Experiência do Usuário e Designde Interfaces no Contexto Universitário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiência do Usuário e Designde Interfaces no Contexto Universitário"

Transcrição

1 Experiência do Usuário e Designde Interfaces no Contexto Universitário User Experience and Interface Design in the University Context Santa-Rosa, José Guilherme; Doutor em Educação em Ciências e Saúde (UFRJ); Mestre em Design (PUC-RIO) / LEXUS/UFRN Rebouças, Andrei Gurgel de Araújo; Mestrando em Design (UFRN); Colaborador LEXUS/UFRN Passos, Marcel; Graduando em Design (UFRN); LEXUS/UFRN Resumo O presente artigo objetiva apresentar e discutir o conceito de Experiência do Usuário (UX) e relatar a continuidade das pesquisas no desenvolvimento de aplicativo mobile para gerenciamento acadêmico (SIGAA). Foram investigadas questões relacionadas às expectativas, necessidades e qualidade da experiência do usuário durante o uso do sistema desktop e do protótipo do aplicativo para versão mobile, bem como as contribuições trazidas pela abordagem do Design Participativo, empregada como metodologia de projeto. Concluiuse, de modo geral, que envolver indivíduos pertencentes ao público-alvo do sistema no processo de design contribui para a melhoria da qualidade da experiência do usuário. Palavras Chave: Experiência do usuário; usabilidade; design. Abstract This paper aims to present and discuss the concept of User Experience (UX) and reports the continuity of research on the development of a mobile application for academic managing (SIGAA). Have been investigated issues related to the expectations, needs and quality of the user experience while using the desktop system and the prototype application on mobile version, as well as the contributions and implications brought by the Participatory Design approach, employed as a design methodology. It was concluded that, in general, involving people from the target audience in the design process contributes to improving the quality of user experience. Keywords: User experience; usability; design.

2 Introdução O uso da tecnologia está cada vez mais impregnado ao contexto quotidiano das pessoas, inclusive no meio acadêmico, e a compreensão da qualidade das experiências dos usuários neste contexto específico é elemento central para o aprimoramento contínuo dessas interfaces. Desenvolvido pela SINFO Superintendência de Informática da UFRN O Sistema de Gerenciamento de Atividades Acadêmicas (SIGAA) é um exemplo do aumento dessa tendência de uso. O SIGAA é uma interface inicialmente desenvolvida para a plataforma desktop amplamente utilizada por professores e alunos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e outras instituições do Brasil. Professores podem gerir conteúdos de aulas, lançamentos de frequências, notas e notícias, dentre outras funções. Já os alunos podem verificar as disciplinas nas quais estão matriculados, suas notas e frequências, além de terem acesso ao material de aula disponibilizado por seus professores, receberem informativos importantes, dentre outras funções. Neste contexto de uso, a investigação da experiência dos usuários do SIGAA tem sido levada em consideração para a elaboração de uma nova interface para o aplicativo, desta vez em plataforma mobile, utilizando a abordagem do Design Participativo em questões relacionadas a usabilidade e recursos a serem disponibilizados. Por meio da análise inicial da versão desktop do sistema foi possível levantar as impressões sobre a qualidade da experiência no uso dos recursos existentes assim como a receptividade e impressões em relação àquelas funções que seriam sugeridas no desenvolvimento da versão mobile da interface. Para esta fase foram utilizadas seções de Grupo de Foco com alunos e aplicação de Análise Contextual junto aos professores. Foram ainda realizadas análises na versão inicial do aplicativo mobile, à época já em desenvolvimento pela SINFO. Através dessa versão em desenvolvimento foi possível realizar Avaliação Heurística Participativa por peritos do Laboratório de Experimentação em Usabilidade (LEXUS/UFRN), sequenciadas por Avaliação Cooperativa com estudantes e professores. Com base nesses resultados foram desenvolvidos mockups gráficos com as sugestões de melhorias e, especificamente para a verificação da experiência de uso por parte dos professores do recurso de inclusão e alteração da frequência dos alunos na plataforma mobile, optou-se por desenvolver três alternativas diferentes e testá-las por meio da técnicas de Prototipagem. A função de manutenção da frequência dos alunos por parte dos professores mostrou-se um dos recursos que mais precisava de atenção nesta fase. Não havia, por parte da equipe de desenvolvimento, total clareza a respeito da maneira com a qual essas informações deveriam ser manipuladas. Este recurso também foi apontado como um dos mais confusos aos participantes durante as pesquisas de Avaliação Cooperativa. Ressalta-se, ao longo desse processo, o caráter fundamental assumido pela metodologia do Design Participativo para o aprimoramento do projeto.

3 A Experiência do Usuário A Experiência do Usuário (UX) está relacionada a como um indivíduo se sente enquanto usuário de um produto, sistema ou serviço e ao prazer e a satisfação evocados no contato com este artefato (PREECE, ROGERS, SHARP, 2011). A Experiência do Usuário inclui aspectos subjetivos atribuídos a uma interação humano-computador, mas também pode envolver a percepção de uma pessoa aos aspectos de usabilidade e facilidade para alcançar seus objetivos numa determinada interação. A experiência do usuário é vital para todos os tipos de produtos e serviços e se não for provida de uma maneira positiva, as pessoas certamente não os usarão mais (GARRETT, 2010). É preciso estar ciente, todavia, que não se projeta as experiências dos usuários propriamente, mas sim, criam-se as condições para que elas sejam evocadas (PREECE, ROGERS, SHARP, 2011). O contexto de uso dos artefatos, e mais especificamente em aplicativos mobile, é algo que deve ser cuidadosamente levado em consideração para a definição dos recursos que serão disponibilizados e na definição da experiência do usuário pretendida. Em relação ao meio acadêmico, e ao SIGAA mobile em especial, estabeleceu-se como desejado que a experiência do usuário do aplicativo evocasse sentimentos como a sensação de segurança e de utilidade do seu uso no dia-a-dia do usuário, que fosse ainda uma interface atraente e que provocasse elevado nível de satisfação. Em sentido oposto, tentou-se evitar que o sistema acadêmico pudesse transmitir sensação de funcionamento enfadonho, frustrante ou irritante ao uso ou que fosse atribuído ao sistema qualquer tipo de insegurança ou falta de credibilidade. Para atingir esses objetivos, buscou-se desenvolver interfaces com princípios minimalistas para a proposta do novo SIGAA mobile e, ainda, conectar questões de aspectos subjetivos com princípios de usabilidade conhecidos. Analisando sob ótica de promover satisfação e eficiência no uso, aspectos desejados no contexto acadêmico, o conceito da Experiência do Usuário se aproxima das recomendações de usabilidade de Nielsen (1994b). Metodologia Empregou-se métodos do Design Participativo baseados em estudos etnográficos que visam identificar os contextos de uso e os perfis dos usuários que utilizam o aplicativo, seus comportamentos, desejos, necessidades e objetivos. Participaram como sujeitos da pesquisa alunos e professores da própria universidade. Foram adotadas as técnicas de Grupo de Foco, Avaliação Heurística Participativa, Análise Contextual e Avaliação Cooperativa, além da elaboração de um protótipo para testes específicos na funcionalidade de manutenção de frequências, no perfil de professores. Com relação as técnicas qualitativas, participaram da presente pesquisa 17 sujeitos: 7 professores e 10 alunos. A partir das informações levantadas por meio das sessões de Grupo de Foco, das Avaliações Cooperativas e da análise dos resultados foram propostas recomendações de usabilidade e mockups das telas do aplicativo. A seguir são apresentadas as técnicas empregadas na presente pesquisa, assim como os sujeitos participantes e os objetivos de cada uma. Grupo de Foco (EDMUNDS, 1999): reunião com diferentes perfis de usuários para elencar suas necessidades e expectativas com relação ao produto. Participaram 7 alunos distribuídos em duas sessões.

4 Análise Contextual (PREECE, ROGERS, SHARP, 2011): se baseia em quatro conceitos: contexto, parceria, interpretação e foco. O designer atua como um aprendiz do usuário, numa combinação de observação, discussão e reconstrução do passado. A análise foi realizada com 5 professores. Avaliação Heurística Participativa (MULLER et al 1998; SANTA-ROSA, MORAES,2012): inspeção de usabilidade realizada no sistema por especialistas e a partir de princípios heurísticos. As avaliações foram feitas por 3 analistas. Avaliação Cooperativa (MONK, 1993): os participantes são convidados a interagir com o sistema durante a realização de tarefas estabelecidas pela equipe. São estimulados a verbalizar seus pensamentos e opiniões a respeito da utilização do sistema e dos elementos de interface gráfica, expondo suas impressões e expectativas. Participaram 2 professores e 3 alunos. Prototipagem (PREECE, ROGERS, SHARP, 2011): uma forma efetiva de testar possibilidades respondendo questões que podem ajudar efetivamente os designers a escolherem uma dentre várias alternativas. Resultados A seguir são apresentados os principais resultados obtidos na pesquisa. Grupo de Foco Este método foi aplicado para identificar as necessidades e sentimentos em relação ao uso do sistema SIGAA desktop assim como as expetativas em relação a versão mobile. Foram criados dois grupos homogêneos. O primeiro foi formado por três alunos do curso de Artes Visuais, que declararam pouca ou nenhuma intimidade com o uso de smartphones. O segundo grupo foi formado por quatro alunos do curso de Design, que se declararam frequentes usuários de smartphones e da plataforma SIGAA desktop. A fim de conduzir a discussão, o mediador possuía uma lista de perguntas previamente elaboradas, um roteiro que serviu para nortear o início da sessão, abrangendo: o uso do sistema acadêmico no cotidiano de alunos e professores; das funções do sistema consideradas mais importantes pelos participantes da pesquisa; dos locais nos quais o sistema é acessado com mais frequência; de possíveis dificuldades na utilização do sistema; do padrão de comportamento de leitura, estudo e comunicação, de estimativas de duração de acessos; da predisposição dos participantes ao uso da versão mobile do Sistema Acadêmico; e de recursos que os participantes considerariam essenciais para o aplicativo no smartphone. Percebeu-se que o sistema SIGAA desktop tem um papel bastante definido para a vida acadêmica dos alunos de um modo geral: ele possibilita que se economize tempo para outras atividades. Sem o sistema, colocou um dos entrevistados, eles teriam que enfrentar muitas filas para conseguirem acesso ao material de aula nas copiadoras Xerox atualmente este material é disponibilizado no sistema. Além disso, mencionaram que o processo de renovação de matrícula seria muito complicado e até mesmo renovar o empréstimo de um livro na biblioteca se converteria numa tarefa árdua. Curioso observar que estas observações foram

5 percebidas até mesmo pelo grupo formado por estudantes de Artes Visuais, que se declaram pouco entusiastas em relação a artefatos de tecnologia. Para um dos entrevistados, inclusive, a tecnologia representava um aprisionamento, uma excessiva dependência: O computador veio resolver problemas que nós não tínhamos. Porém, este mesmo aluno, em um outro momento da sessão, relatou sua satisfação e alívio ao conseguir realizar sua matrícula durante uma viagem. De um modo geral os alunos se mostraram entusiasmados com a possibilidade de usarem o sistema em smartphones: Para quem já usa smartophone vai ser ótimo. Dentre as principais funções usadas pelos entrevistados estão: a verificação de notas, frequências, planos de aulas, possibilidade de baixar e ler textos. Foi relatado que o recurso de troca de mensagens dentro do sistema desktop não possuía uma boa experiência de uso, fazendo com que os alunos preferissem trocar mensagens através de . O segundo grupo, formado por alunos do curso de Design, concordou que o SIGAA mobile poderia trazer relevantes avanços, mas compartilhavam a opinião de que as informações não devem ser demasiadamente longas porque que não gostavam de ler grandes quantidades de textos na tela dos smartphones. Prefeririam fazer este uso através de um tablet, por exemplo. Na opinião deles, o sistema na plataforma SIGAA mobile seria muito último para receber avisos urgentes, como a alteração de sala de aula que algumas vezes ocorrem de última hora, além da possibilidade de usar GPS dentro da própria universidade e poder localizar determinado prédio de uma forma mais fácil. Cabe ressaltar o contexto de que a UFRN abrange uma área considerável, ocupando cerca de 123 hectares. Análise Contextual O método foi usado para analisar como cinco professores utilizam o sistema do SIGAA desktop. O método permite que se compreenda a experiência de uso do sistema desktop em seu contexto real, além de dar pistas importantes a respeito de aspectos que seriam implementados na versão mobile. Elaborou-se um roteiro inicial de perguntas que procurava explorar possíveis situações de dificuldades frente ao sistema, e procurou-se estabelecer uma relação de parceria com o participante. De um modo geral a sensação dos professores é que o SIGAA desktop melhora a relação deles com os alunos, mas houve queixas quanto algumas falhas de usabilidade: O sistema não permite que eu abra abas no navegador. Apontaram ainda como aspecto positivo o fato de os informativos emitidos aos alunos ficarem guardados no sistema: É uma forma de se precaver. Nem todos os professores entrevistados se declararam assíduos usuários de smartphones ou de tablets, um deles ainda mantinha um aparelho celular simples, apenas para realizar e receber chamadas. Apesar isso, todos concordam que a proposta de uma versão mobile seja positiva, especialmente para conferir uma informação breve e urgente, enviar determinados alertas aos alunos e para lançamentos de frequências e notas. Um deles, todavia, se mostrou especialmente preocupado com o fator segurança. O participante receia que os dados não fiquem seguros o suficiente ao serem acessos através de um smartphone e que possam ser acessados por terceiros. Todos apontaram problemas instabilidade do sistema e perda de dados digitados em situações críticas, como quando estavam preenchendo notas ou frequências, o que gerava considerável grau de insatisfação. Destaca-se, todavia que o sistema apresenta recurso para abertura de chamado, no qual o

6 usuário pode relatar erros, apresentar suas dúvidas ou sugerir modificações. Em levantamentos assistemáticos preliminares junto aos professores, verificou-se que todos os que utilizaram alguma vez o recurso obtiveram retorno da equipe de desenvolvimento. Segundo alguns professores, isto dá credibilidade ao sistema, posto que sabem que o sistema está em constante expansão, num processo de refinamento e atualização contínuo. Avaliação Heurística Participativa A técnica foi utilizada para avaliar a versão mobile inicialmente elaborada pela SINFO. A Avaliação Heurística Participativa consiste em detectar problemas de utilidade, informacionais e de usabilidade (SANTA-ROSA E MORAES, 2010). Usando como base os 10 princípios de Nielsen (1994b) e mais três princípios definidos por Muller et. al. (1998), as avaliações heurísticas foram feitas por três avaliadores. Para a avaliação da interface preliminar do SIGAA mobile utilizou-se um simulador do sistema operacional Android em computadores e testes no próprio smartphone. Para a inspeção de usabilidade do sistema foram considerados os 13 princípios heurísticos: 1) visibilidade do status do sistema; 2) Equivalência entre o sistema e o mundo real; 3) Controle do usuário e liberdade; 4) Consistência e padrões; 5) Prevenção de erros; 6) Reconhecimento em vez de memorização; 7) Flexibilidade e eficiência de uso; 8) Estética e design minimalista; 9) Ajudar os usuários a reconhecer, diagnosticar e recuperar ações erradas; 10) Help e documentação; 11) Respeitar o usuário e suas habilidades; 12) Experiência prazerosa com o sistema; 13) Suporte ao trabalho com ênfase na qualidade. Constatou-se que o aplicativo violava diversas heurísticas, o que traria prejuízos à Experiência dos Usuários, ora em menor, ora em maior gravidade. Constatou-se problemas de cores e contrastes dos textos e falhas na organização, consistência e apresentação das informações, algumas vezes não seguindo uma lógica coerente ao modelo mental dos usuários, embora tenha havido a preocupação apresentar as opções mais utilizadas em posições mais privilegiadas da interface. Levantou-se a necessidade da apresentação de informações relevantes, tais como, horários de aulas e quantidade de alunos. A falta de identificação na tela apontando qual item do menu havia sido selecionado foi problema detectado na maior parte do aplicativo. Avaliação Cooperativa Nesta técnica os participantes atuam como colaboradores e são convidados a verbalizarem seus pensamentos enquanto interagem com o artefato, num protocolo denominado think-aloud. O pesquisador faz perguntas ao participante no intuito de saber o que o usuário pensa no momento em que se depara um problema de usabilidade, por exemplo. Utilizando a Avaliação Cooperativa, a equipe de desenvolvimento pode saber imediatamente se as pessoas compreendem a interface como se suporia que entendessem (MONK, 1993; SANTA ROSA, MORAES, 2012). Para a realização desta avaliação utilizou-se um simulador do sistema operacional Android para computadores, assim como o próprio smartphone. Foi ainda utilizado o programa Camtasia Studio, que possibilita a captura simultânea em vídeo das telas e da

7 imagem do usuário durante a interação. Foi criado um roteiro prévio com tarefas e perguntas que abrangiam os pontos mais sensíveis identificados anteriormente, de modo que fosse possível atribuir com mais clareza os níveis de severidade das falhas. Os professores, em sua maioria, não tiveram problemas em realizar a maior parte das tarefas solicitadas, apontando problemas em tópicos que já haviam sido detectados em análises anteriores - como problemas de leitura e reconhecimento de informações na tela. Outra questão constante foi a dificuldade em reconhecer informações básicas, como os locais de realização das aulas, porque estas informações se apresentavam em formas de códigos. Os entrevistados afirmaram que recorrem a outras pessoas para aprendê-los e que são difíceis de serem compreendidos em primeiro momento. O fato de não haver identificação na tela a respeito do item selecionado ocasionou perda de referência em um participante. Questionado sobre qual disciplina determinada informação apresentada na tela se referia o participante não soube responder e não lembrava qual item havia selecionado. O professores também sentiram falta da possibilidade de poder enviar mensagens em si. Um ponto foi especialmente crítico: o mecanismo de inclusão de frequência dos alunos. Um dos entrevistados sugeriu que se abrisse um menu contextual para a inclusão da frequência enquanto que outros preferiram o modo padrão do sistema, dando toques contínuos na tela até se chegar a opção desejada. Todos os entrevistados tiveram dificuldades em entender o botão deletar - Deletar o aluno daqui? Eu não vou usar, dá a sensação que eu vou deletar o aluno da lista. Não ficou clara também a finalidade do botão "Cancelar" naquele contexto, fazendo-os questionarem se serviria para desfazer a operação realizada ou para cancelar a inclusão de notas e retornar à tela anterior. A totalidade dos professores demostraram problemas na utilização do recurso de inclusão de notas, o que motivou a criação de protótipos para aprofundamento desta questão. Novas telas SIGAA mobile Com base nos levantamentos e avaliações realizados foram elaboradas as novas telas da versão mobile do Sistema Integrado de Gerenciamento Acadêmico. A nova Tela de Login é apresentada na figura 1.

8 Figura 1: a) Tela de Login modelo inicial e; b) no novo modelo proposto. Reformulação da tela de Turmas Abertas (figura 2) que recebeu o perfil do usuário. Figura 2: a) Tela de Turmas Abertas no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto.

9 Figura 3: a) Tela de Detalhamento no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto. Reformulação das telas de Detalhamento (figura 3) e de Notas (figura 4). Figura 4: a) Tela de Notas no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto.

10 Figura 5: a) Tela de Frequência no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto. Reformulação das telas de Frequência (figura 5) e de Notícias (figura 6). Figura 6: a) Tela de Notícias no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto.

11 Figura 7: a) Tela de Participantes no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto. Reformulação das telas de Participantes (figura 7) e de Tópicos de Aulas (figura 8). Figura 8: a) Tela de Tópicos de Aulas no modelo inicial e; b) no novo modelo proposto.

12 Prototipagem Prototipagem é uma representação limitada de um design que permite aos usuários interagirem com ele e explorar suas conveniências (SNYDER, 2003) e é uma parte absolutamente essencial na criação de aplicativos para smartphones e tablets (HINMAN, 2012, p. 147). Conforme observam Under e Chandler (2009, p. 205), a prototipagem pode ser muito eficaz quando usa apenas uma amostra representativa do sistema. Foram elaboradas três diferentes alternativas para a inclusão de frequência dos alunos por parte dos professores. No Modelo I os professores podem alterar a frequência dos alunos através de um menu contextual que surge sempre que a célula contendo o nome de um aluno é selecionada. Nela aparecem as opções possíveis de seleção para cada caso: presente, 2 faltas ou 4 faltas, opções que variam de dependendo da configuração da carga horária do curso. No Modelo II os professores alteraram o status de frequência meramente tocando na tela sobre a célula que contém o nome do aluno. As opções, neste modelo, alternam-se seguidamente a cada novo toque realizado. No Modelo III a alteração do status da frequência do aluno se dá pelo movimento de slide lateral do dedo sobre a célula que contém o nome do aluno. Quanto mais distante da foto do aluno o dedo do usuário estiver localizado, mais faltas são atribuídas àquele aluno. O movimento contrário faz com que menos faltas sejam atribuídas, tornando o aluno presente quando o dedo do usuário está mais próximo da foto do aluno. Os testes com os modelos foram realizados com cinco professores da universidade. Dois deles do curso de Design e três do curso de Ciência e Tecnologia. Destaca-se que um dos professores do curso de Ciência e Tecnologia afirmou ser portador do daltonismo. Optou-se pelo protótipo digital de alta fidelidade, desenvolvido em plataforma Flash, ao invés de um protótipo em papel, uma vez que as interações demandavam recursos que não seriam viáveis de serem verificados em protótipos desde tipo. Observam Santa-Rosa e Moraes (2010) que, apesar das vantagens dos protótipos em papel, como a rapidez e a praticidade em que podem ser implementados, protótipos em papel englobam dificuldades em simular o comportamento de alguns elementos de interface como scrollbars, a transmissão de informações através de cores e animações. Questionário de satisfação do usuário O Questionário de Satisfação do Usuário (QUIS - Questionnaire for User Interaction Satisfaction) é um instrumento para mensurar o nível de satisfação subjetiva do usuário em relação a uma interface humano-computador desenvolvido pelo Laboratório de Interação Humano-Computador (HCIL) da Universidade de Maryland, EUA. Adaptado a partir do modelo QUIS, o questionário utilizado na presente pesquisa foi aplicado após cada teste de usabilidade. A primeira parte do questionário (tabela 1) contém, dentre outras, questões relacionadas à informações demográficas, à frequência de uso do SIGAA na versão desktop e à utilidade da futura versão mobile. Uma vez que os modelos apresentam basicamente o mesmo layout, foram inseridas perguntas gerais que medem, qualitativamente, a organização dos elementos, sua adequação e o conjunto de cores utilizadas. A segunda parte do formulário (tabela2) contemplava questões específicas, quanto

13 a satisfação geral do contato com o sistema, a percepção do tempo necessário para realizar as tarefas e quanto a aprendizagem ao operar o sistema. Tabela 1 Questionário parte 1 (Geral) Idade: Sexo: Curso (área de atuação): Possui celular? Sim Não Modelo: Possui Tablet? Sim Não Modelo: Com que frequência usa smartphones? Considera útil o SIGAA no computador desktop? (de 0 a 10): Considera útil o uso do SIGAA em smartphones? (de 0 a 10) Em quais situações o SIGAA mobile seria mais útil que o SIGAA no desktop? Você usaria? Enumere as funções que você mais utiliza no celular (em ordem de prioridade): ( ) ligar ( ) SMS ( ) caixa postal ( ) alarme ( ) calendário ( ) fotos ( ) áudio ( ) vídeos ( ) agenda ( ) outros aplicativos. Especifique quais: Questões Gerais 1. As informações (layout) da tela foram úteis: Nunca Sempre 2. O conjunto de informações nas telas está: Inadequado Adequado 3. O conjunto de cores usadas é: Inadequado Adequado Tabela 2 Questionário parte 2 (Específico) 1. A sensação geral do contato com o sistema: Frustrante Satisfatória Difícil Fácil

14 Enfadonho Estimulante 2. Tempo para completar as tarefas: Adequado Inadequado 3. Aprendizagem ao operar o sistema é: Difícil Fácil De acordo com os resultados compilados, o Modelo I apresentou-se como o menos satisfatório quanto ao procedimento de inclusão de frequências por meio de menu contextual (gráfico 1). O Modelo II apresentou bons índices de satisfação junto aos usuários, confirmando a opção originalmente feita pela SINFO (gráfico 2) e o Modelo III, apesar de ter sido mal compreendido num primeiro momento, foi posteriormente bem avaliado (gráfico 3), abrindo caminho para seu aprimoramento ao longo da pesquisa. Gráfico 1: Sensação geral durante o uso. Gráfico 2: Percepção do tempo demandado.

15 Gráfico 3: Percepção do nível de aprendizado. Todos os participantes consideram confortável a interface visual aplicada aos modelos. O uso de cores foi apontado como sendo muito adequado, inclusive pelo professor portador de daltonismo. Conclusões Por meio da presente pesquisa confirmou-se, de modo geral, que a inclusão de sujeitos pertencentes ao público alvo do sistema aumenta a qualidade da experiência dos usuários, contribuindo tanto para a formulação de requisitos de sistema e usabilidade quanto para a proposição de novas funcionalidades e modelos de interação. Cabe ressaltar, que após as avaliações, a equipe de desenvolvimento da SINFO considerou as sugestões apresentadas pelo Laboratório de Experimentação em Usabilidade ao implementar as modificações indicadas, de acordo com graus de severidade estabelecidos e, então, publicou o aplicativo para download gratuito. Destaca-se, também, que a presente pesquisa, além de trazer resultados para o desenvolvimento da interface do aplicativo mobile, contribuiu para potencializar na equipe de programação o interesse em considerar aspectos de usabilidade e experiência do usuário, não só no desenvolvimento de novos produtos digitais interativos como, também, na versão desktop, já consolidada e utilizada pela maioria dos professores e alunos da instituição.

16 Referências COOPER, Alan; REIMANN, Robert; CRONIN, David. About Face 3 - The Essentials of Interaction Design. Indianapolis: Wiley Publishing, Inc EDMUNDS, Holly. The focus group: Research handbook. Chicago: American Marketing Association, GARRETT, Jesse James. The Elements of User Experience: User-Centered Design for the Web and Beyond (2nd Edition). California: Voices That Matter, McCRATHY, John; WRITH, Peter. Technology as Experience. London, England: The MIT Press, MONK, Andrew. WRIGHT, Peter.; HABER, Jeanne.; DAVENPORT Lora. Improving your human-computer interface: A practical technique. London: Prentice-Hall, MULLER, Michael J. et al. Methods & tools: participatory heuristic evaluation. ACM, New York, v.5, n.5, out Disponível em: Acessado em: 18 de agosto de NIELSEN, Jacob - Ten Usability Heuristics. Disponível em: Acessado em: 18 de agosto de PREECE, Jennifer.; ROGERS, Yvonne.; SHARP, Helen. Interaction Design Beyond Human-Computer Interaction. Chichester, West Sussex, UK: Wiley, SANTA-ROSA, José Guilherme e MORAES, Anamaria de. Avaliação e Projeto no Design de Interfaces. Rio de Janeiro: 2ab Editora, SANTA-ROSA, José Guilherme e MORAES, Anamaria de. Design Participativo Técnicas para a Inlcusão de Usuários no Processo Ergodesign de Interfaces. Rio de Janeiro: Rio Books, SYDER, Carolyn. Paper Prototyping: The Fast and Easy Way to Design and Refine User Interfaces. San Francisco: Morgan Kaufmann, UNGER, Russ; CHANDLER, Carolyn. Guia para Projetar Ux. Rio de Janeiro: Alta Books, 2009.

Técnicas Baseadas em Etnografia e Prototipagem no Design de interface de Aplicativo Mobile para Gerenciamento Acadêmico

Técnicas Baseadas em Etnografia e Prototipagem no Design de interface de Aplicativo Mobile para Gerenciamento Acadêmico Técnicas Baseadas em Etnografia e Prototipagem no Design de interface de Aplicativo Mobile para Gerenciamento Acadêmico Techniques Based on Ethnography and Prototyping in Interface Design on Mobile Application

Leia mais

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AlianaPereiraSimões Pós-graduadaemErgonomia,UsabilidadeeInteraçãoHumano-Computador PUC-RIO aliana@aliana.com.br

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Manual. V e r s ã o i P a d

Manual. V e r s ã o i P a d Manual V e r s ã o i P a d índice I. Introdução II. Procedimentos básicos III. A agenda IV. Clientes V. Prontuário VI. Configurações VII. Medicamentos VIII. Tags IX. Receitas X. Contato I Introdução O

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS Data de entrega dos originais à redação em 06/08/2013 e recebido para diagramação em 03/04/2014. Carlos Eduardo Beluzo 1 /Daniel

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software Daniela Gibertoni¹, Mariana Trevisoli Gervino¹, Júlio C. C. Colombo¹, Fabian Venturini Cabau¹,

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

Sumário. Guia do Aluno

Sumário. Guia do Aluno Sumário Guia do Aluno 1. Roteiro de estudo...3 2. Acessando seu ambiente acadêmico...5 3. Ferramentas...6 3.1 Avisos...6 3.2 Calendário...7 3.3 Tarefas...8 3.4 Informações pessoais...9 3.5 Minhas notas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Alunos

Manual do Ambiente Moodle para Alunos UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Alunos Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons 3.0 Atribuição de

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Testes de Usabilidade

Testes de Usabilidade Testes de Usabilidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Setembro de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Reflexão Ao fazer referência à questão da qualidade da relação

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Requisitos ergonômicos para interfaces de busca em bibliotecas on-line Ergonomic requirements for on-line library search interface

Requisitos ergonômicos para interfaces de busca em bibliotecas on-line Ergonomic requirements for on-line library search interface Requisitos ergonômicos para interfaces de busca em bibliotecas on-line Ergonomic requirements for on-line library search interface Robson SANTOS Mestre em Design Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Prototipação Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Prototipar...... desenvolver e testar interfaces antes

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Sumário GUIA DO ALUNO. Primeiro Acesso... 3. Roteiro de Estudos Modalidade SEPI... 4. Roteiro de Estudos Modalidade SEI... 6

Sumário GUIA DO ALUNO. Primeiro Acesso... 3. Roteiro de Estudos Modalidade SEPI... 4. Roteiro de Estudos Modalidade SEI... 6 Sumário Primeiro Acesso... 3 Roteiro de Estudos Modalidade SEPI... 4 Roteiro de Estudos Modalidade SEI... 6 Acesso ao Ambiente Acadêmico Blackboard... 8 1 - Ferramentas... 9 1.1 - Calendário... 11 1.2

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - ALUNO 0800 703 3180 SUMÁRIO Apresentação Ambiente Virtual de Aprendizagem 1. Primeiro Acesso 1.1 Navegar em cursos 1.2 Enquete 1.3 Dados Cadastrais 2. Cursos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Cristiano Cortez da Rocha, Eduardo Spolaor Mazzanti, Matheus Anversa Viera

Leia mais

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO

Pós-Graduação em Educação: Novos Paradigmas GUIA DO ALUNO GUIA DO ALUNO Prezado(a) Aluno(a), O Guia do Aluno é um instrumento normativo que descreve os padrões de qualidade dos processos acadêmicos e administrativos necessários ao desenvolvimento dos cursos de

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

ESET NOD32 ANTIVIRUS 9

ESET NOD32 ANTIVIRUS 9 ESET NOD32 ANTIVIRUS 9 Microsoft Windows 10 / 8.1 / 8 / 7 / Vista / XP Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer download da versão mais recente deste documento O ESET NOD32 Antivirus fornece

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone

Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Usabilidade dos Sistemas Operacionais Móveis Android, ios e Windows Phone Déborah S. Cardoso 1, Kátia Adriana A. L. de Barros 1 1 Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) dehscardoso@gmail.com,

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design Disciplina: Departamento: Interface Visual e Tecnológica Planejamento e Configuração - DEPC Carga Horária: 45 h/a Créditos: 03 Professor Responsável: Maria Regina Álvares Correia Dias EMENTA: Estudo dos

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO

GUIA DO ALUNO EAD EAD DO GUIA ALUNO GUIA DO ALUNO EAD GUIA DO ALUNO EAD Guia do Aluno Seja bem-vindo(a) às disciplinas EAD! Agora que você já está matriculado na disciplina online, chegou o momento de ficar por dentro de informações muito

Leia mais

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ A FUNCEX E O ENSINO A DISTÂNCIA Milhões de pessoas aderiram ao Ensino a Distância no Brasil, e a Funcex, acompanhando esta tendência, desenvolveu sua plataforma de ensino para disponibilizar os treinamentos

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 04 Modelos de Processos de Design de IHC Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br O Processode Design de IHC Relembrando Questões chave no projeto centrado

Leia mais

Guia de auxílio aos responsáveis

Guia de auxílio aos responsáveis Guia de auxílio aos responsáveis SUMÁRIO FEED DE NOTÍCIAS... 3 DOWNLOAD DE IMAGENS... 4 PENDÊNCIA:... 5 EDIÇÃO DE DADOS PESSOAIS... 6 ALTERAÇÃO DE SENHA... 7 ESQUECEU SUA SENHA?... 7 AGENDA... 8 2 FEED

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

Mobile UI / UX Design

Mobile UI / UX Design CURSO INTENSIVO Mobile UI / UX Design Mobile UI/UX Design #Lisboa Duração total: 124h 100h : Curso Intensivo prático 16h : 1 Workshop intensivo à escolha Investimento: 255 x 4 (sem juros) (Pronto Pagamento

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing e Design Digital

Pós-Graduação em Marketing e Design Digital Marketing e Design Digital Pós-Graduação em Marketing e Design Digital Aula Inaugural - 28 de abril de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 16.482,00 À vista com desconto: R$ 15.657,00

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

JURÍDICO. Gestão de Escritório de Advocacia Manual do Usuário. versão 1

JURÍDICO. Gestão de Escritório de Advocacia Manual do Usuário. versão 1 JURÍDICO Gestão de Escritório de Advocacia Manual do Usuário versão 1 Sumário Introdução 1 Operação básica do aplicativo 2 Formulários 2 Filtros de busca 2 Telas simples, consultas e relatórios 3 Parametrização

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE

UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE Juliano Ratusznei (BIC/UNICENTRO), Rodrigo Mattos Mengue (ICV/UNICENTRO), Lucélia de Souza (Orientadora Dep. de Ciência da Computação/UNICENTRO),

Leia mais

Avaliação de usabilidade das funcionalidades assíncronas de privacidade do Facebook

Avaliação de usabilidade das funcionalidades assíncronas de privacidade do Facebook Avaliação de usabilidade das funcionalidades assíncronas de privacidade do Facebook Marcos H. Kimura, Márcio José Mantau, Avanilde Kemczinski, Isabela Gasparini Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD

Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD 1 Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD 2015 2 Sumário Acessando o UNICURITIBA Virtual... 4 Conhecendo o UNICURITIBA Virtual... 5 1. Foto do Perfil... 5 2. Campo de Busca...

Leia mais

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA

SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA SOFTWARE PARA GERENCIAMENTO DE REBANHOS BOVINOS: SELEÇÃO E AVALIAÇÃO PELO PECUARISTA Marcos Aurélio Lopes Email: malopes@ufla.br Vínculo: Professor do Depto de Medicina Veterinária da Universidade Federal

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!!

TUTORIAL DO ALUNO. Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! TUTORIAL DO ALUNO Olá, bem vindo à plataforma de cursos a distância da Uniapae!!! O Moodle é a plataforma de ensino a distância utilizada pela Uniapae sendo a unidade de ensino para rápida capacitação

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

PARA MAC. Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento

PARA MAC. Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento PARA MAC Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET Cyber Security fornece proteção de última geração para seu computador contra código mal-intencionado.

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul INFO.EDU: NOVOS TALENTOS NO PAMPA LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO DE SITES EM ABORDAGEM PARTICIPATIVA

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul INFO.EDU: NOVOS TALENTOS NO PAMPA LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO DE SITES EM ABORDAGEM PARTICIPATIVA INFO.EDU: NOVOS TALENTOS NO PAMPA LABORATÓRIO DE CONSTRUÇÃO DE SITES EM ABORDAGEM PARTICIPATIVA Área temática: Tecnologia e Produção Amanda Meincke Melo (Coordenadora da Ação de Extensão) Jaline Mombach

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1

Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Fundação Presidente Antônio Carlos- FUPAC 1 Sumário Apresentação As Vantagens Dessa Moderna Sistemática do Ensino O Papel do Aluno Professor Tutor Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Dúvidas e Suporte

Leia mais

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA O que é Design de Interação? Flavio Barbosa professor@flaviobarbosa.com.br Definindo design de interação. Por design de interação entende-se: Projetar produtos interativos

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia.

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia. Sumário Introdução... 1 Objetivos... 1 Instruções para utilização do Tutorial... 1 Metodologia... 2 Apresentação do Editor de Roteiro de Aprendizagem... 2 Inserir Roteiro de Aprendizagem... 3 Meus Roteiros...

Leia mais

MANUAL DA PLATAFORMA RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DA PLATAFORMA MOODLE, UTILIZADA NO WEBCURSO DA EETAD 1ª edição

MANUAL DA PLATAFORMA RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DA PLATAFORMA MOODLE, UTILIZADA NO WEBCURSO DA EETAD 1ª edição MANUAL DA PLATAFORMA RESUMO DAS PRINCIPAIS FUNÇÕES DA PLATAFORMA MOODLE, UTILIZADA NO WEBCURSO DA EETAD 1ª edição Escola de Educação Teológica das Assembléias de Deus Campinas SP Brasil MANUAL DA PLATAFORMA

Leia mais

Explore o IceWarp Versão 11.2 com HTML5 WebAdmin. www.icewarp.com

Explore o IceWarp Versão 11.2 com HTML5 WebAdmin. www.icewarp.com Explore o IceWarp Versão 11.2 com HTML5 WebAdmin A rotina da administração cotidiana pode ser divertida e simples com a nova e responsiva interface WebAdmin. Gerencie domínios, usuários, grupos e listas

Leia mais

Manual de Uso da Agenda Digital

Manual de Uso da Agenda Digital Manual de Uso da Agenda Digital SUMÁRIO FEED DE NOTÍCIAS... 3 DOWNLOAD DE IMAGENS... 4 RELATÓRIO DIÁRIO... 5 PENDÊNCIA:... 6 CHAT... 7 EDIÇÃO DE DADOS PESSOAIS... 8 ALTERAÇÃO DE SENHA... 9 ESQUECEU SUA

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SOFTWARE E COMUNIDADES DO PORTAL DO SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO. Em construção

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SOFTWARE E COMUNIDADES DO PORTAL DO SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO. Em construção MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SOFTWARE E COMUNIDADES DO PORTAL DO SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Em construção Índice 1. Introdução 2. Cadastrar e Logar no Portal 3. Plataforma de redes Sociais Noosfero 3.1.

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Registro Aberto da Cultura (R.A.C)

Registro Aberto da Cultura (R.A.C) Registro Aberto da Cultura (R.A.C) Manual do Usuário (versão 1.0) Ministério da Cultura Secretaria de Políticas Culturais Diretoria de Políticas Culturais Coordenação-Geral de Monitoramento de Informações

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento

ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida. Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET CYBER SECURITY PRO para Mac Guia de Inicialização Rápida Clique aqui para fazer o download da versão mais recente deste documento ESET Cyber Security Pro fornece proteção de última geração para seu

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Professores

Manual do Ambiente Moodle para Professores UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Professores Fórum e Chat Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons

Leia mais

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações Manoel P. A. Junior, Marden E. Santos, Marcelo H. S. da Silva, Jhozefem S. Pontes Nokia de Ensino (FNE) Av. Ministro Mário Andreazza,

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário 1 Apresentação... 3 1- Introdução... 4 2- Acessando GLPI:... 5 3- Abrindo chamado:... 6 3.1-

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia.

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia. 1 Introdução Esse tutorial mostrará as funções básicas e metodologia do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Educacional Clickideia. Ele foi elaborado para auxiliar professores e alunos nas atividades

Leia mais