Design emocional: a importância da satisfação do usuário em contato com uma interface gráfica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Design emocional: a importância da satisfação do usuário em contato com uma interface gráfica"

Transcrição

1 Design emocional: a importância da satisfação do usuário em contato com uma interface gráfica Priscila Lütz Fraga de Oliveira Mestranda em Design UniRitter André Luis Marques da Silveira Doutor em Informática na Educação UniRitter Resumo: Este artigo é uma revisão bibliográfica que aborda a importância do design emocional ligada diretamente nos usuários finais do produto ou serviço. A satisfação do usuário é importante para um resultado positivo de um projeto bem elaborado. É para obter resultados assim que se prevê uma grande importância na elaboração de projetos e no conhecimento de forma mais profunda do usuário ao qual será destinado o produto final. Desse modo, este artigo tem por finalidade descrever a importância de analisar, pesquisar e conhecer mais os usuários finais do projeto a ser executado, para que este possa ser de grande utilidade para as pessoas a quem se destina. Palavras-chave: Satisfação. Usuário. Ergonomia visual. 1 Introdução O desenvolvimento acelerado e constante das tecnologias de informação e comunicação cada vez mais envolve o ser humano com os serviços que oferece. Hoje é possível identificar com facilidade a presença constante da tecnologia no cotidiano de forma quase que inevitável seja na vida pessoal quanto na profissional de cada indivíduo. É possível constatar essa realidade através da evolução que temos presenciado dos televisores, telefones celulares, computador, aparelhos eletrodomésticos e eletrônicos. São raras as pessoas que não obtiveram nenhum contato com algum desses equipamentos nos dias de hoje. A tecnologia está em constante aprimoramento e cada vez mais com o objetivo de beneficiar o usuário que interage com ele. Mesmo com essa constante evolução tecnológica, podemos distinguir aparelhos que possuem algo que não agrada completamente determinado 1

2 usuário, podendo ser atributos relacionado a estética, ao funcionamento ou até mesmo na execução da tarefa que o produto promete oferecer. Também é relevante observar os atributos imensuráveis que as novas tecnologias provocam, pois a proposta de tornar a vida de consumidores melhor nem sempre retratam comportamentos melhores. As novas tecnologias têm contribuído para modificar os comportamentos mentais que cada um tem absorvido como novos parâmetros do pensar, do decidir e do avaliar. (MORACE, P.17). Nesse sentido, exige-se que o individuo também acelere suas coordenações motoras, físicas e psicológicas para acompanhar as mudanças constantes e quase que, diárias da tecnologia. À medida que a tecnologia avança, o grau de conhecimento e envolvimento se torna uma necessidade, exige-se uma readaptação, um reaprender e esse processo requer uma dedicação diferenciada de quem projeta para que se construa esse novo caminho com sintonia, compassadamente e até mesmo com um deslumbramento. Segundo Pechansky (2012. p.1) Os métodos de criação e de avaliação de interfaces de usuário para sistemas de informação devem acompanhar as mudanças tecnológicas no ritmo em que essas são implementadas e absorvidas pela sociedade. Esse ritmo, estabelecido por usuários e que se diferem entre cada pessoa é uma preocupação relevante e que deve ser contemplada pelos criadores e observadores da tecnologia de inovação. Hoje é evidente notar que se possui uma gama de opções para produtos diferentes porém com a mesma finalidade. Essas opções variadas, podem se caracterizar por se destinar a públicos diferentes, agregando valores estéticos, funcionais, acessíveis, e uma série de fatores que definem o público-alvo daquele produto. Com o consumo presente na vida de todos, é possível apontar produtos e objetos que gostamos ou detestamos. Norman (2008) aborda muito bem esse tema, fazendo com que haja uma reflexão sobre esse assunto. O que acontece é que ao notar que o desempenho do produto é o que se espera, ou supera a expectativa, a satisfação do usuário acontece de maneira certeira. Logo, se o produto adquirido não corresponde a sua finalidade, seja ela por incapacidade do usuário de operá-lo ou problemas de usabilidade no produto, o usuário fica insatisfeito. Estamos em uma sociedade que acompanha e se adapta a certas tecnologias. As pessoas que nasceram nessa era digital, possuem uma facilidade maior para lidar com alguns equipamentos tecnológicos, mesmo sem conhecê-los previamente. Porém, ainda temos um grande público que não possui esse contato diariamente, e está muito mais apto a equipamentos de forma mais analógica, como conhecia a pouco tempo atrás. O grande desafio da área do design é poder encontrar formas de facilitar a interação do usuário com o produto que está sendo utilizado. Quando uma pessoa consegue executar com êxito as tarefas que o produto oferece, a 2

3 conseqüência é ele ficar feliz e satisfeito com sua aquisição, pois o produto cumpriu com o seu papel. Esse é o resultado esperado para um bom projeto de design, facilitar a interação dos produtos (sejam eles materiais ou visuais) com os seres humanos. 2 Design emocional como fator importante para satisfazer o usuário Cada indivíduo possui fases na vida demarcadas por sua idade. Em cada faixa etária é possível identificar comportamentos, talentos e capacidades que se diferenciam ao longo da vida. Morace (2012) identifica alguns grupos geracionais, onde é possível observar as competências, afinidades, e propensões para cada idade e grupo. Muitas vezes essas características se misturam entre os grupos e idades, outras vezes é possível identificar características diferentes, onde se constata que é difícil existir um modelo de grupo padrão, mas a conclusão desse argumento é que através da observação comportamental de cada indivíduo é possível projetar ideias, produtos e serviços de acordo com cada perfil de consumidor. A busca da realização pessoal ou profissional, a necessidade de se auto afirmar como pessoa diante de um grupo ou sociedade leva o indivíduo utilizar produtos que ajudem nessa imagem que deseja exteriorizar. Numa análise mais psicológica pode-se identificar um produto como sendo parte da personalidade da pessoa. É comum ser feito um pré julgamento de alguém pela sua aparência ou pela escolha que faz de um determinado produto. Em muitas vezes há a busca da pessoa com algo que se identifique e em outras vezes há a influência externa que encanta e muda o comportamento e estilo das pessoas. Segundo Morace (2012), os consumidores buscam por produtos simples e eficientes, onde possam ter um grau de satisfação em um curto tempo, onde exista um compartilhamento de sensações e interações, onde seja possível que os resultados propiciem um grau de felicidade que se dê através de produtos ou serviços. A busca por essa satisfação pode ser de tão grande importância para uma pessoa, que ela terá que identificar e priorizar o que é mais importante e lhe dará a melhor sensação de bem estar, se a praticidade, se a aparência, o valor ou o conforto. Emoções, das diversas formas, são características primordiais de um ser humano. Elas dão sentido ao nosso comportamento com as mais diversas atividades do cotidiano. Cybis, Betiol e Faust (2007) salientam o fato de que com a tecnologia que temos hoje, já é possível reconhecer estados emocionais dos usuários através de várias maneiras como expressões faciais, direcionamento do mouse, histórico de navegação, digitação mais comumente usada, e diversos outros quesitos que podem ser avaliados. O prazer está intimamente relacionado com os produtos utilizados no dia a dia, sejam eles 3

4 físicos, visuais ou virtuais. Pode muitas vezes, ser imperceptível, inconsciente mas eles influenciam diretamente no humor, comportamento e decisões. Preece, Rogers e Sharp (2005) também defendem a importância de um melhor entendimento do homem com a máquina, como um dos maiores desafios, pois é preciso conhecer bem o usuário, tendo em vista que cada um possui necessidades diferentes, e os produtos interativos devem ser adaptados de acordo com as necessidades e expectativas deles. O bom relacionamento da tecnologia com o homem cumpre o propósito de que tudo o que se projeta é para apoiar, elevar e dignificar o indivíduo e não o contrário. A criação ou inovação é um elemento pra preencher lacunas, espaços descobertos que precisam ser fortalecidos e aprimorados. Em concordância com esse tema, Agner (2009) também expõe seu conhecimento afirmando que os produtos da tecnologia da informação precisam ser de utilidade para um grande público, abrangendo vários indivíduos. Para que isso aconteça é necessário compreender e conhecer os futuros usuários, quais seus objetivos ao utilizar os equipamentos, analisar o seu comportamento e as tarefas realizadas. Além de identificar os usuários que utilizarão o produto, é preciso ser levado em conta a estrutura e a cultura organizacional. Em muitas situações a definição de sistemas centrais, feitos para atender uma rede organizacional, dificulta o atendimento prático de uma necessidade pontual. Nessa situação o conhecimento profundo das atividades operacionais deve ser intensificado e se possível obter uma validação deste projeto através de testes com os usuários locais. A figura a seguir é uma representação adaptada por Agner (2009), sobre as ideias de Rosenfeld e Morville, que tem como objetivo mostrar visualmente a abordagem que consiste um ambiente de informações contendo suas três dimensões principais: contexto (organizacional), conteúdos (informacionais) e comportamento (do usuário). Figura 1 - O modelo dos 3C da arquitetura de informação 4

5 Fonte: AGNER, Pg.108. É possível notarmos através dessa imagem que o autor apresenta o conjunto que deve ser avaliado para que o produto ou serviço corresponda de forma positiva ao usuário que estará utilizando tal ferramenta. Quando se possui claramente o público que será o foco como usuário principal, é possível evitar algumas dificuldades. Cada grupo de pessoa, com os diferenciais de idade, conhecimento, classe e cultura, mostram grandes mudanças em seu comportamento. Morace (2012) aborda um conceito de que é possível identificar hoje os futuros consumidores, onde o contexto em que a sociedade está inserida é um público com diversas linguagens, e é preciso encarar essa realidade e trabalhar com conceitos de design que aproximem os seres humanos, proporcionando novas experiência de consumo. Essas experiências estão sendo um ponto forte para determinar as escolhas que o individuo toma ao escolher um produto. Estímulos sensoriais tem sido uma grande e nova experiência para muitos consumidores. Lindstrom (2007) reforça a importância desses estímulos, pois eles além de provocarem comportamentos além da razão, nos ajudam a identificar um produto do outro, de maneira que ficam memorizados na nossa mente, e dessa maneira ajudam na tomada de decisões. Não é em todos os casos que se obtêm experiências agradáveis e satisfatórias, mesmo que esse seja objetivo e uma preocupação do projetista. As incompatibilidades que geram problemas para o usuário devem-se ao desconhecimento da tarefa, do modo operatório e das estratégias de resolução de problemas do ser humano. (AGNER Pg.53). Muitas vezes a resistência para novas tecnologias, novas interações, se dá pelo fato de que as pessoas não se pré dispõe a ir além do que já fazem no seu dia dia. A rotina, para alguns é a segurança de não testar seus limites e capacidades. Tudo o que já é conhecido para as pessoas, se torna mais confortável pois lhe é familiar, afirmam Nielsen e Loranger (2007). O foco de desenvolver algo novo deve estar atrelado a uma lacuna de insatisfação, alienação ou resignação. A proposta de qualquer projeto deve ter identificação direta com o usuário. É necessário conhecer a pergunta pra ser dado a resposta. Identificar a inquietude para trazer a segurança. Tão importante quanto envolver os usuários na avaliação de um produto interativo é entender como as pessoas realizam normalmente as tarefas. Essa forma de pesquisa deveria ser realizada antes da construção de um produto interativo. (PREECE, ROGERS, SHARP pg.34). Segundo Rocha e Baranauskas (2003) quando tratamos de sistemas computacionais, a necessidade de que o conteúdo precise estar claramente apresentado na interface gráfica é primordial para que o usuário perceba e identifique as informações que esse contexto contempla. O entendimento que se espera do usuário está alem das percepções visuais somente. 5

6 A importância de um projeto bem-sucedido para obter usuários satisfeitos é a abordagem que Unger e Chandler (2009) defendem, mas ainda sugerem que seja verificado o projeto através de técnicas de pesquisa para identificar o usuário e validar se o projeto está de acordo com o público-alvo. Esses testes são feitos com o envolvimento de participantes reais que realizam tarefas através de sistema de interface, sendo ele um protótipo ou uma versão mais fiel à realidade. Dessa maneira, é possível descobrir questões onde possui falhas ou o que possui em maior potencial, e assim poder direcionar para uma melhor resolução. Esses testes podem ser feitos durante todo o ciclo de vida do projeto, dessa forma será mais fácil entender melhor os usuários e observar o comportamento deles perante as versões de cada interface. Técnicas dessa categoria ajudam a definir bem os grupos de usuários a que se destina o produto e observar com clareza as frustrações e o desempenho prático na experiência de cada usuário. 3 Ergonomia visual e usabilidade como requisitos básicos para um projeto bem elaborado e usuários satisfeitos Ergonomia é a disciplina científica dedicada à compreensão das interações entre o ser humano e outros elementos de um sistema, e a profissão que implica teorias, princípios, dados e métodos para projeto, de modo a otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral do sistema. Os ergonomistas contribuem para o projeto e a avaliação de tarefas, trabalhos, produtos, ambientes e sistemas, no sentido de torná-los compatíveis com as necessidades e limitação das pessoas. (IEA, 2006). INTERNATIONAL ERGONOMICS ASSOCIATION. (VAN DER LINDEN, 2007, p.23). A ergonomia e o design caminham juntas, segundo Van Der Linden (2007). A ergonomia é o estudo sobre os usuários do produto final, e este estudo precisa ser feito minuciosamente para aplicar ao projeto no qual está sendo estudado. Para obter um resultado proveitoso é necessário esses estudos prévios, e assim é possível alinhar os dois conceitos através de um desenho projetual, conectando a tecnologia e o ser humano de maneira amigável e satisfatória. Quando a ergonomia e o design estão em conjunto objetivo, ocorre uma aplicação de princípios, dados e metodologia, onde os resultados apontam para a acessibilidade, onde todos possuem direito de acesso as informações e os ambientes que ali contemplam. É necessário trabalhar o papel da tecnologia na vida dos indivíduos, mostrando que ela vem responder às suas insatisfações mais comuns do dia-a-dia. Ela deverá ser uma facilitadora, uma ponte onde permite que haja uma aproximação com um novo mundo, uma nova cultura, uma nova era onde o tempo é otimizado, a informação é mais rápida e precisa, e que uma nova proposta de qualidade de vida está sendo oferecida. 6

7 Aliado a esse pensamento de acessibilidade, ergonomia e design, Nielsen e Loranger (2007) ressaltam ainda outra palavra chave que contribui para esse conjunto de requisitos em benefício ao usuário, a usabilidade. Esta deve ser um atributo que está diretamente relacionado com a facilidade de usar algo, e o tempo de aprendizado desse processo. Dessa maneira, a medida que lembram de como operar tal produto, a probabilidade de que ocorra erros diminui consideravelmente. Muitas das resistências e insatisfações de usuários estão na dificuldade de entender a proposta do sistema e de não encontrar de forma clara o que procura. O papel do designer é justamente facilitar o acesso para o usuário, reduzindo e minimizando problemas de interação e facilitando a localização das informações. 4 A importância de uma interface gráfica amigável bem construída Interface gráfica amigável é um termo muito utilizado no âmbito do design gráfico, onde pela própria expressão é possível identificar o objetivo que se deve ter ao projetar uma interface, ela precisa ser amiga do usuário que a utiliza. Para Rocha e Baranauskas (2003) o significado da palavra amigável em uma interface gráfica refere-se à composição dos elementos diagramados na tela e visualmente agradáveis e esteticamente bonitos. Este termo de interface amigável foi muito utilizado nas empresas como um termo atrativo para o usuário, mesmo que não fosse aplicado sempre. Os princípios para uma interface gráfica de um software ou multimídia são universais, pois nessa área o objetivo é aumentar a satisfação das pessoas na interação entre o usuário e os computadores, e o recomendável é que todos os envolvidos no projeto respeitem e tenham conhecimento desses princípios. (AGNER, 2009). O objetivo da projetação do design de interfaces é obter resultados onde os usuários obtenham experiências confortáveis, havendo satisfação por parte delas. Portanto é de extrema importância criar mecanismos que facilitem o usuário minimizando as sobrecargas cognitivas e aliando a estética juntamente com a usabilidade. (ROSA E MORAES, 2010). Quando é verificado que há problemas do usuário com a interação de algum item da interface, não é correto colocar a culpa no usuário, abordando a justificativa de que este não tentou o suficiente ou não tem capacidade para tal. O correto é considerar a dificuldade e analisar o que realmente deve ser reformulado para resolver a situação. Porém, deve-se ter cuidado para não levar todas as considerações do usuário ao extremo, como modificar a interface do jeito que os usuários gostariam ou apenas por gosto estético. (ROCHA e BARANAUSKAS, 2003). O trabalho de um analista e o treinamento para o usuário se tornam essenciais para identificar se o problema está no sistema ou no usuário. Deve-se considerar também a resistência às mudanças por parte dos indivíduos, a acomodação e também a dificuldade de comunicação interpessoal. É necessário certificar-se que os usuários estão 7

8 distinguindo com facilidade aquilo que é clicável e o não clicável. É incorreto fazer com que o usuário precise clicar em diversas áreas para descobrir o que realmente executará a tarefa do clique. (NIELSEN e LORANGER, 2007). Um layout simples, auto explicativo e lógico aos procedimentos padrões utilizados pelos usuários, desenvolve sua percepção e conhecimento porque une a teoria à prática e automaticamente ele se insere em caminhos mais desconhecidos com maior segurança. Rosa e Moraes (2010) referenciam Garrett (2003) quanto ao assunto da arquitetura da informação, pois esta é a arte de estruturar e organizar os ambientes com suas respectivas informações e conteúdo e por conseguinte ajudar as pessoas a satisfazerem as suas necessidades de informação. No momento em que a expectativa do usuário não resulta em frustração, o interesse em explorar a ferramenta, e possuir domínio da mesma, se elevam e o uso se torna cada vez mais crescente diminuindo a insegurança do desconhecido. No ponto de vista gestacional a Arquitetura da Informação torna-se uma aliada tanto na questão de alinhar práticas operacionais ou estratégicas que facilita o fluxo de informações entre os usuários como implica também na diminuição de custos através da acessibilidade e rapidez oferecidas ao cliente. De forma comum, as organizações substituíram a comunicação interna antes disponibilizada por ofícios, jornais, revistas, memorandos, murais e muitas outras, por s, intranet, newsletters e outros meios virtuais que tornam os processos muito mais rápidos e eficientes. Da mesma forma que essas inovações vão tomando espaço cada vez maior dentro das organizações, é necessário um olhar atento às dificuldades de adaptações que enfrentarão os usuários dessas novas ferramentas. A substituição do físico para o virtual precisa encantar no primeiro contato para evitar a resistência, o sentimento de inferioridade e incapacidade. Kalbach (2009) complementa que a eficiência que é preciso obter para se chegar ao conteúdo é tão importante quanto o planejamento de uma boa navegação e sua eficiência de interação. Links de navegação, abas e ícones devem ser fáceis de clicar. 8

9 Figura 2: Modelo Conceitual da arquitetura da informação Fonte: AGNER, Pg.77. A funcionalidade do sistema é muito importante no sentido de estar adequada aos requisitos da tarefa do usuário. O projeto precisa estar bem alinhado para que no seu resultado final o usuário consiga efetuar a tarefa pretendida de modo mais fácil e eficiente. Rocha e Baranauskas (2003) salientam que é preciso abranger não somente a funcionalidade adequada mas também torná-la usável, de maneira que o usuário reconheça para executar a tarefa. Guimarães (2004) aponta outro fator importante a ser considerado, mas não menos importante, que se refere a escolha e o uso da cor. Esta aplicada a um produto ou objeto resulta em estímulos físicos que agregam informações de maneira sutil porém com uma carga grande de informação, e um valor significativo também. Ainda comenta que a escolha na aplicação intencional da cor é algo importante a ser considerado, tendo em vista que ela será uma informação explícita e decifrada rapidamente pelo sentido da visão, e através da cognição. Esse detalhe aliado a outros fatores como família tipográfica e tamanho de fonte, podem influenciar positiva ou negativamente na aceitação ou aquisição de determinado produto ou serviço. O desconforto visual tem a mesma relevância do desconforto físico e é necessário que essa sensibilidade seja identificada em cada proposta. Unger e Chandler (2009) explicam que um designer visual é quem possui a responsabilidade dos elementos gráficos de uma interface, ou seja, daquilo que o usuário vê. Essa tarefa do designer inclui um projeto gráfico que contempla uma conexão emocional do usuário com as diretrizes que a marca possui. É importante que haja essa relação e essa identidade visual de todo o contexto. 9

10 Conforme Agner (2009) a apresentação de um layout visual audacioso não possui valor é se este foi projetado somente a considerando a estética, visando somente os aspectos visuais e esquecendo das interações que nele deve constar. O mesmo acontece quando se apresenta um layout visual pobre com uma interação satisfatória, também causa frustração. O desafio é encontrar o equilíbrio adequado. É possível, ainda hoje, identificar erros de designers e projetistas de interfaces que concebem uma estrutura ruim, complexa e nada favorável para os usuários. Mesmo com a tecnologia mais presente no dia a dia de cada um, ainda vemos interfaces difíceis de usar e de realizar as tarefas desejadas. (NORMAN, 2006). Para um resultado eficaz é preciso proteger as pessoas da possibilidade de erros no uso de produtos ou na realização de tarefas. (VAN DER LINDEN, 2007). O designer que projetará a interface gráfica, não deve pensar somente no desenho dela, mas deve manter o foco de estruturar um relacionamento entre o produto e o ser humano. Mais do que desenhar ícones modernos e coloridos, mas estar tento a experiência do usuário. Ele continua afirmando que o importante é contribuir para que cada vez mais a população brasileira possa estar inclusas na sociedade da informação podendo adquirir os benefícios da tecnologia. (AGNER, 2009). O objetivo da projetação do design de interfaces é obter resultados onde os usuários obtenham experiências confortáveis, havendo satisfação por parte delas. Portanto é de extrema importância criar mecanismos que facilitem o usuário minimizando as sobrecargas cognitivas e aliando a estética juntamente com a usabilidade. (ROSA E MORAES, 2010). 5 Metodologia Este artigo possui como objetivo metodológico uma revisão bibliográfica que aborda através de diversos autores os assuntos aqui referenciados. Na real situação em que se está vivendo, é notório a tendência que se aumenta a cada dia para projetar e arquitetar interfaces para usuários em geral. Pode ser visto uma demanda forte, que aumenta a cada ano, em um mercado que está cheio de novidades tecnológicas, antes mesmo de alguém pensar em tal produto. A rapidez com que se projeta e a demanda para estar sempre com uma tecnologia mais avançada, é um fator preocupante ao considerar a qualidade dos produtos que estão sendo concebidos. Hoje, os produtos são feitos para o homem, e não ao contrário. Com a variedade que possui no mercado, a probabilidade do usuário escolher um produto que possua o seu perfil é um tanto óbvia, pois hoje ele possui esse poder de escolha. No passado, com poucas variedades, o usuário precisava se adequar a funcionalidade de cada produto, mas essa realidade mudou. Com esse referencial teórico, através de autores diferentes que escreveram em 10

11 épocas distintas, é possível verificar a importância que se deve obter na concepção de um projeto de design, seja em qualquer categoria contemplada (produto, gráfico, moda...), a importância de planejamento que deve ser dada no início, antes mesmo te ter esboços do projeto. É preciso dar o devido tempo para cada etapa projetual, para que não haja frustrações futuras, tanto do usuário quanto da equipe que projetou e planejou o produto. 6 Conclusão Através do estudo sobre este assunto, é possível verificar a importância que se deve dar a um estudo aprofundado dos usuários para o qual se destinará tal projeto. A faixa etária, a cultura local, os costumes, as tendências a curto e longo prazos, a relação custo benefício, são fatores relevantes a serem considerados para um bom estudo e planejamento de um projeto com a perspectiva de sucesso. Além das questões mensuráveis do indivíduo e de seu meio ambiente, outro ponto que define a aceitação de algo inovador são as emoções e sentimentos do usuário. Em tudo que é projetado é notório observar uma carga grande de significados, e cada indivíduo pode interpretar diferentes significados para um mesmo objeto e desenvolver relacionamentos diversos que podem ir desde o amor à primeira vista quanto a rejeição total. Considerando todas essas questões e tendo a consciência de que agradar a todos ao mesmo tempo é uma missão impossível, entra o papel importantíssimo de um projetista, que necessita ir além do seu conhecimento tecnológico para alcançar a maior aceitação possível do seu trabalho. Se não houver uma pesquisa de campo que busque subsídios para que a proposta de uma nova interface ou produto responda de imediato à necessidade e expectativa do usuário, será inevitável a barreira e a resistência. Só haverá sucesso num projeto de inovação quando esse for criado para satisfazer a necessidade inerente no indivíduo. Muitas vezes é necessário algo simples, básico e outras vezes, é necessário pensar à frente, estar adiantado à necessidade implícita e explicita do indivíduo. Referências AGNER, Luiz. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário. 2. Ed. Rio de Janeiro: Quartet, BARBOSA, Simone Diniz Junqueira; SILVA, Bruno Santana da. Interação Humano Computador. Elsevier CYBIS, Walter; BETIOL, Adriana Holtz; FAUST, Richard. Ergonomia e Usabilidade. Conhecimentos, métodos e aplicações. São Paulo. Novatec

12 GUIMARAES, Luciano. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. 3 ed. São Paulo. Annablume, KALBACH, James. Design de navegação web: otimizando a experiência do usuário. Porto Alegre Bookman, LINDSTROM, Martin. Brand sense. Porto Alegre: Bookman, MORACE, Francesco. Consumo Autoral: As gerações como empresas criativas. 2ª Ed. São Paulo. Estação das Letras e Cores, NIELSEN, Jakob; LORANGER, Hoa. Usabilidade na Web. Projetando websites com qualidade NORMAN, Donald A. Design Emocional. Por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, PECHANSKY, Rubem. Uma Metodologia para Obtenção de um Modelo de Princípios de Usabilidade. Revista D. Volume PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvone; SHARP, Helen. Design de Interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, ROCHA, Heloisa Vieira da; BARANAUSKAS, Maria Cecília Calani. Design e avaliação de interfaces humano-computador ROSA, José Guilherme Santa; MORAES, Anamaria de. Avaliação e projeto no design de interfaces. Ed. 2AB UNGER, Russ; CHANDLER, Carolyn. O guia para projetar UX: a experiência do usuário (ux) para projetistas de conteúdo digital, aplicações e web sites. Alta Books Editora VAN DER LINDEN, Júlio. Ergonomia e design: prazer, conforto e risco no uso dos produtos. Porto Alegre: Ed. UniRitter,

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Design Disciplina: Departamento: Interface Visual e Tecnológica Planejamento e Configuração - DEPC Carga Horária: 45 h/a Créditos: 03 Professor Responsável: Maria Regina Álvares Correia Dias EMENTA: Estudo dos

Leia mais

DESIGN DE INTERAÇÃO PARA PROJETOS WEB NPG. Ementa. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

DESIGN DE INTERAÇÃO PARA PROJETOS WEB NPG. Ementa. Objetivo Geral. Objetivos Específicos DESIGN DE INTERAÇÃO PARA PROJETOS WEB NPG Ementa Novas tendências em tecnologias, linguagem gráfica e conteúdo. Estilos de interface. As possibilidades técnicas de interação das novas mídias, questões

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA

TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA TESTE DE USABILIDADE DO SITE DE UMA LOJA DE DEPARTAMENTOS VOLTADA PARA O VAREJO DE MODA Thaissa SCHNEIDER 1, Monique VANDRESEN 1, Flávio dos SANTOS 1 1 Universidade do Estado de Santa Catarina. SUMÁRIO

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 04 Modelos de Processos de Design de IHC Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br O Processode Design de IHC Relembrando Questões chave no projeto centrado

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Interface Usuário Máquina. Aula 06

Interface Usuário Máquina. Aula 06 Interface Usuário Máquina Aula 06 Conteúdo Qualidade do Design Acessibilidade Comunicabilidade Usabilidade Experiência do Usuário Usabilidade em Sistemas Computacionais Usabilidade O que você entende por

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

Testes de Usabilidade

Testes de Usabilidade Testes de Usabilidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Setembro de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Reflexão Ao fazer referência à questão da qualidade da relação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA O que é Design de Interação? Flavio Barbosa professor@flaviobarbosa.com.br Definindo design de interação. Por design de interação entende-se: Projetar produtos interativos

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 01 - Conceitos Iniciais Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br Introdução Relembrando aspectos da Engenharia de Software Ciclo de Vida de um Software

Leia mais

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Definição Interação homem-computador é o conjunto de processos, diálogos, e ações através dos quais o usuário humano interage com

Leia mais

DESIGN DE INTERAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS - NPG1143 DESIGN DE INTEGRAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS (04/08/2014) Perfil Docente

DESIGN DE INTERAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS - NPG1143 DESIGN DE INTEGRAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS (04/08/2014) Perfil Docente DESIGN DE INTERAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS - NPG1143 DESIGN DE INTEGRAÇÃO E INTERFACES DIGITAIS (04/08/2014) Perfil Docente Pós-graduação lato ou stricto sensu na área da disciplina. Currículo publicado

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular Proposta de Trabalho de Graduação Aluno: Gabriel José Barreto

Leia mais

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.

Resenha. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p. Resenha Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário (Luiz Agner, Rio de Janeiro, Quartet Editora, 2006, 173 p.) Thiago de Andrade Marinho 1 Ergodesign e Arquitetura de Informação:

Leia mais

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira

Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Arquitetura da Informação Lílian Simão Oliveira Informação Usabilidade não é apenas o usuário conseguir usar o produto! Cinco atributos da usabilidade (NIELSEN, 1993): 1. Facilidade de aprendizagem 2.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL Samuel dos Santos Salimen 1 Clériston Ribeiro Ramos 2 Resumo: Disponibilizar informações que possam ser acessado

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Simone Vasconcelos Silva (CEFETCAMPOS) simonevs@cefetcampos.br Luciana Rocha (UENF) lurochas@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

ArquiteturadaInformação. Lílian Simão Oliveira

ArquiteturadaInformação. Lílian Simão Oliveira ArquiteturadaInformação Lílian Simão Oliveira Informação O queé usabilidade? Usabilidade é a medida na qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançarobjetivosespecíficoscom efetividade,

Leia mais

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Anaís Schüler Bertoni Mestranda em Design Centro Universitário Ritter dos Reis anais@d750.com.br Silvia

Leia mais

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário Parte I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Lembre-se! Ao programar um software, o usuário

Leia mais

Multimídia e Interface Usuário - Máquina

Multimídia e Interface Usuário - Máquina Multimídia e Interface Usuário - Máquina Profa. Cristina Paludo Santos Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador (Heloísa Vieira da Rocha/M.Cecília C. Baranauskas). Material

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

PRO PERFORMANCE EMPRESAS

PRO PERFORMANCE EMPRESAS Uma proposta cultural única aprimore o seu potencial Crie um versão melhor de is mesmo Conheça, pratique, supere-se, aprimore-se PRO PERFORMANCE EMPRESAS Programa de Excelência e Alta Performance para

Leia mais

ALÉM DA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final

ALÉM DA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final Tatiane Cristine Arnold 1 RESUMO Atualmente são inúmeros os produtos interativos inseridos no dia-a-dia das pessoas,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO OBJETO DE APRENDIZAGEM RECURSOS EXPRESSIVOS - ESTUDO DIRIGIDO Nº 2 : DESIGNS INSTRUCIONAL, VISUAL E DE INTERAÇÃO

A CONSTRUÇÃO DO OBJETO DE APRENDIZAGEM RECURSOS EXPRESSIVOS - ESTUDO DIRIGIDO Nº 2 : DESIGNS INSTRUCIONAL, VISUAL E DE INTERAÇÃO 1 A CONSTRUÇÃO DO OBJETO DE APRENDIZAGEM RECURSOS EXPRESSIVOS - ESTUDO DIRIGIDO Nº 2 : DESIGNS INSTRUCIONAL, VISUAL E DE INTERAÇÃO Belo Horizonte MG Abril 2012 Categoria: C - Método e Tecnologias Setor

Leia mais

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva Voltando às garrafas... Capítulo 2 Elton Silva Interface e Interação Inter-face: toda a porção de um sistema com a qual um usuário mantém contato ao utilizá-lo. Inter-ação: é mais do que imagem, é um conceito

Leia mais

USABILIDADE NA WEB E EM INTERFACES. Tutora: Aline Yuri Ieiri (UAB UFABC - PACC)

USABILIDADE NA WEB E EM INTERFACES. Tutora: Aline Yuri Ieiri (UAB UFABC - PACC) USABILIDADE NA WEB E EM INTERFACES. Tutora: Aline Yuri Ieiri (UAB UFABC - PACC) Definição do conceito O que é Usabilidade? Usabilidade é um termo usado para definir a facilidade com que as pessoas podem

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB Adans Schopp dos Santos 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo procura abordar as principais características relacionadas a Portais

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Isabela Gasparini, Avanilde Kemczinski Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Motivação IHC está relacionada

Leia mais

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello

Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Aprendizes do Futuro: como incorporar conhecimento e transformar realidades Eduardo Carmello Para suportar as intensas mudanças nos próximos 10 anos, Aprendizes do Futuro compreendem que é necessário criar

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

Atividade. Usabilidade

Atividade. Usabilidade Universidade Federal do ABC Atividade Usabilidade Aluno: Fabrizio Borelli Professor: Silvia Dotta Disciplina: Interface Humano Máquina Santo André, Outubro de 2011. Conteúdo 1 Introdução 2 2 Facilidade

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Ergonomia. Ergonomia Cognitiva. Prof. Ms. Heli Meurer Uniritter Desenho Industrial (design)

Ergonomia. Ergonomia Cognitiva. Prof. Ms. Heli Meurer Uniritter Desenho Industrial (design) Ergonomia Ergonomia Cognitiva Prof. Ms. Heli Meurer Uniritter Desenho Industrial (design) Ergonomia Cognitiva A ergonomia cognitiva é importante para os designers? Você acha que e mais importante escutar

Leia mais

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing

AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AvaliaçãodaUsabilidadedeum SoftwaredeAuditoria EvaluationofUsabilityofaSoftwareofAuditing AlianaPereiraSimões Pós-graduadaemErgonomia,UsabilidadeeInteraçãoHumano-Computador PUC-RIO aliana@aliana.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERFACE GRÁFICA PARA OS SISTEMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO COM O SISTEMA UNIT VIRTUAL

A IMPORTÂNCIA DA INTERFACE GRÁFICA PARA OS SISTEMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO COM O SISTEMA UNIT VIRTUAL A IMPORTÂNCIA DA INTERFACE GRÁFICA PARA OS SISTEMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA: ESTUDO DE CASO COM O SISTEMA UNIT VIRTUAL Michell Ângelo Santos Lima 1 Elaine Cristine do Amarante Matos 2 Gilda Maria do Amarante

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Neste capítulo serão descritos alguns modelos para o design de sistemas interativos e suas limitações, apontando as motivações práticas e teóricas para se criar novas representações

Leia mais

Design e criação em e-mail marketing

Design e criação em e-mail marketing Design e criação em e-mail marketing 17 de junho de 2008, 07:34 E-commerce obteve sucesso em uma campanha de e-mail marketing, que repetiu este ano em versão aperfeiçoada Conheça as decisões de design

Leia mais

_aplicando ux design em. projetos digitais cases da Catarinas Design

_aplicando ux design em. projetos digitais cases da Catarinas Design _aplicando ux design em projetos digitais cases da Catarinas Design Esse ebook tem o objetivo de mostrar que é possível inserir UX design na sua empresa, startup ou projeto. Neste material apresentamos

Leia mais

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet WEB Usabilidade WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam

Leia mais

Marketing para serviços médicos

Marketing para serviços médicos Marketing para serviços médicos Uma empresa médica, seja um consultório ou clínica, precisa elaborar um plano de marketing bastante objetivo, prático, de simples aplicação e direcionado para a área a clientela

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

PROTOTIPAÇÃO DE INTERFACES: REDUZINDO CUSTOS E MELHORANDO O PROJETO

PROTOTIPAÇÃO DE INTERFACES: REDUZINDO CUSTOS E MELHORANDO O PROJETO 1 PROTOTIPAÇÃO DE INTERFACES: REDUZINDO CUSTOS E MELHORANDO O PROJETO BASSO, Thiago 1 SAKAGUTI, Solange Tieko 2 RESUMO: Este artigo tem como motivação destacar a importância da confecção de protótipos

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

DESIGN DE LIVRO DIGITAL

DESIGN DE LIVRO DIGITAL DESIGN DE LIVRO DIGITAL Aluna: Mariana Ferreira Gomes Corrêa Orientadora: Rita Maria de Souza Couto Co-orientadora: Cristina Portugal Introdução A pesquisa desenvolvida foi parte integrante do trabalho

Leia mais

A Curiosidade Leva à Paixão que Leva à Empatia

A Curiosidade Leva à Paixão que Leva à Empatia 1 O O Princípio do Projeto da UX A Curiosidade Leva à Paixão que Leva à Empatia O importante é não parar de questionar. A curiosidade tem a sua própria razão em existir. Não há como evitar o medo ao contemplar

Leia mais

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil

Usabilidade na Web. Dinara P. Lima. Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil Usabilidade na Web Dinara P. Lima Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Departamento de Ciências da Computação Joinville, SC, Brasil dinara.lima@gmail.com Abstract. This article presents an overview

Leia mais

Arquitetura de Informação de websites

Arquitetura de Informação de websites Arquitetura de Informação de websites Guilhermo Reis www.guilhermo.com Você consegue assimilar toda a informação que precisa? 2 1 3 Vivemos a era da explosão da informação Existe um tsunami de dados que

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹ DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹ Ernaque Viana Malta 1 ; Ronivaldo Roriz dos Santos 1 ; Woquiton Lima Fernandes 2 1 Estudante da 3ª série

Leia mais

Projeto E: aspectos metodológicos para o desenvolvimento de projetos dígito-virtuais

Projeto E: aspectos metodológicos para o desenvolvimento de projetos dígito-virtuais ação ergonômica, volume5, número2 Projeto E: aspectos metodológicos para o desenvolvimento de projetos dígito-virtuais Heli Meurer Mestre em Engenharia de Produção, Centro Universitário Ritter dos Reis

Leia mais

Usabilidade nas Empresas que Utilizam Sistemas Web como Instrumento de Trabalho

Usabilidade nas Empresas que Utilizam Sistemas Web como Instrumento de Trabalho Usabilidade nas Empresas que Utilizam Sistemas Web como Instrumento de Trabalho Karina Duarte Bittencourt¹, Joe Jackson Sangali Vidor¹, Fabricio Roulin Bittncourt¹ ¹Fundação Comunitária de Ensino Superior

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SOFTWARE DE DISPOSITIVO DE NAVEGAÇÃO POR GPS Data de entrega dos originais à redação em 06/08/2013 e recebido para diagramação em 03/04/2014. Carlos Eduardo Beluzo 1 /Daniel

Leia mais

Usabilidade da interface de sites e-commerce

Usabilidade da interface de sites e-commerce - 1 - Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA Usabilidade da interface de sites e-commerce Profª. MSc. Simone Azevedo Bandeira

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS

COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS COMO CRIAR MAPAS CONCEITUAIS UTILIZANDO O CMAPTOOLS Luiz Antonio Schalata Pacheco schalata@cefetsc.edu.br Sabrina Moro Villela Pacheco sabrinap@cefetsc.edu.br EDIÇÃO PRELIMINAR Sumário 1 INTRODUÇÃO...3

Leia mais

15 dicas. para tornar o seu E-mail Marketing bem-sucedido

15 dicas. para tornar o seu E-mail Marketing bem-sucedido 15 dicas para tornar o seu E-mail Marketing bem-sucedido 1 Índice PÁG 04 - Dica 1: Analise o mercado e segmente os consumidores PÁG 05 - Dica 2: Tenha uma lista Opt-In PÁG 05 - Dica 3: Insira um link para

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

20 de março de 2014. 9h30 às 10h30. 10h30 às 11h. 10h30 às 18h30. 11h às 12h30. 11h às 12h30. 11h00 às 12h30

20 de março de 2014. 9h30 às 10h30. 10h30 às 11h. 10h30 às 18h30. 11h às 12h30. 11h às 12h30. 11h00 às 12h30 Olhar para o comportamento da Sociedade e refletir sobre o atual contexto social, econômico e político e impactos na gestão de Recursos Humanos é o mote do tema: Se assim caminha a humanidade, para onde

Leia mais

Cognição e Fatores Humanos em IHC

Cognição e Fatores Humanos em IHC Cognição e Fatores Humanos em IHC Profa. Cristina Paludo Santos Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador (Heloísa Vieira da Rocha/M.Cecília C. Baranauskas). Material

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte II

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte II Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário Parte II Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Agosto de 2012 Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Guidelines em Design Guidelines

Leia mais