos do trabalho e a carga física, psíquica e cognitiva do operador. Resulta, conseqüentemente, um segundo objetivo, que é permitir ao homem utilizar da melhor maneira e por mais tempo possível suas experiências, habilidades e potencialidades. A Ergonomia visa adaptar o trabalho e o ambiente físico do trabalho ao homem. Seu objetivo é, portanto, primacialmente humano.

21 A intervenção ergonômica, a compreensão do usuário e a utilização facilitada da ferramenta computador ocorre quando o computador se auto-representa para o homem, sob o ponto de vista do pensamento humano, através de imagens, sons, associações hipertextuais e conceitos. Só assim se forma um sistema no qual os elementos interagem e o homem é colocado em uma posição hierárquica superior O ponto de vista do homem é priorizado quando a interface gráfica de usuário faz uso da metáfora de uma tecnologia ou de um ambiente que o usuário do computador já dominava antes de ter essa experiência digital. Esse conceito de buscar os conhecimentos do mundo dos usuários vem sido aderidos por diferentes plataformas. Um grande exemplo disso é o video-game Wii da Nintendo ou os advergames utilizados na internet.

22 A linguagem do computador deve ser preferencialmente substituída para a nossa linguagem natural. Assim, os ícones presentes no desktop, ou mesmo em algum software, representam objetos do dia-a-dia, o que faz com que o uso do computador seja um signo das ações do usuário em um ambiente físico, ações que ele realiza independente de conhecer ou não informática: jogar um texto velho no lixo, organizar pastas em ordem alfabética ou ampliar o tamanho da visualização dos objetos com uma lente de aumento. Quando surgiu o game, na década de 60, o número de controles era limitado, como era a tecnologia disponível para a produção desses dispositivos. Essa simplicidade é que possibilita que o maior número de usuários já saiba como interagir. Assim como os novos usuários de um Macintosh na década de 80 sabiam como usar uma lixeira e um porta-arquivos. Através de conceitos de ergonomia e usabilidade, os games atingem o seu público, sem fazer distinções quanto ao know how na área de jogos eletrônicos.

23 Interface & Interatividade

24 O conceito de Interface se expressa pela presença de uma ou mais ferramentas para o uso e movimentação de qualquer sistema de informações, seja ele material, seja ele virtual. Pode significar um circuito eletrônico que controla a interligação entre dois dispositivos hardwares e os ajuda a trocar dados de maneira confiável.

25 Nintendo Wii

26 Nintendo Wii

27 Celular

28 Caixa Eletrônico

29 Caixa Eletrônico

30 Painel de carro

31 Sistema Operacional

32 Sistema Operacional

33 Orkut

34 Orkut

35 Mapa para cegos

36 Mapa para cegos

37 Volante do Hamilton

38 Fox

39 Usabilidade, UX & AI

40 Usabilidade, UX & AI o que é isso?

41 Em um site, quem está atrás do volante?

42 Usuário

43 Bagunça x Organização Experiência Positiva x Negativa

44 Tag Cloud (porque está na moda ter uma) Acessibilidade Simplicidade Heurísticas Testes Personas Experiência do usuário Arquitetura da Informação Sitemap Etnografia Wireframes Usuários Usabilidade Cardsorting Jakob Nielsen Eye-tracking Mapas de Calor Usability Report Pesquisa Processos

45 A.I. vs. Usabilidade Arquitetura Wireframes e matrizes de funcionalidades Requisitos de projeto Valor de Negócio Usabilidade Procura por problemas de usabilidade em potencial Reporta os erros encontrados Pesquisa qualitativa

46 Antigamente... poucos produtos / produto usável = preocupação parcial

47 Atualmente... Utilidade Usável Engaging atraente, interessante

48 Produto Usável Segue as regras (heurísticas) Observação de usuários Ferramentas e Técnicas (Philip Rhodes - Fhios) Usabilidade Eye-Tracking Out the box Observação / Etnografia

49 Produto Útil Entender as necessidades do usuário Pode ser tarde demais para ser usável! Campo informacional Consciente e subconsciente Segmentação de Cliente

50

51 Produto Atraente, Interessante Quebra de paradigmas Uso extendido (propagar fora da caixa ) Sou hype!

52 Engaging Experiência total do cliente área de interação do cliente Competidores Objetivos de Negócio Emoções Atividades Relacionamento Legislação, Padrões e Regulamentos

53 Não importa se on-line ou off-line, o produto precisa ser intuitivo Não importa se é funcional ou fácil de usar, tem que proporcionar uma experiência significativa

54 Arquitetura da Informação Exatas Biblioteconomia Comunicação Sociologia Arquitetura de Informação Marketing Psicologia Q.A. Design

55 Projetando interfaces

56 Eye tracking - TOBII

57 Heatmap

58 Prototipagem em papel

59 Testes com usuários

60 Documentação

61 Referências NIELSEN, J. (1993). Usability Engineering. New Jersey: Academic Press. NIELSEN, J., and MOLICH, R. (1990). Heuristic evaluation of user interfaces, Proc. ACM CHI'90 Conf. (Seattle, WA, 1-5 April), FU, L, SALVENDY, G, TURLEY, L, Effectiveness of user testing and heuristic evaluation as a function of performance classification. Behaviour & Information Technology 21 (2), CYBIS, Walter de Abreu ; BETIOL, Adriana Holtz ; FAUST, Richard. Usabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações. 1. ed. São Paulo: Novatec Editora, v p. NIELSEN, Jacob. Ten Usability Heuristics. Disponível em <http://www.useit.com/papers/heuristic/ heuristic_list.html> Acesso em: 25/04/2009 VAN AMSTEL, Frederick. Avaliação heurística exige experiência. Disponível em <http://usabilidoido.com.br/ avaliacao_heuristica_exige_experiencia.html> Acesso em: 25/04/2009 BOUYER, G. C. e SZNELWAR, L. I. Análise cognitiva do processo de trabalho em Sistemas Complexos de Operações. Ano 02, Vol 04, mar/2005. Disponível em <www.cienciasecognicao.org> Acesso em 25/04/2009 LEMES, David de Oliveira. Ergonomia e usabilidade em Advergames (24/06/06) RÉGNIER, Jacques. Ergonomia. (15/10/04) JOHNSON, Esteven. Cultura da Interface. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, DOMINGUES, Delmar Galise. O uso de metáforas na Computação. Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação e Documentação, USP, DILLON, ANDREW. Beyond Usability: Process, outcome and Affect in Human Computer Interaction. Disponível em: <http://www.ischool.utexas.edu/~adillon/publications/beyond_usability.html> Acesso em: 9/04/2009. NORMAN, Donald A. Emotional design : why we love (or hate) everyday things. New York: FreeBooK, NORMAN, Donald A. Emotion & Design: Attractive things work better. Disponível em: <http://jnd.org/dn.mss/ emotion_design_attractive_things_work_better.html> Acesso em: 10/04/2009. REIMANN, ROBERT. Personas, Goals and Emotional Design. Disponível em: <http://www.uxmatters.com/mt/ archives/2005/11/personas-goals-and-emotional-design.php> Acesso em: 9/04/2009.

62 Obrigado ;D André, Clara, Eduardo, Leonardo, Lucas, Luiz Eduardo, Paola, Tiago Mateus

Definição adotada pela IEA (International Ergonomics Association - IEA )

Definição adotada pela IEA (International Ergonomics Association - IEA ) Ergonomia Definição e origens Ergon trabalho Nomos Regras / normas / leis A palavra Ergonomia deriva do grego Ergon [trabalho] e nomos [normas, regras, leis]. Trata-se de uma disciplina orientada para

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)?

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Profa. Tatiana Aires Tavares tatiana@lavid.ufpb.br Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Criar desejos... Resolver problemas do nosso dia-a-dia Facilitar a vida da gente Tornar possível...

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL Samuel dos Santos Salimen 1 Clériston Ribeiro Ramos 2 Resumo: Disponibilizar informações que possam ser acessado

Leia mais

DESIGN DE INTERAÇÃO PARA PROJETOS WEB NPG. Ementa. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

DESIGN DE INTERAÇÃO PARA PROJETOS WEB NPG. Ementa. Objetivo Geral. Objetivos Específicos DESIGN DE INTERAÇÃO PARA PROJETOS WEB NPG Ementa Novas tendências em tecnologias, linguagem gráfica e conteúdo. Estilos de interface. As possibilidades técnicas de interação das novas mídias, questões

Leia mais

USABILIDADE NA WEB E EM INTERFACES. Tutora: Aline Yuri Ieiri (UAB UFABC - PACC)

USABILIDADE NA WEB E EM INTERFACES. Tutora: Aline Yuri Ieiri (UAB UFABC - PACC) USABILIDADE NA WEB E EM INTERFACES. Tutora: Aline Yuri Ieiri (UAB UFABC - PACC) Definição do conceito O que é Usabilidade? Usabilidade é um termo usado para definir a facilidade com que as pessoas podem

Leia mais

Interface Usuário Máquina. Aula 06

Interface Usuário Máquina. Aula 06 Interface Usuário Máquina Aula 06 Conteúdo Qualidade do Design Acessibilidade Comunicabilidade Usabilidade Experiência do Usuário Usabilidade em Sistemas Computacionais Usabilidade O que você entende por

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design Disciplina: Departamento: Interface Visual e Tecnológica Planejamento e Configuração - DEPC Carga Horária: 45 h/a Créditos: 03 Professor Responsável: Maria Regina Álvares Correia Dias EMENTA: Estudo dos

Leia mais

Alan Kay: For users, the user interface is the program

Alan Kay: For users, the user interface is the program O que é Interface Interface Ambiente onde se dá a comunicação com os usuários do sistema. A introdução de uma ferramenta de informática interativa em um ambiente de trabalho, modifica a realização da tarefa

Leia mais

USER EXPERIENCE. Luis Felipe Fernandes. UX Academy. www.uxacademy.com.br! www.uxacademy.com.br!

USER EXPERIENCE. Luis Felipe Fernandes. UX Academy. www.uxacademy.com.br! www.uxacademy.com.br! UX USER EXPERIENCE Luis Felipe Fernandes UX Academy UX Como criar websites e aplicativos que, além de atraentes, são fáceis de usar e atendem às necessidades do usuário. LUIS FELIPE FERNANDES o Alto Alegre

Leia mais

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Informação Usabilidade não é apenas o usuário conseguir usar o produto! Cinco atributos da usabilidade (NIELSEN, 1993): 1. Facilidade de aprendizagem 2.

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO 10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO UMA DAS GRANDES FUNÇÕES DA TECNOLOGIA É A DE FACILITAR A VIDA DO HOMEM, SEJA NA VIDA PESSOAL OU CORPORATIVA. ATRAVÉS DELA, ELE CONSEGUE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

DESIGN DE INTERFACES E USABILIDADE (AULA 1)

DESIGN DE INTERFACES E USABILIDADE (AULA 1) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br DESIGN DE INTERFACES E USABILIDADE (AULA 1) Apresentações Quem sou eu? Breno Leonardo http://blog.brenoleonardo.com.br

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil Usabilidade na Web Dinara P. Lima Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil dinara.lima@gmail.com Abstract. This article presents an overview

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Orientado: Nestor Vicente Soares Netto Orientador: André Luiz Zambalde Co-orientador: Ahmed Ali Abdalla Esmin Roteiro 1.

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

Interação Humano-Computador Golfos e Execução e Avaliação PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Golfos e Execução e Avaliação PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Golfos e Execução e Avaliação PROFESSORA CINTIA CAETANO Teoria de IHC Explicações e previsões fenômenos de interação entre usuário e o sistema. Na década de 80 as fundamentações

Leia mais

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Simone Vasconcelos Silva (CEFETCAMPOS) simonevs@cefetcampos.br Luciana Rocha (UENF) lurochas@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Arquitetura de Informação

Arquitetura de Informação Arquitetura de Informação Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação? Ferramentas para Web Design 2 Arquitetura de Informação (AI): É a arte de expressar

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

ArquiteturadaInformação. Lílian Simão Oliveira

ArquiteturadaInformação. Lílian Simão Oliveira ArquiteturadaInformação Lílian Simão Oliveira Informação O queé usabilidade? Usabilidade é a medida na qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançarobjetivosespecíficoscom efetividade,

Leia mais

Testes de Usabilidade

Testes de Usabilidade Testes de Usabilidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Setembro de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Reflexão Ao fazer referência à questão da qualidade da relação

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança

compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança desempenho em segurança gestão de competências controle de acesso compromisso com a segurança além da excelência Eficiência operacional conformidade do subcontratado gestão de registros saúde e segurança

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva Voltando às garrafas... Capítulo 2 Elton Silva Interface e Interação Inter-face: toda a porção de um sistema com a qual um usuário mantém contato ao utilizá-lo. Inter-ação: é mais do que imagem, é um conceito

Leia mais

Multimídia e Interface Usuário - Máquina

Multimídia e Interface Usuário - Máquina Multimídia e Interface Usuário - Máquina Profa. Cristina Paludo Santos Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador (Heloísa Vieira da Rocha/M.Cecília C. Baranauskas). Material

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Introdução 1. Conheça a sua taxa de conversão 2. Usabilidade e navegabilidade 3. Pense mobile 4. Seja relevante 5. Tenha CTAs atraentes 6. O teste AB é fundamental Conclusão Introdução Conhecer os números

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012 Clodis Milene Raquel Sílvia Simone 1 abril a junho de 2013 75 respondentes válidos cursos: graduação pós-graduação stricto sensu pós-graduação lato sensu avulsos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS Data de entrega dos originais à redação em 06/08/2013 e recebido para diagramação em 03/04/2014. Carlos Eduardo Beluzo 1 /Daniel

Leia mais

Ergonomia Cognitiva. Ergonomia Cognitiva: conteúdo 4/7/2010. Ergonomia Cognitiva: metas do módulo

Ergonomia Cognitiva. Ergonomia Cognitiva: conteúdo 4/7/2010. Ergonomia Cognitiva: metas do módulo Parte 1 Pós-Graduação em Ergonomia Profª Rosimeire Sedrez Bitencourt, Drª Eng 10 e 11 de Abril de 2010 : conteúdo Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5 Histórico e conceitos básicos de. i. Percepção

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Historico 50s Interfaces são painel de controles do hardware, usuário são engenheiros; 60-70s Interfaces são programas em linguagens

Leia mais

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia Engenharia de Software I Prof. André Castro Garcia 1. Introdução 1.1 A IMPORTÂNCIA DO SOFTWARE Nas primeiras décadas da era do computador, o principal desafio era desenvolver um hardware que reduzisse

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Resumo A importância de requisitos Diferentes tipos de requisitos Coleta de dados para requisitos Descrição de tarefas: Cenários Casos de uso Casos

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt USER EXPERIENCE DESIGN CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt USER EXPERIENCE USABILIDADE é um tema recorrente USER EXPERIENCE Usabilidade: - eficácia - eficiência - satisfação

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Isabela Gasparini, Avanilde Kemczinski Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Motivação IHC está relacionada

Leia mais

Dicas de sucesso no Ecommerce. Alexandre Miranda. www.ecommerceschool.com.br

Dicas de sucesso no Ecommerce. Alexandre Miranda. www.ecommerceschool.com.br Dicas de sucesso no Ecommerce Alexandre Miranda www.ecommerceschool.com.br Alexandre Miranda MBA em gestão de Projetos pela FIAP Foi analista de usabilidade da Ebit Foi Consultor UX pela Lumens Consultoria

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

STC SAD Profº Daniel Gondim

STC SAD Profº Daniel Gondim STC SAD Profº Daniel Gondim Roteiro Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento (STC) Conceitos Aplicações Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Conceitos Aplicações Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento

Leia mais

Apresentação 24/12/2014. Professor Wilker Bueno

Apresentação 24/12/2014. Professor Wilker Bueno Apresentação 1 Wilker Bueno Técnico em Magistério Colégio Estadual José Cipriano Varjão/GO Graduado em Administração de Empresas Universidade do Norte do Paraná Londrina/PR Especialista em RH e suas Atribuições

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERFACE GRÁFICA PARA OS SISTEMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO COM O SISTEMA UNIT VIRTUAL

A IMPORTÂNCIA DA INTERFACE GRÁFICA PARA OS SISTEMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO COM O SISTEMA UNIT VIRTUAL A IMPORTÂNCIA DA INTERFACE GRÁFICA PARA OS SISTEMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO COM O SISTEMA UNIT VIRTUAL Michell Ângelo Santos Lima 1 Elaine Cristine do Amarante Matos 2 Gilda Maria do Amarante

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP

Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP Utilização de conceitos de interface homem-máquina para adaptação da disciplina de requisitos do RUP Renato Cordeiro 2, Marcos Roberto de Oliveira, Thaís Pereira Chanquini FIAP 1 São Paulo Brasil < renato.cordeiro,

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário Parte I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Lembre-se! Ao programar um software, o usuário

Leia mais

INFORMAÇÕES GERENCIADAS

INFORMAÇÕES GERENCIADAS INFORMAÇÕES GERENCIADAS Gerenciamento de projeto sobre o qual é possível criar Soluções Primavera para engenharia e construção ORACLE É A EMPRESA Melhore o desempenho de projeto, a lucratividade e os resultados

Leia mais

03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações

03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações 03 de dezembro de 2015 Sala Polivalente Fundação Portuguesa das Comunicações Apoio Patrocinadores Globais APDSI avaliação de acessibilidade e usabilidade de plataforma de e-commerce Tânia Rocha (trocha@utad.pt)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

04/04/2014. Antes de 1940

04/04/2014. Antes de 1940 Prof. William Costa Rodrigues Eng. Agrônomo Um Sistema de Informação Gerenciais é um instrumento administrativo que contribui efetivamente para a otimização das comunicações e do processo decisório nas

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

C J E 5250 - Metodologia de webdesign baseada em Usabilidade. Princípios de design. de Donald Norman. Profa. Dra.. Maria Laura Martinez 2003

C J E 5250 - Metodologia de webdesign baseada em Usabilidade. Princípios de design. de Donald Norman. Profa. Dra.. Maria Laura Martinez 2003 C J E 5250 - Metodologia de webdesign baseada em Usabilidade Princípios de design de Donald Norman Profa. Dra.. Maria Laura Martinez 2003 2 Interação Homem-Máquina Pense no design de um telefone. A interface

Leia mais

TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA

TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA Thaissa SCHNEIDER 1, Monique VANDRESEN 1, Flávio dos SANTOS 1 1 Universidade do Estado de Santa Catarina. SUMÁRIO

Leia mais

B2gether. Aprender pode ser divertido

B2gether. Aprender pode ser divertido FASE I (1000 fichas ): Escolha um NOME e proponha uma LOGO para a sua equipe de trabalho durante o semestre. A logomarca pode ser feita na forma de um draft (rascunho). A versão final (arquivo JPEG) deve

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais