I-027 CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO INDUSTRIAL DE ÁGUA DE CHUVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I-027 CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO INDUSTRIAL DE ÁGUA DE CHUVA"

Transcrição

1 I-027 CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO INDUSTRIAL DE ÁGUA DE CHUVA José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química e Doutor em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina; Professor do Departamento de Engenharia Química da Universidade Regional de Blumenau. Adilson Pinheiro Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina; Mestre em Engenharia de Recursos Hídricos e Saneamento pelo Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Doutor em Física e Química do Ambiente pelo Institut National Polytechnique de Toulouse (França); Diretor do Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA-FURB); Professor do Depto. de Engenharia Civil da FURB. Rodrigo Felipe Pfau Cipriano Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Curitiba; Mestre em Engenharia Ambiental pela Universidade Regional de Blumenau. Adilvo Ferrari Estudante de Engenharia Química da Universidade Regional de Blumenau. Endereço (1) : Universidade Regional de Blumenau - Departamento de Engenharia Química, Rua Araçatuba, 83, Itoupava Seca, Blumenau/SC, CEP Fone: RESUMO Uma fonte alternativa de água é o aproveitamento das águas de chuva. Sua captação e armazenamento são maneiras de prevenção de cheias. O objetivo deste trabalho é estudar a utilização de águas de chuva visando o seu aproveitamento para fins industriais, através da sua caracterização antes e após um tratamento. Para a realização dos experimentos foi instalado um coletor de água de chuva numa edificação da Universidade Regional de Blumenau-SC/ Campus II, e após a coleta foi efetuada a sua caracterização, por meio das análises dos seguintes parâmetros: ph, cor aparente, alcalinidade total, cloretos, dureza total, turbidez, ferro total, manganês, temperatura e exame microbiológico (coliformes totais e Escherichia coli). Para a realização dos ensaios foram empregadas as técnicas de análise de águas constantes no Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. Com base nos resultados obtidos dos experimentos realizados, foram sugeridas utilizações industriais da água de chuva tratada para a água para produção de vapor, a água de refrigeração, e a água para diferentes tipos de indústrias. Para uso industrial, a água de chuva da caixa de detenção (sem tratamento) e após filtração seguida de desinfecção se demonstraram de excelente qualidade para diferentes setores industriais devido as baixas concentrações. Isso pode ser considerado como um referencial se comparado com águas de outras fontes. Para vários ramos da indústria que necessitam de água desmineralizada, o aproveitamento da água de chuva pode ser uma solução econômica uma vez que ela possui baixos teores de sólidos dissolvidos e em suspensão. PALAVRAS-CHAVE: Água de chuva, tratamento, uso industrial. INTRODUÇÃO A água tem-se tornado um fator limitante para o desenvolvimento industrial, mesmo em regiões em que a água é um recurso abundante o mau gerenciamento pode comprometer a sua qualidade. Neste contexto é necessário procurar, ou ter sempre ao alcance novas fontes para complementar a reduzida disponibilidade hídrica ou substituir um recurso por um determinado tempo quando necessário. A escassez não é atributo somente de regiões áridas, muitas regiões de recursos hídricos abundantes podem sofrer por demandas excessivamente elevadas, podendo ser vítimas de conflitos de uso e restrições de consumo. Segundo Fendrich (2002), uma fonte alternativa de água é o aproveitamento das águas de chuva, e ainda sua captação e armazenamento são maneiras de prevenção de cheias. A água coletada em telhados vem sendo usada para fins não potáveis como descarga de banheiros ou rega de jardins dessa forma contribuindo para a diminuição do consumo residencial de água tratada proveniente do sistema público de abastecimento. É na indústria que essa água parece ter o seu maior potencial, por terem áreas de telhado maiores e um grande ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 consumo de água, necessitando neste caso de análises para determinar seu uso e tratamento com objetivo de atender a qualidade requerida. Neste contexto observa-se a importância da água como matéria-prima nos processos das indústrias em geral. Águas com dureza elevada provocam incrustação diminuindo a eficiência térmica em sistema de geração de vapor. O emprego direto das águas in natura, como água de alimentação de caldeiras, implica num processo de evaporação da fase líquida, com conseqüentes concentrações dos produtos minerais dissolvidos. Certos produtos depositados, permanecem na forma de um lodo de fácil remoção, outros se incorporam a própria parte metálica na forma de resíduos resistentes, de remoção mais difícil, constituindo um depósito denominado pelos caldeireiros de incrustações (PERA 1990). Em geral a água de chuva é mole (baixa concentração de sais de magnésio e cálcio), sendo ótima para ser usada em processos industriais, como geração de vapor Sperling (1996). Nos sistemas de geração de vapor a qualidade da água para caldeiras é influenciada pela pressão de trabalho a que será submetida (Quadro 1). Quadro 1. Especificações para água de alimentação da caldeira. PARÂMETROS Pressão de Operação da Caldeira (psig ) ph 8,3-10 8,3-10 8,3-10 8,3-10 8,3-10 8,8-9,6 8,8-9,6 Dureza Total (ppm) 0,3 0,3 0,2 0,2 0,1 0,05 ND Ferro Total (ppm) 0,1 0,05 0,03 0,025 0,02 0,02 0,01 Sílica (ppm) 7,5-25 2,5-15 1,3-5,0 1,3-2,5 0,8-2,5 0,2-1,5 0,2-0,3 Legenda: ND = Não Detectável ou Ausente. FONTE: Adaptado de Kemmer (1988); Port (1991); Macedo (2001). Muitas indústrias aplicam a água como líquido refrigerante, na absorção de calor de um corpo quente. A presença de sais de cálcio e magnésio e de microrganismos na água de refrigeração deve ser evitada. A formação de depósitos de silicato e carbonatos de cálcio e magnésio no interior de equipamentos e tubulações provoca a redução da eficiência da troca de calor. Além da corrosão das tubulações causada pela presença de gases dissolvidos e do tratamento inadequado da água, também o crescimento de algas nas linhas afeta a taxa de transferência de calor e, portanto, a economia do processo (GERMAIN, 1972; BEBER, 2004). No Quadro 2 é apresentado os limites da qualidade da água para sistemas de refrigeração (torres de resfriamento e condensadores evaporativos), com capacidade volumétrica de 0,5 a 2,1m³ e compostos de aço carbono. Vale salientar que além desses valores é necessário que haja um tratamento complementar com a utilização de dispersantes. Quadro 2. Especificações para água utilizada em sistema de refrigeração. PARÂMETROS Limites ph 6,8-8,7 Alcalinidade Total (ppm) 300 Dureza Total (ppm) 300 Sílica (ppm) 180 Condutividade (μs/cm) 3500 Cont. Microbiológica (Col./mL) Máx FONTE: Nalco (2005). Para a indústria alimentícia devem ser respeitados os padrões de potabilidade vigentes. Cuidados especiais devem ser tomados com relação à contaminação de alimentos por certos produtos utilizados no tratamento de condensados. A pureza do vapor que entra em contato com os alimentos é de grande importância, pois o vapor produzido por caldeiras pode carregar consideráveis quantidades de óxidos de ferro indesejáveis na produção de alimentos (GERMAIN, 1972; BEBER, 2004). Já a qualidade da água requerida para a indústria de cervejas é muito semelhante à da indústria de refrigerantes. A água ideal para a indústria apesar de ser potável não pode apresentar cloro e nem flúor. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 Sulfato de cálcio e cloreto de sódio devem ser adicionados à água quando não estiverem nas concentrações desejadas. O cloreto de sódio estimula a ação enzimática e melhora o gosto da cerveja. Ferro e manganês escurecem as cervejas, tendem a produzir bebidas de gosto amargo e conferem certa turbidez. Flúor e cloro tendem a matar a levedura. Muitas cervejas modernas, para obterem uma constância na qualidade da água e conseqüentemente nas cervejas, usam águas desmineralizada convenientemente tratada (SANTOS FILHO, 1985). Muitas fábricas de refrigerantes empregam água de abastecimento público para produzir bebidas, embora raramente essas águas apresentem condições para essa finalidade. Na maioria das vezes precisam de um tratamento especial, como remoção de cloro, ajuste de alcalinidade, remoção da matéria em suspensão e redução de dureza total. A alcalinidade é limitada a faixa citada no Quadro 3 para evitar reação com ácido cítrico e conseqüente degradação do gosto da bebida. Água de dureza zero é ideal para a lavagem das garrafas a fim de mantê-las em excelente estado de aparência e limpeza (SANTOS FILHO, 1985). No setor têxtil a água requerida de modo geral deve ser abrandada, de baixa turbidez e livre de matéria orgânica, de ferro e manganês. A produção de raiom e de outras fibras sintéticas requer água desmineralizada. Tinturarias requerem águas abrandadas, de baixa alcalinidade e baixas concentrações de manganês e óxido de alumínio. Altos valores de alcalinidade interferem na dissolução dos corantes e podem conferir ao tecido um tingimento não uniforme. Ferro e manganês tendem a conferir aos tecidos cores foscas. As águas para o preparo de soluções de lavagem de tecidos e de fibras, e soluções de branqueamento devem ser abrandadas, sendo preferível as que apresentem dureza zero (SANTOS FILHO, 1985). Na indústria de plásticos a cor, ferro e manganês na água deve conter baixas concentrações. Ferro e manganês em concentrações superiores à mencionada no Quadro 3 podem produzir plásticos manchados. Geralmente é necessário passar a água por resinas catiônicas para reduzir o ferro e manganês à concentração requerida (SANTOS FILHO, 1985; KEMMER, 1988). EUA, Japão e a Comunidade Européia adotaram como base para qualquer sistema de purificação para uso farmacêutico a água potável. Quando utilizada como componente de preparações farmacêuticas deve ser purificada de acordo com os requisitos obrigatórios para água purificada, injetáveis ou água estéril, logo, a água fornecida à industria farmacêutica deve inicialmente atender aos critérios para água potável (MACÊDO, 2001). No Quadro 3 é listado as características de alguns parâmetros considerados importantes em diferentes tipos de industrias. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 Quadro3. Qualidade da água para cada tipo de indústria. PARÂMETROS TIPOS DE INDÚSTRIAS Alimentos Refrigerante Cerveja Têxtil Plástico Farmacêutica* (Portaria 518/2004) Ph 7,0 7,0 7,0 6,5-7,0 NE 6,0-9,5 Alcalinidade Total (ppm) NE 50 a 100 <25 <20 NE NE Cloreto de Sódio (ppm) NE NE 200 NE NE NE Cloretos (ppm) <250 <250 1 a 20 NE NE <250 Condutividade (μs/cm) NE NE NE NE NE NE Cor Aparente (uh) ND ND ND <5 <2 15 Dureza Total (ppm) <85 <85 18 a 79 <10 NE 500 Ferro Total (ppm) ND ND <0,2 <0,25 <0,02 0,3 Fluoretos (ppm) 0,8 0,8 ND NE NE NE Magnésio (ppm) NE NE 1 a 6 <0,25 NE NE Manganês (ppm) ND ND <0,2 <0,25 <0,02 0,1 Sabor e Odor Não Objetável Não Objetável Não Objetável NE NE Não Objetável SDT (ppm) <500 < a 150 NE NE <1000 Sulfato de Cálcio (ppm) NE NE 100 a 200 NE NE NE Sílica. Como SiO2 (ppm) NE NE 1 a 15 NE NE NE Turbidez (UT) <5 <5 <4 <5 <2 <5 E. coli (NMP/100mL) Ausente Ausente Ausente NE NE Ausente Colif. Totais (NMP/100mL) Ausente Ausente Ausente NE NE Ausente Obs.: * Estes são os valores especificados para água que deve apresentar quando submetida nos processos de purificação no setor farmacêutico. Legenda: ND = Não Detectável ou Ausente; NE = Não Especificável. FONTE: Adaptado de Santos (1985); Macedo (2001); Cervesia (2005). Em geral a qualidade das águas para a indústria de papel e celulose varia de acordo com a qualidade do produto requerido, podendo utilizar desde água da rede de distribuição até água desmineralizada (Quadro 4). A indústria de papelão pode empregar água com certa quantidade de cor. Papéis de qualidade superior, no entanto, exigem água de melhor qualidade. Papéis para a indústria eletrônica, cigarros e material fotográfico exigem água desmineralizada para o seu processo de fabricação. São necessárias águas com baixas concentrações de ferro e manganês para a maioria das indústrias de papel, pois estes metais tendem a produzir manchas nos papéis manufaturados. Além disso a celulose retém com facilidade o ferro presente em soluções muito diluídas. Águas de lavagem de polpa devem ter dureza zero para evitar a precipitação de sais de cálcio e magnésio que interferem no seu branqueamento (SANTOS FILHO, 1985; KEMMER, 1988). Quadro 4. Padrão de Qualidade da água em processos das industrias de papel e celulose. PARÂMETROS Papel Fino Papel Kraft Papéis Ground-wood Celulose (Soda e Sulfato) Alcalinidade Total (ppm) Cor Aparente (uh) Cloretos (ppm) NE Dureza Total (ppm) Dureza de Cálcio (ppm) 50 NE NE 50 Ferro Total (ppm) 0,1 0,2 0,3 0,1 Manganês (ppm) 0,05 0,1 0,1 0,05 Sílica (ppm) STD (ppm) Turbidez (UT) FONTE: Kemmer (1988). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 Neste sentido, este trabalho procura avaliar a qualidade física, química e microbiológica das águas escoadas em cobertura cerâmica e seu tratamento para dar condições mínimas de qualidade e segurança, visando o seu aproveitamento como fonte alternativa em diversos segmentos do setor industrial. MATERIAL E MÉTODOS Foi implantado um sistema de captação de água de chuva, composto de um reservatório de autolimpeza, uma caixa de detenção e um processo de tratamento por filtração e desinfecção. O sistema recebe a água de uma cobertura cerâmica (edificação da Universidade Regional de Blumenau/SC) cuja área é de 102 m 2. Na Figura 1 é apresentado o esquema do sistema de captação. A água escoada no telhado escorre para as calhas (a), que por sua vez vai para o condutor. Neste condutor, existe uma derivação (c) para o bloco H e um sistema de descarte (b) de 20 litros da chuva inicial. A caixa de detenção desta água (1000 L), possui uma saída para transbordamento ladrão e outra para o sistema de tratamento. CALHA (A) DERIVAÇÃO (C) CAIXA DE DETENÇÃO (D) DESCARTE (B) LADRÃO (E) Figura 1 Desenho esquemático do sistema de coleta de água de chuva. O tratamento da água de chuva escoada na cobertura foi constituído de filtração e desinfecção. O filtro foi composto com uma camada de seixo rolado, como camada suporte e, 50 cm de carvão ativado, como meio filtrante. A vazão de escoamento utilizada no tratamento foi de 90 L/h. A desinfecção foi realizada com radiação ultravioleta. Uma representação esquemática da instalação piloto aplicada no tratamento de água de chuva é apresentada na Figura 2. Os pontos utilizados para coleta de amostras foram a caixa de detenção (ponto 4 Figura 2) e a saída do filtro (ponto 8 Figura 2). Foram realizados três ensaios com camadas de carvão diferenciadas, com a mesma amostra. Os meios filtrantes utilizados foram carvão ativado tipo: antracitoso (com diâmetro1,7 a 2,5mm), Carbotrat AP (com diâmetros de 1,7 a 2,5mm e de 0,8 a 1,7mm). ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 Figura 2 - Representação esquemática da instalação piloto de tratamento de água de chuva. Nas amostras coletadas foram analisados os seguintes parâmetros: ph, alcalinidade total, cloretos, condutividade, cor aparente, dureza total, ferro total, sílica, sólidos totais dissolvidos (SDT), temperatura, turbidez, coliformes totais e Escherichia coli. A coleta e a preservação das amostras, bem como, as análises, foram realizadas segundo o Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. A determinação do parâmetro SDT é muito utilizado para avaliar o desempenho de sistemas como geração de vapor e refrigeração, para isso utilizamos a condutividade específica da água, que possui uma boa correlação com as concentrações de sais inorgânicos existentes. A relação entre os dois parâmetros é dada por SDT = CE/1,56 (SDT = Sólidos Totais Dissolvidos, em mg/l e CE = Condutividade Específica, em µs/cm) (SANTOS, 2003). As diferenças/semelhanças entre as amostras de água de chuva tratada com diferentes meios filtrantes foram testadas e avaliadas por análise de variância (ANOVA) ao nível de significância de 5%. As análises foram realizadas com 3 medidas de cada parâmetro utilizando-se o programa Excel. RESULTADOS E DISCUSSÕES Tratamento de Água de Chuva Os resultados do tratamento da água de chuva são apresentados de acordo com o tipo de carvão utilizado: antracitoso com granulometria entre 1,7 e 2,5 mm; padrão adsorção (Carbotrat AP) com granulometria entre 1,7 e 2,5 mm e o padrão adsorção (Carbotrat AP) com granulometria entre 0,8 e 1,0 mm. Para avaliar a eficiência de cada tipo de carvão utilizado como meio filtrante no tratamento, são apresentados no Quadro 5 os resultados referentes aos dois pontos de coleta (entrada e saído do filtro), os quais permitem a realização de comparações. Os resultados das amostras não apresentam diferença para os parâmetros cloretos, condutividade, cor aparente, ferro total, sílica, SDT e turbidez. Para os parâmetros ph, alcalinidade total e dureza total os resultados apresentam diferença, porém a avaliação para o uso industrial foi baseado na média de todos os parâmetros visto que o desvio padrão para o ph foi baixa (3,5% do valor médio do ph) e os valores de alcalinidade total e dureza total foram muito baixos Nestes casos as diferenças podem estar associadas a erros analíticos. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

7 Quadro 5. Resultados analíticos da água de chuva referente à entrada e saída do filtro. PARÂMETROS Caixa de Detenção Antracitoso 1,7 a 2,5mm SAÍDA DO FILTRO Carbotrat AP Carbotrat AP 1,7 a 2,5mm 0,8 a 1,7mm Média Desvio Padrão ph 5,43 6,28 5,89 6,24 6,137 0,215 Alcalinidade Total (ppm) 8,00 14,00 12,00 17,33 14,443 2,693 Cloretos (ppm) 2,82 3,29 2,35 3,29 2,977 0,543 Condutividade (µs/cm) 18,00 27,60 29,57 30,80 29,323 1,614 Cor Aparente (uh) 3,00 3,00 2,00 2,67 2,557 0,510 Dureza Total (ppm) 20,00 33,33 33,33 42,67 36,443 5,392 Ferro Total (ppm) 0,09 0,09 0,09 0,01 0,063 0,046 Sílica (ppm) 1,85 1,53 2,62 3,15 2,433 0,826 STD (ppm) 11,54 17,69 18,95 19,74 18,796 1,034 Temperatura ( ºC ) 25,00 25,00 25,00 25,00 25,000 0,000 Turbidez (UT) 0,84 0,49 0,52 0,58 0,530 0,046 Analisando os resultados do Quadro 5, constata-se que a qualidade da água após a filtração teve um aumento de valores para os seguintes parâmetros: ph (Figura 3), alcalinidade total, condutividade, dureza total e sílica sendo a possível causa a dissolução de sais proveniente da camada suporte e meio filtrante. 6,4 6,2 6,28 6,24 Valores de ph 6 5,8 5,6 5,4 5,43 5,89 5,2 5 Caixa de Detenção Antracitoso 1,7 a 2,5mm Carbotrat AP 1,7 a 2,5mm Carbotrat AP 0,8 a 1,7mm Figura 3. Gráfico de valores de ph. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

8 Para cloretos, cor aparente e ferro total teve-se uma redução pouco significativa dos valores encontrados se analisado a entrada (média de 2,82ppm; 3,00uH; 0,09ppm) com a saída (média de 2,977ppm; 2,557uH; 0,063ppm) respectivamente. Isso se deve as limitações do filtro e as baixas concentrações desses parâmetros encontrados na caixa detenção. Porém, para análise de turbidez a redução foi de 37% em média (Figura 4). Todas amostras referentes a saída do UV tiveram como resultado ausente para o exame microbiológico (coliformes totais e Escherichia coli). 0,9 0,8 0,84 0,7 Turbidez (UT) 0,6 0,5 0,4 0,3 0,49 0,52 0,58 0,2 0,1 0 Caixa de Detenção Antracitoso 1,7 a 2,5mm Carbotrat AP 1,7 a 2,5mm Carbotrat AP 0,8 a 1,7mm Figura 4. Gráfico de valores de turbidez. Considerações Sobre a Utilização Industrial No Quadro 6 (Anexo I) é apresentada uma síntese comparativa dos requisitos para diferentes atividades industriais em relação aos resultados obtidos no processo de tratamento estudado. Para utilização industrial na maioria dos processos o ph é um parâmetro que domina a maioria das reações. O valor encontrado de ph no reservatório de detenção foi de 5,43 e após filtração teve um aumento tendo como resultado um valor médio de 6,14. No caso para sistemas de geração de vapor, isso não seria problema pois de qualquer maneira a água utilizada sofre tratamento internamente, regularizando com isso este problema de ph baixo, o valor recomendado é de 10,5 a 11,8 para caldeiras de baixa pressão (10 bar), porém os valores de dureza total para este processo ainda estão superiores aos recomendados, necessitando de um abrandamento para sua diminuição que após o tratamento foi de 36,4 ppm. A concentração de sílica obtida após o tratamento ficou bem abaixo do valor máximo permitido para água de alimentação de caldeiras sendo considerada ótima, a combinação da sílica com a dureza total provoca uma incrustação duríssima de difícil remoção em superfícies que ocorre troca de calor. Para os sistemas de refrigeração a qualidade da água obtida nos experimentos se demonstrou adequada dentro dos parâmetros que foram selecionados exceto o ph que ficou ligeiramente ácido necessitando de um ajuste. A água obtida apresentou baixa alcalinidade total, condutividade e dureza total diminuindo com isso a possibilidade de incrustação ou depósitos que podem provocar rupturas em tubulações por causa do superaquecimento e redução da capacidade de troca de calor nos sistemas de refrigeração. Devido a essa baixa concentração que água de chuva apresentou, é possível operar os sistemas de refrigeração citados no Quadro 3 com ciclos de concentração maior se comparado com uma água de abastecimento público, diminuindo com isso o consumo de água e energia. Através do exame microbiológico a água de chuva após a desinfecção com UV se demonstrou satisfatória devido a ausência desses microrganismos porém, como todo sistema exposto ao ar está sujeito a contaminações e o UV não deixa residual recomenda-se o uso de biocidas a base de cloro para evitar esse tipo de problema. Tanto para industrias de bebidas como de alimentos, o valor de ph obtido (média = 6,14) após os experimentos ficou próximo do desejado (ph 7,0) para esses setores. A alcalinidade encontrada nas amostras ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 8

9 analisadas indica que seu uso não causa nenhum inconveniente para industrias de cervejas já para a de refrigerante a necessidade de um ajuste para se manter entre 50 e 100ppm. Para as indústrias de alimentos e de bebidas, a água da caixa de detenção não se adequou nos parâmetros cor aparente e ferro total havendo a necessidade de um tratamento mais eficiente na remoção destes constituintes. A quantidade de sílica encontrada na caixa de detenção e após tratamento ficou dentro da faixa permitida na industria de cerveja, 1 a 15ppm especificado. No setor têxtil, a água de chuva da caixa de detenção e após o tratamento tem a necessidade de serem abrandadas devido aos valores de dureza total encontrados. Quanto a alcalinidade total apesar de ter ocorrido um aumento de concentração após tratamento, ela não excedeu o valor máximo permitido que é de 20ppm, já para os parâmetros cor aparente e ferro total ainda que as concentrações encontradas foram baixas ficaram próximo dos valores especificado. Indústrias de plásticos utilizam água em seus processos com valores bastante reduzidos para cor aparente, ferro total e manganês, sendo que estes parâmetros não foram possível de serem atendidos através do tipo de tratamento que aplicamos na água de chuva, apenas turbidez se demonstrou adequado dentro dos valores estabelecido para esse tipo de atividade. Após o tratamento, a água de chuva atendeu todos os valores dos parâmetros estabelecidos na Portaria 518/2004 (uso potável). Para uso farmacêutico é requerida água de baixa concentração de sólidos, o que pode ser obtida através de diferentes processos de purificação. A qualidade da água obtida através dos experimentos que realizamos pode ser usado como água de alimentação para qualquer sistema de purificação nas industrias farmacêutica. A qualidade da água de chuva apresentou baixas concentrações de dureza total e SDT podendo ser utilizada em diferentes processos na industria de papel e celulose, exceto cor aparente e ferro total que ficaram próximos dos limites máximos permitidos para Papel Fino e Celulose (soda e sulfato), estes parâmetros merecem mais atenção quando utilizado água de chuva nesses processos. CONCLUSÕES Para uso industrial, a água de chuva da caixa de detenção (sem tratamento) e após filtração seguida de desinfecção se demonstraram de excelente qualidade para diferentes setores industriais devido as baixas concentrações encontradas através dos resultados analíticos. Isso pode ser considerado como um referencial se comparado com águas de outra fontes, pois, é muito mais oneroso remover determinados constituintes, do que adicionar, e esta adição é depende da água exigida para cada processo. Para vários ramos da indústria que necessitam de água desmineralizada, o aproveitamento da água de chuva pode ser uma solução econômica uma vez que ela possui baixos teores de sólidos dissolvidos e em suspensão diminuindo com isso a manutenção com membranas que são utilizadas em sistemas de Micro, Ultrafiltração. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BEBER, A. J. Química Básica da Água e Tratamento de Água de Caldeira. Santa Catarina, Blumenau, transparências. 2. CERVESIA. Especificações Físico-Químicas da Água Cervejeira. Disponível em: < Acesso em: 21/02/ DANIEL, L. A. Processos de Desinfecção e Desinfetantes Alternativos na Produção de Água Potável. São Carlos: ABES, DI BERNARDO, L.; DI BERNARDO, A.; FILHO, P. L. C. Ensaios de Tratabilidade de Água e dos Resíduos Gerados em Estações de Tratamento de Água. São Carlos: RiMa, EATON, A., D. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 19.ed. Washington, D.C : APHA, v. 6. FENDRICH, R.; OLIYNIK, R. Manual de Utilização das Águas Pluviais. Livraria do Chain Editora, Curitiba, PR, p. 167, GERMAIN, L; COLAS, L; ROUQUET, J. Tratamento de Águas. São Paulo: Polígono, GONÇALVES, R. F. Desinfecção de Efluentes Sanitários. Vitória, ES : ABES, ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 9

10 9. KEMMER, F. N. The NALCO Water handbook. 2.ed. New York: McGraw-Hill, MACEDO, J. A. B. de. Águas & Águas. São Paulo : Varela, PERA, H.. Geradores de Vapor: um compendio sobre conversão de energia com vistas a preservação da ecologia. 2. ed. São Paulo: Fama, PORT, R. D. HERRO, H. M. The Nalco Guide to Boiler Failure Analysis / the Nalco Chemical Company. New York: McGRAW-Hill Inc, PORTARIA N.º 518, estabelece os procedimentos e responsabilidades relativas ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. Ministério da Saúde; 24 de março de SPERLING, M. V. Introdução à Qualidade das Águas a ao Tratamento de Esgotos: 2. ed. Belo Horizonte: DESA, SANTOS FILHO, D. F. Tecnologia de Tratamento de Água : Água para Industria. Rio de Janeiro: Almeida Neves, SANTOS, H. F.; MANCUSO, P. C. S. Reúso deágua. São Paulo : Manole, TORDO, O. C. Caracterização e Avaliação do Uso de Águas de Chuva para Fins Potáveis. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental. Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, p. 18. VIANNA, M.R. Hidráulica Aplicada às Estações de Tratamento de Água. 4ª ed. Belo Horizonte: Imprimatur, ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 10

11 Anexo I Quadro 6. Análise de adequação da água de chuva para uso industrial referente aos resultados obtidos após tratamento. Geração de Vapor Água de Refrigeração INDÚSTRIAS PARÂMETROS Alimentos Refrigerante Cerveja Têxtil Plásticos Farmacêutica** Papel fino ph Inadequado Inadequado Inadequado Inadequado Inadequado Inadequado NE Inadequado NE Alcalinidade Total NE Adequado NE Adequado Adequado Adequado NE NE Adequado Cloretos NE NE Adequado Adequado Adequado NE NE Adequado NE Condutividade NE Adequado NE NE NE NE NE NE NE Cor Aparente NE NE Inadequado Inadequado Inadequado Adequado Inadequado Adequado Adequado Dureza Total Inadequado Adequado Adequado Adequado Adequado Inadequado NE Adequado Adequado Ferro Total Adequado* NE Inadequado Inadequado Adequado Inadequado Inadequado Adequado Adequado Sílica Adequado* Adequado NE NE Adequado NE NE NE Adequado SDT NE Adequado Adequado Adequado Adequado NE NE Adequado Adequado Turbidez Adequado Inadequado Adequado Inadequado Inadequado Adequado Adequado Adequado Adequado *somente para caldeiras de baixa pressão (0 a 450 psig). **conforme Portaria 518/2004. Legenda: NE = Não Especificado. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 11

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL DISCIPLINA Código: ENS 5160 Nome: Tratamento de Águas de Abastecimento Carga Horária: 108 horas/aula

Leia mais

ABRANDADOR DE ÁGUA. Materiais Utilizados

ABRANDADOR DE ÁGUA. Materiais Utilizados ABRANDADOR DE ÁGUA Com a finalidade de prevenir obstruções das tubulações, válvulas e manter a eficiência da troca térmica em equipamentos como a Caldeira, se faz necessário o uso da água abrandada. O

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

Saneamento I. João Karlos Locastro contato:

Saneamento I. João Karlos Locastro contato: 1 ÁGUA 2 3 Saneamento I João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 4 Objetivos Projeto; Legislação; Atuação Profissional - Prestação de serviços - Concursos públicos 5 Ementa Saneamento

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO

TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO Ricardo Nagamine Costanzi (1) Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Doutorando da Escola Politécnica de

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Os Mitos e as Verdades da Validação de Sistema de Água para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Ricardo Marinho R.

Os Mitos e as Verdades da Validação de Sistema de Água para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Ricardo Marinho R. Os Mitos e as Verdades da Validação de Sistema de Água para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Ricardo Marinho R. Vieira Curitiba, Agosto 11, 2017 20/06/2017 2 SIMPÓSIO DE ÁGUA PURA FARMACEUTICA

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA SETOR DE QUALIDADE MONITORAMENTO DA ÁGUA TRATADA

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA SETOR DE QUALIDADE MONITORAMENTO DA ÁGUA TRATADA LOCAL : ETA DR ARMANDO PANNUNZIO SAÍDA Dezembro /2015 PADRÕES INORGÂNICOS E FÍSICO-QUÍMICOS Alumínio mg/l 0,2 0,10 Alcalinidade Bicarbonatos mg/l 250 16,3 Alcalinidade Carbonatos mg/l 120 0 Alcalinidade

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno

Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno 1 IMPORTÂNCIA Água doce: recurso limitado ONU (2015): escassez de água afetará dois terços da população

Leia mais

AMBIENTAL MS. Transparência e Tecnologia a Serviço do Mundo

AMBIENTAL MS. Transparência e Tecnologia a Serviço do Mundo AMBIENTAL MS Transparência e Tecnologia a Serviço do Mundo AMBIENTALMS Estudos, Serviços e Projetos Especiais A Ambiental MS, do Grupo Metalsinter, é uma empresa de Engenharia e Consultoria, prestadora

Leia mais

XX Encontro Anual de Iniciação Científica EAIC X Encontro de Pesquisa - EPUEPG

XX Encontro Anual de Iniciação Científica EAIC X Encontro de Pesquisa - EPUEPG ESTUDO DA APLICAÇÃO DA FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO COM UTILIZAÇÃO DE POLÍMERO PARA REMOÇÃO DE POLUENTES PRESENTES EM EFLUENTES DE REATOR ANAERÓBIO Ronaldo Luís Kellner (PAIC/FA), Carlos Magno de Sousa Vidal

Leia mais

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10 Estações de Tratamento de Água TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10.1 - Introdução Água potável à disposição dos consumidores: De forma contínua Quantidade adequada Pressão adequada Qualidade adequada

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. GESTÃO DA QUALIDADE DE FORNECEDORES ÁGUA REAGENTE Ana Paula Lima 2 Fornecedores O Sistema de Gestão da Qualidade do laboratório deve contemplar o fornecimento

Leia mais

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS 26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS Nome dos autores: Jemima Santos Pessoa 1 ; Aurélio

Leia mais

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO Cristiano Olinger (1) Engenheiro Civil pela Fundação Universidade Regional

Leia mais

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES

APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES APLICAÇÕES DE MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO E MBR SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES 16º ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL : REÚSO DE ÁGUA SÃO PAULO, SP - 7 e 8 de Novembro de 2016 Associação

Leia mais

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização

PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES. Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização PHA 3418 TECNOLOGIA DE SEPARAÇÃO POR MEMBRANAS PARA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Aula 8 Procedimentos de Limpeza química e Sanitização Prof.: José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Operações de limpeza e

Leia mais

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS. Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais.

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS. Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais. I ENCONTRO DAS ÁGUAS 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel : Título da Palestra: Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais. Palestrante:

Leia mais

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47)

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47) RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE DOUTOR PEDRINHO Responsável legal: Diretor Presidente Valter Gallina As informações complementares

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS MS ECO RA 1500 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aproveitamento de Águas Pluviais & Reúso Profª Heloise G. Knapik APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS Instalações

Leia mais

Foi pensando no FUTURO, que em 1993 nasceu a TECHFILTER. Uma empresa que desde então trabalha constantemente em busca de soluções e tecnologias para

Foi pensando no FUTURO, que em 1993 nasceu a TECHFILTER. Uma empresa que desde então trabalha constantemente em busca de soluções e tecnologias para GERADORES DE OZÔNIO Foi pensando no FUTURO, que em 1993 nasceu a TECHFILTER. Uma empresa que desde então trabalha constantemente em busca de soluções e tecnologias para tratamento, reúso e filtração de

Leia mais

Laboratório de Química dos Elementos QUI

Laboratório de Química dos Elementos QUI ÁGUA DURA A dureza da água pode ter origem natural por contato da água com o solo, onde a presença de dióxido de carbono dissolvido na água provoca a solução de sais pouco solúveis. Em depósitos subterrâneos,

Leia mais

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA

FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA FICHA TÉCNICA SISTEMA DE PURIFICAÇÃO POR ULTRAFILTRAÇÃO COM MÓDULO DE ÁGUA PURIFICADA 1. Características Gerais O sistema está desenhado para dispor a água filtrada (ou purificada) em múltiplos pontos

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel

Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose. Celso Foelkel Minerais, Qualidade da Madeira e Novas Tecnologias de Produção de Celulose Celso Foelkel Celso Foelkel Características de fábricas modernas Alta capacidade de utilização da capacidade e com produção estável

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DO USO DO ÓXIDO DE FERRO PARA REMOÇÃO DE SULFETO DE HIDROGÊNIO DO BIOGAS

AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DO USO DO ÓXIDO DE FERRO PARA REMOÇÃO DE SULFETO DE HIDROGÊNIO DO BIOGAS Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental AVALIAÇÃO DA TÉCNICA DO USO DO ÓXIDO DE FERRO PARA REMOÇÃO DE SULFETO

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE POLICLORETO DE ALUMÍNIO (PAC) NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ E DQO DE EFLUENTE DE LAVANDERIA TEXTIL.

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE POLICLORETO DE ALUMÍNIO (PAC) NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ E DQO DE EFLUENTE DE LAVANDERIA TEXTIL. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE POLICLORETO DE ALUMÍNIO (PAC) NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ E DQO DE EFLUENTE DE LAVANDERIA TEXTIL. A P. C. SOUZA 1 ; E.A. M. SOUZA 1 ;N. C. PEREIRA 2 11 Universidade

Leia mais

Tratamento do Ar Comprimido

Tratamento do Ar Comprimido Definição: O ar comprimido é caracterizado por 3 tipos de contaminantes: 1. Partículas (poeira ou sólido): Provenientes do próprio ambiente e da parte interna da tubulação do ar comprimido. Tem como consequência:

Leia mais

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental ESTUDO PRÉVIO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA CAPTADA NA FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ÁREA1 (SALVADOR-BA) E DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE SUA CAPTAÇÃO E USO Bianca Menezes Cunha Couto (1) Graduanda

Leia mais

Autor: Adalcino Fernandes Reis Neto

Autor: Adalcino Fernandes Reis Neto 17 a 20 de Agosto de 2010, Rio de Janeiro REMOÇÃO DE MANGANÊS EM ÁGUA SUBTERRÂNEAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO ATRAVÉS DO PROCESSO DE PRÉ OXIDAÇÃO E FILTRAÇÃO EM AREIA Autor: Adalcino Fernandes Reis Neto

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB Carolina Pereira Dantas (1); Márcia Izabel Cirne França (2); Valéria Kelly Alves da Silva (3); Sonáli Amaral

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE N / A Revisão 0

RELATÓRIO DE ANÁLISE N / A Revisão 0 RELATÓRIO DE ANÁLISE N 70501 / 2017 - A Revisão 0 DADOS DO LABORATÓRIO RR ACQUA SERVICE COLETA E ANÁLISE DE ÁGUA LTDA-ME CNPJ: 08.356.731/0001-86 ENDEREÇO: AV. ANTÔNIO CARDOSO, 1.200 BANGÚ - SANTO ANDRÉ

Leia mais

Estação de Tratamento e Reúso de Água (ETRA) do CENPES

Estação de Tratamento e Reúso de Água (ETRA) do CENPES Estação de Tratamento e Reúso de Água (ETRA) do CENPES German-Brazilian Environment Seminar - Water Efficiency for Industries Painel II Cases Sílvia Lima Touma 09/11/2017 PRGE/ENG/CIUT/TAE Torres de Resfriamento

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Desinfecção Depois de filtrada, a água passa por um processo de desinfecção por cloro e a fluoretação; É o processo de eliminação dos microrganismos

Leia mais

Avaliação da Etapa de Tratamento Físico-Químico da Água do Mar com Vistas à Dessalinização Para Uso em Usinas Termoelétricas

Avaliação da Etapa de Tratamento Físico-Químico da Água do Mar com Vistas à Dessalinização Para Uso em Usinas Termoelétricas Avaliação da Etapa de Tratamento Físico-Químico da Água do Mar com Vistas à Dessalinização Para Uso em Usinas Termoelétricas A.L. SOUZA 1, G.T. RIBEIRO 2, L.D. XAVIER 3, L. YOKOYAMA 4, N.O. SANTOS 5, V.R.

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental I-14 - CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA BRUTA E AVALIAÇÃO DA CARGA HIDRÁULICA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA (ETA-BOLONHA)-REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM Rubens Chaves Rodrigues (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2015 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

Potabilização de água de chuva através de filtração lenta e desinfecção ultravioleta para abastecimento descentralizado de comunidades

Potabilização de água de chuva através de filtração lenta e desinfecção ultravioleta para abastecimento descentralizado de comunidades See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/303984819 Potabilização de água de chuva através de filtração lenta e desinfecção ultravioleta

Leia mais

IV INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ

IV INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ IV 34 - INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ Fernando José Araújo da Silva (1) Engenheiro Civil, Universidade de Fortaleza UNIFOR. Mestre em Engenharia

Leia mais

Ponto de Partida Potabilidade. Portaria 2914/11 do Ministério da Saúde

Ponto de Partida Potabilidade. Portaria 2914/11 do Ministério da Saúde Água Cervejeira Lígia Marcondes Rodrigues dos Santos Química UFRJ Técnica Cervejeira SENAI-Vassouras Mestre Cervejeira pela World Brewing Academy Instrutora Especializada do SENAI-Vassouras lmrsantos@firjan.org.br

Leia mais

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA.

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA. Nome do candidato: Assinatura: Número da inscrição: ATENÇÃO! SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SAMAE Edital nº 001/2017 CADERNO DE PROVA AGENTE DE ETA Você está

Leia mais

Tratamento de Água. Filtração. Filtração SÉRIE CV. Filtros para Água. SNatural FILTRO ATRAVÉS DE CARVÃO ATIVADO

Tratamento de Água. Filtração. Filtração SÉRIE CV. Filtros para Água. SNatural FILTRO ATRAVÉS DE CARVÃO ATIVADO Tratamento de Água Filtração Filtros para Água Filtração SÉRIE CV SNatural FILTRO ATRAVÉS DE CARVÃO ATIVADO EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DO CLORO (CLASSE I >75%) Uso: comercial e industrial; Processo para redução

Leia mais

I-140 REMOÇÃO DE COR EM FILTRO LENTO E COLUNA DE POLIMENTO DE CARVÃO ATIVADO GRANULAR

I-140 REMOÇÃO DE COR EM FILTRO LENTO E COLUNA DE POLIMENTO DE CARVÃO ATIVADO GRANULAR I-140 REMOÇÃO DE COR EM FILTRO LENTO E COLUNA DE POLIMENTO DE CARVÃO ATIVADO GRANULAR Marcos R. S. Takeuti (1) Engenheiro Civil pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Mestre em Recursos Hídricos

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ÁGUA EM UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA E AR CONDICIONADO UTILIZADA EM TUBULAÇÕES DE INCÊNDIO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ÁGUA EM UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA E AR CONDICIONADO UTILIZADA EM TUBULAÇÕES DE INCÊNDIO 16 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ÁGUA EM UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA E AR CONDICIONADO UTILIZADA EM TUBULAÇÕES DE INCÊNDIO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: QUÍMICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

LL-SAL DE SELAGEM NF

LL-SAL DE SELAGEM NF Patentes: Italiana, Européia, USA, Canadá e México. DESCRIÇÃO O produto permite a selagem da camada anódica do Alumínio Anodizado e suas ligas, operando num intervalo de temperatura de 26 ºC a 30 ºC. A

Leia mais

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18.

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18. ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ácido Fluossilícico 20% NE: 262055 Ácido fluossilícico a 20% para fluoretação de água para consumo humano, para prevenção de cárie dentária. O produto deverá apresentar

Leia mais

II DESCOLORIZAÇÃO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA TÊXTIL UTILIZANDO COAGULANTE NATURAL (MORINGA OLEIFERA E QUITOSANA)

II DESCOLORIZAÇÃO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA TÊXTIL UTILIZANDO COAGULANTE NATURAL (MORINGA OLEIFERA E QUITOSANA) II-113 - DESCOLORIZAÇÃO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA TÊXTIL UTILIZANDO COAGULANTE NATURAL (MORINGA OLEIFERA E QUITOSANA) Fernando José Araújo da Silva (1) Engenheiro Civil, Universidade de Fortaleza UNIFOR.

Leia mais

HYPOCAL ALTERNATIVA VIÁVEL AO CLORO GÁS NO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

HYPOCAL ALTERNATIVA VIÁVEL AO CLORO GÁS NO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL HYPOCAL ALTERNATIVA VIÁVEL AO CLORO GÁS NO TRATAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O cloro uma das grandes descobertas da humanidade; seja utilizado como matéria prima na indústria química ou no processo de desinfecção

Leia mais

Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira

Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira Estação de tratamento de Água: R.F Sucupira Resultados de Análises da Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição Mês: Fevereiro/2013 2914/11 Estabelecidas Valor Médio Encontrado ETA REDE ETA REDE

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DA SÍLICA NO PRÉ-TRATAMENTO DE ÁGUAS SALOBRAS

ESTUDO DA REMOÇÃO DA SÍLICA NO PRÉ-TRATAMENTO DE ÁGUAS SALOBRAS ESTUDO DA REMOÇÃO DA SÍLICA NO PRÉ-TRATAMENTO DE ÁGUAS SALOBRAS Kamila Freitas Porto 1, Josevania Rodrigues Jovelino 1, Julyanna Damasceno Pessoa 1, Marcia Izabel Cirne França 1, Kepler Borges França 1.

Leia mais

Tratar os efluentes significa reduzir seu potencial poluidor através de processos físicos, químicos ou biológicos, adaptando-os aos padrões

Tratar os efluentes significa reduzir seu potencial poluidor através de processos físicos, químicos ou biológicos, adaptando-os aos padrões Tratamento de água e efluentes: do convencional ao sistema avançado O papel das membranas PARTE 1 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO CONVENCIONAL Profa. Dr. ElisângelaMoraes 02 de dezembro de 2010 TRATAMENTO DE

Leia mais

Filtro de Areia. Filtro de Carvão Ativado. Abrandador Seletivo - Filtro Redutor de Ferro

Filtro de Areia. Filtro de Carvão Ativado. Abrandador Seletivo - Filtro Redutor de Ferro Linha Indústria Os projetos industriais são dimensionados mediante a análise físico-química recente da água a ser tratada, pois cada sistema é projetado individualmente, conforme as necessidades do processo

Leia mais

10.2 Parâmetros de qualidade da água

10.2 Parâmetros de qualidade da água 10-3 m 1 m 10.2 Parâmetros de qualidade da água Sistema de Abastecimento de Água Partículas dissolvidas Dureza (sais de cálcio e magnésio), ferro e manganês não oxidados Partículas coloidais Coloidais:

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 23 O meio aquático II: Monitoramento e parâmetros de qualidade de água Prof.ª Heloise Knapik 1 Bacia do Alto Iguaçu Ocupação Urbana

Leia mais

A água e sua qualidade

A água e sua qualidade A água e sua qualidade Ao contrário do que muitos imaginam, a água é uma substância muito complexa. Por ser um excelente solvente, até hoje ninguém pôde vê-la em estado de absoluta pureza. Quimicamente

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS Nádia Maria Moreira e Silva nadiaponto@gmail.com Prof. Dr. Nivaldo dos Santos nivaldodossantos@bol.com.br RESUMO: A água é um dos compostos inorgânicos

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS

Leia mais

Comissão Setorial de Saneamento e Tratamento de Água

Comissão Setorial de Saneamento e Tratamento de Água Comissão Setorial de Saneamento e Tratamento de Água Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Comissão Setorial de Saneamento

Leia mais

II-137 TRATAMENTO E RECICLAGEM DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO

II-137 TRATAMENTO E RECICLAGEM DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO II-137 TRATAMENTO E RECICLAGEM DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO Ana Paula Fonseca Gomes (1) Bióloga pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestranda em Saneamento, Meio

Leia mais

Tratamento de Água: Desinfecção

Tratamento de Água: Desinfecção UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Desinfecção DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito É o processo

Leia mais

Serviços Móveis de Água

Serviços Móveis de Água Serviços Móveis de Água Qualidade e segurança com mobilidade disponíveis FILTRAÇÃO Com capacidades a partir de 5m³/h. Remoção de sólidos suspensos, odor e sabor. ABRANDAMENTO Com capacidades a partir de

Leia mais

Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico.

Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico. Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico. Luciana Maria da Silva 1 (IC)*, Janaína Borges de Azevedo França 2 (PQ) 1 Graduanda

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DESCARTADA PELOS DESTILADORES

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DESCARTADA PELOS DESTILADORES AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DESCARTADA PELOS DESTILADORES Francisco Gleisson Paiva Azevedo (*), Kaiane Lopes De Oliveira, Maria Carolina Paiva Rodrigues, Francisco Rafael Sousa Freitas, Mayara Carantino

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA Ivan Nicoletti Ferari 1, Aline Fernandes 1, Marcelo Hemkemeier 2 1 Centro

Leia mais

II-167 INFLUÊNCIA DA ALCALINIDADE NA PRECIPITAÇÃO DE FLUORETOS COM CÁLCIO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PROVENIENTES DA FOSCAÇÃO DE VIDRO.

II-167 INFLUÊNCIA DA ALCALINIDADE NA PRECIPITAÇÃO DE FLUORETOS COM CÁLCIO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PROVENIENTES DA FOSCAÇÃO DE VIDRO. II-167 INFLUÊNCIA DA ALCALINIDADE NA PRECIPITAÇÃO DE FLUORETOS COM CÁLCIO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS PROVENIENTES DA FOSCAÇÃO DE VIDRO. Márcio José Ishida Cipriani (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica

Leia mais

MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL).

MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL). MF-420.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE AMÔNIA (MÉTODO DO INDOFENOL). Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 686, de 25 de julho de 1985. Publicada no DOERJ de 14 de julho de 1985. 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA NA ADSORÇÃO DE CORANTE REATIVO

EFEITO DA TEMPERATURA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA NA ADSORÇÃO DE CORANTE REATIVO EFEITO DA TEMPERATURA DE GASEIFICAÇÃO DE BIOMASSA NA ADSORÇÃO DE CORANTE REATIVO J. J. SORNAS¹, W. UTECH JUNIOR¹, R. F. dos SANTOS¹, A. R. VASQUES², C. MARANGON¹I, C. R. L. de AGUIAR¹, E. FONTANA¹, R.

Leia mais

ÁGUA DE AR CONDICIONADO: UMA FONTE ALTERNATIVA DE ÁGUA POTÁVEL?

ÁGUA DE AR CONDICIONADO: UMA FONTE ALTERNATIVA DE ÁGUA POTÁVEL? ÁGUA DE AR CONDICIONADO: UMA FONTE ALTERNATIVA DE ÁGUA POTÁVEL? Sandra Maria de Lima (*), Ricardo Augusto Moraes Zaque 2, Carla Maria Abdo Valentini 3, Fernanda Silveira Carvalho de Souza 4, Priscila Machado

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET

TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET TRATAMENTO DE ÁGUA: SISTEMA FILTRO LENTO ACOPLADO A UM CANAL DE GARAFFAS PET Maick Sousa Almeida (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Ana Paula Araújo Almeida (2) (1) Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

Sistemas de Aproveitamento de Água da Chuva. Daniel Costa dos Santos Professor do DHS/UFPR

Sistemas de Aproveitamento de Água da Chuva. Daniel Costa dos Santos Professor do DHS/UFPR Sistemas de Aproveitamento de Água da Chuva Daniel Costa dos Santos Professor do DHS/UFPR Contexto sobre a Água no Mundo População crescente Disponibilidade decrescente Quantitativamente; Qualitativamaente

Leia mais

Análise da influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas rurais

Análise da influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas rurais XI SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE Hotel Tambaú 27-3/11/212 João Pessoa -PB Análise da influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas rurais Xavier,

Leia mais

Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI

Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI Inovações tecnológicas para tratamento e reúso de água: Enfrentando os desafios do Século XXI José Carlos Mierzwa mierzwa@usp.br Aracajú, 09 de Dezembro de 2015 Resumo da apresentação Histórico dos problemas

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EM SANEAMENTO BÁSICOB. Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EM SANEAMENTO BÁSICOB. Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA APLICAÇÕES DO DIÓXIDO DE CLORO EM SANEAMENTO BÁSICOB Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho Introdução SUMÁRIO Concepção de

Leia mais

II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CLORADOR POR DIFUSÃO NA INATIVAÇÃO DE E. COLI EM ÁGUA SINTÉTICA DE TURBIDEZ BAIXA E COR MODERADA

II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CLORADOR POR DIFUSÃO NA INATIVAÇÃO DE E. COLI EM ÁGUA SINTÉTICA DE TURBIDEZ BAIXA E COR MODERADA II-056 - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO CLORADOR POR DIFUSÃO NA INATIVAÇÃO DE E. COLI EM ÁGUA SINTÉTICA DE TURBIDEZ BAIXA E COR MODERADA José Angelo de Souza Oliveira Engenheiro Sanitarista (UFPA) e Mestre

Leia mais

FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG )

FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG ) FILTROS DE CARVÃO ATIVADO GRANULADO ( TFCAG ) TFCAG FILTRO DE CARVÃO ATIvado Os filtros de carvão ativado são projetados e fabricados conforme a norma ASME-SEÇÃO VIII - DIVISÃO I, bem como NR-13, garantindo

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 MEIO AMBIENTE ENSAIO QUÍMICO HUMANO, ÁGUA RESIDUAL HUMANO Determinação de Sódio pelo método Determinação de Potássio pelo método Determinação de Fósforo Total, Fosfato Total e orto-fosfato

Leia mais

II PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO ATRAVÉS DE PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS OBJETIVANDO REUSO

II PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO ATRAVÉS DE PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS OBJETIVANDO REUSO II-384 - PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO ATRAVÉS DE PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS OBJETIVANDO REUSO Roque Passos Pivelli (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO 1146 Química Tecnológica para Engenharia Civil 1ª S / 2º P

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO 1146 Química Tecnológica para Engenharia Civil 1ª S / 2º P PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA: UNESP CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO: Engenharia HABILITAÇÃO: Engenharia Civil - (Resolução UNESP nº 76/2007- Curso: 2 - Currículo: 3 OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

Fluido térmico orgânico NSF HT1, para transferência de calor é uma opção vantajosa para indústria alimentícia.

Fluido térmico orgânico NSF HT1, para transferência de calor é uma opção vantajosa para indústria alimentícia. Fluido térmico orgânico NSF HT1, para transferência de calor é uma opção vantajosa para indústria alimentícia. Por Everton Kolosque Engenheiro Consultor de Mercado da Klüber Lubrication A evolução tecnológica

Leia mais

Eixo Temático ET Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET Gestão Ambiental em Saneamento 486 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento IMPACTO AMBIENTAL GERADO NA BACIA DO RIO CUIÁ COM BASE QUALIDADE DO EFLUENTE TRATADO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JOÃO PESSOA - UNIDADE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE ÁGUA GELADA EM AMBIENTE INDUSTRIAL. para contato:

AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE ÁGUA GELADA EM AMBIENTE INDUSTRIAL.  para contato: AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE ÁGUA GELADA EM AMBIENTE INDUSTRIAL A. C. C. dos SANTOS 1, 2, E. A. COSTA 2, F. A. de BRITTO 2, S. A. B. V. de MELO 3 e R. A. KALID 3 1 Instituto Federal da Bahia, Departamento

Leia mais

Tecnologias para Reúso da Água

Tecnologias para Reúso da Água 2º Seminário de Produção e Consumo Sustentável Boas Práticas Ambientais Tecnologias para Reúso da Água José Carlos Mierzwa 29 de junho de 2009 CIRRA / IRCWR A MISSÃO DO CIRRA Desenvolvimento de estudos

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE TANINO NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ e DQO DO EFLUENTE TEXTIL DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL.

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE TANINO NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ e DQO DO EFLUENTE TEXTIL DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE TANINO NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ e DQO DO EFLUENTE TEXTIL DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL. A P. C. SOUZA 1 ; E.A. M. SOUZA 1 ;N. C. PEREIRA 2 1 Universidade Tecnológica

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento Curso: Engenharia Civil Disciplina: TH030 - Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários Prof.ª Heloise Garcia Knapik

Leia mais

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta.

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta. FIME Para o uso eficiente da filtração rápida, é necessário o pré-tratamento da água bruta com coagulação química, podendo ou não haver a floculação e decantação ou flotação, dependendo da qualidade da

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE UMA FONTE NA SAPUCAIA.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE UMA FONTE NA SAPUCAIA. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE UMA FONTE NA SAPUCAIA. Kelly Hamab Costa (1) Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental e bolsista do PET Conexões de Saberes Socioambientais da Universidade Federal

Leia mais

Tratamento de Água: Generalidades Aeração

Tratamento de Água: Generalidades Aeração UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Generalidades Aeração DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Água para

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA GLICERINA OBTIDA NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL PARA NEUTRALIZAÇÃO DE ÓLEO VEGETAL RESIDUAL

UTILIZAÇÃO DA GLICERINA OBTIDA NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL PARA NEUTRALIZAÇÃO DE ÓLEO VEGETAL RESIDUAL UTILIZAÇÃO DA GLICERINA OBTIDA NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL PARA NEUTRALIZAÇÃO DE ÓLEO VEGETAL RESIDUAL Maria Clara dos Santos Ligabo¹, Daniel Thomaz² INTRODUÇÃO De acordo com Mittelbach et al., (1988) e Neto

Leia mais

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza

LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO. Em Sistemas Críticos de Alta Pureza LIMPEZA QUÍMICA E PASSIVAÇÃO Em Sistemas Críticos de Alta Pureza TIPOS DE CONTAMINAÇÃO (FONTES) Contaminação Orgânica Sujidade oriunda de resíduos dos produtos, gorduras, proteínas, óleos, etc. Contaminação

Leia mais

ASPECTOS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA CIDADE DE CURAÇÁ- BA

ASPECTOS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA CIDADE DE CURAÇÁ- BA ASPECTOS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA CIDADE DE CURAÇÁ- BA Ana Cláudia Damasceno Nunes (1) Ambiental/UNIVASF. e-mail: anadamasceno@hotmail.com.br Nayara Evelyn Guedes Montefusco

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE MEIOS FILTRANTES DE AREIA- ANTRACITO E AREIA-CARVÃO ATIVADO GRANULAR NO TRATAMENTO DE ÁGUA

ESTUDO COMPARATIVO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE MEIOS FILTRANTES DE AREIA- ANTRACITO E AREIA-CARVÃO ATIVADO GRANULAR NO TRATAMENTO DE ÁGUA ESTUDO COMPARATIVO DO COMPORTAMENTO HIDRÁULICO DE MEIOS FILTRANTES DE AREIA- ANTRACITO E AREIA-CARVÃO ATIVADO GRANULAR NO TRATAMENTO DE ÁGUA Seckler Ferreira Filho Sidney *, Arantes do Nascimento Teixeira

Leia mais

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato:

Tratamento da Água. João Karlos Locastro contato: 1 Tratamento da Água João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 2 Vazão 3 Informações pertinentes - A água bruta pode conter compostos como: partículas coloidais, substâncias húmicas e

Leia mais

SÍNTESE DE CARVÃO ATIVADO FISICAMENTE COM VAPOR DE ÁGUA VISANDO TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS PARA FINS DE REÚSO

SÍNTESE DE CARVÃO ATIVADO FISICAMENTE COM VAPOR DE ÁGUA VISANDO TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS PARA FINS DE REÚSO SÍNTESE DE CARVÃO ATIVADO FISICAMENTE COM VAPOR DE ÁGUA VISANDO TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS PARA FINS DE REÚSO Ricardo Francisco Alves (1); José Luiz Francisco Alves (2); Jean Constantino Gomes

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DO ESGOTO

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DO ESGOTO Sistema de Esgotamento Sanitário e Pluvial CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DO ESGOTO Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Universidade Federal de Minas Gerais Caracterização do esgoto doméstico

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental I - 15 UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES Carlos Eduardo Blundi (1) Prof. Doutor do Departamento

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE ITAGUARA (Autarquia Municipal) CNPJ: / Inscrição Estadual: Isento

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE ITAGUARA (Autarquia Municipal) CNPJ: / Inscrição Estadual: Isento LOTE 1 RESERVA DE COTA PARA MICROEMPRESA ME, EMPRESA DE PEQUENO PORTE EPP, MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI 01 02 FLUOSSILICATO DE SÓDIO, PARA ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. FÓRMULA QUÍMICA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA

AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA 1 AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA SILVA, Maura Francisca; CARVALHO, Eraldo Henriques Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Em Engenharia Do Meio Ambiente - PPGEMA PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de

Leia mais

EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES

EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES Nome dos autores: Jarllany Cirqueira Lopes; Liliana Pena Naval Jarllany

Leia mais