Volume II - EMENTÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Volume II - EMENTÁRIO"

Transcrição

1 Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Naturais e Tecnologia Curso de Graduação em Engenharia de Produção Volume II - EMENTÁRIO NOVOPROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (PPC3) Presidente Comissão de Reformulação do PPC Renata Melo e Silva de Oliveira, MSc Membros Docentes Yvelyne Bianca Iunes Santos, Drª Norma Ely Santos Beltrão, PhD André Clementino de Oliveira Santos, MSc Manoel Maximiano Jr, MSc Lauro Moreira Neto, MSc Membros Discentes Franky Rodrigues Araújo (2011) Flávio Sabathé (2012) Elizabeth Silva (2012) Assessora Pedagógica Membros Administrativos Maria de Fátima Marques Araújo, Esp Carolina Oliveira Vale João Moreira Neto. BELÉM-2012

2 2 SUMÁRIO DESENHO TÉCNICO I... 4 GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR... 5 INTRODUÇÃO AO CÁLCULO PARA ENGENHARIA... 6 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO... 7 MÉTODOS COMPUTACIONAIS PARA ENGENHARIA... 8 PORTUGUÊS INSTRUMENTAL... 8 QUÍMICA GERAL... 9 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I DESENHO TÉCNICO II FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROBABILIDADES GESTÃO E ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL QUÍMICA EXPERIMENTAL CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II CÁLCULO NUMÉRICO FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PRÁTICAS DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTATÍSTICA PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DOS MATERIAIS PARA ENGENHARIA MECÂNICA APLICADA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL III RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS ENGENHARIA DE MÉTODOS FENÔMENOS DE TRANSPORTE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL III ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ANÁLISE DE DEMANDAS REGIONAIS ERGONOMIA APLICADA ENGENHARIA ECONÔMICA HIGIENE e SEGURANÇA DO TRABALHO... 42

3 3 METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS, RELATÓRIOS E ARTIGOS EM ENGENHARIA PESQUISA OPERACIONAL I PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO I FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL IV ENERGIA E PROJETOS ELÉTRICOS ENGENHARIA DO PRODUTO E DO PROCESSO GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO DE CUSTOS I GESTÃO DE PROJETOS PESQUISA OPERACIONAL II PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO II AVALIAÇÃO E GESTÃO ECONÔMICA DE PROJETOS MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES PROJETO DE INSTALAÇÕES PSICOLOGIA E RELAÇÕES HUMANAS TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERÊNCIA DE MATERIAIS EMPREENDEDORISMO GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA LEGISLAÇÃO SOCIAL GESTÃO DE CUSTOS II MARKETING LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN PROJETO DE TCC EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO GERÊNCIA DE OPERAÇÕES EM SERVIÇOS CONSUMO E PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO GESTÃO DE PESSOAS E CONFLITOS PROCESSO E GESTÃO DA INOVAÇÃO ÉTICA E EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENGENHARIA DISCIPLINA OPTATIVA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS)... 85

4 4 EMENTÁRIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1º Ano -1º SEMESTRE DESENHO TÉCNICO I EMENTA Instrumental básico para desenho técnico, com aplicação em projetos de engenharia e arquitetura; Escalas; Cotagem; Noções de Vistas Ortográficas e Isometria; Planta Baixa; Planta de Cobertura; Corte. OBJETIVO Identificar os principais elementos da Expressão Gráfica CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I INSTRUMENTAL BÁSICO PARA DESENHO TÉCNICO, COM APLICAÇÃO EM PROJETOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA: 1.1. Dedução e montagem dos formatos padronizados de papel; 1.2. Representação de letras e algarismos técnicos: composição de títulos e/ou legendas. Unidade II Normas para Desenho Técnico - ABNT/DIN. Unidade III ESCALAS: 2.1 Elaboração e uso de escalas numéricas e gráficas; 2.2. Construção de escalas. Unidade IV COTAGEM: 3.1. Tipos e aplicações; 3.2. Representação gráfica. Unidade VI NOÇÕES DE VISTAS ORTOGRÁFICAS E ISOMETRIA: 4.1. Vistas principais, auxiliares e seccionais em volumes geométricos simples; 4.2. Isometria de Volumes Geométricos Simples. Unidade VII PLANTA BAIXA: 5.1. Obtenção, convenções e representação gráfica; 5.2. Condicionantes projeturais e/ou normas; 5.3. Setorização dos compartimentos; 5.4. Critérios para aberturas de vãos: portas, janelas, balancins, áreas livres; 5.5. Cotagem em desenho arquitetônico; 5.6. Representação gráfica de pavimento: térreo e superior; 5.7. Plantas de Reforma: Construir e Demolir. Unidade VIII PLANTA DE COBERTURA: 6.1. Tipos de coberturas; 6.2. Elementos da estrutura de coberturas; 6.3. Determinação de declividade conforme o tipo de telha; 6.4. Coberturas com águas combinadas; 6.5. Beirais e calhas; 6.6. Tipos de tesouras; 6.7. Dimensionamento, representação gráfica e detalhes. Unidade XIX CORTE: 7.1. Corte longitudinal e transversal; 7.2. Corte de paredes, pisos, forros, coberturas e demais elementos estruturais; 7.3. Representação de níveis e desníveis; 7.4. Corte de vãos: portas, janelas, balancins e áreas livres; 7.5. Cotagem técnica dos cortes; 7.6. Representação gráfica. FRENCH, Thomas. Desenho Técnico. Porto Alegre: Globo, OBERG, L. Desenho Arquitetônico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, MONTENEGRO, Gildo. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Edgar Blücher, s.d. CHAVES, Roberto. Como construir uma casa. Rio de Janeiro: Tecnoprint s.d. CRÉDITOSER, Hélio. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1986.

5 5 MELLO, Vanderley de Oliveira; Azevedo Netto, José M de. Instalações Prediais Hidráulico Sanitárias. São Paulo: Edgar Blücher, GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR EMENTA Matrizes, Determinantes, Sistemas lineares; Vetores no R 2 linear; Geometria analítica. e R 3 ; Espaço vetorial; Transformação OBJETIVO Fornecer ao aluno os conteúdos indispensáveis para o pleno conhecimento dos princípios fundamentais da geometria analítica e álgebra linear enfatizando sua importância na formação do engenheiro. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES: 1.1.Introdução; 1.2. Tipos especiais de matrizes; 1.3. Operações com matrizes; 1.4. Cálculo de determinantes; 1.5. Determinantes por recorrência - Teorema de Laplace; 1.6. Matriz inversa; 1.7. Definição de sistemas lineares homogêneo e não homogêneo; 1.8. Matriz associada à um sistema; 1.9. Classificação; Regra de Cramer; Escalonamento de sistemas e matrizes; Discussão e resolução de sistemas lineares. Unidade II VETORES NO R 2 E R 3 : 2.1. Definição; 2.2. Operações e interpretação geométrica - Adição, Multiplicação por um escalar, Produto escalar, Produto vetorial e Produto misto; 2.3. Aplicações. Unidade III ESPAÇO VETORIAL: 3.1. Definição; 3.2. Subespaço; 3.3. Combinação linear; 3.4. Dependência e independência linear; 3.5. Base e dimensão. Unidade IV Unidade V TRANSFORMAÇÃO LINEAR: 4.1. Definição; 4.2. Propriedades; 4.3. Núcleo e imagem; 4.4. Teorema do núcleo e da imagem; 4.5. Operador linear. GEOMETRIA ANALÍTICA: 5.1. Estudo das cônicas; Circulo; Elipse; Parábola e Hipérbole. ABREU, Carlos Ferreira de. Geometria Analítica. São Paulo: Ao livro Técnico, s.d. BOLDRINI, José Luiz. Álgebra Linear. São Paulo:Harper e Row do Brasil, LIMA, Roberto de Barros. Curso Básico de Vetores. São Paulo: Ed. Nacional, CALLIOLI, Carlos Alberto. Álgebra Linear e Aplicações. São Paulo: Atual, JEZZI, Gelson et alii. Fundamentos de Matemática Elementar. São Paulo: Atual, v. LIMA, Roberto de Ballos. Elementos de Geometria Analítica: Curso Moderno. São Paulo Ed. Nacional, 1976.

6 6 INTRODUÇÃO AO CÁLCULO PARA ENGENHARIA EMENTA Introdução ao Cálculo. Expressões polinomiais. Identidade e equação. Simplificação e fatoração. Expressões Racionais: Envolvendo as quatro operações. Potência com expoente racional. Função do 1º grau. Inequações do 1º grau. Funções quadráticas. Equações e Inequações do 2º grau. Função modular. Equações e Inequações modulares. Intervalos e desigualdades. Limites e continuidade de funções de uma variável real. Teorema do valor intermediário. Funções exponenciais e logarítmicas. Derivadas. Teoremas de Rolle e do Valor Médio. Estudo dos gráficos de funções. Máximos e Mínimos. Noções de Derivadas e Integral. Aplicações em Engenharia de Produção. OBJETIVO Estudar os fundamentos matemáticos necessários ao ingresso do curso de cálculo diferencial e integral da Engenharia de Produção CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I 1 Introdução ao Cálculo.Conjuntos numéricos e os números reais;; 3 - Polinômios e fatoração; 4 - Expressões fracionárias; 5 - Equações; 6 - Inequações; C - Noções de trigonometria e funções trigonométricas; D - Secções cônicas; Respostas selecionadas; Índice remissivo; Sobre os autores. Unidade II Álgebra; Radiciação e potenciação. Unidade III Funções; - Funções e suas propriedades; 8 - Funções do primeiro e segundo graus; 9 - Funções potência; 10 - Funções polinomiais; 11 - Funções exponenciais; 12 - Funções logarítmicas; 13 - Funções compostas; 14 - Funções inversas Unidade IV Unidade V Sistemas e matrizes; Análise combinatória e teorema binomial. Estudo do Limite. Noções de integral e derivada.aplicações em Engenharia de Produção FRANKLIN D. Demana, BERT K. Waits, gregoryu d. foley e daniel kennedy. pré-cálculo. (2009) IEZZI, Gelson; MURAKAMI, Carlos. fundamentos de matemática elementar. vol 1. conjuntos e funções. ed elsevier 2009 IEZZI, Gelson; MURAKAMI, Carlos. fundamentos de matemática elementar. vol 8. derivadas, noções de integral. ed elsevier 2009 IEZZI, Gelson; MURAKAMI, Carlos. fundamentos de matemática elementar. vol 6. complexos, polinômios, equações.. ed elsevier 2009 GUIDORIZZI, Hamilton Luis. Um Curso de Cálculo. Rio de Janeiro: LTC, 1988.Vol. 4 LEITHOLD, Luis. O Cálculo com Geometria Analítica. São Paulo: Harbra, 1976.

7 7 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTA O que é a Engenharia de Produção. Onde atua o Engenheiro de Produção. As dez Áreas da Engenharia de Produção definidas pela ABEPRO. Estudo de Casos OBJETIVO Apresentar sucintamente aos alunos questões e situações associadas às diversas áreas de atuação da engenharia de produção. Noções sobre possibilidades de atuação profissional. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I INTRODUÇÃO: 1.1.Histórico da Engenharia de Produção, 1.2. principais fontes de consulta. 1.3 A Associação Brasileira de Engenharia de Produção Unidade II AS ÁREAS DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO: a) Engenharia de Operações e Processos da Produção; B) Logística; C) Pesquisa Operacional; D) Engenharia da Qualidade; E) Engenharia do Produto; F) Engenharia Organizacional; G)Engenharia Econômica; H)Engenharia do Trabalho; I)Engenharia da Sustentabilidade; J) Educação em Engenharia de Produção Unidade III Estudos de Casos e Desafios da Engenharia de Produção BATALHA et al. Introdução a Engenharia de Produção: Rio de Janeiro. Elsevier SLACK, N. et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas Associação Brasileira de Engenharia de Produção: - Anais dos ENEGEP s Encontro Nacional de Engenharia de Produção - Revista Produção: da ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção. - Revista Produto & Produção: do PPGEP/UFRGS. - Revista Gestão & Produção: da Universidade de São Carlos. - Revista ABENGE: da Associação Brasileira do Ensino de Engenharia. - Revista da Universidade do Amazonas: da Universidade do Amazonas. - Revista Educação & Tecnologia: do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná. - Revista Tecnologia: da Universidade de Fortaleza. - Revista Pesquisa Operacional: da Sociedade Brasileira de Pesquisa Operacional. - Revista Ciência & Tecnologia: da Universidade Metodista de Piracicaba. - American Society for Quality: - Association for Quality and Participation: - Biblioteca da Escola de Administração de São Paulo: - Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos: - Biblioteca Virtual de Educação: - Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro: - Biblioteca Virtual em Saúde: - Business Process Reengineering and Business Innovation: Informação e Comunicação para Ciência e Tecnologia:

8 8 - Institute for Scientific Information: - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia: LIPSCHUTZ, Seyomour. Álgebra Linear. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, MÉTODOS COMPUTACIONAIS PARA ENGENHARIA EMENTA Breve história da computação. Computadores: unidades básicas, instruções, programa armazenado, endereçamento, programas em linguagem de máquina. Fundamentos da Lógica Computacional. Lógica de Programação e suas representações. Constantes e variáveis. Estruturas de dados básicas. Estruturas de controle linear e condicional. Estruturas de controle de repetição. Vetores e Matrizes. Aplicações da lógica de algoritmos. Ferramentas para elaboração de algoritmos OBJETIVO Apresentar e capacitar o participante no desenvolvimento de algoritmos básicos e no uso de ferramentas de análise combinatória. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I HISTORIA DA COMPUTAÇÃO. INTRODUÇÃO E CONCEITOS FUNDAMENTAIS: 1.1 Importância da computação na Engenharia de Produção; 1.2 Unidade Central de Processamento; 1.3 Memórias; 1.4 Periféricos de um computador. Unidade II Fundamentos da Lógica Computacional. Algoritmos, Estruturas de Dados e Programas. Tipos de Dados e Tipos Abstratos de Dados. Medida do Tempo de Execução de um Programa. Técnicas de Análise de Algoritmos Unidade III Estruturas de Dados Básicas: Lineares, Pilhas e Filas Unidade IV Linguagens de Programação Estruturada. Noções de C. MANZANO, José Augusto Navarro Garcia; OLIVEIRA, Jayr Figueiredo de. Algoritmos: lógica para desenvolvimento de programação de computadores. 14. ed. São Paulo: Érica, p. GUIMARÃES, Angelo de Moura; LAGES, Newton Alberto de Castilho. Algoritmos e estrutura de dados. Rio de Janeiro: LTC, p. (Ciência de computação ) ARRER, Harry. Pascal estruturado. 3.ed. Rio de Janeiro: LTC, p. CORMEN, T., LEISERSON, C, RIVEST R., STEIN, C. Introduction to Algorithms, Second Edition, MIT Press, SEDGEWICK, R. Algorithms, Second Edition, Addison-Wesley, 1998 AHO, A., HOPOCROFT J., ULLMAN J. Data Structure and Algorithms, Addison-Wesley, 1983 ZIVIANI, N., Projeto de Algoritmos com Implementações em Pascal e C, 2ª Edição, Editora Thomson, PORTUGUÊS INSTRUMENTAL EMENTA Leitura e Construção de Sentido; Produção de Texto; Atualização Gramatical; Redação Técnica. OBJETIVO Reforçar e complementar os conhecimentos básicos da língua portuguesa para aplicá-los, corretamente, na vida profissional.

9 9 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I LEITURA E CONSTRUÇÃO DE SENTIDO: 1.1. Leitura como processo interativo entre o leitor e o texto; 1.2. A polissemia; 1.3. Sentido literal e sentido não literal; 1.4. Sentidos não literais: pressupostos e subtendidos; 1.5. Estratégias para a análise dos implícitos; 1.6. Marcadores do discurso: advérbios, pronomes de 3ª pessoa, conjunções; 1.7. Leitura e interpretação de textos, cuja temática esteja voltada para a realidade do curso ou para o assunto estudado. Unidade II PRODUÇÃO DE TEXTO: 2.1. Texto e Leitura; 2.2. Tessitura e diferentes tipos de leitura; 2.3. Parágrafo padrão: características, organização do pensamento, elaboração; 2.4. Coesão e Coerência textuais; 2.5. Texto dissertativo e argumentativo; 2.6. Produção de textos voltados para a realidade do curso. Unidade III ATUALIZAÇÃO GRAMATICAL: 3.1. Emprego e correlação das formas verbais; 3.2. Síntese de concordância e de regência; 3.3. Dificuldades mais freqüentes; 3.4. Pontuação; 3.5. Mecanismos de articulação das orações no período: coordenação e subordinação; 3.6. Leitura e interpretação de textos. Unidade IV REDAÇÃO TÉCNICA: 4.1. Elaboração de documentos oficiais comuns a todos os cursos: requerimento, relatório, currículo; 4.2. Elaboração de textos pertinentes a cada curso. GARCIA, Othon Moacir. Comunicação em prosa Moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, KOCH, VILLAÇA; GRUNFELD, Ingedore. Coesão Textual. São Paulo: Contexto, A Coerência Textual. São Paulo: Contexto, ORLANDI, Eni Pulcinelli. Discurso E Leitura. São Paulo: Cortêz, MARTINS, Dileta Silveira E Zilberknop, Núbia Selair. Português Instrumental. Porto Alegre: Sagra, BLIKSTEIN, Izidoro. Técnicas de Comunicação Escrita. São Paulo: Ática, FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e Coerência Textuais. São Paulo: Ática, GRANATIC, Branca. Técnicas Básicas de Redação. São Paulo: Scipione, MARTINS, Maria Helena. O que é Leitura?. São Paulo: Brasiliense, FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para Entender o Texto. São Paulo: Ática, SERAFINI, Maria Teresa. Como Escrever Textos. Rio de Janeiro: Globo, SOARES, Magda Becker e Campos, Edson Nascimento. Técnica De Redação: As Articulações Lingüisticas Como Técnica De Pensamento. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1978 QUÍMICA GERAL EMENTA Estequiometria e a base da teoria atômica; Estrutura eletrônica dos átomos; As Ligações Químicas. OBJETIVO Estudar os principais Fenômenos Químicos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I ESTEQUIOMETRIA E A BASE DA TEORIA ATÔMICA; 1.1. Notação Química - Número

10 10 Unidade II Unidade III Atômico - Número de Massa; 1.2. Molécula - Íon - Mol; 1.3. Reação Química - Equação Química; 1.4. Leis Ponderais da Química; 1.5. Cálculo Estequiométrico. ESTRUTURA ELETRÔNICA DOS ÁTOMOS: 2.1. Descobertas do Elétron, Próton e Nêutron; 2.2. Modelos Atômicos: concepção mecânico - ondulatória LIGAÇÕES QUÍMICAS: 3.1. Teoria das Ligações; 3.2. Ligação Iônica; 3.3. Ligação Covalente - Orbitais Moleculares; 3.4. Ligação Metálica; MAHAN, Bruce. Química: Um Curso Universitário. São Paulo: Ed. Edgar Blucher, QUAGLIANO, J. V., VALLARINO, L. M. Química. Rio de Janeiro: Guanabara, GENTIL, Vicente. Corrosão. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, SHREVE, R. Norris, A. BRINK JUNIOR, Joseph. Indústria de Processos Químicos. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, METHA, P. Kumar. MONTEIRO, Paulo J. M. Concreto: estrutura, propriedades e materais. São Paulo: Pini, BAUER, L.A, Falcão. Materiais de Construção. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, PETRUCCI, Eládio G. R. Materiais de Construção. Porto Alegre: Globo,1978. HELENE, Paulo R. L. Corrosão em Armadura para Concreto Armado. São Paulo: Pini, CASCUDO, Osvaldo, O controle da corrosão de armaduras em concreto: inspeções técnicas eletroquímicas. São Paulo: Pini, 1997 SANTANA, Humberto et. Manual de pré-misturados a frio. Rio de Janeiro, IBC/ Comissão de Asfalto, GUIMARÃES, José Epitácio Passos A Cal - Fundamentos e Aplicações na Engenharia Civil. São Paulo: Pini, 1997.

11 11 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1º Ano - 2º SEMESTRE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Limite. Derivadas de 1ª ordem. Técnicas de derivação. Integrais indefinidas. Técnicas de integração. Integrais definidas. Teorema Fundamental do Cálculo. Áreas, volumes e outras aplicações das integrais definidas.técnicas de integração. Integrais Impróprias. Aplicações em Engenharia de Produção. OBJETIVO Capacitar o participante na realização de estudos de limites, derivadas de primeira ordem, e integrais a fim de encontrar soluções quantitativas para a resolução de problemas de Engenharia. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I FUNÇÕES: 1.1. Função de uma variável. Domínio. Conjunto imagem e gráficos; 1.2 Função de duas variáveis. Domínio. Curvas de nível e gráficos; 1.3 Funções inversas. Unidade II LIMITES: 2.1 Limite de uma função de uma variável. Propriedades; 2.2 Continuidade de funções; 2.3 Limite de uma função de 2 variáveis. Unidade III DERIVADAS: 3.1. Definição de derivada de função de uma variável; 3.2 Regras de derivação; 3.3 Derivadas de funções elementares; 3.4 Derivadas de funções compostas. Regra de Cadeia; 3.5 Derivadas de ordem superior; 3.6 Derivadas parciais; 3.7 Funções monótonas. Unidade IV INTEGRAL: 4.1. Definição de integral de função de uma variável; 4.2. Regras de Integração; 4.3. Integral de funções elementares; 4.4. Integral de funções compostas. AVILA, Geraldo. Cálculo. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, v. GRENVILLE, W.A. Elementos de Cálculo Diferencial e Integral. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, s.d. (Coleção Schaum). GUIDORIZZI, Hamilton Luis. Um Curso de Cálculo. Rio de Janeiro: LTC, 1988.Vol. 4 LEITHOLD, Luis. O Cálculo com Geometria Analítica. São Paulo: Harbra, DEMIDOVITCH, Boris et alii. Problemas e Exercícios de Análise Matemática. Moscou: Mir, SPIEGEL, Murray R. Cálculo Avançado. São Paulo: McGraw-Hill, (Coleção)

12 12 DESENHO TÉCNICO II EMENTA Plantas de Orientação, Situação e Locação; Escadas; Elevações; Instalações Industriais; Lay Out de Projetos de Fábricas Simples. OBJETIVO Desenvolver os principais elementos da expressão gráfica, de modo a representá-los satisfatoriamente nos desenhos de Engenharia. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I PLANTAS DE ORIENTAÇÃO, SITUAÇÃO E LOCAÇÃO: 1.1. Condicionantes projeturais e representação gráfica. Unidade II ESCADAS: 2.1. Tipos de escadas; 2.2. Cálculo; 2.3. Representação em plantas, cortes e vistas; 2.4. Detalhes de escadas e rampas com corrimão. Unidade III ELEVAÇÕES: 3.1. Elementos de composição das fachadas; 3.2. Representação gráfica. Unidade IV INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS: 4.1. Simbologia: água, esgoto e eletricidade; 4.2. Lay Out: planta baixa com indicação dos principais pontos de utilização da Fábrica FRENCH, Thomas. Desenho Técnico. Porto Alegre: Globo, 1978 OBERG, L. Desenho Arquitetônico. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, MONTENEGRO, Gildo. Desenho Arquitetônico. São Paulo: Edgar Blücher, s.d.. CHAVES, Roberto. Como construir uma casa. Rio de Janeiro: Tecnoprint s.d. CRÉDITOSER, Hélio. Instalações Elétricas. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1986 MELLO, Vanderley de Oliveira; Azevedo Netto, José M de. Instalações Prediais Hidráulico Sanitárias. São Paulo: Edgar Blücher, 1988 NEUFERT, Ernst. Arte de Projetar em Arquitetura. São Paulo: G. Gilli, 1976 PEREIRA, Ademar. Desenho Técnico Básico. Rio de Janeiro: Francisco Alves, s.d.

13 13 FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA: Capacitar o aluno a reconhecer e usar princípios básicos de Mecânica Newtoniana na resolução de problemas elementares. EMENTA: Medição. Movimento retilíneo. Movimento em duas e três dimensões. Força e movimento. trabalho e energia cinética. Conservação da energia. Sistemas de partículas. Colisões. Rotação. Rolamento, torque e momento angular. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: 1. MEDIÇÃO 1.1. Medindo Grandezas 1.2. Sistema Internacional de Unidades 1.3. Mudanças de Unidades 1.4. Comprimento 1.5. Tempo 1.6. Massa 2. MOVIMENTO RETILÍNEO 2.1. Movimento 2.2. Posição e Deslocamento 2.3. Velocidade Média e Velocidade Escalar Média 2.4. Velocidade Instantânea e Velocidade Escalar 2.5. Aceleração 2.6. Aceleração Constante: Um caso Especial 2.7. Aceleração Constante: Outro Aspecto 2.8. Aceleração de Queda Livre 3. MOVIMENTO EM DUAS E TRÊS DIMENSÕES 3.1. Posição e Deslocamento 3.2. Velocidade e Velocidade Média 3.3. Aceleração e Aceleração Média 3.4. Movimento de Projéteis 3.5. Movimento Circular Uniforme 4. FORÇA E MOVIMENTO 4.1. Primeira Lei de Newton 4.2. Força 4.3. Massa 4.4. Segunda Lei de Newton 4.5. Algumas Forças Específicas 4.6. Terceira Lei de Newton 4.7. Aplicação das Leis de Newton 4.8. Atrito 4.9. Propriedades do Atrito

14 Força de Viscosidade e Velocidade Limite Movimento Circular Uniforme As Forças da Natureza 5. TRABALHO E ENERGIA CINÉTICA 5.1. Trabalho: Movimento em uma Dimensão com Força Constante 5.2. Trabalho Executado por uma Força Variável 5.3. Trabalho Realizado por uma Mola 5.4. Energia Cinética 5.5. Potência 6. CONSERVAÇÃO DA ENERGIA 6.1. Trabalho e Energia Potencial 6.2. Energia Mecânica 6.3. Determinação da Energia Potencial 6.4. Forças Conservativas e Não-conservativas 6.5. Conservação da Energia 6.6. Trabalho Executado por Forças de Atrito 7. SISTEMAS DE PARTÍCULAS 7.1. Centro de Massa 7.2. A Segunda Lei de Newton para um Sistema de Partículas 7.3. Momento Linear 7.4. Momento Linear e um Sistema de Partículas 7.5. Conservação do Momento Linear 7.6. Sistemas de Massa Variável: Um Foguete (Opcional) 8. COLISÕES 8.1. Que é uma Colisão? 8.2. Impulso e Momento Linear 8.3. Colisões Elásticas em uma Dimensão 8.4. Colisões Inelásticas em uma Dimensão 9. ROTAÇÃO 9.1. As Variáveis da Rotação 9.2. Grandezas Angulares como Vetores: Uma Digressão 9.3. Rotação com Aceleração Angular Constante 9.4. As Variáveis Lineares e Angulares 9.5. Energia Cinética de Rotação 9.6. Cálculo do Momento de Inércia 9.7. Torque 9.8. A Segunda Lei de Newton para a Rotação 9.9. Trabalho, Potência e o Teorema do Trabalho da Cinética. 10. ROLAMENTO, TORQUE E MOMENTO ANGULAR Rolamento Torque Revisitado Momento Angular Segunda Lei de Newton na Forma Angular Momento Angular de um Sistema de Partículas

15 Momento Angular de um Corpo Rígido que Gira em Torno de um Eixo Fixo Conservação do Momento Angular. BIBLIOGRAFIA HALLIDAY, D. RESNICK, R. Fundamentos da Física. 3 ed. vol. I e II, Rio de Janeiro: Livros Técnicos Editora S.A., TIPLER, P.A. Física. 2º edição. Vol. I e II. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, SERWAI, R.A. Física. 4º edição Vol. I e II. Rio de Janeiro: Livros Técnicos Editora, AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL EMENTA Introdução à Automação Industrial. Redes de Comunicação de dados em Sistema de Automação Industrial. Sistemas Supervisórios e Interfaces Homem-máquina ( ihm ) em Sistemas Industriais. Automação de Sistemas de Manufatura. Análise e Modelagem de Sistemas à Eventos Discretos com Redes de Petri Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis( clps ) Sensores e Atudores Industriais. OBJETIVO Identificar os principais elementos da Expressão Gráfica CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Histórico; Conceitos; Objetivos da Automação; Automação nas indústrias; Tipos de Automação;O Processo da Automação; Sistemas de Automação; Arquitetura da Automação Industrial; Processo em automação. Unidade II- SENSORES E ATUDORES INDUSTRIAIS Conceito de Sensor Lógico, Sensores Lógicos com Acionamento por Contato Mecânico, Sensores Lógicos com Acionamento por Proximidade, Sensor Lógico ativados por Temperatura, Sensor Lógico ativado por nível de pressão, Características de Sensores Lógicos com saída à Transistor e à Relé Unidade III INTRODUÇÃO AOS CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS( CLPs ) Definição de CLP; Vantagens de desvantagens; Princípios de Funcionamento; Tipos de Sinais;Dispositivos de entrada e saída (sensores e atuadores). Unidade IV ANÁLISE E PROJETO BASEADO EM LÓGICA ESTRUTURADA E DIAGRAMAS DE ESTADOS. INTRODUÇÃO: Diagrama Ladder, Tipos de entradas e saídas Lógicas em um Diagrama Ladder, Exemplos, Exercícios. HARDWARE DE UM CLP INDUSTRIAL: Tipos de CLPs, Componentes de Hardware de um CLP; Módulos de entrada e de saída, Fontes de alimentação, CPU; Diagramas elétricos de interligação: Simbologia JIC; Arquitetura de memória em um CLP; Problemas práticos, Exercícios. OPERAÇÃO DE UM CLP: Seqüência de operação, Status de um CLP, Tipos de memória, Problemas práticos. LATCHES, TEMPORIZADORES E CONTADORES E RELÉS INTERNOS: Temporizadores, Contadores, Máster Control Relay ( MCR ), Relés internos, Blocos funcionais em Diagramas Ladder; Exemplos práticos, Exercícios. Programação de CLPs na forma de lista de Instruções e na forma de Código Fonte em Linguagem Estruturada: Linguagem Estruturada, Exemplos. Unidade V ANÁLISE E MODELAGEM DE SISTEMAS À EVENTOS DISCRETOS COM REDES DE PETRI. Redes de Petri, Execução de Redes de Petri, Exemplos de alguns Sistemas a Eventos Discretos e suas Redes de Petri, Significados de dos termos Posição,Transição, Marcas, Arcos Orientados e Pesos de Arcos Orientados em Sistemas Reais em sistemas de Automação Industrial; Conceitos de Redes

16 16 Recursos / Transições e de Redes de Condições / Eventos; Equivalências básicas entre Expressões Booleanas, Diagramas Ladder Elementares e Redes de Petri; Exemplos de sistemas a eventos discretos modelados por redes de Petri; Variáveis de estado de uma rede de Petri; Exercícios. Classes e Propriedades em Redes de Petri: Definições; Rede pura; Rede ordinária, Circuito direcionado, Rede fortemente conexa, Circuito Elementar; Classes de Redes de Petri; Grafo marcado ou Grafo de eventos, Exemplos, Máquinas de Estados, Redes de livre escolha, Exemplos. Propriedades de Desempenho e Propriedades Estruturais: Limitação, Conservação, Vivacidade e Conflito Mortal, Exemplos, Alcançabilidade, Persistência (não- interruptibilidade), Exemplos, Reversibilidade, Exemplos, Vivacidade e Segurança de Grafos de Eventos, Vivacidade de máquinas de Estado, Exercícios, Algoritmo para Busca de Circuitos Elementares. Análise de rede de Petri: Análise pelas Árvores de Alcançabilidade e de Cobertura, Análise pelas Matrizes de Incidência e equações de estado, Análise através de Simulação Digital, Exercícios. Processos de Modelagem: Construção de Modelos pela Abordagem de Agrupamento (BOTTON-UP), Construção de Modelos pela Abordagem de Refinamento (TOP-DOWN), Exercícios. Projeto de Controladores para Automação utilizando a abordagem de redes de Petri: Das Especificações ao Controlador, Estudo de caso, Esquemas básicos para Controladores de Eventos, Aperfeiçoamento Progressivo dos Controladores, Exercícios. Unidade VI AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS DE MANUFATURA. Sub-Redes Usuais, Produção repetitiva em uma Central de Usinagem ( JOB SHOP ), Análise e Otimização das Centrais de Usinagem, Sistema Kanban, Exercícios com simulação de sistemas. Unidade VII SISTEMAS SUPERVISÓRIOS E INTERFACES HOMEM-MÁQUINA ( IHM ) EM SISTEMAS INDUSTRIAIS. Introdução, Atividades dos operadores, Planejamento do sistema supervisório, Exercícios Unidade VIII REDES DE COMUNICAÇÃO DE DADOS EM SISTEMA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Sistemas distribuídos, Redes abertas, Classes de redes, Operação das topologias de rede, Modelos de transparência de dados, Exercícios. INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL, Branqs Automação, Autor: Kauê Leonardo Gomes Ventura Lopes. CLP Programação Básica de CLP. Disponível em: Autor: Lázaro Anzolini. Curso de Controladores Lógicos Programáveis. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Autor: Bernardo Severo da Silva Filho. Automating Manufacturing Systems with PLCs (Version 5.1, March 21, 2008), Hugh Jack. Automação Industrial - 4a edição, Marco Antônio Ribeiro. Controladores Lógicos-Programáveis Sistemas Discretos. Franchi, Claiton e Camargo, Valter. Editora Érica. 2ª. Edição. JACK, Hugh Automation Manufacturing Systems with PLCs - Beta version in PDF filehttp://claymore.engineer.gvsu.edu/~jackh/books.html MORAES, Cícero Couto de ; Castrucci, Plínio de Lauro Engenharia de Automação Industrial- Hardware e Software, redes de Petri, sistemas de manufatura, gestão da automação- LTC- Livros técnicos e científicos, Editora S. A.( LIVRO TEXTO ) FIALHO, Arivelto Bustamante Fialho Automação Pneumática- Projetos, Dimencionamento e Análise de Circuitos Editora Érica LTDA. NATALE, Ferdinando Automação Industrial- Série Brasileira de tecnologia Editora Érica LTDA. SILVEIRA, P.R.;Santos, W.E Automação e Controle Discreto- Editora Érica ltda. BOLLMAN, Arno Fundamentos de Automação Industrial Pneutrônica - Projetos de comandos Binários Eletropneumáticos - ABHP Associação Brasileira de Hidráulica e Pneumática, SÃO PAULO.

17 17 MIYAGI, Paulo Eigi Controle programável - Fundamento de Controle de Sistemas a Eventos Discretos - Editora Edgard Blucher LTDA. FRADEN, Jacob Handbook of Modern Sensors - Spriger- Verlag OLIVEIRA, Júlio César Peixoto de Controlador programável Editora Markron Books. JACK, Hugh Automation Manufacturing Systems with PLCs - Beta version in PDF filehttp://claymore.engineer.gvsu.edu/~jackh/books.html VIEIRA JR, Petrônio - Apostila de Automação Industrial- DEEC-UFPA. VIEIRA JR, Petrônio - Notas de aula de Automação Industrial- DEEC-UFPA PROBABILIDADES Objetivos Apresentar o cálculo de probabilidades, as principais distribuições discretas e contínuas, elementos de confiabilidade e as cadeias de Markov. Ementa: 1.Conceito de Probabilidade e variável aleatória.2.variáveis aleatórias discretas. 3.Variáveis aleatórias contínuas. 4.Confiabilidade. 5.Cadeias de Markov Programa Probabilidade. Conceitos básicos. Probabilidade condicionada. Independência. Teorema de Bayes. Variável aleatória discreta e contínua. Variável aleatória bidimensional. Transformação de variável. Função de variável aleatória. Valor esperado. Variância e Covariância. Tchebycheff. Modelos de Variáveis discretas e contínuas. Lei dos grandes números. Teorema do limite central. Confiabilidade. Leis de falhas. Cadeias de Markov. Introdução aos processos de decisão markovianos. Uso de programas de computador para probabilidade. Bibliografia Básica LIPSCHUTZ, Seymour. Probabilidade. 4. ed. rev. São Paulo: Makron Books, p. MEYER, Paul L. Probabilidade: aplicações à estatística. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, p SPIEGEL, Murray R. Probabilidade e estatística. São Paulo: McGraw-Hill, p WALPOLE, Ronald E. Probabilidade & estatística: para engenharia e ciências. 8. ed. São Paulo: Pearson Education, Bibliografia Complementar MEYER, Paul L. Probabilidade. Ed. LTC, COSTA NETO, Pedro Luiz O. e CYMBALlSTA, Melvin. Probabilidade. São Paulo: Edgar Blücher, DEVORE, Jay L. Probabilidade e Estatística para Engenharia. São Paulo: Ed Thomson Pioneira, 2006 BERTSEKAS, D. P., TSITSIKLIS, J. N. (2002). Introduction to Probability. Athena Scientific.

18 18 GESTÃO E ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL EMENTA Introdução ao Estudo de Organização, Sistemas e Métodos administrativos. Fundamentos de Organização. Gráficos de Organização e Controle. Departamentalização. Estruturas Organizacionais. Análise Funcional / Estrutural. Análise e Distribuição de Espaço Físico / Ambiência. OBJETIVO Obter uma visão global dos principais tópicos de administração e de identificar as teorias administrativas e analisar as vantagens e desvantagens da aplicabilidade de cada uma delas em uma empresa produtora de bens ou serviços. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Unidade I INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO: 1.1. Definição; Exemplos; Origem histórica; Objetivos da Administração; Eficiência; Eficácia; Princípios gerais da administração; Divisão do trabalho e especialização; Autoridade e responsabilidade; Hierarquia ou cadeia escalar; Unidade de comando; Amplitude administrativa; Exemplos; Recursos empresariais; Administração de produção; Administração financeira; Administração de Recursos humanos; Administração mercadológica; Administração em geral. Unidade II TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO: 2.1-Introdução; 2.2- Era clássica, industrial e da informação; Ênfase nas tarefas; Ênfase na estrutura; Ênfase nas pessoas; Ênfase no ambiente e tecnologia; 2.3- Teoria da administração científica; Frederick Taylor; 2.4- Teoria clássica; Henri Fayol; 2.5- Teoria Burocrática; Max Weber; 2.6- Teoria das relações humanas; 2.7- Teoria de sistemas; 2.8- Teoria da Contigência; 2.9- Outras teorias; Comparações entre elas; Vantagens e desvantagens; Exemplos em empresas. Unidade III FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS: 3.1- Introdução; 3.2-Planejamento; Conceito; Importância; Princípios; Técnicas; Tipos Planejamento estratégico Tático; Operacional; Exemplos; 3.3- Organizações; Conceito; Objetivos; Princípios Estrutura organizacional; Hierarquia; Departamentos Critérios de departamentalização; Centralização e descentralização Cargos e tarefas; 3.4- Direção; Conceito; Características; Meios; Liderança; Comunicação; Motivação; Coordenação; Habilidades do administrador; Técnicas humanas e conceituais; Valor do pessoal da empresa; Exemplos; 3.5- Controle; Objetivo; Importância; Processo; Técnicas; Princípios; Áreas; 3.6- Administração como um sistema; Conceito; Empresa como sistema; Característica da administração sistemática; Exemplos. CHIAVENATO, I. Introdução a Teoria Geral da Administração.São Paulo: Campus MAXIMINAO, A.C.A. Introdução a Administração. São Paulo: Atlas CORREA, H.L. Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas. 2003

19 19 QUÍMICA EXPERIMENTAL EMENTA Experimentos de Química geral aplicada a Engenharia OBJETIVO Realizar os experimentos químicos que dão suporte prático ao conteúdo da disciplina Química geral, estudada no primeiro semestre. ATIVIDADES DE LABORATÓRIO Unidade I NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO: Procedimentos Básicos de Laboratório e Apresentação dos Principais Materiais Utilizados Unidade II TÉCNICAS DE LABORATÓRIO: Realização de Medidas de Volumes e Pesagens Utilizando Técnicas de Laboratório. Unidade III RELAÇÕES QUANTITATIVAS ENTRE REAGENTES E PRODUTOS: - CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO: Reações químicas. Unidade IV FORMAÇÃO DE COMPOSTOS - LIGAÇÕES QUÍMICAS: Construção de Modelos Atômicos Utilizando Peças de Construção. Unidade V SOLUÇÕES: Identificação de soluções, dispersões e suspensões; preparo; Análises Volumétricas. MAHAN, Bruce. Química: Um Curso Universitário. São Paulo: Ed. Edgar Blucher, QUAGLIANO, J. V., VALLARINO, L. M. Química. Rio de Janeiro: Guanabara, GENTIL, Vicente. Corrosão. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, SHREVE, R. Norris, A. BRINK JUNIOR, Joseph. Indústria de Processos Químicos. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, METHA, P. Kumar. MONTEIRO, Paulo J. M. Concreto: estrutura, propriedades e materais. São Paulo: Pini, BAUER, L.A, Falcão. Materiais de Construção. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, PETRUCCI, Eládio G. R. Materiais de Construção. Porto Alegre: Globo,1978. HELENE, Paulo R. L. Corrosão em Armadura para Concreto Armado. São Paulo: Pini, CASCUDO, Osvaldo, O controle da corrosão de armaduras em concreto: inspeções técnicas eletroquímicas. São Paulo: Pini, 1997 SANTANA, Humberto et. Manual de pré-misturados a frio. Rio de Janeiro, IBC/ Comissão de Asfalto, GUIMARÃES, José Epitácio Passos A Cal - Fundamentos e Aplicações na Engenharia Civil. São Paulo: Pini, 1997.

20 20 CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2ª Ano 3º Semestre CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II EMENTA Curvas parametrizadas. Funções de várias variáveis. Máximos e mínimos. Integrais múltiplas. Cálculo vetorial.teorema da função inversa e da função implícita. Aplicações em Engenharia de Produção. OBJETIVO Estudar o cálculo e equações diferencias fornecendo embasamento matemático às aplicações da Engenharia de produção em suas diversas áreas. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE I CURVAS PARAMETRIZADAS. Limite, continuidade, derivada. Vetor tangente, vetor normal.comprimento de curva. UNIDADE II FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS. Gráficos. Curvas e superfícies de nível.limites.continuidade.derivadas parciais, derivadas parciais de ordem superior.diferenciabilidade.regra da cadeia.derivada direcional e gradiente.planos tangentes e retas normais UNIDADE III UNIDADE IV UNIDADE V UNIDADE VI MÁXIMOS E MÍNIMOS. Derivadas de ordem superior.fórmula de Taylor.Extremos de funções.multiplicadores de Lagrange INTEGRAIS MÚLTIPLAS. Integrais múltiplas, integrais iteradas.mudanças de variáveis: tranformações, matriz jacobiana. Aplicações. CÁLCULO VETORIAL. Campos vetoriais e fluxos. Integrais de linha Independência do caminho. Teorema de Green.Divergente e rotacional.integrais de superfície.teoremas de Gauss e Stes TEOREMA DA FUNÇÃO INVERSA E DA FUNÇÃO IMPLÍCITA. Teorema da função inversa AVILA, Geraldo. Cálculo. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, v. AYRES JUNIOR, Frank. Equações Diferenciais. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1978 (Coleção Schaum). BRAUN, Martin. Equações Diferenciais e suas aplicações. Rio de Janeiro: Campus, GRENVILLE, W.A. Elementos de Cálculo Diferencial e Integral. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, s.d. (Coleção Schaum). GUIDORIZZI, Hamilton Luis. Um Curso de Cálculo. Rio de Janeiro: LTC, LEITHOLD, Luis. O Cálculo com Geometria Analítica. São Paulo: Harbra, MAURER, Wille A. Curso de Cálculo Diferencial e Integral. São Paulo: E. Blucher, V. 4. POSKUNOV, N. Cálculo Diferencial e Integral. Porto: Lopes da Silva, DEMIDOVITCH, Boris et al. Problemas e Exercícios de Análise Matemática. Moscou: Mir, 1977.

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I ANEXO IX ENGENHARIAS - 1º ANO CÁLCULO I 1 Funções de uma variável 2 Funções reais 3 Conceito, cálculo e aplicações de limites, continuidade, derivadas e diferenciais 4 Cálculos de pontos de máximos, mínimos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL COMPLENTAR N 001 AO EDITAL N 003/2012 UNAT A, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, Decreto

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

EMENTA: PROGRAMA: MEDIÇÃO DE VETORES

EMENTA: PROGRAMA: MEDIÇÃO DE VETORES DISCIPLINA: FÍSICA I CRÉDITOS: 04 CARGA HORÁRIA: 60 h/a OBJETIVOS: Identificar fenômenos naturais em termos de quantidade e regularidade, bem como interpretar princípios fundamentais que generalizam as

Leia mais

Física Interação e Tecnologia

Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação as Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod Disciplina Pré-Req.

Leia mais

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física. Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física. Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO UDESC Joinville Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas Depto. de Física Grupo de Dinâmica Não-Linear Professor Luciano Camargo Martins PLANO DE ENSINO 1 Identificação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1) Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 24/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1) Fase

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod

Leia mais

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA TÉCNICO DE LABORATÓRIO/FÍSICA REQUISITO DE QUALIFICAÇÃO PARA INGRESSO NO CARGO: ESCOLARIDADE: Ensino Médio Profissionalizante nas áreas de Eletricidade, Eletrônica, Eletrotécnica ou Mecânica ou Ensino

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA Av. Gal. Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 3000 Japiim CEP: 69077-000 - Manaus-AM, Fone/Fax (0xx92) 644-2006 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PONTOS PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL 001/2009 Matéria/Área do Conhecimento: MATEMÁTICA 1. Transformações Lineares e Teorema do Núcleo

Leia mais

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES

DISCIPLINA: CONSTRUÇÃO DE COMPILADORES Semestre 5 Válido somente com assinatura e carimbo do IFCE Cód. Disciplina Créditos Horas Nat. Prérequisitos Teóricos Práticos TELM.066 Construção de Compiladores 2 2 80 OBR TELM.061 TELM.067 Sistemas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIA HORA/ AULA ANÁLISE GRÁFICA DE FUNÇÕES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIA DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: MATEMÁTICA I SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:.

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Associação de Ensino e Cultura Pio Décimo Faculdade Pio Décimo Engenharia Elétrica PROGRAMA DA DISCIPLINA Identificação Matéria de Ensino Matemática Código EE112 Disciplina Álgebra Linear Código MA100003

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CICLO BÁSICO 1º BIMESTRE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA 40 horas Fundamentos da Engenharia e Suas Grandes Áreas; Inovação e Desenvolvimento de Produto; O Modo

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013

NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 NORMAS COMPLEMENTARES DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA/2013 CURSOS SUPERIORES DE - TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. CURSOS E VAGAS OFERECIDAS Cursos de

Leia mais

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I

FACULDADES SENAC PROCESSO SELETIVO UNIFICADO 1º SEMESTRE/2016 ANEXO I ANEXO I As Faculdades Senac Minas, com o intuito de atender às diversas demandas, oferece à comunidade dois processos vestibular: o vestibular e o vestibular agendado. Ambos os processos buscam selecionar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 2. EMENTA Cinemática Dinâmica Estática Conservação da energia Conservação do momento linear

PLANO DE ENSINO. 2. EMENTA Cinemática Dinâmica Estática Conservação da energia Conservação do momento linear PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Engenharia de Controle e Automação - Mecatrônica Professor: Antônio Lúcio Turra Período/ Fase: 1ª Semestre:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PROCESSO nº. 039/10 Procedência: PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO. ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE ALTERAÇÃO NO EMENTÁRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PARECER nº. 035/10 DATA: 30/06/10 1 HISTÓRICO A

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód Disciplina Pré Req. I II III IV V

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35 Planilha atualizada em 21/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Administração

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série)

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Seriado Conteúdo de Matemática - (1ª série) Relacionar e resolver problemas que envolvem conjuntos; Reconhecer, operar e resolver problemas com conjuntos numéricos; Compreender os conceitos e propriedades aritméticas; Resolver problemas de porcentagem,

Leia mais

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno

Engenharia da Computação Relação das Disciplinas do Currículo Pleno Engenharia da Computação Relação das s do Currículo Pleno O curso de Engenharia de Computação apresenta o seguinte currículo pleno, distribuído em 9 períodos letivos. 4 º Período 3 º Período 2 º Período

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO

ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO ETEC TAKASHI MORITA HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM INSTRUMENTAÇÃO PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 Sumário 2º Módulo Componente Curricular: Instrumentação Aplicada

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT

CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Área de Conhecimento Ementa/Bibliografia Acionamentos Elétricos Conversão Eletromecânica de Energia: Circuitos magnéticos. Sistemas e dispositivos magnetelétricos.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático

SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL PARA A DISCIPLINA DE FÍSICA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 2014. Identificação e Conteúdo Programático UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA E MATEMÁTICA SUBÁREA DE FÍSICA E QUÍMICA PLANEJAMENTO ANUAL

Leia mais

REITORIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Quadro de Disciplinas Comuns aos Cursos de Graduação (2015)

REITORIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Quadro de Disciplinas Comuns aos Cursos de Graduação (2015) PRÓREITORIA DE ENSINO Quadro de s Comuns aos Cursos de Graduação (2015) I FUNDAMENTAÇÃO: 1) RESOLUÇÃO N. 81/2014/CS (PPC de Engenharia Civil), referendado pela Resolução n. 04/2015/CS/IFS; 2) RESOLUÇÃO

Leia mais

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS

FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL FÍSICA BÁSICA PARA CIÊNCIAS AGRÁRIAS Profª. Angela Emilia de Almeida Pinto Departamento de

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

Programa para a 1ª ETAPA

Programa para a 1ª ETAPA PROGRAMA DE FÍSICA Comissão de Processos Orientação Geral : Este programa apresenta os conteúdos básicos da Física ensinados no Ensino Médio. Para a realização da prova, espera-se que o Candidato ou a

Leia mais

Tecnólogo em Controle de Obras 1º Ano

Tecnólogo em Controle de Obras 1º Ano Tecnólogo em Controle de Obras 1º Ano Introdução à Indústria da Construção Civil Ementa: A história da Indústria da Construção Civil no Brasil e no mundo. Projeto; A Engenharia de Produção Civil e a Inovação

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente

Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Mestrado em Gestão Econômica do Meio Ambiente Programa de Pós-graduação em Economia Sub-Programa Mestrado Profissional CEEMA/ECO/UnB Disciplina: ECO 333051 Métodos Estatísticos e Econométricos Instrutores:

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas 5/8/15 16:57 Centro de Ciências Tecnológicas Curso: 19 Engenharia Mecânica (Noturno) Currículo: 15/ 1 EDU.5.-5 Universidade, Ciência e Pesquisa Ementa: A função da Universidade como instituição de produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2014- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

CONTEÚDOS PARA A 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL 2ª ETAPA 2014 ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS DA 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL DE BIOLOGIA 2ª ETAPA 2014

CONTEÚDOS PARA A 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL 2ª ETAPA 2014 ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS DA 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL DE BIOLOGIA 2ª ETAPA 2014 CONTEÚDOS DA 1ª AVALIAÇÃO PARCIAL DE BIOLOGIA 2ª ETAPA 2014 1ª SÉRIE - 06/ 08/ 2014 - Capítulo 6 Citoplasma e organelas citoplasmáticas; - Capítulo 7 Núcleo e cromossomos; - Capítulo 8 Divisão celular:

Leia mais

Fundamentos de Física 1

Fundamentos de Física 1 Coleção UAB UFSCar Engenharia Ambiental Física 1 Odila Florêncio Paulo Sergio da Silva Junior Sérgio de Aguiar Monsanto Sérgio Mergulhão Fundamentos de Física 1 Fundamentos de Física 1 Reitor Targino de

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente BIOLOGIA I TRIMESTRE A descoberta da vida Biologia e ciência Origem da vida

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL 1) PARA O ENSINO MÉDIO REDAÇÃO Do 1º ano ao 3º ano do ensino médio, a prova discursiva será composta

Leia mais

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS CRUZ DAS ALMAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CETEC Área de Conhecimento Materiais, Estrutura e Sistemas Eletromecânicos PONTOS DO

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1 ano EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Manutenção e Suporte em Informática - Integrado FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( )

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80

PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 PLANO ANUAL DE TRABALHO DOCENTE CURSO DISCIPLINA ANO ENSINO MÉDIO MATEMÁTICA 2015 DOCENTE CARGA HORÁRIA AULAS PREVISTAS JULIANA SARTOR ÁVILA 160 80 EMENTA DA DISCIPLINA O Estudo das funções e suas aplicações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina Prérequisitos Carga Horária

Leia mais

EMENTAS - ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

EMENTAS - ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 1º. PERÍODO GEOMETRIA ANÁLITICA E ALGEBRA LINEAR/ CH: 60 Estudo das Retas e Planos; Álgebra Vetorial; Matrizes; Sistemas Lineares e Determinantes. O Espaço Vetorial R n,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais 5// :6 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: Ciência da Computação (Noturno) Currículo: 7/ CMP.8.- Introdução à Computação Ementa: O que é Ciência da Computação. História da Computação. Estrutura

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2013 1 Sumário 1º Módulo Componente Curricular: Eletrônica Digital I... 5 Componente Curricular: Eletricidade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia AUTOMAÇÃO CODICRED 44637-04 PROGRAMA DE DISCIPLINA 01 SÍNTESE DISCIPLINA: CURSO (S): Engenharia

Leia mais

Engenharia da Computação. 1 o ANO

Engenharia da Computação. 1 o ANO Engenharia da Computação 1 o ANO ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA Matrizes, Sistemas lineares e Determinantes. Vetores. Espaços vetoriais. Produto escalar e vetorial. Retas e planos. Projeção ortogonal.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 1º PERÍODO CÓDIGO PERÍODO DISCIPLINAS DO CRÉDITOS PRÉ- CO- PRIMEIRO PERÍODO TEÓRICOS PRÁTICOS TOTAL REQUISITO REQUISITO ENG1080 1 Introdução à Engenharia

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

Centro de Educação Integrada

Centro de Educação Integrada Centro de Educação Integrada 1º ANO BIOLOGIA Origem da vida Citologia Teoria da geração espontânea e biogênese. Teoria de Oparin e Haldane. Panspermia. Criacionismo. Os primeiros seres vivos. Água. Sais

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. LÍNGUA PORTUGUESA (Para todos os cargos)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. LÍNGUA PORTUGUESA (Para todos os cargos) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LÍNGUA PORTUGUESA (Para todos os cargos) 1. Identificação de informações pontuais no texto. 2. Uso da língua padrão em gêneros textuais na modalidade escrita (pontuação, ortografia,

Leia mais

Currículo n 7 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA PROFISSIONAL

Currículo n 7 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA PROFISSIONAL CURSO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS Turno: INTEGRAL Currículo n 7 Reconhecido pela Portaria MEC nº 368, de 19.04.95, D.O.U. nº 76 de 20.04.95. Renovação de Reconhecimento Decreto nº. 1062, D.O.E. nº 8445

Leia mais

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental

PROGRAMAS PARA OS CANDIDATOS A VAGAS 2016 3 o Ano Ensino Fundamental 3 o Ano Textos Ler, entender e interpretar contos infantis e textos informativos. Gramática Será dada ênfase à aplicação, pois ela é entendida como instrumento para que o aluno se expresse de maneira adequada

Leia mais

ANEXO I CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1 º ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE DE CAJAZEIRAS PARA O ANO 2014.

ANEXO I CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1 º ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE DE CAJAZEIRAS PARA O ANO 2014. ANEXO I CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1 º ANO DO ENSINO MÉDIO DA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE DE CAJAZEIRAS PARA O ANO 2014. LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Classes de palavras: - Substantivo - Adjetivo - Artigo - Numeral

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc.

Resistência dos Materiais. Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Resistência dos Materiais Prof. Carmos Antônio Gandra, M. Sc. Unidade 01 Conceitos Fundamentais Objetivo da unidade Estabelecer um embasamento conceitual, de modo que o aluno possa prosseguir ao longo

Leia mais

1. ÁREA DE CONHECIMENTO: Matemática

1. ÁREA DE CONHECIMENTO: Matemática SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA O PROVIMENTO DE CARGOS DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO ENSINO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG BR 267 - Rodovia José Aurélio Vilela, nº 11.999 Cidade Universitária - Poços de Caldas- MG. DINÂMICA CURRICULAR E EMENTÁRIO DO BACHARELADO

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO

CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO Area de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas DISCIPLINA: PRÁTICAS INVESTIGATIVAS I H111926 03 60 Introdução e ensaio da prática investigativa. Procedimentos metodológicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE PROGRAMA DAS PROVAS 1- REDAÇÃO Construção de textos dissertativos objetivos e/ou subjetivos abordando temas da atualidade. 2- LINGUA PORTUGUESA 2.1- Literatura Brasileira Literatura: conceito e funções,

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia Electrónica e Informática Unidade Curricular Física Geral I Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Carlos Alberto Rego de Oliveira

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 2º Sem. 2014 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 4 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica:

1. Coeficiente de Rendimento Escolar mínimo e Formação Acadêmica: Critérios Norteadores para o Processo Seletivo ao Programa de Pós-Graduação em Matemática da UFCG, no Curso de Mestrado, Modalidade Acadêmico - Área de Matemática - A Seleção para a área de matemática

Leia mais