APOSTILA 2014 Jovens Talentos I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA 2014 Jovens Talentos I"

Transcrição

1 APOSTILA 2014 Jovens Talentos I Rua: Paulo Kleis Junior, 268 São Vicente Itajaí/SC Fone: (47) /

2 MISSÃO Proporcionar o Protagonismo Juvenil a adolescentes em situação de vulnerabilidade pessoal e social, contemplando a formação humanista, por meio da Educação, Assistência Social e Capacitação Profissional. Tem por VISÃO a efetiva inserção do adolescente no mercado de trabalho, razão de ser dessa instituição, centrada nos VALORES da responsabilidade, respeito, transparência e solidariedade. OBJETIVO DO CURSO: JOVENS TALENTOS Contribuir com o processo de formação profissional e cidadania de adolescentes em situação de vulnerabilidade social, favorecendo a convivência familiar e comunitária e o desenvolvimento de habilidades e competências que os tornem aptos para a iniciação no mercado de trabalho. Nome do Adolescente: Período do Curso: 10\03\2014 A 28\11\2014 2

3 COMISSÃO DO BEM ESTAR DO MENOR DE ITAJAÍ COMBEMI A COMBEMI - Comissão do Bem Estar do Menor de Itajaí, pessoa jurídica de direito privado, organização da sociedade civil sem fins econômicos, de caráter assistencial, educacional e cultural. Neste ano completa 42 anos de muito esforço e dedicação a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Desde 2009 a Instituição atende adolescentes e jovens dos 12 aos 18 anos em projetos de qualificação profissional básica e formação cidadã. A COMBEMI, em sua sede própria localizada no Bairro São Vicente, tem como objetivo atender cerca de 444 adolescentes no ano de 2014, inseridos nos Programas: Jovem Cidadão Jovens Talentos I e Jovens Talentos II ; oferecendo também cursos de Inglês em parceria com a Escola de Idiomas Fisk e Capacitação Profissional aos jovens aprendizes inseridos no mercado de trabalho. CRONOGRAMA ANUAL 2014 Março Data Ação Horário Aula 10 Início das aulas de todos os alunos 8h e 14h Normal 13 1ª reunião da família e entrega da apostila 19h Normal 17 Entrega de uniformes para todos os alunos 8h e 14h Normal 17 a 21 Semana contra o Bullyng 8h e 14h Normal Abril Data Ação Horário Aula 01 Parada COMBEMI 8h e 14h Não haverá 08 Palestra Política e Lançamento Jovem Consciente, Vota 10h e 15h Normal Tranquilamente 18 Sexta feira da Paixão Não haverá 21 Tiradentes Não haverá 23 Lançamento da Gincana da Juventude 10h e 15h Normal 30 1ª Roda de conversa com a família Confirmar Normal Maio Data Ação Horário Aula 01 Feriado Dia do Trabalho Não haverá 02 Parada COMBEMI 8h e 14h Não haverá 23 Entrega de todos os textos do concurso literário 14h Normal 30 Resultado do concurso literário 10h Normal Junho Data Ação Horário Aula 04 Reunião com a família dos adolescentes vencedores do Definir Normal concurso e entrega da camiseta 05 Debate com os vencedores do Concurso Definir Normal 13 Posse dos Adolescentes da COMBEMI (prefeito e vereador 19h Normal por um dia) DATA PROVÀVEL 18 Reunião da família Jovem cidadão Definir Normal 19 Corpus Christi Não haverá 3

4 20 Parada COMBEMI 8h e 14h Não haverá 26 Encerramento do curso Jovem cidadão Definir Normal 27 Festa Junina 19h Não haverá Julho Data Ação Horário Aula 09 Reunião da família Jovens Talentos 19 horas Normal 07 a 18 Matrículas Jovem Cidadão e caminhão 8h e 14h Normal 11 Seminário ECA 14h Normal 14 Recesso Jovens Talentos Não haverá Agosto Data Ação Horário Aula 04 Retorno das aulas com os alunos Recepção 8h e 14h Normal 06 Reunião da família Jovem cidadão turma 2º semestre entrega 19h Normal de apostila 11 a 15 Semana contra o bullying jovem cidadão Normal 14 Palestra Escola José Medeiros Lançamento do projeto 9h e 14h Normal Prefeito por Um dia 15 Inauguração da galeria Prefeito por Um Dia (Aniversário 10h Normal COMBEMI) 16 1ª Feijoada com Pagode Aniversário COMBEMI 11h Não haverá 20 2º Fórum da Aprendizagem 14h Normal 29 Seminário Política e Juventude 8h Normal Setembro Data Ação Horário Aula 07 Desfile cívico DATA PROVÀVEL Não haverá 10 2ª roda de conversa com a família Definir Normal 12 Parada COMBEMI 8h e 14h Não haverá 18 Dia do Adolescente Definir Normal 26 Recebimento dos textos do Concurso José Medeiros Normal Outubro Data Ação Horário Aula 10 Estacionamento solidário DATA PROVÀVEL 9h Normal 13 Folga de Dia do Professor Não haverá 15 Parada COMBEMI 8h Não haverá 24 2ª Feira de profissões Amigos da COMBEMI Definir Normal 27 a 31 Ações Outubro Rosa Definir Normal 28 Resultado do concurso literário Jose Medeiros Definir Normal Novembro Data Ação Horário Aula 07 Premiação Prefeito Por Um dia escola José Medeiros Definir Normal 21 Seminário Meio ambiente e sustentabilidade Definir Normal 27 Encerramento Jovem Cidadão Feira da cidadania 8h e 14h Normal 28 Encerramento jovens talentos Show de talentos 8h e 14h Normal 19 Reunião da família Jovem Cidadão 19h Não haverá 25 Reunião da família Jovens Talentos 19h Não haverá 4

5 TODO ADOLESCENTE TEM O DIREITO Capacitação profissional; Ser respeitado e tratado com igualdade, dignidade e sem discriminação; Receber ensino e atendimento de qualidade, por profissionais habilitados e capacitados. SÃO DEVERES DOS ADOLESCENTES Respeitar e não discriminar as pessoas com quem se relacionar; Participar das aulas e atividades extras; Ter aproveitamento e frequência mínima no curso; Manter a higiene e conservação das instalações da instituição; Cumprir ações disciplinares; Ser pontual e apresentar atestado médico, declarações para justificar as faltas; Manter-se em sala de aula, durante o período do curso; Apresentar os trabalhos e tarefas nas datas previstas; Devolver e manter bem cuidados os livros e materiais que pertencem à instituição. É PROIBIDO Namorar na COMBEMI e durante as Visitas Técnicas; Usar ou atender celular durante as aulas; Utilizar-se de violência física, verbal ou psicológica; Sair da COMBEMI sem autorização; Usar boné ou chapéu; Fazer barulho/algazarra; Usar o banheiro de maneira inadequada; Consumir alimentos em sala de aula; Trazer alimentos de fora; Estacionar as bicicletas fora do bicicletário; Desperdiçar copos, toalhas de papel, guardanapos; Permanecer na recepção antes e após as aulas; Participar de passeios e Visitas técnicas da Instituição sem autorização do responsável. APARÊNCIA E VESTIMENTO Apresentar-se asseado; Saia até o joelho, bermuda ou calça e Camiseta da COMBEMI; É obrigatório o uso da camiseta da COMBEMI todos os dias. COORDENAÇÃO COMBEMI 5

6 CIDADANIA E RELAÇÕES HUMANAS Prof.: Ricardo Bianchi 6

7 1. Fundamentos da Cidadania e Políticas Públicas Cidadania é o exercício dos direitos e deveres civis, políticos e sociais estabelecidos na constituição. Os direitos e deveres de um cidadão devem andar sempre juntos, uma vez que ao cumprirmos nossas obrigações permitimos que o outro exerça também seus direitos. Exercer a cidadania é ter consciência de seus direitos e obrigações e lutar para que sejam colocados em prática. Exercer a cidadania é estar em pleno gozo das disposições constitucionais. Preparar o cidadão para o exercício da cidadania é um dos objetivos da educação de um país. A Constituição da República Federativa do Brasil foi promulgada em 5 de outubro de 1988, pela Assembleia Nacional Constituinte, composta por 559 congressistas (deputados e senadores). A Constituição consolidou a democracia, após os anos da ditadura militar no Brasil. A cidadania está relacionada com a participação social, porque remete para o envolvimento em atividades em associações culturais (como escolas) e esportivas. Deveres do cidadão... Votar para escolher os governantes; Cumprir as leis; Educar e proteger seus semelhantes; Proteger a natureza; Proteger o patrimônio público e social do País. Direitos do cidadão... Direito à saúde, educação, moradia, trabalho, previdência social, lazer, entre outros; O cidadão é livre para escrever e dizer o que pensa, mas precisa assinar o que disse e escreveu; Todos são respeitados na sua fé, no seu pensamento e na sua ação na cidade; O cidadão é livre para praticar qualquer trabalho, ofício ou profissão, mas a lei pode pedir estudo e diploma para isso; Só o autor de uma obra tem o direito de usá-la, publicá-la e tirar cópia, e esse direito passa para os seus herdeiros; Os bens de uma pessoa, quando ela morrer, passam para seus herdeiros; Em tempo de paz, qualquer pessoa pode ir de uma cidade para outra, ficar ou sair do pais, obedecendo a lei feita para isso. 7

8 2. Direitos Fundamentais Direito à vida: Do direito à vida é gerador de todos os demais, à liberdade, à saúde, à integridade física, à educação, à moradia, entre outros. Para assegurá-la o governo regulamenta e executa ações relativas ao meio ambiente, à salubridade no espaço de trabalho, aos direitos do consumidor, aos direitos dos idosos e dos deficientes físicos e mentais, à distribuição de medicamentos, à obtenção dos documentos básicos do cidadão, etc. É proibida a aplicação da pena de morte e a repressão ao homicídio, que são formas de violações ao direito à vida. Direito à igualdade: Todos são iguais em direitos e deveres, sem distinção de qualquer natureza, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Em razão deste direito, no Brasil o racismo é considerado crime inafiançável e imprescritível. Proíbe a discriminação contra a convicção política, filosófica, sexual e religiosa do cidadão. Direito à integridade física, psíquica e moral: Por integridade física entende-se o exercício da liberdade de ir e vir com segurança. A integridade psíquica permite ao indivíduo exercer a sua liberdade de pensamento com consciência e vontade. Finalmente, é direito do individuo exercer a sua integridade moral, que é a essência de sua formação cultural, ainda que essa integridade contrarie os interesses do Estado. 8

9 Direito à educação, à saúde e à habitação: A educação, saúde e habitação devem ser garantidos pelo Estado a fim de promover o desenvolvimento do país e de seus cidadãos. Direito à liberdade de expressão e informação: É o direito de expressar livremente opiniões, ideias e pensamentos. Contudo, é importante lembrar que há limites à liberdade de informação e expressão que decorrem necessariamente da Constituição e são o direito à intimidade, direito à imagem, direito à honra e os valores éticos sociais. Direito à propriedade com função social: A propriedade deve atender a sua função social, assegurando seu melhor aproveitamento em prol de toda a coletividade. Direito de reunião e associação: Os direitos de reunião e associação são essenciais à prática social. Todavia, para serem exercidos é preciso que sejam: pacíficos, visem fins lícitos e devem ser previamente notificados às autoridades competentes, para que se providencie a segurança necessária e não frustrem outro evento no mesmo local e dia. Direito de participar do governo e da oposição: A participação popular no poder e na fiscalização dos atos governamentais é fundamental para o Estado Democrático de Direito. A democracia para ser realmente exercida tem como pressupostos: o debate e a defesa de ideologias. Direito aos serviços públicos: É um poder-dever do Estado de estabelecer políticas públicas oferecendo serviços básicos com qualidade ao cidadão como saúde, educação, habitação e transporte coletivo. O Estado financia os serviços públicos com o recolhimento dos tributos, que são instituídos pelo governo e que devem reverter em benefício da população daí a importância de fiscalizar a utilização do dinheiro público. Direito de petição e de acesso ao Judiciário: O direito de petição é exercido, independente de pagamento de taxas, contra ilegalidade ou abuso de poder e para a apreciação de lesão ou ameaça a direito; e a obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimentos de situações de interesse pessoal. O direito de acesso ao Judiciário é o direito de qualquer pessoa que sentir-se ameaçada ou tiver lesado direito seu pode recorrer ao Poder Judiciário. Aos cidadãos que comprovarem insuficiência de recursos, o Estado deve fornecer assistência jurídica integral e gratuita, atualmente prestada pelas Defensorias Públicas. Direito ao trabalho digno e com remuneração justa: O trabalho permite à pessoa humana desenvolver sua capacidade física e intelectual, conviver de modo positivo com outras pessoas e realizar-se integralmente como pessoa. Os trabalhadores, urbanos e rurais, têm os mesmos direitos assegurados. O salário digno do trabalhador é um destes direitos. A Constituição estabelece um salário mínimo. 9

10 3. Políticas Públicas e Partidária Entende-se por Política Pública o conjunto de ações coletivas voltadas para a garantia dos direitos sociais, configurando um compromisso público que visa dar conta de determinada demanda, em diversas áreas. Expressa a transformação daquilo que é do âmbito privado em ações coletivas no espaço público. Entende-se por demandas sociais todas as necessidades do povo, transporte, educação, moradia, segurança, trabalho, saúde, assistência social e etc. A Política Pública é para o político eleito, como é o leme para o navio: essencial, pois é a partir dela que irão se definir as diretrizes do governo com metas que deverão ser cumpridas a fim de beneficiar a população; eis aí a importância de prestarmos toda a atenção nas propostas de governo que são postas diante de nós. O ser humano é um ser político, mesmo que não queira ou não saiba disso. Mesmo de forma involuntária, fazemos política o tempo inteiro, em nossa casa, no nosso trabalho, enfim em todos os lugares onde há relacionamento humano. Quando concordamos ou discordamos de alguém sobre qualquer assunto estamos fazendo política, quando apoiamos ou criticamos também. Isso são decisões e atos políticos, só que não partidários. A Política Partidária também é isso, só que num universo maior, ela aborda a administração macro, os governos, as relações de poder. Aí entram os partidos que são ou deveriam ser a união de pessoas ou grupos com ideais semelhantes, que se organizam na intenção de conquistar ou manter o poder. Numa democracia, este processo é claro e transparente. Na verdade os partidos políticos são as únicas instituições que legalmente têm essa função, de forma aberta e transparente. Isso é política partidária. Na democracia quem pretende de alguma forma participar do poder tem que necessariamente ingressar num partido político 4. Plano de Convivência Familiar e Comunitária A estruturação de um plano nacional destinado à promoção, proteção e defesa do direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária reflete a clara decisão do Governo Federal de dar prioridade a essa temática, com vistas à formulação e implementação de políticas públicas que assegurem a garantia dos direitos das crianças e adolescentes, de forma integrada e articulada com os demais programas de governo. O Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária é resultado de um processo participativo de elaboração conjunta, envolvendo representantes de todos os poderes e esferas de governo, da sociedade civil organizada e de organismos internacionais, os quais compuseram a Comissão Intersetorial que elaborou os subsídios apresentados ao Conselho Nacional dos Direitos das Crianças e Adolescentes - CONANDA e ao Conselho Nacional de Assistência Social CNAS. Os conselhos analisaram e aprimoraram a proposta inicial, que foi em seguida submetida à consulta pública, garantindo o caráter democrático na construção do documento. As diversas contribuições recebidas 10

11 das diferentes regiões do país contribuíram para a adequação do Plano à realidade brasileira, bem como aos pressupostos do Estatuto da Criança e do Adolescente e às normativas vigentes. O PCFC constitui um marco nas políticas públicas no Brasil, ao romper com a cultura da institucionalização de crianças e adolescentes e ao fortalecer o paradigma da proteção integral e da preservação dos vínculos familiares e comunitários preconizados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. A manutenção dos vínculos familiares e comunitários fundamentais para a estruturação das crianças e adolescentes como sujeitos e cidadãos está diretamente relacionada ao investimento nas políticas públicas de atenção à família. Com esta iniciativa, reconhece-se a importância da mobilização de Estado e sociedade para que as crianças e os adolescentes sejam vistos de forma indissociável de seu contexto familiar e comunitário. No entanto, no processo de formulação e implementação das políticas orientadas pelo Plano, não se pode perder de vista a importância das ações transversais e intersetoriais dentro do poder público e da articulação com a sociedade. As crianças e adolescentes não são fragmentadas e, portanto, deve-se sempre pensar no seu atendimento humano integral, por meio de políticas públicas articuladas com vistas à plena garantia dos direitos e ao verdadeiro desenvolvimento social. As estratégias, objetivos e diretrizes do Plano estão fundamentados primordialmente na prevenção ao rompimento dos vínculos familiares, na qualificação do atendimento dos serviços de acolhimento e no investimento para o retorno ao convívio com a família de origem. Somente se forem esgotadas todas as possibilidades para essas ações, deve-se utilizar o recurso de encaminhamento para família substituta, mediante procedimentos legais que garantam a defesa do superior interesse da criança e do adolescente. O Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária representa um importante instrumento para a mobilização nacional e suas diretrizes certamente devem se transformar em ações concretas e articuladas de responsabilidade do Estado e dos diversos atores sociais, que assumem de forma renovada o compromisso pela promoção, proteção e defesa do direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária. 5. Família Histórico e Conceitos Designa-se por família o conjunto de pessoas que possuem grau de parentesco entre si e vivem na mesma casa formando um lar. Uma família tradicional é normalmente formada pelo pai e mãe, unidos por matrimônio ou união de fato, e por um ou mais filhos, compondo uma família nuclear ou elementar. A família é considerada uma instituição responsável por promover a educação dos filhos e influenciar o comportamento dos mesmos no meio social. O papel da família no desenvolvimento de cada indivíduo é de fundamental importância. É no seio familiar que são transmitidos os valores morais e sociais que servirão de base para o processo de socialização da criança, bem como as tradições e os costumes perpetuados através de gerações. 11

12 12

13 Mentes Perigosas nas Escolas Bullying Desde a década de 80, na Europa, os pesquisadores da mente humana iniciaram a nobre tarefa de nomear determinadas condutas de jovens entre si, dentro de seus universos acadêmicos. Esses estudos fizeram a distinção entre as brincadeiras naturais e saudáveis, típicas da vida estudantil, daquelas que ganham requintes de crueldade e extrapolam todos os limites de respeito pelo outro. As brincadeiras acontecem de forma natural e espontânea entre os alunos. Eles brincam, "zoam", colocam apelidos uns nos outros, tiram "sarros" dos demais e de si mesmos, dão muitas risadas e se divertem. No entanto, quando as "brincadeiras" são realizadas repletas de "segundas intenções" e de perversidades, elas se tornam verdadeiros atos de violência que ultrapassam os limites suportáveis de qualquer um. Além disso, é necessário entendermos que brincadeiras normais e sadias são aquelas nas quais todos os participantes se divertem. Quando apenas alguns se divertem a custa de outros que sofrem, isso ganha outra conotação bem diversa de um simples divertimento. Nessa situação específica, utiliza-se o termo bullying escolar, que abrange todos os atos de violência (físico ou não) que ocorrem de forma intencional e repetitiva contra um ou alunos, impossibilitados de fazer frente as agressões sofridas. O bullying tornou-se um problema endêmico nas escolas de todo o mundo. Um dos casos mais emblemáticos e com fim trágico ocorreu nos Estados Unidos, em 1999, no colégio Columbine High School, em Denver, Colorado. Os estudantes Eric Harris, de 18 anos e Dylan Klebold de 17, assassinaram 12 estudantes e um professor. Deixaram mais de vinte pessoas feridas e se suicidaram em seguida. A motivação para o ataque seria vingança pela exclusão escolar que os dois teriam sofrido durante muito tempo. A palavra bullying, de origem inglesa e ainda sem tradução no Brasil, ainda é pouco conhecida do grande público. Se recorrermos ao dicionário encontraremos as seguintes traduções para a palavra bully: indivíduo valentão, tirano, mandão, brigão. Os bullies (ou agressores) são responsáveis por atitudes de violência física ou psicológica contra uma ou mais vítimas que se encontram impossibilitadas de se defender. Seja por uma questão circunstancial ou por uma desigualdade subjetiva de poder. Em geral um bully domina a maioria dos alunos de uma turma e "proíbe" qualquer atitude solidária em relação ao agredido. Algumas atitudes podem se configurar em formas diretas ou indiretas de praticar o bullying. Porém, dificilmente a vítima recebe apenas um tipo de maus-tratos; normalmente, os comportamentos desrespeitosos dos bullies costumam vir em "bando". Assim, uma mesma vítima pode sofrer variadas formas de agressões tais como: verbal (insultar, xingar), física (bater, ferir), psicológica ou moral (humilhar, isolar), sexual (assediar, abusar) e virtual (cyberbullying) realizado através de celular e internet para difundir, de forma avassaladora, calúnias e maledicências. Além de os agressores escolherem um aluno-alvo que se encontra em franca desigualdade de poder, geralmente este também já apresenta uma baixa autoestima. A prática de bullying agrava o problema preexistente, assim como pode abrir casos graves de transtornos psíquicos e/ou comportamentais que, muitas vezes, trazem prejuízos irreversíveis. Observa-se que não somente crianças e adolescentes sofrem com essa prática indecorosa, como muitos adultos experimentam aflições intensas advindas de uma vida estudantil 13

14 traumática. Dentre esses problemas destaca-se: sintomas psicossomáticos (insônia, náuseas, tonturas etc.), transtorno do pânico, fobia escolar (medo intenso de frequentar a escola), fobia social (timidez patológica), ansiedade generalizada, anorexia, bulimia, transtorno obssessivo-compulsivo (TOC), esquizofrenia e, em casos mais dramáticos, homicídio e suicídio. Como se não bastasse todo o sofrimento e adoecimento das vítimas, diversos estudos apontam para o fato de os agressores possuírem maior probabilidade de praticarem atos de delinquência e criminalidade. A maioria deles se comporta assim por uma nítida falta de limites em seus processos de educação. A ausência de um modelo educativo que associe autorrealização pessoal com atitudes socialmente produtivas e solidárias faz com que os agressores se sintam gratificados somente com atitudes egoístas e maldosas, que lhes conferem notoriedade e autoridade sobre os demais alunos. Outros adotam comportamentos transgressores por estarem vivenciando dificuldades circunstanciais em seus relacionamentos familiares (doenças graves, separação dos pais, morte de um parente querido etc.). Por fim, encontramos também uma minoria de jovens agressores que tenha a transgressão pessoal e social como base de sua personalidade. Suas atitudes expressam uma maneira de sentir na qual o outro tem a única função de lhe proporcionar diversão, status e poder. Não há dúvida de que o fenômeno bullying estimula a delinquência e induz a outras formas explícitas de violência, capazes de produzir, em níveis diversos, cidadãos estressados, com baixa autoestima e reduzida capacidade de autoexpressão. Além disso, como já mencionado, as vítimas de bullying estão propensas a desenvolver doenças psicossomáticas, transtornos mentais leves e moderados e até psicopatologias graves. É preciso ainda reiterar a interferência drástica que o bullying produz no processo de aprendizagem e de socialização de crianças e jovens. Para algumas vítimas, mesmo após a interrupção do bullying, as consequências, advindas dessa violência, tendem a se propagar por toda uma existência em decorrência das experiências traumáticas difíceis de serem removidas da memória. Em caso mais graves, quando a violência é intensa e contínua, a vítima pode chegar a cometer suicídio ou atos de heteroagressão e autoagressão (homicídio seguido de suicídio). Desta forma, os profissionais de educação, de saúde mental, de assistência social, da área do Direito (como juízes, promotores, delegados de polícia) e os agentes policiais devem adquirir o máximo de conhecimento sobre o fenômeno bullying. Somente dessa maneira, ao se depararem com o problema, poderão contribuir para a busca de soluções eficazes. O diagnóstico do bullying deve ser feito o mais precocemente possível, em cada realidade escolar. A partir daí, é preciso se estabelecer um diálogo amplo entre todos os envolvidos em cada caso específico. Agir de forma rápida e coesa tem o objetivo nobre de evitar que os jovens envolvidos com os comportamentos bullying assimilem uma mensagem social equivocada de que os problemas podem ser resolvidos com violência ou com a anulação moral dos mais fracos. A luta anti-bullying deve ser iniciada desde muito cedo. A importância da precocidade das ações educacionais se deve ao incalculável poder que as crianças possuem para propagar e difundir ideias. Elas facilmente se transformam em agentes multiplicadores capazes de "educar", por vias alternativas, seus familiares e funcionários domésticos, criando-se assim um círculo vicioso no empenho pela paz. 14

15 Nessa luta épica, cujo cenário principal é a escola e os atores principais são os profissionais de educação, estão em jogo os bens mais preciosos da humanidade: a solidariedade, a tolerância, a justiça, a dignidade, a honestidade, a amizade, o respeito às diferenças e o amor ao próximo. Para que essa batalha tenha um final feliz, devemos fortalecer nossos guerreiros: exigir políticas públicas e privadas que disponibilize recursos significativos para a formação intelectual, técnica, psicológica e pessoal de nossos educadores. Somente dessa forma eles poderão ter o comprometimento, o engajamento e a segurança de que necessitam para abraçar de corpo e alma essa causa heroica: educar nossas crianças e adolescentes para uma vida de cidadania plena, em que direitos e deveres, que hoje só existem no papel, sejam de fato exercidos e respeitados no dia a dia. 6. Violência e Exploração Sexual Infanto-juvenil O que é violência sexual... É uma violação dos direitos sexuais, que se traduz pelo abuso e/ou exploração do corpo e da sexualidade de crianças e adolescentes seja pela força ou outra forma de coerção, ao envolver meninas e meninos em atividades sexuais impróprias para sua idade cronológica ou a seu desenvolvimento físico, psicológico e social. O abuso e exploração sexual são as duas formas, igualmente perversas, com que a violência sexual se manifesta. O abuso é qualquer ato de natureza ou conotação sexual em que adultos submetem menores de idade a situações de estimulação ou satisfação sexual, imposto pela força física, pela ameaça ou pela sedução. O agressor costuma ser um membro da família ou conhecido. Já a exploração pressupõe uma relação de mercantilização, onde o sexo é fruto de uma troca, seja ela financeira, de favores ou presentes. A exploração sexual pode se relacionar a redes criminosas mais complexas e podendo envolver um aliciador, que lucra intermediando a relação da criança ou do adolescente com o cliente. Existe uma série de fatores que podem favorecer esse tipo de violência, além da condição de pobreza. Entre eles encontramos questões de gênero, étnicas, culturais, a erotização do corpo da criança e do adolescente pela mídia, consumo de drogas, disfunções familiares e baixa escolaridade. Contudo, devemos lembrar que a violência sexual acontece em todos os meios e classes sociais. Os aspectos psicossociais... O abuso e a exploração sexual são crimes graves, que deixam marcas profundas nos corpos das vítimas, como lesões, contágio por doenças sexualmente transmissíveis e gravidez precoce. Mais do que isso, a violência sexual prejudica profundamente o desenvolvimento psicossocial de crianças e adolescentes, gerando problemas como estresse, depressão e baixa autoestima. É dever da família, do Estado e de toda a sociedade protegê-los. 15

16 As crianças e adolescentes avisam de diversas maneiras, quase sempre não verbais, as situações de maus tratos e de abuso sexual. Veja abaixo alguns indicadores na conduta da criança/adolescente que sofreu abuso sexual: Sinais corporais: Enfermidades psicossomáticas, que são uma série de problemas de saúde sem aparente causa clínica, como dores de cabeça, erupções na pele, vômitos e outras dificuldades digestivas que têm, na realidade, fundo psicológico e emocional. Doenças sexualmente transmissíveis, diagnosticadas em coceira na área genital, infecções urinárias, odor vaginal, corrimento ou outras secreções vaginais e penianas e cólicas intestinais. Dificuldade de engolir devido à inflamação causada por gonorreia na garganta ou reflexo de engasgo hiperativo e vômitos (por sexo oral). Dor, inchaço, lesão ou sangramento nas áreas da vagina ou ânus a ponto de causar, inclusive, dificuldade de caminhar e sentar. Ganho ou perda de peso, visando afetar a atratividade do agressor. Traumatismo físico ou lesões corporais, por uso de violência física. Sinais comportamentais: Medo ou pânico de certa pessoa ou sentimento generalizado de desagrado quando é deixado sozinho em algum lugar com alguém. Medo do escuro ou de lugares fechados. Mudanças extremas súbitas e inexplicadas no comportamento, como oscilações no humor entre retraída e extrovertida. Mal estar pela sensação de modificação do corpo e confusão de idade. Regressão a comportamentos infantis, como choro excessivo sem causa aparente, enurese (xixi na cama) e chupar dedos. Tristeza, abatimento profundo ou depressão crônica. Fraco controle de impulsos e comportamento autodestrutivo ou suicida. Baixo nível de autoestima e excessiva preocupação em agradar os outros. Vergonha excessiva, inclusive de mudar de roupa na frente de outras pessoas. Culpa e autoflagelação. Ansiedade generalizada, comportamento tenso, sempre em estado de alerta, fadiga. Comportamento disruptivo, agressivo, raivoso, principalmente dirigido contra irmãos e um dos pais não incestuoso. Alguns podem apresentar transtornos dissociativos na forma de personalidade múltipla. Sexualidade: Interesse ou conhecimento súbitos e não usuais sobre questões sexuais. 16

17 para uma criança. Expressão de afeto sensualizada ou mesmo certo grau de provocação erótica, inapropriado Desenvolvimento de brincadeiras sexuais persistentes com amigos, animais e brinquedos. Masturbar-se compulsivamente. Relato de avanços sexuais por parentes, responsáveis e outros adultos. Desenhar órgãos genitais com detalhes além de sua capacidade etária. Hábitos, cuidados corporais e higiênicos: Abandono de comportamento infantil, de laços afetivos, de antigos hábitos lúdicos, de fantasias, ainda que temporariamente. (obesidade). Mudança de hábito alimentar perda de apetite (anorexia) ou excesso de alimentação Padrão de sono perturbado por pesadelos frequentes, agitação noturna, gritos, suores, provocados pelo terror de adormecer e sofrer abuso. Aparência descuidada e suja pela relutância em trocar de roupa. Resistência em participar de atividades físicas. Frequentes fugas de casa. Práticas de delitos. Envolvimento em prostituição infanto-juvenil. Uso e abuso de substâncias como álcool, drogas lícitas e ilícitas. Relacionamento social: Tendência ao isolamento social com poucas relações com colegas e companheiros. Relacionamento entre crianças e adultos com ares de segredo e exclusão dos demais. Dificuldade de confiar nas pessoas à sua volta. Fuga de contato físico. OBS: O surgimento de objetos pessoais, brinquedos, dinheiro e outros bens que estão além das possibilidades financeiras da crianças/adolescente e da família pode ser indicador de favorecimento e/ou aliciamento. 7. Violência Doméstica A Questão da Lei Maria da Penha As Nações Unidas definem violência como o uso intencional da força física ou poder, ameaça ou real, contra si próprio, outra pessoa, ou contra um grupo ou comunidade, que resulte ou tenha uma alta probabilidade de resultar em lesão, morte, dano psicológico, mau desenvolvimento ou privação. Porém, ao longo da história da humanidade, diversos acontecimentos foram alterando paulatinamente o entendimento da violência entre humanos. Atualmente e do ponto de vista conceptual, prevalece a 17

18 perspetiva afirmada logo no 1º artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos que afirma que todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade, a qual exclui qualquer tipo de violência. Apesar disso, a violência entre humanos não foi erradicada, persistindo sobre as mais diversas formas e expressões, desde a violência coletiva (guerras), à violência interpessoal (entre parceiros) ou à violência autoinfligida (suicídio), desde a violência física à violência psicológica. Neste contexto, a violência doméstica pode entender-se como uma forma de violência entre pessoas que coabitam um determinado espaço. A violência doméstica considerada, desde sempre, como algo da esfera privada, tem vindo nos últimos trinta anos a ser objeto de estudo e de intervenção, inicialmente no âmbito das forças de segurança e justiça e posteriormente na área da saúde pública. De acordo com a Council of Europe Convention on preventing and combating violence against women and domestic violence (2011), entende-se como violência doméstica todos os atos de violência física, sexual, psicológica ou econômica que ocorram dentro da família ou unidade doméstica ou entre atuais ou ex-cônjuges ou parceiros, quer o perpetrador partilhe ou tenha partilhado ou não o mesmo domicílio com a vítima. Pelas razões expostas, a violência doméstica representa uma prioridade quer por uma questão de dignidade, quer de legalidade, mas também de saúde na medida em que é causa de perturbação física e emocional para as vítimas e, por outro lado, conduz a custos sociais e de saúde. Exige por isso o nosso empenho proativo e justifica a criação de uma rede de apoio. Por violência doméstica entende-se qualquer ato, omissão ou conduta que serve para infligir dor física, sexual ou mental, direta ou indiretamente, por meio de enganos, ameaças, coação, etc. Violência física é a ação ou omissão que coloque em risco ou cause dano à integridade física de uma pessoa. Violência psicológica é a ameaça direta ou indireta, humilhação, isolamento ou qualquer outra conduta que implique prejuízo à saúde psicológica, à auto determinação ou ao desenvolvimento pessoal. A violência sexual é a ação que obriga uma pessoa a manter contato sexual, físico ou verbal, ou a participar de outras relações sexuais com uso da força, intimidação, manipulação, ameaça ou qualquer outro mecanismo que anule ou limite a vontade pessoal.. Alves (2005, citando Machado e Gonçalves, 2003), refere violência doméstica como qualquer ato, conduta ou omissão que sirva para infligir, reiteradamente e com intensidade, sofrimentos físicos, sexuais, mentais ou econômicos, de modo direto ou indireto (por meio de ameaças, enganos, coação ou qualquer outro meio) a qualquer pessoa que habite no mesmo agregado doméstico privado (pessoas crianças, jovens, mulheres adultas, homens adultos ou idosos a viver em alojamento comum) ou que, não habitando no mesmo agregado doméstico privado que o agente da violência, seja cônjuge ou companheiro marital ou excônjuge ou ex-companheiro marital (p.2). Considera ainda, fatores que contribuem para a violência, o isolamento (geográfico, físico, afetivo e social), a fragmentação (como mal que consiste em considerar apenas uma parte menor do problema e que tem a ver com o rótulo que se confere à pessoa em concreto), o poder e o domínio ou a influência moral (p.3). 18

19 8. Sexualidade na Adolescência A Adolescência, período de vida compreendido entre 10 e 20 anos, é uma fase bastante conturbada. Ocorrem transformações físicas e emocionais importantes, preparando a criança para assumir um novo papel perante a família e a sociedade. A criança desenvolve-se, amadurece e fica apta para usufruir sua sexualidade, firmando sua identidade sexual e buscando um par, já com a possibilidade de gerar filhos. A fase onde há modificações no corpo chama-se de Puberdade. Ocorre a primeira menstruação nas meninas (menarca), as poluções masculinas (ejaculações espontâneas sem coito), o crescimento de pêlos no corpo, a mudança de voz nos rapazes, o amadurecimento da genitália, com aumento do tamanho do pênis e dos seios, entre outros. Mas nem sempre esta fase vem acompanhada das transformações emocionais e sociais que são o marco da adolescência. Dependendo da cultura de cada povo, a adolescência pode chegar mais tarde, independente da criança estar já bem desenvolvida fisicamente. É o caso dos países ocidentais, como os Estados Unidos e a Inglaterra ou França. O processo de educação continuada e a grande soma de informações, por exemplo, acabam por retardar a necessidade, por parte dos jovens, da busca de uma vida separada de seus pais. Muitos ainda moram com a família depois dos 20 anos. Já em sociedades mais simples, como em algumas regiões do Brasil, da África ou da Ásia, a necessidade de força braçal, desde muito cedo, antecipa a entrada da criança na adolescência e nas responsabilidades que lhe são devidas. A jovem adolescente amadurece em média dois anos antes do rapaz. Busca fortificar sua feminilidade, prorrogar os encontros sexuais e selecionar um parceiro adequado para poder ter sua primeira relação sexual, o que ocorre de forma gradativa. Vai experimentando seus limites progressivamente. Os rapazes buscam encontros sexuais com mais ansiedade, geralmente, persuadindo as garotas ao sexo com eles. Em nosso meio, há uma tendência do jovem em experimentar sensações sexuais com outros de sua idade, sem necessariamente buscar uma relação sexual propriamente dita. O termo que se usa atualmente é "ficar". A perda da virgindade ainda é um marco importante para os jovens. É um rito de iniciação sexual, que pode ser vivenciado com orgulho ou com culpa excessiva, de acordo com a educação e tradição da família. Inicialmente, os jovens buscam apenas envolvimento sexual, testando suas novas capacidades e reações frente a sensações antes desconhecidas. É a redescoberta do corpo. Só depois procuram o envolvimento afetivo complementar passando a conviver não apenas em bandos, mas também aos pares. A masturbação faz parte da vida das pessoas desde a infância e, na adolescência, se intensifica com a redescoberta de sensações, tanto individualmente quanto em dupla ou em grupo. Os jovens podem apresentar algum tipo de atividade homossexual nessa fase, como exposição dos genitais, masturbação recíproca e comparação dos seios e dos genitais em grupo (comparação do tamanho do pênis, por exemplo), atividades estas consideradas absolutamente normais. Em tempos da super informação, com a internet, a globalização, a pouca censura nos meios de comunicação de massa, há um apelo sexual frequente e precoce, expondo os jovens a situações ainda não bem compreendidas por eles. Os adolescentes falam como adultos, querem se portar como tal e ter os privilégios da maturidade. No entanto, falta-lhes a experiência, a responsabilidade e o significado real de um 19

20 envolvimento sexual. A gravidez de risco na adolescência, infelizmente, é um dos resultados desastrosos desta situação atual. A pouca informação qualificada e o precário respeito dos adultos perante as necessidades dos jovens são os verdadeiros responsáveis pelo falso e ilusório desenvolvimento do adolescente de hoje. 9. Prevenção do Uso de Álcool e Outras Drogas Prevenção: Prevenir quer dizer: "preparar; chegar antes de; evitar (um dano ou um mal); impedir que algo se realize". A prevenção em saúde indica uma ação antecipada, baseada no conhecimento que temos das causas de uma doença. Ela tem por objetivo diminuir a chance do problema aparecer ou, se ele já existe, evitar que piore. As mais sérias pesquisas sobre a questão nos mostram um aumento do uso de drogas, mas principalmente, mostram-nos a necessidade de planejarmos ações preventivas adequadas ao grupo que desejarmos atingir. Prevenir não é banir a possibilidade do uso de drogas. Prevenir é considerar uma série de fatores para favorecer que o indivíduo tenha condições de fazer escolhas. Como você sabe, o uso de álcool e outras drogas, depende de outros fatores além da vontade do indivíduo. Há fatores que aumentam as chances do indivíduo iniciar o uso de drogas, ou ainda, aumentam as chances de que esse uso inicial ou moderado se torne um uso que traga mais prejuízos para o usuário. O uso indevido de álcool e outras drogas é fruto de um conjunto de fatores. Nenhuma pessoa nasce predestinada a usar álcool e outras drogas ou se torna dependente apenas por influência de amigos ou pela grande oferta do tráfico. Nós seres humanos, buscamos elementos para aliviar dores e acirrar prazeres. Assim encontramos as drogas. Algumas vezes experimentamos, outras usamos sem nos comprometermos, e em outras, ainda abusamos. Este que usou, se não tiver dentro de um fator biológico importante, se tiver uma boa relação familiar e se não tiver uma boa sensação com este uso pode, ainda, fazer só um uso recreacional, mas se sua condições forem de risco ou prazerosas ele poderá vir a fazer o uso regular de drogas. Fatores relacionados ao uso de drogas: Fatores Pessoais De proteção De Risco Habilidades sociais Cooperação Habilidades para resolver problemas Vínculos positivos com pessoas, instituições e valores Autonomia Autoestima desenvolvida Insegurança Insatisfação com a vida Sintomas depressivos Curiosidade 20

21 Busca de Prazer De proteção De Risco De proteção De Risco De proteção De Risco De proteção De Risco Fatores Familiares Pais que acompanham as atividades dos filhos Estabelecimento de regras e de condutas claras Envolvimento afetivo com a vida dos filhos Respeito aos ritos familiares Estabelecimento claro da hierarquia familiar Pais que fazem uso abusivo de drogas Pais que sofrem de doenças mentais Pais excessivamente autoritários Pais muito exigentes Famílias que mantêm uma cultura aditiva (forma de viver de uma família na qual as soluções são dadas como formas de impedir a reflexão) Fatores Escolares Bom desempenho escolar Boa inserção e adaptação no ambiente escolar Ligações fortes com a escola Oportunidades de participação e de decisão Vínculos afetivos com professores e colegas Realização pessoal Possibilidade de desafios e expansão da mente Descoberta de talentos pessoais Prazer em aprender Descoberta e construção de projeto de vida Baixo desempenho escolar Falta de regras claras Exclusão sócia Falta de vínculos com a aprendizagem Fatores Sociais Respeito às leis sociais Credibilidade da mídia Oportunidades de trabalho e de lazer Informações adequadas sobre as drogas e seus efeitos Clima comunitário afetivo Consciência comunitária e mobilização social Amigos não usuários de drogas e não envolvidos em atividades ilícitas Violência Envolvimento em atividades ilícitas Amigos usuários de drogas Pressão social para o consumo Desvalorização das autoridades sociais Descrença nas instituições Falta de oportunidades de trabalho e de lazer Fatores Relacionados à Droga Informações contextualizadas sobre efeitos Regras e controle para consumo adequado Disponibilidade para compra Propaganda que incentiva e mostra apenas o prazer que a droga causa Prazer intenso que leva o indivíduo ao uso Apologia de certos grupos da sociedade ao uso de drogas (principalmente da maconha) 21

22 Devemos ter em mente que vários fatores contribuem para a decisão de alguém usar drogas, e não somente um fator isolado. Além disso, não é porque um indivíduo está envolvido em uma vida cheia de fatores de risco que, necessariamente, ele fará um uso problemático de álcool e outras drogas. A formação de cada um de nós se inicia na família. É função da família proteger seus filhos e favorecer neles o desenvolvimento de competências, por exemplo: para lidar com limites e frustrações. Na adolescência, a falta de proteção da família, especialmente para o adolescente transgressor, que não sabe lidar com frustrações, pode favorecer o uso indevido de substâncias psicoativas. Se o jovem vem de uma família desorganizada, mas encontra em sua vida um grupo comunitário que faz seu asseguramento, oferecendo-lhe alternativas de lazer e de desenvolvimento de habilidades pessoais, pode vir a ter sua formação garantida, aprendendo a criticar por si próprio e pelo grupo social. A presença de religião na vida do indivíduo é um fator protetor ao uso de drogas. Diversos estudos tem demonstrado que pessoas que praticam alguma religião ou que creem em algo superior, tem menores chances de se envolverem com drogas. Quanto mais religioso o indivíduo, menor seu interesse pelo consumo de substâncias psicoativas, incluindo as drogas ilícitas. Valores religiosos, em geral, preconizam o bom relacionamento com respeito e afeto e isto, quando realmente aplicado ao convívio familiar, seria fator de estabilidade doméstica, permitindo que os jovens cresçam dentro de um ambiente emocionalmente saudável. Sabemos que a motivação para o uso de drogas vem de vários fatores, e um fator de proteção isolado não é garantia que um indivíduo não abusará de substâncias psicoativas. Para que se realize um trabalho de prevenção sério e cuidadoso, com um determinado grupo, é necessário: Identificar fatores de risco, para minimizá-los. Identificar fatores de proteção, para fortalecê-los. Tratar o grupo como específico, para identificar os fatores acima. 10. Os Oito Objetivos do Desenvolvimento do Milênio Erradicar a extrema pobreza e a fome O número de pessoas em países em desenvolvimento vivendo com menos de um dólar ao dia caiu para 980 milhões em 2004, contra 1,25 bilhão em A proporção foi reduzida, mas os benefícios do crescimento econômico foram desiguais entre os países e entre regiões dentro destes países. As maiores desigualdades estão na América Latina, Caribe e África Subsaariana. Se o ritmo de progresso atual 22

23 continuar, o primeiro objetivo não será cumprido: em 2015 ainda haverá 30 milhões de crianças abaixo do peso no sul da Ásia e na África. Atingir o ensino básico universal Houve progressos no aumento do número de crianças frequentando as escolas nos países em desenvolvimento. As matrículas no ensino básico cresceram de 80% em 1991 para 88% em Mesmo assim, mais de 100 milhões de crianças em idade escolar continuam fora da escola. A maioria são meninas que vivem no sul da Ásia e na África Subsaariana. Na América Latina e no Caribe, segundo o Unicef, crianças fora da escola somam 4,1 milhões. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres A desigualdade de gênero começa cedo e deixa as mulheres em desvantagem para o resto da vida. Nestes últimos sete anos, a participação feminina em trabalhos remunerados não-agrícolas cresceu pouco. Os maiores ganhos foram no sul e no oeste da Ásia e na Oceania. No norte da África a melhora foi insignificante: Um em cinco trabalhadores nestas regiões é do sexo feminino e a proporção não muda há 15 anos. Reduzir a mortalidade infantil As taxas de mortalidade de bebês e crianças até cinco anos caíram em todo o mundo, mas o progresso foi desigual. Quase11 milhões de crianças ao redor do mundo ainda morrem todos os anos antes de completar cinco anos. A maioria por doenças evitáveis ou tratáveis: doenças respiratórias, diarreia, sarampo e malária. A mortalidade infantil é maior em países que têm serviços básicos de saúde precários. 23

24 Melhorar a saúde materna Complicações na gravidez ou no parto matam mais de meio milhão de mulheres por ano e cerca de 10 milhões ficam com sequelas. Uma em cada 16 mulheres morre durante o parto na África Subsaariana. O risco é de uma para cada 3,800 em países industrializados. Existem sinais de progresso mesmo em áreas mais críticas, com mais mulheres em idade reprodutiva ganhando acesso a cuidados pré-natais e pós-natais prestados por profissionais de saúde. Os maiores progressos verificados são em países de renda média, como o Brasil. Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças Todos os dias 6,8 mil pessoas são infectadas pelo vírus HIV e 5,7 mil morrem em consequência da Aids - a maioria por falta de prevenção e tratamento. O número de novas infecções vem diminuindo, mas o número de pessoas que vivem com a doença continua a aumentar junto com o aumento da população mundial e da maior expectativa de vida dos soropositivos. Houve avanços importantes e o monitoramento progrediu. Mesmo assim, só 28% do número estimado de pessoas que necessitam de tratamento o recebem. A malária mata um milhão de pessoas por ano, principalmente na África. Dois milhões morrem de tuberculose por ano em todo o mundo. Garantir a sustentabilidade ambiental A proporção de áreas protegidas em todo o mundo tem aumentado sistematicamente. A soma das áreas protegidas na terra e no mar já é de 20 milhões de km² (dados de 2006). A meta de reduzir em 50% o número de pessoas sem acesso à água potável deve ser cumprida, mas a de melhorar condições em favelas e bairros pobres está progredindo lentamente. Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento Os países pobres pagam a cada dia o equivalente a US$ 100 milhões em serviço da dívida para os países ricos. Parcerias para resolver o problema da dívida, para ampliar ajuda humanitária, tornar o comércio 24

25 internacional mais justo, baratear o preço de remédios, ampliar mercado de trabalho para jovens e democratizar o uso da internet, são algumas das metas. Referências ABC DA SAÚDE. Sexualidade na adolescência. Disponível: Acesso em: 12 fev ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Direitos humanos na mídia comunitária: a cidadania vivida no nosso dia a dia. São Paulo : Oboré, ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ONU. Objetivos do milênio. Disponível em: Acesso em: 12 fev BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de São Paulo, Saraiva, SILVA. Ana Beatriz Barbosa. Bullying: mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Objetiva, GUIA ESCOLAR. Rede de Proteção à Infância Métodos para identificação de sinais de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes Ministério da Educação, CARINHO DE VERDADE. Abuso e Exploração Sexual. Disponível em: Acesso em: 11 fev SECRETARIA MUNICIPAL DA CRIANÇA, DO ADOLESCENTE E DA JUVENTUDE. Plano Municipal de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Berger. Itajaí, SAMARA. Eni de Mesquita. O que mudou na família brasileira: da colônia a atualidade. Psicol. USP v. 13 n.2 São Paulo, VIOLÊNCIA DOMÉSTICA RIIDE. Combate a violência doméstica: projeto de intervenção. Disponível em: Acesso em: 12 fev

26 INGLÊS Profª.: Luciana Martins Amador 26

27 Greetings / (cumprimentos) Hi Oi Hello Alô / Olá Good Morning Bom dia Good Afternoon Boa Tarde Good Evening Boa noite (começo da noite) Good Night Boa noite (despedida / hora de dormir) Good bye Adeus Bye bye Tchau See you soon Até breve See you later Até mais tarde See you tomorrow Até amanha Titles / (títulos / formas de tratamento) Mr. (senhor) Mrs. (senhora) Miss (senhorita) MS. (mulheres de estado civil desconhecido) Sir (senhor) Madam (senhora) Informal Introductions (apresentações informais) What s your name? (Qual é o seu nome?) My name is... (Meu nome é...) I am... Nice to meet you, too (Prazer conhecê-lo também) Pleased to meet you Glad to meet you How are you? (Como vai você?) How are you doing? (Como você está passando?) I m fine, thanks (estou bem, obrigado) I m very well, thank you (estou muito bem, obrigado) Too bad (péssimo) Pretty good (ótimo) Not bad (não muito bem) So-so (mais ou menos) Possessives (possessivos) My (meu, minha, meus, minhas) Your (seu, sua, seus, suas) His (dele) Her (dela) Its (dele, dela (usado para animais e objetos) Our (nosso, nossa, nossos, nossas) Your (seus, suas) Their (deles, delas) 27

28 Verb to be: Affirmative sentences I am You are He/ She/ It is We are You are I m You re He s / She s / It s We re You re Negative sentences I am not You are not He/She/It is not We are not They are not I m not You aren t He/She/It isn t We aren t They aren t Interrogative Sentences Am I? Are you? Is he/ she/ it? Are we? Are they? WH - Questions What O que / Que / Qual What kind Que tipo Where Onde / Aonde When Quando Which Qual dele/ deles (preferencial) Who Quem Why Porque (pergunta). Because Resposta Whose- De quem Spelling (soletrando) How do you spell that? (como você soletra isso?) Please, spell your name (por favor, soletre seu nome) Spell your first name (soletre o seu primeiro nome) Spell yout last name, please (soletre seu sobrenome, por favor) Cardinal Numbers (números cardinais) 1 One 16 Sixteen 2 Two 17 Seventeen 3 Three 18 Eighteen 4 Four 19 Nineteen 5 Five 20 Twenty 6 Six 30 Thirty 7 Seven 40 Forty 8 Eight 50 Fifty 9 Nine 60 Sixty 28

29 10 Ten 70 Seventy 11 Eleven 80 Eighty 12 Twelve 90 Ninety 13 Thirteen 100 One hundred (a hundred) 14 Fourteen 200 Two hundred 15 Fifteen 1000 One thousand (a thousand) Telephone Numbers (números de telefone) What is your phone number? (Qual é o seu número de telefone?) Time: What time is it? What s the time? I am early. I am late. It s midday./ noon. It s midnight. It s. O clock It s quarter to. It s quarter past. It s ten to/ past It s half past Time Expressions Today Hoje Everyday Todo dia Every week Toda semana Every month Todo mês Every year Todo ano Every weekend Todo final de semana This morning Hoje de manhã This evening Hoje a tarde (final de tarde / começo da noite) This night / Tonight Hoje a noite The seasons of the year (Estações do ano) Summer Autumn or Fall Winter Spring Ex:It s summer now. Ordinal numbers (números ordinais) 1º - First 2º - Second 3º - Third 4º - Fourth 5º - Fifth 29

30 6º - Sixth 7º - Seventh 8º - Eight 9º - Ninth 10º - Tenth Preferences What kind of food do you like? What s your favorite.. Can I have.. I would like.. What would you like? Verb there to be - Simple present (existir, haver) Singular There is Há There s There is not Não há There isn t Is there? Há? Ex: There is a coffee shop in the Hotel. There are two beds in your room. Plural There are Há There are not Não há There aren t Are there? Há? Questions Short / Long / Answers Is there a single room here? Yes, there is. Yes, there is a single room here. No, there isn t. No, there isn t a single room here. Are there shops here? Yes, there are. Yes, there are shops here. No, there aren t. No, there aren t shops here. Some / Any We use some in affirmative sentences with uncountable nouns and plural nouns. Ex: There is some bread in the basket There are some oranges in the basket. Obs: Ex: We use some in questions when we ask for things and offer things Would you like some coffee, please? Yes, I d like. We use any in questions and negative sentences with uncountable nouns and plural nouns. Ex: Is there any water here? There aren t any people. 30

31 Verb to be Past tense Affirmative form Negative form Interrogative form I was I wasn t Was I? You were You weren t Were you? He was He wasn t Was he? She was She wasn t Was she? It was It wasn t Wasn t it? We were We weren t Were we? You were You weren t Were you? They were They weren t Were they? Past simple (passado simples) The past simple expresses a past action that is finished. Ex: I lived in S. Paulo when I was 8. The form of the past simple is the same in all persons. Affirmative form Negative form Interrogative form I lived I didn t live Did I live? You lived You didn t live Did you live? He lived He didn t live Did he live? She lived She didn t live Did she live? It lived It didn t live Did it live? We lived We didn t live Did we live? You lived You didn t live Did you live? They lived They didn t live Did they live? See list of irregular verbs. 31

32 32

33 33

34 34

35 35

36 36

37 37

38 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 LOGÍSTICA Prof.: Edvaldo da Cruz 43

44 Competências Pessoais 1 - Orientação para o mercado de trabalho: Uma ótima forma de começar a pensar na carreira profissional é definir sua formação educacional. É a partir desse momento que você deverá direcionar suas ações e todo o seu aprendizado para o mercado de trabalho e para sua formação profissional. 2 Ética no ambiente profissional: Estar preparado para o mercado de trabalho é uma qualidade que determina o caráter e abre um leque de oportunidades para a recolocação no mercado de trabalho. O mundo em que vivemos é um mundo marcado pelo relativismo, onde o certo e o errado nunca foram tão banalizados. Para a maioria das pessoas, os padrões morais e valores sociais ficam a critério de cada um. Por isso, vivemos num mundo altamente individualista que prevalece nas relações sociais, educacionais, econômicas, na religião e no trabalho. DEFINIÇÃO Segundo o Dicionário Aurélio, ética é o estudo dos juízos de apreciação que se refere à conduta humana susceptível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal. Etimologicamente, ética vem do grego ETHOS, e tem seu correlato no latim MORALE com o mesmo significado; conduta relativa aos costumes. Podemos concluir que, etimologicamente, ética e moral são palavras sinônimas. CONCEITOS Ética é princípio, moral são aspectos de condutas específicas. Ética é permanente, moral é temporal. Ética é universal, moral é cultural. Ética é regra, moral é conduta de regra. Ética é teoria, moral é a prática. 3 Cidadania Cidadania (do latim, civitas, "cidade") é o conjunto de direitos e deveres ao qual um indivíduo está sujeito em relação à sociedade em que vive. O conceito de cidadania sempre esteve fortemente "ligado" à noção de direitos, especialmente os direitos políticos, que permitem ao indivíduo intervir na direção dos negócios públicos do Estado, participando de modo direto ou indireto na formação do governo e na sua administração, sejam ao votar (direto), seja ao concorrer a um cargo público (indireto). 44

45 No entanto, dentro de uma democracia, a própria definição de Direito, pressupõe a contrapartida de deveres, uma vez que em uma coletividade os direitos de um indivíduo são garantidos a partir do cumprimento dos deveres dos demais componentes da sociedade. 1- Introdução à Logística É o conjunto de métodos utilizados para a condução da organização empresarial. A logística empresarial trata, portanto, do processo de planejar, implementar e controlar, de forma eficiente e eficaz o fluxo de informações, financeiro, além do fluxo e armazenagem de materiais durante a produção e produtos acabados, e as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, visando atender aos requisitos do cliente (qualidade, custo, prazo, etc). Antes da década de 50, as empresas executavam, normalmente, a atividade logística de maneira puramente funcional. Não existia nenhum conceito ou uma teoria de logística integrada. A falta de atenção pode ser atribuída primeiramente ao alto crescimento da computação e em segundo lugar, o baixo interesse de investimento na área tão desconhecida. Compreende-se como a evolução da Logística: : era da produção em massa - especialização e divisão do trabalho; - produtos com pouca diferenciação; - redução dos custos de produção final da década de 1940: era do marketing de massa -diferenciação de produtos com diversificação e customização; -investimentos em campanhas de marketing anos seguintes: era da descontinuidade - novas estratégias e culturas organizacionais. -décadas de 1980 e 1990: sinais de que a oferta já é maior do que a demanda. 1.2-A Logística e suas Ramificações O profissional de logística pode atuar em inúmeras áreas, diretamente no nível operacional, gerencial, estratégico e efetuar inúmeras atividades como no comercial de uma empresa, delineando custos e despesas, bem como atuar diretamente com transportes, estoque, recebimento e expedição de mercadorias por estar diretamente ligado as atividades de conferência e controle. O mundo da Logística vem tomando muitas ramificações, as mais expressivas são Logística Industrial, Logística Comercial e Econômica. As empresas de primeiro mundo têm tomado conhecimento sobre a Logística Reversa, uma filosofia nova na visão comercial que consiste em reutilizar materiais que antes eram descartados. 1.3-Atividades da Logística 45

46 As atividades referentes à Logística ao passar dos anos sofrerão inúmeras alterações, nos primórdios a logística era apenas a forma de escalas onde os navios comerciantes deveriam parar nos portos pelo mundo. Nos dias de hoje a logística está voltada para transporte, armazenagem, cadeia logística e cadeia de suprimentos. Dentre as atividades de Logística, a mais importante e complexa é a da Armazenagem, pois consistem na guarda, manutenção e movimentação da matéria-prima de produto acabado, com o intuito de manter a qualidade do produto e a satisfação do cliente. Seus objetivos são: utilizar o espaço nas três dimensões, da maneira mais eficiente possível; proporcionar a movimentação rápida e fácil de suprimentos desde o recebimento até a expedição. Ao aperfeiçoar a armazenagem, obtem-se: 1. Máxima utilização do espaço (ocupação do espaço) 2. Efetiva utilização de recursos disponíveis (mão-de-obra e equipamentos); 3. Pronto acesso a todos os itens (seletividade); 4. Máxima proteção aos itens estocados; 5. Boa organização; 6. Satisfação das necessidades dos clientes. Os objetivos do layout de um armazém devem ser: a. Assegurar a utilização máxima do espaço; b. Propiciar a mais eficiente movimentação de materiais; c. Oferecer a estocagem mais econômica, em relação as despesas de equipamentos, espaço, danos de material e mão-de-obra do armazém; d. Fazer do armazém um modelo de boa organização. -Alternativas de Armazenamento: Próprio / Público / Alugado (Leasing) / em Trânsito. -Um armazém tem três funções fundamentais: Retenção / Armazenamento temporário/ semi-permanente -Transferência de Informação: Trabalha em simultâneo com outras funções fundamentais, a captação de informações corretas em tempo oportuno. Holding - Apoio à produção - Proteção do Inventário 46

47 - Conservação ordenada e adequada do inventário - Consolidação 2- Administração de Materiais Toda produção depende da existência conjunta de três fatores de produção: natureza, capital e trabalho, integrados por um quarto fator denominado empresa. Para os economistas, todo processo produtivo se fundamenta na conjunção desses quatro fatores de produção. a) Natureza: é o fator que fornece os insumos necessários à produção, como as matérias-primas, os materiais, a energia etc. É o fator de produção que proporciona as entradas de insumos para que a produção possa se realizar. b) Capital: é o fator que fornece o dinheiro necessário para adquirir os insumos e pagar o pessoal. O capital representa o fator de produção que permite meios para comprar, adquirir e utilizar os demais fatores de produção; c) Trabalho: é o fator constituído pela mão-de-obra, que processa e transforma os insumos, através de operações manuais ou de máquinas e ferramentas, em produtos acabados ou serviços prestados. d) Empresa: é o fator integrador capaz de aglutinar a natureza, o capital e o trabalho em um conjunto harmonioso que permite que o resultado alcançado seja muito maior do que a soma dos fatores aplicados no negócio. 2.1-Introdução à NR_11 (transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de Materiais)- Segurança da Carga e Movimentação de Produtos Perigosos: Segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres, Segurança da Carga e Movimentação de Produtos Perigosos é qualquer material sólido, líquido ou gasoso que seja tóxico, radioativo, corrosivo, quimicamente reativo, ou instável durante a estocagem prolongada em quantidade que representa uma ameaça à vida, à propriedade ou ao meio ambiente. Sob o ponto de vista genérico, os riscos dos produtos químicos perigosos podem referir-se tanto à segurança como à saúde dos trabalhadores e estão relacionados com o fabrico, utilização e manipulação e presença de substâncias químicas, quer no estado puro, quer formando misturas. No âmbito das legislações comunitária e nacional, são designados por: -Substâncias - os elementos químicos e os seus compostos como se apresentam no estado natural ou como são produzidos pela indústria e que contenham, eventualmente, qualquer aditivo necessário à preservação da estabilidade do produto e impureza decorrente do processo, com exclusão de qualquer solvente que possa ser extraído sem afetar a estabilidade da substância nem alterar a sua composição; -Preparações - as misturas ou soluções que são compostas de duas ou mais substâncias. 47

48 Conceitos - O transporte é função da distancia entre áreas de produção e consumo. - Produto perigoso- Substancias que representem risco á saúde, meio ambiente e segurança pública. - Importância da movimentação de produtos perigosos na estrutura econômica - fluxos de importação e de exportação. - Regulamentação- regras e procedimentos que permitem que o transporte desse tipo de carga ocorra em níveis adequados de segurança. -Referencia normas e padrões praticados internacionalmente. Para controle e prevenção de produtos perigosos a ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestres, subdivide as principais modalidades de transportes e seus respectivos órgãos conforme quadro abaixo: A classificação adotada para os produtos considerados perigosos, feita com base no tipo de risco que apresentam e conforme as Recomendações para o Transporte de Produtos Perigosos das Nações Unidas, sétima edição revista, 1991, compõe-se das seguintes classes, definidas nos itens 1.1 a 1.9: Classe 1 EXPLOSIVOS Classe 2 - GASES, com as seguintes subclasses: Subclasse Gases inflamáveis; Subclasse Gases não-inflamáveis, não-tóxicos; Subclasse Gases tóxicos. Classe 3 - LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS Classe 4 - Esta classe se subdivide em: Subclasse Sólidos inflamáveis; Subclasse Substâncias sujeitas a combustão espontânea; Subclasse Substâncias que, em contato com a água, emitem gases inflamáveis. Classe 5 - Esta classe se subdivide em: Subclasse Substâncias oxidantes; Subclasse Peróxidos orgânicos. Classe 6 - Esta classe se subdivide em: Subclasse Substâncias tóxicas (venenosas); Subclasse Substâncias infectantes. 48

49 Classe 7 - MATERIAIS RADIOATIVOS Classe 8 CORROSIVOS Classe 9 - SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS DIVERSAS. SÍMBOLOS 2.3- Processamento do Pedido -Controle de Estoque - subsistema responsável pela gestão econômica dos estoques, através do planejamento e da programação de material, compreendendo a análise, a previsão, o controle e o ressuprimento de material. O estoque é necessário para que o processo de produção-venda da empresa opere com um número mínimo de preocupações e desníveis. Os estoques podem ser de: matéria-prima, produtos em fabricação e produtos acabados. O setor de controle de estoque acompanha e controla o nível de estoque e o investimento financeiro envolvido. -Classificação de Material - subsistema responsável pela identificação (especificação), classificação, codificação, cadastramento e catalogação de material. -Aquisição / Compra de Material - subsistema responsável pela gestão, negociação e contratação de compras de material através do processo de licitação. O setor de Compras preocupa-se sobremaneira com o estoque de matéria-prima. É da responsabilidade de Compras assegurarem que as matérias-primas exigidas pela Produção estejam à disposição nas quantidades certas, nos períodos desejados. 49

50 -Armazenagem / Almoxarifado - subsistema responsável pela gestão física dos estoques, compreendendo as atividades de guarda, preservação, embalagem, recepção e expedição de material, segundo determinadas normas e métodos de armazenamento. -Movimentação de Material - subsistema encarregado do controle e normalização das transações de recebimento, fornecimento, devoluções, transferências de materiais e quaisquer outros tipos de movimentações de entrada e saída de material. -Inspeção de Recebimento - subsistema responsável pela verificação física e documental do recebimento de material, podendo ainda encarregar-se da verificação dos atributos qualitativos pelas normas de controle de qualidade. -Cadastro - subsistema encarregado do cadastramento de fornecedores, pesquisa de mercado e compras. -Transporte de Material - subsistema de apoio que se responsabiliza pela política e pela execução do transporte, movimentação e distribuição de material. A colocação do produto acabado nos clientes e as entregas das matérias-primas na fábrica são de responsabilidade do setor de Transportes e Distribuição. Após a concretização da compra, o subsistema de Cadastro também fica responsável para providenciar, junto aos fornecedores, o cumprimento do prazo de entrega contratual, iniciando o ciclo, novamente, por ocasião do recebimento de material. 3- Cadeia de abastecimento A logística tem sido uma das maneiras mais utilizadas para vencer esses desafios. A explicação reside na sua capacidade de evoluir para responder as necessidades advindas das profundas e constantes mudanças que as organizações estão enfrentando. O modo como a logística vem sendo aplicada e desenvolvida, no meio empresarial e acadêmico, denota a evolução do seu conceito, a ampliação das atividades sob sua responsabilidade e, mais recentemente, o entendimento de sua importância estratégica. Em seu estágio mais avançado, está sendo utilizada para o planejamento de processos de negócios que integram não só as áreas funcionais da empresa, como também a coordenação e o alinhamento dos esforços de diversas empresas na busca por reduzir custos e agregar o máximo valor ao cliente final. Este processo é chamado Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento ou, em inglês, Supply Chain Management. 3.1 Centros de Distribuições O Centro de Distribuição é uma configuração regional de armazém onde são recebidas cargas consolidadas de diversos fornecedores. Essas cargas são fracionadas a fim de agrupar os produtos em quantidade e sortimento corretos e então, encaminhados para os pontos de venda, mais próximos. A principal finalidade dos CDs consiste em oferecer melhores níveis de serviço ao cliente, através da redução do lead time (tempo de repor os suprimentos) pela disponibilidade dos produtos o mais próximo do 50

51 ponto de venda, na localização geográfica junto ao principal mercado consumidor, oferecendo condições para agilizar o atendimento dos pedidos. Dessa maneira aumenta-se a frequência de pedidos, reduzindo os volumes e minimizando os custos de inventário, o que acaba contribuindo para a redução dos custos totais de logística e proporciona melhores níveis de serviço, colocando a empresa tomadora de serviço em um novo patamar de competitividade. Através desse nível de serviço a empresa pode aumentar sua participação no mercado (aumento de market share) e também consolidar sua imagem no mercado. O CD tem uma relevante função no processo logístico e na cadeia de suprimentos de uma organização. Uma das maiores dificuldades para as pequenas empresas em se obter organização em seu giro de estoque se deve a ausência de um Centro de Distribuição. Empresas Gigantescas como Walmart e Coca-Cola utilizam CDs desde os meados de 1940, tendo inúmeras opções de venda e redução de custos em diversos países. Portanto é correto afirmar que a principal função de um CD é a de reduzir custos de transportes e armazenagem. 4- Armazém Moderno x Armazém Tradicional São conhecidas algumas técnicas para uma adequada gestão do armazém, sendo estas fundamentais na criação de um armazém moderno, eficiente e racional ao serviço das atividades logísticas. Caracterizamse modernos pelas seguintes finalidades: -Conectar fornecedores e clientes através de SI/TI (sistemas de informação) atualizados, numa harmoniosa partilha de informação, de forma a existir um rápido abastecimento tendo uma entrega rápida; -Minimizar stocks, promovendo circuitos com o mínimo de percursos em vazio, ou seja, uma movimentação non-stop; autogiro de estoque. -Aperfeiçoar o sistema de transportes, tendendo este para o just-in-time na cadeia de abastecimento; -Aproveitar ao máximo os recursos existentes, calendarizando e planeado as operações em curto prazo, para uma gestão mais eficaz em médio prazo; -Reduzir continuamente leads-times em todo o processo logístico, de forma a eliminar stocks. Reduzir ao máximo o inventário que não se encontra em movimento, de forma a evitar a sua armazenagem e respectivos custos; -Eliminar os tempos de setup e encomenda, já que estes se tornam responsáveis pelo aumento não desejado dos volumes encomendados. Além destes aspectos, o armazém deve assegurar a comodidade dos trabalhadores, ter condições de manutenção/substituição dos equipamentos e dos próprios inventários, assegurar a temperatura adequada aos 51

52 diversos produtos e estar munido com certas características e equipamentos específicos de forma a realizar operações como a rotulagem, empacotamento e despacho. 4.1 Tipos de Armazém -Armazéns Próprios: Um depósito próprio é operado pela empresa proprietária da mercadoria. As instalações podem ser próprias ou alugadas. A decisão a respeito da melhor estratégia para cada empresa é essencialmente financeira. Nem sempre é possível encontrar um depósito de aluguel que atenda a todas as necessidades. Depósitos exigem, por exemplo, muitas atividades de manuseio de materiais, e as instalações existentes, disponíveis para aluguel, podem não estar adequadamente projetadas. Geralmente, um depósito eficiente deve ser planejado, considerando o sistema de manuseio de materiais, a fim de permitir a máxima eficiência do fluxo de mercadorias. -Depósitos Terceirizados ou Públicos: O uso de depósitos públicos é intensamente adotado em sistemas logísticos. Praticamente qualquer composição de serviços pode ser combinada com a empresa operadora, em curto e em longo prazo. Há uma classificação consagrada para depósitos públicos que se fundamenta na execução de operações especializadas e inclui: (1) depósitos gerais; (4) depósitos alfandegados (2) depósitos refrigerados; (5) depósitos de móveis e de utensílios domésticos. (3) depósitos para commodities especiais; Cada tipo de depósito difere na tecnologia de armazenagem e manuseio de materiais, tendo em vista as características ambientais e os bens armazenados. -Aluguel de Armazém ou Depósitos Contratados: Os depósitos contratados combinam as melhores características de armazenagem pública e de armazenagem própria. Os relacionamentos de longos prazos e os compartilhamentos dos riscos permitem custos menores do que as condições normais de depósitos públicos, embora, em certos casos, seja necessário investir em um ativo imobilizado mínimo. Os depósitos contratados podem proporcionar vantagens de especialização, flexibilidade e economia de escala, por compartilhar em recursos de gerenciamento, mão-de-obra, equipamento e informação com muitos clientes. Embora seja comum o depósito contratado compartilharem recursos com clientes de um mesmo ramo, por exemplo, produtos alimentícios não são comuns que concorrentes diretos queiram compartilhar recursos entre si. 4.2 Estações Aduaneiras Criadas ainda na década de 70, as Eadis ou portos secos, como também são chamados tiveram seu boom em meados da década de 90, quando o governo brasileiro licitou um grande número de unidades, interiorizando a movimentação de carga no país. Com isso, o número de estações saltou de 15 para 49. Essas 52

53 estações tiveram destaque com a abertura do mercado nacional às importações. As antigas Centrais Aduaneiras do Interior ganharam novo nome e nova função em Deixaram de serem apenas entrepostos alfandegários para se tornar recintos alfandegados de uso público, operando sob regimes especiais. Todas as Eadis são implantadas sob permissão da Secretaria da Receita Federal, através de processo de licitação pública. Assim, todos os investimentos em construção, manutenção e modernização das unidades cabem à empresa que recebe a permissão para operá-la. A localização das estações, no entanto, é definida pelas autoridades aduaneiras, após uma avaliação das potencialidades e do fluxo de comércio exterior de diversas regiões. No Brasil, existem em operação 63 unidades de Portos Secos sendo 35 unidades em 14 estados, 1 no Distrito Federal e 27 unidades em São Paulo. Serviços comuns aos terminais alfandegados de uso público: a) estadia de veículos e unidades de carga; b) pesagem; c) limpeza e desinfestação de veículos; d) fornecimento de energia; e) retirada de amostras; f) lonamento e deslonamento; g) colocação de lacres; h) expurgo; i) unitização e desunitização de cargas; j) marcação, remarcação, numeração e renumeração de volumes, para efeito de identificação comercial; k) etiquetagem, marcação e colocação de selos fiscais em produtos importados, com vistas ao atendimento de exigências da legislação nacional ou do adquirente; l) Consolidação e desconsolidação documental; 4.3 Princípios básicos da Armazenagem Moderna -Redução de custos Através da redução dos custos de inventário, utilização mais vantajosa do espaço disponível e aumento da produtividade. Deve proporcionar a redução de custos de mão-de-obra, a redução de custo de materiais e a redução de custos de despesas gerais. 53

54 -Aumento da capacidade produtiva Aumento de produção, da capacidade e melhor distribuição de armazenagem. -Melhores condições de trabalho Deve refletir em melhores condições para as pessoas envolvidas neste trabalho: Maior segurança; conforto para o pessoal e redução da fadiga. -Melhor distribuição A distribuição, que se inicia na preparação do produto e termina no usuário, é melhorada com a racionalização dos sistemas de manuseio. Bem como a melhoria na circulação, serviços ao usuário e localização estratégica de almoxarifados. 4.4 Funções, Fluxo de bens e Fluxo de informações do Novo Armazém - Obediência ao fluxo das operações - trajetória dos materiais de forma que a mesma seja a seqüência de operações. Ou seja, utilize sempre que possível, o arranjo tipo linear. - Mínima distância - Reduza a distância e transporte pela eliminação de ziguezagues no fluxo dos materiais. - Mínima manipulação - Reduza a freqüência de transporte manual. O transporte mecânico custa menos que as operações de carga e descarga, levantamento e armazenamento. - Segurança e satisfação - Leve sempre em conta a segurança dos operadores e o pessoal circulante, quando selecionar o equipamento de transporte de materiais. - Padronização - Use equipamento padronizado na medida do possível. O custo inicial é mais baixo, a manutenção é mais fácil e mais barata e a utilização desse equipamento é variada por ser mais flexível que equipamentos especializados. - Flexibilidade - Capacidade de satisfazer o transporte de vários tipos de cargas, em condições variadas de trabalho. - Máxima utilização da gravidade - Use a gravidade sempre que possível. Pequenos trechos motorizados de transportadores podem elevar a carga a uma altura conveniente para suprir trechos longos de transportes por gravidade. - Máxima utilização do espaço disponível - Empilhe cargas ou utilize suportes especiais para isso. - Método alternativo - Faça uma previsão de um método alternativo de movimentação em caso de falhas. Exemplos: Colocação de pontos esparsos para instalação de uma talha manual; prever espaço para movimentação de uma empilhadeira numa área coberta por uma ponte rolante. - Menor custo total - Selecione equipamentos na base de custos totais e não somente do custo inicial mais baixo, ou do custo operacional, ou somente de manutenção. O equipamento escolhido deve ser aquele que apresenta o menor custo total para uma vida útil razoável e a uma taxa de retorno do investimento adequado. 4.5 Sistemas de Informação: À medida que evoluímos tecnologicamente, os sistemas de informações evoluem continuamente em ritmo acelerado, desde o surgimento do primeiro computador o homem buscava maximizar os acertos, na área da Logística o fator diferencial no mercado competitivo é a disponibilidades de ferramentas fundamentais. 54

55 Com o avanço da internet e as inovações tecnológicas o cliente pode enfim ter o tão sonhado contato com a mercadoria logo após a sua fabricação, acompanhar online a entrega e a movimentação da mercadoria, disponibilizar pagamentos de fretes e demais serviços sem precisar se deslocar ao banco. No chão de fábrica o gerente consegue emitir inúmeros e precisos relatórios de desempenho, isso faz com que os erros sejam vistos e corrigidos o quanto antes. Dentre os Sistemas de informações mais atuais podemos caracterizar: O WMS, Warehouse Management System, em português - literalmente: sistema de automação e gerenciamento de depósitos, armazéns e linhas de produção. O WMS é uma parte importante da cadeia de suprimentos (ou supply chain) e fornece a rotação dirigida de estoques, diretivas inteligentes de picking, consolidação automática e cross-docking para maximizar o uso do valioso espaço dos armazéns. O TMS, Transportation Management System, que é um software para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este sistema permite controlar toda a operação e gestão de transportes de forma integrada. O sistema é desenvolvido em módulos que podem ser adquiridos pelo cliente, consoante as suas necessidades (Gasnier et al., 2001). O ERP, Enterprise Resource Planning ou SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, no Brasil) são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio a decisão, etc). O MRP, Material Requirement Planning (planeamento (português europeu) ou planejamento (português brasileiro) das necessidades de materiais, PNR). 5- Fatores que afetam a Armazenagem: No dia a dia de trabalho, observam-se muitos fatores que afetam o bom andamento da armazenagem, infelizmente algumas empresas não dispõem de pessoas qualificadas e equipamentos de alta tecnologia, há casos de empresas terem os melhores e mais modernos equipamentos e não terem mão de obra especializada. O papel do Gestor é fundamental na escala de funcionários, sendo que o mesmo pode ser responsável por uma gama de operadores, analistas, conferentes, motoristas, etc. A má Gestão afeta diretamente a produção, que na maioria dos armazéns o produto comercializado é o serviço. Na armazenagem ocorrem erros operacionais como o endereçamento errado de alguma carga ou pallet, Erros de lotes, avarias, perdas, danos e furtos. 6- Processamento de pedidos, atividades básicas de sistemas: O uso de Sistemas de Armazenagem, sejam elas para cargas manuais ou paletizadas operadas por empilhadeiras ou qualquer outro equipamento de movimentação, tornou-se item ideal para a organização e em muitos casos otimização de espaço de um armazém. A relação Custo x Benefício não deve ser vista somente pelo lado do ganho quantitativo dos 55

56 produtos armazenados num armazém, mas principalmente em termos de diminuição de tempo de localização de produtos, diminuição de itens avariados pelo mau armazenamento, otimização de espaços, possibilidade de endereçamento dos produtos com softwares de gerenciamento de depósitos, entre outros fatores. Há algum tempo atrás, o conceito de ocupação física se concentrava mais na área do que na altura. Os armazéns projetados também não eram apropriados à verticalização, com baixas alturas ou pé direito, não possibilitando um melhor aproveitamento vertical do armazém. Racionalizar a altura ocupada foi a solução encontrada para reduzir o espaço e guardar maior quantidade de material. O conceito de verticalização de cargas tem como objetivo o máximo aproveitamento dos espaços verticais, contribuindo para o descongestionamento das áreas de movimentação e redução dos custos unitários de estocagem. 7 - Estruturas de Armazenagem: As Estruturas de Armazenagem proporcionam o melhor uso do espaço físico do armazém, proporciona a melhor movimentação da carga e principalmente segurança para a mercadoria Tipos de Sistema de Armazenamento: - Drive-in (Unidade em): Solução formada por blocos contínuos de armazenamento, que permite uma utilização máxima do volume disponível. -Flow Track (Fluxo de trilha): Sistema deslizante por gravidade que permite o máximo aproveitamento de espaço e uma maior rapidez de carga e descarga de paletes, necessitando apenas de áreas de circulação nas zonas de carga e descarga. - Push Back Rack (Empurrar e voltar prateleira): Sistema de acumulação dinâmica que não necessita que o empilhador entre dentro dos corredores. 56

57 -Power Rack: A estrutura de armazenamento assenta sobre bases móveis motorizadas eletricamente sobre trilhos aplicados no chão. - Armazéns Automáticos: Estruturas de armazenamento com estruturas elevadas e armazenadores robotizados. -Autoportantes: Solução de execução rápida e funcional em que a própria estrutura de armazenamento forma a estrutura de suporte (cobertura e revestimento) de um edifício compacto. Esquema de Localização: Tem por finalidade estabelecer os meios necessários e proporcionar facilidades em identificar imediatamente o endereço da guarda do material no almoxarifado. Não deve haver dúvidas de identificação e localização para as diversas rotinas de trabalho, seja para separar ou guardar. Quando da apresentação de uma requisição, da entrada em estoque, seja por compra ou devolução, ou ainda quando da realização de inventário, todos os itens devem ser facilmente localizados. Cross docking: é um processo de distribuição onde a mercadoria recebida é redirecionada sem uma armazenagem prévia. Tudo isto faz diminuir o tempo e o throughput time tem tendência a ser diminuído Utilização de Paletes Conceito: Uma plataforma disposta horizontalmente para carregamento, construída de vigas, blocos ou uma simples face sobre os apoio, cuja altura é compatível com a introdução de garfos de empilhadeira, paleteira ou outros sistemas de movimentação, e que permite o arranjo e o agrupamento de materiais, possibilitando o manuseio, a estocagem, a movimentação e o transporte num único carregamento. - O palete facilita a plena utilização do espaço vertical. - É utilizado em empresas que demandam manipulação rápida e armazenagem racional, envolvendo grandes quantidades. 7.3-Vantagens: 57

58 - Melhor aproveitamento do espaço disponível para armazenamento, utilizando-se totalmente o espaço vertical disponível, por meio do empilhamento máximo; - Economia nos custos do manuseio, por meio da redução nos custos da mão de obra e do respectivo tempo normalmente necessário para as operações braçais; - Possibilidade de formar uma só embalagem individual: - Facilita a carga, descarga e distribuição nos locais acessíveis aos equipamentos e manuseio de materiais; - Permite disposição uniforme do estoque de materiais, o que, por sua vez, concorre para reduzir a obstrução nos corredores do armazém e pátios de descarga; - Podem ser manuseados por uma grande variedade de equipamentos, como paleteiras, emplilhadeiras, transportadores e elevadores de carga. 8- Equipamentos de Movimentação 8.1-Equipamentos para Manuseio de Materiais O manuseio dos diversos materiais pode ser efetuado: - Manualmente: mais simples e comum, efetuado pelo esforço físico de funcionários. - Carrinhos manuais: manuseios efetuados por carrinhos impulsionados manualmente. - Empilhadeiras: equipamentos mais versáteis para o manuseio de materiais. Não possui limitação de direção, movimentando-se horizontalmente e verticalmente podendo ser elétrica ou com motores a gás, diesel ou gasolina, nos quais pode ser adaptada uma série de acessórios que os tornam mais funcionais. - Prateleiras: tipo de empilhadeira manual, que pode ser mecânica, hidráulica ou elétrica, estando limitada e manuseios horizontais. - Pontes rolantes: equipamento construído de estrutura metálica, sustentada por duas vigas ao longo das quais a ponte rolante se movimenta; entre duas vigas, sustentado pela estrutura, corre um carrinho com um gancho. - Guindastes: equipamentos utilizados em manuseios, em área externa, de cargas acima de 5 t, equipados com lança e motor a explosão que proporciona o movimento da máquina e a força para adiantamento da lança e conseqüente trabalho. 8.2-Características dos movimentos e tipos de equipamentos CARACTERÍSTICAS DOS MOVIMENTOS EQUIPAMENTOS Roteiro Programação repetitiva Programação aleatória Monovia ou manipuladores Empilhadeiras, paleteiros Freqüência de Movimentação Fluxo contínuo de materiais Fluxo intermitente de materiais Correia transportadora, correntes Tratores para movimento horizontal Distâncias percorridas Ambiente fabril Direção do fluxo Acionamento Distâncias curtas e freqüentes Distâncias longas e sistemáticas Interno Externo Horizontal Vertical Manual Motorizados Empilhadeiras, paleteiros Comboios tracionados por tratores industriais Empilhadeiras elétricas que evitam a contaminação das mercadorias e dos operários Tratores movidos a GLP ou diesel Tratores industriais, correias, correntes Elevadores de cargas Paleteiros Empilhadeiras e tratores industriais 58

59 9- Principais Conceitos em Segurança do Trabalho aplicados à movimentação e Manuseio de Materiais 9.1- Introdução à NR_06 (a importância da utilização dos EPI s) 6.1 Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR, considera-se Equipamento de Proteção Individual EPI, todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho Entende-se como Equipamento Conjugado de Proteção Individual, todo aquele composto por vários dispositivos, que o fabricante tenha associado contra um ou mais riscos que possam ocorrer simultaneamente e que sejam suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. 6.2 O equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importada, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação CA, expedido pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego. ( /I3) 6.3 A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias: a) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho; ( /I4) b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e, ( /I4) c) para atender a situações de emergência. ( /I4) 6.4 Atendidas às peculiaridades de cada atividade profissional, e observado o disposto no item 6.3, o empregador deve fornecer aos trabalhadores os EPI adequados, de acordo com o disposto no ANEXO I desta NR As solicitações para que os produtos que não estejam relacionados no ANEXO I, desta NR, sejam considerados como EPI, bem como as propostas para reexame daqueles ora elencados, deverão ser avaliadas por comissão tripartite a ser constituída pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, após ouvida a CTPP, sendo as conclusões submetidas àquele órgão do Ministério do Trabalho e Emprego para aprovação. 6.5 Competem ao Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SESMT, ou a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA, nas empresas desobrigadas de manter o SESMT, recomendar ao empregador o EPI adequado ao risco existente em determinada atividade Nas empresas desobrigadas de constituir CIPA, cabe ao designado, mediante orientação de profissional tecnicamente habilitado, recomendar o EPI adequado à proteção do trabalhador. 6.6 Cabem ao empregador Cabe ao empregador quanto ao EPI : a) adquirir o adequado ao risco de cada atividade; ( /I3) b) exigir seu uso; ( /I3) c) fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho; ( /I3) d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação; ( /I3) e) substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado; ( /I3) f) responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica; e, ( /I1) g) comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada. ( /I1) 59

60 6.7 Cabem ao empregado Cabe ao empregado quanto ao EPI: a) usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; b) responsabilizar-se pela guarda e conservação; c) comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso; e, d) cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado. 6.8 Cabem ao fabricante e ao importador O fabricante nacional ou o importador deverá: a) cadastrar-se, segundo o ANEXO II, junto ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho; ( /I1) b) solicitar a emissão do CA, conforme o ANEXO II; ( /I1) c) solicitar a renovação do CA, conforme o ANEXO II, quando vencido o prazo de validade estipulado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde do trabalho; ( /I1) d) requerer novo CA, de acordo com o ANEXO II, quando houver alteração das especificações do equipamento aprovado; ( /I1) e) responsabilizar-se pela manutenção da qualidade do EPI que deu origem ao Certificado de Aprovação - CA; ( /I2) f) comercializar ou colocar à venda somente o EPI, portador de CA; ( /I3) g) comunicar ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho quaisquer alterações dos dados cadastrais fornecidos; ( /I1) h) comercializar o EPI com instruções técnicas no idioma nacional, orientando sua utilização, manutenção, restrição e demais referências ao seu uso; ( /I1) i) fazer constar do EPI o número do lote de fabricação; e, ( /I1) j) providenciar a avaliação da conformidade do EPI no âmbito do SINMETRO, quando for o caso. ( /I1) 6.9 Certificado de Aprovação CA Para fins de comercialização o C.A. concedido aos EPI terá validade: a) de 5 (cinco) anos, para aqueles equipamentos com laudos de ensaio que não tenham sua conformidade avaliada no âmbito do SINMETRO; b) do prazo vinculado à avaliação da conformidade no âmbito do SINMETRO, quando for o caso; c) de 2 (dois) anos, para os EPI desenvolvidos até a data da publicação desta Norma, quando não existirem normas técnicas nacionais ou internacionais, oficialmente reconhecidas, ou laboratório capacitado para realização dos ensaios, sendo que nesses casos os EPI terão sua aprovação pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, mediante apresentação e análise do Termo de Responsabilidade Técnica e da especificação técnica de fabricação, podendo ser renovado até 2006, quando se expirarão os prazos concedidos; e, d) de 2 (dois) anos, renováveis por igual período, para os EPI desenvolvidos após a data da publicação desta NR, quando não existirem normas técnicas nacionais ou internacionais, oficialmente reconhecidas, ou laboratório capacitado para realização dos ensaios, caso em que os EPI serão aprovados pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, mediante apresentação e análise do Termo de Responsabilidade Técnica e da especificação técnica de fabricação O órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, quando necessário e mediante justificativa, poderá estabelecer prazos diversos daqueles dispostos no subitem Todo EPI deverá apresentar em caracteres indeléveis e bem visíveis, o nome comercial da empresa fabricante, o lote de fabricação e o número do CA, ou, no caso de EPI importado, o nome do importador, o lote de fabricação e o número do CA. ( /I1) 60

61 Na impossibilidade de cumprir o determinado no item 6.9.3, o órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho poderá autorizar forma alternativa de gravação, a ser proposta pelo fabricante ou importador, devendo esta constar do CA Restauração, lavagem e higienização de EPI Os EPI passíveis de restauração, lavagem e higienização, serão definidas pela comissão tripartite constituída, na forma do disposto no item 6.4.1, desta NR, devendo manter as características de proteção original Da competência do Ministério do Trabalho e Emprego / MTE Cabe ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho: a) cadastrar o fabricante ou importador de EPI; b) receber e examinar a documentação para emitir ou renovar o CA de EPI; c) estabelecer, quando necessário, os regulamentos técnicos para ensaios de EPI; d) emitir ou renovar o CA e o cadastro de fabricante ou importador; e) fiscalizar a qualidade do EPI; f) suspender o cadastramento da empresa fabricante ou importadora; e g) cancelar o CA Sempre que julgar necessário o órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho poderá requisitar amostras de EPI, identificadas com o nome do fabricante e o número de referência, além de outros requisitos Cabe ao órgão regional do MTE: a) fiscalizar e orientar quanto ao uso adequado e a qualidade do EPI; b) recolher amostras de EPI; e c) aplicar, na sua esfera de competência, as penalidades cabíveis pelo descumprimento desta NR Fiscalizações para verificação do cumprimento das exigências legais relativas ao EPI Por ocasião da fiscalização poderão ser recolhidas amostras de EPI, no fabricante ou importador e seus distribuidores ou revendedores, ou ainda, junto à empresa utilizadora, em número mínimo a ser estabelecido nas normas técnicas de ensaio, as quais serão encaminhadas, mediante ofício da autoridade regional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, a um laboratório credenciado junto ao MTE ou ao SINMETRO, capaz de realizar os respectivos laudos de ensaios, ensejando comunicação posterior ao órgão nacional competente O laboratório credenciado junto ao MTE ou ao SINMETRO, deverá elaborar laudo técnico, no prazo de 30 (trinta) dias a contar do recebimento das amostras, ressalvados os casos em que o laboratório justificar a necessidade de dilatação deste prazo, e encaminhá-lo ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, ficando reservada a parte interessada acompanhar a realização dos ensaios Se o laudo de ensaio concluir que o EPI analisado não atende aos requisitos mínimos especificados em normas técnicas, o órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho expedirá ato suspendendo a comercialização e a utilização do lote do equipamento referenciado, publicando a decisão no Diário Oficial da União DOU A Secretaria de Inspeção do Trabalho SIT, quando julgar necessário, poderá requisitar para analisar, outros lotes do EPI, antes de proferir a decisão final Após a suspensão de que trata o subitem , a empresa terá o prazo de 10 (dez) dias para apresentar defesa escrita ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho. 61

62 Esgotado o prazo de apresentação de defesa escrita, a autoridade competente do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho DSST analisará o processo e proferirá sua decisão, publicando-a no DOU Da decisão da autoridade responsável pelo DSST, caberá recurso, em última instância, ao Secretário de Inspeção do Trabalho, no prazo de 10 (dez) dias a contar da data da publicação da decisão recorrida Mantida a decisão recorrida, o Secretário de Inspeção do Trabalho poderá determinar o recolhimento do(s) lote(s), com a conseqüente proibição de sua comercialização ou ainda o cancelamento do CA Nos casos de reincidência de cancelamento do CA, ficará a critério da autoridade competente em matéria de segurança e saúde no trabalho a decisão pela concessão, ou não, de um novo CA As demais situações em que ocorra suspeição de irregularidade, ensejarão comunicação imediata às empresas fabricantes ou importadoras, podendo a autoridade competente em matéria de segurança e saúde no trabalho suspender a validade dos Certificados de Aprovação de EPI emitidos em favor das mesmas, adotando as providências cabíveis Cuidados na Utilização dos EPI s: O uso seguro de produtos fitossanitários exige o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI). As recomendações hoje existentes para o uso de EPI são bastante genéricas e padronizadas, não considerando variáveis importantes como o tipo de equipamento utilizado na operação, os níveis reais de exposição e, até mesmo, as características ambientais e da cultura onde o produto será aplicado. Estas variáveis acarretam muitas vezes gastos desnecessários, recomendações inadequadas e podem aumentar o risco do trabalhador, ao invés de diminuí-lo. Este material foi desenvolvido com os seguintes objetivos: aprofundar a discussão sobre o uso adequado dos EPI; otimizar os investimentos em segurança; aumentar o conforto do aplicador; combater o uso incorreto, que vai desde o não uso até o uso exagerado de EPI; melhorar a qualidade dos EPI no mercado; incentivar o uso da receita agronômica para recomendar de forma criteriosa os EPI necessários para cada aplicação e acabar com alguns mitos. Ao final, esperamos ajudá-lo a identificar e avaliar de forma mais criteriosa o risco, em função dos níveis de exposição ao produto fitossanitário e da operação a ser executada na lavoura, assim como a maneira pela qual você recomenda, adquire, usa (veste, tira, lava, guarda) e descarta os EPI Por que usar EPI?: EPI são ferramentas de trabalho que visam proteger a saúde do trabalhador rural, que utiliza os Produtos Fitossanitários, reduzindo os riscos de intoxicações decorrentes da exposição. As vias de exposição são: inalatória (nariz), oral (boca), ocular (olhos), dérmica (pele). A função básica dos EPI é proteger o organismo do produto tóxico, minimizando o risco. A intoxicação durante o manuseio ou a aplicação de produtos fitossanitários é considerado acidente de trabalho. O uso de EPI é uma exigência da legislação trabalhista brasileira através de suas Normas Regulamentadoras. O não cumprimento poderá acarretar em ações de responsabilidade cível e penal, além de multas aos infratores. Risco: O risco de intoxicação é definido como a probabilidade estatística de uma substância química causar efeito tóxico. O Risco é uma função da toxicidade do produto e da exposição. Risco=f (toxidade; exposição) A toxicidade é a capacidade potencial de uma substância causar efeito adverso à saúde. Em tese, todas as substâncias são tóxicas, e a toxicidade depende basicamente da dose e da sensibilidade do organismo exposto. (Quanto mais tóxico um produto, menor é a dose necessária para causar efeitos adversos). Sabendo-se que não é possível ao usuário alterar a toxicidade do produto, a única maneira concreta de reduzir o risco é através da diminuição da exposição. Para reduzir a exposição o trabalhador deve manusear os produtos com cuidado, usar equipamentos de aplicação bem calibrados e em bom estado de conservação, além de vestir os EPI adequados. 62

63 RISCO TOXICIDADE EXPOSIÇÃO ALTO ALTA ALTA ALTO BAIXA ALTA BAIXO ALTA BAIXA BAIXO BAIXA BAIXO Responsabilidades- A legislação trabalhista prevê que: - É obrigação do empregador: fornecer os EPI adequados ao trabalho, instruir e treinar quanto ao uso dos EPI, fiscalizar e exigir o uso dos EPI, repor os EPI danificados. - É obrigação do trabalhador: usar e conservar os EPI Quem falhar nestas obrigações poderá ser responsabilizado: O empregador poderá responder na área criminal ou cível, além de ser multado pelo Ministério do Trabalho. O funcionário está sujeito a sanções trabalhistas podendo até ser demitido por justa causa. É recomendado que o fornecimento de EPI, bem como treinamentos ministrados, seja registrado através de documentação apropriada para eventuais esclarecimentos em causas trabalhistas. Os responsáveis pela aplicação devem ler e seguir as informações contidas nos rótulos, bulas e nas Fichas de Informação de Segurança de Produto (FISPQ) fornecidas pelas indústrias, sobre os EPI que devem ser utilizados para cada produto. O papel do Engenheiro Agrônomo durante a emissão da receita é fundamental para indicar os EPI adequados pois, além das características do produto, como a toxicidade, a formulação e a embalagem, o profissional deve considerar os equipamentos disponíveis para a aplicação (costal, trator de cabina aberta ou fechada, tipo de pulverizadores e bicos), as etapas da manipulação e as condições da lavoura, como o porte, a topografia do terreno, etc Aquisição dos EPI: Os EPI existem para proteger a saúde do trabalhador e devem ser testados e aprovados pela autoridade competente para comprovar sua eficácia. O Ministério do Trabalho atesta a qualidade dos EPI disponíveis no mercado através da emissão do Certificado de Aprovação (C.A.). O fornecimento e a comercialização de EPI sem o C.A. é considerado crime e tanto o comerciante quanto o empregador ficam sujeitos às penalidades previstas em lei. A indústria de produtos fitossanitários incentiva seus canais de distribuição a comercializarem EPI de qualidade e a custos compatíveis Principais equipamentos de proteção individual: Abaixo, estão listados os principais itens de EPI disponíveis no mercado, além de informações e descrições importantes para assegurar a sua identificação e o uso: - Luvas: Um dos equipamentos de proteção mais importantes, pois protege as partes do corpo com maior risco de exposição: as mãos. - Respiradores: Geralmente chamados de máscaras, os respiradores têm o objetivo de evitar a inalação de vapores orgânicos, névoas ou finas partículas tóxicas através das vias respiratórias. Existem basicamente dois tipos de respiradores: sem manutenção (chamados de descartáveis) que possuem uma vida útil relativamente curta e recebem a sigla PFF (Peça Facial Filtrante), e os de baixa manutenção que possuem filtros especiais para reposição, normalmente mais duráveis. - Viseira facial: Protege os olhos e o rosto contra respingos durante o manuseio e a aplicação. A viseira deve ter a maior transparência possível e não distorcer as imagens. Deve ser revestida com viés para evitar 63

64 corte. O suporte deve permitir que a viseira não fique em contato com o rosto do trabalhador e embace. A viseira deve proporcionar conforto ao usuário e permitir o uso simultâneo do respirador, quando for necessário. -Jaleco e calça hidro-repelentes: São confeccionados em tecido de algodão tratado para se tornarem hidrorepelentes, são apropriados para proteger o corpo dos respingos do produto formulado e não para conter exposições extremamente acentuadas ou jatos dirigidos. É fundamental que jatos não sejam dirigidos propositadamente à vestimenta e que o trabalhador mantenha-se limpo durante a aplicação. -Jaleco e calça em não-tecido: São vestimentas de segurança confeccionadas em não tecido (tipo Tyvek/Tychem QC). Existem vários tipos de não tecidos e a diferença entre eles se dá pelo nível de proteção que oferecem. Além da hidro-repelência, oferecem impermeabilidade e maior resistência mecânica à névoas e às partículas sólidas. O uso de roupas de algodão por baixo da vestimenta melhoram sua performance, com maior absorção do suor, melhorando o conforto ao trabalhador com relação ao calor. -Boné árabe: Confeccionado em tecido de algodão tratado para tornar-se hidro-repelente.protege o couro cabeludo e o pescoço de respingos e do sol. -Capuz ou touca: Peça integrante de jalecos ou macacões, podendo ser em tecidos de algodão tratado para tornar-se hidro-repelente ou em não tecido. Substituem o boné árabe na proteção do couro cabeludo e pescoço. -Avental: Produzido com material resistente a solventes orgânicos (PVC, tecido emborrachado, alumínio, nylon resinado ou não tecidos), aumenta a proteção do aplicador contra respingos de produtos concentrados durante a preparação da calda ou de eventuais vazamentos de equipamentos de aplicação costal. -Botas: Devem ser impermeáveis, preferencialmente de cano alto e resistentes aos solventes orgânicos, por exemplo, PVC. Sua função é a proteção dos pés. É o único equipamento que não possui C.A Risco X exposição x operação Os EPI não foram desenvolvidos para substituir os demais cuidados na aplicação e sim para complementá-los, evitando-se a exposição. Para reduzir os riscos de contaminação, as operações de manuseio e aplicação devem ser realizadas com cuidado, para evitar ao máximo a exposição. Exemplo: 64

65 -Atenção: Esta tabela não deve ser considerada como único critério para utilização dos EPI. As condições do ambiente de trabalho poderão exigir o uso de mais itens ou dispensar outros para aumentar a segurança e o conforto do aplicador. Leia as recomendações do rótulo e bula. Observe a legislação pertinente. Existem alguns mitos que não servem mais como desculpa para não usar EPI: -EPI são desconfortáveis: Realmente os EPI eram muito desconfortáveis no passado, mas, atualmente, existem EPI confeccionados com materiais leves e confortáveis. A sensação de desconforto está associada a fatores como a falta de treinamento e ao uso incorreto. -O Aplicador não usa EPI: O trabalhador recusa-se a usar os EPI somente quando não foi conscientizado do risco e da importância de proteger sua saúde. O aplicador profissional exige os EPI para trabalhar. Na década de 80, quase ninguém usava cinto de segurança nos automóveis. Hoje, a maioria dos motoristas usa e reconhece a importância. -EPI são caros: Estudos comprovam que os gastos com EPI representam, em média, menos de 0,05% dos investimentos necessários para uma lavoura. Alguns casos como a soja e milho, o custo cai para menos de 0,01%. Insumos, fertilizantes, sementes, produtos fitossanitários, mão-de-obra, custos administrativos e outros materiais somam mais de 99,95%. O uso dos EPI é obrigatório e não cumprimento da legislação poderá acarretar em multas e ações trabalhistas. Precisamos considerar os EPI como insumos agrícolas obrigatórios. O simples fornecimento dos equipamentos de proteção individual não garante a proteção da saúde do trabalhador e nem evita contaminações. Incorretamente utilizados, os EPI podem comprometer ainda mais a segurança do trabalhador. Acreditamos que o desenvolvimento da percepção do risco aliado a um conjunto de informações e regras básicas de segurança são as ferramentas mais importantes para evitar à exposição e assegurar o sucesso das medidas individuais de proteção a saúde do trabalhador. O uso correto dos EPI é um tema que vem evoluindo rapidamente e exige a reciclagem contínua dos profissionais que atuam na área de ciências agrárias através de treinamentos e do acesso a informações atualizadas. Bem informado, o profissional de ciências agrárias poderá adotar medidas cada vez mais econômicas e eficazes para proteger a saúde dos trabalhadores, além de evitar problemas trabalhistas. 10-Glossário de termos de Logística -Abastecimento: É objeto de estudo da administração de materiais. Trata-se do suprimento, a um processo administrativo ou operacional, dos elementos necessários (recursos) a um órgão ou instituição para que possa atingir seus objetivos. É a fase em que o consumidor (interno ou externo) recebe o material de que necessita para realizar sua atividade ou, então, consumir/utilizar o material. -ABC: (Activity Based Costing ou Custeio Baseado em Atividades) Método contábil que permite identificar como e onde uma empresa obtém seus lucros. Diferente da Classificação ABC. -Almoxarifado: Órgão da Administração de Materiais destinado a depósito, guarda e controle dos diversos materiais que uma organização transporta, usa ou produz, a fim de evitar os desvios, deterioração e mantêlos de forma que possibilitem pronta utilização/consumo. Local de entrada, controle e saída dos materiais utilizados por uma organização. -Benchmarking: Técnica que consiste em acompanhar o que as empresas líderes em seus respectivos segmentos estão utilizando processos/técnicas/métodos e adaptar o modelo para as operações da empresa, utilizando-o como referência/padrão a ser copiado. Trata-se de definir padrões internos de desempenho a partir da observação dos procedimentos adotados pelas empresas de classe mundial. É um processo de medição e comparação sistemática dos processos dos negócios de uma empresa com os líderes naqueles processos em qualquer parte do mundo, para obter informações que ajudarão a empresa a implementar ações para melhorar seu desempenho. -Brainstorming: Tempestade cerebral ou tempestade de idéias. Trata-se de uma técnica utilizada em criatividade, quando se reúne um grupo de pessoas para terem idéias sobre um determinado assunto, 65

66 situação, ou problema, sem censuras, com alguém estimulando a todos e anotando tudo o que é apresentado para, posteriormente, escolher-se as melhores idéias e, então, colocá-las em prática. -Cadeia de Demanda: Oposto da cadeia de suprimentos, que utiliza o processo de empurrar, a cadeia de demanda é impulsionada pelos clientes e não pelos fabricantes de produtos. Ver Reabastecimento. -Cadeia de Suprimentos: Conjunto de fornecedores (e dos fornecedores dos fornecedores) de uma empresa para criação, desenvolvimento, fabricação e distribuição de seus produtos. Ver Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. -Centro de Distribuição CD: Instalação que permite a entrada de matérias-primas, componentes ou produtos acabados, os armazena, separa e então reúne tudo para o embarque. Muitos Centros de Distribuição também possuem equipamentos especializados para manuseio e estocagem de produtos e sistemas informatizados. -Classificação ABC: Utilização da Curva de Pareto para classificar produtos em três categorias, usando critérios de demanda, importância e valor. Itens do grupo A pouca quantidade, mas representam grande valor. Itens do grupo B quantidade e valores intermediários. Itens do grupo C muita quantidade, mas representam pouco valor. -Comércio Eletrônico e-commerce: Negócios realizados eletronicamente envolvendo entrega de mercadorias ou serviços. -Cross-docking: Expedir mercadorias diretamente da doca recebedora, sem passar pelo estoque. Utilizado para reduzir custos e tempo de execução no despacho de produtos de grande saída e/ou perecíveis. -Demanda: Nome dado às necessidades ou desejo de consumo, individual ou coletivo, de bens e serviços. A relação entre oferta e demanda é um dos fatores determinantes de preços no mercado. Se a oferta for maior que a demanda, por exemplo, o preço tende a cair. Já, se a oferta não der conta da demanda, o preço tende a aumentar. -E-Business: Qualquer empreendimento baseado na WEB, ou, as transações de negócio feitas entre empresas pela Internet. Normalmente é utilizado em seu lugar o termo e-commerce, embora não tenha a mesma abrangência. -Endereçamento: Sistema de localização de materiais dentro de um armazém. O sistema visa estabelecer locais específicos dentro dos armazéns para a armazenagem dos materiais, providenciando endereços para cada material, visando facilitar as operações de movimentação, inventários etc. -Entreposto: Armazém utilizado para estocar mercadorias que aguardam liberação, autorizado pela alfândega. O pagamento de impostos e taxas é feito após a liberação e retirada dos bens. -ERP: Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos do Negócio. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio a decisão, etc). -Estocagem: É uma das atividades da armazenagem. Trata-se de uma das atividades do fluxo de materiais em um armazém e o local físico destinado à locação estática dos materiais/produtos. Dentro de um armazém podem existir vários locais de estocagem (endereços). FEFO: First to expire first out Primeiro que vence, primeiro que sai. Trata-se de sistema de controle de estoques semelhante ao PEPS, com uma única diferença relacionada à questão do vencimento dos materiais. Assim, o material com prazo de validade mais curto deve sair primeiro. Visando minimizar perda por produtos vencidos no estoque. -FIFO: First-In, First-Out ou Primeiro que Entra é o Primeiro que Sai (PEPS). -FILO: First in Last Out Primeiro que entra último que sai. Trata-se de sistema de controle de estoques semelhante ao UEPS (último que entra, primeiro que sai), em que o material que entra primeiro deve ser utilizado por último. -Fluxograma: É a representação gráfica da seqüência ou rotina de um trabalho de forma analítica. Ou, é a representação gráfica de um processo, em que se caracterizam as operações, transportes, esperas, inspeções, conexões ou interrupções, situando os executores e suas respectivas participações, assim como o canal do 66

67 fluxo de informações. É relevante para o levantamento, simplificação e racionalizações de um trabalho, funcionando como instrumento imprescindível nas atividades de organização. -Gargalo: Ponto de determinado processo produtivo em que se formam filas devido a este ponto possuir capacidade inferior ou idêntica à demanda por sua utilização. Tal ponto pode ser um departamento, setor, seção ou recurso. -Holding: São conglomerados de empresas que operam em determinados países ou região. Elas selecionam projetos que tenham capacidade de expansão internacional. Assim como as incubadoras, oferecem capital, consultoria e infra-estrutura. A regra é manter relacionamentos de longo prazo. -Importação: É a atividade comercial que consiste na compra de bens no exterior por parte dos países que deles necessitam e na entrada de mercadorias/produtos num determinado país, provenientes do exterior. -Just in Time: É atender ao cliente interno ou externo no momento exato de sua necessidade, com as quantidades necessárias para a operação/produção, evitando-se assim a manutenção de maiores estoques. É a operacionalização da filosofia japonesa de produção, que significa atender ao cliente interno ou externo no exato momento de sua necessidade, com as quantidades necessárias para a operação / produção. Nas indústrias, a tendência é que sistemas de comércio eletrônico sejam conectados a softwares de ERP para que se possa viabilizar a fabricação JIT em função de pedidos oriundos da Internet. -Kaizen: Processo de melhoria contínua, sempre se utilizando o bom senso de baixos investimentos. Parte da filosofia japonesa de gerenciamento pela qualidade total. -Kanban: Parte da filosofia japonesa de produção puxada, que consiste em puxar a produção através da utilização de cartões, com a finalidade de proporcionar redução de estoques, otimização do fluxo de produção, redução de perdas e aumento da flexibilidade no sistema. -Know-how ou knowhow: O know-how é o conhecimento necessário para se executar uma tarefa. Pode ser comparado ao conhecimento tácito, uma vez que é difícil transferi-lo de maneira escrita ou falada. Ao knowhow estão associadas à experiência, a prática e a compreensão das limitações de uma solução para determinados tipos de problema. -Layout: Significa a representação gráfica, em escala reduzida, do local e das partes componentes de uma unidade produtiva, incluindo seus móveis, utensílios, equipamentos e demais facilidades que devem ser posicionados e configurados de forma a permitir a otimização dos fluxos existentes, com o objetivo de racionalizar o aproveitamento dos recursos disponíveis. -Lead time: É o tempo que uma atividade exige. Em logística temos lead time de entrega, lead time de expedição, lead time de fabricação, dentre outros. Diminuir o lead time acarreta diminuição de custos. -LIFO: Last In Fisrt Out ou Último que entra é o Primeiro que Sai (UEPS). -Logística Reversa: É a área da logística que gerencia o fluxo físico de produtos, embalagens ou outros materiais no sentido contrário ao tradicional, isto é, desde o ponto de consumo até ao local de origem. -Market share: Expressão em inglês que significa participação no mercado. É a fatia das vendas de um produto que cada fabricante detém. Um exemplo: se o mercado brasileiro de biscoitos é de 5 bilhões de unidades vendidas e um dos fabricantes participa com 3 bilhões de unidades, então ele tem um market share de 60% e é líder deste mercado. -Modal: Expressão simplificada para referir-se a modal de transporte. Vide Modal de Transporte. -Modal de transporte: Expressão utilizada para indicar a modalidade de transporte que se utiliza para a movimentação de materiais/produtos de um ponto a outro. As modalidades de transporte existentes são divididas em: a) transporte rodoviário; b) transporte ferroviário; c) transporte aéreo; d) transporte aquaviário (marítimo de cabotagem e de longo curso, lacustre ou fluvial hidroviário); e, e) transporte dutoviário. -Multimodal: Envio que inclui pelo menos dois meios de transporte. -Operador Logístico: Um operador logístico é um provedor de serviços logísticos terceirizados. São empresas que, embora terceirizadas, atuam independentemente de seus clientes oferecendo ampla gama de serviços logísticos realizados internamente. São prestadores de serviços que combinam serviços físicos (armazenagem e transporte) com serviços gerenciais. Podem ser divididos em operadores baseados em ativos e operadores baseados em informação e gestão. Os primeiros são caracterizados pelo fato de 67

68 possuírem investimentos próprios em transporte, armazenagem e equipamentos para execução das operações logísticas. Os do segundo tipo vendem know-how de gerenciamento, baseando-se em sistemas de informação e capacidade analítica, buscando soluções customizadas para cada cliente, utilizando ativos de terceiros. -Paletização: Ato de unitizar determinada carga sobre um pallet, permitindo o arranjo e o agrupamento de materiais em UNIMOV ou UNICOM s, possibilitando o manuseio, estocagem, movimentação e transporte como carga unitizada. Ver unitização. -Pallet: Unidade semelhante a um estrado, em geral de madeira, utilizado para unitização de cargas com peso de até 2000 Kg. Tal estrado pode ser formado por dois planos separados por vigas, ou uma base única sustentada por pés, cuja altura é reduzida ao mínimo compatível com seu manuseio por empilhadeiras, paleteiras ou outros sistemas de movimentação de cargas. Pode ser construído de madeira, plásticos, metal, papelão, ou combinações desses materiais. Pode ter dimensões variadas, embora no Brasil se utilize o pallet denominado PBR. -Planejamento Estratégico: O Planejamento estratégico é um processo gerencial em que se formulam os objetivos para a seleção de programas de ação e para sua execução, considerando as condições internas e externas à empresa e sua evolução esperada. -Plano de Negócios: (Business Plan) Resumo descritivo de um empreendimento contendo descrição do negócio, metas, custos estimados, entre outras. É imprescindível para a obtenção de financiamento, mas não serve somente para isso. Mesmo que você não esteja procurando o investidor, o plano de negócios é uma ótima ferramenta para planejar e acompanhar a evolução do seu negócio. -Ponto de Pedido: Order Point. É uma metodologia utilizada para a reposição de estoques, em que se determina um ponto (definido quantitativamente) em que se deve disparar uma ordem de abastecimento. Normalmente inclui certa quantidade de materiais para o funcionamento durante o tempo de ressuprimento, acrescida de um estoque de segurança. Quando a quantidade de determinado item em estoque atinge o ponto de pedido, dispara-se o processo de ressuprimento. -Reachstacker: Empilhadeira para movimentação e empilhamento de containers, que pode pegá-los de qualquer posição com seu braço flexível. -Rodotrem: Trata-se de uma combinação de dois semi-reboques ligados através de um dolly de dois eixos. Esta combinação possui um PBTC de 74 T, o que aumenta em 64% a capacidade de carga transportada, comparando-se com uma combinação tradicional de 03 eixos. Um rodotrem necessita, obrigatoriamente, ser tracionado por caminhões 6 x 4, além de ter que definir previamente o trajeto a ser percorrido usualmente, na Autorização Especial de Trânsito AET. -Roteirização: Processo de organizar a rota para transporte das mercadorias. -Setup: Tempo compreendido entre a paralisação de produção de uma máquina, a troca do seu ferramental e a volta de sua produção. -TEU: Twenty Foot Equivalent Unit. Tamanho padrão de contêiner intermodal de 20 pés. -TMS Transportation Management Systems: Sistemas de Gerenciamento de Transporte. São softwares que racionalizam e simplificam as operações do dia-a-dia do transporte, subsidiando as empresas usuárias com informações que permitem extrair a melhor relação Custo-Benefício dos recursos envolvidos com o transporte e tornam mais eficientes os serviços oferecidos ao cliente. -Trade-off ou Tradeoff: Um tradeoff é uma situação onde precisa-se abrir mão de uma característica para ganhar em outra, quando as opções são conflitantes. Em logística os tradeoffs mais comuns são entre custos e alguma outra característica como qualidade ou nível de estoques. -Transbordo: Passar mercadorias/produtos de um para outro veículo de transporte. Operação muito utilizada quando ocorre multimodalidade ou intermodalidade de transportes. -Tri-trem: É uma combinação de veículo de carga CVC formada por três semi-reboques interligados através de quinta roda, como acontece na combinação bi-trem. Esta CVC possibilita um PBTC de 74 toneladas, a mesma do rodotrem, mas, devido às características específicas, são desenvolvidas especialmente para o transporte florestal e canavieiro. 68

69 -Unitização: Ato de unir vários volumes pequenos, em um recipiente (embalagem) maior, com o intuito de facilitar a sua movimentação. Trata-se da conversão de diversas unidades de carga fracionada numa única unidade (consolidação), para fins de movimentação e armazenagem. Ver paletização. -WMS: Acrônimo de Warehouse management system (ou Sistema de Gerenciamento de Armazém). Faz parte dos sistemas de informação utilizados para o gerenciamento operacional dos armazéns (locais de armazenagem). São softwares aplicados à gestão de áreas de armazenagem, no que diz respeito ao controle de entrada e saída de materiais, endereçamento, realização dos métodos de controle de estoques (PEPS, UEPS etc.), formação de cargas para expedição (picking) etc. 69

70 COMÉRCIO EXTERIOR Prof.: Edvaldo da Cruz 70

71 1- Introdução ao Comércio Exterior A evolução do Comércio Exterior ocorreu a partir da década de 50. Durante esta década, o país assumiu o processo de industrialização plena. A partir dos anos 60, diversas políticas de promoção à exportação foram apresentadas e levadas à prática. No Plano de Ação Econômica do Governo era determinado que as exportações gerassem divisas para a importação. Após esse período conhecido como milagre econômico, na década de 70, as exportações assumiriam um papel semelhante ao plano anterior, porém com a diferença de ajudar a reduzir o déficit provocado pelo aumento da dívida externa com o segundo choque do petróleo. No final dos anos 80, o processo de substituição das importações está esgotado nos setores industriais, mas nos setores de informática e química fina estava distante da realidade. Embora constassem do planejamento governamental os temas como competitividade internacional, permitindo exportar produtos com maior valor agregado, não passavam de meras regras. Só no início da década de 90, o ex-presidente Fernando Collor de Mello, implementou o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade e de Apoio à Capacitação Tecnológica e abriu o debate de liberalização do comércio exterior brasileiro. Durante esse período e com maior importância a partir de 1992, o Brasil assume um compromisso de integrar a sua economia a um espaço econômico e político maior, surgindo em 1995, o primeiro mercado comum da América Latina, o Mercosul. (Curso de formação básica em Com. Ext. para empresários, 1999, Aduaneiras, Sebrae e Apex). A globalização da economia exigiu e exige das empresas uma crescente modernização, principalmente no comportamento empresarial, em função do aumento da competição no mercado interno quanto no mercado externo. A globalização acelerou as chamadas desregulamentação de mercados, flexibilizou os monopólios e as parcerias das empresas. Com o seu surgimento, a concorrência rompeu fronteiras. A empresa inserida no contexto atua com venda competitiva e padronizada de seu produto em qualquer parte do mundo. (Informe BB, 1998). Define-se então: -Comércio Exterior: Conjunto de ações no sentido de promover a saída de bens e serviços nacionais para o exterior (exportação) e o ingresso de bens e serviços estrangeiros em nosso país (importação). -Produto Exportável: Primeiro é preciso fazer um minucioso estudo sobre o produto. Nem sempre o produto que é aceito internamente, é também aceito no exterior, pois os gostos e padrões diferem entre os povos. O estado de Santa Catarina tem uma representativa contribuição no mercado de importação e exportação devido a sua localização e a proximidade com grandes centros industriais como São Paulo e Rio de Janeiro. Os portos estão localizados em Itajaí, São Francisco do Sul, Imbituba e Navegantes são bem equipados e mantêm linhas regulares com as principais cidades portuárias do mundo. Juntos, movimentam 71

72 anualmente cerca de 18 milhões de toneladas. O Porto de Itajaí é o segundo do Brasil (e 13 º na América Latina e Caribe) em movimento de contêineres. Em 2008, os portos de Itajaí, São Francisco do Sul e Imbituba movimentaram 14,6 milhões de toneladas. Santa Catarina é o único estado brasileiro com três representantes no ranking dos 20 principais portos nesse critério o de São Francisco do Sul ocupa o 6 º lugar e o de Imbituba aparece em 16 º. O mais novo porto catarinense, no município de Navegantes, ainda não figura nas estatísticas da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), pois entrou em operação em outubro de 2007, mas a sua capacidade e tecnologia é destaque em âmbito mundial. No ramo acadêmico os primeiros cursos exclusivos de Comércio Exterior surgiram em Os Bacharéis em Comércio Exterior gerenciam empresas, atuando como planejadores de estratégias organizacionais no mundo globalizado, ou como assessores específicos das comercializações internacionais. Bancos (Departamento de Comércio Exterior), Receita Federal, entidades governamentais, departamentos de desenvolvimento econômico, empresas privadas de transporte internacional, de seguros ou câmbio constituem campo de atuação para esse profissional, que também pode trabalhar como consultor ou assessor de agências e empresas de médio e pequeno porte que desejam iniciar negociações internacionais. 2- Mercado cambial Brasileiro A partir de 1999, com o fim do regime de câmbio administrado, o mercado de moedas no Brasil passou a apresentar livre flutuação das cotações, reduzindo a previsibilidade de comportamento da taxa, que era, até então, estabelecida pelas bandas cambiais. Como se sabe, a livre flutuação impõe riscos aos agentes econômicos, ressaltando, assim, a necessidade de utilização do mercado futuro de taxas de câmbio. A taxa de câmbio é expressa em unidades de uma moeda em relação à unidade de outra moeda. Por exemplo, R$ 2,30 reais por $ 1 dólar. Se a quantidade de unidades de determinada moeda necessária para se adquirir uma outra moeda aumentar, diz-se que essa moeda se desvalorizou ou se depreciou em relação à outra; caso essa quantidade se aumente, diz-se que a moeda apreciou ou valorizou em relação à outra. A variação da taxa de câmbio pode ser influenciada por fatores domésticos, como a posição das reservas cambiais, a situação do balanço de pagamentos, a condução da política econômica, etc. Fatores externos também podem interferir na taxa de câmbio, como a evolução das taxas de juro internacionais (comparativamente às taxas de juros domésticas), pois podem determinar o fluxo de moeda dos investidores. Dessa forma é correto afirmar que Mercado de Cambio seria um macro ambiente onde ocorrem as operações de cambio entre agentes autorizados. São tidos como agentes autorizados, todos os agentes devidamente credenciados pelo Banco Central para operar em Cambio. 3-Operações de Câmbio Quando se fala em Operações de Câmbio imaginamos diretamente o dinheiro e sua equivalência em compra e venda de algum bem de consumo. No Brasil quem controla e autoriza a realização de operações de câmbio é o BCB - Banco Central do Brasil. As Instituições que podem ser autorizadas: 72

73 - Bancos e caixas econômicas; -SCFI (Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimento), corretoras de câmbio ou de títulos e valores mobiliários, DTVM (Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários); -Agências de turismo e meios de hospedagem de turismo Operações Prontas São operações pelas quais o cliente pode comprar ou a vender outras moedas à vista, podendo ser de caráter comercial ou financeiro, sendo a contratação de câmbio para liquidação em até 2 dias úteis. Tipos: - Exportação: Venda - Importação: Compra - Remessas financeiras provenientes do exterior / destinadas ao exterior. 3.2 Operações Futuras: Aquele em que as partes assumem compromisso de compra e/ou venda de determinada quantidade e qualidade padronizadas de um ativo financeiro ou real, representada por contratos padronizados para liquidação (física e/ou financeira) em data futura. Nesse mercado existe o ajuste diário do valor dos contratos. Esse é o mecanismo que possibilita a liquidação financeira diária de lucros e prejuízos das posições, viabilizando a troca de posições. Portanto quando falamos de liquidação futura, são aqueles contratos, onde o pagamento será efetuado em data superior a 48 horas. Uma empresa pode, portanto financiar a sua importação, é um importante instrumento de proteção ao importador de eventuais desvalorizações cambiais Modalidades de Pagamento Existem várias modalidades de pagamento no comércio internacional e o fechamento de câmbio depende desta informação. - Pagamento Antecipado: Nesta modalidade, o importador envia, parcial ou totalmente, o valor da operação antes do embarque da mercadoria. Para o exportador, o pagamento antecipado representa uma garantia de não cancelamento do contrato por parte do importador e a possibilidade de obtenção de recursos para a produção do pedido. Normalmente é utilizado entre empresas interligadas ou que já possuem uma confiança recíproca, pois se trata de uma operação de risco para o importador que poderá, dependendo da qualidade cadastral do exportador, arcar com a demora na remessa do produto já pago ou mesmo deixar de recebê-lo. - Cobrança Documentária: É o conjunto de procedimentos, através dos quais os bancos, com base em instruções recebidas, obtêm aceite e/ou pagamento de documentos financeiros; entregam documentos contra aceite e/ou pagamento; ou entregam documentos sob outros termos e condições. A cobrança documentária, que poderá ser à vista ou a prazo, tem uma conotação diferente do pagamento antecipado. Nesta condição, que é a mais barata para ambas as partes, o exportador produz a mercadoria, providencia seu embarque ao exterior e somente após a sua chegada ao país de destino é que o importador providencia a remessa das respectivas divisas ao exportador (à vista) ou dá aceite na cambial com pagamento no vencimento (a prazo). 73

74 É importante ressaltar que o importador só tomará posse da mercadoria, após a obtenção dos documentos junto ao banco. - Crédito Documentário (Carta de Crédito): Esta é a forma de pagamento mais segura e garantida para ambas às partes. De um lado, o exportador tem a garantia de recebimento dos valores da operação e, do outro, o importador tem a garantia de recebimento da mercadoria de acordo com as condições préestabelecidas na carta de crédito. Funciona como um contrato de compra e venda e é regulamentada Regras e Costumes Uniformes - Brochura 500 da Câmara de Comércio Internacional. Na carta de crédito, um banco agindo a pedido e de conformidade com instruções do seu cliente, compromete-se por escrito a pagar, aceitar ou negociar letras de câmbio, até um determinado valor, dentro de um prazo e contra a apresentação de determinados documentos. Para se assegurar do pagamento, os bancos exigem uma garantia (contrato, título avalizado, duplicatas em caução ou depósito em espécie) da empresa importadora. O custo operacional de abertura desta carta de crédito, para o importador, é relativamente alto. - Contratação de Seguro e Frete Internacional: É mais conveniente para o importador que ele contrate o seguro e o frete internacional, uma vez que terá um maior poder de barganha contratando estes serviços no Brasil. Além do controle das informações relativas ao embarque, etc. - Instrução de Embarque: Após a emissão da LI, caso obrigatório, e após averbação provisória da apólice de seguro, o importador deverá enviar ao fornecedor as instruções para embarcar a mercadoria. Esta instrução deverá conter as seguintes informações: os documentos necessários ao desembaraço aduaneiro na importação (fatura comercial, certificado de origem (caso a mercadoria goze de incentivos fiscais), conhecimento de embarque, romaneio de embarque/packinglist, etc.; informações a respeito da modalidade de pagamento da mercadoria, nome e endereço bancário para remessa de documentos internacionais; informações a respeito da contratação do seguro e do frete internacional; etc. - Chegada da Mercadoria: Para se realizar um despacho aduaneiro é imprescindível a apresentação de documentos originais no momento do desembaraço e para estar de posse destes documentos é necessário saber qual a modalidade de pagamento acordada. Quando se trata de pagamento antecipado, os documentos são enviados pelo fornecedor junto com a mercadoria (via aérea ou rodoviária) ou via correio expresso, mais chamado de courier (via marítima). Quando a modalidade é cobrança, os documentos, geralmente, são enviados via banco, ou seja, o importador deve dirigir-se ao banco combinado para retirar os documentos originais contra pagamento, se à vista, ou contra aceite na cambial, se a prazo. Em caso de carta de crédito, deve-se verificar o que está estipulado nesta, uma vez que os documentos podem vir via banco ou diretamente para o importador viacourier. - Siscomex: O SISCOMEX é um instrumento administrativo, informatizado, que integra as atividades de registro, acompanhamento e controle das operações de comércio exterior. O gerenciamento desse sistema pertence à SECEX, à SRF e ao BACEN. 74

75 A criação do SISCOMEX permitiu ao governo brasileiro reduzir a burocracia, racionalizar o processo e integrar os órgãos responsáveis pelo comércio exterior. Do ponto de vista do exportador, houve uma redução significativa dos custos administrativos e maior agilidade na operação. O acesso ao SISCOMEX deve ser feito através do credenciamento do representante legal da empresa (funcionário ou despachante aduaneiro) junto à SRF. Mais informações podem ser obtidas no endereço eletrônico - Despacho Aduaneiro: Despacho aduaneiro de importação é o procedimento fiscal mediante o qual se processa o desembaraço aduaneiro da mercadoria procedente do exterior, seja a título definitivo ou não. A Instrução Normativa nº 102 de disciplina o Sistema Integrado de Gerência do Manifesto, do Trânsito e do Armazenamento MANTRA. O Mantra constitui parte do SISCOMEX e corresponde ao primeiro passo para o despacho aduaneiro. No caso de transporte marítimo, ainda não existe um sistema informatizado como Mantra, e portanto, a manifestação de carga se dá com a apresentação do documento Manifesto de Carga, pelo Capitão do Navio à autoridade na SRF alfândega de destino. O Mantra tem como objetivos principais: -Uniformizar os procedimentos; -Harmonizar o fluxo de documentos e de cargas; -Integrar os agentes intervenientes no processo; -Reduzir a burocracia de documentos racionalizando as informações e reduzindo os erros e fraudes; -Reduzir custos operacionais com manuseio e armazenagem de carga; -Facilitar a localização das cargas nos armazéns da Infraero; -Agilizar a liberação das cargas. O despacho aduaneiro, que se inicia com o registro da Declaração de Importação (DI) junto ao Siscomex, deve começar: a) Até 90 dias da descarga, se a mercadoria estiver em recinto alfandegado de zona primária; b) Até 45 dias após esgotar-se o prazo estabelecido para permanência da mercadoria em entreposto aduaneiro ou recinto alfandegado de zona secundária. Deve-se atentar que a inobservância dos prazos fixados para início do despacho de importação será considerada como abandonada, implicando na aplicação da pena de perdimento das mercadorias. Outro sistema criado para agilizar o despacho aduaneiro é o Sistema Parametrizado, ou seja, após o registro da DI o próprio sistema automaticamente determina o grau de conferência dos documentos e da mercadoria através da definição dos seguintes canais: - Canal Verde o sistema procede ao desembaraço automático da mercadoria sendo dispensado o exame documental da declaração, a verificação da mercadoria e análise preliminar do valor aduaneiro. - Canal Amarelo a declaração é submetida a exame documental e, não sendo constatada irregularidade, é autorizado o desembaraço da mercadoria e dispensadas à verificação da mercadoria e análise preliminar do valor aduaneiro. 75

76 - Canal Vermelho a mercadoria somente é desembarcada e entregue ao importador após a realização do exame documental, da verificação física da mercadoria e dispensada da análise preliminar do valor aduaneiro. - Canal Cinza a mercadoria somente é desembaraçada e entregue ao importador após a realização da análise preliminar do valor aduaneiro e, se for o caso, o depósito de garantias. Após o desembaraço aduaneiro é necessária à emissão da nota fiscal de entrada da mercadoria no estabelecimento do importador. Ela deve acompanhar a saída da mercadoria da alfândega até o estabelecimento do importador. 4-Documentos do Comércio Exterior : No ramo do Comércio Exterior é muito visível a utilização de inúmeros documentos, para que possamos identificar um processo de importação devemos levar em conta alguns critérios: A nacionalização é a sequência de atos que transfere a mercadoria da economia estrangeira para a economia nacional, por meio da declaração de importação (D.I.). Documento formalizado e emitido pelo importador. Conforme dito anteriormente, à exceção dos casos de importações dispensadas do regime de licença, a nacionalização somente é autorizada por meio do deferimento, pelo órgão anuente, da licença de importação (L.I.). Há que se considerar que na ausência da licença de importação (L.I.), quando esse documento for exigível, o importador, para suprir a falta e ter a nacionalização autorizada, ficará sujeito ao pagamento de multa de 30%, calculada sobre o valor aduaneiro acrescido o frete e seguro internacional da importação. (Manual de Importação da UNESP). O processo de nacionalização é indispensável para que uma mercadoria possa circular pelo país, caso contrário a mesma será clandestina e impossibilitada de ser comercializada e podendo ser apreendida por órgãos competentes. Os documentos necessários para essa nacionalização devem ser emitidos pelo importador da mercadoria, sendo dele a responsabilidade da carga, esses documentos são extremamente importantes para que se retire uma mercadoria de um terminal portuário e de processo ao desembaraço aduaneiro: A) Licença de Importação (LI): Licença de importação é o documento eletrônico que deve ser preenchido "on-line" pelo importador ou por seu despachante aduaneiro, por meio do sistema integrado de comércio exterior SISCOMEX, sendo obrigatório nas importações com isenção de impostos. B) Declaração de Importação (DI): A declaração de importação é o documento base do despacho de importação, formalizado, pelo importador ou por seu despachante aduaneiro, no siscomex, no momento do desembaraço da mercadoria. C) Comprovante de Importação (CI): Comprovante de importação é o documento que promove definitivamente a nacionalização da mercadoria. 5- Os documentos mais comuns e emitidos durante o processo de exportação são esses: 76

77 A) Fatura: Documento emitido pelo exportador, no qual se descreve todas as características das mercadorias, tais como: quantidade, preço unitário e total, peso líquido e bruto, nome e endereço do exportador, do fabricante, dados bancários, forma de pagamento, termos de garantia, etc. São dois os tipos de faturas emitidas pelo exportador: -Proforma: É emitida pelo exportador ou representante, precede a fatura comercial, descrevendo a mercadoria e os termos de venda, servindo para fins de cotação e formalizando o que foi tratado pelas partes. -Comercial/Invoice: Documento internacional, emitido pelo exportador, imprescindível para que o importador possa liberar as mercadorias em seu país. B) Packing List (Romaneio): O packing list é emitido pelo exportador para instruir o embarque e o desembaraço da mercadoria, auxiliando o importador quando da chegada dos produtos no país de destino. C) OUTROS : Dependendo do tipo de mercadoria ou importação, outros documentos poderão ser exigidos pelo importador, para apresentação na alfândega, tais como: certificado de origem, certificado fitossanitário, fatura consular, etc. Desse modo temos de citar também as funções do transportador: - Conhecimento de Embarque: O conhecimento de embarque serve para transferir a propriedade da carga, além de constituir prova de embarque, tem função de contrato de transporte e quando aplicável, de bilhete de seguro. Os conhecimentos de embarque mais comuns são: - Conhecimento de Embarque Marítimo BILL OF LADING - B/L. - Conhecimento de Embarque Aéreo AIR WAYBILL - AWB. O AWB também pode ser conhecido como mawb-master air waybill, ou hawb-house air waybill, quando se tratar de carga consolidada. 6-Matemática Aplicada: Como em qualquer outra área, a matemática se faz presente no Comércio exterior. As operações de cálculo não são tão complexas quanto a área de Engenharia, mas são indispensáveis, pois não devem conter erro, principalmente quando se confecciona um documento. Os Profissionais de Comex, precisam geralmente calcular todas as despesas pertinentes ao processo de importação, como um custo de um frete, aluguel de um container, custos e despesas de armazenagens, gastos com desembaraço de documentos aduaneiros, gastos com a Receita Federal, etc... -Regra de Três: Regra de três simples é um processo prático para resolver problemas que envolvam quatro valores dos quais conhecemos três deles. Devemos, portanto, determinar um valor a partir dos três já conhecidos. - Razões: A palavra razão, vem do latim ratio, e significa "divisão". 7-Globalização e os Blocos Econômicos: Pode-se afirmar que Globalização é um processo econômico e social que estabelece uma integração entre os países e as pessoas do mundo todo. Através deste processo, as pessoas, os governos e as empresas trocam ideias, realizam transações financeiras e comerciais e espalham aspectos culturais pelos quatro cantos do planeta. O processo de globalização surgiu para atender ao capitalismo e, principalmente, os países desenvolvidos; de modo que pudessem buscar novos mercados, tendo em vista que o consumo interno encontrava-se saturado. A globalização é a fase mais avançada do capitalismo. Com o declínio do 77

78 socialismo, o sistema capitalista tornou-se predominante no mundo. A consolidação do capitalismo iniciou a era da globalização, principalmente, econômica e comercial. O desenvolvimento da globalização se deve aos chamados blocos econômicos 8-Área de Preferência Tarifária: São acordos realizados entre os países para redução de tarifas alfandegárias no comércio entre os seus membros, por meio da concessão de preferências tarifárias. Esses arranjos podem estabelecer a seleção de um grupo ou a inclusão da totalidade das mercadorias negociadas, em acordos de redução das tarifas de importação. Por preferência tarifária entende-se a redução do I.I Imposto de Importação em determinados percentuais. Como exemplo, um exemplo uma mercadoria tem Imposto de 15% e preferência tarifária de 20%, ou seja, em três pontos percentuais, pagando-se um imposto de 12% na sua entrada no país. Geralmente essa categoria recebe o nome de área de livre comércio ou zona de livre comércio a um grupo de países que concordou em eliminar as tarifas, quotas e preferências que recaem sobre a maior parte dos (ou todos os) bens importados e exportados entre aqueles países. O propósito da área de livre comércio é estimular o comércio entre os países participantes por meio da especialização, da divisão do trabalho e da vantagem comparativa. A área de livre comércio costuma ser vista como um passo para a instituição de uma união aduaneira. Diferencia-se desta última pela inexistência de uma política comercial comum (como, por exemplo, uma tarifa externa comum), adotada por todos os países participantes e válida para as importações provenientes de fora da área. As áreas de livre comércio são criadas por meio de acordos de livre comércio (ALCs) entre dois ou mais Estados. Porém se de um lado temos os acordos comerciais mundiais, temos também as Barreiras Alfandegárias, também conhecidas como Barreiras Comerciais. Muitos governos a utilizam para controlar o intercâmbio internacional de mercados. Essas barreiras podem ser praticadas na forma de tarifas, cotas e licenças de importação. A forma mais comum de proteger o mercado interno se dá pelas barreiras alfandegárias. 9-Fatores de Competitividade Internacional: A noção de competitividade tem sido abordada de várias maneiras. Em graus variados, ela submete as firmas aos seguintes postulados: vender mais do que as concorrentes de produtos similares; vender produtos diferentes tentando através da diferenciação, guardar posições de monopólio, recentemente, obter maior lucratividade, independente da quantidade vendida. Foi justamente através dos argumentos da teoria da Organização Industrial que a noção de competitividade internacional ganhou expressividade, nos anos 70/80. A possibilidade de expansão da oferta das firmas a taxas superiores ao crescimento da respectiva demanda doméstica conduziria à diversificação produtiva e/ou ao mercado externo, como alternativas estratégicas de crescimento pela firma. 9.1-Contratos de Transporte no Comércio Internacional: Do conceito de transportar conduzir ou levar uma carga de um lugar para outro retiramos a informação necessária para definir exatamente o Transporte 78

79 Internacional de Carga: operação de transladar produtos através do fornecimento de um serviço, do país exportador (origem) ao país importador (destino), por um determinado preço (frete). 9.2-Contratos de Transporte Internacional: Os contratos de transporte internacional são documentos que exprimem vontades acordadas entre um transportador (Companhia de navegação, aéreo comercial, ferroviária ou rodoviária, ou um operador de transporte multimodal); e um usuário do serviço de transporte. É importante ressaltar que todos os contratos de transporte são regidos por normas nacionais e internacionais e formalizados em documentos cujo formato varia conforme a modalidade de transporte. 9.3-Contratos de Transporte Marítimo Internacional: A função básica do contrato de transporte marítimo internacional é servir como instrumento de vinculação jurídica de dois ou mais sujeitos com vontades convergentes, oferecendo respaldo legal e segurança. É necessário para harmonizar o meio de transporte que move o maior volume de mercadorias do comércio internacional, praticamente o único meio viável para grandes volumes geograficamente afastados. 9.4-Contrato de Fretamento: No contrato de fretamento o armador obriga-se a colocar à disposição do afretador os serviços do navio, mediante pagamento do frete. A finalidade do contrato de transporte marítimo não é apenas a cessão de um espaço no navio, mas também o efetivo transporte da carga de um ponto de origem ao destino final, e o instrumento jurídico que o representa é o Conhecimento Marítimo ou Bill of Lading (B/L), o qual não deixa de ser um contrato de compra e venda de mercadorias. 9.5-Responsabilidade da operação: Entende-se como Responsabilidade da Operação apenas a definição de qual parte será responsável pela estufagem e desova do container. Os termos usados para explicitar com clareza são: LCL (lessthan a container load), FCL (full container load), FCL/LCL. 9.6-Contratos de Transporte Multimodal Internacional: O transporte multimodal utiliza dois ou mais modais (marítimo, aéreo, terrestre) para o transporte de cargas de um ponto de origem ao destino final, mediante a celebração de apenas um contrato e a intermediação de um único agente, denominado Operador de Transporte Modal (OTM). Serve como prova de que a carga está sob custódia, portanto, responde objetivamente por qualquer dano, avaria ou atraso na entrega. 9.7-Contratos de Transporte Aéreo Internacional: O transporte aéreo internacional é coordenado pela International Air Transport Association (IATA), e disciplinado pela Convenção de Varsóvia, de 12de outubro de 1929, recepcionada no nosso ordenamento jurídico pelo Decreto nº de 24 de novembro de A entrega da mercadoria determina a conclusão do contrato por parte do prestador de serviço, enquanto que o pagamento é a conclusão por parte do adquirente. As obrigações do transportador não surgem antes do recebimento das mercadorias, mas isso não impede uma formação anterior de contrato (o que gera, até mesmo, a obrigação do recebimento/envio de mercadorias). 79

80 9.8-Contratos de Transporte Rodoviário Internacional: O Transporte rodoviário internacional de cargas é contratado através de um Conhecimento Rodoviário de Transporte CRT, que funciona como contrato de transporte rodoviário, como recibo de entrega da carga e como título de crédito. Por esses motivos PE de uso obrigatório no transporte entre os países do Cone Sul. O transporte rodoviário possui um documento, emitido pelo despachante responsável pelo desembaraço da carga, denominado MIC/DTA Manifesto Internacional de Carga Rodoviária/Declaração de Trânsito Aduaneiro. 9.9-Contratos de Transporte Ferroviário Internacional: Assim como o transporte rodoviário na América do Sul, é regido pelo Acordo sobre Transporte Internacional Terrestre ATIT. A Carta de Porte Internacional (TIF/DTA) é o documento mais importante do transporte ferroviário, sendo ele obrigatório e de uso nas zonas alfandegárias. Exerce funções de contrato de transporte, recibo de carga e título de crédito. 10-Procedimentos Básicos na Exportação: As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria da Receita Federal. Os novos registros são efetuados mediante apresentação de vários documentos e formulários (VIDE DOCUMENTOS), que devem ser entregues à Receita Federal. Para se obter a senha que permite ao usuário o acesso ao SISCOMEX, faz-se necessário, após o credenciamento, a ida do responsável legal da Empresa pessoalmente à SRF, munido de documentos (VIDE DOCUMENTOS) Contato com o Importador: Esse contato poderá ser feito de acordo com as necessidades de ambos (exportador Brasil e importador Exterior), pois visa a definição e a escolha do produto, seu preço, garantias, condições de pagamento etc. Realizado o contato e definidos os produtos e as condições da operação o exportador deve remeter ao interessado a FATURA PRO FORMA do produto. A Fatura Pro Forma conterá todas as particularidades e condições que o exportador precisa cumprir para a venda do produto ao exterior Análise do Pedido: Estando o pedido ou a carta de crédito de acordo com o proposto na venda, o exportador deve iniciar a preparação da mercadoria e dos documentos necessários à execução da encomenda, tanto para fins de transporte da mercadoria até o destino estipulado como também para a devida negociação junto aos bancos. 11-Preparação da Mercadoria e demais Documentos para Embarque - Preparação da Mercadoria: Ao serem concluídas a preparação e a embalagem da mercadoria a ser exportada. -Romaneio ou PackingList: Este documento é necessário para o desembaraço da mercadoria, tanto na saída promovida pelo exportador como também para orientar o importador. 80

81 -Registro de Exportação RE - De posse do packinglist, torna-se possível o preenchimento do RE, no Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX, por parte do Despachante Aduaneiro. -Nota Fiscal: acompanhará a mercadoria desde a saída do estabelecimento até seu efetivo desembaraço para o exterior. -Conhecimento de Embarque: Este documento é emitido pelo transportador internacional da mercadoria ou seu agente. - Certificados: Dependendo da mercadoria que se esteja embarcando para o exterior, poderá vir a ser exigido algum certificado que ateste a qualidade ou certas especificações do produto, seja para atender imposições da legislação brasileira, ou exigências do importador face às normas vigentes em seu país. 12-Documentação: Quando a operação estiver amparada por carta de crédito, o exportador deve redobrar suas atenções para a confecção dos documentos, visto que estes deverão respeitar rigorosamente o contido nesse instrumento de pagamento. Os documentos usualmente exigidos para a negociação junto aos bancos são: -Fatura Comercial: Documento elaborado após a efetivação do embarque, devendo conter todos os elementos básicos da operação. -Saque ou Cambial: Também denominado draft, representa o título de crédito da operação. Conhecimento de Embarque: Seus originais são documentos básicos para a negociação, uma vez que o importador os utilizará para o desembaraço da mercadoria no destino. - Carta de Crédito: Nas operações conduzidas sob esta condição de pagamento, o original deste documento é imprescindível para que o exportador possa concretizar a entrega e o recebimento de seu valor junto ao banco. - Certificados: Tanto aqueles certificados porventura exigidos para o embarque da mercadoria para o exterior como também aqueles que atestam a origem do produto exportado devem fazer parte dos documentos que estão sendo negociados. -Carta de Entrega: Consiste em uma carta na qual são relacionados todos os documento que estão sendo negociados (entregues ao banco) Documentos do Processo - Operações de Câmbio: É pela contratação do câmbio que o exportador recebe o valor de sua operação de exportação, convertido em reais pelo banco. - Amostras: até cinco mil dólares dos Estados Unidos ou seu equivalente em outras moedas, mediante a elaboração de "RE", no SISCOMEX. - Drawback (Desvantagem): O drawback, apesar de ser um processo de importação, é uma operação de extrema importância no contexto das exportações, uma vez que consiste na aquisição, no exterior, de insumos (matérias-primas, materiais secundários, embalagens e partes e peças), destinados à produção de bens exportados ou a exportar. Essa aquisição é caracterizada como um incentivo, pelo fato de ser desonerada dos impostos normais que gravam os produtos importados. 81

82 - Preço de Exportação; É preciso que, quando do cálculo do preço de exportação de um produto, também sejam computados os tratamentos fiscais diferenciados dos quais, em geral, gozam os produtos em suas saídas para a comercialização externa. 13-Estrutura do Comércio Exterior Brasileiro 13.1-Órgãos que gerenciam as atividades de Comércio Exterior no Brasil: A Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), criada em 1995, é o órgão responsável pela definição das diretrizes da política de comércio exterior do país. De acordo com o Decreto Nº 4.732, de setembro de 2003, as decisões da CAMEX são deliberadas por um Conselho de Ministros, presidido pelo Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 14-Como começar a exportar: O exportador tem à sua disposição as seguintes alternativas para ingressar no mercado externo: - Exportação Direta: o exportador atua de forma independente e é responsável por toda a operação, promovendo seus produtos e negociando diretamente com os clientes. -Exportação Indireta: o exportador realiza a operação através da atuação de um intermediário, que adquire a mercadoria no mercado interno com o fim específico de exportá-la. 15-O que é o Registro de Exportadores e Importadores (REI)?: O REI é um cadastro de empresas que desejam realizar operações de comércio exterior. Sua gestão e manutenção são feitas pelo Departamento de Operações de Comércio Exterior (DECEX) da SECEX. A inscrição no REI para pessoa jurídica é automática, sendo realizada no ato da primeira operação de exportação, em qualquer terminal de computador conectado ao SISCOMEX. 16- O papel dos Despachantes Aduaneiros: Os despachantes aduaneiros executam todos os serviços aduaneiros na área de exportação e importação, os quais, hoje, estão elencados, basicamente, no artigo 1º do Decreto nº 646, de 9 de setembro de 1992, atual Regulamento do artigo 5º, do decreto-lei nº2.472, de 1 de setembro de Essas atividades básicas já estavam previstas no artigo 560 do Regulamento Aduaneiro baixado com o Decreto nº , de 5 de março de Os despachantes aduaneiros são intervenientes dos despachos aduaneiros, verificando o enquadramento tarifário da mercadoria respectiva e providenciando o pagamento dos impostos de importação e sobre produtos industrializados (atualmente mediante débito automático), bem como o do imposto sobre circulação de mercadorias, do frete marítimo, rodoviário e ferroviário, demurrage (sobreestadia), da taxa de armazenagem e de capatazias, do adicional ao frete para renovação da Marinha Mercante, entre outros Mecanismos Simplificados de Exportação: Os mecanismos existentes para a simplificação de exportações podem ser utilizados nas operações cujo montante não ultrapasse US$ ,00 (vinte mil 82

83 dólares americanos),incluindo a contratação de frete e seguro. Caso a exportação esteja de acordo com este critério, o empresário pode utilizar os seguintes mecanismos: - Registro de Exportação Simplificada (RES): O RES é uma forma resumida do tradicional Registro de Exportação (RE), que requer menor número de informações, tornando o procedimento administrativo mais simples e menos custoso. -Declaração Simplificada de Exportação (DSE): A DSE é um documento alternativo à Declaração de Despacho de Exportação (DDE). -Remessa Postal Internacional: A Remessa Postal Internacional permite que qualquer empresa ou pessoa física realize operações de exportação sem a exigência de inscrição no REI, dispensando também a contratação de câmbio. Os Correios oferecem serviço de Remessa Postal Internacional através do Exporta Fácil. - Sistemática de Câmbio Simplificado (SIMPLEX): O SIMPLEX é um mecanismo de facilitação para a contratação de câmbio na exportação, tendo sido estabelecido pela Circular BACEN nº 2.836, de 8 de setembro de 1998.Essa sistemática reduziu de 26 para apenas 5 o número de dados a serem fornecidos pelo exportador, além de permitir o uso do Boleto de Compra e Venda, um comprovante de compra e venda de moeda estrangeira. - O Exporta Fácil Serviço de Exportação dos Correios: O Exporta Fácil é um conjunto de serviços dos Correios que oferece facilidades para empresas e pessoas físicas (artesãos, agricultores e outras) que desejam exportar seus produtos de maneira mais simples. - Funcionamento do Exporta Fácil: O empresário contrata a logística postal de sua mercadoria até o país de destino e os Correios cuidam do registro da operação no SISCOMEX da Receita Federal. Tudo sem custos adicionais ou burocracia. - Outras características do Exporta Fácil: Além de mercadorias, pode ser utilizado também para enviar presentes, amostras ou documentos. Os Correios dispõem de ótimas soluções para o envio de documentos, especialmente aqueles inerentes ao processo exportador. - O prazo de entrega do Exporta Fácil: São cinco modalidades de serviço para o empresário escolher conforme a urgência da sua exportação. Os prazos têm como referência as principais cidades do mundo e variam de acordo com a origem e o destino das remessas. 17-Trading Companies: As empresas comerciais exportadoras e trading companies atuam como intermediárias na representação e comercialização de produtos entre Brasil e outros países. Essas empresas proporcionam um grande fomento na área de comércio exterior, tanto no que se diz respeito aos trâmites legais de exportação, quanto o estudo de mercados, viabilidade econômica e a inserção de produtos de interesse para os mais variados mercados. As micro e pequenas empresas possuem certa dificuldade em atuar no mercado internacional, muitas vezes por não possuírem estrutura logística, departamento capacitado ou até mesmo pela limitação ao acesso dos programas de incentivo à exportação do governo e de iniciativas privadas, podendo, portanto contar com o trabalho realizado pelas trading companies e comerciais exportadoras. 83

84 18 - Representantes e distribuidores no exterior: Após a seleção do mercado-alvo, a empresa deverá identificar os representantes e distribuidores no exterior para seu produto. Algumas ferramentas para desempenhar essa tarefa são: - Consultas: o exportador pode consultar órgãos envolvidos na atividade exportadora, tanto no país como no exterior. - Feiras Internacionais: o exportador pode ainda participar de feiras internacionais (trade shows), que propiciam o contato direto com potenciais representantes e distribuidores. Nesse caso, vale lembrar que o domínio de uma língua estrangeira é desejável para o bom desempenho. - Rodadas de Negócio: outra opção para contato direto são as rodadas de negócio. São reuniões préagendadas entre produtores e compradores, geralmente realiza das paralelamente a feiras. - Missões Empresariais: este tipo de iniciativa é regularmente organizada pelas entidades de classe e setoriais, bem como órgãos de governo como a Agência de Promoção de Exportações do Brasil (APEX). - Internet: uma opção menos custosa, no entanto, pouco segura, é a busca através de diretórios eletrônicos disponíveis na rede mundial. 19-Modalidades de Pagamento Externo: Após a escolha do INCOTERM a ser utilizado, o exportador deve acordar com o importador o modo como será efetuado o pagamento no exterior. A escolha da modalidade de pagamento a ser praticada na exportação deverá conjugar os interesses nas áreas comerciais, financeira e de segurança. Além disso, o exportador pode contratar o Seguro de Crédito à Exportação (SCE) para prevenir-se contra o não-pagamento por parte do importador, seja por razões comerciais (mora, falência e outras) ou por riscos políticos e extraordinários (confiscos, moratórias, conflitos armados, desastres naturais e outros). - Pagamento Antecipado: Na modalidade Pagamento Antecipado, o importador realiza o pagamento antes do embarque do produto. Entretanto, por representar um risco para o importador, a modalidade de Pagamento Antecipado é pouco utilizada, sendo mais freqüente no caso de empresas interligadas (filiais e matriz). - Remessa Direta ou Sem Saque: o importador realiza o pagamento somente após o embarque do produto e o recebimento da documentação da operação para desembaraço aduaneiro. - Cobrança Documentária: após o embarque da mercadoria o exportador emite o saque ou cambial, que por sua vez será encaminhado a um banco no país do importador acompanhado dos respectivos documentos de embarque. O pagamento poderá ser à vista ou a prazo, conforme estipulado entre as partes. - Carta de Crédito: é uma ordem de pagamento condicional, emitida por um banco no exterior (banco emissor) a pedido do importador (tomador de crédito), em favor de um exportador (beneficiário), que somente fará jus ao recebimento se atender a todas as exigências convencionadas por ela. Quanto à sua natureza, as Cartas de Créditos podem ser emitidas com as seguintes características: - Irrevogável objetiva proteger o exportador, pois não permite cancelamento unilateral, salvo se houver expressa concordância do banco emissor e, principalmente,do exportador. 84

85 - Intransferível objetiva proteger o importador, pois não permite que o beneficiário transfira seu valor para outras empresas. - Confirmada objetiva proteger o exportador, pois tem seu pagamento assegurado, adicionalmente, por um terceiro banco, normalmente de primeira linha, que viabilizará a remessa das divisas ao país exportador em eventuais dificuldades financeiras do banco emissor. 20-Gestão Financeira da Exportação: Técnicas bancárias, créditos e seguros, são instrumentos de uma boa gestão financeira na exportação. Mas, como os administrar e de que precauções se cercar? Certamente, a prática de uma gestão financeira sadia implica rigorosamente em não se excluir uma boa dose de imaginação. Mas, apesar de indispensável, esta prática está longe de ser suficiente, e um bom fortificante financeiro, em certas ocasiões, é o salto necessário à superação das barreiras e obstáculos. Esta foi a forma adotada para apresentar os múltiplos procedimentos de financiamento, seguro e garantias na exportação, em abordagem fundamentada na experiência - as práticas das empresas descrevendo a realidade quotidiana dês eu ramo de negócios; em escolhas técnicas, pois não é suficiente conhecer os procedimentos e técnicas disponíveis. 21-Formas de Financiamento da Exportação Tendo em base as três fases do processo de exportação: 22-Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC): possibilita ao exportador a obtenção antecipada de recursos para cobrir custos de produção e comercialização das mercadorias exportadas. Atualmente, a maioria dos agentes financeiros opera esta modalidade. - Adiantamento sobre Cambiais Entregues (ACE): trata-se de adiantamento feito por um banco ao exportador após o efetivo embarque das mercadorias e entrega dos documentos. - Adiantamento sobre Contrato de Câmbio Indireto (ACCI): tem a função de conceder recursos financeiros aos fornecedores de insumos que integram o processo produtivo da mercadoria para exportação. - BNDES Exim-Pré-embarque: modalidade de financiamento à produção de bens para exportação, mediante abertura de crédito fixo, em operações realizadas por meio de instituições financeiras credenciadas pelo BNDES. - BNDES Exim-Pré-embarque Especial: modalidade de financiamento de parte dos recursos necessários à produção de bens a serem exportados, sem vinculação a embarques específicos, porém com período predeterminado para sua efetivação. 85

86 -BNDES Exim-Pré-embarque Curto Prazo: essa linha de crédito financia até 100% do valor do bem a ser produzido para exportação em embarques específicos. - BNDES Exim-Pós-embarque: modalidade de financiamento à exportação de bens e serviços na fase pós-embarque. - Programa de Financiamento às Exportações (PROEX): é o programa do Governo Federal para financiar as exportações brasileiras de bens e serviços em condições equivalentes às do mercado internacional. -PROEX Financiamento: Financiamento direto ao exportador brasileiro ou ao importador com recursos do Tesouro Nacional. PROEX Equalização: Exportação financiada pelas instituições financeiras no país e no exterior, na qual o PROEX, paga parte dos encargos financeiros, tornando-os equivalentes àqueles praticados no mercado internacional. - Então qualquer produto pode ser financiado pelo Proex? Não. São financiáveis: -Bens constantes da Portaria nº 58, de 10 de abril de 2002, do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior (MDIC). -Serviços aqueles que contribuam para a atividade econômica interna, geração de empregos no país, modernização tecnológica, nível de investimentos, ou que possam determinar o subseqüente fornecimento de produtos nacionais ao exterior. -Engenharia e atividades correlatas esse tipo de exportação contempla inúmeras atividades combinadas entre si, envolvendo desde a arquitetura e engenharia consultiva; o suprimento tanto dos bens de consumo como os de capital a serem incorporados ao empreendimento, objeto da venda; a construção civil e a montagem eletromecânica, além de serviços auxiliares no apoio a essas tarefas; -Softwares desenvolvidos no país para atendimento de uma demanda específica, efetuada pelo comprador estabelecido no exterior; -Produções cinematográficas venda dos direitos de reprodução e comercialização, no exterior, de obras cinematográficas produzidas no país; -Franquia comercialização de franquias brasileiras no exterior. Nesse sentido, será financiado o valor do contrato de cessão de franquia que poderá contemplar, além do direito de utilização da marca, o treinamento, desde que realizado por profissional contratado no Brasil; o fornecimento de equipamentos e mercadorias; o projeto arquitetônico e o projeto de instalação da loja, desde que providenciados no país; e os projetos de divulgação, desde que executados por empresa brasileira. -PROEX Financiamento: Financiamento ao exportador de bens e serviços brasileiros, realizado exclusivamente pelo Banco do Brasil, com recursos do Tesouro Nacional. -Condições Financeiras - Prazos os prazos são definidos de acordo com o valor agregado da mercadoria ou a complexidade dos serviços. - Percentual Financiável até 85% do valor da exportação. Nos financiamentos com prazos de até 2 anos, admite-se a elevação desse percentual para até 100% do valor da exportação. -Taxa de Juros as praticadas no mercado internacional (LIBOR). 86

87 -Forma de Pagamento pelo Importador em parcelas semestrais, iguais e sucessivas. - Garantias aval, fiança ou carta de crédito de instituição de primeira linha no exterior ou Seguro de Crédito à Exportação. Para empresas capixabas, fiança do BANDES. -Moeda de Pagamento dólar dos Estados Unidos ou outra moeda de livre conversibilidade. - As vantagens do PROEX Financiamento: rapidez na aprovação; acesso facilitado ao crédito, sem necessidade de intermediários; concessão de prazo ao importador, com recebimento à vista pelo exportador; não há taxa de administração para a concessão do crédito. - PROGER Exportação: financiamento à exportação com recursos em moeda nacional modalidade préembarque. -Finalidades do PROGER Exportação: Apoiar as micro e pequenas empresas, visando o incremento das exportações brasileiras, através de financiamento a: produção nacional de bens na fase pré-embarque; e despesas com promoção da exportação. -Público-alvo do PROGER Exportação: Micro e pequenas empresas exportadoras constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede e administração no país, excluídas as empresas comerciais exportadoras beneficiadas pelo Decreto-Lei n 72/1248, de 29 de novembro de 1972, também chamadastrading Companies. - Itens financiáveis: atividades diretamente envolvidas com a promoção da exportação, como participaçãoem eventos comerciais no Brasil e no exterior, montagem de estande, remessa demostruários ou material promocional. -As vantagens para o exportador ao usar o Proger Exportação: crédito para produzir os bens destinados à exportação a um custo financeiro reduzido; custear despesas com promoção comercial de exportação e prazo do financiamento de até 12 meses antes do embarque do bem exportado. 23-Classificação Fiscal: Para a formação do preço de exportação a empresa deve conhecer o tratamento fiscal a ser utilizado na operação. Este procedimento diferenciado concedido às vendas internacionais tem por objetivo reduzir os custos dos produtos exportáveis através da desoneração ou dispensa do pagamento de tributos e outros encargos incidentes sobre as transações de mercado interno. Para o cálculo do preço do produto a ser exportado, é necessário um levantamento dos custos relativos a uma exportação, levando-se em conta as condições impostas pelos países importadores e os custos internos de produção. Deverão ser deduzidos os elementos que compõem o preço no mercado interno, mas que não estarão presentes no preço de exportação, como por exemplo, ICMS, IPI, (PIS e COFINS). 24-Documentos Necessários para Exportar: Na exportação, a documentação necessária deve ser providenciada de acordo com o produto, as exigências do país comprador e as formalidades comuns de uso interno. Os principais documentos exigidos são: Fatura Pró-forma, Fatura Comercial, PackingListou Romaneio de Embarque, Nota Fiscal, Apólice de Seguro, Contrato de Câmbio de Compra, Boleto de 87

88 Compra e Venda Simplificado, Certificado de Origem, Certificado Fitossanitário- Fatura Consular, Registros Eletrônicos Siscomex, Saque ou Cambial. - O que é Registro de Exportação (RE): é o conjunto de informações de natureza comercial, financeira, cambial e fiscal que caracteriza a operação de exportação de uma mercadoria. -O que é Registro de Venda (RV): é o conjunto de informações que caracteriza instrumento de vendas de commodities ou de produtos negociados em bolsa (conforme Anexo C, da Portaria nº 12, de 3 de setembro de 2003, da SECEX), que deve ser objeto de registro no SISCOMEX, previamente à solicitação de RE e, por consequência, ao embarque. -O que é Registro de Operações de Crédito (RC): representa o conjunto de operações de caráter cambial e financeiro, nas exportações, com prazos de pagamento superiores a180 dias, que caracteriza as exportações financiadas. -Onde obter a documentação para preenchimento: Alguns dos documentos do processo de exportação são de responsabilidade do exportador, e sua preparação pode ser efetuada em papel carta, com a logomarca e os dados da empresa exportadora (nome, endereço, telefone, home page) ou em formulário específico, quando necessário. - Certificado de Origem: é o documento que atesta a origem da mercadoria para fins de obtenção de tratamento preferencial (Acordos) que representa, em geral, benefícios fiscais a serem auferidos pelo importador no ato da liberação da mercadoria na Alfândega ou apenas para cumprimento de exigência estabelecida, através de legislação do país importador. - Documentos necessários para o comércio de bens agrícolas: O documento básico para este tipo de exportação é o Certificado Sanitário/Fitos sanitários Internacional, que acompanha, obrigatoriamente, esses produtos até o seu destino. É emitido pelo Ministério da Agricultura e Abastecimento por meio do Serviço de Sanidade Vegetal (SSV) e da Divisão de Produtos de Origem Animal (DIPOA). -Lei do Bioterrorismo dos Estados Unidos: A lei atinge todas as empresas (domésticas e estrangeiras) que manufaturam, armazenam,estocam, processam, empacotam, distribuem e importam alimentos para o mercado norte-americano, ou seja, afeta não só os exportadores brasileiros, mas os do mundo todo. A lei também prevê a obrigatoriedade das empresas exportadoras, cujos produtos estiverem sujeitos ao Registro Prévio, nomearem um agente que resida em território americano, sendo este o principal contato entre o exportador e o FDA para casos rotineiros e para as emergências, devendo estar disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. 25-Contratação do Transporte: Para essa contratação, denominada Reserva de Praça o exportador deverá informar a Cia de transporte: tipo de mercadoria, embalagem e dimensões, número de volumes, peso líquido e bruto dos volumes, local de embarque e porto de destino e época desejada para embarque. Com esses dados a Cia poderá reservar a praça e informar o valor do frete a ser cobrado. - Seguro de Mercadorias: O seguro marítimo teve seu início no século XVII, em Londres, em um café pertencente a Edward Lloyd, onde os armadores se reuniam para trocar informações e ter suas mercadoria e embarcações seguradas em Londres. O objetivo do seguro é dar à carga proteção contra danos ou perdas, ou 88

89 seja, visa sempre repor um dano advindo da ocorrência de um sinistro. O seguro nunca deve ter como objetivo produzir lucros com relação ao bem segurado. - Estrutura do Sistema Nacional de Seguro Privado - CNSP (Conselho Nacional de Seguros Privados): é o órgão normalizador das operações de seguros no país; -SUSEP (Superintendência de Seguros Privados): tem por objetivo fiscalizar o cumprimento das normas estabelecidas pelo CNSP (corretoras e seguradoras); -IRB (Instituto de Resseguros do Brasil): regula, controla e fiscaliza as operações de resseguro, co-seguro e retrocessão, sempre seguindo as diretrizes emanadas do CNSP. - Bem Segurado: É qualquer bem que tenha valor econômico e pelo qual o segurado tenha pagado um prêmio à seguradora para protegê-lo do risco de danos e perdas. -Risco: É algo a que o bem segurado está sujeito e que independe da vontade das partes envolvidas. -Valor Segurado: É determinado pelo segurado e deverá sempre manter relação lógica com o seu valor real, pois o segurador poderá exigir uma comprovação deste. -Prêmio de Seguro: valor pago pelo segurado à empresa seguradora, de modo a ter os seus bens protegidos, e que cobre indenizações pagas aos segurados em caso de sinistro. DOCUMENTOS: - Apólice de Seguro: representa o contrato de seguro realizado entre as partes intervenientes e que tem valor jurídico. A apólice de seguro pode ser: -Simples ou Avulsa: é a apólice emitida para cada viagem/embarque quec obre um risco desde o local de origem da mercadoria até o local de destino, mencionando o momento em que tais riscos começam e findam. - Flutuante: é aquela na qual se estabelecem apenas as condições gerais do seguro e que é emitida para um tempo determinado, normalmente com máximo de 12 meses. Visa cobrir uma série de embarques individuais e consecutivos que vão sendo averbados à mesma. -Certificado de Seguro: É o documento que costuma substituir a apólice de seguro. É normalmente emitido pelas companhias seguradoras para cada embarque, quando há diversos embarques num determinado período de tempo, cobertos por uma apólice única, que pode ser Aberta ou Flutuante. - Averbação: documento utilizado para informar à seguradora sobre os bens a serem segurados, em caso de utilização de uma apólice Aberta ou Flutuante, para que possam ser considerados para efeito de cobertura. 26-Embarque da Mercadoria - Exame da Mercadoria a Exportar: É conveniente antes de se autorizar a saída da mercadoria para exportação que se faça um exame geral do lote, com o fim de evitar qualquer deficiência ou falha. -Conferência dos Documentos: Preparados os documentos cuja execução está nas mãos da empresa, obtidos os vistos necessários e obtidos ainda os documentos cuja emissão está a cargo de órgãos estranhos à empresa, a coleção dos documentos de exportação deverá sofrer conferência geral para atestar sua regularidade e providenciar complementos que se torne exigível. Todos os documentos devem manter uma uniformidade de informação. -Transporte para Embarque: As providências básicas que precedem e acompanham o transporte da mercadoria. 89

90 - Coleção dos Documentos de Exportação: Transportada a mercadoria para o local de embarque e efetuado seu despacho para o exterior, a empresa ficará de posse de uma série de documentos que comprovam a saída do produto para o comprador no exterior, e que deve merecer rigorosa conferência para comprovar a uniformidade de informações. Terminada a conferência relativa aos documentos, caberá encaminhá-los para os destinos respectivos. 27- Destino dos Documentos - Colecionar os Documentos: É o processo de recolhê-los nos diversos pontos onde foram produzidos, isto é, documentos produzidos na empresa (NF, Romaneio de embarque, fatura comercial,saque); documentos produzidos pela empresa mas validados em outros órgãos como a RE; documentos produzidos em outros órgãos como conhecimento de embarque,certificado ou apólice de seguro. -Conferência dos Documentos: deve compreender não só o exame individual de cada papel como também a relação que os documentos mantém entre si. -Destino dos Documentos -Entrega ao banco negociador do câmbio: É a entrega dos documentos ao banco que comprovam o direito às divisas contra um país no exterior e os documentos normalmente exigidos são: conhecimento de embarque, saque ou cambial e apólice de seguro. -Documentos para registro na empresa: Para fins de registro na empresa, os documentos de exportação irão interessar: - a contabilidade: (NF, contrato de câmbio, conhecimento de embarque, comprovante de seguro ); -serviços fiscais (NF, extrato da RE, conhecimento de embarque); -finanças (contrato de câmbio) -cobrança (cópia do saque ou cambial) -Comprovação da efetiva exportação: Isto ocorre quando há financiamentos específicos ou que utilizaram componentes importados sob regime de drawback. Arquivo dos documentos: Um arquivo de exportação está sujeito a verificação fiscal durante 5 anos, sendo verificado os seguintes documentos: fatura comercial, NF, RE, conhecimento de embarque, contrato de câmbio, apólice de seguro. 28-Normas e Controles de Qualidade - O que são padrões de qualidade? Para acessar um determinado mercado, um produto deve possuir duas características básicas: a) preço compatível com o mercado de destino; b) conformidade com o padrão de qualidade exigido pelo mercado. Padronizar significa uniformizar certa característica de um produto ou serviço e esta é a função dos diferentes padrões (ou normas) de qualidade existentes no mundo. As normas de qualidade para um produto estabelecem requisitos mínimos quanto às dimensões, composição química, acabamento, resistência, 90

91 durabilidade, pureza do material e outros. Há normas de qualidade para os diversos setores: indústria, saúde, meio ambiente e educação, entre outros. - Organizações que tratam de padrões de qualidade: Informações sobre os órgãos credenciados no Brasil para certificação e gerenciamento dos padrões de qualidade podem ser obtidas junto às seguintes entidades: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO). - O que é ISO 9000? - É um conjunto de normas que especificam requisitos para um sistema de qualidade, que é destinado prioritariamente à obtenção da satisfação do cliente pela prevenção de não-conformidades em todos os estágios, desde a produção até os serviços associados (assistência técnica). O conjunto de normas técnicas da International Organization for Standardization (ISO), denominado série 9000, tem reconhecimento mundial. Na realidade, é incorreto dizer que a empresa tem certificação ISO Ela é certificada quando atende aos requisitos das normas ISO 9001, 9002 ou 9003, descritas a seguir: -ISO 9001: é utilizada para o controle dos sistemas de qualidade durante todo o ciclo de desenvolvimento dos produtos, desde o projeto até o serviço. -ISO 9002: é usada por companhias nas quais a ênfase está na produção e na instalação. -ISO 9003: é dirigida a companhias nas quais sistemas abrangentes da qualidade podem não ser importantes ou necessários, como, por exemplo, as fornecedoras de mercadorias. A ISO é uma série de padrões internacionalmente reconhecidos por estruturar o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) de uma organização e o gerenciamento do desempenho ambiental. 29- Selo Ambiental: O Selo Ambiental, Selo Verde ou Rotulagem Ambiental é uma certificação emitida por um órgão reconhecido no setor ambiental, que atesta que um determinado produto atende aos requisitos de certificação impostos por este órgão. É importante que o exportador, ao buscar um selo ambiental, use uma entidade reconhecida internacionalmente. 30- Procedimentos básicos na Importação: Antes de se decidir pela importação de um produto de determinado fornecedor ou mercado, o importador deve elaborar uma planilha estimada contendo todas as despesas que incidirão sobre o processo. Relação das principais despesas que incidem diretamente sobre um processo de importação: -Preço do produto custo do produto podendo ou não estar incluído frete interno da fábrica ao porto de embarque; o custo da embalagem; as despesas com a obtenção da documentação; e as despesas para o desembaraço na origem. -Valor do frete internacional deve ser cotado, já que o valor da tarifa depende da mercadoria; da modalidade de transporte; do tipo da embarcação; do tipo, peso e dimensão das embalagens; do ponto de saída e chegada; e da existência ou não de consolidação de cargas. -Custo do seguro de transporte internacional também deve ser cotado, pois depende: da mercadoria; do tipo da embalagem utilizada; e da modalidade de transporte utilizada. 91

92 -Valor CIF da operação é a base de cálculo para a incidência dos impostos e demais despesas aduaneiras. - Impostos a incidência dos impostos e o valor a ser cobrado dependem da mercadoria (classificação fiscal); da política econômica vigente e dos acordos internacionais; e do regime da operação (ex.: regimes aduaneiros especiais, como o Drawback ou Importação Temporária, que conferem suspensão e até isenção do recolhimento dos impostos). -Despesas em portos, aeroportos ou entrepostos aduaneiros são despesas coma guarda da carga até o desembaraço. -Despesas bancárias dependem de negociações com o banco com o qual se está operando e da modalidade de pagamento acordada entre as partes. -Despesas com documentação taxas para emissão e registro de documentos no SISCOMEX. -Despachante aduaneiro negociação entre as partes. -Outras despesas podem ou não incidir no processo dependendo de suas características: Declaração de Trânsito Aduaneiro (DTA) para transitar com a carga de um ponto alfandegado a outro antes de seu desembaraço, demurrage: aluguel de container; e transporte interno. -ATENÇÃO: Caso o fornecedor no exterior embarcar a mercadoria antes da aprovação da LI não automática pelo Siscomex, você pagará multa de 30%, além dos impostos, quando for liberar a mercadoria na Alfândega. 31-Como Retirar a Mercadoria da Alfândega: Essa operação chama-se desembaraço aduaneiro, ou, liberação alfandegária. DI Declaração de Importação é o principal documento fiscal alfandegário que, após, os pagamentos dos impostos (II e IPI), praticamente considera-se que a mercadoria está nacionalizada, ou seja, internada em Território Brasileiro. 31- Despesas Gerais e Alfandegárias -AFRMM Adicional de frete para a Renovação da marinha Mercante. -SDA- Sindicato dos Despachantes Aduaneiros. É uma cobrança instituída pela classe dos despachantes de efeito não obrigatório, mas institucionalizada como uma tarifa que deve ser paga em todos os processos de importação. -CDA Comissão dos Despachantes Aduaneiros. Corresponde a prestação de serviços executados na preparação do despacho aduaneiro para liberação da mercadoria importada. -Despesas Bancárias - Se houve abertura de carta de crédito, as taxas podem variar de 0,5% a 3% do valor negociado para a remessa ao exterior. Se for cobrança, as taxas poderão ser menores em torno de 1%. -Despesas Portuárias e Aeroportuária A mercadoria ao ser descarregada já começa a pagar taxa de armazenagem para o primeiro período considerado de 15dias. -Capatazia São despesas ocorridas dentro da zona primária, ou seja, na área da alfândega, local de fiscalização e abertura das caixas, onde ocorre todo o trâmite legal para liberação da mercadoria. -Despesas Diversas São fotocópias, impressos, despesas para emissão de documentos extraordinários, etc. -Frete Interno Transporte do porto até o depósito do importador. 92

93 ANEXOS 93

94 94

95 ROTINAS ADMINISTRATIVAS Prof.: Edvaldo da Cruz 95

96 1-Administração Administração constitui um importante atividade em nossa sociedade que se baseia no esforço cooperativo do homem por meio das organizações.tem como tarefa básica fazer as coisas por meio das pessoas, com os melhores resultados. Em qualquer tipo de organização humana, busca-se o alcance de determinados objetivos com eficiência e eficácia. A teoria da Administração estuda a administração das empresas do ponto de vista da interação e da interdependência entre as seis variáveis principais, quais sejam: tarefa; estrutura; pessoas; tecnologia; ambiente e competitividade. A administração é o processo que consiste no planejamento, organização, direção e controle, para determinar e alcançar os objetivos da organização pelo uso de pessoas (Terry, 2004) Funções administrativas Fayol foi o primeiro a definir as funções básicas do Administrador: planejar, organizar, controlar, coordenar e comandar - POCCC. Atualmente, sobretudo com as contribuições da Abordagem Neoclássica da Administração, em que um dos maiores nomes é Peter Drucker, os princípios foram retrabalhados e são conhecidos como Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar (PODC). Ressalte-se, então, que destas funções as que sofreram transformações na forma de abordar foram "comandar e coordenar" que atualmente chama-se apenas dirigir (Liderança). Atualmente, as principais funções administrativas são: -Fixar objetivos (planejar); -Analisar: conhecer os problemas; -Solucionar problemas; -Organizar e alocar recursos (recursos financeiros e tecnológicos e as pessoas); -Comunicar, dirigir e motivar as pessoas (liderar); -Negociar; -Tomar as decisões (rápidas e precisas); -Mensurar e avaliar (controlar) Quais são os outros nomes desta profissão? - Supervisor Administrativo / Assistente de Escritório / Auxiliar de Escritório 1.3. Quais são as tarefas e responsabilidades desta profissão? -Digitar cartas, relatórios, memorandos, atas de reunião e outros documentos. -Preparar apresentações e planilhas. -Organizar reuniões, apresentações, jantares e outros eventos. -Elaborar atas nas reuniões. -Organizar viagens. -Manter organizado os arquivos da empresa ou setor. 96

97 -Solicitar móveis, papéis, formulários e outros materiais usados no escritório. -Ajudar na recepção se necessário. -Elaborar orçamentos e relação de estoque. -Pagar contas, faturas bancárias e fazer faturamento. -Manter organizado o escritório. -Sugerir e implementar novos métodos de trabalho. -Contratar e treinar novos auxiliares de escritório. -Conscientizar os funcionários para os procedimentos de segurança Habilidades Necessárias -Boa habilidade de: comunicação escrita e oral, usar computadores, processadores de textos e planilhas eletrônicas, resolução de problemas, planejamento e organização. -Firme em cálculos. -Saber trabalhar sob pressão, priorizar tarefas e honrar compromissos de datas de término de serviços e saber manter informações confidenciais Conhecimentos Necessários -Conhecer métodos, sistemas, procedimentos, equipamentos de trabalho em um escritório. -Deve saber o que cada pessoa da empresa faz, elaborar orçamentos e elaborar relatórios, manter registros e controles. Qualidades Pessoais: Ter iniciativa, organizado, paciente, diplomáticos, habilidade de relacionar-se com pessoas diferentes e saber adaptar-se a novas tarefas. 2- Atribuições e Responsabilidades do Assistente Administrativo A função básica do assistente administrativo é dar apoio à diretorias, gerências, chefias de departamento e setores que atuam nas diferentes áreas de uma empresa. Portanto, todo cargo de chefia pressupõe a existência de um assistente administrativo para auxiliar. O assistente administrativo desempenha atividades que apoiam, facilitam ou complementam as funções específicas do seu chefe, liberando-o de muitas delas sempre que possível. Estas atividades estão, em sua maioria, diretamente vinculadas ao tipo de trabalho que a empresa desenvolve e ás funções exercidas por seu chefe. Em alguns casos, o (a) Assistente Administrativo presta, também, apoio aos profissionais que integram a equipe do departamento ou setor ao qual está ligado (a). Não é fácil relacionar todas as responsabilidades e atribuições dessa função, mas a seguir destacamos as mais típicas, que compões sua rotina de trabalho: -Organizar o local de trabalho, agenda e manter o sistema follow-up; -Estabelecer seu dia-a-dia, sua rotina de trabalho; -Despachar com o chefe; -Recepcionar os visitantes, atender aos telefonemas e fazer ligações, além de anotar recados; 97

98 -Redigir, digitar correspondência e outros documentos; -Receber e expedir correspondência; -Marcar, preparar e secretariar reuniões; -Tomar providências relativas a viagens; - Controlar o caixa pequeno. Pode, eventualmente, fazer parte de suas atribuições a supervisão de funcionários, tais como auxiliares e office-boy. Sua responsabilidade consistirá na distribuição de tarefas a estes funcionários e no acompanhamento da execução dessas tarefas. Distribuir tarefas é um trabalho que exige conhecimento prévio do problema mais comum da área, para que seja encaminhado da melhor forma possível. Isto implica, necessariamente, planejamento, ou seja, que fique claramente definido o que deverá ser feito, de que forma, por quem e em que prazos Relações Humanas no Trabalho Além dos conhecimentos técnicos específicos da função que exerce você, como assistente administrativo, deve conhecer certos princípios de relações humanas no trabalho. Precisa estar permanentemente, atento ao relacionamento interpessoal, pois sua dinâmica de trabalho é marcada pela constante comunicação com seu chefe, com os demais funcionários e com as pessoas que mantém negócios com as empresas. É fundamental que você desenvolva espírito de equipe e mantenha um bom nível de entrosamento entre os componentes do grupo, além de um ambiente de trabalho agradável, para a realização das tarefas com maior interesse e perfeição. É importante, também, que mantenha um bom nível de comunicação não só com seu pessoal, mas também com seus superiores hierárquicos, observando determinadas normas de conduta ligadas a princípios de ética profissional, dentre as quais podemos citar: -Manter absoluto sigilo e discrição a respeito de tudo que possa acontecer em seu local de trabalho, jamais deixando transparecer a pessoas estranhas o que se passa; você, como assistente administrativo, detém informações sobre as transações comerciais da empresa que, em sua maioria são sigilosas; -Assumir integralmente suas responsabilidades, tendo em vista que sua atuação é indispensável ao bom funcionamento da empresa; -Ter iniciativa no trabalho, buscando realizar todas as suas atribuições e encargos, e resolvendo, de melhor forma possível, qualquer situação problemática daí decorrente; -Ser extremamente pontual e eficiente, não perdendo de vista a eficácia, ou seja, a busca da qualidade e de bons resultados no seu desempenho como profissional. 3- Hierarquia das Necessidades - Teoria da Motivação de Maslow Maslow procurou compreender e explicar o que energiza, dirige e sustenta o comportamento humano. Para ele, o comportamento é motivado por necessidades a que ele deu o nome de necessidades fundamentais. Tais necessidades são baseadas em dois agrupamentos: deficiência e crescimento. As necessidades de deficiência são as fisiológicas, as de segurança, de afeto e as de estima, enquanto que as 98

99 necessidades de crescimento são aquelas relacionadas ao auto-desenvolvimento e auto-realização dos seres humanos (HUITT, 1998). Para ele, tais necessidades apresentam-se numa hierarquia de importância e premência, conforme ilustrado a seguir: Hierarquia das Necessidades Pirâmide Motivacional Fonte: Adaptado de Chiavenato, As necessidades fisiológicas se referem às necessidades biológicas dos indivíduos, como a fome, a sede, o sono. São as mais prementes e dominam fortemente a direção do comportamento caso não estejam satisfeitas. As necessidades de segurança surgem na medida em que as necessidades fisiológicas estejam razoavelmente satisfeitas. Levam a pessoa a proteger-se de qualquer perigo, seja ele real ou imaginário físico ou abstrato. Tendo satisfeitas as necessidades acima, surgem as necessidades de amor, afeição e participação. Segundo Maslow (1975) esta se refere à necessidade de afeto das pessoas que consideramos (namorado, filhos, amigos). São necessidades sociais presentes em todo ser humano:... a pessoa passa a sentir, mais intensamente do que nunca, a falta de amigos, de um namorado, de um cônjuge ou de filhos (...) seu desejo de atingir tal situação será mais forte do que qualquer coisa no mundo (Maslow, 1975: 350). Para ele a frustração dessas necessidades leva à falta de adaptação e a psicopatologias graves. As necessidades de estima se referem às necessidades ou desejos das pessoas de uma auto-avaliação estável, bem como, uma auto-estima firme. A satisfação desta necessidade gera sentimentos de auto- 99

100 confiança, de valor, de capacidade e sentimento de utilidade. Sua frustração leva os sentimentos de inferioridade, fraqueza e desamparo (Maslow, 1975:351). As necessidades de auto-realização são necessidades de crescimento e revela uma tendência de todo ser humano em realizar plenamente o seu potencial. Essa tendência pode ser expressa como o desejo da pessoa tornar-se sempre mais do que é e de vir a ser tudo o que pode ser (Maslow, 1975:352). Além da auto-realização, posteriormente, Maslow acrescentou à sua teoria, o desejo de todo ser humano de saber e conhecer e de ajudar os outros a realizar seu potencial. Há assim, uma necessidade natural do ser humano de buscar o sentido das coisas de forma a organizar o mundo em que vive. São necessidades denominadas cognitivas e inclui os desejos de saber, de compreender, sistematizar, organizar, analisar e procurar relações e sentidos (Maslow, 1975:354). Maslow, entretanto, conclui que sua teoria motivacional não é a única a explicar o comportamento humano, pois nem todo comportamento é determinado pelas necessidades. Afirma ainda que as necessidades fundamentais são, em grande parte, inconscientes. Para ele fatores sócio-culturais influenciam na forma ou objetos com que os homens buscam satisfazer suas necessidades, mas não modifica substancialmente a hierarquia motivacional proposta. 4- Marketing Pessoal É importante, antes de aprofundarmos sobre o tema central, entendermos o momento pela qual passamos suas transformações e seu legado, para que possamos compreender a importância e aplicabilidade do Marketing Pessoal. É fato que, grande parte de todo este processo de mudanças e velozes transformações pelos quais estamos vivenciando, é decorrente de dois fatores principais: a globalização e o desenvolvimento tecnológico. O mundo como conhecemos hoje faz parte desse processo ou advém dele. A partir desses dois fatores, outros vieram compor o cenário atual: busca permanente pela qualidade do produto, serviços e de vida; maior presença da mulher no mercado de trabalho e em outros segmentos da sociedade, até então predominantemente masculina; segmentação do consumo, para atender novos mercados cada vez mais competitivos e exigentes; trabalho em equipe, como propulsor da revolução do comportamento interno nas organizações, onde se faz mais com menos gente; conceito e prática da melhoria contínua aplicada a processos e pessoas. Diante desse cenário e muitas outras transformações ocorridas no meio organizacional e social, surgiu o Marketing Pessoal, como forma de revalorização das capacidades e competências do homem. Fazse necessário uma boa dose de planejamento e estratégia, que são os pilares do Marketing Pessoal, ou seja, como destacar-se a meio a tantos e atingir o sucesso global. Para isso destaco algumas delas a seguir, lembrando que em todo processo de desenvolvimento pessoal é importante preservarmos nossas características, evitando a busca de ser aquilo que não somos. O primeiro passo é construir uma auto-imagem positiva e otimista. As pessoas esquivam-se daqueles que estão sempre mal humorados ou torcendo para tudo dar errado. 100

101 Como nos ensina as sucedidas estratégias do marketing tradicional, todo produto necessita de uma boa embalagem. Portanto, cuide da sua comunicação e apresentação pessoal, pois são os seus cartões de visitas. Demonstre iniciativa, persistência e motivação em tudo que faz. Certamente isso trará a atenção das pessoas, identificando-o como alguém interessante e interessado. Fique atento ao Feedback. Saber o que as pessoas pensam a seu respeito pode ajudar a mudar pequenos hábitos e costumes se necessário. Muitas vezes pela pressão do dia-a-dia, esquecemo-nos das pessoas consideradas sem importância ; como o porteiro, a faxineira, o guarda, o manobrista, o atendente etc. Porém, imagine o mundo sem o trabalho e a dedicação destas pessoas. Seja justo e pontual com seus compromissos. Atenda as pessoas rapidamente, se não for possível pessoalmente, escreva, telefone, mas responda as chamadas depressa. Saiba atender um pedido, auxilie, preste ajuda. Muitas vezes uma ajuda desinteressada pode transformar-se em uma grande amizade ou a conquista da admiração pelas demais pessoas. Tenha prazer no que faz e faça com prazer, pois se você não fizer por você, quem o fará? Tente sinceramente não dizer nada negativo ou de julgamento sobre outra pessoa durante todo o dia. Venda corretamente sua imagem: ser competente e parecer competente. Com todas estas estratégias em mãos, utilize o bom senso para distinguir aquilo que é possível fazer, aquilo que não irá comprometer sua essência. Sem dúvida, o Marketing Pessoal é uma técnica eficaz para o sucesso global, mas se utilizada de forma correta e bem intencionada, valorizando as pessoas no caminho para o sucesso pessoal e profissional. Para finalizar, vale refletir sobre o que o jornalista Whit Hoss escreveu: sucesso é acordar de manhã não importa quem você seja, onde você esteja, se é velho ou se é jovem e sair da cama porque existem coisas importantes que você adora fazer, nas quais você acredita, e em que você é bom. Algo que é maior que você, que você quase não agüenta esperar para fazer hoje. 5- ATENDIMENTO 5.1. Atendimento direto: Consideramos como atendimento direto, aquele que o atendente realiza através do contato pessoal com o cliente, isto é, frente a frente com o cliente. E exatamente por estar face a face, o atendente é capaz de perceber, com mais clareza, os detalhes da situação, podendo, assim, melhor auxiliar o cliente na tomada de decisão. Nesse tipo de atendimento é preciso agir com o máximo de serenidade, deixando de lado os excessos, para que o cliente se concentre nos fatos, e não desvie sua atenção da situação Atendimento Indireto: Esse tipo de atendimento caracteriza-se por envolver a palavra escrita ou a palavra falada, mas dessa vez de modo impessoal. A palavra escrita se apresenta na correspondência, folder, internet, fax entre outros instrumentos que, em geral, a empresas envia para o cliente. A palavra falada impessoal vem, por exemplo, através dos telefonemas. Através desse instrumento não podemos visualizar as reações do cliente, nem ele a nossa, embora possa haver troca real de feedback no próprio momento da comunicação. Mensagens em vídeo, secretária eletrônica, fita cassete, CD-ROM, são outros exemplos de comunicação por meio de palavra falada de forma impessoal. O telefone talvez seja um dos canais mais utilizados na comunicação empresarial. 101

102 Qualquer um destes contatos deve ser realizado através de técnicas adequadas, pois os clientes precisam de exatidão, presteza e segurança do nosso atendimento, seja ele direto ou indireto. No atendimento aos clientes, as idéias e informações não podem e não devem ser desperdiçadas. Por isso, é tão necessário conhecer e praticar algumas técnicas quando se utiliza, profissionalmente, este importante instrumento de comunicação, 6-Como Atender bem os diferentes Tipos de Clientes Existem várias regras para atender bem aos clientes e muitas delas são tão simples que algumas empresas acreditam que não há necessidade de trabalhar com elas. Desde um simples aperto de mão até a mais sofisticada demonstração de conhecimento sobre o produto/serviço. Acredite! Todas somam e tem peso no resultado final. Doze regras de como atender bem. -1 a Trabalhe com o nome: Diga qual é o seu e pergunte qual é o nome dele. O atendimento personalizado, além de quebrar o gelo, aproxima as pessoas facilitando assim a descoberta das necessidades do cliente. -2 a Dê atenção: Seja todo exclusivo de seu cliente, ouça-o com cuidado e procure identificar quais são suas verdadeiras necessidades. Questione-o se for preciso. -3 a Argumentação sobre o produto/serviço: Se você sentir no decorrer da argumentação a mesma estiver se transformando em um debate, desvie a conversação para outro assunto. Há pouco lucro em ganhar uma discussão e perder um cliente. -4 a Falta de conhecimento do produto/serviço: Pesquise tudo sobre seus produtos e serviços. Busque compará-los com seus substitutos ou similares. Prepare-se mil vezes antes de fazer uma apresentação. Leia revistas, manuais técnicos e guarde tudo que você puder como testemunho físico da veracidade de suas argumentações. -5 a Conheça a concorrência: Visite, e, se possível, seja cliente da concorrência. Só assim você poderá saber o que estão fazendo para fazer melhor. -6 a Falar mal das marcas dos concorrentes: Nunca fale mal das marcas dos concorrentes. Preocupe-se em elogiar a sua, pois você poderá ofender um cliente que já comprou da concorrência. -7 a Uma só saída: Para o cliente não existe uma só saída: ou esta ou aquela. Procure dar o máximo de opções, pois caso ele não se enquadre nenhuma das suas alternativas, você corre o sério risco de perdê-lo para a concorrência. -8 a Erros, falhas, trocas etc: Seja com o produto ou com o serviço, se você errou... assuma. Demonstre que você lamenta e que está pronto para ajudá-lo, pois falhas acontecem e tentar encobrir um erro, pode ser o fim de um relacionamento. 9 a Educação: Seja simpático, amável e cortês. Nesses grandes momentos você é a imagem total de sua empresa. Sorria! -10 a Mulheres na frente: Cuidado! Procure tratar seus clientes com imparcialidade. Seja justo! Nunca atenda amigos ou familiares na frente de outros clientes. 102

103 -11 a - Pesquise antes: Busque descobrir as necessidades de seus clientes, e depois, só assim tente satisfazêlos. A pressa pode levar você e seus clientes a perderem tempo e dinheiro. -12 a Aparência: Procure cuidar de si e de sua empresa. Sua imagem será lembrada positivamente ou negativamente pelo seu cliente. 7-O Trabalho em Equipe O que é efetivamente uma equipe? Equipe, por definição, é um conjunto ou grupo de pessoas que se aplicam a uma tarefa ou trabalho. Mas ter o sentido de equipe é muito mais do que isso. Pelo que você pode perceber muito se fala de união, coesão, entrosamento, sentido de coletividade, solidariedade. É tudo isso que ajuda a formar realmente uma equipe. E hoje em dia é praticamente impossível estabelecer relações eficazes no ambiente de trabalho sem um sentido de equipe. As múltiplas tarefas e as intensas responsabilidades exigem sempre participação de todos. NINGUEM CONSEGUE FAZER TUDO SOZINHO, E NEM DEVE TENTÁ-LO. Quando um trabalho é partilhado, os resultados aparecem mais facilmente, os erros podem ser minimizados, reduzindo ou até mesmo eliminados. Os grupos ficam confiantes e passam a ser confiáveis. De uma forma ou de outra, todos ganham. Por estarem atentas a essa realidade, as empresas vêm incentivando o desenvolvimento do sentido de equipe em seu grupo de trabalhadores, através de situações que possam favorecer a coesão, a solidariedade, o compromisso mútuo e a co-responsabilidade. O sentido de equipe nasce da integração indivíduo-organização, evidenciada pela adesão espontânea do trabalhador aos compromissos e metas da empresa, sem imposição de valores ou de procedimentos. Assim, só existe equipe quando todos os que integram um grupo estão verdadeiramente comprometidos com a mesma meta. Só existe equipe quando todos conhecem os objetivos, estão cientes da necessidade de alcançá-los e desenvolvem uma visão crítica a respeito do desempenho de cada um do grupo como um todo. Mas que condições são necessárias para um verdadeiro trabalho em equipe? Que aspectos devem ser considerados por todos que integram um grupo? -As oportunidades surgem para quem está preparado e atento: Conhecimento a respeito do trabalho, atenção, disponibilidade para colaborar com os colegas do trabalho e humildade para procurar ajuda, quando necessário, são algumas das condições que propiciam o aparecimento de novas oportunidades. -Quando um do grupo não participa, todos os outros sofrem uma sobrecarga: Integrar um grupo pressupõe participação ativa. Ninguém deve ficar esperando que o outro faça aquilo que pode ser realizado em conjunto. Responsabilidade, participação e cooperação devem estar sempre presentes nas relações de um grupo. 103

104 -Cooperar é fundamental: O empenho de cada um em dar sua contribuição, da preferência superando as expectativas, e a disposição de todos em favor da cooperação mútua são condições naturais para a consecução dos objetivos individuais da organização como um todo. Sempre que aceitamos o outro como parceiro (e não como adversário!) estamos colaborando para a obtenção de bons resultados tanto para o indivíduo quanto para a empresa. Quando ajudamos um colega que está com dificuldades de atingir sua meta estamos, na verdade, ajudando a própria empresa e adquirindo mais experiência pessoal para enfrentar futuros desafios. Quando todos cooperam as tarefas se tornam mais fáceis de serem cumpridas. -Todos os membros de um grupo estão sujeitos às mesmas conseqüências: É difícil trabalhar em grupo, quando não se sabe lidar com o outro. Quando não conseguimos perceber no outro um colega, quando encaramos os companheiros de trabalho como adversários e até como inimigos, não sabemos trabalhar em grupo, muito menos em equipe. -Em Equipe: O que um sofre, todos sofrem; quando um ganha, todos ganham. 8-Documentos que o Assistente Manuseia Diariamente, o assistente administrativo terá documentos para preencher ou conferir, antes de encaminhá-los a seu chefe Cheque Cheque é uma ordem de pagamento à vista emitida contra um banco em que se tenha conta corrente. Trata-se de um documento padronizado, que serve para fazer pagamentos ou retirar dinheiro, embora, em geral, não tenha as mesmas garantias do dinheiro. A pessoa que assina o cheque é o emitente. Diz-se que ela o emite contra um banco, porque este deve pagar o cheque à pessoa que o apresentar ao caixa. Os cheques recebem diferentes denominações, de acordo com a forma como são preenchidos e conforme a garantia que apresentam. -Cheque ao portador: É o cheque que não contém a indicação do beneficiário ou favorecido. Qualquer pessoa que o apresentar ao caixa do banco retirar o dinheiro, até o valor-limite determinado pelo Banco, por ocasião do saque, na medida em que o cheque não esteja cruzado. -Cheque nominal: É aquele que consta o nome da pessoa ou empresa que deve recebê-lo (beneficiário ou favorecido). O banco só pagará este cheque ao respectivo favorecido, mediante identificação caso queira passar a uma terceira pessoa, o beneficiário do cheque deverá endossá-lo, assinando no verso. -Cheque cruzado: Este é carimbado ou riscado com traços paralelos transversais. Neste caso, a pessoa que vai receber o dinheiro deve depositá-lo em sua conta bancária, pois só o banco poderá cobrá-lo. Se o cruzamento levar o nome de um banco, somente neste banco deverá ser depositado o cheque. 104

105 -Cheque administrativo: É aquele utilizado pelo beneficiário, caso não queira transportar grandes somas de dinheiro em viagens ou mesmo em pequenos deslocamentos. O cheque administrativo pode ser retirado em qualquer agência do banco, até mesmo em outras cidades. -Cheque especial: É aquele em que o banco garante o pagamento até um determinado limite. -Cheque comprado ou ordem de pagamento por cheque: É um cheque nominal, emitido por qualquer banco, a pedido de qualquer pessoa interessada. Ela vai ao banco e compra o cheque para remetê-lo ao favorecido Nota Promissória: Nota promissória é um documento que representa uma promessa de pagamento feita pelo devedor ao credor. Para ter validade, a nota promissória deverá estar totalmente preenchida, assinada e registrada em cartório de ofício. Esta aplica-se a diferentes situações, tais como: empréstimo de banco, financiamento, crediário em lojas, etc. a empresa que vende ou o banco que empresta emite a nota promissória, que deve ser aceita, isto é, assinada pela pessoa que comprou ou conseguiu o empréstimo. Quando uma pessoa faz compras a prazo, por exemplo, ela assina uma nota promissória e compromete-se a pagar a dívida em determinada data. As notas promissórias possuem, no verso ou no canhoto, espaços destinados às assinaturas de avalistas (pessoas que garantem ou afiançam seu pagamento) Recibo: Documento onde uma pessoa declara ter recebido determinada quantia. O recibo é uma prova de pagamento emitida pela pessoa ou empresa a quem se está pagando determinada dívida. Do mesmo modo, os bancos devem dar recibos de depósitos aos clientes que estão depositando dinheiro e/ou cheque Nota Fiscal: É um documento que o vendedor emite, por ocasião da efetivação de uma venda, para acompanhar a mercadoria. A nota fiscal serve como prova de que a compra foi realizada e, também para fins de fiscalização. A sua emissão é obrigatória, por exigência da lei, devendo a nota acompanhara mercadoria comprada. Existem diversos tipos de notas fiscais, que variam de acordo com a venda, obedecendo à legislação, trazendo mais detalhes referentes a comprada de mercadoria. A nota fiscal, por exigência legal, tem, de acordo com sua finalidade, a determinação mínima do número de vias. Podem, porém, ser acrescidas tantas vias quantas a empresa achar necessário para efeito de controles específicos tais como: faturamento, livro fiscal, estatísticas, contabilidade, etc. 8.5 Fatura: é um documento na qual se relaciona as notas fiscais (número e valor) que deverão ser pagas em determinadas datas. Esse documento funciona como um aviso de cobrança: indica quanto o comprador deve pagar, em que data e em que condições devem efetuar o pagamento. As faturas são usadas, normalmente, na realização de vendas a prazo. 8.6 Duplicata: é o documento pelo qual o devedor conhece sua dívida referente a uma fatura. É praticamente uma cópia da fatura. O processo é o seguinte: 105

106 1. A empresa emite a fatura; 2. Emite, em seguida a duplicata da fatura, com os mesmos dados; 3. Envia esses dois documentos ao devedor; 4. O devedor fica com a fatura e devolve duplicata, após tê-la assinado e datado; 5. Ao assinar e datar a duplicata, o devedor faz o aceite, isto é, reconhece a dívida e promete pagá-la no prazo marcado. A duplicata serve como prova de existência da dívida. Ela deve conter dados do devedor (emitente) e dados do comprador (sacado), além de suas assinaturas. O comprador, ao assinar e datar a duplicata está reconhecendo ou aceitando a dívida Comunicação Telefônica O telefone é um importante instrumento de trabalho para todo profissional, por se tratar de um meio de comunicação rápido, eficiente e, e bastante prático. Faz parte do requisito básico da função de assistente que você se utiliza desse recurso com habilidade e de forma apropriada. Muitos dos contatos com clientes e pessoas relacionadas com a empresa são feitos via telefone. Através dele concretizam-se os mais diversos assuntos relacionados com o trabalho. É preciso, no entanto, muita habilidade nas comunicações telefônicas por parte do assistente. Nas ligações destinadas a seu líder, tratando-se de pessoas desconhecidas, você deverá obter todas as informações possíveis, tais como o nome da pessoa, a que empresa pertence, que assunto pretende tratar, dentre os outros. Isto porque, nestes casos, caberá a você ter discernimento para identificar as ligações que deverão ou não ser passadas a seu líder, procurando, assim, não importuná-lo ou interrompê-lo em seu trabalho para atender aos telefonemas que, possivelmente, não seja de seu interesse. Nestas situações, use de sua inteligência, perspicácia e habilidade, anotando sempre o telefone, o nome ou qualquer recado que a pessoa queira deixar, dizendo que oportunamente será efetuado o contato. A partir daí, fica a critério de seu líder decidir para quem irá ligar ou não, não deixando você, porém de ser atencioso e gentil com todos que venha a atender. Existem formas padronizadas para atender a um telefonema, mas com certeza você desenvolvera formas próprias, que, certamente, não fugirão ao padrão de habilidade, gentileza e profissionalismo a ser observado. Nunca se esqueça de Ter a mão caneta, um bloco de recados, folhas de papel-lembrete ou um bloquinho de folhas auto-adesiva, muito utilizado para anotação de recados. Há também blocos impressos específicos para esse fim. 10- Reuniões e Viagens Realização de Reuniões Geralmente, as empresas dispõem de um calendário fixo de reuniões periódicas. Todavia, em razão de imprevistos, pode-se determinar a realização de reuniões, com pouca antecedência, em caráter 106

107 extraordinário. Podemos afirmar, então, que as reuniões se classificam em ordinárias (previstas no calendário) e extraordinárias (reuniões imprevistas). Os resultados de uma reunião dependem, em sua maioria, de seu planejamento. Uma reunião bem preparada, certamente, assegura um bom desenvolvimento e um nível elevado de objetivos atendidos. As reuniões são, em geral, realizadas com o intuito de discutir e deliberar sobre problemas diversos, objetivando tomada de decisões relativas ao funcionamento e à administração da empresa. O assistente tem uma série de responsabilidades no que se refere ao bom andamento dos trabalhos, independentemente do tipo de reunião a ser realizada. Deve, portanto tomar providências para sua convocação e cuidar de todos os demais aspectos, com objetivo de que a reunião se realize de forma a atender expectativas Convocações e Reuniões Uma vez marcada data e hora de uma reunião, estuda-se com o chefe o número de participantes a serem convocados. Deve-se avisar a cada um deles, mesmo que sejam funcionários da própria empresa. A convocação para uma reunião pode ser por meio de carta, edital, telex, fax ou até mesmo por telefone. A comunicação escrita, para este fim, deve ser simples e objetiva, deixando bem claros os assuntos a serem tratados, a hora, a data e o local de realização da reunião. O assistente estudará com seu líder os itens principais a serem discutidos. Esses tópicos constituirão a pauta da reunião, também chamada agenda. A pauta constitui um dos elementos mais importantes de uma reunião, pois através dela tem-se uma visão completa dos temas a serem abordados e um delineamento positivo da reunião em si. É importante que os objetivos da reunião sejam bem definidos e incluídos na pauta, para evitar desvirtuamento dos assuntos a serem tratados e para inteirar os participantes. Cópias da pauta poderão ser enviadas, previamente, aos participantes, ou distribuídas no início da reunião. Mesmo que a convocação tenha sido feita por escrito, deve-se telefonar para cada um dos participantes, relembrando-os do compromisso, um pouco antes da reunião. 11-VIAGENS Preparação de Viagens Executivos e altos funcionários de empresa viajam, freqüentemente, a negócios. As viagens fazem parte de suas atividades profissionais, eles são solicitados a fazer contatos com clientes em outras cidades, assinar contratos, etc., podendo, inclusive, viajar para o exterior. Cabe ao assistente auxiliá-lo nos preparativos para a viagem. A primeira medida é inteirar-se do roteiro de viagem. O assistente deve estudar, com o líder, o roteiro a ser percorrido bem como a sua permanência em cada local. Desse modo, poderá ser tomada qualquer providência relativa a transporte e hospedagem. Estabelecido o roteiro, pode-se definir o meio de transporte que se pretende utilizar (avião, ônibus ou automóvel). Feito isso, será necessário obter informações sobre os horários (saída e chegada) ou tempo de viagem, contabilizando-os com as necessidades 107

108 do líder. Muitas empresas utilizam os serviços de agências de viagens, pois elas se encarregam de todas as providências de transporte e hospedagem, além de confirmarem as passagens de ida e volta e reservarem hotéis. Se o assistente for encarregado de fazer a reserva de passagem, deverá ter o cuidado de solicitar a data-limite dessas reservas para não perdê-la. Quanto à reserva do hotel, mesmo que feita por telefone, deve ser solicitada confirmação por escrito, para garantia de lugar disponível. Cabe ainda providenciar tudo aquilo de que, provavelmente, sua líder precisa nesta viagem de negócios: relatório, catálogos, correspondências trocadas com a empresa que irá visitar folhetos promocionais da empresa, etc. Recomenda-se, também, que seja preparada uma lista de endereços e telefones de entidades e empresas existentes nos locais a serem visitados, caso o líder se interesse em manter contato com estas instituições Período de Ausência do Líder: Se não ocorrer substituição do líder, ele deverá definir os procedimentos a serem adotados durante sua ausência, quanto aos problemas em geral e, especialmente, aos assuntos pendentes, assim como sobre o que fazer com a correspondência recebida e como resolver, da melhor maneira, os casos que se apresentarem. Normalmente, o assistente deverá continuar a abrir as correspondências diárias e responder às cartas de rotina. Na véspera do retorno do líder, deve ser preparado um relatório das atividades de rotina do escritório: quem telefonou, as visitas, o andamento dos serviços e a descrição das providências tomadas. É, também, aconselhável organizar a correspondência e os documentos que a ele serão entregues, assim que chegar. Deve-se inspecionar a sala do líder e verificar se tudo esta em ordem. No retorno do líder o assistente deve estar preparado para anotar as medidas a serem tomadas, em virtude dos contatos mantidos, e para ajudá-lo na elaboração do relatório de viagem. 12- TÉCNICAS E MODELOS DE DOCUMENTOS COMERCIAIS ATA Ata é o resumo escrito dos fatos e decisões de uma assembléia, sessão ou reunião para um determinado fim NORMAS Geralmente, as atas são transcritas a mão pelo secretário, em livro próprio, que deve conter um termo de abertura e um termo de encerramento, assinados pela autoridade máxima da entidade ou por quem receber daquela autoridade delegação de poderes para tanto; esta também deverá numerar e rubricar todas as folhas do livro. Como a ata é um documento de valor jurídico, deve ser lavrada de tal forma, que nada lhe poderá ser acrescentado ou modificado. Se houver engano, o secretário escreverá a expressão digo, retificando o pensamento. Se o engano for notado no final da ata, escreverse- á a expressão Em tempo: Onde se lê..., leia-se.... Nas atas, os números devem ser escritos por extenso, evitando-se também as abreviações. As atas são redigidas sem se deixarem espaços ou parágrafos. a fim de se evitarem acréscimos. O tempo verbal 108

109 preferencialmente utilizado na ata é o pretérito perfeito do indicativo. Quanto à assinatura, deverão fazê-lo todas as pessoas presentes ou, quando deliberado, apenas o presidente e o secretário. Permite-se também a transcrição da ata em folhas digitadas, desde que as mesmas sejam convenientemente arquivadas, impossibilitando fraude. Em casos muito especiais, usam-se formulários já impressos, como os das seções eleitorais Carta Oficial: Carta oficial é um tipo de correspondência utilizada por alguns órgãos públicos, em situações não-cerimoniosas, com relação a pessoas estranhas ao serviço público. Modernamente, as cartas oficiais vêm sendo absorvidas pelos ofícios, e estes cada vez mais se generalizam Memorando: O memorando é um documento utilizado para comunicação entre unidades, divisões ou setores de uma instituição ou empresa. Trata-se de uma forma de comunicação escrita e eminentemente formal, trazendo eficiência na transmissão de dados. OBSERVAÇÃO: Se um memorando, um oficio ou uma carta forem dirigidos multidirecionalmente, serão chamados de memorando-circular, ofício-circular e carta-circular Circular: A carta circular, ou ofício circular, é o escrito por meio do qual são transmitidas informações internamente em uma organização pública ou privada. Muito comum para disseminar mensagens entre empregados de uma empresa Comunicado Interno (Comunicação): A comunicação, quando pública, assemelha-se ao edital; quando interna, assemelha-se ao memorando. Quando publicada pela imprensa, a comunicação deve ter o verbo na terceira pessoa, porque é veiculada por terceiro(s) - correspondência indireta Contrato: Contrato é um acordo entre duas ou mais pessoas (físicas ou jurídicas) para estabelecer, modificar ou anular uma relação de direito. O assunto pode ser o mais variado possível: compra, venda, prestação de serviço, etc. Um contrato de maior seriedade e com implicações jurídicas deve ser feito por um Advogado, por exemplo: Modelo Básico de Contrato Social Sociedade Limitada Declaração: Declaração é um documento que se assemelha ao atestado, mas que não deve ser expedido por órgãos públicos. O Modelo de Declaração é utilizado quando se quer atestar / confirmar algum fato para garantir um direito a uma determinada pessoa. 13- IMPOSTOS Imposto é uma contribuição percentual paga obrigatoriamente por pessoas ou organizações para um governo, a partir de uma base de cálculo e de um fato gerador. É uma forma de tributo que tem como principal finalidade, custear o Estado. Impostos podem ser pagos em moeda (dinheiro) ou em mercadorias. No Brasil, os tributos somente são aceitos em forma de dinheiro. Esses tributos podem incidir sobre renda ou patrimônio. Renda diz respeito ao valor recebido pelo trabalho de indivíduos ou de organizações e patrimônio são os bens de posse que têm valor como imóveis e veículos. São exemplos de impostos: Impostos federais 109

110 II - Imposto sobre a importação de produtos estrangeiros; IE - Imposto sobre a exportação de produtos nacionais ou nacionalizados; IR - Imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza; IPI - Imposto sobre Produtos Industrializados; IOF - Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários; ITR - Imposto Territorial Rural; COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social; PIS/PASEP Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público; SIMPLES Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte. Impostos estaduais ICMS - Imposto sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e prestação de Serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação; IPVA- Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA); ITCMD - Imposto sobre Transmissões Causa Mortis e Doações de Qualquer Bem ou Direito. Impostos municipais IPTU - Imposto sobre a Propriedade predial e Territorial Urbana; ITBI - Sobre Transmissão inter vivos de Bens e Imóveis e de direitos reais a eles relativos; ISSQN - Impostos sobre Serviços de Qualquer Natureza. Tratando-se de IRPF, tem-se (ano 2011, Tabela reajustável anualmente): TABELA DE IMPOSTO DE RENDA Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do IR (R$) Até 1.499, De 1.499,16 até 2.246,75 7,5 112,43 De 2.246,76 até 2.995, ,94 De 2.995,71 até 3.743,19 22,5 505,62 Acima de 3.743,19 27,5 692,78 Valor por dependente: R$ 150,69. Como calcular o Imposto de renda: Total dos rendimentos tributáveis ( - ) INSS ( - ) Dependentes ( - ) Pensão Alimentícia. Este resultado ( x ) alíquota cfe. Tabela acima ( - ) parcela a deduzir, o resultado será o valor de desconto do Imposto de Renda. Complementando, Os impostos dividem-se em Impostos Diretos e Indiretos. Impostos Diretos são os que incidem sobre o patrimônio e a renda e são tributos considerados de responsabilidade pessoal. Exemplos: IRPF, IRPJ, IPTU, ITR, IPVA. Impostos Indiretos são aqueles que incidem sobre a produção e a circulação de bens e serviços e são repassados ao preço destes. Exemplos: IPI, ICMS, ISS, COFINS NOTA FISCAL ELETRÔNICA A empresa emissora de NF-e gera um arquivo eletrônico que deverá conter as informações fiscais da operação comercial e também ser assinado digitalmente pelo emitente para garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. Este arquivo eletrônico, que corresponde a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), será então transmitido pela Internet para a Secretaria da Fazenda do Estado em que estiver localizado o emitente, que fará uma pré-validação do arquivo e devolverá uma Autorização de Uso, sem a qual não poderá haver o trânsito da mercadoria. Após a autorização do uso da NF-e, a Secretaria da Fazenda disponibilizará consulta, na Internet, para o destinatário e outros legítimos interessados que detenham a chave de acesso do documento eletrônico. Este mesmo arquivo da NF-e será ainda transmitido, pela Secretaria de Fazenda do Estado do emitente, para a Receita Federal do Brasil, que será repositório de todas as NF-e emitidas 110

111 (Ambiente Nacional) e, no caso de uma operação interestadual, para a Secretaria de Fazenda de destino da operação. DANFE - Para acompanhar o trânsito da mercadoria será impressa uma representação gráfica simplificada da Nota Fiscal Eletrônica, intitulado DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), em papel comum, em única via, que trará impresso, em destaque, a chave de acesso para consulta da NF-e na Internet e um código de barras unidimensional que facilitará a captura e a confirmação de informações da NF-e pelos Postos Fiscais de Fronteira dos demais Estados. NF-e, seus objetivos - A Nota Fiscal Eletrônica tem como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico para a substituição da sistemática de emissão do documento fiscal em papel que acoberta as operações com mercadorias entre empresas (modelos 1 e 1-A), reduzindo custos, simplificando as obrigações acessórias dos contribuintes e permitindo, ao mesmo tempo, o acompanhamento em tempo real das operações comerciais pelo Fisco. A NF-e institui mudanças significativas no processo de emissão e gestão das informações fiscais, trazendo grandes benefícios para os contribuintes, para a sociedade e para as administrações tributárias: Benefícios para o Contribuinte Vendedor (Emissor da NF-e) Redução de custos de impressão; Redução de custos de aquisição de papel; Redução de custos de envio do documento fiscal; Redução de custos de armazenagem de documentos fiscais; Simplificação de obrigações acessórias, como dispensa de AIDF; Redução de tempo de parada de caminhões em Postos Fiscais de Fronteira; Incentivo a uso de relacionamentos eletrônicos com clientes (B2B); Benefícios para o Contribuinte Comprador (Receptor da NF-e) Eliminação de digitação de notas fiscais na recepção de mercadorias; Planejamento de logística de entrega pela recepção antecipada da informação da NF-e; Redução de erros de escrituração devido a erros de digitação de notas fiscais; Incentivo a uso de relacionamentos eletrônicos com fornecedores (B2B); Benefícios para a Sociedade Redução do consumo de papel, com impacto em termos ecológicos; Incentivo ao comércio eletrônico e ao uso de novas tecnologias; Padronização dos relacionamentos eletrônicos entre empresas; Surgimento de oportunidades de negócios e empregos na prestação de serviços ligados a Nota Fiscal Eletrônica. Benefícios para as Administrações Tributárias Aumento na confiabilidade da Nota Fiscal; Melhoria no processo de controle fiscal, possibilitando um melhor intercâmbio e compartilhamento de informações entre os fiscos; Redução de custos no processo de controle das notas fiscais capturadas pela fiscalização de mercadorias em trânsito; Diminuição da sonegação e aumento da arrecadação; Suporte aos projetos de escrituração eletrônica contábil e fiscal da Secretaria da RFB (Sistema Público de Escrituração Digital SPED). 111

112 DESIGN GRÁFICO Prof.: Marco Antonio Debrassi 112

113 CONHECENDO O CORELDRAW X5 O que é o CorelDRAW? O CorelDRAW é um programa de desenho vetorial bidimensional para design gráfico desenvolvido pela Corel Corporations Canadá, que facilita a criação e arte-final profissional desde logotipos simples até ilustrações técnicas complexas. Possui recursos que permite a criação de projetos como folhetos, catálogos, cartões de visitas, banners e outros. Consiste basicamente, em um programa de ilustração vetorial e de layout de páginas que oferece excelentes ferramentas de criação e importantes recursos de saída que se integram aos fluxos de trabalho existentes. Com uma total combinação de ferramentas de criação e recursos de produtividade, o CorelDRAW é uma excelente e indispensável ferramenta de arte gráfica. Iniciando o CorelDRAW A versão X5 do Corel trás uma mudança em sua tela de boas vindas. Apesar de a antiga trazer maior facilidade em relação à criação de novos documentos, esta permite configurar com maior facilidade os documentos a serem criados. O Início rápido é uma janela inicial para abrir ou criar novos documentos. Os documentos abertos recentemente também podem ser abertos através desta janela, eles ficam posicionados logo abaixo da opção 113

114 Abrir recente. Para criar um novo documento em branco clique na opção Novo documento em branco. Em seguida será exibida uma nova janela para configurar a página. O campo Nome determina o nome do documento, o campo Destino predefinido é usado para determinar qual a finalidade deste novo documento a ser criado, ex: (arquivos para impressão, arquivos de web). O campo Tamanho determina a qual o modelo de folha a ser utilizado, ex: (A4, tablóide, A3, carta). Os campos Largura e Altura determinam a altura e a largura da folha. O campo Modo de cores primárias o modelo de cor primária a ser utilizado. O próximo campo determina a resolução do documento em seguida o campo que indica qual o modo de Pré-Visualização. 114

115 Área de trabalho do CorelDRAW X5 (1) Barra de menus: A barra que acompanha praticamente 90% dos programas também se encontra no CorelDRAW; (2) Barra de Propriedades: Esta barra varia de acordo com a ferramenta que está sendo utilizada ou do objeto selecionado, serve para alterar as configurações das ferramentas; (3) Barra de Ferramentas: Em todo momento o usuário trabalha com essa barra, nela se encontram as principais ferramentas de edição do CorelDRAW; (4) Navegação de Páginas: No CorelDRAW, em um mesmo documento podem ter diversas páginas, através dessa barra será feito a navegação páginas, criar ou excluir; (5) Paleta de cores: Utilizada para preencher desenhos, objetos e contornos com cores. E ao centro do programa se localiza a página onde os trabalhos são feitos. Dica: Somente o que está dentro da folha será impresso. 115

116 CONHECIMENTOS BÁSICOS O que é um Pixel? Um pixel é o menor elemento que forma uma imagem digital, a palavra Pixel é a aglutinação de Picture Element (Elemento de Imagem). As imagens digitais são formadas por milhares de pequenos pontinhos esses pontos são chamados de pixels. Aos olhos nus, é muito difícil de visualizar com clareza os pixels, para esse feito temos que utilizar algum programa que tenha a ferramenta de zoom. Ex: Windows, Photoshop, Paint, CorelDRAW. Veja abaixo um exemplo. Imagem normal Imagem ampliada Repare como a imagem perde a qualidade. de pixels. Os Monitores, televisores, celulares dentre outros, foram criados para representar as imagens através Dica: O Megapixel (ou Megapíxel) designa um valor equivalente a um milhão de pixels/píxeis. É utilizado nas câmeras digitais para determinar o grau de resolução, ou definição de uma imagem. Uma resolução de 1,3 megapixels significa que existem aproximadamente pixels na imagem, o que corresponde a nada além da multiplicação da largura pela altura da imagem, ou seja, uma imagem de 1280 pixels de largura por 1024 pixels terá exatamente pixels. Imagem bitmap e vetorial Existem dois tipos de arquivos fundamentais na computação gráfica: Bitmap e Vetorial. Alguns programas mais conhecidos que criam arquivos bitmap (pixel) são: Adobe PhotoShop, Corel Photopaint, 116

117 Corel Painter, Paint Shop Pro e outros. Já programas que criam arte vetorial (também conhecidos como arte orientada a objeto) são CorelDRAW, Illustrator, Freehand, RealDraw, Xara. O programa Flash também trabalha com vetorial, porém ele é mais destinado a construção de artes para a internet. Esses programas cada vez mais integram num mesmo programa a manipulação dos dois tipos de arquivos. Bitmap Imagens bitmap são construídas com a formação de quadrados muito pequenos chamados pixel. Essa construção mostra-se abaixo nas ilustrações, nas quais demonstram as características principais. Na grade de base, cada quadrado representa um pixel. Veja esse simples exemplo, ao criar um círculo preto com 20 pixels de diâmetro. O número de pixels determina a resolução do arquivo. O computador registra este arquivo pela gravação da exata localização e cor de cada pixel. O computador não tem idéia que isso é um círculo, somente que é um aglomerado de pequenos pontos. Vetorial A arte vetorial é diferente do procedente da criação em pixels individuais, são criados objetos, como por exemplo, retângulos e círculos sem coordenadas matemáticas, desta forma, o programa vetorial pode criar arquivos com uma fração do espaço utilizado pelo bitmap (imagens rastreadas), e mais importante, possuem a capacidade de serem ampliados indefinidamente sem perderem definição e detalhamento. Cores RGB e CMYK RGB é a abreviatura do sistema de cores aditivas formado por Vermelho (Red), Verde (Green) e Azul (Blue). O propósito principal do sistema RGB é a reprodução de cores em dispositivos eletrônicos como monitores, TVs, computadores, "datashows", scanners e câmeras digitais, assim como na fotografia tradicional. Já os dispositivos de impressão utilizam o sistema de cores CMYK onde C(Ciano), M(Magenta), Y(Yellow) e k (Black recebe o k por que é a key chave base ). Veja abaixo os modelos de cores RGB e 117

118 CMYK. Modelo RGB Modelo CMYK DPI (Dots Per Inch) Em português significa pontos por polegada. Você já deve ter reparado que o tamanho do monitor é tido através de polegadas, o DPI determina quantos pontos existe em uma polegada. Quando se trabalha com imagens digitais, normalmente a resolução com 72 DPI s, quando é com um arquivo a ser impresso utilizase como padrão a resolução de 300 DPI s. Objeto Um objeto é um elemento (desenho, imagem, texto) que irá ser manipulado. Configurando página atual Quando o documento já está aberto, para alterar a configuração da página utilize a barra de propriedades, veja o desenho abaixo: Dica: Quando nenhum objeto está selecionado, a barra de propriedades se comporta desta forma. 118

119 Inserindo, excluindo e direcionando a uma determinada página Para inserir uma nova página em seu documento basta ir ao menu Layout > Inserir página. Será exibida a seguinte janela. Número de páginas: Indica o número de páginas a ser criado. Colocar: Antes - Adiciona a página antes da página atual; Após - Adiciona a página depois da página atual. Página existente: Indica o numero de páginas existentes. Logo abaixo em Tamanho da página você pode configurar a sua página. Para excluir uma página clique no menu Layout > Excluir página. Excluir página: Para excluir a página que você escolher. Até a página: Marcando esta opção você excluir uma seqüência de páginas por exemplo. (Excluir página: 2 - Até a página: 5) você estaria excluindo da página 2 a página 5 do seu documento. Para mudar instantaneamente de página basta ir ao menu Layout > Ir para página, e escolher a página na qual deseja selecionar. 119

120 MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Salvando um arquivo Quando criado um documento e desejar salvá-lo utilize o método salvar como. Clique no menu Arquivo > Salvar como. Através deste método defini-se qual o formato do arquivo, nome, local onde ira ser salvo. Quando o arquivo está salvo e deseja salvar alguma alteração utilize o método menu Arquivo > Salvar. O CorelDRAW já trabalha por padrão com arquivos no formato CDR, por isso fique atento em que formato irá salvar o arquivo, pois nem todos os computadores têm o Corel instalado e conseqüentemente não poderão abrir o arquivo. Dica: Sempre quando for salvar um arquivo salve duas copias uma em formato CDR (CorelDRAW) e a outra em formato JPG para que o mesmo possa ser visualizado sem a necessidade de abrir o CorelDRAW. Importando e exportando arquivos Em alguns momentos pode ocorrer a necessidade de edição de um arquivo que não esta no formado CDR. Para abrir este arquivo no CorelDRAW utilize o método de importação através do menu Arquivo > Importar. Quando for necessário salvar um arquivo em um formato diferente do CDR, utilize o método exportação através do menu Arquivo > Exportar, defina um nome para o arquivo e abaixo o formato que o arquivo irá ser salvo. 120

121 FERRAMENTAS BÁSICAS Ferramenta de seleção Esta ferramenta tem a função de selecionar, redimensionar, copiar e movimentar objetos pode ser ativada através da tecla espaço. Quando um objeto está selecionado, ele fica da seguinte forma: Repare que nas extremidades do objeto aparecem quadradinhos pretos, levando o cursor em cima destes quadradinhos podemos redimensionar nosso objeto. Agora perceba que no centro do nosso objeto temos um X levando o cursor até ele, logo depois clicando e segurando você move este objeto. Caso você clicar sobre a área do objeto ele ficará desta forma: Repare que agora ao invés dos quadradinhos nas extremidades temos setinhas e no centro um circulo com um ponto. A seta posicionada nas diagonais do nosso objeto tem a função de rotacionar o mesmo. As que estão posicionadas entre as diagonais trabalham com a perspectiva do objeto. No centro do objeto é o eixo de rotação do mesmo. Grupo de Ferramentas Retângulo Este grupo conta com duas ferramentas sendo elas a ferramenta retângulo e a retângulo de três pontos. Utilizar esta ferramenta é muito simples, clique na folha e arraste até a extremidade do retângulo, 121

122 com a ferramenta retângulo de três pontos você deverá desenhar as três linhas de um retângulo para que o desenho seja formado. Grupo de Ferramentas Elipse Este grupo também conta com duas ferramentas sendo elas a ferramenta elipse e a elipse de três pontos. Sua utilização é a mesma que a ferramenta retângulo. É muito simples, clique em um ponto qualquer, arraste até a extremidade que você deseja para sua elipse se formar. A segunda ferramenta Elipse de três pontos, basta desenhar uma linha e mover o cursor que sua elipse irá se formar. Repare que na barra de propriedades pode-se alterar o modelo da elipse. Ferramenta de Texto Esta ferramenta permite criar textos utilizando de duas formas, em texto artístico e em modelo parágrafo. Para criar um texto artístico clique no local onde deseja digitar o texto e digite o mesmo. Para criar um parágrafo clique em um ponto qualquer da área de trabalho e arraste a uma extremidade de seu gosto formando assim uma caixa de texto. Dica: Pressione a tecla SHIT enquanto cria seu objeto e terá um tamanho proporcional. Caixa de Ferramentas Polígono 122

123 Esta caixa de ferramentas permite criar polígonos estrelas, estrelas complexas, papel gráfico e espiral, sua utilização é muito simples, mesmo método que a elipse e o retângulo. Após escolher a forma altere o número de pontos do objeto através do campo abaixo ilustrado, basta indicar quantos pontos deseja em sua forma. OBS: Este campo pode variar de acordo com a ferramenta que você estiver utilizando. Formas básicas Este grupo de ferramentas permite trabalhar com formas, algumas formas prontas que existe no CorelDRAW são elas: formas básicas, seta, fluxograma, estrela e legenda. Dependendo da forma escolhida a barra de propriedades permite alterar o modelo da forma. desenho. Abaixo o modelo da caixa de formas para o tipo forma básica. Escolha o modelo em seguida faça o Ferramentas de Preenchimento Este grupo de ferramentas edita o preenchimento (cor) do objeto, este grupo conta com sete ferramentas, as duas primeiras são as mais utilizadas. 123

124 Preenchimento uniforme: Colore o objeto com uma cor. Preenchimento gradiente: Permite colorir o objeto com duas ou mais cores contando também com efeitos de preenchimento. Criando um Preenchimento gradiente Após criar um retângulo selecione o objeto. Vá até caixa de ferramentas de preenchimento e escolha e ferramenta Preenchimento gradiente e em seguida aparecerá à seguinte janela: 1º Tipo: Indica o tipo do preenchimento com as opções de Linear, Radial, Cônico e Quadrado. Deslocamento do Centro: Quando utilizado o tipo de gradiente linear este campo fica inativo, ele indica a localização que o efeito irá acontecer em seu objeto. Opções: Este campo serve para alterar as configurações do efeito. (ângulo, densidade do efeito, tamanho do efeito). 2º Mistura de cores: Este campo trata das configurações de cores e a opção que está marcada acima Duas 124

125 cores permite fazer um preenchimento com duas cores. Logo abaixo temos dois campos. De: Determina a cor de partida do gradiente. Para: Determina a cor de chegada do gradiente. Predefinições: Há vários modelos de preenchimentos. De Volta ao campo Mistura de cores marque a opção Personalizada : Agora determine mais cores para o preenchimento gradiente. Para fazer isto basta dar um clique duplo em qualquer ponto desta régua: Em seguida indique a cor na paleta de cores que se encontra ao lado, assim que terminar de editar o preenchimento, basta clicar em OK. Ferramenta Conta-gotas Através dela você captura exatamente uma cor já definida em outro objeto ou imagem. Para fazer a captura da cor, ative a ferramenta de Conta-Gotas e clique no objeto com o preenchimento a ser capturado. Um detalhe interessante é que esta ferramenta somente captura cores chapadas, ou seja, cores sólidas. Ferramenta Lata de tinta Possibilita aplicar a cor selecionada pela ferramenta Conta-gotas em outro objeto. Paleta de cores A paleta de cores é o modo mais rápido de se incrementar um preenchimento uniforme a um objeto. Basta selecioná-lo e escolher a cor através da palheta de cores que fica posicionada a direita ou abaixo da área de trabalho do Corel. 125

126 Trabalhando com o zoom Esta caixa de ferramentas é muito simples de ser utilizada. O zoom é uma ferramenta essencial no dia a dia de um Designer Gráfico, ela permite uma incrível visualização das imagens. Ferramenta Zoom(Z): Para aumentar o zoom em um trabalho, ative esta ferramenta e clique com o botão esquerdo do mouse. Também podemos fazer uma seleção da área em que queremos o zoom. Ferramenta Enquadramento(H): Quando você está trabalhando com o desenho e precisa se mover nele sem deslocá-lo então utilize esta ferramenta, ela permite que você se mova no projeto sem arrastar nenhum objeto. Dica: Você pode alterar a cor da borda de um objeto clicando com o botão direito em cima da cor desejada na palheta de cores. Também aumentar e diminuir o zoom através do scroll do mouse. 126

127 MANIPULAÇÃO DE OBJETOS Selecionar objetos No dia a dia de trabalho no CorelDRAW é muito comum nos depararmos em uma situação em que você precisa selecionar mais de um objeto. Para fazer isto e muito simples basta pressionar a tecla SHIFT e em seguida clicar nos objetos que você deseja selecionar. Posição dos objetos Quando criado um objeto automaticamente o CorelDRAW adiciona uma camada ao mesmo. Estas camadas ficam ordenadas uma frente às outras, deste modo quando você cria um segundo objeto o mesmo fica em frente ao anterior. Veja no exemplo abaixo: Imagem (1) Imagem (2) Na imagem (1), você tem os dois objetos em que irá trabalhar. O primeiro objeto a ser criado foi o quadrado por isso ele se encontra em uma camada que está atrás da camada do objeto criado logo em seguida, neste caso o círculo. Já na imagem (2), os dois objetos estão alinhados e então perceba com clareza que o círculo se encontra em frente ao quadrado. A ordem dos objetos podem ser alterados, você pode enviar este objeto tanto para a última camada como para a primeira veja como é simples: Selecione o objeto > vá até o menu Organizar > Ordenar. E então veja as opções abaixo: Para a frente da página: Trás a camada do objeto para a frente da página; 127

128 Para trás da página: Leva a camada do objeto para o fundo da página; Para frente da camada: Trás o objeto para a frente da camada; Para trás da camada: Leva o objeto para o fundo da camada; Avançar um: Avança a camada para uma a frente; Recuar um: Joga o objeto atrás de seu antecessor. Como copiar objetos No CorelDRAW você pode copiar objetos de diversas maneiras vamos ver algumas a seguir: Utilize o método CTRL C ou vá até o menu Editar > Copiar para copiar um objeto e CTRL V ou vá ao menu Editar > Colar para colar o mesmo. Também você pode utilizar os atalhos na área de trabalho do Corel para copiar e para colar. Existem métodos mais fáceis e rápidos para poder se colar ou copiar um objeto, o mais simples deles é através do mouse. Selecione o objeto e arraste-o como se fosse movê-lo. Antes de soltar o objeto de um clique com o botão direito do mouse. Também utilize o método de duplicar basta ir a Editar > Duplicar ou através do teclado pelo atalho CTRL+D. Clonar objetos O princípio da clonagem de objetos é basicamente o mesmo da cópia ou da duplicação. Porém quando há um ou vários objeto clonados mediante uma alteração em qualquer um destes objetos todos receberão esta alteração veja abaixo. Para clonar um objeto clique no menu Editar > Clonar. Agrupando objetos 128

129 Em algumas ocasiões você precisará trabalhar com vários objetos vamos supor o desenho abaixo. Na imagem abaixo foram usados três círculos para construir este olho. Caso você tentasse movimentar o conjunto todo de objetos não conseguiria por que ele não está agrupado, neste caso, os objetos que compõem o olho se movimentariam um a um veja: Para que isto não aconteça precisaria agrupar os objetos que compõem o desenho. Para agrupar os objetos selecione os objetos a serem agrupados (pressione a tecla SHIFT e clique no objeto), em seguida clique com o botão direito do mouse em qualquer um dos objetos selecionados e vá até a opção Agrupar. Também pode utilizar o menu Organizar > Agrupar. Desagrupar. Para desagrupar os objetos clique com o botão direito do mouse em um grupo e ir ate a opção Dica: Para agrupar objetos através do atalho CTRL G ou desagrupar através do atalho CRTL U. Espelhando objetos Você também pode espelhar um objeto quando desejar para que o seu objeto tenha uma imagem no formato inverso da atual, veja: Imagem (1) Imagem (2) Imagem (3) No exemplo acima tem a imagem (1) como sendo a imagem original em seguida as imagens (2) e (3) são imagens espelhadas verticalmente e horizontalmente, o espelhamento pode ser feito através da barra de 129

130 propriedades, selecionando o objeto a ser espelhado em seguida ir até os respectivos ícones.. Soldar A opção soldar faz a união de dois ou mais objetos selecionados criando então um novo objeto a partir da união. Imagem (1) Imagem (2) Na imagem (1) com três círculos e na imagem (2) após a soldagem destes três círculos. A solda pode ser realizada através do ícone localizado na barra de propriedades. Aparar objeto), veja: Esta ferramenta permite cortar parte de um objeto utilizando um molde (Que no caso será outro Imagem (1) Imagem (2) Na imagem (1) têm-se dois objetos. O círculo (neste caso será utilizado como molde) e um retângulo. Já na imagem (2) o retângulo já aparado. 130

131 Para aparar um objeto selecione através do ícone localizado na barra de tarefas. Lembrando que sempre você deve selecionar primeiramente o objeto que será utilizado como molde em seguida selecionando o objeto que será cortado. Interseção Cria um novo objeto correspondente à área dos objetos selecionados veja: Imagem (1) Imagem (2) No exemplo apresentado acima na imagem (1) os objetos em que você irá retirar a interseção e na imagem (2) terá um terceiro objeto destacado que corresponde a interseção dos objetos anteriores. Poderá também fazer uma interseção através do ícone localizado na barra de propriedades. Simplificar Funciona como a ferramenta aparar. Mais ao invés de utilizar um objeto como molde e outro para corte ela faz com que os dois objetos selecionados sejam cortados veja abaixo: Imagem (1) Imagem (2) Pode-se simplificar um objeto através do seu ícone localizado na barra de propriedades. Frente menos verso 131

132 Cria um novo objeto a partir da interseção do objeto que está à frente com o de trás, veja: Imagem (1) Imagem (2) Na imagem (1) dois objetos criados, na imagem (2) você pode observar que o resultado da inserção do objeto que está situado à frente para o que está posicionado atrás. propriedades. A função Frente menos verso pode ser utilizada através de seu respectivo ícone localizado na barra de Verso menos frente Faz o trabalho inverso da ferramenta anterior cria um objeto a partir de toda área em que não existe interseção com o objeto que está posicionado mais a frente, veja: Imagem (1) Imagem (2) Esta ferramenta pode ser utilizada através do ícone localizado na barra de propriedades. Crie um limite Cria um novo objeto que circula os objetos selecionados, veja: 132

133 Imagem (1) Imagem (2) Na imagem (1) têm-se os objetos a serem selecionados logo em seguida na imagem (2) criou-se o novo objeto correspondente a área dos objetos selecionados. Pode-se utilizar esta ferramenta através de respectivo ícone localizado na barra de propriedades. Alinhando e distribuir objetos É muito comum no dia a dia estar trabalhando com objetos alinhados seja verticalmente ou horizontalmente, o CorelDRAW trás um recurso muito interessante para o trabalho, veja: Imagem (1) Imagem (2) Na imagem (1) os objetos estão todos desalinhados e na imagem (2) o resultado da opção de alinhamento e distribuição. Para alinhar ou distribuir as distâncias entre os objetos clique Organizar > Alinhar ou se preferir utilize o ícone da barra de propriedades através do ícone será exibida a seguinte janela: 133

134 Estas opções servirão para melhor configurar os nossos objetos, a janela é dividida em duas abas, a primeira delas a de Alinhar, basta você marcar a posição do alinhamento em seguida ir até a opção aplicar. Na segunda a de Distribuir, através dela você distribui as distâncias entre os objetos. Nós de um objeto Todo objeto criado de uma ferramenta de desenho é composto de nós. Os nós ficam nos pontos finais de segmentos retos ou curvos. Nós Com certeza a ferramenta de nó é uma das ferramentas mais importantes do CorelDRAW. Ela permite modificar linhas de objetos, curvaturas, toda a forma em si do objeto. Em um objeto, você pode criar ou excluir vários nós conforme a necessidade. Ferramenta Forma Esta com certeza é uma das principais ferramentas do CorelDRAW, trata os nós de forma direta, com esta ferramenta o objeto se transforma de acordo com o seu gosto, mas de forma limitada ao objeto, veja: 134

135 Basta clicar em um nó qualquer do objeto e em seguida arrastar o cursor ate um ponto qualquer. Transformando um objeto em curva Para que você consiga mexer nos nós de um objeto livremente é preciso transformá-lo em curva. Quando um objeto esta transformado em curva poderá alterar ilimitadamente sua estrutura através dos nós. Basta seleciona o objeto clicando no menu Organizar > Converter em curvas, ou utilizar o atalho CRTL Q. Você pode converter também um objeto em curvas através da barra de propriedades através do ícone. Veja como pode ser feita a alteração de um objeto transformado em curvas: Acima temos um exemplo de um objeto alterado através dos nós. Criar um nó Para criar um nó no objeto este deverá ter sido convertido em curvas (lembre-se disto). Basta escolher um ponto em que deseje criar um nó e dar um clique (lembre-se, a ferramenta Forma deve estar selecionada), em seguida vá à barra de propriedades e utilize a opção (conforme imagem abaixo), também você poderá utilizar um duplo clique na extremidade desejada. 135

136 Excluir um nó Para excluir um nó basta selecioná-lo (de um clique em cima do nó) em seguida aperte a tecla delete ou através de seu respectivo ícone localizado na barra de propriedades. Transformar um nó em curva Para curvar uma linha é necessário que você transforme um nó em curva. Depois e só arrastar o nó veja: Suavizar nó Os pontos de controle em um nó suave estão sempre opostos um ao outro, quando você movimenta um lado o outro acompanha essa mesma proporção o ângulo movimentado, mas não no comprimento. Nó Simétrico Os pontos de controle de um no simétrico estão sempre opostos, ou seja, possuem o mesmo ângulo e, diferentemente do um nó suave, possuem o mesmo tamanho. 136

137 Abrir um objeto Basta clicar em um nó ou qualquer ponto da linha e clicar no ícone. Fechar um objeto Selecionar os dois nós da ponta e clicar no ícone. 137

138 FERRAMENTAS DE LINHAS Contorno Esta ferramenta é responsável pelas configurações do contorno (borda) de nosso objeto. Você pode alterar as configurações diretamente por este menu de contexto ou então abrir a caixa de ferramentas Caneta de Contorno. O segundo item desta caixa determina a cor da borda do objeto. Logo abaixo temos as configurações sobre a dimensão da borda. O último item desta lista Cor nos abre a seguinte aba ao lado da paleta de cores. Esta caixa de cores nos permite escolher a cor para a borda e do preenchimento do nosso objeto, ao lado nas caixas C M Y K temos a referência da cor escolhida. Para mudar a cor do preenchimento do objeto, basta escolher a cor e ir até o botão Preenchimento. Para mudar a cor da borda do objeto basta escolher a cor e ir ao botão Contorno. 138

139 Caneta de contorno Abaixo temos as configurações de estilo de quina. Cor: Indica a cor da borda do objeto; Largura: Neste campo, determina-se a espessura da borda e qual unidade de medida irá utilizar; Estilo: Determina o estilo da borda; Limite de meia-esquadria: Determina o tamanho da quina da borda veja: 139

140 FERRAMENTAS DE DESENHO DE LINHA Mão livre Esta ferramenta permite criar uma linha continua ou um objeto fechado a partir do segmento de linhas. Para desenhar uma linha reta, basta clicar no ponto inicial, arrastar o mouse e clicar para fazer o ponto final, mantendo o botão do mouse apertado você trabalha com a forma livre, veja: Linha de dois pontos Cria semi-retas, para criar uma semi-reta basta clicar no ponto inicial e ainda com o botão do mouse pressionado levar ate o ponto final da reta. Bézier Esta ferramenta permite desenhar curvas através da colocação de nos e da modelação de segmentos de linha entre nós. Para desenhar um objeto, basta clicar no ponto inicial, arrastar o mouse e clicar para fazer os pontos adicionais. Ao clicar e arrastar o mouse com o botão pressionado, automaticamente você esta criando uma curva. 140

141 Mídia artística Permite aplicar pinceladas ou objetos a uma curva com a utilização de um dentre cinco modos: predefinido, pincel, espalhador de objetos, caligráfico e sensível a pressão, veja: Aplicando Mídia artística em objetos Selecione o objeto desejado, ative a ferramenta mídia artística e escolha o tipo que queira aplicar, veja: 141

142 Ferramenta Caneta Trabalhando com nós, permite desenhar curvas um segmento por vez, em conjunto com a ferramenta forma, é capaz de traçar qualquer logotipo ou logomarca. Polilinha Com esta ferramenta você pode criar contornos mesclando linhas retas e traços livres, porém ao contrário da ferramenta mão livre, trabalha com um conjunto de segmentos de retas. Curva de três pontos Esta ferramenta nos permite criar uma curva a partir de três pontos criados, veja: Ferramenta B-Spline Através desta ferramenta você pode criar objetos apenas envelopando as curvas criadas, veja: 142

143 Basta ir clicando em locais onde deseja criar os pontos. Para terminar o objeto feche o envelope. 143

144 FERRAMENTAS DE DESENHO DE LINHA Faca Esta ferramenta permite cortar um objeto transformando-o em vários pedaços: Com a ferramenta faca ativa, clique em um ponto qualquer da linha de contorno do objeto e em outro ponto extremo para cortar o objeto em linha reta. Para fazer um corte com curva, clique em um ponto e sem soltar o botão do mouse faça seu percurso. Borracha X Esta ferramenta permite apagar parte do objeto, criando novos nós e novos objetos, semelhante a ferramenta Faca, veja: Para separar os objetos que a ferramenta borracha cria basta clicar em Organizar > Separar curva ou utilize o atalho CRTL K. Excluir seguimento virtual 144

145 Essa ferramenta exclui automaticamente os objetos selecionados. Pincel borrar O recurso borrar permite distorcer um objeto arrastando o curso de dentro para fora e de fora para dentro. Ao borrar um objeto, você poderá controlar a extensão e a forma da distorção, veja: A barra de propriedades com a ferramenta Pincel borrar : Tamanho da ponta do pincel - Efeito de Secagem - Inclinação do pincel - Rotação do pincel Pincel áspero O efeito áspero permite aplicar uma borda cravejada ou pontilhada a objetos, incluindo linha, curvas e texto. Você pode controlar o tamanho, ângulo, direção e número de recuos. 145

146 Veja a barra de propriedades da ferramenta Pincel áspero. Dica: Os pinceis Borrar e Áspero, só funcionam em objetos em curva, por isso não se esqueça de converter seu objeto antes de aplicar o efeito. 146

147 FERRAMENTAS DE TEXTO Para a criação de um texto artístico, ou seja, aquele que tem todas as características de um objeto, basta ativar a ferramenta de texto, clicar no local desejado e escrever a palavra ou texto. e outros. Em seguida é aconselhável ativar a ferramenta de seleção para modificação de fonte, tamanho, forma Convertendo um Texto artístico em curva Podemos converter um texto artístico terá que ser feito através da edição de nós. Selecione o texto com a ferramenta de seleção em seguida clique no menu Organizar > Converter em curvas. Com a ferramenta forma ativa, clique nos nós extremos do texto e altere a posição dos nós até obter a forma desejada. Lembre-se: Após esta operação, o texto não poderá mais ser editado nem formatado. 147

148 Texto parágrafo Para a criação de um texto parágrafo, ative a ferramenta de texto, clique e arraste para fazer uma área onde será digitado o texto. O texto parágrafo tem todas as características de um editor de texto, permitindo formatação de caractere, parágrafo e tabulação. Formatação de texto A formatação de texto parágrafo pode ser feita através da barra de propriedades ou da janela de formatação específica de texto. Para tanto, é exigido que o texto seja selecionado com a própria ferramenta de texto. Para exibir a janela de formatação de texto clique no menu Texto > Formatação de Caracteres. 148

149 Janela de formatação de parágrafo Convertendo um texto parágrafo em artístico O CorelDRAW permite a transformação de um texto parágrafo em texto artístico. A vantagem do uso do texto artístico é a característica de objeto que ele assume podendo alterá-lo facilmente através do redimensionamento. Já o texto parágrafo só pode ser alterado mediante seleção e formatação do texto. Para converter um parágrafo em texto artístico selecione o texto com a ferramenta de seleção clique no menu Texto > Converter em texto artístico ou se preferir utilize o atalho CTRL F8. Utilizando a ferramenta forma em textos 149

150 Com a ferramenta Forma podemos formatar o texto, deslocando os caracteres de forma individual ou aumentando a distância entre as linhas e caracteres. letra. Com a ferramenta forma basta arrastar o caractere pegando pelo quadrado que fica na frente de cada Com a ferramenta Forma, basta arrastar o caractere pegando pelas setas que ficam nas extremidades inferiores do bloco de texto. Criando colunas com texto parágrafo O CorelDRAW possibilita a criação de colunas a partir de um bloco de texto parágrafo. Clique no menu Texto > Colunas. 150

151 Número de colunas: Indica o número de colunas que você deseja converter o texto. Logo abaixo estão as dimensões de cada coluna e a direita temos a visualização. Manter a largura atual do quadro: Mantém a largura da coluna atual. Ajustar a largura do quadro automaticamente: Ajusta automaticamente a largura da coluna quando o texto for redimensionado. Bloco de (1) coluna Texto seguindo o caminho Bloco de (2) colunas Um texto pode seguir um caminho criado por alguma ferramenta, um objeto reto fechado ou até mesmo uma linha. Para aderir o texto a um caminho (objeto), selecione o texto e clique no menu Texto > Ajustar texto ao caminho, em seguida clicamos no caminho onde desejamos aplicar o texto. 151

152 Ajustando as propriedades do texto ao caminho. Capitulação É um recurso muito utilizado em revistas e jornais. A primeira letra do parágrafo fica em destaque veja: Para adicionar uma capitulação em seu parágrafo basta selecionar o parágrafo em seguida clique no menu Texto > Capitulação ou através de seu respectivo ícone na barra de propriedades. Disposição do texto com imagens 152

153 Podemos fazer um parágrafo se ajustar a uma imagem utilizando este recurso. Para que este recurso seja ativado o texto deve ser agrupado com a imagem. Em seguida basta clicar no ícone e escolher qual opção de alinhamento. Veja no exemplo abaixo um modelo de disposição de texto: 153

154 FERRAMENTAS DE EFEITOS INTERATIVOS Mistura interativa Esta ferramenta cria uma seqüência entre dois objetos selecionados. É composta de uma seria de objetos intermediários que são criados conforme um número de etapas que definimos. O efeito da mistura é muito utilizado para criar destaques ou efeitos aerógrafos que definem as formas de luz e sombra. propriedades. Para configurar uma mistura já criada com a ferramenta de mistura ativada, utilize a barra de 154

155 Mistura seguindo um caminho Sua utilização é muito parecida com o ajuste de texto ao caminho. Primeiramente é necessário ter a mistura pronta e em seguida o caminho a ser traçado pela mesma. Logo após clique na barra de propriedades da mistura interativa e ative a ferramenta Ajustar mistura ao caminho em seguida clique no objeto que será o caminho, veja: Outro exemplo em que a mistura se aplica muito bem: Contorno interativo A ferramenta de efeito de contorno é uma das mais utilizadas no CorelDRAW. Ao ser aplicado adiciona linhas em volta do objeto. Essas linhas utilizam a mesma forma que o traçado original do objeto, e podem ser maiores ou menores, conforme foram às definições na sua propriedade. 155

156 Para aplicar o efeito de contorno, ative a ferramenta clicando no menu Efeitos > Contorno ou se preferir CTRL F9, clique no objeto que receberá o efeito e arraste para fora ou para dentro da figura conforme você queira fazer o preenchimento. Ajustando as opções de contorno: Através das seguintes opções você pode alterar as configurações de posição do contorno são elas nesta respectiva ordem: para o centro, interno e externo. Envelope interativo Esta ferramenta permite a distorção da forma de um objeto. A distorção é criada através dos ajustes dos nós ao redor do objeto, veja: Você também pode alterar as propriedades de um envelope através da barra de propriedades. Nestes dois campos abaixo pode ser alterado o modelo do envelope e o estilo do mesmo. 156

157 E nessas opções abaixo pode alterar os tipos de pontos e os modos de envelopamento. Sombreamento interativo aplicado, veja: Esta ferramenta de efeito dá vida a um objeto, ou seja, realça sua existência através do sombreamento Ajustando as propriedades do efeito sombra através deste menu você pode determinar qual será a posição da sombra. 157

158 Extrusão interativa O efeito da extrusão dá uma forma tri-dimensional ao objeto, ou seja, da um volume e profundidade à criação. Veja no exemplo a seguir: Para configurar as cores que comporão a extrusão utilize a barra de propriedades com a ferramenta de efeito de extrusão ativa. Nos campos abaixo você pode alterar o tipo de perspectiva e a profundidade do efeito. Distorção interativa 158

159 Esta ferramenta é incrível. Quando aplicada em um objeto o resultado fica totalmente diferente da forma inicial do mesmo. Para aplicá-la basta ativar a ferramenta e selecionar o objeto que vai receber a distorção, levar o cursor ao centro do mesmo em seguida arrastar pressionando o mouse, veja: Poderá também alterar as configurações de distorção através da barra de propriedades. Perspectiva O efeito da perspectiva, quando aplicado a um objeto, cria uma ilusão de distância e profundidade. Para aplicar o efeito de Perspectiva, selecione o objeto em que deseja aplicar o efeito, clique no menu Efeito > Adicionar perspectiva. Transparência interativa Está é sem dúvida uma das ferramentas de efeito mais utilizadas no CorelDRAW. Cria um efeito de transparência em seu objeto. Para aplicar a transparência em um objeto siga os seguintes passos: Selecione o 159

160 objeto, ative a ferramenta de transparência, logo em seguida escolha o efeito de transparência e na seqüência clique botão Tipo de efeito localizado na barra de propriedades, veja: Veja como fica a aplicação da transparência linear: Símbolos e caracteres especiais Símbolos são objetos vetoriais provenientes de fontes de letras que podem ser inseridos na criação e editados como qualquer objeto. Para inserir um símbolo, clique no símbolo desejado na janela de símbolos e arraste-o para página. Abra a janela de símbolos através do atalho CTRL F11 ou clique no menu Texto > Inserir símbolo de caractere. Basta selecionar a fonte desejada. Algumas fontes contem mais símbolos que outras, um exemplo clássico são as Webdings (Fonte que contem somente caracteres especiais). 160

161 Separando os objetos do símbolo Um símbolo como os demais desenhos são constituídos de objetos, estes objetos podem ser separados e editados individualmente. Para separar os objetos que constituem um símbolo basta selecioná-lo e clicar no menu Organizar > Separar curva ou através do atalho CTRL K. 161

162 OUTRAS FERRAMENTAS Tabela Esta ferramenta nos permite criar com muita facilidade e rapidez uma tabela. Para criar uma tabela basta ativar a ferramenta tabela clicar no ponto inicial da tabela em seguida com botão do mouse apertado arrastar até a extremidade final da tabela. Alterando as configurações de uma tabela pronta através da barra de propriedades: Conector de linha reta Esta ferramenta permite criar linhas conectoras entre objetos. Mesmo depois de criadas às linhas conectoras ainda assim você pode movimentar e redimensionar os objetos. Para criar uma linha conectora clique na ferramenta Conector de linha reta, escolha o modelo da linha e em seguida clique no primeiro objeto a ser ligado e arraste o cursor até outro objeto a ser conectado. 162

163 Repare você pode movimentar os objetos e redimensioná-los sem interferir na linha conectora. Toda imagem importada, seja ela do scanner ou propriamente do arquivo é inserida como um bitmap. A partir desse conceito você poderá fazer alguns ajustes abaixo: Convertendo uma imagem no padrão do CMYK (Impressão): Selecione a imagem com a ferramenta de seleção, clique no menu Bitmaps > Modo > CMYK. Convertendo uma imagem no formato RGB (Vídeo): Selecione a imagem com a ferramenta de seleção, clique no menu Bitmaps > Modo > RGB. Convertendo uma imagem em escala de cinza: Selecione a imagem com a ferramenta de seleção, clique no menu Bitmaps > Modo > Tons de cinza. Lembre-se: Tons de cinza e preto e branco são modos diferentes de trabalho, quando você quiser que a figura fique com aspecto de uma foto P&B devemos utilizar o modo Tons de cinza, quando desejar trabalhar com alto grau de contraste utilize o modo P&B = Preto e Branco. Máscara de cor em um bitmap Às vezes ao importar uma imagem no CorelDRAW ela vem com um fundo que não combina com o trabalho. Através do recurso Máscara de cor de bitmap, você pode retirar esse fundo e trabalhar somente com a imagem. Retirando o fundo de uma imagem bitmap: Selecione a imagem e clique no menu Bitmaps > Máscara de cor de bitmap. 163

164 Ao lado um exemplo da aplicação da máscara: Efeito de PowerClip O efeito de PowerClip permite a inserção de uma imagem em um objeto fechado. Para aplicar o efeito de PowerClip siga os passos abaixo: Importe uma imagem qualquer e crie um recipiente onde será colocada a imagem. Selecione a imagem e clique no menu Efeito > PowerClip > Colocar em recipiente. Em seguida clique dentro do círculo, a imagem irá sumir não se assuste. Agora selecione o círculo e clique no menu Efeito > PowerClip > Editar conteúdo, depois ajuste a imagem dentro do círculo. Para encerrar, clique no menu Efeito > PowerClip > Concluir a edição deste nível, e o resultado aparecerá. 164

165 Efeito Enrolar página Selecionar a imagem em que deseja aplicar o efeito e clique no menu Bitmaps > Efeitos 3D > Enrolar página. Convertendo um desenho em Bitmap Para aplicar os efeitos de bitmaps em objetos vetoriais criados pelo próprio CorelDRAW, converta-os em bitmap. Para converter um objeto em imagem bitmap selecione e clique no menu Bitmap > Converter em bitmap. Abaixo como fica uma imagem vetorial convertida para um bitmap e ao lado a imagem Bitmap com o efeito de enrolar página. Imagem vetorial Imagem convertida Imagem vetorial Imagem convertida com o efeito. 165

Sinais no comportamento ou provas imateriais

Sinais no comportamento ou provas imateriais 46 CRAMI - ABCD Abuso Sexual Indicadores na Conduta da Criança/Adolescente Sinais corporais ou provas materiais Enfermidades psicossomáticas, que são uma série de problemas de saúde sem aparente causa

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Jauru ROMPENDO O SILÊNCIO

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Jauru ROMPENDO O SILÊNCIO 1 Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Jauru ROMPENDO O SILÊNCIO 2 O Fórum da Comarca de Jauru/MT em cumprimento a determinação emanada da Coordenadoria da Infância e Juventude do Tribunal

Leia mais

APOSTILA 2014 Jovens Talentos II

APOSTILA 2014 Jovens Talentos II APOSTILA 2014 Jovens Talentos II Rua: Paulo Kleis Junior, 268 São Vicente Itajaí/SC www.combemi.com.br Fone: (47) 3349-8146 / 3346-6146 MISSÃO Proporcionar o Protagonismo Juvenil a adolescentes em situação

Leia mais

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro O QUE É BULLYING Bullying é um termo da língua inglesa (bully = valentão ) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas,

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes Vamos Combater o Abuso e a Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes A violência sexual contra crianças e adolescentes acontece em todo o mundo, em diversas famílias e classes sociais. O QUE É A

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 (Da Sra. Sueli Vidigal) Dispõe sobre o desenvolvimento de política "antibullying" por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas,

Leia mais

FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR

FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR ORDEM DeMOLAY Este Manual foi desenvolvido pela Secretaria Estadual de Filantropia do GCEMG Brasil, para apoiar os Capítulos jurisdicionados ao

Leia mais

Sem proteção: é assim que uma criança ou adolescente se sente quando sofre algum tipo de violência.

Sem proteção: é assim que uma criança ou adolescente se sente quando sofre algum tipo de violência. Sem proteção: é assim que uma criança ou adolescente se sente quando sofre algum tipo de violência. VIOLÊNCIA INFANTOJUVENIL: COMO VOCÊ PODE AJUDAR? Esta cartilha objetiva esclarecer pais, educadores,

Leia mais

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente :

Observação: De acordo com o art.2º da Lei 8.069/90 Estatuto da Criança e Adolescente : TRABALHO É toda atividade humana, remunerada ou não, sistemática, obrigatória, que pode ou não exigir conhecimentos específicos sobre determinado tema, arte ou ofício, cujo objetivo é o alcance de uma

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06

LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR Lei n. 11.340/06 PREVISÃO CONSTITUCIONAL 1) O art. 226, 8º CF, dispões que: O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando

Leia mais

O IMPACTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VIDA E NA APRENDIZAGEM

O IMPACTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VIDA E NA APRENDIZAGEM ARTIGO O IMPACTO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA VIDA E NA APRENDIZAGEM Fabiane Klazura Rosas Pedagoga. Concluinte do Curso de Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Guia de conversação básica em inglês

Guia de conversação básica em inglês 2013 Guia de conversação básica em inglês Centercon Av. Dom Pedro I, 2.053 8º andar (31) 3304-2862 SUMÁRIO 1 CUMPRIMENTOS...3 2 APRESENTAÇÕES...3 3 COMEÇANDO UMA CONVERSA...3 4 DESPEDIDAS...4 5 AGRADECENDO...4

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a

Lei Maria da Penha. Pelo fim da violência. ulher. contra a Lei Maria da Penha Pelo fim da violência ulher contra a Ligação gratuita, 24 horas, para informações sobre a Lei Maria da Penha e os serviços para o atendimento às mulheres em situação de violência. Lei

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento Cleo Fante Educadora 1 A Escola Escola é... o lugar onde se faz amigos não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos...

Leia mais

VIII envio de mensagens, fotos ou vídeos por meio de computador, celular ou assemelhado, bem como sua postagem em blogs ou sites, cujo conteúdo

VIII envio de mensagens, fotos ou vídeos por meio de computador, celular ou assemelhado, bem como sua postagem em blogs ou sites, cujo conteúdo PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre o desenvolvimento de política antibullying por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos. Art. 1º. As instituições de

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor.

MANUAL DO VOLUNTÁRIO. Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. MANUAL DO VOLUNTÁRIO Ajudar uma criança é tornar o mundo melhor. Apresentação No decorrer do ano de 2010, muitas mudanças estruturais ocorreram na Casa do Bom Menino. Podemos colher alguns frutos positivos

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

OFICINA: SEXUALIDADE

OFICINA: SEXUALIDADE OFICINA: SEXUALIDADE Daniele Costa Tatiane Fontoura Garcez APRESENTAÇÃO A oficina tem como tema a Sexualidade, será realizado no Instituto Estadual de Educação Bernardino Ângelo, no dia 25/08/2014, segunda-feira,

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA

A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA A INSERÇÃO DA SAÚDE NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA ESCOLA Carlos Silva 1 Objetivo: Favorecer o desenvolvimento de ações pedagógicas em saúde a partir da inserção das questões de saúde no Projeto Político

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Esta cartilha destina-se ao público adulto, composto por profissionais da educação, saúde, assistência social, psicólogos, conselheiros tutelares e

Esta cartilha destina-se ao público adulto, composto por profissionais da educação, saúde, assistência social, psicólogos, conselheiros tutelares e Cartilha Denuncie o abuso e a exploraçao sexual contra crianças e adolescentes Esta cartilha destina-se ao público adulto, composto por profissionais da educação, saúde, assistência social, psicólogos,

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES)

RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) RECOMENDAÇÃO GERAL N.º 19 (VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES) Décima primeira sessão, 1992 Antecedentes 1. A violência baseada no género é uma forma de discriminação que inibe a capacidade das mulheres de gozarem

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR CAPÍTULOS 01 AO 08 ESTRUTURA DO VERBO TO BE NA SENTENÇA AFIRMATIVA

MATERIAL COMPLEMENTAR CAPÍTULOS 01 AO 08 ESTRUTURA DO VERBO TO BE NA SENTENÇA AFIRMATIVA MATERIAL COMPLEMENTAR CAPÍTULOS 01 AO 08 noções de inglês 2013.1 O VERBO TO BE O verbo to be corresponde no português aos verbos ser ou estar. Ele é utilizado para descrever e identificar pessoas e objetos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência

Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Direitos Humanos: As múltiplas faces da violência Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direitos Humanos Publicação no semestre 2015.1 do curso de Direito. Autor: Jean

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Cristina Almeida. Psicóloga escolar

Cristina Almeida. Psicóloga escolar Cristina Almeida Psicóloga escolar Preven Porque falar? Tema atual interfere direta e indiretamente na qualidade de vida. UNODC (Organização das Nações Unidas- Escritório contra Drogas e Crime Global Illicit

Leia mais

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres)

Formas de Violência Doméstica (contra crianças, adolescentes e mulheres) VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência é uma questão social que afeta a todas as pessoas, mulheres e homens, sejam elas crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos. Ela acontece em todas as classes sociais,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012

Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 Expert Consultation on Prevention of and Responses to Violence against Young Children Lima, 27 28 August 2012 JANDIRA FEGHALI (Deputada Federal/Brasil) Temas: Trabalhando com autoridades e parlamentares

Leia mais

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde

Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Avanços e Perspectivas dos Direitos da Criança com Ênfase na Área da Saúde Falar dos direitos da criança implica necessariamente um resgate do maior avanço em âmbito jurídico e político-ideológico relacionado

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Ano lectivo 2014/2015 Introdução A Educação para a Cidadania é um processo ao longo da vida. Começa em casa e no meio próximo das crianças com as questões da identidade, relações

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES A proteção e a promoção dos direitos da infância e adolescência também devem ser contempladas na forma como falamos e comunicamos este assunto. Alguns cuidados com a comunicação são fundamentais para proteger

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini

O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO. Profa. Dra. Luci Bonini O DIREITO DE ACESSO À EDUCAÇÃO Profa. Dra. Luci Bonini Desde a assinatura da Declaração Universal dos Direitos Humanos, alguns órgãos da sociedade têm se manifestado no sentido de promover as garantias

Leia mais

A Infância pede Socorro!

A Infância pede Socorro! Pai, Mãe, Ou Você que faz a função de Pai ou Mãe de crianças e adolescentes E, Educadores Abuso e Exploração sexual de Crianças e Adolescentes A Infância pede Socorro! PROJETO AÇÃO EDUCATIVA CONTRA A EXPLORAÇÃO

Leia mais

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS?

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? Pesquisador: Leonan Carvalho da Silva Universidade Nove de Julho Departamento de Pós-graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Eixo Temático: Teologia Prática:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA FACULDADE DE PSICOLOGIA/UFAM Nº 03/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA ATUAÇÃO POR CURTO PRAZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE PSICOLOGIA Núcleo de Formação Continuada de Conselheiros dos Direitos e Conselheiros Tutelares do Estado do Amazonas Escola de Conselhos do Amazonas CHAMADA

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALMEIDA GARRETT VILA NOVA DE GAIA CÓDIGO 400798 FORMAÇÃO CÍVICA Para uma Educação e Formação Social, Humana e Profissional dos alunos da Escola Secundária Almeida Garrett 1. Orientações

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

Conteúdos. Números cardinais How much What time is it?

Conteúdos. Números cardinais How much What time is it? Conteúdos Números cardinais How much What time is it? Habilidades Falar as horas em inglês. Utilizar os números cardinais para dar preços e s. Usar o how much para perguntar preços. PAUTA DO DIA Acolhida

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

(Eu) sempre escrito em letra maiúscula, em qualquer posição na frase. (Tu, você)

(Eu) sempre escrito em letra maiúscula, em qualquer posição na frase. (Tu, você) Nome: nº. 6º.ano do Ensino fundamental Professoras: Francismeiry e Juliana TER 1º BIMESTRE PERSONAL PRONOUNS (Pronomes pessoais) O que é pronome pessoal? O pronome pessoal substitui um nome, isto é um

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais