CENTRADO NO USUÁRIO E AS LIMITAÇÕES DO MERCADO DE PRODUTOS INTERATIVOS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRADO NO USUÁRIO E AS LIMITAÇÕES DO MERCADO DE PRODUTOS INTERATIVOS:"

Transcrição

1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO E AS LIMITAÇÕES DO MERCADO DE PRODUTOS INTERATIVOS: Pesquisa e análise sobre indicadores para uma conciliação entre pesquisa e mercado Eduardo Pinheiro Loureiro Belo Horizonte 2008

2 Eduardo Pinheiro Loureiro DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO E AS LIMITAÇÕES DO MERCADO DE PRODUTOS INTERATIVOS: Pesquisa e análise sobre indicadores para uma conciliação entre pesquisa e mercado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design de Interação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Design de Interação. Orientador: Caio Cesar Giannini Oliveira Belo Horizonte 2008

3 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador, Professor Me. Caio Cesar, por toda paciência e principalmente pelos conselhos e dicas não só para esse trabalho, mas para a vida. A todos os profissionais que entrevistei, que apesar de ocupados com seus trabalhos e afazeres foram atenciosos e gentis me reservando seu tempo e colaborando com todo o prazer para essa pesquisa. Também agradeço aos profissionais, que por motivos quaisquer, infelizmente não puderam contribuir.

4 RESUMO Essa dissertação busca trazer um estudo sobre o Design Centrado no Usuário aplicado para a criação de produtos interativos. O objetivo é buscar indicadores que mostrem possíveis saídas para os problemas oriundos do próprio mercado, das empresas, de metodologias e do campo da mídia interativa. Primeiramente as abordagens que caracterizam o Design Centrado no Usuário são apresentadas englobando métodos e técnicas voltadas para a coleta de dados junto aos usuários. Também foram apresentadas conceituações acerca das disciplinas que compõe o Design da Experiência do Usuário, a fim de se caracterizar as áreas responsáveis pela utilização da filosofia do Design Centrado no Usuário. Em seguida serão apresentadas entrevistas feitas com profissionais brasileiros que atuam no mercado nacional e internacional onde são expostos seus pontos de vista em relação ao Design Centrado no Usuário, problemas enfrentados durante os projetos de produtos interativos, impactos desses problemas para os projetos e de que forma eles contornam esses problemas de acordo com suas experiências profissionais. Ao final uma reflexão é feita com base no estudo realizado onde os relatos dos profissionais são estruturados e apresentados como forma de se agregar conhecimento que ajude outros profissionais da área. Este trabalho foi concebido para o curso de Pós-graduação em Design de Interação da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Palavras chave: Design Centrado no Usuário; Produtos interativos; Design da Experiência do Usuário; Design de Interação; Limitações em projetos.

5 ABSTRACT This dissertation quest to bring a study on the User-centered Design, applied for the creation of interactive products. The objective is to indicators that show possible solutions to problems from the market itself, businesses, methodologies and the field of interactive media. First the approaches that characterize the in User-centered Design are presented encompassing methods and techniques aimed to gather data from users. Conceptualizations were also made about the subjects that make up the User Experience Design, to characterize the areas responsible for the philosophy of the User-centered Design. Then interviews will be presented made with Brazilian professionals who work in national and international market where they are exposed its views in relation to the User-centered Design, problems faced during the projects of interactive products, impacts of such problems for the projects and that how they circumvent these problems in accordance with their professional experience. In a final reflection is made on the basis of study where the reports of professionals are structured and presented as a way to add knowledge to help other professionals in the area. This work is designed for post-graduation course of Interaction Design of Pontifical University Catholic of Minas Gerais. Key-words: User-centered Design; Interactive products; User Experience Design; Interaction Design; Limitations on projects.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Linha de pesquisa Problema de pesquisa Objetivos de pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO Design Centrado no Usuário Abordagens de DCU Design participativo Etnografia Pesquisas quantitativas e qualitativas Teste de usabilidade Estruturação das abordagens Disciplinas responsáveis pelo projeto da experiência do usuário Design de Interação RESULTADOS DA PESQUISA Sobre a viabilidade do DCU Problemas e limitações no DCU Contornando as limitações Principais problemas... 43

7 4.5 Limitações específicas sobre regras de negócios e política Sobre a tecnologia O impacto das limitações nos projetos Justificando o DCU CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 56

8 1 INTRODUÇÃO Reis (2007) cita pesquisas sobre a produção e a distribuição da informação, realizadas pela University of California at Berkeley que apontam que a quantidade de informação produzida pelo homem nos anos 2000 é a maior da história da humanidade. E parte desse fenômeno se deve a explosão da internet, com o grande volume de conteúdo que trafega em sua rede. O número de web sites e de conteúdos publicados na web tem crescido de forma significativa. Com pouco mais de 15 anos de utilização comercial, a internet já possui cerca de 100 milhões de web sites (Reis, 2007). Após a explosão da web no final da década de 1990 e começo dos anos 2000, houve uma mudança de paradigma e a web passou a ser um meio para a extensão e criação de serviços que atendam as necessidades das pessoas ou mesmo facilitem suas vidas de alguma forma. Com isso, o desenvolvimento de projetos de produtos online teve que acompanhar o crescente aumento das demandas desse meio, não só ampliando o que é feito, mas levando em consideração a qualidade do que é feito. Qualidade que é fator crucial para o sucesso de investimentos na web e é resultado direto de se incluir o usuário no processo de desenvolvimento, levando em consideração suas necessidades, objetivos e características (Agner, 2006). A conseqüência disso é que o desenvolvimento web deixou de ser realizado por um único profissional e passou a ser um trabalho multidisciplinar. Vários profissionais especializados em cada etapa do processo trabalham juntos para que os web sites sejam efetivamente usados pelas pessoas (Memória, 2005). O Design Centrado no Usuário e as pesquisas em usabilidade e arquitetura de informação são muito importantes para se produzir web sites de qualidade. E é por isso que o investimento nessas áreas tem aumentado tanto nos últimos anos (Rosenfeld e Morville, 2006). 7

9 Porém a realidade do mercado mostra que o investimento em pesquisa e a aplicação de seus resultados nos projetos não é uma tarefa fácil. Vários fatores como custo, tempo, regras de negócio e questões técnicas e tecnológicas, precisam ser levados em consideração e devem ser corretamente administrados com os resultados alcançados pelos estudos sobre os usuários. Com freqüência surgem dificuldades em aplicar o que é identificado nas pesquisas com os usuários, nos projetos web. Em alguns casos, a própria realização das pesquisas que embasam os projetos é um processo complicado. Este estudo está estruturado em duas partes. Na primeira foi realizada uma revisão da literatura para se conceituar e descrever as abordagens Design Centrado no Usuário, assim como das disciplinas responsáveis pelo Design da Experiência do Usuário, que fazem uso dos métodos e técnicas que buscam trazer os usuários para o centro das atenções no processo de desenvolvimento de produtos interativos. Na segunda parte serão apresentadas entrevistas realizadas com profissionais atuantes no mercado nacional e internacional a fim de constatar suas visões e experiências sobre os problemas que enfrentam durante a aplicação das metodologias do Design Centrado no Usuário. O estudo realizado e as respostas dos profissionais trouxeram reflexões sobre a visão que os profissionais têm acerca do Design Centrado no Usuário, assim como as abordagens que utilizam para contornar os problemas provocados pelas limitações nos projetos comerciais de produtos interativos. 8

10 1.1 Linha de pesquisa Design centrado no usuário para projetos de desenvolvimento de produtos interativos. 1.2 Problema de pesquisa Como conciliar satisfatoriamente os resultados obtidos nas pesquisas com usuário (Design Centrado no Usuário) com fatores decisivos no processo de desenvolvimento para mídia interativa, como interesses comerciais e políticos das empresas, questões tecnológicas e custos? 1.3 Objetivos de pesquisa Objetivo geral Buscar indicadores para se conciliar satisfatoriamente os resultados obtidos nas pesquisas com usuário (Design Centrado no Usuário) com fatores decisivos no processo de desenvolvimento para produtos interativos, como interesses comerciais e políticos das empresas, além das questões tecnológicas e de custos envolvidos. 9

11 1.3.2 Objetivos específicos - Realizar um estudo sobre os métodos, técnicas e abordagens do Design Centrado no Usuário; - Investigar os motivos pelos quais as decisões, que impactam no resultado final dos produtos, são tomadas em projetos de produtos interativos. - Propor soluções práticas para adequar Design Centrado no Usuário com fatores conflitantes do mercado; 1.4 Justificativa Aplicar o Design Centrado no Usuário no mercado profissional é um desafio constante para as equipes de desenvolvimento web. O problema de se conciliar resultados das pesquisas, vontades dos clientes, especificidades do mercado, questões e limitações técnicas e tecnológicas, acontece com freqüência nos projetos de desenvolvimento, fazendo com que os profissionais questionem constantemente sobre o problema e a possibilidade de sistematizar algum tipo de solução ou alternativas possíveis. Além disso, a contribuição devidamente embasada para um problema que atinge o campo de atuação do Design de Interação vai acrescentar à construção de conhecimento dessa área que tem ganhado grande importância no Brasil. As conclusões da pesquisa poderão acumular conhecimento para a produção cientifica da área e também ajudar outros profissionais que atuam no mercado e enfrentam os mesmos tipos de problemas. 10

12 2 METODOLOGIA Este trabalho busca estudar uma questão prática no campo de atuação de profissionais que trabalham no desenvolvimento de produtos interativos. Para isso foi realizada uma pesquisa bibliográfica e entrevistas com profissionais brasileiros atuantes no mercado nacional e internacional. A pesquisa bibliográfica teve como objetivo descrever a metodologia do Design Centrado no Usuário, identificando conceitos e citando os métodos e técnicas utilizados para centrar o desenvolvimento de produtos interativos nos usuários. Também foram descritas e contextualizadas as disciplinas responsáveis pelo Design da Experiência do Usuário, que utilizam métodos e técnicas de Design Centrado no Usuário para alcançar seus objetivos, e em especial o Design de Interação. Os autores consultados trabalham sobre o paradigma de disciplinas como a Interação Homem-computador, o Design de Interação e a Arquitetura de Informação, onde o Design Centrado no Usuário se tornou uma prática necessária e constante. Algumas das publicações utilizadas são obras bastante atuais (2003 a 2008) de autores que atuam no mercado de trabalho e tratam sobre a experiência do usuário, design de interação e pesquisa com usuários como Indi Young, Dan Saffer e Mike Kuniavsky, todos atuantes na empresa norte americana Adaptive Path, que é referência mundial na área. Para a realização deste estudo foi escolhido o paradigma da pesquisa exploratória, que segundo Gil (1999) tem a finalidade de criar uma visão geral sobre o assunto que está sendo estudado. Como o problema escolhido é essencialmente prático e ligado ao mercado, estudos e sistematizações são raras e isso justifica a utilização de pesquisas exploratórias como afirma o autor, que se baseia principalmente em levantamento bibliográfico, estudos de caso e entrevistas não padronizadas. Como técnica para coletar dados foi utilizada a entrevista não padronizada com profissionais do mercado. O motivo da escolha se deu em decorrência de ser uma 11

13 forma de diálogo assimétrico que visa coletar dados em profundidade sobre o assunto que se busca pesquisar (Gil, 1999). Dessa forma a coleta de dados se baseou em uma orientação essencialmente qualitativa, pois se deu através de um processo de comunicação em que os dados obtidos não serviram para medir algo, mas sim compreender um cenário. Adicionalmente, a escolha da abordagem qualitativa se justifica nesse estudo, pois é mais indicada pra casos em que: [...] não é possível construir uma amostra representativa, quer pela dificuldade de pesquisar um número elevado de indivíduos, pela necessidade de conhecer particularidades das opiniões ou pela necessidade de interpretar a realidade social. (Carvalho, 2003, p. 11). A fim de se coletar diferentes experiências, optou-se por escolher profissionais que atuam em regiões distintas do Brasil e também profissionais brasileiros que residam e atuem no exterior. A escolha desses profissionais se baseou no nível de experiência com projetos que envolvem pesquisas com usuários, no interesse acadêmico e pessoal na área e na relevância da empresa onde o profissional atua, para o mercado. Entre os dias três de junho e dois de julho de 2008 foram entrevistadas nove (09) pessoas que trabalham em empresas voltadas para o desenvolvimento de produtos interativos no Brasil e no exterior. Devido à dispersão geográfica dos profissionais escolhidos para participar da pesquisa, as entrevistas foram realizadas de forma eletrônica por o que trouxe vantagens como o ganho de tempo por não ser necessário a transcrição da entrevista e o fato de que os profissionais respondentes puderam reservar o tempo que lhes fosse mais conveniente para responder as perguntas, evitando incômodos. 12

14 3 REFERENCIAL TEÓRICO A fim de estabelecer conceitos sobre a prática da pesquisa com usuários, assim como definições sobre métodos, técnicas e abordagens, foi feita uma revisão de literatura das áreas de interação homem-computador e design da experiência do usuário. Com isso foi possível descrever as origens da preocupação com o usuário no desenvolvimento de produtos interativos e as especificidades dos métodos utilizados para centrar os esforços de design observando-se as pessoas que irão utilizar os produtos que serão criados. 3.1 Design Centrado no Usuário Rubin (1994) conceitua Design Centrado no Usuário (DCU) do inglês usercentered design, como uma filosofia em que se coloca o usuário no centro do processo de desenvolvimento. Isto é, ao se desenvolver produtos interativos, como web sites, deve-se levar em consideração as características, necessidades e desejos das pessoas que efetivamente usarão tais produtos. O foco no usuário representa a utilização de técnicas e métodos que busquem trazer os usuários para processo de design, a fim de se criar produtos, que além de possuir uma boa usabilidade, sejam adequados às reais necessidades das pessoas. A preocupação com o homem no processo de desenvolvimento de produtos nasceu em meados do século XX, com a intensa evolução tecnológica. Nesse contexto, em que houve o avanço da produção industrial e das máquinas, tornou-se necessário conhecer mais a fundo o homem, com o intuito de adequar da melhor forma possível, ferramentas, máquinas, tarefas, trabalho e ambiente às características e capacidades humanas, para que o sistema de produção fosse 13

15 eficiente (Moraes e Mont Alvão, 1998). As autoras citam que durante a II Guerra Mundial os engenheiros perceberam que a eficácia dos projetos de engenharia dos artefatos de grande complexidade tecnológica, como os aviões de guerra, não era suficiente para se alcançar os objetivos esperados. O motivo é que os produtos tecnologicamente perfeitos precisavam ser operados por pessoas, que diante de interfaces complexas e que não levavam em consideração as capacidades do cérebro humano, cometiam vários erros. Essas falhas acabavam por acarretar em perdas de vidas, destruição das máquinas, elevação dos custos de guerra e finalmente em conseqüências políticas para os países que poderiam ser prejudicados na guerra. Dessa forma, nasceu a Ergonomia, ciência multidisciplinar responsável pelo estudo sobre as características físicas, psíquicas e cognitivas do homem. A Ergonomia passou a ser abordada em pesquisas sobre os fatores humanos em todo o mundo, com uma função importante para a construção do entendimento sobre o papel fundamental, que exercia o conhecimento acerca das especificidades físicas e cognitivas do homem. Contudo segundo Wisner (1989, apud Moraes e Mont Alvão, 1998), a moderna visão da Ergonomia centrada na pessoa deve levar em conta mais que as específicas propriedades do homem, para trabalhar com a perspectiva de que experiências individuais e coletivas, assim como a sociedade e a cultura podem interferir em como o homem usa suas propriedades inerentes, ou seja, o seu comportamento. Portanto é preciso considerar mais que o contexto imediato de utilização de determinado produto; é preciso levar em conta o contexto sóciohistórico do usuário. Gould e Lewis (1985, apud Rubin, 1994) citam três princípios básicos para o DCU: Manter o foco no usuário e em suas tarefas desde o início no projeto, ou seja, identificar e aproximar os usuários e a equipe de desenvolvimento desde o começo do ciclo de vida dos projetos; 14

16 Avaliação de uso do produto, quer dizer, medir a facilidade de uso e de aprendizado desde o princípio do projeto, realizando testes em protótipos com usuários reais do produto e analisando os resultados obtidos; Design iterativo, em que o produto é criado, modificado e testado repetidamente, isto é, testar a todo o momento os modelos conceituais que estão sendo criados, fazer as modificações necessárias e testar novamente para se chegar a um resultado satisfatório. Nielsen (1993) também aborda a importância do ciclo iterativo de design para o DCU e enfatiza a necessidade de evolução constante das idéias e modelos conceituais que estão sendo criados. Segundo o autor, o DCU se organiza pelas etapas de análise, especificação, prototipação e avaliação. A etapa de análise é realizada no começo do projeto, e tem como objetivo identificar quem são os usuários finais do produto, como se comportam, quais são suas características e necessidades e como realizam a atividade em questão. A etapa de especificação descreve como será a interação do usuário com o produto, para que esse atinja seus objetivos, com base no entendimento sobre o usuário e a atividade que desempenha. Na etapa de prototipação são construídas interfaces, que representam as especificações feitas. E na etapa de avaliação são realizados testes com os usuários para validar as soluções propostas nos protótipos. 3.2 Abordagens de DCU A pesquisa com usuários lança mão de uma série de técnicas usadas pelas ciências sociais e pela psicologia para alcançar o conhecimento necessário para se produzir produtos usáveis e que atendam às necessidades das pessoas. Rubin (1994) reforça que o DCU caracteriza-se por métodos, técnicas e práticas que podem ser aplicadas em diferentes momentos do processo de desenvolvimento. 15

17 Entre elas estão o design participativo, a pesquisa etnográfica, pesquisas quantitativas e qualitativas e testes com usuários Design participativo O design participativo é uma prática na qual há a participação direta dos usuários de um produto durante todo o processo de seu desenvolvimento. Nesse caso, os usuários não são usados apenas como fonte de informação, eles são incorporados à equipe de desenvolvimento e ajudam na concepção do produto (Rocha e Baranauskas, 2003). O contexto em que surgiu o conceito de design participativo deu a ele uma conotação política, pois as razões de sua criação foram reivindicações por democracia no processo de trabalho de trabalhadores escandinavos, do final dos anos 1960 (Preece et al., 2005). Porém, o design participativo acabou sendo incorporado nas metodologias de DCU em outros contextos devido aos seus bons resultados. Azevedo (2005, p. 30) cita importantes razões para se aplicar o design participativo: Usuários ganham voz no processo de design, o que aumenta a probabilidade de se gerar um design com grande usabilidade; Permite-se que colaboradores técnicos e não-técnicos possam participar igualmente; Viabiliza-se um fórum para tratar sobre tópicos de interesse geral; Utilizam-se técnicas que podem ser facilmente aprendidas e aplicadas em atividades futuras dentro da empresa. 16

18 3.2.2 Etnografia Outra abordagem importante no DCU é a aplicação da etnografia, um tipo de pesquisa qualitativa, que se baseia na observação do processo de trabalho dos usuários em seu ambiente. Vinda da antropologia, a etnografia objetiva encontrar ordem dentro de uma atividade, em vez de impor alguma estrutura de interpretação para ela (Preece et al., 2005, p.308). É uma forma de pesquisa focada em entender as pessoas através de seus aspectos culturais, emocionais e contextuais. Dessa forma, o estudo etnográfico é uma forma de se coletar dados qualitativos com base em observações no contexto próprio dos usuários. Segundo Suchman (1987, apud Rocha e Baranauskas, 2003), a forma ideal de investigar os usuários utilizando artefatos interativos é observar esse uso no próprio ambiente particular desses usuários. Moraes e Mont Alvão (1998) citam dois tipos de observação, a assistemática em que não se tem controle e planejamento definidos sobre os fenômenos que podem ocorrer durante a observação; e a observação sistemática, que é um tipo de observação estruturada e por isso é validada como uma técnica cientifica. A observação sistemática pode ser direta ou indireta. A direta é a observação presencial, na qual o pesquisador registra os fatos que acompanha diretamente; e a indireta é realizada através de instrumentos, como uma câmera de vídeo. Segundo Rocha e Baranauskas (2003) a escolha do método de observação deve ser feita com base no tempo disponível para pesquisa e na profundidade de análise. Saffer (2007) cita quatro modalidades da técnica de observação: Mosca na parede 1 realizar uma observação direta em um local sem fazer qualquer intervenção; 1 Do original Fly on the wall (tradução nossa) 17

19 Sombra 2 em que o pesquisador segue e observa todos os procedimentos de um determinado assunto que lhe interessa, registrando o que é feito e dito; Entrevistas contextuais variação da técnica de sombra, onde o pesquisador interfere no contexto que está sendo observado fazendo perguntas aos usuários para esclarecer pontos relativos aos seus comportamentos; Agente disfarçado 3 tipo de observação em que o pesquisador se passa por usuário, simulando as mesmas interações que ele Pesquisas quantitativas e qualitativas O uso de pesquisas quantitativas e outros tipos de pesquisas qualitativas para a coleta de dados sobre os usuários também são parte fundamental do DCU. Embora haja muita discussão sobre a diferença na qualidade dos resultados obtidos através dos métodos quantitativos e qualitativos, é importante determinar quais são os objetivos da pesquisa para se optar por um ou outro método de investigação. Demo (2001) enfatiza a necessidade de se encarar os métodos quantitativos e qualitativos como complementares e que a escolha do método depende do objeto e dos propósitos da pesquisa. Moraes e Mont Alvão (1998) descrevem dois tipos de pesquisas: Descritivas o pesquisador procura conhecer e interpretar fenômenos para descrevê-los, classificá-los e interpretá-los; 2 Do original Shadowing (tradução nossa) 3 Do original Undercover agent (tradução nossa) 18

20 Experimentais o pesquisador busca explicar a existência dos fenômenos através da análise de suas causas. Entrevistas e questionários são exemplos de métodos que podem ser quantitativos, qualitativos ou até mesmo um misto entre esses dois paradigmas. Com a aplicação de entrevistas ou questionários, é possível obter informações e opiniões dos usuários ou dos futuros usuários de um produto, identificar perfis de uso e obter informações sobre satisfação de uso (Cybis et al., 2007). O objetivo e o tipo de informações que se deseja encontrar irão determinar a forma como as entrevistas e questionários serão aplicados, assim como sua dinâmica e contexto de aplicação. Essas técnicas podem ser aplicadas em conjunto com outros tipos de métodos de design centrado no usuário, a fim de se ter uma coleta de dados mais rica e eficiente. De acordo com Cybis et al. (2007), técnicas como questionários e entrevistas são utilizadas em um primeiro momento, para apoiar a equipe de desenvolvimento com informações sobre o contexto de uso dos produtos e em um segundo momento para embasar as especificações sobre o funcionamento do produto. Preece et al. (2005) pontuam que cada uma das técnicas qualitativas e quantitativas de coleta de dados possui vantagens e desvantagens, que devem ser levadas em consideração de acordo com as especificidades de cada projeto e os objetivos traçados. O uso de questionários pode ter como vantagem o alcance a um maior número de pessoas com poucos recursos, contudo o índice de resposta pode ser baixo e o tipo de resultado encontrado pode não ser o desejado, pois não há o acompanhamento e a assistência em tempo real do condutor da pesquisa. A utilização de entrevistas tem como vantagem a possibilidade do entrevistador por estar em contato direto com o entrevistado extrair dele tudo o que necessita; mas, no entanto, é uma técnica que requer tempo, treinamento e o tipo de local utilizado para a entrevista e o comportamento do entrevistador podem interferir no tipo de resposta dada pelos entrevistados. A observação natural dos usuários possui a vantagem de poder oferecer resultados que nenhuma outra técnica é capaz, porém requer muito tempo e gera grande quantidade de dados. Preece et al. (2005) ainda pontuam a necessidade de 19

21 se combinar as técnicas para assegurar e corroborar os resultados obtidos, pois cada técnica trará certo tipo de informação a partir de uma perspectiva específica. Portanto a escolha das técnicas a serem utilizadas para a coleta de dados deve ser feita levando-se em consideração a natureza de cada técnica, o conhecimento do pesquisador, a natureza do objeto a ser estudado, a disponibilidade dos usuários e stakholders e o tipo de informação de que se necessita Teste de usabilidade Outro ponto fundamental no processo de DCU é o teste de usabilidade, que tem como objetivo constatar possíveis problemas de interação entre usuário e produto e dessa forma avaliar a qualidade das interações (Cybis et al., 2007). Os testes de usabilidade consistem em observar usuários representativos usando e realizando tarefas típicas em um produto, a fim de constatar possíveis problemas e falhas na interface e são uma importante etapa do design iterativo, que busca um refinamento contínuo durante o desenvolvimento de produtos ou sistemas. Rubin (1994) divide os testes com usuários em quatro tipos: testes exploratórios; testes de medição; testes de avaliação e testes de comparação. Esses testes acontecem em diferentes momentos do ciclo de vida de design e possuem diferentes características e objetivos. Os testes exploratórios são feitos nas primeiras etapas do processo de desenvolvimento do produto e tem como objetivo avaliar a efetividade dos modelos conceituais que estão sendo criados com base nos modelos mentais dos usuários. São testes mais informais no qual usuário e avaliador conversam sobre as idéias que estão sendo geradas e o usuário interage com protótipos de baixo nível, que representam os modelos conceituais criados. 20

22 Os testes de medição são um estágio intermediário entre a informalidade dos testes exploratórios e a formalidade dos testes de validação. Eles expandem os resultados obtidos nos testes exploratórios ao serem realizados em protótipos mais detalhados. Dessa forma, tarefas primárias já podem ser testadas e os usuários podem fazer comentários sobre as interfaces e com isso medidas quantitativas podem ser coletadas. Os testes de validação são feitos em uma etapa mais avançada do processo de desenvolvimento e validam a usabilidade das interfaces do produto. Além de analisar a eficiência da interface os testes de validação medem o nível de qualidade da interação dos usuários com o produto a partir dos requisitos de usabilidade que são estipulados no início do projeto. São testes formais e com maior rigor cientifico para a coleta dos dados. Os testes de comparação podem acontecer durante todas as etapas do processo de desenvolvimento de um produto. Eles podem ser associados aos testes exploratórios, de medição e de validação para fazer comparações diversas nas diferentes etapas de desenvolvimento. Nas etapas iniciais, juntamente com os testes exploratórios e de mediação podem ser usados para comparar estilos de interface, nas etapas intermediárias podem ser usados para comparar elementos de interação específicos da interface e nas etapas finais de desenvolvimento podem ser usadas para verificar o impacto do produto no mercado junto a seus concorrentes Estruturação das abordagens Young (2008) separa as pesquisas com usuários em três grupos: pesquisas de preferência, pesquisas avaliativas e pesquisas geradoras 4. 4 Do original Generative research (tradução nossa) 21

23 As pesquisas de preferência englobam técnicas como questionários, grupos de foco e entrevistas, para se coletar opiniões, gostos e desejos. Os dados coletados com essas técnicas podem ser usados nos processos de design, branding, análise de marketing e campanhas publicitárias. Essas técnicas podem ser úteis para prospectar um grande número de usuários a fim de determinar a forma como um produto será aceito. As pesquisas avaliativas compreendem técnicas como testes de usabilidade, análise de logs, análise de buscas, card sorting e análise dos feedbacks de clientes. Os dados coletados com essas técnicas são importantes para se pensar nas funcionalidades, programação visual, nomenclaturas e arquitetura de informação. Elas podem ser importantes para saber como os produtos são entendidos e usados pelos usuários. Já as pesquisas geradoras englobam técnicas como entrevistas não direcionadas, análise contextual, diários, análise de modelos mentais e etnografia. São importantes para as etapas de projeto de navegação, design de interação, marketing e informação contextual. As pesquisas geradoras exploram as formas como as pessoas pensam para fazer determinada coisa e por isso são importantes para se criar produtos adequados às necessidades das pessoas. Algumas dessas técnicas se tornaram mais comuns na etapa de pesquisa do design de produtos interativos, principalmente por trazerem resultados significativos e proveitosos para embasar as criações das equipes de desenvolvimento. Dentre elas podemos citar: Diários Segundo Kuniavsky (2003), essa é uma técnica em que usuários são impelidos a escrever diariamente sobre seus sucessos e frustrações ao realizar tarefas em um produto. As principais qualidades do uso de diários são: possibilidade de se mapear hábitos de uso, padrões de interação e origens dos erros nos produtos, ser uma técnica que independe de fatores geográficos, já que os usuários podem escrever em seus diários de qualquer lugar e ser um procedimento com baixo custo de aplicação; 22

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi

Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos. (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Projeto de Interfaces para Sistemas Contemporâneos (ou IxD 101) CBSoft 2012 Tâmara Baía e Giselle Rossi Sobre o que é este curso? Definições de Design de Interação Características Atividade 1 - Foco

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Prototipação Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Prototipar...... desenvolver e testar interfaces antes

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

Processos de Design de IHC (Parte II)

Processos de Design de IHC (Parte II) Interface Homem/Máquina Aula 8 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

_aplicando ux design em. projetos digitais cases da Catarinas Design

_aplicando ux design em. projetos digitais cases da Catarinas Design _aplicando ux design em projetos digitais cases da Catarinas Design Esse ebook tem o objetivo de mostrar que é possível inserir UX design na sua empresa, startup ou projeto. Neste material apresentamos

Leia mais

Arquitetura de Informação

Arquitetura de Informação Arquitetura de Informação Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação? Ferramentas para Web Design 2 Arquitetura de Informação (AI): É a arte de expressar

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

6 Métodos e técnicas da pesquisa

6 Métodos e técnicas da pesquisa 6 Métodos e técnicas da pesquisa 93 6 Métodos e técnicas da pesquisa 6.1. Introdução Nos primeiros capítulos deste trabalho foram apresentadas as principais evoluções ocorridas tanto no ambiente da Internet

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Cristiano Cortez da Rocha, Eduardo Spolaor Mazzanti, Matheus Anversa Viera

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Análise de Construtibilidade

Análise de Construtibilidade IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO EM ENGENHARIA DE PLANEJAMENTO Turma 01 Análise de Construtibilidade Fernando Souza Cota Carvalho Melanie Deborah Cardoso de Souza Diniz Belo

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Análise Preditiva de Vantagem Comercial

Análise Preditiva de Vantagem Comercial PESQUISA TDWI PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2014 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO DE MELHORES PRÁTICAS TDWI Análise Preditiva de Vantagem Comercial Por Fern Halper tdwi.org RESUMO EXECUTIVO Análise Preditiva de Vantagem

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Informação Usabilidade não é apenas o usuário conseguir usar o produto! Cinco atributos da usabilidade (NIELSEN, 1993): 1. Facilidade de aprendizagem 2.

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Algumas questões importantes sobre um projeto digital. Dependendo do cliente não é necessário levantar uma grande quantidade de dados. Utilize este

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA

QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA QUALIFICAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DE ARQUITETURA Silvio Burrattino MELHADO Engenheiro Civil, Professor da Escola Politécnica da USP. Av. Prof. Almeida Prado, travessa 2, n 271, CEP 05508-900 São Paulo

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

Insight MINDFULNESS, CREATIVIDADE E DESIGN THINKING PARA RESOLVER PROBLEMAS E DESAFIOS NA SUA EMPRESA

Insight MINDFULNESS, CREATIVIDADE E DESIGN THINKING PARA RESOLVER PROBLEMAS E DESAFIOS NA SUA EMPRESA Insight MINDFULNESS, CREATIVIDADE E DESIGN THINKING PARA RESOLVER PROBLEMAS E DESAFIOS NA SUA EMPRESA OBJETIVO Auxiliar equipes de projetos a solucionar problemas por meio de metodologia própria baseada

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais