Artigo publicado. na edição 30. Assine a revista através do nosso site. setembro e outubro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo publicado. na edição 30. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outubro de 2012"

Transcrição

1 Artigo publicado na edição 30 Assine a revista através do nosso site setembro e outubro de 2012

2 :: artigo Inteligência de riscos na cadeia de suprimentos Alavancar melhorias em nível de serviço e reduzir custos. Conheça a mecânica deste processo e uma das empresas que está atingindo estes objetivos, usando a Inteligência de Riscos. Francisco Simões É formado em Administração, especializado em Suprimentos e com MB em Strategy, com ampla experiência em Logística (Abril, FNV, Roche, Pfizer, AstraZeneca, Nycomed), ocupando altos cargos executivos na área de Supply Chain, inclusive a nível regional. Atualmente é o executivo responsável pela Divisão de Operações e Supply Chain da Allenty Gestão Empresarial (www.allenty.com). Bruno Muniz de Almeida é formado em Engenharia Eletrônica na FEI Faculdade de Engenharia Industrial e Administração de Empresas pela Universidade Mackenzie e com Executive MBA pela Universidade de Toronto/BSP Business School São Paulo. Especializado em Seguros Corporativos e Gerenciamentos de Riscos atuou como executivo sênior em empresas como TYCO / SENSORMATIC / OCÉ BRASIL / SEAL ELÊTRONICA, SMD DO BRASIL. Atualmente é sócio da IMC Brasil empresa especializada na gestão integrada de Seguros Corporativos e Gerenciamento de Riscos. O conceito de Inteligência de Riscos mais espe cialmente no Transporte, mas aplicável a qualquer ramo do seguro é muito pouco conhecido e explorado pelos profissionais da área de Logís tica como ferramenta eficaz e inovadora na alavancagem pela busca na excelência de serviço nas operações de abastecimento e entregas aos clientes e na redução do custo logístico e operacional total. Talvez porque a inteligência de risco em si costuma ficar órfã nas empresas pois gerenciar riscos na grande maioria das vezes é responsabilidade apenas da Logística, porém as decisões sobre o assunto (seguro de transporte) acabam ficando em Finanças/Compras ou pior, muitas vezes estão nas mãos da Matriz, que pouco conhece da nossa realidade e acaba por ninguém examinar o tema holisticamente. Imensas oportunidades acabam perdidas neste contexto. A Inteligência de Riscos vem agregar valor a este tema, saindo da discussão básica sobre escolta, roteiros, ficha de motoristas etc., e focando oportunidades que, antes, ficavam restritas ao eixo corretorasseguradoras. Muito se pode esperar de uma gestão efetiva de riscos é o que veremos a seguir. Na expressiva maioria das empresas o assunto gerenciamento de riscos, gestão de riscos, seguros etc., é evitado e tido como problema. A rubrica Seguro de Transporte é considerada um mal necessário e tratado de forma acessória, mas quando acontece algum sinistro (ex.: roubo, acidente), todos querem saber se o seguro cobre a perda e de quanto e quando será o reembolso. A existência de um seguro parece deixar todos mais tranquilos. E uma vez acionada a seguradora, o assunto cai no esquecimento, como se não fosse mais responsabilidade de ninguém. Quem está se importando com o cliente que não re- 46

3 cebeu aquele pedido importante? E com os custos adicionais de um refaturamento? E com perda de Market Share, pois perdeu venda para o concorrente? Com o impacto que será causado no prêmio do seguro na próxima negociação? E quando a seguradora se recusa a pagar o sinistro, pois aquele detalhe da linha x, item y, subitem z da apólice de seguros não foi observado? Neste momento aparece a corretora (que deveria ter analisado e orientado corretamente a empresa) com mil e uma explicações dizendo que o problema é da sua operação e a apólice não tinha a cobertura necessária para poder ter direito a aquela específica indenização! Enfim, todos perdem quando um sinistro acontece. Na maioria das vezes, as empresas também perdem quando não acontece o sinistro, pois podem estar pagando um prêmio (valor pago pelo seguro) que está muito acima do custo técnico e real em relação ao seu risco. Mas quem consegue avaliar isso adequadamente? Alguns podem dizer que é papel da corretora fazer esta avaliação. Concordo em parte! E a seguradora também tem sua parcela, afinal aprovou o plano da corretora. Concordo também em parte, novamente! E quem na sua empresa sabe o que realmente acontece? Qual profissional de Logística já não teve dificuldades para gerenciar a baixa flexibilidade nos serviços logísticos em função das exigências da gestão de riscos impostas pelas seguradoras. Escoltas (muito caras), horários restritos de circulação em determinadas regiões (isso sem contar os complicadores normais do trânsito nas grandes cidades), a dificuldade de achar motoristas ficha-limpa etc. A preocupação excessiva na blindagem do risco não respeita o serviço ao cliente como falar em OTIF (on time in full) acima de 99% com tantas restrições? E mais que isso, você sabia que essa blindagem excessiva faz com que as empresas de transporte repassem os custos do caminhão parado para o custo do frete? E são muito poucas as empresas que contam com apoio profissional, interno ou externo, eficiente e focado no negócio para garantir o equilíbrio ideal entre o nível de serviço e custo de servir para que estejam adequadamente balanceados e assim evitar que estes custos da ineficiência sejam agregados ao seu negócio. Seria esse o caso de sua empresa? Como saber se sua empresa está pagando um valor justo, que cubra de modo perfeito os custos de uma adequada gestão de riscos? Por que ficar na mão de uma corretora que pode, e enfatizo o pode neste caso, estar apresentando um quadro incorreto sobre seu risco para a seguradora, forçando sua empresa a pagar prêmios maiores que o necessário e, eventualmente, não avaliando adequadamente seus riscos, expondo seu negócio e sua imagem junto aos seus clientes com sinistros que, eventualmente, poderiam ser evitados? É aqui que efetivamente começa nossa jornada. Para começar, iniciamos com uma rápida, porém completa, explicação sobre como é a mecânica de um seguro vamos focar no seguro de transporte, mas o raciocínio vale igualmente para os seguros de property (patrimonial), frota, saúde, RC Responsabilidade Civil, entre outros. Exemplo de uma cadeia de supply chain A cadeia de abastecimento como um todo é bem complexa, não somente pelas operações em si que devem ser realizadas em cada fase ou etapa da cadeia, mas também 47

4 MATÉRIA-PRIMA CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO FÁBRICA CLIENTE CONSUMIDOR Figura 1. Esquema simplificado do Supply Chain da área de bens de consumo. pela quantidade de variáveis e situações (que estão fora do controle da empresa) que podem interferir no resultado final e afetam diretamente o nível de serviço. Quando se fala de gerenciar riscos, o que vêm primeiramente em mente são os roubos de carga, principalmente quando tratamos de mercadorias visadas aquelas de alto valor agregado e/ou fácil aceitação no mercado informal (são elas os medicamentos, eletroeletrônicos, pneus, celulares, higiene e limpeza, alimentos etc.) mas tão importante quanto os roubos, temos também os acidentes, avarias, extravios e pequenos furtos que, embora com valores relativamente menores, possuem grande volume e impactam também de forma relevante o resultado operacional. Mas a grande maioria das empresas deixam de lado os outros tipos de riscos, como, por exemplo: a falta de caminhões e motoristas, atrasos e perda de janela de entregas. O grande desafio das empresas e principalmente da área de Supply Chain, de qualquer negócio, é aumentar a previsibilidade e, para tanto, as empresas têm investido muito dinheiro e tempo de seus profissionais em sistemas especialistas para ajudar neste desafio (ex.: S&OP, WMS, TMS etc.), bem como procuram empresas de transporte e operadores logísticos profissionais, definindo SLAs (acordos de níveis de serviços) cada vez mais desafiadores. Tudo isso em busca de melhorar/garantir que o que foi planejado seja cumprido, ou seja, em resumo Possamos ter Previsibilidade É possível imaginar como a situação se agrava, de forma exponencial, quando o produto sai da fábrica ou do CD (centro de distribuição) com destino ao cliente final. Já enfrentamos os mais variados problemas enquanto o produto ainda se encontra sob o controle da empresa, mesmo com o apoio das ferramentas de Planejamento de Produção e Demanda (APS), Warehouse & 48 Transportadores Transportation Management Systems (WMS/TMS) etc., e outras tantas ferramentas de gestão, imagine então a complexidade de controles quando o produto final sai da empresa com destino ao cliente! Quem controla e gerencia essa última milha? Vamos confiar apenas no compromisso da empresa de transporte ou do Operador Logístico em cumprir o SLA combinado?! Infelizmente é isso que ocorre na grande maioria das vezes! Confiamos demais no prestador de serviços e não gerimos da mesma forma eficiente e com sistemas profissionais de gestão esta última milha! E aí que fica a pergunta principal! Quem deveria avaliar estes riscos e definir as medidas de gerenciamento de riscos necessárias para minimizar a exposição? A Corretora de seguros? A gestora de riscos? A própria Seguradora? Tão ou mais importante: Quem faz isso hoje na sua empresa? Modelo tradicional de análise do risco e gestão do seguro Na expressiva maioria das empresas os temas Seguro, Gerenciamento de Riscos e Ferramentas de Gestão e Mitigação de Riscos, como: Rastreamento Via Satélite, Banco de Qualificação de Motoristas e Ajudantes, Escolta, entre outros, são normalmente evitados e, geralmente, tidos e tratados como um problema. E o problema se agrava, pois estes temas são, na expressiva maioria dos casos, multidepartamentais, ou seja: 1) Finanças: seguro sempre esteve sob responsabilidade da área. As especializações da área Financeira são os seguros de Property, D&O (Directors & Officers), RC (Res-

5 ponsabilidade Civil), Garantia, entre vários outros que são muito conhecidos destes profissionais e normalmente tratados de forma adequada pela área financeira. Pelo simples fato de estarem acostumados a tratar com as corretoras e seguradoras, acaba acontecendo que a eles também é atribuída a responsabilidade de tratar do Seguro de Transporte de Cargas. 2) Logística: é responsabilidade da equipe de transporte/ distribuição garantir o recebimento das matérias-primas no estoque e a entrega do produto ao cliente final. Área de Logística de Transporte precisa garantir que o produto chegue ao seu destino final, e para tal conta com parceiros empresas de transporte e/ou operadores logísticos para juntos cumprirem esta árdua tarefa. 3) Compras: em empresas de médio/grande porte cabe a esta área conduzir concorrências de forma a obter as melhores condições possíveis. A palavra de ordem é comprar bem! E invariavelmente comprar bem significa comprar com o menor custo possível. Mas para esta premissa ser válida e verdadeira, deve acontecer dentro de uma perspectiva ampla, que leve em consideração o Custo Total de Propriedade (TCO). Equação complexa e multidepartamental: custo do seguro x custo do gerenciamento de risco x custo logístico x nível de serviço ao cliente. É assim que tudo começa e, invariavelmente e sem medo de errar, que na grande maioria das vezes o problema se agrava. Embora todos saibam que o core business da sua empresa é fabricar, vender e entregar, ou mesmo apenas vender e entregar, cada área tem metas e desafios que infelizmente não são integrados de forma a permitir a maximização de performance e custos. Um ótimo exemplo deste descasamento de interesses e integração na busca da máxima eficiência é quando a área de Compras consegue desenvolver um novo fornecedor de caixas que, devido a menor espessura da mesma, permite uma economia de mais de 20% nesta rubrica. Em primeira análise, estão em linha com a estratégia de melhoria contínua da empresa, redução de custos, melhoria de margem de contribuição, busca por savings etc. Isso nos obriga a questionar: Esse tipo de caixa aumentará as avarias? Se aumentarem as avarias, os custos de reentrega possivelmente aumentariam e poderiam até serem maiores que a economia obtida com a redução do custo das caixas? Isso sem falar em uma possível insatisfação do cliente. Será que essa nova caixa permitirá o mesmo grau de empilhamento e carregamento? Teremos aumento com o custo de frete? Etc. Aí que entra uma figura ainda pouco visível nas organizações, que é o diretor de Supply Chain, responsável por gerenciar o todo do processo da cadeia de valor da companhia, buscando os trade-offs perfeitos em busca da melhor eficiência operacional possível. Esse elemento hoje é imprescindível nas empresas, e a meu ver, quase inexistente nas organizações, ou pelo menos não com o devido poder para, de fato, atuar da forma necessária e eficaz. Mas o tema em si é assunto para uma matéria em separado. Voltando para nosso tema de Seguros e Gerenciamen- Empresa (INÍCIO) 1. Solicitação para corretora cotação de seguros (finanças/compras) Corretora 2. Envia questionário para ser preenchido Seguradora 6. Avaliação de riscos junto a empresa de gestão de riscos 3. Envio do questionário para logística preencher (transporte) 7. Desenho do plano de gerenciamento de riscos (RGP) 4. Questionário enviado para corretora (finanças/compras) 5. Envia questionário para seguradora 8. Definição das taxas, valores permitidos para carregamento, cláusulas de agravo devido à sinistralidade etc. 11. Apresenta novas condições e exigências de GR (finanças/compras) 10. Envio de proposta para empresa (finanças/compras) 9. Envio de proposta para corretora 12. Prepara adequação às novas condições e exigências (transportes) (FIM) Figura 2. Macroprocesso. 49

6 to de Riscos, eles também são tratados da mesma forma multidisciplinar e multidepartamental, gerando, de forma semelhante à exposta anteriormente, os problemas e implicações que iremos tratar mais adiante, e que acabam por não permitir a melhor relação custo-benefício para as empresas. De forma esquemática, o macroprocesso funciona conforme fi gura 2. Desta forma, temos três grandes áreas envolvidas para analisar, defi nir, cotar, implantar e gerir uma única conta de Seguro de Transporte e Gerenciamento de Riscos. Embora o interesse destas áreas, numa visão macro seja comum, ou seja, garantir as melhores condições e custos para empresa, o que ocorre na prática é que existe uma difi culdade enorme de que os interesses departamentais não se sobreponham aos interesses do negócio. Não querendo me intrometer na gestão da sua organização, mas uma das razões que permitem e, até estimulam este descasamento, é a forma que as empresas avaliam e premiam os funcionários em seus respectivos departamentos. O fato é que as métricas (KPIs) acabam por serem distintas e muitas vezes confl itantes, que não somente forçam os funcionários a tomarem a melhor decisão individual/departamental, só que não necessariamente atrelada a melhor decisão para a empresa. A essa situação podemos dar o nome de interesses disfuncionais ou seja, sinergia ao inverso: bom para as partes, mas pior para o todo. Além destas questões, ainda surgem diversas questões técnicas e de extrema relevância: Como ter certeza que o desenho da apólice de seguro de transporte e do gerenciamento de riscos exigido pela seguradora está de acordo com a necessidade e os riscos reais da sua empresa? Coberturas, Limites de Embarque, Franquias, Cláusulas de Revisão. Escoltas, Rastreamento, Horários de Rodagem e Circulação, entre outros. Como garantir que o custo do prêmio negociado é o melhor possível? Quem, dentro da empresa, possui a expertise necessária para analisar, questionar e contrapor às exigências impostas pelas seguradoras e pelas gerenciadoras de riscos? Estas coberturas e limites, exigências de gestão de riscos, estão adequadas a sua necessidade ou apenas é uma referência (ou pior, paradigma) do mercado em geral? Modelo tradicional Os Fornecedores e sua relação com a Empresa Vimos que a forma de analisar e gerir a questão dos seguros corporativos na empresa, nomeadamente o seguro de transporte, não é simples e exige não somente o correto entendimento da operação logística da empresa, como também uma alta dose de especialização em diversos temas como: distribuição e logística de transporte, fi nanças, questões fi scais e tributárias, impostos, gerenciamento de riscos, entre vários outros, complexidade esta aumentada dada a natureza de interdependência entre estas disciplinas. A gestão efi caz dos processos logísticos tem sido um dos principais assuntos em discussão no âmbito empresarial, sendo que muitas empresas constatam a necessidade de terceirizar suas operações logísticas e dedicar-se ao seu core-business, porém se deparam com vários desafi os na seleção e manutenção do parceiro ideal e adequado às estratégias da empresa. Pior quando este parceiro é imposto pela Matriz, que pouco ou nada conhece das reais características da operação local. Como podemos proporcionar aumento da efi ciência nas atividades críticas relacionadas com o transporte multimodal de cargas, possibilitando a redução de custos nas operações logísticas e/ou de seguro e, tendo como benefício adicional, a melhoria do nível de serviço aos clientes? Neste momento o papel da Corretora de Seguros deveria ser de um elo importante desta cadeia, para ajudar na correta análise e definição do que é necessário e importante para cada empresa. Mas o que vemos na prática é que a grande maioria destas empresas de corretagem atua sem agregar valor real aos clientes, limitando-se apenas a intermediar a negociação da apólice de seguro com os clientes. Algumas Corretoras de Seguro vão aos clientes e coletam as informações básicas da operação, levam para as Seguradoras, que defi nem a taxa de seguro, as regras de gestão de risco (ferramentas) e as condições securitárias. Mas isso ocorre sempre com um viés muito forte no custo do seguro, não dando à devida atenção à questão operacional, esquecendo, ou minimizando, a avaliação profissional e detalhada dos impactos que as exigências da gestão de riscos e das coberturas e limites de operação, impostas pela seguradora, podem trazer para a empresa na qualidade do nível de serviço e do custo total de servir. Desta forma, a Corretora deixa de agregar valor ao cliente e passa a ser vista como uma empresa que apenas executa a intermediação do contrato de seguro. Sempre me perguntei por que algumas Corretoras atuam desta forma! Falta de conhecimento da Corretora no segmento de transportes e logística? Desconhecimento da operação do cliente? Atuação mais próxima da área fi nanceira e menos com a área de logística? Não ter expertise em Gestão de Riscos e depender das imposições das gerenciadoras e seguradoras? Ou, confl ito de interesse, por ser a Seguradora que 50

7 paga sua remuneração? Acredito que tem um pouco de tudo, mas principalmente falta know-how nas questões logísticas e operacionais do cliente, bem como na avaliação e definição das medidas de gerenciamento de riscos. Podemos reparar que da mesma forma que pela parte da empresa temos três departamentos envolvidos (Finanças, Logística e Compras), do lado dos fornecedores possuímos também três players principais: Corretora, Seguradora e Gerenciadora de Riscos. Cada um destes fornecedores, a despeito de seus interesses particulares, juntos, pelo menos teoricamente, deveriam trazer a melhor solução para o cliente. Mas como fazer isso de forma eficiente se: 1) Seguradora: quer comprar o risco da maneira mais segura possível: Taxa mais alta possível. Exigindo várias medidas de Gerenciamento de Riscos para proteger a operação. Limitando as coberturas. 2) Gerenciadora de Riscos: quer vender o máximo de serviços e ferramentas possíveis: Rastreamento. Consultas e Pesquisas de Motoristas e Ajudantes. Postos avançados no Cliente. 3) Corretora: Quer maximizar o ganho: Quanto maior o custo do Seguro, maior sua remuneração. Desta forma, não é tarefa simples fazer com que estas empresas trabalhem de forma harmônica e integrada, com objetivo único de proporcionar ao cliente a melhor solução técnica e comercial. Numa conta matemática simples, temos no mínimo seis stakeholders envolvidos, com interesses distintos e de certa forma conflitantes e apenas uma única solução na medida certa para a empresa. Como resolver esse dilema? Quem deve ser o grande maestro para orquestrar corretamente todos estes seis importantes elos desta cadeia? A quem confiar esta tarefa e com que funções? Inteligência de Riscos Um Novo Approach já é realidade Modelo convencional de gestão de riscos Para respondermos a essas perguntas, e endereçar de forma única todas as áreas da empresa em seus interesses, proporcionando como resultado global a melhor solução para o negócio, devemos ter em mente a busca pelo Melhor nível de serviço ao melhor custo e, para tanto, devemos mudar o foco de atuação. O foco não mais deverá ser o seguro de transporte. O seguro não mais será a parte principal, apenas coadjuvante no processo. Para tal, devemos contar com um especialista isento e experiente na Gestão Integrada de Seguros e Gerenciamento de riscos. Este especialista pode ser interno (grandes empresas possuem este profissional em seus quadros, e reportando diretamente para o diretor de Operações), ou externo, via empresa especializada na área de transportes e gerenciamento de riscos. A ênfase do trabalho deve ser na análise do seu processo de transporte seguro, limitações da apólice, problemas (nível de serviço atrasos, custo), avarias etc. Deverá ser mapeada toda a cadeia de transporte: origens, destinos, rotas com maior incidência de sinistros (roubo, acidente, avarias, atrasos). Rotas críticas e principais problemas! Após este pré-mapeamento, um PGR Plano de Gerenciamento de Riscos, será confeccionado em linha com o risco real da empresa. Você pode se perguntar: O que está sendo proposto de modo diferente? Pois hoje em dia já fazemos isso!! O fato é que normalmente a empresa que faz este trabalho é uma gerenciadora de riscos, atuando a pedido da Seguradora que está avaliando o risco e, desta forma, provavelmente não teremos a isenção necessária e, principalmente a certeza se o PGR que foi proposto é o que realmente é necessário para mitigar os riscos da empresa. Além disso, estes estudos são feitos normalmente dentro dos escritórios das corretoras, num ambiente agradável e hermeticamente fechado e distante da realidade do risco em análise, baseando-se apenas no questionário preenchido pelo cliente. Por melhor que sejam feitos, os estudos de PGR carecem de uma análise in loco dos processos e da forma que efetivamente ocorrem os processos, com todas as imperfeições e riscos que são intrínsecos ao negócio e, portanto, é extremamente necessário que sejam devidamente mapeados e avaliados seus possíveis impactos operacionais. Nossa experiência mostra, com muita frequência, gastos muito elevados e desnecessários em gerenciamento de riscos, que não somente consomem recursos financeiros importantes, que poderiam ser utilizados em outros projetos, como também engessam a operação, prejudicando os níveis de serviço. As oportunidades são enormes, pois quando somamos: 1) o interesse da Seguradora na proteção do risco que ela subscreveu (termo técnico que denota que a seguradora aceitou determinado risco de uma empresa), com 2) os interesses da Gerenciadora de Riscos que quer vender seus serviços, a conta fica não somente muita cara, mas também gera ineficiência operacional. Pelo fato dos diretores de Operações ou Logística serem primordialmente avaliados pelo grau de aderência e execução do nível de serviço, combinado e aprovado de 52

8 acordo com a estratégia de cada empresa, eles precisam de parceiros que os ajudem a garantir e/ou melhorar o nível de serviço atual, e também, preferencialmente, que os apoie na redução de seus custos atuais. Mas sem afetar o nível de serviço. Portanto, esse especialista, através de sua experiência em gerenciamento de riscos, logística e seguro de transporte, tenta conseguir, de forma profissional e competente, balancear de forma ótima esta relação entre o nível de serviço x custo de servir. Balanceamento este impraticável com aqueles corretores que não são especializados na área de transporte, pois a eles falta know-how para poderem sair de cima do muro e atuar como fiel da balança entre os interesses do Cliente (futuro segurado) e companhia de seguros (empresa que comprará/aceitará o risco em questão). Conhecendo a Metodologia da Inteligência de Riscos O approach oportuno e que tem trazido excelentes resultados para as empresas que o implantaram é o da Inteligência de Riscos, que executa a gestão integrada de seguros e de gerenciamento de riscos não por uma Corretora, mas por uma empresa especialista na Inteligência do processo e que opera ao largo do conflito de interesses descrito acima. A Inteligência de Riscos é uma atividade recente no mercado brasileiro e surgiu há 3 anos, após anos de estudos e levantamentos feitos em empresas industriais dos mais diferentes segmentos de negócios. Tudo começou em 2000 através de um estudo de conclusão de curso de Executive MBA cujo tema era Pay for Capital Goods Industries, isto é: como alavancar as vendas no mercado de bens de capital através de uma política de pagamento de bônus para gerentes comerciais atrelados diretamente à performance obtida, como também dos funcionários em geral da empresa? Sempre em busca do melhor resultado para as empresas. O que ficou claro neste estudo é que invariavelmente os executivos que melhor desempenhavam, e cumpriam com frequência suas metas, eram aqueles que conseguiam entender do negócio do cliente, quais eram os objetivos corporativos de curto e médio prazo e, de forma semelhante, os objetivos departamentais e individuais de cada pessoa envolvida no processo. O que foi ressaltado no item Modelo tradicional de análise do risco e gestão do seguro não é novidade para ninguém e todos os envolvidos (Logística, Finanças e Com-

9 *1- Rastreamento, Escoltas, Banco de Dados. *2- Limite Máximo Embarcado, Coberturas, Restrições de Horários de Rodagem. pras) sempre fizeram o melhor possível, dentro dos seus conhecimentos e das melhores práticas disponíveis. Mas eles sempre tiveram que conviver com diversas questões mal resolvidas, dúvidas não devidamente respondidas, e com a clara certeza que faltava algo. Como diz em um adágio executivo: o Bom é inimigo do Ótimo e todos continuavam trabalhando e tocando o dia a dia, procurando fazer o que se podia da melhor forma possível. Foi neste contexto que surgiu a Inteligência de Riscos com missão de prover Segurança e eficiência máxima às operações. Prover segurança operacional e melhorar o nível de serviço não é tarefa tão difícil! Por sua vez, o que exige extrema capacitação e experiência é prover segurança operacional e níveis de serviço dentro do Orçamento da empresa e/ou com o menor investimento possível (investimentos em valores e pessoas). Para isso ser possível o especialista deve primeiramente compreender claramente o cenário atual da empresa, seus objetivos de curto e médio prazo e quais os principais desafios corporativos e departamentais. Fase 0: o fator decisivo de sucesso começa com a escolha do interlocutor na empresa, que deve ser aquele com a responsabilidade direta com a Operação, pois cabe a ele a responsabilidade de garantir os níveis de serviços e do custo de servir. Fase 1: o processo de mapeamento no Approach de Inteligência de Riscos, começa pelo entendimento da Operação Logística, e não no entendimento da apólice de seguros e das ferramentas de gerenciamento de riscos. Somente depois de mapeada toda a operação (Inbound e Outbound), identificados os parceiros logísticos e de transportes, estabelecida a localização dos CDs e Fábricas, as áreas de riscos, os tipos de mercadorias, ou seja, depois de entendidos todos os fatores relevantes de riscos, é que passamos para fase 2. Fase 2: através da Análise de Aderência que verificamos se os Riscos Reais mapeados na fase de análise estão devidamente endereçados e controlados através das ferramentas de gerenciamento de riscos. Nesta fase conseguimos indicar e mensurar gastos desnecessários com ferramentas, como também áreas sob riscos que podem causar ruptura na operação. Este é um dos momentos mais críticos e importantes do estudo, pois é através da correta análise e redesenho do processo que são obtidas as melhorias operacionais e financeiras. Outro ditado bastante válido neste caso é que A diferença entre o remédio e o veneno está apenas na dose. Traduzindo para nossa área de Logística: Aumentarmos a dose: com Ferramentas de Gerenciamento de Riscos* 1 e Exigências Securitárias* 2 desnecessárias, teremos como resultado: Veneno, que em Supply se traduz em: Custo maior Desperdiçamos valor que reduzirá a margem de contribuição da empresa. Inflexibilidade logística Também aumentamos custos, pois alguém pagará a conta dos caminhões parados ou das esperas do processo. Diminuirmos a dose: com Ferramentas de Gerenciamento de Riscos* 1 e Exigências Securitárias* 2 insuficientes, teremos como resultado: Remédio Ineficaz que em Supply se traduz em: Piora do nível de serviço aumentarão os sinistros e, consequentemente, perda de Market Share com insatisfação dos clientes. Aumento no custo operacional Custos maiores com frete, multas por No-Show, Seguro,etc. Fase 3: redesenho do Plano de Gerenciamento de Riscos e Definição das Coberturas e Limites Securitários Nesta fase apresentamos um redesenho do Plano de Gerenciamento de Riscos (PGR) e das condições securitárias, baseado no correto balanceamento das ferramentas em linha como risco real da empresa, permitindo assim a máxima eficiência operacional e financeira. Muito importante: reparem que até este ponto em nenhum momento falamos de Seguro ou envolvemos qualquer outra área além da operacional. Tão importante quanto a negociação da taxa de seguro (custo direto), é a correta determinação dos limites e coberturas que ajudarão a flexibilizar a operação logística, permitindo a melhor utilização dos recursos disponibilizados pelos parceiros logísticos (Operadores Logísticos e Transportadoras). Uma vez que as limitações de rodagem (horário, locais) e valores embarcados não atrapalhem o dia a dia operacional, o custo por KM rodado diminuirá, pois os ativos destes parceiros (ex.: caminhões) girarão mais e como consequência natural todos ganharão. Fase 4: Road Show Venda do Risco É deste momento em diante que iniciamos os trabalhos multidepartamentais, pois agora se estabelece o processo de venda do risco da empresa e, para tanto, devemos envolver a área financeira e/ou compras para atuação junto às corretoras e seguradoras. Sumário Normalmente se confunde o Gerenciamento de Riscos (que é o racional por trás do processo) com as Ferramentas! Ou seja, quando se fala em Gerenciamento de Riscos, pensa-se nas ferramentas e não na Inteligência! 54

10 A seguradora sempre tentará garantir que não ocorra o sinistro (ex.: sinistro de roubo) e geralmente vai exigir muito mais proteção do que a realmente necessária. Por esta razão, aumenta-se a complexidade do processo de transporte, que trará como consequência aumento do custo operacional. Por isso o approach de Inteligência de Riscos é muito oportuno e bem aceito pelos diretores de Supply Chain ou Logística, pois os ajuda a balancear corretamente estes interesses. Costumam me fazer quatro perguntas, que considero ser importante dividir com vocês: 1) Qual o principal diferencial da Metodologia Inteligência de Riscos? Expertise e isenção, para construir e implantar um plano integrado de Gerenciamento de Riscos e Seguros na medida certa para cada empresa. 2) O quê este proporciona? Reduções substanciais de custos no valor do Seguro e nas ferramentas de Gerenciamento de Riscos, além de melhorar os níveis de serviços, pela redução dos sinistros. 3) Como isso é possível? Devido à tríade: Know-how amplo (gerenciamento de riscos, seguros e logística). Isenção (o especialista, apesar de indicar as melhores soluções, não vende as ferramentas gerenciadoras de riscos, logo não assume compromissos entre seguradoras e corretoras). Gestão contínua do processo (acompanhamento e gestão dinâmica da operação). 4) E o que eu faço com minha atual corretora (que muitas vezes é definida pela Matriz)? Não é necessária qualquer mudança, pois o que se pretende é aumentar a inteligência do processo de gestão e, portanto, a empresa especialista, que trabalhará no conceito de Inteligência de Riscos, será o maestro e ajudará a sua corretora a maximizar os benefícios de sua apólice de seguros e dos investimentos feitos em gerenciamento de riscos, através do acompanhamento profissional e contínuo da operação do cliente. Atingindo resultados com a Inteligência de Riscos! Caso Bauducco A Pandurata Alimentos Ltda., mais conhecida pela deliciosa linha de Panettones Bauducco, insatisfeita com o modelo de gerenciamento de riscos que estava executando, foi buscar ajuda especializada para aprimorar seus processos operacionais, melhorar níveis de serviços aos seus clientes e reduzir custos de seguros e gerenciamento de riscos. Nas palavras do seu diretor de Logística e Distribuição, Homero de Carvalho Bastos Muitas exigências securitárias estavam onerando o processo, com pouca efetividade. Também foi detectado pouco foco investigativo e falta de ação na raiz do problema de Gerenciamento de Risco. A Bauducco buscava novos modelos que proporcionassem melhorias operacionais em seu Supply Chain, pois na mesma proporção que vinha apresentando crescimentos constantes em suas vendas e no seu Market Share, os riscos e sinistros também estavam aumentando. A preocupação com roubos, furtos e avarias era crescente, pois afetava não somente o seu nível de serviço e imagem perante seus clientes, como também impactava diretamente no custo do seguro e gerenciamento de riscos e da operação como um todo. Como a corretagem do seguro e o serviço de gerenciamento de riscos eram executados por uma mesma corretora, a Bauducco ficava desconfortável e impotente para equacionar esta situação. A busca de quebra de paradigmas e de um novo modelo, fez com que a Bauducco, através de sua diretoria de Logística e Operações, mudasse a forma de conduzir o dia a dia do Gerenciamento de Riscos e Seguros, que culminou na contratação de uma empresa para implantar a Inteligência de Riscos. Seguindo a metodologia proposta por esta empresa especializada, a Bauducco começou o projeto de Inteligência de Risco sob a liderança de Homero, que era o executivo responsável por entregar o nível de serviço definido pela empresa. Nas suas palavras, os benefícios esperados e o racional do projeto eram: Redução no número de ocorrências de sinistro com acompanhamento e foco investigativo no GR. Por consequência, revisão das taxas de GR e Seguro, pela redução do agravamento da apólice. Como estes serviços eram administrados pela mesma empresa, uma corretora de seguros, não havia ações efetivas na causa raiz dos sinistros para redução das taxas. Esta situação vivida pela Bauducco é semelhante a muitos outros casos que conheci ao longo da minha carreira, ou seja, a Bauducco padecia do mesmo problema que a maioria das empresas a falta de uma gestão isenta nos processos de gerenciamento de riscos de forma a garantir o correto balanceamento das ferramentas de gestão destes riscos, que garantisse a redução dos sinistros ao menor investimento possível. Ainda segundo Homero Na implantação do projeto fizemos um cronograma em conjunto com a empresa especializada em Inteligência de Riscos, que estabeleceu uma base dentro de nosso CD, acompanhando todos os processos e as oportunidades de melhoria. Após esse período foram mapeados a situação atual e os principais 55

11 causadores de sinistro. A cadeia da Bauducco é ampla e das mais complexas veja figura 3. As ações efetivadas durante as Fases 1 e 2 do projeto, respectivamente, mapeamento do Supply Chain e Análise de Aderência, estão entre as mais importantes em todo processo, pois através de uma análise profissional e atenta a cada detalhe da operação, sabendo pinçar os processos e procedimentos que são ou poderão ser as causas raízes dos sinistros, define-se o foco no qual a nova definição da gestão de riscos será alicerçada. Dessa forma, com poucos e eficazes processos foi possível mitigar e praticamente blindar a operação. Essa fase é conhecida como Redesenho do PGR Plano de Gerenciamento de Riscos. Baseado nos mapeamentos realizados, um novo PGR foi redesenhado, sob medida à operação Bauducco. Após a aprovação da empresa, a empresa especializada em Inteligência de Riscos conduziu todos os processos de RFP e RFQs necessários para encontrar a melhor empresa Gerenciadora de Riscos e Seguradora, que atendesse de forma perfeita às necessidades da Bauducco. Esta fase do processo de Inteligência de Riscos é conhecida como Road Show. Segundo Homero, foi fator decisivo na escolha de um parceiro para este projeto a expertise e o approach diferenciado em de Inteligência de Riscos, ou seja, Gestão Integrada de Seguros e Gerenciamento de Riscos, sem perder nunca o foco do nível de serviço. Essa expertise foi colocada à prova ao extremo, na modalidade de projeto empregada pelo CD EXTREMA prestador de serviço para a Bauducco totalmente baseado em Success Fee Taxa de Sucesso um modelo FÁBRICA 02 que deu segurança e motivação à Bauducco para embarcar neste projeto.. FÁBRICA 02 CD GUARULHOS E os resultados? Não podiam ser melhores: o nível de FÁBRICA 02 serviço melhorou substancialmente como consequência direta na redução Figura 3. Cadeia da Bauducco. dos Roubos, Acidentes, Furtos e Avarias. Em 11 meses de operação, após a implantação da Inteligência de Riscos, atingiram os fantásticos resultados de redução em 42% no número de sinistros, e redução de 39% dos prejuízos em R$. Este resultado tem participação direta da Diretoria de Logística e Distribuição da Bauducco e de todo seu time CD FORTALEZA CD RECIFE CD SALVADOR CD PORTO ALEGRE CD BRASÍLIA RS PR SP MG PORTO ALEGRE/RS BA CE PE EXTREMA/MG FÁBRICA 01 FÁBRICA 02 FÁBRICA 03 GUARULHOS/SP CURITIBA/PR 7% 8% FORTALEZA/CE SALVADOR/BA BRASÍLIA/DF FÁBRICA CD 7% 60% 13% 5% 5% RECIFE/PE 56

12 de funcionários envolvidos na operação. Mas uma pergunta fica no ar Os custos com a gestão cresceram? A resposta tem sido um estrondoso Não. O racional de um projeto de gerenciamento de riscos é a máxima eficiência total. O nível de serviço apresentou resultados significativos e as perdas com prejuízos reduções relevantes. E não parou por aí. Comparando-se com a situação pré-projeto, 11 meses após sua implantação, a Bauducco conseguiu que o custo com Gerenciamento de Riscos por milhão movimentado caísse 38% enquanto o custo com Seguros reduziu-se em 43%. Tamanhos resultados podem até levar alguém a pensar que a Bauducco não estava atenta ao seu negócio. Ao contrário, esforçava e muito, porém com apostas em um modelo que não podia entregar mais nada, tanto que o Homero já não tinha mais espaço para melhorias dentro do status quo daquela realidade, por isso sua busca pelo apoio de uma empresa especializada em Inteligência de Riscos. Considerações finais do diretor de Logística e Distribuição da Bauducco, Homero de Carvalho Bastos: O projeto de inteligência de riscos nos mostrou que existe uma via alternativa de negociação, onde corretoras, seguradoras, gerenciadoras de risco podem garantir a sua rentabilidade, sem onerar o embarcador com exigências securitárias que aumentam o custo e tem pouco efeito no resultado e mais Minha opinião é de que uma consultoria independente tem mais idoneidade e isenção para buscar a melhor solução, ao melhor custo benefício para o embarcador. É muito importante o expertise desses profissionais e sua predisposição para entender efetivamente cada operação antes de qualquer definição. Essas etapas são primordiais para que os primeiros passos sejam dados, o projeto atinja resultados e entremos em um processo de melhoria contínua. Palavra da Seguradora Diferente do que eu pensava, e até do que muitos colegas acreditam, a gestão do seguro de transportes não se pauta em infinitas análises estatísticas de eventos e na busca contínua pela melhor equação que englobe todas as variáveis envolvidas, como acontece, por exemplo, na definição do seguro de automóveis, classificado como seguro de varejo. Dessa forma, a eficiência na gestão da Inteligência de Riscos HOMERO DE CARVALHO BASTOS DIRETOR DE LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO DA BAUDUCCO 0,030% 0,025% 0,020% 0,015% 0,010% 0,005% 0,000% 48% 47% 46% 45% 44% 43% 42% Evolução comparativa 2010/2011 % Sinistrado 0,028% 0,022% Evolução comparativa 2010/2011 % Carga recuperada 44% 48% Fonte: Brasil Risk Gerenciamento de Risco ganha contornos quase dramáticos, pois uma adequada análise do risco e a competência da corretora em demonstrar, com critérios técnicos, precisos e confiáveis que a seguradora pode comprar um determinado risco, de modo que este se enquadre nos seus padrões estipulados de desempenho operacional, é o que garante o sucesso de negócio e a satisfação de todas as partes envolvidas. Citando um conhecido gestor dá área de seguros atuando no mercado nacional: Há alguns anos o mercado brasileiro de Seguros de Transporte estava restrito a poucas seguradoras, pela iminência do risco de roubo e desvio de carga ser tão grande, que se configurava, no jargão de seguros, o conhecido risco certo de sinistro. Com o advento do gerenciamento de risco, que através de ferramentas de tecnologia passaram a possibilitar o rastreamento e monitoramento dos veículos transportadores, bem como outras medidas de prevenção, como escolta ostensiva, velada etc., houve mitigação nessa natureza de risco a ponto de despertar interesse por parte do mercado segurador, nessa linha de negócio. A subscrição de risco de transporte no modelo embarcador (seguro de dano) ou no modelo responsabilidade (seguro do transportador) implica imprescindivelmente que o analista subscritor tenha conhecimento de todo o conjunto de medidas preventivas, que visam eliminar as possibilidades, 57

13 efeitos de perdas ou danos que possam ocorrer no transporte das mercadorias, sendo para essas medidas que se convencionou chamarmos de gerenciamento de risco. A gestão de seguros de transportes opera baseada quase que fundamentalmente nos binômios frequência x severidade e embarcador x transportador e na relação matricial entre estes elementos. E o que isso significa? Na perspectiva da seguradora, normalmente um embarcador (o dono efetivo da mercadoria, que tem interesse em garantir sua qualidade, integridade e entrega para um cliente no prazo acordado faz uso de um seguro conhecido como seguro de dano, garantia all-risks cobrindo normalmente sinistros envolvendo a carga), tem um perfil de baixa frequência (número de sinistros verificados em um determinado período de tempo), mas com alta severidade (valor nominal do bem é alto, logo o valor a reembolsar é maior). Já um transportador (aquele encarregado de fazer o transporte rotineiro de cargas, fracionado ou não, seja ele próprio ou terceirizado, coberto por um seguro obrigatório de acidentes e facultativo de roubos e desvios de cargas) tem o perfil de alta frequência (o que exige um gerenciamento de risco eficiente para atuar na redução da mesma) e baixa severidade (obtida com, por exemplo, a limitação da carga transportada por caminhão). Naturalmente, cada seguradora tem seus meios de calcular o risco para cada situação. Embora sem tantos recursos estatísticos e atuariais como no ramo de automóveis, o seguro de transporte tem também uma grande dose de inteligência e estrutura que, apoiados por uma eficiente inteligência de riscos, possibilitam estimar, como razoabilidade, o custo do risco e o prêmio a ser pago pelo cliente. Mas essa inteligência é considerada segredo de estado para cada seguradora, e parte fundamental da sua diferenciação, enquanto negócio, na busca por melhores resultados. O gráfico mostra um exemplo de evolução positiva de resultados decorrentes de um bom modelo de gerenciamento de riscos obtido por uma gerenciadora é o que uma seguradora espera para poder reduzir seus valores de apólices. O gráfico que informa o % Sinistrado indica a relação entre o volume movimentado de materiais e produtos e o quanto deste volume foi perdido por conta de sinistros diversos. Já o quadro que informa o % de carga recuperada reflete a efetividade crescente que a gestão de risco proporciona para buscar a recuperação de cargas após os sinistros envolvendo roubo. Naturalmente, dados referentes a valores foram suprimidos, pois são informações confidenciais da fonte. O que é relevante para nossa perspectiva é que os resultados veem melhorando ano após ano. O conceito e a introdução do gerenciamento de riscos no Brasil têm aproximadamente 15 anos. Esta evolução tem contribuído decisivamente para a redução dos sinistros em geral. Em resumo, o profissional de Logística que tiver visão geral do conceito de Inteligência de Risco, agora pode entender como esse modelo pode contribuir, decisivamente, na redução do prêmio de seguro pago por sua empresa. A escolha de uma boa corretora, um eficiente sistema de Inteligência de Risco, e uma apólice negociada por um preço justo, resultam finalmente na redução de sinistros e um melhor nível de serviço oferecido para seus clientes. Considerações finais Você, profissional completo de Logística, hoje em dia não pode prescindir de dominar amplamente os conceitos da inteligência de riscos. Uma eventual falta de visão deste processo e das interações existentes entre sua empresa, corretora, seguradora, gestora de riscos pode comprometer resultados, pelo aumento de custos desnecessários e pela deterioração do serviço prestados aos clientes, pelo sem número de restrições impostas pelo gerenciamento de riscos. Este conhecimento e expertise devem ser colocados a favor dos interesses do negócio, e não apenas simplesmente submeterem-se a um modelo ultrapassado de acordos comerciais em que o principal interessado, sua empresa, fica à margem de discussões relevantes, que tem impacto profundo no seu resultado. Quem não gostaria de ver-se na posição do nosso colega Homero Bastos, da Bauducco, que pode se orgulhar de que seu desempenho como profissional atualizado e desafiador tenha atingido resultados diferenciados e possibilitando, para a empresa em que atua, dar saltos quantitativos e qualitativos na redução de custos e melhorias nos níveis de serviços. Não hesite em buscar ajuda de especialistas, caso sinta dificuldades em conduzir o processo em sua empresa. Felizmente hoje esse suporte para implantar o conceito de Inteligência de Riscos já existe. E não deixe de desafiar o status quo da sua organização caso você faça parte de um modelo retrógrado no qual Seguro é com Finanças. Essa acomodação na gestão dos negócios tem mostrado que sua empresa poderia ter feito muito mais para melhorar processos e resultados e, tenha certeza, que quem vai agradecer demais por isso são os seus clientes. Referências Colaborou com este artigo: Luiz Carlos dos Santos, Liberty Seguros, 58

INTELIGÊNCIA DE RISCOS. SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013

INTELIGÊNCIA DE RISCOS. SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013 INTELIGÊNCIA DE RISCOS SINDUSFARMA 13 de Novembro de 2013 A IMC BRASIL é uma empresa especializada em gestão integrada de seguros e gerenciamento de riscos Nosso objetivo é proporcionar proteção e eficiência

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios

ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE. O diferencial que sua empresa busca para os negócios ENTREGAS RÁPIDAS, EFICIENTES E COM QUALIDADE O diferencial que sua empresa busca para os negócios Índice APRESENTAÇÃO 03 CAPÍTULO 1 MOTIVOS DE SOBRA PARA TERCERIZAR SUA FROTA! 05 CAPÍTULO 2 POR QUE A TRANSMIT?

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Transportes

Gerenciamento de Riscos em Transportes Aon Risk Solutions Gerenciamento de Riscos em Transportes Agregando inteligência ao negócio Risk. Reinsurance. Human Resources. Gerenciamento de Riscos em Transportes Agregando inteligência ao negócio

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil

Gestão Colaborativa em Segurança Corporativa. Junho 12. Consultoria Trading Serviços. Copyright NSA Brasil Junho 12 Consultoria Trading Serviços S ã o P a u l o - B u e n o s A i r e s - M e x i c o C i t y - W a s h i n g t o n - U n i t e d K i n g d o m - C o t e D ' A z u r Research for the Future Gestão

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

EFICAZ. Conduzindo Soluções

EFICAZ. Conduzindo Soluções MISSÃO Comprometimento com os objetivos de nossos clientes, oferecer-lhes soluções logísticas inovadoras com a percepção de agilidade, qualidade e segurança. VISÃO Investir em tecnologia e aprimoramento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso

Visões sobre a padronização mínima de PGR s - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Visões sobre a padronização mínima de "PGR s" - Planos de Gerenciamento de Riscos e DDR s Declaração de Dispensa de Direito de Regresso Gostaria de iniciar com algumas definições sobre os riscos da atividade

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante.

Diagnóstico Empresarial. Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Diagnóstico Empresarial Porque a saúde da sua empresa é muito importante. Introdução Nos últimos anos as empresas têm focado pesadamente em gestão por resultados, proporcionando a seus gestores e equipes

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

7 erros mais comuns no supply chain, pela visão colaborativa dos processos B2B

7 erros mais comuns no supply chain, pela visão colaborativa dos processos B2B 7 erros mais comuns no supply chain, pela visão colaborativa dos processos B2B A Jango Assessoria, há 11 anos no mercado, já atuou em conjunto com várias equipes e projetos que, direta ou indiretamente,

Leia mais

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio.

Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Esta é a XL Catlin Cinco maneiras pelas quais vamos turbinar seu negócio. Separadas, XL e Catlin eram duas empresas fortes e inovadoras. Juntas, somos ainda mais fortes. Conteúdo Conheça a XL Catlin Pessoas

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra

COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC. Lara Pessanha e Vanessa Saavedra COMO EXPLORAR OS BENEFÍCIOS DOS INDICADORES DE DESEMPENHO NA GESTÃO DE UM CSC Lara Pessanha e Vanessa Saavedra A utilização de indicadores de desempenho é uma prática benéfica para todo e qualquer tipo

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde

Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Projeto de governança automatiza e agiliza processos na Ouro Verde Perfil A Ouro Verde Locação e Serviço S.A. é uma empresa paranaense com mais de 40 anos de mercado, trabalhando com gestão e terceirização

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Diversas pessoas com o objetivo de ir em frente e inovar. Esse é o valor do i9.

Diversas pessoas com o objetivo de ir em frente e inovar. Esse é o valor do i9. Diversas pessoas com o objetivo de ir em frente e inovar. Esse é o valor do i9. Fazer a diferença é ser empreendedor de suas próprias ideias O conceito do i9 Quando pessoas de diversos lugares se conectam

Leia mais

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo Integrar para Mudar por Daniel Druwe Araujo As melhores organizações têm funções competentes para cuidar de aspectos importantes da gestão de pessoas, como a comunicação, o aprendizado e o sistema de consequências.

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

TRIAD SYSTEMS DESTAQUES. Desenvolvimento para Dispositivos Móveis. Metodologia Ágil. Expertise em. Fábrica de Testes Mobile.

TRIAD SYSTEMS DESTAQUES. Desenvolvimento para Dispositivos Móveis. Metodologia Ágil. Expertise em. Fábrica de Testes Mobile. Expertise em Metodologia Ágil Desenvolvimento para Dispositivos Móveis Fábrica de Testes Mobile Aderência a Cloud e Big Data DESTAQUES TRIAD SYSTEMS Nós somos a TRIAD SYSTEMS, uma empresa de TI, 100% brasileira,

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br APRESENTAÇÃO www.maissolucoeslogisticas.com.br Acreditamos que as pequenas e médias empresas de transporte, armazenagem, operadores logísticos e empresas de e-commerce podem ter processos eficientes, uma

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais