FERRAMENTA OTIMIZADORA E ROTEIRIZADORA DE CARGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTA OTIMIZADORA E ROTEIRIZADORA DE CARGAS"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FERRAMENTA OTIMIZADORA E ROTEIRIZADORA DE CARGAS Marcos Paulo Rohr Lajeado, junho de 2013

2 Marcos Paulo Rohr FERRAMENTA OTIMIZADORA E ROTEIRIZADORA DE CARGAS Monografia apresentado ao Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas do Centro Universitário UNIVATES, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Ms. Fabrício Pretto Lajeado, junho de 2013

3 Marcos Paulo Rohr FERRAMENTA OTIMIZADORA E ROTEIRIZADORA DE CARGAS A Banca examinadora abaixo aprova a Monografia apresentada na disciplina Trabalho de Conclusão de Curso II, do Centro Universitário UNIVATES, como parte da exigência para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação: Prof. Ms. Fabrício Pretto - orientador Centro Universitário UNIVATES Lajeado, junho de 2013

4 Dedico este trabalho inicialmente aos meus pais, irmã e namorada que sempre deram apoio e motivação ao longo do desenvolvimento deste trabalho. Dedico também aos amigos e colegas de trabalho.

5 AGRADECIMENTOS Aos professores pelo auxílio na realização deste trabalho em especial ao professor orientador Fabrício Pretto pelo grande apoio. Aos colegas de trabalho pelo apoio para o desenvolvimento deste trabalho de conclusão, em especial ao Willian Prigol Lopes e ao Pablo Dall'oglio.

6 RESUMO O planejamento de rotas é um processo complicado e custoso, mas importante para empresas que desejam atender seus clientes de forma satisfatória, com um custo mínimo. Cada veículo responsável pelo transporte pode passar diversas vezes por diversos pontos, seja para realizar entregas, coletas, vendas, dar suporte ou qualquer outro tipo de produto ou serviço. Como são muitas as variáveis envolvidas por exemplo, capacidades de carga, horários de atendimento, distância e tempos de deslocamento, é difícil determinar com exatidão o veículo ideal para atender o ponto, qual a sequência ideal de visitas, e finalmente quais as rotas a serem executadas. Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento de uma ferramenta roteirizadora, designada para o transporte rodoviário, visando a minimização de custos, organização e automatização do processo de logística. Palavras-chave: Logística, Roteirização, Custo Mínimo, Otimização, Transporte Rodoviário, Mapa.

7 ABSTRACT Planning routes is a complicated and expensive process, but is important for companies wishing to serve their customers in a satisfactory way, at minimum cost. Each vehicle responsible for transporting can pass several times by various points, either to perform deliveries, gathering, selling, supporting or any other kind of product or service. As there are many variables involved such as, load capacity, service hours, distance and travel times, it is difficult to determine precisely the ideal vehicle to serve the point, what's the optimal sequence of visits, and finally which routes are to be executed. This work presents a proposal to develop a router tool designated for road transportation in order to minimize costs, organization and automation of the logistics process. Keywords: Logistics, Routing, Least Cost, Optimization, Transportation, Highway, Map.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Esquema de distribuição Figura 2 Esquema de entrada e saída de informações de um TMS Figura 3 Imagem da malha viária em um local da cidade de São Paulo, destacando o nível de tráfego das rodovias Figura 4 Criando uma nova rota, inserindo ponto de origem e destino com pontos de visita Figura 5 Ilustração do trajeto a ser percorrido com a solução RTM Figura 6 Ilustrando os resultados obtidos após o cálculo da rota Figura 7 Imagem da interface do Roteador TrackRoad Figura 8 Cadastro de clientes, vista diretamente em mapa pelo sistema RoadShow Figura 9 Esquema de triangulação utilizados pela tecnologia GPS Figura 10 Trecho de código retirada da ferramenta RotaRohr, baseado no algoritmo de Haversine Figura 11 Ilustra o fluxo das informações no modelo MVC (Model, View, Controller) Figura 12 Ilustração de um Grafo Figura 13 Grafo ilustrativo de cidades conectadas por estradas Figura 14 Esquematização do processo de entrega de ordens de carregamento através de filas por veículo Figura 15 Diagrama de casos de uso do software roteirizador Figura 16 Ilustração da estruturação lógica da base de dados do sistema roteirizador Figura 17 Imagem da listagem do módulo cadastro de tipos de veículos, retirada da ferramenta RotaRohr... 77

9 Figura 18 Ilustração da tela de cadastro e edição de ordens de carregamento RotaRohr Figura 19 Ilustração da tela de cadastro e edição de clientes RotaRohr Figura 20 Ilustração da lógica de seleção de clientes nas proximidades do cliente em potencial para uma futura união de pedidos Figura 21 Ilustração da estruturação dos objetos (Arrays de Objetos) Figura 22 Fluxograma de seleção de pedidos, resultando em uma rota Figura 23 Fluxograma de alocação de rota selecionada na estrutura de rotas Figura 24 Fluxograma detalhado do processo de alocação de pedidos em veículos Figura 25 Apresentação de uma rota pela aplicação RotaRohr Figura 26 Apresentação de pedidos não alocados no processo de geração de entregas Figura 27 - Apresentação de pedidos não alocados no processo de geração de entregas Figura 28 - Impressão de uma ordem de pedido Figura 29 - Impressão de uma ordem de pedido Figura 30 - Exemplo de uma rota com somente uma entrega Figura 31 - Exemplo de uma rota com mais de uma entrega Figura 32 - Exemplo de uma rota com uma ou mais entregas, mas não atingem a capacidade do veículo

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Comparativo das funcionalidades das ferramentas roteirizadoras... 44

11 API - CSS - GPS - HTML - IP - MVC - PHP - RFID - RUM - RTM - SQL - SGBD - TMS - TI - UML - TSP - XML - LISTA DE ABREVIATURAS Application Programming Interfaces Cascading Style Sheets Global Position System Hyper Text Markup Language Internet Protocol Model, View, Controller Hypertext Preprocessor Sistemas de Identificação por Radiofrequência Roteirizador Urbano Multiponto Roteirizador Multiponto de Transportes Structured Query Language Sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados Transportation Management System Tecnologia da Informação Unified Modeling Language Traveling Salesman Problem extensible Markup Language

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos Justificativa Organização deste Trabalho CONTEXTUALIZAÇÃO História da Logística Logística Logística e o Transporte Logística e a Tecnologia da Informação ROTEIRIZAÇÃO Transporte de mercadorias Softwares otimizadores de rotas ROTEIRIZADORES BR Express MapLink TrackRoad RoadShow Comparativo entre as ferramentas FERRAMENTAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO... 46

13 5.1 Google Maps GPS Algoritmo de Haversine Cron Linguagens de programação Metodologias Framework Core Base de dados Programação linear Modelos matemáticos Na existência de restrições De naturezas variáveis Natureza das restrições e função objetivo Números de objetivos do modelo Dinâmica dos dados de entrada O processo de modelagem Grafos IMPLEMENTAÇÃO ROTAROHR Requisitos funcionais Requisitos funcionais do sistema roteirizador Requisitos não funcionais Requisitos não funcionais do sistema roteirizador Modelagem Diagramas de casos de uso Modelos de entidade relacional Implementação Funções Cadastros Processos Rotas geradas ANÁLISE SOBRE A APLICAÇÂO ROTAROHR

14 8 TRABALHOS FUTUROS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS

15 14 1 INTRODUÇÃO A logística empresarial estuda formas de otimizar os fluxos de artefatos, desde a obtenção de matéria-prima, até a entrega do produto acabado ao comprador, diminuindo despesas, e aumentando a satisfação do cliente, consequentemente aumentando os lucros para a própria empresa. Tudo isso é possível através de planejamento, organização, controle do armazenamento e movimentação dos produtos, fazendo uso de canais e modalidades internas ou externas à empresa, respeitando medidas e prazos. Realizar um planejamento eficiente do fluxo de produtos e recursos não é uma tarefa simples, devido à complexidade a qual está envolvida, como roteirização, construção de vias, alocação de frotas, operários, tudo isso ainda conciliado a economia, segurança, horários e veículos disponíveis. Com o advento da Tecnologia da Informação, trazendo agilidade, precisão e comodidade, integrado à evolução em técnicas relacionadas à logística como a movimentação de produtos no tempo (estoques) e espaço (transporte), houve o surgimento de diversas ferramentas informatizadas com o propósito de auxiliar os gestores a realizar uma eficiente gestão dos fluxos de seus produtos e recursos. Entre estas ferramentas informatizadas surgiram os roteirizadores, desenvolvidos com o objetivo de definir e otimizar os itinerários a serem percorridos por veículos que atendem a um depósito ou um centro de distribuição, através de um processo de programação de roteiros de entrega, realizando um cruzamento de

16 informações como volume/peso de carga, capacidade dos veículos e locais de entrega Objetivos O presente trabalho tem como propósito, o desenvolvimento de um sistema roteirizador informatizado, com o objetivo de auxiliar os gestores na organização e otimização de itinerários, diminuindo custos e tempo. Fazendo uso de diversas tecnologias informatizadas disponíveis como mapas digitalizados, que possibilitam a obtenção de informações de posicionamento, e grafos, tornam-se possível obter e organizar informações referentes a percursos possíveis a serem utilizados para atender aos pedidos de clientes. Com estas informações mapeadas, é possível gerar dados como distância e tempo para o deslocamento entre um ponto a outro, que são extremamente importantes para determinar itinerários otimizados. Como qualquer roteirizador, gerar as informações de rotas visando o menor custo é essencial, e com base nas informações disponíveis e colhidas através da ferramenta Google Maps, torna-se possível computacionalmente aplicar algoritmos de otimização, resultando em rotas otimizadas. Além disso, a ferramenta propõe a junção de pedidos em um itinerário levando em consideração a capacidade do veículo e a menor distância entre os pontos de entrega, como também o balanceamento e organização de entregas de acordo com o perfil dos veículos, respeitando capacidades e possibilidade de mais de um itinerário por veículo dentro do período de entregas. Em suma, essa ferramenta roteirizadora, nomeada de RotaRohr, traz o propósito de gerar rotas que possibilitam atender a pedidos, dento do período solicitado de forma otimizada, aproveitando ao máximo as capacidades e disponibilidades dos veículos através da junção de pedidos. Também fica ao encargo do roteirizador determinar rotas como o menor custo em deslocamento ou tempo, supondo que exista somente um ponto de origem e vários pontos de destino.

17 Justificativa Atualmente várias empresas, inclusive a empresa utilizada como caso de uso para o desenvolvimento da ferramenta RotaRohr, realizam a programação de itinerários de forma manual, que muitas vezes, de acordo com o volume de entregas, necessita horas de dedicação especial de um ou vários colaboradores, além da dificuldade em organizar estas rotas sem haver um mapa como apoio. Através desta ferramenta RotaRohr será possível diminuir o tempo destinado a tarefas de programação de itinerários através de metodologias que serão esclarecidas durante o desenvolvimento deste trabalho, como também auxiliar os responsáveis pela programação, na elaboração de itinerários com apoio de mapas e estimativas que acabam diminuindo o desgaste por parte dos responsáveis. 1.3 Organização deste Trabalho A seguir serão explanados os métodos que serão utilizados para a realização deste trabalho acadêmico. Inicialmente é destacado todo o referencial teórico, necessário para que o leitor possa ter todo o embasamento e entender quais são os fundamentos deste trabalho. O segundo passo é descrever como será realizado o planejamento do desenvolvimento da ferramenta, levantando requisitos, modelando e especificando layouts, para então efetivamente iniciar o desenvolvimento da ferramenta RotaRohr. Após o término do desenvolvimento da ferramenta são obtidos dados reais juntamente com a empresa utilizada como caso de uso e realizar teste utilizando os dados obtidos. Em conseguinte, após o desenvolvimento da ferramenta, o carregamento de dados e a realização de testes, a ferramenta será posta a utilização na empresa caso de uso, para que sejam colhidas informações como, a real eficiência da ferramenta, o que não está condizente com a realidade e o que pode vir a agregar a ferramenta.

18 17 Por final, após serem colhidas as informações referentes ao uso da ferramenta RotaRohr são descritas as funcionalidades do sistema, como também algoritmos utilizados, descrevendo assim o comportamento do sistema, como também os resultados do uso da ferramenta, e trabalhos futuros que poderão melhorar ainda mais a ferramenta.

19 18 2 CONTEXTUALIZAÇÃO Os objetivos deste capítulo são de esclarecer assuntos que envolvem a logística, conduzindo para um foco computacional, abordando contextos como o que é, como surgiu e de que maneira o transporte influência na logística, e quais os benefícios gerados com a utilização da tecnologia da informação nesta área. 2.1 História da Logística Em épocas remotas da história que se tem registro, as mercadorias com maior necessidade não eram feitas nos lugares em que existia um maior consumo das mesmas. Os povos mais antigos consumiam seus produtos em seus lugares de origem ou os armazenava em lugares profundos para um consumo posterior. Em consequência da não existência de sistemas desenvolvidos de transporte e armazenamento, o translado de produtos de uma localidade a outra era uma atividade demorada, custosa ou até mesmo impossível de ser realizada, devido ao tempo de transporte ser maior que o tempo de validade para produtos perecíveis. Dessa forma as pessoas se limitavam a consumir artigos que conseguiam fazer por suas próprias forças em suas propriedades (BALLOU, 2004). Segundo Gomes (2004) a logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, a movimentação e o armazenamento de materiais, peças e produtos acabados, de modo a maximizar a lucratividade atendendo a pedidos com baixos custos. Sua origem surgiu na área militar, os primeiros registros

20 19 de estudo dessa atividade advêm da época dos gregos, quando grandes exércitos deslocavam-se a grandes distâncias para conquistar terras e riquezas. Napoleão Bonaparte aperfeiçoou e utilizou a técnica como estratégia de guerra, mas foi lecionada pela primeira vez na segunda metade do século XIX em um país com o objetivo de tornar-se uma grande potência: os Estados Unidos. Desde então os empresários perceberam a importância de gerenciar a obtenção, armazenamento e movimentação de materiais no processo de produção de forma a diminuir os custos e maximizar os lucros ao formularem os conceitos de qualidade com foco na cadeia produtiva, chamaram a atenção para alguns fatos como o fornecedor dos insumos, a qualidade no processo produtivo e a entrega do produto ao cliente (GOMES, 2004). Durante o século XX houveram mudanças significativas na produção industrial, entre elas as mais importantes estão as inovações tecnológicas e as novas formas de produção. Inicialmente a produção em linhas de montagem em grandes áreas industriais, em consequência o domínio completo pelas indústrias do ciclo produtivo (BARAT, 2007). Por volta dos anos 1980 o processo de produção teve uma mudança radical devido ao fenômeno chamado globalização, em decorrência da rápida evolução tecnológica possibilitando trocas internacionais. Dessa forma surgiram novas concepções para a logística como abastecimento e escoamento, reduzindo a necessidade de grandes estoques (BARAT, 2007). Atualmente, a logística encontra-se como um elemento diferenciador, entre os elementos que influenciaram e continuam influenciando essa mudança de percepção, destacam-se a globalização, a tecnologia da informação, a responsabilidade social e a ecologia (GOMES, 2004). 2.2 Logística De acordo com Gomes (2004), o aumento da eficiência, consequentemente o aumento dos lucros por meio da redução de custos de distribuição, a redução de

21 capital de giro através da redução dos estoques, como também os custos para manter os estoques, são vantagens geradas com a implantação da logística. 20 Segundo Costa (2010) de modo geral a logística procura um equilíbrio em outras atividades com o mesmo objetivo de aumentar os lucros e considera as seguintes atividades: a) Marketing: Procura a maior venda possível de produtos, para isso necessita de uma oferta abundante e variada de produtos, e sua antecipada disponibilização ao cliente; b) Produção: Procura a eficiência em produtividade, através do menor custo unitário produzindo em grande quantidade por tempos prolongados. Para alcançar esse objetivo o processo de produção necessita a menor variedade de produtos possível e menor interrupções por falta de matéria-prima ou pedidos especiais; c) Financeira: Procura a redução dos custos, redução das instalações, pessoal, estoques. A logística passou por uma grande evolução quando as organizações perceberam essa atividade como um processo estratégico e menos operacional, passando a dar um enfoque maior ao serviço ao cliente (BONZATO, 2005). 2.3 Logística e o Transporte Com a crescente demanda de produtos devido as transformações no processo produtivo, e da economia mundial que ultrapassou fronteiras regionais e nacionais, torna-se mais presente a existência de redes de empresas fornecedoras, com o objetivo de reduzir custos e ligar conjuntos de atividades para atender o mercado (BARAT, 2007). As mudanças na produção industrial e da logística interagiram com o transporte. Dessa forma o escoamento de cargas concentraram-se cada vez mais em rotas, que na sua grande maioria utilizam de forma combinada os diversos modos de transporte, sendo eles aéreo, terrestre ou fluvial (SANTOS, 1996).

22 21 Analisando cada modalidade de transporte no Brasil, cerca de 76,4% das mercadorias geradas no país são escoadas por rodovias, enquanto que as ferrovias apenas 14,2%, hidrovias 9,2% e a aviação 0,1%. O predomínio do transporte rodoviário no Brasil se deve a diversos fatores, os principais são políticas que favoreceram a construção de rodovias, a indústria automobilística e a inacessibilidade em localidades por outros meios (DIAS, 2010). Segundo Barat (2007) o transporte rodoviário tenderá a predominar pelos anos futuros, independentemente de esforços por parte do governo em outras áreas do transporte, e uma das explicações para essa situação é a preferência pela indústria no transporte porta a porta, realizado por esta modalidade e ausente nas outras. Além disso, as empresas cada vez mais estão trabalhando com estoques reduzidos (just-in-time) 1, com um giro mais rápido. A operação do transporte de passageiros quanto o de cargas está ligada a gerência de tráfego das empresas. É neste setor que são definidos como e onde os veículos vão operar, e os aspectos que auxiliam nessas definições são o planejamento, a programação e controle destes serviços. Pode-se afirmar que a realização do planejamento e a programação das operações são complicadas, devido a complexidade que envolvem, roteirização, construção de linhas, alocação de frotas e programação da tripulação. Tudo isso, conciliado a racionalização, economia, segurança, tabelas de horários, veículos disponíveis entre outros (VALENTE, PASSAGLIA, NOVAES, 1997). De acordo com Dias (2010) o departamento de transporte e logística de uma organização tem por função controlar três itens: custos, prazos e qualidade de atendimento, os quais bem executados podem aumentar o mercado, sobre as seguintes visões, conforme elencadas a seguir: 1 De acordo com Gaither e Frazier (2002), just-in-time é uma filosofia de fabricação que se baseia na diminuição planejada de todo o desperdício e na melhoria contínua da produtividade. Podemos destacar como elementos principais do just-in-time: a manutenção somente dos estoques necessários quando preciso; a melhoria da qualidade até atingir um nível zero de defeitos; a redução do lead time ao reduzir os tempos de preparação, comprimentos de fila e tamanhos de lote; a revisão incrementalmente das próprias operações; e a realização dessas atividades a um custo mínimo.

23 22 a) Custos: As dificuldades de concorrência no mercado aumentam quando a empresa possui um custo de transporte maior que a média praticada pelos concorrentes; b) Prazos: Para alguns produtos o prazo de entrega é um fator muito importante, devido a sua vida curta, ao estender o prazo de entrega, os mesmos podem acabam estragando perdendo o seu valor, resultando em grandes prejuízos, um exemplo disso são os produtos perecíveis. Outro problema que pode ocorrer por atraso de entrega é a perda de consumidores, isso ocorre porque os consumidores em sua grande maioria não estão dispostos a esperar, e quando isso acontece normalmente acabam adquirindo produtos da concorrência; c) Qualidade: Produtos mais sensíveis, desde o carregamento estão sujeitos a avarias devido ao próprio manuseio, e se o empacotamento não for o correto à modalidade de transporte, certamente o produto será avariado. Para auxiliar no processo de melhoria dos quesitos citados anteriormente, existem diversas técnicas e procedimentos, muitos deles informatizados capazes de auxiliar na busca de melhores soluções para a operação de frotas. Esses recursos associados a experiência e à prática dos profissionais da área, trazem alternativas que contribuem para preservar a saúde e a competitividade das empresas (VALENTE, PASSAGLIA, NOVAES, 1997). 2.4 Logística e a Tecnologia da Informação Um dos grande aliados da logística é a tecnologia da informação, através de softwares que armazenam, recuperam e aprimoram as informações, dessa forma os gestores podem ganhar tempo e ter uma informação mais concisa e precisa, auxiliando nas estratégias, planejamentos e tomadas de decisão (DALLEDONNE, 2008). Segundo Bowersox (1992), o fator mais importante que impulsionou a evolução da logística, foi o rápido crescimento na área da tecnologia da informação e telecomunicações. A tecnologia proporcionou mudanças significativas no estilo de vida das pessoas como consumidoras ou geradoras do processo de produção, dos

24 métodos de comunicações, e a maneira como as informações são tratadas de negócio para negócio. 23 Um exemplo disso são computadores ativados por comandos de voz, tecnologias de codificação sem fio com informações referentes ao produto, chamado de RFID - Sistemas de Identificação por Radiofrequência, a eliminação gradativa de formulários para preenchimento de pedidos, a aquisição de produtos através de sites pela Internet, são tecnologias que tornam cada vez mais curto o tempo de preparação do pedido compreendido no ciclo do pedido do cliente (BALLOU, 2004). Existem várias ferramentas que auxiliam os gestores na atividade de minimizar custos perante a movimentação de produtos no tempo (estoques) e espaço (transporte). Entre elas estão as ferramentas de roteirização, existindo uma grande variedade, tal como a da empresa BR Express, ao qual no decorrer deste documento será avaliada. Esse conjunto de ferramentas aos quais inclui-se o roteirizador, caracterizando um conjunto de soluções, oferecem a administração a movimentação dos pedidos desde o estoque até o cliente, uma dessas soluções que auxiliam neste propósito é o roteirizador, que segundo Lopes e Melo (2003), é uma ferramenta que define itinerários a serem percorridos por veículos que atendam um depósito ou centro de distribuição. Pela visão de Rango (2002), a atividade de roteirização de cargas é um processo de programação de carga em rotas ou roteiros de entrega, realizando o cruzamento de informações como volume/peso de carga, capacidade dos veículos e locais de entrega, com o objetivo de extrair o melhor resultado em vários quesitos como ocupação dos caminhões e cumprimento dos prazos de entrega. Desta forma o sistema pode ajudar de forma a distribuir as cargas a serem transportadas por uma rota previamente estipulada, onde pode ser sugerido a melhor rota em função da análise de informações sobre a carga a ser transportada, capacidades dos veículos, informações de ruas, estradas e localidades. Devido aos benefícios gerados pela tecnologia da informação, como agilidade, precisão e comodidade, os empresários cada vez mais se sentem pressionados por seus clientes e acionistas, no sentido de fazer com que essa área

25 24 traga vantagens para a empresa, seja no aprimoramento do processo logístico, nos ganhos no desempenho do processo produtivo ou nas melhorias da competitividade. No trecho a seguir o autor deixa claro a nova concepção gerada pela tecnologia no processo produtivo: A evolução tecnológica criou o conceito de "tempo real para um produto", que seria definido como o tempo decorrido entre o projeto do produto (estar na prancheta) e o tempo de esse novo produto estar nas mãos do consumidor (GOMES, 2004). Segundo Bonzato (2005), para uma empresa decidir utilizar a tecnologia da informação como estratégia de logística, a mesma precisa contribuir para que os objetivos corporativos de curto, médio e/ou longo prazo sejam atingidos.

26 25 3 ROTEIRIZAÇÃO De acordo com Lello Universal (2012) uma rota é uma direção, um trajeto, um caminho a ser seguido de um ponto a outro, e com o auxílio de mapas, que representam uma região em escala muito menor, é possível, obter informações necessárias para traçar um itinerário, como localização atual, informações de vias, localização dos destinatários, e em alguns casos medidas como tempo e distância, se tornam úteis no momento de criar um rota. Amplamente utilizado desde os primórdios, o mapa é um dos instrumentos de auxílio à locomoção e comunicação, criado pelo homem como apoio ao seu próprio sustento. Inicialmente os mapas mais pareciam croquis, mas com o passar do tempo, e a evolução da tecnologia, mapas digitais foram surgindo, trazendo uma série de benefícios, entre eles a facilidade de atualização, e através da inserção de dados a possibilidade de traçar rotas através de cálculos, e como não trata-se de um mapa físico e sim digital, é possível ter uma visualização bem mais ampla das imagens (HASEGAWA et al., 2000). Segundo Valente, Passaglia e Novaes (1997) a determinação de rotas é considerada uma atividade de roteirização, que envolve distâncias, ordem e tempo mínimo ou a junção deles. A determinação de itinerários consiste em problemas de distribuição que podem ser classificados em três categorias, conforme elencados a seguir: a) Roteamento: Acontece quando a ordem ou o horário da realização das tarefas não é prioridade;

27 26 b) Sequenciamento: Existem restrições de ordem de atendimento das tarefas; c) Roteamento e Sequenciamento: Ocorrem quando o problema de sequenciamento leva em consideração também a escolha de rota. Dentre estas classificações, Ballou (1993) apresenta um tipo de rota muito comum que envolve múltiplas origens e destinos. Para resolver este problema é necessário considerar as restrições de capacidade e de oferta dos remetentes e necessidades de produtos dos destinatários, como também os custos que envolvem cada caminho possível. Para resolver estes tipos de problema de roteirização é frequentemente utilizado a programação linear 2, assunto o qual será abordado na seção de ferramentas de apoio ao desenvolvimento. Outro problema comum encontrado pelos gerentes de frota é o balanceamento de viagens. Um veículo completamente carregado parte da fábrica para realizar uma entrega e voltar completamente vazio. Para melhor utilizar o veículo é interessante transportar mercadorias de fornecedores da própria companhia para a fábrica (VALENTE, PASSAGLIA, NOVAES, 1997). Um dos problemas mais conhecidos e usados para exemplificar a eficiência em rotas é o problema do Caixeiro Viajante, conhecido em inglês pela sigla TSP (Traveling Salesman Problem), o qual consiste em percorrer um conjunto de cidades e voltar a cidade inicial, passando uma única vez em cada cidade, de forma a percorrer a distância mínima (COSTA et al., 2003). Como trata-se de um problema combinatório, o grau de dificuldade em obter a melhor rota cresce exponencialmente. Para ter uma ideia do grau de dificuldade para resolver um problema de menor caminho que envolve 25 cidades, é necessário 20 (vinte) vezes a idade do universo, supondo que seja possível calcular (dez mil) caminhos por segundo (COSTA et al., 2003). No processo de dimensionamento do sistema de distribuição e coleta, quando aplicada em uma região grande, é aconselhável dar atenção ao nível de produção 2 De acordo com Ferreira (1976) a programação linear é uma ferramenta matemática que auxilia na obtenção da melhor solução para certos problemas. Neste contexto, o termo programação, significa que existe planejamento de atividades e o termo linear refere-se a linearidade nas equações do problema.

28 27 dos veículos que atendem regiões distantes e próximas ao depósito, cada região necessita de um tratamento diferenciado em questões de tempo demandado para realizar a tarefa. Levando em consideração esses parâmetros que influenciam na elaboração da roteirização, Valente, Passaglia e Novaes (1997) definem o resultado obtido como rota ou itinerário, o qual é representado pela Figura 1, e possui os seguintes elementos: a) Um caminho a ser seguido desde o depósito até a zona de entrega; b) Vários percursos e paradas entre os pontos dentro da zona de entrega; c) Paradas em determinados pontos para coleta ou entrega de produtos; d) Retorno da zona de entrega para o depósito. Figura 1 Esquema de distribuição Fonte: Adaptado de Valente, Passaglia, Novaes (1997). Os principais problemas/variáveis que normalmente são considerados no momento de criar uma rota otimizada estão descritos na próxima seção. 3.1 Transporte de mercadorias Todo veículo de transporte é projetado para suportar um limite de peso, quando este limite é ultrapassado ou a distribuição da carga é realizada de maneira incorreta, o comportamento adequado do veículo é comprometido, trazendo insegurança aos tripulantes e prejudicando o desempenho econômico do mesmo. O

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

MONITORAMENTO DE ENTREGAS E ROTEIRIZADOR DE FROTAS:

MONITORAMENTO DE ENTREGAS E ROTEIRIZADOR DE FROTAS: MONITORAMENTO DE ENTREGAS E ROTEIRIZADOR DE FROTAS: FERRAMENTAS FUNDAMENTAIS NA DISTRIBUIÇÃO 1 ÍNDICE Introdução... 1. Monitoramento de entregas... 1.1 Como a tecnologia pode ajudar a central de monitoramento

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO Tamires Soares Ferreira 1, Dante Alves Medeiros Filho 2, Emanuely Velozo Aragão Bueno 3 RESUMO:NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTE TEMOS A INCIDÊNCIA DO SISTEMA

Leia mais

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados

5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5 Experiência de implantação do software de roteirização em diferentes mercados 5.1 Introdução Após apresentação feita sobre os processos para implantação de um software de roteirização de veículos da

Leia mais

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento

Planejamento Integrado da Cadeia de Cimento 01 SISTEMA ANALÍTICO DE PLANEJAMENTO QUE PERMITE OTIMIZAR O ATENDIMENTO DAS DEMANDAS, A PRODUÇÃO DE CIMENTO E SUPRIMENTO DE INSUMOS, MAXIMIZANDO A MARGEM DE CONTRI- BUIÇÃO DA OPERAÇÃO O CILO É uma ferramenta

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Atração, retenção e qualificação de mão de obra;

Atração, retenção e qualificação de mão de obra; São Paulo - Abril de 2012 As amplas deficiências de infraestrutura do País comprometem fortemente os resultados do setor logístico. Diante da expectativa de investimento público insuficiente para reverter

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Daniel Barzan de Mattos Amaral danielbarzan@gmail.com UNISANTOS Anderson Willian de Souza andersonwillian7@gmail.com

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LUCAS DE OLIVEIRA ALVES 20947622

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LUCAS DE OLIVEIRA ALVES 20947622 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LUCAS DE OLIVEIRA ALVES 20947622 ROTEIRIZAÇÃO DE VEÍCULOS NA EMPRESA SOBEBE - A APLICAÇÃO DE UM MÉTODO DE ROTEIZIZAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Programação Inteligente para Transporte Urbano

Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação horária Também chamada de programação de linha, consiste em obter como resultado final, tabelas horárias de viagens para uma linha (ou linhas)

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1

www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1 www.simplesgps.com.br Simples como tem que ser Revisão 1.05 Página 1 Sumário Simples como tem que ser... 3 Acesso... 4 Mapas... 5 Rastreamento... 7 Panorâmica... 7 Cercas... 8 Criando cercas eletrônicas...

Leia mais

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas

4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas 50 4 O Enfoque da Logística Urbana ou City Logistics no PDTU- RMRJ parte Cargas Neste capítulo é apresentada a definição de transporte urbano de cargas, a Logística Urbana ou City Logistics, seu enfoque,

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 18 B2C: A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA 1. INTRODUÇÃO O Business-to-Consumer (B2C) refere-se à realização

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

SIMULADO FPL ENADE 2015. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

SIMULADO FPL ENADE 2015. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. SIMULADO FPL ENADE 2015 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Outubro/2015 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu o Caderno de Respostas, destinado

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura

O conceito de CIM e a integração de processos. Evolução da Manufatura O conceito de CIM e a integração de processos Prof. Breno Barros Telles do Carmo Evolução da Manufatura Integração.A evolução da manufatura segundo reportado em Russell e Taylor III (1995) se deu em quatro

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Sobre nós 1. Um pouco da nossa história 1. Sobre o produto 2. Sistema 100% Web 2. Controle operacional 3. Coletores de dados 4.

Sobre nós 1. Um pouco da nossa história 1. Sobre o produto 2. Sistema 100% Web 2. Controle operacional 3. Coletores de dados 4. Apresentação Sumário Sobre nós 1 Um pouco da nossa história 1 Sobre o produto 2 Sistema 100% Web 2 Controle operacional 3 Coletores de dados 4 Faturamento 5 Nota fiscal eletrônica 5 Nota fiscal de serviços

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 4 1. INTRODUÇÃO A logística empresarial é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos.

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Benefícios concretos. Imagine uma fabricante de ovos de

Benefícios concretos. Imagine uma fabricante de ovos de distribuicao.qxp 1/9/2007 9:53 AM Page 56 Benefícios concretos Fotos: Patrick Person A Engemix melhorou o nível de serviço de entrega de concreto e reduziu desperdícios e os custos com ativos com a adoção

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID Acadêmica: Shaiane Mafra Casa Orientador: Jacques Robert Heckmann 07/2013 Roteiro Introdução

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

MELHORE A EFICIÊNCIA DE SUA FROTA E SUA VANTAGEM COMPETITIVA COM O SISTEMA DE RÁDIOS DIGITAIS BIDIRECIONAIS MOTOTRBO

MELHORE A EFICIÊNCIA DE SUA FROTA E SUA VANTAGEM COMPETITIVA COM O SISTEMA DE RÁDIOS DIGITAIS BIDIRECIONAIS MOTOTRBO MELHORE A EFICIÊNCIA DE SUA FROTA E SUA VANTAGEM COMPETITIVA COM O SISTEMA DE RÁDIOS DIGITAIS BIDIRECIONAIS MOTOTRBO O DESAFIO OBTER SERVIÇOS PTT CONFIÁVEIS Manter a rentabilidade e uma vantagem competitiva

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

www.nextrans.com.br blog.nextrans.com.br twitter.com/nextrans

www.nextrans.com.br blog.nextrans.com.br twitter.com/nextrans www.nextrans.com.br blog.nextrans.com.br twitter.com/nextrans Mais este desafio Cliente Nextrans (Cliente Nextrans) (Cliente Nextrans) (Cliente Nextrans) (Cliente Nextrans) Nós é que agradecemos a oportunidade

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação

Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Dimensionamento da capacidade de atendimento da nova portaria industrial norte da CST-Arcelor por simulação Bruno Camara Vieira (CST-Arcelor/FAESA) bruno.vieira@arcelor.com.br Daniella G. Barros S. de

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A coleta dos resíduos sólidos urbanos pode ser classificada em quatro tipos, que são: especial, particular, regular e seletiva.

A coleta dos resíduos sólidos urbanos pode ser classificada em quatro tipos, que são: especial, particular, regular e seletiva. ANÁLISE DE INFLUÊNCIA DO TRANSPORTE NA COLETA SELETIVA UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA L. A. Brasileiro e A. A. Martins Júnior RESUMO A coleta é ligada à etapa de transporte, independente do

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais