PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL"

Transcrição

1 PANORAMA BAIANO DAS ENTIDADES ATUANTES NO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NO MEIO RURAL Maria Valéria G. de Q. Ferreira Renavan Andrade Sobrinho Anésio Miranda Fernandes Neli Bonfim Cerqueira Jefferson Cerqueira Viana

2 Contextualização Convênio nº /2012 com Ministério da Integração para: Implantação de Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água (SSAA) no Estado da Bahia no valor de R$ 169 milhões; Apresentação do modelo de gestão para sistemas rurais de abastecimento de água a serem implantados no Estado da Bahia.

3 Legislação Lei nº /2007 Política Nacional de Saneamento Básico Entre seus princípios e diretrizes nacionais destacam-se: Art. 2, Cap. I - universalização do acesso Art. 8 - Os titulares dos serviços públicos de saneamento básico poderão delegar a organização, a regulação, a fiscalização e a prestação desses serviços, nos termos do art. 241 da Constituição Federal e da Lei n , de 6 de abril de 2005.

4 Lei nº /2007 Art. 10 Parágrafo 1º - Inciso I, a Lei determina que: Para localidades de pequeno porte e população predominantemente de baixa renda, onde os custos de operação e manutenção sejam incompatíveis com a capacidade de pagamento dos usuários, os serviços públicos de saneamento básico poderão ser prestados por cooperativas ou associações por meio de autorização, sem a necessidade de celebração de contrato. Objetivos da Política Federal de Saneamento Básico Art Inciso IV proporcionar condições adequadas de salubridade ambiental às populações rurais e de pequenos núcleos urbanos isolados.

5 Lei Estadual nº /2008 Institui princípios e diretrizes da Política Estadual de Saneamento Básico. Art. 8º - Entre os princípios destacam-se: Inciso I universalização do acesso aos serviços públicos de saneamento básico. Inciso III controle social. Art. 9º - O Estado cooperará com os municípios na gestão dos serviços públicos de saneamento básico mediante: Inciso IV execução de obras e de ações, inclusive de assistência técnica, que viabilizem o acesso à água potável e a outros serviços de saneamento básico, em áreas urbanas e rurais, inclusive vilas e povoados.

6 Lei Estadual nº /2008 Ainda será regulamentada via decreto. Portanto, o momento está sendo propício para uma melhor definição dos papéis institucionais relativos ao saneamento rural no Estado da Bahia.

7 Objetivo Apresentar resultado do panorama das experiências em gestão de sistemas de abastecimento de água na zona rural de alguns municípios do Estado da Bahia, disponibilizando informações relevantes que permitam avaliar o atual panorama de prestadores e serviços prestados na operação e manutenção de sistemas de abastecimento de água, auxiliando a tomada de decisão para futura formatação do modelo de gestão dos sistemas rurais no Estado da Bahia.

8 Metodologia Criação do Grupo de Trabalho de Sustentabilidade de Sistemas Rurais GT Sustentabilidade SAA Rural em janeiro de 2012, por meio da Portaria Conjunta SEMA / SEDUR / SEDIR / CERB / EMBASA / CAR, Nº 001 de 06 de janeiro de 2012.

9 Metodologia GT Sustentabilidade SAA Rural Instituições Participantes: Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SEDUR) Secretaria de Desenvolvimento e da Integração Regional (SEDIR) Empresa Baiana de Água e Saneamento S.A. (EMBASA) Companhia de Engenharia Ambiental e Recursos Hídricos da Bahia (CERB) Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR)

10 Metodologia GT Sustentabilidade SAA Rural Instituições Convidadas: Casa Civil Associação Nacional dos Serviços Municipais de Água e Esgoto (ASSEMAE) Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI)

11 Metodologia GT Sustentabilidade SAA Rural 1ª etapa do GT: Panorama das Entidades Levantamento primário de informações disponíveis na SEDUR, CERB, EMBASA, CAR e ASSEMAE. Levantamento secundário de informações com Prefeituras, Empresas Municipais, CENTRAIS e SAAE. Aplicação de questionário. Análises dos dados coletados.

12 Metodologia do Questionário Apurou informações qualitativas e quantitativas sobre sistemas operados/mantidos por diversas entidades na zona rural: Municípios e localidades atendidas; Informação sobre os sistemas (Integrados ou não); Tipos de mananciais (superficial ou subterrâneo); Tipos de tratamentos (ETA, simples cloração, não realiza); Periodicidade das análises de água (anual, mensal, não realiza); Existência de hidrometração (se possui ou não); Número de ligações; Existência de cobrança (sim ou não); Custos anuais (ano de 2011: energia, mão-de-obra, materiais e equipamentos); Número de funcionários envolvidos na operação dos sistemas.

13 Metodologia do Questionário O universo pesquisado foi definido como sendo: A totalidade dos Serviços Autônomos de Água e Esgoto (SAAE) existentes na Bahia (42) A totalidade das Prefeituras cujos sistemas não são operados pela EMBASA e nem por SAAE 2 Centrais de Associações Comunitárias para Manutenção de Sistemas de Saneamento (Seabra e Jacobina) 2 empresas municipais de serviços de água e esgoto (EMSAE/Sobradinho e EMASA/ Itabuna) Total: 78 municípios e 567 localidades atendidas. OBS: Pesquisa não incluiu a Embasa.

14 RESULTADOS Entidades que atuam no serviço de abastecimento de água rural na Bahia ENTIDADE NATUREZA JURÍDICA ATUAÇÃO PRESENTE Municípios atendidos Empresa de economia mista Nº sistemas operados (106 EMBASA estadual independente integrados, 304 locais); Concessionária Estadual, Localidades: 539 localidades urbanas e 933 vinculada à SEDUR rurais. Economias rurais: economias.

15 RESULTADOS Entidades que atuam no serviço de abastecimento de água rural na Bahia ENTIDADE NATUREZA JURÍDICA ATUAÇÃO PRESENTE EMPRESA MUNICIPAL EMASA EMSAE Empresa de economia mista municipal, dependente, vinculada à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano de Itabuna Empresa pública municipal, dependente, vinculada à Secretaria Municipal de Serviços Públicos de Sobradinho Município atendido - 01 Localidades rurais atendidas - 04 Cobertura na zona urbana: 79% (abastecimento de água) e 74%( coleta de esgoto). Nº sistemas operados - 02(um integrado com 3 localidades e um isolado) Tratamento - os 2 sistemas possuem ETA Hidrometração - 2 sistemas Cobrança - 75% Município atendido - 01; Localidades rurais - 14; Cobertura na zona urbana - 93% (abastecimento de água) e 57%(coleta de esgoto) Nº sistemas operados - 14 Não possui tratamento ou hidrometração Cobrança - 14%

16 RESULTADOS Entidades que atuam no serviço de abastecimento de água rural na Bahia ENTIDADE NATUREZA JURÍDICA ATUAÇÃO PRESENTE Municípios atendidos -16; Localidades atendidas - 72 Nº sistemas operados - 44 (28 locais, CENTRAIS SEABRA 16 integrados) Associação Civil de Tratamento - 100% direito privado, sem Hidrometração - 100% fins econômicos, Cobrança 100% com personalidade Municípios atendidos - 09 jurídica, patrimônio Localidades atendidas - 42 e administração Nº sistemas operados - 19 (08 própria. JACOBINA integrados e 11 locais) Tratamento - 100% Hidrometração - 100% Cobrança - 100%

17 RESULTADOS Entidades que atuam no serviço de abastecimento de água rural na Bahia ENTIDADE NATUREZA JURÍDICA ATUAÇÃO PRESENTE PREFEITURAS CERB CAR ASSOCIA- ÇÕES DE USUÁRIOS Equipes próprias, ligadas às Secretarias Municipais Empresa de economia mista dependente, vinculada à Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) Empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional (SEDIR) Organização não Governamental sem fins lucrativos Municípios atendidos - 09; Nº sistemas operados - 128; Tratamento, hidrometração e cobrança - 0% Implantação de sistemas integrados e isolados de abastecimento de água Implantação de sistemas de esgotamento sanitário e MSD Implantação de sistemas isolados de abastecimento de água por meio de convênios com associações de usuários Operação de sistemas de abastecimento em algumas comunidades

18 RESULTADOS Comparação entre Instituições: Sistema Integrado

19 RESULTADOS Comparação entre Instituições: Manancial Subterrâneo e Superficial

20 RESULTADOS Comparação entre Instituições: Tratamento de Água

21 RESULTADOS Comparação entre Instituições: Hidrometração

22 RESULTADOS Comparação entre Instituições: Cobrança

23 RESULTADOS Características dos SAA Rural por modelo de gestão Instituições Sistema integrado (%) Manancial subterrâneo (%) Existência de Tratamento (%) Existência de Hidrometração (%) SAAE Prefeituras Centrais Empresas Municipais

24 Conclusões/Recomendações Os SAA rurais apresentam diversas oportunidades de melhorias, sobretudo relacionadas à: Ampliação do atendimento; Garantia da oferta de manancial; Garantia de tratamento e controle da qualidade da água distribuída; Ampliação da micromedição; Universalização da cobrança dos serviços.

25 Obrigada! MARIA VALÉRIA G. Q. FERREIRA (71) RENAVAN ANDRADE SOBRINHO (71) ANÉSIO MIRANDA FERNANDES (71) NELI BONFIM CERQUEIRA (71) JEFFERSON CERQUEIRA VIANA (71)

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização

As Leis /2007, /2005 e /2008 e a Universalização I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental Mesa Redonda 1 Universalização do Saneamento e Sustentabilidade As Leis 11.445/2007, 11.107/2005 e 11.172/2008 e a Universalização 12 de julho de

Leia mais

O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO

O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE RICARDO HÜBNER Engº Civil Especialização Gestão Ambiental Msc. Engª Ambiental O PAPEL DA REGULAÇÃO NA EXCELÊNCIA DA GESTÃO DOS SERVIÇOS DE A

Leia mais

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO IV CONGRESSO MINEIRO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO REGULAÇÃO NO SETOR DE SANEAMENTO: A BUSCA PELA EFICIÊNCIA E UNIVERSALIZAÇÃO Edilson Eduardo Werneck Machado Engenheiro Divisão de Engenharia

Leia mais

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo População Rural 30 milhões de pessoas residem em localidades rurais no Brasil,

Leia mais

twitter.com/funasa

twitter.com/funasa FUNDAÇÃO NACIONAL DE SÁUDE Fundação pública vinculada ao Ministério da Saúde Missão Institucional: Promover a saúde pública e a inclusão social por meio de ações de saneamento e saúde ambiental. Área de

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE PIÇARRA LEI MUNICIPAL N.183/2013. Institui o Plano Manicipal de Saneamento Básico do Município de Piçarra, instrumento da Política Municipal de Saneamento Básico e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental 1o. SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL A Lei 11.445/07 e suas implicações na gestão do Saneamento Básico do Brasil. Alexandre

Leia mais

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN. PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN. PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PROGRAMA PRÓ-RURAL / CESAN PAINEL II Modelos de Gestão em Saneamento Rural Estado do Espírito Santo Localização: Região sudeste, entre o RJ, MG e a BA Área:

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO

CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NOTA TÉCNICA Nº 001/2011 Brasília, 16 de março de 2011. ÁREA: Saneamento Área de Desenvolvimento Urbano TÍTULO: Contratação dos serviços de saneamento básico REFERÊNCIA(S): Lei nº 11.445/2010, Decreto

Leia mais

Secretaria de Habitação e Saneamento Departamento de Saneamento - DESAN

Secretaria de Habitação e Saneamento Departamento de Saneamento - DESAN II Diálogos do Saneamento "Plano Estadual de Saneamento como ferramenta de gestão, os desafios na sua implementação e sua contribuição para a universalização dos serviços." Pedro Dall Acqua Rafael Zaneti

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 1º Seminário Franco-Brasileiro sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL Pedro Antonio Gvozdanovic Villar Departamento de Engenharia de Saúde Pública - DENSP

Leia mais

Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo. 15/12/ Vitória/ES

Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo. 15/12/ Vitória/ES Cenário Futuro do Consumo de Água no Espírito Santo 15/12/2015 - Vitória/ES AGENDA A CESAN Principais resultados alcançados Cenário hídrico Ações e projetos futuros 52 municípios atendidos 72 % da população

Leia mais

Agenda. Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada. Contextualização Modelo de Negócios Investimentos. 20 dias 20 dias

Agenda. Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada. Contextualização Modelo de Negócios Investimentos. 20 dias 20 dias Agenda Conhecendo a Compesa Parceria Público-Privada 20 dias 20 dias Contextualização Modelo de Negócios Investimentos Conhecendo a Compesa Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de

Leia mais

ARSESP e a Regulação dos. março 2014

ARSESP e a Regulação dos. março 2014 ARSESP e a Regulação dos Serviços Públicos março 2014 ARSESP Agência reguladora multissetorial com competência para fiscalizar os serviços de energia elétrica e para regular e fiscalizar os serviços de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES

PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL. CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL CÂMARA TEMÁTICA Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES 21 de junho 2017 A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental ABES é

Leia mais

LA EXPERIENCIA DEL SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL (SISAR) Otaciana Ribeiro Alves

LA EXPERIENCIA DEL SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL (SISAR) Otaciana Ribeiro Alves LA EXPERIENCIA DEL SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL (SISAR) Otaciana Ribeiro Alves NECESSIDADE DE GERENCIAMENTO SOLUÇÃO O QUE É O SISAR? O SISAR é uma federação de associações comunitárias rurais

Leia mais

Painel 1: Gestão Eficiente no Setor Saneamento

Painel 1: Gestão Eficiente no Setor Saneamento Painel 1: Gestão Eficiente no Setor Saneamento Alexandre Araujo Godeiro Carlos Coordenador Equipe Planos Especialista em Infraestrutura Sênior SNSA/DARIN Ministério das Cidades Sumário 1 Linha do tempo:

Leia mais

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste

Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp. 2º Congresso de Saneamento do Nordeste Fundação Nacional de Saúde Funasa Departamento de Engenharia de Saúde pública - Densp 2º Congresso de Saneamento do Nordeste O protagonismo dos municípios na gestão do saneamento. Eng. Leonardo Rodrigues

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS

ASPECTOS LEGAIS DA POLÍTICA DE SANEAMENTO BÁSICO E DE RECURSOS HÍDRICOS AILTON FRANCISCO DA ROCHA Superintendente de Recursos Hídricos Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe 09 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS (LEI Nº 9.433/1997):

Leia mais

Contrato de Concessão para a Exploração do Serviço Público de Abastecimento de Água e Esgoto do Município de Camboriú/SC

Contrato de Concessão para a Exploração do Serviço Público de Abastecimento de Água e Esgoto do Município de Camboriú/SC ÁGUAS DE CAMBORIÚ Contrato de Concessão para a Exploração do Serviço Público de Abastecimento de Água e Esgoto do Município de Camboriú/SC Concorrência Pública Nacional: Modalidade Técnica e Preço Concessão

Leia mais

LEI Nº DE 01 DE DEZEMBRO DE

LEI Nº DE 01 DE DEZEMBRO DE LEI Nº 11.172 DE 01 DE DEZEMBRO DE 2008 Institui princípios e diretrizes da Política Estadual de Saneamento Básico, disciplina o convênio de cooperação entre entes federados para autorizar a gestão associada

Leia mais

PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CIDADE DE BARREIRAS, BAHIA

PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CIDADE DE BARREIRAS, BAHIA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CIDADE DE BARREIRAS, BAHIA Zilayne Gonçalves dos Santos (1) Engenheira Sanitarista e Ambiental, e-mail: zica_lindinha@hotmail.com

Leia mais

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016

Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES. Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação. São Paulo, 31 de Março de 2016 Convênio de Cooperação Técnica BID/ABES Divulgação do Curso de Capacitação em Regulação São Paulo, 31 de Março de 2016 Agenda 1. Introdução: porque um curso sobre regulação de saneamento 2. Sobre a Cooperação

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAPICURU, BAHIA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAPICURU, BAHIA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAPICURU, BAHIA Felipe Paiva Silva de Oliveira (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental da UFRB. E-mail: paiva_net@hotmail.com

Leia mais

Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento.

Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento. POLITICA FEDERAL DE SANEAMENTO Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento. Engº civil Gilson Queiroz Maio de 2014 Desafios e Cenários adversos 2 PERFIL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS www.funasa.gov.br

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PRÓ- RURAL / CESAN

Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PRÓ- RURAL / CESAN Experiências do Saneamento Rural Espírito Santo PRÓ- RURAL / CESAN 3º PAINEL EXPERIÊNCIAS NA ESTRUTURAÇÃO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL PARA COMUNIDADES RURAIS ISOLADAS Estado do Espírito Santo Localização: Região

Leia mais

Álvaro Menezes e Pedro Scazufca

Álvaro Menezes e Pedro Scazufca Sustentabilidade no fornecimento de água: a importância de utilização da rede pública de abastecimento e a preservação da água do aquífero subterrâneo em Manaus Álvaro Menezes e Pedro Scazufca Recursos

Leia mais

EXCELÊNCIA EM GESTÃO, EFICIÊNCIA EM OPERAÇÃO

EXCELÊNCIA EM GESTÃO, EFICIÊNCIA EM OPERAÇÃO EXCELÊNCIA EM GESTÃO, EFICIÊNCIA EM OPERAÇÃO O Grupo Atlantis, vem atuando há 10 anos no mercado de saneamento básico, trabalha efetivamente no processo de gestão comercial e operacional das autarquias

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

Segurança hídrica no Sudeste: soluções de longo prazo

Segurança hídrica no Sudeste: soluções de longo prazo Segurança hídrica no Sudeste: soluções de longo prazo Sérgio Ayrimoraes Superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos SPR/ANA São Paulo-SP, 21 de agosto de 2014 SEGURANÇA HÍDRICA PARA ABASTECIMENTO

Leia mais

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo

IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo (ISO Em Processo de Implantação) IX Seminário de Tecnologia em Saneamento Ambiental da Regional São Paulo Vantagens de um sistema de gestão da qualidade nos serviços de saneamento básico Manoel Carlos

Leia mais

PRODES. Programa Despoluição de Bacias Hidrográficas

PRODES. Programa Despoluição de Bacias Hidrográficas PRODES Programa Despoluição de Bacias Hidrográficas O que motivou a criação do PRODES? Reduzir os níveis de poluição hídrica nas Bacias Hidrográficas do país: - estímulo financeiro, na forma de Pagamento

Leia mais

Modernização do Marco Regulatório do Setor de Saneamento Básico Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos ABIMAQ/SP

Modernização do Marco Regulatório do Setor de Saneamento Básico Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos ABIMAQ/SP Modernização do Marco Regulatório do Setor de Saneamento Básico Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos ABIMAQ/SP Casa Civil da Presidência da República 21 de maio de 2018 Mais de

Leia mais

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012.

Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. Atenção: - a palavra-chave de tem menos de 4 letras, por isso não foi destacada. LEI Nº 2767, DE 18 DE MAIO DE 2012. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO, INSTRUMENTO DA POLITICA MUNICIPAL DE

Leia mais

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial do índice médio de atendimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA NT/F/007/2014 TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP NO MUNICÍPIO DE TORRINHA. Agosto de 2014

NOTA TÉCNICA NT/F/007/2014 TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP NO MUNICÍPIO DE TORRINHA. Agosto de 2014 NOTA TÉCNICA NT/F/007/2014 TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP NO MUNICÍPIO DE TORRINHA 2014 Agosto de 2014 1. OBJETIVO Autorização do ajuste anual das s de Água e Esgoto da SABESP para o Município de Torrinha

Leia mais

Proprietário Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul Plano Municipal de Saneamento Básico

Proprietário Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul Plano Municipal de Saneamento Básico PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico Naviraí /MS Versão 6 14/01/2016 Proprietário RAZÃO SOCIAL: ATIVIDADE: MUNICÍPIO: Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento da Região Sul de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Luciene Machado. Painel Financiamento: fontes e modalidades para suportar os investimentos

Luciene Machado. Painel Financiamento: fontes e modalidades para suportar os investimentos Seminário ABDIB- As Soluções para o Saneamento Básico e os Recursos Hídricos no Brasil Painel Financiamento: fontes e modalidades para suportar os investimentos SP, 16/03/2017 15 de dezembro de 2016 Luciene

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Prospectiva, Planejamento Estratégico e Prognóstico do PMSB e PMGIRS

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Prospectiva, Planejamento Estratégico e Prognóstico do PMSB e PMGIRS AUDIÊNCIA PÚBLICA Prospectiva, Planejamento Estratégico e Prognóstico do PMSB e PMGIRS Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) e Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) de

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T

Apresentação de Resultados 4T Apresentação de Resultados 4T06-2006 Highlights 2006 Receita Líquida R$ 1.682 Milhões 14% EBITDA R$ 656 Milhões 12% Lucro Líquido R$ 356 Milhões 24% 1 Highlights 2006 e Fatos Recentes 2007 Inclusão no

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB 1º. Seminário Franco-Brasileiro Sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Gerente de Projetos Especialista em

Leia mais

POLÍTICA E PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Experiências e recomendações

POLÍTICA E PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Experiências e recomendações POLÍTICA E PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Experiências e recomendações POLÍTICA E PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Experiências e recomendações POLÍTICA E PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DOS MUNICÍPIOS INSERIDOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAGUAÇU

AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DOS MUNICÍPIOS INSERIDOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAGUAÇU AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DOS MUNICÍPIOS INSERIDOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAGUAÇU Thaís Mary Pinto da Silva (1) Graduanda no curso de Engenharia Sanitária

Leia mais

NOTA TÉCNICA N NT/F/004/2016 AJUSTE DAS TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP PARA O MUNICÍPIO DE GLICÉRIO. maio de 2016

NOTA TÉCNICA N NT/F/004/2016 AJUSTE DAS TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP PARA O MUNICÍPIO DE GLICÉRIO. maio de 2016 NOTA TÉCNICA N NT/F/004/2016 AJUSTE DAS TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO DA SABESP PARA O MUNICÍPIO DE GLICÉRIO 1 maio de 2016 NOTA TÉCNICA TARIFAS DE ÁGUA E ESGOTO PARA O MUNICÍPIO DE GLICÉRIO 2016 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Articulação 2 de 6 Caracterização do arranjo institucional, com foco na gestão do sistema Município Situação em fevereiro de 2015 Situação em maio de 2015 Situação em agosto de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA CORSAN VISÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA CORSAN VISÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA CORSAN VISÃO 2015: atingir a meta de 30% no atendimento de esgotos sanitários e manter os 98% nos níveis de cobertura de água na área de atuação e buscar a inserção em novos

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO MUNICÍPIO DE PORTO DO MANGUE/RN, SEMIÁRIDO BRASILEIRO

DIAGNÓSTICO DO SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO MUNICÍPIO DE PORTO DO MANGUE/RN, SEMIÁRIDO BRASILEIRO DIAGNÓSTICO DO SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO MUNICÍPIO DE PORTO DO MANGUE/RN, SEMIÁRIDO BRASILEIRO Allan Viktor da Silva Pereira (1); Gabriela Nogueira Cunha (1); Jose Paiva Lopes Neto (2); Leonardo Almeida

Leia mais

UMA REFLEXÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE CICLO DE VIDA

UMA REFLEXÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE CICLO DE VIDA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA UMA REFLEXÃO A PARTIR DO PENSAMENTO DE CICLO DE VIDA Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Pesquisadora do Teclim e do LabMad,

Leia mais

Encontro Técnico de Alto Nível. Reuso da Água AIDIS/ABES

Encontro Técnico de Alto Nível. Reuso da Água AIDIS/ABES Encontro Técnico de Alto Nível Reuso da Água AIDIS/ABES outubro, 2016 Rede de Recursos Hídricos da Indústria Coordenação Confederação Nacional da Indústria - CNI Participação da Indústria Conselheiros

Leia mais

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial

Leia mais

Campinas, 10 de dezembro de twitter.com/funasa

Campinas, 10 de dezembro de twitter.com/funasa Campinas, 10 de dezembro de 2015 FUNASA Missão Institucional Missão Promover a saúde pública e a inclusão social por meio de ações de saneamento e saúde ambiental. Visão de Futuro Até 2030, a Funasa, integrante

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO. Sistema de Abastecimento de Água da Comunidade de São Benedito, pertencente ao Município de Angelândia

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO. Sistema de Abastecimento de Água da Comunidade de São Benedito, pertencente ao Município de Angelândia RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Sistema de Abastecimento de Água da Comunidade de São Benedito, pertencente ao Município de Angelândia Belo Horizonte Junho de 2015 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA...

Leia mais

SISTEMA DE CUSTOS REFERENCIAIS PARA O SETOR DE SANEAMENTO

SISTEMA DE CUSTOS REFERENCIAIS PARA O SETOR DE SANEAMENTO SISTEMA DE CUSTOS REFERENCIAIS PARA O SETOR DE SANEAMENTO SUMÁRIO Quem Somos Contexto Experiências da FGV/IBRE Sistema de Custos Referenciais para o Setor de Saneamento Básico LINHA DO TEMPO DIFERENCIAL

Leia mais

Boletim Epidemiológico VIGIAGUA

Boletim Epidemiológico VIGIAGUA 01 de agosto de 2016 Página 1/7 GLOSSÁRIO 1. Programa de Vigilância da Qualidade da Água no Ceará Água para consumo humano: Aquela utilizada para beber, preparação de alimentos e higiene corporal. Água

Leia mais

Estratégias de Universalização dos Serviços de Saneamento em Pernambuco

Estratégias de Universalização dos Serviços de Saneamento em Pernambuco PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO PROJETO DESAFIO Inovações e Desafios para a Democratização dos Serviços de Saneamento Estratégias de Universalização dos Serviços de Saneamento em Pernambuco Roberto

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA NACIONAL DE GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 02 IDENTIFICAÇÃO DA PREFEITURA

SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA NACIONAL DE GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 02 IDENTIFICAÇÃO DA PREFEITURA Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 008 GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

Leia mais

PPP do Saneamento Básico. Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública

PPP do Saneamento Básico. Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública PPP do Saneamento Básico Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública Paraty, cidade sem rede de esgoto e água tratada? Patrimônio histórico

Leia mais

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Prof. Msc. Pedro Luís Prado Franco Legislação Ambiental e de Recursos Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) Instrumentos: Padrões

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO

MANUAL DE RELACIONAMENTO MANUAL DE RELACIONAMENTO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DOS PARCEIROS DO BAIRRO-ESCOLA 2009. 1 Índice 1. Apresentação... 3 2. Papel das Instituições Parceiras... 4 3. Papel da Prefeitura da

Leia mais

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011

Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade. São Paulo SP 26 de maio de 2011 Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade São Paulo SP 26 de maio de 2011 Missão da ANEEL Proporcionar condições favoráveis para que o mercado de energia elétrica

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 520

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 520 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 520 A Diretoria da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo ARSESP, com base na competência que foi atribuída pela Lei Complementar n 1.025, de 07 de dezembro

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Estudo sobre disponibilidade hídrica na região metropolitana do Estado do Rio Paulo Carneiro

Leia mais

Perspectivas do Setor Usuários

Perspectivas do Setor Usuários Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari (CBH Araguari) 1ª Assembleia Geral Extraordinária de 2015 Perspectivas do Setor Usuários Cléber Frederico Ribeiro 1º Secretário Nacional da Assemae e Assessor

Leia mais

Sistema de Abastecimento de Água - SAA. João Karlos Locastro contato:

Sistema de Abastecimento de Água - SAA. João Karlos Locastro contato: 1 Sistema de Abastecimento de Água - SAA João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Sistema de Abastecimento Definição: De acordo com a NBR 12211/92 trata-se de um conjunto de obras,

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

ALTERNATIVA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA ÁREAS RURAIS

ALTERNATIVA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA ÁREAS RURAIS ALTERNATIVA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO PARA ÁREAS RURAIS Daniela de Matos Ferreira (1) ; Lucas Reinaldo de Oliveira (2) ; Suélliton Alves da Silva (3) ; Silania Lima Pereira (4) (1)Universidade

Leia mais

Base Legal - Legislação Federal

Base Legal - Legislação Federal GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 15 8 18 18 8 12 4º SEMINÁRIO ESTADUAL ÁREAS CONTAMINADAS E SAÚDE: 19 4 16 20 21 9 13 22 CONTAMINAÇÃO DO SOLO 17 5 E 1 10 2 6 14 RECURSOS HÍDRICOS 3 3 7 11 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

- CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art NR Emenda nº 19/98)

- CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art NR Emenda nº 19/98) ARES-PCJ HISTÓRICO, COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA AGÊNCIA DALTO FAVERO BROCHI MARÇO - 2013 MARCO LEGAL - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - NR Emenda nº 19/98) - LEI FEDERAL Nº 11.107/2005 (Lei dos Consórcios

Leia mais

ANÁLISE DO TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO NO ESTADO DO TOCANTINS

ANÁLISE DO TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO NO ESTADO DO TOCANTINS ANÁLISE DO TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO NO ESTADO DO TOCANTINS Paulo R. Sousa¹ Rafael M. S. Oliveira² Aurelio P. Picanço³ Resumo: As questões ligadas ao saneamento do meio ainda são um grande desafio para

Leia mais

Vincent Menu. Rio de Janeiro 20 de Maio de 2010

Vincent Menu. Rio de Janeiro 20 de Maio de 2010 2014 Saneamento na Rede Vincent Menu Rio de Janeiro 20 de Maio de 2010 1. Visão Geral do Setor de Saneamento Básico no Brasil 2 História Recente do Saneamento Básico no Brasil A partir da década de 90,

Leia mais

LINHAS DE FINANCIAMENTO E INCENTIVOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PEQUENOS SISTEMAS DE SANEAMENTO

LINHAS DE FINANCIAMENTO E INCENTIVOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PEQUENOS SISTEMAS DE SANEAMENTO LINHAS DE FINANCIAMENTO E INCENTIVOS PARA IMPLANTAÇÃO DE PEQUENOS SISTEMAS DE SANEAMENTO Juliana de Senzi Zancul 21 de Junho de 2013 População Rural Cerca de 30 milhões de pessoas residem em localidades

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB /09/2009

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB /09/2009 Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB 2008 09/09/2009 HISTÓRICO 1974: o primeiro levantamento estatístico sobre saneamento básico foi realizado, num convênio firmado com o Ministério da Saúde, no

Leia mais

AÇÕES EM 2013 COMPANHIA ÁGUAS DE JOINVILLE

AÇÕES EM 2013 COMPANHIA ÁGUAS DE JOINVILLE AÇÕES EM 2013 COMPANHIA ÁGUAS DE JOINVILLE CONTEXTUALIZAÇÃO 2013 VISÃO: Ser referência por sua excelência em gestão e qualidade de serviços em saneamento. MISSÃO: Oferecer soluções sustentáveis em saneamento

Leia mais

GESTÃO DE MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO EM REGIÕES METROPOLITANAS

GESTÃO DE MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO EM REGIÕES METROPOLITANAS GESTÃO DE MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO EM REGIÕES METROPOLITANAS Jose Roberto Borghetti Mauri Cesar Pereira Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados Audiência Pública 13.05.2015

Leia mais

AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL.

AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL. PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL: INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PARTICIPATIVA - A EXPERIÊNCIA DE ALAGOINHAS, BAHIA, BRASIL. Luis Roberto Santos Moraes Maria das Graças de Castro Reis Viviana

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DO SANEAMENTO BÁSICO DA REGIÃO INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO (RIDE) DF E ENTORNO

DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DO SANEAMENTO BÁSICO DA REGIÃO INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO (RIDE) DF E ENTORNO DIAGNÓSTICO PRELIMINAR DO SANEAMENTO BÁSICO DA REGIÃO INTEGRADA DE DESENVOLVIMENTO (RIDE) DF E ENTORNO Conferência Regional CORSAP Brasília, 22 de outubro de 2015 Antecedentes LEI Nº 11.445, DE 5 DE JANEIRO

Leia mais

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL)

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL) 0. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO TOTAL ( PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL) Produto : Definição do processo de elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Produto 2: Diagnóstico da Situação do Saneamento Básico

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Licenciamento Ambiental - Lilian Ferreira dos Santos - Superintendente de Infra-Estrutura, Mineração, Indústria e Serviços Junho de 2010 O Estado de Mato Grosso Aproximadamente 20000 Empreendimentos cadastrados

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA em Regulação Pedro Henrique de Moraes Papastawridis ESTUDO DESCRITIVO AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS)

AVM Faculdade Integrada MBA em Regulação Pedro Henrique de Moraes Papastawridis ESTUDO DESCRITIVO AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS) AVM Faculdade Integrada MBA em Regulação Pedro Henrique de Moraes Papastawridis ESTUDO DESCRITIVO AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS) Rio de Janeiro 2016 AVM Faculdade Integrada MBA em Regulação

Leia mais

SEMINÁRIO MINEIRO DE REUSO DE ÁGUA E EFLUENTE REUSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

SEMINÁRIO MINEIRO DE REUSO DE ÁGUA E EFLUENTE REUSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SEMINÁRIO MINEIRO DE REUSO DE ÁGUA E EFLUENTE REUSO DA ÁGUA NO CONTEXTO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Márley Caetano de Mendonça Instituto Mineiro de Gestão das Águas IGAM Junho 2015 97,5 % da água do planeta

Leia mais

SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA?

SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SEMINÁRIO COBRANÇA PELO USO DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS E INDUSTRIAIS O QUE É A COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA? SOROCABA, 10 DE SETEMBRO DE 2010 POLÍTICA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS LEI 7.663/91 INSTRUMENTOS

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013

SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS. Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013 SUFUG SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DO FGTS Rio de Janeiro, 18 Junho de 2013 Sumário 1 - Arranjo Institucional do FGTS; 2 Grandes números do FGTS; 3 FI-FGTS e Carteiras Administradas; 4 Programas do FGTS;

Leia mais

Possibilidades de PPP em Saneamento

Possibilidades de PPP em Saneamento Seminário Internacional MRE BID BNDES Parceria Público-Privada Privada na Prestação de Serviços de Infra-estrutura Possibilidades de PPP em Saneamento ROGÉRIO DE PAULA TAVARES Diretor de Saneamento e Infra-estrutura

Leia mais

Visão Geral. Acesso da população. População total (milhões) 201,5 20,6. Abastecimento de água 85,0% 86,3% Esgotamento Sanitário 63,4% 79,0%

Visão Geral. Acesso da população. População total (milhões) 201,5 20,6. Abastecimento de água 85,0% 86,3% Esgotamento Sanitário 63,4% 79,0% Visão Geral Brasil Minas Gerais¹ População total (milhões) 201,5 20,6 Acesso da população Abastecimento de água 85,0% 86,3% Esgotamento Sanitário 63,4% 79,0% Fonte: PNAD (IBGE) 2013. 1 Refere-se a população

Leia mais

A Lei de Consórcios (Lei nº , de 6 de abril de 2005) e o seu impacto no setor saneamento ambiental a visão dos serviços municipais.

A Lei de Consórcios (Lei nº , de 6 de abril de 2005) e o seu impacto no setor saneamento ambiental a visão dos serviços municipais. A Lei de Consórcios (Lei nº 11.107, de 6 de abril de 2005) e o seu impacto no setor saneamento ambiental a visão dos serviços municipais. Apresentação Ainda é recente a aprovação do Congresso Nacional

Leia mais

MODELO DE GESTÃO SISAR CEARÁ

MODELO DE GESTÃO SISAR CEARÁ MODELO DE GESTÃO SISAR CEARÁ Vitória, 08 de Outubro de 2015 FINANCIADORES GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL ÁGUA PARA TODOS MI RECURSOS PRÓPRIOS FUNASA MS FINANCIAMENTOS INTERNACIONAIS BIRD, BID E KfW OGU

Leia mais

46ª Assembleia Nacional da Assemae. Saneamento Básico um Direito de Todos

46ª Assembleia Nacional da Assemae. Saneamento Básico um Direito de Todos 46ª Assembleia Nacional da Assemae Saneamento Básico um Direito de Todos ABES - Missão e Visão MISSÃO Ser reconhecida, nacionalmente, como a principal entidade de referência, no setor de saneamento ambiental.

Leia mais

CAPACITAÇÃO REGIONAL OPORTUNIDADES E REALIDADES DAS BACIAS PCJ

CAPACITAÇÃO REGIONAL OPORTUNIDADES E REALIDADES DAS BACIAS PCJ CAPACITAÇÃO REGIONAL OPORTUNIDADES E REALIDADES DAS BACIAS PCJ AS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ Área = 15.304 km² (SP: 14.138 km² = 92,6% + MG: 1.166 km² = 7,4%) Municípios com sede na região

Leia mais

POLÍTICA TARIFÁRIA PARA O SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO

POLÍTICA TARIFÁRIA PARA O SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO POLÍTICA TARIFÁRIA PARA O SETOR DE SANEAMENTO BÁSICO FLORIANO DE AZEVEDO MARQUES NETO Patrocínio O DESAFIO DA UNIVERSALIZAÇÃO 37% DOS DOMICÍLIOS ESTÃO FORA DA REDE COLETORA DE ESGOTO, AÍ CONSIDERADAS AS

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A LEI E A SUA EFETIVIDADE Ailton Francisco da Rocha. 05 de novembro de 2014

REFLEXÕES SOBRE A LEI E A SUA EFETIVIDADE Ailton Francisco da Rocha. 05 de novembro de 2014 05 de novembro de 2014 POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS Antes da edição da Lei 9.433/ 97 a legislação sobre os recursos hídricos se dava, não raro de modo tímido, através das seguintes leis: Código

Leia mais

PARAIBUNA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

PARAIBUNA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PARAIBUNA PRESTADOR: COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DE PARAIBUNA CAEPA Relatório R2 Não Conformidades Americana, junho de 2016

Leia mais

SANEAMENTO INTEGRADO EM ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS

SANEAMENTO INTEGRADO EM ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS LATINOSAN 2010 CONFERÊNCIA LATINOAMERICANA DE SANEAMENTO Universalização e Sustentabilidade dos Serviços de Saneamento Foz do Iguaçu, 16 de Março de 2010 SANEAMENTO INTEGRADO EM ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro de 2014 Publicado no Diário Oficial Estado de São Paulo - Caderno Executivo I (Poder Executivo, Seção I), edição n 124 (243) do dia 24/12/2014 Página: 64. DECISÃO DE DIRETORIA Nº 394/2014/C, de 23 de dezembro

Leia mais