SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2)"

Transcrição

1

2 SISTEMA AQUÍFERO: ALMÁDENA-ODEÁXERE (M2) Figura M2.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Almádena-Odeáxere Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 446

3 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica: Ribeiras do Barlavento Distrito: Faro Concelhos: Vila do Bispo e Lagos Enquadramento Cartográfico Folhas 593, 594, 602 e 603 da Carta Topográfica na escala 1: do IGeoE Folhas 49-C e 52-A do Mapa Corográfico de Portugal na escala 1: do IPCC Folha 52-A da Carta Geológica de Portugal na escala 1: do IGM MONCHIQUE ALJEZUR LAGOS 49C 594 PORTIMÃO VILA DO BISPO A Figura M2.2 Enquadramento geográfico do sistema aquífero Almádena-Odeáxere Enquadramento Geológico Estratigrafia e Litologia As duas formações aquíferas dominantes são os Dolomitos e Calcários Dolomíticos de Espiche (Sinemuriano) e os Calcários e Dolomitos de Almádena (Bajociano). Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 447

4 A primeira formação é constituída por dolomitos e calcários dolomíticos, geralmente maciços, finamente cristalinos ou sacaróides, com espessura superior a 60 metros (Rocha et al., 1979). A idade é considerada do Sinemuriano-Carixiano (Rocha, 1976). A dolomitização é, em geral, secundária e precoce embora possa ser mais tardia em sectores afectados por fracturação. A formação dos Calcários e Dolomitos de Almádena apresenta fácies lagunar anterrecifal e inicia-se com cerca de metros de dolomitos cristalinos branco-rosados aos quais se seguem cerca de 50 metros de calcários oolíticos, calcários corálicos, calcários pisolíticos, calcários calciclásticos e calcários dolomíticos (Rocha et al., 1979). Estas formações são atribuídas ao Aaleniano-Bajociano inferior (ibidem). As formações aquíferas estão, em pequenas áreas, cobertas pela formação quaternária Areias e cascalheiras de Faro-Quarteira. Tectónica As formações aquíferas situam-se numa estrutura sinclinal ampla, com orientação NE-SW, comprimida entre a falha de Barão de S. João, a noroeste e a falha de Espiche, a sudeste (Terrinha, 1998). O limite nordeste do sistema acompanha parcialmente uma falha com direcção NW-SE. Esta direcção de fracturação ocorre juntamente com a direcção NE-SW e direcções submeridianas. Hidrogeologia Características Gerais O sistema aquífero situa-se a Ocidente do rio Andrade, entre as localidades de Odeáxere a Este e de Almádena a W, com uma área de 63,5 km 2. Estende se ao longo duma faixa de direcção NE- SW, em formações carbonatadas do Lias-Dogger. As litologias aquíferas dominantes são: calcários, calcários dolomíticos e dolomitos que apresentam em alguns locais um carso bem desenvolvido. Dentro destes limites, existem algumas áreas restritas que não apresentam interesse hidrogeológico devido ao facto de estarem muito fragmentadas e afectadas por intrusões magmáticas. Trata-se de um aquífero cársico, livre a confinado. A recarga faz-se, quer a partir da infiltração das águas das ribeiras de Bensafrim e de Odeáxere, quer a partir da infiltração directa nas formações. A ribeira de Bensafrim deve funcionar como influente a efluente, tanto para NE como para SW. Nas proximidades do contacto com o Hetangiano, o caudal diminui, podendo ser nulo em algumas épocas secas, o que indica a infiltração das águas nas formações carbonatadas. A ribeira só reaparece na zona das Portelas. A recarga por infiltração directa nas formações é facilitada pelo facto da superfície dos calcários se encontrar lapiezada, assinalando-se algumas dolinas e cavidades subterrâneas. Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 448

5 Parâmetros Hidráulicos e Produtividade As estatísticas principais obtidas a partir de 111 dados de caudais de exploração, expressos em L/s, caracterizam a produtividade do sistema (quadro M2.1, figura M2.3): Média Desvio Padrão Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo 8,0 9,2 0,3 2,2 5, Quadro M2.1 Principais estatísticas dos caudais Figura M2.3 - Distribuição cumulativa dos caudais Os valores de transmissividades calculados a partir de ensaios de bombagem são bastantes variáveis, variando entre 25 e 2100 m 2 /dia. Estimativas da transmissividade a partir do caudal específico (método de Logan) deram os resultados seguintes, expressos em m 2 /dia: Média Q 1 Mediana Q Quadro M2.2 Principais estatísticas da transmissividade A partir de 16 dados (Reis, 1993): Média Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo Quadro M2.3 Principais estatísticas da transmissividade (Reis, 1993) Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 449

6 Análise Espaço-temporal da Piezometria A distribuição dos valores de piezometria aponta para um fluxo divergente, predominantemente no sentido leste e SW, no sector a oeste da ribeira de Bensafrim. Para o sector a leste da mesma ribeira não há dados, sendo de admitir que o fluxo seja dirigido para SW, na direcção da ribeira de Bensafrim que constitui um eixo de drenagem dos dois sectores. Estas observações concordam com o modelo proposto por E. Reis (1993). Esta autora assinala a provável existência de um acidente na zona de Ferrel-Espiche, estendendo-se para NW, que funcionaria como divisória das águas subterrâneas. Assim, as águas infiltradas a NE seriam descarregadas na zona das Portelas, e as infiltradas a SW dirigir-se-iam para a zona de Almádena-Boca do Rio. A primeira zona é considerada como a principal área de drenagem natural, onde existiam exsurgências importantes, hoje praticamente inactivas devido à existência de captações que foram implantadas nas suas proximidades e que abastecem Lagos. Na zona da Boca do Rio, a descarga dá-se de forma difusa ou oculta. O sistema aquífero é dotado de um poder regulador elevado já que as flutuações inter-anuais são pequenas, em geral inferiores a 3 metros. Balanço Hídrico Admitindo uma taxa de recarga situada entre 40 e 60% e tendo em conta a área do sistema que é de cerca de 64 km 2, os recursos médios renováveis deverão situar-se entre 16 e 24 hm 3 /ano. Desde há muito que são conhecidas saídas naturais importantes drenando o sistema Almádena- Odeáxere. Uma delas, situada no Paúl da Abedueira, constituiu a primeira origem de água para o abastecimento à cidade de Lagos (Paradela e Zbyszewski, 1971). As saídas naturais mais importantes situam-se perto da ribeira de Bensafrim que constitui assim o principal eixo drenante do sistema. Existem exsurgências tanto na margem esquerda como na direita. Obviamente, que após se terem iniciado as captações para abastecimento através de furos, inicialmente centrados em Portelas, as saídas naturais perderam muito da sua importância inicial. Uma outra área com saídas difusas situa-se no limite SW do sistema, alimentando uma zona húmida. Infelizmente não dispomos de dados que permitam quantificar minimamente os volumes escoados através das saídas naturais. Apenas se tem indicação do valor de 300 m 3 /h, referido por Reis (1993), em nascentes situadas na ribeira de Bensafrim a sul de Sargaçal, em Fevereiro de As extracções para abastecimento público aproximam-se de 4 hm 3 /ano (3,8 hm 3 em 1993). Quanto a extracções para rega e abastecimentos particulares não dispomos de inventários completos que permitam uma quantificação rigorosa. Um inventário da DRAOT Algarve que cobre aproximadamente metade das captações conhecidas, aponta para valores da ordem dos 1,3 hm 3 /ano. É natural, portanto que as extracções totais se situem próximo do dobro daquele valor. Assim, o somatório das extracções públicas e privadas deverá ser da ordem dos 7 hm 3 /ano. Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 450

7 Qualidade Considerações Gerais As águas deste sistema apresentam uma qualidade fraca, quer para abastecimento, quer para regadio. De facto, embora a frequência de violações dos VMA não seja elevada, os VMR são ultrapassados na maioria dos iões maiores (cloretos, sulfatos, cálcio, magnésio e sódio) e, ainda, dureza e condutividade. Quanto à qualidade para rega, o VMR relativo ao cloreto é ultrapassado em todas as análises e o VMR relativo à condutividade em metade das análises. Predomina a fácies bicarbonatada cálcica, conforme a figura M2.4. Figura M2.4 Diagrama de Piper relativo ás águas do sistema aquífero Almádena-Odeáxere As principais estatísticas apresentam-se no Quadro M2.4. Condutividade (µs/cm) n Média Desvio Padrão Mínimo Q 1 Mediana Q 3 Máximo ph 57 7,7 0,3 7,2 7,5 7,7 8,0 8,3 Bicarbonato (mg/l) Cloreto (mg/l) Ferro (mg/l) , ,1 Nitrato (mg/l) , Sulfato (mg/l) , Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 451

8 Dureza Total (mg/l) Sódio (mg/l) Potássio (mg/l) 55 2,9 2,9 0,8 1,6 1,8 3,0 20 Cálcio (mg/l) Magnésio (mg/l) , Quadro M2.4 - Principais estatísticas relativas às águas do sistema Qualidade para Consumo Humano Para caracterizar este aspecto da qualidade química das águas deste sistema, foram utilizadas análises anteriores a 1995 para a maior parte dos parâmetros, não se tendo usado mais do que uma análise por ponto de água. No caso do ferro, nitritos, azoto amoniacal, fosfatos, oxidabilidade e manganês foram usadas análises recentes incluindo mais do que uma análise por captação. A apreciação da qualidade face aos valores normativos consta do quadro seguinte (M2.5). Anexo VI Anexo I -Categoria A1 Parâmetro <VMR >VMR >VMA <VMR >VMR >VMA ph Condutividade Cloretos Dureza total Sulfatos Cálcio Magnésio Sódio Potássio Nitratos Nitritos 0 Azoto amon Oxidabilidade Ferro Manganês Fosfatos Quadro M2.5 Apreciação da qualidade face aos valores normativos A análise de tendências realizada em dois pontos deste sistema aquífero, monitorizados pela DRAOT Algarve, mostra que num deles (referência 602/006) a água reflecte uma tendência para o Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 452

9 decréscimo da concentração em nitratos até A partir desta data, parece haver uma certa estabilidade com as concentrações a variarem entre 10 e 20 mg/l, mas com duas flutuações fortes. Na figura M2.5 pode observar-se a distribuição das principais captações de abastecimento público que captam neste sistema aquífero. Figura M2.5 Localização das captações de abastecimento público Uso Agrícola A maioria das águas analisadas pertence à classe C 3 S 1 pelo que representam um perigo salinização alto e alcalinização dos solos baixo. As restantes distribuem-se pelas classes C 2 S 1 e C 4 S 1 (figura M2.6). Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 453

10 Figura M2.6 - Diagrama de classificação da qualidade para uso agrícola Quanto aos parâmetros fisico-químicos, nenhum excede o VMA. A condutividade excede o VMR em cerca de 50% dos casos e os cloretos excedem aquele limite praticamente em todas as análises. Bibliografia Costa, F. E., Brites, J. A., Pedrosa, M. Y., Silva, A. V. (1985) - Carta Hidrogeológica da Orla Algarvia, esc. 1: Notícia Explicativa. Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa. Manuppella, G., Oliveira, J. T., Pais, J., Dias, R. P. (1992) - Carta Geológica da Região do Algarve, escala 1: Notícia Explicativa. Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa. 15 pág. Paradela, P. L.; Zbyszewski, G. (1971) - Hidrogeologia Geral do Centro e Sul de Portugal. I Congresso Hispano-Luso-Americano de Geologia Económica. Livro-Guia da Excursão Nº 9. Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos. Lisboa. 123 pág. Reis, M. E. (1993) - Estudo Hidrogeológico das Formações do Lias-Dogger situadas a ocidente do Rio Arade (Algarve). Dissertação para a Obtenção do Grau de Mestre em Geologia Económica e Aplicada. Departamento de Geologia da FCUL. Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 454

11 Rocha, R. B. (1976) - Estudo estratigráfico e paleontológico do Jurássico do Algarve ocidental. Ciências da Terra (UNL), Lisboa, vol. 2, 178 pág. Rocha, R. B., Ramalho, M. M., Manuppella, G., Zbyszewski, G., M. T., Coelho, A. P. (1979) - Carta Geológica de Portugal na escala 1:50 000, Notícia Explicativa da Folha 51-B, VILA DO BISPO. Serviços Geológicos de Portugal. Rocha, R. B., Ramalho, M. M., Antunes, M. T., Coelho, A. P. (1983) - Carta Geológica de Portugal na escala 1:50 000, Notícia Explicativa da Folha 52-A, PORTIMÃO. Serviços Geológicos de Portugal. 57 pág. Terrinha, P. (1998) - Structural Geology and Tectonic Evolution of the Algarve Basin, South Portugal, Thesis submitted for the Degree of Doctor of Philosophy at the University of London. 430 pág. Sistema Aquífero: Almádena-Odeáxere (M2) 455

SISTEMA AQUÍFERO: CHÃO DE CEVADA - QUINTA DE JOÃO DE OURÉM (M11)

SISTEMA AQUÍFERO: CHÃO DE CEVADA - QUINTA DE JOÃO DE OURÉM (M11) SISTEMA AQUÍFERO: CHÃO DE CEVADA - QUINTA DE JOÃO DE OURÉM (M11) Figura M11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Chão de Cevada- Quinta João de Ourém Sistema Aquífero: Chão de Cevada-Quinta

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MACEIRA (O18)

SISTEMA AQUÍFERO: MACEIRA (O18) SISTEMA AQUÍFERO: MACEIRA (O18) Figura O18.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Maceira Sistema Aquífero: Maceira (O18) 307 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacias

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. BRÁS DE ALPORTEL (M8)

SISTEMA AQUÍFERO: S. BRÁS DE ALPORTEL (M8) SISTEMA AQUÍFERO: S. BRÁS DE ALPORTEL (M8) Figura M8.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. Brás de Alportel Sistema Aquífero: S. Brás de Alportel (M8) 514 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: TORRES VEDRAS (O25)

SISTEMA AQUÍFERO: TORRES VEDRAS (O25) SISTEMA AQUÍFERO: TORRES VEDRAS (O25) Figura O25.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Torres Vedras Sistema Aquífero: Torres Vedras (O25) 354 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13)

SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13) SISTEMA AQUÍFERO: PERAL MONCARAPACHO (M13) Figura M13.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Peral-Moncarapacho Sistema Aquífero: Peral-Moncarapcho (M13) 562 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VEIGA DE CHAVES (A1)

SISTEMA AQUÍFERO: VEIGA DE CHAVES (A1) SISTEMA AQUÍFERO: VEIGA DE CHAVES (A1) Figura A1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Veiga de Chaves (A1) 44 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: BACIA DE ALVALADE (T6)

SISTEMA AQUÍFERO: BACIA DE ALVALADE (T6) SISTEMA AQUÍFERO: BACIA DE ALVALADE (T6) Figura T6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia de Alvalade (T6) 641 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ANÇÃ-CANTANHEDE (O4)

SISTEMA AQUÍFERO: ANÇÃ-CANTANHEDE (O4) SISTEMA AQUÍFERO: ANÇÃ-CANTANHEDE (O4) Figura O4.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Ançã-Cantanhede Sistema Aquífero: Ançã-Cantanhede (O4) 198 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: LUZ-TAVIRA (M15)

SISTEMA AQUÍFERO: LUZ-TAVIRA (M15) SISTEMA AQUÍFERO: LUZ-TAVIRA (M15) Figura M15.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Luz-Tavira Sistema Aquífero: Luz-Tavira (M15) 575 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MONFORTE-ALTER DO CHÃO (A3)

SISTEMA AQUÍFERO: MONFORTE-ALTER DO CHÃO (A3) SISTEMA AQUÍFERO: MONFORTE-ALTER DO CHÃO (A3) Figura A3.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Monforte-Alter do Chão (A3) 58 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: SINES (O32)

SISTEMA AQUÍFERO: SINES (O32) SISTEMA AQUÍFERO: SINES (O32) Figura O32.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero de Sines Sistema Aquífero: Sines (O32) 409 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia Hidrográfica:

Leia mais

ORLA MERIDIONAL (M) Introdução. Hidrogeologia. Características Gerais

ORLA MERIDIONAL (M) Introdução. Hidrogeologia. Características Gerais ORLA MERIDIONAL (M) Introdução A Orla Meridional tem sido objecto de numerosos estudos, detacando-se pelas sua importância a cartografia geológica e hidrogeológica, monografias e dissertações. Além de

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALPEDRIZ (O19)

SISTEMA AQUÍFERO: ALPEDRIZ (O19) SISTEMA AQUÍFERO: ALPEDRIZ (O19) Figura O19.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero de Alpedriz Sistema Aquífero: Alpedriz (O19) 311 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: POUSOS-CARANGUEJEIRA (O14)

SISTEMA AQUÍFERO: POUSOS-CARANGUEJEIRA (O14) SISTEMA AQUÍFERO: POUSOS-CARANGUEJEIRA (O14) Figura O14.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Pousos- Caranguejeira Sistema Aquífero: Pousos-Caranguejeira (O14) 288 Identificação Unidade

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: OURÉM (O15)

SISTEMA AQUÍFERO: OURÉM (O15) SISTEMA AQUÍFERO: OURÉM (O15) Figura O15.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Ourém (O15) 297 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacias Hidrográficas:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MOURA FICALHO (A10)

SISTEMA AQUÍFERO: MOURA FICALHO (A10) SISTEMA AQUÍFERO: MOURA FICALHO (A10) Figura A10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Moura-Ficalho (A10) 108 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CALDAS DA RAINHA NAZARÉ (O33)

SISTEMA AQUÍFERO: CALDAS DA RAINHA NAZARÉ (O33) SISTEMA AQUÍFERO: CALDAS DA RAINHA NAZARÉ (O33) Figura O33.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Caldas da Rainha-Nazaré (O33) 421 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM DIREITA (T1)

SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM DIREITA (T1) 603 SISTEMA AQUÍFERO: MARGEM DIREITA (T1) Figura T1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Bacia do Tejo-Sado/Margem Direita (T1) 603 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CONDEIXA-ALFARELOS (O31)

SISTEMA AQUÍFERO: CONDEIXA-ALFARELOS (O31) SISTEMA AQUÍFERO: CONDEIXA-ALFARELOS (O31) Figura O31.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Condeixa-Alfarelos Sistema Aquífero: Condeixa-Alfarelos (O31) 400 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO TEJO (T7)

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO TEJO (T7) SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO TEJO (T7) Figura T7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Aluviões do Tejo (T7) 649 Identificação Unidade Hidrogeológica: Bacia do Tejo-Sado

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VISO-QUERIDAS (O30)

SISTEMA AQUÍFERO: VISO-QUERIDAS (O30) SISTEMA AQUÍFERO: VISO-QUERIDAS (O30) Figura O30.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viso-Queridas (O30) 393 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacias

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16)

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) Figura M16.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. Bartolomeu Sistema Aquífero: S. Bartolomeu (M16) 585 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: GABROS DE BEJA (A9)

SISTEMA AQUÍFERO: GABROS DE BEJA (A9) SISTEMA AQUÍFERO: GABROS DE BEJA (A9) Figura A9.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Gabros de Beja (A9) 100 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: TENTÚGAL (O5)

SISTEMA AQUÍFERO: TENTÚGAL (O5) SISTEMA AQUÍFERO: TENTÚGAL (O5) Figura O5.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero de Tentúgal Sistema Aquífero: Tentúgal (O5) 205 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacias

Leia mais

Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta

Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta Ana Sofia Duarte Paula G. Fernandes M. Rosário Carvalho 1. Introdução e objectivos

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO

ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO Ana Isabel Andrade Departamento de Ciências da Terra FCTUC ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO Enquadramento geológico NW SE Quaternário: depósitos aluvionares Mesozóico: formações

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: LUSO (A12)

SISTEMA AQUÍFERO: LUSO (A12) SISTEMA AQUÍFERO: LUSO (A12) Figura A12.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero do Luso Sistema Aquífero: Luso (A12) 126 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacias Hidrográficas:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO MONDEGO (O6)

SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO MONDEGO (O6) SISTEMA AQUÍFERO: ALUVIÕES DO MONDEGO (O6) Figura O6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Aluviões do Mondego Sistema Aquífero: Aluviões do Mondego (O6) 212 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ESTREMOZ-CANO (A4)

SISTEMA AQUÍFERO: ESTREMOZ-CANO (A4) SISTEMA AQUÍFERO: ESTREMOZ-CANO (A4) Figura A4.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Estremoz-Cano (A4) 66 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo Bacia Hidrográfica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: QUATERNÁRIO DE AVEIRO (O1)

SISTEMA AQUÍFERO: QUATERNÁRIO DE AVEIRO (O1) SISTEMA AQUÍFERO: QUATERNÁRIO DE AVEIRO (O1) Figura O1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Quaternário de Aveiro Sistema Aquífero: Quaternário de Aveiro (O1) 157 Identificação Unidade

Leia mais

Características hidroquímicas e hidrodinâmicas do aquífero na planície arenosa da Costa da Caparica

Características hidroquímicas e hidrodinâmicas do aquífero na planície arenosa da Costa da Caparica Características hidroquímicas e hidrodinâmicas do aquífero na planície arenosa da Costa da Caparica Frederico FERREIRA1, M. Rosário CARVALHO2, Manuela SIMÕES3, Catarina SILVA2, Paula GALEGO FERNANDES2

Leia mais

Análise de Cenários de Exploração no Sistema Aquífero da Campina de Faro

Análise de Cenários de Exploração no Sistema Aquífero da Campina de Faro 10.º Seminário sobre Águas Subterrâneas Évora, 9 e 10 de abril de 2015 Universidade de Évora Análise de Cenários de Exploração no Sistema Aquífero da Campina de João MIGUEL VIEGAS, Rui HUGMAN, José PAULO

Leia mais

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS MACAÉ, DAS OSTRAS E LAGOA DE IMBOASSICA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS MACAÉ, DAS OSTRAS E LAGOA DE IMBOASSICA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS MACAÉ, DAS OSTRAS E LAGOA DE IMBOASSICA ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA RH-VIII Introdução Neste estudo são apresentadas: Características geológicas; Características

Leia mais

Palavras Chave: Condutividade eléctrica, ph, Águas subterrâneas, Formação de Mértola, Formação de Mira

Palavras Chave: Condutividade eléctrica, ph, Águas subterrâneas, Formação de Mértola, Formação de Mira CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DOS CONCELHOS DE SINES E SANTIAGO DO CACÉM - NOTA PRÉVIA João NASCIMENTO (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO As

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11)

SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) SISTEMA AQUÍFERO: ELVAS-CAMPO MAIOR (A11) Figura A11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Elvas-Campo Maior (A11) 117 Identificação Unidade Hidrogeológica: Maciço Antigo

Leia mais

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS JANEIRO DE 2001 NOTA TÉCNICA AQUÍFEROS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO GUADIANA A presente Nota Técnica procura sistematizar o conhecimento existente sobre os aquíferos

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero, Hidroquímica, Gnaisses, Condutividade eléctrica, ph, Caudais.

Palavras-chave: Aquífero, Hidroquímica, Gnaisses, Condutividade eléctrica, ph, Caudais. SISTEMA AQUÍFERO DOS GNAISSES DE ÉVORA Alice FIALHO (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Com base em estudos hidrogeológicos efectuados anteriormente nos arredores da cidade de Évora, foi

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA E OBRAS DE CAPTAÇÃO

ÁGUA SUBTERRÂNEA E OBRAS DE CAPTAÇÃO ÁGUA SUBTERRÂNEA E OBRAS DE CAPTAÇÃO Manuela Simões 1 1 Departamento de Ciências da Terra (Geobiotec), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade NOVA de Lisboa, Campus de Caparica, 2829-516 Caparica

Leia mais

O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1).

O Algarve é constituído por duas unidades geológicas: o complexo xisto-grauváquico do Carbónico e a bacia sedimentar Meso-Cenozóica (Figura 1). 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como objectivo principal efectuar uma caracterização sucinta da geologia/hidrogeologia, dos factores hidrometereológicos e estimação do balanço hídrico na região

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

Recuperação do antigo sistema hídrico de abastecimento de águas

Recuperação do antigo sistema hídrico de abastecimento de águas Recuperação do antigo sistema hídrico de abastecimento de águas naturais para o abastecimento de água aos principais jardins e fontanários públicos da Cidade de Penafiel PROJECTO SUD'EAU-2_SOE3/P2/E549

Leia mais

NAZARÉ E DE ALCOBAÇA

NAZARÉ E DE ALCOBAÇA Área Temática: Vulnerabilidade e Protecção de Aquíferos (A autora escreve de acordo com a antiga ortografia) NITRATOS NOS CONCELHOS DE NAZARÉ E DE ALCOBAÇA Carla Maria de Paiva Chaves Lopes Caroça carlacaroca@sapo.pt

Leia mais

ANEXO I TABELA CRONOSTRATIGRÁFICA

ANEXO I TABELA CRONOSTRATIGRÁFICA ANEXO I TABELA CRONOSTRATIGRÁFICA Período Série Época Andar Idade Período Época Maastrichtiano Ma Quaternário Superior Campaniano Santoniano Coniaciano Turoniano Cenomaniano Cretácico Albiano Aptiano Inferior

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

HIDROGEOLOGIA. Acção de Formação Modelos Hidrogeológicos: Elaboração e Experimentação. Novembro de 2004

HIDROGEOLOGIA. Acção de Formação Modelos Hidrogeológicos: Elaboração e Experimentação. Novembro de 2004 HIDROGEOLOGIA Acção de Formação Modelos Hidrogeológicos: Elaboração e Experimentação Novembro de 2004 Sumário 1. Conceitos: condutividade hidráulica, transmissividade e coeficiente de armazenamento 2.

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES LAS PALMAS, 7 e 8 JULHO 2003 A DQA estabelece um quadro comum de acção cujo cronograma de implementação determina

Leia mais

2012/2013. Projeto de Geologia: Recursos, Riscos e Património. Maio de Turma A 11.ºAno. Inês Alves Mariana Gomes Stanislav Tsisar

2012/2013. Projeto de Geologia: Recursos, Riscos e Património. Maio de Turma A 11.ºAno. Inês Alves Mariana Gomes Stanislav Tsisar 2012/2013 Projeto de Geologia: Recursos, Riscos e Património Maio de 2013 Turma A 11.ºAno Inês Alves Mariana Gomes Stanislav Tsisar Recurso geológico Água da fonte de Vale da Mó A água mineral das Termas

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO A PEQUENAS COMUNIDADES

QUALIDADE DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO A PEQUENAS COMUNIDADES ÁGUA DE ABASTECIMENTO A PEQUENAS COMUNIDADES HEITOR 1, Ana Margarida Fernandes Lic. Farmácia, INSA Largo 1º Dezembro, s/nº. 4000-404 Porto, +351 22 2007877 Resumo As águas de origem subterrânea representam

Leia mais

MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR.

MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR. MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR. Adriana Jeber de Lima Barreto Marra 1 e Celso de Oliveira Loureiro 2 Resumo - Este artigo trata do trabalho

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 8 SISTEMA AQUÍFERO MOURA-FICALHO O escoamento hídrico subterrâneo desta região é dominado pela existência de um aquífero de tipo cársico-fissurado que se desenvolve entre Vila Verde de Ficalho e Moura

Leia mais

A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA.

A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA. A GEOFÍSICA NA PROTECÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS. MAPEAMENTO DE ZONAS DE RISCO NO VALE DO TEJO-SADO RECORRENDO A PROSPECÇÃO GEOELÉCTRICA. Rui M. D. GONÇALVES 1, António. R. ANDRADE AFONSO 2 RESUMO A definição

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 14 CONCLUSÕES A região de Moura, situada no Baixo Alentejo, é caracterizada por uma das menores precipitações médias anuais do Alentejo (550 mm/ano). Contrastando com toda a área envolvente, é conhecida

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CRETÁCICO DE AVEIRO (O2)

SISTEMA AQUÍFERO: CRETÁCICO DE AVEIRO (O2) SISTEMA AQUÍFERO: CRETÁCICO DE AVEIRO (O2) Figura O2.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Cretácico de Aveiro (O2) 173 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental

Leia mais

CAPÍTULO 4 HIDROGEOLOGIA. 4.1 Aspectos Gerais. 4.2 Unidades Hidrogeológicas

CAPÍTULO 4 HIDROGEOLOGIA. 4.1 Aspectos Gerais. 4.2 Unidades Hidrogeológicas CAPÍTULO 4 HIDROGEOLOGIA 4.1 Aspectos Gerais A área de estudo está inserida na Província Hidrogeológica Escudo Oriental (Rebouças et al., 1999) onde predomina o sistema aqüífero fraturado em rochas cristalinas

Leia mais

Água Subterrânea 16/03/2016. Revisão: Composição do solo: Revisão: Porosidade do solo: Porosidade do solo:

Água Subterrânea 16/03/2016. Revisão: Composição do solo: Revisão: Porosidade do solo: Porosidade do solo: Revisão: Água Subterrânea de Aquino Lemos Filho Dr. Engenharia de Água e Solo Universidade Federal Rural do Semi-Árido Mossoró, RN Revisão: Composição do solo: - É a relação entre volume de vazios e volume

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DEFINIÇÃO DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PONTA DELGADA, 15 Março 2002 REDE DE MONITORIZAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS 1 OBJECTIVOS A rede de monitorização de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA. Apartado COIMBRA /

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA. Apartado COIMBRA / ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA Apartado 3109 3001-401 COIMBRA / 239 821 884 e-mail: appbg@mail.pt www.appbg.rcts.pt PROPOSTA DE CORRECÇÃO DO EXAME NACIONAL DE GEOLOGIA (102)

Leia mais

RESERVAS ESTRATÉGICAS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO CENTRO (PROJECTO IMAGES)

RESERVAS ESTRATÉGICAS DE ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO CENTRO (PROJECTO IMAGES) Teresa CONDESSO de MELO (1, 4) ; Judite FERNANDES (2) ; Carla MIDÕES (2) ; Carlos COSTA ALMEIDA (2) ; Helena AMARAL (2) ; Ana Rita GOMES (3) ; Maria José MADRUGA (3) ; Manuel MARQUES da SILVA (4) ; João

Leia mais

A ÁGUA SUBTERRÂNEA faz parte

A ÁGUA SUBTERRÂNEA faz parte A ÁGUA SUBTERRÂNEA faz parte integrante do ciclo hidrológico. As águas subterrâneas são um recurso natural imprescindível para a vida e para a integridade dos ecossistemas, representando mais de 95% das

Leia mais

Mendonça, J. J. L., Almeida, C. e M. A. M. Silva (1999)

Mendonça, J. J. L., Almeida, C. e M. A. M. Silva (1999) Mendonça, J. J. L., Almeida, C. e M. A. M. Silva (1999) Produtividade de Captações e Características Hidrogeológicas dos Sistemas Aquíferos Descontínuos do Maciço Hespérico na Área da Bacia Hidrográfica

Leia mais

VI Hidrogeologia Condições Hidrogeomorfológicas e climatológicas

VI Hidrogeologia Condições Hidrogeomorfológicas e climatológicas VI Hidrogeologia Condições Hidrogeomorfológicas e climatológicas A maior parte da área da Folha 17A (Viseu) insere-se numa zona aplanada, integrante dos Planaltos Centrais (Plataforma do Mondego e do Planalto

Leia mais

Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos

Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos Riscos de Cheias e Secas: O papel regulador dos aquíferos Judite FERNANDES e Augusto COSTA INICIATIVA RISCOS 1ª SESSÃO RISCOS NATURAIS 20 de SETEMBRO de 2012 Água subterrânea: a componente invisível do

Leia mais

ORLA OCIDENTAL (O) Introdução

ORLA OCIDENTAL (O) Introdução ORLA OCIDENTAL (O) Introdução Os terrenos que constituem a Orla Ocidental depositaram-se numa bacia sedimentar, cuja abertura coincide com os primeiros estádios da abertura do Atlântico, a Bacia Lusitaniana.

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO ESTREMOZ-CANO

SISTEMA AQUÍFERO ESTREMOZ-CANO SISTEMA AQUÍFERO ESTREMOZ-CANO Carla Pinto Midões & Augusto Marques da Costa LNEG - Laboratório Nacional de Energia e Geologia. Unidade de Águas Subterrâneas. Estrada da Portela Zambujal. Apartado 7586.

Leia mais

O APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES NA SECA DE 2004/2005

O APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES NA SECA DE 2004/2005 O APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES NA SECA DE 2004/2005 Ana Rita Lopes Rui Rodrigues Marco Orlando DSRH 1 O APROVEITAMENTO SUSTENTÁVEL DOS

Leia mais

FLUXO SUBTERRÂNEO DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE GRAVATAÍ/RS.

FLUXO SUBTERRÂNEO DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE GRAVATAÍ/RS. FLUXO SUBTERRÂNEO DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI NA REGIÃO DE GRAVATAÍ/RS. Da Silva, R.C.¹; Coelho, O.G.W.¹ RAFAELA CHRIST DA SILVA OSMAR GUSTAVO WÖHL COELHO ¹ Unisinos Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Leia mais

Trabalho Realizado por: Tânia Batista nº3 Andreia Grou nº 12 Ana Carmona nº 5 Neuza Lampreia nº 17

Trabalho Realizado por: Tânia Batista nº3 Andreia Grou nº 12 Ana Carmona nº 5 Neuza Lampreia nº 17 Trabalho Realizado por: Tânia Batista nº3 Andreia Grou nº 12 Ana Carmona nº 5 Neuza Lampreia nº 17 Índice Introdução pág.1 Utilização da água e seus problemas.pág.2 Principais problemas na utilização da

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: SICÓ-ALVAIÁZERE (O11)

SISTEMA AQUÍFERO: SICÓ-ALVAIÁZERE (O11) SISTEMA AQUÍFERO: SICÓ-ALVAIÁZERE (O11) Figura O11.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sicó-Alvaiázere Sistema Aquífero: Sicó-Alvaiázere (O11) 266 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

ELEMENTOS-TRAÇO NO AQUÍFERO MACACU, RIO DE JANEIRO BRASIL

ELEMENTOS-TRAÇO NO AQUÍFERO MACACU, RIO DE JANEIRO BRASIL ELEMENTOS-TRAÇO NO AQUÍFERO MACACU, RIO DE JANEIRO BRASIL SILVA-FILHO, Emmanoel Vieira 1 ; GOMES, Olga Venimar de Oliveira 1 ; MARQUES, Eduardo Duarte 2 ; KUTTER, Vinícius Tavares 1 1 - Departamento de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ZONA ENVOLVENTE AO COMPLEXO QUÍMICO DE ESTARREJA. PERSPETIVAS FUTURAS

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ZONA ENVOLVENTE AO COMPLEXO QUÍMICO DE ESTARREJA. PERSPETIVAS FUTURAS EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ZONA ENVOLVENTE AO COMPLEXO QUÍMICO DE ESTARREJA. PERSPETIVAS FUTURAS T.E. LEITÃO Doutora em Hidrogeologia, LNEC, tleitao@lnec.pt J.P. LOBO FERREIRA Doutor

Leia mais

CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Definições Disciplina que tem como objectivo construir mapas recorrendo a diversas técnicas gráficas e semiológicas. Mapa Localizar Compreender e explicar

Leia mais

ANEXO III MODELO TIPO DE REQUERIMENTO DE DESCARGA

ANEXO III MODELO TIPO DE REQUERIMENTO DE DESCARGA ANEXO III MODELO TIPO DE REQUERIMENTO DE DESCARGA N.º Requerimento: 1. IDENTIFICAÇÃO DO UTENTE INDUSTRIAL 1.1. Designação: 1.2. Morada da Sede: 1.3. Telefone: 1.4. Telefax: 1.5. Página Electrónica: 1.6.

Leia mais

José Cláudio Viégas Campos 1 ; Paulo Roberto Callegaro Morais 1 & Jaime Estevão Scandolara 1

José Cláudio Viégas Campos 1 ; Paulo Roberto Callegaro Morais 1 & Jaime Estevão Scandolara 1 DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA ATRAVÉS DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E PH MUNICÍPIOS DE CAMPO NOVO E BURITIS, ESTADO DE RONDÔNIA, BRASIL. José Cláudio Viégas Campos 1 ; Paulo Roberto

Leia mais

João Alberto Oliveira Diniz Adson Brito Monteiro Fernando Antônio Carneiro Feitosa Marcos Alexandre de Freitas Frederico Cláudio Peixinho

João Alberto Oliveira Diniz Adson Brito Monteiro Fernando Antônio Carneiro Feitosa Marcos Alexandre de Freitas Frederico Cláudio Peixinho João Alberto Oliveira Diniz Adson Brito Monteiro Fernando Antônio Carneiro Feitosa Marcos Alexandre de Freitas Frederico Cláudio Peixinho Pesquisadores em Geociências Representação gráfica mostrando os

Leia mais

REFUERZO DE LAS CAPACIDADES Y COMPETENCIAS RELATIVAS A LA GESTIÓN DE LOS RECURSOS HÍDRICOS EN ISLAS

REFUERZO DE LAS CAPACIDADES Y COMPETENCIAS RELATIVAS A LA GESTIÓN DE LOS RECURSOS HÍDRICOS EN ISLAS REFUERZO DE LAS CAPACIDADES Y COMPETENCIAS RELATIVAS A LA GESTIÓN DE LOS RECURSOS HÍDRICOS EN ISLAS Jefe de Fila: Socios Canarias: Socios Cabo Verde: 1 Organização da apresentação Enquadramento - Motivos/oportunidades

Leia mais

ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO (ERHSA) - CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO (ERHSA) - CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA ESTUDO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DO ALENTEJO (ERHSA) - CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA António CHAMBEL (1) ; Jorge DUQUE (2) RESUMO O Projecto Estudo dos Recursos Hídricos Subterrâneos do

Leia mais

Consequências da alteração do regime das águas subterrâneas na zona envolvente das cortas sobre a vegetação, nomeadamente o sobral protegido

Consequências da alteração do regime das águas subterrâneas na zona envolvente das cortas sobre a vegetação, nomeadamente o sobral protegido Consequências da alteração do regime das águas subterrâneas causado pela Mina da Boa Fé 1/5 Consequências da alteração do regime das águas subterrâneas na zona envolvente das cortas sobre a vegetação,

Leia mais

ANEXO III MODELO TIPO DE REQUERIMENTO DE DESCARGA

ANEXO III MODELO TIPO DE REQUERIMENTO DE DESCARGA ANEXO III MODELO TIPO DE REQUERIMENTO DE DESCARGA N.º Requerimento: 1. IDENTIFICAÇÃO DO UTENTE INDUSTRIAL 1.1. Designação: 1.2. Morada da Sede: 1.3. Telefone: 1.4. Telefax: 1.5. Página Electrónica: 1.6.

Leia mais

Actividade Laboratorial

Actividade Laboratorial Escola Básica e Secundária do Cerco 11º Ano Biologia e Geologia Física e Química A Actividade Laboratorial Qual a influência do CO 2 nas águas naturais? Enquadramento programático em Biologia e Geologia

Leia mais

Sistema aquífero: Maciço Calcário Estremenho Uma abordagem para sua caracterização

Sistema aquífero: Maciço Calcário Estremenho Uma abordagem para sua caracterização UC HIDROGEOLOGIA - UMINHO Sistema aquífero: Maciço Calcário Estremenho Uma abordagem para sua caracterização Ismaylia Peyroteo, José Aires e Jorge Guedes 2014/2015 Sistema aquífero cársico complexo, influenciado

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DO AQÜÍFERO LIVRE NA REGIÃO NORDESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

QUALIDADE DA ÁGUA DO AQÜÍFERO LIVRE NA REGIÃO NORDESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL QUALIDADE DA ÁGUA DO AQÜÍFERO LIVRE NA REGIÃO NORDESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Pedro Antonio Roehe Reginato 1 ; Gisele Cemin 2 ; Denise Peresin 2 ; Maurício D'Agostini Silva 3 ; Cariston Pinotti

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA SECÇÃO DE HIDRÁULICA E DOS RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTAIS Origem nº 1 Aspecto - limp. c/sed. Cheiro terroso terroso Cor - 85 Turvação 50 60 Sólidos suspensos totais 80 85 Condutividade 4 5 Oxidabilidade 8,5 10,0 Sulfatos 5,,5 Ferro 10 12 Manganésio 0,2 0,1 Coliformes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL HIDROGEOLÓGICO NA ILHA DE ITAPARICA BAHIA

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL HIDROGEOLÓGICO NA ILHA DE ITAPARICA BAHIA XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS AVALIAÇÃO DO POTENCIAL HIDROGEOLÓGICO NA ILHA DE ITAPARICA BAHIA Autor 1 Antonio Ribeiro Mariano 1 ;Co-autor 1 - Renavan Andrade Sobrinho Resumo O presente

Leia mais

Exercícios de Geologia

Exercícios de Geologia Geologia 12º ano Colégio Júlio Dinis Exercícios de Geologia BOM TRABALHO I 1. As manchas cinzentas, na figura 1, representam áreas cobertas pelo gelo, na Península Ibérica, durante a última glaciação,

Leia mais

AFLORAMENTOS ROCHOSOS E ESTRUTURAS GEOLÓGICAS NO INTERIOR DO CONCELHO DE LOULÉ COMO RECURSOS EDUCATIVOS

AFLORAMENTOS ROCHOSOS E ESTRUTURAS GEOLÓGICAS NO INTERIOR DO CONCELHO DE LOULÉ COMO RECURSOS EDUCATIVOS SAÍDA DE CAMPO B AFLORAMETOS ROCHOSOS E ESTRUTURAS GEOLÓGICAS O ITERIOR DO COCELHO DE LOULÉ COMO RECURSOS EDUCATIVOS Francisco Lopes Agrupamento de Escolas de Silves Associação DPGA GeoWalks & Talks lopesfmv@gmail.com

Leia mais

2. A figura 2 representa, de modo esquemático, um fenómeno físico que pode ocorrer numa câmara magmática.

2. A figura 2 representa, de modo esquemático, um fenómeno físico que pode ocorrer numa câmara magmática. Disciplina de Biologia e Geologia (Ano ) º ANO Ficha de Avaliação Formativa Tema IV de Geologia (Correcção) Nome: Nº: Turma: Leia com atenção e responda sucintamente às questões que se seguem!. A diferenciação

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS - O EXEMPLO DO SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES

A EXPLORAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS - O EXEMPLO DO SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES A EXPLORAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS - O EXEMPLO DO SISTEMA AQUÍFERO QUERENÇA-SILVES EXPLOITABLE RESOURCES OF THE AQUIFERS: THE EXAMPLE OF THE PORTUGUESE QUERENÇA-SILVES AQUIFER J. Lopo Mendonça

Leia mais

Sónia AMARO 1 ; Luís RIBEIRO 2 ; Eduardo PARALTA 3 ; Francisco CARDOSO PINTO 4 1

Sónia AMARO 1 ; Luís RIBEIRO 2 ; Eduardo PARALTA 3 ; Francisco CARDOSO PINTO 4 1 APLICAÇÃO DE EFLUENTES DE SUINICULTURAS COMO FERTILIZANTES NA AGRICULTURA: IMPACTO NA QUALIDADE DOS MEIOS HÍDRICOS Um caso de estudo em Santiago do Cacém, Alentejo Sónia AMARO 1 ; Luís RIBEIRO 2 ; Eduardo

Leia mais

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 2015/04/23 Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei 306/07, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010 de 26 de Julho, serve o presente edital para

Leia mais

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA

RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESERVATÓRIO DE ÁGUA INDUSTRIAL DO CERRO DA MINA Gonçalo Tavares goncalo.tavares@cenor.pt SUMÁRIO CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

OBJECTIVOS. P2 Avaliaçã. ção o de Disponibilidades Hídricas H Riscos de Contaminaçã. ção. Propostas de Prevençã. ção o e Protecçã.

OBJECTIVOS. P2 Avaliaçã. ção o de Disponibilidades Hídricas H Riscos de Contaminaçã. ção. Propostas de Prevençã. ção o e Protecçã. P2 Avaliaçã ção o de Disponibilidades Hídricas H e Riscos de Contaminaçã ção. Propostas de Prevençã ção o e Protecçã ção OBJECTIVOS MODELO HIDROGEOLÓGICO GICO DA ILHA DA MADEIRA MODELO DE BALANÇO HÍDRICO

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS CORRESPONDENTES À ÁREA DA CARTA TOPOGRÁFICA N.º 509 DE FERREIRA DO ALENTEJO Francisco MIRA (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO Este trabalho

Leia mais

IX ESTADO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ORIGEM SUBTERRÂNEA NO CONCELHO DE ALCOCHETE COM UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG

IX ESTADO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ORIGEM SUBTERRÂNEA NO CONCELHO DE ALCOCHETE COM UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG IX-032 - ESTADO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE ORIGEM SUBTERRÂNEA NO CONCELHO DE ALCOCHETE COM UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS SIG Victor Cavaleiro (1) Prof. Catedrático, Investigador do GeoBioTec, Departamento de

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais