Inferência Estatística

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inferência Estatística"

Transcrição

1 Inferência Estatística Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Núcleo de Estatística e Informática HUUFMA

2 Inferência Estatística Inferências a respeito de uma população são feitas, baseadas em uma amostra. Inferências a respeito de uma parâmetro (por ex. a média populacional) são feitas, examinando estatísticas amostrais (por ex., a média amostral).

3 Inferência Estatística Dois princípios Básicos: Testes de Hipóteses Estimação Estimação Pontual A média amostral é uma estimativa pontual da média populacional Estimação por Intervalos Intervalos de Confiança

4 Teoria da Estimação Em estatística, muitas vezes desejamos estimar a proporção com que determinado evento ocorre. Por exemplo: Prevalência de diabéticos no munícipio de São Luís- MA Prevalência de fumo entre os estudantes de Medicina da UFMA. Se desejarmos saber tais prevalências, sem erro aleatório, teremos que estudar toda a população dos estudantes.

5 Teoria da Estimação Através da teoria de estimação podemos tomar uma amostra aleatória da população de interesse e estimarmos, com uma probabilidade de erro conhecida, a verdadeira prevalência nesta população. Estimação é o processo pelo qual, usando-se um valor amostral (estatística) inferimos o valor populacional (parâmetro).

6 Teoria da Estimação Estimador- é uma estatística destinada a estimar um parâmetro. Existem dois tipos de estimação: Estimação Pontual Estimação por Intervalo

7 Estimativa Pontual Quando a partir de uma amostra representativa da população, o pesquisador procura obter um único valor para o parâmetro. Exemplo: Prevalência de fumo entre os estudantes de Medicina da UFMA. p ˆ = f n onde f é a freqüência do evento na amostra e n é o tamanho da amostra

8 Estimativa por Intervalo Neste caso, calculamos a margem de erro aleatório de uma estimativa e construímos um intervalo. O intervalo contém o parâmetro com uma probabilidade pré- definida. Um intervalo de confiança está associado a um grau de confiança que é a uma medida da nossa certeza que o intervalo contém o parâmetro. Esta maneira de estimar o parâmetro é mais interessante, pois fornece elementos para se discutir a precisão da estimativa.

9 Estimativa por Intervalo O grau de confiança é a probabilidade (1-α) do intervalo de confiança conter o verdadeiro valor do parâmetro. Geralmente, adota-se α = 1%, 5% ou 10%. α é chamado de nível de significância. A escolha do nível de confiança depende da precisão que desejamos estimar o parâmetro.

10 Intervalo de Confiança para a Proporção Populacional O IC para a proporção populacional é dado por IC[ π;(1 α)%] = pˆ ± zα / 2 pˆ.(1 n pˆ) Nota: O intervalo só poderá ser construído quando f 5 e n f + 5

11 EXEMPLO: Uma droga foi testada em 25 pacientes e apresentou efeitos colaterais em 8 casos. Qual a proporção de ocorrência de efeitos colaterais? Estimativa pontual: 8/25 = 0,32 ou 32%. Estimativa por intervalo: Adotando-se um nível de significância de 5%, tem-se: (0,32)(0,68) IC[ π;95%] = 0,32 ± 1,96 = 25 [0,15;0,53]

12 COMANDO STATA O comando usado para construir IC para proporção é cii n f com n = tamanho da amostra f = freqüência do evento na amostra Para o exemplo anterior, temos: cii Binomial Exact -- Variable Obs Mean Std. Err. [95% Conf. Interval] pˆ IC

13 Intervalo de Confiança para a Média Populacional Caso 1: Grandes Amostras (n 30) IC[ µ ;(1 α)%] = x ± zα / 2 s n Caso 2: Pequenas Amostras (n < 30) IC[ µ ;(1 α)%] = x ± t( n 1; α / 2) s n

14 Distribuição t Student A distribuição de t student tem um tem um formato semelhante ao da distribuição normal, mas a curva é mais larga. Uma característica importante da distribuição t student é o número de graus de liberdade.

15 Tabela t Student Se uma distribuição t student tem 11 graus de liberdade, encontre o valor de t que faz o a área sombreada ser de 0,025

16 EXEMPLO: Com o intuito de estudar o conteúdo de ácido láctico no sangue de indivíduos com demência precoce, uma amostra de 16 pacientes foi tomada e os resultados foram os seguintes: média = 13 mg/100 ml e desvio padrão = 4,6 mg/100 ml. Estime através de intervalo de confiança a média do teor de ácido láctico no sangue de indivíduos com demência precoce. 4,6 IC[ µ ;95%] = 13± t(15;0,025) 16 IC[ µ ;95%] = 13± 2,1315.1,15 = [10,55;15,45]

17 COMANDO STATA O comando usado para construir IC para média populacional é com n = tamanho da amostra me = média amostral sd = desvio padrão Para o exemplo anterior temos: cii n me sd. cii Variable Obs Mean Std. Err. [95% Conf. Interval] x S n IC

18 Testes de Hipóteses Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Núcleo de Estatística e Informática HUUFMA

19 Testes de Hipóteses Algumas vezes existe um particular interesse em decidir sobre a verdade ou não de uma hipótese específica. Por exemplo: Se dois grupos têm a mesma média ou se o parâmetro populacional tem um valor em particular. Teste de hipóteses fornece-nos a estrutura para que façamos isto.

20 Quando falamos em hipóteses estamos nos referindo à perguntas sobre a relação entre variáveis, por exemplo: A variável "doença" está associada à variável "fator de risco"? Repare que as hipóteses são apenas fundamentais em estudos analíticos ou experimentais. Estudos descritivos não necessitam de hipóteses, basta descrever as características da amostra em estudo.

21 Testes de Hipóteses Hipótese científica: existe um efeito E. Hipóteses estatísticas: diferenças, associação, estimação pontual Hipótese nula (H 0 ): ausência de diferença Hipótese alternativa (H A ): contrária à H 0 Testes de hipóteses: fornecem subsídios para se rejeitar ou não uma hipótese estatística.

22 Tipos de Erros Ao tomar uma decisão a favor ou contra uma hipótese, existem dois tipos de erros que podemos cometer: Erro Tipo I e Erro Tipo II Erro Tipo I: Rejeitar a hipótese nula quando de fato ela é verdadeira. Erro Tipo II: Aceitar a hipótese nula quando de fato ela é falsa.

23 Tipos de Erros Decisão H o verdadeira H o falsa Aceitar a hipótese Decisão correta (1- α) Erro de tipo II β Rejeitar a hipótese Erro de tipo I α nível de significância Decisão correta (1-β) Poder do teste

24 Testes Bilaterais e Unilaterais Teste bilateral: há interesse em identificar diferença para qualquer direção. Exemplo: droga altera a PAS Teste unilateral: apenas tem sentido diferença em uma direção. Exemplo: dieta para redução do nível sérico de colesterol.

25 Testes de Hipóteses Todos os testes de hipóteses têm suposições; As suposições devem ser verificadas; Se alguma suposição é violada, então os testes estatísticos podem ser inválidos.

26 Testes de Hipóteses Paramétricos: são baseados nas características das distribuições teóricas que a distribuição dos dados segue. não fazem suposições sobre a distribuição dos dados. Têm menos poder. Não-paramétricos:

27 Passos para realizar um Teste de Hipóteses Passo 1 : Definição da Hipótese O primeiro passo é o estabelecimento das hipóteses: Hipótese Nula (H 0 ): É um valor suposto para um parâmetro.se os resultados da amostra não forem muito diferentes de H 0, ela não poderá ser rejeitada. Hipótese Alternativa (H A ): É uma hipótese que contraria a hipótese nula, complementar de Ho, Essa hipótese somente será aceita se os resultados forem muito diferentes de Ho.

28 Passos para realizar um Teste de Hipóteses Passo 2: Calcular a estatística do Teste É o valor calculado a partir da amostra, que será usado na tomada de decisão. Uma maneira de tomar-se uma decisão é comparar o valor tabelado com a estatística do teste. Para o caso de testes de médias, a estatística do teste é a variável padronizada Z: Estatística do teste Zcal = ( X µ ) ( σ n ) Variabilidade das médias

29 Passos para realizar um Teste de Hipóteses Passo 3: Região Crítica A região crítica é a região onde H o é rejeitada. A área da região crítica é igual ao nível de significância (α), que estabelece a probabilidade de rejeitar H o quando ela é verdadeira. Por exemplo, se utilizarmos o nível de significância de 5%, a probabilidade de rejeitar H o quando ela é verdadeira é igual a 5%. Na prática, os valores usuais são: α = 0,01 ou 0,05 ou 0,10.

30 Passos para realizar um Teste de Hipóteses Unilateral à esquerda: H o : µ = 50 H A : µ > 50 Unilateral à direita: H o : µ = 50 H A : µ <50 Bilateral: H o : µ = 50 H A : µ 50

31 Passos para realizar um Teste de Hipóteses Passo 4. Regra de Decisão: Se o valor da estatística do teste cair na região crítica, rejeita-se H o. Ao rejeitar a hipótese nula existe uma forte evidência de sua falsidade. Ao contrário, quando aceitamos, dizemos que não houve evidência amostral significativa no sentido de permitir a rejeição de Ho.

32 p-valor Definição: probabilidade de obter o resultado que obtivemos ou mais estremo, sendo a hipótese nula é verdadeira. O p- valor é comparado ao nível de significância α prédeterminado. Se o p- valor for menor ou igual ao nível de significância, rejeitamos H 0. Note as seguintes interpretações de p-valores: p > 0,10 Não existe evidência contra H 0 p < 0,10 Fraca evidência contra H 0 p < 0,05 Evidência significativa contra H 0 p < 0,01 Evidência altamente significativa contra H 0

33 Testes de Hipóteses Estudaremos testes de hipóteses considerando: (a) Uma única amostra (b) Comparação de duas ou mais amostras Primeiramente, vamos estudar teste de hipótese para uma amostra.

34 Uma amostra - Variável quantitativa Com uma amostra de indivíduos queremos saber se a média da respectiva população é um determinado valor.

35 Teste de Hipótese para Média Populacional

36 PASSO 1: H 0 : µ M =128 versus H A : µ M 128 PASSO 2: Nível de significância: 5% PASSO 3: Estatística do teste: x µ Z cal = = = = 2, 28. σ 24 3,1 n 60

37 PASSO 4: Construir a Região de Rejeição (RR) TESTE BILATERAL RA RR RR

38 Portanto, a amostra aleatória sugere que medicamento M aumenta a PAS. Agora, vamos calcular o p- valor para o teste de hipótese em questão: Temos que calcular a probabilidade de observarmos um valor igual ou superior a 2,28, isto é, p-valor: P(Z>2,28) =0,013 (distribuição normal) Como o teste é bilateral, temos que multiplicar por dois esta probabilidade. Assim, 0,013 x 2 = 0,026 Desde que o p- valor é menor que o nível de significância do teste (α = 5%), rejeita- se a hipótese nula.

39 Quando o desvio padrão populacional é desconhecido, porém n 30, podemos usar a distribuição Normal, mas você deve substituir o desvio padrão populacional pelo desvio padrão amostral. Quando o n<30 e o desvio padrão populacional é desconhecido, temos que aplicar o teste t de Student com a fórmula abaixo: t cal x = 0 ~ t( n 1) s µ n Suposição do teste: A variável quantitativa é normalmente distribuída na população.

40 Exemplo: Teste t A altura média dos estudantes da UFMA é de 1,70 m. Em uma amostra casual de tamanho 25 foi estimada a média de 1,72 m e desvio padrão da amostra de 0,08 m. Podese considerar que a média amostral não difere da média da população?

41 Solução: a) H 0 : µ = 1, 70m H A : µ 1, 70m b) α = 0,05; t crit 0,025; 24 g. l. ; = 2,064 x µ 1,72 1,70 c) t = = = s 0,08 n 25 1,25 d) Decisão: Não há evidência para rejeitar H 0.

42 Solução no STATA: contém 1,70m ttesti One-sample t test Obs Mean Std. Err. Std. Dev. [95% Conf. Interval] x mean = mean(x) t = Ho: mean = 1.70 degrees of freedom = 24 Ha: mean < 1.70 Ha: mean!= 1.70 Ha: mean > 1.70 Pr(T < t) = Pr( T > t ) = Pr(T > t) = H µ 1, 70m 0 : 0 = t cal =1,25 p valor> 0,05

43 Teste de Hipótese para Proporção Populacional Vejamos agora teste de hipótese para variáveis qualitativas. Por exemplo: prevalência de uma doença. Para construção de um teste de hipóteses, para esta situação, devemos seguir o mesmo raciocínio anteriormente aplicado para variáveis quantitativas.

44 Teste de Hipótese para Proporção Populacional Estabeleça a hipótese nula e a hipótese alternativa Exemplo: H 0 : π = π 0 versus H A : π π 0 Calcule a proporção amostral Calcule a estatística do teste pˆ π 0 z cal = π 0(1 π 0) n

45 Teste de Hipótese para Proporção Populacional Utilizar a tabela da Distribuição Normal para determinar o p-valor. Comparar o p-valor do teste com o nível de significância do teste. Nota: Uma regra geral é que o teste anterior é válido quando temos ambos nˆ p e n( 1 pˆ ) maiores do que 10.

46 Exemplo: Teste de Hipótese para Proporção Populacional Em um região afetada por um surto epidêmico, observou- se uma amostra de 2500 indivíduos, tendose encontrado 625 contaminados. Teste, ao nível de significância 5%, se a proporção de indivíduos contaminados é significativamente superior a 20%.

47 Solução: a) H 0 : π = 0,20 : π > 0, 20 b) α = 0,05; z 0, 05 = c) Z cal = pˆ π 0 d) Região crítica: π (1 n ) H A 1,65 0,25 0,2 0 = = π 0 0,25 (1 0,75 ) ,25 d) Decisão: Há evidência para rejeitar H 0.

48 Solução no STATA: Não contém 0,2 prtesti v One-sample test of proportion x: Number of obs = Variable Mean Std. Err. [95% Conf. Interval] x p = proportion(x) z = Ho: p = 0.2 Ha: p < 0.2 Ha: p!= 0.2 Ha: p > 0.2 Pr(Z < z) = Pr( Z > z ) = Pr(Z > z) = z cal = 6,25 H :π = 0 2 0, p-valor <0,05

49 Comparação de Dois grupos Na pesquisa médica, é muito freqüente necessitarmos comparar médias ou proporções de amostras diferentes (por ex. caso x controle). Se estamos estudando duas amostras, então amostras pareadas ou independentes?

50 Amostras Independentes Neste tipo de estudo, temos duas amostras, mas cada indivíduo participa apenas de uma das amostras. Amostras Pareadas Num estudo pareado, novamente se tem duas amostras, mas cada observação da primeira amostra é pareada com uma observação da segunda amostra.

51 Dois grupos independentes (uma observação em cada unidade amostral). Exemplos 1. Dois produtos 2. Duas drogas terapêuticas 3. Duas marcas comerciais 4. Dois procedimentos cirúrgicos 5. Dois gêneros

52 Dois grupos pareados (duas observações em cada unidade amostral). Exemplos 1. Antes e depois de uma intervenção cirúrgica 2. Lados direito e esquerdo 3. Dois períodos diferentes

53 Teste t para duas amostras independentes A variável de interesse é uma variável quantitativa e normalmente distribuída. Exemplo: Comparar produtos alimentícios (um novo, outro tradicional) no ganho de peso de ratos de laboratório. Você que saber se na população: As médias são diferentes? A média do novo produto é maior?

54 Você também precisa saber se, na população: A variabilidade é a mesma nos dois grupos? A variabilidade é diferente? Para verificar se a variabilidade é a mesma nos dois grupos, utiliza-se o Teste F. 2 H : = 0 σ 1 2 σ 2 versus H A 2 : σ 1 2 σ 2

55 1 o Caso: Considere a situação em que as duas variâncias populacionais são desconhecidas, mas é razoável assumir que elas sejam iguais. Neste caso, utiliza- se o teste t- Student para amostras independentes. Estatística do teste: ) 2 ( ~ = n n p cal t x x t n n s com 2 1) ( 1) ( = n n s n s n s p

56 Exemplo: Duas amostras independentes com variâncias iguais Um pesquisador gostaria de testar a hipótese que os homens são mais pesados que as mulheres à idade adulta. Tomou ao acaso uma amostra de 35 alunos, sendo 17 do sexo feminino e 18 do masculino. Média n Variância Masculino 76, ,18 Feminino 72, ,11

57 Solução: a H :µ = µ ) 0 M M b H : µ > µ ) 1 F F c ) α 0,05 ; t, 05 ; 33 g. = 0 l = 1,69 d ) t cal = s p x ,8 72,9 17, ,86 3,9 0,338 3,9 6, = = = = n x + n 0,645 e) Decisão: Não há evidência para rejeitar H 0.

58 Solução no STATA: Teste F Comando: stesti n1. sd1. n2. sd2 Para o exemplo anterior, temos: sdtesti Variance ratio test Obs Mean Std. Err. Std. Dev. [95% Conf. Interval] x y combined ratio = sd(x) / sd(y) f = Ho: ratio = 1 degrees of freedom = 17, 16 Ha: ratio < 1 Ha: ratio!= 1 Ha: ratio > 1 Pr(F < f) = *Pr(F > f) = Pr(F > f) = Podemos concluir que as variâncias populacionais são iguais (p-valor=0,8494)

59 Solução no STATA: Teste t-student para variâncias iguais Comando: ttesti n1 me1 sd1 n2 me2 sd2 ttesti Two-sample t test with equal variances Obs Mean Std. Err. Std. Dev. [95% Conf. Interval] x y combined diff diff = mean(x) - mean(y) t = Ho: diff = 0 degrees of freedom = 33 Ha: diff < 0 Ha: diff!= 0 Ha: diff > 0 Pr(T < t) = Pr( T > t ) = Pr(T > t) = Podemos concluir que as médias populacionais são iguais (p-valor=0,5230)

60 2 o Caso: Agora, considere a situação em que as duas variâncias populacionais são desconhecidas e desiguais. Neste caso, deve- se utilizar o teste t student com variâncias desiguais. A estatística do teste é dada por cal t v n s n s x x t ~ = = n n S n n S n S n S ν com Comando no STATA: ttesti n1 me1 sd1 n2 me2 sd2, unequal

61 Teste de Hipóteses para Duas Médias Populacionais Agora, vamos considerar amostras pareadas. A variável de interesse é quantitativa e normalmente distribuída. Novamente, o interesse é testar a hipótese nula de que as duas médias das populações são iguais. As hipóteses a serem testadas são H 0 : µ 1 = µ 2 versus H A : µ 1 µ 2

62 Em vez de considerarmos os dois conjuntos de observações como amostras distintas, focalizamos a diferença de medições dentro de cada par. Amostra 1 Amostra 2 x 11 x 21 x 31 x 41. x n1 x 12 x 22 x 32 x 42. x n2

63 Usamos esses dados para criar novo conjunto de observações que representam as diferenças dentro de cada par: d 1= x 11 -x 12 d 2= x 21 -x 22 d 3= x 31 -x 32 d n= x n1 -x n2

64 A partir dessas diferenças calculamos a média e o desvio padrão Estatística do teste: n d d n i i = = 1 1 ) ( 1 = = n d d s n i i d 1) ( ~ = n d cal t n s d t

65 Teste de Hipóteses para Duas Proporções Populacionais Primeiramente, vamos considerar amostras independentes. O interesse é comparar dois grupos através do resultado observado em uma variável dicotômica. O problema de comparação das proporções populacionais nos dois grupos é formulado através das hipóteses: H 0 : π 1 = π 2 versus H A : π 1 π 2

66 Teste Qui Quadrado É um teste muito usado na área médica que se destina a comparar proporções. Utiliza-se o teste qui-quadrado quando deseja-se verificar se a freqüência com que um determinado acontecimento observado em uma amostra se desvia significativamente ou não da freqüência com que ele é esperado.

67 Teste Qui Quadrado Grupo Ocorrência do Evento Total SIM NÃO I a b a + b = n 1 II c d c + d = n 2 Total a + c = m 1 b + d = m 2 n 1 + n 2 = n

68 Exemplo Os dados a seguir são referentes ao sexo e condição de sobrevivência de uma amostra de recém- nascidos com síndrome de desconforto idiopático grave. Sexo sobrevivente Não sobrevivente Feminino Masculino Total Total Você diria que meninos sobrevivem mais do que meninas?

69 Exemplo Cálculos necessários para a construção do teste qui-quadrado: i O i E i O i -E i (O i -E i ) 2 (O i -E i ) 2 E i ,18 0,82 0,6724 0, ,82-0,82 0,6724 0, ,82-0,82 0,6724 0, ,18 0,82 0,6724 0,04 Total ,6896 0,23 O valor da estatística do teste é 0,23. Como este valor é maior do que 3,84, valor obtido da distribuição qui-quadrado, para um nível de de significância de 5%, não rejeitamos a hipótese nula, ou seja, os meninos não sobrevivem mais do que as meninas.

70 Restrições ao Uso do Teste Qui-Quadrado Quando 20 n 40, utilizar o teste qui-quadrado se nenhuma freqüência esperada seja inferior a 5. Em caso contrário, utilizar o Teste Exato de Fisher. Quando n < 20, utilizar o Teste Exato de Fisher. Quando n > 40, utilizar o teste qui-quadrado. Quando o número de categorias for maior do que 2, não mais que 20% das categorias devem ter freqüências menores que 5 e nenhuma categoria deve ter freqüência menor que 1.

Métodos Quantitativos em Medicina

Métodos Quantitativos em Medicina Métodos Quantitativos em Medicina Comparação de Duas Médias Terceira Aula 009 Teste de Hipóteses - Estatística do teste A estatística do teste de hipótese depende da distribuição da variável na população

Leia mais

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa 2011 O 1. Formular duas hipóteses sobre um valor que é desconhecido na população. 2. Fixar um nível de significância 3. Escolher a Estatística do Teste 4. Calcular o p-valor 5. Tomar a decisão mediante

Leia mais

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA)

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA) 1. Sabe-se que o nível de significância é a probabilidade de cometermos um determinado tipo de erro quando da realização de um teste de hipóteses. Então: a) A escolha ideal seria um nível de significância

Leia mais

Intervalos de Confiança

Intervalos de Confiança Intervalos de Confiança INTERVALOS DE CONFIANÇA.1 Conceitos básicos.1.1 Parâmetro e estatística Parâmetro é a descrição numérica de uma característica da população. Estatística é a descrição numérica de

Leia mais

Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia. Estatística Aplicada I

Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia. Estatística Aplicada I 8/8/05 Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Estatística Aplicada I Prof. Dr. Jorge Teófilo de Barros Lopes Campus de Belém Curso de Engenharia Mecânica 8/08/05 06:55 ESTATÍSTICA APLICADA

Leia mais

7. Testes de Hipóteses

7. Testes de Hipóteses 7. Testes de Hipóteses Suponha que você é o encarregado de regular o engarrafamento automatizado de leite numa determinada agroindústria. Sabe-se que as máquinas foram reguladas para engarrafar em média,

Leia mais

TESTES DE HIPÓTESES. HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não.

TESTES DE HIPÓTESES. HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não. TESTES DE HIPÓTESES HIPÓTESES: São suposições que fazemos para testar a fixação de decisões, que poderão ser verdadeiras ou não. HIPÓTESES ESTATÍSTICA: Hipótese Nula (H 0 ): a ser validada pelo teste.

Leia mais

Testes de Hipóteses Paramétricos

Testes de Hipóteses Paramétricos Testes de Hipóteses Paramétricos Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Introdução Exemplos Testar se mais de metade da população irá consumir um novo produto

Leia mais

Fernando de Pol Mayer

Fernando de Pol Mayer Fernando de Pol Mayer Laboratório de Estatística e Geoinformação (LEG) Departamento de Estatística (DEST) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Este conteúdo está disponível por meio da Licença Creative

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança

Probabilidade e Estatística. Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança Probabilidade e Estatística Prof. Dr. Narciso Gonçalves da Silva http://páginapessoal.utfpr.edu.br/ngsilva Estimação de Parâmetros Intervalo de Confiança Introdução A inferência estatística é o processo

Leia mais

AULA 07 Inferência a Partir de Duas Amostras

AULA 07 Inferência a Partir de Duas Amostras 1 AULA 07 Inferência a Partir de Duas Amostras Ernesto F. L. Amaral 10 de setembro de 2012 Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Fonte: Triola,

Leia mais

Teste de Hipóteses = 0 = 0

Teste de Hipóteses = 0 = 0 Teste de Hipóteses Nos estudos analíticos, além da descrição estatística, às vezes é necessário tomar uma decisão. O teste de hipóteses é um procedimento estatístico que tem por objetivo ajudar o pesquisador,

Leia mais

Testes de Hipóteses. Professor: Josimar Vasconcelos Contato: ou

Testes de Hipóteses. Professor: Josimar Vasconcelos Contato: ou Testes de Hipóteses Professor: Josimar Vasconcelos Contato: josimar@ufpi.edu.br ou josimar@uag.ufrpe.br http://prof-josimar.blogspot.com.br/ Universidade Federal do Piauí UFPI Campus Senador Helvídio Nunes

Leia mais

NOÇÕES DE TESTE DE HIPÓTESES (I) Teste de hipóteses para a proporção populacional

NOÇÕES DE TESTE DE HIPÓTESES (I) Teste de hipóteses para a proporção populacional NOÇÕES DE TESTE DE HIPÓTESES (I) Teste de hipóteses para a proporção populacional Estimação Teste de Hipóteses Qual é a probabilidade de "cara no lançamento de uma moeda? A moeda é honesta ou desequilibrada?

Leia mais

NOÇÕES DE TESTE DE HIPÓTESES (I) Teste de hipóteses para a proporção populacional

NOÇÕES DE TESTE DE HIPÓTESES (I) Teste de hipóteses para a proporção populacional NOÇÕES DE TESTE DE HIPÓTESES (I) Teste de hipóteses para a proporção populacional Métodos Estatísticos Métodos Estatísticos Estatística Descritiva Inferência Estatística Estimação Teste de Hipóteses TESTE

Leia mais

TESTES DE HIPÓTESES. Conceitos, Testes de 1 proporção, Testes de 1 média

TESTES DE HIPÓTESES. Conceitos, Testes de 1 proporção, Testes de 1 média TESTES DE HIPÓTESES Conceitos, Testes de 1 proporção, Testes de 1 média 1 Testes de Hipóteses População Conjectura (hipótese) sobre o comportamento de variáveis Amostra Decisão sobre a admissibilidade

Leia mais

Estimativas e Tamanhos de Amostras

Estimativas e Tamanhos de Amostras Estimativas e Tamanhos de Amostras 1 Aspectos Gerais 2 Estimativa de uma Média Populacional: Grandes Amostras 3 Estimativa de uma Média Populacional: Pequenas Amostras 4 Tamanho Amostral Necessário para

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Inferência Estatística Profa. Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Plano da Apresentação Duas distribuições importantes Normal T- Student Estimação

Leia mais

CE001 - BIOESTATÍSTICA TESTE DO QUI-QUADRADO

CE001 - BIOESTATÍSTICA TESTE DO QUI-QUADRADO CE001 - BIOESTATÍSTICA TESTE DO QUI-QUADRADO Ana Paula Araujo Correa Eder Queiroz Newton Trevisan DEFINIÇÃO É um teste de hipóteses que se destina a encontrar um valor da dispersão para duas variáveis

Leia mais

Testes de Hipóteses. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM

Testes de Hipóteses. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM Testes de Hipóteses Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM Testes de hipóteses O Teste de Hipótese é uma regra de decisão para aceitar ou rejeitar uma hipótese

Leia mais

HEP Bioestatística

HEP Bioestatística HEP 57800 Bioestatística DATA Aula CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 05/03 Terça 1 Níveis de mensuração, variáveis, organização de dados, apresentação tabular 07/03 Quinta 2 Apresentação tabular e gráfica 12/03 Terça

Leia mais

AULA 10 Estimativas e Tamanhos Amostrais

AULA 10 Estimativas e Tamanhos Amostrais 1 AULA 10 Estimativas e Tamanhos Amostrais Ernesto F. L. Amaral 18 de setembro de 2012 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida e desconhecida

Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida e desconhecida Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida e desconhecida Teste de hipóteses para uma média populacional com variância conhecida Tomando-se como exemplo os dados de recém-nascidos

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Distribuições derivadas da distribuição Normal. Distribuição Normal., x real.

Distribuições derivadas da distribuição Normal. Distribuição Normal., x real. Distribuições derivadas da distribuição Normal Distribuição Normal Uma variável aleatória X tem distribuição normal com parâmetros µ e σ, quando sua densidade de probabilidade é f ( x) π σ e ( x µ ) σ,

Leia mais

HEP-5800 BIOESTATÌSTICA

HEP-5800 BIOESTATÌSTICA HEP-58 BIOESTATÌSTICA UNIDADE IV INFERÊNCIA ESTATÍSTICA: TESTES DE HIPÓTESES Nila Nunes da Silva Regina I. T. Bernal I. QUADRO CONCEITUAL São procedimentos estatísticos que consistem em usar dados de amostras

Leia mais

Intervalos de Confiança

Intervalos de Confiança Intervalos de Confiança Carla Henriques e Nuno Bastos Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Carla Henriques e Nuno Bastos (DepMAT) Intervalos de Confiança 2010/2011 1 / 33 Introdução

Leia mais

Intervalos de conança

Intervalos de conança Intervalos de conança Prof. Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística - Universidade Federal da Paraíba - UFPB Exemplo Suponha que se deseja estimar o diâmetro da pupila de coelhos adultos.

Leia mais

16/6/2014. Teste Qui-quadrado de independência

16/6/2014. Teste Qui-quadrado de independência UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TESTES NÃO- PARAMÉTRICOS Parte I Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística Teste Qui-quadrado de independência Um dos principais objetivos de se construir uma tabela

Leia mais

1.1. Definições importantes

1.1. Definições importantes Parte I. Inferência Estatística Trata-se do processo de se obter informações sobre uma população a partir dos resultados observados numa amostra. De um modo geral, tem-se uma população com um grande número

Leia mais

Hipóteses. Hipótese. É uma pressuposição de um determinado problema.

Hipóteses. Hipótese. É uma pressuposição de um determinado problema. Bioestatística Aula 7 Teoria dos Teste de Hitóteses Prof. Tiago A. E. Ferreira 1 Hipóteses Hipótese É uma pressuposição de um determinado problema. Uma vez formulada, a hipótese estará sujeita a uma comprovação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA DOCENTE: CIRA SOUZA PITOMBO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA MEAU- MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL URBANA ENG J21 Ajustamentos de observações geodésicas A AULA 9 TESTES ESTATÍSTICOS DE

Leia mais

ESTATÍSTICA ANALÍTICA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTATÍSTICA ANALÍTICA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTATÍSTICA ANALÍTICA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Introdução Permite ao pesquisador ir além da descrição dos dados e fazer inferências sobre a população, a partir da amostra. Estas inferências

Leia mais

Estatística Indutiva

Estatística Indutiva Estatística Indutiva MÓDULO 7: INTERVALOS DE CONFIANÇA 7.1 Conceitos básicos 7.1.1 Parâmetro e estatística Parâmetro é a descrição numérica de uma característica da população. Estatística é a descrição

Leia mais

PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM ENGENHARIA

PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM ENGENHARIA PROJETO E ANÁLISES DE EXPERIMENTOS (PAE) INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM ENGENHARIA VARIABILIDADE NA MEDIDA DE DADOS CIENTÍFICOS Se numa pesquisa, desenvolvimento de um processo ou produto, o valor

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística INTERVALOS DE CONFIANÇA: Diferentes pesquisadores, selecionando amostras de uma mesma

Leia mais

X e Y independentes. n + 1 m

X e Y independentes. n + 1 m DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA / CCEN / UFPA Disciplina: Inferência I Prof: Regina Tavares 5.0. TESTE DE HIPÓTESES PARA DUAS POPULAÇÕES 5.0.. Duas Populações Normais independentes : X, X 2,, X n uma a.a.

Leia mais

Análise da Regressão múltipla: Inferência. Aula 4 6 de maio de 2013

Análise da Regressão múltipla: Inferência. Aula 4 6 de maio de 2013 Análise da Regressão múltipla: Inferência Revisão da graduação Aula 4 6 de maio de 2013 Hipóteses do modelo linear clássico (MLC) Sabemos que, dadas as hipóteses de Gauss- Markov, MQO é BLUE. Para realizarmos

Leia mais

Inferência Estatística. Teoria da Estimação

Inferência Estatística. Teoria da Estimação Inferência Estatística Teoria da Estimação Os procedimentos básicos de inferência Estimação: usamos o resultado amostral para estimar o valor desconhecido do parâmetro Teste de hipótese: usamos o resultado

Leia mais

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja:

Nessa situação, a média dessa distribuição Normal (X ) é igual à média populacional, ou seja: Pessoal, trago a vocês a resolução da prova de Estatística do concurso para Auditor Fiscal aplicada pela FCC. Foram 10 questões de estatística! Não identifiquei possibilidade para recursos. Considero a

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Agora,

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Princípios de Bioestatística Cálculo do Tamanho de Amostra Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc/ Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 32 2 / 32 Cálculo do Tamanho de Amostra Parte fundamental

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência

MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência Introdução 1 Muito frequentemente fazemos perguntas do tipo se alguma coisa tem relação com outra. Estatisticamente

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I)

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Teste de Hipóteses Procedimento estatístico que averigua se os dados sustentam

Leia mais

Cálculo das Probabilidades e Estatística I

Cálculo das Probabilidades e Estatística I Cálculo das Probabilidades e Estatística I Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O curso foi dividido em três etapas:

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Variância - ANOVA Cap. 12 - Pagano e Gauvreau (2004) - p.254 Enrico A. Colosimo/UFMG Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1 / 39 Introdução Existem

Leia mais

Teste de hipóteses. Estatística Aplicada Larson Farber

Teste de hipóteses. Estatística Aplicada Larson Farber 7 Teste de hipóteses Estatística Aplicada Larson Farber Seção 7.1 Introdução ao teste de hipóteses Uma hipótese estatística é uma alegação sobre uma população. A hipótese nula H 0 contém uma alternativa

Leia mais

Lecture 3a Testes de Hipótese

Lecture 3a Testes de Hipótese Métodos Quantitativos em Contabilidade I Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade Lucas Barros lucasbarros@usp.br Henrique Castro hcastro@usp.br Universidade de São Paulo 1 of 19 Lecture

Leia mais

Escolha dos testes INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA QUANTIFICAÇÃO DOS GRUPOS DO ESTUDO PESQUISA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESES E

Escolha dos testes INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA QUANTIFICAÇÃO DOS GRUPOS DO ESTUDO PESQUISA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESES E Escolha dos testes INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA Determinada a pergunta/ hipótese Recolhidos os dados Análise descritiva = Estatística descritiva QUAIS TESTES ESTATÍSTICOS DEVEM SER REALIZADOS?? PROFESSORA:

Leia mais

Inferência Estatística. Estimação

Inferência Estatística. Estimação Inferência Estatística Estimação Inferência Estatística fazer inferências tirar conclusões fazer inferência estatística tirar conclusões sobre uma população com base em somente uma parte dela, a amostra,

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Amostragem: Em pesquisas científicas, quando se deseja conhecer características de uma população, é comum se observar apenas uma amostra de seus elementos e, a partir dos resultados dessa amostra, obter

Leia mais

Pedro Alberto Barbetta / Marcelo Menezes Reis / Antonio Cezar Bornia São Paulo: Atlas, 2004

Pedro Alberto Barbetta / Marcelo Menezes Reis / Antonio Cezar Bornia São Paulo: Atlas, 2004 Estatística para Cursos de Engenharia e Informática Pedro Alberto Barbetta / Marcelo Menezes Reis / Antonio Cezar Bornia São Paulo: Atlas, 2004 Cap. 8 Testes de hipóteses APOIO: Fundação de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança?

c) Encontre um intervalo de confiança 95% para a razão das variâncias variâncias das duas amostras podem ser iguais com este grau de confiança? MQI 003 Estatística para Metrologia semestre 008.0 Lista 4 Profa. Mônica Barros PROBLEMA Toma-se duas amostras de engenheiros formados há 5 anos por duas Universidades e faz-se uma pesquisa salarial, cujos

Leia mais

Aula 10 Estimação e Intervalo de Confiança

Aula 10 Estimação e Intervalo de Confiança Aula 10 Estimação e Intervalo de Confiança Objetivos da Aula Fixação dos conceitos de Estimação; Utilização das tabelas de Distribuição Normal e t de Student Introdução Freqüentemente necessitamos, por

Leia mais

TESTES NÃO PARAMÉTRICOS (para mediana/média)

TESTES NÃO PARAMÉTRICOS (para mediana/média) MAE212: Introdução à Probabilidade e à Estatística II - Profas. Beti e Chang (2012) 1 TESTES NÃO PARAMÉTRICOS (para mediana/média) Os métodos de estimação e testes de hipóteses estudados até agora nessa

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica. MOQ-13 Probabilidade e Estatística

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica. MOQ-13 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MOQ-13 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 16/11/2011 Testes de

Leia mais

MB-210 Probabilidade e Estatística

MB-210 Probabilidade e Estatística Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica MB-210 Probabilidade e Estatística Profa. Denise Beatriz Ferrari www.mec.ita.br/ denise denise@ita.br 2o. semestre/2013 Testes

Leia mais

Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras

Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras Estatística Aplicada às Ciências Sociais Sexta Edição Pedro Alberto Barbetta Florianópolis: Editora da UFSC, 006 Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras Planejamento da pesquisa e análise estatística

Leia mais

Fernando de Pol Mayer

Fernando de Pol Mayer Fernando de Pol Mayer Laboratório de Estatística e Geoinformação (LEG) Departamento de Estatística (DEST) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Este conteúdo está disponível por meio da Licença Creative

Leia mais

Estudo das hipóteses não paramétricas χ² de Pearson aplicado ao número de acidentes envolvendo motos na cidade de Campina Grande Paraíba.

Estudo das hipóteses não paramétricas χ² de Pearson aplicado ao número de acidentes envolvendo motos na cidade de Campina Grande Paraíba. Estudo das hipóteses não paramétricas χ² de Pearson aplicado ao número de acidentes envolvendo motos na cidade de Campina Grande Paraíba. 1 Introdução Erivaldo de Araújo Silva Edwirde Luiz Silva Os testes

Leia mais

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Slide 1 Teste de ajustamento do Qui-quadrado Testes de independência e de homogeneidade do Qui-quadrado Algumas considerações Slide 2 As secções deste capítulo referem-se

Leia mais

PODER DO TESTE. Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses

PODER DO TESTE. Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses PODER DO TESTE Poder do Teste e Tamanho de Amostra para Testes de Hipóteses 1 Tipos de erro num teste estatístico Realidade (desconhecida) Decisão do teste aceita H rejeita H H verdadeira decisão correta

Leia mais

rio de Guerra Eletrônica EENEM 2008 Estatística stica e Probabilidade 1/59

rio de Guerra Eletrônica EENEM 2008 Estatística stica e Probabilidade 1/59 ITA - Laboratório rio de Guerra Eletrônica EENEM 2008 Estatística stica e Probabilidade Aula 06: Intervalo de Confiança e Teste de Hipótese 1/59 população probabilidade (dedução) inferência estatística

Leia mais

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof.

ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim. ICMS PE 2014: Resolução da prova de Estatística Prof. ICMS/PE 2014 Resolução da Prova de Estatística Professor Fábio Amorim 1 de 6 Pessoal, segue a resolução das questões de Estatística da prova realizada pela SEFAZ-PE, para o cargo de Auditor Fiscal do Tesouro

Leia mais

( ) = σ 2. Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

( ) = σ 2. Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.ufrgs.br/~viali/ Dependentes Teste t para amostras emparelhadas Variâncias Teste z Conhecidas Independentes Variâncias Desconhecidas Supostas iguais

Leia mais

Testes de Significância Estatística para Avaliação de Algoritmos

Testes de Significância Estatística para Avaliação de Algoritmos Testes de Significância Estatística para Avaliação de Algoritmos Prof. Eduardo R. Hruschka Departamento de Ciências de Computação Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) Universidade de

Leia mais

4-Teste de Hipóteses. Teste de Hipóteses

4-Teste de Hipóteses. Teste de Hipóteses Teste de Procedimentos Gerais Teste de média Z para 1 amostra Teste de média t para 1 amostra Teste de variância para 2 amostras A Distribuição de Fisher Teste de média t para 2 amostras Teste de média

Leia mais

POPULAÇÃO X AMOSTRA INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA TIPOS DE VARIÁVEIS CLASSIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS CLASSIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS 1) TIPOS DE VARIÁVEIS

POPULAÇÃO X AMOSTRA INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA TIPOS DE VARIÁVEIS CLASSIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS CLASSIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS 1) TIPOS DE VARIÁVEIS POPULAÇÃO X AMOSTRA INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA População (N) representa o conjunto de todas as unidades experimentais que apresentam características em comum Amostra (n) representa uma parte do todo.

Leia mais

Análise da Variância. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Análise da Variância. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Análise da Variância Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Análise da variância Até aqui, a metodologia do teste de hipóteses foi utilizada para tirar conclusões sobre possíveis diferenças entre os parâmetros

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Generalidades Metodologia do teste de hipóteses As hipóteses A escolha do teste estatístico 5

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Generalidades Metodologia do teste de hipóteses As hipóteses A escolha do teste estatístico 5 M a t 0 8 - A n á l i s e E s t a t ís t i c a N ã o P a r a m é t r i c a SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 1.1. Generalidades 3 1.. Metodologia do teste de hipóteses 3 1.3. As hipóteses 4 1.4. A escolha do teste

Leia mais

Capítulo 3. Introdução à Probabilidade E à Inferência Estatística

Capítulo 3. Introdução à Probabilidade E à Inferência Estatística Capítulo 3 Introdução à Probabilidade E à Inferência Estatística definições e propriedades: Propriedade 5: A probabilidade condicional reflete como a probabilidade de um evento pode mudar se soubermos

Leia mais

Resolução da Prova de Matemática Financeira e Estatística do ISS Teresina, aplicada em 28/08/2016.

Resolução da Prova de Matemática Financeira e Estatística do ISS Teresina, aplicada em 28/08/2016. de Matemática Financeira e Estatística do ISS Teresina, aplicada em 8/08/016. 11 - (ISS Teresina 016 / FCC) Joana aplicou todo seu capital, durante 6 meses, em bancos ( e Y). No Banco, ela aplicou 37,5%

Leia mais

Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1

Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1 MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS À CONTABILIDADE Profa.: Patricia Maria Bortolon, D.Sc. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Pearson Prentice-Hall, Inc. Chap 9-1 Fundamentos de Testes

Leia mais

Aula 7 Intervalos de confiança

Aula 7 Intervalos de confiança Aula 7 Intervalos de confiança Nesta aula você aprenderá um método muito importante de estimação de parâmetros. Na aula anterior, você viu que a média amostral X é um bom estimador da média populacional

Leia mais

Soluções da Colectânea de Exercícios

Soluções da Colectânea de Exercícios Soluções da Colectânea de Exercícios (Edição de Fevereiro de 2003) Capítulo 1 1.1 d) x = 3.167; s = 0.886 (dados não agrupados) e) mediana = x = 3.25; q 1 = 2.4 ; q 3 = 3.9 1.2 a) x = 2.866 ; x = 3; moda

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

Distribuição de frequências. Prof. Dr. Alberto Franke

Distribuição de frequências. Prof. Dr. Alberto Franke Distribuição de frequências Prof. Dr. Alberto Franke E-mail: alberto.franke@ufsc.br 1 Distribuição de frequências Há necessidade de distinguir entre: Distribuição observada Distribuição verdadeira Distribuição

Leia mais

AULA 12 Inferência a Partir de Duas Amostras

AULA 12 Inferência a Partir de Duas Amostras 1 AULA 12 Inferência a Partir de Duas Amostras Ernesto F. L. Amaral 15 de setembro de 2011 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Estatística

Estatística Estatística 1 2016.2 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos... 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO... 3 MEDIDAS DE DISPERSÃO... 5 EXERCÍCIOS CAPÍTULO 1... 8 Capítulo 2 Outliers e Padronização... 12 VALOR PADRONIZADO (Z)...

Leia mais

ESTATÍSTICA INFERENCIAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ESTATÍSTICA INFERENCIAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ESTATÍSTICA INFERENCIAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior As Hipóteses A Hipótese Nula (H 0 ) é, em geral, uma afirmação conservadora sobre uma situação da pesquisa. Por exemplo, se você quer testar

Leia mais

Biometria Teste t para dados emparelhados

Biometria Teste t para dados emparelhados 1 Sumário: Dados emparelhados Biometria Teste t para dados emparelhados (Leitura complementar ao capítulo 5) Duas amostras pertencem à mesma população? Estimação do tamanho amostral Menor diferença detectável

Leia mais

Modelos básicos de distribuição de probabilidade

Modelos básicos de distribuição de probabilidade Capítulo 6 Modelos básicos de distribuição de probabilidade Muitas variáveis aleatórias, discretas e contínuas, podem ser descritas por modelos de probabilidade já conhecidos. Tais modelos permitem não

Leia mais

Química Analítica V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula:

Química Analítica V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: Química Analítica V 2S 2012 Aula 3: 04-12-12 Estatística Aplicada à Química Analítica Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan 1 Conceito

Leia mais

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM Ralph dos Santos Silva Departamento de Métodos Estatísticos Instituto de Matemática Universidade Federal do Rio de Janeiro Sumário Amostragem estratificada Divisão da população em

Leia mais

i. f Y (y, θ) = 1/θ... 0 y θ 0... y < 0 ou y > θ Se a amostra selecionada foi ( ), qual será a estimativa para θ?

i. f Y (y, θ) = 1/θ... 0 y θ 0... y < 0 ou y > θ Se a amostra selecionada foi ( ), qual será a estimativa para θ? Fundação Getulio Vargas Curso: Graduação Disciplina: Estatística Professor: Moisés Balassiano Lista de Exercícios Inferência. Seja (Y, Y 2,..., Y n ) uma amostra aleatória iid, de tamanho n, extraída de

Leia mais

Poder do teste e Tamanho de Amostra

Poder do teste e Tamanho de Amostra Estatística para Cursos de Engenharia e Informática Pedro Alberto Barbetta / Marcelo Menezes Reis / Antonio Cezar Bornia São Paulo: Atlas, 24 Poder do teste e Tamanho de Amostra APOIO: Fundação de Ciência

Leia mais

Os testes. Objetivos. O teste Q de Cochran; O teste de Friedman (Análise de variância de duplo fator por postos)

Os testes. Objetivos. O teste Q de Cochran; O teste de Friedman (Análise de variância de duplo fator por postos) Prof. Lorí Viali, Dr. http://www.mat.ufrgs.br/viali/ viali@mat.ufrgs.br Os testes O teste Q de Cochran; O teste de Friedman (Análise de variância de duplo fator por postos) William Gemmell Cochran (1909-1980)

Leia mais

Respostas. Resposta 1: Considerando que o objetivo é calcular a proporção de hipertensos, recorremos à fórmula abaixo:

Respostas. Resposta 1: Considerando que o objetivo é calcular a proporção de hipertensos, recorremos à fórmula abaixo: Deseja-se saber a proporção de pacientes com hipertensão arterial entre os pacientes de um ambulatório de diabetes mellitus. Estudos anteriores de diabetes têm encontrado uma proporção de 18,5%. 1. Qual

Leia mais

Lista Estimação Pontual Estatística Aplicada à Engenharia de Produção Prof. Michel H. Montoril

Lista Estimação Pontual Estatística Aplicada à Engenharia de Produção Prof. Michel H. Montoril Exercício 1. (Kokoska, 2013) Estudos indicam que residências canadenses desperdiçam, aproximadamente, de 389 a 513 quilowatts-hora de eletricidade por ano. Esse desperdício é causado por aparelhos eletrônicos

Leia mais

Estatística II Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II Aula 2. Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula Prof.: Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Distribuições Amostrais ... vocês lembram que: Antes de tudo... Estatística Parâmetro Amostra População E usamos estatíticas das amostras para

Leia mais

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE

VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADE.1 INTRODUÇÃO Admita que, de um lote de 10 peças, 3 das quais são defeituosas, peças são etraídas ao acaso, juntas (ou uma a uma, sem reposição). Estamos

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1. CAPÍTULO 2 Descrição de dados: análise monovariada 47

Sumário. CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1. CAPÍTULO 2 Descrição de dados: análise monovariada 47 CAPÍTULO 1 Conceitos preliminares 1 Introdução........................................................1 O que é estatística?.................................................. 4 Papel dos microcomputadores.........................................

Leia mais

Teste Chi-Quadrado de Independência. Prof. David Prata Novembro de 2016

Teste Chi-Quadrado de Independência. Prof. David Prata Novembro de 2016 Teste Chi-Quadrado de Independência Prof. David Prata Novembro de 2016 Duas Variáveis Categóricas Análise de variância envolve o exame da relação entre uma variável categórica explicativa e uma variável

Leia mais

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Métodos Computacionais para Estatística II Prof: Jony Arrais Pinto Junior Lista 04 1. Crie a seguinte função

Leia mais

Exercícios para Revisão de Teste de Hipótese. Gabarito: 1)B 2)D 3)A 4)D 5)E 6)C 7)A 8)E 9)B 10)C 11)A 12)A 13)B 14)E

Exercícios para Revisão de Teste de Hipótese. Gabarito: 1)B 2)D 3)A 4)D 5)E 6)C 7)A 8)E 9)B 10)C 11)A 12)A 13)B 14)E Exercícios para Revisão de Teste de Hipótese Material retirado do site http://adm.online.unip.br/ Gabarito: 1)B 2)D 3)A 4)D 5)E 6)C 7)A 8)E 9)B 10)C 11)A 12)A 13)B 14)E 1) Um revendedor de lâmpadas recebeu

Leia mais

Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Exatas e Naturais Faculdade de Estatística Bacharelado em Estatística

Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Exatas e Naturais Faculdade de Estatística Bacharelado em Estatística Universidade Federal do Pará Instituto de Ciências Exatas e Naturais Faculdade de Estatística Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Professores: Héliton Tavares e Regina Tavares Aluna:

Leia mais