A CONTRIBUIÇÃO DO TMS (TRANSPORTATION MANAGEMENT SYSTEM) NO DESEMPENHO DO FLUXO LOGÍSTICO NA ROTA SÃO PAULO - MANAUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTRIBUIÇÃO DO TMS (TRANSPORTATION MANAGEMENT SYSTEM) NO DESEMPENHO DO FLUXO LOGÍSTICO NA ROTA SÃO PAULO - MANAUS"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de A CONTRIBUIÇÃO DO TMS (TRANSPORTATION MANAGEMENT SYSTEM) NO DESEMPENHO DO FLUXO LOGÍSTICO NA ROTA SÃO PAULO - MANAUS Eduardo Festa (Unisantos) Maria Rita Pontes Assumpção (Unisantos) Este trabalho analisa os esforços que as transportadoras têm feito para controle do desempenho no fluxo logístico da rota São Paulo - Manaus, focando o uso do TMS (Transportation Management System). O artigo apresenta as possibilidades que o avanço da tecnologia de informação oferece para apoio ao gerenciamento de transporte, detalhando as facilidades oferecidas pelo TMS. O trabalho descreve como é realizado o serviço porta-a-porta pelas transportadoras contratadas pelos fabricantes de eletroeletrônicos da Zona Franca de Manaus - ZFM. Este serviço, que faz uso da multimodalidade (rodofluvial), constitui no suprimento de insumos produtivos na direção Sudeste-Norte e, em direção contrária, distribuição dos produtos acabados, entregues nas centrais de distribuição das redes de varejo. Os resultados apresentados foram coletados por dois estudos de caso (transportadoras) em pesquisa exploratória. O artigo destaca os benefícios dos transportadores com a utilização de TMS, entre eles, maior controle da produtividade no uso dos ativos físicos da transportadora e racionalidade de sua equipe de gestão, pela diminuição no tempo de planejamento na montagem da carga e na programação das entregas, assim como na negociação dos contratos com os fabricantes da ZFM. Palavras-chaves: sistemas de gestão de transporte, rota São Paulo- Manaus, multimodalidade, desempenho, logística integrada

2 1. Introdução O faturamento total da atividade industrial do Pólo Industrial de Manaus cresceu 37% em valor, no período entre 2005 a Este crescimento refletiu um aumento de 39% no número de empregos gerados, o que torna ainda mais importante esta atividade nessa região (SUFRAMA, 2009). Os ramos industriais de maior destaque são: eletroeletrônico e duas rodas que, juntos representaram, em 2009, 53% do total do faturamento industrial (Figura 1). bens de informática 11% termoplásticos 6% químico 12% metalúrgico 7% outros 11% eletroeletrônico 33% duas rodas 20% Figura 1: Subsetores de atividades no Pólo Industrial de Manaus e % Faturamento (R$) Fonte: SUFRAMA (2009). Indicadores de Desempenho do Pólo Industrial de Manaus: Relatório de 09/1/2010. Elaboração: COISE/CGPRO/SAP. MIDC. Disponível em: pdf A ZFM (Zona Franca de Manaus), por estas razões, tem se mostrado importante região para abastecimento do mercado brasileiro dos bens de consumo durável: eletrodomésticos e motocicletas e bicicletas. Além da importância da atividade industrial na região Norte brasileira, esse crescimento implica em outras externalidades, tal como em uma maior dinâmica na distribuição física dos produtos a partir dessa região para os demais estados brasileiras e de abastecimento de componentes (insumos produtivos) da Região Sudeste do Brasil para o Norte, com aumento significativo na atividade de transporte no Brasil. Nesta perspectiva a cabotagem brasileira vem se desenvolvendo, com linhas regulares, semanais, que saem do Porto de Santos para a cidade de Manaus (Carvalho, 2009). Embora o crescimentro da cabotagem brasiliera, a maioria do volume movimentado entre estas regiões é ainda por transportadoras que utilizam a intermodalidade rodo-fluvial. O trecho de São Paulo até Belém (e vice versa) é por rodovia, sendo utilizado o modal fluvial de Belém até Manaus. A responsabilidade do serviço de entrega na distribuição de produtos acabados na rota Norte Sudeste e no suprimento de insumos produtivos (sentido inverso) é de um único prestador de serviço logístico a transportadora, responsável pela frota de caminhões que faz o trecho até Belém. A transportadora, desta maneira realiza serviços porta a porta para seus clientes, os fabricantes da ZFM. A cabotagem é responsável por apenas 1,8% do transporte de cargas no Brasil, embora tenha tido um crescimento de 181,7% entre os anos de 2003 a 2008 para a carga geral e de 93,5% da carga conteinerizada (CARVALHO, 2009). Devido a este crescimento, este modal de transporte é o que representa maior capacidade de competir com as transportadoras. Carvalho (2009) mostra que as companhias de navegação, que operam cabotagem neste trecho, 2

3 ampliaram seus serviços para entrega porta-a-porta. De outro lado, a desregulamentação das atividades de transporte, liberou a atuação de empresas de capital estrangeiro, incentivando a concorrência na oferta do serviço de transporte. Assim, diante destes desafios - e da exigência dos seus clientes fabricantes da ZFM por serviço porta-a-porta, as transportadores buscam capacitação para desempenhos melhores. Esta é uma das razões para ofertarem serviço portaa-porta e inovarem em seus procedimentos de controle deste serviço. Este trabalho analisa os esforços que as transportadoras têm feito nesta direção. O artigo, no item seguinte a esta introdução, apresenta as possibilidades que o avanço da tecnologia de informação oferece para apoio ao gerenciamento de transporte, incluindo aquela que será analisada em maiores detalhes no trabalho, o TMS (Transportation Management System). Na seqüência, o trabalho descreve como é realizado o serviço porta-a-porta pelas transportadoras que servem aos fabricantes de eletroeletrônicos da ZFM, subsetor focado neste trabalho. Os resultados apresentados foram coletados por estudo de caso, em pesquisa exploratória. O artigo tece as considerações finais no último item, destacando os benefícios dos transportadores com a utilização de TMS. 2. TIC (Tecnologia de Informação e de Comunicação) na Logística O transporte para movimentação de matérias-primas e/ou produtos acabados representa a maior parcela dos custos logísticos na maioria das empresas. A atividade de transporte representa, em média, 60% das despesas logísticas da empresa, significando de 4% e 25% do seu faturamento bruto, dependendo do seu ramo de atuação (FERREIRA, 2005). O avanço da tecnologia de equipamentos de transporte e iniciativas como a intermodalidade e a multimodalidade (integração de vários modais de transporte) e a terceirização desta atividade a operadores logísticos (prestadores de serviços logísticos) têm sido importantes para redução dos custos de transporte. No Brasil, uma das principais barreiras para o desenvolvimento da logística e da multimodalidade está relacionada às deficiências na infra-estrutura de transportes. Com a expressiva participação de 65 % a 75% na matriz dos transportes do Brasil, seguido por cerca de 20% da ferrovia, o transporte rodoviário é o maior responsável pela movimentação brasileira de carga (FERREIRA, 2005). O uso da TIC Tecnologia da Informação e Comunicação na gestão de atividades logísticas provoca mudanças nos processos, com melhorias na utilização dos ativos, gerando maior produtividade e qualidade / consistência nas operações, pela redução de desperdícios e de tempos de entrega. Além da inovação em processos, o uso da TIC muda a forma de gerenciar os negócios, facilitando a coordenação para planejamento e programação no abastecimento de componentes / insumos produtivos e na distribuição dos produtos, para atender às necessidades de produção e de vendas (BOWERSOX et al, 2006). Esta coordenação está associada ao conceito de cadeia de suprimentos. A gestão da cadeia de suprimento torna necessária a troca de informações entre as empresas para viabilizar o planejamento e programação das operações para atendimento à demanda de modo preciso e rápido. As novas formas de gestão, segundo os conceitos de Just-In-Time (JIT) e just-in-sequence exigem eficácia do sistema de transporte, cujas decisões são integradas às decisões associadas à programação da produção e ao atendimento a pedidos. Diante deste contexto, a tecnologia de informação é um qualificador essencial para os operadores logísticos que atuam nas interfaces que ligam as operações das empresas parceiras nas cadeias de suprimento. Deste modo, as empresas de transporte, para manutenção de suas vantagens competitivas, têm ampliado seus serviços além da atividade de movimentação de produtos. Não apenas agregam valor pelo deslocamento de mercadorias entre lugares / 3

4 espaços diferentes como também oferecem a capacidade de rastreamento de carga para que seus clientes possam prevenir-se na ocorrência de acontecimentos não previstos. Também oferecem apoio para gerenciamento de risco nas viagens e coleta e entrega nos pontos de origem e de destino. A capacitação das transportadoras, para oferta de serviço com maior valor agregado, é apoiada pela adoção de tecnologia de informação e comunicação (TIC), com uso de sistemas de informação, tais como: roteirizadores, sistemas de controle de frete, Sistemas de Informação Geográfica (GIS - Geographic Information System), Sistemas de Posicionamento Global (GPS -Global Positioning Systems), WMS (Warehouse Management System) e sistema de gerenciamento de transporte - TMS (Transportation Management System), que é focado neste trabalho. Estes sistemas de informação têm sido adotados pelas empresas devido ao baixo custo relativo frente aos benefícios gerados, além de serem requisitados pelos clientes e apoiarem a documentação exigida por regulamentações, definidas pelo governo Sistema de Informação Logístico e Desempenho do Serviço de Transporte O sistema de informação logístico é uma parte do sistema de informação da empresa e tem como objetivo tornar a operação logística mais ágil e com maior visibilidade. Segundo Bowersox et al (2006), a integração das atividades logísticas se dá em quatro níveis funcionais: sistema transacional, controle gerencial, apoio à decisão e planejamento estratégico. O apoio ao planejamento estratégico visa decisões que envolvem alto risco, tendo grande número de alternativas para escolha. O apoio às decisões foca na análise e avaliação de atividades que melhorem a eficácia da organização. O controle gerencial preocupa-se com a avaliação Do uso da capacidade dos ativos da organização, desenvolvendo sistemas de medição de desempenho e controlando as operações, conforme a programação realizada. Já o sistema transacional controla a eficiência das operações, considerando regras, normas e procedimentos do dia-a-dia, comunicações interfuncionais e interorganizacionais, com os seus resultados servindo de feedback para controle gerencial. Assim, os fluxos de informações logísticas dão suporte ao planejamento e à execução das atividades de maneira integrada, apoiando as decisões para coordenação de processos e monitoramento de operações, como mostrado na Figura 2. FLUXOS DE COORDENAÇÃO Planejamento Estratégico Planejamento de Capacidade Necessidades logísticas Necessidades de fabricação Necessidades de suprimento Projeção de vendas Determinação de estoque Gerenciamento de estoque Gerenciamento de pedidos Processamento de pedidos Operações de distribuição Transporte e expedição Suprimento FLUXOS OPERACIONAIS Figura 2 : Necessidades de Informação logística Fonte: Bowersox et al (2006). Os fluxos de coordenação englobam as atividades de planejamento e alocação de recursos logísticos necessários às empresas, focando em: objetivos estratégicos, restrições de capacidades, necessidades de ativos logísticos para distribuição, produção e suprimento. Os 4

5 fluxos operacionais relacionam-se ao gerenciamento e processamento de pedidos, gestão das instalações e do uso de ativos, programação e controle das operações de transporte. Neste trabalho, o foco de análise será nos fluxos de informação operacionais para controle gerencial do serviço de transporte, ou seja, como tem sido realizada a troca de informações entre empresas da Zona Franca de Manaus e seus parceiros na prestação de serviços de abastecimento de insumos produtivos e de distribuição de seus produtos ao mercado e como é controlado o desempenho das operações nestes serviços. É analisado o uso de TMS para melhoria do serviço prestado. O prestador de serviço logístico procura criar valor por meio de entregas mais freqüentes, cumprimento de prazos, disponibilidade de mercadorias e recebimento do produto ou serviço no nível de qualidade exigido pelo cliente. De acordo com Bowersox et al (2006) três fatores fundamentais são identificados para medição do serviço logístico: disponibilidade, desempenho operacional e confiabilidade. A disponibilidade é a capacidade de atender ao cliente no momento em que é solicitado. Já o desempenho operacional envolve comprometimento com o prazo de entrega esperado e sua variação dentro de limite aceitável, abrangendo velocidade, consistência e flexibilidade na oferta do serviço e, na ocorrência de falhas, facilidade no reparo e recuperação das mesmas. Por fim, a confiabilidade envolve a capacidade de manter níveis de disponibilidade e desempenho operacional dentro do planejado e esperado pelo cliente. Bowersox et al (2006) classificam as medidas de desempenho nas seguintes categorias: custo, serviço ao cliente, produtividade, gestão de ativo e qualidade. Para cada uma destas categorias são destacados indicadores que podem ser utilizados para mensuração de desempenho. As medidas mais freqüentemente utilizadas de percepção do cliente sobre o serviço ofertado, relacionados ao transporte, são, segundo Ferreira (2005): Custo de Transporte (fretes adicionais), Tempo de entrega e Entrega no prazo, Freqüência de entrega, número de erros e tempo para reparo. Este trabalho centra sua análise na utilização do TMS (Transportation Management System), sistema de gerenciamento de transporte, um aplicativo comercial (software) que auxilia no planejamento, execução, monitoramento e controle das atividades relativas à consolidação de carga, expedição, emissão de documentos, entregas e coletas de produtos, rastreabilidade da frota e de produtos, auditoria de fretes, apoio à negociação, planejamento de rotas e modais, monitoramento de custos e nível de serviço, e planejamento e execução de manutenção da frota. O TMS é um sistema transacional, com capacidade de controle gerencial e apoio às negociações de serviços contratados TMS (Transportation Management System) - sistema de gerenciamento de transporte As decisões no nível estratégico de um sistema para gerenciamento da cadeia de suprimento abrangem todos os processos suprimento, produção e distribuição. Os módulos operacionais auxiliam a tomada de decisões que são baseadas em informações transacionais, com alto grau de detalhe, dando suporte ao controle gerencial das operações. O TMS pode ser considerado um módulo de um sistema de gerenciamento da cadeia de suprimento, servindo às decisões no nível operacional / transacional, como mostrado na figura 3, além de subsidiar as decisões para negociação de contratos e controle gerencial. Deste modo, o TMS apóia a gestão da cadeia de suprimento, em seus níveis tático e operacional.. Estratégico Tático Planejamento da Rede (Network Planning) Planejamento Mestre da Distribuição Gestão de Estoques e de Planejamento das Operações Planejamento do Atendimento à Demanda 5

6 Suprimento de Produção e Distribuição Operacional Suprimento SRM Produção ERP Serviço de Distribuição CRM TMS / WMS Figura 3: Funcionalidades de um sistema de apoio a Gestão da Cadeia de Suprimento SCM (Supply Chain Management) O ERP (Enterprise Resource Planning) tem interface com sistemas de Gestão do Relacionamento com Fornecedores (SRM Supplier Relationship Management), Sistemas de Gerenciamento de Clientes (CRM Consumer Relationship Management), TMS e WMS (Figura 4). Figura 4: TMS e as tecnologias associadas para Gestão da Cadeia de Suprimento Fonte: Branski, Regina Meyer (2008). Notas de aulas. Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transporte. São várias as soluções comerciais de TMS disponíveis no mercado, que apresentam módulos específicos. As principais funcionalidades de um TMS podem ser classificadas como: planejamento e execução; monitoramento e controle e apoio à negociação e auditoria de frete (SILVA, 2009). Logística Estruturação das regiões atendidas, definindo os níveis de subordinação entre elas e o tipo de serviço executado em cada uma. Mapeamento setorizado dos clientes, dividindo-os em rotas de atendimento. Definição das rodovias e praças de pedágio percorridas nas rotas. Definição dos prazos de atendimento por região, com os tipos de serviços prestados e respectivas tarefas e atividades. Comercial Criação de componentes de frete, de acordo com as modalidades de serviços prestados e com as características de negócio de cada empresa. Estabelecimento de tabelas de preços com variação de componentes, conforme tipos de negociação praticados. Tabelas de frete com possibilidade de inclusão de ajustes por cliente. Uso de tarifação. 6

7 Ferramentas para manutenção e reajuste de tabelas. Contratos Cadastro dos contratos de clientes, com todas as condições para a prestação de serviços: Tipos de serviços prestados; Tabelas de preços praticados; Número de Notas Fiscais (NFs) por CTRC (Conhecimento de Transporte Rodoviário de Carga); Peso Máximo por CTRC. Contrato para o cliente genérico esporádico. Contratos com terceiros e agregados para gerenciamento do pagamento de serviços contratados. Fonte: Marques, Vitor. Utilizando o TMS para uma Gestão eficaz de Transportes Tabela1: Funcionalidades do TMS - Planejamento e Execução e Apoio à Negociação As funcionalidades associadas ao planejamento e execução consistem em apoio à negociação, determinar as rotas e modais a serem utilizados, seqüenciar as paradas dos veículos e estimar o tempo de cada uma delas, preparar os documentos necessários para o despacho dos veículos e verificar a disponibilidade dos mesmos (TABELA 1). Estas funcionalidades apóiam a gestão para a realização de contratos servindo para análise ex-ante, para estabelecimento das cláusulas contratuais, com integração às funcionalidades de apoio a negociação. O monitoramento dos custos e serviços, como mostrado na Tabela 2, é realizado por meio das informações provenientes da própria operação, utilizando indicadores específicos de desempenho a cada operação, tais como: desempenho do serviço de transporte por entregas, dos diferentes modais de transportes, utilização de frete premium, do frete retorno, avarias, etc. O Traking monitora frotas e produtos, agregando valor aos clientes por disponibilizar informações sobre o status da carga e localização de seus pedidos. O TMS permite consultas via internet sobre a situação das cargas. Operacional Gerenciamento dos processos de coleta e entrega. Conhecimento de frete CTRC e NF (Nota Fiscal) de serviço de transporte. Manifesto de carga. Controle da movimentação de veículos. Recepção e carregamento. Abertura, fechamento e encerramento de coletas, viagens e entregas. Controle de pendências e gerenciamento de ocorrências. Contrato de carreteiro. Controle de representantes operacionais. Custos Visão de custos em 4 níveis veículo, rota, viagem e documento (CTRC). Tracking Consultas sobre os detalhes da operação, apontadas até os níveis de serviços, tarefas e atividades Fonte: Marques, Vitor. Utilizando o TMS uma Gestão eficaz de Transportes Tabela 2: Funcionalidades do TMS - Monitoramento e Controle Finalmente, com relação à auditoria de fretes, estes sistemas mantêm uma base de dados das tarifas de frete praticadas para remunerar o serviço prestado e para o processo de auditoria (TABELA 3). Seguros Criação dos componentes de seguro utilizados. Definição das tabelas de seguro de acordo com produtos, regiões de origem e destino, vigências. Averbação e processo de fechamento de seguro. Gerenciamento de indenizações e solicitações de reembolso 7

8 Faturamento Geração manual ou automática das faturas. Faturamento com base no perfil previamente cadastrado para o cliente: Condição de pagamento; Periodicidade de faturamento; Número de CTRCs por fatura; Valor máximo da fatura; Separação por tipos de transporte; Separação segundo o termo de comércio CIF e FOB Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI Electronic Data Interchange) Ferramenta para geração e recebimento de arquivos Fonte: Marques, Vitor. Utilizando o TMS para uma Gestão eficaz de Transportes Tabela3 Funcionalidades do TMS - Auditoria de Frete e outras Os sistemas são capazes de comparar o valor cobrado pelo prestador do serviço de transporte contra o que foi calculado e apontar as eventuais diferenças. O sistema mantém uma base de dados das tarifas de frete praticadas para remunerar o serviço prestado, fazendo a comparação do valor cobrado pelo prestador do serviço de transporte contra o que foi calculado. A base de dados é constituída pelo cadastramento de todas as condições comerciais, por temos de comércio (CIF - cost, insurance, freight ou FOB - Free and Board ), por volumes, fracionamento de carga, diferentes custos por modais, frete por viagem, entre outras particularidades, além de todas as informações dos transportes realizados (volumes expedidos por modais, tipos de veículos, rotas, tamanho das cargas e destinos). Outras tecnologias podem estar associadas ao TMS, tais como rastreamento de veículos, utilizando recursos de comunicação via satélite e de posicionamento por GPS (Global Positioning System) (SILVA, 2009). Marques (2002) destaca os benefícios da utilização do TMS: redução dos custos de transporte e melhoria do nível de serviço ao cliente; maior produtividade no uso dos ativos; diminuição no tempo de planejamento da montagem da carga e da programação das entregas; disponibilidade de dados precisos de frete, por cliente, frota, viagem; suporte ao controle de desempenho. 3. Estudos de Caso Os estudos de caso foram realizados em duas transportadoras com mais de 30 anos de atuação na rota São Paulo / Manaus. As transportadoras dos estudos de caso, denominadas A e B, atendem principalmente a demanda dos ramos industriais de eletroeletrônico e de duas rodas. A coleta de dados serviu-se de entrevistas com gerentes das transportadoras e supervisores das operações, responsáveis pelos contratos e relacionamento com os clientes. Estes funcionários tem o apoio do TMS para sua negociação. O TMS utilizado é o Systemakers, dotado pela Transportadora A em 1999 e pela transportadora B em A transportadora A possui cinco unidades de operação. Sua matriz é localizadas em São Paulo / SP (sua matriz) e suas filiais são localizadas nos Estados: Amazonas (em Manaus), no Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), no Pará (em Belém) e em Goiás (Goiânia). Estas unidades totalizam uma capacidade de operação de m2, utilizada para armazenagem e movimentação de carga. Emprega cerca de 650 funcionários, distribuídos nas unidades da seguinte forma: 400 em São Paulo, 200 em Manaus, 30 em Belém, 15 em Rio de Janeiro e 5 Goiânia. Opera com frota própria de 1200 veículos. A transportadora A em março de 2010 atendeu a 73 clientes. A Transportadora B tem sete unidades operando com 572 funcionários e frota com 1030 veículos. Em sua matriz localizada em Guarulhos (São Paulo), tem 300 funcionários. Suas 8

9 filiais estão localizadas nas cidades de Manaus (Amazonas), com 180 funcionários, Feira de Santana (Bahia), com 10 funcionários, Belém (Pará), onde trabalham 20 empregados, Recife (Pernambuco) com 50 funcionários e em Gravataí (Rio Grande do Sul) e Curitiba (Paraná) ambas operando com 6 funcionários. Estas unidades totalizam uma área de m2 para armazenagem e movimentação de carga. A transportadora B atendeu 76 clientes em março de A análise apresentada representa a operação das duas empresas. 3.1 Operação de transporte de cargas entre região metropolitana de São Paulo e Manaus O transporte de cargas na rota São Paulo / Manaus, atende as seguintes necessidades das indústrias sediadas na Zona Franca de Manaus (ZFM): a primeira delas é o recebimento de matéria prima para produção e a segunda é o escoamento dos produtos acabados para distribuição. No caso específico dos eletroeletrônicos, grande parte da produção é destinada à região sudeste, devido ao potencial de consumo desta região. Também é desta região, a maior parte do suprimento de insumos produtivos. As transportadoras que atuam nesta rota, normalmente, são estruturadas da seguinte maneira: possuem uma unidade em São Paulo (capital e cidades da grande São Paulo, sendo que o local de maior concentração é a cidade de Guarulhos); uma unidade em Belém e uma unidade em Manaus. A frota é composta, quase que na totalidade, por veículos reboques (carretas), com pouquíssimos veículos de tração. Quando necessário este tipo de veículo, o serviço é contratado e os motoristas terceirizados (conhecidos como agregados). Atualmente, há a exigência que os agregados sejam pessoas jurídicas. Desta forma, muitas empresas prestadoras de serviços de transportes de cargas têm o dono do veículo como proprietário da empresa e motorista. As empresas dos estudos de caso, são duas transportadoras, uma com filial na cidade de São Paulo, outra com filial em Guarulhos e unidades de operação em Belém e Manaus, para servir a rota São Paulo-Manaus. A rota São Paulo / Manaus, com exceção do modal aéreo, necessita a utilização de mais de um modal de transporte. Atualmente, a combinação rodoviário com o modal fluvial (rodofluvial) é a mais utilizada. Os veículos para transporte rodoviário são compostos por cavalo mecânico, onde é engatada uma carreta baú ou sider, sendo que essas carrocerias são, no trecho fluvial, carregadas em balsa, puxadas por empurradores. A grande maioria do serviço contratado pelos clientes das transportadoras (fabricantes de Manaus que demandam insumos produtivos e distribuem seus produtos) constitui o que é chamado de carga fechada, compondo o volume completo da carroceria, mas também praticam a carga fracionada, quando o veículo serve a vários clientes. As operações são conhecidas como operação subida (São Paulo / Manaus) e operação descida (Manaus / São Paulo). Operação subida: Esta operação inicia com a coleta de mercadorias, compradas pelos fabricantes da ZFM, nos fornecedores em São Paulo e termina com a carga sendo entregue na ZFM (figura 4). As mercadorias coletadas são encaminhadas à unidade da transportadora em São Paulo para consolidação da carga, para os casos de coletas fracionadas, para melhor aproveitamento da frota. 9

10 Figura 4: Operação Subida A coleta e a consolidação da carga são acompanhadas do recebimento de arquivo eletrônico (EDI) com as informações das notas fiscais e emissão da documentação (conhecimentos rodoviários de cargas, manifestos, contratos de fretes com agregados e vale pedágio) necessária para o transporte das mercadorias. Esta documentação é enviada por meio de arquivos eletrônicos para a Sefaz (Secretaria da Fazenda) e Suframa - Superintendência da Zona Franca de Manaus para desembaraço da carga e para controle das mercadorias que entram e saem da ZFM. Também são enviados arquivos eletrônicos para seguradoras e gerenciadoras de risco. O recebimento dos veículos quando chegam à filial de Belém é submetido à conferência dos lacres, das condições dos veículos e da documentação da carga. Neste momento é feito o desengate das composições dos veículos. Os cavalos mecânicos são engatados a outra carreta, proveniente da unidade de Manaus já contendo produto acabado preparando-se para a viagem de volta para São Paulo. As carretas oriundas de São Paulo com insumos produtivos, após conferência física da carga e da documentação, são retiradas da unidade de Belém para a cabotagem até Manaus. Essa retirada / translado, da filial da transportadora em Belém até o porto fluvial, é realizada por prestadores de serviços que fazem, exclusivamente, pequenos trechos rodoviários (do pátio da unidade Belém até o porto de Belém e vice e versa). Deste modo as carretas são levadas até o porto de Belém, onde aguardam o embarque na balsa para serem levadas até Manaus. Essas pequenas viagens são conhecidas como puxadas e a prática de pagamento para estes serviços é o de diária. As carretas seguem de balsa - até o porto de Manaus. A viagem fluvial é realizada por empresas específicas do segmento de navegação pelo Rio Amazonas, que são contratadas pelas transportadoras. Nesta modalidade são emitidos os documentos necessários para realização do transporte, Conhecimento de Transporte Aquaviário de Cargas e Nota Fiscal de Serviços. Estes documentos também serão utilizados para cálculo dos valores dos fretes que serão cobrados das transportadoras. 10

11 Quando a carreta é liberada da balsa no porto de Manaus, ela é conduzida, por veículo de propriedade da transportadora ou contratado por ela, diretamente para a unidade do cliente ou pode ser levada, por meio de uma puxada, para o pátio da unidade da transportadora em Manaus, onde aguardará a entrega, conforme solicitado pelo cliente. É prática das transportadoras que atuam nesta rota, deixar as carretas à disposição dos clientes para descarregamento e/ou agendamento de entrega. Desta forma, a contratante utiliza as carretas das transportadoras como extensão de sua capacidade de armazenagem para seu estoque. A carreta, então, serve para armazenagem temporária dos componentes produtivos, sendo da responsabilidade da transportadora ocupar-se da remessa dos produtos, conforme a necessidade da linha de produção do fabricante. Os prazos praticados para a rota São Paulo / Manaus são: 10 e 15 dias. Para a viagem com prazo de 10 dias, são utilizados dois motoristas no trecho rodoviário São Paulo / Belém. Esta alternativa é denominada Rodo-Rápido e possui preço diferenciado. Nestes prazos, além do tempo de viagem, também estão previstas as horas necessárias para coletas e horas de espera para carregamento na balsa, pois a operação de viagem fluvial depende da subida da maré para elevar o nível do rio, o que geralmente acontece à noite. Operação descida: A operação descida pode ser considerada como sendo o sentido contrário da operação subida, fazendo-se os seguintes ajustes: a coleta será de produtos acabados e nas unidades do cliente e a mercadoria será entregue, geralmente, em centros de distribuições dos clientes dos fabricantes de Manaus, para posterior distribuição às suas lojas de varejo. A operação descida tem maior quantidade de carga fracionada, atendendo a vários clientes. Destaca-se que é de responsabilidade da transportadora, não apenas a coleta e entrega das mercadorias nas quantidades, locais e tempos pré-acordados com seus clientes, mas também manter os clientes, fornecedores e destinatários abastecidos com informações que permitam maior eficiência logística. Além do monitoramento dos veículos em viagem para controle do desempenho e rastreamento da carga, a troca de informações também se refere ao conhecimento eletrônico (CT-e), implantado recentemente pelo governo. Por meio deste documento, a Sefaz pode controlar o processo de transporte na sua origem, ou seja, na emissão do conhecimento de carga. Este processo assemelha-se ao processo de nota fiscal eletrônica. Propõe a integração digital / automática das informações entre as transportadoras, clientes, destinatários e a Secretaria da Fazenda. 4. Utilização do TMS pelas transportadoras e desempenho do serviço A competência essencial dos fabricantes da ZFM é montagem de seus produtos para distribuição ao mercado. Deste modo, a atividade de transporte é contratada para viabilizar o recebimento de insumos produtivos para alimentar suas linhas de produção e a distribuição de produtos acabados, conforme a necessidade de seus clientes, proprietários das redes de varejo, que disponibilizam seus produtos para o consumidor final. Devido à necessidade de sincronia entre os requisitos produtivos e o atendimento à demanda final, os fabricantes buscam no mercado empresas que atuam no segmento de prestação de serviços de transportes. Para as empresas sediadas no Pólo Industrial de Manaus, por estarem distantes de seus fornecedores e mercado principal de seus produtos acabados, localizados na região sudeste, é ainda maior a dependência de serviços de transportes, especialmente aqueles que oferecem atributos de disponibilidade, desempenho operacional e confiabilidade. Atentas ao potencial deste segmento de mercado, algumas transportadoras se especializaram na prestação de serviços de transportes entre as regiões Norte e Sudeste. 11

Uso da Tecnologia de Informação e Desempenho Logístico na Cadeia Produtiva de Eletroeletrônicos

Uso da Tecnologia de Informação e Desempenho Logístico na Cadeia Produtiva de Eletroeletrônicos Uso da Tecnologia de Informação e Desempenho Logístico na Cadeia Produtiva de Eletroeletrônicos The use of Information Technology and Logistics Performance in the Electronics Supply Chain Eduardo Festa

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management

Sistemas de Informações. SCM Supply Chain Management Sistemas de Informações SCM Supply Chain Management Fontes Bozarth, C.; Handfield, R.B. Introduction to Operations and Supply Chain Management. Prentice Hall. 2nd. Edition Objetivos Fluxos de Informação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

onda Logistics powered by Quantum

onda Logistics powered by Quantum onda Logistics powered by Quantum Sonda IT Fundada no Chile em 1974, a Sonda é a maior companhia latino-americana de soluções e serviços de TI. Presente em 10 países, tais como Argentina, Brasil, Chile,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

MBA em Gestão Logística

MBA em Gestão Logística Pág. 1/5 MBA em Gestão Logística Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados das 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas de R$ 380,00* * Valor

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP

Sistemas de Informação. Sistemas Integrados de Gestão ERP Sistemas de Informação Sistemas Integrados de Gestão ERP Exercício 1 Um arame é cortado em duas partes. Com uma das partes é feito um quadrado. Com a outra parte é feito um círculo. Em que ponto deve ser

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Logística. E-commerce

Logística. E-commerce Logística E-commerce Eduardo Ramos de Carvalho Gestor de e-commerce em Projetos, Comercial e Operações. Formado em Comunicação, se especializou em e-commerce na ESPM e cursa MBA (Gestão Estratégica e economica

Leia mais

SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_

SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_ SEGMENTO DE ATACADO E DISTRIBUIÇÃO_ APRESENTAÇÃO DE SOFTWARE Solução exclusiva GESTÃO INTEGRADA_ Gerenciar os aspectos administrativos e operacionais da cadeia de distribuição e armazenamento com o Open

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 19 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Características do Sistema:

Características do Sistema: Características do Sistema: - Os Módulos funcionam Integrados ou Individualmente - Totalmente Parametrizado - Integrado qualquer ERP do Mercado - Interface com qualquer Banco de Dados - Todos os Relatórios

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais

Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 2014 Apresentação O Projeto do () tem como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico que venha substituir a sistemática atual de emissão do documento em papel, com validade

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Transportes Q-TMS

Sistema de Gerenciamento de Transportes Q-TMS Sistema de gerenciamento de transportes que garante a integridade do processo e da informação, riqueza de detalhes, facilidade de uso e disseminação da informação. Sistema de Gerenciamento de Transportes

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda

Supply Chain Management. SCM e Ti aplicada à Logística Marco Aurelio Meda Supply Chain Management e TI aplicada à Logística 24 de Junho de 2004 SCM e Ti aplicada à Logística Cenário de Competição... Operações Globalizadas Operações Integradas Introdução LOGÍSTICA Tecnologia

Leia mais

Boletim Técnico. Produto : EMS 2/TOTVS Faturamento (MFT) Chamado : THYQXQ Data da criação. : 24/10/2013 Data da revisão : 25/10/13

Boletim Técnico. Produto : EMS 2/TOTVS Faturamento (MFT) Chamado : THYQXQ Data da criação. : 24/10/2013 Data da revisão : 25/10/13 MDF-e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais Produto : EMS 2/TOTVS Faturamento (MFT) Chamado : THYQXQ Data da criação : 24/10/2013 Data da revisão : 25/10/13 País : Brasil Bancos de Dados : Todos O

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

EFICAZ. Conduzindo Soluções

EFICAZ. Conduzindo Soluções MISSÃO Comprometimento com os objetivos de nossos clientes, oferecer-lhes soluções logísticas inovadoras com a percepção de agilidade, qualidade e segurança. VISÃO Investir em tecnologia e aprimoramento

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo.

Case Baterias Moura. Liderança em Baterias. Previsão da demanda. Programação de produção. Insumos. MRP - Moura. Produtos em Processo. Case Baterias Moura Liderança em Baterias Centro de Distribuição Planta de Reciclagem Planta de Baterias Porto Rico - USA Buenos Aires - Argentina Previsão da demanda Programação de produção VENDA DOS

Leia mais

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Distribuição física e armazenagem Objetivo: Atender o cliente, dispondo do produto no lugar certo, no tempo certo e na quantidade desejada. Esta

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

CHALLENGE ARCHITECTS. Miguel Torres março 2015

CHALLENGE ARCHITECTS. Miguel Torres março 2015 CHALLENGE ARCHITECTS Miguel Torres março 2015 CENÁRIO PROPOSTO TRANSLESTE Cenário 7 Miguel Torres TOTVS ES Faturamento 120.000.000 Carga Fracionada 200 caminhões sendo 80 próprios e 120 terceiros Idade

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Sistema TMS Integrador para Embarcadores

Sistema TMS Integrador para Embarcadores Sistema TMS Integrador para Embarcadores APRESENTAÇÃO DA ACTIVE CORP HISTÓRICO A Active Corp atua a mais de 16 anos fornecendo sistemas completos para o segmento de transporte e logística. Uma das únicas

Leia mais

Tecnologia da informação

Tecnologia da informação Tecnologia da informação Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Guilherme Ferrari (FAHOR) gf000596@fahor.com.br Fabrício Desbessel (FAHOR) fabricio@fahor.com.br Resumo O estudo

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Desenvolvido o processo de geração e transmissão do MDFe, tanto para a forma manual quanto para a forma automática (Faturamento Saída e Viagem).

Desenvolvido o processo de geração e transmissão do MDFe, tanto para a forma manual quanto para a forma automática (Faturamento Saída e Viagem). Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais - MDFe Desenvolvido o processo de geração e transmissão do MDFe, tanto para a forma manual quanto para a forma automática (Faturamento Saída e Viagem). 1 Manifesto

Leia mais

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos Logística e Gestão da Cadeia de Suprimentos 2 SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM LOGÍSTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM LOGÍSTICA RODA Sociedade de Sobrevivência (troca de mercadorias) Poder: Monopólio de Mercadorias

Leia mais

Apresentação. Signa Consultoria e Sistemas

Apresentação. Signa Consultoria e Sistemas Apresentação Signa Consultoria e Sistemas Perfil Fundada em 1995, a Signa é uma empresa especializada em soluções de sistemas para a gestão de transportes e logística (TMS) Nosso quadro de colaboradores

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O aumento da competitividade global, trouxe consigo a grande desenvolvimento da Tecnologia da informação. Os processos enxutos e sem erros, os grandes estoques, as decisões que

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

Guia Prático. MDF-e. Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais. 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica

Guia Prático. MDF-e. Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais. 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica Guia Prático MDF-e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica Entenda o que é: O Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Logística

Tecnologia Aplicada à Logística Tecnologia Aplicada à Logística Movimentação e TI Alunos: Keriton Leandro Fernando TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Definição de Informação na Logística É um elemento de grande importância nas operações

Leia mais

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR

INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR INTERESSADOS DEVERÃO CADASTRAR CURRICULO GRATUITAMENTE EM NOSSO SITE WWW.MDRH.COM.BR TELEFONE 49-3323 5804 Assistente Administrativo - Chapecó/SC Remuneração: R$ 1400.00 Benefícios: VT Descrição: Atividades:

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com CURRICULUM VITAE Nome : Giovanno da Silva Neiva Idade: 36 anos Estado Civil: Casado Fone : 4199379882 Meus Pontos Fortes: grande facilidade em trabalhar com equipe, fácil comunicação, competência para

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA HOJE FALAREMOS SOBRE 1. INTRODUÇÃO 2. COMO FUNCIONA: MACROPROCESSO E DETALHAMENTOS 3. OFERTAS PADRÃO TOTVS 4. FATOS 1.

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

ERP CEOSoftware OBJETIVO MISSÃO

ERP CEOSoftware OBJETIVO MISSÃO ERP CEOSoftware OBJETIVO Revolucionar as análises gerenciais buscando produtividade, eficiência e dinamismo na integração dos dados gerados automaticamente com as rotinas diárias de cada setor de uma organização.

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

02/11/2015. Módulo VII Operadores Logísticos. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. OPERADORES LOGISTICOS Terceirização de Serviços Logísticos

02/11/2015. Módulo VII Operadores Logísticos. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. OPERADORES LOGISTICOS Terceirização de Serviços Logísticos Módulo VII Operadores Logísticos Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. OPERADORES LOGISTICOS Terceirização de Serviços Logísticos Conceito de Operador Logístico (OL) Um OL é uma empresa prestadora de serviços,

Leia mais

SIMULADO FPL ENADE 2015. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

SIMULADO FPL ENADE 2015. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. SIMULADO FPL ENADE 2015 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Outubro/2015 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu o Caderno de Respostas, destinado

Leia mais

www.transplaylog.com.br

www.transplaylog.com.br Soluções integradas para movimentação dos seus produtos. Ligue pra gente! (11) 3588-6868 / 3983-1793 - E-mail: comercial@transplaylog.com.br www.transplaylog.com.br QUEM SOMOS. A Transplay Logística é

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação Gestão da Tecnologia da Informação A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

MANIFESTO E EXPEDIÇÃO DE CARGAS (PROCESSO DE EMISSÃO DE CT-e)

MANIFESTO E EXPEDIÇÃO DE CARGAS (PROCESSO DE EMISSÃO DE CT-e) 1. OBJETIVO Padronizar a sistemática de emissão do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e Manifesto de Cargas Intermunicipais e Interestaduais da Irapuru. 2. REGRAS / CONSIDERAÇÕES GERAIS É de

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

TMS como ferramenta no Gerenciamento de Transporte: um estudo de caso no segmento de comércio eletrônico

TMS como ferramenta no Gerenciamento de Transporte: um estudo de caso no segmento de comércio eletrônico Faculdade de Tecnologia Zona Leste RENATA AMORIM DA SILVA TMS como ferramenta no Gerenciamento de Transporte: um estudo de caso no segmento de comércio eletrônico São Paulo 2009 RENATA AMORIM DA SILVA

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

5. Estudo de Caso: SomLivre.Com

5. Estudo de Caso: SomLivre.Com 5. Estudo de Caso: SomLivre.Com 5.1. Metodologia Os dados que serão descritos neste estudo referem-se à empresa SomLivre.Com, compreendido no período de Setembro de 1999 à Novembro de 2004. Com intuito

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

SOFTWARE PROFIT 2011.

SOFTWARE PROFIT 2011. apresenta o SOFTWARE PROFIT 2011. GESTÃO COMERCIAL O software PROFIT é um programa direcionado ao gerenciamento integrando de empresas de pequeno e médio porte, compreendendo todo o processo de negócio,

Leia mais

Sequência de apresentação Módulos Egis

Sequência de apresentação Módulos Egis Sequência de apresentação Módulos Egis GBS Egis Cadastramento Geral Administração do Sistema Parametrização Arquivos Magnéticos Workflow Financeiro Contas a pagar Contas a receber Gestão de Caixa Contabilidade

Leia mais