Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Tecnologia e Gestão"

Transcrição

1 Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Tecnologia e Gestão Sandra Marisa Amarelo da Costa Engenharia Informática, n.º 5588 Fevereiro 2000

2 Índice 1. INTRODUÇÃO INTERFACE DO 3D STUDIO MAX Botões da Barra de Ícones Principal...4 Botões de Vista Standard...5 Botões de Câmara PEQUENAS APLICAÇÕES Criação de um Jarro Criação de Texto APLICAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DE LUZES E ILUMINAÇÃO APLICAÇÃO DE CÂMARAS VISUALIZAÇÃO REALISTA RENDERING...26 Referências Bibliográficas...28 Sistemas Multimédia 2

3 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com este truques e dicas dar a conhecer, de uma forma simples, algumas das utilidades do 3D Studio Max release 3, um dos programas mais usado em todo o mundo para criação de imagens e animações realistas. O 3D STUDIO MAX possibilita a fácil e muito intuitiva criação de completos modelos 3D, a obtenção de imagens de qualidade fotorealista e a criação de animações de elevada qualidade. Sistemas Multimédia 3

4 2. INTERFACE DO 3D STUDIO MAX 3.0 Quando se entra no programa, aparece a sua área gráfica, apresentada pela seguinte figura: De seguida, devido à sua complexidade, vamos simplesmente apresentar os botões principais da aplicação: Botões da Barra de Ícones Principal Figura 1 Área Gráfica do 3DS MAX 3 Undo e Redo - permitem anular ou repor a última operação efectuada. Uma forma se aceder mais facilmente a estas operações será CTRL+Z para Undo e CTRL+A para Redo; Select and Link/Unlink Selection e Bind to Space Warp - Criam, partem e estabelecem ligações entre objectos para efeitos de animação; Sistemas Multimédia 4

5 O primeiro botão é o botão de selecção (Select), os três botões seguinte aplicam-se quando se pretende seleccionar mais do que um objecto, e os restantes permitem aplicar transformações ao objecto a seleccionar, respectivamente, deslocar rodar ou alterar a escala. Permitem estabelecer restrições de eixos para transformações; Inverse Kinematics on/off Activa a cinemática inversa para que as transformações aplicadas a filhos de cadeias hierárquicas influenciem os níveis superiores Mirror Reflecte os objectos seleccionados; Array Cria cópias múltiplas; Align permite alinhar os objectos; Track View Activa a caixa de visualização e edição de pistas Creat Painel de criação de objectos, exemplo: Geometria dos objectos, as formas, as luzes, as câmaras. Modify O Painel Modificador contem ferramentas para modificar os objectos seleccionados. Hierarchy Este painel contém ferramentas para o ajuste de parâmetros de hierarquia paisfilhos entre os objectos de cinemática inversa. Motion Painel que permite controlar trajectórias e parâmetros de movimento de objectos, na criação de animações. Display Painel que permite controlar a representação de objectos na cena, tais como, a possibilidade de os tornar invisíveis ou não alteráveis. Utilities Este painel contem os plug-ins. Botões de Vista Standard Este conjunto de botões aparece quando se activa qualquer visor que não seja de câmara. Sistemas Multimédia 5

6 Zoom (Z): modifica a percentagem de ampliação da vista apenas no visor sobre o qual se arraste. Ao arrastar para cima aumenta a percentagem de ampliação e ao arrastar para baixo diminui. O botão permanece activo até se clicar com o botão direito do rato, se seleccionar noutro botão ou se executar outro comando. Zoom All: muda a percentagem da ampliação na vista em todos os visores que não sejam de câmara. Zoom extents (Control+Alt+Z): amplia e centra a vista no visor, mostrando todos os objectos visíveis da cena. Zoom extents Select: amplia e centra o visor para mostrar os objectos seleccionados. Zoom Extents All (Control+Shift+Z) : amplia e centra as vistas em todos os visores que não sejam de câmara, mostrando todos os objectos visíveis da cena. Zoom Extents All Select: amplia e centra todos os visores que não sejam de câmara para mostrar os objectos seleccionados. Field of View: quando é activada uma vista Perspectiva, pode-se utilizar este botão para ajustar a qualidade de perspectiva que se aplica sobre a vista. Arrastando para baixo, amplia-se o ângulo do campo visual e a perspectiva aumenta. Arrastando para cima, reduzse o ângulo do campo visual e aumenta a perspectiva. Pan (control+p) : se seleccionado com a ajuda do rato este botão e movimentando-o dentro do visor activo, é possível mover a vista em qualquer direcção. Arc Rotate (Control+R): Controla o ângulo das vistas ao permitir rodá-las à volta do seu ponto central. Quando se selecciona este botão, aparece uma circunferência verde com quatro pequenos quadrados no visor activo. Arc Rotate Select: muda o ângulo da vista tendo como centro de rotação o centro da selecção actual. Min/Max Toggle (W): aumenta o visor entre o seu tamanho normal e o de ecrã completo. Ao premir o botão, o visor activo enche toda a área do visor e ao voltar a premir reduz-se para o tamanho normal. Botões de Câmara Dolly Camera: permite mover uma câmara ao longo de uma linha imaginária que os une com o seu alvo (esta linha denomina-se linha de guia). Se se seleccionar este botão e se Sistemas Multimédia 6

7 arrastar para cima no visor, a câmara avança pela sua linha de mira e aproxima-se do seu alvo. Se se arrastar para baixo a câmara retrocede e afasta-se do seu alvo. Perspective: permite fazer uma mudança de câmara e ajustar o campo visual ao mesmo tempo, o que modifica a perspectiva sem alterar a composição da vista. Ao seleccionar este botão e arrastando para cima, a câmara aproxima-se do alvo (target), o que amplia o campo de visão e a perspectiva. Se arrastar para baixo, a câmara afasta-se do alvo, o que produzirá uma redução do campo de visual e perspectiva. Roll camera: permite rodar uma câmara à volta da sua linha de mira. É necessário activar este botão e arrastar no visor no sentido horizontal. Órbit Camera: permite rodar uma câmara em torno do seu alvo. Se esta tecla for activada e arrastada no visor, a vista gira à volta dos eixos X e Y. Se a tecla Control se mantiver premida e se arrastar no sentido vertical ou horizontal a rotação da vista é bloqueada, respectivamente, à volta do eixo X e Y no ecrã de desenho. Truck Camera: permite rodar a vista à volta de uma câmara ou foco. Premindo a tecla Control e arrastando no sentido vertical ou horizontal, é bloqueada a rotação da vista em torno do eixos X e Y, respectivamente. Truque: As modificações efectuadas sobre as vista que não são de câmara podem ser desfeitas ou repostas utilizando os comandos Undo View Pan (Shift+Z) e Redo (Shift+A) do menu View. As modificações efectuadas sobre as vistas de câmara alteramos parâmetros das câmaras que estão associadas com as mesmas. Por isso, para desfazer ou repor estas modificações é necessário utilizar os comandos Undo (Control+Z) e Redo (Control+A) do menu Edit. Sistemas Multimédia 7

8 3. PEQUENAS APLICAÇÕES 3.1. Criação de um Jarro Figura 2 Rendering do Objecto O primeiro passo para a construção do jarro é a alteração do espaçamento das grelhas globais para 5 unidades, isto para controlarmos o seu tamanho. No menu de topo Customize, marcamos Grid and Snap Settings. Acedemos ao painel Home Grid, no campo Grid Spacing colocamos 5 e saímos da caixa. A densidade da grelha duplica em todas as janelas. Para a construção do jarro temos que: 1. Aumentar a janela Front para toda a área como botão. Aplicamos o Zoom,, para diminuir a escala de visualização e o botão Pan, para deslocar a vista para baixo. 2. Como a criação de splines é muito flexível, podemos não obter à primeira a spline como o aspecto pretendido. Assim, gravamos temporariamente o modelo com o comando Hold, do menu de topo Edit. O programa não pede nada, mas grava o modelo. 3. No painel lateral Create, escolhemos Shapes, e marcamos o botão Line. Através da marcação sucessiva de vértices criamos uma spline similar ao da figura 3. Se a spline não sair como o desejado, faça Edit/Fetch e repita o processo. Quando acabar de desenhar a spline prima ESC. Sistemas Multimédia 8

9 Figura 3 Spline da Garrafa Figura 3. Spline do Jarro 4. Através do modificador de splines vamos arredondar os vértices. Chamamos o painel Modify. Aparecem os parâmetros para este modificador e repare que em Sub- Object temos Vertex que é o que pretendemos: a alteração de vértices. Marcamos o segundo vértice a contar de cima e com a tecla direita chamamos o menu do cursor. Escolhemos Smooth, para o tipo de vértice. De seguida repetimos o processo para o terceiro e quarto vértice, tanto da spline do lado esquerdo como o direito. 5. Falta agora criar o objecto de revolução. Desmarcamos o botão Sub-Object. Com a spline seleccionada, aplicamos o modificador Lathe do mesmo painel lateral. Automaticamente é criado o objecto com um eixo segundo Y e que passa pelo ponto pivot. Mas não é este objecto que pretendemos. 6. Desmarcamos Cap Start, dado que não queremos faces de topo. Para deslocar o eixo assinalamos o botão Sub-Object que apenas tem lista Axis. Usamos Move, movendo o eixo segundo a direcção X, por forma a o colocar alinhado com o centro do depósito, tal como se pode ver na figura 4. Se necessário, marque o constrangimento X. Figura 4 Modificador Lathe Sistemas Multimédia 9

10 7. No final desmarcamos Sub-Object. 8. Por último, resta-nos aplicar um material ao objecto, para tal deverá consultar o capitulo 4. Truque: A técnica que permite mudar as vistas das janelas são as seguintes: T = Topo (Superior); B = Bottom (Inferior); L = Left ( Esquerda) F = Front ( Frente) R = Right ( Direita) P = Perspective ( Perspectiva) C = Camera (Câmara) 3.2. Criação de Texto Figura 5. Rendering do Texto Para criar um texto vamos utilizar dois objectos. Texto: No painel lateral Create, marcamos Shapes, escolhemos o botão Text, e na janela Front marcamos um ponto de visualização ( se não libertarmos o botão do rato, podemos arrastar o texto para outra posição) para a inserção de texto. Sistemas Multimédia 10

11 Espaçamento entre as letras Espaçamento entre as linhas Indica se a alteração do texto é manual ou automática Figura 6. Painel deslizante da criação de texto Na lista de fontes de texto escolhemos o tipo de letra desejado, neste exemplo foi escolhido Arial, no Size escolhe-se o tamanho da letra (100), e no campo Text escrevemos o texto. Rectângulo: Figura 7 Visualização do texto na Janela Front No painel lateral Create, marcamos Shapes, escolhemos o botão Rectangle, e na janela Front contornamos o texto criado anteriormente. Sistemas Multimédia 11

12 Figura 8 Criação do Rectângulo Depois de criarmos estes dois objectos, seleccionamos o texto, marcamos o painel Modify, e seleccionamos o botão Edit Spline para acedermos ao modificador de formas. Escolhemos o botão Attach e posteriormente seleccionamos o rectângulo para ligarmos os objectos num só. Atribuição de Formas: Figura 9 Painel deslizante Geometry As formas são entidades 2D, neste exemplo vamos atribui ao objecto uma extrusão, isto é um objecto 3D com as arestas dos topos arredondadas. No painel Modify seleccionamos o modificador extrude. Na secção parameters damos o valor 50 ao Amount que indica a altura da extrusão. Depois da atribuição da forma pode-se atribui uma textura, utilizando a caixa de diálogo Editor de Materiais, Material Editor. A atribuição de uma textura será explicada posteriormente. Em qualquer momento podemos ajustar o objecto. Activamos uma Janela, por exemplo Front e, marcamos o botão Select and Move/Select ( ) que permite deslocar o objecto segundo os diferentes eixos. Para restringir uma transformação a uma ou duas direcções, usa-se os botões de constrangimento. Sistemas Multimédia 12

13 Se o constrangimento for: X - A transformação é apenas aplicada segundo o eixo do sistema activo; Y A transformação é aplicada segundo o eixo Y; Z A transformação é aplicada segundo o eixo Z; XY, YZ, ZX A transformação é limitada aos eixos indexados. É aconselhável em transformações definir os vários elementos da esquerda para a direita. Assim, começamos por escolher a transformação e os objectos, seguindo-se o sistema de coordenadas, o centro de transformação e, finalmente os constrangimentos. Na transformação os eixos activos são representados a vermelho na janela activa. Assim na janela Left apenas colocamos o objecto na vertical e/ou na horizontal, nunca na direcção perpendicular à janela. O mesmo se passava em qualquer janela ortogonal. Isto significa que, usando transformações apenas nas janelas ortogonais, conseguimos colocar qualquer objecto em qualquer ponto. Sistemas Multimédia 13

14 4. APLICAÇÃO DE MATERIAIS Um material em 3DS Max é constituído pelo conjunto de informação que se pode atribuir à superfície ou às faces de um objecto, de modo a conferir-lhe determinada aparência. A forma como a superfície de um objecto reflecte a luz, determina o aspecto deste objecto quando sujeito a diferentes tipos de iluminação. O material representa a forma como um objecto reflecte ou transmite a luz, afectando a sua cor, o seu brilho, a sua textura, resumindo, toda a sua aparência. Estas propriedades estão ligadas às propriedades da luz, que combinadas fazem com que um objecto ou cena tenha uma aparência real. A criação e edição de materiais é feita utilizando a caixa de diálogo Editor de Materiais, Material Editor. Esta caixa fica acessível através da marcação do ícone, ou por Tools/Material Editor(figura 10), ou simplesmente pressionando na tecla M. Materiais? Básicos Figura 10 Editor de Materiais Para se proceder à atribuição de um material a um objecto, irá ser apresentado duas formas diferentes para o fazer: a) Através da marcação de um objecto. 1. Seleccionar um objecto na cena; 2. Activar o Editor de Materiais; 3. Marcar o quadro de visualização de materiais no qual se encontra o material a atribuir ao objecto; 4. Marcar o botão Assign Material to Selection, Sistemas Multimédia 14

15 b) Arrastando um material para um objecto. 1. Activar o editor de materiais; 2. Marcar o quadro de visualização de materiais no qual se encontra o material a atribuir ao objecto; 3. Arrastar o quadro de visualização para o objecto ao qual se pretende atribuir o material. Para copiar um material de um quadro para o outro, procede-se do seguinte modo: 1. Marca-se o quadro que tem o material a copiar; 2. Arrasta-se o quadro marcado para cima do quadro para onde se quer; Todos os materiais aqui apresentados são materiais básicos, para escolhermos um material ou mapa a colocar no quadro de visualização, activamos o botão Get Material que activará o Gestor de Materiais, apresentado na seguinte figura. View Small Icons Mostra ao materiais e mapas em esferas pequenas. View List + Icons Apresenta os materiais e mapas numa forma de listas e esferas pequenas com os materiais. View Large Icons - Mostra os materiais e mapas em esferas um grandes com a sua designação. View List Mostra os materiais e os mapas em formatos de listagens? Definição da origem dos materiais na listagem apresentados Figura 11 Caixa de Material / Map Sistemas Multimédia 15

16 Gravação de um ficheiro de materiais O 3DS MAX, por omissão, carrega o ficheiro de materiais 3dsmax.mat. Neste ficheiro existe um grande número de materiais já definido, que podemos usar na nossa cena. Para criarmos e gravarmos outros ficheiros de materiais, onde apenas incluímos os materiais que queremos, procedemos da seguinte forma:?? Criamos os materiais no editor de Materiais, Material Editor;?? Na caixa Gestor de Materiais (Material/Map Browser) marcamos Mtl Editor (podemos também marcar Select ou Scene) na área Browser From;?? Na área File fica apenas disponível o botão Save As... marcamos este botão e na caixa de diálogo Save Material Library definimos o nome que o nosso ficheiro vai ter, seguido de OK;?? Acabámos de criar um ficheiro com todos os materiais presentes no Material Editor. Apesar de termos criado um novo, o ficheiro activo continua a ser o anterior. Para activar o novo ficheiro, termos de o abrir com o botão Open. Depois da criação do ficheiro a qualquer altura podemos adicionar materiais, marcando o botão Put to Library, na caixa Editor de Materiais. Ou ainda:?? Removemos os materiais da livraria activa, marcando o botão Save As para gravar o ficheiro com outro nome. Painéis deslizantes do Editor de materiais De seguida iremos apresentar alguns dos painéis deslizantes:?? Shader Basic Prameters: Figura 12 Painel Shaper Basic Parameters Neste painel podemos definir o tipo de sombreado, que poderá ser: Constant Coloca sombreados constantes em cada face ou superfície do objecto; Phong - Cria transições suaves de cor entre faces e apresenta realisticamente os pontos de reflexão de luz; Blinn Semelhante ao sombreado Phong, com a diferença principal dos pontos de reflexão de luz serem mais arredondados; Metal - Permite a criação de superfícies Metálicas de aspecto realista; Sistemas Multimédia 16

17 E ainda o tipo de armação do objecto, por exemplo se a opção for: Wire - o objecto é visualizado em modo arame; 2-Slide o objecto também é visualizado em modo arame mas permite que todas as arestas das superfícies interiores; Face Map Aplica o material a todas as faces do objecto;?? Blinn Basic Parameters Cria o efeito de fontes de luz.. Utiliza-se para representar o efeito de Luz Define o nível de opacidade, quando maior for o valor mais opaco será o objecto?? Extended Parameters Figura 13 Painel Blinn Basic Parameters Figura 14 Painel Extended Parameters Neste painel ajusta-se os parâmetros de Advanced Transparency, Wire e reflection dimming Falloff In: Aumenta a transparência no centro do objecto; Falloff Out : Aumenta a transparência nos bordos do objecto; Falloff Amt : Define a quantidade de transparência nos bordos do objecto; Sistemas Multimédia 17

18 ?? Maps Para criar um material mapeado, usa-se o painel deslizante Maps. Figura 15 Painel Maps Antes da atribuição de uma mapa, torna-se necessário a explicação dos vários tipos de mapeamentos existentes:?? Mapeamento Ambiente (Ambient Color)- Este mapeamento usa uma imagem para substituir a componente ambiente do material e é usando conjuntamente com o mapeamento difuso. Por definição, não está disponível.?? Mapeamento Difuso (Diffuse Color) Este usa uma imagem para substituir a componente difusa do material. A imagem aparece pintada na superfície do material.?? Mapeamento de auto-iluminação (Self-Ilumination) Este mapeamento afecta a propriedade de auto-iluminação, quando mais próximo do branco for a cor dos pixels, mais auto-iluminado é o material?? Mapeamento de Opacidade (Opacity) Este usa a intensidade dos pixels da imagem para afectar a opacidade do material, Branco é opaco, preto é transparentes;?? Mapeamento de relevo (Bump) Este mapeamento utiliza a intensidade dos pixels da imagem para provocar o efeito de relevo na superfície. Os pixels de cor branca provocam o efeito de alto relevo e os pixels de cor preta o de baixo relevo.?? Mapeamento de reflexão (Reflection) Esta reflexão poderá ser Básica dando a ilusão de vidro; Automática que não aplicam imagens ao material, mas os objectos da cena reflectem ; Sistemas Multimédia 18

19 Espelho em que são aplicados a faces co-planares e que reflectem os objectos que se encontram à sua frente, tal como um espelho verdadeiro.?? Mapeamento de refracção (Refraction) Neste tipo de mapeamento em vez de parecer que o objecto reflecte o que se está à sua volta, apresenta os objectos que estão a trás de si, mas refractados. Atribuição de Materiais Mapeados Na atribuição de um mapa vamos em primeiro lugar aplicar um mapeamento difuso e seguidamente de um mapeamento de reflection. Para o mapeamento difuso, faz-se: 1. Marca-se a caixa que se encontra do lado esquerdo da palavra Diffuse. Deste modo, estamos a indicar o tipo de mapeamento. 2. Marca-se o botão Map referente ao mapeamento diffuse. Por predefinição, todos os botões têm escrito None, significando que nenhum mapa está atribuído. É activado a caixa Gestor de Materiais (Material/Map Browser), de onde escolhemos o tipo de mapa pretendido, que será Bitmap. 3. No editor de materiais em Bitmap Parameters marca-se o botão com o nome Bitmap, que activará a caixa Select Bitmap Image File, onde se escolhe o ficheiro que se pretende usar no mapa. Depois de se aplicar o material poderá ser necessário mapear o objecto, para tal: no painel Coordenates poderá ser definido o número de vezes que o mapa se repete, desfocar o mapa, etc... Aplica-se o mapa ao objecto Aplica-se o mapa à cena Permite definir se o mapa é projectado para a parte posterior dos objectos. Quando marcado, o mapa atravessa o objecto e é visível na parte de trás. Muda a origem do mapa nas coordenadas UV, os valores vão de 0 a 1. Define o número de vezes que o mapa é repetido em cada eixo Tile - Liga e Desliga o Efeito de Tiling Mirror Liga e desliga o efeito de espelho do mapa Figura 16 Painel Coordinates Sistemas Multimédia 19

20 Para se poder visualizar o material do objecto é necessário na caixa de dialogo Material Editor clicar no botão Show Map in Viewport, caso contrario só será visualizado quando se efectuar o rendering. Materiais Compostos Os materiais compostos são materiais constituídos por dois ou mais mapas. Existem vários tipos de mapeamento compostos: Mapas 2D Efeito bidimensionais; Mapas 3D - Colocam o material não só na superfície, mas também no interior dos objectos; Mapas compositores Efectuam misturas de dois mapas; Mapas modificadores de cor Alteram as cores do mapa a aplicar; Outros mapas São mapas de reflexão e refracção. Exemplos de materiais compostos Gradient Este tipo de mapa é 2D, e apresenta um gradiente constituído por 3 cores, com transição suave. Figura 17 Painel Gradient Parameters Tal como se pode ver na figura 17 podemos ter um mapa para cada cor. A inserção deste tipo de mapa é feita através do Editor de Materiais / Maps. Neste painel deslizante Sistemas Multimédia 20

21 Mix Este tipo de mapa é um mapa compositor e permite misturar duas cores na superfície do objecto. Troca a posição das cores Proporção visível de cada um dos mapas ou cores Flat Mirror Figura 18. Painel Mix Parameters Este material faz com que o material a que é aplicado se transforme num espelho, isto é que reflicta os objectos que se encontrem à sua volta. Este parâmetro afecta a nitidez do objecto Distorcem-se as reflexões Flat Mirror por forma a simular irregularidade Figura 19. Painel Flat Mirror Parameters Sistemas Multimédia 21

22 5. APLICAÇÃO DE LUZES E ILUMINAÇÃO A criação de luzes é feita no painel Create marcando o botão Lights. Para que se possa visualizar os objectos de uma cena, tem de existir alguma forma de iluminar essa cena. Como acontece na vida real, na ausência de luzes toda cena aparecerá a negro. A forma de iluminação da cena é muito importante para uma boa definição das cores e formas, isto é, quanto melhor aplicada for a iluminação, maior será o efeito tridimensional. O programa dispõe de 6 tipos de luzes: Figura 20 Criação de Luzes 1. Luz Ambiente - A luz ambiente simula a iluminação reflectida. Não basta existir uma luz ambiente para iluminar uma cena, necessitando de pelo menos outra luz para serem visíveis os seus efeitos, sendo esta activa através do menu Rendering/Environmente. 2. Ponto de Luz (Omni) Os pontos de luz são luzes com uma localização especifica e que transmitem raios em todas as direcções com o mesmo grau de intensidade, tais como, velas, fogueiras ou lâmpadas. Para criar este tipo de luzes, marca-se o botão Omni e, em seguida indica-se numa das janelas de visualização a posição onde se deseja que a luz fique. Ao aplicar este tipo de luzes, pode-se excluir, na cena, objectos que não queremos que sejam afectados pela luz, dando maior controlo sobre a iluminação. Este parâmetro que exclui os objectos é designado por Exclude 3. Luzes distantes com alvo (Target Direct) Englobam as luzes de raios paralelos, com uma direcção especifica, não importando a sua localização. A direcção é definida pelo posicionamento da fonte e do alvo, exemplo: luz do Sol. Para a criação deste tipo de luzes utiliza-se o botão Target Direct, marcando-se em seguida, a sua posição numa das janelas de visualização. 4. Luzes distantes livres (Free Direct) São luzes equivalentes às anteriores, mas em que não é necessário definir o alvo. A criação deste tipo de luzes é feita através do Sistemas Multimédia 22

23 botão Free Direct, marcando-se, em seguida, a sua posição numa das janelas de visualização. Para janelas ortogonais, a luz fica sempre com os seus raios perpendiculares à janela onde foi colocada, por exemplo se foi colocada na janela topo, fica a apontar de cima para baixo. 5. Focos com alvo (Target Spot) São tipos de luz com projecção de raios em cone a partir de uma localização e para um determinado alvo, como lanternas ou holofotes. Este tipo de luz pode projectar sombras. Para criar esta luz, marca-se o botão Target Spot e, em seguida, indica-se numa das janelas de iluminação a posição onde se deseja que a fonte de luz fique, arrastando, mantendo a tecla do rato premida, até ao ponto onde se pretende que fique o alvo. Largamos o botão do rato e o foco fica definido. 6. Focos livres (Free Spot) Luzes equivalentes às anteriores, mas em que não especificamos o alvo. Para criar esta luz, marca-se o botão Free Spot, indicando-se, em seguida, a sua posição numa das janelas de visualização. A visualização das luzes pode ser ligada e desligada na opção Hide by Catergory, do painel Display. Aquando da sua inserção das luzes podemos optar pela existência ou não de sombras, por exemplo se a luz escolhida fosse Focos com Alvo Target Spot, e se pretendêssemos sombras, no painel deslizante General Parameters seleccionávamos Cast Shadows e no painel deslizante Shadow Parameters seleccionávamos On ( Ver figura 21). Figura 21. Parâmetros do Foco com Alvo Sistemas Multimédia 23

24 6. APLICAÇÃO DE CÂMARAS Para criarmos uma câmara abrimos o painel lateral Create, e actuamos Cameras. Figura 22 Caixa de dialogo Environment Tal como podemos visualizar na figura 22, existem dois tipos de câmaras:?? Câmara com alvo (Target Camera);?? Câmaras livres (Free Camera); Na primeira controlamos, para além da sua localização, a localização do alvo, ou seja, para onde a câmara aponta. A direcção da câmara livre fica sempre perpendicular à janela escolhida para a sua inserção. Se indicarmos Target numa das janelas de visualização marcamos o ponto onde vai ficar situada a câmara, arrastamos, mantendo a tecla do rato premida ao ponto onde queremos que fique o alvo. Largamos o botão do rato e a câmara fica definida. Se indicarmos Free, basta indicar numa das janelas de visualização o ponto onde queremos que a câmara fique. Em janelas ortogonais, esta câmara fica sempre apontada perpendicularmente à janela escolhida. Para podermos visualizar a nossa vista da câmara, seleccionamos uma das janelas de visualização e digitamos C. Se só existir uma câmara na nossa cena, a janela escolhida passa a ser a visa da câmara. Se tivermos mais do que uma câmara, aparece uma caixa de dialogo Select Camera, onde temos de seleccionar a câmara pretendida. Câmaras Livres As câmaras livres (ver figura 23) permitem visualizar a área para a qual a câmara aponta, sem termos de definir o alvo. A câmara livre tem os seguintes parâmetros: Lens Define a distancia focal da lente em milímetros; FOV Define o campo de visão da câmara; Sistemas Multimédia 24

25 Orthographic Projection Transforma a vista da câmara numa projecção ortográfica. Stock Lenses Nesta área existe um conjunto de botões com valores predefinidos de distância focal (em milímetros). Estes valores correspondem a um conjunto de lentes usadas frequentemente em câmaras fotográficas e de filmar. Show Cone Liga e desliga o campo de visão; Show Horizon Apresenta a linha de horizonte na janela de visualização da câmara. Environment Ranges parâmetros que definem o intervalo de acção dos efeitos de atmosfera e ambiente. Clipping Planes Estes conjuntos de parâmetros definem o intervalo de visualização da câmara. Figura 23 Parâmetros da câmara livre Sistemas Multimédia 25

26 7. VISUALIZAÇÃO REALISTA RENDERING O objectivo final do 3DS MAX é criar imagens fixas ou animações realistas. A este processo dá-se o nome de visualização realista, vulgarmente designado pelo termo inglês Rendering. A visualização realista é normalmente obtida para a janela de visualização activa. Comandos de visualização realista: Preview Visualização rápida de animações. Cria-se um ficheiro com formato.avi. Quando a visualização rápida acaba de ser criada começa a aplicação Media Player do Windows. Render Scene Obtenção do Rendering, usando parâmetros. Quick Render Obtenção do rendering rápido. Utiliza-se este botão quando não é necessário alterar os parâmetros de visualização. Render Last Botão que repete a última Rendering feito. Environment Na caixa de diálogo colocada, de nome Environment, pode-se definir uma imagem de fundo de uma cena, ou inserir um efeito de atmosfera. Figura 24 Caixa de dialogo Environment Sistemas Multimédia 26

27 Por exemplo para inserir uma imagem de fundo a uma cena faz-se: 1. Em background activamos o Use Map e marcamos o botão por baixo que contem a palavra none, onde aparecerá a caixa de escolha/criação de materiais. 2. Em Browse From escolhemos New e marcamos Bitmap na lista direita. Voltamos à caixa Environment, aparecendo já o botão com Map#1 (Bitmap). 3. Abrimos a caixa dos materiais, Material Editor, e arrastamos o botão Map #1 de Environment para cima do quadrado 2 de materiais. Imediatamente este fica associado à imagem de fundo, assumindo os cantos brancos. 4. Na zona Coordinates escolhemos na lista de Mapping o item Screen. Na zona Bitmap Parameters marcamos o botão diante de Bitmap. Aparece uma caixa de ficheiros e vamos buscar o ficheiro pretendido para o fundo da cena. A imagem escolhida será colocada na Segunda esfera. Sistemas Multimédia 27

28 Referências Bibliográficas Santos, João e Barata João; 3D STUDIO MAX 2 Curso Completo ; FCA Editora de Informática; Curso prático de desenho 3D com 3D Studio Max + Plug-ins ;nº1 e n.º2; Editora Prensa Técnica Sistemas Multimédia 28

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10

Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais (Material) 10 Criiar uma Aniimação usando o 3D Studio MAX?? RELEASE 3 Nuno Silva nº 5768 Criação do Modelo 4 Cilindro (Cylinder) 4 Esfera (Sphere) 5 Superfícies (Quadpatch) 6 Bandeira 6 Chão 7 Texto (Text) 8 Materiais

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 1 - Introdução ao 3D Studio. Conhecendo a interface do programa. O 3D Studio Max é um aplicativo que nos permite trabalhar com modelagem, texturização, materiais, iluminação e animações tridimensionais.

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop.

Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Neste tutorial irá criar uma animação simples com base num desenho do Mechanical Desktop. Inicialize o 3D Studio VIZ. Faça duplo clique no ícone de 3D Studio VIZ Abre-se a janela da figura seguinte. Esta

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 10.8 Parâmetros de Sombras Os parâmetros Bias, Size e Sample Range ajudam a controlar as sombras do tipo Shadow Map, que se destacam dos objetos, aparecendo borradas ou com falta de nitidez. 1 - Bias é

Leia mais

Modelando um Rinoceronte no Max

Modelando um Rinoceronte no Max tutorial por Fabio S. D'A. Forti Modelando um Rinoceronte no Max F ora o bom conhecimento técnico do software utilizado, o mais importante quando vamos modelar, texturizar ou animar alguma coisa que existe

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 6 Solid Works No SolidWorks peça para abrir uma nova montagem. Peça para cancelar o início da montagem. Clique na seta abaixo do ícone Inserir componentes

Leia mais

1 - No painel Create, sub-painel Systems, Ative o botão Sunlight.

1 - No painel Create, sub-painel Systems, Ative o botão Sunlight. Sistema Luz Solar Deixamos para criar a luz do Sol no final da iluminação, porque como o sistema de Sunlight, exige um tempo considerável de cálculo para ser renderizado, agilizaria todo o processo. 1

Leia mais

Introdução pg. 3. Interface do MAYA pg. 4. Criando um PS3 pg. 9. Melhorando o formato pg. 11. Modelando a Base pg. 17

Introdução pg. 3. Interface do MAYA pg. 4. Criando um PS3 pg. 9. Melhorando o formato pg. 11. Modelando a Base pg. 17 Sumário Introdução pg. 3 Interface do MAYA pg. 4 Criando um PS3 pg. 9 Melhorando o formato pg. 11 Modelando a Base pg. 17 Modelando a parte de cima pg. 21 Escrevendo no MAYA pg. 24 Posicionando os Logos

Leia mais

Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao SolidWorks (I): Funcionalidades Básicas João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia n SolidWorks 2014 Teacher Guide SolidWorks n SolidWorks 2014 Student Workbook SolidWorks

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan. Extrusão pelo caminho em torno do círculo com diâmetro 2mm.

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan. Extrusão pelo caminho em torno do círculo com diâmetro 2mm. Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 9 Solid Works Modelar uma bússola com os perfis abaixo e efetuar a montagem conforme as indicações. 2,5 6 b -Base 0 5,5 8,5 3,5 a -Fundo R 8,5 R3,6 4

Leia mais

Editable Poly Surface Create or select an object. > Quad menu > Transform quadrant > Convert To submenu > Convert to Editable Poly

Editable Poly Surface Create or select an object. > Quad menu > Transform quadrant > Convert To submenu > Convert to Editable Poly 6 - Modelagem Mesh (ou Poligonal). Editor de Materiais 6.1 - Conhecendo algumas ferramentas. Editable Poly Surface Create or select an object. > Quad menu > Transform quadrant > Convert To submenu > Convert

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático 3D STUDIO MAX Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático Modelação da cabeça de um boneco Colocar a imagem boneco.jpg como fundo na vista da direita. 1. Na vista da frente criar um círculo (NGON 6 pontos) com

Leia mais

Para alterar o texto diretamente na página selecione a ferramenta Texto e clique sobre o bloco de texto parágrafo ou artístico.

Para alterar o texto diretamente na página selecione a ferramenta Texto e clique sobre o bloco de texto parágrafo ou artístico. Quando precisarmos utilizar trechos de texto mais longos, como frases inteiras e parágrafos, utilizaremos o recurso Texto Parágrafo. Para iniciarmos um texto parágrafo selecionamos a ferramenta Texto e

Leia mais

CRIAR UMA ANIMAÇÃO BÁSICA NO FLASH MX

CRIAR UMA ANIMAÇÃO BÁSICA NO FLASH MX CRIAR UMA ANIMAÇÃO BÁSICA NO FLASH MX Introdução Este tutorial vai-te ajudar a compreender os princípios básicos do Flash MX - tal como layers, tweens, cores, texto, linhas e formas. No final deste tutorial

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

SLIDESHOWS PARA TODOS

SLIDESHOWS PARA TODOS 110 JULHO AGOSTO 2004 2004 / / EDIÇÃO 109 110 NO CD E DVD SLIDESHOWS PARA TODOS Aprenda organizar as suas fotos para uma posterior gravação num CD ou DVD. Tudo com excelentes efeitos visuais e com as suas

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Anim8or M a n

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

O TUX VAI À ESCOLA: UMA INTRODUÇÃO À EDIÇÃO DE IMAGEM COM O GIMP

O TUX VAI À ESCOLA: UMA INTRODUÇÃO À EDIÇÃO DE IMAGEM COM O GIMP O TUX VAI À ESCOLA: UMA INTRODUÇÃO À EDIÇÃO DE IMAGEM COM O GIMP O GIMP (GNU Image Manipulation Program) (http://www.gimp.org/) é uma aplicação de Software Livre para desenho e edição de imagem digital.

Leia mais

COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE

COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE O Inkscape (http://www.inkscape.org/) é uma aplicação de Software Livre para desenho e edição electrónica de imagem vectorial. É uma ferramenta para edição

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento Configurar o Word FIGURA 1.26 Serviços ligados 1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento O Microsoft Office 2013 apenas tem disponíveis ligações a serviços de armazenamento proprietários da Microsoft.

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de uma Polia. Autor: Cristiano Nogueira Silva

Autodesk Inventor 7. Tutorial de Modelamento 3D Básico. Modelamento de uma Polia. Autor: Cristiano Nogueira Silva Autodesk Inventor 7 Tutorial de Modelamento 3D Básico Modelamento de uma Polia Autor: Cristiano Nogueira Silva Reprodução e divulgação totalmente permitidas pelo autor. Apenas pedimos que sejam mantidas

Leia mais

TUTORIAIS ESCALDANTES

TUTORIAIS ESCALDANTES Como o Clone Stamp copia pixels de uma área para a outra sem qualquer modificação, é preciso escolher áreas de origem e destino que possuam aproximadamente a mesma cor e luminosidade, para não haver discrepância.

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR Capítulo 4 Guia Básico de Operação 4.1 Ligar o DVR Nota: Certifique-se que liga correctamente os conectores de

Leia mais

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12

7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 7.3. WINDOWS MEDIA PLAYER 12 Este programa permite gerir toda a sua colecção de músicas, vídeos e até mesmo imagens, estando disponível para download no site da Microsoft, o que significa que mesmo quem

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Trabalhar com Layers em Photoshop

Trabalhar com Layers em Photoshop Painel Layers / Camadas Trabalhar com Layers em Photoshop Existem cinco tipos de layers / camadas, que podem estar listados neste painel: - de imagem, contendo pixéis - de texto, com texto editável - de

Leia mais

APOSTILA 3D (notas de aula)

APOSTILA 3D (notas de aula) PROJETO E COMPUTAÇÃO GRÁFICA APOSTILA 3D (notas de aula) Prof a. Renata Maria A. Baracho Porto Prof. Marcelo Franco Porto Abril 2010 1 Professores Prof a Renata Maria A. Baracho Porto Prof. Marcelo Franco

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo)

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) Profs. Paula Viero e Beatriz Lima TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 1. O AUTOCAD 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) 4. ALGUNS COMANDOS

Leia mais

1. I n t r o d u ç ã o

1. I n t r o d u ç ã o Curso Ed iição de v íídeo d iig iita ll com o V iideostud iio Partte 1 1. I n t r o d u ç ã o F. T. Ferreira ftferreira@sapo.pt O VideoStudio 1 segue um paradigma passo-a-passo, de forma a ser fácil realizar

Leia mais

No nosso exemplo, utilizámos apenas um braço e uma perna, que

No nosso exemplo, utilizámos apenas um braço e uma perna, que 1. Seleccione agora cada uma das camadas na janela Layers; 2. Escolha a Move Tool na barra de ferramentas e, com ela, posicione cada parte do alienígena, até ter algo como o visto na figura 4.56. Fig.

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 10 Iluminação e Sombras Lembre-se que iluminar é estabelecer uma relação entre luz e sombras. Se o ambiente estiver muito claro pode destruir áreas importantes de sombras. Este Tutorial mostra como simular

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

Manipulação de Células, linhas e Colunas

Manipulação de Células, linhas e Colunas Manipulação de Células, linhas e Colunas Seleccionar células Uma vez introduzidos os dados numa folha de cálculo, podemos querer efectuar alterações em relação a esses dados, como, por exemplo: apagar,

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Actividades de exploração Objectivo Explorar as funcionalidades essenciais do Programa, na perspectiva da construção/actualização

Leia mais

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical Word II Título: Iniciação ao WORD 2003. Nível: 1 Duração: 2 Tempos Objectivo: Iniciar o estudo da aplicação Microsoft Office Word. Dar a conhecer algumas ferramentas do Microsoft Office Word. Microsoft

Leia mais

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan

Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Computação Gráfica II Prof. Miguel Pelizan Tutorial 2 3D Studio Max - Inicie desenhando na vista de topo uma base Box e duas esferas Sphere. Posicione-as conforme o desenho aplicando o comando move na

Leia mais

Centro de Competência Entre Mar e Serra. Guia

Centro de Competência Entre Mar e Serra. Guia SMART Notebook Software Guia O Software Notebook permite criar, organizar e guardar notas num quadro interactivo SMART Board (em modo projectado e não-projectado), num computador pessoal e, em seguida,

Leia mais

Microsoft Windows. Aspectos gerais

Microsoft Windows. Aspectos gerais Aspectos gerais É um sistema operativo desenvolvido pela Microsoft Foi desenhado de modo a ser fundamentalmente utilizado em computadores pessoais Veio substituir o sistema operativo MS-DOS e as anteriores

Leia mais

Animação na Timeline do Flash

Animação na Timeline do Flash Animação na Timeline do Flash Quando falamos em animação com o Flash podemos estar a referir vários tipos de animação. Globalmente, podemos aceitar a animação como uma série de elementos gráficos distribuídos

Leia mais

Introdução ao AutoCAD Capitulo III: Ecrã do AutoCAD e Operações de seleção. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca

Introdução ao AutoCAD Capitulo III: Ecrã do AutoCAD e Operações de seleção. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Introdução ao AutoCAD Capitulo III: Ecrã do AutoCAD e Operações de seleção João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca de seleção 2 Objetivos Aumentar e diminuir a visualização de um desenho por diferentes

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

Programa CAD Inventor Professional - Part _1

Programa CAD Inventor Professional - Part _1 Programa CAD Inventor Professional - Part _1 IVR2008-06 06 JOF 1 Criações neste Programa Part: modelação de uma peça normal ou tipo chapa (com uma espessura constante); ipt. Assembly: ligação (link) entre

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

Acer econsole Manual do Utilizador

Acer econsole Manual do Utilizador Acer econsole Manual do Utilizador 1 Informações sobre software de outras empresas ou software gratuito O software pré-instalado, integrado ou distribuído com os produtos fornecidos pela Acer contém programas

Leia mais

Introdução ao AutoCAD Capitulo III: Ecrã do AutoCAD e Operações de seleção

Introdução ao AutoCAD Capitulo III: Ecrã do AutoCAD e Operações de seleção Introdução ao AutoCAD Capitulo III: Ecrã do AutoCAD e Operações de seleção João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca de seleção 2 Objetivos Aumentar e diminuir a visualização de um desenho por diferentes

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

GUIA DE CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES MICROSOFT POWER POINT

GUIA DE CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES MICROSOFT POWER POINT Nuno Azevedo 2005/06 ESCOLA BÁSICA B INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO GUIA DE CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES MICROSOFT POWER POINT A Janela de apresentação do Programa Barras de menus, padrão e de formatação Área

Leia mais

FrontPage Express. Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática

FrontPage Express. Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática FrontPage Express Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática O que é o FrontePage Express Para aceder ao programa que vai

Leia mais

COREL PHOTO-PAINT 10. Editar uma imagem digitalizada. Rodar ou Cortar uma imagem. Corrigir a Luminosidade e o Contraste de uma imagem

COREL PHOTO-PAINT 10. Editar uma imagem digitalizada. Rodar ou Cortar uma imagem. Corrigir a Luminosidade e o Contraste de uma imagem 10 Editar uma imagem digitalizada Após a digitalização de uma imagem pode-se fazer uma série de correcções no Photo-Paint rodar ou cortar a imagem, trabalhar a luz ou a cor, converter para outro formato,

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Capítulo 1 - Área de Trabalho Capítulo 2 - Configuração do Ambiente de Trabalho Capítulo 3 - Objetos Standard e Formas de Seleção

Capítulo 1 - Área de Trabalho Capítulo 2 - Configuração do Ambiente de Trabalho Capítulo 3 - Objetos Standard e Formas de Seleção Capítulo 1 - Área de Trabalho 1.1. Visão Geral 1.2. Área de Trabalho 1.3. Painel de Comandos 1.4. Viewports - Janelas de Trabalho 1.4.1. Mudar Vistas, Layout e Tamanho das Viewports 1.5. Ferramentas de

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Olhos no Blender 3D. Apresentação

Olhos no Blender 3D. Apresentação Modelando Personagens Olhos no Blender 3D José Fernando Reinicke Apresentação Este tutorial apresenta-se dividido em duas etapas. A Primeira Etapa - Cinco Minutos Modelando faz uma abordagem sobre a modelagem

Leia mais

Índice Apresentando o software Programa aberto Criando nova animação Trabalhando as animações Ferramentas Abrir uma figura como animação

Índice Apresentando o software Programa aberto Criando nova animação Trabalhando as animações Ferramentas Abrir uma figura como animação Apostila Índice Apresentando o software...o que são GIF s animadas Programa aberto 2 Criando nova animação 3 Trabalhando as animações 3 Ferramentas 4 Abrir uma figura como animação 5 Barras de ferramentas

Leia mais

Centro de Competência Entre Mar e Serra. Guia

Centro de Competência Entre Mar e Serra. Guia SMART Notebook Software Guia O Software Notebook permite criar, organizar e guardar notas num quadro interactivo SMART Board (em modo projectado e não-projectado), num computador pessoal e, em seguida,

Leia mais

Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR E SILHOUETTE STUDIO. File > Open > Escolher a pasta ou local onde se encontre o ficheiro

Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR E SILHOUETTE STUDIO. File > Open > Escolher a pasta ou local onde se encontre o ficheiro TUTORIAL CORTADORA DE VINIL Software de Edição e Output ADOBE ILLUSTRATOR E SILHOUETTE STUDIO 1. Abrir o programa ADOBE ILLUSTRATOR localizado na barra de tarefas 2. Abrir o ficheiro a cortar no ADOBE

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO SCANNER

MANUAL DO UTILIZADOR DO SCANNER MANUAL DO UTILIZADOR DO SCANNER Capítulo 1: Iniciação da digitalização Capítulo 2: A caixa de diálogo TWAIN Apêndices Índice 2 Iniciação da digitalização Get (Acquire) and Use the Scan Dialog Box... 3

Leia mais

MANUAL de FORMAÇÃO INICIAÇÃO. Sara Mota Marco Alves

MANUAL de FORMAÇÃO INICIAÇÃO. Sara Mota Marco Alves SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS DIVISÃO DE ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Sumário. 6.3.1. Text Color...14 6.3.2. Background Color...14 6.3.3. Text Properties...14. 6.4. Effects... 15

Sumário. 6.3.1. Text Color...14 6.3.2. Background Color...14 6.3.3. Text Properties...14. 6.4. Effects... 15 1 Sumário 1. Criando um projeto novo... 4 2. Interface:... 4 3. Abas... 5 3.1. Explorer... 5 3.2. Project Media... 6 3.3. Video Fx... 6 3.4. Transitions... 6 3.5. Customizar... 6 4. Timeline... 6 4.1.

Leia mais

SDL TRADOS 2007 WinAlign. Manual de Utilização

SDL TRADOS 2007 WinAlign. Manual de Utilização SDL TRADOS 2007 WinAlign Manual de Utilização Ficha Técnica Título SDL TRADOS 2007 WinAlign (Manual de Utilização Iniciação) Autor(a) Paula Carvalho Concepção gráfica Paula Carvalho Centro Multimédia de

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 2.1 Primitivas básicas. Criando objetos primitivos. Modify 3D Standard Primitives são objetos 3D relativamente simples tais como Box, Sphere, Cylinder, bem como Torus, Plane, Cone, GeoSphere, Tube, Teapot,

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a pcon.planner

Leia mais

18-10-2009. Microsoft Office 2007 Processador de texto. UFCD 3772 Informática na óptica do utilizador fundamentos. Formadora: Sónia Rodrigues

18-10-2009. Microsoft Office 2007 Processador de texto. UFCD 3772 Informática na óptica do utilizador fundamentos. Formadora: Sónia Rodrigues Objectivos da UFCD: Utilizar um processador de texto. Pesquisar informação na. Utilizar uma aplicação de correio electrónico. UFCD 3772 Informática na óptica do utilizador fundamentos Duração: 25 Horas

Leia mais

Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada

Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada Escola Superior de Educação de Santarém Criar um Aplicativo de Realidade Aumentada Exercício 2 Nuno Lopes Data 21 Maio 2013 26 Maio 2013 Passo 1: Criar um novo projeto 1- Dar o nome ao projeto de projeto_ra

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Conteúdos Gestão de ficheiros Explorador do Windows Modos de visualização Operações com pastas, ficheiros

Leia mais

1. Criem um novo documento no Flash MX 2004. Atribuam as dimensões do filme, Width e Height para 300 e 200.

1. Criem um novo documento no Flash MX 2004. Atribuam as dimensões do filme, Width e Height para 300 e 200. Timeline Effects Uma das evoluções que se denotam logo à partida no Flash MX 2004, são os efeitos da timeline. Os efeitos da timeline são uma colecção de efeitos especiais que podem ser personalizados

Leia mais

O Stage onde estão os gráficos, videos, botões etc que irão aparecer durante o play back.

O Stage onde estão os gráficos, videos, botões etc que irão aparecer durante o play back. O que é o Flash? Copyright 2006/2007 Jorge Mota- Multimédia I/ISTEC O flash é uma ferramenta autor, que pode ser usada por designers, editores de conteúdos, engenheiros multimédia e programadores para

Leia mais

1 O que é o PowerPoint?...4 2 Acesso ao PowerPoint...4 2.1 Ecrã de abertura do PowerPoint... 4 2.2 Utilizando a opção Apresentação em branco...

1 O que é o PowerPoint?...4 2 Acesso ao PowerPoint...4 2.1 Ecrã de abertura do PowerPoint... 4 2.2 Utilizando a opção Apresentação em branco... Índice Departamento de Matemática e Engenharias 1 O que é o PowerPoint?...4 2 Acesso ao PowerPoint...4 2.1 Ecrã de abertura do PowerPoint... 4 2.2 Utilizando a opção Apresentação em branco... 5 3 Barras

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

Prática 2 Características do Flash

Prática 2 Características do Flash Prática 2 Características do Flash 1. Objetivos Se familiarizar com os Painéis, Frames e Timelines. Desenvolver uma animação simples. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

Introdução ao AutoCAD Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca

Introdução ao AutoCAD Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD. João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Introdução ao AutoCAD João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Bibliografia AutoCAD 2013 & AutoCAD LT 2013 - Curso Comp. José Manuel Garcia FCA AutoCAD 2012 & 2011 - Guia de Consulta Rápida João Santos

Leia mais

Criando Maquetes Eletrônicas com 3ds Max Design 2012 e Integração com Vue xstream. Edisio Rangel dos Santos

Criando Maquetes Eletrônicas com 3ds Max Design 2012 e Integração com Vue xstream. Edisio Rangel dos Santos Criando Maquetes Eletrônicas com 3ds Max Design 2012 e Integração com Vue xstream Edisio Rangel dos Santos Prefácio O autor deste livro é, acima de tudo, um artista escultor com talento e de vídeos. -

Leia mais

Preparação do Autocad 2009

Preparação do Autocad 2009 Preparação do Autocad 2009 No ano 2009 a Faculdade de Engenharia da UEM recebeu o pacote de programas da Autodesk que inclui: Inventor 2009, AutoCAD Mechanical 2009, AutoCAD 2009 e outros. Para facilitar

Leia mais

Editor HTML. Composer

Editor HTML. Composer 6 Editor HTML 6 Composer Onde criar Páginas Web no Netscape Communicator? 142 A estrutura visual do Composer 143 Os ecrãs de apoio 144 Configurando o Composer 146 A edição de Páginas 148 Publicando a sua

Leia mais

Curso de Adobe Illustrator CS2

Curso de Adobe Illustrator CS2 Curso de Adobe Illustrator CS2 Sessão 1: Desenhar logótipos e botões O Adobe Illustrator disponibiliza uma grande variedade de ferramentas para criar formas geométricas, logótipos e símbolos, com muitos

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

Aplicando Skin para um Personagem

Aplicando Skin para um Personagem Aplicando Skin para um Personagem O modificador Skin associa um esqueleto a uma malha, permite animar a malha, animando o esqueleto. Ele trabalha em estruturas animadas simples como nas malhas do personagem.

Leia mais

CFAC: Introdução ao AutoCAD - I. Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD

CFAC: Introdução ao AutoCAD - I. Capitulo I: Iniciação ao AutoCAD Introdução ao AutoCAD João Manuel R. S. Tavares Joaquim O. Fonseca Bibliografia AutoCAD 2013 & AutoCAD LT 2013 - Curso Comp. José Manuel Garcia FCA AutoCAD 2012 & 2011 - Guia de Consulta Rápida João Santos

Leia mais

Como fazer uma imagem em 3 cores Atividade Adaptada National School s Observatory

Como fazer uma imagem em 3 cores Atividade Adaptada National School s Observatory Como fazer uma imagem em 3 cores Atividade Adaptada National School s Observatory Faça o download do LTIMAGE, o software que vocês utilizarão para a atividade. http://www.schoolsobservatory.org.uk/obs/software/ltimage

Leia mais

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco Alguns truques do Excel 1- Títulos com inclinação No Excel é possível colocar o conteúdo das células na vertical. Para além disto, pode-se escolher o grau de inclinação. Para isto, seleccione as células

Leia mais

Manual do Gwenview. Aurélien Gâteau Christopher Martin Henry de Valence Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Gwenview. Aurélien Gâteau Christopher Martin Henry de Valence Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Aurélien Gâteau Christopher Martin Henry de Valence Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 O que é o Gwenview.................................... 5 2 Interface

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis)

Imagens - Formatos. GIF (Graphics Interchange Format) JPEG (ou JPG) (Joint Pictures Experts Graphis) Imagens - Formatos GIF (Graphics Interchange Format) - Muito popular na web. - Permite ter um máximo de 256 cores. - Indicado para cartoons, logos, imagens com áreas transparentes e animações. JPEG (ou

Leia mais

Guião de Exploração. Introdução

Guião de Exploração. Introdução Guião de Exploração Introdução Ter o Mundo em 3D dentro de um computador e visualizar a superfície terrestre como se de uma viagem aérea se tratasse é a experiência que todos os professores já tiveram.

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação de Setúbal. Formação Contínua 1999/2000. Filomena Izidro

Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação de Setúbal. Formação Contínua 1999/2000. Filomena Izidro Instituto Politécnico de Setúbal Formação Contínua 1999/2000 Filomena Izidro Setúbal 2000 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PAINT SHOP PRO 5 O PSP 5 é um programa que permite o tratamento de imagens. Nome do

Leia mais

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD 1 1. INTRODUÇÃO. RETAS CAD Iniciaremos o estudo das retas construindo no CAD alguns exercícios já construídos na aula teórica utilizando a régua e o compasso. Entretanto, o nosso compasso aqui será o comando

Leia mais