Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH"

Transcrição

1 Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH Estudos de casos de programas bem sucedidos COLECÇÃO MELHORES PRÁTICAS DA ONUSIDA

2 Preparado para ONUSIDA por Peter Aggleton, Kate Wood e Anne Malcolm Departamento de Investigação Thomas Coram, Instituto de Educação, Universidade de Londres, Reino Unido Richard Parker Departamento de Ciências Sociomédicas, Escola Mailman de Saúde Pública Universidade Columbia, Nova Iorque, Estados Unidos da América Fotografias da capa ONUSIDA/PANOS e ONUSIDA/L. Alyanak ONUSIDA/05.05P (versão portuguesa, Setembro de 2005) Versão original inglesa, Abril de 2005 HIV-Related Stigma, Discrimination and Human Rights Violations Case studies of successful programmes Tradução ONUSIDA Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA (ONUSIDA) 2005 Todos os direitos reservados. As publicações produzidas pela ONUSIDA podem ser pedidas ao Centro de Informações da ONUSIDA. Os pedidos para reprodução ou tradução das publicações da ONUSIDA seja para venda ou para distribuição não comercial - devem ser endereçados ao Centro de Informações no endereço mais abaixo ou enviados por fax: , ou As denominações utilizadas nesta publicação e a apresentação do material nela contido, não significam, por parte da ONUSIDA, nenhum julgamento sobre o estatuto jurídico de qualquer país, território, cidade ou zona, nem de suas autoridades, nem tampouco questões de demarcação de suas fronteiras. A menção de determinadas companhias ou do nome comercial de certos produtos não implica que a ONUSIDA os aprove ou recomende, dando-lhes preferência a outros análogos não mencionados. Com excepção de erros ou omissões, os nomes de especialidades farmacêuticas distinguem-se pela letra maiúscula inicial. A ONUSIDA não garante que as informações contidas nesta publicação são completas e correctas e não pode ser responsável por qualquer dano resultante da sua utilização. Dados do Catálogo de Publicações da Biblioteca da OMS ONUSIDA. Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH: Estudos de casos de programas bem sucedidos (colecção Melhores Práticas da ONUSIDA) 1. Infecções por VIH psicologia 2. Síndroma de imunodeficiência adquirida psicologia 3. Prejuízo 4. Alienação social 5. Direitos Humanos 6. Relatórios de casos I. Título II. Séries ISBN (Classificação NLM: WC 503.7) ONUSIDA 20 avenue Appia Genebra 27 - Suíça Tel: (+41) Fax: (+41) Internet:

3 COLECÇÃO MELHORES PRÁTICAS DA ONUSIDA Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH Estudos de casos de programas bem sucedidos

4 Índice Introdução 4 Compreender o que é o estigma e a discriminação: formas e contextos 7 Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos: uma relação íntima 11 Trabalhar para ter êxito 13 Estudos de casos 14 Abordagens de redução do estigma 17 Abordagem: melhorar a qualidade de vida das pessoas vivendo com o VIH graças a cuidados integrados 17 Programa Integrado de Luta contra a SIDA, Diocese Católica de Ndola, Zâmbia 17 Programa conjunto Ministério da Saúde/organização não-governamental de cuidados a domicílio para pessoas com o VIH/SIDA no Camboja 21 Abordagem: mobilizar chefes religiosos para promover respeito e compaixão pelas pessoas que vivem com o VIH e a SIDA, e participar em actividades de prevenção 23 Projecto Sangha Metta, Tailândia 23 Acção Católica de Luta contra a SIDA, Namíbia 27 Abordagem: fornecer tratamento global contra a SIDA com base na comunidade, incluindo acesso a terapia anti-retroviral 29 Iniciativa para Equidade perante o VIH, Haiti 29 Abordagem: habilitar as pessoas vivendo com o VIH a dirigir diversas actividade de apoio e sensibilização 33 Participação de pessoas vivendo com o VIH em actividades de prevenção do VIH, Bielorrússia 33 Abordagem: aconselhamento e apoio a famílias afectadas, incluindo crianças, graças a planeamento da sucessão 35 Planear a sucessão, Uganda 35 Abordagem: Procurar resolver grandes desigualdades graças a educação participativa 39 Centro para Estudo da SIDA (CSA) na Universidade de Pretória, África do Sul 39

5 Abordagem: Mobilizar líderes comunitários para encorajar maior franqueza dentro das comunidades sobre questões relacionadas com sexualidade e VIH, apoiando-se em normas sociais positivas 43 Programa de Saúde Integrado da Zâmbia (ZIHP), Zâmbia 43 Abordagem: Sensibilizar através dos media 47 Soul City, África do Sul 47 Medidas antidiscriminatórias 50 Abordagem: Mobilizar o sector privado para implementação de políticas não-discriminatórias de luta contra a SIDA e promoção de conhecimentos sobre a SIDA 50 Aliança Tailandesa de Empresas contra a SIDA (TBCA), Tailândia 50 Abordagem: melhorar a qualidade de vida dos empregados graças a acesso a cuidados integrados e implementação de políticas não-discriminatórias 53 Volkswagen (VW) Brasil 53 Abordagem: Melhorar os cuidados clínicos destinados a pacientes que vivem com o VIH graças a actividades participativas com gestores e prestadores de cuidados de saúde 55 Melhorar o ambiente hospitalar para pacientes seropositivos na Índia 55 Direitos humanos e abordagens jurídicas 59 Abordagem: Promover os direitos humanos das pessoas vivendo com o VIH e fornecer reparação por violações desses direitos 59 Acción Ciudadana Contra el SIDA (ACCSI): Acção de Cidadões contra a SIDA, Venezuela 59 Departamento Legal para Casos de SIDA, Centro de Assistência Jurídica, Namíbia 63 Departamento de Luta contra o VIH/SIDA, Colectivo de Advogados, Índia 65 Abordagem: Preconizar acesso crescente a tratamento contra o VIH 67 Campanha de Acção para Tratamento (TAC), África do Sul 67 Discussão 70 Conclusões 77

6 ONUSIDA Introdução Desde o início da epidemia de SIDA, o estigma e a discriminação fomentaram a transmissão do VIH e aumentaram enormemente o impacto negativo associado à epidemia. Em todos os países e regiões do mundo, o estigma e a discriminação associados ao VIH continuam a manifestar-se, criando barreiras importantes à prevenção de novas infecções, à atenuação do impacto e ao fornecimento de cuidados adequados, apoio e tratamento. O estigma associado à SIDA tem impedido discussões francas tanto sobre as suas causas como sobre as respostas apropriadas. Clareza e franqueza sobre a SIDA são requisitos prévios à mobilização bem sucedida de governos, comunidades e indivíduos para responder à epidemia. A dissimulação não deixa ver que o problema existe e atrasa acção urgente. Faz com que as pessoas que vivem com o VIH sejam consideradas como um problema em vez de uma solução para conter e gerir a epidemia. A estigmatização associada à SIDA apoia-se em muitos factores incluindo falta de conhecimentos sobre a doença, ideias erradas sobre a transmissão do VIH, falta de acesso a tratamento, informações irresponsáveis sobre a epidemia por parte dos media, ausência de cura para a SIDA, e preconceitos e receios relacionados com um certo número de questões socialmente sensíveis incluindo sexualidade, morbilidade e mortalidade, e uso de drogas. O estigma pode levar a discriminação e outras violações dos direitos humanos que afectam de maneira fundamental o bem-estar de pessoas vivendo com o VIH. Em países em todo o mundo existem casos bem documentados de pessoas vivendo com o VIH a quem foi recusado o direito a, entre outros, cuidados de saúde, trabalho, educação e liberdade de movimentos. A Declaração de Empenho, aprovada pela Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA em Junho de 2001, realça o consenso mundial sobre a importância de enfrentar o estigma e a discriminação relacionados com a SIDA. A Declaração especifica que confrontar o estigma e a discriminação é um requisito prévio para prevenção e cuidados eficazes, e reafirma que a discriminação com base na serologia VIH de uma pessoa é uma violação dos direitos humanos. A discriminação relacionada com o VIH é uma violação dos direitos humanos, mas é também necessário procurar resolver tal discriminação e estigma para atingir os objectivos de saúde pública e vencer a epidemia. As respostas ao VIH e à SIDA podem seguir-se numa continuidade de prevenção, cuidados e tratamento, e os efeitos negativos do estigma e da discriminação podem ser observados em cada um destes aspectos da resposta. O ideal seria que as pessoas pudessem procurar e receber aconselhamento e detecção voluntários e confidenciais para determinar a sua serologia VIH sem medo de repercussões. Aquelas cujos testes são negativos deveriam receber aconselhamento sobre prevenção para puderem ser capazes de se manter seronegativas. As que são seropositivas deveriam receber cuidados e o tratamento disponível, e aconselhamento sobre prevenção para proteger outras da infecção e se protegerem de nova infecção. As pessoas vivendo com o VIH e a SIDA devem poder viver sem se esconder e receber simpatia e apoio no seio das suas comunidades. O seu exemplo franco personaliza o risco e experiência para outras, ajudando assim os esforços de prevenção, cuidados e tratamento. 1 Ver 4

7 Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH Estudos de casos de programas bem sucedidos Ilustração 1: A continuidade prevenção-cuidados-tratamento (Baseada em MacNeil e Anderson 1998, Busza 1999) 2 Prevenção Identificação da serologia Continuidade prevenção-cuidados Redução do dano Cuidados e apoio Um ambiente social de estigmatização põe entraves em todas as fases deste ciclo devido a ser, por definição, não favorável. O estigma e a discriminação relacionados com o VIH enfraquecem os esforços de prevenção pois, para não levantar suspeitas sobre a sua serologia VIH, as pessoas têm receio de saber se estão ou não infectadas, de procurar informações sobre a maneira de reduzir o risco de exposição ao VIH, e de alterar o seu comportamento para um mais seguro. Assim, o estigma e a discriminação enfraquecem a capacidade dos indivíduos e das comunidades a se proteger. O medo do estigma e da discriminação também faz com que as pessoas que vivem com o VIH não tenham coragem de revelar a sua infecção, mesmo a membros da família e parceiros sexuais. O segredo que rodeia a infecção por VIH e que resulta de estigma e discriminação leva as pessoas a imaginar não correrem perigo de infecção por VIH. O estigma e a discriminação associados ao VIH e à SIDA também significam que as pessoas que vivem com o VIH e a SIDA têm muito menos probabilidades de receber cuidados e apoio. Mesmo as pessoas não infectadas mas que estão ligadas a outras infectadas, como esposas, filhos e prestadores de cuidados, sofrem estigma e discriminação. E tal estigma e discriminação aumentam desnecessariamente o sofrimento pessoal associado à doença. A vergonha associada à SIDA uma manifestação de estigma que tem sido descrita por certos autores como estigma interiorizado também pode impedir as pessoas que vivem com o VIH de procurar tratamento, cuidados e apoio e de exercer outros direitos tais como trabalhar, frequentar a escola, etc. Esta vergonha pode ter uma grande influência psicológica sobre a maneira como as pessoas seropositivas se consideram e se adaptam ao seu estado, tornando-as vulneráveis a culpa, depressão e isolamento auto-imposto. 2 McNeil J. and Anderson S. (1998) Beyond the dichotomy : linking HIV prevention and care. AIDS 12 (supplement 2)S19-S26; Busza J. (1990) Challenging HIV-related stigma and discrimination in Southeast Asia: past successes and future priorities. Population Council: Horizons Project. org/horizons/reports/book_report/default.html 5

8 ONUSIDA Isto pode ser exacerbado no caso de indivíduos de certos grupos já isolados e estigmatizados, tal como consumidores de drogas injectáveis, homens tendo relações sexuais com homens, e profissionais do sexo, ou migrantes. Em contextos dispondo de cuidados médicos, o estigma pode dificultar a adesão a esquemas terapêuticos. A dissimulação e a dificuldade em procurar tratamento, cuidados e apoio alimentam o estigma e a discriminação, reforçando o ciclo. E isto porque os estereótipos e os receios são perpetuados quando muitas vezes as comunidades só reconhecem as pessoas vivendo com o VIH quando estas estão nas fases finais debilitantes e indicativas da SIDA, e o desmentido e o silêncio reforçam a discriminação de tais indivíduos já vulneráveis. No âmbito das famílias, o facto de manter o segredo sobre a infecção por VIH leva muitas vezes a uma falta de planeamento para o futuro, deixando órfãos e outros dependentes privados economicamente uma vez falecida a pessoa que era o ganha-pão, e muitas vezes marginalizados quando fica conhecida a sua relação com a SIDA. Ilustração 2: Impactos do estigma e da discriminação relacionados com a SIDA sobre a continuidade prevenção-cuidados-tratamento (adaptado de Busza 1999) 3 Pouca percepção do risco individual devido ao facto de só serem considerados como vulneráveis os grupos estigmatizados Relutância em conhecer a sua serologia devido ao receio de repercussões negativas Aumento da vulnerabilidade de outras pessoas Prevenção Tratamento Continuidade prevenção-cuidados Identificação da serologia Cuidados e apoio Aconselhamento e apoio inadequados ou impróprios Recusa de cuidados de saúde apropriados para quem vive com o VIH Não procura de cuidados devido ao receio de reconhecimento público da serologia A estigmatização de comportamentos associados (consumo de drogas, comércio do sexo) limita a eficácia de intervenções de redução do dano Falta de planeamento para o futuro 3 Diagrama adaptado de: Busza J. (1999) Challenging HIV-related stigma and discrimination in Southeast Asia: past successes and future priorities. Population Council: Horizons Project. org/horizons/reports/book_report/default.html 6

9 Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH Estudos de casos de programas bem sucedidos Compreender o que é o estigma e a discriminação: formas e contextos Para poder identificar soluções possíveis ao estigma e à discriminação relacionados com o VIH, é necessário compreender o que estes conceitos querem dizer, descrever como se manifestam e analisar as relações entre eles 4. O que é o estigma? O estigma tem sido descrito como um processo dinâmico de desvalorização que desacredita fortemente um indivíduo perante os outros. 5 As características ligadas ao estigma podem ser muito arbitrárias, por exemplo, cor da pele, maneira de falar, ou preferência sexual. Em determinadas culturas ou contextos, certos atributos são considerados e definidos como vergonhosos ou indignos. O estigma relacionado com o VIH tem múltiplas facetas, com tendência para se apoiar em conotações negativas, reforçando-as, através da associação do VIH e SIDA com comportamentos já marginalizados tais como comércio do sexo, consumo de drogas e hábitos homossexuais e transexuais. Também reforça o receio de estranhos e de grupos já de si vulneráveis como prisioneiros e migrantes. Acredita-se muitas vezes que os indivíduos que vivem com o VIH merecem a sua seropositividade devido a terem feito algo errado. Deitando as culpas a certos indivíduos e grupos que são diferentes, outros se dispensam de reconhecer o seu próprio risco, enfrentar o problema e cuidar das pessoas afectadas. As imagens publicadas e transmitidas pelos media de pessoas seropositivas podem reforçar a culpabilidade utilizando uma linguagem sugerindo que o VIH é uma doença de mulher, uma doença de drogado, uma doença africana ou uma praga homossexual. As ideias religiosas de pecado também podem ajudar a manter e reforçar a percepção de que a infecção por VIH é um castigo por comportamento pervertido. O estigma exprime-se através da linguagem e, desde o início da epidemia, as metáforas fortes associando o VIH a morte, culpa e castigo, crime, horror e os outros exacerbaram e legitimaram a estigmatização. Este tipo de linguagem resulta, e contribui para outro aspecto sustentando a culpa e a exclusão: o receio da doença potencialmente mortal. O estigma baseado no medo pode ser atribuído ao receio pelas consequências da infecção por VIH em particular, as altas taxas de mortalidade (especialmente onde o tratamento não é largamente disponível), medo relacionado com a transmissão ou medo resultante da observação da debilitação visível no estado avançado da SIDA. O estigma está profundamente enraizado, agindo dentro dos valores da vida de todos os dias. Embora as imagens associadas à SIDA variem, são modeladas de maneira a assegurar que o estigma com ela relacionado favorece e reforça as desigualdades sociais 6. Tais desigualdades incluem especialmente as que estão ligadas ao sexo, raça e etnia, e sexualidade. Assim, por exemplo, o homem e a mulher não são muitas vezes tratados da mesma maneira quando infectados, ou se 4 Parker R. Aggleton P. (2002) HIV/AIDS-related stigma and discrimination: a conceptual framework and an agenda for action. Population Council: Horizons Project Disponível em: pdfs/horizons/sdcncptlfrmwrk.pdf Ver também: Maluwa M., Aggleton P., and Parker R. (2002) HIV/AIDS stigma, discrimination and human rights a critical overview. Health and Human Rights, 6, 1: Goffman E. (1963) Stigma: notes on the management of a spoiled identity. New York: Simon and Schuster 6 Para uma elaboração teórica das ligações entre estigma e a reprodução de diferenças sociais, ver Parker R. and Aggleton P. (2003) HIV and AIDS-related stigma and discrimination: a conceptual framework and implications for action. Social Science and Medicine, 57,

10 ONUSIDA pensa estarem infectados pelo VIH: é mais provável que seja culpabilizada a mulher mesmo quando é o marido que está na origem da sua infecção, e as mulheres infectadas têm menos probabilidades de ser aceites nas suas comunidades. Este processo está ligado a desigualdades de longa data entre os sexos, apoiadas por ideias sobre masculinidade e feminidade que, historicamente, tiveram como resultado tornar as mulheres responsáveis da transmissão de infecções sexualmente transmissíveis de todos os tipos, e imputar- -lhes a culpa devido a promiscuidade suposta. Da mesma maneira, a culpabilização de homossexuais e de transexuais apoia-se numa estigmatização de longa data relacionada com suposições sobre os seus estilos de vida e práticas sexuais. Os estereótipos raciais e étnicos também reforçam o estigma relacionado com a SIDA 7. Por exemplo, a epidemia foi caracterizada por suposições racistas sobre sexualidade africana e por ideias no mundo em desenvolvimento de comportamento imoral do ocidente. Finalmente, a vulnerabilidade ao VIH das comunidades vivendo na pobreza reforçou a estigmatização existente de tais pessoas economicamente marginalizadas. Através destas associações, o estigma está ligado a poder e influência na sociedade como um todo, criando e reforçando desigualdades pelo que certos grupos se sentem superiores e outros desvalorizados. A associação do VIH com grupos e práticas já estigmatizados intensifica estas desigualdades pré-existentes, reforçando a produção e reprodução de relações de poder não equitativas. O estigma já existente exacerba o estigma relacionado com o VIH, não unicamente pelo facto dos grupos já estigmatizados serem mais estigmatizados pela associação com o VIH, mas também por que se pode partir do princípio que os indivíduos que vivem com o VIH pertencem a grupos marginalizados. Ilustração 3: Círculo de estigmatização e marginalização 8 Profissionais do sexo, consumidores de drogas injectáveis e outros grupos marginalizados são considerados responsáveis por são vistos como VIH/SIDA Pessoas vivendo com o VIH e a SIDA Assim, a estigmatização relacionada com o VIH é um processo pelo qual as pessoas que vivem com o VIH são desacreditadas. Pode afectar as pessoas infectadas ou suspeitas de estarem infectadas pelo VIH, assim como as afectadas pela SIDA por associação, tais como órfãos ou filhos e família de pessoas que vivem com o VIH. 7 Para um estudo das relações entre racismo, estigma e discriminação ver menu2/7/b/hivbpracism.doc 8 Adaptado de Parker R. e Aggleton P. (2002) HIV/AIDS-related stigma and discrimination: a conceptual framework and an agenda for action. Population Council Horizons Project. 8

11 Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH Estudos de casos de programas bem sucedidos A estigmatização também pode ocorrer a outro nível. As pessoas vivendo com o VIH podem interiorizar as respostas negativas e as reacções das outras, processo que pode resultar naquilo que certas pessoas chamaram auto-estigmatização ou estigmatização introvertida. A auto-estigmatização está ligada com o que certos autores descreveram como estigma sentido, em oposição a estigma estabelecido, dado que afecta essencialmente o sentimento de orgulho e dignidade do indivíduo ou da comunidade afectada. Para pessoas vivendo com o VIH isto pode manifestar-se em sentimentos de vergonha, mea culpa, e inutilidade, que combinados com sentimentos de isolamento da sociedade podem levar a depressão, imposição a si próprio de afastamento e mesmo sentimentos suicidários. O que é a discriminação? A discriminação é a aplicação do estigma. A discriminação consiste em acções ou omissões que derivam de estigma e que são dirigidas contra os indivíduos que são estigmatizados. A discriminação, segundo o que foi definido pelo ONUSIDA (2000) no Protocolo para Identificação de Discriminação contra Pessoas Vivendo com o VIH, refere-se a qualquer forma de distinção arbitrária, exclusão ou restrições afectando uma pessoa, devido, normalmente mas não só, a uma característica pessoal inerente ou perceptível relacionada com um dado grupo no caso do VIH e da SIDA, a seropositividade confirmada ou suspeita de uma pessoa sejam tais medidas justificadas ou não. A discriminação relacionada com a SIDA pode ocorrer a vários níveis 9, como por exemplo em contextos familiares e comunitários, o que foi descrito por certos autores como estigma instituído. Isto é o que certas pessoas fazem, deliberadamente ou por omissão, para prejudicar outras e recusar-lhes serviços ou direitos. Os exemplos deste tipo de discriminação contra pessoas vivendo com o VIH incluem: ostracismo, como forçar mulheres a voltar para as suas famílias quando são diagnosticadas seropositivas após os primeiros sinais da doença ou depois dos seus parceiros terem morrido com a SIDA; esquivar e evitar os contactos diários; molestar verbalmente; violência física; descrédito e culpabilização verbais; maledicência; e recusa de ritos funerários tradicionais. Há também a discriminação que ocorre em contextos convencionais em particular, em locais de trabalho, serviços de cuidados de saúde, prisões, instituições educativas e serviços de previdência social. Tal discriminação cristaliza estigma decretado em políticas e práticas convencionais que discriminam as pessoas vivendo com o VIH, ou na falta de políticas antidiscriminatórias ou de medidas de reparação. Exemplos deste tipo de discriminação contra pessoas vivendo com o VIH incluem: Serviços de cuidados de saúde: cuidados de qualidade inferior, recusa de acesso a cuidados e tratamento, detecção do VIH sem consentimento prévio, quebra de sigilo incluindo comunicação da seropositividade de alguém a familiares e agências externas, atitudes negativas e práticas degradantes de trabalhadores de saúde. Local de trabalho: recusa de emprego com base na seropositividade, detecção do VIH obrigatória, exclusão das pessoas seropositivas dos sistemas de pensão ou de assistência médica. Escolas: recusa de admissão a crianças afectadas pelo VIH, ou despedimento de professores. 9 Para mais detalhes ver; UNAIDS (2000) HIV- and AIDS-related stigmatization, discrimination and denial: forms, contexts and determinats. Research studies from Uganda and India. UNAIDS, Geneva. Ver também Malcom A. et al. (1998) HIV-related stigmatisation and discrimination: its forms and contexts. Citical Public Health, 8(4): Ver também Aggleton P, Parker R. e Maluwa M. (2002) Stigma discrimination and HIV/AIDS in Latin America and the Caribbean. Disponível em: publication/publication_3362_e.htm. 9

12 ONUSIDA Prisões: segregação forçada de indivíduos seropositivos, exclusão de actividades colectivas. A nível nacional, a discriminação pode reflectir estigma que foi oficialmente autorizado ou reconhecido como legítimo por meio de leis e políticas existentes, e aplicado em práticas e acções. Isto pode ter como resultado maior estigmatização das pessoas que vivem com o VIH e, por sua vez, legitimar a discriminação. Por exemplo, um número importante de países decretaram leis com o objectivo de restringir os direitos de indivíduos e grupos afectados pelo VIH. Tais acções incluem: Rastreio e teste obrigatórios de grupos e indivíduos; exclusão de pessoas vivendo com o VIH de certas ocupações e tipos de emprego; isolamento, detenção e exame médico obrigatório, tratamento de pessoas infectadas; e restrições em viagens internacionais e migrações incluindo detecção obrigatória do VIH para quem pede autorização de trabalho, e deportação de estrangeiros seropositivos. Também ocorre discriminação devido a omissão, como quando leis, políticas e acções oferecendo reparação e garantindo os direitos das pessoas vivendo com o VIH são inexistentes ou não são aplicadas. 10

13 Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos em relação ao VIH Estudos de casos de programas bem sucedidos Estigma, discriminação e violação dos direitos humanos: uma relação íntima O estigma e a discriminação estão correlacionados, reforçando-se e legitimando-se mutuamente. O estigma está na raiz de acções discriminatórias, levando as pessoas a participar em acções ou omissões que causam dano ou recusam serviços ou direitos a outras. Pode dizer-se que a discriminação é a promulgação do estigma. Por sua vez, a discriminação encoraja e reforça o estigma. A discriminação é uma violação dos direitos humanos. O princípio de não-discriminação, baseado no reconhecimento da igualdade de todas as pessoas, está no centro da Declaração Universal dos Direitos Humanos e outros documentos sobre direitos humanos. Entre outras coisas, estes textos proíbem a discriminação baseada em raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, riqueza, nascimento ou outras condições. Mais ainda, a Comissão das Nações Unidas sobre os Direitos Humanos decidiu que os termos ou outras condições utilizados em vários documentos sobre direitos humanos devem ser interpretados de maneira a englobar condições de saúde, incluindo o VIH/SIDA, e que a discriminação baseada numa seropositividade real ou suposta é proibida segundo os padrões de direitos humanos existentes. Assim, as acções estigmatizantes e discriminatórias violam o direito humano fundamental a não-discriminação. Além de ser em si mesmo uma violação dos direitos humanos, a discriminação dirigida contra pessoas vivendo com o VIH ou que se acredita estarem infectadas pelo VIH, leva a violação de outros direitos humanos tais como direito a saúde, dignidade, segredo, igualdade perante a lei, e ausência de tratamento ou punição desumanos e degradantes. Um ambiente social que promova violações de direitos humanos pode, por sua vez, legitimar o estigma e a discriminação. Ilustração 4: O ciclo de estigma, discriminação e violações de direitos humanos 10 Estigma Que legitima Que causa Violação de direitos humanos Que leva a Discriminação 10 Diagrama elaborado por Miriam Maluwa e Peter Aggleton 11

14 ONUSIDA As relações directas e indirectas entre a epidemia de VIH e a falta de protecção dos direitos humanos são muitas. As violações dos direitos podem reforçar o impacto do VIH, aumentar a vulnerabilidade e impedir respostas positivas à epidemia 11. Impacto. A violação de direitos humanos encastrada em discriminação aumenta o impacto da epidemia sobre as pessoas vivendo com o VIH e as supostas infectadas, assim como sobre as suas famílias e os seus companheiros. Por exemplo, uma pessoa que é despedida do trabalho devido ao facto de ser seropositiva, tem de enfrentar, além da doença, muitos outros problemas incluindo falta de recursos económicos para cuidados de saúde, assim como para sustentar qualquer familiar dependente; Vulnerabilidade. As pessoas são mais vulneráveis a infecção quando os seus direitos civis, políticos, económicos, sociais ou culturais não são respeitados. Por exemplo, a vulnerabilidade das mulheres à infecção por VIH aumenta onde estas não têm meios legais para fazer escolhas e recusar relações sexuais não desejadas; ou onde as crianças não podem compreender os seus direitos a educação e informação. Mais ainda, a falta de acesso a serviços apropriados de prevenção do VIH e de cuidados no caso de SIDA faz aumentar a vulnerabilidade de outros grupos marginalizados tais como consumidores de drogas injectáveis, refugiados, migrantes e prisioneiros. Resposta. Onde os direitos humanos não são respeitados, por exemplo, quando a liberdade de expressão ou de associação é abolida, é difícil ou impossível para a sociedade civil se mobilizar de maneira a responder eficazmente à epidemia. Em certos países, a educação por colegas é prejudicada por leis que recusam o registo oficial de organizações não- -governamentais ou grupos com certos membros (por exemplo, profissionais do sexo). Uma maneira importante de combater o estigma e a discriminação relacionados com a SIDA é assegurar a protecção, respeitar e cumprir os direitos humanos. Utilizando os mecanismos existentes sobre direitos humanos é possível resolver o estigma e a discriminação relacionados com a SIDA e as consequentes violações desses direitos. Esta estrutura existente fornece uma base para assumir responsabilidades e abre o caminho para o reconhecimento e aplicação dos direitos das pessoas vivendo com o VIH que sofrem discriminação com base na sua seropositividade real ou suposta, de maneira a combater tais acções através de mecanismos administrativos, institucionais e de controlo para aplicar os direitos humanos, e graças a estes recorrer para enfrentar e corrigir acções discriminatórias. Os princípios internacionais de direitos humanos fornecem uma estrutura coerente e normativa para analisar e corrigir a discriminação relacionada com a SIDA. Os estados são responsáveis e devem dar contas, não só pelas violações directas ou indirectas de direitos, mas também pela garantia de que os indivíduos podem exercer os seus direitos o mais completamente possível. As Directivas Internacionais sobre o VIH/SIDA e os Direitos Humanos 12, publicadas em 1998 pelo ONUSIDA e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, esclarecem as obrigações dos estados incluídas em mecanismos existentes sobre direitos humanos 13 e a sua aplicação no contexto da SIDA. 11 UNAIDS/IPU (1999) Handbook for legislators on HIV/AIDS, law and human rights: action to combat HIV/AIDS in view of its devastating human, economic and social impact. Geneva, Switzerland Estes incluem: a Declaração Universal dos Direitos Humanos; a Convenção contra a Tortura e Tratamento Desumano e Degradante; a Convenção Internacional sobre Direitos Civis e Políticos; a Convenção Internacional sobre Direitos Económicos, Sociais e Culturais; a Convenção Internacional sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher; e a Convenção sobre os Direitos da Criança. 12

Comunicação para alterações sociais

Comunicação para alterações sociais + Orientação Técnica Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Comunicação para alterações sociais A comunicação é um elemento essencial dos esforços de prevenção, tratamento e cuidados

Leia mais

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África

Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Plano de Acção para o combate ao Estigma e HIV/SIDA* em África Consulta Regional sobre o Estigma e HIV/SIDA em África 4-6 de Junho de 2001, Dar-es-Salaam Teve lugar em Dar-es-Salaam, Tanzânia, de 4-6 de

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Orientação Técnica para a Série 8 Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Historial:

Leia mais

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo

Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Orientação para requerentes à Série 8 da Solicitação de Propostas ao Fundo Mundial de Luta contra a SIDA, a Tuberculose e o Paludismo Minorias sexuais Historial: O conselho do Fundo Mundial de Luta contra

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave

Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Diretrizes Consolidadas sobre Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Cuidados em HIV para as Populações-Chave Gabriela Calazans FCMSCSP, FMUSP II Seminário Nacional sobre Vacinas e novas Tecnologias de Prevenção

Leia mais

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção

Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8. Prevenção Orientação Técnica para Propostas do Fundo Mundial para a Série 8 Prevenção BCC (Comunicação para Alteração de Comportamento) cobertura comunitária e escolas Fundamentação lógica para incluir as SDA (Área

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Consumo de drogas e HIV/SIDA

Consumo de drogas e HIV/SIDA ONUSIDA COLECÇÃO BOAS PRÁTICAS Consumo de drogas e HIV/SIDA Declaração da ONUSIDA apresentada na Sessão Especial da Assembleia Geral das Nações Unidas sobre Drogas Programa Conjunto das Nações Unidas sobre

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA

TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA TERMOS DE REFERÊNCIA REALIZAÇÃO DE UMA FORMAÇÃO SOBRE DIREITOS HUMANOS E GÉNERO NO KUITO, PROVINCIA DO BIÉ, ANGOLA Convénio 10-CO1-005: Fortalecimento dos serviços públicos de saúde nas zonas de intervenção

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

O que fazemos em Moçambique

O que fazemos em Moçambique 2008/09 O que fazemos em Moçambique Estamos a ajudar 79.850 crianças afectadas pelas inundações Estamos a proporcionar kits para a escola a 1.000 órfãos e crianças vulneráveis Registámos 1.745 crianças

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Direcção-Geral da Acção Social

Direcção-Geral da Acção Social Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Maria Joaquina Ruas Madeira A Dimensão Social da SIDA: A Família e a Comunidade (Comunicação apresentada nas 1as Jornadas Regionais

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro)

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) Código Deontológico (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) SECÇÃO II Do código deontológico do enfermeiro Artigo 78.º Princípios gerais 1 - As intervenções

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor:

PRINCÍPIOS ESSILOR. Os nossos princípios têm origem em características que definem a Essilor: PRINCÍPIOS ESSILOR Cada um de nós, na nossa vida profissional, participa na responsabilidade e na reputação da Essilor. Por isso devemos conhecer e respeitar princípios que se aplicam a todos. O que significa

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010

O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 O COMPROMISSO DE BRAZZAVILLE NO AVANÇO EM DIRECÇÃO AO ACESSO UNIVERSAL AO TRATAMENTO, CUIDADOS, APOIO E PREVENÇÃO DO VIH E SIDA EM ÁFRICA ATÉ 2010 Brazzaville, República do Congo 8 de Março de 2006 1.

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

Por que esses números são inaceitáveis?

Por que esses números são inaceitáveis? MANIFESTO DAS ONGS AIDS DE SÃO PAULO - 19/11/2014 AIDS: MAIS DE 12.000 MORTOS POR ANO NO BRASIL! É DESUMANO, É INADMISSÍVEL, É INACEITÁVEL. PRESIDENTE DILMA, NÃO DEIXE O PROGRAMA DE AIDS MORRER! Atualmente,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

Texto da Recomendação sobre HIV/Aids e o Mundo do Trabalho

Texto da Recomendação sobre HIV/Aids e o Mundo do Trabalho Texto da Recomendação sobre HIV/Aids e o Mundo do Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração da Organização Internacional

Leia mais

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS VIH/SIDA Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde. Com

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Recrutamento ético de enfermeiros

Recrutamento ético de enfermeiros Recrutamento ético de enfermeiros Posição do CIE: Tomada de posição O CIE e as suas associações membro acreditam firmemente que a qualidade dos cuidados de saúde depende directamente de um fornecimento

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Princípios de Empoderamento das Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade Significa Negócios Princípios de Empoderamento das Mulheres 1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de Gênero, no mais alto nível. 2.

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS)

VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) VERSÃO RESUMIDA (PILARES E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS) 1 Plano Estratégico do CCM 2013 a 2017 Versão Resumida 1. ANÁLISE DO CONTEXTO 1. 1. Justiça Económica e Social A abundância dos recursos naturais constitui

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO)

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) DR 22.04 Versão 2 MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO

Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Código Internacional de Ética CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA ORIENTA CONDUTA DE MÉDICOS DO TRABALHO Após discussões que duraram mais de cinco anos, foi aprovado no âmbito da Comissão Internacional de Saúde

Leia mais

Uma resposta conjunta ao VIH/SIDA ONUSIDA. ONU/E. Debebe. Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA

Uma resposta conjunta ao VIH/SIDA ONUSIDA. ONU/E. Debebe. Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA Uma resposta conjunta ao VIH/SIDA ONUSIDA ONU/E. Debebe Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o VIH/SIDA NUSID VIH/SIDA: Uma ameaça mundial sem igual Desde que a SIDA foi descrita pela primeira vez

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os

A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os A presente é uma tradução de um documento em língua inglesa, exclusivamente para sua comodidade. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 4: Fortalecendo a educação e o envolvimento da sociedade civil com relação ao vírus HIV, malária

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi

Leia mais

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015

Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Conselho da Europa Plano de Acção para a Deficiência 2006-2015 Versão Linguagem Fácil Página 1 de 60 Plano de Acção

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões 1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Normas nacionais sobre a não discriminação: a Constituição

Leia mais