Avaliação Técnica de Ressonância Magnética, uma Abordagem na Qualidade das Imagens.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Técnica de Ressonância Magnética, uma Abordagem na Qualidade das Imagens."

Transcrição

1 1 Avaliação Técnica de Ressonância Magnética, uma Abordagem na Qualidade das Imagens. Luciano de Moraes, Renato Garcia Instituto de Engenharia Biomédica (IEB-UFSC) Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Fone: Fax: ; Resumo: O avanço no diagnóstico por imagens utilizando a técnica de imagens por Ressonância Magnética (IRM) como instrumento clínico tem sido significativo, superando a rapidez de desenvolvimento de qualquer outra técnica de aquisição de imagens. Longe de estabilizar-se, esse processo tem-se desenvolvido e novas aplicações clínicas estão sendo definidas constantemente. No entanto, o aumento na potência dos magnetos e novas formas construtivas de bobinas de rádio-freqüência (RF), vêm despertando cada vez mais interesse, objetivando uma melhor qualidade nas imagens adquiridas. Ainda, novos programas de qualidade de imagens dentro de processos de gestão de tecnologia médico-hospitalar - GTMH, obrigam as estruturas de engenharia clinica a procurar definir protocolos para controle de qualidade em serviços de IRM. O presente estudo busca estabelecer protocolos sobre aspectos de funcionalidade e segurança da IRM, baseado em normas técnicas (a IEC ) e literatura técnica, buscando caracterizar as melhores condições para a qualidade das imagens geradas, assim como os mecanismos de funcionalidade e segurança dos equipamentos de IRM, possíveis de serem gerenciados por estruturas de engenharia clinica dentro de GTMH. Para definir o contexto de pesquisa, primeiramente, realizou-se uma estudo sobre o histórico e o estado da arte da IRM e, posteriormente passou-se aos princípios básicos da aquisição de imagens. Analisou-se com maiores detalhes o funcionamento e os princípios construtivos dos aparelhos e instrumentos da IRM, tais como, os gradientes de campo magnético na codificação e construção das imagens, os diferentes tipos de bobinas de RF, assim como os diferentes tipos de magnetos disponíveis, de modo a demonstrar o seu papel na qualidade das imagens gerada. A qualidade das imagens em IRM é controlada por muitos fatores, sendo necessário conhecer o modo como eles interagem, para permitir a melhora na sua qualidade. Nos estudos identificaram-se quatro parâmetros básicos para a determinação da qualidade das imagens: a razão sinal-ruído, a razão contrasteruído, a resolução espacial e o tempo de exame. Estes parâmetros, por sua vez, são definidos pelo ajuste de outras variáveis e de técnicas, dentre elas, as técnicas de seqüência de pulsos convencionais, as técnicas de aquisição de dados, as técnicas de compensação de fenômenos de artefatos e de fluxo no corpo humano, visando obter imagens com verdadeira consistência diagnóstica. Procura-se, neste trabalho, analisar os mecanismos das técnicas avançadas de aquisição de imagens e suas aplicações, tais como, as imagens funcionais do cérebro, as imagens em tempo real do movimento e da perfusão do coração e o monitoramento em tempo real de procedimentos de intervenção, que não são possíveis com as seqüências convencionais da IRM.

2 2 Aborda-se a segurança em IRM, do ponto de vista biológico e operacional, entrando no aspecto dos procedimentos para o uso seguro da IRM e os cuidados com o paciente, analisando a norma supracitada. Além disso, discute-se também os meios de contraste na IRM, suas aplicações clínicas, a metodologia, a administração e as precauções relativas aos diferentes meios de contraste empregados. Com este trabalho, pretende sistematizar o conhecimento a fim de estabelecer protocolos para a avaliação técnica da qualidade de imagens gerada em IRM junto às entidades assistenciais de saúde do estado de Santa Catarina, contribuindo para o processo de Gestão de Tecnologia Médico Hospitalar. Palavras-chave: IRM, qualidade das imagens, Engenharia Clínica, GTMH. Introdução Desde seu uso inicial para a aquisição de imagens humanas na década de 70, a Imagem por Ressonância Magnética (IRM) tem-se desenvolvido numa modalidade de imagem clínica amplamente utilizada e seu avanço do uso em diagnóstico por imagens tem sido significativo, superando a rapidez de desenvolvimento de qualquer outra técnica de aquisição de imagens.(riederer) A IRM é uma importante modalidade de imagem médica devido ao seu excepcional contraste aos tecidos moles e tem vantagens significativas sobre os outros sistemas de diagnóstico por imagem empregados atualmente, tais como: (Bronzino, Bushong) Melhor resolução de baixo contraste; Não utiliza radiações ionizantes; Imagem multiplanar direta; Não tem artefatos devidos ao ar e aos ossos; Medidas de fluxo diretas; Não invasiva. No intuito de oferecer um panorama geral da utilização desta tecnologia no Brasil, os dados do Ministério da Saúde do Brasil mostram um aumento na realização de procedimentos de IRM de mais de 235% (de para ), no período de 1998 a 2000 e, com relação aos gastos com estes procedimentos, um aumento de mais de 259% (de R$5.6 milhões para R$22,6 milhões). (Ministério da Saúde) Esta mesma fonte mostra que o estado de Santa Catarina é o segundo estado brasileiro que mais realiza procedimentos de IRM e, portanto, também é o segundo em gastos com a IRM. (Ministério da Saúde) Dada esta realidade e a necessidade de sistematizar informações relacionadas para serem aplicadas no projeto de GTMH em Santa Catarina, o propósito deste artigo é explanar sobre os aspectos de desempenho e segurança da IRM, baseado em normas e literaturas técnicas, buscando caracterizar as melhores condições para a qualidade das imagens geradas.

3 3 Metodologia O histórico da IRM, remonta aos meados dos anos 40, onde dois grupos de pesquisadores, dirigidos respectivamente por Felix Bloch e Edward Purcell, estudavam simultaneamente o comportamento dos núcleos atômicos imersos em um campo magnético. Eles descobriram que os núcleos absorviam energia das ondas de rádio de certas freqüências específicas. Uma análise dos picos do espectro de freqüências nos informa sobre o movimento e a composição das moléculas, informações utilizadas respectivamente no campo da física e da química. Esta técnica foi chamada de Espectroscopia por Ressonância Magnética Nuclear (RMN). Bloch e Purcell receberam em 1952 o prêmio Nobel de física por suas investigações científicas. (Bushong) Como era obvio que as técnicas de RMN eram sensíveis à dinâmica das trocas químicas, vários pesquisadores começaram a interessar-se na realização de medidas com tecidos vivos. Em 1971, Raymond Damadian, pesquisando sobre tecidos extirpados de ratos, informou que existiam diferenças significativas nos parâmetros de RMN entre os tecidos saudáveis de ratos e diversos tumores. Em 1973, Paul Lauterbur publicou uma imagem de RMN na qual se via a seção de dois capilares cheios de água obtidos mediante um espectrômetro de RMN modificado. Esta foi a primeira imagem de RMN. Damadian obteve em 1975 as primeiras imagens de animais. Vários autores, entre eles Peter Mansfield e Waldo Henshaw, investigaram muitos outros tipos de sistemas de visualização mediante RMN. (Bushong) No final dos anos 70, a IRM estava se desenvolvendo a toda velocidade. Os primeiros escaners para estudar o cérebro humano apareceram em 1978, seguidos pouco tempo depois pelos escaners de corpo inteiro. Atualmente, considera-se a IRM como uma modalidade de diagnóstico por imagem excepcionalmente boa. (Bushong) Portanto, a técnica da IRM é uma extensão das técnicas de Ressonância Magnética Nuclear (RMN) que são utilizados há muito tempo em física e química para fins diferentes da visualização e se baseia na interação dos campos magnéticos e radio-freqüências (RF). (Bronzino, Bushong, Woodward) Através da revisão bibliográfica de literatura técnica, buscou-se determinar os conceitos necessários para se compreender a qualidade da imagem em IRM e os aspectos de segurança em IRM, observando-se uma maior ênfase na segurança ao paciente. Também é analisada a norma IEC (Medical electrical equipment - Particular requirements for the safety of magnetic resonance equipment for medical diagnosis) que é uma norma particular e complementa as seguintes normas gerais: IEC :1988, Medical electrical equipment Part 1: General requirements for safety and its amendments 1 (1991) and 2 (1995);

4 4 IEC :2000, Medical electrical equipment Part 1-1: General requirements for safety Collateral Standard: Safety requirements for medical systems, e; IEC :1996, Medical electrical equipment Part 1: General requirement for safety 4. Collateral Standard: Programmable electronic medical systems. Resultados Qualidade de imagem em IRM é uma medida da precisão diagnóstica e aparência de uma imagem. É definida pelo contraste das imagens, a capacidade de detalhar espacialmente a resolução e a relação sinal-ruído. (Woodward) Já Catherine Westbrook e Carolyn Kaut dizem que a qualidade das imagens é determinada pelas quatro principais considerações seguintes: razão sinal-ruído (RSR), razão contraste-ruído (RCR), resolução espacial e, também o tempo de exame. (Westbrook and Kaut) A razão sinal-ruído (RSR) é a razão da amplitude do sinal recebido pela amplitude média do ruído. O ruído é constante para todo paciente e é gerado pela presença do paciente no magneto e pelo ruído elétrico de fundo do sistema. O sinal, todavia, é cumulativo, depende de muitos fatores e pode ser alterado. O sinal aumenta ou diminui em relação ao ruído. Em conseqüência disto, qualquer fator que afete a amplitude do sinal afeta por sua vez a RSR. (Westbrook and Kaut) Para terem-se imagens de qualidade ótima, a RSR deve ser a mais alta possível. Os fatores que afetam a RSR são: a densidade de prótons da área em exame, a homogeneidade do campo, o gap, o volume do voxel, a espessura do corte, TR, TE, o ângulo de inclinação, o número de aquisições ou NEX, o tamanho da matriz, o campo de visão, a largura da faixa de recepção, o tipo de bobina e as técnicas de redução de artefatos. (Westbrook and Kaut, Woodward) A razão contraste-ruído (RCR) é definida como a diferença na RSR entre duas áreas adjacentes e, portanto, é controlada pelos mesmos fatores que afetam a RSR, levando se em conta ainda, a seqüência de pulsos utilizada, tempo de inversão (TI), os tempos de relaxamento dos tecidos, o fluxo, os meios de contraste, e em imagens de escaneamento rápido, o comprimento de trem de ecos (ETL) e o tempo de eco efetivo (ETE). A RCR é provavelmente o fator mais criticamente importante dos que afetam a qualidade de imagem, pois determina diretamente a capacidade dos olhos em distinguir áreas de sinal forte de áreas de sinal fraco. (Westbrook and Kaut, Woodward) A administração de agentes de contraste tem o objetivo de aumentar a RCR entre patologias (intensificadas) e a anatomia normal (não intensificada). Estes agentes de contraste afetam seletivamente os tempos de relaxamento T1 e T2 nesses tecidos. Os agentes de contraste atualmente utilizados são o Gadolínio e o Feridex. (Westbrook and Kaut)

5 5 A resolução espacial é a capacidade de distinguirem-se dois pontos como separados e distintos, sendo controlada pelo tamanho do voxel. O tamanho do voxel é afetado pela espessura dos cortes, CDV e o número de pixels ou matriz. Pequenos voxels levam a uma boa resolução espacial. (Westbrook and Kaut) O gap entre os cortes pode afetar a resolução espacial e, nas técnicas de escaneamento rápido a escolha do comprimento do trem de ecos (ETL) e o espaçamento de trem de ecos (ETS) afetarão a resolução espacial. (Woodward) O tempo de exame é o tempo necessário para completar-se a aquisição de dados e são importantes para a manutenção da qualidade das imagens, já que longos tempos de exame dão ao paciente mais chance de se mover durante a aquisição, degradando a imagem. (Westbrook and Kaut) Neste ponto, observa-se a importância de se conhecer os artefatos e suas técnicas de compensação, para evitar a degradação das imagens. Dentre os artefatos podemos citar o mapeamento de fase incorreto, desvio químico, registro químico incorreto, de zíper, de envoltório, de movimento, etc. Os fenômenos de fluxo são artefatos produzidos por núcleos que se movem durante a aquisição de dados. O movimento de núcleos em fluxo causa o mapeamento incorreto de sinais e leva a artefatos designados como artefatos de movimento de fluxo ou fantasmas de fase. Os principais fenômenos de fluxo são o time of flight, fenômeno do corte de entrada e o defasamento intravoxel. (Westbrook and Kaut) É errônea a suposição de que o tipo e a potência do campo magnético definem integralmente o desempenho de um sistema de IRM. Embora o tipo de magneto e a potência do campo afetem efetivamente o desempenho das máquinas, os outros subsistemas podem contribuir de forma igual ou maior em algumas situações. (Lufkin) Quanto à segurança ao paciente em IRM, examinando-se em separado os diversos componentes do processo de aquisição (campo magnético principal, gradiente de campo e RF) de imagens por IRM, observaram-se alguns efeitos biológicos pouco significativos e reversíveis. (Westbrook and Kaut) Uma das maiores preocupações em segurança ao paciente são com os efeitos das forças exercidas pelo campo magnético dos sistemas de IRM em certos objetos metálicos, principalmente com os implantes biomédicos.(woodward) Existem aparelhos e implantes metálicos que são compatíveis à IRM, exigindo critérios específicos para considerá-los compatíveis, recomendados pela ISMRM (International Society for Magnetic Resonance in Medicine). Estes critérios são a aprovação pelo FDA, a declaração do fabricante e testes anteriores. (Westbrook and Kaut)

6 6 A norma IEC (Medical electrical equipment - Particular requirements for the safety of magnetic resonance equipment for medical diagnosis) dá a devida atenção aos aspectos técnicos do sistema de diagnóstico médico de IRM e o equipamento de IRM, relacionando a segurança dos pacientes examinados por este sistema e o pessoal envolvido na sua operação. Conforme mencionado na norma supracitada, ela suplementa e melhora um conjunto de publicações IEC, que são as seguintes: IEC :1988, Medical electrical equipment Part 1: General requirements for safety and its amendments 1 (1991) and 2 (1995); IEC :2000, Medical electrical equipment Part 1-1: General requirements for safety Collateral Standard: Safety requirements for medical systems, e; IEC :1996, Medical electrical equipment Part 1: General requirement for safety 4. Collateral Standard: Programmable electronic medical systems. Na seção 1, das generalidades é definida a organização da norma, em relação aos textos das cláusulas e subcláusulas da norma geral, a IEC :1988, para que estes textos possam ser substituídos, adicionados, melhorados ou ratificados. Ainda, são colocadas terminologias e definições particulares a IRM. Na cláusula três, das prescrições gerais, dispõe claramente que os aspectos de segurança geral dos sistemas eletromédicos são cobertos pela norma IEC e dispõe ainda que para haver concordância com a IEC necessita-se de identificação dos perigos, avaliação dos seus riscos e uma verificação e validação apropriadas de controle dos riscos. Salienta-se que todos os ensaios deveriam incluir, em suficiente detalhamento para que sejam exatamente repetíveis, um protocolo de ensaios, com todos os dados de entrada e os resultados esperados. Na subcláusula da norma IEC , adiciona-se a informação de que os documentos acompanhantes deveriam fornecer informação suficiente ao usuário para habilitá-lo a cumprir com os regulamentos gerais e prescrições para os limites de exposição apropriada ao operador, funcionários associados com a instalação da IRM e o público em geral. Na subcláusula 6.8.2, das instruções de utilização, o subitem dd) limita o ruído acústico para o paciente num nível abaixo de 99 db(a) e reporta-se às cláusulas 26 e) e 26 g) para que seja feita a medição deste nível de pressão acústico, estabelecendo, ainda, a utilização do protetor auricular para a proteção do paciente, a fim de auxiliar na redução do nível de pressão acústico abaixo de 99 db (A). No subitem ee) desta subcláusula, explana-se sobre a instalação de uma Área de Acesso Controlado em sistemas de IRM, quando a mesma o exigir, recomendando, deste modo, algumas instruções para utilização.

7 7 Ainda nesta subcláusula, o subitem ff), trata da questão do uso e controle dos líquidos e gases criogênicos em magnetos supercondutores, a fim de prevenir acidentes e QUENCH. O QUENCH é um termo da operação do equipamento que significa a transição da condutividade elétrica de uma bobina que está transportando corrente de um estado supercondutor para a condutividade normal, que resulta de uma evaporação rápida de fluído criogênico e decaimento do campo magnético. No subitem pp) desta mesma subcláusula, recomenda-se a necessidade de treinamento para médicos e o operador a fim de garantir a segurança e a efetividade com a operação do equipamento de IRM. A subcláusula 6.8.3, das descrições técnicas, indica em seu subitem aa), a necessidade de definir e instalar permanentemente uma Área de Acesso Controlado ao redor do equipamento de IRM e define que fora desta área a força marginal do campo magnético não deveria exceder a 0,5 mt e o nível de interferência eletromagnética deveria estar de acordo com a norma IEC :2001. A seção 2 e seção 3 da norma geral, IEC :1988, se aplicam integralmente. A seção 4 tem um substituto à cláusula 26, da vibração e ruído, na qual limita o valor do ruído máximo produzido pelo equipamento de IRM e apresenta um método de medição do nível de pressão acústico para verificar a sua concordância com as prescrições. A seção 5 adiciona à cláusula 36, da compatibilidade eletromagnética, o que está disposto na subcláusula 6.8.3, subitem aa), que já foi abordado anteriormente. A seção 6 da norma geral, IEC :1988, aplica-se integralmente. A seção 7 inclui, além de outras, uma subcláusula importante, denominada , na qual determina que um equipamento de IRM compreendido de um magneto supercondutor ou magneto resistivo deveria ser provido de uma Unidade de Interrupção do Campo, para uso em situações de emergência. A seção 8, que versa sobre a exatidão de dados de operação e proteção contra características de saída incorreta, é a que teve mais mudanças e adições. Primeiro, define os modos de operação possíveis dos equipamentos de IRM. Depois, prescreve sobre a proteção contra variações excessivas de campo de baixa freqüência produzido pelo sistema gradiente. Ainda estabelece, na subcláusula , limites para a saída do gradiente, detalhando os limites relacionados à prevenção de estimulação cardíaca e à estimulação dos nervos periféricos. Na subcláusula , da proteção contra a energia de radio freqüência excessiva, estabelece limites para temperatura no corpo do paciente e prescreve que para conseguir estes limites, tem-se que limitar os parâmetros da seqüência de pulso e limitar, também, a energia de radio freqüência através do controle da Taxa de Absorção específica (SAR). A Taxa de Absorção Específica é definida como a energia de radio freqüência específica por unidade de massa de um objeto e sua unidade de medida é em W/kg. Na cláusula da seção 8, são estabelecidos métodos para demonstrar a concordância com as exigências comentadas anteriormente. Tem-se nas

8 8 subcláusulas, método para determinação direta dos limites da saída do gradiente, método para a determinação da saída do gradiente máximo e método para determinação da deposição da energia de rádio freqüência. A seção 9 tem uma adição na subcláusula 52.1, onde prescreve que a segurança do equipamento de IRM deveria ser avaliada, verificando sua concordância com as exigências da cláusula 52 da norma colateral IEC A seção 10, das prescrições para construção, adiciona uma subcláusula para o líquido ou gás criogênico, recomendando que deveria ser fornecido um monitor de nível criogênico para equipamentos de IRM equipados com magneto supercondutor. Há ainda muita informação nos anexos que auxiliam no entendimento das razões para as recomendações prescritas na norma, além de exemplos de sinais de aviso e sinais proibitivos a serem colocados numa instalação de IRM. Discussões e Conclusões Observa-se, depois deste primeiro estudo que é grande o numero de parâmetros que determinam a qualidade das imagens em IRM. O segundo passo neste estudo é confrontarmos esta lista de parâmetros com os limites definidos pela norma IEC para, posteriormente, priorizar e verificar a viabilidade de supervisão e/ou controle que permitam definir protocolos de avaliação técnica da qualidade da imagem e segurança em IRM para os Estabelecimentos Assistenciais de Saúde no Estado de Santa Catarina. Podemos tecer ainda algumas observações com relação à correta interpretação das imagens em IRM dentro de um Centro de Diagnóstico, que pode ajudar na qualidade das imagens. A não existência de uma regra efetiva na IRM e a consideração das condições anteriores para a qualidade das imagens, leva-nos a inferir que podemos otimizar o processo. Manipular a RSR, o contraste de imagem, a resolução espacial e o tempo de exame é efetivamente uma arte e exige algum tempo e experiência. Com este panorama geral observa-se a necessidade de ter um corpo técnico e clínico bem treinado, com pouca e, na melhor das hipóteses, nenhuma mudança ou troca dos seus integrantes. Gerando, deste modo, uma interação da cultura e do conhecimento adquirido por cada um, auxiliando na correta interpretação das imagens. Ainda, providenciar a constante atualização dos membros com as novas técnicas, procedimentos e casos clínicos, além de deixá-los ciente dos procedimentos de segurança para o paciente e da real necessidade na administração de meios de contraste no realçamento de lesões, são formas de se obter a qualidade das imagens. Observa-se claramente que a norma particular analisada tem a legítima preocupação técnica, no intuito de proteger o paciente e os funcionários da

9 9 instalação de IRM, bem como o público em geral, justificando as considerações dispostas até o momento. Em suma, observa-se que além das barreiras técnicas exigidas para dominar o correto diagnóstico por imagens em IRM e segurança, torna-se importante cuidar da gestão organizacional da instalação, incentivando o espírito de equipe. A engenharia clínica, dentro da sua filosofia de gestão da tecnologia médica hospitalar, pode auxiliar neste processo, utilizando as técnicas e ferramentas de gestão organizacional e sistematizando o conhecimento, a fim de auxiliar o trabalho em equipe, dada a grande complexidade desta tecnologia médica hospitalar. Referências Riederer, Stephen J. (2000), Current Technical Development of Magnetic Resonance Imaging, IEEE Enginnering in Medicine and Biology Magazine, Volume 19, Number 5, p Bronzino, Joseph D, The Biomedical Engineering HandBook, Hartford, Connecticut. IEEE Press Bushong, Stewart C., Manual de radiologia para técnicos, Houston, Texas. Mosby/Doyma Libros. Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Departamento de Controle e Avaliação de Sistemas (2001), Assistência de média e alta complexidade no SUS. WoodWard, Peggy (2001), MRI for Technologists, Mill Valley, Califórnia. Editora McGraw-Hill. Westbrook, Catherine, Kaut, Carolyn (2000), Ressonância Magnética Prática. Editora Guanabara Koogan. Lufkin, Robert B. (1999), Manual de Ressonância Magnética. Editora Guanabara Koogan. Haaga, John R., Sartoris, David J., Lanzieri, Charles F., Zerhouni, Elias A., Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética do Corpo Humano, Volume 1, Editora Guanabara Koogan. IEC :2002, Medical electrical equipment - Particular requirements for the safety of magnetic resonance equipment for medical diagnosis.

Imagem por ressonância magnética

Imagem por ressonância magnética Imagem por ressonância Aula 38 Histórico Descoberta das propriedades s nucleares: Isidor Isaac Rabi (prêmio Nobel de Física no ano de 1944) Impulso para vários estudos na área de espectroscopia LPV 5731

Leia mais

Ressonância Magnética. Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais

Ressonância Magnética. Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais Ressonância Magnética Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais Histórico 1873 Maxwell, com sua teoria para campos elétricos e magnéticos. Lorentz com a Teoria do Elétron. 1887 Hertz Radiofrequência 1924 Pauli

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P Método de diagnóstico

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE PULSO. Spin-eco (SE); Inversion-recovery (IR); Gradiente-eco (GRE); Imagens eco - planares (EPI).

SEQÜÊNCIA DE PULSO. Spin-eco (SE); Inversion-recovery (IR); Gradiente-eco (GRE); Imagens eco - planares (EPI). SEQÜÊNCIA DE PULSO Spin-eco (SE); Inversion-recovery (IR); Gradiente-eco (GRE); Imagens eco - planares (EPI). VANTAGENS DAS SEQÜÊNCIAS MAIS RÁPIDAS Maior conforto para o paciente; Imagens de órgãos em

Leia mais

DICAS DE APLICAÇÃO. Segurança

DICAS DE APLICAÇÃO. Segurança DICAS DE APLICAÇÃO Segurança A ressonância magnética evoluiu muito nos últimos anos e por isso tem sido cada vez mais utilizada como método diagnóstico de escolha por diversas especialidades médicas, portanto

Leia mais

IRM na Esclerose Múltipla

IRM na Esclerose Múltipla IRM na Esclerose Múltipla Índice Autor: Dr. David Araújo Neurorradiologista do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo e do Instituto de Diagnóstico por Imagem da Santa Casa

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA II , PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA II PROFESSOR: Luiz Cláudio de Souza 1. EMENTA: A disciplina desenvolve as bases operacionais e técnicas referentes aos diferentes métodos

Leia mais

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA I CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA e Apresentação O Brasil tem hoje duas vezes mais telefones celulares do que fixos. Essa preferência do consumidor pela telefonia móvel tem boas razões: o preço dos aparelhos,

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Eventos Adversos Queixas Técnicas - NUVIG Unidade de Tecnovigilância UTVIG e-mail: tecnovigilancia@anvisa.gov.

Núcleo de Vigilância em Eventos Adversos Queixas Técnicas - NUVIG Unidade de Tecnovigilância UTVIG e-mail: tecnovigilancia@anvisa.gov. Núcleo de Vigilância em Eventos Adversos Queixas Técnicas - NUVIG Unidade de Tecnovigilância UTVIG e-mail: tecnovigilancia@anvisa.gov.br Laboratórios credenciados pelo Instituto Nacional de Metrologia

Leia mais

Raio X e Tomografia Computadorizada

Raio X e Tomografia Computadorizada Raio X e Tomografia Computadorizada Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Aluno: Diego Cordeiro Barboza Professora: Aura Conci 04/2010 Sumário Introdução Descoberta Geração Imagens com Raio X Tomografia

Leia mais

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA ABERTURA 70 CM + TIM SUPER ALTO CAMPO - ALTA RESOLUÇÃO MAIOR VELOCIDADE - MAIOR COMODIDADE PREZADO COLEGA Com grande

Leia mais

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES.Nº 72/98 REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93,

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NUCLEAR Constituintes do átomo: electrões e núcleo. Constituintes do núcleo (nucleões): protões e neutrões. Características químicas electrões ; Características físicas núcleo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOFÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOFÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOFÍSICA TÉCNICA DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS : RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR PROF. DR. EDUARDO DIAZ RIOS Porto Alegre,

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica -

Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Estado da Arte e Segurança dos Serviços de Radiodiagnóstico no Brasil - Visão da Física Médica - Fís. Adriano Oliveira dos Santos Goulart Especialista em Administração Hospitalar e Negócios em Saúde Especialista

Leia mais

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM

SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM SUPERVISÃO DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Iº CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MAMOGRAFIA LIFE IMAGEM Direção: Dr. Carlos Alberto Martins de Souza Coordenação: Fis. Antonio Pires Filho Supervisão: Drª Leolinda Maria E.

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro Realização de exame de ressonância magnética Cons. Aldemir Humberto Soares

PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro Realização de exame de ressonância magnética Cons. Aldemir Humberto Soares PARECER CFM nº 14/15 INTERESSADO: Sr. Newton de Souza Carneiro ASSUNTO: Realização de exame de ressonância magnética RELATOR: Cons. Aldemir Humberto Soares EMENTA: A responsabilidade de serviços com ressonância

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Instalação de Antenas da Telefonia Celular

Instalação de Antenas da Telefonia Celular Instalação de Antenas da Telefonia Celular Gláucio Lima Siqueira Professor, PhD CETUC / PUC-Rio AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS BRASILIA DF - 13/11/2013 Ondas Eletromagnéticas Tranporte de energia

Leia mais

Imagens de Ressonância Magnética

Imagens de Ressonância Magnética Imagens de Ressonância Magnética Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.edu.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Ressonância Magnética: Princípios físicos Definições e histórico Fundamentos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Visite o nosso site de Radiologia: www.playmagem.com.br

1. INTRODUÇÃO. Visite o nosso site de Radiologia: www.playmagem.com.br 1 1. INTRODUÇÃO Após a descoberta dos raios-x, em 8 de novembro de 1895, pelo professor de física teórica, doutor Wilhem Conrad Röentgen, e sua aplicação na medicina, vários outros métodos de diagnósticos

Leia mais

Engenharia Biomédica e Física Médica

Engenharia Biomédica e Física Médica Engenharia Biomédica e Física Médica 2010-2011 Teste 1 Importante: - Indique todos os cálculos e aproximações que efectuar. - Quando achar necessário arbitrar valores ou parâmetros (p.ex. diâmetro de um

Leia mais

Projeto Humanizado. Tecnologia Prática.

Projeto Humanizado. Tecnologia Prática. GE Healthcare Projeto Humanizado. Tecnologia Prática. Brivo MR355 1.5T Inspire O design elegante e a luz acolhedora são intrigantes Gerente de Produto Brivo MR355 Inspire Cada detalhe do equipamento representa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 11, inciso IV, do Regulamento da Anvisa,

Leia mais

Ressonância magnética: princípios de formação da imagem e aplicações em imagem funcional

Ressonância magnética: princípios de formação da imagem e aplicações em imagem funcional Artigo de Revisão Ressonância magnética: princípios de formação da imagem e aplicações em imagem funcional Magnetic resonance: principles of image formation and applications in funcional imaging Alessandro

Leia mais

Orientações para Imagiologia por Ressonância Magnética (MRI) de 1,5 T e 3 T com o Sistema Senza

Orientações para Imagiologia por Ressonância Magnética (MRI) de 1,5 T e 3 T com o Sistema Senza Orientações para Imagiologia por Ressonância Magnética (MRI) de 1,5 T e 3 T com o Sistema Senza Página 1 NEVRO CORP. Todas as questões ou dúvidas relacionadas com os produtos Nevro devem ser enviadas para:

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são

Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são Há momentos na vida em que os segundos parecem horas, principalmente quando o assunto é saúde. Por isso seriedade, qualidade e agilidade são fundamentais no processo de um laboratório, levando até cada

Leia mais

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 RESOLUÇÃO - RDC Nº 56, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Estabelece os requisitos essenciais de segurança e eficácia aplicáveis aos produtos para saúde, referidos no

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância. Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução

Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância. Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução A Ressonância Magnética é um dos métodos de imagem mais completos disponíveis.

Leia mais

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em

Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Tainá Olivieri Física Médica - UFRJ Supervisora de Proteção Radiológica em Medicina Nuclear CNEN Especialista em Radiodiagnóstico - ABFM Mestre em Radioproteção em Dosimetria IRD/CNEN Quem é o (sico médico?

Leia mais

Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens

Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens Ensaios em equipamentos de diagnóstico por imagens Márcio Bottaro Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Laboratório de Desempenho e Segurança de Equipamentos e Materiais Elétricos Equipamentos envolvidos:

Leia mais

ULTRA SOM - HISTÓRIA

ULTRA SOM - HISTÓRIA ULTRA SOM Usa ondas de som para interagir com tecidos Mostra características específicas de tecidos Ondas mecânicas e longitudinais que viajam através da matéria Em ondas longitudinais, o movimento do

Leia mais

APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE

APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NA AVALIAÇÃO DE OSTEOPOROSE IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR APLICAÇÕES DE RESSONÂNCIA

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013

Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Resolução CFBM Nº 234 DE 05/12/2013 Publicado no DO em 19 dez 2013 Dispõe sobre as atribuições do biomédico habilitado na área de imagenologia, radiologia, biofísica, instrumentação médica que compõe o

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA UNG

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA UNG RESSONÂNCIA MAGNÉTICA UNG SEGURANÇA EM RM A grande preocupação no caso de campos magnéticos estáticos é a possibilidade de efeitos biológicos potenciais; Na natureza, o campo magnético associado à Terra

Leia mais

Guia de iniciação rápida do Router CJB25R0PMAJA

Guia de iniciação rápida do Router CJB25R0PMAJA Guia de iniciação rápida do Router 1 CJB25R0PMAJA Segurança e utilização... 3 1. Descrição geral... 4 1.1 Conteúdo da embalagem... 4 1.2 Aplicação... 5 1.3 Apresentação geral do dispositivo... 6 1.4 Ligar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA

AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS DE CHUMBO PARAUSO EM SERVIÇOS DE RADIOLOGIA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR AVALIAÇÃO DA ATENUAÇÃO DE AVENTAIS PLUMBÍFEROS COM DIFERENTES EQUIVALÊNCIAS

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO MAGLAB - LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO E COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO MAGLAB - LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO E COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 13 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO MAGLAB - LABORATÓRIO DE ELETROMAGNETISMO E COMPATIBILIDADE

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Introdução. Princípios básicos da TAC. .Tomografia deriva da palavra grega Tomos, .Computorizada o processamento. .Designação de TAC/TC.

Introdução. Princípios básicos da TAC. .Tomografia deriva da palavra grega Tomos, .Computorizada o processamento. .Designação de TAC/TC. Princípios básicos da TAC III Encontro de Formação Contínua OMV XIII Congresso de Medicina Veterinária em Língua Portuguesa 17 e 18 de Novembro, 2012 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Mário Ginja DVM, PhD

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica

Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Faculdade de Tecnologia Saint Pastous Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Médica Parecer de Aprovação MEC n 3.607, de 3 de dezembro de 2003 -D.O.U 4/12/2003 Diretora da Faculdade: Profª Vera Lucia

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética A blindagem de ressonância magnética é um componente fundamental para o bom funcionamento do complexo sistema de ressonância magnética (MRI).

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

SISTEMA CIRÚRGICO ELETRO-TÉRMICO VULCAN EAS

SISTEMA CIRÚRGICO ELETRO-TÉRMICO VULCAN EAS SISTEMA CIRÚRGICO ELETRO-TÉRMICO VULCAN EAS Bisturi Elétrico Explicação de Símbolos Internacionais e Símbolos Utilizados Eletrodo Neutro (aterramento) Pedal Isolamento de Paciente / parte aplicada tipo

Leia mais

O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis

O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis O sistema Tube and Grid Alignment da CARESTREAM fornece melhor qualidade de imagem e técnicas consistentes para radiografia de diagnósticos portáteis As grades anti-dispersão aprimoram qualidade da imagem

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X

A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X A EVOLUÇÃO DOS APARELHOS DE RAIOS-X JEFERSON MIGUEL LEITE CASTILHO Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS CAMILA ALVES REZENDE LOPRETO Docente Esp.

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares. Eng. Ricardo Maranhão

Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares. Eng. Ricardo Maranhão Gestão de Equipamentos Médico-Hospitalares Eng. Ricardo Maranhão Introdução Qualidade A qualidade nos serviços de saúde, segundo a OMS, é definida como: um alto nível de excelência profissional; uso eficiente

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital. Unidade de Aprendizagem Radiológica. Professor Paulo Christakis Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital Professor Paulo Christakis 1 Em sistemas digitais de imagens médicas, as mudanças não se apresentam somente no

Leia mais

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware

ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware ATIVIDADES PARA A INCORPORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES Ênfase em software/firmware firmware Saide Jorge Calil Centro de Engenhara Biomédica Departamento de Engenharia Biomédica Faculdade de

Leia mais

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana

Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Celular e Saúde: Os efeitos das ondas eletromagnéticas na saúde humana Com o crescimento dos usuários de telefones celulares, é natural que surjam dúvidas sobre saúde e segurança no uso diário de tais

Leia mais

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade?

EMENTA PROGRAMA DETALHADO. O que são Técnicas de Inspeção e Controle de Qualidade? CURSO: ENGENHEIRO DE CAMPO - CONSTRUÇÃO E MONTAGEM DISCIPLINA: TÉCNICAS DE INSPEÇÃO E CONTROLE DA QUALIDADE CARGA HORÁRIA TOTAL: 30 horas TEÓRICAS: 22 PRÁTICAS: _08 EMENTA Introdução. O que são as técnicas

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

INTRODUÇÃO Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) TEÓRICA

INTRODUÇÃO Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) TEÓRICA INTRODUÇÃO Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) TEÓRICA A Radiologia tem como objetivo principal auxiliar o médico a estabelecer o diagnóstico, de forma precisa e rápida, utilizando imagens. Até

Leia mais

PARECER CREMEC nº 25/2009 19/09/2009

PARECER CREMEC nº 25/2009 19/09/2009 PARECER CREMEC nº 25/2009 19/09/2009 ASSUNTO: Riscos à saúde pública trazidos pelas emissões radioativas causadas por antena-base-de-celular Protocolo: 2126/09 SOLICITANTE: Promotoria de Justiça de Defesa

Leia mais

CENAP- CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM RAFAEL CIPRIANO DA SILVA

CENAP- CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM RAFAEL CIPRIANO DA SILVA CENAP- CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM RAFAEL CIPRIANO DA SILVA RADIOPROTEÇÃO EPI`s: AVENTAL PUMBLÍFERO E PROTETOR DE TIREÓIDE CASCAVEL-PR RAFAEL CIPRIANO

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você

Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você Esta cartilha responde a questões comuns sobre a emissão das ondas eletromagnéticas e sua relação com a saúde humana. Após sua leitura, você conhecerá mais sobre a regulamentação que trata da exposição

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa código 7608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 8º Disciplina: Físico-Química Conteúdos. Reações Químicas..Tipos de reações Investigando algumas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Definições de Sinais e Sistemas

Definições de Sinais e Sistemas Definições de Sinais e Sistemas O que é um Sinal? O que é um Sistema? Visão Geral de Sistemas Específicos Processamento de Sinais Analógicos Versus Digitais Definições de Sinais e Sistemas 1 O que é um

Leia mais

Ecocardiografia Intracardíaca

Ecocardiografia Intracardíaca Universidade do Minho Engenharia Biomédica Ramo de Electrónica Médica Projecto (4º ano / 2º semestre) Docente: Paulo Mateus Mendes Débora Ferreira nº 39234 Gualtar, 14 Julho de 2006 Plano da apresentação

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA

LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA LOCALIZADORES AVANÇADOS DE CABOS E CONDUTAS SUBTERRADAS SISTEMA ULTRA A complexidade de serviços subterrados, tais como cabos elétricas, condutas de água, cabos de telecomunicações, etc. aumenta cada vez

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

Técnicas avançadas para o estudo do cérebro: EEG, NIRS e fmri 20/02/2014 Gabriela Castellano

Técnicas avançadas para o estudo do cérebro: EEG, NIRS e fmri 20/02/2014 Gabriela Castellano Técnicas avançadas para o estudo do cérebro: EEG, NIRS e fmri 20/02/2014 Gabriela Castellano 1 Contexto IFGW HC UNICAMP 2 Conteúdo Cérebro Técnicas para a medida da dinâmica cerebral Eletroencefalografia

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Introdução. Física da RMN. Princípios Físicos da Ressonância Magnética. Alessandro A. Mazzola 1,2

Introdução. Física da RMN. Princípios Físicos da Ressonância Magnética. Alessandro A. Mazzola 1,2 Princípios Físicos da Ressonância Magnética Alessandro A. Mazzola 1,2 Introdução A Ressonância Magnética (RM) é hoje um método de diagnóstico por imagem, estabelecido na prática clínica, e em crescente

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações

CR 30-X. Digitalizador. Alta qualidade de imagens. Digitalizador de mesa. Ampla gama de aplicações Janeiro 2007 Digitalizador CR 30-X CR 30-X Digitalizador Alta qualidade de imagens Ampla gama de aplicações O CR 30-X é um digitalizador altamente versátil. Ele oferece uma solução ideal para qualquer

Leia mais

Ressonância magnética de alto campo ao seu alcance

Ressonância magnética de alto campo ao seu alcance GE Healthcare Apresentamos o Brivo* MR355 1.5T Ressonância magnética de alto campo ao seu alcance *marca reivindicada pela General Eletric Company Se a tecnologia de ressonância magnética de 1,5T não era

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista. Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista

I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista. Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista I Workshop Nacional sobre Proteção Radiológica em Cardiologia Intervencionista Papéis do Físico e do Tecnólogo na Cardiologia Intervencionista Físico Alexandre Bacelar Histórico Os primeiros dados a respeito

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM

TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM TÉCNICAS AVANÇADAS EM NEURO RM FABIANO LADISLAU Técnico em Radiologia Grad. Tecnólogo em Radiologia Esp. RD, TC, RM e Neurorradiologia Membro da SBPR e ISRRT Diretor Adm do Clube Tecnológico da Imagem

Leia mais

5 Utilização de grafeno em domínio óptico

5 Utilização de grafeno em domínio óptico 84 5 Utilização de grafeno em domínio óptico 5.1 Introdução O presente capítulo descreve como o grafeno interage com o meio optico e destaca os procedimentos realizados para a introdução de grafeno em

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA

VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA VISUALIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DE EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA MAMA Gabriel Jara

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais